PREPARAÇÃO FÍSICA. Qualidades físicas e métodos de treinamento. 30/09/2014 Anselmo Perez

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PREPARAÇÃO FÍSICA. Qualidades físicas e métodos de treinamento. 30/09/2014 Anselmo Perez"

Transcrição

1 PREPARAÇÃO FÍSICA Qualidades físicas e métodos de treinamento

2 PREPARAÇÃO FÍSICA ou Treinamento Físico Conceito: componente que compreende os meios utilizados para o desenvolvimento das qualidades físicas básicas e específicas da prática corporal em treinamento, quer seja para os esportes de alto rendimento ou de lazer (prazer e segurança), quer seja para a saúde corporal (atividades do dia a dia).

3 PREPARAÇÃO FÍSICA /ou Treinamento Físico alto rendimento complexa, depende: lazer e saúde dirigida a: esporte educação desenvolvimento: * Nível de competição objetivada; * Condições anteriores dos atletas; * Qualidades físicas da modalidade; * Tempo disponível; * Potenciais físicos dos atletas; * Meios tecnológicos disponíveis. Segurança cardiovascular dos praticantes; Suporte para obtenção de nível técnico possível para prática prazerosa e segura. Valências da psicomotricidade (coordenação, ritmo, esquema corporal, outras); Qualidades físicas de base (força, resistência aeróbica, velocidade, flexibilidade e agilidade).

4 Preparação Física Qualidades físicas e suas divisões Meios de preparação no treinamento físico Métodos e aplicações de treinamento físico

5 Preparação Física Qualidades Físicas e suas Divisões (Tubino et al, Dicionário Enciclopédico Tubino do Esporte) PREPARAÇÃO ORGÂNICA PREPARAÇÃO MUSCULAR PREPARAÇÃO PERCEPTIVO- CINÉTICA

6 Qualidades físicas e suas divisões Modificada de Tubino et al, Dicionário Enciclopédico Tubino do Esporte. Neuromuscular Cardiovascular/ Orgânica Muscular Força Flexibilidade Perceptivo-Cinética Velocidade Equilíbrio Ritmo Agilidade Coordenação Descontração Resistência anaeróbica alática Resistência anaeróbica lática Resistência aeróbica

7 Meios da Preparação Física (Tubino et al, Dicionário Enciclopédico Tubino do Esporte.) Musculação Treinamento Contínuo Treinamento Intervalado Treinamento em Circuito Treinamento de Velocidade Treinamento de Flexibilidade Métodos e Formas Especiais de Preparação Física

8 Resistência anaeróbica alática Cardiovascular/Orgânica Resistência anaeróbica lática Resistência aeróbica

9 WASSERMAN K et al. Provas de esforço: princípios e interpretação. Rio de Janeiro: Revinter, Pag /09/2014 Anselmo Perez

10 30/09/2014 CHICARRO JL; VAQUERO AF. Fisiologia del ejercicio Anselmo Perez

11 Qualidades físicas orgânicas - resistências Resistência anaeróbica alática Ressíntese de ATP fosfato de creatina 2 a 10 segundos de estímulo intenso Resistência anaeróbica lática Ressíntese de ATP - glicogênio/glicose 15 a 60 segundos de estímulo intenso Resistência aeróbica Ressíntese de ATP carboidrato e gordura mais de 120 segundos de estímulo intenso

12 Meios e Métodos de Resistência Aeróbia (Tubino et al, Dicionário Enciclopédico Tubino do Esporte) Método primário Treinamento Contínuo cargas contínuas, longa duração em estado de equilíbrio fisiológico (steady state); exercícios cíclicos (corrida, natação, remo, ciclismo, esqui); Fartlek (jogo de velocidade). Métodos secundários Musculação - RML Treinamento Intervalado intervalos curtos Treinamento em Circuito intervalos curtos, várias passagens Métodos e Formas Especiais de Preparação Física: alongamento; altitude-training; hipóxico.

13 Sessão de Treinamento Contínuo 1ª parte aquecimento Alongamento ou atividade aeróbia/endurance 2ª parte principal Identificação do volume e intensidade para o tipo de exercício a ser praticado 3º parte: desaquecimento Idem aquecimento 30/09/2014 Anselmo Perez

14 Exemplo de uma Sessão de Treinamento Contínuo para Corredores Aquecimento 10 min Alongamento estático com 10 segundos de sustentação, com exercícios para pescoço, mmss e ombro, tronco e mmii 2ª parte: principal 30 minutos a 75% da FCreserva, com medida da FC a cada 10 minutos Desaquecimento 10 min Idem aquecimento 30/09/2014 Anselmo Perez

15 Treinamento Contínuo - controle da sessão VO 2 Frequência Cardíaca Execução Técnica/Eficiência Percepção Subjetiva do Esforço Lactato Sanguíneo 30/09/2014 Anselmo Perez

16 velocidade - km/h Controle de sessão - Método Contínuo ,9 13,6 13,3 13,5 13,3 13,1 13,0 PCR 13,6 13, ,3 LAV km 27/04/ manhã Fase condicionamento FC alvo = 90% (176 bpm) Meso Desenvolvimento 1

17 Fartlek (cross country)

18 Fartlek Jogo de velocidade Treino contínuo com variação de velocidade durante o percurso Terrenos variados

19 Freqüência Cardíaca - bpm Controle de sessão - FARTLEK (1 km fraco/2 km fortes) /04/2013 noite - Fase condicionamento - Meso Desenvolvimento :30 14,5 km/h 8:43 14,2 km/h 8:55 14,0 km/h TEMPO - minutos

20 Ficha de controle -Sessão de Treinamento identificação do(s) indivíduo(s) e nome do professor/técnico objetivo da sessão, incluindo a porcentagem a ser atingida com o efeito agudo do estímulo método de treinamento utilizado local e condições de aplicação da sessão descrição da sessão: aquecimento, parte principal, desaquecimento controle da sessão resultado da sessão: anotações feitas sobre a sessão, incluindo o que não havia sido planejado discussão e conclusão, onde deverá ser apresentada uma comparação do que foi planejado com o que foi obtido, incluindo uma análise para a próxima sessão de treino

21 Meios e Métodos de Resistência Anaeróbia Método primário Treinamento Intervalado tolerância e resistência ao lactato, com intervalos longos Métodos secundários Treinamento em Circuito intervalos longos, execução rápida de movimentos Musculação - potência

22 Treinamento Intervalado Interval Training

23 Treinamento Intervalado Interval Training Tubino e Moreira, 2003 Alternância entre períodos de trabalho e de recuperação, com intensidades e durações controladas. Nasceu da evolução dos métodos de treinamento para corredores de fundo e meio-fundo, sendo responsável por um grande número de recordes mundiais nos primeiros anos após a sua concepção em 1939 (treinador Woldemar Gerschller e Harbig, atleta de 400 e 800 m), continuando em 1952 com Emil Zatopek (5.000, e maratona) 30/09/2014 Anselmo Perez

24 Treinamento Intervalado Interval Training Tubino e Moreira, 2003 Atualmente é utilizado em todas as modalidades esportivas e também para treinamento cardiovascular de não atletas 30/09/2014 Anselmo Perez

25 Treinamento Intervalado Pausas entre os estímulos Treino anaeróbio Distâncias totais entre 2 a 8km, com frações de 200m a 1000m; em casos especiais (maratonistas) até 3km

26 Treinamento Intervalado Exemplo: ETRIA Estímulo; Tempo; Repetições; Intervalo; Ação 20 (R) x 400m (E) 90% da velocidade máxima (T) 1:30 (I) trotando (A)

27 Freqüência Cardíaca - bpm Controle de sessão - Treinamento Intervalado E = 1 km T = 4 min R = :01 3:58 4:00 I = 1:30 A = alongamento TEMPO - minutos

28 Tipos: MÉTODOS DE TREINAMENTO Método Intervalado Adaptado de Dantas, EHM(2003) p. 141

29 TREINAMENTO INTERVALADO EXTENSIVO Metodologia proposta por Weineck, J (2003) vs. Dantas, EH (2003) Weineck, J. O treinamento dos principais requisitos motores. In: Treinamento ideal. p Dantas, EHM. Treinamento Cardiopulmonar. In: A prática da preparação física. p

30 TREINAMENTO INTERVALADO INTENSIVO Metodologia proposta por Weineck, J (2003) vs. Dantas, EH (2003) Weineck, J. O treinamento dos principais requisitos motores. In: Treinamento ideal. p Dantas, EHM. Treinamento Cardiopulmonar. In: A prática da preparação física. p

31 Treinamento Intervalado Interval Training Orientações para uma sessão: Tipos Tolerância Resistência E - estímulo 20 s a 3 min T tempo (% vel máxima) 90 a a 90 R repetições/execuções 1 a a 40 I intervalo (FC >130 bpm) 2 a 5 min 30 s a 1:30 min A ação durante o intervalo Trotar a 40% do VO 2 máx. Caminhar Alongar

32 Treinamento Intervalado Interval Training controle da sessão: Lactato Sanguíneo Execução Técnica/Eficiência Percepção Subjetiva do Esforço FC

33

34

35

36

37

38

39

40

41

42

43

44 Métodos de treinamento Diferenças entre Fartlek e Treinamento Intervalado

45 Fartlek (treino aeróbico e misto) Exemplo: Correr 5km sendo 500m forte e 500m fraco Não há interrupção As intensidades devem ficar entre 60% a 90% da FCreserva

46 Principal diferença Fartlek Não há intervalo e o estímulo fraco está dentro da zona de treinamento aeróbico Treinamento Intervalado No intervalo ou descansa, ou alonga, ou trote recuperativo Anselmo Perez

47 Ficha de controle -Sessão de Treinamento identificação do(s) indivíduo(s) e nome do professor/técnico objetivo da sessão, incluindo a porcentagem a ser atingida com o efeito agudo do estímulo método de treinamento utilizado local e condições de aplicação da sessão descrição da sessão: aquecimento, parte principal, desaquecimento controle da sessão resultado da sessão: anotações feitas sobre a sessão, incluindo o que não havia sido planejado discussão e conclusão, onde deverá ser apresentada uma comparação do que foi planejado com o que foi obtido, incluindo uma análise para a próxima sessão de treino

48 Treinamento em Circuito Circuit -Training Tubino e Moreira, 2003 Criado em 1953 por Morgan e Adamson (Universidade de Leeds Inglaterra), como alternativa para o treinamento intervalado, com influências também do Body Building System (Culturismo). Consta de passagens por estações (oficinas), nas quais são executados exercícios (com ou sem implementos) de efeitos distintos, podendo incluir várias qualidades físicas ao mesmo tempo. Aplicação geral: aeróbico ou anaeróbico. Demais qualidades físicas nas próprias estações, podendo receber alternância de grupos musculares e exercícios específicos.

49 Treinamento em Circuito Circuit -Training Tubino e Moreira, 2003 Na concepção oficial de Morgan e Adamson, o C.T. englobava toda a preparação física, isto é, era o único meio a ser empregado. Hoje, ele é um dos meios de treinamento. Inicialmente, o C.T. visava somente melhorias nas condições orgânicas e da potência muscular. Atualmente, pode ser programado para um número bem maior de qualidades físicas e em diferentes locais. Obedecia dois tipos de processos: TEMPO FIXO e CARGA FIXA. Hoje a referência passa a ser as qualidades físicas visadas.

50 Treinamento em Circuito Circuit -Training Tubino e Moreira, 2003 Totalidade Aeróbico Anaeróbico Estato de equilíbrio fisiológico Ritmos moderados, intensidades aeróbicas RML Não há estações com velociddade e potência Alta produção de lactato Executado com velocidade Estações de velocidade e potência 30/09/2014 Anselmo Perez

51 Treinamento em Circuito Circuit -Training Tubino e Moreira, 2003 Objetivos nas estações Força: RML, potência, e velocidade Outras qualidades físicas: agilidade, equilíbrio, flexibilidade

52 Treinamento em Circuito Circuit -Training Tubino e Moreira, 2003 Regras para composição e aplicação Alternância nos grupos musculares Dosagem individual por estação Exercícios de execução simples, com domínio corporal pelo executante Aquecimento e ensaio dos movimentos Podem ser incluídos exercícios técnicos (fundamentos) de esportes

53 Treinamento em Circuito Circuit -Training Tubino e Moreira, 2003 Regras para composição e aplicação Número de estações: 6 a 15 estações aeróbico 15 anaeróbico 6 Intervalos entre estações e passagens: menor para aeróbico (nenhuma ou de 30s a 1 min) maiores para anaeróbico (1 a 3 min) Número de execuções: de acordo com teste inicial individualizado

54 Regras para composição e aplicação Treinamento em Circuito Circuit -Training Tubino e Moreira, 2003 Sobrecarga C.T. aeróbico: aumento no nº de passagens ou de repetições nas estações Sobrecarga C.T. anaeróbico: maior ritmo de execução, intensidades, ou menores intervalos Antes de sessões de C.T. executar os exercícios sem preocupação com velocidade controle da sessão: FC, nº execuções e coordenação dos movimentos (ficha) Sessões com várias pessoas ao mesmo tempo Anselmo Perez

55 Treinamento em Circuito Circuit -Training Vantagens Tubino e Moreira, 2003 Resultados a curto prazo Viabilidade em condições climáticas desfavoráveis Grande número de pessoas ao mesmo tempo Fácil aprendizagem dos exercícios Possibilita autoavaliação, variações nos estímulos e motivação Aproveitamento do tempo e espaço disponível Treinos individualizados e autocontrole Ambiente competitivo, para o caso de atletas Desvantagens Generalização em relação à qualidades físicas objetivadas Níveis de resultados menos efetivos

56 Treinamento em Circuito Circuit -Training Anselmo Perez

57 Treinamento em Circuito Circuit -Training

58 Treinamento em Circuito Circuit -Training

59

60

61

62

63

64

65

66

PREPARAÇÃO FÍSICA. Qualidades físicas e métodos de treinamento. 26/06/2014 Anselmo Perez

PREPARAÇÃO FÍSICA. Qualidades físicas e métodos de treinamento. 26/06/2014 Anselmo Perez PREPARAÇÃO FÍSICA Qualidades físicas e métodos de treinamento 26/06/204 PREPARAÇÃO FÍSICA ou Treinamento Físico Conceito: componente que compreende os meios utilizados para o desenvolvimento das qualidades

Leia mais

RESISTÊNCIA MÉTODOS DE TREINO

RESISTÊNCIA MÉTODOS DE TREINO RESISTÊNCIA MÉTODOS DE TREINO CONTÍNUOS POR INTERVALOS UNIFORME VARIADO PAUSA INCOMPLETA PAUSA COMPLETA INTERVALADO REPETIÇÕES RESISTÊNCIA MÉTODOS DE TREINO CONTÍNUOS POR INTERVALOS UNIFORME VARIADO PAUSA

Leia mais

Exercícios Aquáticos. Princípios NATAÇÃO. Teste máximo de corrida realizado na água PROGRAMAÇÃO

Exercícios Aquáticos. Princípios NATAÇÃO. Teste máximo de corrida realizado na água PROGRAMAÇÃO Exercícios Aquáticos NATAÇÃO Natação Esportes aquáticos Hidroginástica Deep water Acqua jogger Hidrobike Hidroginástica Deep Water Teste máximo de corrida realizado na água PROGRAMAÇÃO Princípios do treinamento

Leia mais

DISCIPLINA: TREINAMENTO ESPORTIVO II Professor: Paulo César Neves

DISCIPLINA: TREINAMENTO ESPORTIVO II Professor: Paulo César Neves DISCIPLINA: TREINAMENTO ESPORTIVO II Professor: Paulo César Neves 2012 PLANEJAMENTO DE TRABALHO PERIODIZAÇÃO Periodização é o planejamento geral do tempo disponível para o treinamento, de acordo com as

Leia mais

Bioquímica Aplicada ao Exercício Físico e Princípios do Treinamento

Bioquímica Aplicada ao Exercício Físico e Princípios do Treinamento Universidade de São Paulo Escola de Educação Física e Esporte Bioquímica Aplicada ao Exercício Físico e Princípios do Treinamento André Casanova Silveira João Lucas Penteado Gomes Ago/2016 Referência Bibliografia

Leia mais

ESTRUTURA E PREPARAÇÃO DO TREINAMENTO RICARDO LUIZ PACE JR.

ESTRUTURA E PREPARAÇÃO DO TREINAMENTO RICARDO LUIZ PACE JR. ESTRUTURA E PREPARAÇÃO DO TREINAMENTO RICARDO LUIZ PACE JR. Todo planejamento deve iniciar-se através da identificação das variáveis intervenientes no processo de preparação da estrutura do treinamento.

Leia mais

Faculdade de Motricidade Humana Unidade Orgânica de Ciências do Desporto TREINO DA RESISTÊNCIA

Faculdade de Motricidade Humana Unidade Orgânica de Ciências do Desporto TREINO DA RESISTÊNCIA Faculdade de Motricidade Humana Unidade Orgânica de Ciências do Desporto TREINO DA RESISTÊNCIA A capacidade do organismo de resistir à fadiga numa actividade motora prolongada. Entende-se por fadiga a

Leia mais

Fases de uma Periodização 23/8/2010. Processo de Recuperação Fosfagênio Sist. ATP-CP. 1 Macrociclo = 6 meses Jan. Fev. Mar. Abr. Mai. Jun.

Fases de uma Periodização 23/8/2010. Processo de Recuperação Fosfagênio Sist. ATP-CP. 1 Macrociclo = 6 meses Jan. Fev. Mar. Abr. Mai. Jun. Sistemas Energéticos Recuperação pós-exercício Processo de Recuperação Fosfagênio Sist. ATP-CP Glicogênio Muscular após ativ. intervalada Glicogênio muscular após ativ. contínuas e prolongadas Remoção

Leia mais

Aspectos Gerais do Treinamento Aeróbio: Planificação, Periodização e Capacidades Biomotoras

Aspectos Gerais do Treinamento Aeróbio: Planificação, Periodização e Capacidades Biomotoras Aspectos Gerais do Treinamento Aeróbio: Planificação, Periodização e Capacidades Biomotoras Curso Internacional de Meio Fundo e Fundo, 6 e 7 Junho 2015 Assunção, PAR Junho 2015 no esporte, como atleta,

Leia mais

CAPACIDADES FÍSICAS CAPACIDADE

CAPACIDADES FÍSICAS CAPACIDADE CAPACIDADES FÍSICAS CAPACIDADE = latim Capacitate, que significa qualidade que pessoa ou coisa tem de satisfazer para um determinado fim; habilidade; aptidão Segundo Gundlach (1968), as Capacidades Motoras

Leia mais

Combinação das cargas de treinamento no processo de preparação desportiva Carga ondulatória durante o processo de preparação desportiva...

Combinação das cargas de treinamento no processo de preparação desportiva Carga ondulatória durante o processo de preparação desportiva... Treinamento desportivo 13 Sumário INTRoDUÇÃO...19 1 Princípios científicos da preparação desportiva...21 preparação desportiva, leis e regras... 21 princípios pedagógicos da preparação desportiva... 21

Leia mais

Orientações para o Treino da Resistência no Montanhismo

Orientações para o Treino da Resistência no Montanhismo Orientações para o Treino da Resistência no Montanhismo Vantagens da Adequação do Treino aos Objectivos Desempenho aumento da capacidade física e rendimento; Eficiência melhoria da relação entre o esforço

Leia mais

COMO É UM TREINO DE CORRIDA BEM PLANEJADO. Entenda os princípios que não podem faltar na planilha de quem quer evoluir com a corrida:

COMO É UM TREINO DE CORRIDA BEM PLANEJADO. Entenda os princípios que não podem faltar na planilha de quem quer evoluir com a corrida: COMO É UM TREINO DE CORRIDA BEM PLANEJADO Entenda os princípios que não podem faltar na planilha de quem quer evoluir com a corrida: Você já ouviu falar que a corrida é um dos esportes mais democráticos

Leia mais

Bases do treinamento aeróbio para Corrida e Emagrecimento. Profª Ma. Kamilla Bolonha Gomes Profº Dr. Anselmo José Perez

Bases do treinamento aeróbio para Corrida e Emagrecimento. Profª Ma. Kamilla Bolonha Gomes Profº Dr. Anselmo José Perez Bases do treinamento aeróbio para Corrida e Emagrecimento Profª Ma. Kamilla Bolonha Gomes Profº Dr. Anselmo José Perez Unidade 3 - Plano de treinamento para a corrida 3.1 Processo do treinamento: metas,

Leia mais

POWER TRAINING. Método desenvolvido por Raoul Mollet no final da década de 50.

POWER TRAINING. Método desenvolvido por Raoul Mollet no final da década de 50. Origem POWER TRAINING Peculiaridades Finalidade Método desenvolvido por Raoul Mollet no final da década de 50. O PT constitui-se de quatro tipos distintos de exercícios: - Exercícios de halterofilismo:

Leia mais

MÉTODOS de Treinamento

MÉTODOS de Treinamento Metodologia do TREINAMENTO FÍSICO AULA 7 MÉTODOS de Treinamento MÉTODOS de Treinamento Métodos CONTÍNUOS Métodos INTERVALADOS Métodos FRACIONADOS Métodos em CIRCUITO Métodos ADAPTATIVOS São as DIFERENTES

Leia mais

TEORIA E METODOLOGIA DO TREINO ESPECÍFICO

TEORIA E METODOLOGIA DO TREINO ESPECÍFICO TEORIA E METODOLOGIA DO TREINO ESPECÍFICO AULA 3 LICENCIATURA EM CIÊNCIAS DA ACTIVIDADE FÍSICA HUMANA ORGANIZAÇÃO E CONDUÇÃO DO PROCESSO DE TREINO As Componentes da Carga de Treino A Carga...no esforço

Leia mais

FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO. Profa. Ainá Innocencio da Silva Gomes

FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO. Profa. Ainá Innocencio da Silva Gomes Profa. Ainá Innocencio da Silva Gomes CONCEITOS BÁSICOS ESPORTISTA - Praticante de qualquer atividade física com o intuito da melhoria da saúde ou de lazer, sem se preocupar com alto rendimento. ATLETA

Leia mais

Velocidade, coordenação, ritmo, etc. Muscular Força Cardio-respiratório Resistência Aeróbia Enzimático (LDH) Resistência Anaeróbia

Velocidade, coordenação, ritmo, etc. Muscular Força Cardio-respiratório Resistência Aeróbia Enzimático (LDH) Resistência Anaeróbia Treino com Jovens Meio-fundo (infantis Iniciados e Juvenis) Associação Distrital de Atletismo de Leiria Concentração de Meio-fundo Jovem Introdução Etapas do Plano de Carreira Que objetivos? Que treino?

Leia mais

FORÇA TIPOS DE FORÇA. Fatores que influenciam a FORÇA. Fatores que influenciam a FORÇA. Fatores que influenciam a FORÇA 25/02/2014

FORÇA TIPOS DE FORÇA. Fatores que influenciam a FORÇA. Fatores que influenciam a FORÇA. Fatores que influenciam a FORÇA 25/02/2014 TIPOS DE ELAINE DALMAN MILAGRE Parcela da Musculatura envolvida -Geral -Local Formas de Exigência Motora Envolvida -Força Máxima -Força Rápida -Resistência de Força Tipo de Trabalho do Músculo -Dinâmico

Leia mais

2 MÉTODO DE ESFORÇOS (OU RITMOS) VARIADOS

2 MÉTODO DE ESFORÇOS (OU RITMOS) VARIADOS MÉTODOS DE TREINAMENTO CONTÍNUOS NA NATAÇÃO 1 INTRODUÇÃO Os métodos contínuos são aqueles que envolvem a aplicação de cargas caracterizadas pelo predomínio do volume sobre a intensidade, trata-se de cargas

Leia mais

CIRCUITO FUNCIONAL CONTOURS

CIRCUITO FUNCIONAL CONTOURS CIRCUITO FUNCIONAL CONTOURS São Paulo, 27 de Junho de 2017 PROF. MS. PAULO COSTA AMARAL 1. Tecnologias Vestíveis (aparelhos que permite uma maior interação do usuário). 2. Body Weight Training (treinamento

Leia mais

Agrupamento de Escolas Sá da Bandeira - Santarém - Curso Profissional de Tec. Apoio Gestão Desportiva PAFD Módulo 2 Metodologia do Treino

Agrupamento de Escolas Sá da Bandeira - Santarém - Curso Profissional de Tec. Apoio Gestão Desportiva PAFD Módulo 2 Metodologia do Treino Conceito de TREINO Por treino desportivo entende-se o conjunto de processos que, através de variadas formas de exercício, visam preparar o atleta a nível físico, técnico-táctico, intelectual, ético e psicológico,

Leia mais

O TREINAMENTO DA VELOCIDADE PARA AS CORRIDAS DE FUNDO: CONSIDERAÇÃO SOBRE O MÉTODO FARTLEK *

O TREINAMENTO DA VELOCIDADE PARA AS CORRIDAS DE FUNDO: CONSIDERAÇÃO SOBRE O MÉTODO FARTLEK * O TREINAMENTO DA VELOCIDADE PARA AS CORRIDAS DE FUNDO: CONSIDERAÇÃO SOBRE O MÉTODO FARTLEK * Prof. Marcelo Augusti Técnico em Corridas de Fundo Especialização em Fisiologia do Exercício e Treinamento Desportivo

Leia mais

Objetivo da aula. Trabalho celular 01/09/2016 GASTO ENERGÉTICO. Energia e Trabalho Biológico

Objetivo da aula. Trabalho celular 01/09/2016 GASTO ENERGÉTICO. Energia e Trabalho Biológico Escola de Educação Física e Esporte Universidade de São Paulo Bioquímica da Atividade Motora Calorimetria Medida do Gasto Energético No Exercício Físico Objetivo da aula Medida do gasto energético no exercício

Leia mais

Calendário: agosto a maio Pré-temporada: junho Volume de treinamento: 20 a 25 horas semanais

Calendário: agosto a maio Pré-temporada: junho Volume de treinamento: 20 a 25 horas semanais PERIODIZAÇÃO DE TREINAMENTO CSKA Competição: temporada 2007/2008 Calendário: agosto a maio Pré-temporada: junho Volume de treinamento: 20 a 25 horas semanais Duração de cada sessão de treinamento: 90'

Leia mais

Antes de iniciar qualquer atividade física, o aluno deverá realizar todos os exames médicos para que a prática da atividade física descrita nesse

Antes de iniciar qualquer atividade física, o aluno deverá realizar todos os exames médicos para que a prática da atividade física descrita nesse Antes de iniciar qualquer atividade física, o aluno deverá realizar todos os exames médicos para que a prática da atividade física descrita nesse plano de treinamento seja liberada. PLANO POLÍCIA CIVIL

Leia mais

VI Congresso Internacional de Corrida- 2015

VI Congresso Internacional de Corrida- 2015 VI Congresso Internacional de Corrida- 2015 Treino de resistência e níveis de performance Gonçalo Vilhena de Mendonça 2015 Estrutura geral 1. Treino de resistência cardiorrespiratória (CR) na corrida.

Leia mais

Treinamento Intervalado - TI Recomendações para prescrição do treinamento O 2

Treinamento Intervalado - TI Recomendações para prescrição do treinamento O 2 Tipos de Estímulo Treinamento Intervalado - TI Recomendações para prescrição do treinamento O 2 Tony Meireles dos Santos Doutor em Ed. Física Certificado Health & Fitness Instructor ACSM Pro Health & Performance

Leia mais

Adaptações Metabólicas do Treinamento. Capítulo 6 Wilmore & Costill Fisiologia do Exercício e do Esporte

Adaptações Metabólicas do Treinamento. Capítulo 6 Wilmore & Costill Fisiologia do Exercício e do Esporte Adaptações Metabólicas do Treinamento Capítulo 6 Wilmore & Costill Fisiologia do Exercício e do Esporte Adaptações ao Treinamento Aeróbio Adaptações centrais e periféricas Realização do exercício submáximo

Leia mais

CEF CARDIO. CEF Cardio. Prescrição de Treino Cardio-Respiratório. Componentes Sessão de Treino. FITTE Factors Progressão do Treino

CEF CARDIO. CEF Cardio. Prescrição de Treino Cardio-Respiratório. Componentes Sessão de Treino. FITTE Factors Progressão do Treino CEF CARDIO CEF Cardio Prescrição de Treino Cardio-Respiratório Princípios do Treino Componentes Sessão de Treino Aquecimento Parte Fundamental Retorno à Calma FITTE Factors Progressão do Treino 1 Avaliação

Leia mais

Musculação - Métodos e Sistemas de Treinamento

Musculação - Métodos e Sistemas de Treinamento Musculação - Métodos e Sistemas de Treinamento Método Alternado por segmento É a forma tradicional do treinamento de musculação, sendo mais indicado à iniciantes e/ou na complementação de outras atividades.

Leia mais

Prof. Esp. Ricardo de Barros

Prof. Esp. Ricardo de Barros Prof. Esp. Ricardo de Barros Riccardo Rambo Potencial motor do organismo humano Sistema nervoso central, sistema neuromuscular e sistema de abastecimento energético Estrutura morfo-funcionalespecializada

Leia mais

TREINAMENTO Processo repetitivo e sistemático composto de exercícios progressivos que visam o aperfeiçoamento da performance.

TREINAMENTO Processo repetitivo e sistemático composto de exercícios progressivos que visam o aperfeiçoamento da performance. TREINAMENTO Processo repetitivo e sistemático composto de exercícios progressivos que visam o aperfeiçoamento da performance. TREINAMENTO FÍSICO Repetição sistemática de exercícios que produz fenômenos

Leia mais

Métodos treinamento das valências físicas relacionadas à Saúde. Prof Paulo Fernando Mesquita Junior

Métodos treinamento das valências físicas relacionadas à Saúde. Prof Paulo Fernando Mesquita Junior Métodos treinamento das valências físicas relacionadas à Saúde Prof Paulo Fernando Mesquita Junior Princípios científicos do treinamento Princípio da Individualidade biológica cada pessoa nasce com uma

Leia mais

O TREINO DE UM(a) JOVEM MEIO- FUNDISTA

O TREINO DE UM(a) JOVEM MEIO- FUNDISTA O TREINO DE UM(a) JOVEM MEIO- FUNDISTA LEIRIA, 21/11/2009 plano da apresentação 1. Jovens meio-fundistas? 2. Que capacidades devem ser desenvolvidas por um jovem meiofundista? 3. Como desenvolver essas

Leia mais

Métodos de Treino da Resistência. António nio Graça a * 2006

Métodos de Treino da Resistência. António nio Graça a * 2006 Métodos de Treino da Resistência Introdução - Classificação da resistência Duração Curta, média e longa duração De acordo com s condicionais Resistência (aeróbia e anaeróbia) Resistência Orgânica Velocidade

Leia mais

O Treino da Resistência Aeróbia na Escola

O Treino da Resistência Aeróbia na Escola O Treino da Resistência Aeróbia na Escola Leiria, 27 de Janeiro 2006 Análise da Situação Aumento da obesidade juvenil 1 terço das crianças (dos 7 aos 11 anos) é obesa Sedentarismo juvenil Jogam mais computador

Leia mais

PLANEAMENTO PARA ATLETAS DE MARCHA EM RIO MAIOR. Jorge Miguel Treinador

PLANEAMENTO PARA ATLETAS DE MARCHA EM RIO MAIOR. Jorge Miguel Treinador PLANEAMENTO PARA ATLETAS DE MARCHA EM RIO MAIOR PLANEAMENTO PARA ATLETAS DE MARCHA EM RIO MAIOR ASPECTOS A CONSIDERAR: A motivação do treinador e as oportunidades. Os atletas e a sua motivação. Como chegar

Leia mais

APTIDÃO FÍSICA. Composição Corporal. Aptidão. A aptidão relacionada a saúde inclui os seguintes componentes: Aptidão

APTIDÃO FÍSICA. Composição Corporal. Aptidão. A aptidão relacionada a saúde inclui os seguintes componentes: Aptidão COMPONENTES DA APTIDÃO FÍSICA RELACIONADOS A SAÚDE A aptidão relacionada a saúde é definida por uma capacidade de realizar atividades diárias com vigor e esta relacionada a um menor risco de doença crônica.

Leia mais

THIBAUT JUNQUEIRA CICLO JÚNIOR. Júnior

THIBAUT JUNQUEIRA CICLO JÚNIOR. Júnior THIBAUT JUNQUEIRA CICLO JÚNIOR Projecto do Ciclo Júnior 2009 2011 CICLO JÚNIOR Nesta Apresentação 1. Perfil do Atleta 2. Finalidades e Objectivos 3. Estratégias 4. Planeamento 5. Conteúdos 6. Considerações

Leia mais

Antes de iniciar qualquer atividade física, o aluno deverá realizar todos os exames médicos para que a prática da atividade física descrita nesse

Antes de iniciar qualquer atividade física, o aluno deverá realizar todos os exames médicos para que a prática da atividade física descrita nesse Antes de iniciar qualquer atividade física, o aluno deverá realizar todos os exames médicos para que a prática da atividade física descrita nesse plano de treinamento seja liberada. PLANO POLÍCIA MILITAR

Leia mais

VO 2MÁX de judocas estimado pelo Teste de Cooper nas faixas marrons e pretas do Distrito Federal.

VO 2MÁX de judocas estimado pelo Teste de Cooper nas faixas marrons e pretas do Distrito Federal. VO 2MÁX de judocas estimado pelo Teste de Cooper nas faixas marrons e pretas do Distrito Federal. Resumo *Israel de Paiva Arbués Carneiro **Rafael André de Araújo ***Francisco José Andriotti Prada O judô

Leia mais

Congresso Internacional de Ciclismo Objetivo 2012 Plataforma de Desenvolvimento do BTT. Anadia, Julho 2012 Pedro Vigário

Congresso Internacional de Ciclismo Objetivo 2012 Plataforma de Desenvolvimento do BTT. Anadia, Julho 2012 Pedro Vigário Congresso Internacional de Ciclismo Objetivo 2012 Plataforma de Desenvolvimento do BTT Anadia, Julho 2012 Pedro Vigário Objetivo 1 apuramento para os jogos Objetivo 2 desenvolvimento geral da vertente

Leia mais

Associação de Futebol da Guarda

Associação de Futebol da Guarda Cronograma: Curso de Treinadores de Futsal 1º Nível Aulas Teóricas Dezembro/08 Janeiro/09 As Capacidades Motoras 17 / Janeiro 19 / Janeiro 21 / Janeiro Avaliação Teórica Avaliação Prática 04 / Fevereiro

Leia mais

Testes Metabólicos. Avaliação do componente Cardiorrespiratório

Testes Metabólicos. Avaliação do componente Cardiorrespiratório Testes Metabólicos Avaliação do componente Cardiorrespiratório É a habilidade do organismo humano em suprir aerobicamente o trabalho muscular associado à capacidade dos tecidos em utilizar o oxigênio na

Leia mais

Antes de iniciar qualquer atividade física, o aluno deverá realizar todos os exames médicos para que a prática da atividade física descrita nesse

Antes de iniciar qualquer atividade física, o aluno deverá realizar todos os exames médicos para que a prática da atividade física descrita nesse Antes de iniciar qualquer atividade física, o aluno deverá realizar todos os exames médicos para que a prática da atividade física descrita nesse plano de treinamento seja liberada. 1ª 2ª 3ª 4ª 5ª 6ª 7ª

Leia mais

Formação treinadores AFA

Formação treinadores AFA Preparação específica para a atividade (física e mental) Equilíbrio entre treino e repouso Uso de equipamento adequado à modalidade (ex: equipamento, calçado, proteções) E LONGEVIDADE DO ATLETA Respeito

Leia mais

Prof. Dr. Bruno Pena Couto Teoria do Treinamento Desportivo. Encontro Multiesportivo de Técnicos Formadores Solidariedade Olímpica / COI

Prof. Dr. Bruno Pena Couto Teoria do Treinamento Desportivo. Encontro Multiesportivo de Técnicos Formadores Solidariedade Olímpica / COI Prof. Dr. Bruno Pena Couto Teoria do Treinamento Desportivo Encontro Multiesportivo de Técnicos Formadores Solidariedade Olímpica / COI Visão Geral - Princípios do Treinamento - Métodos de Treinamento

Leia mais

Capítulo 4 Prescrição de exercícios aeróbios

Capítulo 4 Prescrição de exercícios aeróbios Capítulo 4 Prescrição de exercícios aeróbios Objetivos de aprendizagem: Ø Descrever a importância dos exercícios aeróbios Ø Descrever sua prescrição de exercícios aeróbios Ø Seguir sua prescrição de exercícios

Leia mais

Limiar Anaeróbio. Prof. Sergio Gregorio da Silva, PhD. Wasserman & McIlroy Am. M. Cardiol, 14: , 1964

Limiar Anaeróbio. Prof. Sergio Gregorio da Silva, PhD. Wasserman & McIlroy Am. M. Cardiol, 14: , 1964 Limiar Anaeróbio Prof. Sergio Gregorio da Silva, PhD Wasserman & McIlroy Am. M. Cardiol, 14:844-852, 1964 Introdução do termo Limiar de Metabolismo Anaeróbio Definido como a taxa de trabalho ou VO2 a partir

Leia mais

VELOCIDADE VELOCIDADE - SÍNTESE 13/04/2015 PRINCÍPIOS METODOLÓGICOS OPERACIONALIZAÇÃO PRÁTICA. Introdução. Definição. A Velocidade no Futebol

VELOCIDADE VELOCIDADE - SÍNTESE 13/04/2015 PRINCÍPIOS METODOLÓGICOS OPERACIONALIZAÇÃO PRÁTICA. Introdução. Definição. A Velocidade no Futebol 13/04/2015 VELOCIDADE PRINCÍPIOS METODOLÓGICOS OPERACIONALIZAÇÃO PRÁTICA Bruno Romão 13/04/2015 VELOCIDADE - SÍNTESE 1. Introdução 2. Definição 3. A no Futebol 4. Formas de Manifestação de 5. Factores

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CAVALO ATLETA EM TESTES A CAMPO

AVALIAÇÃO DO CAVALO ATLETA EM TESTES A CAMPO AVALIAÇÃO DO CAVALO ATLETA EM TESTES A CAMPO Professor Guilherme de Camargo Ferraz guilherme.de.ferraz@terra.com.br INTRODUÇÃO Mercado Nacional de Eqüinos: Inter-relações Complexo Agronegócio Cavalo Esporte

Leia mais

Antes de iniciar qualquer atividade física, o aluno deverá realizar todos os exames médicos para que a prática da atividade física descrita nesse

Antes de iniciar qualquer atividade física, o aluno deverá realizar todos os exames médicos para que a prática da atividade física descrita nesse Antes de iniciar qualquer atividade física, o aluno deverá realizar todos os exames médicos para que a prática da atividade física descrita nesse plano de treinamento seja liberada. PLANO MARINHA (12 s).

Leia mais

AF Aveiro Formação de Treinadores. Fisiologia do Exercício

AF Aveiro Formação de Treinadores. Fisiologia do Exercício Fisiologia do Exercício Fisiologia do Exercício Fisiologia? A fisiologia = natureza, função ou funcionamento, ou seja, é o ramo da biologia que estuda as múltiplas funções mecânicas, físicas e bioquímicas

Leia mais

TEORIA DO TREINAMENTO DE NATAÇÃO

TEORIA DO TREINAMENTO DE NATAÇÃO Fontes energéticas ATP ATP - CP Carboidratos Glicose (Glicólise) Glicogênio Gordura TG (Lipólise) AGL Proteínas (Proteólise) AA SISTEMA ALÁTICO ATP: ± 3 CP: ± 10 Sistema ATP CP: ± 15 (primeiros 25 metros)

Leia mais

Princípios Científicos do TREINAMENTO DESPORTIVO AULA 5

Princípios Científicos do TREINAMENTO DESPORTIVO AULA 5 Princípios Científicos do TREINAMENTO DESPORTIVO AULA 5 Princípios do Treinamento: São os aspectos cuja observância irá diferenciar o trabalho feito à base de ensaios e erros, do científico. (DANTAS, 2003)

Leia mais

Fisiologia do Esforço

Fisiologia do Esforço Fisiologia do Esforço Curso Desporto e BemEstar 3º Semestre 008/09 Capítulo II Bases da Bioenergética Escola Superior de Educação Instituto Politécnico de Leiria 7 Out 08 ATP-CP e energia O sistema ATP-CP

Leia mais

1 - Parte Introdutória A Parte Introdutória prepara cognitiva e animicamente o praticante para a realização da sessão e para o esforço físico e de con

1 - Parte Introdutória A Parte Introdutória prepara cognitiva e animicamente o praticante para a realização da sessão e para o esforço físico e de con SESSÃO DE TREINO 1 - Parte Introdutória A Parte Introdutória prepara cognitiva e animicamente o praticante para a realização da sessão e para o esforço físico e de concentração nela envolvidos. Pode ser

Leia mais

PREPARAÇÃO FÍSICA NO BASQUETEBOL

PREPARAÇÃO FÍSICA NO BASQUETEBOL PREPARAÇÃO FÍSICA NO BASQUETEBOL Prof.Dr. João Paulo Borin Conhecimento Acadêmico X Prática Desportiva UNIVERSIDADE QUADRA PESQUISADOR LABORATÓRIO TEORIA TREINADOR ATLETA PRÁTICA Ciência do Desporto Resultado

Leia mais

BPM: Número de vezes que o coração bate por minuto.

BPM: Número de vezes que o coração bate por minuto. A B Altimetria: Representada por gráficos ou mapas, demonstra o relevo dos percursos das provas. Com isso, os atletas podem visualizar as subidas e descidas que enfrentarão ao longo da corrida. BPM: Número

Leia mais

Bioenergética. Trabalho Biológico. Bioenergetica. Definição. Nutrição no Esporte. 1

Bioenergética. Trabalho Biológico. Bioenergetica. Definição. Nutrição no Esporte. 1 Bioenergética Trabalho Biológico Contração muscular * Digestão e Absorção Função glandular Manter gradientes de concentração Síntese de novos compostos Profa. Raquel Simões M. Netto 4 Exercício para saúde

Leia mais

Prescrição de Treinamento de Força. Prof. Ms. Paulo Costa Amaral

Prescrição de Treinamento de Força. Prof. Ms. Paulo Costa Amaral Prescrição de Treinamento de Força Prof. Ms. Paulo Costa Amaral Agenda Introdução; Variáveis agudas; Nível de condicionamento físico no treinamento de força; Montagem de programas de treinamento de força;

Leia mais

CURSO DE CAPACITAÇÃO PARA INSTRUTOR E PROFESSOR DE TAEKWONDO GRÃO MESTRE ANTONIO JUSSERI DIRETOR TÉCNICO DA FEBRAT

CURSO DE CAPACITAÇÃO PARA INSTRUTOR E PROFESSOR DE TAEKWONDO GRÃO MESTRE ANTONIO JUSSERI DIRETOR TÉCNICO DA FEBRAT CURSO DE CAPACITAÇÃO PARA INSTRUTOR E PROFESSOR DE TAEKWONDO GRÃO MESTRE ANTONIO JUSSERI DIRETOR TÉCNICO DA FEBRAT Alongamento é o exercício para preparar e melhorar a flexibilidade muscular, ou seja,

Leia mais

Prof. Ms. Sandro de Souza

Prof. Ms. Sandro de Souza Prof. Ms. Sandro de Souza As 5 leis básicas do Treinamento de Força 1º - ANTES DE DESENVOLVER FORÇA MUSCULAR, DESENVOLVA FLEXIBILIDADE Amplitude de movimento Ênfase na pelve e articulações por onde passam

Leia mais

Planejamento plurianual. Formação do atleta e Plano de expectativa

Planejamento plurianual. Formação do atleta e Plano de expectativa Planejamento plurianual Formação do atleta e Plano de expectativa Planejamento de longo prazo Procedimento determinante na formação de um atleta de alto desempenho É comum estruturações de treinamentos

Leia mais

Como evitar os riscos e aumentar os benefícios??

Como evitar os riscos e aumentar os benefícios?? Como evitar os riscos e aumentar os benefícios?? RISCOS BENEFÍCIOS RISCO DE MORTE POR DOENÇAS 100 % CARDIOVASCULARES 80 Diminuição de 34% 66% 60 40 20 0 AGITA São Paulo Sedentário Pouco Ativo Ativo Muito

Leia mais

GINÁSTICA LOCALIZADA

GINÁSTICA LOCALIZADA GINÁSTICA LOCALIZADA Distinção entre Fitness e Wellness Fitness é uma palavra de origem inglesa e significa "estar em boa forma física". O termo é normalmente associado à prática de atividade física e

Leia mais

Movimentação Física e Prática de Esportes: Eu quero mas não consigo e se consigo, quero mais

Movimentação Física e Prática de Esportes: Eu quero mas não consigo e se consigo, quero mais Movimentação Física e Prática de Esportes: Eu quero mas não consigo e se consigo, quero mais Páblius Staduto Braga da Silva Medicina do Exercício e do Esporte Hospital Nove de Julho Coordenador Médico

Leia mais

Aspectos Físicos do Futebol Aprofundamento em Futebol

Aspectos Físicos do Futebol Aprofundamento em Futebol Aspectos Físicos do Futebol Aprofundamento em Futebol QUAIS AS AÇÕES A SEREM FEITAS? 3 Testar, Medir e Avaliar Teste - É um instrumento, procedimento ou técnica usado para se obter uma informação. Medida

Leia mais

PERIODIZAÇÃO é a divisão do ano de treinamento em períodos particulares de tempo, com objetivos e conteúdos definidos. (Gomes e Souza, 2008).

PERIODIZAÇÃO é a divisão do ano de treinamento em períodos particulares de tempo, com objetivos e conteúdos definidos. (Gomes e Souza, 2008). PERIODIZAR é dividir de forma organizada o ciclo anual ou semestral de treinamento dos atletas, em períodos e etapas, buscando prepará-los para atingir objetivos pré-estabelecidos, na direção de encontrar

Leia mais

Estudo dirigido Corridas e Marcha (Responda apenas nos espaços indicados)

Estudo dirigido Corridas e Marcha (Responda apenas nos espaços indicados) Nome: Estudo dirigido Corridas e Marcha (Responda apenas nos espaços indicados) Observe a figura acima e responda as questões a seguir: 1. A sequência se refere à prova de. 2. Em que distâncias essa prova

Leia mais

Prof. Dr. Bruno Pena Couto PLANEJAMENTO A LONGO PRAZO (PERIODIZAÇÃO) Encontro Multiesportivo de Técnicos Formadores Solidariedade Olímpica / COI

Prof. Dr. Bruno Pena Couto PLANEJAMENTO A LONGO PRAZO (PERIODIZAÇÃO) Encontro Multiesportivo de Técnicos Formadores Solidariedade Olímpica / COI Prof. Dr. Bruno Pena Couto PLANEJAMENTO A LONGO PRAZO (PERIODIZAÇÃO) Encontro Multiesportivo de Técnicos Formadores Solidariedade Olímpica / COI Visão Geral - Importância do Planejamento a Longo Prazo

Leia mais

V Fórum da Natação Açores 2014 OPERACIONALIZAÇÃO DE UM MACROCICLO DE TREINO

V Fórum da Natação Açores 2014 OPERACIONALIZAÇÃO DE UM MACROCICLO DE TREINO OPERACIONALIZAÇÃO DE UM MACROCICLO DE TREINO A organização do processo de treino é uma tarefa complexa, onde múltiplos aspetos relacionados com atletas, infraestruturas, objetivos, métodos e meio, têm

Leia mais

Avaliação do VO²máx. Teste de Esforço Cardiorrespiratório. Avaliação da Função Cardíaca; Avaliação do Consumo Máximo de O²;

Avaliação do VO²máx. Teste de Esforço Cardiorrespiratório. Avaliação da Função Cardíaca; Avaliação do Consumo Máximo de O²; Teste de Esforço Cardiorrespiratório Avaliação da Função Cardíaca; Avaliação do Consumo Máximo de O²; Avaliação Cardiorrespiratória 1 Teste de Esforço Cardiorrespiratório Avaliação do Consumo Máximo de

Leia mais

Fundamentos do TE 27/11/2012

Fundamentos do TE 27/11/2012 Unidade I Fundamentos do Esportivo Conceito de Conceito de Esportivo Processo Conceito de É um processo pelo qual se submete alguém à busca de melhoria de alguma coisa. Visa a melhoria pois envolve diversas

Leia mais

Crescimento e Desenvolvimento Humano

Crescimento e Desenvolvimento Humano Crescimento e Desenvolvimento Humano Capacidades física e Motoras durante o processo de crescimento e Desenvolvimento Humano Desenvolvimento e Crescimento Humano Para se entender o processo de desenvolvimento

Leia mais

TESTE FÍSICO PROTOCOLAR - ÁRBITROS

TESTE FÍSICO PROTOCOLAR - ÁRBITROS TESTE FÍSICO PROTOCOLAR - ÁRBITROS O teste oficial protocolar para árbitros de futebol é dividido em duas partes. A primeira prova é o (RSA, por sua sigla em Inglês), que mede a capacidade do árbitro para

Leia mais

PROCESSO SELETIVO EDITAL 17/2013

PROCESSO SELETIVO EDITAL 17/2013 PROCESSO SELETIVO EDITAL 17/2013 CARGO E UNIDADES: Instrutor de Esportes (Natal) Atenção: NÃO ABRA este caderno antes do início da prova. Tempo total para resolução desta prova: 2 (duas) horas. I N S T

Leia mais

DISCIPLINA TREINAMENTO ESPORTIVO I. PROF. Paulo César Neves 2011

DISCIPLINA TREINAMENTO ESPORTIVO I. PROF. Paulo César Neves 2011 DISCIPLINA TREINAMENTO ESPORTIVO I PROF. Paulo César Neves 2011 Unidade I HISTÓRICO DO TREINAMENTO 1- Período da Arte 2- Período da Improvisação 3- Período do Empirismo/Sistematização 4- Período Pré-Científico

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS FACULDADE DE EDUCAÇÃO FÍSICA TEORIA DO TREINAMENTO DESPORTIVO PROF. MSD. RICARDO LUIZ PACE JÚNIOR

UNIVERSIDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS FACULDADE DE EDUCAÇÃO FÍSICA TEORIA DO TREINAMENTO DESPORTIVO PROF. MSD. RICARDO LUIZ PACE JÚNIOR 1 UNIVERSIDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS FACULDADE DE EDUCAÇÃO FÍSICA TEORIA DO TREINAMENTO DESPORTIVO PROF. MSD. RICARDO LUIZ PACE JÚNIOR CONDICIONAMENTO FÍSICO: GENERALIDADES Campos de atuação: equipes

Leia mais

PROGRAMA DE TREINAMENTO PARA SUA CORRIDA

PROGRAMA DE TREINAMENTO PARA SUA CORRIDA PROGRAMA DE TREINAMENTO PARA SUA CORRIDA ENTRE EM CONTATO E-mail: contato@mysportbox.com.br Twitter: @mysportboxclub Facebook: #materiais mysportboxclub exclusivos Instagram: para assinantes mysportboxclub

Leia mais

VI Congresso Internacional de Corrida Calendário, planeamento e métodos de treino

VI Congresso Internacional de Corrida Calendário, planeamento e métodos de treino Calendário, planeamento e métodos de treino Corrida pedestre em Natureza, com o mínimo de percurso pavimentado/alcatroado, que não deverá exceder 10% do percurso total, em vários ambientes (serra, montanha,

Leia mais

CENTRO DE TREINO FÍSICO ONLINE

CENTRO DE TREINO FÍSICO ONLINE PLANO DE TREINO - ÉPOCA 2006/2007 SEMANA DE 27 NOVEMBRO A 03 DEZEMBRO 2ª Feira, 27 Nov. Treino aeróbio (de recuperação) / baixa intensidade 30 cc (65-75% da FC max ) 20 cc (65-75% da FC max ) Reforço muscular

Leia mais

Miologia. Tema C PROCESSOS ENERGÉTICOS NO MÚSCULO ESQUELÉTICO

Miologia. Tema C PROCESSOS ENERGÉTICOS NO MÚSCULO ESQUELÉTICO PROCESSOS ENERGÉTICOS NO MÚSCULO ESQUELÉTICO 1 Necessidades energéticas da fibra muscular 2 Papel do ATP 3 Processos de ressíntese do ATP 3.1 Aeróbico 3.2 Anaeróbico alático e lático 4 Interação dos diferentes

Leia mais

Interferência. Mecanismos???? Efeito de Interferência 30/07/2015. Definição Treinamento concorrente. Na força máxima (1RM) Na TDF.

Interferência. Mecanismos???? Efeito de Interferência 30/07/2015. Definição Treinamento concorrente. Na força máxima (1RM) Na TDF. Definição Treinamento concorrente Realização de exercícios que desenvolvam a força muscular e a resistência aeróbia dentro da mesma unidade de treino X Interferência Efeito de Interferência Na força máxima

Leia mais

Avaliação do VO²máx. Teste de Esforço Cardiorrespiratório. Avaliação da Função Cardíaca; Avaliação do Consumo Máximo de O²;

Avaliação do VO²máx. Teste de Esforço Cardiorrespiratório. Avaliação da Função Cardíaca; Avaliação do Consumo Máximo de O²; Teste de Esforço Cardiorrespiratório Avaliação da Função Cardíaca; Avaliação do Consumo Máximo de O²; Avaliação Cardiorrespiratória 1 Teste de Esforço Cardiorrespiratório Avaliação do Consumo Máximo de

Leia mais

HIT TREINAMENTO DE ALTA INTENSIDADE

HIT TREINAMENTO DE ALTA INTENSIDADE HIT TREINAMENTO DE ALTA INTENSIDADE Prof. Drd. Mauro Guiselini Prof. Ft. Rafael Guiselini H I T Treinamento de Alta Intensidade https://barsnrings.wordpress.com/tag/pesquisa/ http://papodehomem.com.br/crossfit-e-o-mito-das-lesoes/

Leia mais

Capítulo 5. Preparação física. Neste capítulo você terá: 5.1 Conceito de Preparação Física. 5.2 Etapas da Preparação Física

Capítulo 5. Preparação física. Neste capítulo você terá: 5.1 Conceito de Preparação Física. 5.2 Etapas da Preparação Física Capítulo 5 Preparação física Neste capítulo você terá: 5.1 Conceito de Preparação Física 5.2 Etapas da Preparação Física 5.3. QUALIDADES FÍSICAS E SUAS DIVISÕES 5.3.1 Preparação cardiovascular/orgânica,

Leia mais

NUTRIÇÃO E SUPLEMENTAÇÃO NO ESPORTE

NUTRIÇÃO E SUPLEMENTAÇÃO NO ESPORTE NUTRIÇÃO E SUPLEMENTAÇÃO NO ESPORTE Prof. Dr. Thiago Onofre Freire Nutricionista (UFBA) Especialista em Nutrição Esportiva (ASBRAN) Mestre em Biologia Funcional e Molecular (UNICAMP) Doutor em Medicina

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DE SÉRIES DE TRANSIÇÃO NO TRABALHO DE BASE DA NATAÇÃO. Palavras-Chave: séries de transição, aeróbio, volume, intensidade

A UTILIZAÇÃO DE SÉRIES DE TRANSIÇÃO NO TRABALHO DE BASE DA NATAÇÃO. Palavras-Chave: séries de transição, aeróbio, volume, intensidade 1 A UTILIZAÇÃO DE SÉRIES DE TRANSIÇÃO NO TRABALHO DE BASE DA NATAÇÃO Resumo Rodrigo Ribeiro da Silva O trabalho de base na Natação vem passando por alterações nos últimos anos em função de novas metodologias

Leia mais

Exercícios para uma vida saudável

Exercícios para uma vida saudável Exercícios para uma vida saudável Exercícios para uma vida saudável A falta de atividade física associada a maus hábitos de vida, como alimentação inadequada, estresse, tabagismo, entre outros, é o caminho

Leia mais

PLANO DE TREINOS PARA SÉNIORES E SUB-23, PARA A ÉPOCA 2015/2016

PLANO DE TREINOS PARA SÉNIORES E SUB-23, PARA A ÉPOCA 2015/2016 LISTA DE DISTRIBUIÇÃO: CLUBES ASSOCIADOS Lisboa, 2015-09-25 Circular Nº 66/2015 Assunto: Equipas Nacionais, Época 2015/2016. Planeamento do Treino e Testes de Selecção Actualização. Exmos. Senhores, Na

Leia mais

UNIVERSIDADE SALGADO DE OLIVEIRA Curso de Educação Física Disciplina: Fisiologia do Exercício. Ms. Sandro de Souza

UNIVERSIDADE SALGADO DE OLIVEIRA Curso de Educação Física Disciplina: Fisiologia do Exercício. Ms. Sandro de Souza UNIVERSIDADE SALGADO DE OLIVEIRA Curso de Educação Física Disciplina: Fisiologia do Exercício Ms. Sandro de Souza Discutir alguns aspectos associados à medida do VO2máx. Conhecer os mecanismos envolvidos

Leia mais

Qualidades Físicas Básicas na Canoagem para Iniciantes

Qualidades Físicas Básicas na Canoagem para Iniciantes 4ª Jornada Científica e Tecnológica e 1º Simpósio de Pós-Graduação do IFSULDEMINAS 16, 17 e 18 de outubro de 2012, Muzambinho MG Qualidades Físicas Básicas na Canoagem para Iniciantes Denise Miranda de

Leia mais

MÉTODOS DE TREINAMENTO FÍSICO

MÉTODOS DE TREINAMENTO FÍSICO MÉTODOS DE TREINAMENTO FÍSICO A escolha do método de TF depende da qualidade física que vai ser trabalhada e da periodização do treinamento. Na fase básica, quando a ênfase é no volume, utiliza-se os métodos

Leia mais

PRINCÍPIOS DO TREINAMENTO

PRINCÍPIOS DO TREINAMENTO PRINCÍPIOS DO TREINAMENTO A teoria e metodologia do treinamento esportivo têm princípios específicos baseados nas ciências biológicas, psicológicas e pedagógicas. Esses princípios refletem as particularidades

Leia mais

Associação Desportiva de Lagares da Beira. Associação Desportiva de Lagares da Beira. Departamento de Futebol Sénior.

Associação Desportiva de Lagares da Beira. Associação Desportiva de Lagares da Beira. Departamento de Futebol Sénior. Departamento de Futebol Sénior Planeamento Anual Época 2003/2004 Elaborado por: José Lima Pag. 1 1 Análise da situação 1.1- Diagnóstico O plantel será constituído por um mínimo de 22 atletas (20 atle tas

Leia mais

3.Resistência Anaeróbia

3.Resistência Anaeróbia Treinamento de Valências Físicas e Modelo Tridimensional Valências Físicas 1. 2.Resistência Aeróbia 3.Resistência Anaeróbia 1 Valências Físicas 1. É a quantidade máxima de força que um músculo ou grupamento

Leia mais

Capacidade Motora: Resistência Anaeróbia

Capacidade Motora: Resistência Anaeróbia Capacidade Motora: Resistência Anaeróbia Concepções Teóricas; Implementações Praticas; Tipos de Testes; Testes Utilizados em Projetos de Investigação e em Intervenções Práticas; Velocidade Motora:estruturas,funções

Leia mais