LAUDO PERICIAL REVISIONAL VINCULADO A CONTRATO DE FINANCIAMENTO PARA AQUISIÇÃO DE VEÍCULO SISTEMA RECALCULADO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "LAUDO PERICIAL REVISIONAL VINCULADO A CONTRATO DE FINANCIAMENTO PARA AQUISIÇÃO DE VEÍCULO SISTEMA RECALCULADO"

Transcrição

1 Tipo de Contrato: Número do Contrato: LAUDO PERICIAL REVISIONAL VINCULADO A CONTRATO DE FINANCIAMENTO PARA AQUISIÇÃO DE VEÍCULO Financiado: Agente Financeiro: Curitiba, 16/10/013 xxxxx xxxxxx Cédula de Crédito 1746/11 PLANILHA DE EVOLUÇÃO E CONVERSÃO DO CONTRATO Sistema Price / Gauss Titular do Contrato: Agente Financeiro: Tipo: Modalidade: XXXXXXXxx XXXXXXXxx Veiculo Cédula de Crédito SISTEMA CONTRATADO Método Exponencial /Juros Compostos SISTEMA RECALCULADO Método Linear /Juros Simples Valor Financiado: Prazo 4 Valor Financiado: Taxa de Juros Mensal Pactuada: -1,4716% (Taxa Pericial de Juros) Taxa de Juros Mensal: 1,300% Taxa de Juros Anual Pactuada: -16,7% i a = (1 + i m ) 1-1 Taxa de Juros Anual: 1,600% (Taxa Contratada de Juros) i a = ( i m x 1 ) Sistema de Amortização Price Sistema de Amortização Linear - Gaus Juros Diferença paga N Vencimento Amortização Saldo Devedor Juros Amortização Saldo Devedor Contratada (Remuneratórios) Recalculada a maior 0 0 0,00 0,00 0, ,00 0,00 0,00 0, ,00-65,0 1 0/01/01 70,35-735, , ,4 1.36,5 63,4 7, ,5-65,0 0/0/01 70,35-714, , ,5 1.36,5 66,51 741,74 4.5,4-65,0 3 0/03/01 70,35-63,5 1.40,4 45.7, ,5 613,1 755, ,77-65,0 4 0/04/01 70,35-67,4 1.3, ,7 1.36,5 5,5 76, ,37-65,0 5 0/05/01 70,35-65, ,5 4.3, ,5 56,5 71, ,64-65,0 6 0/06/01 70,35-63, , ,7 1.36,5 573,1 75, ,57-65,0 7 0/07/01 70,35-61,1 1.3,16 40., ,5 55,6 0, ,1-65,0 0/0/01 70,35-53, , , ,5 546,53 1,7 43.7,46-65,0 0/0/01 70,35-574,1 1.3, ,4 1.36,5 533,0 35, ,41-65,0 10 0/10/01 70,35-555, 1.64, ,3 1.36,5 51,7 4, ,0-65,0 11 0/11/01 70,35-536,6 1.46,03 35.,0 1.36,5 506,54 61, , -65,0 1 0/1/ ,35-51,34 1.7,6 33.5, ,5 43,1 75, ,7-65,0 13 0/01/013 70,35-500, 1.0, ,4 1.36,5 47,, ,0-65,0 14 0/0/013 70,35-4,4 1.11,3.53, ,5 466,55 01,70 3.5,0-65,0 15 0/03/013 70,35-464, , 30.41, ,5 453, 15, ,16-65,0 16 0/04/013 70,35-447, ,01.6, ,5 43,, ,0-65,0 17 0/05/013 70,35-430, ,.1,3 1.36,5 46,56 41, ,11-65,0 1 0/06/013 (...) -413,5 1.13,0 6.,1 (...) 413,3 55,0 34.4,0 Em aberto 1 0/07/013 (...) -37, ,67 5.,50 (...) 3,0 6, ,74 Em aberto 0 0/0/013 (...) -, ,3 4.0,11 (...) 36,57 1,6 3.,05 Em aberto 1 0/0/013 (...) -364, 1.074, ,77 (...) 373,4 5,01.04,04 Em aberto 0/10/013 (...) -34,1 1.05,53.66,4 (...) 35,1 1.00, ,70 Em aberto 3 0/11/013 (...) -333, ,5 1.66, (...) 346,5 1.01,67.74,03 Em aberto 4 0/1/013 (...) -,6 1.07,61 0.5,6 (...) 333, ,00.3,03 Em aberto Prazo: 4

2 5 0/01/014 (...) -303, ,4 1.56,0 (...), 1.04, ,6 Em aberto 6 0/0/014 (...) -,3 7,5 1.5,61 (...) 306, ,66 6.7,03 Em aberto 7 0/03/014 (...) -73,55, ,71 (...) 3, , 5.654,04 Em aberto 0/04/014 (...) -5,0 6, ,7 (...) 7,3 1.0, ,7 Em aberto 0/05/014 (...) -44,4 54, ,0 (...) 66, , ,07 Em aberto 30 0/06/014 (...) -30,7 40, ,4 (...) 53, ,.34,0 Em aberto 0/07/014 (...) -16,6 6, 13.16,63 (...) 3,4 1.1, 1.0,7 Em aberto 3 0/0/014 (...) -03,33 1,6 1.03,5 (...) 6, , ,13 Em aberto 33 0/0/014 (...) -1,0, ,71 (...) 13, 1.154,7 1.4,16 Em aberto 34 0/10/014 (...) -176,66 6, ,6 (...) 1,5 1.16, ,6 Em aberto 35 0/11/014 (...) -163,6 7, ,7 (...) 16,6 1.11, ,3 Em aberto 36 0/1/014 (...) -150,7 60,13.35,5 (...) 173, 1.14, ,7 Em aberto 37 0/01/015 (...) -13,1 47,47.53,1 (...) 15,6 1.0, , Em aberto 3 0/0/015 (...) -15,65 35, ,1 (...) 146,63 1.1,6 1.4,36 Em aberto 3 0/03/015 (...) -113,36,71 6.0,41 (...) 133, , ,41 Em aberto 40 0/04/015 (...) -101,5 10, ,1 (...) 11,7 1.4, ,13 Em aberto 41 0/05/015 (...) -,3 7, ,13 (...) 106, ,61.04,51 Em aberto 4 0/06/015 (...) -77,57 76, 4.44,1 (...) 3, 1.74,4 7.,57 Em aberto 43 0/07/015 (...) -65, 775, ,7 (...) 7, 1., ,30 Em aberto 44 0/0/015 (...) -54,5 763,3.44,4 (...) 66, , ,70 Em aberto 45 0/0/015 (...) -43,34 75,6.1,5 (...) 53,3 1.4,3 4.04,77 Em aberto 46 0/10/015 (...) -3,6 741, ,64 (...) 3, 1.3,6.66,51 Em aberto 47 0/11/015 (...) -1,35 730,70 71,4 (...) 6, , , Em aberto 4 0/1/015 (...) -10,5 71,4 0,00 (...) 13, , 0,00 Em aberto 4.04, , , ,03 Observa-se, claramente, que é na prestação da Price que estão embutidos ou, melhor dizendo, disfarçados, os juros compostos e onde exatamente se visualiza o anatocismo ou incidência de juros sobre juros ou taxa sobre taxa ou progressão geométrica. É isso porque o saldo devedor, no sistema Price, não é propriamente o saldo devedor real, mas uma simples conta de diferença. Na Price os juros são capitalizados por que são calculados taxa sobre taxa em razão da função exponencial, já aludida, contida na fórmula. Somatório dos Juros Pagos (Sistema Contratado) Somatório dos Juros Pagos recalculados (Sistema Recalculado não Capitalizado) Somatório das Prestações Pagas - SISTEMA PRICE Somatório das Prestações Pagas - SISTEMA LINEAR Prazo restante do financiamento -.1,67.064, ,5 3.60,6 APLICAÇÃO DE ATUALIZAÇÃO MONETÁRIA AOS VALORES PAGOS INDEVIDAMENTE Parcela Data Valor pago a maior INPC Valor Corrigido Indice Ano 1 0/01/01-65,0 0,5100% -R$ 66,6 0/0/01-65,0 0,300% -R$ 661,47 3 0/03/01-65,0 0,100% -R$ 660,0 4 0/04/01-65,0 0,6400% -R$ 663,1 5 0/05/01-65,0 0,5500% -R$ 66,5 6 0/06/01-65,0 0,600% -R$ 660,61 7 0/07/01-65,0 0,4300% -R$ 661,73 0/0/01-65,0 0,4500% -R$ 661,7 0/0/01-65,0 0,6300% -R$ 663, /10/01-65,0 0,7100% -R$ 663,5 11 0/11/01-65,0 0,5400% -R$ 66,46 1 0/1/01-65,0 0,7400% -R$ 663,7 13 0/01/013-65,0 0,400% -R$ 665,0 14 0/0/013-65,0 0,500% -R$ 66, /03/013-65,0 0,6000% -R$ 66,5 16 0/04/013-65,0 0,500% -R$ 66,7 17 0/05/013-65,0 0,3500% -R$ 661,1 -R$ 11.60,1 O indice adotado para correção monetária é o INPC instituído pelo art.7, º, da Lei nº.06/5, por ser o mais benéfico ao consumidor. Tarifas de contratação embutidas ao valor financiado (IOF, TAC) Diferença paga a maior ou Saldo Credor (Valor já pago referente a capitalização de juros) Diferença paga a maior ou Saldo Credor (Valor já pago referente a capitalização de juros corrigido INPC) + (Tarifas de contratação) Atualização do saldo devedor deduzindo diferença paga a maior PRESTAÇÃO RECALCULADA.41,37 1.,6 -.77, , ,5

3 NOVA EVOLUÇÃO DO CONTRATO SEM A CAPITALIZAÇÃO MENSAL DE JUROS CONTINUIDADE DO CONTRATO COM SALDO DEVEDOR ATUALIZADO N Vencimento Juros Amortização Saldo Devedor Recalculada 0/06/ ,5 640,16 1.1, ,1 1 0/06/ ,5 640,16 1.1, , /07/ ,5 61, , ,04 0 0/0/ ,5 5,6 1.16, ,3 1 0/0/ ,5 57,1 1.10,3 3.45,4 7 0/10/ ,5 557, , , 6 3 0/11/ ,5 536,1 1., , /1/ ,5 516,5 1.5, , /01/ ,5 45,60 1.7, 34.77, /0/ ,5 474,5 1.3, , 7 0/03/ ,5 454,30 1.4, 3.370,03 1 0/04/ ,5 433, ,3.035,10 0 0/05/ ,5 413, ,5.67, /06/ ,5 3, ,3.303, 1 0/07/ ,5 371, , 6.06, /0/ ,5 351, ,53 5.4, /0/ ,5 330, , , /10/ ,5 30, ,3.51, /11/ ,5, ,4 1.11, /1/ ,5 6, , , /01/ ,5 47,0 1.50,7 1.01, /0/ ,5 7, , , /03/ ,5 06, ,0 14.7, 40 0/04/ ,5 15,5 1.5, ,5 41 0/05/ ,5 165, , , /06/ ,5 144, , , /07/ ,5 13, ,6.533, /0/ ,5 103, , , /0/ ,5, , 5.11, /10/ ,5 61, , ,1 47 0/11/ ,5 41, , 1.747, /1/ ,5 0, ,3 0,00 0 Juros Sistema Contratado x Juros Sistema Linear Juros 00,00 600,00 400,00 00,00 0,00-00,00-400,00-600,00-00, , Prazo do Financiamento Sistema Contratado Recálculo PRESTAÇÕES RECALCULADAS EM ATRASO (Com multa e juros de mora legais) Data de Parâmetro: 16/10/013 Aplicação Juros de Mora 1,00% a.m. N Vencimento Dias de Atraso Sub Total Multa % 1 0/06/ ,5 6, ,7 36, /07/ ,5 50, , 36, /0/ ,5 33, ,60 36,01 1 0/0/ ,5 15, ,1 35,6716 Total Devido 1.73, , ,63 1.1,5 7.36,5

4 Método linear ponderado (Gauss) - Sistema Recalculado FORMAÇÃO DA NOVA PRESTAÇÃO PARA OS DEPÓSITOS JUDICIAIS Capital Prazo (n) 4 Taxa Mensal (i) -1,4716% (Taxa Pericial de Juros) conforme contrato R$ 70,35 Encargo Mensal = Capital x [ 1 + (i) x (n) ] n x [ a1 + (n-1) x (i) ] Saldo devedor atual recalculado: R$ 35.04,11 Tarifas embutidas ao contrato: R$.41,37 Saldo credor: R$ 1.,6 O saldo credor é composto dos valores já pagos a titulo de capitalização de juros/anatocismo somado com as tarifas diversas embutidas indevidamente ao valor financiado. Formação do Saldo Credor : 17 parcelas pagas x R$ 70,35 (Contrato) = R$ 4.55,5 17 parcelas pagas x R$ 1.36,5 (Recálculo) = R$ 3.60, ,00 x [ 1+ ( -0,0147 ) x 4 ] 4 x [ 1+ ( 47 ) x -0,0147 ] ,00 x [ 0,36406 ] 4 x [ 0, ] 14.61,0 = 467,55, R$ 4.55,5 - R$ 3.60,6 = R$ 1.,6 Saldo Credor : R$ 1.,6 Saldo Credor somando tarifas : R$ 3.70,06 Se o financiamento estivesse nos paramêtros legais o financiado teria pago valores menores, com isso, o saldo credor é usado como fator de amortização na nova evolução remanescente do financiamento. Saldo devedor atualizado: (Saldo atual Recalculado) (Saldo Credor Total) R$ 35.04,11 - -R$.77,44 = R$ 44.53,55 R$ 467,55 Método linear ponderado (Gauss) - Sistema Recalculado Usando a taxa contratada de juros 1,300% a.m. Capital Prazo (n) Taxa Mensal (i) R$ 44.53,55 1,300% (Saldo devedor atualizado) (Prazo Remanescente do Financiamento) ,00 x [ 1+ ( 0,013 ) x 4 ] 4 x [ 1+ ( 47 ) x 0,013 ] ,00 x [ 1,7 ] 4 x [ 1,430 ] Encargo Mensal = Capital x [ 1 + (i) x (n) ] n x [ a1 + (n-1) x (i) ] 3.0,00 6,64 = R$ 1.36,5 136, ,55 x [ 1+ ( 0,013 ) x ] x [ 1+ ( 30 ) x 0,013 ] 44.53,55 x [ 1,5673 ] x [ 1,745 ] 6.75,7 3,505 = 176,5 R$ 1.76,5

5 RESUMO E PARECER TÉCNICO a) A instituição financeira aplicou no contrato em questão metodologia que se utiliza de juros compostos (juros sobre juros) gerando o efeito capitalização e causando onerosidade excessiva na operação. b) O presente laudo demonstra a conversão de cálculo do sistema contratado (Sistema de Amortização Price) para o (Método Linear Ponderado - Gauss) a taxa de juros usada no recálculo é a mesma pactuada no contrato. c) Com a presente conversão foi retirada a capitalização de juros do financiamento,onde, os valores já pagos entendidos como indevidos estão sendo compensados na amortização do saldo devedor atual trazendo uma nova evolução do financiamento. d)embasamento técnico jurídico para confecção do cálculo: Lei n 4.55, de 164, o art 4 do decreto n..66, de 133 ".(4 a turma do STJ, no Resp RS, rel Min Sálvio de Figueiredo). Súmula n 11 / STF Súmula 30 STJ 1 do artigo 5 Código de Defesa do Consumidor Súmula 37 / STJ Súmula 11 / STF Resumo Analítico de Valores Valor financiado: Valor da dívida: R$ 34.04,0 Taxa mensal contratada: 1,3% Taxa média de mercado contratação: 1,% Indébito atual: R$ 3.70,06 Indébito em dobro: R$ 7.560,1 Valor para quitação antecipada: R$ 35.04,11 Total parcelas em atraso: R$ 7.36,5 Proveito econômico com a revisão: -R$ 3.36,1 Recalculada: R$ 1.76,5 Taxa mensal pactuada esta de acordo com a média de mercado. Taxa média de mercado periodo da contratação da operacação. Valor pago referente a capitalização de juros e tarifas de contratação. Indébito apontado em dobro para restituição ou compensação de valores. Valor recalculado proposto para quitação atual do contrato. Parcelas em atraso recalculadas com juros de mora legais. Econômia financeira com a revisão de valores (Valor da causa). Novo valor da parcela para os depósitos judiciais, valor incontroverso. Curitiba, quarta-feira, 16 de outubro de 013 COBREVI - Cobranças & Cálculos Rua Bororós 04 conj 0 Cep Fone (41)

PARECER TÉCNICO CONTÁBIL

PARECER TÉCNICO CONTÁBIL Processo: Tipo: Autor/Requerente: Réu/Requerido: ESCRITÓRIO DE PERÍCIAS CONTÁBEIS Nº Ordinária Revisão de Contrato Gildeones Bandeira Nunes de Castro Banco do Brasil e Financiamentos S/A PARECER TÉCNICO

Leia mais

COMISSÃO DE DEFESA DO CONSUMIDOR. PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR N o 76, DE 2011. I RELATÓRIO

COMISSÃO DE DEFESA DO CONSUMIDOR. PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR N o 76, DE 2011. I RELATÓRIO COMISSÃO DE DEFESA DO CONSUMIDOR PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR N o 76, DE 2011. Veda a utilização do sistema francês de amortização, ou tabela Price, nos empréstimos e financiamentos de qualquer natureza.

Leia mais

Maria Regina R Avelar Contadora, Auditora, Perita. Tel. 11 3167 5144 R 126

Maria Regina R Avelar Contadora, Auditora, Perita. Tel. 11 3167 5144 R 126 1 DO TRABALHO PERICIAL Tomando por base os dados constantes da planilha apresentada pelo Banco, a perita reconstituiu as condições contratuais, a seguir: Em 22/11/1999 a Sra. WALKYRIA STORER e o HSBC BANK

Leia mais

Perícia Contábil. Prof. Guilherme Luiz Bertoni Pontes 17/5/2013. UNISEB Centro Universitário

Perícia Contábil. Prof. Guilherme Luiz Bertoni Pontes 17/5/2013. UNISEB Centro Universitário Perícia Contábil Prof. Guilherme Luiz Bertoni Pontes UNISEB Centro Universitário 17/5/2013 Módulo 6.2 Unidade 5 UNISEB Centro Universitário Perícia Contábil em Processos Bancários 3 A PERÍCIA BANCÁRIA

Leia mais

Edilson Aguiais Projetos e Análise Econômica e Financeira Perícia Judicial

Edilson Aguiais Projetos e Análise Econômica e Financeira Perícia Judicial REQUERENTE: REQUERIDO: BANCO S/A NATUREZA: REVISIONAL Edilson Aguiais EDILSON GONÇALVES DE AGUIAIS, brasileiro, solteiro, economista, Perito Judicial, regularmente inscrito no Conselho Regional de Economia

Leia mais

MENSAGEM DE ABERTURA

MENSAGEM DE ABERTURA MENSAGEM DE ABERTURA Sabedores das necessidades de controle e agilidade no atendimento aos clientes, o departamento do SPC Santa Catarina desenvolveu e coloca à disposição do associado da CDL, uma ferramenta

Leia mais

REGULAMENTO A CONCESSÃO E MANUTENÇÃO DE EMPRÉSTIMO SIMPLES AOS PARTICIPANTES E ASSISTIDOS DO PLANO BENEFÍCIO PREV-RENDA.

REGULAMENTO A CONCESSÃO E MANUTENÇÃO DE EMPRÉSTIMO SIMPLES AOS PARTICIPANTES E ASSISTIDOS DO PLANO BENEFÍCIO PREV-RENDA. REGULAMENTO A CONCESSÃO E MANUTENÇÃO DE EMPRÉSTIMO SIMPLES AOS PARTICIPANTES E ASSISTIDOS DO PLANO BENEFÍCIO PREV-RENDA. Índice Capítulo I Da Carteira de Empréstimo Simples... 3 Capítulo II Dos Recursos

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SANTO AMARO MERCADO DE CAPITAIS PRINCIPAIS PRODUTOS BANCARIOS Prof. Esp. Tomás de Aquino Salomão e-mail tomassalomao@gmail.

UNIVERSIDADE DE SANTO AMARO MERCADO DE CAPITAIS PRINCIPAIS PRODUTOS BANCARIOS Prof. Esp. Tomás de Aquino Salomão e-mail tomassalomao@gmail. UNIVERSIDADE DE SANTO AMARO MERCADO DE CAPITAIS PRINCIPAIS PRODUTOS BANCARIOS Prof. Esp. Tomás de Aquino Salomão e-mail tomassalomao@gmail.com Caderneta de Poupança A caderneta de poupança foi criada em

Leia mais

O QUE DEVO SABER PARA CONTRATAR O MEU FINANCIAMENTO IMOBILIÁRIO?

O QUE DEVO SABER PARA CONTRATAR O MEU FINANCIAMENTO IMOBILIÁRIO? TERMOS QUE VOCÊ DEVE CONHECER Financiamento é o valor emprestado pelo Banco para ajudá-lo a adquirir o seu imóvel. Juros é o custo do financiamento. Informe-se na sua agência da Caixa ou no correspondente

Leia mais

JUROS NA INCORPORAÇÃO

JUROS NA INCORPORAÇÃO IMOBILIÁRIA JUROS NA INCORPORAÇÃO Inicialmente, é importante esclarecer de forma bastante sintética, que os juros na incorporação imobiliária, consistem na remuneração do capital que os incorporadores

Leia mais

UNIDADE Sistemas de amortização de empréstimo e financiamento

UNIDADE Sistemas de amortização de empréstimo e financiamento UNIDADE 4 Sistemas de amortização de empréstimo e financiamento 109 Curso de Graduação em Administração a Distância Objetivo Nesta Unidade, você será levado a: diferenciar os dois tipos de sistema de amortização;

Leia mais

STJ00085281 NOTA À 9." EDIÇÃO... OBRAS DO AUTOR... 1.2 Operações bancárias... 18. 1.4 Natureza dos contratos de crédito bancário...

STJ00085281 NOTA À 9. EDIÇÃO... OBRAS DO AUTOR... 1.2 Operações bancárias... 18. 1.4 Natureza dos contratos de crédito bancário... STJ00085281 SUMÁRIO NOTA À 9." EDIÇÃO.................. OBRAS DO AUTOR................... 5 7 1. CRÉDITO BANCÁRIO........ 17 1.1 Atividade creditícia dos bancos.............. 17 1.2 Operações bancárias..........................

Leia mais

Aula 08 Matemática Financeira. Amortização de Empréstimos

Aula 08 Matemática Financeira. Amortização de Empréstimos ula 08 Matemática Financeira mortização de Empréstimos Introdução Freqüentemente, nas operações de médio e longo prazo, as operações de empréstimos são analisadas período por período. Consideremos os instantes

Leia mais

UNIDADE 1. SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS E FINANCIAMENTOS

UNIDADE 1. SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS E FINANCIAMENTOS UNIDADE. SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS E FINANCIAMENTOS Empréstimo - Recurso financeiro que não necessita ser justificado quanto a sua finalidade; por exemplo: cheque especial e CDC(Crédito Direto

Leia mais

caso; c) seja consolidada a propriedade do autor junto ao bem objeto do contrato; d) seja declarada a quitação do contrato em questão, bem como seja

caso; c) seja consolidada a propriedade do autor junto ao bem objeto do contrato; d) seja declarada a quitação do contrato em questão, bem como seja Estado do Rio de Janeiro Poder Judiciário Fls. Processo: 0047641-29.2012.8.19.0205 Processo Eletrônico Classe/Assunto: Procedimento Ordinário - Revisão Contratual / Obrigações / D. Civil Em 09/07/2014

Leia mais

O que devo saber para contratar meu Financiamento Habitacional

O que devo saber para contratar meu Financiamento Habitacional O que devo saber para contratar meu Financiamento Habitacional O que devo saber para contratar o meu financiamento imobiliário? Termos que você deve conhecer Financiamento é o valor emprestado pelo Banco

Leia mais

Imediatas: parcelas pagas em 30, 60 e 90 dias Antecipadas: sendo a primeira parcela paga no ato

Imediatas: parcelas pagas em 30, 60 e 90 dias Antecipadas: sendo a primeira parcela paga no ato Matemática Financeira Leandra Anversa Fioreze Rendas Imediatas: Primeiro pagamento efetuado no final do primeiro período. Ex: Comprei uma calculadora HP-12c Platinum em três parcelas de R$95,00, sendo

Leia mais

AMORTIZAÇÃO E EMPRÉSTIMOS

AMORTIZAÇÃO E EMPRÉSTIMOS AMORTIZAÇÃO E EMPRÉSTIMOS Conceitos iniciais Antes de iniciarmos os estudos específicos em relação a cada metodologia de amortização, é necessário conceituar alguns termos utilizados pelo mercado: Amortização:

Leia mais

Gran Cursos. Matemática Financeira Walter Sousa. Rendas Certas financiamentos e capitalizações. 1) Fluxo de Caixa. 1.1) Fluxo de Caixa Padrão

Gran Cursos. Matemática Financeira Walter Sousa. Rendas Certas financiamentos e capitalizações. 1) Fluxo de Caixa. 1.1) Fluxo de Caixa Padrão Matemática Financeira Walter Sousa Gran Cursos Rendas Certas financiamentos e capitalizações 1) Fluxo de Caixa Representa uma série de pagamentos ou recebimentos que ocorrem em determinado período de tempo.

Leia mais

Capítulo 6 Série Uniforme Prestações Iguais

Capítulo 6 Série Uniforme Prestações Iguais Capítulo 6 Série Uniforme Prestações Iguais Juros Compostos Fórmulas - 1 RELAÇÃO ENTRE PMT E FV FV = PMT [ ( 1 + i ) n-1 + ( 1 + i ) n-2 + + ( 1 + i ) + 1 ] (A) Multiplicando por (1+i): FV = PMT [(1 +

Leia mais

Laudo do cálculo. Contrato: 000000 Contratante: Teste Contratado: XXXX Financiamento S/A

Laudo do cálculo. Contrato: 000000 Contratante: Teste Contratado: XXXX Financiamento S/A Laudo do cálculo Contrato: 000000 Contratante: Teste Contratado: XXXX Financiamento S/A Teste, celebrou contrato de Aquisição de veículo por pessoa física com o XXXX Financiamento S/A em 02/06/2012. No

Leia mais

EXMO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA 2ª VARA CÍVEL DA CAPITAL FORUM JOÃO MENDES JR.

EXMO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA 2ª VARA CÍVEL DA CAPITAL FORUM JOÃO MENDES JR. Leonel Kern 1 EXMO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA 2ª VARA CÍVEL DA CAPITAL FORUM JOÃO MENDES JR. Ação N.º 99.889213-0 ordinária. GERSON VIANA DA SILVA contra BANCO ITAÚ S/A. Leonel Kern Ernesto, contabilista,

Leia mais

Exemplos de Preenchimento dos Atributos relativos ao Fluxo Financeiro (caráter meramente exemplificativo)

Exemplos de Preenchimento dos Atributos relativos ao Fluxo Financeiro (caráter meramente exemplificativo) Exemplos de Preenchimento dos Atributos relativos ao Fluxo Financeiro (caráter meramente exemplificativo) 1. Contrato com prazo total de 120 meses, sendo 24 de carência, com pagamento trimestral de juros

Leia mais

COMO CRIAR UM PLANO DE AMORTIZAÇÃO

COMO CRIAR UM PLANO DE AMORTIZAÇÃO COMO CRIAR UM PLANO DE AMORTIZAÇÃO! Sistemas de amortização de empréstimos! Sistema Price! SAC! Fórmulas do Excel! Planilha fornecida Autores: Francisco Cavalcante(cavalcante@netpoint.com.br) Administrador

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO SENHOR, DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA PRIMEIRA VARA CÍVEL DE COMPETÊNCIA RESIDUAL DA COMARCA DE CAMPO GRANDE (MS) PARECER TÉCNICO JUDICIAL

EXCELENTÍSSIMO SENHOR, DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA PRIMEIRA VARA CÍVEL DE COMPETÊNCIA RESIDUAL DA COMARCA DE CAMPO GRANDE (MS) PARECER TÉCNICO JUDICIAL EXCELENTÍSSIMO SENHOR, DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA PRIMEIRA VARA CÍVEL DE COMPETÊNCIA RESIDUAL DA COMARCA DE CAMPO GRANDE (MS) PARECER TÉCNICO JUDICIAL Campo Grande/MS, 12 de julho de 2015 Processo: 0016219-61.2012.8.12.0001

Leia mais

SIMULADO COMENTADO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA

SIMULADO COMENTADO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA SIMULADO COMENTADO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA Prof. Quilelli 1 ) Uma dívida contraída à taxa de juros simples de 10% ao mês, deverá ser paga em duas parcelas, respectivamente iguais a R$ 126,00, daqui a

Leia mais

UFSC CFM DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MTM 5152 MATEMÁTICA FINACEIRA II PROF. FERNANDO GUERRA. LISTA DE EXERCÍCIOS SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS

UFSC CFM DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MTM 5152 MATEMÁTICA FINACEIRA II PROF. FERNANDO GUERRA. LISTA DE EXERCÍCIOS SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS UFSC CFM DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MTM 5152 MATEMÁTICA FINACEIRA II PROF. FERNANDO GUERRA. 1 LISTA DE EXERCÍCIOS SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS 1) Certo banco concede um financiamento de 80.000

Leia mais

PARCELAMENTO TRIBUTÁRIO

PARCELAMENTO TRIBUTÁRIO PARCELAMENTO TRIBUTÁRIO Depósitos Judiciais (REsp. 1.251.513/PR) e a conversão do depósito pela Fazenda Pública José Umberto Braccini Bastos umberto.bastos@bvc.com.br CTN ART. 151 o depósito é uma das

Leia mais

IF 011 01 CRÉDITO AO PARTICIPANTE PARA INTEGRALIZAÇÃO DE RESERVA PREVIDENCIÁRIA

IF 011 01 CRÉDITO AO PARTICIPANTE PARA INTEGRALIZAÇÃO DE RESERVA PREVIDENCIÁRIA CRÉDITO AO PARTICIPANTE PARA INTEGRALIZAÇÃO DE RESERVA PREVIDENCIÁRIA SUMÁRIO DA NORMA 1 OBJETIVO,1 2 DEFINIÇÕES,1 2.1 SIGLAS E ABREVIATURAS,1 2.2 CONCEITOS,1 2.3 PALAVRAS-CHAVES,1 3 NORMAS,1 3.1 CAMPO

Leia mais

Existe uma diferença entre o montante (S) e a aplicação (P) que é denominada de remuneração, rendimento ou juros ganhos.

Existe uma diferença entre o montante (S) e a aplicação (P) que é denominada de remuneração, rendimento ou juros ganhos. Módulo 3 JUROS SIMPLES 1. Conceitos Iniciais 1.1. Juros Juro é a remuneração ou aluguel por um capital aplicado ou emprestado, o valor é obtido pela diferença entre dois pagamentos, um em cada tempo, de

Leia mais

Em qualquer área de saber que se queira emitir opinião, é de fundamental importância que se defina o objeto de estudo.

Em qualquer área de saber que se queira emitir opinião, é de fundamental importância que se defina o objeto de estudo. O SISTEMA DE AMORTIZAÇÃO PRICE NÃO PRATICA ANATOCISMO. Em qualquer área de saber que se queira emitir opinião, é de fundamental importância que se defina o objeto de estudo. No caso em questão, sem a definição

Leia mais

PRIMEIRA PARTE CAPITALIZAÇÃO DOS JUROS

PRIMEIRA PARTE CAPITALIZAÇÃO DOS JUROS TABELA PRICE: MITOS E PARADIGMAS SUMÁRIO INTRODUÇÃO...01 PRIMEIRA PARTE CAPITALIZAÇÃO DOS JUROS CAPÍTULO I - A QUESTÃO DO ANATOCISMO NA HISTÓRIA...07 1. A Usura no Contexto da História Geral...07 1.1.

Leia mais

Cálculos de Revisional de Contratos PARECER TÉCNICO

Cálculos de Revisional de Contratos PARECER TÉCNICO PARECER TÉCNICO 1 - INTRODUÇÃO O presente Parecer Técnico tem por objetivo calcular, analisar e emitir comentários sobre o Contrato de Empréstimo de (cliente do banco) junto ao BANCO xxx S/A., no valor

Leia mais

Norma do Programa de Empréstimo Pessoal TECHNOS

Norma do Programa de Empréstimo Pessoal TECHNOS Norma do Programa de Empréstimo Pessoal TECHNOS SUMÁRIO CAPÍTULO I - DA FINALIDADE...3 CAPÍTULO II - DOS PARTICIPANTES E ASSISTIDOS...3 CAPÍTULO III - DOS CRITÉRIOS PARA CONCESSÕES...4 CAPÍTULO IV - DOS

Leia mais

Prof. Luiz Felix. Unidade II MATEMÁTICA FINANCEIRA

Prof. Luiz Felix. Unidade II MATEMÁTICA FINANCEIRA Prof. Luiz Felix Unidade II MATEMÁTICA FINANCEIRA Sistemas de amortização de empréstimos e financiamentos São desenvolvidos basicamente para operações de empréstimos e financiamentos de longo prazo, envolvendo

Leia mais

CURSO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA APLICADA EM PERÍCIAS JUDICIAIS.

CURSO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA APLICADA EM PERÍCIAS JUDICIAIS. CURSO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA APLICADA EM PERÍCIAS JUDICIAIS. APRESENTAÇÃO DO CURSO O Curso de Matemática Financeira Aplicada em Perícias Judiciais do Instituto Caetano Andrade foi elaborado com o propósito

Leia mais

EXERCÍCIOS DIVERSOS TRABALHO 1

EXERCÍCIOS DIVERSOS TRABALHO 1 EXERCÍCIOS DIVERSOS TRABALHO 1 01. O gerente de uma loja de presentes está fazendo o fechamento das vendas de brinquedos no período de véspera de natal. No dia 06/11/2006 foram vendidos 14 brinquedos a

Leia mais

Crédito no Cartão Evolução do saldo e análise da taxa de juros cobrada

Crédito no Cartão Evolução do saldo e análise da taxa de juros cobrada Crédito no Cartão Evolução do saldo e análise da taxa de juros cobrada Estudo elaborado por: Boanerges Ramos Freire boanerges@boanergesecia.com.br Rafael Durer rafael@boanergesecia.com.br Fabricio Winter

Leia mais

Condições Gerais do Contrato de Concessão de Empréstimo mediante Consignação em Benefícios de Aposentadoria e Pensão do INSS

Condições Gerais do Contrato de Concessão de Empréstimo mediante Consignação em Benefícios de Aposentadoria e Pensão do INSS Condições Gerais do Contrato de Concessão de Empréstimo mediante Consignação em Benefícios de Aposentadoria e Pensão do INSS ESTAS CONDIÇÕES GERAIS REGEM O CONTRATO DE CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMO MEDIANTE

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA EMPRÉSTIMOS AMORTIZAÇÕES MF5 1 EMPRÉSTIMOS E Um empréstimo ou financiamento pode ser feito a curto, médio ou longo prazo. Dizemos que um empréstimo é a curto ou médio prazo quando

Leia mais

CAGEPREV - REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS

CAGEPREV - REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS 1 - OBJETIVO CAGEPREV - REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS 1.1 Estabelecer normas para concessão de empréstimos aos participantes ativos e assistidos. 2 - QUALIFICAÇÃO PARA O EMPRÉSTIMO 2.1 Ser

Leia mais

PLANOS DE FINANCIAMENTO METERIAL COMPLEMENTAR

PLANOS DE FINANCIAMENTO METERIAL COMPLEMENTAR PLANOS DE FINANCIAMENTO METERIAL COMPLEMENTAR José Luiz Miranda PLANOS DE FINANCIAMENTO Imagine uma operação financeira representada por um financiamento de R$ 1.200,00 no prazo de 5 meses à taxa de juros

Leia mais

Perícia Judicial e Extra-Judicial:

Perícia Judicial e Extra-Judicial: Perícia Judicial e Extra-Judicial: Revisão de Financiamento de Veículos Econ. Edilson Aguiais CRE-GO 2.337/D CORECON/GO Maio/12 SENHA WI-FI: 2009102009 Page 1 Edilson Aguiais é... Atividades Profissionais

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO UNIVERSITÁRIO NORTE DO ESPÍRITO SANTO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO UNIVERSITÁRIO NORTE DO ESPÍRITO SANTO UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO UNIVERSITÁRIO NORTE DO ESPÍRITO SANTO DISCIPLINA: ECONOMIA DA ENGENHARIA I PROFESSOR JORGE JUNIOR E.MAIL: JJUNIORSAN@CEUNES.UFES.BR Apostila integralmente

Leia mais

Lista de exercício nº 3* VPL, TIR e Equivalência de fluxos de caixa

Lista de exercício nº 3* VPL, TIR e Equivalência de fluxos de caixa Lista de exercício nº 3* VPL, TIR e Equivalência de fluxos de caixa 1. Calcule o valor presente do fluxo de caixa indicado a seguir, para uma taxa de desconto de 1 % ao mês, no Resposta: $13.147,13 2.

Leia mais

EXERCÍCIOS PROF. SÉRGIO ALTENFELDER

EXERCÍCIOS PROF. SÉRGIO ALTENFELDER 1- Uma dívida no valor de R$ 60.020,54 deve ser paga em sete prestações postecipadas de R$ 10.000,00, a uma determinada taxa de juros. Considerando esta mesma taxa de juros, calcule o saldo devedor imediatamente

Leia mais

REGIUS SOCIEDADE CIVIL DE PREVIDÊNCIA PRIVADA. Regulamento de Empréstimos Plano CV- 03

REGIUS SOCIEDADE CIVIL DE PREVIDÊNCIA PRIVADA. Regulamento de Empréstimos Plano CV- 03 1/6 TÍTULO: CLASSIFICAÇÃO: REFERENCIAL NORMATIVO: ASSUNTO: GESTOR: ELABORADOR: APROVAÇÃO: Documento Executivo Resolução CMN nº 3456/2007 PO-GEREL-002_Solicitação de Empréstimo Estabelece as regras para

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO GABINETE DO JUIZ FRANCISCO CAVALCANTI

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO GABINETE DO JUIZ FRANCISCO CAVALCANTI APELAÇÃO CÍVEL Nº 452892 CE (2000.81.00.033993-0) APTE : CEF - CAIXA ECONÔMICA FEDERAL ADV/PROC : DHEYNE MARQUES VIDAL LIRA E OUTROS APDO : MARIA JOSE MAIA DE OLIVEIRA ADV/PROC : YARA MORENO PINTO ORIGEM

Leia mais

Planilha 1 - Recalculo dos Juros Cobrados na Conta Bancaria - 138153-9

Planilha 1 - Recalculo dos Juros Cobrados na Conta Bancaria - 138153-9 SUPRIMED COMÉRCIO MAT. HOSPITALARES Agência: 73 Conta: 138153-9 Banco Bradesco Planilha 1 - Recalculo dos Juros Cobrados na Conta Bancaria - 138153-9 Data Semana Histórico Crédito Débito Saldo Saldo do

Leia mais

Telefone p/contato: 22159822

Telefone p/contato: 22159822 Telefone p/contato: 22159822 Apresentação Turma Especial aos Sábados CURSO DE FORMAÇÃO DE PERITO CONTÁBIL COM EXPERTISE FINANCEIRA O CURSO DE FORMAÇÃO DE PERITO CONTÁBIL COM EXPERTISE FINANCEIRA abordará

Leia mais

EMPRÉSTIMOS. Nos financiamentos a longo prazo o devedor ou mutuário tem também três modalidades para resgatar sua dívida:

EMPRÉSTIMOS. Nos financiamentos a longo prazo o devedor ou mutuário tem também três modalidades para resgatar sua dívida: EMPRÉSTIMOS Um empréstimo ou financiamento pode ser feito a curto, médio ou longo prazo. Dizemos que um empréstimo é a curto ou médio prazo quando o prazo total não ultrapassa 1 ano ou 3 anos, respectivamente.

Leia mais

COOPERATIVA DE CRÉDITO MÚTUO DOS INTEGRANTES DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO.

COOPERATIVA DE CRÉDITO MÚTUO DOS INTEGRANTES DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. 1 COOPERATIVA DE CRÉDITO MÚTUO DOS INTEGRANTES DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. REGULAMENTO DA CARTEIRA DE EMPRÉSTIMO Art. 1º - Este Regulamento estabelece as modalidades de empréstimos,

Leia mais

Novély Vilanova da Silva Reis. Juiz Federal em Brasília. novely@df.trf1.gov.br

Novély Vilanova da Silva Reis. Juiz Federal em Brasília. novely@df.trf1.gov.br JUROS E CORREÇÃO MONETÁRIA DECORRENTES DE SENTENÇA Novély Vilanova da Silva Reis. Juiz Federal em Brasília. novely@df.trf1.gov.br Qualquer débito decorrente de decisão judicial, incide juros ainda que

Leia mais

CONTRATO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL. Empresa: Matrícula: Telefone: ( ) Renegociação? ( ) NÃO ( ) SIM Novo Contrato:

CONTRATO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL. Empresa: Matrícula: Telefone: ( ) Renegociação? ( ) NÃO ( ) SIM Novo Contrato: CONTRATO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL Nome do Participante/Assistido: Empresa: Matrícula: Telefone: ( ) Valor do Empréstimo: Quantidade de Prestações: Renegociação? ( ) NÃO ( ) SIM Novo Contrato: Valor liquido

Leia mais

ÁREA TEMÁTICA: FINANÇAS E ECONOMIA DO SETOR PÚBLICO O ANATOCISMO NOS SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO: TABELA PRICE E TABELA SAC

ÁREA TEMÁTICA: FINANÇAS E ECONOMIA DO SETOR PÚBLICO O ANATOCISMO NOS SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO: TABELA PRICE E TABELA SAC ÁREA TEMÁTICA: FINANÇAS E ECONOMIA DO SETOR PÚBLICO O ANATOCISMO NOS SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO: TABELA PRICE E TABELA SAC Autor: Lisandro Fin Nishi Instituição: UDESC E-mail: lisandro.nishi@udesc.br RESUMO

Leia mais

REGIUS SOCIEDADE CIVIL DE PREVIDÊNCIA PRIVADA REGULAMENTO DO PROGRAMA DE EMPRÉSTIMO PESSOAL PERMANENTE PLANO DE BENEFÍCIOS 03

REGIUS SOCIEDADE CIVIL DE PREVIDÊNCIA PRIVADA REGULAMENTO DO PROGRAMA DE EMPRÉSTIMO PESSOAL PERMANENTE PLANO DE BENEFÍCIOS 03 1/6 TÍTULO: CLASSIFICAÇÃO: REFERENCIAL NORMATIVO: ASSUNTO: GESTOR: ELABORADOR: APROVAÇÃO: Regulamento do Programa de Empréstimo Pessoal Permanente Documento Executivo Resolução CMN nº 3456/2007 PO-GEREL-002_Solicitação

Leia mais

Av. Tabajaras, 1.411, Centro, CEP: 17600-360, Fone: (14) 3491-5540, Tupã/SP.

Av. Tabajaras, 1.411, Centro, CEP: 17600-360, Fone: (14) 3491-5540, Tupã/SP. REVISÃO NO CONTRATO DE CONSUMO. EQUILIBRIO CONTRATUAL E A POSIÇÃO DO STJ. No atual cenário econômico brasileiro, aonde a oferta pelos bens de consumo alcança cada vez mais todas as classes, as instituições

Leia mais

Ação Revisional Bancária

Ação Revisional Bancária Ação Revisional Bancária Em relação as taxas de juros a jurisprudência do STJ fixou que a limitação dos juros a 12% a.a prevista na Lei da Usura não se aplica as instituições financeiras. No entanto aquela

Leia mais

Lista de Exercícios para a Prova Substitutiva de Matemática Financeira Parfor Matemática

Lista de Exercícios para a Prova Substitutiva de Matemática Financeira Parfor Matemática Lista de Exercícios para a Prova Substitutiva de Matemática Financeira Parfor Matemática 1. Se 35 m de um tecido custam R$ 140, quanto se pagará 12 m? 2. Se 20 tratores levaram 6 dias para realizar um

Leia mais

Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium. Séries Uniformes de Pagamento

Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium. Séries Uniformes de Pagamento Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium Disciplina: Matemática Financeira I Prof.: Marcos José Ardenghi Séries Uniformes de Pagamento As séries uniformes de pagamentos, anuidades ou rendas são

Leia mais

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL GERDAU PREVIDÊNCIA

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL GERDAU PREVIDÊNCIA REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL GERDAU PREVIDÊNCIA Capítulo I Da Finalidade Artigo 1 - O presente Regulamento de Empréstimo Pessoal, doravante denominado Regulamento, tem por finalidade definir normas

Leia mais

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO A PARTICIPANTE DO PLANO DE BENEFICIO CEBPREV.

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO A PARTICIPANTE DO PLANO DE BENEFICIO CEBPREV. REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO A PARTICIPANTE DO PLANO DE BENEFICIO CEBPREV. Sumário Capítulo I Da finalidade...1 Capítulo II - Dos contratantes...1 Capítulo III - Dos limites individuais...2 Capítulo IV -

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA FINANCEIRA MAT 191 PROFESSORES: ENALDO VERGASTA, GLÓRIA MÁRCIA, JODÁLIA ARLEGO

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA FINANCEIRA MAT 191 PROFESSORES: ENALDO VERGASTA, GLÓRIA MÁRCIA, JODÁLIA ARLEGO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA FINANCEIRA MAT 191 PROFESSORES: ENALDO VERGASTA, GLÓRIA MÁRCIA, JODÁLIA ARLEGO LISTA 2 1) Um título, com valor de face igual a $1.000,00,

Leia mais

Lista de Exercícios 1

Lista de Exercícios 1 Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Elétrica Disciplina de Engenharia Econômica TE142 2º Semestre de 2011 Professor James Alexandre Baraniuk Lista de Exercícios 1 1. Um jovem de 20 anos

Leia mais

Regulamento de Empréstimo

Regulamento de Empréstimo Regulamento $ de Empréstimo Para participantes do Plano Complementar de Benefícios Previdenciais - Plano BD $ Fundação de Previdência dos Empregados da CEB Regulamento aprovado pelo Conselho Deliberativo

Leia mais

Dispõe sobre o Imposto sobre Operações de Crédito, Câmbio e Seguro, ou relativas a Títulos ou Valores Mobiliários (IOF).

Dispõe sobre o Imposto sobre Operações de Crédito, Câmbio e Seguro, ou relativas a Títulos ou Valores Mobiliários (IOF). Instrução Normativa RFB nº 907, de 9 de janeiro de 2009 DOU de 13.1.2009 Dispõe sobre o Imposto sobre Operações de Crédito, Câmbio e Seguro, ou relativas a Títulos ou Valores Mobiliários (IOF). A SECRETÁRIA

Leia mais

Componente Curricular: Matemática Financeira Professor: Jarbas Thaunahy

Componente Curricular: Matemática Financeira Professor: Jarbas Thaunahy Componente Curricular: Matemática Financeira Professor: Jarbas Thaunahy 1. (AFTN 1985) Uma pessoa obteve um empréstimo de $ 120.000,00, a uma taxa de juros compostos de 2% a.m., que deverá ser pago em

Leia mais

REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMO SIMPLES

REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMO SIMPLES SUMÁRIO 1. DEFINIÇÕES... 2 2. FINALIDADE... 3 3. DESTINATÁRIOS... 3 4. DOCUMENTAÇÃO... 4 5. VALOR MÁXIMO E MÍNIMO... 5 6. PRAZOS... 5 7. ENCARGOS E ATUALIZAÇÃO MONETÁRIA... 6 8. GARANTIAS... 7 9. CONDIÇÕES

Leia mais

Resumo do Contrato de seu Cartão de Crédito do HSBC

Resumo do Contrato de seu Cartão de Crédito do HSBC Resumo do Contrato de seu Cartão de Crédito do HSBC Leia estas informações importantes para aproveitar todas as vantagens do seu novo cartão de crédito. Resumo do Contrato de seu Cartão de Crédito do

Leia mais

PROFESSOR: SEBASTIÃO GERALDO BARBOSA

PROFESSOR: SEBASTIÃO GERALDO BARBOSA UNESPAR/PARANAVAÍ - Professor Sebastião Geraldo Barbosa - 0 - PROFESSOR: SEBASTIÃO GERALDO BARBOSA Setembro/204 UNESPAR/PARANAVAÍ - Professor Sebastião Geraldo Barbosa - -. RENDAS CERTAS OU ANUIDADES Nas

Leia mais

prestação. Resp. $93.750,00 e $5.625,00.

prestação. Resp. $93.750,00 e $5.625,00. UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA DISCIPLINA MAT191 - MATEMÁTICA FINANCEIRA PROFESSORES: ENALDO VERGASTA, GLÓRIA MÁRCIA, JODÁLIA ARLEGO LISTA 3 1) Um bem é vendido a vista por $318.000,00

Leia mais

Contrato de Crédito Direto CAIXA - Pessoa Física

Contrato de Crédito Direto CAIXA - Pessoa Física CLÁUSULAS GERAIS CLÁUSULA PRIMEIRA - A CAIXA disponibiliza e o(s) CREDITADO(S) aceita(m) os valores de referência, sujeitos a confirmação até a data da efetivação da operação, observadas as normas operacionais

Leia mais

REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMO SIMPLES - CV

REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMO SIMPLES - CV SUMÁRIO 1. DEFINIÇÕES... 2 2. FINALIDADE... 3 3. DESTINATÁRIOS... 3 4. DOCUMENTAÇÃO... 4 5. VALOR MÁXIMO... 4 6. PRAZOS... 4 7. ENCARGOS E ATUALIZAÇÃO MONETÁRIA... 5 8. GARANTIAS... 5 9. CONDIÇÕES GERAIS...

Leia mais

SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO

SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO A amortização de um empréstimo é o processo de sua liquidação por meio de pagamentos periódicos (anuidades). Sistema Francês (Tabela Price) Sistema de Amortização Constante (SAC)

Leia mais

Prof. Diogo Miranda. Matemática Financeira

Prof. Diogo Miranda. Matemática Financeira 1. Uma alternativa de investimento possui um fluxo de caixa com um desembolso de R$ 10.000,00, no início do primeiro mês, Outro desembolso, de R$ 5.000,00, ao final do primeiro mês, e duas entradas líquidas

Leia mais

BANCO PEDE DESISTÊNCIA DA AÇÃO DE BUSCA E APREENSÃO, APÓS APRESENTAÇÃO DE DEFESA PELO ADVOGADO DO FINANCIADO

BANCO PEDE DESISTÊNCIA DA AÇÃO DE BUSCA E APREENSÃO, APÓS APRESENTAÇÃO DE DEFESA PELO ADVOGADO DO FINANCIADO BANCO PEDE DESISTÊNCIA DA AÇÃO DE BUSCA E APREENSÃO, APÓS APRESENTAÇÃO DE DEFESA PELO ADVOGADO DO FINANCIADO Deferida liminar de busca e apreensão de veículo financiado, apresentamos contestação dando-se

Leia mais

CCB Cédula de Crédito Bancário Consignação INSS

CCB Cédula de Crédito Bancário Consignação INSS CCB Cédula de Crédito Bancário Consignação INSS Pela presente CÉDULA DE CRÉDITO BANCARIO, doravante designada como CÉDULA, pagarei ao Banco Ibi S.A. Banco Múltiplo, com sede na Alameda Rio Negro, 585,

Leia mais

ORIENTAÇÃO PARA O PREENCHIMENTO DO SISTEMA DE CÁLCULO NA WEB

ORIENTAÇÃO PARA O PREENCHIMENTO DO SISTEMA DE CÁLCULO NA WEB ORIENTAÇÃO PARA O PREENCHIMENTO DO SISTEMA DE CÁLCULO NA WEB 1. O sistema é online, ou seja, não necessita de programas de planilha eletrônica para funcionar. O usuário acessa o programa, digita os dados

Leia mais

TABELA PRICE A POLÊMICA CONTINUA LUIZ DONIZETE TELES Economista

TABELA PRICE A POLÊMICA CONTINUA LUIZ DONIZETE TELES Economista Afinal de contas, ocorre ou não a capitalização composta dos juros na Tabela Price? A polêmica não deveria continuar, mas continua. E chegou a tal ponto que os mais renomados autores de livros de matemática

Leia mais

Conceitos Básicos 09/10/2015. Módulo IV Capitalização Composta. CAPITALIZAÇÃO COMPOSTA Montante e Juro Fórmulas Derivadas

Conceitos Básicos 09/10/2015. Módulo IV Capitalização Composta. CAPITALIZAÇÃO COMPOSTA Montante e Juro Fórmulas Derivadas Módulo IV Capitalização Composta Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. CAPITALIZAÇÃO COMPOSTA Montante e Juro Fórmulas Derivadas Conceitos Básicos No sistema de juros compostos (regime de capitalização composta),

Leia mais

Portabilidade de crédito

Portabilidade de crédito Portabilidade de crédito SEMARC 2014 - Seminário de Relacionamento com Clientes Brasília, 4 de agosto de 2014 30.6.99 30.5.01 28.1.05 6.9.06 26.7.07 6.12.07 6.12.09 25.3.10 25.11.10 24.2.11 15.3.13 4.11.13

Leia mais

2.3.3 Vencimento das parcelas. X2 2.4 Taxa de juros remuneratórios 2.5 IOF (R$) 2.6 Tarifa de 2.4.1 Ao mês 2.4.2 Ao ano 2.4.

2.3.3 Vencimento das parcelas. X2 2.4 Taxa de juros remuneratórios 2.5 IOF (R$) 2.6 Tarifa de 2.4.1 Ao mês 2.4.2 Ao ano 2.4. Saldo Parcelado Itaú Aditamento a Cédula de Crédito Bancário/Contrato - Abertura de crédito em conta corrente e financiamento de encargos Nr. XXXXXXXX10 Cliente XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX30 E os co-emitentes,

Leia mais

REGULAMENTO EMPRÉSTIMO CASANPREV

REGULAMENTO EMPRÉSTIMO CASANPREV REGULAMENTO EMPRÉSTIMO CASANPREV 1/9 CAPÍTULO I Do Objeto Art. 1º Este documento, doravante denominado Regulamento de Empréstimo, estabelece os direitos e as obrigações da CASANPREV, dos Participantes,

Leia mais

Anterior Sumário Próximo MATEMÁTICA COMERCIAL E FINANCEIRA

Anterior Sumário Próximo MATEMÁTICA COMERCIAL E FINANCEIRA Anterior Sumário Próximo MATEMÁTICA COMERCIAL E FINANCEIRA Clicando no link indicado por o usuário é conduzido para a seguinte tela:, Nesta página que se refere ao conteúdo de Matemática Financeira, os

Leia mais

Matemática Financeira - Vinícius Werneck, professor do QConcursos.com

Matemática Financeira - Vinícius Werneck, professor do QConcursos.com Matemática Financeira - Vinícius Werneck, professor do QConcursos.com 1- Q236904 - Prova: CESGRANRIO - 2012 - Caixa - Técnico Bancário Disciplina: Matemática Financeira Assuntos: Amortização; Sistema Francês

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Informações básicas sobre financiamentos do SFH Evori Veiga de Assis* Parte 1 - Considerações iniciais Os contratos de financiamentos habitacionais, desde a origem do SFH, observam

Leia mais

CUSTO JURÍDICO NO CRÉDITO IMOBILIÁRIO JUL/2002

CUSTO JURÍDICO NO CRÉDITO IMOBILIÁRIO JUL/2002 Diretoria de Crédito e Recuperação de Ativos CUSTO JURÍDICO NO CRÉDITO IMOBILIÁRIO JUL/2002 Meios de aquisição de bens (ex.:imóveis) Poupança Prévia Acumulação de Capital Rendimentos Financiament o BANCO

Leia mais

II Título do trabalho: FINANCIAMENTO HABITACIONAL Contradições do paradigma

II Título do trabalho: FINANCIAMENTO HABITACIONAL Contradições do paradigma IDENTIFICAÇÃO I Autor: Vitor Hugo Krawczyk Contador CRC/RS nº 34.445 II Título do trabalho: FINANCIAMENTO HABITACIONAL Contradições do paradigma III Endereço: Rua Vitor Hugo, 37 conj. 404 Porto Alegre/RS

Leia mais

TABELA PruCE: MITOS E PARADIGMAS

TABELA PruCE: MITOS E PARADIGMAS STJ00096186 JOSÉ JORGE MESCHIATTI NOGUEIRA TABELA PruCE: MITOS E PARADIGMAS 3 a Edição CAMPINAS/SP 2013 Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) (Câmara Brasileira do Livro, Sp' Brasil)

Leia mais

VIGÊNCIA: 19/11/2014. (Aprovado na 1550ª Reunião de Diretoria, realizada em outubro/2014)

VIGÊNCIA: 19/11/2014. (Aprovado na 1550ª Reunião de Diretoria, realizada em outubro/2014) VIGÊNCIA: 19/11/2014 (Aprovado na 1550ª Reunião de Diretoria, realizada em outubro/2014) SUMÁRIO 1 OBJETIVO... 3 2 DEFINIÇÕES... 3 3 - LIMITE DE CRÉDITO... 4 4 - ENCARGOS FINANCEIROS, ADMINISTRATIVO E

Leia mais

REGULAMENTO DA CARTEIRA DE EMPRÉSTIMO BÁSICO

REGULAMENTO DA CARTEIRA DE EMPRÉSTIMO BÁSICO Rev. 01 Data: 21/05/2014 Página 1 de 8 CAPÍTULO I DEFINIÇÕES Art. 1º - Para fins de aplicação deste Regulamento, o masculino incluirá o feminino e o singular incluirá o plural, a menos que o contexto indique

Leia mais

CORREÇÃO MONETÁRIA. Prof. M. Sc. Jarbas Thaunahy Santos de Almeida

CORREÇÃO MONETÁRIA. Prof. M. Sc. Jarbas Thaunahy Santos de Almeida CORREÇÃO MONETÁRIA 1 Prof. M. Sc. Jarbas Thaunahy Santos de Almeida Roteiro 2 Roteiro 3 Introdução 4 Introdução 5 Introdução 1. Em maio de 2008, João emprestou R$ 20.000,00 a Pedro, à taxa de juros compostos

Leia mais

BANCO DO BRASIL - 2015 Questão 11. Resolução:

BANCO DO BRASIL - 2015 Questão 11. Resolução: Observe a adição: BANCO DO BRASIL - 2015 Questão 11 Sendo E e U dois algarismos não nulos e distintos, a soma E + U é igual a (A) 13 (B) 14 (C) 15 (D) 16 (E) 17 Temos: U + U + 10E + U = 10U + E 3 U + 10E

Leia mais

DELPHOS INFORMA CONSELHO CURADOR DO FUNDO DE COMPENSAÇÃO DE VARIAÇÕES SALARIAIS RESOLUÇÃO Nº 133, DE 26 DE ABRIL DE 2002

DELPHOS INFORMA CONSELHO CURADOR DO FUNDO DE COMPENSAÇÃO DE VARIAÇÕES SALARIAIS RESOLUÇÃO Nº 133, DE 26 DE ABRIL DE 2002 DELPHOS INFORMA ANO 8 - Nº 35 ABRIL / 2002 CONSELHO CURADOR DO FUNDO DE COMPENSAÇÃO DE VARIAÇÕES SALARIAIS RESOLUÇÃO Nº 133, DE 26 DE ABRIL DE 2002 Ementa: Aprovar o Regulamento do Parcelamento de Débitos

Leia mais

Elementos de Análise Financeira Juros Simples Profa. Patricia Maria Bortolon

Elementos de Análise Financeira Juros Simples Profa. Patricia Maria Bortolon Elementos de Análise Financeira Juros Simples Fórmulas de Juros Simples J C i n Onde: J = valor dos juros expresso em unidades monetárias C = capital. É o valor (em $) em determinado momento i = taxa de

Leia mais

SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO

SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO CONCEITOS BÁSICOS A amortização é uma operação financeira mediante a qual um empréstimo ou financiamento é pago de maneira progressiva, por meio de prestações, de modo que ao término

Leia mais

TARIFAS BANCÁRIAS VOCÊ VALORIZA CADA CENTAVO DO SEU DINHEIRO. E A CAIXA TAMBÉM.

TARIFAS BANCÁRIAS VOCÊ VALORIZA CADA CENTAVO DO SEU DINHEIRO. E A CAIXA TAMBÉM. TARIFAS BANCÁRIAS VOCÊ VALORIZA CADA CENTAVO DO SEU DINHEIRO. E A CAIXA TAMBÉM. Por norma do Conselho Monetário Nacional (CMN), foram padronizados os Serviços Prioritários e os serviços isentos para Pessoa

Leia mais

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO Art. 1º Este documento, doravante denominado Regulamento de Empréstimo, estabelece os direitos e as obrigações da Boticário Prev, dos Participantes e Assistidos, para a concessão

Leia mais

Sumário Executivo 7 1 430

Sumário Executivo 7 1 430 43017 Sumário Executivo SUMÁRIO EXECUTIVO CARTÃO DE CRÉDITO BANDEIRA VISA INTERNACIONAL: Este documento contém as informações essenciais e resumidas relacionadas ao seu cartão extraídas das Condições Gerais

Leia mais

Resumo do Contrato de seu Cartão de Crédito Instituto HSBC Solidariedade

Resumo do Contrato de seu Cartão de Crédito Instituto HSBC Solidariedade Resumo do Contrato de seu Cartão de Crédito Instituto HSBC Solidariedade Leia estas informações importantes para aproveitar todas as vantagens do seu novo cartão de crédito. Resumo do Contrato de seu

Leia mais