ÁREA TEMÁTICA: FINANÇAS E ECONOMIA DO SETOR PÚBLICO O ANATOCISMO NOS SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO: TABELA PRICE E TABELA SAC

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ÁREA TEMÁTICA: FINANÇAS E ECONOMIA DO SETOR PÚBLICO O ANATOCISMO NOS SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO: TABELA PRICE E TABELA SAC"

Transcrição

1 ÁREA TEMÁTICA: FINANÇAS E ECONOMIA DO SETOR PÚBLICO O ANATOCISMO NOS SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO: TABELA PRICE E TABELA SAC Autor: Lisandro Fin Nishi Instituição: UDESC RESUMO O Decreto n de 1933, conhecido como Lei da Usura, em seu art. 4º diz: É proibido contar juros dos juros: esta proibição não compreende a acumulação de juros vencidos aos saldos líquidos em conta corrente de ano a ano. O texto visou proteger a sociedade do efeito exponencial dos juros compostos, também conhecido como juros sobre juros e muitas vezes chamado de anatocismo, apesar dos diversos entendimentos em relação ao conceito deste último. Muito embora seja datado de 1933, o referido Decreto ainda produz efeitos, posto não ter sido revogado. A fim de consolidar a questão, o Supremo Tribunal Federal editou a Súmula n 121, a saber: É vedada a capitalização de juros, ainda que expressamente convencionada. Muito evocada, a Súmula 121 complementa o Decreto supracitado, e veio com o intuito de reduzir a assimetria de forças entre os credores e tomadores de crédito, no momento da assinatura dos contratos. Porém, é prática bancária, em financiamentos e empréstimos, usar a Tabela Price ou o Sistema de Amortização Constante (SAC). A realidade é que existe muita celeuma em torno da existência ou não da capitalização de juros na Tabela Price, sendo as conclusões divergentes, mesmo entre especialistas no assunto. Esse artigo visa mostrar que tanto a Tabela Price como a SAC capitalizam juros, impondo sobre os tomadores de crédito o peso de sua evolução exponencial, ainda que a prestação, no caso da Tabela SAC seja decrescente, por vezes levando à conclusão equivocada de que não há capitalização de juros nesse sistema. Palavras chave: Tabela Price; Tabela SAC; Anatocismo.

2 1. INTRODUÇÃO Vários são os sistemas de amortização de empréstimos e financiamentos. Inicialmente, iremos dividir os sistemas em dois grupos: sistemas a juros simples e sistemas a juros compostos. A prática no Brasil tem sido usar o segundo grupo (sistemas a juros compostos), visto que a cobrança de juros sobre juros (anatocismo) beneficia o credor, pois em seu cálculo os juros incorporam-se à dívida inicial, levando a dívida a um crescimento exponencial. Por esse motivo, o Decreto n de 1933, conhecido como Lei da Usura, em seu art. 4º diz: É proibido contar juros dos juros: esta proibição não compreende a acumulação de juros vencidos aos saldos líquidos em conta corrente de ano a ano, e o Supremo Tribunal Federal foi além, ao editar a Súmula n 121, a qual diz: É vedada a capitalização de juros, ainda que expressamente convencionada. Apesar do disposto, a prática no Brasil, em se tratando de empréstimos e financiamentos, tem sido basicamente o uso das Tabelas Price e SAC, valendo-se da polêmica que envolve a existência (ou não) de juros compostos em ambas. Figueiredo (2011) acerca do assunto diz: Parece-nos que a questão, além de ser polêmica é grave, haja vista que se caracterizada a cobrança de juros compostos, os prejuízos impostos ao longo dos anos aos milhares de consumidores serão gritantes. O fato é que o tomador de crédito, dada sua necessidade, não tem condições para negociar nos contratos, assinando o que se chama contrato de adesão. Esse tipo de contrato é pré aprovado pelo credor, bastando ao tomador de crédito aceitá-lo ou não, situação típica de uma assimetria de forças de mercado, acatando, conscientemente ou não, a cobrança de juros compostos nos sistemas de financiamento e empréstimo bancário. A seguir exploraremos os conceitos e cálculo de juros simples e juros compostos, bem como destes dois sistemas de amortização, para após provar matematicamente que incidem juros sobre juros em ambos os sistemas de amortização. Nesse trabalho são sinônimos: juros sobre juros, juros compostos, juros capitalizados e anatocismo.

3 2. JUROS SIMPLES E JUROS COMPOSTOS O juro é uma compensação em dinheiro pelo uso de um capital, por determinado tempo, a uma taxa combinada (GUERRA, 2001, p.41). Dependendo do ponto de vista, tem implicações distintas; para o investidor é sua remuneração, e para um tomador de crédito é o custo do capital emprestado. Segundo John Maynard Keynes em sua famosa obra A Teoria Geral do Emprego, do Juro e da Moeda (1996), publicada pela primeira vez em 1936, é o prêmio pela renúncia à liquidez, ou seja, uma compensação por não se fazer uso do dinheiro no presente. Essa renúncia faz sentido, sendo um comportamento racional, somente se o custo de abdicar de um consumo presente for inferior ao benefício esperado no futuro. Esse benefício é adquirido com o recebimento dos juros. Logo, quanto maior a taxa de juros, maior é o incentivo à poupança, e menor é o incentivo ao consumo. Figura 1: Curva de demanda por moeda Como podemos visualizar na figura 1, a demanda por moeda (ou dinheiro) segundo Blanchard (2007, p.62) é função da taxa de juros, sendo negativamente relacionada à ela.

4 Ora, a taxa de juros afeta a demanda de moeda, pois em última instância, o que de fato o tomador de crédito percebe, é o quanto de sua renda que será alocada para o pagamento dos juros. Porém, na prática, é importante saber se estamos tratando de juros simples ou juros compostos, pois o resultado, para uma mesma taxa de juros, pode ser absurdamente diferente em cada caso. A comprovação desse fato será feita após o entendimento da diferença entre juros simples e compostos, a seguir JUROS SIMPLES Para Branco (2010, p.17), podemos entender os juros simples como o sistema de capitalização linear. Dito de outra forma, a taxa de juros incide somente sobre o valor da dívida contratada, ou seja, sobre o principal da dívida. Sua fórmula é: J n = C x i x n (1) Onde: J = juros C = Capital i = taxa de juros n = período O montante a ser pago, no futuro, pela contratação de um crédito é calculado pela fórmula a seguir, denotando o montante pela letra M :

5 M = C + J (2) Substituindo (1) em (2), temos: M n = C x (1 + i x n) (3) que é a fórmula para cálculo do montante a juros simples. Exemplificando, um crédito de R$ ,00, à taxa de juros simples de 10% ao período, durante 5 períodos gera R$ 1.000,00 de juros a pagar no primeiro período, R$ 2.000,00 no segundo, e assim sucessivamente, conforme os cálculos a seguir. J 1 = x 0,1 x 1 = R$ 1.000,00 J 2 = x 0,1 x 2 = R$ 2.000,00 J 3 = x 0,1 x 3 = R$ 3.000,00 J 4 = x 0,1 x 4 = R$ 4.000,00 J 5 = x 0,1 x 5 = R$ 5.000,00 Perceba que os juros crescem linearmente, característica essa da fórmula de cálculo de juros simples. Veremos agora os juros compostos JUROS COMPOSTOS Branco (2010, p.29) diz que podemos entender os juros compostos como o que popularmente chamamos de juros sobre juros. Em seu cálculo, os juros produzidos no final de um período são incorporados à dívida inicialmente contratada, ou seja, ao principal da dívida, passando a taxa de juros a incidir sobre o montante formado pela soma do capital inicial com os juros, período após período. Guerra (2001, p.52) lembra que nesse modelo

6 matemático os juros variam exponencialmente com o tempo. É justamente essa característica dos juros compostos que é perniciosa ao tomador de crédito, na medida em que a dívida cresce exponencialmente, conforme veremos no exemplo a seguir. Fórmula dos juros compostos: J n = C x [(1 + i) n 1] (4) Considerando os mesmos dados do exemplo anterior, a evolução dos juros nos cinco períodos fica da seguinte forma: J 1 = x [(1 + 0,1) 1-1] = R$ 1.000,00 J 2 = x [(1 + 0,1) 2-1] = R$ 2.100,00 J 3 = x [(1 + 0,1) 3-1] = R$ 3.310,00 J 4 = x [(1 + 0,1) 4-1] = R$ 4.641,00 J 5 = x [(1 + 0,1) 5-1] = R$ 6.105,10 Na tabela a seguir pode-se visualizar a evolução dos juros em ambas as fórmulas de cálculo. Perceba que fazendo n = 10 períodos a diferença já fica bastante visível, e para n=100 já se percebe o caráter exponencial dos juros compostos.

7 PERÍODOS JUROS SIMPLES JUROS COMPOSTOS n = , ,00 n = , ,00 n = , ,00 n = , ,00 n = , ,10 n = , ,42 n = , ,40 Tabela 1: Comparação: juros simples e juros compostos O montante, a juros compostos, é calculado somando-se o capital inicial com o valor dos juros, podendo ser resumido pela fórmula geral: M n = C x (1+i) n (5) Passaremos agora a explicar os dois sistemas de amortização de empréstimos e financiamentos que são objeto de estudo deste trabalho: Tabela Price e Tabela SAC. 3. SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS E FINANCIAMENTOS TABELA PRICE Figueiredo (2011, p.13) lembra que Richard Price publicou em 1771 a obra Observations on reversionary payments, a pedido da seguradora inglesa Equitable Society, a

8 fim de se estabelecer um método confiável para pagamentos de seguros de vida e aposentadorias. Para Branco (2010, p.176), trata-se de um caso particular do Sistema Francês de Amortização, diferindo por apresentar taxas nominais, e período de capitalização dos juros menor do que o da taxa (geralmente mensal) Logo, a taxa efetiva de juros é superior à taxa nominal, devido à capitalização dos juros. Para calcular o valor da prestação (PMT), usa-se a fórmula: PMT = C x { [ (1+i) n x i ] / [ (1+i) n -1] } (6) Na figura a seguir podemos visualizar a evolução das prestações nesse sistema de amortização, de forma a clarear o entendimento do cálculo. Parcela de Juros Parcela de Amortização Prestação constante Parcela 1 Última parcela Figura 2: Evolução da Tabela Price A Tabela Price se caracteriza por apresentar juros decrescentes e amortização crescente, de forma que o valor da prestação, que é a soma da parcela de amortização e de juros seja

9 constante. Para exemplificar, a seguir tem-se uma Tabela Price construída a partir de um capital inicial de R$ ,00 e taxa de juros de 10% ao ano para ser pago em cinco anos. O valor da prestação é: PMT = x { [ (1+0,1) 5 x 0,1 ] / [ (1+0,1) 5-1] } = R$ ,75 Na tabela a seguir visualiza-se o valor das prestações, da parcela de juros, da parcela de amortização e a evolução do saldo devedor em cada período. ANO SALDO DEVEDOR AMORTIZAÇÃO JUROS PRESTAÇÃO , , , , , , , , , , , , , , , , ,75 5 0, , , ,75 Tabela 2: Tabela Price Os juros são sempre calculados sobre o saldo devedor, logo os juros a serem pagos no primeiro ano correspondem à taxa de juros (10%) aplicada sobre o valor do capital tomado emprestado (R$ ,00), totalizando R$ ,00; no segundo período 10% de R$ ,25 = R$ 8362,00, e assim sucessivamente. Dessa forma o valor da amortização é calculada por uma simples conta de diferença, a saber: valor da prestação menos juros pagos no período. O que mostraremos nesse momento, é que a Tabela Price capitaliza os juros, a partir da prova realizada pela aplicação da fórmula de juros compostos, a seguir.

10 O capital de R$ ,00, a juros compostos de 10% ao ano, será equivalente ao valor de R$ ,00 no final do período (considerando os cinco anos do exemplo). Vejamos o cálculo algébrico. M 5 = x (1+0,1) 5 = R$ 161,051,00 Porém, a Tabela Price apresenta prestações. Ora, se tomarmos o valor de cada prestação, e calcularmos o valor futuro de cada uma delas, para o final do quinto ano, resulta no total os mesmos R$ ,00, conforme a tabela a seguir, comprovando a existência de juros compostos na Tabela Price. ANO Tabela 3: Prova da existência de juros compostos na Tabela SAC método do valor futuro PRESTAÇÃO VALOR FUTURO , ,59 = ,55 x (1+0,1) , ,45 = ,55 x (1+0,1) , ,50 = ,55 x (1+0,1) , ,73 = ,55 x (1+0,1) , ,75 = ,55 x (1+0,1) 0 TOTAL ,00 Consiste em prova equivalente calcular o valor presente das parcelas, descapitalizandoas, à taxa de juros compostos de 10% ao ano, resultando no valor inicial da dívida (R$ ,00). Para tal usa-se a fórmula do valor presente, considerando juros compostos: VP = VF / (1+i) n (7)

11 Onde: VP = Valor Presente VF = Valor Futuro ANO PRESTAÇÃO VALOR PRESENTE , ,59 = ,75 / (1+0,1) , ,45 = ,75 / (1+0,1) , ,50 = ,75 / (1+0,1) , ,72 = ,75 / (1+0,1) , ,75 = ,75 / (1+0,1) 5 TOTAL ,00 Tabela 4: Prova da existência de juros compostos na Tabela Price método do valor presente É importante observar que o valor presente das prestações foi calculado com base na fórmula do valor presente a juros compostos (fórmula 7). Passaremos agora à explicação da construção da Tabela SAC TABELA SAC Segundo Guerra (2001, p.169), esse sistema também é chamado de Sistema Hamburguês, e completa:

12 No Sistema de Amortização Constante, (SAC), as parcelas de amortização são sempre iguais (ou constantes). O valor da amortização é calculado através da divisão do capital emprestado pelo número de amortizações. Os juros são calculados, a cada período, multiplicando-se a taxa de juros contratada pelo saldo devedor existente sobre o período anterior, assumindo valores decrescentes nos períodos. (GUERRA, 2001, p. 169) Dessa forma, como as prestações compõem-se da soma da parcela de amortização (que é constante) com a parcela de juros (que é decrescente), a prestação é variável e decrescente. A figura a seguir ajuda a entender tal sistema. Parcela de Juros Parcela de Amortização Prestação decrescente Parcela 1 Última parcela Figura 3: Evolução da Tabela SAC Veremos a construção de uma Tabela SAC a seguir, com os mesmos dados usados na construção da Tabela Price. Inicialmente, calcula-se o valor da amortização dividindo o principal da dívida (R$ ,00) pelo prazo de 5 anos, resultando em R$ ,00. Os juros são calculados sobre o saldo devedor, logo no primeiro ano temos 10% de R$ ,00; no segundo ano 10% de R$ ,00, e assim sucessivamente. A parcela de juros referente ao primeiro ano é a taxa de juros (10%) aplicada sobre o saldo devedor, ou seja, 10% de R$ ,00 = R$ ,00; no segundo ano 10% de R$ ,00 = R$ 8000,00, e assim sucessivamente. A prestação é a soma da parcela de amortização com a parcela de juros.

13 ANO SALDO DEVEDOR AMORTIZAÇÃO JUROS PRESTAÇÃO , , , , , , , , , , , ,00 5 0, , ,00 Tabela 5: Tabela SAC Lançando mão do mesmo critério de prova, faremos agora o cálculo para a Tabela SAC, com os mesmos dados: capital inicial de R$ ,00; taxa de juros de 10% ao ano e prazo de cinco anos. ANO PRESTAÇÃO VALOR FUTURO , ,00 = ,00 x (1+0,1) , ,00 = ,00 x (1+0,1) , ,00 = ,00 x (1+0,1) , ,00 = ,00 x (1+0,1) , ,00 = ,00 x (1+0,1) 0 TOTAL ,00 Tabela 6: Prova da existência de juros compostos na Tabela SAC método do valor futuro Percebe-se que a soma do valor futuro das prestações é exatamente a mesma que o visto no caso da Tabela Price, ou seja, R$ ,00, comprovando a existência de juros compostos na construção da Tabela SAC. Aliás, para que se tenha o valor da dívida inicial (R$ ,00), a partir das prestações, isso só é possível descapitalizando as prestações a juros compostos, conforme a tabela a seguir.

14 ANO PRESTAÇÃO VALOR PRESENTE , ,73 = ,00 / (1+0,1) , ,50 = ,00 / (1+0,1) , ,18 = ,00 / (1+0,1) , ,32 = ,00 / (1+0,1) , ,27 = ,00 / (1+0,1) 5 TOTAL ,00 Tabela 7: Prova da existência de juros compostos na Tabela SAC método do valor presente Novamente, lembramos que o valor presente das prestações foi calculado com base na fórmula do valor presente a juros compostos (fórmula 7). A partir do uso de um método alternativo, podemos calcular o montante de um capital de R$ ,00 aplicados a 10% ao ano, a juros simples durante 5 anos, e comparar com os resultados obtidos a partir do método do valor futuro a juros compostos. Pela fórmula de juros simples temos: M 5 = R$ x (1 + 0,1 x 5) = R$ ,00, cerca de R$ ,00 a menos do que o resultado a juros compostos (R$ ,00) obtidos tanto para a Tabela Price como para a Tabela SAC. Se não houvesse a incidência de juros sobre juros na Tabela SAC, não haveria equivalência de seu montante em relação ao resultado obtido com a tabela Price. Em ambos os sistemas de amortização aqui apresentados (Tabela Price e Tabela SAC), a parcela de juros é decrescente, sendo exatamente a taxa de juros aplicada sobre o saldo devedor. Não constitui prova de que a Tabela SAC não capitaliza juros o fato de a parcela ser decrescente, pois isso só ocorre devido à parcela de amortização constante, diferentemente da Tabela Price, em que a parcela de amortização é crescente, sendo menor no início em comparação à Tabela SAC.

15 CONCLUSÃO Desde 1933, com a publicação do Decreto n de 1933, e posteriormente com a edição da Súmula 121 do STF, a Justiça brasileira condena a incidência de juros sobre juros, de forma a proteger a população dos efeitos da evolução exponencial dos juros nos contratos de financiamento e empréstimos bancários. Provou-se nesse trabalho que a Tabela SAC apresenta os mesmos resultados da Tabela Price, tratando-se de sistemas equivalentes sob a ótica da matemática financeira, comprovando que tanto nas prestações da Tabela Price como nas prestações da Tabela SAC ocorre a incidência de juros compostos. BIBLIOGRAFIA BLANCHARD, Olivier. Macroeconomia. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2007 BRANCO, Anísio Costa Castelo. Matemática Financeira Aplicada. Método Algébrico, HP 12C, Microsoft Excel. São Paulo: Cengage Learning, 2010 FIGUEIREDO, Alcio Manoel de Sousa. Tabela Price e Capitalização de Juros. Curitiba: Juruá, 2011 GUERRA, Fernando. Matemática Financeira Através da HP12-C. Florianópolis, Editora da UFSC, ed. KEYNES, John Maynard. A Teoria Geral do Emprego do Juro e da Moeda. São Paulo: Abril Cultural, 1996

Matemática Financeira Aplicada. www.adrianoparanaiba.com.br

Matemática Financeira Aplicada. www.adrianoparanaiba.com.br Matemática Financeira Aplicada www.adrianoparanaiba.com.br Conceitos Básicos - Juros Simples - Juros Composto Juros Simples: J = C x i x n M = C + J Juros Compostos M = C x (1 + i) n J = M C Exemplo: Aplicação

Leia mais

Matemática Financeira - Vinícius Werneck, professor do QConcursos.com

Matemática Financeira - Vinícius Werneck, professor do QConcursos.com Matemática Financeira - Vinícius Werneck, professor do QConcursos.com 1- Q236904 - Prova: CESGRANRIO - 2012 - Caixa - Técnico Bancário Disciplina: Matemática Financeira Assuntos: Amortização; Sistema Francês

Leia mais

SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO

SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO CONCEITOS BÁSICOS A amortização é uma operação financeira mediante a qual um empréstimo ou financiamento é pago de maneira progressiva, por meio de prestações, de modo que ao término

Leia mais

Título : B2 Matemática Financeira. Conteúdo :

Título : B2 Matemática Financeira. Conteúdo : Título : B2 Matemática Financeira Conteúdo : A maioria das questões financeiras é construída por algumas fórmulas padrão e estratégias de negócio. Por exemplo, os investimentos tendem a crescer quando

Leia mais

AMORTIZAÇÃO E EMPRÉSTIMOS

AMORTIZAÇÃO E EMPRÉSTIMOS AMORTIZAÇÃO E EMPRÉSTIMOS Conceitos iniciais Antes de iniciarmos os estudos específicos em relação a cada metodologia de amortização, é necessário conceituar alguns termos utilizados pelo mercado: Amortização:

Leia mais

Para acharmos as taxas equivalentes utilizamos a fórmula abaixo: Te = ( n Ö 1+i) 1

Para acharmos as taxas equivalentes utilizamos a fórmula abaixo: Te = ( n Ö 1+i) 1 Para acharmos as taxas equivalentes utilizamos a fórmula abaixo: Te = ( n Ö 1+i) 1 Onde: Te = Taxa equivalente de determinado período n = número do período i = percentual de juros do período em que você

Leia mais

Perícia Contábil. Prof. Guilherme Luiz Bertoni Pontes 17/5/2013. UNISEB Centro Universitário

Perícia Contábil. Prof. Guilherme Luiz Bertoni Pontes 17/5/2013. UNISEB Centro Universitário Perícia Contábil Prof. Guilherme Luiz Bertoni Pontes UNISEB Centro Universitário 17/5/2013 Módulo 6.2 Unidade 5 UNISEB Centro Universitário Perícia Contábil em Processos Bancários 3 A PERÍCIA BANCÁRIA

Leia mais

UNIDADE Sistemas de amortização de empréstimo e financiamento

UNIDADE Sistemas de amortização de empréstimo e financiamento UNIDADE 4 Sistemas de amortização de empréstimo e financiamento 109 Curso de Graduação em Administração a Distância Objetivo Nesta Unidade, você será levado a: diferenciar os dois tipos de sistema de amortização;

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA EMPRÉSTIMOS AMORTIZAÇÕES MF5 1 EMPRÉSTIMOS E Um empréstimo ou financiamento pode ser feito a curto, médio ou longo prazo. Dizemos que um empréstimo é a curto ou médio prazo quando

Leia mais

Prof. Luiz Felix. Unidade II MATEMÁTICA FINANCEIRA

Prof. Luiz Felix. Unidade II MATEMÁTICA FINANCEIRA Prof. Luiz Felix Unidade II MATEMÁTICA FINANCEIRA Sistemas de amortização de empréstimos e financiamentos São desenvolvidos basicamente para operações de empréstimos e financiamentos de longo prazo, envolvendo

Leia mais

Imediatas: parcelas pagas em 30, 60 e 90 dias Antecipadas: sendo a primeira parcela paga no ato

Imediatas: parcelas pagas em 30, 60 e 90 dias Antecipadas: sendo a primeira parcela paga no ato Matemática Financeira Leandra Anversa Fioreze Rendas Imediatas: Primeiro pagamento efetuado no final do primeiro período. Ex: Comprei uma calculadora HP-12c Platinum em três parcelas de R$95,00, sendo

Leia mais

A transformação e o custo do dinheiro ao longo do tempo *

A transformação e o custo do dinheiro ao longo do tempo * A transformação e o custo do dinheiro ao longo do tempo * Estamos acostumados à idéia de que o valor do dinheiro muda ao longo do tempo, pois em algum momento convivemos com algum tipo de inflação e/ou

Leia mais

PLANOS DE FINANCIAMENTO METERIAL COMPLEMENTAR

PLANOS DE FINANCIAMENTO METERIAL COMPLEMENTAR PLANOS DE FINANCIAMENTO METERIAL COMPLEMENTAR José Luiz Miranda PLANOS DE FINANCIAMENTO Imagine uma operação financeira representada por um financiamento de R$ 1.200,00 no prazo de 5 meses à taxa de juros

Leia mais

Matemática Financeira

Matemática Financeira 1 Matemática Financeira Evanivaldo Castro Silva Júnior 21/05/2013 2 Matemática Financeira 1. Séries de Pagamento i. Séries Uniformes (Modelo PRICE) ii. Séries Não-Uniformes (Modelo SAC Sistema de Amortizações

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA Roberto César Faria e Silva MATEMÁTICA FINANCEIRA Aluno: SUMÁRIO 1. CONCEITOS 2 2. JUROS SIMPLES 3 Taxa Efetiva e Proporcional 10 Desconto Simples 12 Desconto Comercial, Bancário ou Por Fora 13 Desconto

Leia mais

SIMULADO COMENTADO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA

SIMULADO COMENTADO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA SIMULADO COMENTADO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA Prof. Quilelli 1 ) Uma dívida contraída à taxa de juros simples de 10% ao mês, deverá ser paga em duas parcelas, respectivamente iguais a R$ 126,00, daqui a

Leia mais

COMISSÃO DE DEFESA DO CONSUMIDOR. PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR N o 76, DE 2011. I RELATÓRIO

COMISSÃO DE DEFESA DO CONSUMIDOR. PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR N o 76, DE 2011. I RELATÓRIO COMISSÃO DE DEFESA DO CONSUMIDOR PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR N o 76, DE 2011. Veda a utilização do sistema francês de amortização, ou tabela Price, nos empréstimos e financiamentos de qualquer natureza.

Leia mais

Março/2012 Parte 2. Pag.1. Prof. Alvaro Augusto

Março/2012 Parte 2. Pag.1. Prof. Alvaro Augusto Pag.1 Pag.2 Pag.3 Descontos Desconto é a liquidação de uma operação antes de seu vencimento, envolvendo um prêmio ou recompensa. Valor Nominal, Valor de Resgate ou Valor de Face é o valor de um título

Leia mais

Lista de Exercícios para a Prova Substitutiva de Matemática Financeira Parfor Matemática

Lista de Exercícios para a Prova Substitutiva de Matemática Financeira Parfor Matemática Lista de Exercícios para a Prova Substitutiva de Matemática Financeira Parfor Matemática 1. Se 35 m de um tecido custam R$ 140, quanto se pagará 12 m? 2. Se 20 tratores levaram 6 dias para realizar um

Leia mais

Soluções integrais. Há cinco degraus para se alcançar a sabedoria: calar, ouvir, lembrar, agir, estudar. Anônimo. Soluções do Capítulo 1

Soluções integrais. Há cinco degraus para se alcançar a sabedoria: calar, ouvir, lembrar, agir, estudar. Anônimo. Soluções do Capítulo 1 Soluções integrais Há cinco degraus para se alcançar a sabedoria: calar, ouvir, lembrar, agir, estudar. Anônimo Soluções do Capítulo 1 Basta somar os valores, lembrando que seta para baixo indica valor

Leia mais

Análise e Resolução da prova de Auditor Fiscal da Fazenda Estadual do Piauí Disciplina: Matemática Financeira Professor: Custódio Nascimento

Análise e Resolução da prova de Auditor Fiscal da Fazenda Estadual do Piauí Disciplina: Matemática Financeira Professor: Custódio Nascimento Análise e Resolução da prova de Auditor Fiscal da Fazenda Estadual do Piauí Disciplina: Professor: Custódio Nascimento 1- Análise da prova Neste artigo, faremos a análise das questões de cobradas na prova

Leia mais

ORIGEM SISTEMA FRANCÊS DE AMORTIZAÇÃO

ORIGEM SISTEMA FRANCÊS DE AMORTIZAÇÃO ORIGEM DO SISTEMA FRANCÊS DE AMORTIZAÇÃO Rio, Janeiro / 2014 * Elaborado por Pedro Schubert. Administrador, Sócio Fundador da BMA Informática & Assessoramento Empresarial Ltda. 1 ORIGEM DO SISTEMA FRANCÊS

Leia mais

EXERCÍCIOS PROF. SÉRGIO ALTENFELDER

EXERCÍCIOS PROF. SÉRGIO ALTENFELDER 1- Uma dívida no valor de R$ 60.020,54 deve ser paga em sete prestações postecipadas de R$ 10.000,00, a uma determinada taxa de juros. Considerando esta mesma taxa de juros, calcule o saldo devedor imediatamente

Leia mais

Maria Regina R Avelar Contadora, Auditora, Perita. Tel. 11 3167 5144 R 126

Maria Regina R Avelar Contadora, Auditora, Perita. Tel. 11 3167 5144 R 126 1 DO TRABALHO PERICIAL Tomando por base os dados constantes da planilha apresentada pelo Banco, a perita reconstituiu as condições contratuais, a seguir: Em 22/11/1999 a Sra. WALKYRIA STORER e o HSBC BANK

Leia mais

CURSO ON-LINE PROFESSOR GUILHERME NEVES. Resolverei neste ponto a prova de Matemática Financeira da SEFAZ/RJ 2010 FGV.

CURSO ON-LINE PROFESSOR GUILHERME NEVES. Resolverei neste ponto a prova de Matemática Financeira da SEFAZ/RJ 2010 FGV. Olá pessoal! Resolverei neste ponto a prova de Matemática Financeira da SEFAZ/RJ 2010 FGV. Sem mais delongas, vamos às questões. 19. (SEFAZ-RJ 2010/FGV) A empresa Bonneli recebeu, pelo valor de R$ 18.000,00,

Leia mais

Análise e Resolução da prova do ISS-Cuiabá Disciplina: Matemática Financeira Professor: Custódio Nascimento

Análise e Resolução da prova do ISS-Cuiabá Disciplina: Matemática Financeira Professor: Custódio Nascimento Disciplina: Professor: Custódio Nascimento 1- Análise da prova Análise e Resolução da prova do ISS-Cuiabá Neste artigo, farei a análise das questões de cobradas na prova do ISS-Cuiabá, pois é uma de minhas

Leia mais

Os juros podem ser capitalizados segundo dois regimes: simples ou compostos.

Os juros podem ser capitalizados segundo dois regimes: simples ou compostos. 1/7 3. Modelos de capitalização simples 4. Modelos de capitalização composta Conceitos básicos A Matemática Financeira é uma ferramenta útil na análise de algumas alternativas de investimentos ou financiamentos

Leia mais

Existe uma diferença entre o montante (S) e a aplicação (P) que é denominada de remuneração, rendimento ou juros ganhos.

Existe uma diferença entre o montante (S) e a aplicação (P) que é denominada de remuneração, rendimento ou juros ganhos. Módulo 3 JUROS SIMPLES 1. Conceitos Iniciais 1.1. Juros Juro é a remuneração ou aluguel por um capital aplicado ou emprestado, o valor é obtido pela diferença entre dois pagamentos, um em cada tempo, de

Leia mais

Universidade Comunitária da Região de Chapecó Curso de Economia 5º Período 8 AMORTIZAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS

Universidade Comunitária da Região de Chapecó Curso de Economia 5º Período 8 AMORTIZAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS 8 AMORTIZAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS Frequentemente, nas operações de médio e longo prazo, por razões metodológicas ou contábeis, as operações de empréstimos são analisadas período por período, no que diz respeito

Leia mais

Edilson Aguiais Projetos e Análise Econômica e Financeira Perícia Judicial

Edilson Aguiais Projetos e Análise Econômica e Financeira Perícia Judicial REQUERENTE: REQUERIDO: BANCO S/A NATUREZA: REVISIONAL Edilson Aguiais EDILSON GONÇALVES DE AGUIAIS, brasileiro, solteiro, economista, Perito Judicial, regularmente inscrito no Conselho Regional de Economia

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA - ADMINISTRAÇÃO

MATEMÁTICA FINANCEIRA - ADMINISTRAÇÃO MATEMÁTICA FINANCEIRA - ADMINISTRAÇÃO DESCONTO 1) Determinar o desconto por fora sofrido por uma letra de R$ 5.000,00 à taxa de 5% aa, descontada 5 anos antes de seu vencimento. Resp: R$ 1.250,00 2) Uma

Leia mais

COMO CRIAR UM PLANO DE AMORTIZAÇÃO

COMO CRIAR UM PLANO DE AMORTIZAÇÃO COMO CRIAR UM PLANO DE AMORTIZAÇÃO! Sistemas de amortização de empréstimos! Sistema Price! SAC! Fórmulas do Excel! Planilha fornecida Autores: Francisco Cavalcante(cavalcante@netpoint.com.br) Administrador

Leia mais

Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Inflação Profa. Patricia Maria Bortolon

Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Inflação Profa. Patricia Maria Bortolon Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Inflação O que é Inflação? Inflação É a elevação generalizada dos preços de uma economia O que é deflação? E a baixa predominante de preços de bens

Leia mais

Matemática Financeira

Matemática Financeira A Matemática Financeira é uma ferramenta útil na análise de algumas alternativas de investimentos ou financiamentos de bens de consumo. Consiste em empregar procedimentos matemáticos para simplificar a

Leia mais

UNIDADE 1. SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS E FINANCIAMENTOS

UNIDADE 1. SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS E FINANCIAMENTOS UNIDADE. SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS E FINANCIAMENTOS Empréstimo - Recurso financeiro que não necessita ser justificado quanto a sua finalidade; por exemplo: cheque especial e CDC(Crédito Direto

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA FINANCEIRA MAT 191 PROFESSORES: ENALDO VERGASTA, GLÓRIA MÁRCIA, JODÁLIA ARLEGO

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA FINANCEIRA MAT 191 PROFESSORES: ENALDO VERGASTA, GLÓRIA MÁRCIA, JODÁLIA ARLEGO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA FINANCEIRA MAT 191 PROFESSORES: ENALDO VERGASTA, GLÓRIA MÁRCIA, JODÁLIA ARLEGO LISTA 2 1) Um título, com valor de face igual a $1.000,00,

Leia mais

Aproveito o ensejo para divulgar os seguintes cursos que estou ministrando no Ponto.

Aproveito o ensejo para divulgar os seguintes cursos que estou ministrando no Ponto. Olá pessoal! Resolverei neste artigo a prova de Matemática Financeira do concurso da CVM 2010 organizado pela ESAF. Como já comentei em um artigo ontem, há apenas uma questão nesta prova com divergência

Leia mais

Comunicado Técnico 03

Comunicado Técnico 03 Comunicado Técnico 03 Análise Financeira Instruções Técnicas Responsável: José Henrique Bizinoto Engenheiro Civil; Especialista em Ensino da Matemática jhbizinoto@fazu.br CAPITALIZAÇÃO COMPOSTA A capitalização

Leia mais

prestação. Resp. $93.750,00 e $5.625,00.

prestação. Resp. $93.750,00 e $5.625,00. UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA DISCIPLINA MAT191 - MATEMÁTICA FINANCEIRA PROFESSORES: ENALDO VERGASTA, GLÓRIA MÁRCIA, JODÁLIA ARLEGO LISTA 3 1) Um bem é vendido a vista por $318.000,00

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA. Conceitos. Conceitos

GESTÃO FINANCEIRA. Conceitos. Conceitos GESTÃO FINANCEIRA Conceitos Capital (C ou PV) é o valor do dinheiro que você pode aplicar ou emprestar. Também chamado de Capital Inicial ou Principal, representado pela letra C ou PV (Valor Presente abreviação

Leia mais

NOTAS DE AULA. Introdução à Matemática Financeira. Prof. Dr. Silvio Alexandre de Araujo

NOTAS DE AULA. Introdução à Matemática Financeira. Prof. Dr. Silvio Alexandre de Araujo NOTAS DE AULA Introdução à Matemática Financeira Prof. Dr. Silvio Alexandre de Araujo 2 CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 1. Juros simples 2. Juros compostos 3. Séries periódicas uniformes 4. Planos de amortização

Leia mais

Capítulo 6 Série Uniforme Prestações Iguais

Capítulo 6 Série Uniforme Prestações Iguais Capítulo 6 Série Uniforme Prestações Iguais Juros Compostos Fórmulas - 1 RELAÇÃO ENTRE PMT E FV FV = PMT [ ( 1 + i ) n-1 + ( 1 + i ) n-2 + + ( 1 + i ) + 1 ] (A) Multiplicando por (1+i): FV = PMT [(1 +

Leia mais

Amilton Dalledone Filho Glower Lopes Kujew

Amilton Dalledone Filho Glower Lopes Kujew 1 Matemática Financeira Amilton Dalledone Filho Glower Lopes Kujew O mundo globalizado nos mostra cada vez mais a necessidade de informações e, para tanto, é necessário o conhecimento básico que possibilita

Leia mais

Transparência e dogmas nas relações contratuais

Transparência e dogmas nas relações contratuais J uros Transparência e dogmas nas relações contratuais Teotonio Costa Rezende Mestre em Gestão e Estratégia de Negócios A divulgação da taxa de anual de juros nos contratos de financiamento ainda é uma

Leia mais

Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium. Séries Uniformes de Pagamento

Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium. Séries Uniformes de Pagamento Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium Disciplina: Matemática Financeira I Prof.: Marcos José Ardenghi Séries Uniformes de Pagamento As séries uniformes de pagamentos, anuidades ou rendas são

Leia mais

O REGIME DE JUROS PRICE E GAUSS

O REGIME DE JUROS PRICE E GAUSS O REGIME DE JUROS PRICE E GAUSS De modo enriquecedor e a bem da evolução do conhecimento, alguns diferentes entendimentos acerca da existência da Capitalização Simples ou Composta em Sistemas de Amortização

Leia mais

F NA N N A C N E C IRA

F NA N N A C N E C IRA MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA TRATA DO ESTUDO DO DINHEIRO AO LONGO DO TEMPO. OBJETIVO BÁSICO EFETUAR ANÁLISES E COMPARAÇÕES EFETUAR ANÁLISES E COMPARAÇÕES DOS VÁRIOS

Leia mais

Em qualquer área de saber que se queira emitir opinião, é de fundamental importância que se defina o objeto de estudo.

Em qualquer área de saber que se queira emitir opinião, é de fundamental importância que se defina o objeto de estudo. O SISTEMA DE AMORTIZAÇÃO PRICE NÃO PRATICA ANATOCISMO. Em qualquer área de saber que se queira emitir opinião, é de fundamental importância que se defina o objeto de estudo. No caso em questão, sem a definição

Leia mais

Elementos de Análise Financeira Juros Simples Profa. Patricia Maria Bortolon

Elementos de Análise Financeira Juros Simples Profa. Patricia Maria Bortolon Elementos de Análise Financeira Juros Simples Fórmulas de Juros Simples J C i n Onde: J = valor dos juros expresso em unidades monetárias C = capital. É o valor (em $) em determinado momento i = taxa de

Leia mais

PRIMEIRA PARTE CAPITALIZAÇÃO DOS JUROS

PRIMEIRA PARTE CAPITALIZAÇÃO DOS JUROS TABELA PRICE: MITOS E PARADIGMAS SUMÁRIO INTRODUÇÃO...01 PRIMEIRA PARTE CAPITALIZAÇÃO DOS JUROS CAPÍTULO I - A QUESTÃO DO ANATOCISMO NA HISTÓRIA...07 1. A Usura no Contexto da História Geral...07 1.1.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO UNIVERSITÁRIO NORTE DO ESPÍRITO SANTO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO UNIVERSITÁRIO NORTE DO ESPÍRITO SANTO UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO UNIVERSITÁRIO NORTE DO ESPÍRITO SANTO DISCIPLINA: ECONOMIA DA ENGENHARIA I PROFESSOR JORGE JUNIOR E.MAIL: JJUNIORSAN@CEUNES.UFES.BR Apostila integralmente

Leia mais

CURSO ON-LINE PROFESSOR GUILHERME NEVES

CURSO ON-LINE PROFESSOR GUILHERME NEVES Olá pessoal! Neste ponto resolverei a prova de Matemática Financeira para Auditor Fiscal da Receita Municipal Pref. Municipal de Angra dos Reis, organizada pela FGV. A prova foi realizada no dia 02/05/2010.

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA Marcelo de Figueiredo Alves 1 MATEMÁTICA FINANCEIRA É a análise das relações formais entre transações financeiras, que traduzem a um padrão equivalente, quantidades monetárias transacionadas

Leia mais

SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO

SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO Parte I MATEMÁTICA FINANCEIRA SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO Prof. Wanderson S. Paris, M.Eng. prof@cronosquality.com.br Tipos de Sistemas de Amor8zação SISTEMA AMERICANO usado nos emprés:mos internacionais SISTEMA

Leia mais

EMPRÉSTIMOS. Nos financiamentos a longo prazo o devedor ou mutuário tem também três modalidades para resgatar sua dívida:

EMPRÉSTIMOS. Nos financiamentos a longo prazo o devedor ou mutuário tem também três modalidades para resgatar sua dívida: EMPRÉSTIMOS Um empréstimo ou financiamento pode ser feito a curto, médio ou longo prazo. Dizemos que um empréstimo é a curto ou médio prazo quando o prazo total não ultrapassa 1 ano ou 3 anos, respectivamente.

Leia mais

CURSO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA APLICADA EM PERÍCIAS JUDICIAIS.

CURSO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA APLICADA EM PERÍCIAS JUDICIAIS. CURSO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA APLICADA EM PERÍCIAS JUDICIAIS. APRESENTAÇÃO DO CURSO O Curso de Matemática Financeira Aplicada em Perícias Judiciais do Instituto Caetano Andrade foi elaborado com o propósito

Leia mais

captação de recursos empréstimos financiamento.

captação de recursos empréstimos financiamento. Instrumentos utilizados pelas instituições financeiras para captação de recursos (funding) que serão utilizados nas operações de empréstimos e financiamento. 1 O cliente entrega os recursos ao banco, sendo

Leia mais

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO FLUXO DE CAIXA

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO FLUXO DE CAIXA INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO FLUXO DE CAIXA O estudo da matemática financeira é desenvolvido, basicamente, através do seguinte raciocínio: ao longo do tempo existem entradas de dinheiro (receitas) e saídas

Leia mais

Sérgio Carvalho Matemática Financeira Simulado 02 Questões FGV

Sérgio Carvalho Matemática Financeira Simulado 02 Questões FGV Sérgio Carvalho Matemática Financeira Simulado 02 Questões FGV Simulado 02 de Matemática Financeira Questões FGV 01. Determine o valor atual de um título descontado (desconto simples por fora) dois meses

Leia mais

TABELA PRICE A POLÊMICA CONTINUA LUIZ DONIZETE TELES Economista

TABELA PRICE A POLÊMICA CONTINUA LUIZ DONIZETE TELES Economista Afinal de contas, ocorre ou não a capitalização composta dos juros na Tabela Price? A polêmica não deveria continuar, mas continua. E chegou a tal ponto que os mais renomados autores de livros de matemática

Leia mais

SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO SISTEMA DE AMORTIZAÇÃO CONSTANTE - SAC SISTEMA DE AMORTIZAÇÃO CONSTANTE - SAC SISTEMA DE AMORTIZAÇÃO AMERICANO

SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO SISTEMA DE AMORTIZAÇÃO CONSTANTE - SAC SISTEMA DE AMORTIZAÇÃO CONSTANTE - SAC SISTEMA DE AMORTIZAÇÃO AMERICANO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO Sistemas de amortização são metodologias que operacionaliza uma transação financeira, definindo regras e formas de cálculo da taxa de

Leia mais

FACULDADE CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE

FACULDADE CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE FACULDADE CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE DISCIPLINA: Matemática Financeira e Engenharia Econômica TÓPICO: Sistemas de Amortização Prof: Khalil Conceito: O valor de uma prestação de um financiamento ou empréstimo

Leia mais

A CAPITALIZAÇÃO DE JUROS E A LEI 11.977/09 PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA

A CAPITALIZAÇÃO DE JUROS E A LEI 11.977/09 PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA A CAPITALIZAÇÃO DE JUROS E A LEI 11.977/09 PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA Adriana Borghi Fernandes Monteiro Promotora de Justiça Atual integrante de GEDEC - Grupo Especial de Delitos Econômicos Ex-Coordenadora

Leia mais

Matemática Financeira Aula 1 26-04-2012

Matemática Financeira Aula 1 26-04-2012 Matemática Financeira Aula 1 26-04-2012 Prof. Procópio Bibliografia Básica VERAS, Lilia Ladeira. Matemática Financeira. 6ª ed. São Paulo: Atlas, 2007. SAMANEZ, Carlos Patrício. Matemática financeira: aplicações

Leia mais

CURSO ON-LINE PROFESSOR: VÍTOR MENEZES. Comentários sobre as provas de estatística e financeira ICMS RJ

CURSO ON-LINE PROFESSOR: VÍTOR MENEZES. Comentários sobre as provas de estatística e financeira ICMS RJ Comentários sobre as provas de estatística e financeira ICMS RJ Caríssimos, Acabei de voltar de uma longa auditoria em que visitamos inúmeros assentamentos federais do INCRA no interior do estado. Ou seja:

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA AULA 02. Prof. Mário Leitão

MATEMÁTICA FINANCEIRA AULA 02. Prof. Mário Leitão MATEMÁTICA FINANCEIRA AULA 02 Prof. Mário Leitão Conceitos. A matemática financeira é um ramo da matemática que estuda as variações do dinheiro ao longo de tempo. Dinheiro e tempo... Se seu amigo lhe pedisse

Leia mais

Microsoft Excel. Funções Financeiras PARTE 7 SUMÁRIO

Microsoft Excel. Funções Financeiras PARTE 7 SUMÁRIO Microsoft Excel Funções Financeiras PARTE 7 SUMÁRIO 1-) Funções financeiras no Excel... 2 1.1-) Função = VF( )... 2 1.2-) Função =VP( )... 3 1.3-) Função = PGTO ( )... 3 1.4-) Valor Presente Utilizando

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA O ENSINO BÁSICO

MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA O ENSINO BÁSICO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS Curso de Especialização em Matemática para Professores do Ensino Básico MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA O ENSINO BÁSICO Gleison Silva Vilefort Costa Belo Horizonte 2015

Leia mais

REGIME DE CAPTALIZAÇÃO COMPOSTA

REGIME DE CAPTALIZAÇÃO COMPOSTA REGIME DE CAPTALIZAÇÃO COMPOSTA No regime de Capitalização Composta, os juros prodzidos ao final de um dado período n se agregam ao capital, passando ambos a integrar a nova base de cálculo para o período

Leia mais

LAUDO PERICIAL REVISIONAL VINCULADO A CONTRATO DE FINANCIAMENTO PARA AQUISIÇÃO DE VEÍCULO SISTEMA RECALCULADO

LAUDO PERICIAL REVISIONAL VINCULADO A CONTRATO DE FINANCIAMENTO PARA AQUISIÇÃO DE VEÍCULO SISTEMA RECALCULADO Tipo de Contrato: Número do Contrato: LAUDO PERICIAL REVISIONAL VINCULADO A CONTRATO DE FINANCIAMENTO PARA AQUISIÇÃO DE VEÍCULO Financiado: Agente Financeiro: Curitiba, 16/10/013 xxxxx xxxxxx Cédula de

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA NÍVEL DE ENSINO: Graduação CARGA HORÁRIA: 80h PROFESSORES-AUTORES: Agnaldo Rolim de Moura Gislene Garcia Nora de Oliveira MATEMÁTICA FINANCEIRA APRESENTAÇÃO Após apresentar uma discussão introdutória,

Leia mais

JUROS COMPOSTOS. Desta forma o cálculo dos juros compostos não será efetuado da mesma forma que foi feita para os juros simples.

JUROS COMPOSTOS. Desta forma o cálculo dos juros compostos não será efetuado da mesma forma que foi feita para os juros simples. UNIÃO DE ENSINO SUPERIOR DE CAMPINA GRANDE FACULDADE DE CAMPINA GRANDE - FAC-CG CURSO: Graduação Tecnológica em Gestão Comercial Disciplina: Matemática Comercial e Financeira Prof: Rosemberg Trindade JUROS

Leia mais

Gran Cursos. Matemática Financeira Walter Sousa. Rendas Certas financiamentos e capitalizações. 1) Fluxo de Caixa. 1.1) Fluxo de Caixa Padrão

Gran Cursos. Matemática Financeira Walter Sousa. Rendas Certas financiamentos e capitalizações. 1) Fluxo de Caixa. 1.1) Fluxo de Caixa Padrão Matemática Financeira Walter Sousa Gran Cursos Rendas Certas financiamentos e capitalizações 1) Fluxo de Caixa Representa uma série de pagamentos ou recebimentos que ocorrem em determinado período de tempo.

Leia mais

PARECER TÉCNICO CONTÁBIL

PARECER TÉCNICO CONTÁBIL Processo: Tipo: Autor/Requerente: Réu/Requerido: ESCRITÓRIO DE PERÍCIAS CONTÁBEIS Nº Ordinária Revisão de Contrato Gildeones Bandeira Nunes de Castro Banco do Brasil e Financiamentos S/A PARECER TÉCNICO

Leia mais

UFSC CFM DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MTM 5152 MATEMÁTICA FINACEIRA II PROF. FERNANDO GUERRA. LISTA DE EXERCÍCIOS SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS

UFSC CFM DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MTM 5152 MATEMÁTICA FINACEIRA II PROF. FERNANDO GUERRA. LISTA DE EXERCÍCIOS SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS UFSC CFM DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MTM 5152 MATEMÁTICA FINACEIRA II PROF. FERNANDO GUERRA. 1 LISTA DE EXERCÍCIOS SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS 1) Certo banco concede um financiamento de 80.000

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA PROF. DANIEL DE SOUZA INTRODUÇÃO:

MATEMÁTICA FINANCEIRA PROF. DANIEL DE SOUZA INTRODUÇÃO: 1 MATEMÁTICA FINANCEIRA PROF. DANIEL DE SOUZA INTRODUÇÃO: O PRINCIPAL CONCEITO QUE ORIENTARÁ TODO O NOSSO RACIOCÍNIO AO LONGO DESTE CURSO É O CONCEITO DO VALOR DO DINHEIRO NO TEMPO. EMPRÉSTIMOS OU INVESTIMENTOS

Leia mais

O QUE DEVO SABER PARA CONTRATAR O MEU FINANCIAMENTO IMOBILIÁRIO?

O QUE DEVO SABER PARA CONTRATAR O MEU FINANCIAMENTO IMOBILIÁRIO? TERMOS QUE VOCÊ DEVE CONHECER Financiamento é o valor emprestado pelo Banco para ajudá-lo a adquirir o seu imóvel. Juros é o custo do financiamento. Informe-se na sua agência da Caixa ou no correspondente

Leia mais

PROFESSOR: SEBASTIÃO GERALDO BARBOSA

PROFESSOR: SEBASTIÃO GERALDO BARBOSA UNESPAR/PARANAVAÍ - Professor Sebastião Geraldo Barbosa - 0 - PROFESSOR: SEBASTIÃO GERALDO BARBOSA Setembro/204 UNESPAR/PARANAVAÍ - Professor Sebastião Geraldo Barbosa - -. RENDAS CERTAS OU ANUIDADES Nas

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA E ANÁLISE DE INVESTIMENTO AULA 02: CAPITALIZAÇÃO, DESCONTO E FLUXO DE CAIXA TÓPICO 03: FLUXO DE CAIXA (UNIFORME E IRREGULAR) FLUXO DE CAIXA Denomina-se fluxo de caixa, a sequência

Leia mais

Lista de exercício nº 3* VPL, TIR e Equivalência de fluxos de caixa

Lista de exercício nº 3* VPL, TIR e Equivalência de fluxos de caixa Lista de exercício nº 3* VPL, TIR e Equivalência de fluxos de caixa 1. Calcule o valor presente do fluxo de caixa indicado a seguir, para uma taxa de desconto de 1 % ao mês, no Resposta: $13.147,13 2.

Leia mais

Para o cálculo dos juros siga corretamente este roteiro:

Para o cálculo dos juros siga corretamente este roteiro: Juro Simples Juro: é a remuneração do capital emprestado, podendo ser entendido, de forma simplificada, como sendo o aluguel pago pelo uso do dinheiro. Capital: qualquer valor expresso em moeda e disponível

Leia mais

Curso. Matemática Financeira com HP 12C

Curso. Matemática Financeira com HP 12C Seja Bem Vindo! Curso Matemática Financeira com HP 12C Carga horária: 25hs Dicas importantes Nunca se esqueça de que o objetivo central é aprender o conteúdo, e não apenas terminar o curso. Qualquer um

Leia mais

AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE INVESTIMENTOS

AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE INVESTIMENTOS AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE INVESTIMENTOS Danillo Tourinho Sancho da Silva, MSc AVALIAÇÕES Unidade I Fichamentos e Exercícios Avaliativos 2,0 Prova Escrita Individual 8,0 Unidade II Projeto Conceitual de

Leia mais

Componente Curricular: Matemática Financeira Professor: Jarbas Thaunahy

Componente Curricular: Matemática Financeira Professor: Jarbas Thaunahy Componente Curricular: Matemática Financeira Professor: Jarbas Thaunahy 1. (AFTN 1985) Uma pessoa obteve um empréstimo de $ 120.000,00, a uma taxa de juros compostos de 2% a.m., que deverá ser pago em

Leia mais

Exemplos de Preenchimento dos Atributos relativos ao Fluxo Financeiro (caráter meramente exemplificativo)

Exemplos de Preenchimento dos Atributos relativos ao Fluxo Financeiro (caráter meramente exemplificativo) Exemplos de Preenchimento dos Atributos relativos ao Fluxo Financeiro (caráter meramente exemplificativo) 1. Contrato com prazo total de 120 meses, sendo 24 de carência, com pagamento trimestral de juros

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA Conceitos básicos A Matemática Financeira é uma ferramenta útil na análise de algumas alternativas de investimentos ou financiamentos de bens de consumo. Consiste em empregar procedimentos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS DOM PEDRITO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM AGRONEGÓCIO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS DOM PEDRITO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM AGRONEGÓCIO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS DOM PEDRITO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM AGRONEGÓCIO DISCIPLINA: Administração Financeira PROFESSOR: Nelson de Mello AULA 3 26/08/2015 Administração Financeira Prof.

Leia mais

Pra que serve a Matemática Financeira? AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE INVESTIMENTOS MATEMÁTICA FINANCEIRA 20/01/2016. Danillo Tourinho Sancho da Silva, MSc

Pra que serve a Matemática Financeira? AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE INVESTIMENTOS MATEMÁTICA FINANCEIRA 20/01/2016. Danillo Tourinho Sancho da Silva, MSc AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE INVESTIMENTOS Danillo Tourinho Sancho da Silva, MSc MATEMÁTICA FINANCEIRA Danillo Tourinho Sancho da Silva, MSc Pra que serve a Matemática Financeira? 1 NOÇÕES GERAIS SOBRE A MATEMÁTICA

Leia mais

Matemática Financeira

Matemática Financeira Matemática Financeira Professor conteudista: Dalton Millan Marsola Sumário Matemática Financeira Unidade I 1 CONCEITOS FUNDAMENTAIS...1 1.1 Taxa de juros...2 1.2 Taxa percentual...4 1.3 Taxa unitária...4

Leia mais

Sumário. Capítulo 1 Razão 1. Introdução... 01 2. Conceito... 02 2.1. Razões inversas... 02 3. Exercícios propostos... 07

Sumário. Capítulo 1 Razão 1. Introdução... 01 2. Conceito... 02 2.1. Razões inversas... 02 3. Exercícios propostos... 07 Sumário Capítulo 1 Razão 1. Introdução... 01 2. Conceito... 02 2.1. Razões inversas... 02 3. Exercícios propostos... 07 Capítulo 2 Proporção 1. Introdução... 13 2. Conceito... 14 2.1. Propriedade fundamental

Leia mais

Análise e Resolução da prova de Analista do Tesouro Estadual SEFAZ/PI Disciplinas: Matemática Financeira e Raciocínio Lógico Professor: Custódio

Análise e Resolução da prova de Analista do Tesouro Estadual SEFAZ/PI Disciplinas: Matemática Financeira e Raciocínio Lógico Professor: Custódio Análise e Resolução da prova de Analista do Tesouro Estadual SEFAZ/PI Disciplinas: Matemática Financeira e Raciocínio Lógico Professor: Custódio Nascimento Análise e Resolução da prova de ATE SEFAZ/PI

Leia mais

UNIDADE Capitalização composta

UNIDADE Capitalização composta UNIDADE 2 Capitalização composta Capitalização composta Curso de Graduação em Administração a Distância Objetivo Nesta Unidade, você vai ser levado a: calcular o montante, taxas equivalentes, nominal e

Leia mais

CALCULADORA HP 12C A calculadora HP 12C usa o chamado sistema de pilha, também designado por Notação Polonesa Reversa (RPN).

CALCULADORA HP 12C A calculadora HP 12C usa o chamado sistema de pilha, também designado por Notação Polonesa Reversa (RPN). A Matemática Financeira tem como objetivo estudar o valor do dinheiro no tempo. CALCULADORA HP 12C A calculadora HP 12C usa o chamado sistema de pilha, também designado por Notação Polonesa Reversa (RPN).

Leia mais

O que devo saber para contratar meu Financiamento Habitacional

O que devo saber para contratar meu Financiamento Habitacional O que devo saber para contratar meu Financiamento Habitacional O que devo saber para contratar o meu financiamento imobiliário? Termos que você deve conhecer Financiamento é o valor emprestado pelo Banco

Leia mais

ÁREA DE FORMAÇÃO: CONTRAIR CRÉDITO CRÉDITO À HABITAÇÃO

ÁREA DE FORMAÇÃO: CONTRAIR CRÉDITO CRÉDITO À HABITAÇÃO ÁREA DE FORMAÇÃO: CONTRAIR CRÉDITO CRÉDITO À HABITAÇÃO Índice Finalidades do crédito à habitação Avaliação da capacidade financeira Ficha de Informação Normalizada (FIN) Prazo Modalidades de reembolso

Leia mais

Matemática Financeira. e Engenharia Econômica

Matemática Financeira. e Engenharia Econômica Matemática Financeira e Engenharia Econômica Programa Forma Geral Introdução ao Problema Taxas de Juros Juros Compostos Situações Especiais Princípios de Engenharia Econômica Método do Custo Anual Uniforme

Leia mais

1. INTRODUÇÃO. Dentro dos programas dos diversos cursos de matemática

1. INTRODUÇÃO. Dentro dos programas dos diversos cursos de matemática 1. Introdução; 2. Conceito e classificação das taxas de juros; 3. Taxas equivalentes e proporcionais; 4. Juros pagos antecipadamente; 5. Conclusão. 1. INTRODUÇÃO No mercado financeiro brasileiro, mesmo

Leia mais

REVISTA ÂMBITO JURÍDICO Sistemas de amortiza?s e o anatocismo

REVISTA ÂMBITO JURÍDICO Sistemas de amortiza?s e o anatocismo REVISTA ÂMBITO JURÍDICO Sistemas de amortiza?s e o anatocismo O ilustre economista Marcos Kruse, em seu artigo Tabela price e anatocismo - Consideração Fundamentais afetas ao Direito Comum, publicado nesse

Leia mais

GLOSSÁRIO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA Com conceitos dispostos aproximadamente na ordem em que são apresentados na disciplina TT 007 Economia de

GLOSSÁRIO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA Com conceitos dispostos aproximadamente na ordem em que são apresentados na disciplina TT 007 Economia de GLOSSÁRIO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA Com conceitos dispostos aproximadamente na ordem em que são apresentados na disciplina TT 007 Economia de Engenharia I. Observação: Os conceitos acompanhados de asterisco

Leia mais

CIÊNCIAS CONTÁBEIS MATEMATICA FINANCEIRA JUROS SIMPLES

CIÊNCIAS CONTÁBEIS MATEMATICA FINANCEIRA JUROS SIMPLES DEFINIÇÕES: CIÊNCIAS CONTÁBEIS MATEMATICA FINANCEIRA JUROS SIMPLES Taxa de juros: o juro é determinado através de um coeficiente referido a um dado intervalo de tempo. Ele corresponde à remuneração da

Leia mais