Gestão da Cadeia de Suprimentos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Gestão da Cadeia de Suprimentos"

Transcrição

1 Gestão da Cadeia de Suprimentos "Há os que se queixam do vento... Os que esperam que ele mude... E os que procuram ajustar as velas." William G. Ward 1

2 Manoel E. E. Gonçalves Engenheiro Mecânico e Mestre em Engenharia de Produção Pós Graduado em Logística, Operações e Produção - MBA Pós Graduado em Administração Estratégica e Marketing - MBA Engenheiro de Desenvolvimento de Fornecedores da Caterpillar Inc. Supervisor de Vendas e Marketing Mercado Internacional Grupo Dedini Professor Universitário: IAT/ UNIMEP / UNISAL / FUMEP-EEP/ FACENS / UNIP Atuando por 28 anos em Desenvolvimento de Fornecedores, Logística, Marketing, Vendas, Manufatura e Estratégia. Participando no desenvolvimento, implantação e certificação de metodologias: Projetos 6Sigma nos últimos 9 anos (2001 a 2008) Lean Manufacturing / Kaizen (TBM Delphi e Visconde) Excelência Operacional / MRP II Classe 'A' (Oliver Wight) JIT / Kanban / ISO9000 / ISO-TS / Consolidação Industrial Certificações de Sistemas da Qualidade de Fornecedores/ Toyota PS Auditoria e avaliação dos processos Fabris de fornecedores Planos de Marketing e Estrategia Participação em Palestras / Seminários / Aulas Inaugurais / Eventos 1 - Planejamento e controle de cadeia de suprimentos. 2 - Compras e desenvolvimento de fornecedores. Atividades de compras. A decisão de fazer ou comprar. 3 - Gestão da distribuição física. 4 - Sistemas de estoque de múltiplos estágios. 5 - Modo de transporte na distribuição física. Conceitos integrados. 6 - Gestão de materiais, Logística integrada. 7 - Gestão da cadeia de suprimentos. 8 - Tipos de relacionamentos em redes de suprimentos. 9 - Comprometimento comercial de curto/médio/longo prazo. Ementa 2

3 Conceitos Logística como função essencial em toda Cadeia Produtiva(SCM): Conceitos; Importância; Mapeamento; Fatores Críticos de Sucesso. Conceitos Serviço Logístico ao Cliente: Produtos Logísticos - Materiais - Serviços - Informações; Valores envolvidos - Estoque - Transporte; Nivel de Serviço. 3

4 Conceitos Potencialização das ações sinérgicas: Qualidade; JIT - Kaizen - Lead time - 5S; Redução de custos; Parcerias; Globalização; Sistema Modular - Condomínio; Novas metodologias - 6Sigma, Lean,Milk run. Numa sociedade com base no conhecimento, por definição é necessario que você seja estudante a vida toda. Tom Peters 4

5 BIBLIOGRAFIA BAILY, P. Compras. Princípio e Administração. S. Paulo: Atlas, DORNIER, P. P. D. Logística e Operações Globais, Textos e Casos. S. Paulo: Atlas, GURGEL, F. A. Logística Industrial. S. Paulo: Atlas, DIAS, A. M. Administração de Materiais. Uma Abordagem Logística. S. Paulo: Atlas, MARTINS, P. G. Administração de Materiais e Recursos Patrimoniais. S. Paulo: Saraiva, ARNOLD, J. R. T. Administração de Materiais. S.Paulo: Atlas, SLACK, N. Administração da Produção. S. Paulo: Atlas, ROMERO, B. P. Logística de Aprovisionamentos. Madrid: McGraw-Hill, BIBLIOGRAFIA ALVARENGA, Antonio Carlos e NOVAES, Antonio Galvão N., LOGÍSTICA APLICADA; Suprimento e Distribuição Física, 2a. Ed. 1994, Ed. Pioneira, 268 p. BALLOU, R.H. LOGÍSTICA EMPRESARIAL, S. Paulo, Ed. Atlas, 1993, 388 p. CHRISTOPHER, Martin, LOGÍSTICA E GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS; Estratégias para a Redução de Custos e Melhoria dos Serviços, S. Paulo, Ed. Pioneira, 1997, 240 p. CHRISTOPHER, Martin, LOGISTICS AND SUPPLY CHAIN MANAGEMENT; Pitman, CORRÊA, Joary, GERÊNCIA ECONÔMICA DE ESTOQUES E COMPRAS, S. Paulo, Fundação Getúlio Vargas, 1971, 260 p. PIRES, Sílvio, GESTÃO ESTRATÉGICA DA PRODUÇÃO, Piracicaba, Ed. Unimep, 1995, 269 p. VALENTE, Amir Mattar, PASSAGLIA, Eunice e NOVAES, Antonio Galvão. GERENCIAMENTO DE TRANSPORTES E FROTAS, S. Paulo: Ed. Pioneira, 1997, 215 p. WIGHT, Oliver, GUIA PARA A EXCELÊNCIA OPERACIONAL: checklist para melhorar o desempenho das empresas, R. Janeiro, Ed. Campus, 1994, 107 p. WIGHT, Oliver, THE OLIVER WIGHT ABCD CHECKLIST FOR OPERATIONAL EXCELLENCE, 5 ª ed., Ed. John Wiley & Sons, USA, 2001, 202 p. 5

6 Somos o que repetidamente fazemos. A excelência, portanto, não é um feito, mas um hábito. Aristóteles Introdução Administração de Materiais Conceituação e evolução histórica. Administração de Materiais versus Logística. A busca de maior valor agregado nas atividades de Logística. Qualidade em Adm. de Materiais e Competitividade. O cenário da internacionalização da economia e sua influência na operação das empresas. 6

7 Logística (visão estratégica) Conceitos É o processo de gerenciar estrategicamente a aquisição, movimentação e armazenagem de materiais, peças e produtos acabados (e os fluxos de informações correlatas), através da organização de seus canais de marketing, de modo a poder maximizar as lucratividades presente e futura através do atendimento dos pedidos a baixo custo. (Christopher, 1997) É a gestão de todo o fluxo de atividades, informações e materiais no decurso do ciclo do pedido, desde a pré-venda até seu completo atendimento, incluindo toda a cadeia de suprimentos. (Ayres, 1999) Conceitos Processo de planejar, implementar e controlar eficientemente, ao custo correto, o fluxo e a armazenagem de matérias primas, estoques durante a produção e produtos acabados, e as informações relativas a estas atividades, desde o ponto de origem até o ponto de consumo, com o propósito de atender os requisitos do cliente. Conselho de Gerenciamento de Logística-EUA 7

8 Internacionalização da Economia Mercado regionalizado ( globalização ) Avanço tecnológico Redução no ciclo de vida de produtos Formação do preço de venda REVOLUÇÃO nas Organizações A gestão de Materiais na empresa Administração de Materiais Planejamento, controle e o programa-mestre mestre produção. MRP e o planejamento da capacidade. MRP II e ERP. A filosofia Just in Time. O processo de aquisição de materiais. Fundamentos de administração de estoques. Planejamento e gestão de depósitos. Distribuição Física. Logística Reversa. Adm. de Materiais & Qualidade. de 8

9 MRP e o planejamento da capacidade Planejamento da Capacidade: processo para determinar recursos necessários à realização de prioridades e dos métodos para disponibilizar a capacidade. Prioridade: determinação do que deve ser feito e quando; Capacidade: volume de trabalho possível num determinado tempo; Disponível: capacidade de um sistema ou recurso de fornecer uma quantidade de resultado em determinado período; Exigida: capacidade necessária a um sistema ou recurso para fornecer um resultado esperado em determinado período. MRP II e ERP DOMÍNIO FOCO ADM MATERIAIS ADM MATERIAIS DISTRIBUIÇÃO MRP FASE 0 FASE 1 GESTÃO DE ESTOQUES GESTÃO DE COMPRAS MOVIM MATERIAIS OTIMIZAÇÃO DO SISTEMA DE TRANSPORTES LOGÍSTICA INTEGRADA SUPPLY CHAIN MGMT SUPPLY CHAIN MGMT + RESPOSTA EFICAZ AO CLIENTE MRP II ERP FASE 2 FASE 3 FASE 4 VISÃO SISTÊMICA DA EMPRESA INFORMAÇÃO VISÃO SISTÊMICA: FORNECEDORES E CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO ALIANÇAS ESTRATÉGICAS, SUB-CONTRATAÇÃO E CANAIS ALTERNATIVOS DE DISTRIBUIÇÃO 9

10 MRP II e ERP CLIENTE MRP II Ger. Demanda MPS / MRP PERFORMANCE DE FORNECEDORES PERFORMANCE DA MANUFATURA CLIENTE A filosofia Just in Time PROBLEMAS NA INDÚSTRIA DE MANUFATURA Alto custo do dinheiro; Elevados níveis de inventários; Longos lead times e tempos de espera; Qualidade insuficiente; Tecnologia; Desperdícios; Reprogramações; Ociosidade / baixa produtividade; Competitividade; Diversificação na linha de produtos. 10

11 As raízes da eficiência japonesa; Milagre japonês; A filosofia Just in Time Reduzir custos e aumentar a produtividade; Perda zero; Eliminar desperdícios: material, tempo, espaço, mão- de-obra, etc; O SISTEMA JUST IN TIME Reverter baixa produtividade; Giros de inventários de até 03 dígitos; Longos prazos de fabricação; Just-in-time : a peça certa, no nomento certo, na quantidade certa e no local certo. A vida não é medida pelo número de vezes que respiramos, mas pelos momentos em que perdemos o fôlego... de tanto rir... de surpresa... de êxtase...de felicidade... de emoção!. Autor desconhecido 24Jun

12 A filosofia Just in Time Filosofia de trabalho fundamentada em dois aspectos principais : Atitude de Melhoria Contínua Eliminação de Práticas de desperdícios Quantidade Simulação prática Recomposição da quantidade máxima A filosofia Just in Time Quantidade máxima 0 Gatilho : ponto de ressuprimento Tempo de ressuprimento: de 24 a 72 horas Quantidade para gatilho Quantidade mínima (segurança) Tempo 12

13 Logística e Just in Time Demanda Oferta A Oferta B Demanda e Oferta sempre tendem a divergir. A questão é: Quão rápido podemos reconhecer e reagir às variações? O processo de aquisição de materiais Objetivos das funções de Compra: Visão econômica e tradicional Compras e alavancagem de lucros: Empresas gastam 50% de sua renda proveniente das vendas na compra de matérias-primas (Arnold, 1999); Potencial para aumentar lucros; Poder de barganha; Especulação; Compras de oportunidade; Estabelecimento de alianças estratégicas. 13

14 O processo de aquisição de materiais Objetivos das funções de Compra: Visão operacional Obter produtos/serviços na qualidade e em quantidade necessária; Obter mercadorias e serviços ao menos custo; Garantir o melhor serviço possível e pronta entrega por parte do fornecedor; Desenvolver e manter boas relações com os fornecedores e desenvolver fornecedores potenciais. Fonte: Arnold, 1999 O processo de aquisição de materiais Funções a serem desempenhadas: Determinar especificações de compra: qualidade certa, quantidade certa e entrega certa (tempo e lugar); Selecionar o fornecedor (fonte certa); Negociar os termos e as condições de compra; Emitir e administrar pedidos de compra. Fonte: Arnold,

15 O processo de aquisição de materiais O que comprar? Fundamentalmente os principais fatores são: Exigências de quantidade: função da demanda do mercado; Exigências de preço: conceito de valor econômico - (quanto se dispõe a pagar); Exigências funcionais: desempenho esperado; cumprimento dos requisitos de qualidade: planejamento do produto; projeto do produto; produção; utilização. Qualidade: satisfação das necessidades do usuário O processo de aquisição de materiais Desenvolvimento de Fornecedores (visão tradicional) Peças novas em fornecedores conhecidos; Prestigiar bom fornecedor e incrementar negócios; Expansão natural devido a novos produtos ou mercados; Conhecimento de peculiaridades de cada fonte; Fornecedores novos para peças conhecidas; Aumento da demanda superior à capacidade da fonte; Fonte alternativa (aspectos técnicos, comerciais ou contingenciais); Substituição potencial de fonte atual; Fornecedores e peças novas; Novas tecnologias; Substituição gradual de fonte atual; Ampliar leque de fontes. 15

16 O processo de aquisição de materiais Desenvolvimento de Fornecedores (visão: competitividade) Consolidar cadeias de suprimentos confiáveis e de custo efetivo, provendo disponibilidade de produtos, qualidade, flexibilidade, e consequente satisfação do cliente. Para tanto: Desenvolver a base de fornecedores e assegurar a ela a capacidade de produzir e fornecer produtos com qualidade, custos e flexibilidade requeridos pelo mercado cada vez mais competitivo. O processo de aquisição de materiais Desenvolvimento de Fornecedores Fornecedores confiáveis: Qualidade (não somente cumprimento de especificações); Preço integral (relacionamentos duradouros); Confiabilidade (produtos, processos, procedimentos); Flexibilidade (capacidade de adequar-se às necessidades técnicas e temporais do cliente); Velocidade (capacidade de rapidez na reação). Fornecedores comprometidos com o sucesso do cliente (Prof. Marins, 1999) 16

17 Processo de previsão de vendas Dados de variáveis que expliquem as vendas Dados históricos de vendas Informações que expliquem comportamento atípico Tratamento estatístico dos dos dados de de vendas e outras variáveis Informações da conjuntura econômica Decisões da área comercial Outras informações do mercado Informações de clientes Informações de concorrentes Outras informações do mercado Reunião de Previsão Comprometimento das áreas envolvidas Tratamento das das informações disponíveis Previsão de de vendas Gestão de demanda e MPS formando um processo integrado Sales and Operations Planning (S&OP) Manufatura Planejam Agregado Prod./Capac Marketing/Vendas Planejam. Agregado de Vendas Finanças Orçamento Outros Planos Funcionais Processo de MPS e Gestão de Demanda MPS/RCCP Plano Detalhado de Vendas Fluxo de Caixa Detalhado MRP/CRP Outras Decisões de Vendas Outras Decisões Financeiras PUR/SFC 17

18 Estratégias de Manufatura e Lead Time Tempo de Entrega do Produto PROJETA COMPRA MANUFATURA MONTA EMBARCA Engineer To Order Tempo de Entrega do Produto INVENTÁRIO MANUFATURA MONTA EMBARCA Built To Order Tempo de Entrega do Produto MANUFATURA INVENTÁRIO MONTA EMBARCA Assemble To Order Tempo de Entrega do Produto MANUFATURA MONTA INVENTÁRIO EMBARCA Make to Stock (Finish to Order) É desencorajador ver o grande número de pessoas chocadas diante da honestidade e os poucos chocados com a desonestidade. Noël Coward, dramaturgo, compositor e ator inglês 18

19 Fundamentos de administração de estoques Inventários São estoques ou ítens que dão suporte à produção: - Matérias-primas, - Material em processo, - Material usado em atividades de apoio (manutenção), - Material usado no atendimento de necessidades dos clientes (produto acabado e sobressalentes). Gestão de Inventários é o conjunto de tarefas necessárias para o Planejamento, Organização, Direção, e Controle de todos os inventários (estoques) de uma empresa. Objetivos de administração de estoques Assegurar que os estoques nos diferentes estágios integrem-se sinergicamente aos demais estoques e aos processos do Negócio*, constituindo uma real contribuição à competitividade da empresa. Para isso, é necessário domínio dos objetivos, estratégias, produtos e processos da empresa, além de discernimento na aplicação de conceitos e técnicas mais adequados a cada situação. * Negócio significa todo o ambiente de operação numa empresa, incluindo Clientes e Fornecedores. 19

20 Fundamentos de administração de estoques Definições: Estoques são males necessários à atividade de manufatura Marco Aurélio P. Dias (visão do início dos anos 80) Acumulação armazenada de recursos materiais em um sistema de transformação Nigel Slack...esses acúmulos de materiais têm uma propriedade fundamental que é uma arma - no sentido de que pode ser usada para o bem e para o mal... Henrique L. Corrêa e outros Fundamentos de administração de estoques Definições: "Itens usados para suportar atividades: de produção (matérias primas e material em processo); auxiliares (manutenção,reparos e suprimentos operacionais); de serviço aos clientes (produtos acabados e peças de reposição)" Oliver Wight "Itens num local de estoque ou em processo, os quais servem para isolar sucessivas operações no processo de fabricação e distribuição de um produto." Oliver Wight Qualquer material ou produto encontrado dentro da Cadeia de Suprimento, mesmo que em poder de Fornecedores, Clientes ou Aliados. Radical 20

21 Fundamentos de administração de estoques Razões para a Existência de Estoques Garantir interdependência entre etapas produtivas; Antecipação de demanda; Permitir produção constante; Reduzir lead times produtivos; Provisão para falta de suprimento futuro; Absorção de variabilidade de demanda e suprimento; Investimento; Aproveitamento de preços favoráveis; Economia de escala (lotes econômicos); Freqüência de suprimento/transporte; Tempo de processo; Estabilização de qualidade; Atendimento de políticas; Ineficiências. Impossível ou inevitável coordenar suprimento e demanda: restrições tecnológicas capacidade informação custo de obtenção lead time Fundamentos de administração de estoques? Incerteza de previsões de suprimento e/ou demanda: Porque surgem os estoques? estoques de segurança Especular com os estoques: escassez oportunidade Preencher o pipeline - canais de distribuição: ramp up de produto Adaptado do livro Planejamento, Programação e Controle da Produção, de Henrique L. Corrêa e outros. 21

22 Fundamentos de administração de estoques Benefícios Procurados com os Estoques Maior confiabilidade; Maior nível de serviço; Redução do tempo de atendimento à demanda normal; Flexibilidade e agilidade no atendimento a demandas anormais; Redução de custos - escala (lotes), escolha de frete, poder de barganha junto a fornecedores; Estabilidade da utilização de recursos; Maior qualidade (uniformidade em lotes maiores, ações planejadas); Menor desgaste de relacionamento. Fundamentos de administração de estoques Aumentam o tempo do ciclo (cycle time) => Maior tempo de reação e maior inflexibilidade; Aumentam o tempo de exposição à incerteza => Aumentam o risco (obsolescência,...); Custos (financeiro, operacional, perdas, quebras ); Recursos físicos e de controle; Inacurácia; Problemas Acarretados pelos Estoques área, manuseio, Atraso na detecção de problemas de qualidade; Criação de problemas de qualidade (manuseio, deterioração). 22

23 Fundamentos de administração de estoques Visão Tradicional dos Estoques EM TRÂNSITO- (especialmente entre unidades de uma mesma Corporação)- "ponto de corte" entre unidades, pode dar margem a omissões e duplas contagens. MATÉRIAS PRIMAS- materiais, componentes e sub-conjuntos que ainda não sofreram qualquer processamento na Empresa. EM PROCESSO- materiais, componentes, sub-conjuntos e semi-acabados retirados de Depósitos, sob a responsabilidade da Produção, supostamente sofrendo algum processamento. O custo é aumentado na medida em que o processamento acontece. SEMI-ACABADOS- materiais, componentes e sub-conjuntos que, após algum processamento na Empresa, voltam a ser armazenados para posterior finalização. EM TERCEIROS- materiais, componentes, sub-conjuntos e, mesmo, produtos acabados, em poder de terceiros para beneficiamento, devendo retornar em seguida à Empresa para finalização e/ou venda. PRODUTOS ACABADOS- o produto em sua forma final, disponível para venda. EMBARCADO- produtos já enviados aos Clientes; dependendo do relacionamento com o Cliente, podem continuar sob a responsabilidade da Empresa até um "ponto de corte mais avançado. Fundamentos de administração de estoques Fatores a considerar na determinação de estratégias de inventário Estratégias de atendimento ao mercado; Lead times; Confiabilidade dos suprimentos; Previsibilidade das demandas; Vida útil/perecibilidade ; Ciclo de fabricação; Posição em relação a gargalos do processo; Posição estratégica na cadeia de suprimento; Sazonalidades de demandas e suprimentos ; Intercambiabilidade. 23

24 Fundamentos de administração de estoques Políticas Básicas de Suprimento Q D t Acompanhamento da Demanda ("Chasing") Q D S t t Estabilização do Suprimento ("Leveling") Q DS t t Acompanhamento em Estágios ("Staged") Fundamentos de administração de estoques Gerenciamento Diferenciado dos Estoques ITEM A ITEM B INEFICIÊNCIA INEFICIÊNCIA PROCESSO RECONCILIAÇÃO INVESTIMENTO QUALIDADE CÍCLICO CÍCLICO SEGURANÇA SEGURANÇA Assim como a composição dos estoques varia de ítem para ítem, assim também deve variar a forma de gestão. 24

25 Fundamentos de administração de estoques Métodos dependentes de Controles Burocráticos Revisão Periódica; Ponto de Pedido; Ponto de Pedido em Série Temporal; Duplo Ponto de Pedido; Distribution Requirements Planning; Demanda Dependente (MRP); Programação Mestre (MPS); Planejamento Agregado (S&OP). Fundamentos de administração de estoques Métodos Visuais Não dependem de controles burocráticos para determinar ações de suprimento; As ações de suprimento são determinadas como parte da operação física dos estoques; Devido à simplicidade, baixo custo operacional e efetividade (quando adequadamente definidos), há uma tendência à revalorização dos métodos de gerenciamento visual, principalmente em conjunto com a filosofia JIT. 25

26 Fundamentos de administração de estoques...ponto de Pedido (tradicional) Em Mãos + Pedidos Quantidade Estoque Máximo Ponto de Pedido Segurança Lead time Tempo $ Fundamentos de administração de estoques Princípio Econômico dos Estoques Cíclicos CTm = ponto de menor custo total Custos Totais (Estocagem + Processo de Suprimentos) Custos decorrentes da Estocagem ou Custos de Manutenção de Estoques Custos do Processo de Suprimento ou Custos de Obtenção de Estoques "Lote Econômico" Quant. por Suprimento (Lote) Lote Econômico é uma QUANTIDADE, referente à qual a somatória dos Custos de Estocagem + Custos do Processo de Suprimentos é mínima. 26

27 Fundamentos de administração de estoques Princípio Econômico dos Estoques Cíclicos $ CTm = ponto de menor custo total Custos Totais Custos decorrentes da Estocagem Custos do Processo de Suprimento Lote Econômico 2 Demanda Anual * * Custo Unitário * Custo de Pedido / Preparação Custo (%) de manutenção de estoques Quant. por Suprimento (Lote) "Lote Econômico" Q Q Grandes Lotes: Estoque Médio Estoque Médio Alto => custos maiores relacionados à estocagem Baixa Frequência => custos menores relacionados ao processo de Suprimento Estoque Médio Pequenos Lotes: Estoque Médio Baixo => custos menores relacionados à estocagem Alta Frequência => custos maiores relacionados ao processo de Suprimento Estoque de segurança com quantidade fixa Estoque de segurança com cobertura baseada num intervalo dinâmico (recalculado a cada replanejamento dos estoques) Fundamentos de administração de estoques Estoques de Segurança Q Q t1 intervalo em que a demanda é analisada para determinar o Est. Seg. em t t t Excesso passível de cobertura pelo Est. Segur. Demanda Prevista Estoque de Segurança Excesso passível de cobertura pelo Est. Segur. Demanda Prevista Estoque de Segurança Estoque de segurança auto-ajustado ponto-aponto Q t Excesso passível de cobertura pelo Est. Segur. Demanda Prevista Estoque de Segurança As mesmas considerações aplicam-se à determinação do estoque de segurança para cobrir falhas de suprimento. 27

28 Fundamentos de administração de estoques Controle de Consumo Tradicional ALMOXA- RIFADO Requisição PROCESSO Relatório Produção CENTRO DE DISTRI- BUIÇÃO. Baixa de Estoque de Materiais p/ Em Processo Recebimento de Produto Final no Estoque No final do mês: inventário físico do material em processo determinação do consumo real: Processo inicial Requisições + - do mes Processo final Planejamento e gestão de depósitos Porque existem depósitos? Equilíbrio entre demanda e suprimento; Atendimento pontual aos clientes; Controle dos itens (encontrá-los pronta e corretamente); Minimizar o esforço físico total (in/out bound); Elos de comunicação com os clientes. Principais atividades Receber, identificar e armazenar produtos; Escolher produtos ( picking ); Preparar a remessa; Despachar a remessa; Operar sistema de informações. 28

29 Planejamento e gestão de depósitos Maximizando produtividade e reduzindo custos: Utilização máxima de espaço; Utilização eficaz de mão-de-obra e equipamentos; Combinação mão-de-obra/equipamento; Sistemas de localização; Transporte eficiente. Fatores de eficácia: Utilização cúbica e acessibilidade; Localização no estoque; Escolha e montagem de pedidos; Embalagem. Distribuição física Canais de distribuição; Sistemas de distribuição; Atividades: Transporte; Depósitos (CD s); Manuseio de materiais; Embalagem (aspectos voltados à proteção); Processamento de pedidos e comunicação. Custo integral aplicado a processos de distribuição; Interfaces: Marketing; Produção. 29

30 Logística reversa Reversão de processos; Aspectos ambientais; Responsabilidade de fabricantes: Atividades da reversão conciliadas com distribuição; Aspectos operacionais; Aspectos técnicos; Aspectos legais; Processamento da logística reversa; Custo integral das operações de logística reversa; Interfaces: Marketing; Produção Planejamento estratégico da empresa. Um homem prudente deve fazer como o arqueiro que, desejando atingir um alvo distante, mira sempre um ponto mais alto do que aquele que realmente quer acertar. Maquiavél 30

31 Administração de Materiais & Qualidade QUE ESPERAR DOS ALIADOS? DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS:. ENGENHARIA SIMULTANEA. VELOCIDADE QUALIDADE:. CERTIFICAÇÕES DEQUALIDADE. C.E.P. FMEA. RASTREABILIDADE UMA ESTRATÉGIA QUE CONTEMPLE: PESSOAS:. INTEGRAÇÃO. OMPROMETIMENTO. SENSO DE URGÊNCIA. ESPÍRITO DE EQUIPE. COMUNICAÇÃO MANUFATURA:. MELHORIA CONTÍNUA DE PROCESSOS. REDUÇÃO CONTÍNUA DE CUSTOS. FLEXIBILIDADE. VELOCIDADE LOGÍSTICA:. REDUÇÃO DO "LEAD TIME". CONFIABILIDADE NA ENTREGA NA CADEIA. FILOSOFIA JUST IN TIME. Administração de Materiais & Qualidade QUE ESPERAR DOS ALIADOS? Preços competitivos; Redução do Tempo de Resposta ("Lead Time ); Receber materiais com máximo valor agregado; Entrega direta nas linhas de montagem: sistemas modulares; consórcios modulares; condomínios industriais; Entrega consistente e nos prazos determinados; Conformidade do produto. 31

32 Administração de Materiais & Qualidade MEDIR É o primeiro passo que nos leva ao controle e consequentemente à melhoria; Se podemos medir algo, podemos entendê-lo; Se podemos entendê-lo, podemos controlá-lo; Se podemos controlá-lo, podemos melhorá-lo!!! Administração de Materiais & Qualidade "A Qualidade do trabalho é muito superior quando a Alta Administração está verdadeiramente envolvida (no controle)... Se a Alta Administração não está envolvida, ela perde o "contato ; E quando ela perde o "contato"...coisas ruins acontecem ; Pessoas comprometidas, técnica e administrativamente preparadas; Foco no Cliente e integração com toda a Cadeia de suprimentos; Capacidade de resposta rápida e melhoramento contínuo. 32

33 Logística O ambiente das cadeias de ( supply chain management ) suprimento Conceitos. Recursos necessários para a implementação do SCM. As funções logísticas e o seu relacionamento intra e extra-organizacional. SCM Objetivo: maximizar as sinergias em toda a cadeia produtiva de forma a atender efetivamente o consumidor final. Fornecedor Fornecedor Montadora Distribuidor Cliente Final SCM trata da integração holística dos processos de negócios (business process) através da cadeia produtiva, com objetivo de atender o consumidor final mais efetivamente (Pires, 1998) 33

34 O Homem não conhece a verdade porque não conhece a si mesmo. Santo Agostinho SCM ESI ESI CRM CRM Fornecedor Inbound Logística de Abastecimento sistema transporte etc Fornecedor Montadora Logística Interna PCP material handling estoques etc Distribuidor/ Atacadista Logística Integrada Outbound Logística de Distribuição sistema transporte etc Cliente Final 34

35 SCM Introdução de Novos Produtos Definição de especificações Definição de fontes; Definição da logística de inbound e outbound SCM Pedidos - Configuração - Recebimento e Programação - Acompanhamento do Pedido 35

36 SCM Planejamento de Vendas e Operações - link entre Marketing e Produção Programação Mestre de Produção - Análise de Capacidade - Estratégias de Inventário SCM Desenvolvimento de Fornecedores Parceria Planejamento de Materiais JIT/DOL 36

37 SCM Acompanhamento de Entrega Gerenciamento de Tráfego Gerenciamento de Importação Análise da Total Value Chain SCM Distribuição Interna Programação e Controle da Produção Garantia de Acurácia de Inventário 37

38 SCM Acurácia do Pedido: - Integridade e Prazo Embalagem Estratégia de Distribuição Inventário Distribuído Trate as pessoas como se elas fossem o que poderiam ser e você as ajudará a se tornarem aquilo que são capazes de ser Goethe 38

39 Logística A infra-estrutura logística no país As concepções correntes na produção, estoques, compras, armazenagem e distribuição. gestão de transporte, Comparação da realidade empresarial brasileira com modelos em utilização na Europa, Japão e Estados Unidos. Estudos de caso. Modelos e técnicas aplicáveis à gestão das funções logísticas. O modelo IBM de relacionamento e o modelo da I2. Concepções correntes Prioridades competitivas em desacordo com a tendência mundial: Qualidade; Preço / Custo; Velocidade/Flexibilidade; Introspecção predominante no mercado; Tradicionalismo; Resistência à mudanças; Baixa empregabilidade / empresabilidade ; Dificuldades estruturais; Vontade política. 39

40 Realidade brasileira versus competidores mundiais Competitividade: Defasagem conceitual e tecnológica; Modelos de gestão; Formação de pessoal; Comunicações e tecnologia da informação; Solidificação das cadeias de suprimentos; Concorrência entre cadeias; Desenvolvimento técnico e organizacional; Barreiras geográficas e políticas; Modelos de gestão pública e infraestrutura operacional. Sistemas de informações logísticas Logística Tecnologia de Informações satélites, EDI, Internet. aplicada à Logística: Implicações do e-business e e-commerce presente e futuro da Logística. no 40

41 e-commerce, b2b, e-business, e-tudo E-Commerce ou comércio eletrônico significa comprar e vender produtos através de meios eletrônicos: via computadores; Seja uma pessoa comprando passagens, CD s, etc. de sua própria casa ou seja uma empresa comprando de outra empresa (business to business); O comércio eletrônico vem crescendo assustadoramente e ninguém previa esse crescimento. Previsão para 1997 = US$ 250MM Realizado em 1997 = US$ 9 bilhões Alguns dados Realizado em 1998 = US$ 21 bilhões Realizado em 2003 = US$ 450 bilhões Previsão para 2004 interessantes:{ US$ 1,3 trilhões (IBM) US$ 1,5 trilhões (MIT) Fonte: Anthropos Consulting E para o futuro? Nos próximos 5 anos as empresas assistirão mais do que as ocorridas nos últimos 30 anos; Segundo todos os prognósticos feitos pelos bancos internacionais e organismos, o Brasil será o grande palco da competição global na próxima década; Essa é a razão pela qual as multinacionais de todo o mundo estão vindo para o Brasil de uma forma nunca vista antes; Fazendo as reformas necessárias, o Brasil continuará sendo uma das melhores opções para o capitalismo ocidental (The Economist); A seguir, dados sobre o potencial do Brasil em termos econômicos e o tamanho do mercado brasileiro. São dados impressionantes e que impressionam todo o mundo que conhece: 41

42 Brasil - PIB Comparativo: O Brasil equivale economicamente a: Suécia + Espanha Taiwan + Rússia Dinamarca + Bélgica + Holanda Ainda sobre o futuro... Brasil - PPP (Purchasing Power Parity) - (Poder de Compra) 9 o. País do mundo em PPP: US$1 trilhão: EUA, China, Japão, Alemanha, India, França, Inglaterra, Itália, Brasil; A previsão é que passe para o 5 o. lugar em 2005, atrás da Alemanha. O Brasil representa 42% do PIB da AL (incluindo o México) e 13,3% do PIB total dos países em desenvolvimento, incluindo a China. Fonte: Anthropos Consulting Só é duradouro aquilo que se renova todos os dias. Autor desconhecido 42

Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA. Prof. Léo Noronha

Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA. Prof. Léo Noronha Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha A administração de materiais A administração de materiais procura conciliar as necessidades de suprimentos com a otimização dos recursos financeiros

Leia mais

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010 Enterprise Resource Planning - ERP Objetivo da Aula Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 2 1 Sumário Informação & TI Sistemas Legados ERP Classificação Módulos Medidas

Leia mais

Andrés Eduardo von Simson Graduação e v r iç i os D s i ney Background Hopi Hari Hilton Brasilton Maksoud Plaza

Andrés Eduardo von Simson Graduação e v r iç i os D s i ney Background Hopi Hari Hilton Brasilton Maksoud Plaza ENGENHARIA DE NEGÓCIOS I GESTÃO ESTRATÉGICA DE ESTOQUES AULA I Prof. Andrés E. von Simson 2009 PROFESSOR Andrés Eduardo von Simson Graduação Adm. Hoteleira Adm. de Empresas Docência pela FGV Especialização

Leia mais

LOGÍSTICA EMPRESARIAL. Rodolfo Cola Santolin 2009

LOGÍSTICA EMPRESARIAL. Rodolfo Cola Santolin 2009 LOGÍSTICA EMPRESARIAL Rodolfo Cola Santolin 2009 Conteúdo Cadeia de suprimentos Custos Logísticos Administração de Compras e Suprimentos Logística Reversa CADEIA DE SUPRIMENTOS Logística Logística Fornecedor

Leia mais

Sistemas de Informações

Sistemas de Informações Sistemas de Informações Prof. Marco Pozam- mpozam@gmail.com A U L A 0 4 Ementa da disciplina Sistemas de Informações Gerenciais: Conceitos e Operacionalização. Suporte ao processo decisório. ERP Sistemas

Leia mais

Logística Integrada. Prof. Fernando Augusto Silva Marins. fmarins@feg.unesp.br. www.feg.unesp.br/~fmarins

Logística Integrada. Prof. Fernando Augusto Silva Marins. fmarins@feg.unesp.br. www.feg.unesp.br/~fmarins Logística Integrada Prof. Fernando Augusto Silva Marins fmarins@feg.unesp.br www.feg.unesp.br/~fmarins 1 Sumário Cenário Fatores para o Desenvolvimento da Logística Bases da Logística Integrada Conceitos

Leia mais

Unidade IV LOGÍSTICA INTEGRADA. Profa. Marinalva R. Barboza

Unidade IV LOGÍSTICA INTEGRADA. Profa. Marinalva R. Barboza Unidade IV LOGÍSTICA INTEGRADA Profa. Marinalva R. Barboza Supply Chain Managment - SCM Conceito: Integração dos processos industriais e comerciais, partindo do consumidor final e indo até os fornecedores

Leia mais

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA Marinalva R. Barboza Definição do conceito de logística e evolução Logística tem origem no idioma francês Logistique se define de forma militar sendo uma parte estratégica

Leia mais

Sistemas de Informações

Sistemas de Informações Sistemas de Informações UMC / EPN Prof. Marco Pozam mpozam@gmail.com A U L A 0 4 Maio / 2013 1 Ementa da Disciplina Sistemas de Informações Gerenciais: Conceitos e Operacionalização. Suporte ao processo

Leia mais

Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi. Logística Empresarial e Sistema Integrado. Objetivos do Tema. Logística

Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi. Logística Empresarial e Sistema Integrado. Objetivos do Tema. Logística Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi e Sistema Integrado Objetivos do Tema Apresentar: Uma visão da logística e seu desenvolvimento com o marketing. A participação da logística como elemento agregador

Leia mais

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES 1 O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES Cesar Paulo Lomba (Discente do 4º período de Tecnologia de Gestão Financeira das Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS) Maria Luzia

Leia mais

Logística Reversa de Materiais

Logística Reversa de Materiais Logística Reversa de Materiais Aplicação de ferramentas de gestão e operação da Cadeia de Abastecimento na Logística Reversa Apresentador: João Paulo Lopez Outubro / 2.008 Objetivos: Conceituar Logística

Leia mais

Paulo Gadas JUNHO-14 1

Paulo Gadas JUNHO-14 1 Paulo Gadas JUNHO-14 1 Cadeia de Suprimentos Fornecedor Fabricante Distribuidor Loja Paulo Gadas JUNHO-14 2 Exemplo de cadeia de suprimentos Fornecedores de matériaprima Indústria principal Varejistas

Leia mais

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht Administração Logística e Administração de. Profª. Patricia Brecht Definição - Logística O termo LOGÍSTICA conforme o dicionário Aurélio vem do francês Logistique e significa parte da arte da guerra que

Leia mais

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha Unidade II GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha Após a Segunda Guerra Mundial: Estados Unidos da América passaram por um longo período de crescimento. Responsáveis pela reconstrução de muitos

Leia mais

Logística Empresarial. Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II. Aula 6. Conceitos Importantes.

Logística Empresarial. Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II. Aula 6. Conceitos Importantes. Logística Empresarial Aula 6 Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II Prof. Me. John Jackson Buettgen Contextualização Conceitos Importantes Fluxos logísticos É o movimento ou

Leia mais

Planejamento da produção. FATEC Prof. Paulo Medeiros

Planejamento da produção. FATEC Prof. Paulo Medeiros Planejamento da produção FATEC Prof. Paulo Medeiros Planejamento da produção O sistema de produção requer a obtenção e utilização dos recursos produtivos que incluem: mão-de-obra, materiais, edifícios,

Leia mais

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi Marketing Prof. Angelo Polizzi Gestão de Produção Gestão de Produção Objetivos: Mostrar que produtos (bens e serviços) consumidos, são produzidos em uma ordem lógica, evitando a perda ou falta de insumos

Leia mais

SEJAM BEM VINDOS!!!! 1

SEJAM BEM VINDOS!!!! 1 SEJAM BEM VINDOS!!!! 1 SEJAM BEM VINDOS AO QUARTO SEMESTRE!!! 2 Regras de ouro: Desligue o celular; Evitem ausentar-se da sala Evitem conversas paralelas (sem propósito com o assunto da aula); Dediquem-se

Leia mais

DOW BUSINESS SERVICES Diamond Value Chain Consulting

DOW BUSINESS SERVICES Diamond Value Chain Consulting DOW BUSINESS SERVICES Diamond Value Chain Consulting Soluções personalizadas para acelerar o crescimento do seu negócio Estratégia Operacional Projeto e Otimização de Redes Processos de Integração Eficácia

Leia mais

Organização Curricular do Curso Superior de Tecnologia em Logística

Organização Curricular do Curso Superior de Tecnologia em Logística Organização Curricular do Curso Superior de Tecnologia em Logística - TLO 2005/1 Organização Curricular do Curso Superior de Tecnologia em Logística 1 DADOS LEGAIS: Reconhecido pela Portaria MEC 134 de

Leia mais

BOM DIA! DESEJAMOS QUE ESTE SEMINÁRIO ATENDA SEUS REQUERIMENTOS

BOM DIA! DESEJAMOS QUE ESTE SEMINÁRIO ATENDA SEUS REQUERIMENTOS BOM DIA! DESEJAMOS QUE ESTE SEMINÁRIO ATENDA SEUS REQUERIMENTOS A Logística Empresarial como Instrumento de Redução de Custos J.G. VANTINE São Paulo, 22 NOVEMBRO 1995 u ANOS 50 TRANSFORMAÇÕES DO MUNDO

Leia mais

JUST-IN-TIME & KANBAN

JUST-IN-TIME & KANBAN JUST-IN-TIME & KANBAN Prof. Darli Rodrigues Vieira darli@darli.com.br 1 OBJETIVO DA AULA OBJETIVO: EVIDENCIAR O QUE É JUST IN TIME E QUAL É SUA UTILIDADE EM PROJETOS DE OTIMIZAÇÃO DE RECURSOS EM OPERAÇÕES

Leia mais

Vamos nos conhecer. Avaliações 23/08/2015. Módulo I Introdução à Logistica Empresarial Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc.

Vamos nos conhecer. Avaliações 23/08/2015. Módulo I Introdução à Logistica Empresarial Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. Módulo I Introdução à Logistica Empresarial Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. Vamos nos conhecer Danillo Tourinho Sancho da Silva, M.Sc Bacharel em Administração, UNEB Especialista em Gestão da Produção

Leia mais

LOGÍSTICA EMPRESARIAL

LOGÍSTICA EMPRESARIAL LOGÍSTICA EMPRESARIAL ACORDO - Celular: Silencioso ou desligado - Chamada 19:10hs e 22:10hs. - Entrada ou saída no decorrer da aula em silencio para não atrapalhar os demais participantes. -Trabalho final

Leia mais

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 18 PROGRAMAÇÃO DE MATERIAIS

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 18 PROGRAMAÇÃO DE MATERIAIS PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 18 PROGRAMAÇÃO DE MATERIAIS Índice 1. Programação de materiais...3 2. Compras...4 2.1. Análise das OCs recebidas... 4 2.2. Pesquisa, identificação

Leia mais

Introdução e Planejamento Cap. 1

Introdução e Planejamento Cap. 1 BALLOU, Ronald H. Gerenciamenrto da Cadeia de Suprimentos / Logística Empresarial. 5ª ed. Porto Alegre: Bookman. 2006 Introdução e Planejamento Cap. 1 Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@fae.br L

Leia mais

22/02/2009 LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO POR QUE A LOGÍSTICA ESTÁ EM MODA POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA

22/02/2009 LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO POR QUE A LOGÍSTICA ESTÁ EM MODA POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO A melhor formação cientifica, prática e metodológica. 1 POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA Marketing Vendas Logística ANTES: foco no produto - quantidade de produtos sem qualidade

Leia mais

Sistema de Administração da Produção

Sistema de Administração da Produção Sistema de Administração da Produção (Extraído do livro Planejamento, Programação e Controle da Produção Enrique Correa e Irineu Gianesi e Mauro Caon Ed Atlas, 2001) 1. Definição São sistemas de Informação

Leia mais

Palavras-chaves: Análise ABC, gestão de estoques, controle, diferencial.

Palavras-chaves: Análise ABC, gestão de estoques, controle, diferencial. ANÁLISE DA UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA PRODUTORA DE BEBIDAS, COMO AUXÍLIO À GESTÃO DA LOGÍSTICA DE MATERIAIS EM UM CENÁRIO DE DEMANDA VARIÁVEL Eduardo Bezerra dos Santos

Leia mais

O que é uma Empresa Líder em Logística?

O que é uma Empresa Líder em Logística? 133 O que é uma Empresa Líder em Logística? É aquela que oferece maior agregação de valor aos seus clientes em relação aos seus concorrentes a partir de uma combinação harmônica de práticas logísticas

Leia mais

Lean e a Gestão Integrada da Cadeia de Suprimentos

Lean e a Gestão Integrada da Cadeia de Suprimentos JOGO DA CERVEJA Experimento e 2: Abordagem gerencial hierárquica e centralizada Planejamento Integrado de todos os Estágios de Produção e Distribuição Motivação para um novo Experimento Atender à demanda

Leia mais

Projeto gestão de demanda http://www.administradores.com.br/artigos/marketing/projeto-gestao-de-demanda/62517/

Projeto gestão de demanda http://www.administradores.com.br/artigos/marketing/projeto-gestao-de-demanda/62517/ Projeto gestão de demanda http://www.administradores.com.br/artigos/marketing/projeto-gestao-de-demanda/62517/ Muitas empresas se deparam com situações nas tarefas de previsões de vendas e tem como origem

Leia mais

Introdução e Planejamento Cap. 1. Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br

Introdução e Planejamento Cap. 1. Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br BALLOU, Ronald H. Gerenciamenrto da Cadeia de Suprimentos / Logística Empresarial. 5ª ed. Porto Alegre: Bookman. 2006 Introdução e Planejamento Cap. 1 Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br

Leia mais

Gestão em Logística. Fundação de Estudos Sociais do Paraná. Luiz Alexandre Friedrich

Gestão em Logística. Fundação de Estudos Sociais do Paraná. Luiz Alexandre Friedrich Gestão em Logística Fundação de Estudos Sociais do Paraná Luiz Alexandre Friedrich Nosso contrato... Fornecedor : Luizão Cliente : Alunos de Adm. da FESP - Fornecer subsídios de teoria e prática de Gestão

Leia mais

Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE. Profa. Lérida Malagueta

Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE. Profa. Lérida Malagueta Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE PRODUÇÃO E OPERAÇÕES Profa. Lérida Malagueta Planejamento e controle da produção O PCP é o setor responsável por: Definir quanto e quando comprar Como fabricar ou montar cada

Leia mais

Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva

Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva Programação e Controle da Produção é um conjunto de funções inter-relacionadas que objetivam comandar o processo produtivo e coordená-lo com os demais setores administrativos

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Nível de Serviço ... Serviço ao cliente é o resultado de todas as atividades logísticas ou do

Leia mais

3 O sistema APO Advanced Planner and Optimizer

3 O sistema APO Advanced Planner and Optimizer 3 O sistema APO Advanced Planner and Optimizer Esse capítulo tem por objetivo apresentar os conceitos do sistema APO (Advanced Planner and Optimizer), o sistema APS da empresa alemã SAP. O sistema APO

Leia mais

O Papel da Logística na Organização Empresarial e na Economia GESTÃO LOGÍSTICA. Amílcar Arantes 1

O Papel da Logística na Organização Empresarial e na Economia GESTÃO LOGÍSTICA. Amílcar Arantes 1 GESTÃO LOGÍSTICA Capítulo - 6 Objectivos Identificação das actividades de gestão de materiais; Familiarização do conceito de Gestão em Qualidade Total (TQM); Identificar e descrever uma variedade de filosofias

Leia mais

Aula 5 Supply Chain Management (SCM) Gestão da cadeia de suprimentos Prof: Cleber A. de Oliveira

Aula 5 Supply Chain Management (SCM) Gestão da cadeia de suprimentos Prof: Cleber A. de Oliveira 1. Introdução Aula 5 Supply Chain Management (SCM) Gestão da cadeia de suprimentos Prof: Cleber A. de Oliveira Gestão de Sistemas de Informação Os estudos realizados nas disciplinas Gestão da Produção

Leia mais

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE *Envie o nome de seu grupo, dos integrantes e um telefone de contato junto com as respostas do questionário abaixo para o e-mail COMMUNICATIONS.SLA@SCANIA.COM*

Leia mais

Ementa e Cronograma Programático...

Ementa e Cronograma Programático... Ementa e Cronograma Programático... AULA 01 Estratégia de Operações e Planejamento Agregado AULA 02 Planejamento e Controle de Operações AULA 03 Gestão da Demanda e da Capacidade Operacional AULA 04 Gestão

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CEAP. Curso Administração

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CEAP. Curso Administração Disciplina: Administração Recursos Materiais e PLANO DE ENSINO - 2 o SEMESTRE/2013 Curso Administração Turno/Horário 3ª Feira 3 o e 4 o h 4ª Feira 3º e 4ºh Professor(a) Nazaré da Silva Dias Ferrão Turma:

Leia mais

2. Logística. 2.1 Definição de Logística

2. Logística. 2.1 Definição de Logística 2. Logística 2.1 Definição de Logística Por muito tempo a Logística foi tratada de forma desagregada. Cada uma das funções logísticas era tratada independentemente e como áreas de apoio ao negócio. Segundo

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Gerenciamento Logístico Gerenciamento Logístico A missão do gerenciamento logístico é planejar

Leia mais

CS&OP-P Certified S&OP Professional

CS&OP-P Certified S&OP Professional A achain é uma empresa especializada nas áreas de Supply Chain, Value Chain e Demand Chain Management, com atuação nas modalidades de serviços de treinamento e apoio administrativo. Missão achain: Proporcionar

Leia mais

Estratégia Competitiva 16/08/2015. Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor

Estratégia Competitiva 16/08/2015. Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor Estratégia Competitiva é o conjunto de planos, políticas,

Leia mais

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial Sistemas de Informação Empresarial SIG Sistemas de Informação Gerencial Visão Integrada do Papel dos SI s na Empresa [ Problema Organizacional ] [ Nível Organizacional ] Estratégico SAD Gerência sênior

Leia mais

Função: Operação da Cadeia de materiais. 1.1 Identificar princípios da organização da área de materiais.

Função: Operação da Cadeia de materiais. 1.1 Identificar princípios da organização da área de materiais. MÓDULO II Qualificação Técnica de Nível Médio ASSISTENTE DE LOGÍSTICA II.1 Gestão de Recursos e Materiais Função: Operação da Cadeia de materiais 1. Contextualizar a importância da Administração de materiais

Leia mais

ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING

ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CÂMPUS CANOAS ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING RENAN ROLIM WALENCZUK Canoas, Agosto de 2014 SUMÁRIO 1 INTODUÇÃO...03 2 ERP (ENTERPRISE

Leia mais

Objetivos da Produção

Objetivos da Produção Objetivos da Produção Aula 3 Profª. Ms. Eng. Aline Soares Pereira Sistemas Produtivos I Objetivos da aula 1. Apresentar os objetivos e estratégias da produção 2 Produção: É o processo de obtenção de qualquer

Leia mais

3 CONTEÚDO PROGRMÁTICO

3 CONTEÚDO PROGRMÁTICO UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Centro de Ciências Jurídicas e Econômicas Departamento de Administração Curso de Administração Av. Fernando Ferrari, 514 - Campus Universitário - Goiabeiras CEP.

Leia mais

Capítulo 2. Logística e Cadeia de Suprimentos

Capítulo 2. Logística e Cadeia de Suprimentos Capítulo 2 Logística e Cadeia de Suprimentos Prof. Glauber Santos glauber@justocantins.com.br 1 Capítulo 2 - Logística e Cadeia de Suprimentos Papel primordial da Logística na organização Gestão da Produção

Leia mais

Ortems. Agile Manufacturing Software ADV ANCE D PLANN ING AND DE TAI LED SCH EDUL ING - AP S

Ortems. Agile Manufacturing Software ADV ANCE D PLANN ING AND DE TAI LED SCH EDUL ING - AP S ADV ANCE D PLANN ING AND DE TAI LED SCH EDUL ING - AP S QUEM SOMOS Empresa criada no Brasil no ano de 1996 como joint-venture da SORMA SpA Itália, proprietária de um software ERP para indústrias. Realizou

Leia mais

MBA em Logística e Operações

MBA em Logística e Operações MBA em Logística e Operações Apresentação CAMPUS STIEP Inscrições em Breve Turma 07 --> - *Alunos matriculados após o início das aulas poderão cursar as disciplinas já realizadas, em outras turmas que

Leia mais

LOGÍSTICA. Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA

LOGÍSTICA. Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi LOGÍSTICA 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA O conceito de Logística sempre envolve um fluxo de materiais de uma origem ou destino e, no outro sentido, um fluxo

Leia mais

Planejamento, Programação e Controle da Produção

Planejamento, Programação e Controle da Produção Planejamento, Programação e Controle da Produção Aula 01 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso

Leia mais

JUST IN TIME: UMA DAS FERRAMENTAS DE OTIMIZAÇÃO DA PRODUÇÃO RESUMO

JUST IN TIME: UMA DAS FERRAMENTAS DE OTIMIZAÇÃO DA PRODUÇÃO RESUMO JUST IN TIME: UMA DAS FERRAMENTAS DE OTIMIZAÇÃO DA PRODUÇÃO RESUMO O presente artigo, mostra de forma clara e objetiva os processos da ferramenta Just in time, bem como sua importância para a área de produção.

Leia mais

Controle de estoque Aula 03. Prof. Msc. Ubirajara Junior biraifba@gmail.com

Controle de estoque Aula 03. Prof. Msc. Ubirajara Junior biraifba@gmail.com Controle de estoque Aula 03 Prof. Msc. Ubirajara Junior biraifba@gmail.com Estoque e sua finalidade Estoque representa uma armazenagem de mercadoria com previsão de uso futuro; Assegurar disponibilidade

Leia mais

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO O QUE É NÍVEL DE SERVIÇO LOGÍSTICO? É a qualidade com que o fluxo de bens e serviços

Leia mais

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras. Conceitos avançados da Logística com foco na TI 20/08/2011. O Efeito Chicote - (Bullwhip effect)

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras. Conceitos avançados da Logística com foco na TI 20/08/2011. O Efeito Chicote - (Bullwhip effect) Núcleo de Pós Graduação Pitágoras MBA Logística empresarial e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos Conceitos avançados da Logística com foco na TI Disciplina: Tecnologia da Informação (TI) Aplicada à

Leia mais

Unidade IV. Processo de inventário (Típico) Definir duplas de inventários. Aguardar segunda contagem. Não. Segunda dupla?

Unidade IV. Processo de inventário (Típico) Definir duplas de inventários. Aguardar segunda contagem. Não. Segunda dupla? GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Unidade IV 4 PROCESSO DE INVENTÁRIO FÍSICO Para Martins (0), consiste na contagem física dos itens de estoque. Caso haja diferenças entre o inventário físico

Leia mais

Método: aulas expositivas, transparências e Estudo de Casos. Exercícios estruturados; Provas e trabalhos em grupo.

Método: aulas expositivas, transparências e Estudo de Casos. Exercícios estruturados; Provas e trabalhos em grupo. UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CCJE Departamento de Administração Prof. Marcos Paulo Valadares de Oliveira marcos.p.oliveira@ufes.br ADM 2179 - Administração de Materiais - Programa 1 Semestre

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

SOLMIX Consultoria Empresarial - Fone: 011 99487 7751

SOLMIX Consultoria Empresarial - Fone: 011 99487 7751 Objetivos Nosso Objetivo é Colocar a disposição das empresas, toda nossa Experiência Profissional e metodologia moderna, dinâmica e participativa, para detectar as causas sintomáticas e seus efeitos. Realizar

Leia mais

Por que Lean & Six Sigma?

Por que Lean & Six Sigma? CONTEÚDO DA PALESTRA O O que é LEAN? O O que é Six Sigma? Por que? LEAN LEAN ORIGEM DO LEAN A metodologia Lean já existe há algum tempo: A Ford foi pioneira no início do século XX 33 horas para concluir

Leia mais

Evolução da Disciplina. Logística Empresarial. Aula 1. O Papel dos Sistemas Logísticos. Contextualização. O Mundo Atual

Evolução da Disciplina. Logística Empresarial. Aula 1. O Papel dos Sistemas Logísticos. Contextualização. O Mundo Atual Logística Empresarial Evolução da Disciplina Aula 1 Aula 1 O papel da Logística empresarial Aula 2 A flexibilidade e a Resposta Rápida (RR) Operadores logísticos: conceitos e funções Aula 3 Prof. Me. John

Leia mais

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo III.1 GESTÃO DE TRANSPORTES 1.1. O desenvolvimento econômico e o transporte. 1.2. A geografia brasileira, a infraestrutura dos estados, municípios

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUE INTRODUÇÃO

GESTÃO DE ESTOQUE INTRODUÇÃO 1 GESTÃO DE ESTOQUE Marcela Maria Eloy Paixão Oliveira Acadêmica do Curso de Ciências Contábeis email: marcela_eloy_3@hotmail.com Rafaella Machado Rosa da Silva Acadêmica do Curso de Ciências Contábeis

Leia mais

Gestão da Cadeia de Suprimentos - GCS

Gestão da Cadeia de Suprimentos - GCS A cadeia de suprimentos tem início com o planejamento da demanda. Neste primeiro passo são determinadas as quantidades de produtos que devem estar disponíveis para atender a demanda gerada pelos consumidores.

Leia mais

A Cadeia de Abastecimentos corresponde ao conjunto de processos necessários para: agregar-lhes valor dentro da visão dos clientes e consumidores e

A Cadeia de Abastecimentos corresponde ao conjunto de processos necessários para: agregar-lhes valor dentro da visão dos clientes e consumidores e A Cadeia de Abastecimentos corresponde ao conjunto de processos necessários para: obter materiais, agregar-lhes valor dentro da visão dos clientes e consumidores e disponibilizar os produtos no local e

Leia mais

A Organização orientada pela demanda. Preparando o ambiente para o Drummer APS

A Organização orientada pela demanda. Preparando o ambiente para o Drummer APS A Organização orientada pela demanda. Preparando o ambiente para o Drummer APS Entendendo o cenário atual As organizações continuam com os mesmos objetivos básicos: Prosperar em seus mercados de atuação

Leia mais

Centro de Engenharia e Computação. Trabalho de Administração e Organização Empresarial

Centro de Engenharia e Computação. Trabalho de Administração e Organização Empresarial Centro de Engenharia e Computação Trabalho de Administração e Organização Empresarial Petrópolis 2012 Centro de Engenharia e Computação Trabalho de Administração e Organização Empresarial Gestão de Estoque

Leia mais

O PAPEL DO ESTOQUE NAS EMPRESAS

O PAPEL DO ESTOQUE NAS EMPRESAS Gestão Estratégica de Estoques/Materiais Prof. Msc. Marco Aurélio C. da Silva Data: 22/08/2011 O PAPEL DO ESTOQUE NAS EMPRESAS 2 1 GESTÃO DE ESTOQUE Demanda Adequação do Estoque Investimento Série de ações

Leia mais

Organização Curricular do Curso Superior de Tecnologia em Logística

Organização Curricular do Curso Superior de Tecnologia em Logística Organização Curricular do Curso Superior de Tecnologia em Logística - TLO 2006/1 Organização Curricular do Curso Superior de Tecnologia em Logística 1 DADOS LEGAIS: Reconhecido pela Portaria MEC 134 de

Leia mais

30/09/2010. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves. Como surgiu o termo?

30/09/2010. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves. Como surgiu o termo? Engenheiro Agrônomo CCA/UFSCar 1998 Mestre em Desenvolvimento Econômico, Espaço e Meio Ambiente IE/UNICAMP 2001 Doutor em Engenhariade Produção PPGEP/UFSCar 2005 Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Consultor

Leia mais

ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE MRP I EM UMA MICRO-EMPRESA MOVELEIRA LOCALIZADA NO VALE DO PARAIBA

ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE MRP I EM UMA MICRO-EMPRESA MOVELEIRA LOCALIZADA NO VALE DO PARAIBA ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE MRP I EM UMA MICRO-EMPRESA MOVELEIRA LOCALIZADA NO VALE DO PARAIBA Tiago Augusto Cesarin 1, Vilma da Silva Santos 2, Edson Aparecida de Araújo

Leia mais

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 11

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 11 Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 11 Questões sobre o tópico Administração de Materiais. Olá Pessoal, Hoje veremos um tema muito solicitado para esse concurso do MPU! Administração de Materiais.

Leia mais

UnB Universidade de Brasília. Administração de Recursos Materiais. Tema: Gestão de estoque. Alunos: - Beliza de Ávila.

UnB Universidade de Brasília. Administração de Recursos Materiais. Tema: Gestão de estoque. Alunos: - Beliza de Ávila. UnB Universidade de Brasília Administração de Recursos Materiais Tema: Gestão de estoque Alunos: - Beliza de Ávila - Felipe Jordán - Guilherme de Miranda - Jefferson Coelho O conceito de ocupação física

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CENTRO DE ESTUDOS SOCIAIS APLICADOS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CENTRO DE ESTUDOS SOCIAIS APLICADOS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CENTRO DE ESTUDOS SOCIAIS APLICADOS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO PLANO DE DISCIPLINA DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO

Leia mais

SUPPLY CHAIN MANAGEMENT: UMA INTRODUÇÃO À UM MODELO DE GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS PARA OBTENÇÃO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO

SUPPLY CHAIN MANAGEMENT: UMA INTRODUÇÃO À UM MODELO DE GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS PARA OBTENÇÃO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO SUPPLY CHAIN MANAGEMENT: UMA INTRODUÇÃO À UM MODELO DE GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS PARA OBTENÇÃO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO BURGO, Rodrigo Navarro Sanches, RIBEIRO, Talita Cristina dos Santos, RODRIGUES,

Leia mais

CONCEITO DO OPERADOR LOGÍSTICO (fevereiro de 1999)

CONCEITO DO OPERADOR LOGÍSTICO (fevereiro de 1999) CONCEITO DO OPERADOR LOGÍSTICO (fevereiro de 1999) INDICE 1. INTRODUÇÃO 2. SERVIÇOS LOGÍSITICOS 3. O CONCEITO DO OPERADOR LOGÍSITICO 3.1 DEFINIÇÃO 3.2 CARACTERIZAÇÃO DE OPERADOR LOGÍSTICO 4. DEFINIÇÕES

Leia mais

Definições da cadeia de suprimentos Características da cadeia de suprimentos Elementos da cadeia de suprimentos integrada

Definições da cadeia de suprimentos Características da cadeia de suprimentos Elementos da cadeia de suprimentos integrada Definições da cadeia de suprimentos Características da cadeia de suprimentos Elementos da cadeia de suprimentos integrada suprimentos sustentável Segundo semestre 2009 1 Definições da cadeia de suprimentos

Leia mais

15/09/2011. Historico / Conceito. Lean Production é um programa corporativo ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO II. Evolucao do Conceito LEAN THINKING

15/09/2011. Historico / Conceito. Lean Production é um programa corporativo ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO II. Evolucao do Conceito LEAN THINKING Historico / Conceito Lean : década de 80 James Womack (MIT) Projeto de pesquisa: fabricantes de motores automotivos; ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO II Lean Production é um programa corporativo composto por

Leia mais

Curso Superior de tecnologia em Logística

Curso Superior de tecnologia em Logística Curso Superior de tecnologia em Logística Prof. Rodolpho W. Ruiz Tema: Operações Logísticas Agenda da teleaula Globalização. Customer Order Fulfillment COF. Administração da Demanda. Fatores que facilitam

Leia mais

Prof. Fernando Augusto Silva Marins www.feg.unesp.br/~fmarins fmarins@feg.unesp.br Este material foi adaptado de apresentação de Marco Aurelio Meda

Prof. Fernando Augusto Silva Marins www.feg.unesp.br/~fmarins fmarins@feg.unesp.br Este material foi adaptado de apresentação de Marco Aurelio Meda Tecnologia da Informação Aplicada à Logística Prof. Fernando Augusto Silva Marins www.feg.unesp.br/~fmarins fmarins@feg.unesp.br Este material foi adaptado de apresentação de Marco Aurelio Meda Como garantir

Leia mais

Operações Terminais Armazéns. PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007.

Operações Terminais Armazéns. PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007. Operações Terminais Armazéns AULA 3 PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007. A Gestão de Estoques Definição» Os estoques são acúmulos de matériasprimas,

Leia mais

Definição da Necessidade de Produtos Finais

Definição da Necessidade de Produtos Finais OS SISTEMAS DE PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO UTILIZADOS COMO VANTAGEM ESTRATÉGICA Lucia Helena de Oliveira 1, Vilma da Silva Santos 2, Edson Aparecida de Araújo Querido Oliveira 2, Antonio Pascoal

Leia mais

Just In Time (JIT) é uma abordagem disciplinada, que visa aprimorar a produtividade global e eliminar desperdícios.

Just In Time (JIT) é uma abordagem disciplinada, que visa aprimorar a produtividade global e eliminar desperdícios. Fascículo 6 Planejamento e controle Just In Time Entendendo o Just In Time Just In Time, cuja tradução para o português resulta em algo não muito claro Apenas a Tempo, corresponde a atividade de produzir

Leia mais

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos. Profª Caroline Pauletto Spanhol

Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos. Profª Caroline Pauletto Spanhol Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos Profª Caroline Pauletto Spanhol Cadeia de Abastecimento Conceitos e Definições Elementos Principais Entendendo a Cadeia de Abastecimento Integrada Importância

Leia mais

Gestão de Estoques - Premissas. Pleno atendimento Máxima eficiência Menor custo Maior giro possível para o capital investido

Gestão de Estoques - Premissas. Pleno atendimento Máxima eficiência Menor custo Maior giro possível para o capital investido Gestão de Estoques - Premissas Pleno atendimento Máxima eficiência Menor custo Maior giro possível para o capital investido EQUILÍBRIO ENTRE ESTOQUE E CONSUMO Paulo Gadas JUNHO-14 1 Gestão de Estoques

Leia mais

Anhanguera Educacional S/A. Amanda Melo Yasuda. Administração de Materiais e Logística

Anhanguera Educacional S/A. Amanda Melo Yasuda. Administração de Materiais e Logística Anhanguera Educacional S/A Amanda Melo Yasuda Administração de Materiais e Logística Anápolis-GO 2011 1 Anhanguera Educacional S/A Administração Geral Amanda Melo Yasuda Administração de Materiais e Logística

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão da Produção Integrada e Logística

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão da Produção Integrada e Logística Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão da Produção Integrada e Logística Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão da Produção e Logística tem por objetivo fornecer

Leia mais

MBA EM GESTÃO EMPRESARIAL. com ênfase em LOGÍSTICA EMPRESARIAL

MBA EM GESTÃO EMPRESARIAL. com ênfase em LOGÍSTICA EMPRESARIAL PÓS - GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA EM GESTÃO EMPRESARIAL com ênfase em LOGÍSTICA EMPRESARIAL SIGA: TMBAGE Av. Conselheiro Nébias, 159 Bairro Paquetá Santos SP - CEP 11015-001 - Fone: (13) 3228

Leia mais

Recursos Materiais 1

Recursos Materiais 1 Recursos Materiais 1 FCC - 2008 No processo de gestão de materiais, a classificação ABC é uma ordenação dos itens consumidos em função de um valor financeiro. São considerados classe A os itens de estoque

Leia mais

Logística empresarial

Logística empresarial 1 Logística empresarial 2 Logística é um conceito relativamente novo, apesar de que todas as empresas sempre desenvolveram atividades de suprimento, transporte, estocagem e distribuição de produtos. melhor

Leia mais

SUPLLY CHAIN MANAGEMENT NO AUXILIO DA IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE CONTROLE DE ESTOQUE E VENDAS EM UMA MICRO EMPRESA

SUPLLY CHAIN MANAGEMENT NO AUXILIO DA IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE CONTROLE DE ESTOQUE E VENDAS EM UMA MICRO EMPRESA SUPLLY CHAIN MANAGEMENT NO AUXILIO DA IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE CONTROLE DE ESTOQUE E VENDAS EM UMA MICRO EMPRESA Amanda Acacia Rodrigues (UNIPAM) amandaacacia.r@gmail.com Andressa Moreira Soares

Leia mais