Estrutura do Processo de Treino

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Estrutura do Processo de Treino"

Transcrição

1 Estrutura do Processo de Treino

2 Índice do tema: 1- Passos Antecedentes à Elaboração de Planeamento de Treino; 2 Modelos de Periodização do Treino; 3 Organização das Estruturas Intermédias do Treino

3 1- Passos Antecedentes à Elaboração de Planeamento de Treino 1.1 Estudo Prévio; 1.2 Formulação de Objectivos; 1.3 Calendário de Competições; 1.4 Racionalização e organização das estruturas intermédias (Mesociclos e Microciclos); 1.5 Escolha dos meios de treino; 1.6 Distribuição das cargas de treino; 1.7 Operacionalização do plano.

4 1.1 Estudo Prévio FACTORES QUE PODEM INFLUENCIAR A PLANIFICAÇÃO: Nível de rendimento da temporada anterior; Cumprimento dos objectivos propostos; Nível de Treino; Perfil condicional dos atletas (profissão/ocupação; Disponibilidade para treinar); Recursos disponíveis; Condições atmosféricas (fundamental em países de clima rigoroso).

5 1.2 Formulação de Objectivos REAIS; QUANTIFICÁVEIS; PASSÍVEIS DE SER ATINGIDOS.

6 1.3 Calendário de Competições GRANDE CONDICIONANTE DO PLANEAMENTO (Com atletas já formados), conhecer o calendário de competições principais e secundárias.

7 1.4 Racionalização e organização das estruturas intermédias DIVIDIR E TEMPORADA EM PARTES: Cada parte colocada numa ordem lógica; Determinar a duração; Cada parte organizada de forma individual para cada atleta ou competição. Seguir os princípios de estruturação dos MACROCICLOS; MESOCICLOS; MICROCICLOS E SESSÕES DE TREINO

8 1.5 Escolha dos meios de treino Vídeo5 Can Vídeo1 Fut Vídeo2 Fut Vídeo3 Fut Vídeo4 Atl Escolha dos métodos de treino para cada fase, de acordo com a eficácia pretendida, objectivos intermédios e finais. Vídeo6 Futsal Vídeo7 Hóquei Exemplo: Nas primeiras etapas de formação é conveniente utilizar um elevado número de meios e formas de treino, como forma de alargar o âmbito das adaptações.

9 1.6 Distribuição das cargas de treino As cargas devem ser distribuídas no tempo de uma forma racional e adequada aos objectivos traçados. Os critérios a seguir são a evolução das componentes da carga de treino: Volume; Intensidade; Densidade; Duração; Frequência

10 1.7 Operacionalização do plano Corresponde à própria execução do plano Poder ser afectado e passível de alteração, devido a vários factores: Aparecimento de lesões; Vida pessoal e profissional dos atletas; Dificuldade de assimilação das cargas de treino planeadas. Lourenço, J.T. (2008) Metodologia do Treino Desportivo do planeamento à execução, Federação Portuguesa de Canoagem. AVALIAÇÃO DO PLANO: 1 Controlo das cargas de treino; 2 Controlo do modelo de competição; 3 - Controlo da capacidade de rendimento;

11 2 Modelos de Periodização do Treino; Os vários modelos têm como suporte científico o SINDROME GERAL DE ADAPTAÇÃO de Selye, adaptado para o desporto por Yakolev.

12 2.1 Periodização tradicional PERÍODO DE PREPARAÇÃO Objectivo: Criação e desenvolvimento de pressupostos fundamentais ao desenvolvimento dos factores elementares no plano motor, mental e afectivo que condicionam a forma desportiva PERÍODO DE COMPETIÇÃO Objectivo: Desenvolvimento de uma predisposição óptima para a competição Desenvolvido por Matvéiev. PERÍODO DE TRANSIÇÃO Objectivo: Caracteriza-se por uma rápida descida do estado de preparação do atleta. Etapa Preparação Geral Predomina o aumento do volume Etapa Preparação Especial < volume e aumenta a intensidade Período competitivo curto Volume diminui no início e estabiliza; Intensidade específica aumenta até ao máximo e estabiliza Período competitivo longo Volume aumenta e ligeira diminuição intensidade. De seguida diminui o volume e aumenta a intensidade. ALTERNÂNCIA

13 2.2 Periodização contemporânea Simplificação das estruturas de treino. MACROCICLOS MESOCICLOS MICROCICLOS

14 3 Organização das Estruturas Intermédias do Treino De acordo com a terminologia mais utilizada, podemos dividir o processo de treino em ciclos de duração variável: Sessão; Microciclos; Mesociclos; Macrociclos; Temporada; Estrutura Plurianual.

15 SESSÃO É a estrutura elementar do processo de organização do treino TIPOS DE EXERCÍCIOS: 1. Gerais Não têm semelhança com a competição 2. Dirigidos Algum trabalho relacionado com a modalidade; 3. Especiais Meios de treino muito próximos da competição; 4. Específicos ou Competitivos Simulação/reprodução do gesto competitivo. ORGANIZAÇÃO DA SESSÃO INTERACÇÃO ENTRE CARGAS: Interacção Positiva: - Aeróbias depois de tipo anaeróbio aláctico - Anaeróbias lácticas depois de anaeróbias alácticas. Interacção Negativa: - Anaeróbias alácticas depois de elevado trabalho láctico; - Orientação láctica depois de grande volume aeróbio. DISTRIBUIÇÃO (ao longo do dia): 1 Verificar o horário do treino; 2 Determinar os níveis de carga por sessão; 3 - Definir o horário ideal.

16 SESSÃO (Exemplos) Futebol Canoagem

17 MICROCICLO Constitui uma série de sessões, organizadas de forma racional num curto período de tempo. Incorpora sempre duas partes: Estimuladora; Restabelecimento. Duração: Mínima 2 dias; Máxima até 14 dias; Normal 7 dias (razões culturais) Tipos de Microciclos: Ajuste ou Introdutório: Carga média, < intensidade. Preparação do atleta para o seguinte estado de treino. De carga ou Desenvolvimento: Volume elevado, melhorar a preparação física. Choque ou Impacto: Cargas e fadiga máximas, visando a adaptação orgânica. Activação ou Aproximação: (antes da competição) < Volume; > Intensidade. Cargas específicas idênticas à competição (predomina o trabalho especial sobre o geral). Competitivo: Integra a competição: Visa a recuperação, mantendo o atleta em super-compensação. Recuperação: Lourenço, J.T. (2008) Volume Metodologia e do intensidades Treino Desportivo do baixos. planeamento Uso à execução, de meios Federação Portuguesa de recuperação. de Canoagem.

18 MICROCICLO DE CHOQUE (Exemplo Triatlo)

19 MICROCICLO DE RECUPERAÇÃO (Exemplo Triatlo)

20 MESOCICLO Pode ser definido como uma fase de semanas ou microciclos, nunca menos de 2 e quase nunca ultrapassam os 6-8. TRÊS TIPOS UNIVERSAIS DE MESOCICLOS: Mesociclo de Acumulação: Objectivo de aumentar o potencial motor do atleta e criar uma reserva de qualidades básicas. Volume relativamente elevado e intensidade moderada. Mesociclo de Transformação ou Transferência: O potencial motor é convertido em preparação especial. Tolerância à fadiga e estabilidade técnica. Volume óptimo e aumento de intensidade. Mesociclo de Realização: Ênfase na modelação da actividade competitiva, com um aumento da intensidade até ao seu máximo.

21 MESOCICLO ESTRUTURAÇÃO DOS MICROCICLOS DENTRO DOS MESOCICLOS. (Variantes Básicas) TIPOS DE MESOCICLO ACUMULAÇÃO TRANSFORMAÇÃO SEQUÊNCIA DOS MICROCICLOS DENTRO DOS MESOCICLOS PARTE INICIAL PARTE MÉDIA PARTE FINAL Recuperação e/ou Ajuste Ajuste e Carga Carga e/ou Impacto Carga e/ou Impacto REALIZAÇÃO Ajuste ou Carga Carga ou Impacto Carga ou Recuperação Carga ou Recuperação Activação e Competitivo Atenção: Os tipos de mesociclos não têm os mesmos objectivos no inicio e no fim do ciclo anual. Por isso há que ter em conta o período ou etapa em que eles se inserem.

22 MACROCICLO Conjunto de meses (Mesociclos) e semanas (Microciclos) que se sucedem em respeito às regras do processo de treino a longo prazo. Tradicionalmente, um macrociclo divide-se nas seguintes partes: PERÍODO PREPARATÓRIO PERÍODO COMPETITIVO PERÍODO TRANSITÓRIO

23 Exemplo de MACROCICLO

24 TEMPORADA Corresponde a uma época desportiva completa com o respectivo calendário competitivo. Soma de todos os macrociclos do calendário competitivo da época. Pode ter 1, 2 ou 3 Macrociclos Clicar

25 CICLOS PLURIANUAIS Incluem várias temporadas/épocas desportivas Estruturas próprias dos atletas de alto nível, em períodos temporais que separam competições de grande relevo.

CONCEITOS DA TEORIA DO TREINO

CONCEITOS DA TEORIA DO TREINO CONCEITOS DA TEORIA DO TREINO 1. A Sessão de Treino A Sessão de Treino é a unidade estrutural que serve de base para toda a organização do treino. O treinador deve individualizar o treino, adaptando a

Leia mais

Associação de Futebol da Guarda

Associação de Futebol da Guarda Cronograma: Curso de Treinadores de Futsal 1º Nível Aulas Teóricas Dezembro/08 Janeiro/09 As Capacidades Motoras 17 / Janeiro 19 / Janeiro 21 / Janeiro Avaliação Teórica Avaliação Prática 04 / Fevereiro

Leia mais

TEORIA GERAL DO TREINO DESPORTIVO

TEORIA GERAL DO TREINO DESPORTIVO TEORIA GERAL DO TREINO DESPORTIVO AULA 1 LICENCIATURA EM CIÊNCIAS DA ACTIVIDADE FÍSICA HUMANA Organização da Disciplina Repartição Lectiva Carga Horária Semestral (S2) Aulas Teórica- Práticas 4ª Feira

Leia mais

1 - Parte Introdutória A Parte Introdutória prepara cognitiva e animicamente o praticante para a realização da sessão e para o esforço físico e de con

1 - Parte Introdutória A Parte Introdutória prepara cognitiva e animicamente o praticante para a realização da sessão e para o esforço físico e de con SESSÃO DE TREINO 1 - Parte Introdutória A Parte Introdutória prepara cognitiva e animicamente o praticante para a realização da sessão e para o esforço físico e de concentração nela envolvidos. Pode ser

Leia mais

Periodização do Treino no Futebol

Periodização do Treino no Futebol Curso de Preparadores Físicos 9 de Fevereiro de 2013 Periodização do Treino no Futebol João Aroso Periodizar Modelo Teórico Desenvolvimento do processo de treino no tempo A periodização do treino tem vindo

Leia mais

TEORIA E METODOLOGIA DO TREINO ESPECÍFICO

TEORIA E METODOLOGIA DO TREINO ESPECÍFICO TEORIA E METODOLOGIA DO TREINO ESPECÍFICO AULA 2 LICENCIATURA EM CIÊNCIAS DA ACTIVIDADE FÍSICA HUMANA BASES CONCEPTUAIS PARA A CONSTRUÇÃO DOS EXERCÍCIOS DE TREINO Fundamentação Biológica do Treino Na temática

Leia mais

PERIODIZAÇÃO é a divisão do ano de treinamento em períodos particulares de tempo, com objetivos e conteúdos definidos. (Gomes e Souza, 2008).

PERIODIZAÇÃO é a divisão do ano de treinamento em períodos particulares de tempo, com objetivos e conteúdos definidos. (Gomes e Souza, 2008). PERIODIZAR é dividir de forma organizada o ciclo anual ou semestral de treinamento dos atletas, em períodos e etapas, buscando prepará-los para atingir objetivos pré-estabelecidos, na direção de encontrar

Leia mais

Aspectos Gerais do Treinamento Aeróbio: Planificação, Periodização e Capacidades Biomotoras

Aspectos Gerais do Treinamento Aeróbio: Planificação, Periodização e Capacidades Biomotoras Aspectos Gerais do Treinamento Aeróbio: Planificação, Periodização e Capacidades Biomotoras Curso Internacional de Meio Fundo e Fundo, 6 e 7 Junho 2015 Assunção, PAR Junho 2015 no esporte, como atleta,

Leia mais

V Fórum da Natação Açores 2014 OPERACIONALIZAÇÃO DE UM MACROCICLO DE TREINO

V Fórum da Natação Açores 2014 OPERACIONALIZAÇÃO DE UM MACROCICLO DE TREINO OPERACIONALIZAÇÃO DE UM MACROCICLO DE TREINO A organização do processo de treino é uma tarefa complexa, onde múltiplos aspetos relacionados com atletas, infraestruturas, objetivos, métodos e meio, têm

Leia mais

BIOMECANICOS BIOQUIMICOS FISIOLOGICOS MECANICOS

BIOMECANICOS BIOQUIMICOS FISIOLOGICOS MECANICOS Faculdade de Motricidade Humana Unidade Orgânica de Ciências do Desporto Metodologia de Treino Gestão do Desporto METODOLOGIA DO TREINO DA FORÇA Objectivos Factores Condicionantes da Força Estrutura das

Leia mais

Ficha de Referenciais de Formação Específica

Ficha de Referenciais de Formação Específica Programa Nacional de FORMAÇÃO de Treinadores DOC.5B Ficha de Referenciais de Formação Específica Instruções para Autores Novembro 10 REFERENCIAIS DE FORMAÇÃO ESPECÍFICA - FICHAS MODELO No cumprimento das

Leia mais

Referenciais de FORMAÇÃO

Referenciais de FORMAÇÃO Versão 1.00 Referenciais de FORMAÇÃO HÓQUEI PATINS Grau III Referenciais de FORMAÇÃO HÓQUEI PATINS Grau III Edição: Conteúdos: Data: Instituto Português do Desporto e Juventude, I.P. Federação de Patinagem

Leia mais

AF Aveiro Formação de Treinadores. Fisiologia do Exercício

AF Aveiro Formação de Treinadores. Fisiologia do Exercício Fisiologia do Exercício Fisiologia do Exercício Fisiologia? A fisiologia = natureza, função ou funcionamento, ou seja, é o ramo da biologia que estuda as múltiplas funções mecânicas, físicas e bioquímicas

Leia mais

Planificação Anual PAFD 10º D Ano Letivo Plano de Turma Curso Profissional de Técnico de Apoio à Gestão Desportiva

Planificação Anual PAFD 10º D Ano Letivo Plano de Turma Curso Profissional de Técnico de Apoio à Gestão Desportiva Calendarização Objetivos Conteúdos Avaliação PRÁTICAS DE ATIVIDADES FÍSICAS E DESPORTIVAS Módulo: Fisiologia do Esforço 1º, 2º e 3º períodos 1. Reconhecer o papel da fisiologia do esforço quando aplicada

Leia mais

PLANEAMENTO PARA ATLETAS DE MARCHA EM RIO MAIOR. Jorge Miguel Treinador

PLANEAMENTO PARA ATLETAS DE MARCHA EM RIO MAIOR. Jorge Miguel Treinador PLANEAMENTO PARA ATLETAS DE MARCHA EM RIO MAIOR PLANEAMENTO PARA ATLETAS DE MARCHA EM RIO MAIOR ASPECTOS A CONSIDERAR: A motivação do treinador e as oportunidades. Os atletas e a sua motivação. Como chegar

Leia mais

Prof. Dr. Bruno Pena Couto Teoria do Treinamento Desportivo. Encontro Multiesportivo de Técnicos Formadores Solidariedade Olímpica / COI

Prof. Dr. Bruno Pena Couto Teoria do Treinamento Desportivo. Encontro Multiesportivo de Técnicos Formadores Solidariedade Olímpica / COI Prof. Dr. Bruno Pena Couto Teoria do Treinamento Desportivo Encontro Multiesportivo de Técnicos Formadores Solidariedade Olímpica / COI Visão Geral - Princípios do Treinamento - Métodos de Treinamento

Leia mais

Referenciais de FORMAÇÃO

Referenciais de FORMAÇÃO Versão 1.00 Referenciais de FORMAÇÃO HÓQUEI PATINS Grau II Versão 1.00 Referenciais de FORMAÇÃO HÓQUEI PATINS Grau II Edição: Conteúdos: Data: Instituto Português do Desporto e Juventude, I.P. Federação

Leia mais

A minha Filosofia de Treino em Atletismo

A minha Filosofia de Treino em Atletismo A minha Filosofia de Treino em Atletismo Por Jorge Miguel Treinador de Atletas Olimpicos Como treinador de Atletismo há mais de trinta anos,a minha experiência nesta modalidade leva-me a afirmar que no

Leia mais

JOGO (OUT 2016) - PORTO

JOGO (OUT 2016) - PORTO OBSERVAçãO, ANáLISE E INTERPRETAçãO DO JOGO (OUT 2016) - PORTO Neste curso completo de 24 horas, perceba como observar, analisar e interpretar o jogo e o jogador de futebol, assim como identificar talentos,

Leia mais

CURSO DE METODOLOGIA CIENTÍFICA

CURSO DE METODOLOGIA CIENTÍFICA CURSO DE METODOLOGIA CIENTÍFICA Aula 01: A pesquisa científica Canal do Prof. Matheus Passos http://profmatheuspassos.com Qual o objetivo da metodologia científica? u Acredita-se que o objetivo da disciplina

Leia mais

A APTIDÃO FÍSICA NOS PROGRAMAS NACIONAIS DE EDUCAÇÃO FÍSICA DGE / SPEF / CNAPEF 11 DE ABRIL DE 2016 CASTELO BRANCO

A APTIDÃO FÍSICA NOS PROGRAMAS NACIONAIS DE EDUCAÇÃO FÍSICA DGE / SPEF / CNAPEF 11 DE ABRIL DE 2016 CASTELO BRANCO A APTIDÃO FÍSICA NOS PROGRAMAS NACIONAIS DE EDUCAÇÃO FÍSICA DGE / SPEF / CNAPEF 11 DE ABRIL DE 2016 CASTELO BRANCO SUMÁRIO Enquadramento do FITescola em relação aos Programas Nacionais de Educação Física

Leia mais

Maria Tereza Silveira Böhme

Maria Tereza Silveira Böhme Maria Tereza Silveira Böhme terbohme@usp.br Início e desenvolvimento Objetivos Fundamentos teóricos Programas canadense e alemão de TLP Realidade brasileira Produção científica do GEPETIJ Dissertações

Leia mais

CALENDÁRIO - PED LIBRAS - SISTEMA EAD Atualizado em 31/03/2011

CALENDÁRIO - PED LIBRAS - SISTEMA EAD Atualizado em 31/03/2011 CALENDÁRIO PED LIBRAS SISTEMA EAD Atualizado em 31/03/2011 Estrutura do Calendário Antes de utilizar o Calendário do Curso, leia atentamente o Manual do Aluno de EAD para que possa entender o processo

Leia mais

CALENDÁRIO - PED LIBRAS - SISTEMA EAD Atualizado em 09/11/2010

CALENDÁRIO - PED LIBRAS - SISTEMA EAD Atualizado em 09/11/2010 CALENDÁRIO PED LIBRAS SISTEMA EAD Atualizado em 09/11/2010 Estrutura do Calendário Antes de utilizar o Calendário do Curso, leia atentamente o Manual do Aluno de EAD para que possa entender o processo

Leia mais

Módulo III. Modelos de periodização. Progressão. Progressão. Progressão. Progressão. Prescrição de Exercício. I Estágio Inicial

Módulo III. Modelos de periodização. Progressão. Progressão. Progressão. Progressão. Prescrição de Exercício. I Estágio Inicial Módulo III Prescrição de Exercício valiação Modelos de periodização Interpretação Prescrição Modalidade Freqüência Precauções Duração Intensidade CSM, Guidelines for exercise testing and prescription,(006).

Leia mais

ÁREAS DE FORMAÇÃO Área formativa 1: Gestão Desportiva

ÁREAS DE FORMAÇÃO Área formativa 1: Gestão Desportiva ÁREAS DE FORMAÇÃO Área formativa 1: Gestão Desportiva Planeamento e Gestão de Projectos Marketing do Desporto Financiamento Fiscalidade Administração e Gestão de um Clube desportivo Gestão de Instalações

Leia mais

O Treino das Barreiras

O Treino das Barreiras O Treino das Barreiras Jornadas Técnicas da ADAL Rui Norte A Formação de um Atleta (Barreirista?) Na fase de Iniciação, devemos ter por base o desenvolvimento integral e multilateral do jovem; Devemos

Leia mais

NORMAS DE ORGANIZAÇÃO DO ANO ACADÉMICO 2015 E APRESENTAÇÃO DO RESPECTIVO CALENDÁRIO

NORMAS DE ORGANIZAÇÃO DO ANO ACADÉMICO 2015 E APRESENTAÇÃO DO RESPECTIVO CALENDÁRIO INTRODUÇÃO NORMAS DE ORGANIZAÇÃO DO ANO ACADÉMICO 2015 E APRESENTAÇÃO DO RESPECTIVO CALENDÁRIO O Calendário do Ano Académico é um dos instrumentos reguladores e estruturantes de todas actividades das Instituições

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SEBASTIÃO DA GAMA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SEBASTIÃO DA GAMA INFORMAÇÃO-PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA EDUCAÇÃO FÍSICA - Prova teórica e prática 2016 Prova 28. 2º Ciclo do Ensino Básico 1. OBJETO DE AVALIAÇÃO A prova de Educação Física tem por referência o programa

Leia mais

DEFINIÇÕES CONDICIONANTES FORMAS DE MANIFESTAÇÃO DOMÍNIOS DE ESTRUTURAÇÃO CONSIDERAÇÕES METODOLOGICAS

DEFINIÇÕES CONDICIONANTES FORMAS DE MANIFESTAÇÃO DOMÍNIOS DE ESTRUTURAÇÃO CONSIDERAÇÕES METODOLOGICAS Faculdade de Motricidade Humana Departamento de Ciências do Desporto Metodologia de Treino I TREINO DA VELOCIDADE DEFINIÇÕES CONDICIONANTES FORMAS DE MANIFESTAÇÃO DOMÍNIOS DE ESTRUTURAÇÃO CONSIDERAÇÕES

Leia mais

Serra do Saber. Formação Pedagógica Inicial de Formadores

Serra do Saber. Formação Pedagógica Inicial de Formadores Formação Pedagógica Inicial de Formadores Fundamentação Este curso apresenta de uma forma clara e recorrendo a uma metodologia teórico-prática, os conhecimentos necessários para a formação de formadores

Leia mais

Grupo 91 - Dezembro/2011

Grupo 91 - Dezembro/2011 Grupo 85 - CALENDÁRIO - PED LÍNGUA PORTUGUESA: REDAÇÃO E ORATÓRIA Estrutura do Calendário Antes de utilizar o Calendário do Curso, leia atentamente o Manual do Aluno de EAD para que possa entender o processo

Leia mais

Navarro, F. In Planificacion del entrenamiento a largo plazo

Navarro, F. In Planificacion del entrenamiento a largo plazo Um programa de treino bem organizado e planificado, durante um período de tempo prolongado, aumenta a eficácia da preparação para as competições futuras mais importantes, uma vez que: introduz uma utilização

Leia mais

Versão Referenciais de FORMAÇÃO. Orientação. Grau

Versão Referenciais de FORMAÇÃO. Orientação. Grau Versão 1.00 Referenciais de FORMAÇÃO Orientação Grau I Versão 1.00 FORMAÇÃO Referenciais de Orientação Grau I Edição: Conteúdos: Data: Instituto Português do Desporto e Juventude, I.P. Federação Portuguesa

Leia mais

TREINAMENTO Processo repetitivo e sistemático composto de exercícios progressivos que visam o aperfeiçoamento da performance.

TREINAMENTO Processo repetitivo e sistemático composto de exercícios progressivos que visam o aperfeiçoamento da performance. TREINAMENTO Processo repetitivo e sistemático composto de exercícios progressivos que visam o aperfeiçoamento da performance. TREINAMENTO FÍSICO Repetição sistemática de exercícios que produz fenômenos

Leia mais

CRITÉRIOS DE SELEÇÃO E RESPETIVA METODOLOGIA DA ASSISTÊNCIA TÉCNICA

CRITÉRIOS DE SELEÇÃO E RESPETIVA METODOLOGIA DA ASSISTÊNCIA TÉCNICA CRITÉRIOS DE SELEÇÃO E RESPETIVA METODOLOGIA DA ASSISTÊNCIA TÉCNICA aprovados através de processo de consulta escrita concluído a 13 de Maio de 2015 METODOLOGIA E CRITÉRIOS DE SELEÇÃO DA ASSISTÊNCIA TÉCNICA

Leia mais

FUNÇÃO NEUROMUSCULAR ARTIGOS TÉCNICOS JUVENTUDE VIDIGALENSE

FUNÇÃO NEUROMUSCULAR ARTIGOS TÉCNICOS JUVENTUDE VIDIGALENSE ARTIGOS TÉCNICOS JUVENTUDE VIDIGALENSE 2015-2016 A avaliação da força faz parte do controlo do treino, sendo que o objetivo consiste em proporcionar informação constante sobre o efeito do treino realizado,

Leia mais

CALENDÁRIO - PED PSICOPEDAGOGIA INSTITUCIONAL - SISTEMA EAD

CALENDÁRIO - PED PSICOPEDAGOGIA INSTITUCIONAL - SISTEMA EAD 1.º Módulo: Descreve o número de semanas por unidade. A duração média é de 13 semanas, ou seja 3 meses. CALENDÁRIO PED PSICOPEDAGOGIA INSTITUCIONAL SISTEMA EAD Estrutura do Calendário Antes de utilizar

Leia mais

Novo Modelo de Formação

Novo Modelo de Formação Novo Modelo de Formação Conhecimento Melhoria Aperfeiçoamento Fomentar e favorecer a aquisição de conhecimentos Melhoria da qualidade de intervenção dos treinadores Promover o aperfeiçoamento qualitativo

Leia mais

Formação Pedagógica Inicial de Formadores Objetivos Gerais Este Curso, homologado pelo IEFP, visa dotar os participantes das técnicas, conhecimentos e competências necessárias á apresentação com sucesso

Leia mais

PLANEAMENTO DO TREINO: DA FORMAÇÃO AO ALTO RENDIMENTO

PLANEAMENTO DO TREINO: DA FORMAÇÃO AO ALTO RENDIMENTO PLANEAMENTO DO TREINO: DA FORMAÇÃO AO ALTO RENDIMENTO António Vasconcelos Raposo Treinador de Mérito de Natação Pura Desportiva Formador da Solidariedade Olímpica Internacional Formador FINA Formador da

Leia mais

Bases Metodológicas do Treinamento Desportivo

Bases Metodológicas do Treinamento Desportivo Bases Metodológicas do Treinamento Desportivo Unidade I Princípios do Treinamento Prof. Esp. Jorge Duarte Princípios do Treinamento A teoria e a metodologia do treinamento desportivo possuem princípios

Leia mais

Índice. MSOA004 PT: AO: MZ:

Índice. MSOA004  PT: AO: MZ: Índice Duração Total... 3 Datas... Erro! Marcador não definido. Destinatários... 3 Perfil de Saída... 3 Pré-Requisitos... 3 Objetivo Geral... 3 Objetivos Específicos... 3 Conteúdos Programáticos... 4 Metodologia...

Leia mais

REGIMENTO Interno Do Desporto Escolar

REGIMENTO Interno Do Desporto Escolar REGIMENTO Interno Do Desporto Escolar ÍNDICE Artigo 1.º Definição 3 Artigo 2.º Princípios e objetivos 3 Artigo 3.º Coordenação e constituição 4 Artigo 4.º Competências do coordenador 4 Artigo 5.º Atividades

Leia mais

Informação - Prova de Equivalência à Frequência

Informação - Prova de Equivalência à Frequência Informação - Prova de Equivalência à Frequência Ensino Secundário Prova de Equivalência à Frequência de Educação Física Ano letivo 2014/2015 I. INTRODUÇÃO O presente documento visa divulgar as características

Leia mais

Planeamento. Avaliação

Planeamento. Avaliação Planeamento e Avaliação Planeamento e Avaliação Definição de Planeamento Fases de Planeamento Plano vs Projecto Relatório O quê? PLANEAMENTO Planear uma actividade, evento ou projecto, significa responder

Leia mais

A classificação do exame corresponde à média aritmética simples, arredondada às unidades, das classificações das duas provas (escrita e prática).

A classificação do exame corresponde à média aritmética simples, arredondada às unidades, das classificações das duas provas (escrita e prática). INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Nº 2/2016 EDUCAÇÃO FÍSICA Prova Escrita e Prova Prática Maio 2016 Prova 28 2016 2.º Ciclo do Ensino Básico (Decreto-Lei n.º 17/2016, de 4 de abril) O presente

Leia mais

Fisiologia do Esforço

Fisiologia do Esforço Fisiologia do Esforço Curso Desporto e BemEstar 3º Semestre 008/09 Capítulo II Bases da Bioenergética Escola Superior de Educação Instituto Politécnico de Leiria 7 Out 08 ATP-CP e energia O sistema ATP-CP

Leia mais

OBJETIVOS. Dar a conhecer a estrutura do Modelo de Excelência de Gestão MEG. Refletir sobre o ciclo PDCL. Planejamento. Verificação Aprendizagem

OBJETIVOS. Dar a conhecer a estrutura do Modelo de Excelência de Gestão MEG. Refletir sobre o ciclo PDCL. Planejamento. Verificação Aprendizagem 1 OBJETIVOS Dar a conhecer a estrutura do Modelo de Excelência de Gestão MEG. Refletir sobre o ciclo PDCL Planejamento Execução Verificação Aprendizagem 2 INTRODUÇÃO Na aula passada, conhecemos os 11 Fundamentos

Leia mais

Perfil Profissional de Treinador

Perfil Profissional de Treinador Programa Nacional de FORMAÇÃO de Treinadores Grau1 Perfil Profissional de Treinador Perfil Profissional - GRAU I O Grau I corresponde à base hierárquica de qualificação profissional do treinador desportivo.

Leia mais

Período de Preparação Período de Competição Período de Transição

Período de Preparação Período de Competição Período de Transição PERIODIZAÇÃO Desde que a chamada "Ciência do Esporte" passou a sistematizar e metodizar o Treinamento Desportivo, a periodização passou a ser a única forma de se organizar todo o trabalho realizado durante

Leia mais

RESUMO O Fisiologista do exercício e o controle da carga

RESUMO O Fisiologista do exercício e o controle da carga RESUMO O Fisiologista do exercício e o controle da carga O papel do fisiologista é monitorar as variáveis fisiológicas que cercam o treinamento, permitindo avaliar o estado do atleta e realizar prognósticos

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE BENAVENTE

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE BENAVENTE AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE BENAVENTE Informação Prova de Equivalência à Frequência Ensino Secundário 2014/2015 Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 julho Aprovado em Conselho Pedagógico de 06 de maio de 2015

Leia mais

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES (90 horas)

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES (90 horas) FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES (90 horas) DESTINATÁRIOS: O curso de Formação Pedagógica Inicial de Formadores da SALSUS destina-se a 14 formandos por grupo, sendo que deverá cumprir as seguintes

Leia mais

GRUPO DE EDUCAÇÃO FÍSICA DO ENSINO SECUNDÁRIO. Critérios de Avaliação 2014/2015

GRUPO DE EDUCAÇÃO FÍSICA DO ENSINO SECUNDÁRIO. Critérios de Avaliação 2014/2015 GRUPO DE EDUCAÇÃO FÍSICA DO ENSINO SECUNDÁRIO Critérios de Avaliação 2014/2015 A avaliação/classificação dos alunos nesta disciplina é realizada considerando-se a legislação em vigor, nomeadamente as NORMAS

Leia mais

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES ACÇÃO TIPO: Formação Pedagógica Inicial de Formadores PÚBLICO ALVO: Futuros formadores, formadores sem formação pedagógica. DURAÇÃO: 96 Horas N.º de ACÇÕES: 1

Leia mais

Metodologia CAPITULO III METODOLOGIA

Metodologia CAPITULO III METODOLOGIA CAPITULO III METODOLOGIA 1. AMOSTRA Com o objectivo de identificar as habilidades psicológicas e avaliar a ansiedade traço, participaram neste estudo 69 praticantes federados de Futebol com idades compreendidas

Leia mais

UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA FACULDADE DE MOTRICIDADE HUMANA

UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA FACULDADE DE MOTRICIDADE HUMANA UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA FACULDADE DE MOTRICIDADE HUMANA QUESTIONÁRIO AOS TREINADORES DE FUTEBOL Este questionário faz parte de um estudo sobre a Análise do perfil de competências e das necessidades

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Porto de Mós

Agrupamento de Escolas de Porto de Mós Prova de Equivalência à Frequência Educação Física Prova Código 26-2015 3º Ciclo do Ensino Básico 9º Ano de Escolaridade 1. Introdução O presente documento visa divulgar as características da Prova de

Leia mais

OSTEOPATIA APLICADA AO DESPORTO (DEZ 2016) - PORTO

OSTEOPATIA APLICADA AO DESPORTO (DEZ 2016) - PORTO OSTEOPATIA APLICADA AO DESPORTO (DEZ 2016) - PORTO Neste curso, aprenderá a receber, avaliar, tratar e aconselhar os atletas, tendo em conta o seu ambiente, características individuais e particularidades

Leia mais

O TREINO DE UM(a) JOVEM MEIO- FUNDISTA

O TREINO DE UM(a) JOVEM MEIO- FUNDISTA O TREINO DE UM(a) JOVEM MEIO- FUNDISTA LEIRIA, 21/11/2009 plano da apresentação 1. Jovens meio-fundistas? 2. Que capacidades devem ser desenvolvidas por um jovem meiofundista? 3. Como desenvolver essas

Leia mais

Fase Preparatória Objectivos Operacionais Estratégias / Organização Objectivos comportamentais / Componentes críticas Chamada

Fase Preparatória Objectivos Operacionais Estratégias / Organização Objectivos comportamentais / Componentes críticas Chamada Professor: Mário Santos Ano Lectivo: 2009/10 Ano: 8º Turma: A Nº Alunos: 20 Aula Nº: 1 e 2 Aula U.D. Nº: 1 e 2 de 3 Instalações: Pavilhão Data: 13-04-2010 Hora: 10h20min Duração: 75 minutos Unidade Didáctica:

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Porto de Mós

Agrupamento de Escolas de Porto de Mós Prova de Equivalência à Frequência Educação Física Prova Código 28-2016 2º Ciclo do Ensino Básico 6º Ano de Escolaridade 1. Introdução O presente documento visa divulgar as características da Prova de

Leia mais

Versão Referenciais de FORMAÇÃO. Natação. Sincronizada

Versão Referenciais de FORMAÇÃO. Natação. Sincronizada Versão 1.00 Referenciais de FORMAÇÃO Natação Sincronizada Grau II Versão 1.00 Referenciais de FORMAÇÃO Natação Sincronizada Grau II Edição: Conteúdos: Data: Instituto Português do Desporto e Juventude,

Leia mais

Prova Escrita de Economia A

Prova Escrita de Economia A EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A.º ou 2.º Anos de Escolaridade Prova 72/2.ª Fase 0 Páginas Duração da Prova: 20 minutos. Tolerância:

Leia mais

Lei n.º 66-B/2007, de 28 de Dezembro

Lei n.º 66-B/2007, de 28 de Dezembro Sessão de Esclarecimento e Debate sobre a Reforma da Administração Pública O SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO E AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO SIADAP * Lei n.º 66-B/2007, de 28 de Dezembro 1 O SIADAP Portaria nº1633/2007

Leia mais

PROPOSTA DE REFERENCIAL DE FORMAÇÃO

PROPOSTA DE REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Federação: Federação Portuguesa de Capoeira Modalidade/Disciplina: Capoeira Conversão de Treinadores de Grau em Treinadores de Grau I Componente Prática: 18 horas Componente Teórica: 18 horas Total de

Leia mais

Normas. Departamento de Cultura, Juventude e Desporto Divisão de Desporto e Juventude Núcleo de Actividades Desportivas

Normas. Departamento de Cultura, Juventude e Desporto Divisão de Desporto e Juventude Núcleo de Actividades Desportivas Normas Departamento de Cultura, Juventude e Desporto Núcleo de Actividades Desportivas Índice 1 Organização... 3 2 Calendarização e Local de Realização dos Jogos... 3 3 Inscrição... 3 3.1 Período de Inscrição...

Leia mais

Regulamento Prova FUTEBOL 7 Gabinete de Actividades Desportivas da Universidade do Porto

Regulamento Prova FUTEBOL 7 Gabinete de Actividades Desportivas da Universidade do Porto Regulamento Prova FUTEBOL 7 Gabinete de Actividades Desportivas da Universidade do Porto GADUP Rua da Boa Hora n.º 18-A 4050-099 Porto Telefone: 222 074 164 Fax: 222 003 067 E-mail: gadup@sas.up.pt Web:

Leia mais

História da Orientação

História da Orientação PROF. António Sousa História da Orientação História da Orientação As raízes da orientação perdem-se no tempo. Já nos remotos anos 2000 A.C., os Egípcios utilizavam mapas com símbolos que os auxiliavam

Leia mais

Prazo Normal - entre e Prazo Tardio - entre e Inscrição Normal ( ) 99.00

Prazo Normal - entre e Prazo Tardio - entre e Inscrição Normal ( ) 99.00 TREINO PARA PERDA DE MASSA GORDA (OUT 2016) - PORTO A perda de peso é uma das principais razões para as pessoas se inscreverem num ginásio ou iniciarem a prática de exercício físico, pelo que cabe ao profissional

Leia mais

PLANIFICAÇÃO DE CIÊNCIAS NATURAIS - 8º ANO -Sustentabilidade na Terra-

PLANIFICAÇÃO DE CIÊNCIAS NATURAIS - 8º ANO -Sustentabilidade na Terra- PLANIFICAÇÃO DE CIÊNCIAS NATURAIS - 8º ANO -Sustentabilidade na Terra- Tema / Capítulos Competências/Objectivos Estratégias / Actividades Recursos/ Materiais Avaliação Aulas previstas (45 min) Tema I Ecossistemas

Leia mais

Agrupamento Escolas de Figueiró dos Vinhos

Agrupamento Escolas de Figueiró dos Vinhos Agrupamento Escolas de Figueiró dos Vinhos Disciplina de Estudo do Movimento Professor Ricardo Ramos Ano letivo 2014/2015 Módulo 4 Qualidades Físicas Técnico de Apoio à Gestão Desportiva Aluno: N.º : Classificação:

Leia mais

DISCIPLINA: EDUCAÇÃO FÍSICA CURSOS PROFISSIONAIS - 11º ANO TAGD COMPETÊNCIAS TRANSVERSAIS COMPETÊNCIAS TRANSVERSAIS

DISCIPLINA: EDUCAÇÃO FÍSICA CURSOS PROFISSIONAIS - 11º ANO TAGD COMPETÊNCIAS TRANSVERSAIS COMPETÊNCIAS TRANSVERSAIS DISCIPLINA: EDUCAÇÃO FÍSICA CURSOS PROFISSIONAIS - 11º ANO TAGD COMPETÊNCIAS TRANSVERSAIS COMPETÊNCIAS TRANSVERSAIS Promoção da educação para a cidadania Promover: a iniciativa e a responsabilidade pessoal,

Leia mais

Prova Escrita e Prática de Educação Física

Prova Escrita e Prática de Educação Física INFORMAÇÃO ------------------------------------------------------------------------------------------------------- PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DO ENSINO SECUNDÁRIO Prova Escrita e Prática de Educação

Leia mais

Capítulo 6. Política Macroeconómica no curto prazo com câmbios fixos. Política macro de curto prazo

Capítulo 6. Política Macroeconómica no curto prazo com câmbios fixos. Política macro de curto prazo Capítulo 6 Política Macroeconómica no curto prazo com câmbios fixos Política macro de curto prazo Quais os objectivos da política macroeconómica em economia aberta? Qual a eficácia das políticas macro

Leia mais

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Segunda-feira, 24 de agosto de Série. Número 127

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Segunda-feira, 24 de agosto de Série. Número 127 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Segunda-feira, 24 de agosto de 2015 Série Sumário PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL Resolução n.º 641/2015 a associação denominada Associação Cultural e Desportiva

Leia mais

FACULDADE FAUC/AUM CURSO EDUCAÇÃO FÍSICA - LICENCIATURA MANUAL DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC)

FACULDADE FAUC/AUM CURSO EDUCAÇÃO FÍSICA - LICENCIATURA MANUAL DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) 1 FACULDADE FAUC/AUM CURSO EDUCAÇÃO FÍSICA - LICENCIATURA MANUAL DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) 1 DEFINIÇÕES GERAIS 1.1 De acordo com o regulamento do Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) do Projeto

Leia mais

Divisão de Actividade Física e Rendimento Desportivo Ficha Informativa

Divisão de Actividade Física e Rendimento Desportivo Ficha Informativa Divisão de Actividade Física e Rendimento Desportivo Ficha Informativa Instituto do Desporto de Portugal, I.P. Piscinas do Jamor Av. Pierre Coubertin 1495-751 Cruz Quebrada Tel.: 21 415 64 00 Fax.: 21

Leia mais

Regulamentos de Provas Oficiais Futebol 7 Juniores Masculinos D, E e F Com a alteração ratificada em Reunião de Direção de 17jun2014

Regulamentos de Provas Oficiais Futebol 7 Juniores Masculinos D, E e F Com a alteração ratificada em Reunião de Direção de 17jun2014 Regulamentos de Provas Oficiais Futebol 7 Juniores Masculinos D, E e F Com a alteração ratificada em Reunião de Direção de 17jun2014 Associação de Futebol de Aveiro 1. GENERALIDADES I FUTEBOL 7 JUNIORES

Leia mais

TEMA 5: Preparação física na formação de 11 a 17 anos Palestrante: Beto Carnevale

TEMA 5: Preparação física na formação de 11 a 17 anos Palestrante: Beto Carnevale Xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx TEMA 5: Preparação física na formação de 11 a 17 anos Palestrante: Beto Carnevale O técnico bem sucedido é aquele que transmite Xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

Leia mais

GUIA DOFORMANDO. Sistemas de Gestão da Segurança e Saúde no Trabalho OHSAS

GUIA DOFORMANDO. Sistemas de Gestão da Segurança e Saúde no Trabalho OHSAS GUIA DOFORMANDO Sistemas de Gestão da Segurança e Saúde no Trabalho OHSAS 18001 www.intedya.pt 1. Bem-vindos ao campus virtual 2. Objetivos do curso 3. Índice de conteúdos 4. Guia de realização do curso

Leia mais

Aspectos Positivos do Esporte

Aspectos Positivos do Esporte Aspectos Positivos do Esporte O esforço, a superação exigida treina o homem para a vida e aponta o caminho para a autonomia Mantenedor de valores éticos Efeitos sobre os centros nervosos, a circulação,

Leia mais

Cada programa, projeto ou produto possui determinadas fases de desenvolvimento: São as

Cada programa, projeto ou produto possui determinadas fases de desenvolvimento: São as Cada programa, projeto ou produto possui determinadas fases de desenvolvimento: São as chamadas fases do ciclo de vida de um PROJETO Planeamento a) Fase Inicial - concetual b) Fase de planeamento c) Fase

Leia mais

Programa Operacional Regional do Algarve Critérios de Seleção das Candidaturas e Metodologia de Análise

Programa Operacional Regional do Algarve Critérios de Seleção das Candidaturas e Metodologia de Análise Programa Operacional Regional do Algarve Critérios de Seleção das Candidaturas e Metodologia de Análise Assistência Técnica Aprovada em 11-05-2015, após procedimento de consulta escrita aos membros da

Leia mais

OBSERVAÇÃO E REGISTO COMPETÊNCIAS IDENTIFICAR CORRECTAMENTE OS ASPECTOS CRÍTICOS A OBSERVAR DE ACORDO COM A ESPECIFICIDADE DE CADA MODALIDADE SELECCIO

OBSERVAÇÃO E REGISTO COMPETÊNCIAS IDENTIFICAR CORRECTAMENTE OS ASPECTOS CRÍTICOS A OBSERVAR DE ACORDO COM A ESPECIFICIDADE DE CADA MODALIDADE SELECCIO PDR OBSERVAÇÃO E REGISTO OBSERVAÇÃO E REGISTO COMPETÊNCIAS IDENTIFICAR CORRECTAMENTE OS ASPECTOS CRÍTICOS A OBSERVAR DE ACORDO COM A ESPECIFICIDADE DE CADA MODALIDADE SELECCIONADA OBSERVAÇÃO E REGISTO

Leia mais

Crescimento e Desenvolvimento Humano

Crescimento e Desenvolvimento Humano Crescimento e Desenvolvimento Humano Capacidades física e Motoras durante o processo de crescimento e Desenvolvimento Humano Desenvolvimento e Crescimento Humano Para se entender o processo de desenvolvimento

Leia mais

REGULAMENTO ESPECÍFICO REMO

REGULAMENTO ESPECÍFICO REMO REGULAMENTO ESPECÍFICO REMO 2014-2017 Índice 1. Introdução 2 2. Participação 2 3. Escalões Etários 2 4. Competições Encontros/Escolares 2 5. Regulamento Técnico 5 6. Casos Omissos 5 Regulamento Específico

Leia mais

Organização do treino de Badminton

Organização do treino de Badminton Organização do treino de Badminton Introdução O treino tem sempre uma variabilidade de factores enorme, qual o objectivo, a quem se destina, iniciação ou alto rendimento, qual a altura da época que nos

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA. Ano Letivo 2014/2015 INFORMAÇÃO PROVA TEÓRICA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA. 12º Ano de Escolaridade Duração: 90 minutos

EDUCAÇÃO FÍSICA. Ano Letivo 2014/2015 INFORMAÇÃO PROVA TEÓRICA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA. 12º Ano de Escolaridade Duração: 90 minutos Ano Letivo 2014/2015 INFORMAÇÃO PROVA TEÓRICA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA EDUCAÇÃO FÍSICA Código 311 2015 12º Ano de Escolaridade Duração: 90 minutos Decreto-Lei nº 139/2012, de 5 de julho I OBJECTO DE

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE BRAGA OESTE

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE BRAGA OESTE AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE BRAGA OESTE PLANO DE MELHORIA EQUIPA DE AVALIAÇÃO INTERNA 2015/2017 EqAI - 2015 Página 1 de 6 1. Resultados Em Português: incentivar a leitura; recontar as Académicos: histórias

Leia mais

INFORMAÇÃO-Prova de Equivalência à Frequência 2º Ciclo do Ensino Básico. Despacho Normativo nº 6A/2015 de 5 de março

INFORMAÇÃO-Prova de Equivalência à Frequência 2º Ciclo do Ensino Básico. Despacho Normativo nº 6A/2015 de 5 de março INFORMAÇÃO-Prova de Equivalência à Frequência 2º Ciclo do Ensino Básico Despacho Normativo nº 6A/2015 de 5 de março Disciplina: EDUCAÇÃO FÍSICA Código: 28 Tipo de Prova: ESCRITA E PRÁTICA 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE APOIO À INFÂNCIA Planificação Anual

CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE APOIO À INFÂNCIA Planificação Anual Planificação Anual Disciplina: TÉCNICA PEDAGÓGICA E INTERVENÇÃO EDUCATIVA Turma 12ºH Professora: Carla Amaral 1 - Estrutura e Finalidades da disciplina A disciplina de Técnica Pedagógica e Intervenção

Leia mais

FICHA DE UNIDADE CURRICULAR (UC)

FICHA DE UNIDADE CURRICULAR (UC) FICHA DE UNIDADE CURRICULAR (UC) Ano letivo 2014/2015 Ano/Semestre curricular 3º ano 1ª semestre Curso Unidade Curricular [designação e tipo/se é do tipo obrigatório ou optativo] Língua de ensino ECTS

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular CONSULTA PSICOLÓGICA E EXAME PSICOLÓGICO Ano Lectivo 2013/2014

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular CONSULTA PSICOLÓGICA E EXAME PSICOLÓGICO Ano Lectivo 2013/2014 Programa da Unidade Curricular CONSULTA PSICOLÓGICA E EXAME PSICOLÓGICO Ano Lectivo 2013/2014 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (2º Ciclo) 2. Curso Mestrado em Psicologia Clínica 3. Ciclo

Leia mais

SKETCHUP & SUSTENTABILIDADE - FREEWARE PARA MODELAÇÃO 3D

SKETCHUP & SUSTENTABILIDADE - FREEWARE PARA MODELAÇÃO 3D DESIGNAÇÃO DO CURSO SketchUp & Sustentabilidade - freeware para modelação 3D - nível I OBJECTIVOS O curso de SketchUp & Sustentabilidade pretende introduzir estudantes e profissionais da industria da construção

Leia mais

REGIMENTO ESPECÍFICO XADREZ. Câmara Municipal de Lisboa e Juntas de Freguesia Olisipíadas 2ª edição

REGIMENTO ESPECÍFICO XADREZ. Câmara Municipal de Lisboa e Juntas de Freguesia Olisipíadas 2ª edição REGIMENTO ESPECÍFICO XADREZ Câmara Municipal de Lisboa e Juntas de Freguesia Olisipíadas 2ª edição Índice Preâmbulo Artigo 1.º Participação Artigo 2.º Escalões Etários Artigo 3.º Constituição das Equipas

Leia mais

-Mato. Projecto Corta- Grupo Repo. ortagem. Actividade Refe. Escola Secundária de Pinheiro e Rosa. Curso Tecnológico de Desporto

-Mato. Projecto Corta- Grupo Repo. ortagem. Actividade Refe. Escola Secundária de Pinheiro e Rosa. Curso Tecnológico de Desporto 11º H Projecto Corta- -Mato Grupo Repo ortagem Actividade Refe erente 3 Professor responsável: André Ramos Realizado por: Carmen Pereira Daniel Sousa Natacha Domingos Nicolau Cardoso Priscila Domingos

Leia mais

REGULAMENTO ESPECÍFICO REMO (Revisto em setembro de 2015)

REGULAMENTO ESPECÍFICO REMO (Revisto em setembro de 2015) REGULAMENTO ESPECÍFICO REMO 2014-2017 (Revisto em setembro de 2015) Índice 1. Introdução 2 2. Participação 2 3. Escalões Etários 2 4. Competições Encontros/Escolares 2 5. Regulamento Técnico 5 6. Casos

Leia mais

REGULAMENTO CURSO DE GRAU II TREINADOR DE NATAÇÃO PURA, NATAÇÃO SINCRONIZADA E POLO AQUÁTICO

REGULAMENTO CURSO DE GRAU II TREINADOR DE NATAÇÃO PURA, NATAÇÃO SINCRONIZADA E POLO AQUÁTICO REGULAMENTO CURSO DE GRAU II 1. ORGANIZAÇÃO A organização do Curso de Grau II de Treinador de Natação Pura, Natação Sincronizada e Polo Aquático é da responsabilidade da Federação Portuguesa de Natação..

Leia mais