Aspectos Gerais do Treinamento Aeróbio: Planificação, Periodização e Capacidades Biomotoras

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Aspectos Gerais do Treinamento Aeróbio: Planificação, Periodização e Capacidades Biomotoras"

Transcrição

1 Aspectos Gerais do Treinamento Aeróbio: Planificação, Periodização e Capacidades Biomotoras Curso Internacional de Meio Fundo e Fundo, 6 e 7 Junho 2015 Assunção, PAR Junho 2015

2 no esporte, como atleta, professor e treinador... Áreas de atuação: -escola de ensino formal -escola de esportes (atletismo) -esporte de competição -clubes de basquete -clubes de atletismo -projetos sociais/revelação de talentos -confederação -acadêmica Ricardo jun 2015

3 Princípios Universais do Treinamento -Sobrecarga (vol/int/dens) -Individualidade Biológica -Especificidade -Reversibilidade Fisiologia e Biomecânica -Condicionamento Aeróbio Geral -LAn -Velocidade Específica -Mecânica de Corrida (economia) -Força Específica -Preparação Mental -Competição Princípios do Treinament o Aeróbio Nutrição Filosofia do Treinador Desempenh o Aeróbio Planejament o e Estrutura Métodos de Treinament o Avaliaçã oe Controle -Sessão, Micro, Meso, Macro, Temporada -Processo de Planejamento -Modelos -Corrida Contínua -Tempo Run -Repetição -Intervalado -Fartlek -Mobilidade e Flexibilidade -Força -Força com pesos -Pliometria -Cross Training -FC -LAn -VO 2max -PSC e PSI

4 Planejamento - OBJETIVOS Longo Prazo Médio Prazo Curto Prazo Potencial genético; Características morfológicas e funcionais; Aptidão específica para o evento (desempenho motor); Grau de motivação; Estilo de vida; Estado de saúde; Cultura atlética; Ambiente social e desportivo. Ricardo jun 2015

5 SUPERCOMPENSAÇÃO Ricardo jun 2015

6 VIDA DESPORTIVA CARREIRA do ATLETA CICLOS PLURIANUAIS TEMPORADAS CICLOS PLURIANUAIS TEMPORADAS MACROS MACROS MACROS MACROS MESOS MESOS MESOS MESOS MICROS MICROS MICROS MICROS SESSÕES UNIDADES

7 Modelos de Periodização Objetivos Força Resistência PPG PPE Velocidade Coordenação Técnica PC PT

8 Modelos de Periodização Matveyev (1965)

9 Modelos de Periodização

10 Modelos de Periodização

11 Modelos de Periodização Maratona

12 Modelos de Periodização - Maratona TDC Prep Alvo Variáveis Metabólicas Variáveis Neuromotoras 93% LAI 100% LAI 93% - 95% LAI Altitude (5 sem) Cap. Ana. Lática Potência Aeróbia Capacidade Aeróbia Força Básica Força-Resistência Coordenação + Técnica TAPER Read 2 sem PPG (4 sem) PPE1 (6 sem) PPE2 (4 sem) km km km (2003)

13 Semanas Mês nov dez jan fev mar abr mai jun jul ago set out d 09.dez 16.dez 23.dez 30.dez 06.jan 13.jan 20.jan 27.jan 03.fev 10.fev 17.fev 24.fev 03.mar 10.mar 17.mar 24.mar 31.mar 07.abr 14.abr 21.abr 28.abr 05.mai 12.mai 19.mai 26.mai 02.jun 09.jun 16.jun 23.jun 30.jun 07.jul 14.jul 21.jul 28.jul 04.ago 11.ago 18.ago 25.ago 01.set 08.set 15.set 22.set 29.set 06.out 13.out 20.out 27.out 03.nov 10.nov 17.nov 24.nov 01.dez Final Semana PC II T PC I PPE II PPE I PPG II PPG I Readaptação REC Obj. Maior Obj. Menor Comp. Prep. Comp. Verif. Testes T nov dez jan fev mar abr mai jun jul ago set out M a c r o c i c l o M e s o c i c l o m m m Volume --- Intensidade % 90% 80% 70% 60% 50% 40% 30% 20% 10% Vanderlei Cordeiro de Lima Temporada 2002 Objetivos: Coréia (17/3), São Paulo (14/7) e Milão (1/12) Milão (01/12) J h 2015

14 Mesociclos: Carga / Recuperação Progressão (Exemplo: Corridas de Fundo) Recomendado para atletas jovens Meso 1 Meso 2 Meso 3 Meso :1 R = 20% 3:1 R = 25% 2:1R = 33% 1:1 k m 100 / w e e k Week Ricardo jun 2015

15 Dinâmica das Cargas dentro de um Microciclo de 7 dias 100% 10% SEG TER QUA QUI SEX SAB DOM Alta % Média 70-80% Baixa 50-70%

16 Modelos de Periodização Calendário de Competições de Fundo indoor XC Rua PISTA nov dez jan fev mar abr mai jun jul ago set out General Preparation Specific Preparation Pre- Compt. I P Compt. T R (MATVEIEV, 1965; OZOLIN, 1971; BOMPA, 1999)

17 FORÇA por que treinar? 1 Força e Resistência são termos associados ao bom atleta de MF e Fundo; 1 Mito derrubado (treinamento com pesos) fenômeno do Treinamento Concorrente; 1 Importância do Treinamento de Força para atletas de fundo em geral: Melhora da Força Geral Desenvolvimento do Equilíbrio Muscular Prevenção de Lesões Melhora da Velocidade Melhora e Manutenção da Técnica de Corrida, mesmo em Estado de Fadiga Eficiência Mecânica Menor Quantidade de Energia para um mesmo Movimento

18 Treinamento com Pesos 1 Efeitos nos músculos e tecidos moles: Fortalece tecidos conectivos dos músculos, fascia, tendões e ligamentos a produção de colágeno, o que risco de estiramento do músculo, tendões e ligamentos; Correção do Equilíbrio Muscular processo agonísta e antagonísta, risco de lesões; Significativo percentual energia metabólica utilizada nos eventos de MF e F é anaeróbia, a qual é melhorada com TF. Efeito direto na [lac], no sprint final, mudanças de ritmo, subidas, obstáculos e terrenos diversos (XC).

19 Manifestações da Força Periodização PPG PPE PC Manifestações da Força Força Básica Força Específica Força Competitiva Meio Fundo Objetivos Via Metabólica força geral e resistência de força geral prep. para trabalhos posteriores e prevenção potência aeróbia e capacidade láctica força-resistência e força elástico-reflexa eficácia do movimento, mesmo em fadiga potência e capacidade láctica força elástico-reflexa velocidade potência e capacidade láctica Meios pesos, medicine-ball, elásticos subidas, saltos, tração, lastres lastres, técnica, saltos Métodos Fundo Objetivos Via Metabólica circuitos em geral, repetições extensivo médio de intervalo, circuito Manifestações da Força intensivo curto de intervalo, repetições Força Básica Força Específica Força Competitiva força geral e resistência de força geral prep. para trabalhos posteriores e prevenção potência aeróbia e capacidade láctica força máxima e forçaresistência eficácia do movimento, mesmo em fadiga potência e capacidade láctica força-resistência sprint final potência e capacidade láctica Meios pesos, medicine-ball, elásticos subidas, saltos, tração, lastres lastres, técnica, saltos Métodos circuitos em geral, repetições, 2015 (adaptado de Leibar, Garcia-Verdugo, 1997) extensivo médio e curto de intervalo, circuito intensivo curto e médio de intervalo

20 Exemplo de Periodização da Força - Fundo nov dez jan fev mar abr mai jun jul ago set out Força Básica 12 sem Força Específica 12 sem Força Competitiva 12 sem Transição Manifestação força geral e resistência de força geral força máxima e forçaresistência força-resistência Objetivos prep. para trabalhos posteriores e prevenção eficácia do movimento, mesmo em fadiga sprint final Via Metabólica potência aeróbia e capacidade láctica potência e capacidade láctica potência e capacidade láctica Meios pesos, medicine-ball, elásticos subidas, saltos, tração, lastres lastres, técnica, saltos Métodos circuitos em geral, repetições extensivo médio e curto de intervalo, circuito intensivo curto e médio de intervalo

21 Exemplo de Periodização da Força Meio Fundo nov dez jan fev mar abr mai jun jul ago set out Força Básica 10 sem Força Específica 14 sem Força Competitiva 12 sem Transição Manifestação força geral e resistência de força geral força-resistência e força elástico-reflexa força elástico-reflexa Objetivos prep. para trabalhos posteriores e prevenção eficácia do movimento, mesmo em fadiga velocidade Via Metabólica potência aeróbia e capacidade láctica potência e capacidade láctica potência e capacidade láctica Meios pesos, medicine-ball, elásticos subidas, saltos, tração, lastres lastres, técnica, saltos Métodos circuitos em geral, repetições extensivo médio de intervalo, circuito intensivo curto de intervalo, repetições

22 Atleta A: 3:41/7:46/13:31/29:02 PPG1, mc 5, meso 2, Exemplo de MC tipo PPG - Fundo Força Geral e Resistência de Força Geral: exercícios por repetições Força Geral e Resistência de Força: Circuito e repetições/tr ansferência Força Geral e Resistência de Força Geral: exercícios por repetições e CORE estabilizadore s Força Geral e Resistência de Força: exercícios com sobrecarga (pesos) Resistência de Força: repetições em subidas

23 Atleta B: 1:45/3:39 PPG1, mc 5, meso 2, Exemplo de MC tipo PPG Meio Fundo Força Geral e Resistência de Força: Circuito e repetições/tr ansferência Força Geral e Resistência de Força Geral e Força Geral: Resistência de Força exercícios por Geral: exercícios por repetições e repetições/exercícios CORE com sobrecarga estabilizadore (pesos)/série s reduzida)/transferênci a Força Geral e Resistência de Força: exercícios com sobrecarga (pesos/série completa) Resistência de Força e Força Elástica- Reflexa: repetições curtas e longas em subidas

24 Exemplos de exercícios para melhora da Força Básica, Específica e Competitiva. Leibar, Garcia-Verdugo, 1997

25 Força 1 A capacidade biomotora Força passa a ser considerada com mais atenção pelos treinadores de meio fundo e fundo na elaboração dos programas de treinamento de seus atletas; 1 Treinamento da Força parece ser eficaz na preparação e desenvolvimento dos atletas de meio fundo e fundo quando distribuído de forma adequada ao longo dos ciclos de periodização; 1 Treinamento da Força parece ser eficaz na prevenção de lesões; 1 Treinamento da Força parece ser determinante para a vitória quando considerado o impacto de seus efeitos na velocidade específica de prova e na economia de corrida.

26 Curso Internacional de Meio Fundo e Fundo, 6 e 7 Junho 2015 Assunção, PAR OBRIGADO!

PREPARAÇÃO FÍSICA NO BASQUETEBOL

PREPARAÇÃO FÍSICA NO BASQUETEBOL PREPARAÇÃO FÍSICA NO BASQUETEBOL Prof.Dr. João Paulo Borin Conhecimento Acadêmico X Prática Desportiva UNIVERSIDADE QUADRA PESQUISADOR LABORATÓRIO TEORIA TREINADOR ATLETA PRÁTICA Ciência do Desporto Resultado

Leia mais

Bioquímica Aplicada ao Exercício Físico e Princípios do Treinamento

Bioquímica Aplicada ao Exercício Físico e Princípios do Treinamento Universidade de São Paulo Escola de Educação Física e Esporte Bioquímica Aplicada ao Exercício Físico e Princípios do Treinamento André Casanova Silveira João Lucas Penteado Gomes Ago/2016 Referência Bibliografia

Leia mais

Prof. Dr. Bruno Pena Couto Teoria do Treinamento Desportivo. Encontro Multiesportivo de Técnicos Formadores Solidariedade Olímpica / COI

Prof. Dr. Bruno Pena Couto Teoria do Treinamento Desportivo. Encontro Multiesportivo de Técnicos Formadores Solidariedade Olímpica / COI Prof. Dr. Bruno Pena Couto Teoria do Treinamento Desportivo Encontro Multiesportivo de Técnicos Formadores Solidariedade Olímpica / COI Visão Geral - Princípios do Treinamento - Métodos de Treinamento

Leia mais

O TREINAMENTO DA VELOCIDADE PARA AS CORRIDAS DE FUNDO: CONSIDERAÇÃO SOBRE O MÉTODO FARTLEK *

O TREINAMENTO DA VELOCIDADE PARA AS CORRIDAS DE FUNDO: CONSIDERAÇÃO SOBRE O MÉTODO FARTLEK * O TREINAMENTO DA VELOCIDADE PARA AS CORRIDAS DE FUNDO: CONSIDERAÇÃO SOBRE O MÉTODO FARTLEK * Prof. Marcelo Augusti Técnico em Corridas de Fundo Especialização em Fisiologia do Exercício e Treinamento Desportivo

Leia mais

Faculdade de Motricidade Humana Unidade Orgânica de Ciências do Desporto TREINO DA RESISTÊNCIA

Faculdade de Motricidade Humana Unidade Orgânica de Ciências do Desporto TREINO DA RESISTÊNCIA Faculdade de Motricidade Humana Unidade Orgânica de Ciências do Desporto TREINO DA RESISTÊNCIA A capacidade do organismo de resistir à fadiga numa actividade motora prolongada. Entende-se por fadiga a

Leia mais

PERIODIZAÇÃO é a divisão do ano de treinamento em períodos particulares de tempo, com objetivos e conteúdos definidos. (Gomes e Souza, 2008).

PERIODIZAÇÃO é a divisão do ano de treinamento em períodos particulares de tempo, com objetivos e conteúdos definidos. (Gomes e Souza, 2008). PERIODIZAR é dividir de forma organizada o ciclo anual ou semestral de treinamento dos atletas, em períodos e etapas, buscando prepará-los para atingir objetivos pré-estabelecidos, na direção de encontrar

Leia mais

Estrutura do Processo de Treino

Estrutura do Processo de Treino Estrutura do Processo de Treino http://www.cdnacional.pt/press.asp Índice do tema: 1- Passos Antecedentes à Elaboração de Planeamento de Treino; 2 Modelos de Periodização do Treino; 3 Organização das Estruturas

Leia mais

Fases de uma Periodização 23/8/2010. Processo de Recuperação Fosfagênio Sist. ATP-CP. 1 Macrociclo = 6 meses Jan. Fev. Mar. Abr. Mai. Jun.

Fases de uma Periodização 23/8/2010. Processo de Recuperação Fosfagênio Sist. ATP-CP. 1 Macrociclo = 6 meses Jan. Fev. Mar. Abr. Mai. Jun. Sistemas Energéticos Recuperação pós-exercício Processo de Recuperação Fosfagênio Sist. ATP-CP Glicogênio Muscular após ativ. intervalada Glicogênio muscular após ativ. contínuas e prolongadas Remoção

Leia mais

CONCEITOS DA TEORIA DO TREINO

CONCEITOS DA TEORIA DO TREINO CONCEITOS DA TEORIA DO TREINO 1. A Sessão de Treino A Sessão de Treino é a unidade estrutural que serve de base para toda a organização do treino. O treinador deve individualizar o treino, adaptando a

Leia mais

DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO DE APOSENTADORIA - FORMAÇÃO DE CAPITAL E ESGOTAMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES

DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO DE APOSENTADORIA - FORMAÇÃO DE CAPITAL E ESGOTAMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES Página 1 de 28 Atualização: da poupança jun/81 1 133.540,00 15,78 10,00% 13.354,00 10,00% 13.354,00 26.708,00-0,000% - 26.708,00 26.708,00 26.708,00 jul/81 2 133.540,00 15,78 10,00% 13.354,00 10,00% 13.354,00

Leia mais

PREPARAÇÃO FÍSICA. Qualidades físicas e métodos de treinamento. 30/09/2014 Anselmo Perez

PREPARAÇÃO FÍSICA. Qualidades físicas e métodos de treinamento. 30/09/2014 Anselmo Perez PREPARAÇÃO FÍSICA Qualidades físicas e métodos de treinamento PREPARAÇÃO FÍSICA ou Treinamento Físico Conceito: componente que compreende os meios utilizados para o desenvolvimento das qualidades físicas

Leia mais

TEORIA E METODOLOGIA DO TREINO ESPECÍFICO

TEORIA E METODOLOGIA DO TREINO ESPECÍFICO TEORIA E METODOLOGIA DO TREINO ESPECÍFICO AULA 3 LICENCIATURA EM CIÊNCIAS DA ACTIVIDADE FÍSICA HUMANA ORGANIZAÇÃO E CONDUÇÃO DO PROCESSO DE TREINO As Componentes da Carga de Treino A Carga...no esforço

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 1.72.380,00 0,00 0,00 0,00 361.00,00 22,96 22,96 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl

Leia mais

DATA DIA DIAS DO FRAÇÃO DATA DATA HORA DA INÍCIO DO ANO JULIANA SIDERAL T.U. SEMANA DO ANO TRÓPICO 2450000+ 2460000+

DATA DIA DIAS DO FRAÇÃO DATA DATA HORA DA INÍCIO DO ANO JULIANA SIDERAL T.U. SEMANA DO ANO TRÓPICO 2450000+ 2460000+ CALENDÁRIO, 2015 7 A JAN. 0 QUARTA -1-0.0018 7022.5 3750.3 1 QUINTA 0 +0.0009 7023.5 3751.3 2 SEXTA 1 +0.0037 7024.5 3752.3 3 SÁBADO 2 +0.0064 7025.5 3753.3 4 DOMINGO 3 +0.0091 7026.5 3754.3 5 SEGUNDA

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl Acum 14 set/11 15

Leia mais

PLANEAMENTO PARA ATLETAS DE MARCHA EM RIO MAIOR. Jorge Miguel Treinador

PLANEAMENTO PARA ATLETAS DE MARCHA EM RIO MAIOR. Jorge Miguel Treinador PLANEAMENTO PARA ATLETAS DE MARCHA EM RIO MAIOR PLANEAMENTO PARA ATLETAS DE MARCHA EM RIO MAIOR ASPECTOS A CONSIDERAR: A motivação do treinador e as oportunidades. Os atletas e a sua motivação. Como chegar

Leia mais

FORÇA TIPOS DE FORÇA. Fatores que influenciam a FORÇA. Fatores que influenciam a FORÇA. Fatores que influenciam a FORÇA 25/02/2014

FORÇA TIPOS DE FORÇA. Fatores que influenciam a FORÇA. Fatores que influenciam a FORÇA. Fatores que influenciam a FORÇA 25/02/2014 TIPOS DE ELAINE DALMAN MILAGRE Parcela da Musculatura envolvida -Geral -Local Formas de Exigência Motora Envolvida -Força Máxima -Força Rápida -Resistência de Força Tipo de Trabalho do Músculo -Dinâmico

Leia mais

Formação treinadores AFA

Formação treinadores AFA Preparação específica para a atividade (física e mental) Equilíbrio entre treino e repouso Uso de equipamento adequado à modalidade (ex: equipamento, calçado, proteções) E LONGEVIDADE DO ATLETA Respeito

Leia mais

Planificação Anual PAFD 10º D Ano Letivo Plano de Turma Curso Profissional de Técnico de Apoio à Gestão Desportiva

Planificação Anual PAFD 10º D Ano Letivo Plano de Turma Curso Profissional de Técnico de Apoio à Gestão Desportiva Calendarização Objetivos Conteúdos Avaliação PRÁTICAS DE ATIVIDADES FÍSICAS E DESPORTIVAS Módulo: Fisiologia do Esforço 1º, 2º e 3º períodos 1. Reconhecer o papel da fisiologia do esforço quando aplicada

Leia mais

Bases Metodológicas do Treinamento Desportivo

Bases Metodológicas do Treinamento Desportivo Bases Metodológicas do Treinamento Desportivo Unidade I Princípios do Treinamento Prof. Esp. Jorge Duarte Princípios do Treinamento A teoria e a metodologia do treinamento desportivo possuem princípios

Leia mais

FPA. Meio fundo jovem. A etapa de orientação. Joaquim Neves. Fevereiro 2006

FPA. Meio fundo jovem. A etapa de orientação. Joaquim Neves. Fevereiro 2006 FPA Meio fundo jovem A etapa de orientação Joaquim Neves Fevereiro 2006 Treino com jovens Cargas de Treino Condições de Vida Herança Genética Variáveis Biológicas Crescimento? Motivação Controlo da Ansiedade

Leia mais

Associação de Futebol da Guarda

Associação de Futebol da Guarda Cronograma: Curso de Treinadores de Futsal 1º Nível Aulas Teóricas Dezembro/08 Janeiro/09 As Capacidades Motoras 17 / Janeiro 19 / Janeiro 21 / Janeiro Avaliação Teórica Avaliação Prática 04 / Fevereiro

Leia mais

CIRCUITO FUNCIONAL CONTOURS

CIRCUITO FUNCIONAL CONTOURS CIRCUITO FUNCIONAL CONTOURS São Paulo, 27 de Junho de 2017 PROF. MS. PAULO COSTA AMARAL 1. Tecnologias Vestíveis (aparelhos que permite uma maior interação do usuário). 2. Body Weight Training (treinamento

Leia mais

TREINAMENTO Processo repetitivo e sistemático composto de exercícios progressivos que visam o aperfeiçoamento da performance.

TREINAMENTO Processo repetitivo e sistemático composto de exercícios progressivos que visam o aperfeiçoamento da performance. TREINAMENTO Processo repetitivo e sistemático composto de exercícios progressivos que visam o aperfeiçoamento da performance. TREINAMENTO FÍSICO Repetição sistemática de exercícios que produz fenômenos

Leia mais

CAPACIDADES MOTORAS:

CAPACIDADES MOTORAS: CAPACIDADES MOTORAS: Na área da Educação Física e do desporto, capacidades motoras são pressupostos dos movimentos que permitem que as qualidades inatas de uma pessoa, como um talento, ou um potencial

Leia mais

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Federação: Federação Portuguesa de Alex Ryu Jitsu Modalidade/Disciplina: Alex Ryu Jitsu Conversão de Treinadores de Grau em Treinadores de Grau II Componente Prática: 6 horas Componente Teórica: 26 horas

Leia mais

PLANEAMENTO DO TREINO: DA FORMAÇÃO AO ALTO RENDIMENTO

PLANEAMENTO DO TREINO: DA FORMAÇÃO AO ALTO RENDIMENTO PLANEAMENTO DO TREINO: DA FORMAÇÃO AO ALTO RENDIMENTO António Vasconcelos Raposo Treinador de Mérito de Natação Pura Desportiva Formador da Solidariedade Olímpica Internacional Formador FINA Formador da

Leia mais

V Fórum da Natação Açores 2014 OPERACIONALIZAÇÃO DE UM MACROCICLO DE TREINO

V Fórum da Natação Açores 2014 OPERACIONALIZAÇÃO DE UM MACROCICLO DE TREINO OPERACIONALIZAÇÃO DE UM MACROCICLO DE TREINO A organização do processo de treino é uma tarefa complexa, onde múltiplos aspetos relacionados com atletas, infraestruturas, objetivos, métodos e meio, têm

Leia mais

Calendário Nacional Remo Brasil

Calendário Nacional Remo Brasil Planejamento Estratégico Remo Brasil 2017 2024 Calendário Nacional Remo Brasil A estruturação do Calendário Nacional faz parte do Plano Estratégico de Longo Prazo 2017 2024, e visa contribuir para o crescimento

Leia mais

AF Aveiro Formação de Treinadores. Fisiologia do Exercício

AF Aveiro Formação de Treinadores. Fisiologia do Exercício Fisiologia do Exercício Fisiologia do Exercício Fisiologia? A fisiologia = natureza, função ou funcionamento, ou seja, é o ramo da biologia que estuda as múltiplas funções mecânicas, físicas e bioquímicas

Leia mais

Adaptações Metabólicas do Treinamento. Capítulo 6 Wilmore & Costill Fisiologia do Exercício e do Esporte

Adaptações Metabólicas do Treinamento. Capítulo 6 Wilmore & Costill Fisiologia do Exercício e do Esporte Adaptações Metabólicas do Treinamento Capítulo 6 Wilmore & Costill Fisiologia do Exercício e do Esporte Adaptações ao Treinamento Aeróbio Adaptações centrais e periféricas Realização do exercício submáximo

Leia mais

Agrupamento Escolas de Figueiró dos Vinhos

Agrupamento Escolas de Figueiró dos Vinhos Agrupamento Escolas de Figueiró dos Vinhos Disciplina de Estudo do Movimento Professor Ricardo Ramos Ano letivo 2014/2015 Módulo 4 Qualidades Físicas Técnico de Apoio à Gestão Desportiva Aluno: N.º : Classificação:

Leia mais

Congresso Internacional de Ciclismo Objetivo 2012 Plataforma de Desenvolvimento do BTT. Anadia, Julho 2012 Pedro Vigário

Congresso Internacional de Ciclismo Objetivo 2012 Plataforma de Desenvolvimento do BTT. Anadia, Julho 2012 Pedro Vigário Congresso Internacional de Ciclismo Objetivo 2012 Plataforma de Desenvolvimento do BTT Anadia, Julho 2012 Pedro Vigário Objetivo 1 apuramento para os jogos Objetivo 2 desenvolvimento geral da vertente

Leia mais

O TREINO DE UM(a) JOVEM MEIO- FUNDISTA

O TREINO DE UM(a) JOVEM MEIO- FUNDISTA O TREINO DE UM(a) JOVEM MEIO- FUNDISTA LEIRIA, 21/11/2009 plano da apresentação 1. Jovens meio-fundistas? 2. Que capacidades devem ser desenvolvidas por um jovem meiofundista? 3. Como desenvolver essas

Leia mais

Canoagem. Heros Ferreira Diretor Técnico Programa de Desenvolvimento da Estrutura de Treinamento

Canoagem. Heros Ferreira Diretor Técnico Programa de Desenvolvimento da Estrutura de Treinamento Canoagem Heros Ferreira Diretor Técnico Programa de Desenvolvimento da Estrutura de Treinamento Diretor Técnico da Seleção Brasileira de Canoagem Velocidade Departamento de Ciências do Esporte Licenciado

Leia mais

TABELA PRÁTICA PARA CÁLCULO DOS JUROS DE MORA ICMS ANEXA AO COMUNICADO DA-87/12

TABELA PRÁTICA PARA CÁLCULO DOS JUROS DE MORA ICMS ANEXA AO COMUNICADO DA-87/12 JANEIRO 2,8451 2,7133 2,4903 2,3303 2,1669 1,9859 1,7813 1,6288 1,4527 1,3148 1,1940 1,0684 FEVEREIRO 2,8351 2,6895 2,4758 2,3201 2,1544 1,9676 1,7705 1,6166 1,4412 1,3048 1,1840 1,0584 MARÇO 2,8251 2,6562

Leia mais

VELOCIDADE VELOCIDADE - SÍNTESE 13/04/2015 PRINCÍPIOS METODOLÓGICOS OPERACIONALIZAÇÃO PRÁTICA. Introdução. Definição. A Velocidade no Futebol

VELOCIDADE VELOCIDADE - SÍNTESE 13/04/2015 PRINCÍPIOS METODOLÓGICOS OPERACIONALIZAÇÃO PRÁTICA. Introdução. Definição. A Velocidade no Futebol 13/04/2015 VELOCIDADE PRINCÍPIOS METODOLÓGICOS OPERACIONALIZAÇÃO PRÁTICA Bruno Romão 13/04/2015 VELOCIDADE - SÍNTESE 1. Introdução 2. Definição 3. A no Futebol 4. Formas de Manifestação de 5. Factores

Leia mais

Princípios Científicos do TREINAMENTO DESPORTIVO AULA 5

Princípios Científicos do TREINAMENTO DESPORTIVO AULA 5 Princípios Científicos do TREINAMENTO DESPORTIVO AULA 5 Princípios do Treinamento: São os aspectos cuja observância irá diferenciar o trabalho feito à base de ensaios e erros, do científico. (DANTAS, 2003)

Leia mais

TREINO DE GUARDA-REDES, PREPARAÇÃO FÍSICA E METODOLOGIA DE TREINO

TREINO DE GUARDA-REDES, PREPARAÇÃO FÍSICA E METODOLOGIA DE TREINO TREINO DE GUARDA-REDES, PREPARAÇÃO FÍSICA E METODOLOGIA DE TREINO MÓDULO : Flexibilidade Formador: Tiago Vaz Novembro de 2015 Síntese 1. Definição e formas de manifestação; 2. Fatores condicionantes; 3.

Leia mais

Prof. Ms. Sandro de Souza

Prof. Ms. Sandro de Souza Prof. Ms. Sandro de Souza As 5 leis básicas do Treinamento de Força 1º - ANTES DE DESENVOLVER FORÇA MUSCULAR, DESENVOLVA FLEXIBILIDADE Amplitude de movimento Ênfase na pelve e articulações por onde passam

Leia mais

TEMA 5: Preparação física na formação de 11 a 17 anos Palestrante: Beto Carnevale

TEMA 5: Preparação física na formação de 11 a 17 anos Palestrante: Beto Carnevale Xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx TEMA 5: Preparação física na formação de 11 a 17 anos Palestrante: Beto Carnevale O técnico bem sucedido é aquele que transmite Xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

Leia mais

Associação Desportiva de Lagares da Beira. Associação Desportiva de Lagares da Beira. Departamento de Futebol Sénior.

Associação Desportiva de Lagares da Beira. Associação Desportiva de Lagares da Beira. Departamento de Futebol Sénior. Departamento de Futebol Sénior Planeamento Anual Época 2003/2004 Elaborado por: José Lima Pag. 1 1 Análise da situação 1.1- Diagnóstico O plantel será constituído por um mínimo de 22 atletas (20 atle tas

Leia mais

PRINCÍPIOS DO TREINAMENTO

PRINCÍPIOS DO TREINAMENTO PRINCÍPIOS DO TREINAMENTO A teoria e metodologia do treinamento esportivo têm princípios específicos baseados nas ciências biológicas, psicológicas e pedagógicas. Esses princípios refletem as particularidades

Leia mais

A minha Filosofia de Treino em Atletismo

A minha Filosofia de Treino em Atletismo A minha Filosofia de Treino em Atletismo Por Jorge Miguel Treinador de Atletas Olimpicos Como treinador de Atletismo há mais de trinta anos,a minha experiência nesta modalidade leva-me a afirmar que no

Leia mais

PRINCIPIOS CIENTÍFICOS DO TREINAMENTO DESPORTIVO

PRINCIPIOS CIENTÍFICOS DO TREINAMENTO DESPORTIVO PRINCIPIOS CIENTÍFICOS DO TREINAMENTO DESPORTIVO O que é Princípios do Treinamento Desportivo? Princípios do Treinamento Desportivo São os aspectos cuja observância irá diferenciar o trabalho feito à base

Leia mais

VELOCIDADE E ESTAFETAS III

VELOCIDADE E ESTAFETAS III VELOCIDADE E ESTAFETAS III 1. O Treino da Velocidade com Jovens Quando falamos de Velocidade é importante em primeiro lugar conhecer o conceito de movimento ciclíco, que correcponde a um movimento que

Leia mais

Período de Preparação Período de Competição Período de Transição

Período de Preparação Período de Competição Período de Transição PERIODIZAÇÃO Desde que a chamada "Ciência do Esporte" passou a sistematizar e metodizar o Treinamento Desportivo, a periodização passou a ser a única forma de se organizar todo o trabalho realizado durante

Leia mais

Colunista da Revista W Run e colaborador das Revistas The Finisher e Revista O2

Colunista da Revista W Run e colaborador das Revistas The Finisher e Revista O2 CURRÍCULO HELENO FORTES RIBEIRO CREF:004375-GMG Diretor Técnico e Idealizador da HF Treinamento Esportivo Pós-Graduado em Treinamento Esportivo (lato sensu) UGF 2006 Graduado em Educação Física (Bacharel

Leia mais

Métodos de Treino da Resistência. António nio Graça a * 2006

Métodos de Treino da Resistência. António nio Graça a * 2006 Métodos de Treino da Resistência Introdução - Classificação da resistência Duração Curta, média e longa duração De acordo com s condicionais Resistência (aeróbia e anaeróbia) Resistência Orgânica Velocidade

Leia mais

Data Moeda Valor Vista Descrição Taxa US$ 07-Jul-00 Real 0,5816 Sem frete - PIS/COFINS (3,65%) NPR 1,81 14-Jul-00 Real 0,5938 Sem frete - PIS/COFINS

Data Moeda Valor Vista Descrição Taxa US$ 07-Jul-00 Real 0,5816 Sem frete - PIS/COFINS (3,65%) NPR 1,81 14-Jul-00 Real 0,5938 Sem frete - PIS/COFINS Data Moeda Valor Vista Descrição Taxa US$ 07-Jul-00 Real 0,5816 Sem frete - PIS/COFINS (3,65%) NPR 1,81 14-Jul-00 Real 0,5938 Sem frete - PIS/COFINS (3,65%) NPR 1,8 21-Jul-00 Real 0,6493 Sem frete - PIS/COFINS

Leia mais

O Planeamento o Treino de Rui Silva

O Planeamento o Treino de Rui Silva O Planeamento o Treino de Rui Silva Professor Bernardo Manuel Licenciado em Educação Física Mestre em Ciências do Desporto na área do treino de alto rendimento Professor Auxiliar Convidado FMH Treinador

Leia mais

Periodização do Treinamento. Vitor Leandro da Silva Profeta Mestrando em Ciências do Esporte

Periodização do Treinamento. Vitor Leandro da Silva Profeta Mestrando em Ciências do Esporte Periodização do Treinamento Esportivo aplicada ao TaeKwon-Do Vitor Leandro da Silva Profeta Mestrando em Ciências do Esporte Exercício Homeostase Síndrome da Adaptação Geral Estresse Resistência Exaustão

Leia mais

2 MÉTODO DE ESFORÇOS (OU RITMOS) VARIADOS

2 MÉTODO DE ESFORÇOS (OU RITMOS) VARIADOS MÉTODOS DE TREINAMENTO CONTÍNUOS NA NATAÇÃO 1 INTRODUÇÃO Os métodos contínuos são aqueles que envolvem a aplicação de cargas caracterizadas pelo predomínio do volume sobre a intensidade, trata-se de cargas

Leia mais

BE066 Fisiologia do Exercício. Prof. Sergio Gregorio da Silva. É a habilidade de uma articulação se mover através de sua amplitude articular

BE066 Fisiologia do Exercício. Prof. Sergio Gregorio da Silva. É a habilidade de uma articulação se mover através de sua amplitude articular BE066 Fisiologia do Exercício Flexibilidade Prof. Sergio Gregorio da Silva Flexibilidade É a habilidade de uma articulação se mover através de sua amplitude articular É altamente adaptável e é! aumentada

Leia mais

BPM: Número de vezes que o coração bate por minuto.

BPM: Número de vezes que o coração bate por minuto. A B Altimetria: Representada por gráficos ou mapas, demonstra o relevo dos percursos das provas. Com isso, os atletas podem visualizar as subidas e descidas que enfrentarão ao longo da corrida. BPM: Número

Leia mais

Associação Nacional de Juízes de Basquetebol

Associação Nacional de Juízes de Basquetebol A PREPARAÇÃO FÍSICA DO ÁRBITRO DE BASQUETEBOL O treino desportivo não é apenas um problema de escolha de exercícios (o que fazer), é também e principalmente um problema de doseamento (quando e quanto treinar)

Leia mais

Treinamento de força, potência e velocidade muscular no esporte

Treinamento de força, potência e velocidade muscular no esporte Treinamento de força, potência e velocidade muscular no esporte sandrosargentim@gmail.com Sandro Sargentim Entendendo a modalidade 1.Qual a característica da modalidade? 2.A modalidade é individual ou

Leia mais

Princípios Cienbficos PRINCÍPIO DA SOBRECARGA PRINCÍPIO DA SOBRECARGA 30/09/13 SOBRECARGA

Princípios Cienbficos PRINCÍPIO DA SOBRECARGA PRINCÍPIO DA SOBRECARGA 30/09/13 SOBRECARGA SOBRECARGA É a aplicação coerente da carga de treinamento, de modo que haja uma progressão controlada e metódica. Fundamento da Supercompensação: Assimilação Compensatória = período de recuperação + restauração

Leia mais

Safra 2016/2017. Safra 2015/2016

Safra 2016/2017. Safra 2015/2016 Valores de ATR e Preço da Tonelada de Cana-de-açúcar - Consecana do Estado do Paraná Safra 2016/2017 Mar/16 0,6048 0,6048 0,6048 66,04 73,77 Abr 0,6232 0,6232 0,5927 64,72 72,29 Mai 0,5585 0,5878 0,5868

Leia mais

Fisiologia do Esforço

Fisiologia do Esforço Fisiologia do Esforço Curso Desporto e BemEstar 3º Semestre 008/09 Capítulo II Bases da Bioenergética Escola Superior de Educação Instituto Politécnico de Leiria 7 Out 08 ATP-CP e energia O sistema ATP-CP

Leia mais

Os exercícios pliométricos podem ser divididos em:

Os exercícios pliométricos podem ser divididos em: PLIOMETRIA Por João Coutinho INTRODUÇÃO 1 O termo pliometria refere-se a exercícios específicos que envolvam o Ciclo Alongamento-Encurtamento (CAE), isto é, um rápido alongamento da musculatura seguido

Leia mais

Estudo dirigido Corridas e Marcha (Responda apenas nos espaços indicados)

Estudo dirigido Corridas e Marcha (Responda apenas nos espaços indicados) Nome: Estudo dirigido Corridas e Marcha (Responda apenas nos espaços indicados) Observe a figura acima e responda as questões a seguir: 1. A sequência se refere à prova de. 2. Em que distâncias essa prova

Leia mais

Módulo III. Modelos de periodização. Progressão. Progressão. Progressão. Progressão. Prescrição de Exercício. I Estágio Inicial

Módulo III. Modelos de periodização. Progressão. Progressão. Progressão. Progressão. Prescrição de Exercício. I Estágio Inicial Módulo III Prescrição de Exercício valiação Modelos de periodização Interpretação Prescrição Modalidade Freqüência Precauções Duração Intensidade CSM, Guidelines for exercise testing and prescription,(006).

Leia mais

ASPECTOS METODOLÓGICOS DO TREINAMENTO DE FORÇA NA MUSCULAÇÃO. PROFESSOR Ms PRODAMY DA SILVA PACHECO NETO

ASPECTOS METODOLÓGICOS DO TREINAMENTO DE FORÇA NA MUSCULAÇÃO. PROFESSOR Ms PRODAMY DA SILVA PACHECO NETO ASPECTOS METODOLÓGICOS DO TREINAMENTO DE FORÇA NA MUSCULAÇÃO PROFESSOR Ms PRODAMY DA SILVA PACHECO NETO PROFESSOR Ms PRODAMY DA SILVA PACHECO NETO Mestre em saúde coletiva Especialista em Fisiologia do

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES FÍSICAS A FLEXIBILIDADE

DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES FÍSICAS A FLEXIBILIDADE DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES FÍSICAS A 1. Contributo Para a Definição da Capacidade - Flexibilidade 2. Factores Condicionantes do Desenvolvimento da Flexibilidade 3. Conclusões Metodológicas 1 1. Contributo

Leia mais

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO_Grau I

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO_Grau I Federação: Federação Portuguesa de Jiu-Jitsu Brasileiro (FPJJB) Modalidade/Disciplina: Jiu Jitsu Brasileiro Conversão de Treinadores de Grau em Treinadores de Grau I Componente Prática: 8 horas Componente

Leia mais

Ciclos de Treinamento. Ricardo L. Pace Jr.

Ciclos de Treinamento. Ricardo L. Pace Jr. Ciclos de Treinamento Ricardo L. Pace Jr. MICROCICLO DE CHOQUE Cargas altas; 80% - 90% da carga máxima; Estímulo ao processo ativo de adaptação; 2-5 cargas de choque por semana; Aplicação da carga no fim

Leia mais

Centro Universitário Moura Lacerda Curso de Educação Física Treinamento Desportivo. Professor: Osvaldo Luis Milani

Centro Universitário Moura Lacerda Curso de Educação Física Treinamento Desportivo. Professor: Osvaldo Luis Milani Centro Universitário Moura Lacerda Curso de Educação Física Treinamento Desportivo Professor: Osvaldo Luis Milani PRINCÍPIOS CIENTÍFICOS BÁSICOS DO TREINAMENTO DESPORTIVO Princípio da Individualidade Biológica

Leia mais

CURSO DE CAPACITAÇÃO PARA INSTRUTOR E PROFESSOR DE TAEKWONDO GRÃO MESTRE ANTONIO JUSSERI DIRETOR TÉCNICO DA FEBRAT

CURSO DE CAPACITAÇÃO PARA INSTRUTOR E PROFESSOR DE TAEKWONDO GRÃO MESTRE ANTONIO JUSSERI DIRETOR TÉCNICO DA FEBRAT CURSO DE CAPACITAÇÃO PARA INSTRUTOR E PROFESSOR DE TAEKWONDO GRÃO MESTRE ANTONIO JUSSERI DIRETOR TÉCNICO DA FEBRAT Alongamento é o exercício para preparar e melhorar a flexibilidade muscular, ou seja,

Leia mais

Qualidades Físicas Básicas na Canoagem para Iniciantes

Qualidades Físicas Básicas na Canoagem para Iniciantes 4ª Jornada Científica e Tecnológica e 1º Simpósio de Pós-Graduação do IFSULDEMINAS 16, 17 e 18 de outubro de 2012, Muzambinho MG Qualidades Físicas Básicas na Canoagem para Iniciantes Denise Miranda de

Leia mais

Maria Tereza Silveira Böhme

Maria Tereza Silveira Böhme Maria Tereza Silveira Böhme terbohme@usp.br Início e desenvolvimento Objetivos Fundamentos teóricos Programas canadense e alemão de TLP Realidade brasileira Produção científica do GEPETIJ Dissertações

Leia mais

I CLÍNICA OLÍMPICA DE NATAÇÃO MARISTA PARTE 3

I CLÍNICA OLÍMPICA DE NATAÇÃO MARISTA PARTE 3 I CLÍNICA OLÍMPICA DE NATAÇÃO MARISTA PARTE 3 PRINCÍPIOS DA NATAÇÃO (KURT WILKE) - Máximo aproveitamento da flutuabilidade estática - Redução da resistência frontal - Constante pegada de águas - Paradas

Leia mais

Versão Referenciais de FORMAÇÃO ATLETISMO

Versão Referenciais de FORMAÇÃO ATLETISMO Versão 1.00 FORMAÇÃO Referenciais de Grau II Versão 1.00 FORMAÇÃO Referenciais de Grau II Edição: Conteúdos: Data: Instituto Português do Desporto e Juventude, I.P. Federação Portuguesa de Atletismo Setembro

Leia mais

Baterias de testes para avaliação da Aptidão Física

Baterias de testes para avaliação da Aptidão Física Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Baterias de testes para avaliação da Aptidão Física Teste de Aptidão Básica (Fleishman, 1964) 1. Teste

Leia mais

Métodos treinamento das valências físicas relacionadas à Saúde. Prof Paulo Fernando Mesquita Junior

Métodos treinamento das valências físicas relacionadas à Saúde. Prof Paulo Fernando Mesquita Junior Métodos treinamento das valências físicas relacionadas à Saúde Prof Paulo Fernando Mesquita Junior Princípios científicos do treinamento Princípio da Individualidade biológica cada pessoa nasce com uma

Leia mais

Interferência. Mecanismos???? Efeito de Interferência 30/07/2015. Definição Treinamento concorrente. Na força máxima (1RM) Na TDF.

Interferência. Mecanismos???? Efeito de Interferência 30/07/2015. Definição Treinamento concorrente. Na força máxima (1RM) Na TDF. Definição Treinamento concorrente Realização de exercícios que desenvolvam a força muscular e a resistência aeróbia dentro da mesma unidade de treino X Interferência Efeito de Interferência Na força máxima

Leia mais

Referenciais de FORMAÇÃO

Referenciais de FORMAÇÃO Versão 1.00 Referenciais de FORMAÇÃO HÓQUEI PATINS Grau III Referenciais de FORMAÇÃO HÓQUEI PATINS Grau III Edição: Conteúdos: Data: Instituto Português do Desporto e Juventude, I.P. Federação de Patinagem

Leia mais

Crescimento e Desenvolvimento Humano

Crescimento e Desenvolvimento Humano Crescimento e Desenvolvimento Humano Capacidades física e Motoras durante o processo de crescimento e Desenvolvimento Humano Desenvolvimento e Crescimento Humano Para se entender o processo de desenvolvimento

Leia mais

Disciplina: Controle Motor e Fisiologia do Movimento. Flávia Porto RELEMBRANDO...

Disciplina: Controle Motor e Fisiologia do Movimento. Flávia Porto RELEMBRANDO... Disciplina: Controle Motor e Fisiologia do Movimento Flávia Porto RELEMBRANDO... A mais importante característica do treinamento é sua divisão em fases e sua contínua adequação e periodização dos estímulos.

Leia mais

Aspectos Metodológicos da Preparação dos Corredores de Longa Distância

Aspectos Metodológicos da Preparação dos Corredores de Longa Distância Prof. Ricardo Antonio D Angelo -Mestrando em Ciências da Motricidade, UNESP, Rio Claro, 2006 -Treinador Nacional de Fundo, 2004 -Treinador IAAF Nível II, 1999 -Especialização em Atletismo, USP, 1983 -Coordenador

Leia mais

BIOMECÂNICA DA AÇÃO MUSCULAR EXCÊNTRICA NO ESPORTE. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

BIOMECÂNICA DA AÇÃO MUSCULAR EXCÊNTRICA NO ESPORTE. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior BIOMECÂNICA DA AÇÃO MUSCULAR EXCÊNTRICA NO ESPORTE Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Considerações iniciais EXCÊNTRICA CONCÊNTRICA ISOMÉTRICA F m F m F m P V P V P V = 0 Potência < 0 Potência >

Leia mais

MÉTODOS DE TREINAMENTO FÍSICO

MÉTODOS DE TREINAMENTO FÍSICO MÉTODOS DE TREINAMENTO FÍSICO A escolha do método de TF depende da qualidade física que vai ser trabalhada e da periodização do treinamento. Na fase básica, quando a ênfase é no volume, utiliza-se os métodos

Leia mais

Objetivo da aula. Trabalho celular 01/09/2016 GASTO ENERGÉTICO. Energia e Trabalho Biológico

Objetivo da aula. Trabalho celular 01/09/2016 GASTO ENERGÉTICO. Energia e Trabalho Biológico Escola de Educação Física e Esporte Universidade de São Paulo Bioquímica da Atividade Motora Calorimetria Medida do Gasto Energético No Exercício Físico Objetivo da aula Medida do gasto energético no exercício

Leia mais

ÁREAS DE FORMAÇÃO Área formativa 1: Gestão Desportiva

ÁREAS DE FORMAÇÃO Área formativa 1: Gestão Desportiva ÁREAS DE FORMAÇÃO Área formativa 1: Gestão Desportiva Planeamento e Gestão de Projectos Marketing do Desporto Financiamento Fiscalidade Administração e Gestão de um Clube desportivo Gestão de Instalações

Leia mais

JOSÉ SOARES RUNNING MUITO MAIS DO QUE CORRER

JOSÉ SOARES RUNNING MUITO MAIS DO QUE CORRER JOSÉ SOARES RUNNING MUITO MAIS DO QUE CORRER Oo Índice PREFÁCIO 9 INTRODUÇÃO 11 1. DAR O PRIMEIRO PASSO E MUITOS OUTROS 15 As dificuldades em dar o primeiro passo 16 A motivação está no cérebro 22 Antes

Leia mais

CEF CARDIO. CEF Cardio. Prescrição de Treino Cardio-Respiratório. Componentes Sessão de Treino. FITTE Factors Progressão do Treino

CEF CARDIO. CEF Cardio. Prescrição de Treino Cardio-Respiratório. Componentes Sessão de Treino. FITTE Factors Progressão do Treino CEF CARDIO CEF Cardio Prescrição de Treino Cardio-Respiratório Princípios do Treino Componentes Sessão de Treino Aquecimento Parte Fundamental Retorno à Calma FITTE Factors Progressão do Treino 1 Avaliação

Leia mais

I CLÍNICA OLÍMPICA DE NATAÇÃO MARISTA PARTE 2 TREINAMENTO 1 ASPECTOS GERAIS DO TREINAMENTO DESPORTIVO

I CLÍNICA OLÍMPICA DE NATAÇÃO MARISTA PARTE 2 TREINAMENTO 1 ASPECTOS GERAIS DO TREINAMENTO DESPORTIVO I CLÍNICA OLÍMPICA DE NATAÇÃO MARISTA PARTE 2 TREINAMENTO 1 ASPECTOS GERAIS DO TREINAMENTO DESPORTIVO 1.1 Treinamento No campo do esporte falamos de treinamento desportivo, e entendemos em geral pela preparação

Leia mais

MÚSCULO ESQUELÉTICO INSTITUTO DE FISIOLOGIA. Francisco Sampaio

MÚSCULO ESQUELÉTICO INSTITUTO DE FISIOLOGIA. Francisco Sampaio MÚSCULO ESQUELÉTICO INSTITUTO DE FISIOLOGIA Francisco Sampaio MÚSCULO ESQUELÉTICO (RESUMO) INTRODUÇÃO CLASSIFICAÇÃO FUNÇÕES BIOMECÂNICA TIPOS DE CONTRACÇÃO MECANISMO DE CONTRACÇÃO UNIDADE MOTORA COMPORTAMENTO

Leia mais

Baterias de testes para avaliação da Aptidão Física

Baterias de testes para avaliação da Aptidão Física Portal da Educação Física Referência em Educação Física na Internet Baterias de testes para avaliação da Aptidão Física Denomina-se bateria a um conjunto de testes cujos resultados possam ser analisados

Leia mais

FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO. Profa. Ainá Innocencio da Silva Gomes

FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO. Profa. Ainá Innocencio da Silva Gomes Profa. Ainá Innocencio da Silva Gomes CONCEITOS BÁSICOS ESPORTISTA - Praticante de qualquer atividade física com o intuito da melhoria da saúde ou de lazer, sem se preocupar com alto rendimento. ATLETA

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CAVALO ATLETA EM TESTES A CAMPO

AVALIAÇÃO DO CAVALO ATLETA EM TESTES A CAMPO AVALIAÇÃO DO CAVALO ATLETA EM TESTES A CAMPO Professor Guilherme de Camargo Ferraz guilherme.de.ferraz@terra.com.br INTRODUÇÃO Mercado Nacional de Eqüinos: Inter-relações Complexo Agronegócio Cavalo Esporte

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA FLEXIBILIDADE NO TAEKWONDO

A IMPORTÂNCIA DA FLEXIBILIDADE NO TAEKWONDO A IMPORTÂNCIA DA FLEXIBILIDADE NO TAEKWONDO Claudiomar Antonio Vieira 1 Everton Paulo Roman 2 RESUMO O presente estudo teve o objetivo de realizar uma contextualização teórica em relação a importância

Leia mais

FORTALECIMENTO MUSCULAR. Ft. Marina Medeiros

FORTALECIMENTO MUSCULAR. Ft. Marina Medeiros FORTALECIMENTO MUSCULAR Ft. Marina Medeiros Tratamento fisioterapêutico dor dor Mobilidade dor Mobilidade Força e Controle motor dor Mobilidade Força e Controle motor PERFORMANCE Como Fazer? Como Fazer?

Leia mais

Aspectos Físicos do Futebol Aprofundamento em Futebol

Aspectos Físicos do Futebol Aprofundamento em Futebol Aspectos Físicos do Futebol Aprofundamento em Futebol QUAIS AS AÇÕES A SEREM FEITAS? 3 Testar, Medir e Avaliar Teste - É um instrumento, procedimento ou técnica usado para se obter uma informação. Medida

Leia mais

A FORÇA NO FUTEBOL. Abril

A FORÇA NO FUTEBOL. Abril A FORÇA NO FUTEBOL Abril 2015 1 CONCEITO DE FORÇA É a capacidade física que, através da contracção muscular vence determinada resistência e que resulta da acção conjunta da massa muscular implicada e da

Leia mais

DP de Estudos Disciplinares Treinamento Personalizado e Musculação

DP de Estudos Disciplinares Treinamento Personalizado e Musculação Aluno: RA: DP de Estudos Disciplinares Treinamento Personalizado e Musculação Assinale uma adaptação morfológica responsável pela hipertrofia muscular? a Divisão celular b Aumento do número de sarcômeros

Leia mais

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA PROGRAMA DE DISCIPLINA CURSO: EDUCAÇÃO FÍSICA DISCIPLINA: FISIOLOGIA DO ESFORÇO

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA PROGRAMA DE DISCIPLINA CURSO: EDUCAÇÃO FÍSICA DISCIPLINA: FISIOLOGIA DO ESFORÇO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA PROGRAMA DE DISCIPLINA CURSO: EDUCAÇÃO FÍSICA CÓDIGO: EDFFIE DISCIPLINA: FISIOLOGIA DO ESFORÇO PRÉ - REQUISITO: FISIOLOGIA GERAL CARGA HORÁRIA: 80 CRÉDITOS: 04

Leia mais

MÉTODOS DE TREINO FLEXIBILIDADE

MÉTODOS DE TREINO FLEXIBILIDADE MÉTODOS DE TREINO FLEXIBILIDADE FLEXIBILIDADE REVISÕES Formas de manifestação da flexibilidade: CONCEITO: Flexibilidade pode ser definida como a capacidade dos tecidos corporais em permitir, sem danos

Leia mais

FORMAÇÃO DE TREINADORES GRAU I METODOLOGIA DE TREINO

FORMAÇÃO DE TREINADORES GRAU I METODOLOGIA DE TREINO FORMAÇÃO DE TREINADORES GRAU I DEFINIÇÃO DE ADAPTAÇÃO ADAPTAÇÃO PROCESSO PROGRESSIVO PROCESSO REGRESSIVO Reorganização após estimulo TÉCNICOS TÁTICOS FÍSICOS PSICO-COGNITIVOS Específica Limitada DEFINIÇÃO

Leia mais