DISCIPLINA: TREINAMENTO ESPORTIVO II Professor: Paulo César Neves

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DISCIPLINA: TREINAMENTO ESPORTIVO II Professor: Paulo César Neves"

Transcrição

1 DISCIPLINA: TREINAMENTO ESPORTIVO II Professor: Paulo César Neves 2012

2 PLANEJAMENTO DE TRABALHO PERIODIZAÇÃO Periodização é o planejamento geral do tempo disponível para o treinamento, de acordo com as competições alvo, respeitando os princípios científicos do Treinamento Esportivo. WEINECK 2004 Prof. Paulo César Neves

3 PERIODIZAÇÃO

4 DIVISÃO DO TREINAMENTO: SESSÃO: corresponde a um período de treinamento MICROCICLO: equivale de 3 a 12 dias, são varias sessões de treinamento. MESOCICLO: É o elemento estrutural do treinamento e dura de 3 a 6 semanas, é um conjunto de microciclos. MACROCICLO: É um conjunto de mesociclos CICLO ANUAL: composto por 1 ou mais macrociclos PLURIANUAL OU CICLO OLÍMPICO: 4 anos PREPARAÇÃO A LONGO PRAZO: vários ciclos olímpicos (Gomes 2009)

5 SESSÃO DE TREINO Corresponde a um período de treinamento: No período de preparação, fase básica, se trabalha até 3 sessões de treino em um dia, no esporte de alto rendimento Geralmente é composto por 3 partes: 1- Exercícios preliminares 2- Parte principal = onde se trabalha o objetivo propriamente dito do que se pretende 3- Atividades regenerativas

6 MICROCICLO Pode ter a duração entre 3 a 12 dias São varias sessões de treinamento. Para melhor organização, geralmente trabalha-se com 7 dias 6 dias de atividades e um de recuperação (folga, repouso, descanso) Pode-se trabalhar em sobretreinamento em até 3 dias, para depois, diminuir a carga e causar o efeito da super-compensação

7 MICROCICLO Microciclo com 6 dias de treinamento na semana: > Cresce o ganho de condicionamento, é utilizado no alto rendimento > Recomendado também para perda de peso Como negativo: aumento das lesões

8 SOBRECARGA DE TREINAMENTO NO MICROCICLO GRÁFICOS NO CADERNO MICROCICLO POSITIVO MICROCICLO NEUTRO MICROCICLO NEGATIVO MICROCICLO POSITIVOS COM SOBRETREINAMENTO

9 MESOCICLO: É o elemento estrutural do treinamento e dura de 3 a 6 semanas, é um conjunto de microciclos. A montagem do mesociclo deverá ser de acordo com o calendário e as competições Segundo Zakharov, citado por Gomes 2009 existem 7 tipos de mesociclos.

10 DIVISÃO DO MACROCICLO Prof. Paulo César Neves Período de Preparação: Fase Básica: Fase Específica Período de Manutenção/Competição: Período de Transição: Como um atleta não se mantém em forma o tempo todo, o ciclo é dividido em fases de: "aquisição, manutenção e perda da forma esportiva"

11 Fases do Macrociclo MANUTENÇÃO AQUISIÇÃO Perda NO MACROCICLO, DEVE HAVER UMA ALTERNÂNCIA ENTRE AUMENTO DO VOLUME E REDUÇÃO DA INTENSIDADE E VICE VERSA,

12 % DO TEMPO DISPONÍVEL NO TREINAMENTO PERÍODO DE PREPARAÇÃO - FASE BÁSICA: Físico 60% Técnico-tático-psicológico 40%

13 % DO TEMPO DISPONÍVEL NO TREINAMENTO PERÍODO DE PREPARAÇÃO FASE ESPECÍFICA Técnico-tático-psicológico 60% Físico 40%

14 % DO TEMPO DISPONÍVEL NO TREINAMENTO PERÍODO DE MANUTENÇÃO - COMPETIÇÃO Físico 20% Técnico-Tático-Psicológico 80%

15 % DO TEMPO DISPONÍVEL NO TREINAMENTO PERÍODO DE TRANSIÇÃO 100% ATIVIDADES PARA RECUPERAÇÃO PRIORITARIAMENTE REALIZAR ATIVIDADES LÚDICAS/RECREATIVAS/LAZER Prof. Paulo C. Neves

16 PERÍODO DE PREPARAÇÃO FASE BÁSICA CARACTERÍSTICAS PREDOMÍNIO DO VOLUME SOBRE A INTENSIDADE. DURAÇÃO É MAIS OU MENOS O DOBRO DA PREPARAÇÃO ESPECÍFICA. ÊNFASE NA PREPARAÇÃO FÍSICA COM TRABALHOS DE RESISTÊNCIA TRAÇAR UM PERFIL COMPLETO INDIVIDUALIZADO DO ATLETA.

17 PERÍODO DE PREPARAÇÃO - FASE BÁSICA CARACTERÍSTICAS REALIZAÇÃO DE UM QUESTIONÁRIO SOBRE A VIDA DO ATLETA. AVALIAÇÃO MÉDICA AVALIAÇÃO FISIOTERÁPICA, AVALIAÇÃO DA COMPOSIÇÃO CORPORAL, TESTES FÍSICOS, TÉCNICOS,PSICOLÓGICOS, CRIAÇÃO DAS PLANILHAS DE CONTROLE DO TREINO

18 AVALIAÇÃO FÍSICA TESTE DE FLEXIBILIDADE: EXECUÇÃO: NA POSIÇÃO SENTADO, FLEXIONAR O QUADRIL O MÁXIMO POSSÍVEL, COM OS JOELHOS TOTALMENTE ESTENDIDOS, IR COM AS MÃOS EM DIREÇÃO ÀS PONTAS DOS PÉS E SE MANTER NESTA POSIÇÃO POR 5 SEGUNDOS

19 AVALIAÇÃO FÍSICA Conceito - 5 cm : Fraco 0 cm : Regular 5 cm : Bom 10 cm : Muito Bom 15 cm : Ótimo Fonte: Weineck RESULTADOS

20 AVALIAÇÃO FÍSICA TESTE DE RESISTÊNCIA ABDOMINAL EXECUÇÃO : EM DECÚBITO DORSAL, COM AS PERNAS FLEXIONADAS, BRAÇOS CRUZADOS Á FRENTE DO PEITO, FLEXIONAR O QUADRIL, O COMPANHEIRO DEVERÁ SEGURAR COM AS MÃOS NA PERNA DO EXECUTANTE, QUE DEVERÁ EXECUTAR O MOVIMENTO DURANTE 1 MINUTO.

21 AVALIAÇÃO FÍSICA RESULTADOS De 1 a 20 - Fraco De 21 a 30 - Regular De 31 a 40 - Bom De 41 a 45 - Muito Bom De 46 a 55 - Ótimo Acima 56 - Excelente

22 AVALIAÇÃO FÍSICA TESTES DE FORÇA EXPLOSIVA DE PERNA SALTO HORIZONTAL: EXECUÇÃO: O ATLETA EM POSIÇÃO INICIAL DE SEMI-AFASTAMENTO LATERAL DAS PERNAS, DEVERÁ FLEXIONAR OS JOELHOS E SALTAR COM AS DUAS PERNAS À FRENTE

23 AVALIAÇÃO FÍSICA RESULTADOS: CONCEITOS Até 2,19: Regular Até 2,29: Bom Até 2,39: Muito Bom Até 2,49: Ótimo Até 2,59: Excelente

24 Classificação do Teste de Força Explosiva de Membros Inferiores (PROESP-BR, 2009)

25 AVALIAÇÃO FÍSICA TESTE DE FORÇA EXPLOSIVA DE PERNA > SALTO VERTICAL EXECUÇÃO: O ATLETA DEVERÁ SE POSICIONAR AO LADO DO QUADRO, ESTENDER TOTALMENTE O BRAÇO E MEDIR A ALTURA ALCANÇADA, PARADO. APÓS, REALIZAR UMA FLEXÃO DE JOELHOS E SEMI- AFASTAMENTO LATERAL DAS PERNAS, DEVERÁ SALTAR COM AS DUAS PERNAS COM O MÁXIMO DE FORÇA PARA O ALTO E TOCAR COM A MÃO NO PONTO MAIS ALTO

26 AVALIAÇÃO FÍSICA RESULTADOS RESULTADO = ALTURA DO SALTO ALTURA PARADO De 60 a 64: Fraco De 65 a 68: Regular De 69 a 74: Bom De 75 a 79: Muito Bom Acima de 80: Excelente

27 AVALIAÇÃO FÍSICA TESTE DE VELOCIDADE TESTE DE 10M/20M/30 M. PROTOCOLO: O ATLETA DE FRENTE PARA O OBJETIVO. O AVALIADOR DEVERÁ DIZER PRONTO NÃO É DADO NENHUM SINAL DE PARTIDA, ACIONAR OS CRONOMÉTROS À PARTIR DA ELEVAÇÃO DA PERNA TRASEIRA DO ATLETA DO SOLO E TRAVAR OS CRONÓMETROS NAS LINHAS DE CHEGADA. VERIFICA-SE O RESULTADOS DOS 10, 20 E 30 METROS

28 AVALIAÇÃO FÍSICA Resultados dos 30 metros Acima de 4,24: Fraco De 4,15 a 4,24: Regular De 4,05 a 4,14: Bom De 3,95 a 4,04: Muito Bom Abaixo de 3,95: Excelente OBS: Não temos os índices de 10 e 20 metros na literatura.

29 AVALIAÇÃO FÍSICA Teste Agilidade- quadrado Os cones estarão em forma de quadrado a 4 metros de distância entre eles. O atleta deverá sair do cone 4, na diagonal em direção ao cone 1 em velocidade máxima, correndo de frente, ir para o 2, 3 e fechar no 4

30 AVALIAÇÃO FÍSICA Classificação do Teste de Agilidade Teste do quadrado (PROESP-BR-2009)

31 AVALIAÇÃO FÍSICA TESTE RESISTÊCIA ANAERÓBIA TESTE DE 400 metros PROTOCOLO: EM UMA PISTA DEMARCADA O ATLETA DEVERÁ PERCORRER 400 METROS NO MENOR TEMPO POSSÍVEL. OBTEREMOS 3 RESULTADOS: 1- FREQUENCIA CARDÍACA 2- TEMPO 3- TEMPO DE RECUPERÇÃO APÓS ESTÍMULO TRABALHAR O % DE FC E % DO TEMPO VELOCIDADE DE CORRIDA

32 AVALIAÇÃO FÍSICA: TESTE DE RESISTÊCIA CONCONI EXECUÇÃO : MÍNIMO DE 8 VOLTAS DE 200 METROS É INICIADO COM RITMO BAIXO, 72 SEGUNDOS PARA UM PERCURSO DE 200 M, DE FORMA QUE A CADA VOLTA ELEVA-SE A VELOCIDADE, BAIXANDO-SE O TEMPO EM 2 POR VOLTA. DEPOIS DOS 40 SEGUNDOS, BAIXA-SE O TEMPO EM 1 SEGUNDO POR VOLTA.

33 AVALIAÇÃO FÍSICA-TESTE DE RESISTÊNCIA RESULTADO CONCONI OBJETIVO: ENCONTRAR A CURVA DE DEFLEXÃO, QUE VAI DETERMINA O LIMIAR ANAERÓBIO PELA FC e VELOCIDADE DE CORRIDA Até 12Km/h: Até 13 Km/h: Até 14 Km/h: Até 15 Km/h: Até 15,5 Km/h: Fraco Regular Bom Muito Bom Ótimo Acima de 16 Km/h: Excelente

34 AVALIAÇÃO FÍSICA: TESTE RESISTÊCIA LACTATO Determina-se um percurso de 1000 metros Determina-se por estimativa a velocidade de corrida que será percorrida estes 1000 metros. O atleta percorre a distância na velocidade determinada. Após 3 minutos, com o atleta sentado, realizar a coleta de sangue no lóbulo da orelha ou no dedo.

35 AVALIAÇÃO FÍSICA: Teste de Resistência Lactato Para se determinar o LIMIAR ANAERÓBIO, através do acúmulo de lactato, o atleta deverá acumular entre 3.9 mmo/l a 4.1 mmo/l Se o treinador não acertar na 1ª tentativa, deverá esperar no mínimo 10 minutos para novo estímulo, nova tentativa O máximo de tentativas por dia deverá ser 3 Resultado: Limiar anaeróbio pela FC e VELOCIDADE DE CORRIDA Tabela idem a do Teste de Conconi.

36 AVALIAÇÃO FÍSICA TESTE PARA TRABALHO MUSCULAR Teste de 1 Repetição Máxima (1RM) PARA SE DETERMINAR O TRABALHO MUSCULAR MUSCULAÇÃO REALIZAR EM ATLETAS DE ALTO RENDIMENTO

37 Período de Preparação: FASE BÁSICA CAPACIDADES FÍSICAS TRABALHADAS COORDENAÇÃO:CAPACIDADES COORDENATIVAS FLEXIBILIDADE RESISTÊNCIA DE FORÇA RESISTÊNCIA AERÓBIA RML / RMG RESISTÊNCIA DE VELOCIDADE

38 Período de Preparação: FASE BÁSICA TIPOS DE TREINAMENTOS CORRIDAS DE LONGAS DISTÂNCIAS COM RITMO CONSTANTE CORRIDAS INTERVALADAS EXTENSIVAS CORRIDAS DE LONGAS DISTÂNCIAS COM RITMO VARIADO CIRCUITOS COM RITMO CONSTANTE CIRCUITOS INTERVALADOS EXTENSIVOS ALONGAMENTOS:ESTÁTICO / BALÍSTICO/ FNP

39 Período de Preparação: FASE BÁSICA TIPOS DE TREINAMENTOS MÉTODOS PLIOMÉTRICOS E COORDENATIVOS COM BAIXA INTENSIDADE TRAÇÃO COM 60%-70% DA FORÇA MÁXIMA TRABALHOS EM APARELHOS DE RML / RMG (60 a 70 % 1 RM) TRABALHOS TÉCNICOS-TÁTICOS COM POUCA INTENSIDADE E COM UM MAIOR TEMPO DE DURAÇÃO. AVALIAÇÕES INDIVIDUALIZADAS

40 Período de Preparação: FASE BÁSICA OBJETIVO ESTRUTURAR UMA BASE FÍSICA-TÉCNICA E PSICOLÓGICA SÓLIDA, PARA O ATLETA SUPORTAR POSTERIORMENTE CARGAS MAIS INTENSAS NOS TREINAMENTOS E PRINCIPALMENTE NAS COMPETIÇÕES ALVO, DURANTE TODA TEMPORADA, AUMENTANDO O LASTRO FISIOLÓGICO DO ATLETA.

41 PERÍODO DE PREPARAÇÃO FASE ESPECÍFICA CARACTERÍSTICAS PREDOMÍNIO DA INTENSIDADE SOBRE O VOLUME O TREINAMENTO DEVE SER O MAIS ESPECÍFICO E SE APROXIMAR O MÁXIMO POSSÍVEL DA COMPETIÇÃO AJUSTES FÍSICOS ÊNFASE NA PREPARAÇÃO TÉCNICO-TÁTICO

42 PERÍODO DE PREPARAÇÃO FASE ESPECÍFICA CAPACIDADES TRABALHADAS RESISTÊNCIA ANAERÓBIA FORÇA: EXPLOSIVA (RÁPIDA) FORÇA MÁXIMA VELOCIDADE REAÇÃO VELOCIDADE DE ACELERAÇÃO VELOCIDADE MÁXIMA TÉCNICO / TÁTICO / PSICOLÓGICO FLEXIBILIDADE (MANUTENÇÃO) COORDENAÇÃO ( MANUTENÇÃO)

43 PERÍODO DE PREPARAÇÃO FASE ESPECÍFICA TIPOS DE TREINAMENTO REAVALIAÇÃO DOS ATLETAS CIRCUITO INTERVALADO INTENSIVO CIRCUITO COM RECUPERAÇAO COMLETA E MÁXIMA INTENSIDADE CORRIDA INTERVALADA INTENSIVA CORRIDA COM MÁXIMA INTENSIDADE E RECUPERAÇAO COMLETA

44 PERÍODO DE PREPARAÇÃO FASE ESPECÍFICA TIPOS DE TREINAMENTO PLIOMETRIA COM SALTOS EM PROFUNDIDADE E SALTOS MÁXIMOS, COM RECUPERAÇÃO COMPLETA TREINAMENTO DE TRAÇÃO COM 100% DA FORÇA E EXPLOSIVA TREINAMENTO TÉCNICO INTENSO TREINAMENTO TÁTICO NA REALIDADE DA COMPETIÇÃO ALONGAMENTO E ATIVIDADES COORDENATIVAS PARA MANUTENÇÃO

45 PERÍODO DE PREPARAÇÃO FASE ESPECÍFICA OBJETIVO LEVAR O ATLETA A NÍVEIS COMPETITIVOS, AO ÁPICE DA FORMA EM TODOS OS ASPECTOS

46 PERÍODO DE MANUTENÇÃO / COMPETIÇÃO CARACTERÍSTICAS REDUÇÃO DA CARGA DE TREINAMENTO FÍSICO FASE DE COMPETIÇÕES MAIS IMPORTANTES. FASE DE TRABALHAR O PSICOLÓGICO DO ATLETA, POIS É O MOMENTO MAIS IMPORTANTE DA TEMPORADA E DE MAIOR PRESSÃO DE RESULTADOS FASE DE MAIOR RENDIMENTO DA TEMPORADA FASE PARA SE MANTER NO ÁPICE

47 PERÍODO DE MANUTENÇÃO / COMPETIÇÃO CAPACIDADES TRABALHADAS MANUTENÇÃO EM ALTO RENDIMENTO FÍSICO DA RESISTÊNCIA, VELOCIDADE, FORÇA, COORDENAÇÃO E FLEXIBILIDADE MANUTENÇÃO EM ALTO RENDIMENTO TÉCNICO/TÁTICO/PSICOLÓGICO

48 PERÍODO DE MANUTENÇÃO / COMPETIÇÃO TIPOS DE TREINAMENTO A COMPETIÇÃO É ATIVIDADE PRINCIPAL ATIVIDADES REGENERATIVAS ENTRE AS COMPETIÇÕES: CORRIDA 50% DO LIMIAR, ALONGAMENTOS E MASSAGENS TRABALHOS DE REAJUSTES TÁTICOS TRABALHO PSICOLÓGICO INDIVIDUAL E DE GRUPO PARA MANTER O ESTADO ÓTIMO DE ESTRESSE E CONCENTRAÇÃO TOTAL DO ATLETA PARA O OBJETIVO TRAÇADO.

49 PERÍODO DE MANUTENÇÃO / COMPETIÇÃO OBJETIVO MANTER O ATLETA EM ALTO NÍVEL COMPETITIVO DURANTE TODO O PERÍODO ÁPICE DA FOMA

50 PERÍODO DE TRANSIÇÃO CARCTERÍSTICAS É A CHAVE PARA O SUCESSO EM QUALQUER PLANEJAMENTO A MÉDIO E LONGO PRAZO. RECUPERAÇÃO DO ATLETA NOS ASPECTOS CLÍNICO, FÍSICO E PSICOLÓGICO DURAÇÃO: 30 A 45 DIAS (no final do ano). DURAÇÃO: 7 A 15 DIAS ( no meio do ano)

51 PERÍODO DE TRANSIÇÃO ATIVIDADES ATIVIDADES COMO: NATAÇÃO, CICLISMO, CORRIDA EM BAIXA INTENSIDADE, CAMINHADA. ATIVIDADES LÚDICAS/RECREATIVAS /LAZER PRÁTICA DE OUTROS ESPORTES, DEIXANDO À ESCOLHA DO ATLETA

52 PERÍODO DE TRANSIÇÃO OBJETIVO RECUPERAR O ATLETA NOS ASPECTOS CLÍNICO, PSICOLÓGICO E FÍSICO PARA ENFRENTAR A PRÓXIMA TEMPORADA OU O PRÓXIMO MACROCICLO E EVITAR UM QUADRO DE INIBIÇÃO REATIVA (DANTAS 2004)

53 TIPOS DE MACROCICLO TIPOS DE PERIODIZAÇÃO SIMPLES / DUPLA / TRIPLA 1 PICK - 1 PERÍODO DE TRANSIÇÃO 2 PICKS - 2 PERÍODOS DE TRANSIÇÃO 3 PICKS - 3 PERÍODOS DE TRANSIÇÃO REFERÊNCIAS Treinamento Ideal J. Weineck Treinamento Desportivo - A.C. Gomes A prática da Preparação Física E. DANTAS Futebol Total J. Weineck Metodologia Científica do Treinamento Desportivo - M.G. Tubino PROESP-BR

O macrociclo. Teoria de Matveiev Prof.: Msd.: Ricardo Luiz Pace Júnior

O macrociclo. Teoria de Matveiev Prof.: Msd.: Ricardo Luiz Pace Júnior O macrociclo Teoria de Matveiev Prof.: Msd.: Ricardo Luiz Pace Júnior O macrociclo É um constituinte do plano de expectativa. Consiste em o atleta: Construir * P. preparatório Manter * P. competitivo Perder

Leia mais

Prof. MSc. Paulo José dos Santos de Morais

Prof. MSc. Paulo José dos Santos de Morais Prof. MSc. Paulo José dos Santos de Morais AVALIAÇÃO FÍSICA: Testes de Aptidão em Escolares ( 7 17 anos) O Proesp-BR Considerando: a) Carência de estrutura física das escolas brasileiras em sua estrutura

Leia mais

PREPARAÇÃO FÍSICA. Qualidades físicas e métodos de treinamento. 30/09/2014 Anselmo Perez

PREPARAÇÃO FÍSICA. Qualidades físicas e métodos de treinamento. 30/09/2014 Anselmo Perez PREPARAÇÃO FÍSICA Qualidades físicas e métodos de treinamento PREPARAÇÃO FÍSICA ou Treinamento Físico Conceito: componente que compreende os meios utilizados para o desenvolvimento das qualidades físicas

Leia mais

CONCEITOS DA TEORIA DO TREINO

CONCEITOS DA TEORIA DO TREINO CONCEITOS DA TEORIA DO TREINO 1. A Sessão de Treino A Sessão de Treino é a unidade estrutural que serve de base para toda a organização do treino. O treinador deve individualizar o treino, adaptando a

Leia mais

TESTES FÍSICOS - Resultados Atleta: NICOLAS OLIVEIRA

TESTES FÍSICOS - Resultados Atleta: NICOLAS OLIVEIRA TESTES FÍSICOS - Resultados Atleta: NICOLAS OLIVEIRA Agilidade: executar movimentos dinâmicos com precisão, utilizando velocidade e destreza de movimentos, demonstrando facilidade em se deslocar. Resultados

Leia mais

Resistência Muscular. Prof. Dr. Carlos Ovalle

Resistência Muscular. Prof. Dr. Carlos Ovalle Resistência Muscular Prof. Dr. Carlos Ovalle Resistência Muscular Resistência muscular é a capacidade de um grupo muscular executar contrações repetidas por período de tempo suficiente para causar a fadiga

Leia mais

Fases de uma Periodização 23/8/2010. Processo de Recuperação Fosfagênio Sist. ATP-CP. 1 Macrociclo = 6 meses Jan. Fev. Mar. Abr. Mai. Jun.

Fases de uma Periodização 23/8/2010. Processo de Recuperação Fosfagênio Sist. ATP-CP. 1 Macrociclo = 6 meses Jan. Fev. Mar. Abr. Mai. Jun. Sistemas Energéticos Recuperação pós-exercício Processo de Recuperação Fosfagênio Sist. ATP-CP Glicogênio Muscular após ativ. intervalada Glicogênio muscular após ativ. contínuas e prolongadas Remoção

Leia mais

PERIODIZAÇÃO é a divisão do ano de treinamento em períodos particulares de tempo, com objetivos e conteúdos definidos. (Gomes e Souza, 2008).

PERIODIZAÇÃO é a divisão do ano de treinamento em períodos particulares de tempo, com objetivos e conteúdos definidos. (Gomes e Souza, 2008). PERIODIZAR é dividir de forma organizada o ciclo anual ou semestral de treinamento dos atletas, em períodos e etapas, buscando prepará-los para atingir objetivos pré-estabelecidos, na direção de encontrar

Leia mais

ANEXO VII NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA REALIZAÇÃO DAS PROVAS DA AVALIAÇÃO FÍSICA - TAF

ANEXO VII NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA REALIZAÇÃO DAS PROVAS DA AVALIAÇÃO FÍSICA - TAF ANEXO VII NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA REALIZAÇÃO DAS PROVAS DA AVALIAÇÃO FÍSICA - TAF PROVA DE FLEXÃO DE BRAÇO NA BARRA FIXA BARRA (SOMENTE PARA O SEXO MASCULINO) Os procedimentos a serem adotados pelo

Leia mais

Aspectos Gerais do Treinamento Aeróbio: Planificação, Periodização e Capacidades Biomotoras

Aspectos Gerais do Treinamento Aeróbio: Planificação, Periodização e Capacidades Biomotoras Aspectos Gerais do Treinamento Aeróbio: Planificação, Periodização e Capacidades Biomotoras Curso Internacional de Meio Fundo e Fundo, 6 e 7 Junho 2015 Assunção, PAR Junho 2015 no esporte, como atleta,

Leia mais

Protocolo de Avaliações

Protocolo de Avaliações Confederação Brasileira de Remo 18/01/2016 Protocolo de Avaliações Sistema Nacional de Avaliação de Remadores Anexo do Boletim Técnico 03/2016 1. PROTOCOLO DAS AVALIAÇÕES NO REMO ERGÔMETRO As avaliações

Leia mais

Prof.Esp.Moisés Mendes

Prof.Esp.Moisés Mendes Prof.Esp.Moisés Mendes TREINAMENTO CONCEITO: É o planejamento geral e detalhado da utilização do tempo disponível para treinamento de acordo com objetivos intermediários perfeitamente estabelecidos e respeitando-se

Leia mais

Prof. Dr. Bruno Pena Couto Teoria do Treinamento Desportivo. Encontro Multiesportivo de Técnicos Formadores Solidariedade Olímpica / COI

Prof. Dr. Bruno Pena Couto Teoria do Treinamento Desportivo. Encontro Multiesportivo de Técnicos Formadores Solidariedade Olímpica / COI Prof. Dr. Bruno Pena Couto Teoria do Treinamento Desportivo Encontro Multiesportivo de Técnicos Formadores Solidariedade Olímpica / COI Visão Geral - Princípios do Treinamento - Métodos de Treinamento

Leia mais

TEORIA E METODOLOGIA DO TREINO ESPECÍFICO

TEORIA E METODOLOGIA DO TREINO ESPECÍFICO TEORIA E METODOLOGIA DO TREINO ESPECÍFICO AULA 3 LICENCIATURA EM CIÊNCIAS DA ACTIVIDADE FÍSICA HUMANA ORGANIZAÇÃO E CONDUÇÃO DO PROCESSO DE TREINO As Componentes da Carga de Treino A Carga...no esforço

Leia mais

Os exercícios pliométricos podem ser divididos em:

Os exercícios pliométricos podem ser divididos em: PLIOMETRIA Por João Coutinho INTRODUÇÃO 1 O termo pliometria refere-se a exercícios específicos que envolvam o Ciclo Alongamento-Encurtamento (CAE), isto é, um rápido alongamento da musculatura seguido

Leia mais

I CLÍNICA OLÍMPICA DE NATAÇÃO MARISTA PARTE 3

I CLÍNICA OLÍMPICA DE NATAÇÃO MARISTA PARTE 3 I CLÍNICA OLÍMPICA DE NATAÇÃO MARISTA PARTE 3 PRINCÍPIOS DA NATAÇÃO (KURT WILKE) - Máximo aproveitamento da flutuabilidade estática - Redução da resistência frontal - Constante pegada de águas - Paradas

Leia mais

CENTRO DE TREINO FÍSICO ONLINE

CENTRO DE TREINO FÍSICO ONLINE PLANO DE TREINO - ÉPOCA 2006/2007 SEMANA DE 27 NOVEMBRO A 03 DEZEMBRO 2ª Feira, 27 Nov. Treino aeróbio (de recuperação) / baixa intensidade 30 cc (65-75% da FC max ) 20 cc (65-75% da FC max ) Reforço muscular

Leia mais

ATLETISMO. Osvaldo Tadeu da Silva Junior

ATLETISMO. Osvaldo Tadeu da Silva Junior ATLETISMO Osvaldo Tadeu da Silva Junior OBJETIVO DA DISCIPLINA Conhecer, compreender e analisar os processos de ensino aprendizagem e treinamento das corridas; Conhecer, compreender e analisar os processos

Leia mais

Estrutura do Processo de Treino

Estrutura do Processo de Treino Estrutura do Processo de Treino http://www.cdnacional.pt/press.asp Índice do tema: 1- Passos Antecedentes à Elaboração de Planeamento de Treino; 2 Modelos de Periodização do Treino; 3 Organização das Estruturas

Leia mais

Antes de iniciar qualquer atividade física, o aluno deverá realizar todos os exames médicos para que a prática da atividade física descrita nesse

Antes de iniciar qualquer atividade física, o aluno deverá realizar todos os exames médicos para que a prática da atividade física descrita nesse Antes de iniciar qualquer atividade física, o aluno deverá realizar todos os exames médicos para que a prática da atividade física descrita nesse plano de treinamento seja liberada. 1ª 2ª 3ª 4ª 5ª 6ª 7ª

Leia mais

Atletismo. Atletismo. Atletismo. Atletismo. Atletismo 3/27/2014. Caraterização. A pista. Disciplinas. Velocidade

Atletismo. Atletismo. Atletismo. Atletismo. Atletismo 3/27/2014. Caraterização. A pista. Disciplinas. Velocidade Caraterização Educação Física Agrupamento de Escolas Martim de Freitas Francisco Pinto Caraterização A pista O é uma modalidade individual, integrada por um conjunto de ações naturais, como são os casos

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE CORDEIRÓPOLIS SP CONCURSO PÚBLICO DE PROVAS Nº 02/2012

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE CORDEIRÓPOLIS SP CONCURSO PÚBLICO DE PROVAS Nº 02/2012 ANEXO II TAF TESTE DE APTIDÃO FÍSICA E EXERCÍCIOS ESPECÍFICOS MASCULINO E FEMININO 1 - DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS 1.1 O TAF Teste de aptidão Física é um instrumento usado para medir e avaliar as condições

Leia mais

DISCIPLINA TREINAMENTO ESPORTIVO I. PROF. Paulo César Neves 2011

DISCIPLINA TREINAMENTO ESPORTIVO I. PROF. Paulo César Neves 2011 DISCIPLINA TREINAMENTO ESPORTIVO I PROF. Paulo César Neves 2011 Unidade I HISTÓRICO DO TREINAMENTO 1- Período da Arte 2- Período da Improvisação 3- Período do Empirismo/Sistematização 4- Período Pré-Científico

Leia mais

Avaliação do VO²máx. Avaliação do VO²máx

Avaliação do VO²máx. Avaliação do VO²máx Teste de Esforço Cardiorrespiratório Avaliação do Consumo Máximo de O² Avaliação Cardiorrespiratória Ergômetros Ergo = trabalho Metro = medida Sendo assim, um ergômetro é basicamente um instrumento que

Leia mais

SISTEMA NACIONAL de AVALIAÇÃO do REMADOR 2013 OLIMPICO E PARALIMPICO

SISTEMA NACIONAL de AVALIAÇÃO do REMADOR 2013 OLIMPICO E PARALIMPICO CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE REMO SISTEMA NACIONAL de AVALIAÇÃO do REMADOR 2013 Protocolo da semana de avaliação Testes de remo ergômetro e de Força Máxima OLIMPICO E PARALIMPICO ESCLARECIMENTOS SOBRE A

Leia mais

O Planeamento o Treino de Rui Silva

O Planeamento o Treino de Rui Silva O Planeamento o Treino de Rui Silva Professor Bernardo Manuel Licenciado em Educação Física Mestre em Ciências do Desporto na área do treino de alto rendimento Professor Auxiliar Convidado FMH Treinador

Leia mais

Aptidão física e saúde

Aptidão física e saúde Aptidão física e saúde A aptidão física pode ser interpretada segundo duas perspetivas: aptidão física associada à saúde e aptidão física associada ao rendimento desportivo. Conceitos fundamentais Saúde

Leia mais

PROVA DE APTIDÃO FÍSICA. 1. Os Candidatos ao IPE devem executar as provas físicas abaixo descriminadas de acordo com as instruções de realização.

PROVA DE APTIDÃO FÍSICA. 1. Os Candidatos ao IPE devem executar as provas físicas abaixo descriminadas de acordo com as instruções de realização. PROVA DE APTIDÃO FÍSICA 1. Os Candidatos ao IPE devem executar as provas físicas abaixo descriminadas de acordo com as instruções de realização. 2. As provas devem ser executadas corretamente e avaliadas

Leia mais

Antes de iniciar qualquer atividade física, o aluno deverá realizar todos os exames médicos para que a prática da atividade física descrita nesse

Antes de iniciar qualquer atividade física, o aluno deverá realizar todos os exames médicos para que a prática da atividade física descrita nesse Antes de iniciar qualquer atividade física, o aluno deverá realizar todos os exames médicos para que a prática da atividade física descrita nesse plano de treinamento seja liberada. PLANO POLÍCIA MILITAR

Leia mais

Educação Física Agrupamento de Escolas Martim de Freitas. Francisco Pinto

Educação Física Agrupamento de Escolas Martim de Freitas. Francisco Pinto Educação Física Agrupamento de Escolas Martim de Freitas Francisco Pinto Caraterização Caraterização O é uma modalidade individual, integrada por um conjunto de ações naturais, como são os casos dos saltos,

Leia mais

As 11 técnicas fundamentais dos golpes de fundo de quadra

As 11 técnicas fundamentais dos golpes de fundo de quadra As 11 técnicas fundamentais dos golpes de fundo de quadra VERSÃO RESUMIDA Introdução do manual É feito para quem quer resultados, tenistas ou professores! 1 Simples e completo! 11 fundamentos que tratam

Leia mais

V Fórum da Natação Açores 2014 OPERACIONALIZAÇÃO DE UM MACROCICLO DE TREINO

V Fórum da Natação Açores 2014 OPERACIONALIZAÇÃO DE UM MACROCICLO DE TREINO OPERACIONALIZAÇÃO DE UM MACROCICLO DE TREINO A organização do processo de treino é uma tarefa complexa, onde múltiplos aspetos relacionados com atletas, infraestruturas, objetivos, métodos e meio, têm

Leia mais

Escola de Salto com Vara de Leiria. Princípios do salto com vara

Escola de Salto com Vara de Leiria. Princípios do salto com vara Princípios do salto com vara Caros amigos treinadores e atletas, Nesta breve exposição sobre os princípios do salto com vara pretendo expor o que entendo serem os princípios básicos do salto com vara.

Leia mais

2 MÉTODO DE ESFORÇOS (OU RITMOS) VARIADOS

2 MÉTODO DE ESFORÇOS (OU RITMOS) VARIADOS MÉTODOS DE TREINAMENTO CONTÍNUOS NA NATAÇÃO 1 INTRODUÇÃO Os métodos contínuos são aqueles que envolvem a aplicação de cargas caracterizadas pelo predomínio do volume sobre a intensidade, trata-se de cargas

Leia mais

Ginástica aeróbica no contexto da ginástica Geral. Prof. Dra. Bruna Oneda

Ginástica aeróbica no contexto da ginástica Geral. Prof. Dra. Bruna Oneda Ginástica aeróbica no contexto da ginástica Geral Prof. Dra. Bruna Oneda Ginástica aeróbica Uma combinação da ginástica clássica com a dança. Esta modalidade não pertence ao calendário olímpico, porém,

Leia mais

PRIORIDADES NO TREINO DE JOVENS SALTADORES. Leiria, 12 de Novembro de 2011

PRIORIDADES NO TREINO DE JOVENS SALTADORES. Leiria, 12 de Novembro de 2011 PRIORIDADES NO TREINO DE JOVENS SALTADORES Leiria, 12 de Novembro de 2011 Índice Objectivos do Treino -Gerais - Específicos - Prioritários Meios de Treino - Exemplos Objectivos do Treino GERAIS Gosto pelo

Leia mais

O TREINAMENTO DA VELOCIDADE PARA AS CORRIDAS DE FUNDO: CONSIDERAÇÃO SOBRE O MÉTODO FARTLEK *

O TREINAMENTO DA VELOCIDADE PARA AS CORRIDAS DE FUNDO: CONSIDERAÇÃO SOBRE O MÉTODO FARTLEK * O TREINAMENTO DA VELOCIDADE PARA AS CORRIDAS DE FUNDO: CONSIDERAÇÃO SOBRE O MÉTODO FARTLEK * Prof. Marcelo Augusti Técnico em Corridas de Fundo Especialização em Fisiologia do Exercício e Treinamento Desportivo

Leia mais

Efeitos do programa da pliometria de contraste sobre os valores de impulsão horizontal nos jogadores de tênis de campo

Efeitos do programa da pliometria de contraste sobre os valores de impulsão horizontal nos jogadores de tênis de campo Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Efeitos do programa da pliometria de contraste sobre os valores de impulsão horizontal nos jogadores

Leia mais

FORÇA TIPOS DE FORÇA. Fatores que influenciam a FORÇA. Fatores que influenciam a FORÇA. Fatores que influenciam a FORÇA 25/02/2014

FORÇA TIPOS DE FORÇA. Fatores que influenciam a FORÇA. Fatores que influenciam a FORÇA. Fatores que influenciam a FORÇA 25/02/2014 TIPOS DE ELAINE DALMAN MILAGRE Parcela da Musculatura envolvida -Geral -Local Formas de Exigência Motora Envolvida -Força Máxima -Força Rápida -Resistência de Força Tipo de Trabalho do Músculo -Dinâmico

Leia mais

Voleibol Atual Técnicas e Fundamentos do jogo. Percy Oncken

Voleibol Atual Técnicas e Fundamentos do jogo. Percy Oncken Voleibol Atual Técnicas e Fundamentos do jogo. Percy Oncken TÉCNICO CBV SAQUE POR CIMA - Sem SALTO Saque sem salto 1 a ensinar; Técnica geral será utilizada, nos saques com salto TRANSFERÊNCIA. POSTURA

Leia mais

Antes de iniciar qualquer atividade física, o aluno deverá realizar todos os exames médicos para que a prática da atividade física descrita nesse

Antes de iniciar qualquer atividade física, o aluno deverá realizar todos os exames médicos para que a prática da atividade física descrita nesse Antes de iniciar qualquer atividade física, o aluno deverá realizar todos os exames médicos para que a prática da atividade física descrita nesse plano de treinamento seja liberada. PLANO POLÍCIA CIVIL

Leia mais

Estudo dirigido Corridas e Marcha (Responda apenas nos espaços indicados)

Estudo dirigido Corridas e Marcha (Responda apenas nos espaços indicados) Nome: Estudo dirigido Corridas e Marcha (Responda apenas nos espaços indicados) Observe a figura acima e responda as questões a seguir: 1. A sequência se refere à prova de. 2. Em que distâncias essa prova

Leia mais

PROCESSO SELETIVO EDITAL 17/2013

PROCESSO SELETIVO EDITAL 17/2013 PROCESSO SELETIVO EDITAL 17/2013 CARGO E UNIDADES: Instrutor de Esportes (Natal) Atenção: NÃO ABRA este caderno antes do início da prova. Tempo total para resolução desta prova: 2 (duas) horas. I N S T

Leia mais

Ciclos de Treinamento. Ricardo L. Pace Jr.

Ciclos de Treinamento. Ricardo L. Pace Jr. Ciclos de Treinamento Ricardo L. Pace Jr. MICROCICLO DE CHOQUE Cargas altas; 80% - 90% da carga máxima; Estímulo ao processo ativo de adaptação; 2-5 cargas de choque por semana; Aplicação da carga no fim

Leia mais

Bioquímica Aplicada ao Exercício Físico e Princípios do Treinamento

Bioquímica Aplicada ao Exercício Físico e Princípios do Treinamento Universidade de São Paulo Escola de Educação Física e Esporte Bioquímica Aplicada ao Exercício Físico e Princípios do Treinamento André Casanova Silveira João Lucas Penteado Gomes Ago/2016 Referência Bibliografia

Leia mais

ATLETISMO. Osvaldo Tadeu da Silva Junior

ATLETISMO. Osvaldo Tadeu da Silva Junior ATLETISMO Osvaldo Tadeu da Silva Junior OBJETIVO DA DISCIPLINA Conhecer, compreender e analisar os processos de ensino aprendizagem e treinamento das corridas; Conhecer, compreender e analisar os processos

Leia mais

Crescimento e Desenvolvimento Humano

Crescimento e Desenvolvimento Humano Crescimento e Desenvolvimento Humano Capacidades física e Motoras durante o processo de crescimento e Desenvolvimento Humano Desenvolvimento e Crescimento Humano Para se entender o processo de desenvolvimento

Leia mais

ANEXO V AO EDITAL CBMERJ Nº 001/2015 TESTE DE CAPACIDADE FÍSICA E TESTE DE HABILIDADE ESPECÍFICA

ANEXO V AO EDITAL CBMERJ Nº 001/2015 TESTE DE CAPACIDADE FÍSICA E TESTE DE HABILIDADE ESPECÍFICA ANEXO V AO EDITAL CBMERJ Nº 001/2015 TESTE DE CAPACIDADE FÍSICA E TESTE DE HABILIDADE ESPECÍFICA Os Teste de Capacidade Física e de Habilidade Específica têm o objetivo de selecionar os candidatos cuja

Leia mais

PREPARAÇÃO FÍSICA NO BASQUETEBOL

PREPARAÇÃO FÍSICA NO BASQUETEBOL PREPARAÇÃO FÍSICA NO BASQUETEBOL Prof.Dr. João Paulo Borin Conhecimento Acadêmico X Prática Desportiva UNIVERSIDADE QUADRA PESQUISADOR LABORATÓRIO TEORIA TREINADOR ATLETA PRÁTICA Ciência do Desporto Resultado

Leia mais

VELOCIDADE VELOCIDADE - SÍNTESE 13/04/2015 PRINCÍPIOS METODOLÓGICOS OPERACIONALIZAÇÃO PRÁTICA. Introdução. Definição. A Velocidade no Futebol

VELOCIDADE VELOCIDADE - SÍNTESE 13/04/2015 PRINCÍPIOS METODOLÓGICOS OPERACIONALIZAÇÃO PRÁTICA. Introdução. Definição. A Velocidade no Futebol 13/04/2015 VELOCIDADE PRINCÍPIOS METODOLÓGICOS OPERACIONALIZAÇÃO PRÁTICA Bruno Romão 13/04/2015 VELOCIDADE - SÍNTESE 1. Introdução 2. Definição 3. A no Futebol 4. Formas de Manifestação de 5. Factores

Leia mais

Associação Desportiva de Lagares da Beira. Associação Desportiva de Lagares da Beira. Departamento de Futebol Sénior.

Associação Desportiva de Lagares da Beira. Associação Desportiva de Lagares da Beira. Departamento de Futebol Sénior. Departamento de Futebol Sénior Planeamento Anual Época 2003/2004 Elaborado por: José Lima Pag. 1 1 Análise da situação 1.1- Diagnóstico O plantel será constituído por um mínimo de 22 atletas (20 atle tas

Leia mais

RESUMO O Fisiologista do exercício e o controle da carga

RESUMO O Fisiologista do exercício e o controle da carga RESUMO O Fisiologista do exercício e o controle da carga O papel do fisiologista é monitorar as variáveis fisiológicas que cercam o treinamento, permitindo avaliar o estado do atleta e realizar prognósticos

Leia mais

AF Aveiro Formação de Treinadores. Fisiologia do Exercício

AF Aveiro Formação de Treinadores. Fisiologia do Exercício Fisiologia do Exercício Fisiologia do Exercício Fisiologia? A fisiologia = natureza, função ou funcionamento, ou seja, é o ramo da biologia que estuda as múltiplas funções mecânicas, físicas e bioquímicas

Leia mais

VELOCIDADE E ESTAFETAS III

VELOCIDADE E ESTAFETAS III VELOCIDADE E ESTAFETAS III 1. O Treino da Velocidade com Jovens Quando falamos de Velocidade é importante em primeiro lugar conhecer o conceito de movimento ciclíco, que correcponde a um movimento que

Leia mais

Prova Escrita e Prática de Educação Física

Prova Escrita e Prática de Educação Física INFORMAÇÃO ------------------------------------------------------------------------------------------------------- PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DO ENSINO SECUNDÁRIO Prova Escrita e Prática de Educação

Leia mais

COMPANHIA PARANAENSE DE ENERGIA COPEL CONCURSO PÚBLICO N.º 02/2006

COMPANHIA PARANAENSE DE ENERGIA COPEL CONCURSO PÚBLICO N.º 02/2006 COMPANHIA PARANAENSE DE ENERGIA COPEL CONCURSO PÚBLICO N.º 02/2006 TESTES DE APTIDÃO FÍSICA PARA O CARGO DE ASSISTENTE TÉCNICO I, FUNÇÃO DE ELETRICISTA APRENDIZ INFORMAÇÕES GERAIS : 1. TESTES DE APTIDÃO

Leia mais

Formação treinadores AFA

Formação treinadores AFA Preparação específica para a atividade (física e mental) Equilíbrio entre treino e repouso Uso de equipamento adequado à modalidade (ex: equipamento, calçado, proteções) E LONGEVIDADE DO ATLETA Respeito

Leia mais

Treinamento Esportivo.com

Treinamento Esportivo.com Treinamento Esportivo.com 2009 w w w. t r e i n a m e n t o e s p o r t i v o. c o m Página 0 APRESENTAÇÃO Este circuito de peso corporal surgiu anos atrás quando comecei a trabalhar com atletas de tênis

Leia mais

SALTO EM COMPRIMENTO

SALTO EM COMPRIMENTO SALTO EM COMPRIMENTO 1. Regras Básicas do Salto em Comprimento Caixa de areia Corredor de Balanço Tábua de Chamada A prova do salto em comprimento disputa-se na pista de atletismo numa zona específica

Leia mais

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE REMO. SISTEMA NACIONAL de AVALIAÇÃO do REMADOR 2014

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE REMO. SISTEMA NACIONAL de AVALIAÇÃO do REMADOR 2014 CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE REMO SISTEMA NACIONAL de AVALIAÇÃO do REMADOR 2014 Protocolo da semana de avaliação Testes de remo ergômetro e de Força Máxima OLIMPICO E PARALIMPICO 1. Protocolo das avaliações

Leia mais

Associação Nacional de Juízes de Basquetebol

Associação Nacional de Juízes de Basquetebol A PREPARAÇÃO FÍSICA DO ÁRBITRO DE BASQUETEBOL O treino desportivo não é apenas um problema de escolha de exercícios (o que fazer), é também e principalmente um problema de doseamento (quando e quanto treinar)

Leia mais

ATLETISMO. Osvaldo Tadeu da Silva Junior

ATLETISMO. Osvaldo Tadeu da Silva Junior ATLETISMO Osvaldo Tadeu da Silva Junior OBJETIVO DA DISCIPLINA Conhecer, compreender e analisar os processos de ensino aprendizagem e treinamento das corridas; Conhecer, compreender e analisar os processos

Leia mais

PRINCÍPIOS DO TREINAMENTO

PRINCÍPIOS DO TREINAMENTO PRINCÍPIOS DO TREINAMENTO A teoria e metodologia do treinamento esportivo têm princípios específicos baseados nas ciências biológicas, psicológicas e pedagógicas. Esses princípios refletem as particularidades

Leia mais

PLANEAMENTO PARA ATLETAS DE MARCHA EM RIO MAIOR. Jorge Miguel Treinador

PLANEAMENTO PARA ATLETAS DE MARCHA EM RIO MAIOR. Jorge Miguel Treinador PLANEAMENTO PARA ATLETAS DE MARCHA EM RIO MAIOR PLANEAMENTO PARA ATLETAS DE MARCHA EM RIO MAIOR ASPECTOS A CONSIDERAR: A motivação do treinador e as oportunidades. Os atletas e a sua motivação. Como chegar

Leia mais

PREPARAÇÃO FÍSICA. Qualidades físicas e métodos de treinamento. 26/06/2014 Anselmo Perez

PREPARAÇÃO FÍSICA. Qualidades físicas e métodos de treinamento. 26/06/2014 Anselmo Perez PREPARAÇÃO FÍSICA Qualidades físicas e métodos de treinamento 26/06/204 PREPARAÇÃO FÍSICA ou Treinamento Físico Conceito: componente que compreende os meios utilizados para o desenvolvimento das qualidades

Leia mais

Fundamentos do Futebol

Fundamentos do Futebol Fundamentos do Futebol Sumário Apresentação Capítulo 1 O passe 1.1 Passe Simples 1.2 Passe Peito do pé 1.3 Passe com a lateral externa do pé 1.4 Passe de cabeça 1.5 Passe de Calcanhar 1.6 Passe de bico

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ AVALIANDO A PERFORMANCE ESPORTIVA Há pelo menos três formas de avaliar o desempenho em um esporte: Observação; Uso de escala de avaliação; Teste de habilidade esportiva. CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ

Leia mais

Centro Universitário Moura Lacerda Curso de Educação Física Treinamento Desportivo. Professor: Osvaldo Luis Milani

Centro Universitário Moura Lacerda Curso de Educação Física Treinamento Desportivo. Professor: Osvaldo Luis Milani Centro Universitário Moura Lacerda Curso de Educação Física Treinamento Desportivo Professor: Osvaldo Luis Milani PRINCÍPIOS CIENTÍFICOS BÁSICOS DO TREINAMENTO DESPORTIVO Princípio da Individualidade Biológica

Leia mais

Portal da Educação Física Referência em Educação Física na Internet

Portal da Educação Física Referência em Educação Física na Internet Portal da Educação Física Referência em Educação Física na Internet AVALIAÇÃO DO VO2 MAX O cálculo do Vo2max possibilita aos atletas, qualquer que seja o seu nível ou idade, a obtenção de melhores resultados

Leia mais

EDITAL DE CONVOCAÇÃO PARA O TESTE DE APTIDÃO FÍSICA CANDIDATO SUB JUDICE

EDITAL DE CONVOCAÇÃO PARA O TESTE DE APTIDÃO FÍSICA CANDIDATO SUB JUDICE EDITAL DE CONVOCAÇÃO PARA O TESTE DE APTIDÃO FÍSICA CANDIDATO SUB JUDICE A Fundação Getulio Vargas informa que, fica convocado o candidato sub judice ao cargo de Guarda Portuário, para a realização do

Leia mais

Quadro I - Protocolo de Reabilitação Vestibular VertiGO!.

Quadro I - Protocolo de Reabilitação Vestibular VertiGO!. Quadro I - Protocolo de Reabilitação Vestibular VertiGO!. 1ª Etapa (Movimentos de olhos e cabeça, primeiro lentos, depois rápidos). Participante em pé sobre um colchonete, olhar para cima e para baixo.

Leia mais

Aspectos Físicos do Futebol Aprofundamento em Futebol

Aspectos Físicos do Futebol Aprofundamento em Futebol Aspectos Físicos do Futebol Aprofundamento em Futebol QUAIS AS AÇÕES A SEREM FEITAS? 3 Testar, Medir e Avaliar Teste - É um instrumento, procedimento ou técnica usado para se obter uma informação. Medida

Leia mais

Associação de Futebol da Guarda

Associação de Futebol da Guarda Cronograma: Curso de Treinadores de Futsal 1º Nível Aulas Teóricas Dezembro/08 Janeiro/09 As Capacidades Motoras 17 / Janeiro 19 / Janeiro 21 / Janeiro Avaliação Teórica Avaliação Prática 04 / Fevereiro

Leia mais

CURSO DE CAPACITAÇÃO PARA INSTRUTOR E PROFESSOR DE TAEKWONDO GRÃO MESTRE ANTONIO JUSSERI DIRETOR TÉCNICO DA FEBRAT

CURSO DE CAPACITAÇÃO PARA INSTRUTOR E PROFESSOR DE TAEKWONDO GRÃO MESTRE ANTONIO JUSSERI DIRETOR TÉCNICO DA FEBRAT CURSO DE CAPACITAÇÃO PARA INSTRUTOR E PROFESSOR DE TAEKWONDO GRÃO MESTRE ANTONIO JUSSERI DIRETOR TÉCNICO DA FEBRAT Alongamento é o exercício para preparar e melhorar a flexibilidade muscular, ou seja,

Leia mais

MÉTODOS de Treinamento

MÉTODOS de Treinamento Metodologia do TREINAMENTO FÍSICO AULA 7 MÉTODOS de Treinamento MÉTODOS de Treinamento Métodos CONTÍNUOS Métodos INTERVALADOS Métodos FRACIONADOS Métodos em CIRCUITO Métodos ADAPTATIVOS São as DIFERENTES

Leia mais

FIFA TEST NOVOS PROTOCOLOS

FIFA TEST NOVOS PROTOCOLOS CA-CBF ENAF-CBF FIFA TEST NOVOS PROTOCOLOS Introdução A prova oficial de condição física para árbitros de futebol, está dividida em 2 (duas) partes. A 1ª prova é de velocidade (RSA, por suas siglas em

Leia mais

TER AS IDEIAS CLARAS!!!

TER AS IDEIAS CLARAS!!! TER AS IDEIAS CLARAS!!! O jogo de Andebol poderá resumir-se a uma atividade acíclica cujos principais movimentos são abertos e realizados com intervalos de pausas de recuperação incompleta (3 a7 ), a uma

Leia mais

Treinamento Esportivo

Treinamento Esportivo Treinamento Esportivo Introdução Fundamentos Aplicação dos conteúdos e foco Conceitos Atletas Não Atletas Treinamento Treinamento Esportivo Significado Esporte Composição Alto Rendimento Coordenação e

Leia mais

PROVAS A Performance B Participação 1) ATLETISMO Caminhada 25 metros - B Corrida 100 metros A

PROVAS A Performance B Participação 1) ATLETISMO Caminhada 25 metros - B Corrida 100 metros A PROVAS 1) Atletismo 2) Futsal 3) Voleibol Especial 4) Natação 5) Cabo de Guerra 6) Provas de Habilidade 7) Tênis de Mesa A Performance B Participação 1) ATLETISMO Caminhada 25 metros - B - Nesta prova

Leia mais

Período de Preparação Período de Competição Período de Transição

Período de Preparação Período de Competição Período de Transição PERIODIZAÇÃO Desde que a chamada "Ciência do Esporte" passou a sistematizar e metodizar o Treinamento Desportivo, a periodização passou a ser a única forma de se organizar todo o trabalho realizado durante

Leia mais

ISSN ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções)

ISSN ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X) SAÚDE

Leia mais

- REMADA EM MAQUINA CONVERGENTE PEGADA FECHADA: 8 a 10 repetições (3x) - PUXADOR ALTO COM PEGADOR TRIANGULO: 8 a 10 repetições (3x)

- REMADA EM MAQUINA CONVERGENTE PEGADA FECHADA: 8 a 10 repetições (3x) - PUXADOR ALTO COM PEGADOR TRIANGULO: 8 a 10 repetições (3x) DESAFIO VITA VERÃO PROGRAMA DE 4 DIAS DE TREINO DE FORÇA PARA HOMENS TREINO A - REMADA EM MAQUINA CONVERGENTE PEGADA FECHADA: 8 a 10 repetições (3x) - PUXADOR ALTO COM PEGADOR TRIANGULO: 8 a 10 repetições

Leia mais

CIRCUITO FUNCIONAL CONTOURS

CIRCUITO FUNCIONAL CONTOURS CIRCUITO FUNCIONAL CONTOURS São Paulo, 27 de Junho de 2017 PROF. MS. PAULO COSTA AMARAL 1. Tecnologias Vestíveis (aparelhos que permite uma maior interação do usuário). 2. Body Weight Training (treinamento

Leia mais

PROVAS FÍSICAS DA FIFA PARA ÁRBITROS E ÁRBITROS ASSISTENTES 1ª PROVA:

PROVAS FÍSICAS DA FIFA PARA ÁRBITROS E ÁRBITROS ASSISTENTES 1ª PROVA: PROVAS FÍSICAS DA FIFA PARA ÁRBITROS E ÁRBITROS ASSISTENTES Objetivo: 1ª PROVA:. Velocidade média de corrida durante as jogadas rápidas e repetidas durante uma partida (distância em km/h) Prova:. 6 tiros

Leia mais

O corpo em repouso somente entra em movimento sob ação de forças Caminhada em bipedia = pêndulo alternado A força propulsiva na caminhada é a força

O corpo em repouso somente entra em movimento sob ação de forças Caminhada em bipedia = pêndulo alternado A força propulsiva na caminhada é a força O corpo em repouso somente entra em movimento sob ação de forças Caminhada em bipedia = pêndulo alternado A força propulsiva na caminhada é a força de reação exercida pelo piso sobre os pés. Um corpo em

Leia mais

FORÇA E POTÊNCIA! O Levantamento de Peso Olímpico (LPO) para o esporte.

FORÇA E POTÊNCIA! O Levantamento de Peso Olímpico (LPO) para o esporte. TREINAMENTOESPORTIVO.COM FORÇA E POTÊNCIA! O Levantamento de Peso Olímpico (LPO) para o esporte. No esporte há poucas modalidades onde os atletas podem ter tempo para atingir a força máxima, portanto a

Leia mais

Baterias de testes para avaliação da Aptidão Física

Baterias de testes para avaliação da Aptidão Física Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Baterias de testes para avaliação da Aptidão Física Teste de Aptidão Básica (Fleishman, 1964) 1. Teste

Leia mais

PREVINA OU ELIMINE A BARRIGA

PREVINA OU ELIMINE A BARRIGA PREVINA OU ELIMINE A BARRIGA OS EXERCÍCIOS ABDOMINAIS APRESENTADOS ABAIXO ESTÃO DIVIDIDOS DE ACORDOS COM SEU GRAU DE DIFICULDADE, ESTANDO CLASSIFICADOS COMO: EXERCÍCIOS LEVES EXERCÍCIOS INTERMEDIÁRIOS

Leia mais

Prof. Ms. Sandro de Souza

Prof. Ms. Sandro de Souza Prof. Ms. Sandro de Souza As 5 leis básicas do Treinamento de Força 1º - ANTES DE DESENVOLVER FORÇA MUSCULAR, DESENVOLVA FLEXIBILIDADE Amplitude de movimento Ênfase na pelve e articulações por onde passam

Leia mais

BIOMECÂNICA DA AÇÃO MUSCULAR EXCÊNTRICA NO ESPORTE. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

BIOMECÂNICA DA AÇÃO MUSCULAR EXCÊNTRICA NO ESPORTE. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior BIOMECÂNICA DA AÇÃO MUSCULAR EXCÊNTRICA NO ESPORTE Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Considerações iniciais EXCÊNTRICA CONCÊNTRICA ISOMÉTRICA F m F m F m P V P V P V = 0 Potência < 0 Potência >

Leia mais

Fundamentos do TE 27/11/2012

Fundamentos do TE 27/11/2012 Unidade I Fundamentos do Esportivo Conceito de Conceito de Esportivo Processo Conceito de É um processo pelo qual se submete alguém à busca de melhoria de alguma coisa. Visa a melhoria pois envolve diversas

Leia mais

TEMA 5: Preparação física na formação de 11 a 17 anos Palestrante: Beto Carnevale

TEMA 5: Preparação física na formação de 11 a 17 anos Palestrante: Beto Carnevale Xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx TEMA 5: Preparação física na formação de 11 a 17 anos Palestrante: Beto Carnevale O técnico bem sucedido é aquele que transmite Xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

Leia mais

Baterias de testes para avaliação da Aptidão Física

Baterias de testes para avaliação da Aptidão Física Portal da Educação Física Referência em Educação Física na Internet Baterias de testes para avaliação da Aptidão Física Denomina-se bateria a um conjunto de testes cujos resultados possam ser analisados

Leia mais

Revista Brasileira de Futsal e Futebol ISSN versão eletrônica

Revista Brasileira de Futsal e Futebol ISSN versão eletrônica 180 EFEITO DA PERIODIZAÇÃO EM FORMA DE CARGAS SELETIVAS SOBRE QUATRO CAPACIDADES FÍSICAS AVALIADAS NA EQUIPE PRINCIPAL DE FUTSAL DA ASSOCIAÇÃO ATLÉTICA BANCO DO BRASIL Martin Leandro Enriquez 1 RESUMO

Leia mais

FORÇA E POTÊNCIA! O Levantamento de Peso Olímpico (LPO) para o esporte.

FORÇA E POTÊNCIA! O Levantamento de Peso Olímpico (LPO) para o esporte. TREINAMENTOESPORTIVO.COM FORÇA E POTÊNCIA! O Levantamento de Peso Olímpico (LPO) para o esporte. No esporte há poucas modalidades onde os atletas podem ter tempo para atingir a força máxima, portanto a

Leia mais

Laboratório de Investigação em Desporto AVALIAÇÃO E CONTROLO DO TREINO 2014

Laboratório de Investigação em Desporto AVALIAÇÃO E CONTROLO DO TREINO 2014 INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM ESCOLA SUPERIOR DE DESPORTO DE RIO MAIOR AVALIAÇÃO E CONTROLO DO TREINO 2014 Equipa: Doutor João Brito (coordenador) Doutor Hugo Louro Doutora Ana Conceição Mestre Nuno

Leia mais

Ginástica Artística. Prof. Dra. Bruna Oneda. Aula 1

Ginástica Artística. Prof. Dra. Bruna Oneda. Aula 1 Ginástica Artística Prof. Dra. Bruna Oneda Aula 1 2017 Denominação Ginástica Artística A Ginástica Artística também é conhecida no Brasil por: Ginástica Olímpica, Ginástica de Aparelhos, Ginástica de Solo

Leia mais

Escola Básica 2,3 com Ensino Secundário de Alvide

Escola Básica 2,3 com Ensino Secundário de Alvide Informação da prova de equivalência à frequência de Educação Física Prova 28 2013 2.º Ciclo do Ensino Básico Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho 1. Objeto de avaliação A prova tem por referência o

Leia mais

Horas Sessão Prática de Salto em Comprimento

Horas Sessão Prática de Salto em Comprimento 10.00 Horas Abordagem Técnica do Salto em Comprimento Principais Erros e Suas Correcções Progressão Técnica de Salto em Comprimento 11.00 13.00 Horas Sessão Prática de Salto em Comprimento 13.00 Horas

Leia mais

FPA. Meio fundo jovem. A etapa de orientação. Joaquim Neves. Fevereiro 2006

FPA. Meio fundo jovem. A etapa de orientação. Joaquim Neves. Fevereiro 2006 FPA Meio fundo jovem A etapa de orientação Joaquim Neves Fevereiro 2006 Treino com jovens Cargas de Treino Condições de Vida Herança Genética Variáveis Biológicas Crescimento? Motivação Controlo da Ansiedade

Leia mais