Ministério Público Federal Mapas Estratégicos Temáticos CCRs/ PFDC 2º seminário

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Ministério Público Federal Mapas Estratégicos Temáticos CCRs/ PFDC 2º seminário"

Transcrição

1 Ministério Público Federal Mapas Estratégicos Temáticos CCRs/ PFDC 2º seminário Esse relatório é para uso exclusivo da equipe do Ministério Público Federal. Esse material foi utilizado pela PwC durante uma apresentação oral; não é um registro completo da discussão.

2 Este documento deve ser avaliado tendo em vista as apresentações orais e demais arquivos de apoio que o complementam, os quais serão entregues por ocasião da realização das oficinas. 2

3 Agenda 1. Visão Geral do Projeto 2. Descrição dos Objetivos Estratégicos 3. Relação de Causa & Efeito 4. Plano de Ação 5. Matriz de Avaliação de Projetos 6. Elaboração dos Indicadores dos Objetivos Estratégicos 3

4 Agenda do 3º dia Seminário de Painel Temático Dia 3 1 Recepção e cadastro 2 Objetivos Estratégicos 3 Almoço 4 Objetivos Estratégicos (continuação) 5 Causa & Efeitos dos objetivos estratégicos 6 Intervalo 7 Causa & Efeitos dos objetivos estratégicos (continuação) 8 Plano de Ação 9 Encerramento 4

5 Boas práticas de oficina de trabalho. 1 Telefone Celular (modo vibracall ou silencioso) 2 Conversa única(foco das discussões) 3 Brainstormings precisam ser concluídos 4 Capacidade de expressar opiniões, de dizer e não apenas falar 5 Não basta ter razão, é preciso se fazer entender. 6 Não se prenda a ideias pré-concebidas 7 Participem, não existem ideias ruins 8 Maturidade na discussão Capacidade de escutar, não só de ouvir. Não construa muralhas chinesas. Defenda interesses, e não posições. 5

6 Visão geral do projeto 6

7 O projeto de desdobramento da estratégia possui sete objetivos estratégicos... 1 Comunicação da Estratégia 5 Promoção do debate do significado e propósito dos elementos da gestão estratégica 2 Objetivos Gerais do 3 Elaboração de Planejamentos Temáticos Desdobramento da Estratégia do Ministério Público Federal 4 Elaboração de Plano de Ação Contratualização de resultados 6 Desdobramento da estratégia para o âmbito da Tecnologia da Informação 7 Capacitação de pessoal 7

8 ...e engloba onze marcos. As CCRs e PFDC são o escopo dessa oficina. Oficinas de Trabalho para Desdobramento da Estratégia PRRs PRs Planejamento do trabalho Plano de Comunicação Função Eleitoral STI (PETI & PDTI) CCRs e PFDC Corregedoria Estruturação de Unidades de Gestão da Estratégia Legenda: Secretarias Assessorias Atividade escopo desta oficina Atividades não escopo desta oficina 8

9 Para a construção de um mapa estratégico fidedigno à realidade da instituição é necessário o entendimento da situação atual e o impacto de suas ações à estratégia do MPF. Pesquisa com membros e consulta pública Identificação de temas inter-relacionados das CCRs e PFDC e suas intersecções 9

10 Agenda geral 1º seminário 2º seminário Seminário de Painel Temático Dia 1 1 Recepção e Cadastro 2 Conceitos de Gestão Estratégica 3 Ferramentas de Gestão Estratégica 4 Intervalo 5 Análise SWOT 6 Almoço 7 Análise SWOT (continuação) 8 Intervalo 9 Priorização dos itens da análise SWOT 10 Encerramento 1 Seminário de Painel Temático Dia 2 Aderência às lentes estratégicas do MPF e Construção do Mapa Estratégico 2 Intervalo 3 Construção do Mapa Estratégico 4 Almoço 5 Construção do Mapa Estratégico (continuação) 6 Intervalo Seminário de Painel Temático Dia 3 1 Recepção e cadastro 2 Objetivos Estratégicos 3 Almoço 4 Objetivos Estratégicos (continuação) 5 Causa & Efeitos dos objetivos estratégicos 6 Intervalo 7 Causa & Efeitos dos objetivos estratégicos (continuação) 8 Plano de Ação 9 Encerramento Seminário de Painel Temático Dia 4 1 Plano de Ação 2 Intervalo 3 Indicadores 4 Encerramento 7 Encerramento Legenda: Não escopo desta oficina Escopo desta oficina 10

11 AçãoS Apren Proce Cidad Socied Passo s Recur sos Respo nsávei s Prazo BSC Açã o Pas sos Rec urso s Res pons ávei s Praz o BSC Perspectiv a Indicador Propósito Descrição Fórmula Periodicid ade Unidade responsáve l Fonte de coleta Base Zero Observaçõ es Ação S Apren Proce Cidad Socie Pass os Recu rsos Ficha de detalhamento do indicador de desempenho Objetivo estratégico vinculado Resp onsáv eis Unidade de medida Gestor Previsão de início Polaridade Bench mark Prazo U n i d a d e BSC 10 passos para elaboração do mapa e portfólio de projetos 1º seminário 1. SWOT 2. Identificação de pontos críticos 3. Causa & Efeito dos pontos críticos 4. Formulação e votação dos objetivos estratégicos 5. Balizamento com Coordenação da CCR/ PFDC T W O S Impacto 10 9,5 9 8,5 8 7, Intensidade Efeito 100% 80% 60% 40% 20% 0% 0% 20% 40% 60% 80% 100% Causa 2º seminário 6. Descrição dos objetivos 7. Causa & Efeito dos objetivos 8. Plano de Ação 9. Matriz de Avaliação de Projetos 10. Elaboração de indicadores Baixo Esforço Alto Resultado Alto Esforço Alto Resultado Resultado Baixo Esforço Baixo Resultado Alto Esforço Baixo Resultado Esforço Legenda: Etapa realizada Etapa atual Etapa a ser realizada 11

12 Descrição dos objetivos estratégicos 12

13 AçãoS Apren Proce Cidad Socied Passo s Recur sos Respo nsávei s Prazo BSC Açã o Pas sos Rec urso s Res pons ávei s Praz o BSC Perspectiv a Indicador Propósito Descrição Fórmula Periodicid ade Unidade responsáve l Fonte de coleta Base Zero Observaçõ es Ação S Apren Proce Cidad Socie Pass os Recu rsos Ficha de detalhamento do indicador de desempenho Objetivo estratégico vinculado Resp onsáv eis Unidade de medida Gestor Previsão de início Polaridade Bench mark Prazo U n i d a d e BSC Dez passos para elaboração do mapa e portfólio de projetos. 1º seminário Metodologia 1. SWOT 2. Identificação de pontos críticos 3. Causa & Efeito dos pontos críticos 4. Formulação e votação dos objetivos estratégicos 5. Balizamento com Coordenação da CCR/ PFDC T W O S Impacto 10 9,5 9 8,5 8 7, Intensidade Efeito 100% 80% 60% 40% 20% 0% 0% 20% 40% 60% 80% 100% Causa 2º seminário 6. Descrição dos objetivos 7. Causa & Efeito dos objetivos 8. Plano de Ação 9. Matriz de Avaliação de Projetos 10. Elaboração de indicadores Baixo Esforço Alto Resultado Alto Esforço Alto Resultado Resultado Baixo Esforço Baixo Resultado Alto Esforço Baixo Resultado Esforço Legenda: Etapa realizada Etapa atual Etapa a ser realizada 13

14 A construção dos resultados estratégicos Missão Planejamento Estratégico e o BSC Em síntese, para se criar valor na instituição e obter os resultados estratégicos é necessário percorrer diversas etapas. Valores Visão Estratégia Mapa estratégico (Traduz a estratégia) Indicadores estratégicos (Mensuração e foco) Planos de ação e metas (O que precisamos fazer) Objetivos pessoais (O que preciso fazer) Planejamento Institucional 1º Seminário das CCRs/PFDC 2º Seminário das CCRs/PFDC Reflexão individual Resultados estratégicos Justiça e cidadania promovidas Crime e corrupção combatidos Direitos dos cidadãos defendidos Processos eficientes / eficazes Membros e servidores motivados e preparados Legenda: Formulação da estratégia Transformação da estratégia Execução da estratégia Fonte: Análise PwC, Análise MPF, KAPLAN, R. S. e NORTON, D. P. Mapas Estratégicos. Ed. Campus, Rio de Janeiro 2004, Figura 2.2 pp

15 Missão, Visão e Valores A Visão, Missão e Valores do MPF nortearam o desenvolvimento dos objetivos estratégicos das CCRs e PFDC. 15

16 Objetivos Estratégicos Ao final do 1º seminário foi realizada a votação dos objetivos estratégicos elaborados pelos participantes. O resultado foi consolidado e encaminhado à CCR/PFDC (vide material avulso). Consolidação dos votos Perspectiva Grupos Item Objetivos Votos Grupo 2 1 Desenvolver tecnologias para apoiar a gestão do conhecimento, facilitando o seu compartilhamento e a replicação das melhores práticas. 13 Grupo 1 2 Motivar e qualificar profissionalmente os membros e servidores. 9 Grupo 1 3 Construir uma cultura de unidade institucional e consciência ambiental. 4 Compartilhar o conhecimento e replicar as boas práticas de atuação dos Grupo 2 4 Aprendizado e membros e das ações de perícia. 3 Crescimento Grupo 3 5 Alcançar excelência nas respectivas áreas de atuação. 0 Grupo 1 6 Adequar quantitativamente os recursos humanos às demandas presentes e futuras. 0 Grupo 2 7 Promover a atração, retenção e desenvolvimento de talentos e capacitar nas áreas de interesse da 4a CCR. 0 Grupo 4 8 Promover gestão por competências no âmbito da 4a CCR. 0 16

17 Objetivos Estratégicos Após a contagem de votos, os objetivos estratégicos com cernes similares foram agrupados e os votos recalculados. O material foi validado com o Coordenador/ Procurador da CCR/PFDC e foram consolidados os objetivos estratégicos (vide material avulso). EXEMPLO ILUSTRATIVO 3ª CCR Perspectiva T em a Ref. do 1o sem inário Item Objetivo estratégico 2. Capacitar membros e servidores para atuar nas temáticas da 3ª CCR. 4. Capacitar membros e servidores nos eixos temáticos/regulação setorial. Balizamento e consolidação Aprendizado e Crescimento Pessoas 7. Promover a realização permanente de cursos voltados à capacitação de membros e servidores. 19. Capacitar de forma a especializar a equipe técnica de apoio da 3ª CCR. 8. Desenvolver habilidades negociais para atuar como órgão facilitador de acordos extrajudiciais com grandes agentes regulados. 5. Garantir a constante atualização do corpo pericial da 3ª CCR para permitir o apoio eficaz e eficiente dos membros. 26. Capacitar/Especializar os peritos da 3ª CCR por eixo temático para consultoria aos membros. 1 Contribuir com a política de capacitação e de desenvolvimento de habilidades técnicas nas temáticas da 3ªCCR para membros e servidores. MAPA TEMÁTICO DA CCR/PFDC Visão:Até 2020, ser reconhecido, nacional e internacionalmente,pela excelência na promoção da Justiça, da cidadania e no combate ao crime e à corrupção. Missão: Promover a realização da justiça, a bem da sociedade e em defesa do Estado democrático de direito. 1. Desenvolver mecanismos de apoio especializado aos membros nos eixos temáticos. 2 Desenvolver mecanismos de apoio especializado aos membros nos eixos temáticos. Valores:Autonomia institucional, compromisso, transparência, ética, independência funcional, unidade, iniciativa e efetividade. Benefício percebido pela sociedade Sociedade Objetivo 10 Objetivo 11 Objetivo 8 Objetivo 9 Benefício percebido pelo cidadão Cidadão Objetivo 7 Comunicação Modelo de Atuação e Conhecimento Processos Internos Objetivo 3 Objetivo 5 Objetivo 4 Objetivo 6 Aprendizado & Crescimento Pessoas Objetivo 1 Objetivo 2 17

18 Elaboração da descrição dos objetivos estratégicos Divisão: 4 grupos Metodologia: Cada grupo receberá um ou mais objetivos estratégicos. Utilizando as perguntas e orientações, os grupos deverão desenvolver a descrição dos objetivos estratégicos recebidos. Os resultados de cada grupo serão apresentados em plenária para consolidação da descrição de cada objetivo. Recursos: Flipchart. Mapa Temático da CCR/PFDC. Perguntas e orientações de cada objetivo estratégico. Tempo: Discussão em grupo: 40 minutos Apresentação: 25 minutos por grupo Tempo total do exercício: 2h20 18

19 Relação de Causa & Efeito 19

20 AçãoS Apren Proce Cidad Socied Passo s Recur sos Respo nsávei s Prazo BSC Açã o Pas sos Rec urso s Res pons ávei s Praz o BSC Perspectiv a Indicador Propósito Descrição Fórmula Periodicid ade Unidade responsáve l Fonte de coleta Base Zero Observaçõ es Ação S Apren Proce Cidad Socie Pass os Recu rsos Ficha de detalhamento do indicador de desempenho Objetivo estratégico vinculado Resp onsáv eis Unidade de medida Gestor Previsão de início Polaridade Bench mark Prazo U n i d a d e BSC 10 passos para elaboração do mapa e portfólio de projetos 1º seminário 1. SWOT 2. Identificação de pontos críticos 3. Causa & Efeito dos pontos críticos 4. Formulação e votação dos objetivos estratégicos 5. Balizamento com Coordenação da CCR/ PFDC T W O S Impacto 10 9,5 9 8,5 8 7, Intensidade Efeito 100% 80% 60% 40% 20% 0% 0% 20% 40% 60% 80% 100% Causa 2º seminário 6. Descrição dos objetivos 7. Causa & Efeito dos objetivos 8. Plano de Ação 9. Matriz de Avaliação de Projetos 10. Elaboração de indicadores Baixo Esforço Alto Resultado Alto Esforço Alto Resultado Resultado Baixo Esforço Baixo Resultado Alto Esforço Baixo Resultado Esforço Legenda: Etapa realizada Etapa atual Etapa a ser realizada 20

21 Relação de Causa & Efeito do BSC As perspectivas do BSC são integradas buscando entre elas uma relação de causa e efeito. O aprendizado e conhecimento atuam como base e, em conjunto com o desenho correto dos processos internos, permitem beneficiar o cidadão e colher o reconhecimento da sociedade. Modelo Z do BSC CONCEITUAL Reconhecimento da sociedade e a sociedade vai reconhecer o valor que criamos para promover a realização da justiça, a bem da sociedade e em defesa do estado democrático de direito. 4 Integridade dos valores do MPF 3 Cidadão dessa forma o cidadão receberá o benefício esperado Processos Internos fazendo as coisas certas 2 Integridade dos valores do MPF 1 Aprendizado e Crescimento Se temos a cultura institucional correta e a equipe certa Fonte: Análise PwC, Análise equipe MPF; KAPLAN, R. S.; NORTON, D. P. (1992): The Balanced Scorecard Measures that Drive Performance, in: Harvard Business Review, 1992, Nr. 1, S

22 Relação de Causa & Efeito do BSC Ao analisar o mapa estratégico de uma instituição é possível identificar as relações de causa e efeito entre os objetivos estratégicos. Sociedade Fomentar a divulgação da atuação dos membros na temática com foco nas ações, resultados e benefícios. Cidadão Aprimorar e fomentar a criação de novos canais de comunicação com o cidadão. Atuar diretamente com o cidadão de forma preventiva. Processos Internos Assegurar suporte pericial célere e de qualidade. Assegurar que a capacidade produtiva esteja adequada às demandas da atuação temática. Criar e gerir rede de contatos entre a instituição e interessados na temática. Aprimorar mecanismos de integração entre as diversas áreas da instituição. Aprendizado & Crescimento Desenvolver membros e servidores em áreas prioritárias. Promover cultura de unidade institucional. Incentivar a divulgação interna e compartilhamento das boas práticas entre os membros e servidores. 22

23 Causa & Efeito entre os objetivos estratégicos Divisão: 4 grupos Metodologia: Cada grupo receberá o mapa temático da CCR/ PFDC e deverá identificar, por meio de setas, a relação de causa e efeito entre os objetivos estratégicos. Os resultados dos quatro grupos serão consolidados ao final do exercício. Recursos: Mapa Temático da CCR/ PFDC. Papel pardo. Pincel atômico. Fita adesiva. Tempo: Discussão em grupo: 30 minutos Consolidação: 40 minutos Tempo total do exercício: 1h10 23

24 Plano de Ação 24

25 AçãoS Apren Proce Cidad Socied Passo s Recur sos Respo nsávei s Prazo BSC Açã o Pas sos Rec urso s Res pons ávei s Praz o BSC Perspectiv a Indicador Propósito Descrição Fórmula Periodicid ade Unidade responsáve l Fonte de coleta Base Zero Observaçõ es Ação S Apren Proce Cidad Socie Pass os Recu rsos Ficha de detalhamento do indicador de desempenho Objetivo estratégico vinculado Resp onsáv eis Unidade de medida Gestor Previsão de início Polaridade Bench mark Prazo U n i d a d e BSC 10 passos para elaboração do mapa e portfólio de projetos 1º seminário 1. SWOT 2. Identificação de pontos críticos 3. Causa & Efeito dos pontos críticos 4. Formulação e votação dos objetivos estratégicos 5. Balizamento com Coordenação da CCR/ PFDC T W O S Impacto 10 9,5 9 8,5 8 7, Intensidade Efeito 100% 80% 60% 40% 20% 0% 0% 20% 40% 60% 80% 100% Causa 2º seminário 6. Descrição dos objetivos 7. Causa & Efeito dos objetivos 8. Plano de Ação 9. Matriz de Avaliação de Projetos 10. Elaboração de indicadores Baixo Esforço Alto Resultado Alto Esforço Alto Resultado Resultado Baixo Esforço Baixo Resultado Alto Esforço Baixo Resultado Esforço Legenda: Etapa realizada Etapa atual Etapa a ser realizada 25

26 Identificação das iniciativas O Plano de Ação requer a criação, identificação e implementação de iniciativas que estejam alinhadas aos objetivos estratégicos da unidade. Onde? (Where?) O quê? (What?) Por quê? (Why?) Quando? (When?) O que considerar em um Plano de Ação (Metodologia 6W2H) Quem? (Who?) Resultado? (What is the result?) Quanto? (How much?) Como? (How?) Quantidade? Fonte: Análise PwC, KAPLAN, R. S.; NORTON, D. P. (1992): The Balanced Scorecard Measures that Drive Performance, in: Harvard Business Review, 1992, Nr. 1, S Custo? 26

27 Plano de Ação Para a identificação das ações será utilizado o modelo abaixo que proporciona uma visão ampla das ações e utiliza a metodologia 6W2H. Por quê? O quê? Como e/ou onde? Quando? Quanto? Resultado? Quem e/ou onde? Plano de Ação CCRs/ PFDC Perspectiva Aprendizado e Crescimento Objetivo estratégico Desenvolver mecanismos de apoio especializado aos membros nos eixos temáticos. Ação Apresentação de temáticas prioritárias da 3ª CCR pelo coordenador aos membros e servidores. Quais passos são necessários para a ação ser realizada? 1. Verificar disponibilidade do Coordenador. 2. Obter apoio da SECOM. Qual o prazo para a realização da ação? 60 dias. Manter apresentações periódicas para novos membros e servidores. Quais recursos são necessários? Recursos próprios. Qual o resultado esperado? Conhecimento maior e unificados dos membros e servidores sobre as prioridades da CCR. Quem é/são os responsáveis? 3ª CCR 27

28 Plano de Ação Divisão: 4 grupos Metodologia: Cada grupo receberá objetivos estratégicos diferentes. Não há quantidade máxima ou mínima de iniciativas. Recursos: Notebook. Objetivos estratégicos. Materiais já existentes da CCR ou PFDC. Ações identificadas no 1º seminário. Tempo: Discussão em grupo: 30 minutos Apresentação: 15 minutos por grupo Tempo total do exercício: 2h 28

29 Agenda do 4º dia Seminário de Painel Temático Dia 4 1 Plano de Ação 2 Intervalo 3 Indicadores 4 Encerramento 29

30 Matriz de Avaliação de Projetos 30

31 AçãoS Apren Proce Cidad Socied Passo s Recur sos Respo nsávei s Prazo BSC Açã o Pas sos Rec urso s Res pons ávei s Praz o BSC Perspectiv a Indicador Propósito Descrição Fórmula Periodicid ade Unidade responsáve l Fonte de coleta Base Zero Observaçõ es Ação S Apren Proce Cidad Socie Pass os Recu rsos Ficha de detalhamento do indicador de desempenho Objetivo estratégico vinculado Resp onsáv eis Unidade de medida Gestor Previsão de início Polaridade Bench mark Prazo U n i d a d e BSC 10 passos para elaboração do mapa e portfólio de projetos 1º seminário 1. SWOT 2. Identificação de pontos críticos 3. Causa & Efeito dos pontos críticos 4. Formulação e votação dos objetivos estratégicos 5. Balizamento com Coordenação da CCR/ PFDC T W O S Impacto 10 9,5 9 8,5 8 7, Intensidade Efeito 100% 80% 60% 40% 20% 0% 0% 20% 40% 60% 80% 100% Causa 2º seminário 6. Descrição dos objetivos 7. Causa & Efeito dos objetivos 8. Plano de Ação 9. Matriz de Avaliação de Projetos 10. Elaboração de indicadores Baixo Esforço Alto Resultado Alto Esforço Alto Resultado Resultado Baixo Esforço Baixo Resultado Alto Esforço Baixo Resultado Esforço Legenda: Etapa realizada Etapa atual Etapa a ser realizada 31

32 Metodologia Matriz Esforço X Resultado X Prazo Ações definidas Esforço para sua implementação Recursos ($) necessários, patrocínio da liderança, disponibilidade de membros e servidores, etc. Resultado de sua implementação Prazo para sua implementação Impacto nas atividades, na percepção do cidadão e sociedade, etc. Curto, médio e longo prazo. MODELO x y z Objetivos Esforço Resultado Prazo

33 Macro Portfólio de Ações A matriz Esforço X Resultado X Prazo auxilia a criação do portfólio de ações e a priorização das ações. Orienta-se o foco para o quadrante de baixo esforço e alto resultado. De acordo com os prazos identificados, é possível iniciar o planejamento e implementação das ações. Matriz de Avaliação do Portfólio de Ações Alto + Baixo Esforço Alto Resultado Alto Esforço Alto Resultado Resultado Alcançado pela Conclusão da Ação Ações prioritárias: Baixo esforço Alto resultado Baixo Esforço Baixo Resultado Alto Esforço Baixo Resultado Baixo Esforço para Executar a Ação Baixo Alt0 33

34 Esforço X Resultado Dinâmica Divisão: 4 grupos Metodologia: Cada grupo discutirá sobre as ações consolidadas no exercício anterior. Os grupos deverão preencher as tabelas classificando as ações de 1 a 5 sobre o seu esforço, resultado e prazo, sendo 1 pouco esforço ou resultado ou curto prazo e 5 muito esforço ou resultado ou longo prazo. Recursos: Notebook (modelo Excel). Tempo: Classificação em grupo: 40 minutos Apresentação do resultado geral: 20 minutos Tempo total do exercício: 1h 34

35 Elaboração de indicadores dos objetivos estratégicos 35

36 AçãoS Apren Proce Cidad Socied Passo s Recur sos Respo nsávei s Prazo BSC Açã o Pas sos Rec urso s Res pons ávei s Praz o BSC Perspectiv a Indicador Propósito Descrição Fórmula Periodicid ade Unidade responsáve l Fonte de coleta Base Zero Observaçõ es Ação S Apren Proce Cidad Socie Pass os Recu rsos Ficha de detalhamento do indicador de desempenho Objetivo estratégico vinculado Resp onsáv eis Unidade de medida Gestor Previsão de início Polaridade Bench mark Prazo U n i d a d e BSC 10 passos para elaboração do mapa e portfólio de projetos 1º seminário 1. SWOT 2. Identificação de pontos críticos 3. Causa & Efeito dos pontos críticos 4. Formulação e votação dos objetivos estratégicos 5. Balizamento com Coordenação da CCR/ PFDC T W O S Impacto 10 9,5 9 8,5 8 7, Intensidade Efeito 100% 80% 60% 40% 20% 0% 0% 20% 40% 60% 80% 100% Causa 2º seminário 6. Descrição dos objetivos 7. Causa & Efeito dos objetivos 8. Plano de Ação 9. Matriz de Avaliação de Projetos 10. Elaboração de indicadores Baixo Esforço Alto Resultado Alto Esforço Alto Resultado Resultado Baixo Esforço Baixo Resultado Alto Esforço Baixo Resultado Esforço Legenda: Etapa realizada Etapa atual Etapa a ser realizada 36

37 Indicadores dos objetivos estratégicos Os indicadores chave de performance (Key Performance Indicators KPIs) buscam demonstrar a convergência entre as ações da instituição e seus objetivos. Os indicadores chave de performance (KPIs) devem refletir os objetivos da instituição, assim, devem estar alinhados com o planejamento estratégico da instituição. Caso a instituição, altere seus objetivos, os KPIs também devem ser alterados. Pois eles deverão verificar o alcance de novos objetivos. Os KPIs possuem as seguintes características: 1. Estratégicos: Ligados ao planejamento estratégico da instituição. 2.Sistêmicos: Não podem ser vistos isoladamente, mas sim em conjunto com os outros KPIs. 3.Quantificáveis: Devem ser mensuráveis. 4.Responsabilidade: Devem possuir uma unidade responsável que deverá mensurá-lo e garantir que as metas estão sendo alcançadas. 37

38 Indicadores dos objetivos estratégicos A definição do indicador estrutura uma forma de acompanhar a evolução e o avanço dos objetivos estratégicos, garantindo que os recursos sejam utilizados de forma efetiva gerando os resultados esperados. Como saberemos se o objetivo definido está gerando resultados? De que forma podemos saber se a nossa contribuição está avançando? Indicadores de desempenho: medem o desempenho durante o processo e permitem identificar ( prever ) possíveis problemas, mostrando necessidades de ajustes para que a meta seja atingida. Normalmente medem processos e atividades intermediárias. Indicadores de resultado: medem o que a empresa obteve em função de ações passadas. Normalmente, caracterizando uma performance histórica. Na criação de indicadores é natural que exista uma mistura de indicadores de resultado e desempenho. Fonte: Análise PwC, KAPLAN, R. S.; NORTON, D. P. (1992): The Balanced Scorecard Measures that Drive Performance, in: Harvard Business Review, 1992, Nr. 1, S

39 Indicadores dos objetivos estratégicos Alguns aspectos devem ser considerados na elaboração dos indicadores e metas. Metodologia S.M.A.R.T. S M A R T Specific (específico): Nada geral ou vago, mas prático e concreto. Measurable (mensurável): Responde as perguntas Quantos? Quanto? Em que medida? Achievable (alcançável): Você tem recursos humanos e materiais suficientes para atingir a meta? Realistic (realista): É possível medir e atingir a meta? Time-bound (com prazo determinado): Quais são as datas limite para alcançar os objetivos? Principais dificuldades: Impacto transfuncional (não depende só de mim); Disponibilidade de dados. Fonte: Análise PwC, KAPLAN, R. S.; NORTON, D. P. (1992): The Balanced Scorecard Measures that Drive Performance, in: Harvard Business Review, 1992, Nr. 1, S

40 Ficha de detalhamento dos indicadores Parte 1 Unidade 3ª CCR Perspectiva Processos Internos Objetivo estratégico Assegurar corpo pericial flexível às demandas Indicador Demandas periciais reprimidas Propósito Reduzir o passivo número de demandas periciais não atendidas Descrição Identificar o percentual de demandas periciais aguardando perícia Benchmark Polícia Federal 40

41 Ficha de detalhamento dos indicadores Parte 2 Unidade 3ª CCR Fórmula (Quantidade de perícias pendentes há 6 meses ou mais / perícias solicitadas) x 100 Periodicidade Semestral Polaridade Quanto menor, melhor Unidade responsável Unidade de perícia Unidade de medida Percentual Fonte de coleta Câmaras e Núcleos Periciais nos Estados Gestor Secretário de Acompanhamento Documental e Processual Base Zero 60% Previsão de início Fevereiro 2013 Metas N/A 40% 25% 15% 5% 0% 0% 0% 0% 41

42 Ficha de detalhamento dos indicadores Parte 3 Unidade 3ª CCR Inter-relação com CCRs / PFDC/ Função Eleitoral/ Assessorias/ Secretarias Preencher o grau de inter-relação em uma escala de 1 a 7, sendo que a opção 1 indica que existe pouca correlação e a opção 7 indica que existe alta correlação 1ª CCR: Constitucional 5 5ª CCR: 1 2ª CCR: Criminal 7 6ª CCR: Índios e Minorias 1 3ª CCR: 1 PFDC 6 4ª CCR: 1 Função Eleitoral 1 Assessorias (Quais?) 1 Secretarias(Quais?) 1 42

43 Indicadores dos objetivos estratégicos Dinâmica Divisão: 4 grupos Metodologia: Cada grupo deverá sugerir indicadores para os objetivos estratégicos que lhes forem designados preenchendo a Ficha de Detalhamento do Indicador de Desempenho. Não é necessária a identificação de metas para todos os anos. As metas de cada objetivo deverão ser avaliadas de acordo com sua necessidade gerada. Os resultados serão apresentados por cada grupo aos demais. Recursos: Ficha de Detalhamento do Indicador de Desempenho Exemplos de indicadores de desempenho Materiais já existentes da CCR ou PFDC Tempo: Discussão em grupo: 1 hora e 30 minutos Apresentação: 15 minutos por grupo Tempo total do exercício: 2h30 43

44 Obrigado! 2012 PricewaterhouseCoopers Serviços Profissionais. All rights reserved. In this document, PwC refers to PricewaterhouseCoopers Serviços Profissionais which is a member firm of PricewaterhouseCoopers International Limited, each member firm of which is a separate legal entity. 44

45 Material de apoio 45

46 Anexo I- Exemplo de indicadores 46

47 Fonte: Conselho Nacional do Ministério Público, Lista de Indicadores Estratégicos, Disponível em Acessado em 11/06/2012.

48 Fonte: Conselho Nacional do Ministério Público, Lista de Indicadores Estratégicos, Disponível em Acessado em 11/06/2012.

49 Fonte: Conselho Nacional do Ministério Público, Lista de Indicadores Estratégicos, Disponível em Acessado em 11/06/2012.

50 Fonte: Conselho Nacional do Ministério Público, Lista de Indicadores Estratégicos, Disponível em Acessado em 11/06/2012.

51 Fonte: Conselho Nacional do Ministério Público, Lista de Indicadores Estratégicos, Disponível em Acessado em 11/06/2012.

52 Fonte: Conselho Nacional do Ministério Público, Lista de Indicadores Estratégicos, Disponível em Acessado em 11/06/2012.

53 Fonte: Conselho Nacional do Ministério Público, Lista de Indicadores Estratégicos, Disponível em Acessado em 11/06/2012.

54 Fonte: Conselho Nacional do Ministério Público, Lista de Indicadores Estratégicos, Disponível em Acessado em 11/06/2012.

55 Fonte: Conselho Nacional do Ministério Público, Lista de Indicadores Estratégicos, Disponível em Acessado em 11/06/

56 Fonte: Conselho Nacional do Ministério Público, Lista de Indicadores Estratégicos, Disponível em Acessado em 11/06/2012.

57 Anexo II- Ficha de Indicadores 57

58 Ficha de detalhamento dos indicadores Parte 1 Unidade Perspectiva Objetivo estratégico Indicador Propósito Descrição Benchmark 58

59 Ficha de detalhamento dos indicadores Parte 2 Unidade Fórmula Periodicidade Polaridade Unidade responsável Unidade de medida Fonte de coleta Gestor Base Zero Previsão de início Metas 59

60 Ficha de detalhamento dos indicadores Parte 3 Unidade Inter-relação com CCRs / PFDC/ Função Eleitoral/ Assessorias/ Secretarias 1ª CCR: Constitucional 5ª CCR: 2ª CCR: Criminal 6ª CCR: Índios e Minorias 3ª CCR: PFDC 4ª CCR: Função Eleitoral Assessorias (Quais?) Secretarias(Quais?) 60

61 Anexo III- Inter- relação entre as tématicas e CCRs/ PFDC Constitucional 7 6 Nível ª CCR PFDC PGE 6ª CCR 5ª CCR 2ª CCR 4ª CCR 3ª CCR Órgãos Fonte: Pesquisa de Percepção da Atuação Temática dos Órgãos do MPF

62 Criminal 7 6 Nível ª CCR 5ª CCR PGE 4ª CCR PFDC 6ª CCR 3ª CCR 1ª CCR Órgãos Fonte: Pesquisa de Percepção da Atuação Temática dos Órgãos do MPF

Alinhamento entre Estratégia e Processos

Alinhamento entre Estratégia e Processos Fabíola Azevedo Grijó Superintendente Estratégia e Governança São Paulo, 05/06/13 Alinhamento entre Estratégia e Processos Agenda Seguros Unimed Modelo de Gestão Integrada Kaplan & Norton Sistema de Gestão

Leia mais

INDICADORES ESTRATÉGICOS EVOLUÇÃO E STATUS. Indicadores com monitoramento implementado e com resultado satisfatório de acordo com a meta.

INDICADORES ESTRATÉGICOS EVOLUÇÃO E STATUS. Indicadores com monitoramento implementado e com resultado satisfatório de acordo com a meta. Implantação do Planejamento Estratégico AMGE 100% até 2016 O Projeto Desdobramento do Planejamento Estratégico Institucional foi instituído por meio da Portaria PGR nº 725/2011 e finalizado em dezembro

Leia mais

Administração Judiciária

Administração Judiciária Administração Judiciária Planejamento e Gestão Estratégica Claudio Oliveira Assessor de Planejamento e Gestão Estratégica Conselho Superior da Justiça do Trabalho Gestão Estratégica Comunicação da Estratégia

Leia mais

Como tudo começou...

Como tudo começou... Gestão Estratégica 7 Implementação da Estratégica - BSC Prof. Dr. Marco Antonio Pereira pereira@marco.eng.br Como tudo começou... 1982 In Search of Excellence (Vencendo a Crise) vendeu 1.000.000 de livros

Leia mais

Gestão Estratégica e o Balanced Scorecard

Gestão Estratégica e o Balanced Scorecard Tribunal Regional do Trabalho da 23ª Região (http://www.trt23.jus.br) Gestão Estratégica e o Balanced Scorecard José Silva Barbosa Assessor de Planejamento e Gestão Setembro/2009 Objetivos Apresentar a

Leia mais

Curso Balanced Scorecard como ferramenta de Gestão por Indicadores

Curso Balanced Scorecard como ferramenta de Gestão por Indicadores Curso Balanced Scorecard como ferramenta de Gestão por Indicadores O Planejamento Estratégico deve ser visto como um meio empreendedor de gestão, onde são moldadas e inseridas decisões antecipadas no processo

Leia mais

ANEXO X DIAGNÓSTICO GERAL

ANEXO X DIAGNÓSTICO GERAL ANEXO X DIAGNÓSTICO GERAL 1 SUMÁRIO DIAGNÓSTICO GERAL...3 1. PREMISSAS...3 2. CHECKLIST...4 3. ITENS NÃO PREVISTOS NO MODELO DE REFERÊNCIA...11 4. GLOSSÁRIO...13 2 DIAGNÓSTICO GERAL Este diagnóstico é

Leia mais

GESPÚBLICA. Brasília ǀ 25 de Setembro de 2012

GESPÚBLICA. Brasília ǀ 25 de Setembro de 2012 GESPÚBLICA Brasília ǀ 25 de Setembro de 2012 Resultados Decisões Estratégicas Informações / Análises O PROCESSO DE GESTÃO ESTRATÉGICA Ideologia Organizacional Missão, Visão,Valores Análise do Ambiente

Leia mais

Eixo temático: Gestão e Políticas de Informação Modalidade: Apresentação Oral

Eixo temático: Gestão e Políticas de Informação Modalidade: Apresentação Oral PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARTICIPATIVO: proposta metodológica para as IFES 1 INTRODUÇÃO Eixo temático: Gestão e Políticas de Informação Modalidade: Apresentação Oral Isabela Machado Papalardo de Moraes

Leia mais

EXECUTIVE GESTÃO ESTRATÉGICA. www.executivebc.com.br. 071 3341-4243 cursos@executivebc.com.br

EXECUTIVE GESTÃO ESTRATÉGICA. www.executivebc.com.br. 071 3341-4243 cursos@executivebc.com.br EXECUTIVE GESTÃO ESTRATÉGICA www.executivebc.com.br 071 3341-4243 cursos@executivebc.com.br GESTÃO ESTRATÉGICA O presente documento apresenta o modelo de implantação do sistema de gestão estratégica da

Leia mais

Núcleo Estadual GesPública RS

Núcleo Estadual GesPública RS Programa Nacional de Gestão Pública e Desburocratização GESPÚBLICA Núcleo Estadual GesPública RS Contexto do GESPÚBLICA no MINISTÉRIO Ministro do Planejamento, Orçamento e Gestão G E S P Ú B L I C A Conselho

Leia mais

PLANEJAMENTO CEAF 2008

PLANEJAMENTO CEAF 2008 PLANEJAMENTO CEAF 2008 O Centro de Estudos e Aperfeiçoamento Funcional- CEAF é o órgão responsável pela educação no Ministério Público. Através de projetos educacionais, o CEAF aperfeiçoa a atuação de

Leia mais

Lançamento do Planejamento Estratégico Nacional Brasília, 09 de novembro de 2011

Lançamento do Planejamento Estratégico Nacional Brasília, 09 de novembro de 2011 Lançamento do Planejamento Estratégico Nacional Brasília, 09 de novembro de 2011 1 Lançamento do Planejamento Estratégico Nacional Brasília, 09 de novembro de 2011 2 Planejamento Estratégico Nacional do

Leia mais

Governança do Planejamento Estratégico no MPDFT. Larissa Ramos da Silva

Governança do Planejamento Estratégico no MPDFT. Larissa Ramos da Silva Governança do Planejamento Estratégico no MPDFT Larissa Ramos da Silva Motivação Elaboração do Planejamento Estratégico 2010-2020 Em: 2010 Por meio de: consultoria especializada Metodologia: Balanced Scorecard

Leia mais

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve.

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve. Balanced Scorecard BSC 1 2 A metodologia (Mapas Estratégicos e Balanced Scorecard BSC) foi criada por professores de Harvard no início da década de 90, e é amplamente difundida e aplicada com sucesso em

Leia mais

Wesley Vaz, MSc., CISA

Wesley Vaz, MSc., CISA Wesley Vaz, MSc., CISA Objetivos Ao final da palestra, os participantes deverão ser capazes de: Identificar e compreender os princípios do Cobit 5; Identificar e conhecer as características dos elementos

Leia mais

Governança AMIGA. Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti

Governança AMIGA. Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti e d a id 4 m IN r fo a n m Co co M a n ua l Governança AMIGA Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti Um dos grandes desafios atuais da administração

Leia mais

O desafio da liderança: Avaliação, Desenvolvimento e Sucessão

O desafio da liderança: Avaliação, Desenvolvimento e Sucessão O desafio da liderança: Avaliação, Desenvolvimento e Sucessão Esse artigo tem como objetivo apresentar estratégias para assegurar uma equipe eficiente em cargos de liderança, mantendo um ciclo virtuoso

Leia mais

Módulo 2. Origem do BSC, desdobramento do BSC, estrutura e processo de criação do BSC, gestão estratégica e exercícios

Módulo 2. Origem do BSC, desdobramento do BSC, estrutura e processo de criação do BSC, gestão estratégica e exercícios Módulo 2 Origem do BSC, desdobramento do BSC, estrutura e processo de criação do BSC, gestão estratégica e exercícios Origem do BSC Cenário Competitivos CONCORRENTE A CONCORRENTE C VISÃO DE FUTURO ESTRATÉGIA

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Grupos de trabalho: formação Objetivo: elaborar atividades e

Leia mais

MPF. MODENIZAÇÃO DOS GABINETES Visão Geral

MPF. MODENIZAÇÃO DOS GABINETES Visão Geral MPF Ministério Público Federal MODENIZAÇÃO DOS GABINETES Visão Geral 2015 Álvaro Amorim Assessor-chefe de Modernização e Gestão Estratégica Secretaria Geral do MPF Histórico das ondas de modernização Junho

Leia mais

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Roteiro 1. Contexto 2. Por que é preciso desenvolvimento de capacidades no setor

Leia mais

Plano de Ação 2015: Objetivos estratégicos, Indicadores, Metas e Projetos priorizados

Plano de Ação 2015: Objetivos estratégicos, Indicadores, Metas e Projetos priorizados E77p Espírito Santo. Tribunal de Contas do Estado. Plano de Ação 2015: Objetivos estratégicos, Indicadores, Metas e Projetos priorizados / Tribunal de Contas do Estado. Vitória/ES: TCEES, 2015. 13p. 1.Tribunal

Leia mais

Modelos, Métodos e Técnicas de Planejamento

Modelos, Métodos e Técnicas de Planejamento UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Faculdade de Filosofia e Ciências Câmpus de Marília Departamento de Ciência da Informação Modelos, Métodos e Técnicas de Planejamento Profa. Marta Valentim Marília 2014 Modelos,

Leia mais

ACERTE NOS INDICADORES DE DESEMPENHO SOB A ÓTICA DO BALANCED SCORECARD. BRUNO VALIM ITIL, COBIT, MCST, HDI-SCTL www.brunovalim.com.

ACERTE NOS INDICADORES DE DESEMPENHO SOB A ÓTICA DO BALANCED SCORECARD. BRUNO VALIM ITIL, COBIT, MCST, HDI-SCTL www.brunovalim.com. ACERTE NOS INDICADORES DE DESEMPENHO SOB A ÓTICA DO BALANCED SCORECARD BRUNO VALIM ITIL, COBIT, MCST, HDI-SCTL O que torna o homem diferente dos outros animais é a habilidade de OBSERVAR, MEDIR, ANALISAR

Leia mais

EDITAL CHAMADA DE CASOS

EDITAL CHAMADA DE CASOS EDITAL CHAMADA DE CASOS INICIATIVAS INOVADORAS EM MONITORAMENTO DO DESENVOLVIMENTO LOCAL E AVALIAÇÃO DE IMPACTO O Centro de Estudos em Sustentabilidade da Fundação Getulio Vargas (GVces) e as empresas

Leia mais

Execução da Estratégia e Alinhamento Organizacional. JOSÉ SILVA BARBOSA Secretário de Gestão Estratégica

Execução da Estratégia e Alinhamento Organizacional. JOSÉ SILVA BARBOSA Secretário de Gestão Estratégica Execução da Estratégia e Alinhamento Organizacional JOSÉ SILVA BARBOSA Secretário de Gestão Estratégica SET/2010 Quem Somos? Criação: Lei nº 8.430/92, 8 de junho de 1992 Varas do Trabalho: 26 Varas Itinerantes:

Leia mais

A EXPERIÊNCIA DO TRT DA 10ª REGIÃO NA IMPLANTAÇÃO DA GESTÃO ESTRATÉGICA

A EXPERIÊNCIA DO TRT DA 10ª REGIÃO NA IMPLANTAÇÃO DA GESTÃO ESTRATÉGICA A EXPERIÊNCIA DO TRT DA 10ª REGIÃO NA IMPLANTAÇÃO DA GESTÃO ESTRATÉGICA Fabiana Alves de Souza dos Santos Diretora de Gestão Estratégica do TRT 10 1/29 O TRT da 10ª Região Criado em 1982 32 Varas do Trabalho

Leia mais

Modelo de Referência. Plano Diretor de Tecnologia da Informação PDTI 2010

Modelo de Referência. Plano Diretor de Tecnologia da Informação PDTI 2010 Modelo de Referência Plano Diretor de Tecnologia da Informação PDTI 2010 Versão 1.0 Premissas do modelo 1. Este modelo foi extraído do material didático do curso Elaboração do Plano Diretor de Tecnologia

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO (BALANCED SCORECARD - BSC) 2010 2014. Fone: (47) 433.2351 www.simpesc.org.br

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO (BALANCED SCORECARD - BSC) 2010 2014. Fone: (47) 433.2351 www.simpesc.org.br PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO (BALANCED SCORECARD - BSC) 2010 2014 Sumário - Desafios das Organizações - Histórico do Trabalho - Breve Conceituação BSC - Apresentação do Mapa Estratégico - Objetivos Estratégicos

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 3ª REGIÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 3ª REGIÃO Controle de Versões Autor da Solicitação: Subseção de Governança de TIC Email:dtic.governanca@trt3.jus.br Ramal: 7966 Versão Data Notas da Revisão 1 03.02.2015 Versão atualizada de acordo com os novos

Leia mais

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Outubro 2009 Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Sustentabilidade Articulação Ampliação dos limites Sistematização Elementos do Novo Modelo Incubação

Leia mais

1º Congresso Nacional de Gerenciamento de Processos na Gestão Pública. Cadeia de valor. Quando? Como? Porque?

1º Congresso Nacional de Gerenciamento de Processos na Gestão Pública. Cadeia de valor. Quando? Como? Porque? 1º Congresso Nacional de Gerenciamento de Processos na Gestão Pública Cadeia de valor Quando? Como? Porque? ABPMP Novembro-2012 1 QUANDO CONSTRUIR UMA CADEIA DE VALOR? - Gestão de processos - Gestão de

Leia mais

O processo de Planejamento Estratégico no Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região Rio Grande do Sul

O processo de Planejamento Estratégico no Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região Rio Grande do Sul O processo de Planejamento Estratégico no Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região Rio Grande do Sul Estrutura da Justiça do Trabalho do RS 115 Varas do Trabalho 09 Postos 230 Juízes de 1º grau 36 Desembargadores

Leia mais

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul Planejamento Estratégico de TIC da Justiça Militar do Estado do Rio Grande do Sul MAPA ESTRATÉGICO DE TIC DA JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO (RS) MISSÃO: Gerar, manter e atualizar soluções tecnológicas eficazes,

Leia mais

Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor

Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor Resumo: A finalidade desse documento é apresentar o projeto de planejamento

Leia mais

TREINAMENTOS MAGAZINE 3 WORKSHOP INTERNACIONAL DE LIDERANÇA 5 GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROJETOS 7 INTRODUÇÃO AO GERENCIAMENTO DE PROJETOS

TREINAMENTOS MAGAZINE 3 WORKSHOP INTERNACIONAL DE LIDERANÇA 5 GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROJETOS 7 INTRODUÇÃO AO GERENCIAMENTO DE PROJETOS TREINAMENTOS MAGAZINE 3 WORKSHOP INTERNACIONAL DE LIDERANÇA Líderes eficazes devem encontrar maneiras de melhorar o nível de engajamento, compromisso e apoio das pessoas, especialmente durante os períodos

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: Por um MP mais eficiente

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: Por um MP mais eficiente PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: Por um MP mais eficiente Natal, 2011 1. Quem somos 2. Histórico da Gestão Estratégica 3. Resultados práticos 4. Revisão

Leia mais

Ministério Público Federal. Secretaria de Tecnologia da Informação

Ministério Público Federal. Secretaria de Tecnologia da Informação Ministério Público Federal Outubro de 2012 Secretaria de Tecnologia da Informação Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação 2012-2020 Sumário Executivo Ao Sr. Márcio Medeiros, Ministério Público

Leia mais

1- Objetivo: Avaliar os conhecimentos adquiridos durante o auto treinamento de Governança de TI com as práticas da ITIL e Cobit.

1- Objetivo: Avaliar os conhecimentos adquiridos durante o auto treinamento de Governança de TI com as práticas da ITIL e Cobit. 1- Objetivo: Avaliar os conhecimentos adquiridos durante o auto treinamento de Governança de TI com as práticas da ITIL e Cobit. 2 Regras e Instruções: Antes de começar a fazer a avaliação leia as instruções

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

COORDENADOR SÊNIOR (CONSULTORIAS) (Candidaturas serão aceitas até o dia 22/2/2013 envie seu CV para asantos@uniethos.org.br)

COORDENADOR SÊNIOR (CONSULTORIAS) (Candidaturas serão aceitas até o dia 22/2/2013 envie seu CV para asantos@uniethos.org.br) COORDENADOR SÊNIOR (CONSULTORIAS) DESCRIÇÃO GERAL: O Coordenador Sênior do Uniethos é responsável pelo desenvolvimento de novos projetos, análise de empresas, elaboração, coordenação, gestão e execução

Leia mais

GUIA DE SUGESTÕES DE AÇÕES PARA IMPLEMENTAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DO PROGRAMA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA

GUIA DE SUGESTÕES DE AÇÕES PARA IMPLEMENTAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DO PROGRAMA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA GUIA DE SUGESTÕES DE AÇÕES PARA IMPLEMENTAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DO PROGRAMA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA ALFABETIZAÇÃO NO TEMPO CERTO NAs REDES MUNICIPAIS DE ENSINO SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MINAS

Leia mais

Apresentação. A Martins Guerra Consultoria é formada por gente jovem, engajada e de atitude. É feita de um trabalho dedicado e muito profissionalismo.

Apresentação. A Martins Guerra Consultoria é formada por gente jovem, engajada e de atitude. É feita de um trabalho dedicado e muito profissionalismo. Apresentação A Martins Guerra Consultoria é formada por gente jovem, engajada e de atitude. É feita de um trabalho dedicado e muito profissionalismo. Nossa missão é promover o encontro entre pessoas e

Leia mais

O que é Balanced Scorecard?

O que é Balanced Scorecard? O que é Balanced Scorecard? A evolução do BSC de um sistema de indicadores para um modelo de gestão estratégica Fábio Fontanela Moreira Luiz Gustavo M. Sedrani Roberto de Campos Lima O que é Balanced Scorecard?

Leia mais

Gerenciamento Estratégico e EHS Uma parceria que dá certo

Gerenciamento Estratégico e EHS Uma parceria que dá certo Gerenciamento Estratégico e EHS Uma parceria que dá certo INTRODUÇÃO O Balanced Scorecard (BSC) é uma metodologia desenvolvida para traduzir, em termos operacionais, a Visão e a Estratégia das organizações

Leia mais

20 Diretrizes Priorizadas pela Etapa Estadual

20 Diretrizes Priorizadas pela Etapa Estadual 20 Diretrizes Priorizadas pela Etapa Estadual Paulista da CONSOCIAL Prioridades Texto Diretriz Eixo Pontos 1 2 Regulamentação e padronização de normas técnicas para a elaboração dos Planos de Governo apresentados

Leia mais

ESTRUTURA DO ICMBio 387 UNIDADES ORGANIZACIONAIS SEDE (1) UNIDADES DE CONSERVAÇÃO (312) COORDENAÇÕES REGIONAIS (11) CENTROS DE PESQUISA (15)

ESTRUTURA DO ICMBio 387 UNIDADES ORGANIZACIONAIS SEDE (1) UNIDADES DE CONSERVAÇÃO (312) COORDENAÇÕES REGIONAIS (11) CENTROS DE PESQUISA (15) ESTRUTURA DO ICMBio 387 UNIDADES ORGANIZACIONAIS COORDENAÇÕES REGIONAIS (11) SEDE (1) UNIDADES DE CONSERVAÇÃO (312) CENTROS DE PESQUISA (15) ACADEBio (1) BASES AVANÇADAS DOS CENTROS (38) UNIDADES AVANÇADAS

Leia mais

FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃODE RECURSOS HUMANOS DA ANTT

FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃODE RECURSOS HUMANOS DA ANTT FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃODE RECURSOS HUMANOS DA ANTT Quadro de Servidores SITUAÇÃO 2008 2009 Abril 2010 CARGOS EFETIVOS (*) 429 752 860 Analista Administrativo 16 40 41 Especialista em Regulação 98 156 169

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

Como facilitar sua Gestão Empresarial

Como facilitar sua Gestão Empresarial Divulgação Portal METROCAMP Como facilitar sua Gestão Empresarial Aplique o CANVAS - montando o seu(!) Modelo de Gestão Empresarial de Werner Kugelmeier WWW.wkprisma.com.br Por que empresas precisam de

Leia mais

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 Dispõe sobre o Planejamento Estratégico de TIC no âmbito do Poder Judiciário e dá outras providências. ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário Planejamento

Leia mais

Consultoria: Alta Performance em Vendas

Consultoria: Alta Performance em Vendas MPRADO COOPERATIVAS Consultoria: Alta Performance em Vendas Apresentação: MPrado Consultoria Empresarial Uma das maiores consultorias em Agronegócio do Brasil; 15 anos de mercado; 70 Consultores em Gestão

Leia mais

Qualider Consultoria e Treinamento Instrutor: José Roberto

Qualider Consultoria e Treinamento Instrutor: José Roberto BALANCED SCORECARD Qualider Consultoria e Treinamento Instrutor: José Roberto Por que a Implementação da Estratégia torna-se cada vez mais importante? Você conhece a Estratégia de sua Empresa? Muitos líderes

Leia mais

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade As empresas têm passado por grandes transformações, com isso, o RH também precisa inovar para suportar os negócios

Leia mais

Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal

Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal Histórico de Revisões Data Versão Descrição 30/04/2010 1.0 Versão Inicial 2 Sumário 1. Introdução... 5 2. Público-alvo... 5 3. Conceitos básicos...

Leia mais

grande beleza da nossa parceria é que podemos trabalhar juntos, pela justiça social, sem muita burocracia e hierarquia. E neste início de 2014, a

grande beleza da nossa parceria é que podemos trabalhar juntos, pela justiça social, sem muita burocracia e hierarquia. E neste início de 2014, a A grande beleza da nossa parceria é que podemos trabalhar juntos, pela justiça social, sem muita burocracia e hierarquia. E neste início de 2014, a nossa grande meta continua (e nunca deve ser esquecida):

Leia mais

O que é Planejamento?

O que é Planejamento? O que é Planejamento? Situação futura desejada Tomada de decisão Organização Planejamento é algo que se faz antes de agir, ou seja, é uma tomada antecipada de decisão. É um processo de decidir o que fazere

Leia mais

Plano Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicação. Tribunal Regional do Trabalho da 10ª Região

Plano Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicação. Tribunal Regional do Trabalho da 10ª Região Plano Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicação Tribunal Regional do Trabalho da 10ª Região Dezembro/2010 2 TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Missão: Prover soluções efetivas de tecnologia

Leia mais

A ESTRELA QUE QUEREMOS. Planejamento Estratégico de Estrela

A ESTRELA QUE QUEREMOS. Planejamento Estratégico de Estrela Planejamento Estratégico de Estrela 2015 2035 O planejamento não é uma tentativa de predizer o que vai acontecer. O planejamento é um instrumento para raciocinar agora, sobre que trabalhos e ações serão

Leia mais

O que medir? Por onde começar? Quando medir? Quem deve medir? Como medir?

O que medir? Por onde começar? Quando medir? Quem deve medir? Como medir? PLANO DE VOO 1. Indicadores de Desempenho Definições 2. Componentes Essenciais 3. Requisitos Básicos 4. Tipos de Indicadores 5. Construção de Indicadores 6. Indicadores de Gestão da UFTM 7. Conclusão 1.

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO COM FOCO EM COMPETÊNCIAS:

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO COM FOCO EM COMPETÊNCIAS: AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO COM FOCO EM COMPETÊNCIAS: Implantação do sistema de Avaliação de Desempenho com Foco em Competências no Tribunal Regional do Trabalho da 8ª Região Belém PA 2013 AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS INSTITUTO DE INFORMÁTICA CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CÓDIGO MATRIZ CURRICULAR: 109P1NB

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS INSTITUTO DE INFORMÁTICA CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CÓDIGO MATRIZ CURRICULAR: 109P1NB UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS INSTITUTO DE INFORMÁTICA CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CÓDIGO MATRIZ CURRICULAR: 109P1NB PLANO DE DISCIPLINA ANO LETIVO: 2011 2º SEMESTRE DADOS DA DISCIPLINA CÓDIGO DISC

Leia mais

Parte integrante da Metodologia Tear de Trabalho em Cadeia de Valor

Parte integrante da Metodologia Tear de Trabalho em Cadeia de Valor Parte integrante da Metodologia Tear de Trabalho em Cadeia de Valor 2 Apresentando as etapas da Metodologia Tear de forma simplificada, esta versão resumida foi preparada para permitir um acesso rápido

Leia mais

MOC 10. CRONOGRAMA DE EXECUÇÃO DE ATIVIDADES - COMUNIDADE NOSSA SENHORA APARECIDA

MOC 10. CRONOGRAMA DE EXECUÇÃO DE ATIVIDADES - COMUNIDADE NOSSA SENHORA APARECIDA 10. CRONOGRAMA DE EXECUÇÃO DE ATIVIDADES - COMUNIDADE NOSSA SENHORA APARECIDA EIXO Macroação ATIVIDADES Compor a equipe técnica com experiências no trabalho de desenvolvimento de comunidade. Identificar

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO SINTÉTICO 2013 2016 - REVISÃO 2014

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO SINTÉTICO 2013 2016 - REVISÃO 2014 Anexo à Resolução CGM 1.143 DE 08/07/2014 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO SINTÉTICO 2013 2016 - REVISÃO 2014 INTRODUÇÃO Este trabalho é o produto de discussões finalizados em fevereiro de 2014, junto à Comissão

Leia mais

1. Escopo ou finalidade da iniciativa

1. Escopo ou finalidade da iniciativa 1. Escopo ou finalidade da iniciativa O Poder Judiciário tem-se conscientizado, cada vez mais, de que se faz necessária uma resposta para a sociedade que exige uma prestação jurisdicional mais célere e

Leia mais

SEMINÁRIO INTERNACIONAL

SEMINÁRIO INTERNACIONAL SEMINÁRIO INTERNACIONAL Performance Budgeting: Orçamento por Resultados Mauro Ricardo Machado Costa Dezembro/2008 1 SEMINÁRIO INTERNACIONAL Performance Budgeting: Orçamento por Resultados PLANEJAMENTO

Leia mais

Planejamento Estratégico 2013-2017 O NEP-MA RUMO A EXCELÊNCIA NA GESTÃO

Planejamento Estratégico 2013-2017 O NEP-MA RUMO A EXCELÊNCIA NA GESTÃO Planejamento Estratégico 2013-2017 O NEP-MA RUMO A EXCELÊNCIA NA GESTÃO O NEP-MA RUMO A EXCELÊNCIA NA GESTÃO POR QUE EXISTIMOS? NOSSA MISSÃO: Apoiar a construção de organizações públicas excelentes, premiando

Leia mais

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Miriam Regina Xavier de Barros, PMP mxbarros@uol.com.br Agenda Bibliografia e Avaliação 1. Visão Geral sobre o PMI e o PMBOK 2. Introdução

Leia mais

DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS

DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS 1 DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES E OBJETIVO DO MOVIMENTO 2 Artigo 1º O Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade/Nós

Leia mais

METAS E INDICADORES COMO DEFINIR OS INDICADORES?

METAS E INDICADORES COMO DEFINIR OS INDICADORES? METAS E INDICADORES COMO DEFINIR OS INDICADORES? Os indicadores permitem avaliação do desempenho da instituição, segundo três aspectos relevantes: controle, comunicação e melhoria. (MARTINS & MARINI, 2010,

Leia mais

O que é o projeto político-pedagógico (PPP)

O que é o projeto político-pedagógico (PPP) O que é o projeto político-pedagógico (PPP) 1 Introdução O PPP define a identidade da escola e indica caminhos para ensinar com qualidade. Saiba como elaborar esse documento. sobre ele: Toda escola tem

Leia mais

O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade).

O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade). O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade). Coordenação Sindicato dos Centros de Formação de Condutores

Leia mais

Project and Portfolio Management [PPM] Sustainable value creation.

Project and Portfolio Management [PPM] Sustainable value creation. Project and Portfolio Management [PPM] Sustainable value creation. O SoftExpert PPM Suite é a solução mais robusta, funcional e fácil para priorizar, planejar, gerenciar e executar projetos, portfólios

Leia mais

Resultados, Sustentabilidade, Desempenho, Foco. Sim, sabemos que a sua organização quer chegar lá. Mas você sabe o melhor caminho?

Resultados, Sustentabilidade, Desempenho, Foco. Sim, sabemos que a sua organização quer chegar lá. Mas você sabe o melhor caminho? Resultados, Sustentabilidade, Desempenho, Foco. Sim, sabemos que a sua organização quer chegar lá. Mas você sabe o melhor caminho? Nossa Empresa A MasterQual é uma consultoria brasileira que tem como principal

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO É um macro processo que tem como propósito desenvolver e manter a adequação entre os objetivos, os recursos organizacionais e as mudanças e oportunidades

Leia mais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais Especialização em Gestão Estratégica de Apresentação CAMPUS COMÉRCIO Inscrições Abertas Turma 02 --> Início Confirmado: 07/06/2013 últimas vagas até o dia: 05/07/2013 O curso de Especialização em Gestão

Leia mais

O Balanced Scorecard BSC e a gestão do desempenho estratégico nas organizações do terceiro setor.

O Balanced Scorecard BSC e a gestão do desempenho estratégico nas organizações do terceiro setor. 1 São Paulo, 06 de junho do 2003 O Balanced Scorecard BSC e a gestão do desempenho estratégico nas organizações do terceiro setor. Peter Drucker (2001 p.67), fez a seguinte afirmação ao se referir ao terceiro

Leia mais

Utilizando o CobiT e o Balanced Scorecard como instrumentos para o. Gerenciamento de Níveis de Serviço

Utilizando o CobiT e o Balanced Scorecard como instrumentos para o. Gerenciamento de Níveis de Serviço Utilizando o CobiT e o Balanced Scorecard como instrumentos para o Gerenciamento de Níveis de Serviço Win Van Grembergen, http://www/isaca.org Tradução de Fátima Pires (fatima@ccuec.unicamp.br) Na economia

Leia mais

Apresentação Plano de Integridade Institucional da Controladoria-Geral da União (PII)

Apresentação Plano de Integridade Institucional da Controladoria-Geral da União (PII) PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO Secretaria-Executiva Diretoria de Planejamento e Desenvolvimento Institucional Plano de Integridade Institucional (PII) 2012-2015 Apresentação Como

Leia mais

Estratégia de Manutenção em Oficinas utilizando Caminho Critico

Estratégia de Manutenção em Oficinas utilizando Caminho Critico SEGeT Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia 1 Estratégia de Manutenção em Oficinas utilizando Caminho Critico RESUMO Entre as estratégias gerenciais em empresas de médio e grande porte existe o

Leia mais

O Gerenciamento Organizacional de Projetos (GOP) pode ser descrito como uma estrutura de execução da estratégia coorporativa, com objetivo de

O Gerenciamento Organizacional de Projetos (GOP) pode ser descrito como uma estrutura de execução da estratégia coorporativa, com objetivo de Aula 02 1 2 O Gerenciamento Organizacional de Projetos (GOP) pode ser descrito como uma estrutura de execução da estratégia coorporativa, com objetivo de alcançar melhor desempenho, melhores resultados

Leia mais

Rio de Janeiro São Paulo Belo Horizonte Brasília

Rio de Janeiro São Paulo Belo Horizonte Brasília Rio de Janeiro São Paulo Belo Horizonte Brasília Rio de Janeiro São Paulo Belo Horizonte Brasília MGS Plano de execução de serviço Projeto de transformação de Processos Estrutura do Documento 1. Introdução

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA COLÉGIO SESI ENSINO MÉDIO

GESTÃO ESTRATÉGICA COLÉGIO SESI ENSINO MÉDIO GESTÃO ESTRATÉGICA COLÉGIO SESI ENSINO MÉDIO Resumo Denis Pereira Martins 1 - SESI-PR Grupo de Trabalho Políticas Públicas, Avaliação e Gestão da Educação Básica Agência Financiadora: SESI PR O Sesi Paraná

Leia mais

Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina

Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicação (PETI) Secretaria de Tecnologia da Informação Florianópolis, março de 2010. Apresentação A informatização crescente vem impactando diretamente

Leia mais

1. Preâmbulo. 2. Requisitos para candidatura

1. Preâmbulo. 2. Requisitos para candidatura Ministério da Educação Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Pró-Reitoria de Ensino de Graduação Programa de Educação Tutorial - PET Edital de seleção de bolsistas de graduação Edital n 013 PROGRAD/2015

Leia mais

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004 RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004 1. Palestras informativas O que é ser voluntário Objetivo: O voluntariado hoje, mais do que nunca, pressupõe responsabilidade e comprometimento e para que se alcancem os resultados

Leia mais

Auditoria Interna do Futuro: Você está Preparado? Oswaldo Basile, CIA, CCSA. Presidente IIA Brasil

Auditoria Interna do Futuro: Você está Preparado? Oswaldo Basile, CIA, CCSA. Presidente IIA Brasil Auditoria Interna do Futuro: Você está Preparado? Oswaldo Basile, CIA, CCSA. Presidente IIA Brasil O futuro é (deveria ser) o sucesso Como estar preparado? O que você NÃO verá nesta apresentação Voltar

Leia mais

PLANO DE AÇÃO 2013 Procuradoria Regional da República da 1 Região Painel de Contribuição. ATIVIDADES (como fazer?)

PLANO DE AÇÃO 2013 Procuradoria Regional da República da 1 Região Painel de Contribuição. ATIVIDADES (como fazer?) Reunir com o Gabinete do Procurador-Chefe, para apresentação da metodologia de trabalho março, Anna e Vânia Castro Consolidar a lista de procedimentos e rotinas que serão mapeadas em toda a PRR1 1 "Mapear

Leia mais

Modelo de Referência 2011-2012

Modelo de Referência 2011-2012 MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação - SLTI Modelo de Referência 2011-2012 Plano Diretor de Tecnologia de Informação Ministério do Planejamento,

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR 1. Como são os cursos ofertados pela plataforma freire e quais os benefícios para os professores que forem selecionados? O professor sem formação poderá estudar nos

Leia mais

Política do Programa de Voluntariado Corporativo GRPCOM ATITUDE

Política do Programa de Voluntariado Corporativo GRPCOM ATITUDE Política do Programa de Voluntariado Corporativo GRPCOM ATITUDE O Programa de Voluntariado Corporativo GRPCOM ATITUDE visa fortalecer a missão de desenvolver a nossa terra e nossa gente e contribuir para

Leia mais

Empresas Familiares aprimoramento da governança corporativa para o sucesso do negócio

Empresas Familiares aprimoramento da governança corporativa para o sucesso do negócio Empresas Familiares aprimoramento da governança corporativa para o sucesso do negócio Nome Desarrollo de Sistemas de Gobierno y Gestión en Empresas de Propiedad Familiar en el Perú Objetivo Contribuir

Leia mais

Planos de Logística e Contratações Sustentáveis

Planos de Logística e Contratações Sustentáveis Planos de Logística e Contratações Sustentáveis Jhéssica Cardoso Brasília, 5 de fevereiro de 2015 Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação Elaborando Planos de Gestão de Logística Sustentável

Leia mais

ABCE REVITALIZADA PLANEJAMENTO 2011-2015

ABCE REVITALIZADA PLANEJAMENTO 2011-2015 ABCE REVITALIZADA PLANEJAMENTO 2011-2015 1 Destaques do levantamento de referências de associações internacionais Além dos membros associados, cujos interesses são defendidos pelas associações, há outras

Leia mais

SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS

SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS 1 FINALIDADE DO PROJETO ESTRATÉGICO Simplificar e padronizar os processos internos, incrementando o atendimento ao usuário. Especificamente o projeto tem o objetivo de: Permitir

Leia mais

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA Boletim GESTÃO DE PESSOAS & RECURSOS HUMANOS IPEA, 13 de outubro de 2010 EXTRA Nº 2 OUTUBRO INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA PORTARIA Nº 385, DE 13 DE OUTUBRO DE 2010. Institui, no âmbito do IPEA,

Leia mais

De Boas Ideias para Uma Gestão Baseada em Processos

De Boas Ideias para Uma Gestão Baseada em Processos De Boas Ideias para Uma Gestão Baseada em Processos O que você vai mudar em sua forma de atuação a partir do que viu hoje? Como Transformar o Conteúdo Aprendido Neste Seminário em Ação! O que debatemos

Leia mais

Informação Verde Green IT Citizen Certification O caminho da Informação do Papel ao Digital

Informação Verde Green IT Citizen Certification O caminho da Informação do Papel ao Digital Informação Verde Green IT Citizen Certification O caminho da Informação do Papel ao Digital 39 Gestão de Projeto PMI Project Management Institute Vídeo Jandira O que é um Projeto? Empreendimento Temporário

Leia mais