UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO O COACHING NO DESENVOLVIMENTO DE HABILIDADES E COMPETÊNCIAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO O COACHING NO DESENVOLVIMENTO DE HABILIDADES E COMPETÊNCIAS"

Transcrição

1 1

2 2 UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO O COACHING NO DESENVOLVIMENTO DE HABILIDADES E COMPETÊNCIAS FRANCISCO DE PAIVA BARRETO NETO QUEIMADOS 2012

3 3 O COACHING NO DESENVOLVIMENTO DE HABILIDADES E COMPETÊNCIAS FRANCISCO DE PAIVA BARRETO NETO Trabalho apresentado à Universidade Estácio de Sá como requisito parcial para obtenção do grau de Bacharel em Administração. Orientador: Andréia Karina Carvalho Gendera Co-orientador: Dimas Ferreira Vidal QUEIMADOS 2012

4 0 RESUMO A pesquisa objetivou explicar sobre a definição e conceitos do processo de coaching, e de que maneira este processo pode ser uma solução para o desenvolvimento de habilidades e competências dos funcionários de uma organização. A base teórica foi explorada em publicações de obras literárias que abordam sobre o coaching, habilidades e competências, aprendizagem organizacional, liderança e motivação, tal como nas obras de KRAUSZ(2007), CLUTTERBUCK(2008), entre outros. Foi utilizado, para complementar a base teórica, dissertações que continham pesquisas sobre o coaching. A partir das pesquisas realizadas observou-se que o processo de coaching, se devidamente aplicado, pode ser uma interessante solução para o desenvolvimento de habilidades e competências dos funcionários. Palavras chaves: Coach, Coaching, habilidades, competências.

5 1 ABSTRACT The research aimed to explain about the definition and concepts of the coaching process, and how this process can be a solution for the development of skills and competencies of employees of an organization. The theory was explored in publications of literary works that address on the coaching skills and competencies, organizational learning, leadership and motivation, as in the works of KRAUSZ (2007), Clutterbuck (2008), among others. Was used to complement the theoretical papers containing research on coaching. From the surveys showed that the coaching process, if properly applied, can be an interesting solution for the development of skills and competencies of employees. Keywords: Coach, Coaching, skills, competencies.

6 2 SUMÁRIO 1.1 INTRODUÇÃO DEFINIÇÃO DO PROBLEMA OBJETIVOS OBJETIVOS GERAIS OBJETIVOS INTERMEDIÁRIOS TIPOS DE PESQUISA JUSTIFICATIVA REFERENCIAL TEÓRICO HABILIDADES, COMPETÊNCIAS E APRENDIZADO APRENDIZADO ORGANIZACIONAL LIDERANÇA E MOTIVAÇÃO Liderança Motivação COACHING E SEUS CONCEITOS Coaching e suas similaridades Por que usar o coaching? Áreas do coaching Intervenção do coaching O LÍDER COACH Sobre o coachee A importância do Feedback CONCLUSÃO REFERÊNCIAS... 23

7 3 1. INTRODUÇÃO O mundo atual é mais sujeito à pressões causadas por mudanças proporcionalmente grandes, e em períodos de tempo relativamente curtos como nas palavras de Krausz(2007). Cada vez mais o mundo corporativo necessita de funcionários mais qualificados e mais ágeis. Devido a tais mudanças os trabalhos que até então eram rotineiros e repetitivos passaram a necessitar de soluções criativas e inovadoras, de uma maneira que o ambiente e as situações não proporcionem chances de as organizações terem um tempo considerável de resposta. Em meio a exigências tão grandes no mundo corporativo, surge o coaching. O coaching é uma metodologia de desenvolvimento pessoal e profissional já bastante popular nos Estados Unidos, ganhou espaço na Europa, e lentamente vem sido reconhecido no Brasil. O coaching tem uma proposta de trabalho com tempo determinado, que procura mudanças em curto prazo. Nessa pesquisa serão abordados assuntos como: o que é o coaching, os benefícios que este pode proporcionar, e como tal metodologia pode desenvolver o conhecimento e habilidades nos funcionários de uma empresa. 1.2 DEFINIÇÃO DO PROBLEMA Em meio às exigências das organizações no que diz respeito à qualificação dos funcionários, e a procura de soluções para tal que tenham resultados á curto prazo. Será apresentado nesta pesquisa respostas para o seguinte questionamento: A utilização do coaching pode colaborar para o desenvolvimento de habilidades e competências de executivos de uma empresa? 1.3 OBJETIVOS OBJETIVOS GERAIS Demonstrar como a utilização do coaching pode colaborar para o desenvolvimento de habilidades e o aprendizado dos executivos de uma empresa.

8 OBJETIVOS INTERMEDIÁRIOS Explicar sobre o processo de coaching, e sobre os envolvidos que participam desse processo; Conceituar liderança; motivação, habilidades e competências; Abordar sobre aprendizado; Diferenciar coaching de suas similaridades; Ressaltar a importância do feedback; 1.4 TIPOS DE PESQUISA De acordo com a proposta de Vergara (2005), esta pesquisa será estruturada de acordo com os fins, e de acordo com os meios. Quanto aos fins, esta pesquisa será explicativa, afim de, expôr, definir e especificar o tema proposto, e de que maneira este poderá solucionar a problemática em questão. Quanto aos meios, será bibliográfica, buscando respostas e conceitos em pesquisas e obras já publicadas por autores dominantes no assunto proposto. 1.5 JUSTIFICATIVA O coaching tem sido uma opção que várias empresas adotam para o desenvolvimento profissional de seus funcionários. Segundo Krausz (2007), Coaching é um processo que contribui para: a transformação das pessoas, aprofundamento da aprendizagem, obtenção de novas habilidades e capacidades. Trabalha com uma forma de provocação, estimulando a aprendizagem e o desenvolvimento contínuo. Portanto essa pesquisa terá o objetivo de explicar o coaching e os benefícios de sua aplicação.

9 5 2 REFERENCIAL TEÓRICO 2.1 HABILIDADES, COMPETÊNCIAS E APRENDIZADO. A habilidade pode ser definida como a maneira de aplicar conhecimento segundo Resende (2008). É diferente de especialidades específicas, já que habilidade pode se referir a diversas profissões. Habilidade é a maneira de agir e aplicar conhecimentos. Alguns exemplos de tipos de habilidades são citados por Resende (2008) 42p. Ter pensamento ágil, facilidade para aprender, saber ouvir, ter facilidade para fazer cálculos, saber impor respeito, ter senso prático, senso estético, presença de espírito, saber levar na brincadeira, saber prender a atenção do público. A respeito de desenvolvimento de habilidades, Paviani (2003) dá atenção ao conhecimento prático, ou seja, que a obtenção de conhecimentos teóricos não necessariamente qualifica o profissional como um sujeito hábil. O conhecimento se torna eficaz quando se torna prático, pois muitas pessoas podem possuir informações sobre determinado assunto mas não sabem aplicá-lo,o aprendizado se conclui quando se adquiri habilidades, o conhecimento precisa de habilidades, e essa por sua vez do conhecimento. Habilidade nas palavras de Goulart (2010), é a capacidade de transformar conhecimento adquirido em resultado, conhecimento este que é o nível de informação que se domina sobre determinado assunto. Tal pensamento é compartilhado por Chiavenato (2007), que define habilidades como capacidade de aplicar o conhecimento adquirido em soluções práticas. Conhecimento este que só tem valor de fato quando é posto em prática. Como na afirmação de Carrilho Cruz (2005), as competências se consolidam com a prática das habilidades. Pois as competências não se restringem a apenas os conhecimentos, as atitudes fazem parte desta abrangência. As habilidades compõem as competências, são uma junção de recurso e resultado. São desenvolvidas quando as capacidades são postas em ação. As habilidades devem se mobilizar com o saber e o ser, assim feito, são constituídas

10 6 novas competências ( Ramos, 2001 apud Carrilho Cruz, 2005). A competência, no ponto de vista das empresas, é a capacidade de transformar tecnologia conhecida sobre algo ou assunto e transformar em produto.a colocação do conhecimento a serviço das empresas (Machado, 2000 apud Carrilho Cruz, 2005). Seguindo as palavras do autor a competência é a junção do saber, saber fazer-fazer e saber ser. Afim de que se execute uma atividade. Corresponde não somente ao conhecimento, como também as experiências vividas. Sob a ótica de Resende (2008), competência compreende na capacidade das pessoas e organizações de dominar e aplicar conhecimentos. O conhecimento pode ser ilustrado como matéria-prima, e a competência como a capacidade de utilizá-la, estes conhecimentos podem ser processados com mais competências, ou menos competências. Todas as profissões requerem competências específicas para que assim suas atividades sejam devidamente executadas. Alguns exemplos de tipos de competências são citados por Resende (2008) (p.44): Saber elaborar projetos de engenharia, saber diagnosticar defeitos em motores, saber consertar telefones celulares, saber liderar reuniões, saber redigir bula de remédio com clareza, saber dar feedback saber fazer churrasco, saber dirigir carretas, saber identificar espécies de plantas, saber tratar bem os clientes etc... Encontra-se vários conceitos sobre competências nas afirmações de Boog (1991) apud Bitencourt (2004), algumas delas são: a qualidade de resolver determinado assunto, ter capacidade, habilidade, aptidão e idoneidade. São características de um indivíduo que influencia em seu desempenho no trabalho Spencer (1993) apud Bitencourt (2004). São atitudes relevantes para que se obtenha o resultado de alto desempenho no trabalho, seja na carreira como todo ou numa estratégia corporativa (Sparrow e Bognanno, 1994 apud Bitencourt, 2004). Ou simplesmente " competência é o resultado final da aprendizagem" (Bruce, 1996 apud Bitencourt, 2004).

11 7 Competência organizacional, é um conjunto de capacidades providas pelas pessoas, que desenvolvem valor agregado a organização, ao próprio indivíduo e ao ambiente onde estão inseridos. (AZEVEDO; SORDI, 2007) Competência organizacional é a capacidade de um individuo de mobilizar recursos, sejam tangíveis ou intangíveis, que proporcionará um resultado que irá agregar vaolres sejam para o indivíduo e para a organização. Comini, Matsuzaki, Bose, Silva (2009) apud Fleury e Fleury, APRENDIZADO ORGANIZACIONAL Sobre ensinamento e aprendizagem, (Heidegger[?] apud Paviani, 2003) aborda que o ensinamento implica em deixar aprender, não pode ser encarado com uma questão de imposição. O aprender implica em escolhas, decisões e assumir responsabilidades. No aprender não se deve se preocupar com apenas estar informado, é preciso saber-fazer, efetivar a habilidade. Sobre o desenvolvimento organizacional Bitencourt (2004) afirma que, empresas investem em programas de treinamento e desenvolvimento, e de fato observa-se que há aprendizagem no final do processo. Porém, os resultados não se tornavam tangentes na prática, o aprendizado não se transferia para o ambiente de trabalho. A partir disto, houve mudanças nas diretrizes de aprendizado. No caso, focar menos no treinador e mais nas pessoas, alinhá-las com o objetivo da empresa. No desenvolvimento de pessoas, procura-se propiciar progressos através da interação com outras pessoas e o exercício das habilidades. Afinal, a aprendizagem do homem, segundo From (1979) apud Bitencourt (2004). É um processo ativo, que está sempre exercitando o modo ser e o modo ter, que no caso, é a manutenção da aprendizagem na memória. A autora ainda afirma que o auto desenvolvimento consiste em autonomia, em escolhas próprias, num processo que promova a reflexão, propiciando assim uma aprendizagem contínua. Aprendizagem organizacional segundo Bitencourt (2004), consiste numa resposta às mudanças sofridas pela empresa, no intuito de estimular o aprendizado contínuo, aproveitar-se de experiências adquiridas e transformar em conhecimento, não apenas adquirir conhecimento mas a mudança de

12 8 comportamento deve fazer parte desse processo para aumentar o desempenho. Este conhecimento visa aumentar o desempenho da organização.para isto as pessoas envolvidas devem participar ativamente das estratégias e procedimentos adotados para atingirem os melhores resultados. A aprendizagem organizacional segundo Carvalho (1999), está ligada a necessidade das organizações de obterem modificações rápidas devido a imprevisibilidades. As pessoas e as organizações devem ser adaptáveis, possuir capacidade de se modificarem, afim de que tenham alternativas para solução de problemas cotidianos. Ou seja está tudo relacionado a uma necessidade de sobrevivência. O autor ainda afirma que as organizações não possuem o feitio de estarem preparadas para mudanças e adversidades, isso é reflexo do comportamento humano, que se prepara sempre para a estabilidade e não para a imprevisibilidade. Uma organização renovável segundo Gardner apud Carvalho (1999), buscam alternativas para enfrentar desafios; não se preocupam com o passado e regras convencionais; são pré dispostas a assumir riscos; superam os próprios desafios de mudanças; e procuram manter um contínuo aprendizado. As organizações segundo Etzioni apud Carvalho (1999) são uma constante na realidade da sociedade, uma vez que muitas das nossas etapas de vida se passam em organizações. Visto que, a época atual, é uma época turbulenta e de constantes transformações, a sociedade deve-se moldar a essas transformações, no caso, uma sociedade com capacidade de aprender. Para o desenvolvimento de equipes Goulart (2010) afirma que as organizações devem ter como objetivos gerais a garantia da produção mediante a satisfação dos funcionários. E específicos de proporcionar a interdependência dos funcionários sejam pessoal, funcional, organizacional. Devem também: proporcioná-los o autoconhecimento de suas características próprias para desenvolver suas capacidades de relacionamento; estimular a troca de feedbacks para que aumente a produtividade e a satisfação; analisar e atender as necessidades dos funcionários. Lembrando que desenvolvimento de equipes propicia: auto-avaliação e auto percepção; trocas de feedback's construtivos afim de gerar confiança, valoriza a interdependência, e estimula os questionamentos mediante a tabus e conservadorismo.

13 9 2.3 LIDERANÇA E MOTIVAÇÃO Liderança Pode-se definir liderança como nas palavras de Robbins (2008), que diz que liderança é a capacidade de influenciar uma ou mais pessoas para alcançar um objetivo. Uma capacidade de influenciar comportamentos e idéias e direcioná-los para a execução do objetivo, diz Chiavenato (2009), enfatizando impor ordens já não é suficiente nos dias de hoje. Lembrando que Robbins (2008) ressalta que a liderança formal, no caso a que é imposta por meio de cargos específicos dentro da organização, não garanti que uma performance eficaz na hora da influencia perante os subordinados, afirma também que, a liderança conquistada externamente perante a formalidade da organização é tão, ou mais, importante que a liderança formal. Enfatizando a última informação, Chiavenato (2009) chama à atenção ao conceito antigo sobre liderança, que é o caso dos traços de personalidade. Que as pessoas nascem com esse dom, tal como empatia, relacionamento, determinação. Conceito este que é ignorado hoje em dia. Existe três tipos de liderança no conceito de Chiavenato (2009), a liderança autocrática, liderança liberal e liderança democrática. A liderança autocrática é o estilo autoritário, decisões centralizadas, e os subordinados apenas obedecem. É o estilo ideal para trabalhos simples e rotineiros. A liderança liberal é o estilo que proporciona liberdade total aos subordinados, mais adequado para equipes que exerçam trabalhos criativos. A liderança democrática consiste numa maior troca de informações, há diálogos e discussões sobre o assunto a ser tratado, o líder define o objetivo, e decide junto com a equipe quais as melhores decisões a serem tomadas. Liderar, segundo Khoury (2010) é influenciar os acontecimentos dentro do ambiente no qual se está inserido. Estes acontecimentos tanto podem ser a mudança que se deseja na própria vida, quanto a inspiração de outras pessoas a compartilhar de um objetivo. É ideal que o líder tenha como características: a comunicação, iniciativa, respeito, ter bons relacionamentos, resolução de

14 10 conflitos, ter energia, ser flexível, estimular a melhora tanto das pessoas quanto do ambiente. A respeito de liderança, Clutterbuch (2007) afirma que o líder deve ter a capacidade de proteger a equipe do mundo externo, desenvolver as habilidades de equipe, motivá-la, esclarecer as metas, e deixar a equipe numa posição confortável para que esta desempenhe as tarefas com sucesso. O líder deve encorajar a sua equipe, estimular para que cada um dos membros cumpra a sua parte nas tarefas, e também servir de exemplo para estes Motivação Algumas das definições sobre motivação podem ser descritas com as de Robbins (2008), que afirma que este é um comportamento externado, é uma disposição para realizar alguma coisa para assim satisfazer uma necessidade, tal necessidade viria de algum tipo de deficiência, que faça com que o indivíduo passe a visualizar resultados que pareçam interessantes. Lembrando que Robbins (2008) ressalta que pessoas motivadas exercem atividades melhor do que aquelas que não estejam motivadas, logo, funcionários que trabalham com afinco, assim estão porque estão visando uma meta a ser alcançada. A motivação nos conceitos de Chiavenato (2009), é a influência no comportamento de um indivíduo, o motivo é uma razão para um comportamento, o motivo faz um indivíduo buscar um objetivo. Logo motivar é o despertar interesse e entusiasmo em alguém, para determinado assunto. A motivação, nas palavras de Limão Ervilha (2008), é uma das missões mais difíceis da liderança, pois, além do estágio de influenciar as pessoas para que compartilhem de um mesmo propósito, devem motivá-las para que executem continuamente o que tem para se fazer. A motivação é algo pessoal, bem íntimo, portanto, o líder deve achar essa razão nas pessoas para que elas tenham sua motivação alimentada. O autor lembra da conhecida hierarquia das necessidades de Maslow. Na qual as prioridades seguem em: necessidades fisiológicas, proteção e segurança, necessidades sociais, necessidades do ego, e nem sempre realizadas, as necessidades de auto-realização.

15 11 As necessidades básicas humanas elaboradas por Maslow (1943), também tem atenção recebida por Chiavenato (2009), na adaptação do autor, as necessidades são: Necessidades fisiológicas: São as vitais e biológicas; relacionadas à sobrevivência da espécie/ pessoa. Ex: Alimentação, hidratação, dormir etc... Necessidades de segurança: relacionada à proteção e segurança contra o perigo, sobrevivência do indivíduo. Ex: Desejo de proteção, fugir ou evitar o perigo; Necessidades sociais: De vida associativa, no caso, integração com outros da mesma espécie, amizades, afeição, relações amorosas, participação de grupos sociais, aceitação social, entre outras... Necessidades de estima: a respeito de auto-avaliação, amor próprio, reconhecimento, reputação, prestígio, entre outras... Necessidades de realização: relativo ao auto-desenvolvimento, a máxima realização, sucesso pessoal, ambições, são necessidades mais sofisticadas; Na figura 1, é reproduzido uma modelo de pirâmide de necessidades humanas elaborado por Maslow (1943). Figura 1. Modelo de pirâmide de necessidades básicas humanas, adaptado de Maslow.

16 COACHING E SEUS CONCEITOS Podemos definir coaching de várias maneiras, segundo Krauz (2007), o coaching é um processo que facilita o aprendizado e o desenvolvimento das pessoas, estimula a capacidade de reinvenção e de escolher alternativas. Os objetivos e os resultados são definidos pelo treinado (coachee), e o treinador (coach) o auxilia a alcançar tais objetivos. A autora também afirma que, o coaching contribui para que as pessoas e os grupos reflitam sobre suas visões, valores e crenças, aprofundem o aprendizado e incorporem novas habilidades e capacidades, ou seja, como já foi dito ajuda a estimular o desenvolvimento das pessoas. O coach e o coachee buscarão juntos o alcance dos desejos do coachee. Isso tudo pode ser enfatizado pelas palavras de Clutterbuck (2008), que diz que os profissionais de coaching atuam externamente para que os treinados se potencializem internamente, eles (coach) utilizam de ferramentas para que os treinados acessem seus recursos, tanto internos como externos, para que estimulem o desenvolvimento. A partir das palavras de Chiavenato (2002) apud Garcia (2011) a definição básica de coaching consiste na atividade que envolve o Coach ( profissional que se compromete a coordenar o processo de coaching), e o coachee ( o que receberá o processo de coaching). Essa atividade objetiva o alcance de resultados, aprendizado de novas competências, crescimento profissional, obtenção de novos comportamentos, entre outras... Assim como é confirmado pelas pesquisas realizadas por Frisch (2001) apud Ferreira (2008) que coaching é uma atividade intervencionista que visa o crescimento profissional dos subordinados. Poderá ser conduzido por um agente externo à organização, ou por um gestor participante desta.seja quem for o responsável, este o será no objetivo de promover o desenvolvimento da equipe, e eliminar as adversidades que impedem o bom desempenho( apud, Frisch 2001, Lages e O'Connor 2004, Minor 2001, Whitmore 2005). A origem e o significado da palavra coach é um assunto complexo segundo Sztucinski(2001) apud Ferreira(2008), o termo origina-se da França antiga, no caso coche, e é um nome dado a um tipo de carruagem. Porém uma outra corrente afirma que tal termo teria surgido na Hungria, no caso Kocsi. Tal fato

17 13 também é confirmado pelas pesquisas de Merrian-Webster (?) apud Blanco(2006) que afirma que este termo é originário da cidade de Kocs na Húngria, e que se espalhou por demais localidades na Europa, pelos nomes de Kustche na Alemanha, e Coche na França Coaching e suas similaridades Como já foi mencionado o coaching utiliza-se de variados tipos de ferramentas de várias ciências, essa é uma razão que faz com que este processo venha a ser confundindo com algumas outras abordagens no mundo executivo. Será abordado a seguir as diferenças com algumas técnicas, no caso: Mentoring, treinamento e aconselhamento. Segundo Krauz (2007), define-se mentoring como transferência de conhecimentos, de um indivíduo mais experiente, para outro mais novo, novato, em iniciação. É o desenvolvimento profissional no qual as razões estão de acordo com a empresa especificamente onde estão inseridos, são as habilidades, comportamentos, e cultura da empresa. Enquanto no coaching trabalha-se com estímulo ao desenvolvimento, a facilitação a aprendizagem. Diferentemente do mentoring que se baseia na orientação. Embora a princípio as palavras, treinamento e coaching, soem ter o mesmo significado há diferenças. Segundo Krauz (2007), o treinamento caracteriza-se pelo aprendizado de habilidades para que se execute atividades específicas no trabalho, ou seja a aquisição e aperfeiçoamento de habilidades. Já o coaching lida com o desenvolvimento do potencial, busca resultados mais elevados, e também a mudança de comportamento. O aconselhamento tem um propósito próximo ao de uma terapia, como procura o bem estar emocional do cliente. Existe uma certa hierarquia entre o profissional e o cliente, o segundo tem uma problemática, um obstáculo, enquanto o primeiro tem a solução para o assunto em questão. A diferença que este processo tem em relação ao coaching começa pelo fato de o último não tomar a atitude de aconselhar, jamais diz ao cliente o que fazer, seguindo sempre a filosofia de estimulá-lo a procurar por sí próprio as respostas que precisa.

18 Por que usar o coaching? Encontram-se então os seguintes questionamentos: Por que deve-se usar o coaching? Em que o coaching pode ser útil nas organizações? Na verdade, inúmeros podem ser os benefícios do coaching, procurando tais motivos que confirmem esta afirmativa na literatura aqui podem ser listados alguns. Tal como afirma Landsberg () apud Clutterbuck (2007): "O processo de coaching busca aprimorar nas pessoas seu desempenho e sua capacidade de aprender. Implica fornecer feedback, mas também usa outras técnicas, como motivação, questionamentos eficazes e a adequação do estilo de gerenciamento do coach à prontidão dos coachees para se dedicarem a uma determinada tarefa. Esse processo baseia-se em ajudar o coachee a se ajudar por meio de uma interação dinâmica o coaching não depende de só uma pessoa que diz como fazer, e que dá as instruções." Seguindo a mesma literatura, tal como John Whitmore(2006) apud Clutterbuch(2008): "Destrava o potencial de uma pessoa para maximizar o próprio desempenho... ajudando-a a aprender em vez de ensinar-lhe alguma coisa." Percebe-se que o apoio é um elemento presente neste processo, tal como mais uma vez afirma Clutterbuch (2008), que o coach trabalha com questionamentos, afim de que o coache desenvolva a sua compreensão, seja, das situações, dos processos, e de fatores internos e externos que venham a interferir no seu desempenho tanto de maneira positiva como negativa. O coach deve sempre estimular o coache a manter a motivação necessária para o cumprimento das metas, e também deve estar disponível sempre que o coache estiver precisando. O coaching é muito procurado pelas organizações hoje em dia devido à necessidade de se amenizar o estresse, e o fracasso executivo. E esse pode sim ser uma grande ajuda no que diz respeito à superação dessas adversidades dentro do contexto organizacional, segundo as palavras de Skiffington e Zeus( 2005) apud Almeida (2011). O coaching para Boyatzys e Mckee (2006),colabora para o desenvolvimento contínuo de líderes eficazes dentro da empresa, afinal, as

19 15 empresas de hoje em dia preferem desenvolver pessoas para se tornarem líderes. Coaches ensinam liderança e ajudam a desenvolver habilidades para a boa administração. Em resumo o coach oferece apoio para que as pessoas tenham um desenvolvimento pessoal e profissional. O coaching para Holloway e Kusy (2010) é uma alternativa para reter talentos na empresa, aprimorando habilidades de liderança nos funcionários pertencentes a empresa. Ajuda a desenvolver os pontos fortes dos profissionais, planeja melhoria em outras áreas, promove o potencial dos funcionários na questão das metas e necessidades da empresa Áreas do coaching Pelos conceitos praticamente unânimes dos autores, o coaching pode ser dividido em duas áreas basicamente. O coaching pessoal, e o coaching executivo. No coaching pessoal, ou individual ou carreira, segundo os conceitos de Krausz (2007). Refere-se a questões íntimas, muitas vezes um objetivo pessoal, despretencioso, ou não, com questões profissionais. No coaching executivo, ou empresarial, organizacional, corporativo. Trabalha-se com um contexto de uma empresa. Assegurando os interesses desta, capacitando uma pessoa ou grupo no intuito de aumentar o desempenho como um todo. A diferença entre os dois, segundo Rego (2007), é que no individual é justamente centralizado num indivíduo. No coaching executivo o foco é baseado no indivíduo, e na empresa. O coaching executivo compreende sim ao indivíduo em sí, só que no plano sistêmico da empresa, vai muito mais além Intervenção do coaching Existe sete passos principais no processo de intervenção de coaching segundo Clutterbuck (2008). Os passos são estes: Identificar a necessidade de melhora ou mudança - O coaching sempre começa a partir de uma necessidade de mudança, geralmente o cliente assiná-la

20 16 ou possui essa necessidade. Ou esta pode surgir de maneira imposta dentro do contexto no qual esteja inserido, como uma meta nova no trabalho por exemplo. Observar ou reunir evidências - É importante que o coachee esteja ciente do desempenho almejado, e também dos fatores críticos que o prejudicam nessa busca, nessa momento deve ser feito constantes observações dos acontecimentos que influem esses fatores. Motivar para determinar e alcançar metas de evolução pessoal - Esse é o momento de confrontar o coache, evidenciando os benefícios a serem alcançados se o devido esforço for aplicado. Ajudar a planejar como alcançar essas metas - Deve-se esclarecer os resultados, identificar os fatores que favorecem, e os que não favorecem o objetivo, subdividir as tarefas, e identificar o progresso. Criar oportunidades para praticar as habilidades desejadas - Por em prática os planos elaborados. Observar ações e oferecer feedback objetivo - Oferecer feedback objetivo para impactar o coach, afim de que o feedback externo venha a se tornar interno, no caso, o feedback próprio. Ajudar a superar contratempos - Os contratempos podem ser um elemento essencial para a desmotivação do coache, o coach deve ajudá-lo a superar isso. Deve-se encorajar, reforçar a confiança, afastar-se um pouco dos problemas, reavaliar as motivações, re-elaborar as metas caso necessário, rever os recursos disponíveis, e fazer o relançamento do processo.

21 O LÍDER COACH O líder coach, que também pode ser conhecido como líder treinador, é definido por Khoury (2010) justamente como um treinador, alguém que se preocupa com o desenvolvimento dos integrantes de sua equipe, ajuda a visar as metas da equipe e a desenvolver as competências necessárias para assim alcançá-las. As críticas construtivas fazem parte deste processo, no intuito de melhorar a performance dos colaboradores, no caso o ajudando a identificar as suas forças e fraquezas. Ela também ressalta que essas atitudes de demonstração de interesse do líder pode provocar a motivação por parte da equipe. Quadro 1. Atividades descrição das atividades a serem feitas pelo coach O que o coach faz a respeito de comunicação e questionamentos; Pratica questionamentos sobre o assunto tratado, afim de provocar reflexões sobre o assunto; Promove diálogos transparentes, para que os clientes se expressem a vontade sobre os assuntos que desejarem; Procura ser empático com os colaboradores; O coach não deve ensinar, deve promover a aprendizagem; Transfere as responsabilidades para os funcionários, continuam auxiliando-os, porém, não assume as responsabilidades dos funcionários; Contém-se em proporcionar resposta e soluções aos colaboradores; Promove ambientes propícios ao aprendizado; Procura promover a ampliação das perspectivas dos clientes, no caso, encoraja os a trabalharem em outras áreas, pondo em teste seus conhecimentos; Proporciona recursos como informações e materiais de aprendizado, ajuda a remove obstáculos que impedem o desenvolvimento dos colaboradores; O coach proporciona feedback; Proporciona feedback aos colaboradores. O feedback observacional, após observar as ações do funcionários; feedback reflexivo, agir como reflexo dos colaboradores para que tenham noção sobre a opinião dos demais sobre as suas ações; e o último tipo de feedback consiste em proporcionar feedback dos clientes internos dos colaboradores; Solicita o feedback por parte dos funcionários, para se ter noção das idéias e concepções sobre as atividades executadas;

O PROCESSO DE COACHING EXECUTIVO E EMPRESARIAL: PERCEPÇÕES DE GESTORES DE RECURSOS HUMANOS PSICÓLOGOS E DE OUTRAS FORMAÇÕES

O PROCESSO DE COACHING EXECUTIVO E EMPRESARIAL: PERCEPÇÕES DE GESTORES DE RECURSOS HUMANOS PSICÓLOGOS E DE OUTRAS FORMAÇÕES 26 a 29 de outubro de 2010 ISBN 978-85-61091-69-9 O PROCESSO DE COACHING EXECUTIVO E EMPRESARIAL: PERCEPÇÕES DE GESTORES DE RECURSOS HUMANOS PSICÓLOGOS E DE OUTRAS FORMAÇÕES Dione Nunes Franciscato 1 ;

Leia mais

Catálogo de treinamentos

Catálogo de treinamentos Catálogo de treinamentos 11 3892-9572 www.institutonobile.com.br Desenvolvendo seus Talentos O Instituto Nobile desenvolve as mais modernas soluções em treinamento e desenvolvimento. Oferecemos programas

Leia mais

Prof. Gustavo Nascimento. Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA

Prof. Gustavo Nascimento. Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA Prof. Gustavo Nascimento Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA A liderança e seus conceitos Liderança é a capacidade de influenciar um grupo para que as metas sejam alcançadas Stephen Robbins A definição de liderança

Leia mais

RECONHECIDO INTERNACIONALMENTE

RECONHECIDO INTERNACIONALMENTE RECONHECIDO INTERNACIONALMENTE COACHING EDUCATION By José Roberto Marques Diretor Presidente - Instituto Brasileiro de Coaching Denominamos de Coaching Education a explicação, orientação e aproximação

Leia mais

Coaching Executivo: Coaching como instrumento fundamental do Líder

Coaching Executivo: Coaching como instrumento fundamental do Líder Coaching Executivo: Coaching como instrumento fundamental do Líder I Simpósio Coaching - Arte e Ciência CRA-SP 28 de maio de 2013 1 COACH Sentido original da palavra: veículo para transporte de pessoas.

Leia mais

Coaching de Equipe: Mitos e Realidade - Pré Congresso Rosa Krausz novembro / 2015

Coaching de Equipe: Mitos e Realidade - Pré Congresso Rosa Krausz novembro / 2015 Coaching de Equipe: Mitos e Realidade - Pré Congresso Rosa Krausz novembro / 2015 Rosa Krausz Coaching de Equipe: Mitos e Realidade EQUIPE Uma EQUIPE é um número limitado de pessoas, com habilidades complementares,

Leia mais

SEMIPRESENCIAL 2013.1

SEMIPRESENCIAL 2013.1 SEMIPRESENCIAL 2013.1 MATERIAL COMPLEMENTAR II DISCIPLINA: GESTÃO DE CARREIRA PROFESSORA: MONICA ROCHA LIDERANÇA E MOTIVAÇÃO Liderança e Motivação são fundamentais para qualquer empresa que deseja vencer

Leia mais

Personal and Professional Coaching

Personal and Professional Coaching Personal and Professional Coaching Seu salto para a excelência pessoal e profissional 1 O novo caminho para o sucesso e a realização pessoal! Todos sabem que para ser médico, advogado, dentista ou engenheiro

Leia mais

Título de apresentação principal em Calibri tamanho 18

Título de apresentação principal em Calibri tamanho 18 COACHING Título de apresentação principal em Calibri tamanho 18 O novo caminho para o sucesso e a realização pessoal! Todos sabem que para ser médico, advogado, dentista ou engenheiro são necessários anos

Leia mais

COACHING. Imagem Evolução do Coaching por Coach Douglas Ferreira. Veja um pouco de sua evolução.

COACHING. Imagem Evolução do Coaching por Coach Douglas Ferreira. Veja um pouco de sua evolução. Faculdade Tecnologia Senac. Goiania,29 de maio de 2014. Nome: Thiago Pereira Profº Itair Pereira da Silva GTI 1 - Matutino COACHING O Coaching é um processo, com início, meio e fim, definido em comum acordo

Leia mais

Diferenças entre Coaching, Mentoring e Counseling: Desmistificando o Coaching

Diferenças entre Coaching, Mentoring e Counseling: Desmistificando o Coaching Diferenças entre Coaching, Mentoring e Counseling: Desmistificando o Coaching Diferenças entre Coaching, Mentoring e Counsuling: Desmistificando o Coaching Inquietações... O que é? Para que serve? Quem

Leia mais

Aperf r e f iço ç a o m a ent n o t o Ge G re r nci c al a para Supermercados

Aperf r e f iço ç a o m a ent n o t o Ge G re r nci c al a para Supermercados Aperfeiçoamento Gerencial para Supermercados Liderança Liderança é a habilidade de influenciar pessoas, por meio da comunicação, canalizando seus esforços para a consecução de um determinado objetivo.

Leia mais

COACHING: ESTUDO DOS BENEFÍCIOS QUE A TÉCNICA PODE OFERECER A UMA REDE DE IMOBILIÁRIAS E A SEUS PARCEIROS

COACHING: ESTUDO DOS BENEFÍCIOS QUE A TÉCNICA PODE OFERECER A UMA REDE DE IMOBILIÁRIAS E A SEUS PARCEIROS COACHING: ESTUDO DOS BENEFÍCIOS QUE A TÉCNICA PODE OFERECER A UMA REDE DE IMOBILIÁRIAS E A SEUS PARCEIROS RESUMO Priscila Alves Moreira Robésio Teixeira Gomes Partindo do pressuposto de que o coaching

Leia mais

Motivação de Equipes de Projeto O papel do Gerente de Projetos

Motivação de Equipes de Projeto O papel do Gerente de Projetos Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação em Gestão de Projetos - Turma 150 Agosto/2015 Motivação de Equipes de Projeto O papel do Gerente de Projetos Lucas Rossi Analista de Negócios lucasrossi_@hotmail.com

Leia mais

PRO PERFORMANCE EMPRESAS

PRO PERFORMANCE EMPRESAS Uma proposta cultural única aprimore o seu potencial Crie um versão melhor de is mesmo Conheça, pratique, supere-se, aprimore-se PRO PERFORMANCE EMPRESAS Programa de Excelência e Alta Performance para

Leia mais

TÍTULO: O PAPEL DA LIDERANÇA NA MOTIVAÇÃO DENTRO DO AMBIENTE ORGANIZACIONAL UM ESTUDO NA EMPRESA VISÃO DIGITAL 3D E-COMMERCE

TÍTULO: O PAPEL DA LIDERANÇA NA MOTIVAÇÃO DENTRO DO AMBIENTE ORGANIZACIONAL UM ESTUDO NA EMPRESA VISÃO DIGITAL 3D E-COMMERCE TÍTULO: O PAPEL DA LIDERANÇA NA MOTIVAÇÃO DENTRO DO AMBIENTE ORGANIZACIONAL UM ESTUDO NA EMPRESA VISÃO DIGITAL 3D E-COMMERCE CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

Motivação. O que é motivação?

Motivação. O que é motivação? Motivação A motivação representa um fator de sobrevivência para as organizações, pois hoje é um dos meios mais eficazes para atingir objetivos e metas. Além de as pessoas possuírem conhecimento, habilidades

Leia mais

Mário Rocha. A contribuição do Coaching no desenvolvimento das competências

Mário Rocha. A contribuição do Coaching no desenvolvimento das competências Mário Rocha A contribuição do Coaching no desenvolvimento das competências Missão Visão Objetivos estratégicos Competências Organizacionais Competências Conhecimento o que saber Habilidades - saber fazer

Leia mais

Profa. Lenimar Vendruscolo Mery 2013 APOSTILA DE GESTÃO DE PESSOAS

Profa. Lenimar Vendruscolo Mery 2013 APOSTILA DE GESTÃO DE PESSOAS APOSTILA DE GESTÃO DE PESSOAS SUMÁRIO 1. O QUE SIGNIFICA GESTÃO DE PESSOAS... 3 2. PRINCIPAIS PROCESSOS DE GESTÃO DE PESSOAS... 3 3. O CONTEXTO DA GESTÃO DE PESSOAS... 4 4. EVOLUÇÃO DOS MODELOS DE GESTÃO...

Leia mais

SUMÁRIO O QUE É COACH? 2

SUMÁRIO O QUE É COACH? 2 1 SUMÁRIO INTRODUÇÃO...3 O COACHING...4 ORIGENS...5 DEFINIÇÕES DE COACHING...6 TERMOS ESPECÍFICOS E SUAS DEFINIÇÕES...7 O QUE FAZ UM COACH?...8 NICHOS DE ATUAÇÃO DO COACHING...9 OBJETIVOS DO COACHING...10

Leia mais

CAPACITAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO PESSOAL DENTRO DAS ORGANIZAÇÕES

CAPACITAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO PESSOAL DENTRO DAS ORGANIZAÇÕES CAPACITAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO PESSOAL DENTRO DAS ORGANIZAÇÕES Aline Martins Mendes Luciano José Vieira Franco Luis Guilherme Esteves Leocádio Sônia Madali Bosêja

Leia mais

Tema do Painel: Minhas experiências na formação de Coaching Executivo Empresarial Elizabeth Nery Sinnott 26/11/2015

Tema do Painel: Minhas experiências na formação de Coaching Executivo Empresarial Elizabeth Nery Sinnott 26/11/2015 Tema do Painel: Minhas experiências na formação de Coaching Executivo Empresarial Elizabeth Nery Sinnott 26/11/2015 Formação Psicologia UNISINOS -RS Formação em Gestalt Terapia Configuração - SC MBA Administração

Leia mais

LIDERANÇA DA NOVA ERA

LIDERANÇA DA NOVA ERA LIDERANÇA DA NOVA ERA Liderança da Nova Era Liderança é a realização de metas por meio da direção de colaboradores. A liderança ocorre quando há lideres que induzem seguidores a realizar certos objetivos

Leia mais

liderança conceito Sumário Liderança para potenciais e novos gestores

liderança conceito Sumário Liderança para potenciais e novos gestores Sumário Liderança para potenciais e novos gestores conceito Conceito de Liderança Competências do Líder Estilos de Liderança Habilidades Básicas Equipe de alta performance Habilidade com Pessoas Autoestima

Leia mais

NOSSO OBJETIVO. GESTÃO DO DESEMPENHO: uma possibilidade de ampliar o negócio da Organização

NOSSO OBJETIVO. GESTÃO DO DESEMPENHO: uma possibilidade de ampliar o negócio da Organização NOSSO OBJETIVO GESTÃO DO DESEMPENHO: uma possibilidade de ampliar o negócio da Organização RHUMO CONSULTORIA EMPRESARIAL Oferecer soluções viáveis em tempo hábil e com qualidade. Essa é a receita que a

Leia mais

Ajudar uma pessoa a mudar da maneira que deseja, e a ir na direção que quer.

Ajudar uma pessoa a mudar da maneira que deseja, e a ir na direção que quer. Introdução Coaching é, na prática, fornecer apoio e feedback positivo ao mesmo tempo oferecendo algum tipo de aconselhamento a um indivíduo ou grupo, a fim de levá-los a perceber as formas de melhorar

Leia mais

LÍDER COACH X COACHING DEFINIÇÃO DE CONCEITOS E APLICABILIDADE

LÍDER COACH X COACHING DEFINIÇÃO DE CONCEITOS E APLICABILIDADE LÍDER COACH X COACHING DEFINIÇÃO DE CONCEITOS E APLICABILIDADE ANA PATRÍCIA VELLOSO Consultora, Psicóloga Especialista na Área Organizacional. Proprietária da MP Consultoria em RH. Coach Executivo - Formada

Leia mais

A INFLUÊNCIA DO LÍDER NO ALCANCE DOS RESULTADOS ORGANIZACIONAIS: Análise em uma empresa de grande porte na cidade de Três Lagoas/MS.

A INFLUÊNCIA DO LÍDER NO ALCANCE DOS RESULTADOS ORGANIZACIONAIS: Análise em uma empresa de grande porte na cidade de Três Lagoas/MS. A INFLUÊNCIA DO LÍDER NO ALCANCE DOS RESULTADOS ORGANIZACIONAIS: Análise em uma empresa de grande porte na cidade de Três Lagoas/MS. Elisângela de Aguiar Alcalde Docente Ma. das Faculdades Integradas de

Leia mais

Liderança Estratégica

Liderança Estratégica Liderança Estratégica A título de preparação individual e antecipada para a palestra sobre o tema de Liderança Estratégica, sugere-se a leitura dos textos indicados a seguir. O PAPEL DE COACHING NA AUTO-RENOVAÇÃO

Leia mais

Perguntas Frequentes de Coaching Tire suas dúvidas sobre

Perguntas Frequentes de Coaching Tire suas dúvidas sobre Perguntas Frequentes de Coaching Tire suas dúvidas sobre coaching www.vocevencedor.com.br // www.flaviosouza.com.br Conheça nossos Cursos: Curso para Certificação Internacional em Coaching pela International

Leia mais

REFLEXÃO. (Warren Bennis)

REFLEXÃO. (Warren Bennis) RÉSUMÉ Consultora nas áreas de Desenvolvimento Organizacional e Gestão de Pessoas; Docente de Pós- Graduação; Coaching Experiência de mais de 31 anos na iniciativa privada e pública; Doutorado em Administração;

Leia mais

A ESSENCIALIDADE DA MOTIVAÇÃO NOS PROCESSOS ORGANIZACIONAIS THE ESSENTIAL MOTIVATION IN THE ORGANIZATIONAL ENVIRONMENT

A ESSENCIALIDADE DA MOTIVAÇÃO NOS PROCESSOS ORGANIZACIONAIS THE ESSENTIAL MOTIVATION IN THE ORGANIZATIONAL ENVIRONMENT A ESSENCIALIDADE DA MOTIVAÇÃO NOS PROCESSOS ORGANIZACIONAIS THE ESSENTIAL MOTIVATION IN THE ORGANIZATIONAL ENVIRONMENT Andréia Lopes Graduanda em Administração UNISALESIANO Lins azdeia@yahoo.com.br Jessica

Leia mais

Inteligência Emocional. A importância de ser emocionalmente inteligente

Inteligência Emocional. A importância de ser emocionalmente inteligente Inteligência Emocional A importância de ser emocionalmente inteligente Dulce Sabino, 2008 Conceito: Inteligência Emocional Capacidade de identificar os nossos próprios sentimentos e os dos outros, de nos

Leia mais

O QUE É COACHING? O QUE É COACHING? INSTRUMENTO PODEROSO PARA MELHOR PERFORMANC E RESULTADOS QUAIS CONTEXTOS PODEMOS UTLIZAR O COACHING?

O QUE É COACHING? O QUE É COACHING? INSTRUMENTO PODEROSO PARA MELHOR PERFORMANC E RESULTADOS QUAIS CONTEXTOS PODEMOS UTLIZAR O COACHING? O QUE É COACHING? INSTRUMENTO PODEROSO PARA MELHOR PERFORMANC E RESULTADOS QUAIS CONTEXTOS PODEMOS UTLIZAR O COACHING? COMO SURGIU E ESTÁ EVOLUINDO O COACHING? QUAIS SÃO OS PRINCIPAIS BENEFÍCIOS? IMPORTÂNCIA

Leia mais

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO * César Raeder Este artigo é uma revisão de literatura que aborda questões relativas ao papel do administrador frente à tecnologia da informação (TI) e sua

Leia mais

Verônica A. Pereira Souto

Verônica A. Pereira Souto COMPORTAMENTO HUMANO NO TRABALHO Verônica A. Pereira Souto VITÓRIA-ES 11 de julho 2009 VERÔNICA APARECIDA PEREIRA SOUTO MINI-CURRÍCULO PSICÓLOGA GRADUADA EM LETRAS/INGLÊS PÓS-GRADUADA EM COMUNICAÇÃO SOCIAL

Leia mais

Seminários Públicos Hay Group 2010

Seminários Públicos Hay Group 2010 Seminários Públicos Hay Group 2010 São Paulo, outubro de 2009 É com grande satisfação que estamos lhe apresentando nosso portfólio de seminários abertos Hay Group 2010. Esclarecemos que todos os seminários

Leia mais

Disciplinas Liderança Organizacional Inteligência de Execução Produtividade em Gestão

Disciplinas Liderança Organizacional Inteligência de Execução Produtividade em Gestão Disciplinas Liderança Organizacional O processo de formação e desenvolvimento de líderes. Experiências com aprendizagem ativa focalizando os conceitos e fundamentos da liderança. Liderança compartilhada.

Leia mais

Fórum Empresarial ACAPS - ES Gestão Com Pessoas: mobilizando o comprometimento Prof. Eustáquio Penido 2014

Fórum Empresarial ACAPS - ES Gestão Com Pessoas: mobilizando o comprometimento Prof. Eustáquio Penido 2014 Fórum Empresarial ACAPS - ES Gestão Com Pessoas: mobilizando o comprometimento Prof. Eustáquio Penido 2014 Gente não nasce pronta e vai se gastando; gente nasce não-pronta e vai se fazendo (CORTELLA) DESENVOLVIMENTO

Leia mais

AÇÕES EFETIVAS DE GERENCIAMENTO DO STRESS OCUPACIONAL: Desafio de Conciliar Embasamento Científico e Planejamento Estratégico

AÇÕES EFETIVAS DE GERENCIAMENTO DO STRESS OCUPACIONAL: Desafio de Conciliar Embasamento Científico e Planejamento Estratégico AÇÕES EFETIVAS DE GERENCIAMENTO DO STRESS OCUPACIONAL: Desafio de Conciliar Embasamento Científico e Planejamento Estratégico Sâmia Simurro Novembro/2011 FATOS SOBRE O STRESS Inevitável Nível positivo?

Leia mais

COACHING PROFISSIONAL E PESSOAL. Josiane Barbieri

COACHING PROFISSIONAL E PESSOAL. Josiane Barbieri COACHING PROFISSIONAL E PESSOAL Josiane Barbieri Coaching: o que é? A International Coaching Federation ICF define coaching como: uma parceria continuada que estimula e apóia o cliente a produzir resultados

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Gestão de Conflitos Organizacionais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Gestão de Conflitos Organizacionais UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Gestão de Conflitos Organizacionais Jefferson Menezes de Oliveira Santa Maria, dezembro de 2006 INTRODUÇÃO

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS Universidade Federal do Ceará Faculdade de Economia, Administração, Atuária, Contabilidade e Secretariado Curso de Administração de Empresas GESTÃO POR COMPETÊNCIAS MAURICIO FREITAS DANILO FREITAS Disciplina

Leia mais

Liderança. Potencial PSI. Competências. Liderança: Qual é a definição? Conhecimento. -Com pares - Com subordinado - Com clientes -Com Gestor

Liderança. Potencial PSI. Competências. Liderança: Qual é a definição? Conhecimento. -Com pares - Com subordinado - Com clientes -Com Gestor Liderança Competências Conhecimento Habilidade Atitude - - Relacionamento - - -Com pares - Com subordinado - Com clientes -Com Gestor Crise Liderança: Qual é a definição? Principal fator de saída da empresa

Leia mais

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS RECURSOS HUMANOS

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS RECURSOS HUMANOS COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS RECURSOS HUMANOS DESCRIÇÕES DOS NÍVEIS APRENDIZ Aprende para adquirir conhecimento básico. É capaz de pôr este conhecimento em prática sob circunstâncias normais, buscando assistência

Leia mais

Nisto poderemos perguntar, por que pensar em liderança: Vejamos alguns pontos de vital importância:

Nisto poderemos perguntar, por que pensar em liderança: Vejamos alguns pontos de vital importância: LIDERANÇA EMPRESARIAL EVIDÊNCIAS DO COACHING COMO ESTRATÉGIA DE SUCESSO Prof. Dr. Edson Marques Oliveira, Doutor em Serviço Social pela Unesp-Franca-SP, mestre em Serviço Social pela PUC-SP e bacharel

Leia mais

O Exercício da Liderança por meio do Estilo Coaching na Gestão de Equipes KÁTIA DE ARAÚJO

O Exercício da Liderança por meio do Estilo Coaching na Gestão de Equipes KÁTIA DE ARAÚJO O Exercício da Liderança por meio do Estilo Coaching na Gestão de Equipes KÁTIA DE ARAÚJO TÉCNICO GESTOR/COORNDENADOR LÍDER DE NOME Hoover (2006) PODER LÍDER FORMAL Montana (1998) CUMPRIMENTO DAS TAREFAS

Leia mais

Seminário CCSA/UFRN. Potencialize sua carreira com o Coaching

Seminário CCSA/UFRN. Potencialize sua carreira com o Coaching Seminário CCSA/UFRN Potencialize sua carreira com o Coaching Objetivos O que é Coaching? Como funciona e para que serve? Como surgiu? Como está hoje? Como usar na minha profissão? Como será no futuro?

Leia mais

LÍDERES DO SECULO XXI RESUMO

LÍDERES DO SECULO XXI RESUMO 1 LÍDERES DO SECULO XXI André Oliveira Angela Brasil (Docente Esp. das Faculdades Integradas de Três Lagoas-AEMS) Flávio Lopes Halex Mercante Kleber Alcantara Thiago Souza RESUMO A liderança é um processo

Leia mais

Corpo e Fala EMPRESAS

Corpo e Fala EMPRESAS Corpo e Fala EMPRESAS A Corpo e Fala Empresas é o braço de serviços voltado para o desenvolvimento das pessoas dentro das organizações. Embasado nos pilares institucionais do negócio, ele está estruturado

Leia mais

O PROCESSO NO GERENCIAMENTO DE EQUIPES NA EMPRESA RS CALDEIRARIA

O PROCESSO NO GERENCIAMENTO DE EQUIPES NA EMPRESA RS CALDEIRARIA O PROCESSO NO GERENCIAMENTO DE EQUIPES NA EMPRESA RS CALDEIRARIA Ana Priscila da Silva Vieira 1 Elizabete Rodrigues de Oliveira 2 Tatiana Nogueira Dias 3 Élcio Aloisio Fragoso 4 Edson Leite Gimenez 5 RESUMO

Leia mais

Equipe com mais de 17 anos de experiência em Avaliação de Executivos, Coaching e Desenvolvimento de Lideranças

Equipe com mais de 17 anos de experiência em Avaliação de Executivos, Coaching e Desenvolvimento de Lideranças Equipe com mais de 17 anos de experiência em Avaliação de Executivos, Coaching e Desenvolvimento de Lideranças Responsável pela elaboração e realização de projetos em empresas de porte que foram reconhecidos

Leia mais

TIPOS DE LIDERANÇA ADOTADOS POR GESTORES NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

TIPOS DE LIDERANÇA ADOTADOS POR GESTORES NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA TIPOS DE LIDERANÇA ADOTADOS POR GESTORES NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Anápolis GO - 05 2015 Marcos Wesley da Silva - Unievangélica marcos.wesley@unievangelica.edu.br Gustavo Ferreira Gomes - Unievangélica -

Leia mais

Os Sete Níveis de Consciência da Liderança

Os Sete Níveis de Consciência da Liderança Os Sete Níveis de Consciência da Liderança Existem sete níveis bem definidos de liderança, que correspondem aos sete níveis de consciência organizacional. Cada nível de liderança se relaciona com a satisfação

Leia mais

II. NOSSA MISSÃO, VISÃO E VALORES

II. NOSSA MISSÃO, VISÃO E VALORES I. NOSSA HISTÓRIA A história da Crescimentum começou em 2003, quando o então executivo do Grupo Santander, Arthur Diniz, decidiu jogar tudo para o alto e investir em uma nova carreira. Ele optou por se

Leia mais

CLIMA ORGANIZACIONAL NA EMPRESA ALFA REALIDADE PERCEBIDA PELOS LÍDERES 1 RESUMO

CLIMA ORGANIZACIONAL NA EMPRESA ALFA REALIDADE PERCEBIDA PELOS LÍDERES 1 RESUMO CLIMA ORGANIZACIONAL NA EMPRESA ALFA REALIDADE PERCEBIDA PELOS LÍDERES 1 ÁVILA, Gabrielle Loureira de 2 ; MAGGIONI, Márcia Bandeira Landerdahl 3 ; 1 Trabalho de Pesquisa_FAMES 2 Acadêmica de Administração

Leia mais

PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO HOSPITAL REGIONAL DO LITORAL PROVA ADMINISTRAÇÃO

PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO HOSPITAL REGIONAL DO LITORAL PROVA ADMINISTRAÇÃO PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO HOSPITAL REGIONAL DO LITORAL PROVA ADMINISTRAÇÃO 01. Assinale nas questões abaixo com falso (F) ou verdadeiro (V): ( ) A administração reconhece a importância do estudo do

Leia mais

Palavras-chaves: Comunicação, Clima Organizacional, Feedback, Organizações, Contabilidade.

Palavras-chaves: Comunicação, Clima Organizacional, Feedback, Organizações, Contabilidade. 1 AS INFLUENCIAS DE COMUNICAÇÃO NO CLIMA ORGANIZACIONAL: NOVOS DESAFIOS PARA O CONTADOR Acadêmicos: Caio Turra 1, Édipo Ribeiro 2, Felipe Turra 3, Guilherme Caldine 4, Beatriz Machado 5 RESUMO Este artigo

Leia mais

Processos Grupais e Liderança de Grupos: Analise da Percepção de Funcionarios de Comercio Varejista

Processos Grupais e Liderança de Grupos: Analise da Percepção de Funcionarios de Comercio Varejista Processos Grupais e Liderança de Grupos: Analise da Percepção de Funcionarios de Comercio Varejista Iaslin Nostório da Silva iaslin_silva@hotmail.com UFF Isabele Rocha da Silva is-abele14@hotmail.com UFF

Leia mais

Módulo V. Conhecimento

Módulo V. Conhecimento Módulo V Conhecimento "Não confunda jamais conhecimento com sabedoria. Um o ajuda a ganhar a vida; o outro a construir uma vida. Sandra Carey MÓDULO 5 CONHECIMENTO 5.1 Gestão do Conhecimento A Gestão do

Leia mais

FEEDBACK: UMA FERRAMENTA PARA A GESTÃO DE PESSOAS

FEEDBACK: UMA FERRAMENTA PARA A GESTÃO DE PESSOAS FEEDBACK: UMA FERRAMENTA PARA A GESTÃO DE PESSOAS (FEEDBACK: A TOOL FOR MANAGEMENT OF PEOPLE) Mauro de Nardi Costa 1; Patricia Ribeiro 2; Aurea Gardenia Pereira dos Santos 3 1-Curso de MBA Gestão em Pessoas/Centro

Leia mais

COMPETÊNCIAS E COMPORTAMENTO DOS LÍDERES NO CENÁRIO ATUAL

COMPETÊNCIAS E COMPORTAMENTO DOS LÍDERES NO CENÁRIO ATUAL COMPETÊNCIAS E COMPORTAMENTO DOS LÍDERES NO CENÁRIO ATUAL 1.Osnei FranciscoAlves 2. Jéssica Barros 1. Professor das Faculdades Integradas Santa Cruz. Administrador, MBA Executivo em Gestão de Pessoas e

Leia mais

Leader coach e estratégia Disney

Leader coach e estratégia Disney 34 Leader coach e estratégia Disney As organizações enfrentam grandes desafios. Surge a necessidade de adaptação. Um dos principais fatores que fazem a diferença são seus líderes. Os líderes precisam adotar

Leia mais

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO A presente pesquisa aborda os conceitos de cultura e clima organizacional com o objetivo de destacar a relevância

Leia mais

COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL: A CONDUTA DO INDIVÍDUO RESUMO

COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL: A CONDUTA DO INDIVÍDUO RESUMO 1 COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL: A CONDUTA DO INDIVÍDUO ALCALDE, Elisângela de Aguiar 1 MARIANO, Rosiane da Conceição 2 SANTOS, Nathália Ribeiro dos SANTOS, Rosilei Ferreira dos SANTOS, Sirene José Barbosa

Leia mais

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES 202 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO ALGUNS COMENTÁRIOS ANTES DE INICIAR O PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO: a) Os blocos a seguir visam obter as impressões do ENTREVISTADO quanto aos processos de gestão da Policarbonatos,

Leia mais

Um dos melhores Programas de Capacitação de Líderes do Mundo

Um dos melhores Programas de Capacitação de Líderes do Mundo Um dos melhores Programas de Capacitação de Líderes do Mundo O Leader Coaching Traning é um programa de treinamento em Coaching para Líderes, licenciado pela World Federation of Coaching (WFC), entidade

Leia mais

EDIÇÃO ESPECIAL 2009

EDIÇÃO ESPECIAL 2009 EDIÇÃO ESPECIAL 2009 BUSINESS COACHING Curso Profissional de Formação de Coach Certificação Internacional em Coaching MORE E ECA (Para Reconhecimento pela ICI contactar-nos.) Entidade: MORE Institut, Ltd

Leia mais

desenvolvimento dos profissionais e atingimento dos resultados.

desenvolvimento dos profissionais e atingimento dos resultados. 1- OFICINAS DE FEEDBACK Aprofundar a reflexão e abordagem de Feedback como processo, fluxo e ferramenta indispensável no desenvolvimento dos profissionais, bem como elementos fundamentais de comunicação

Leia mais

PRATICANDO A LIDERANÇA COACHING

PRATICANDO A LIDERANÇA COACHING 8 ENCREPI - PRATICANDO A LIDERANÇA COACHING SARAH MUNHOZ 23/11/09 LIDERANÇA Kotler(1988): processo de movimentar um grupo ou grupos em alguma direção por meios não coercitivos. Robbins (1991): é o processo

Leia mais

Desenvolvendo Pessoas para Servirem com Excelência. Instituto Crer & Ser. A excelência honra a Deus!

Desenvolvendo Pessoas para Servirem com Excelência. Instituto Crer & Ser. A excelência honra a Deus! Palestras, Treinamentos e Consultoria para Gestão Ministerial Desenvolvendo Pessoas para Servirem com Excelência Instituto Crer & Ser A excelência honra a Deus! Quem somos O Instituto Crer & Ser nasceu

Leia mais

Perfil e Competências do Coach

Perfil e Competências do Coach Perfil e Competências do Coach CÉLULA DE TRABALHO Adriana Levy Isabel Cristina de Aquino Folli José Pascoal Muniz - Líder da Célula Marcia Madureira Ricardino Wilson Gonzales Gambirazi 1. Formação Acadêmica

Leia mais

Gestão de Negócios. Aula 01. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho

Gestão de Negócios. Aula 01. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Gestão de Negócios Aula 01 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos multimídia

Leia mais

MADRINA-Desenvolvimento Infantil e Parental 1

MADRINA-Desenvolvimento Infantil e Parental 1 MADRINA-Desenvolvimento Infantil e Parental 1 PROJETO MEU TEMPO DE CRIANÇA Missão Visão Valores Colaborar com a importante tarefa de educar as crianças, nesse momento único de suas jovens vidas, onde os

Leia mais

Aula 1 Liderança Profa. Ms. Daniela Cartoni daniela.cartoni@veris.edu.br

Aula 1 Liderança Profa. Ms. Daniela Cartoni daniela.cartoni@veris.edu.br Aula 1 Liderança Profa. Ms. Daniela Cartoni daniela.cartoni@veris.edu.br Contrato Pedagógico Presença e horários Bibliografia e material de apoio Avaliações e trabalhos Metodologia das aulas - Aulas expositivas

Leia mais

COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL

COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL São manifestações emergentes no contexto das organizações, indicando os controles, o processo decisório e os esquemas técnicoadministrativos assumidos num dado momento organizacional. Clima Organizacional

Leia mais

Fulano de Tal. Relatório Combinado Extended DISC : Análise Comportamental x Feedback 360 FINXS 09.12.2014

Fulano de Tal. Relatório Combinado Extended DISC : Análise Comportamental x Feedback 360 FINXS 09.12.2014 Relatório Combinado Extended DISC : Análise Comportamental x Feedback 360 Este relatório baseia-se nas respostas apresentadas no Inventário de Análise Pessoal comportamentos observados através questionário

Leia mais

Competências avaliadas pela ICF

Competências avaliadas pela ICF Competências avaliadas pela ICF ð Estabelecendo a Base: 1. Atendendo as Orientações Éticas e aos Padrões Profissionais Compreensão da ética e dos padrões do Coaching e capacidade de aplicá- los adequadamente

Leia mais

Blue Mind Desenvolvimento Humano

Blue Mind Desenvolvimento Humano Conhecendo o Coaching Por Fábio Ferreira Professional & Self Coach pelo Instituto Brasileiro de Coaching, com certificação internacional pela European Coaching Association e Global Coaching Community,

Leia mais

Gestão por Competências

Gestão por Competências Gestão por Competências 2 Professora: Zeila Susan Keli Silva 2º semestre 2012 1 Contexto Economia globalizada; Mudanças contextuais; Alto nível de complexidade do ambiente; Descoberta da ineficiência dos

Leia mais

LÍDER COACH X DEFINIÇÃO DE CONCEITOS E APLICABILIDADE

LÍDER COACH X DEFINIÇÃO DE CONCEITOS E APLICABILIDADE LÍDER COACH X COACHING DEFINIÇÃO DE CONCEITOS E APLICABILIDADE ANA PATRÍCIA VELLOSO Consultora, Psicóloga Especialista na Área Organizacional. Proprietária da MP Consultoria em RH. Coach Executivo - Formada

Leia mais

Coaching O que é A origem Os propósitos Os tipos Resultados do coaching para o colaborador e para a organização

Coaching O que é A origem Os propósitos Os tipos Resultados do coaching para o colaborador e para a organização Coaching O que é A origem Os propósitos Os tipos do coaching para o colaborador e para a organização Se continuar fazendo as mesmas coisas, obterá sempre os mesmos resultados! Tem de se alterar o padrão

Leia mais

Avaliação Confidencial

Avaliação Confidencial Avaliação Confidencial AVALIAÇÃO 360 2 ÍNDICE Introdução 3 A Roda da Liderança 4 Indicadores das Maiores e Menores Notas 7 GAPs 8 Pilares da Estratégia 9 Pilares do Comprometimento 11 Pilares do Coaching

Leia mais

Teoria Básica da Administração. Liderança e Comunicação. Professor: Roberto César

Teoria Básica da Administração. Liderança e Comunicação. Professor: Roberto César Teoria Básica da Administração Liderança e Comunicação Professor: Roberto César Liderança O líder nasce líder ou aprende a ser líder? Liderar é conhecer a motivação humana e saber conduzir as pessoas a

Leia mais

Coaching como ferramenta de desenvolvimento da liderança nas organizações

Coaching como ferramenta de desenvolvimento da liderança nas organizações Coaching como ferramenta de desenvolvimento da liderança nas organizações Pessoas e organizações Página 18 Agentes da mudança nas organizações Página 20 Ferramentas de gestão, desenvolvimento pessoal e

Leia mais

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler AULA 5 - PERSPECTIVA DE APRENDIZADO E CRESCIMENTO Abertura da Aula Uma empresa é formada

Leia mais

Desenvolvimento de pessoas.

Desenvolvimento de pessoas. Desenvolvimento de pessoas. 2.2 FORMULAÇÃO DE UM PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS Gestão de Pessoas (Antonio Carlos Gil) e Gestão de Pessoas (Idalberto Chiavenato) "Se ensinardes alguma coisa a um

Leia mais

Autores: Leandro César de Paula e Thiago Leonardo Magalhães Goulart Orientador: Soraya Regina Ferreira

Autores: Leandro César de Paula e Thiago Leonardo Magalhães Goulart Orientador: Soraya Regina Ferreira RECRUTAMENTO E SELEÇÃO NAS ORGANIZAÇÕES Autores: Leandro César de Paula e Thiago Leonardo Magalhães Goulart Orientador: Soraya Regina Ferreira Os objetivos deste artigo são mostrar a importância do recrutamento

Leia mais

Como desenvolver a resiliência no ambiente de Recursos Humanos

Como desenvolver a resiliência no ambiente de Recursos Humanos Como desenvolver a resiliência no ambiente de Recursos Humanos Edna Bedani Edna Bedani Mestre em Administração, Pós Graduada em Administração, com especialização em Gestão Estratégica de RH, graduada em

Leia mais

Módulo IV. Delegação e Liderança

Módulo IV. Delegação e Liderança Módulo IV Delegação e Liderança "As pessoas perguntam qual é a diferença entre um líder e um chefe. O líder trabalha a descoberto, o chefe trabalha encapotado. O líder lidera, o chefe guia. Franklin Roosevelt

Leia mais

O que é Coaching? É um processo que visa aumentar o

O que é Coaching? É um processo que visa aumentar o O que é Coaching? É um processo que visa aumentar o desempenho de um indivíduo, grupo ou empresa, possibilitando o alcance de resultados planejados, através de metodologias, ferramentas e técnicas, conduzidas

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO TREINAMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO DO TRABALHO

A IMPORTÂNCIA DO TREINAMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO DO TRABALHO A IMPORTÂNCIA DO TREINAMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO DO TRABALHO 2009 Renata Araújo Volpe Estudante do curso de Engenharia de Produção (Brasil) Docente orientadora Carla Bittencourt Lorusso Email: revolpe@pop.com.br

Leia mais

Considerações Éticas sobre o Processo de Avaliação de Desempenho nas Organizações

Considerações Éticas sobre o Processo de Avaliação de Desempenho nas Organizações Considerações Éticas sobre o Processo de Avaliação de Desempenho nas Organizações Mirella Paiva 1 e Flora Tucci 2 Em uma sociedade marcada pela globalização, pelo dinamismo e pela competitividade, atingir

Leia mais

Coaching na atuação do profissional da informação. Adriana Maria de Souza

Coaching na atuação do profissional da informação. Adriana Maria de Souza Coaching na atuação do profissional da informação Adriana Maria de Souza http://www.youtube.com/watch?v=k1czp6q79po COACHING - ORIGEM De acordo com The Oxford English Dictionary (1989, p. 380382), Coach

Leia mais

PROJETO DESENVOLVIMENTO DE JOVENS LÍDERES 2014

PROJETO DESENVOLVIMENTO DE JOVENS LÍDERES 2014 PROJETO DESENVOLVIMENTO DE JOVENS LÍDERES 2014 1. Objetivo [REGULAMENTO] Contribuir para um futuro melhor para todos, a partir do investimento em desenvolvimento de jovens talentosos e com potencial para

Leia mais

LIDERANÇA. "Um exército de ovelhas liderado por um leão derrotaria um exército de leões liderado por uma ovelha." (Provérbio Árabe)

LIDERANÇA. Um exército de ovelhas liderado por um leão derrotaria um exército de leões liderado por uma ovelha. (Provérbio Árabe) LIDERANÇA "O grande líder é aquele que está disposto a desenvolver as pessoas até o ponto em que elas eventualmente o ultrapassem em seu conhecimento e habilidade." Fred A. Manske "Um exército de ovelhas

Leia mais

LIDERANÇA: UMA CHAVE PARA O SUCESSO DA ADMINISTRAÇÃO

LIDERANÇA: UMA CHAVE PARA O SUCESSO DA ADMINISTRAÇÃO 1 LIDERANÇA: UMA CHAVE PARA O SUCESSO DA ADMINISTRAÇÃO Elisângela de Aguiar Alcalde (Docente MSc. das Faculdades Integradas de Três Lagoas-AEMS) Linda Jennyfer Vaz (Discente do 2º ano do curso de Administração-

Leia mais

O PEDAGOGO NAS ORGANIZAÇÕES

O PEDAGOGO NAS ORGANIZAÇÕES O PEDAGOGO NAS ORGANIZAÇÕES KOWALCZUK, Lidiane Mendes Ferreira - PUCPR lidianemendesf@gmail.com VIEIRA, Alboni Marisa Dudeque Pianovski - PUCPR alboni@alboni.com Eixo Temático: Formação de Professores

Leia mais

Gestão da Mudança nas Organizações. Leila Oliva

Gestão da Mudança nas Organizações. Leila Oliva Gestão da Mudança nas Organizações Leila Oliva O roteiro Conduzir a mudança e o papel da liderança: Os papeis que vivemos; Jornada emocional da mudança. Conduzir a mudança organizacional: Os 8 passos do

Leia mais

O Processo de Coaching*

O Processo de Coaching* O Processo de Coaching* Por Adriana Preto Rutzen** O Coaching surgiu no mundo dos esportes, através do trabalho do técnico de tênis Thimoty Gallwey, que escreveu e publicou, em meados dos anos 70, o livro

Leia mais