Combinação das cargas de treinamento no processo de preparação desportiva Carga ondulatória durante o processo de preparação desportiva...

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Combinação das cargas de treinamento no processo de preparação desportiva Carga ondulatória durante o processo de preparação desportiva..."

Transcrição

1 Treinamento desportivo 13 Sumário INTRoDUÇÃO Princípios científicos da preparação desportiva...21 preparação desportiva, leis e regras princípios pedagógicos da preparação desportiva princípios especiais da preparação desportiva princípio da continuidade no processo da atividade competitiva Combinação das cargas de treinamento no processo de preparação desportiva Carga ondulatória durante o processo de preparação desportiva integração das diferentes partes da preparação do desportista Sistema de competições desportivas...37 Classificação das competições desportivas Calendário desportivo e sistema individualizado das competições prática competitiva do desportista a longo prazo participação dos desportistas nas competições Meios e métodos da preparação desportiva...55 meios pedagógicos da preparação desportiva Classificação dos exercícios exercício competitivo exercício preparatório especial exercício preparatório geral métodos pedagógicos de preparação desportiva método de influência prática programado métodos de ensino da técnica de ações motoras métodos de treino das capacidades motoras Método de exercício de carga contínua Método de exercício de carga intervalada Método de exercício de carga mista (intervalado e contínuo) método competitivo... 68

2 14 Sumário método de jogo métodos de influência verbal métodos de influência demonstrativa Carga de treinamento...71 Carga de treinamento e suas formas de ação Características da carga de treinamento adaptação no treinamento desportivo efeitos de treinamento efeito imediato de treinamento efeito posterior de treinamento efeito somatório de treinamento efeito acumulativo (a longo prazo) de treinamento Carga de treinamento e seus aspectos determinantes Conteúdo da carga volume da carga organização da carga Carga especializada orientação da carga Intensidade da carga Duração do exercício Duração dos intervalos de descanso Intervalo rígido de descanso Intervalo curto de descanso Intervalo completo de descanso (ordinário) Intervalo supercompensatório Intervalo prolongado de descanso Caráter de descanso Cargas ótimas Treinamento e aperfeiçoamento das capacidades físicas...91 sistema de treinamento e preparação física Treinamento e aperfeiçoamento da resistência Treinamento da resistência aeróbia Treinamento da resistência anaeróbia glicolítica Treinamento da resistência anaeróbia alática Treinamento das capacidades de força Aspectos neuromusculares relacionados com a manifestação das capacidades de força metodologia do treinamento das capacidades de força Treinamento da capacidade de força concêntrica Treinamento das capacidades de velocidade e de força Treinamento da resistência de força Treinamento da capacidade de força isocinética Treinamento das capacidades de força excêntrica e combinada...113

3 Sumário 15 Treinamento das capacidades de força isométrica e combinada (dinâmico-estático) Treinamento da capacidade de velocidade Meios de treinamento de velocidade Metodologia do treinamento da velocidade Treinamento da capacidade de flexibilidade Metodologia do treinamento da flexibilidade Treinamento das capacidades de coordenação Meios e particularidades do método de treinamento Treinamento da precisão na reprodução dos parâmetros de força, espaço, tempo e ritmo nos movimentos Treinamento da capacidade de equilíbrio Controle do nível de preparação física Estruturação e periodização do treinamento desportivo Bases teóricas da periodização do treinamento desportivo estrutura e preparação do atleta estrutura geral da preparação desportiva a longo prazo estrutura e conteúdo da preparação do atleta a longo prazo períodos sensíveis e desenvolvimento das capacidades motoras Carga de treinamento e seu crescimento constante meios e métodos de preparação desportiva e sua relação com a hereditariedade etapas de preparação a longo prazo etapa de preparação preliminar etapa de especialização desportiva inicial etapa de especialização profunda etapa de resultados superiores etapa de manutenção dos resultados estrutura e organização do treinamento no ciclo olímpico estrutura da sessão (semana) de treinamento sessão de treinamento Parte preparatória Parte principal Sessões complexas de treinamento Parte final estrutura e organização do treinamento no microciclo microciclos de preparação Microciclo ordinário Microciclo de choque Microciclo estabilizador Microciclo de manutenção Microciclo recuperativo Microciclo de controle...183

4 16 Sumário Microciclo pré-competitivo Microciclo competitivo Carga de treinamento no microciclo e suas diversas combinações estrutura e organização do treinamento no mesociclo Classificação dos mesociclos Mesociclo inicial Mesociclo básico Mesociclo de desenvolvimento Mesociclo estabilizador Mesociclo recuperativo Mesociclo de controle Mesociclo pré-competitivo Mesociclo competitivo Composição dos microciclos na estrutura do mesociclo mesociclo de preparação para mulheres estrutura do mesociclo pré-competitivo estrutura e organização do treinamento no ciclo anual e macrociclo estrutura do ciclo anual de preparação em vários desportos planejamento do treinamento em diferentes períodos do macrociclo período preparatório período competitivo período transitório Modelos de periodização nos desportos modelos de treinamento modelos tradicionais modelos contemporâneos modelos de treinamento em bloco modelo integrador modelo de cargas seletivas organização e planejamento do treinamento na modalidade de futebol planejamento do treinamento para velocistas na modalidade de atletismo organização do processo de treinamento Planejamento do treinamento desportivo na infância e na adolescência Treinamento desportivo na infância e na adolescência especialização desportiva desenvolvimento multilateral desporto na escola aperfeiçoamento desportivo Técnico desportivo...235

5 Sumário 17 organização das competições Forma de organização das competições Formação e educação dos atletas Clube desportivo Função educativa do treinador seleção de talentos nos desportos aptidões hereditárias etapas da seleção de talentos Primeira etapa (preliminar) Segunda etapa (observação pedagógica) Terceira etapa (orientação desportiva) Projeto de treinamento desportivo análise dos resultados da temporada anterior elaboração do planejamento da preparação desportiva etapas de desenvolvimento do planejamento da preparação desportiva planejamento a longo prazo planejamento de treinamento do ciclo anual Considerações finais Referências

Ciclos de Treinamento. Ricardo L. Pace Jr.

Ciclos de Treinamento. Ricardo L. Pace Jr. Ciclos de Treinamento Ricardo L. Pace Jr. MICROCICLO DE CHOQUE Cargas altas; 80% - 90% da carga máxima; Estímulo ao processo ativo de adaptação; 2-5 cargas de choque por semana; Aplicação da carga no fim

Leia mais

I CLÍNICA OLÍMPICA DE NATAÇÃO MARISTA PARTE 3

I CLÍNICA OLÍMPICA DE NATAÇÃO MARISTA PARTE 3 I CLÍNICA OLÍMPICA DE NATAÇÃO MARISTA PARTE 3 PRINCÍPIOS DA NATAÇÃO (KURT WILKE) - Máximo aproveitamento da flutuabilidade estática - Redução da resistência frontal - Constante pegada de águas - Paradas

Leia mais

O macrociclo. Teoria de Matveiev Prof.: Msd.: Ricardo Luiz Pace Júnior

O macrociclo. Teoria de Matveiev Prof.: Msd.: Ricardo Luiz Pace Júnior O macrociclo Teoria de Matveiev Prof.: Msd.: Ricardo Luiz Pace Júnior O macrociclo É um constituinte do plano de expectativa. Consiste em o atleta: Construir * P. preparatório Manter * P. competitivo Perder

Leia mais

Estrutura do Processo de Treino

Estrutura do Processo de Treino Estrutura do Processo de Treino http://www.cdnacional.pt/press.asp Índice do tema: 1- Passos Antecedentes à Elaboração de Planeamento de Treino; 2 Modelos de Periodização do Treino; 3 Organização das Estruturas

Leia mais

Fases de uma Periodização 23/8/2010. Processo de Recuperação Fosfagênio Sist. ATP-CP. 1 Macrociclo = 6 meses Jan. Fev. Mar. Abr. Mai. Jun.

Fases de uma Periodização 23/8/2010. Processo de Recuperação Fosfagênio Sist. ATP-CP. 1 Macrociclo = 6 meses Jan. Fev. Mar. Abr. Mai. Jun. Sistemas Energéticos Recuperação pós-exercício Processo de Recuperação Fosfagênio Sist. ATP-CP Glicogênio Muscular após ativ. intervalada Glicogênio muscular após ativ. contínuas e prolongadas Remoção

Leia mais

Aspectos Gerais do Treinamento Aeróbio: Planificação, Periodização e Capacidades Biomotoras

Aspectos Gerais do Treinamento Aeróbio: Planificação, Periodização e Capacidades Biomotoras Aspectos Gerais do Treinamento Aeróbio: Planificação, Periodização e Capacidades Biomotoras Curso Internacional de Meio Fundo e Fundo, 6 e 7 Junho 2015 Assunção, PAR Junho 2015 no esporte, como atleta,

Leia mais

CONCEITOS DA TEORIA DO TREINO

CONCEITOS DA TEORIA DO TREINO CONCEITOS DA TEORIA DO TREINO 1. A Sessão de Treino A Sessão de Treino é a unidade estrutural que serve de base para toda a organização do treino. O treinador deve individualizar o treino, adaptando a

Leia mais

Prof.Esp.Moisés Mendes

Prof.Esp.Moisés Mendes Prof.Esp.Moisés Mendes TREINAMENTO CONCEITO: É o planejamento geral e detalhado da utilização do tempo disponível para treinamento de acordo com objetivos intermediários perfeitamente estabelecidos e respeitando-se

Leia mais

PERIODIZAÇÃO é a divisão do ano de treinamento em períodos particulares de tempo, com objetivos e conteúdos definidos. (Gomes e Souza, 2008).

PERIODIZAÇÃO é a divisão do ano de treinamento em períodos particulares de tempo, com objetivos e conteúdos definidos. (Gomes e Souza, 2008). PERIODIZAR é dividir de forma organizada o ciclo anual ou semestral de treinamento dos atletas, em períodos e etapas, buscando prepará-los para atingir objetivos pré-estabelecidos, na direção de encontrar

Leia mais

O Planeamento o Treino de Rui Silva

O Planeamento o Treino de Rui Silva O Planeamento o Treino de Rui Silva Professor Bernardo Manuel Licenciado em Educação Física Mestre em Ciências do Desporto na área do treino de alto rendimento Professor Auxiliar Convidado FMH Treinador

Leia mais

CAPACIDADES MOTORAS:

CAPACIDADES MOTORAS: CAPACIDADES MOTORAS: Na área da Educação Física e do desporto, capacidades motoras são pressupostos dos movimentos que permitem que as qualidades inatas de uma pessoa, como um talento, ou um potencial

Leia mais

PREPARAÇÃO FÍSICA NO BASQUETEBOL

PREPARAÇÃO FÍSICA NO BASQUETEBOL PREPARAÇÃO FÍSICA NO BASQUETEBOL Prof.Dr. João Paulo Borin Conhecimento Acadêmico X Prática Desportiva UNIVERSIDADE QUADRA PESQUISADOR LABORATÓRIO TEORIA TREINADOR ATLETA PRÁTICA Ciência do Desporto Resultado

Leia mais

Associação de Futebol da Guarda

Associação de Futebol da Guarda Cronograma: Curso de Treinadores de Futsal 1º Nível Aulas Teóricas Dezembro/08 Janeiro/09 As Capacidades Motoras 17 / Janeiro 19 / Janeiro 21 / Janeiro Avaliação Teórica Avaliação Prática 04 / Fevereiro

Leia mais

Deve ser nomeado um Coordenador de Estágio, de preferência o Diretor do Curso, neste caso o Professor José Barros.

Deve ser nomeado um Coordenador de Estágio, de preferência o Diretor do Curso, neste caso o Professor José Barros. REGULAMENTO DE ESTÁGIOS DE GRAU I (Resumo) 1. Carga Horária O Curso de Treinadores de Atletismo de Grau I passa a englobar na sua componente curricular, para além das matérias gerais do treino desportivo

Leia mais

Fundamentos do TE 27/11/2012

Fundamentos do TE 27/11/2012 Unidade I Fundamentos do Esportivo Conceito de Conceito de Esportivo Processo Conceito de É um processo pelo qual se submete alguém à busca de melhoria de alguma coisa. Visa a melhoria pois envolve diversas

Leia mais

Faculdade de Motricidade Humana Unidade Orgânica de Ciências do Desporto TREINO DA RESISTÊNCIA

Faculdade de Motricidade Humana Unidade Orgânica de Ciências do Desporto TREINO DA RESISTÊNCIA Faculdade de Motricidade Humana Unidade Orgânica de Ciências do Desporto TREINO DA RESISTÊNCIA A capacidade do organismo de resistir à fadiga numa actividade motora prolongada. Entende-se por fadiga a

Leia mais

Rede Nacional de Treinamento Atletismo. Centro Nacional de Treinamento Atletismo São Paulo. Relatório março Elaborado: Lázaro Pereira Velázquez

Rede Nacional de Treinamento Atletismo. Centro Nacional de Treinamento Atletismo São Paulo. Relatório março Elaborado: Lázaro Pereira Velázquez Rede Nacional de Treinamento Atletismo Centro Nacional de Treinamento Atletismo São Paulo Relatório março 2017 Elaborado: Lázaro Pereira Velázquez Gerente de Esporte I CNTA São Paulo Treinadores: Anísio

Leia mais

O TREINAMENTO DA VELOCIDADE PARA AS CORRIDAS DE FUNDO: CONSIDERAÇÃO SOBRE O MÉTODO FARTLEK *

O TREINAMENTO DA VELOCIDADE PARA AS CORRIDAS DE FUNDO: CONSIDERAÇÃO SOBRE O MÉTODO FARTLEK * O TREINAMENTO DA VELOCIDADE PARA AS CORRIDAS DE FUNDO: CONSIDERAÇÃO SOBRE O MÉTODO FARTLEK * Prof. Marcelo Augusti Técnico em Corridas de Fundo Especialização em Fisiologia do Exercício e Treinamento Desportivo

Leia mais

Prof. Dr. Bruno Pena Couto Teoria do Treinamento Desportivo. Encontro Multiesportivo de Técnicos Formadores Solidariedade Olímpica / COI

Prof. Dr. Bruno Pena Couto Teoria do Treinamento Desportivo. Encontro Multiesportivo de Técnicos Formadores Solidariedade Olímpica / COI Prof. Dr. Bruno Pena Couto Teoria do Treinamento Desportivo Encontro Multiesportivo de Técnicos Formadores Solidariedade Olímpica / COI Visão Geral - Princípios do Treinamento - Métodos de Treinamento

Leia mais

Treinamento Esportivo

Treinamento Esportivo Treinamento Esportivo Introdução Fundamentos Aplicação dos conteúdos e foco Conceitos Atletas Não Atletas Treinamento Treinamento Esportivo Significado Esporte Composição Alto Rendimento Coordenação e

Leia mais

Processo para o ensino e desenvolvimento do futebol e futsal: ESTÁGIOS DE INICIANTES, AVANÇADOS E DE DOMÍNIO

Processo para o ensino e desenvolvimento do futebol e futsal: ESTÁGIOS DE INICIANTES, AVANÇADOS E DE DOMÍNIO Processo para o ensino e desenvolvimento do futebol e futsal: ESTÁGIOS DE INICIANTES, AVANÇADOS E DE DOMÍNIO Processo para o ensino do futebol/ futsal A metodologia para o ensino do futebol até a especialização

Leia mais

V Fórum da Natação Açores 2014 OPERACIONALIZAÇÃO DE UM MACROCICLO DE TREINO

V Fórum da Natação Açores 2014 OPERACIONALIZAÇÃO DE UM MACROCICLO DE TREINO OPERACIONALIZAÇÃO DE UM MACROCICLO DE TREINO A organização do processo de treino é uma tarefa complexa, onde múltiplos aspetos relacionados com atletas, infraestruturas, objetivos, métodos e meio, têm

Leia mais

Maria Tereza Silveira Böhme

Maria Tereza Silveira Böhme Maria Tereza Silveira Böhme terbohme@usp.br Início e desenvolvimento Objetivos Fundamentos teóricos Programas canadense e alemão de TLP Realidade brasileira Produção científica do GEPETIJ Dissertações

Leia mais

ÁREAS DE FORMAÇÃO Área formativa 1: Gestão Desportiva

ÁREAS DE FORMAÇÃO Área formativa 1: Gestão Desportiva ÁREAS DE FORMAÇÃO Área formativa 1: Gestão Desportiva Planeamento e Gestão de Projectos Marketing do Desporto Financiamento Fiscalidade Administração e Gestão de um Clube desportivo Gestão de Instalações

Leia mais

Planificação Anual PAFD 10º D Ano Letivo Plano de Turma Curso Profissional de Técnico de Apoio à Gestão Desportiva

Planificação Anual PAFD 10º D Ano Letivo Plano de Turma Curso Profissional de Técnico de Apoio à Gestão Desportiva Calendarização Objetivos Conteúdos Avaliação PRÁTICAS DE ATIVIDADES FÍSICAS E DESPORTIVAS Módulo: Fisiologia do Esforço 1º, 2º e 3º períodos 1. Reconhecer o papel da fisiologia do esforço quando aplicada

Leia mais

Bases Metodológicas do Treinamento Desportivo

Bases Metodológicas do Treinamento Desportivo Bases Metodológicas do Treinamento Desportivo Unidade I Princípios do Treinamento Prof. Esp. Jorge Duarte Princípios do Treinamento A teoria e a metodologia do treinamento desportivo possuem princípios

Leia mais

Crescimento e Desenvolvimento Humano

Crescimento e Desenvolvimento Humano Crescimento e Desenvolvimento Humano Capacidades física e Motoras durante o processo de crescimento e Desenvolvimento Humano Desenvolvimento e Crescimento Humano Para se entender o processo de desenvolvimento

Leia mais

TREINAMENTO Processo repetitivo e sistemático composto de exercícios progressivos que visam o aperfeiçoamento da performance.

TREINAMENTO Processo repetitivo e sistemático composto de exercícios progressivos que visam o aperfeiçoamento da performance. TREINAMENTO Processo repetitivo e sistemático composto de exercícios progressivos que visam o aperfeiçoamento da performance. TREINAMENTO FÍSICO Repetição sistemática de exercícios que produz fenômenos

Leia mais

PREPARAÇÃO FÍSICA. Qualidades físicas e métodos de treinamento. 30/09/2014 Anselmo Perez

PREPARAÇÃO FÍSICA. Qualidades físicas e métodos de treinamento. 30/09/2014 Anselmo Perez PREPARAÇÃO FÍSICA Qualidades físicas e métodos de treinamento PREPARAÇÃO FÍSICA ou Treinamento Físico Conceito: componente que compreende os meios utilizados para o desenvolvimento das qualidades físicas

Leia mais

PRINCÍPIOS DO TREINAMENTO

PRINCÍPIOS DO TREINAMENTO PRINCÍPIOS DO TREINAMENTO A teoria e metodologia do treinamento esportivo têm princípios específicos baseados nas ciências biológicas, psicológicas e pedagógicas. Esses princípios refletem as particularidades

Leia mais

BIOMECANICOS BIOQUIMICOS FISIOLOGICOS MECANICOS

BIOMECANICOS BIOQUIMICOS FISIOLOGICOS MECANICOS Faculdade de Motricidade Humana Unidade Orgânica de Ciências do Desporto Metodologia de Treino Gestão do Desporto METODOLOGIA DO TREINO DA FORÇA Objectivos Factores Condicionantes da Força Estrutura das

Leia mais

PLANEAMENTO PARA ATLETAS DE MARCHA EM RIO MAIOR. Jorge Miguel Treinador

PLANEAMENTO PARA ATLETAS DE MARCHA EM RIO MAIOR. Jorge Miguel Treinador PLANEAMENTO PARA ATLETAS DE MARCHA EM RIO MAIOR PLANEAMENTO PARA ATLETAS DE MARCHA EM RIO MAIOR ASPECTOS A CONSIDERAR: A motivação do treinador e as oportunidades. Os atletas e a sua motivação. Como chegar

Leia mais

Periodização do Treino no Futebol

Periodização do Treino no Futebol Curso de Preparadores Físicos 9 de Fevereiro de 2013 Periodização do Treino no Futebol João Aroso Periodizar Modelo Teórico Desenvolvimento do processo de treino no tempo A periodização do treino tem vindo

Leia mais

Associação Desportiva de Lagares da Beira. Associação Desportiva de Lagares da Beira. Departamento de Futebol Sénior.

Associação Desportiva de Lagares da Beira. Associação Desportiva de Lagares da Beira. Departamento de Futebol Sénior. Departamento de Futebol Sénior Planeamento Anual Época 2003/2004 Elaborado por: José Lima Pag. 1 1 Análise da situação 1.1- Diagnóstico O plantel será constituído por um mínimo de 22 atletas (20 atle tas

Leia mais

PROPOSTA DE REFERENCIAL DE FORMAÇÃO

PROPOSTA DE REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Federação: Federação Portuguesa de Capoeira Modalidade/Disciplina: Capoeira Conversão de Treinadores de Grau em Treinadores de Grau I Componente Prática: 18 horas Componente Teórica: 18 horas Total de

Leia mais

Associação Nacional de Juízes de Basquetebol

Associação Nacional de Juízes de Basquetebol A PREPARAÇÃO FÍSICA DO ÁRBITRO DE BASQUETEBOL O treino desportivo não é apenas um problema de escolha de exercícios (o que fazer), é também e principalmente um problema de doseamento (quando e quanto treinar)

Leia mais

Metas de Aprendizagem Educação Física

Metas de Aprendizagem Educação Física Metas de Aprendizagem Educação Física A definição das Metas de Aprendizagem na Área Curricular de Educação Física tem como base o Programa Nacional de Educação Física, o Currículo Nacional de Educação

Leia mais

TEORIA E METODOLOGIA DO TREINO ESPECÍFICO

TEORIA E METODOLOGIA DO TREINO ESPECÍFICO TEORIA E METODOLOGIA DO TREINO ESPECÍFICO AULA 3 LICENCIATURA EM CIÊNCIAS DA ACTIVIDADE FÍSICA HUMANA ORGANIZAÇÃO E CONDUÇÃO DO PROCESSO DE TREINO As Componentes da Carga de Treino A Carga...no esforço

Leia mais

AF Aveiro Formação de Treinadores. Fisiologia do Exercício

AF Aveiro Formação de Treinadores. Fisiologia do Exercício Fisiologia do Exercício Fisiologia do Exercício Fisiologia? A fisiologia = natureza, função ou funcionamento, ou seja, é o ramo da biologia que estuda as múltiplas funções mecânicas, físicas e bioquímicas

Leia mais

TEORIA GERAL DO TREINO DESPORTIVO

TEORIA GERAL DO TREINO DESPORTIVO TEORIA GERAL DO TREINO DESPORTIVO AULA 1 LICENCIATURA EM CIÊNCIAS DA ACTIVIDADE FÍSICA HUMANA Organização da Disciplina Repartição Lectiva Carga Horária Semestral (S2) Aulas Teórica- Práticas 4ª Feira

Leia mais

TEORIA E METODOLOGIA DO TREINO ESPECÍFICO

TEORIA E METODOLOGIA DO TREINO ESPECÍFICO TEORIA E METODOLOGIA DO TREINO ESPECÍFICO AULA 2 LICENCIATURA EM CIÊNCIAS DA ACTIVIDADE FÍSICA HUMANA BASES CONCEPTUAIS PARA A CONSTRUÇÃO DOS EXERCÍCIOS DE TREINO Fundamentação Biológica do Treino Na temática

Leia mais

1 - Parte Introdutória A Parte Introdutória prepara cognitiva e animicamente o praticante para a realização da sessão e para o esforço físico e de con

1 - Parte Introdutória A Parte Introdutória prepara cognitiva e animicamente o praticante para a realização da sessão e para o esforço físico e de con SESSÃO DE TREINO 1 - Parte Introdutória A Parte Introdutória prepara cognitiva e animicamente o praticante para a realização da sessão e para o esforço físico e de concentração nela envolvidos. Pode ser

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DOS MEIOS E MÉTODOS DE INFLUÊNCIA PRÁTICA NO TREINAMENTO EM FUTEBOLISTAS PROFISSIONAIS

CARACTERIZAÇÃO DOS MEIOS E MÉTODOS DE INFLUÊNCIA PRÁTICA NO TREINAMENTO EM FUTEBOLISTAS PROFISSIONAIS CARACTERIZAÇÃO DOS MEIOS E MÉTODOS DE INFLUÊNCIA PRÁTICA NO TREINAMENTO EM FUTEBOLISTAS PROFISSIONAIS MS. TIAGO VOLPI BRAZ Mestre em Educação Física pela UNIMEP e Professor do Depto. de Educação Física

Leia mais

Módulo III. Modelos de periodização. Progressão. Progressão. Progressão. Progressão. Prescrição de Exercício. I Estágio Inicial

Módulo III. Modelos de periodização. Progressão. Progressão. Progressão. Progressão. Prescrição de Exercício. I Estágio Inicial Módulo III Prescrição de Exercício valiação Modelos de periodização Interpretação Prescrição Modalidade Freqüência Precauções Duração Intensidade CSM, Guidelines for exercise testing and prescription,(006).

Leia mais

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Federação: Federação Portuguesa de Alex Ryu Jitsu Modalidade/Disciplina: Alex Ryu Jitsu Conversão de Treinadores de Grau em Treinadores de Grau II Componente Prática: 6 horas Componente Teórica: 26 horas

Leia mais

PROPOSTA DE REFERENCIAL DE FORMAÇÃO

PROPOSTA DE REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Federação: Federação Portuguesa de Lohan Tao Modalidade/Disciplina: Lohan Tao Conversão de Treinadores de Grau em Treinadores de Grau 1 Componente Prática: 10 horas Componente Teórica: 20 horas Total de

Leia mais

PREPARAÇÃO DE GOLEIROS

PREPARAÇÃO DE GOLEIROS PREPARAÇÃO DE GOLEIROS FORMÁÇÃO DE GOLEIROS A LONGO PRAZO Preparador de Goleiros do Sendas Esporte Clube - 2010 Introdução Ao analisarmos o futebol, constatamos que ele é um esporte coletivo que exige

Leia mais

Versão Referenciais de FORMAÇÃO ATLETISMO

Versão Referenciais de FORMAÇÃO ATLETISMO Versão 1.00 FORMAÇÃO Referenciais de Grau II Versão 1.00 FORMAÇÃO Referenciais de Grau II Edição: Conteúdos: Data: Instituto Português do Desporto e Juventude, I.P. Federação Portuguesa de Atletismo Setembro

Leia mais

Adaptações Metabólicas do Treinamento. Capítulo 6 Wilmore & Costill Fisiologia do Exercício e do Esporte

Adaptações Metabólicas do Treinamento. Capítulo 6 Wilmore & Costill Fisiologia do Exercício e do Esporte Adaptações Metabólicas do Treinamento Capítulo 6 Wilmore & Costill Fisiologia do Exercício e do Esporte Adaptações ao Treinamento Aeróbio Adaptações centrais e periféricas Realização do exercício submáximo

Leia mais

Prof. Dr.CHARLES LOPES PROGRAMA DE MESTRADO E DOUTORADO- UNIMEP LABORATÓRIO DE PERFORMANCE HUMANA - UNIMEP

Prof. Dr.CHARLES LOPES PROGRAMA DE MESTRADO E DOUTORADO- UNIMEP LABORATÓRIO DE PERFORMANCE HUMANA - UNIMEP Prof. Dr.CHARLES LOPES PROGRAMA DE MESTRADO E DOUTORADO- UNIMEP LABORATÓRIO DE PERFORMANCE HUMANA - UNIMEP Experiência Esportiva... Preparador físico Nossa Caixa Ponte Preta (1993-1994); Preparador físico

Leia mais

FOOTECON 2008 PERIODIZAÇÃO SEMANAL: O QUE TREINAR. Prof. Ms. José Mário. Campeiz

FOOTECON 2008 PERIODIZAÇÃO SEMANAL: O QUE TREINAR. Prof. Ms. José Mário. Campeiz FOOTECON 2008 PERIODIZAÇÃO SEMANAL: O QUE TREINAR Prof. Ms. José Mário Campeiz Temática Programação do Treinamento no futebol: Periodização : Os fundamentos que determinam esta necessidade; Organização

Leia mais

Calendário Nacional Remo Brasil

Calendário Nacional Remo Brasil Planejamento Estratégico Remo Brasil 2017 2024 Calendário Nacional Remo Brasil A estruturação do Calendário Nacional faz parte do Plano Estratégico de Longo Prazo 2017 2024, e visa contribuir para o crescimento

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2016 /2017

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2016 /2017 MÓDULOS ATIVIDADE FÍSICA: Jogos Desportivos Coletivos; Ginástica; Atletismo; Dança, Patinagem, Badminton e Orientação Habilidades Motoras 90 % Regulamentos 10 % Aplica as habilidades motoras características

Leia mais

VELOCIDADE VELOCIDADE - SÍNTESE 13/04/2015 PRINCÍPIOS METODOLÓGICOS OPERACIONALIZAÇÃO PRÁTICA. Introdução. Definição. A Velocidade no Futebol

VELOCIDADE VELOCIDADE - SÍNTESE 13/04/2015 PRINCÍPIOS METODOLÓGICOS OPERACIONALIZAÇÃO PRÁTICA. Introdução. Definição. A Velocidade no Futebol 13/04/2015 VELOCIDADE PRINCÍPIOS METODOLÓGICOS OPERACIONALIZAÇÃO PRÁTICA Bruno Romão 13/04/2015 VELOCIDADE - SÍNTESE 1. Introdução 2. Definição 3. A no Futebol 4. Formas de Manifestação de 5. Factores

Leia mais

Treinamento Esportivo

Treinamento Esportivo Treinamento Esportivo Introdução Fundamentos Aplicação dos conteúdos e foco Conceitos Atletas Não Atletas Treinamento Treinamento Esportivo Significado Esporte Composição Alto Rendimento Coordenação e

Leia mais

A minha Filosofia de Treino em Atletismo

A minha Filosofia de Treino em Atletismo A minha Filosofia de Treino em Atletismo Por Jorge Miguel Treinador de Atletas Olimpicos Como treinador de Atletismo há mais de trinta anos,a minha experiência nesta modalidade leva-me a afirmar que no

Leia mais

Período de Preparação Período de Competição Período de Transição

Período de Preparação Período de Competição Período de Transição PERIODIZAÇÃO Desde que a chamada "Ciência do Esporte" passou a sistematizar e metodizar o Treinamento Desportivo, a periodização passou a ser a única forma de se organizar todo o trabalho realizado durante

Leia mais

INFORMAÇÃO-PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA

INFORMAÇÃO-PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Ano Letivo 2015/2016 INFORMAÇÃO-PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Disciplina: EDUCAÇÃO FÍSICA Prova/Código: 311 Ano de Escolaridade: 12º Ano (CH/AEDC) 1. Introdução

Leia mais

TER AS IDEIAS CLARAS!!!

TER AS IDEIAS CLARAS!!! TER AS IDEIAS CLARAS!!! O jogo de Andebol poderá resumir-se a uma atividade acíclica cujos principais movimentos são abertos e realizados com intervalos de pausas de recuperação incompleta (3 a7 ), a uma

Leia mais

Formação treinadores AFA

Formação treinadores AFA Preparação específica para a atividade (física e mental) Equilíbrio entre treino e repouso Uso de equipamento adequado à modalidade (ex: equipamento, calçado, proteções) E LONGEVIDADE DO ATLETA Respeito

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM ESCOLA SUPERIOR DE DESPORTO DE RIO MAIOR. Laboratório de Investigação em Desporto PSICOLOGIA DO DESPORTO 2014

INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM ESCOLA SUPERIOR DE DESPORTO DE RIO MAIOR. Laboratório de Investigação em Desporto PSICOLOGIA DO DESPORTO 2014 INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM ESCOLA SUPERIOR DE DESPORTO DE RIO MAIOR PSICOLOGIA DO DESPORTO 2014 Equipa: Doutor Carlos Silva Doutora Carla Chicau Doutor Luís Cid (coordenador) Psicólogo Luís Gonzaga

Leia mais

RESUMO O Fisiologista do exercício e o controle da carga

RESUMO O Fisiologista do exercício e o controle da carga RESUMO O Fisiologista do exercício e o controle da carga O papel do fisiologista é monitorar as variáveis fisiológicas que cercam o treinamento, permitindo avaliar o estado do atleta e realizar prognósticos

Leia mais

Centro Universitário Moura Lacerda Curso de Educação Física Treinamento Desportivo. Professor: Osvaldo Luis Milani

Centro Universitário Moura Lacerda Curso de Educação Física Treinamento Desportivo. Professor: Osvaldo Luis Milani Centro Universitário Moura Lacerda Curso de Educação Física Treinamento Desportivo Professor: Osvaldo Luis Milani PRINCÍPIOS CIENTÍFICOS BÁSICOS DO TREINAMENTO DESPORTIVO Princípio da Individualidade Biológica

Leia mais

TREINO DE GUARDA-REDES, PREPARAÇÃO FÍSICA E METODOLOGIA DE TREINO

TREINO DE GUARDA-REDES, PREPARAÇÃO FÍSICA E METODOLOGIA DE TREINO TREINO DE GUARDA-REDES, PREPARAÇÃO FÍSICA E METODOLOGIA DE TREINO MÓDULO : Flexibilidade Formador: Tiago Vaz Novembro de 2015 Síntese 1. Definição e formas de manifestação; 2. Fatores condicionantes; 3.

Leia mais

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO_Grau I

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO_Grau I Federação: Federação Portuguesa de Jiu-Jitsu Brasileiro (FPJJB) Modalidade/Disciplina: Jiu Jitsu Brasileiro Conversão de Treinadores de Grau em Treinadores de Grau I Componente Prática: 8 horas Componente

Leia mais

DEPARTAMENTO TÉCNICO FORMAÇÃO DESPORTIVA DOS JOVENS PRATICANTES

DEPARTAMENTO TÉCNICO FORMAÇÃO DESPORTIVA DOS JOVENS PRATICANTES DEPARTAMENTO TÉCNICO PROJECTO FORMAÇÃO DESPORTIVA DOS JOVENS PRATICANTES ÍNDICE I. INTRODUÇÃO II. OBJECTIVOS III. APLICAÇÃO ÉPOCA 2010/2011 I. INTRODUÇÃO É urgente perceber que a competição e formação

Leia mais

AÇÕES DE FORMAÇÃO CREDITADAS PARA TREINADORES Funchal

AÇÕES DE FORMAÇÃO CREDITADAS PARA TREINADORES Funchal AÇÕES DE FORMAÇÃO CREDITADAS PARA TREINADORES 2015 - Funchal Ações Creditadas pelo PNFT 2015 Preços de Inscrição: 1) Ações de 1,4 créditos - 20,00 a. Preço para Filiados - 20,00 2) Ações de 0,8 créditos

Leia mais

MUSCULAÇÃO. Estética Recreativa Terapêuticas Competitivas Preparação física Saúde e qualidade de vida. Tipos de trabalho muscular:

MUSCULAÇÃO. Estética Recreativa Terapêuticas Competitivas Preparação física Saúde e qualidade de vida. Tipos de trabalho muscular: MUSCULAÇÃO Halterofilismo FISIOCULTURISMO Ginástica com peso Exercícios resistidos Exercícios contra a resistência FINALIDADE DE MUSCULAÇÃO Estética Recreativa Terapêuticas Competitivas Preparação física

Leia mais

Referenciais de FORMAÇÃO

Referenciais de FORMAÇÃO Versão 1.00 Referenciais de FORMAÇÃO HÓQUEI PATINS Grau III Referenciais de FORMAÇÃO HÓQUEI PATINS Grau III Edição: Conteúdos: Data: Instituto Português do Desporto e Juventude, I.P. Federação de Patinagem

Leia mais

AJES - INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DO VALE DO JURUENA ESPECIALIZAÇÃO EM FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO E TREINAMENTO ESPORTIVO

AJES - INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DO VALE DO JURUENA ESPECIALIZAÇÃO EM FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO E TREINAMENTO ESPORTIVO AJES - INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DO VALE DO JURUENA ESPECIALIZAÇÃO EM FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO E TREINAMENTO ESPORTIVO TREINAMENTO DESPORTIVO EM BASQUETEBOL NO BRASIL Fabio Wisiniewski Orientador:

Leia mais

Treinamento Esportivo

Treinamento Esportivo Treinamento Esportivo Introdução Fundamentos Aplicação dos conteúdos e foco Conceitos Atletas Não Atletas Treinamento Treinamento Esportivo Significado Esporte Composição Alto Rendimento Coordenação e

Leia mais

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE REMO CAMINHO DA SELEÇÃO SELEÇÃO BRASILEIRA DE REMO TEMPORADA 2017 PLANO ANUAL

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE REMO CAMINHO DA SELEÇÃO SELEÇÃO BRASILEIRA DE REMO TEMPORADA 2017 PLANO ANUAL CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE REMO CAMINHO DA SELEÇÃO SELEÇÃO BRASILEIRA DE REMO TEMPORADA 2017 PLANO ANUAL Planejamento, Processo Seletivo e Calendário SELEÇÃO BRASILEIRA DE REMO PLANO ANUAL TEMPORADA 2017

Leia mais

CURRÍCULO DO ATLETA DADOS PESSOAIS: Nome: Felipe Borges da Silva. Nome Esportivo: Felipe. Nasc.: 16/11/1994. Embarcação: Canoa Masculino C-1 - C-2

CURRÍCULO DO ATLETA DADOS PESSOAIS: Nome: Felipe Borges da Silva. Nome Esportivo: Felipe. Nasc.: 16/11/1994. Embarcação: Canoa Masculino C-1 - C-2 CURRÍCULO DO ATLETA DADOS PESSOAIS: Nome: Felipe Borges da Silva Nome Esportivo: Felipe Nasc.: 16/11/1994 Embarcação: Canoa Masculino C-1 - C-2 Naturalidade: Foz do Iguaçu-PR Estado Civil: Solteiro E-mail/msn:

Leia mais

OPapeldoesportenaescola; Porque somente os Esportes Coletivos são trabalhados na escola; Como trabalhar os esportes individuais na escola;

OPapeldoesportenaescola; Porque somente os Esportes Coletivos são trabalhados na escola; Como trabalhar os esportes individuais na escola; OPapeldoesportenaescola; Porque somente os Esportes Coletivos são trabalhados na escola; Como trabalhar os esportes individuais na escola; Introdução ao Atletismo; 1 PCN Parâmetro Curricular Nacional A

Leia mais

Congresso Internacional de Ciclismo Objetivo 2012 Plataforma de Desenvolvimento do BTT. Anadia, Julho 2012 Pedro Vigário

Congresso Internacional de Ciclismo Objetivo 2012 Plataforma de Desenvolvimento do BTT. Anadia, Julho 2012 Pedro Vigário Congresso Internacional de Ciclismo Objetivo 2012 Plataforma de Desenvolvimento do BTT Anadia, Julho 2012 Pedro Vigário Objetivo 1 apuramento para os jogos Objetivo 2 desenvolvimento geral da vertente

Leia mais

Unidades de Formação e Cargas Horárias Andebol - Grau III

Unidades de Formação e Cargas Horárias Andebol - Grau III Unidades de Formação e Cargas Horárias Andebol - Grau III UNIDADES DE FORMAÇÃO HORAS 1. CARACTERIZAÇÃO DO JOGO 6 2. REGRAS DO JOGO E REGULAMENTOS ESPECÍFICOS 4 3. MEIOS DE ENSINO DO JOGO 20 4. COMPONENTES

Leia mais

O Treino das Barreiras

O Treino das Barreiras O Treino das Barreiras Jornadas Técnicas da ADAL Rui Norte A Formação de um Atleta (Barreirista?) Na fase de Iniciação, devemos ter por base o desenvolvimento integral e multilateral do jovem; Devemos

Leia mais

FACULDADE DE MOTRICIDADE HUMANA. Mestrado em Treino Desportivo

FACULDADE DE MOTRICIDADE HUMANA. Mestrado em Treino Desportivo Programa de Disciplina Treino e Avaliação das Qualidades Físicas FACULDADE DE MOTRICIDADE HUMANA Mestrado em Treino Desportivo TREINO E AVALIAÇÃO DAS QUALIDADES FÍSICAS Programa da Disciplina Prof. Associado

Leia mais

JOGO (OUT 2016) - PORTO

JOGO (OUT 2016) - PORTO OBSERVAçãO, ANáLISE E INTERPRETAçãO DO JOGO (OUT 2016) - PORTO Neste curso completo de 24 horas, perceba como observar, analisar e interpretar o jogo e o jogador de futebol, assim como identificar talentos,

Leia mais

INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA

INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Ano letivo 2011/2012 INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Decreto Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Disciplina: EDUCAÇÃO FÍSICA Prova/Código: 311 Ano de Escolaridade: 12º ano (CH/AEDC) 1. Introdução

Leia mais

PLANEAMENTO DO TREINO: DA FORMAÇÃO AO ALTO RENDIMENTO

PLANEAMENTO DO TREINO: DA FORMAÇÃO AO ALTO RENDIMENTO PLANEAMENTO DO TREINO: DA FORMAÇÃO AO ALTO RENDIMENTO António Vasconcelos Raposo Treinador de Mérito de Natação Pura Desportiva Formador da Solidariedade Olímpica Internacional Formador FINA Formador da

Leia mais

JOGO (MAR 2017) - PORTO

JOGO (MAR 2017) - PORTO OBSERVAçãO, ANáLISE E INTERPRETAçãO DO JOGO (MAR 2017) - PORTO Neste curso completo de 26 horas, perceba como observar, analisar e interpretar o jogo e o jogador de futebol, assim como identificar talentos,

Leia mais

TEMA 5: Preparação física na formação de 11 a 17 anos Palestrante: Beto Carnevale

TEMA 5: Preparação física na formação de 11 a 17 anos Palestrante: Beto Carnevale Xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx TEMA 5: Preparação física na formação de 11 a 17 anos Palestrante: Beto Carnevale O técnico bem sucedido é aquele que transmite Xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

Leia mais

Treinamento de força, potência e velocidade muscular no esporte

Treinamento de força, potência e velocidade muscular no esporte Treinamento de força, potência e velocidade muscular no esporte sandrosargentim@gmail.com Sandro Sargentim Entendendo a modalidade 1.Qual a característica da modalidade? 2.A modalidade é individual ou

Leia mais

FORMAÇÃO DE TREINADORES GRAU I METODOLOGIA DE TREINO

FORMAÇÃO DE TREINADORES GRAU I METODOLOGIA DE TREINO FORMAÇÃO DE TREINADORES GRAU I DEFINIÇÃO DE ADAPTAÇÃO ADAPTAÇÃO PROCESSO PROGRESSIVO PROCESSO REGRESSIVO Reorganização após estimulo TÉCNICOS TÁTICOS FÍSICOS PSICO-COGNITIVOS Específica Limitada DEFINIÇÃO

Leia mais

Curso de Treinadores de Futebol UEFA C - Raízes / Grau I Cursos Novo Regime /2016. Componente de Formação Geral Didática do Desporto

Curso de Treinadores de Futebol UEFA C - Raízes / Grau I Cursos Novo Regime /2016. Componente de Formação Geral Didática do Desporto Curso de Treinadores de Futebol UEFA C - Raízes / Grau I Cursos Novo Regime - 2015/2016 Componente de Formação Geral Didática do Desporto (2) 2016.01.20 e 21 Rui Pedro Lima Pinho ruipinho@essps.pt Curso

Leia mais

PROJETO RIO MAIOR 2016 DESMOR CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE TRIATHLON APRESENTAÇÃO PROCESSO DE SELEÇÃO DE ATLETAS SETEMBRO 2010

PROJETO RIO MAIOR 2016 DESMOR CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE TRIATHLON APRESENTAÇÃO PROCESSO DE SELEÇÃO DE ATLETAS SETEMBRO 2010 PROJETO RIO MAIOR 2016 DESMOR CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE TRIATHLON APRESENTAÇÃO PROCESSO DE SELEÇÃO DE ATLETAS SETEMBRO 2010 1. INTRODUÇÃO A Confederação Brasileira de Triathlon (CBTri) criada no ano de

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2.º CICLO 3.º CICLO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PEDRO JACQUES DE MAGALHÃES

EDUCAÇÃO FÍSICA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2.º CICLO 3.º CICLO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PEDRO JACQUES DE MAGALHÃES 20/2016 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2.º CICLO 3.º CICLO EDUCAÇÃO FÍSICA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PEDRO JACQUES DE MAGALHÃES DEPARTAMENTO DE DEPARTAMENTO DE EXPRESSÕES 3. ÁREA Conhecimentos CAPACIDADES e CONHECIMENTOS

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA Informação

EDUCAÇÃO FÍSICA Informação PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Prova 26 / 2016 3º Ciclo do Ensino Básico 3º Ciclo do Ensino Básico Decreto-Lei nº139/2012, de 5 de julho Despacho normativo nº1-f/2016 de 5 de abril Despacho normativo

Leia mais

Qualidades Físicas Básicas na Canoagem para Iniciantes

Qualidades Físicas Básicas na Canoagem para Iniciantes 4ª Jornada Científica e Tecnológica e 1º Simpósio de Pós-Graduação do IFSULDEMINAS 16, 17 e 18 de outubro de 2012, Muzambinho MG Qualidades Físicas Básicas na Canoagem para Iniciantes Denise Miranda de

Leia mais

O TREINO DE UM(a) JOVEM MEIO- FUNDISTA

O TREINO DE UM(a) JOVEM MEIO- FUNDISTA O TREINO DE UM(a) JOVEM MEIO- FUNDISTA LEIRIA, 21/11/2009 plano da apresentação 1. Jovens meio-fundistas? 2. Que capacidades devem ser desenvolvidas por um jovem meiofundista? 3. Como desenvolver essas

Leia mais

CIRCUITO FUNCIONAL CONTOURS

CIRCUITO FUNCIONAL CONTOURS CIRCUITO FUNCIONAL CONTOURS São Paulo, 27 de Junho de 2017 PROF. MS. PAULO COSTA AMARAL 1. Tecnologias Vestíveis (aparelhos que permite uma maior interação do usuário). 2. Body Weight Training (treinamento

Leia mais

SEMANA ACADÊMICA DE EDUCAÇÃO FÍSICA

SEMANA ACADÊMICA DE EDUCAÇÃO FÍSICA SEMANA ACADÊMICA DE EDUCAÇÃO FÍSICA TÍTULO NÍVEL DE ATIVIDADE FÍSICA E ESTÁGIO DE MUDANÇA DE COMPORTAMENTO DE TRABALHADORES PRATICANTES DE GINÁSTICA LABORAL JORNALISMO ESPORTIVO E A COBERTURA DOS MEGAEVENTOS:

Leia mais

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA - EAD (Currículo iniciado em 2016)

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA - EAD (Currículo iniciado em 2016) EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA - EAD (Currículo iniciado em 2016) ANATOMIA HUMANA APLICADA À EDUCAÇÃO FÍSICA D0041/I 68 H Introdução ao estudo da anatomia humana.

Leia mais

PROGRAMA DE TREINAMENTO DE VOLEIBOL DESTINADO À COMUNIDADE UNIVERSITÁRIA

PROGRAMA DE TREINAMENTO DE VOLEIBOL DESTINADO À COMUNIDADE UNIVERSITÁRIA PROGRAMA DE TREINAMENTO DE VOLEIBOL DESTINADO À COMUNIDADE UNIVERSITÁRIA Vitor Hugo Fernando de Oliveira, Flávio da Rosa Júnior, Fábio Santos Mello Acadêmicos do Curso de Educação Física da UFSC Juarez

Leia mais

Revista Brasileira de Futsal e Futebol ISSN versão eletrônica

Revista Brasileira de Futsal e Futebol ISSN versão eletrônica 180 EFEITO DA PERIODIZAÇÃO EM FORMA DE CARGAS SELETIVAS SOBRE QUATRO CAPACIDADES FÍSICAS AVALIADAS NA EQUIPE PRINCIPAL DE FUTSAL DA ASSOCIAÇÃO ATLÉTICA BANCO DO BRASIL Martin Leandro Enriquez 1 RESUMO

Leia mais

Laboratório de Investigação em Desporto AVALIAÇÃO E CONTROLO DO TREINO 2014

Laboratório de Investigação em Desporto AVALIAÇÃO E CONTROLO DO TREINO 2014 INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM ESCOLA SUPERIOR DE DESPORTO DE RIO MAIOR AVALIAÇÃO E CONTROLO DO TREINO 2014 Equipa: Doutor João Brito (coordenador) Doutor Hugo Louro Doutora Ana Conceição Mestre Nuno

Leia mais

Horário de Aula 2017/1 - Educação Física - LICENCIATURA

Horário de Aula 2017/1 - Educação Física - LICENCIATURA Horário de Aula 2017/1 - - LICENCIATURA TURMA L1 (1º Período) 07:30-8:20 ESP054 - Antropologia e 8:20-9:10 09:30-10:20 EEF021 - Formação e Atuação em EFI041 - História e Educação ESP055 - Ginástica Física

Leia mais

ANEXO I UNIVERSIDADE DA REGIÃO DE JOINVILLE UNIVILLE COLÉGIO DA UNIVILLE PLANEJAMENTO DE ENSINO E APRENDIZAGEM

ANEXO I UNIVERSIDADE DA REGIÃO DE JOINVILLE UNIVILLE COLÉGIO DA UNIVILLE PLANEJAMENTO DE ENSINO E APRENDIZAGEM ANEXO I UNIVERSIDADE DA REGIÃO DE JOINVILLE UNIVILLE COLÉGIO DA UNIVILLE PLANEJAMENTO DE ENSINO E APRENDIZAGEM 1. Curso: Missão do Colégio: Promover o desenvolvimento do cidadão e, na sua ação educativa,

Leia mais

A classificação do exame corresponde à média aritmética simples, arredondada às unidades, das classificações das duas provas (escrita e prática).

A classificação do exame corresponde à média aritmética simples, arredondada às unidades, das classificações das duas provas (escrita e prática). INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Nº 2/2016 EDUCAÇÃO FÍSICA Prova Escrita e Prova Prática Maio 2016 Prova 28 2016 2.º Ciclo do Ensino Básico (Decreto-Lei n.º 17/2016, de 4 de abril) O presente

Leia mais