Curso. Indicadores de Desempenho

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Curso. Indicadores de Desempenho"

Transcrição

1 Curso FORMAÇÃO DE RDs Indicadores de Desempenho segundo a ISO 9001: versão 2008 Tubarão, 25 de agosto de 2010.

2 Indicadores de Desempenho segundo a ISO 9001: versão 2008

3 CENARIO COMPETITIVO Sustentabilidade econômica- financeira Produtos substitutos Foco nas competências essenciais Racionalização de recursos Satisfação da comunidade acadêmica Alianças e colaborações estratégicas Novos competidores Produção, Atração e manutenção de talentos

4 Lei de Murphy: as coisas más ocorrem por si só; as coisas boas somente quando planejadas!

5 Estrutura da NBR ISO 9001: Introdução 1 Objetivo 2 Referencia Normativa 3 Termos e Definições 4 Sistema de Gestão da Qualidade 5 Responsabilidade da Direção 6 Gestão de Recursos 7 Realização do Produto 8 Medição, Análise e Melhoria

6 NBR ISO 9000 VERSÃO Princípios de gestão da qualidade Oito princípios de gestão da qualidade foram identificados como uma forma de melhoria do desempenho de uma organização. Eles têm como objetivo ajudar as organizações a alcançarem um sucesso sustentado. a) Foco no cliente Organizações dependem de seus clientes e, portanto, é recomendável que atendam as necessidades atuais e futuras do cliente, e seus requisitos do cliente e procurem exceder as expectativas. b) Liderança Líderes estabelecem uma unidade de propósito e o rumo da organização. Convém que eles criem e mantenham o ambiente interno, no qual as pessoas possam ficar totalmente envolvidas no propósito de alcançar os objetivos da organização. c) Envolvimento de pessoas Pessoas de todos os níveis são a base de uma organização, e seu total envolvimento possibilita que as suas habilidades sejam usadas para o benefício da organização. d) Abordagem de processo Um resultado desejado é alcançado mais eficientemente quando as atividades e os recursos relacionados são gerenciados como um processo. e) Abordagem sistêmica para a gestão Identificar, entender e gerenciar os processos inter-relacionados, como um sistema, contribui para a eficácia e eficiência da organização no sentido desta alcançar os seus objetivos. f) Melhoria contínua Melhoria contínua do desempenho global da organização deve ser um objetivo permanente da organização. g) Tomada de decisão baseada em fatos Decisões eficazes são baseadas na análise de dados e informações. h) Benefícios mútuos nas relações com os fornecedores Uma organização e seus fornecedores são interdependentes, e uma relação de benefícios mútuos aumenta a capacidade de ambas de agregar valor.

7 REQUISITOS DO SGQ 4 - Sistema de Gestão da Qualidade: Modelagem de Processos Requisitos de Documentação de Processos C L I E N T E S 6 - Gestão de Recursos: Provisão de Recursos. Recursos Humanos. Infra-Estrutura. Ambiente de Trabalho. 5 - Responsabilidade da Direção: Comprometimento da Direção. Foco no Cliente Política da Qualidade Planejamento Estratégico. Responsabilidade, Autoridade e Comunicação. Análise Crítica pela Direção. 8 - Medição, Análise e Melhoria: Medição e Monitoramento. -Clientes, Proc., Prod. e de Gestão -Tratam. de Não Conformidades - Ação Corretiva e Preventiva C L I E N T E S Entradas 7 - Realização do Produto/Serviço: Planejamento da realização do Produto. Processos Relacionados com Clientes. Projeto e Desenvolvimento de Produtos. Aquisição. Produção e Fornecimento de Produtos/Serviços. Controle de Dispositivos de Medição e Monitoramento. Saídas

8

9 NBR ISO 9001 VERSÃO Medição, análise e melhoria 8.1 Generalidades 8.2 Medição e monitoramento Satisfação de clientes Como uma das medições do desempenho do sistema de gestão da qualidade, a organização deve monitorar informações relativas à percepção dos clientes sobre se a organização atendeu aos requisitos dos clientes. Os métodos para obtenção e uso dessas informações devem ser determinados Auditorias internas Medição e monitoramento de processos Medição e monitoramento de produto

10 NBR ISO 9001 VERSÃO Medição, análise e melhoria 8.1 Generalidades 8.2 Medição e monitoramento Satisfação de clientes Auditorias internas A organização deve executar auditorias internas a intervalos planejados para determinar se o sistema de gestão da qualidade: a) está conforme com as disposições planejadas, com os requisitos desta Norma e com os requisitos do sistema de gestão da qualidade instituídos pela organização, e; b) está mantido e implementado eficazmente Medição e monitoramento de processos Medição e monitoramento de produto

11 NBR ISO 9001 VERSÃO Medição, análise e melhoria 8.1 Generalidades 8.2 Medição e monitoramento Satisfação de clientes Auditorias internas Medição e monitoramento de processos A organização deve aplicar métodos adequados para monitoramento e, quando aplicável, a medição dos processos do sistema de gestão da qualidade. Esses métodos devem demonstrar a capacidade dos processos em alcançar os resultados planejados. Quando os resultados planejados não são alcançados, devem ser tomadas correções e ações corretivas, como apropriado, para assegurar a conformidade do produto Medição e monitoramento de produto

12 NBR ISO 9001 VERSÃO Medição, análise e melhoria 8.1 Generalidades 8.2 Medição e monitoramento Satisfação de clientes Auditorias internas Medição e monitoramento de processos Medição e monitoramento de produto A organização deve medir e monitorar as características do produto para verificar que os requisitos do produto são atendidos. Isso deve ser realizado em estágios apropriados do processo de realização do produto de acordo com as providências planejadas (ver 7.1). A evidência de conformidade com os critérios de aceitação deve ser mantida. Os registros devem indicar a(s) pessoa(s) autorizada(s) a liberar o produto (ver 4.2.4).

13

14 NBR ISO 9001 VERSÃO Medição, análise e melhoria 8.4 Análise de dados A organização deve determinar, coletar e analisar dados apropriados para demonstrar a adequação e eficácia do sistema de gestão da qualidade e para avaliar onde melhorias contínuas do sistema de gestão da qualidade podem ser realizadas. Isso deve incluir dados gerados como resultado do monitoramento e das medições e de outras fontes pertinentes. A análise de dados deve fornecer informações relativas a: a) satisfação dos clientes (ver 8.2.1); b) conformidade com os requisitos do produto (ver 7.2.1); c) características e tendências dos processos e produtos, incluindo oportunidades para ações preventivas, e; d) fornecedores.

15 O Ciclo PDCA (Act) A C (Check) Ações Corretivas Verificar Resultados Definir Metas Definir Métodos Educar e Treinar Executar Tarefa P D (Plan) (Do)

16 DEFINIÇÕES/PLANEJAMENTO INDICADOR: INDICAR : DEMONSTRAR; REVELAR;DENOTAR : DETERMINAR; ESTABELECER : ACONSELHAR; LEMBRAR GESTÃO: GERIR- DO LATIM GERERE TRAZER;PRODUZIR;CRIAR;EXECUTAR; ADMINISTRAR

17 PLANEJAMENTO Planejamento é um procedimento formal para produzir um resultado articulado, na forma de um sistema integrado de decisões. Mintzberg (1994). Processo para estabelecer objetivos ou metas determinando a melhor maneira de atingi-las Megginson (1986).

18 INDICADOR DE DESEMPENHO O que são indicadores? Indicadores são sinais que revelam aspectos de determinada realidade e que podem qualificar algo. Por exemplo, para saber se uma pessoa está doente, usamos vários indicadores: febre, dor, desânimo. Para saber se a economia do país vai bem, utilizamos como indicadores a inflação e a taxa de juros. A variação dos indicadores nos possibilita constatar mudanças (a febre que baixou significa que a pessoa está melhor; a inflação mais baixa no último ano indica que a economia está melhorando). Fonte: Indicadores da qualidade na educação / Ação Educativa, Unicef, PNUD, Inep-MEC (coordenadores). São Paulo : Ação Educativa, 2004.

19 DEFINIÇÃO FORMAL DE INDICADOR -Medidas(mensuração; ato de medir) que avaliam os esforços para atingir os objetivos. -Medidas (mensuração; ato de medir) de fatores de produção, produtos, processos, resultados ou impactos relacionados com programas, projetos ou estratégias. Banco Mundial, (2004) IMPORTANTE! INDICADORES ESTÃO INTERLIGADOS COM PROCESSOS DE MEDIÇÃO

20 DEFINIÇÃO FORMAL DE INDICADOR Medição: Conjunto de operações para determinar um valor de uma grandeza Mensurando:Grandeza submetida a medição Exatidão de medição: (accuracy) Grau de concordância entre o resultado de uma medição e o valor verdadeiro do mensurando. Precisão da medição : medida da variabilidade de uma medição. Calculada do desvio padrão de uma seqüência de medições. Incerteza: Estimativa que caracteriza uma faixa de valores dentro da qual se encontra o valor verdadeiro. Erro: Diferença entre o o resultado de uma medição e o valor verdadeiro.

21 DEFINIÇÃO FORMAL DE INDICADOR Preciso e não exato Não preciso e não exato INDICADORES DE GESTÃO Preciso e exato.

22 DEFINIÇÃO FORMAL DE INDICADOR PARA QUE SERVE O INDICADOR?. MENSURÁVEL repetibilidade reprodutibilidade acessibilidade disponibilidade observador deve medir mesmo valor quando nas mesmas condições. observador independente deve medir mesmo valor. forma de medir definida e atendendo relação custo/benefício. resultado deve ser visível. INDICADORES DE GESTÃO

23 DEFINIÇÃO FORMAL DE INDICADOR Fácil compreensão Passível de ação todos os participantes devem entender o indicador avaliação aponta para caminhos após a medida do indicador Escala temporal definida periodicidade e/ou momento Responsável pelo indicador identificado Responsabilidade e autoridade

24 DEFINIÇÃO FORMAL DE INDICADOR CUIDADO NÃO DEVEMOS CONFUNDIR ÍNDICES COM INDICADORES. ÍNDICES SÃO SOMENTE MEDIDAS. INDICADORES ESTÃO ASSOCIADOS AO PLANEJAMENTO E À GESTÃO. ÍNDICES PODEM SER TRANSFORMADOS EM INDICADORES.

25 Occam ~ William de Occam Filósofo do século 14 (Inglaterra). Não se deve aumentar desnecessariamente o número de variáveis. Devemos buscar INDICADORES simples para substituir INDICADORES muito complexos.

26 INDICADOR DE DESEMPENHO Também, o que é Indicador de Desempenho?

27 GESTÃO DE INDICADORES DE DESEMPENHO Entendimento básico: Os indicadores se define como medidas objetivas, usualmente quantificáveis, que permite identificar o grau de avanço (ou retrocesso) de uma organização com respeito ao cumprimento de suas metas. Características de um indicador: Ser relevante. Ter a capacidade de relacionar informação sem manipula-la. Formar parte de um sistema que permita vincular-lhe com outros indicadores na análise global da organização. Ser preciso, confiável e comparável. Poder medir quão próximo nos encontramos de um objetivo. Permitir identificar desvios, assimetrias e situações problemáticas. Ser congruente com as políticas e objetivos organizacionais.

28 GESTÃO DE INDICADORES DE DESEMPENHO QUE SÃO INDICADORES? Indicadores são medidas(valores/dados estadísticos) que extraímos dos processos de negócios, com a finalidade de gerenciar e monitorar as atividades executadas. PROCESSO

29 INDICADOR DE DESEMPENHO Para que fim podem ser usados os ID? Estabelecer metas de desempenho e avaliar o progresso registrado na sua consecução; Identificar problemas através de um sistema antecipado de aviso para que se tomem as devidas medidas corretivas; Indicar se há necessidade de uma avaliação ou análise em profundidade. Fonte: MONITORIZAÇÃO & AVALIAÇÃO: Algumas Ferramentas, Métodos e Abordagens (2004).

30 INDICADOR DE DESEMPENHO VANTAGENS: Um meio eficaz para medir o progresso alcançado na consecução dos objetivos; Facilita as comparações entre os pontos de referência das várias unidades organizacionais, distritos e ao longo do tempo. DESVANTAGENS: Os indicadores inadequadamente definidos não são boas medidas do sucesso; Tendência para definir demasiados indicadores, ou então indicadores que não disponham de fontes de dados acessíveis, tornam o sistema oneroso, impraticável e provavelmente pouco utilizado; É frequente ter que se escolher entre selecionar os indicadores ótimos ou desejáveis ou então aceitar os indicadores que podem ser medidos utilizando os dados existentes. Fonte: MONITORIZAÇÃO & AVALIAÇÃO: Algumas Ferramentas, Métodos e Abordagens (2004).

31 Indicadores de Desempenho de Processos e Produtos Após mapear um processo, é preciso saber avaliar o seu desempenho, comparando com uma meta almejada. São os indicadores que vão permitir : a medição e a quantificação do desempenho da organização; a comparação do desempenho real com o desempenho ideal; a identificação de problemas (ou oportunidades de melhoria); a tomada de decisão que conduza à meta desejada. Indicadores são variáveis representativas do desempenho de um processo, que permitem quantificá-lo, avaliá-lo e tomar decisões.

32 CARACTERÍSTICAS DE LOS INDICADORES 1. Se refieren a una actividad importante o crítica. 2. Tienen relación directa sobre el objetivo valorado. 3. Los resultados de los indicadores son cuantificables, y sus valores se expresan normalmente a través de un dato numérico (incluso los cualitativos). 4. El beneficio que se obtiene del uso de los indicadores supera la inversión de capturar y tratar los datos necesarios para su desarrollo. 5. Son comparables en el tiempo y pueden representar la evolución del concepto valorado y establecer tendencias. 6. Son fiables de establecer, mantener y utilizar. 7. Son compatibles con otros indicadores del sistema implantado y permiten la comparación y el análisis. Lo que no se mide no se puede controlar y lo que no se controla no se puede mejorar.

33 PREGUNTAS PREVIAS Qué debemos medir? Dónde es conveniente medir? Cuándo hay que medir? Momento y frecuencia. Quién debe medir? Cómo se debe medir? Cómo se utilizarán los resultados? Quién y cuándo revisará el sistema de obtención de datos? Cómo conseguir que sea SMART? S pecific: Dirigido a su área y al objetivo que se busca. M easurable: Preciso y objetivable, medible con datos fiables y completos. A ctionable: Indica como actuar, orientado a mejorar la acción. R elevance: Datos significativos, relevantes sobre lo que es importante. T imely: Oportunos, para el momento en que se necesitan.

34 ALGUNAS RECOMENDACIONES Centrarse en los que se refieren a los procesos clave y seguir con los de procesos de soporte. Pocos, pero buenos y claros. Más que sólo información, han de indicar y conducir hacia la mejora. Acompañados de metas concretas, realistas y alcanzables, pero comprometedoras. Objetivos, indicadores y metas se retroalimentan.

35 Indicadores de Desempenho de Processos e Produtos Indicador de Produtividade Está associado ao conceito de Eficiência, mede se a organização está fazendo da FORMA CERTA. Os indicadores de Produtividade servem para verificar a eficiência na utilização dos recursos consumidos com a execução do processo. Os Indicadores de Produtividade permitem uma avaliação do desempenho operacional e financeiro da organização. Indicador de Qualidade Está associado ao conceito de Eficácia, mede se a organização está fazendo O CERTO. Os indicadores de Qualidade servem para verificar se as saídas dos processos (produtos/serviços) correspondem ao estipulado como CERTO, como IDEAL.

36 Como estabelecer um Indicador da Qualidade Didaticamente, o Indicador de Qualidade pode ser calculado pela fórmula abaixo: Freqüência das deficiências, problemas, insatisfações, reclamações ou erros_ Total produzido, entregue, vendido A opção de apresentar o percentual de erros, falhas, retrabalho é preferível ao positivo, que leva a uma certa acomodação. Por exemplo, um índice de 80% no cumprimento dos serviços conforme acordado junto aos clientes seria satisfatório. Entretanto, 20% de não-atendimentos incomoda muito mais e provoca ações corretivas mais rapidamente. Outros exemplos de Indicadores de Qualidade: Índice de aceitação de produtos ou serviços ou Índice de produtos com defeitos. Índice de reclamações dos clientes sobre peças vendidas; Market share (participação no mercado); Índice de pontualidade nas entregas ou Índice de entregas fora do prazo Índice de notas abaixo da média para aprovação;

37 Passos para identificar um indicador da Qualidade FÓRMULA: IQ = No. de produtos com falhas Total produzido 1º - DEFINIR CLARAMENTE O QUE É O CERTO (Certo = relatórios sem erros, com zero erro). 2º - A PARTIR DO CERTO, DEFINIR A FALHA (falha = relatório com qualquer erro). 3º - ESTABELECER O PERÍODO AVALIATIVO (deve ser definido num período de tempo em que de fato tenho capacidade para tomar decisão, por exemplo, um mês) 4º - QUANTIFICAR AS FALHAS NO PERÍODO (quantidade de relatórios com erro emitidos no mês: 13 relatórios com erro, no mês) 5º - QUANTIFICAR O TOTAL PRODUZIDO NO PERÍODO (quantidade de relatórios produzidos no mês: 39 relatórios emitidos no mês). 6º - APLICAR A FÓRMULA e CALCULAR O INDICADOR DE QUALIDADE REAL (13 relatórios com erro no mês = 33%, 39 relatórios emitidos no mês).

38 Passos para identificar um indicador da Produtividade FÓRMULA: Ip = Total feito certo Total de recursos consumidos Ou FÓRMULA: Ip = Total feito nº feito com falhas Total de recursos consumidos

39 Passos para identificar um Indicador da Produtividade 1º-DEFINIRCLARAMENTEOQUEÉOCERTO (exemplo: certo = 40 relatórios sem erros (com zero erro) produzidos no mês, por 8 técnicos). 2º-APARTIRDOCERTO,DEFINIRAFALHA (exemplo: falha = relatório com qualquer erro, produzido no mês, por 8 técnicos). 3º- ESTABELECER O PERÍODO AVALIATIVO (deveserdefinidonumperíododetempoemquedefatotenhocapacidade para tomar decisão, exemplo: período: mês). 4º- QUANTIFICAR AS FALHAS NO PERÍODO (exemplo: quantidade de relatórios com erro: 16 relatórios com erro/ mês). 5º- QUANTIFICAR O TOTAL PRODUZIDO NO PERÍODO (exemplo: Quantidade de relatórios produzidos no mês: 40 relatórios emitidos nomês).

40 Passos para identificar um Indicador da Produtividade 6º - DEFINIR O RECURSO (TIPO) QUE SERVIRÁ DE PARÂMETRO DE MEDIÇÃO DA PRODUTIVIDADE (os recursos podem ser: de mão-de-obra, dinheiro gasto, tempo despendido, material utilizado, máquinas empregadas). 7º - QUANTIFICAR O TOTAL DE RECURSO UTILIZADO PARA GERAR O TOTAL FEITO SEM FALHAS, NO PERÍODO (exemplo: total de MÃO-DE-OBRA utilizado: 8 Técnicos para produzir um total de 40 relatórios/mês sem falhas). 8º - APLICAR A FÓRMULA - Exemplo: Ip = 40 relatórios produzidos 16 rel. com falhas = 24 RELATÓRIOS = 8 TÉCNICOS 8 TÉCNICOS Ip = 3 relatórios /mês por técnico.

41 GESTÃO DE INDICADORES DE DESEMPENHO POR QUE INDICADORES? Como já mencionaram Kaplan y Norton, quando dirigimos uma organização somente olhando para os números da contabilidade (perspectiva financeira) é como se dirigíssemos um carro vendo somente o espelho retrovisor. Somente conseguimos gerenciar aquilo que podemos controlar e somente controlamos o que podemos medir (CAMPOS, 1992).

42 GESTÃO DE INDICADORES DE DESEMPENHO ESTUDO DE CASO Universidad de Guadalajara

43 Planeación y evaluación en la Universidad de Guadalajara

44 Sistema P3e QUÉ Y CÓMO Estructura Programática Proyectos: Objetivos Particulares Metas CUÁNDO Y CON QUÉ COMPROBACIÓN IMPACTO REVISIÓN PDI Planes de desarrollo de Centro, Campi y Administración General. Planes de desarrollo de URG Proyectos: Actividades Recursos materiales Ministraciones Recursos humanos Operación Metodología General Ejercicio Instrumentos Comprobación Sistema Institucional de Indicadores Control/Fiscalización CUÁNTO Y DE DÓNDE

45 Estructura del Plan de Desarrollo Institucional (PDI) de la Universidad de Guadalajara Misión Visión Ejes estratégicos: Innovación educativa Investigación Internacionalización Extensión Gestión Gobierno Políticas institucionales Objetivos Estrategias Metas Próxima evaluación en el año 2008

46 Proceso de diseño y aprobación del PDI Preparación: (Plan para el plan) Definición de la Misión y Visión Análisis FODA: Análisis del Entorno (Oportunidades y Amenazas) Análisis FODA: Análisis del Interno (Fortalezas y Debilidades) Análisis FODA Identificación de asuntos estratégicos (Ejes Estratégicos) Evaluación del Plan Evaluación del proceso de planeación estratégica Gestión estratégica Gestión operativa Diseño de objetivos, estrategias y metas Redacción del Plan Aprobación del Plan Programación Presupuestación Evaluación El proceso de planeación es un ciclo que vuelve a iniciarse al terminar la vigencia del plan o al presentarse cambios importantes en el Entorno o el Interno de la organización que obliguen a replantear la Visión y Misión organizativa. En ese sentido, el H. Consejo General Universitario estableció que el Plan de Desarrollo Institucional debe ser revisado cada tres años, aunque sus metas se proyecten con mayor alcance hasta el año 2010.

47 Mapas estratégicos causa-efecto en cada eje del PDI Establecimiento de los objetivos del PDI

48 Establecimiento de los objetivos del PDI Mapas estratégicos causa-efecto conjuntando los elementos de todos los ejes EJE INNOVACIÓN EDUCATIVA USUARIOS SOCIEDAD Modelo de aprendizaj e centrado en el estudiante MISIÓN VISIÓN PROCESOS INTERNOS Administración acorde al modelo académico ACUD E Respeto a la normativida d APRENDIZAJE-CRECIMIENTO Fortalecimient o de las formas de expresión y comunicación artística Aprovechar las nuevas tecnologías de información, Fomentar la cultura ambiental Integrar la dimensión internacion al Incorporación temprana a la investigación Modelo de enseñanza innovador Capacitación Integrar la dimensión ética Programas educativos pertinentes Diversidad de ambientes de aprendizaje Altos niveles de producción científica Programas de estímulos Programas educativos Acreditados Postgrados de Calidad Docentes con estudios de postgrado FINANCIERA Invertir en extensión y vinculación Invertir en TI

49 Fichas de los indicadores

50 Marco Conceptual para el Diseño de Indicadores Visión institucional Ejes estratégicos INDICADORES Qué? Cómo? Qué? Cómo? Qué? Cómo? Qué? Cómo? Qué? Cómo? Qué? Cómo? Qué? Nivel 1 Metas del PDI Nivel 2 Acciones inductoras Nivel 3 Acciones inductoras Cómo? Cómo? Cómo? Cómo? Cómo? Cómo? Cómo? Cómo?

51 Indicadores estratégicos, tácticos y operativos MISIÓN VISIÓN VALORES EJES ESTRATÉGICOS POLÍTICAS OBJETIVOS ESTRATEGIAS METAS INDICADORES DE LAS METAS DEL PDI (Nivel 1) INDICADORES DE LAS ACCIONES INDUCTORAS DEL NIVEL 2 INDICADORES DE LAS ACCIONES INDUCTORAS DEL NIVEL 3 PROYECTOS P3E JUSTIFICACIÓN OBJETIVO GENERAL OBJETIVOS PARTICULARES METAS INDICADORES ACTIVIDADES RECURSOS MINISTRACIONES

52 Despliegue de inductores El SII y su relación con proyectos P3e Metas Inductores nivel 1 Cómo? Qué? Cómo? Inductores nivel 2 Cómo? Cómo? Cómo? Cómo? Inductores nivel 3 Cómo? Cómo? Cómo? Cómo? Cómo? Cómo? Cómo? Cómo? Proyectos P3e Objetivo Particular 1 Meta 1 Meta n Actividad 1 Actividad n Actividad 1 Actividad n PROYECTO Año Eje estratégico Programa Objetivo general Justificación Objetivo Particular 2 Objetivo Particular n Meta 1 Meta n Meta 1 Meta n Actividad 1 Actividad n Actividad 1 Actividad n Actividad 1 Actividad n Actividad 1 Actividad n

53 Despliegue esquemático del indicador: Sistema de Gestión de calidad certificado ; de la finalidad: Calidad de la Administración

54 GESTÃO DE INDICADORES DE DESEMPENHO ESTUDO DE CASO Universidade do Sul de Santa Catarina

55 O Painel do Gestor da UNISUL MISSÃO Desenvolver um modelo sistematizadoe balanceadode informações gerenciais, orientadas a resultados, para o acompanhamento e controleda gestão e a tomada de decisões, a partir das diretrizes estratégicas da Unisul. PROAD REITORIA CONSOLIDADO Contrato PROAC de Gestão CAMPUS NORTE CAMPUS SUL CAMPUS VIRTUAL Desempenho Acadêmico Desempenho Financeiro Desempenho de Mercado Desempenho de RH

56 Arquitetura Informacional S I S T E M A S I N S T R U M E N T O S

57 Arquitetura Informacional Receptor: aprox. 200 Gestores Conceito: é um instrumento gerencial de apoio à tomada de decisão, constituído de mapas com IDs e metas, cuja estruturação está organizada pelas Perspectivas Acadêmica, Operacional-Financeira, Mercado e Recursos Humanos, e desdobramento de visualizações em todos os níveis de gestão, ou seja, do Reitor ao Coordenador de Curso. Objetivo: identificar quem alimenta e quem recebe a informação do respectivo sistema ou instrumento informacional. Emissor: APPP Receptor potencial: todos os Gestores Frequência: mensal, semetral, anual

58 O Painel do Gestor da UNISUL Definição das Perspectivas Estratégicas Desempenho Acadêmico Ensino Pesquisa Extensão Pós-Graduação Desempenho Operacional-financeiro Produção Produtividade Sustentação econômico-financeira Desempenho de Relação com o Mercado Fatia de Mercado Marca Desempenho de Recursos Humanos Qualificação Comprometimento

59 Mapa Estratégico Perspectiva Mercado Aumentar a fatia de mercado Incrementar a relevância da marca Perspectiva Acadêmica Tornar a extensão mais aderente as necessidades regionais Melhorar a qualidade e eficácia do ensino Tornar a pesquisa mais eficiente Perspectiva Operacional Melhorar a produtividade Monitorar a sustentabilidade econômico financeira Incrementar a produção Perspectiva Recursos Humanos Ações para incrementar a motivação e o comprometimento Investir em ações que incrementem a qualificação

60 O Painel do Gestor da UNISUL Como é o processo Fornecedores Internos Dados Dados Dados Transformação Painel do Gestor Informação Informação Informação Conhecimento Responsabilidade Gestores Tomada de decisão Resultados Painel do Gestor Sistematização Aprendizagem Gestores Competência Secretaria Geral de Ensino Transformação Painel do Gestor Nº de trancamentos Nº de desistências Nº de abandono Nº de saídas % de evasão 8,2% abaixo da meta em mar/05 Responsabilidade Gestores Implantar projeto... Redução de 9,6% da evasão até dez/05 Painel do Gestor Sistematização Aprendizagem Gestores Competência

61 O Painel do Gestor da UNISUL Relações de causalidades Aspiração Institucional 1 o nível de desdobramento 2 o nível de desdobramento (ações / iniciativas)

62 O Painel do Gestor da UNISUL INSPIRADORES ESTRATÉGICOS Alinhamento estratégico Cartas Compromisso Plano Pedagógico Institucional Planejamento Estratégico Planejamento Acadêmico Expectativas de Desempenho Direcionadores Estratégicos Direcionadores Estratégicos 1. Educação Flexível, Inovadora e de Qualidade 2. Foco no Aluno 3. Gestão Integrada e Descentralizada dos Campi 4. Valorização da Gestão Humana e Profissional 5. Fortalecimento dos Relacionamentos e Transparência na Comunicação 6. Foco em Resultados Aspiração Institucional: Aprimorar a Qualidade e a Sustentabilidade Econômico-Financeira da Universidade

63 O Painel do Gestor da UNISUL Desdobramento em macro-objetivosobjetivos Aprimorar a Qualidade e os Resultados da Operação da Universidade Melhorar os Resultados da Operação Melhorar o Resultado Acadêmico Aumentar a Representatividade Institucional da Unisul Melhorar o Nível de Qualificação e Comprometimento dos Recursos Humanos

64 O Painel do Gestor da UNISUL Desdobramento objetivos específicos Aprimorar a Qualidade e a Produtividade da Operação 1 Melhorar o Resultado Operacional Melhorar a produtividade Incrementar a produção Monitorar a sustentabilidade econômico-financeira

65 O Painel do Gestor da UNISUL Desdobramento por processos Aprimorar a Qualidade e a Produtividade da Operação Melhorar o Resultado Operacional Melhorar a Produtividade Operacional Aumentar o n o de alunos por sala de aula Diminuir / diluir custos Diminuir a evasão Melhorar o aproveitamento acadêmico Otimizar o processo de criação de turmas Diminuir / diluir custos diretos Diminuir / diluir custos indiretos Captar melhores alunos Aprimorar o processo de captação de alunos (ver 2.2) Apoiar/ tutoriar vida acadêmica do aluno Monitorar expectativa dos alunos Monitorar situação financeira dos alunos Privilegiar instrumentos de relacionamento com o aluno Acompanhar rendimento acadêmico dos alunos Incrementar reforço acadêmico Revisar processo de ocupação de salas de aula Adequar espaços físicos Aumentar a alocação de professores em sala de aula Redirecionar despesas de marketing Monitorar Monitorar eficiência das eficiência campanhas de dos canais marketing Otimizar ocupação de salas de Alongar aula Período Letivo Otimizar relacionamento contratual com professores Otimizar ocupação de laboratórios Implantação das UNAs Aumentar a dedicação dos professores

66 Aprimorar a Qualidade e a Produtividade da Operação O Painel do Gestor da UNISUL 1 Melhorar o Resultado Operacional 1.1 Melhorar a Produtividade Construção de mapas de indicadores Ingressantes (vestibular) Ingressantes (Hist. escolar) Ingressantes (ENEM) Ingressantes (SAEM) (+) % de ingressos por transferência interna % de ingressos por transferência externa % de reingressos % de readmissão Total de discentes veteranos rematriculados (graduação) N o de concluintes (graduação) (+) (+) % de evasão da universidade (+) número de discentes por disciplina (-) (-) % de evasão do curso (+) (+) % de aproveitamento acadêmico índice clima organizacional avaliação dos serviços (discentes) (-) N o de concluintes com diploma registrado %de trancamento (graduação) número de trancamento % de desistência (graduação) número de desistência % de abandono (graduação) número de abandono % de saídas por transferência externa (graduação) número de saídas por transferência externa % de saídas por transferência interna número de saídas por transferência interna

67 Indicador: Definição conceitual dos indicadores Objetivo Estratégico: número de discentes por disciplina (graduação) 1.1 Melhorar a Produtividade na graduação Conceito Objetivos Forma de Cálculo Resp. pela Informação (Área) Representa o número de discentes matriculados na graduação numa dada disciplina. Mensurar a capacidade da universidade em diluir seus custos diretos (docentes e sala de aula) em suas atividades de ensino Σ matrículas em disciplinas Σ disciplinas ofertadas* Secretaria Geral de Ensino Resp. Institucional (Cargo) Pró-reitor Acadêmico Permissão para Acesso Dimensões de Consolidação Processos Relacionados Metas Reitoria Restrita Reitoria Plena Gestores PROAD Gestores PROAC Gestores ASSEST Gestores Campus Gestores UNA Coordenadores de Curso Geral Universidade Campus Unidade Curso Turno Matrículas Trancamentos Transferências Desistências Abandonos 2007/ / / /02 Data p/ Disponibilizar a Informação Freqüência de Reporte Observações abr/set semestral Fonte da Informação * Desconsiderar as disciplinas inativas (não-ofertadas), tais como: optativas, núcleo orientado e habilitação não-ofertados. Sistema Acadêmico Oracle/PeopleSoft

68 O Painel do Gestor da UNISUL

69 Macro Fluxo da Informação Gerencial para Tomada de Decisão da Estratégia à Execução Modelo de Gestão Planejamento Estratégico Visão Gestão Estratégica Decisões Estratégicas Cérebro CR People Pergamum Gestão de Performance Sap/R3 Sênior Outros Gestão da Cadeia de Valor Ensino Pesquisa Extensão Gestão Mãos

ESTRUTURA ISO 9.001:2008

ESTRUTURA ISO 9.001:2008 Sistema de Gestão Qualidade (SGQ) ESTRUTURA ISO 9.001:2008 Objetivos: Melhoria da norma existente; Melhoria do entendimento e facilidade de uso; Compatibilidade com a ISO 14001:2004; Foco Melhorar o entendimento

Leia mais

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov. TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008 Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.br 11 3104-0988 Este treinamento tem por objetivo capacitar os participantes para

Leia mais

NBR ISO 9001/2000 NBR ISO 9004/2000

NBR ISO 9001/2000 NBR ISO 9004/2000 NBR ISO 9001/2000 NBR ISO 9004/2000 2 Prefácio 3 A ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas é o Fórum Nacional de Normatização. As Normas Brasileiras, cujo conteúdo é de responsabilidade dos Comitês

Leia mais

INTERPRETAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO

INTERPRETAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO NBR ISO 9001:2008 INTERPRETAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO 8 Princípios para gestão da qualidade Foco no cliente Liderança Envolvimento das pessoas Abordagem de processos Abordagem sistêmica para a gestão Melhoria

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

Módulo 2. Estrutura da norma ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos 0, 1, 2, 3 e 4/4, Exercícios

Módulo 2. Estrutura da norma ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos 0, 1, 2, 3 e 4/4, Exercícios Módulo 2 Estrutura da norma ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos 0, 1, 2, 3 e 4/4, Exercícios Norma NBR ISO 9001:2008 - Índice 0 - Introdução 1 - Escopo 2 - Referência Normativa 3 -

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE MQ 01 Rev. 07 MANUAL DA QUALIDADE

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE MQ 01 Rev. 07 MANUAL DA QUALIDADE Rev. Data. Modificações 01 14/09/2007 Manual Inicial 02 12/06/2009 Revisão Geral do Sistema de Gestão da Qualidade 03 22/10/2009 Inclusão de documento de referência no item 8. Satisfação de cliente, Alteração

Leia mais

ABNT NBR ISO 9001:2008

ABNT NBR ISO 9001:2008 ABNT NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema de

Leia mais

PLANEJAMENTO - ESCOPO - TEMPO - CUSTO

PLANEJAMENTO - ESCOPO - TEMPO - CUSTO PLANEJAMENTO - ESCOPO - TEMPO - CUSTO PAULO SÉRGIO LORENA Julho/2011 1 Planejamento escopo, tempo e custo PROGRAMA DA DISCIPLINA Apresentação professor Programa da disciplina Avaliação Introdução Processos

Leia mais

METODOLOGIA HSM Centrada nos participantes com professores com experiência executiva, materiais especialmente desenvolvidos e infraestrutura tecnológica privilegiada. O conteúdo exclusivo dos especialistas

Leia mais

ISO 9000 ISO 9001:2008

ISO 9000 ISO 9001:2008 ISO 9001:2008 QUALIDADE II ISO 9000 A ISO 9000 - Qualidade é o nome genérico utilizado pela série de normas da família 9000 (ISO) que estabelece as diretrizes para implantação de Sistemas de Gestão da

Leia mais

Curso e- Learning Sistema de Gestão da Qualidade NBR ISO 9001:2008

Curso e- Learning Sistema de Gestão da Qualidade NBR ISO 9001:2008 Curso e- Learning Sistema de Gestão da Qualidade NBR ISO 9001:2008 Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa do

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE MQ-01

MANUAL DA QUALIDADE MQ-01 Sumário 1 Objetivo 2 Últimas Alterações 3 Termos e definições 4 Sistema de gestão de qualidade 5 Responsabilidade da direção 6 Gestão de recursos 7 Realização do produto 8 Medição, análise e melhoria.

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade

Sistema de Gestão da Qualidade Sistema de Gestão da Qualidade Coordenadora Responsável Mara Luck Mendes, Jaguariúna, SP, mara@cnpma.embrapa.br RESUMO Em abril de 2003 foi lançado oficialmente pela Chefia da Embrapa Meio Ambiente o Cronograma

Leia mais

Oficina Gestão da Comunicação Interna segundo a NBR ISO 9001:08

Oficina Gestão da Comunicação Interna segundo a NBR ISO 9001:08 FORMAÇÃO DE RDs Oficina Gestão da Comunicação Interna segundo a NBR ISO 9001:08 www.standardconsultoria.com Tubarão, 28 de julho de 2010. FORMAÇÃO DE RDs CURSO DATA NUMERO DE EMPRESAS PARTICIPANTES NUMERO

Leia mais

Qualider Consultoria e Treinamento Instrutor: José Roberto

Qualider Consultoria e Treinamento Instrutor: José Roberto BALANCED SCORECARD Qualider Consultoria e Treinamento Instrutor: José Roberto Por que a Implementação da Estratégia torna-se cada vez mais importante? Você conhece a Estratégia de sua Empresa? Muitos líderes

Leia mais

ECS -ASSESSORIA E CONSULTORIA TÉCNICA. ISO 9001:2015 Tendências da nova revisão

ECS -ASSESSORIA E CONSULTORIA TÉCNICA. ISO 9001:2015 Tendências da nova revisão ISO 9001:2015 Tendências da nova revisão A ISO 9001 em sua nova versão está quase pronta Histórico ECS -ASSESSORIA E CONSULTORIA TÉCNICA As normas da série ISO 9000 foram emitidas pela primeira vez no

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 7 Planejamento Estratégico Planejamento de TI Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a

Leia mais

O que é Balanced Scorecard?

O que é Balanced Scorecard? O que é Balanced Scorecard? A evolução do BSC de um sistema de indicadores para um modelo de gestão estratégica Fábio Fontanela Moreira Luiz Gustavo M. Sedrani Roberto de Campos Lima O que é Balanced Scorecard?

Leia mais

Sistemas de gestão da qualidade Diretrizes para melhorias de desempenho

Sistemas de gestão da qualidade Diretrizes para melhorias de desempenho OUT/2000 PROJETO NBR ISO 9004:2000 ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas Sistemas de gestão da qualidade Diretrizes para melhorias de desempenho Sede: Rio de Janeir o Av. Treze de Maio, 13 28º

Leia mais

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727)

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727) Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727) Pergunta: Sua resposta Data de envio: 08/08/2014 19:53:40 Endereço IP: 150.164.72.183 1. Liderança da alta administração 1.1. Com

Leia mais

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br PREZADO (A) SENHOR (A) Agradecemos seu interesse em nossos programas de ensino e lhe cumprimentamos pela iniciativa de buscar o seu aperfeiçoamento profissional. Você está recebendo o programa do curso

Leia mais

Capítulo 4: ISO 9001 e ISO 90003

Capítulo 4: ISO 9001 e ISO 90003 Capítulo 4: ISO 9001 e ISO 90003 Capítulo 1: Introdução Capítulo 2: Conceitos Básicos Capítulo 3: Qualidade de Produto (ISO9126) Capítulo 4: ISO9001 e ISO90003 Capítulo 5: CMMI Capítulo 6: PSP Capítulo

Leia mais

Pesquisa realizada com os participantes do 16º Seminário Nacional de Gestão de Projetos APRESENTAÇÃO

Pesquisa realizada com os participantes do 16º Seminário Nacional de Gestão de Projetos APRESENTAÇÃO Pesquisa realizada com os participantes do de APRESENTAÇÃO O perfil do profissional de projetos Pesquisa realizada durante o 16 Seminário Nacional de, ocorrido em Belo Horizonte em Junho de, apresenta

Leia mais

M A N U A L D A Q U A L I D A D E

M A N U A L D A Q U A L I D A D E M A N U A L D A Q U A L I D A D E 14ª Versão Última atualização: MANUAL DA QUALIDADE - Rev. Data Elaborado por Descrição da alteração 01 10/06/2012 Hélio Lipiani Versão Inicial 02 20/07/2010 Hélio Lipiani

Leia mais

Al. dos Pamaris, 308 Moema São Paulo / SP - CEP: 04086-020 Fone: 11 5535-1397 Fax: 11 5531-5988 www.humus.com.br

Al. dos Pamaris, 308 Moema São Paulo / SP - CEP: 04086-020 Fone: 11 5535-1397 Fax: 11 5531-5988 www.humus.com.br PALESTRAS E CURSOS IN COMPANY PARA O ENSINO SUPERIOR ACADÊMICOS A Coordenação de Curso e sua Relevância no Processo de Competitividade e Excelência da IES Acessibilidade: requisito legal no processo de

Leia mais

BALANCED SCORECARD. Balanced Scorecard

BALANCED SCORECARD. Balanced Scorecard Olá, pessoal! Hoje trago para vocês uma aula sobre um dos tópicos que será cobrado na prova de Analista do TCU 2008: o Balanced Scorecard BSC. Trata-se de um assunto afeto à área da Contabilidade Gerencial,

Leia mais

Gestão da Qualidade. Evolução da Gestão da Qualidade

Gestão da Qualidade. Evolução da Gestão da Qualidade Gestão da Qualidade Evolução da Gestão da Qualidade Grau de Incerteza Grau de complexidade Adm Científica Inspeção 100% CEQ Evolução da Gestão CEP CQ IA PQN PQN PQN TQM PQN MSC GEQ PQN PQN Negócio Sistema

Leia mais

AVALIAÇÃO DE PLANOS E PROGRAMAS MARGARIDA MANO

AVALIAÇÃO DE PLANOS E PROGRAMAS MARGARIDA MANO AVALIAÇÃO DE PLANOS E PROGRAMAS ÍNDICE - O que é a avaliação? - Perspetivas da avaliação - Avaliação e Garantia de Qualidade O QUE É A AVALIAÇÃO? Avaliação em educação significa descrever algo em termos

Leia mais

PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE

PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE - MT 2011 Apresentação Articulado com o novo Plano de Desenvolvimento Institucional (2011-2015)

Leia mais

Introdução 02. A Estratégia Corporativa ESPM Brasil 03. A Definição do Negócio 03. Imagem 03. Objetivos Financeiros 04

Introdução 02. A Estratégia Corporativa ESPM Brasil 03. A Definição do Negócio 03. Imagem 03. Objetivos Financeiros 04 ESTUDO DE CASO A construção do BSC na ESPM do Rio de Janeiro Alexandre Mathias Diretor da ESPM do Rio de Janeiro INDICE Introdução 02 A Estratégia Corporativa ESPM Brasil 03 A Definição do Negócio 03 Imagem

Leia mais

Tradução livre Uso Exclusivo em Treinamento

Tradução livre Uso Exclusivo em Treinamento Web Site: www.simplessolucoes.com.br N786-1 ISO CD 9001 Tradução livre Uso Exclusivo em Treinamento N786-1 ISO CD 9001 para treinamento - Rev0 SUMÁRIO Página Introdução 4 0.1 Generalidades 4 0.2 Abordagem

Leia mais

ISO Revisions. ISO Revisions. Revisões ISO. Qual é a diferença entre uma abordagem de procedimentos e de processo? Abordando a mudança

ISO Revisions. ISO Revisions. Revisões ISO. Qual é a diferença entre uma abordagem de procedimentos e de processo? Abordando a mudança Revisões ISO ISO Revisions Qual é a diferença entre uma abordagem de procedimentos e de processo? Abordando a mudança Processos vs procedimentos: o que isto significa? O conceito da gestão de processo

Leia mais

8/3/2009. Empreendimento temporário que tem por finalidade criar um produto, serviço ou resultado exclusivo.

8/3/2009. Empreendimento temporário que tem por finalidade criar um produto, serviço ou resultado exclusivo. FAE S.J. dos Pinhais Projeto e Desenvolvimento de Software Conceitos Básicos Prof. Anderson D. Moura O que é um projeto? Conjunto de atividades que: 1. Objetivo específico que pode ser concluído 2. Tem

Leia mais

FTAD. Formação Técnica em Administração de Empresas. Gestão da Qualidade

FTAD. Formação Técnica em Administração de Empresas. Gestão da Qualidade FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Gestão da Qualidade Aula 5 O PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO Objetivo: Compreender os requisitos para obtenção de Certificados no Sistema Brasileiro de Certificação

Leia mais

Sistemas de gestão da qualidade - Diretrizes para melhorias de desempenho

Sistemas de gestão da qualidade - Diretrizes para melhorias de desempenho DEZ 2000 NBR ISO 9004 ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas Sistemas de gestão da qualidade - Diretrizes para melhorias de desempenho Sede: RiodeJaneiro Av. Treze de Maio, 13 28º andar CEP 20003-900

Leia mais

I Oficina de Formação de ISO 9001:2008 para RDs

I Oficina de Formação de ISO 9001:2008 para RDs I Oficina de Formação de ISO 9001:2008 para RDs Tema: Princípios & Requisitos Papel dos RDs Luciano Rodrigues Marcelino luciano.marcelino@standardconsultoria.com QUEM SOMOS O Grupo STANDARD Consultoria

Leia mais

REFLEXÃO. (Warren Bennis)

REFLEXÃO. (Warren Bennis) RÉSUMÉ Consultora nas áreas de Desenvolvimento Organizacional e Gestão de Pessoas; Docente de Pós- Graduação; Coaching Experiência de mais de 31 anos na iniciativa privada e pública; Doutorado em Administração;

Leia mais

ISO NAS PRAÇAS. Oficina ISO 9001-2008 Formulação da Política da Qualidade. Julho/2011

ISO NAS PRAÇAS. Oficina ISO 9001-2008 Formulação da Política da Qualidade. Julho/2011 Oficina ISO 9001-2008 Formulação da Política da Qualidade Julho/2011 GESPÚBLICA Perfil do Facilitador Servidor de carreira que tenha credibilidade Bom relacionamento interpessoal Acesso a alta administração

Leia mais

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000 ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário Gestão da Qualidade 2005 1 As Normas da família ISO 9000 ISO 9000 descreve os fundamentos de sistemas de gestão da qualidade e especifica

Leia mais

DIS ISO 9001:2015 Publicado em Maio de 2014

DIS ISO 9001:2015 Publicado em Maio de 2014 DIS ISO 9001:2015 Publicado em Maio de 2014 Abordagem de Processos Risk-based thinking (Pensamento baseado em Risco) Anexo SL (Estrutura de Alto Nível) Anexo SL (Estrutura de Alto Nível) 1 - Escopo 2 -

Leia mais

NBR ISO 9001:2008. Prof. Marcos Moreira

NBR ISO 9001:2008. Prof. Marcos Moreira NBR ISO 9001:2008 Sistema de Gestão da Qualidade Prof. Marcos Moreira História International Organization for Standardization fundada em 1947, em Genebra, e hoje presente em cerca de 157 países. Início

Leia mais

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE Revisão: 07 Data: 05.03.09 Página 1 de 7 Copia controlada MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE José G. Cardoso Diretor Executivo As informações contidas neste Manual são de propriedade da Abadiaço Ind. e Com.

Leia mais

CHECK - LIST - ISO 9001:2000

CHECK - LIST - ISO 9001:2000 REQUISITOS ISO 9001: 2000 SIM NÃO 1.2 APLICAÇÃO A organização identificou as exclusões de itens da norma no seu manual da qualidade? As exclusões são relacionadas somente aos requisitos da sessão 7 da

Leia mais

Combinando a norma ISO 10006 e o guia PMBOK para garantir sucesso em projetos

Combinando a norma ISO 10006 e o guia PMBOK para garantir sucesso em projetos Combinando a norma ISO 10006 e o guia PMBOK para garantir sucesso em projetos Combining the ISO 10006 and PMBOK to ensure successful projects 1 Por Michael Stanleigh Tradução e adaptação para fins didáticos

Leia mais

MBA EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS. 1 Prof. Martius v. Rodriguez y Rodriguez, pdsc.

MBA EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS. 1 Prof. Martius v. Rodriguez y Rodriguez, pdsc. MBA EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS 1 Prof. Martius v. Rodriguez y Rodriguez, pdsc. PRINCÍPIOS ANÁLISE ESTRATÉGICA (FOfA) BALANCED SCORECARD (BSC) EVOLUÇÃO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. ESCOLAS DE PENSAMENTO

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA ESTUDOCOMPARATIVO NBRISO13485:2004 RDC59:2000 PORTARIA686:1998 ITENSDEVERIFICAÇÃOPARAAUDITORIA 1. OBJETIVO 1.2. 1. Há algum requisito da Clausula 7 da NBR ISO 13485:2004 que foi excluída do escopo de aplicação

Leia mais

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL Alessandro Siqueira Tetznerl (1) : Engº. Civil - Pontifícia Universidade Católica de Campinas com pós-graduação em Gestão de Negócios

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

Las Instituciones de Innovación. SEGIB Estoril, julho de 2009 Carlos Américo Pacheco - Unicamp

Las Instituciones de Innovación. SEGIB Estoril, julho de 2009 Carlos Américo Pacheco - Unicamp Las Instituciones de Innovación SEGIB Estoril, julho de 2009 Carlos Américo Pacheco - Unicamp Instituições Conjunto de inúmeros e complexos fatores, de mercado ou não, que moldam o comportamento econômico

Leia mais

14 ANEXO 02 - NORMA ISO 9001:2000 - INTERPRETAÇÃO LIVRE

14 ANEXO 02 - NORMA ISO 9001:2000 - INTERPRETAÇÃO LIVRE 14 ANEXO 02 - NORMA ISO 9001:2000 - INTERPRETAÇÃO LIVRE Sumário Prefácio 0 Introdução 1 Objetivo 2 Referência normativa 3 Termos e definições 4 Sistema de gestão da qualidade 5 Responsabilidade da direção

Leia mais

Mais Eficiência e Eficácia cia nas. Gestão de Processos. Irene Szyszka Lucem Sistemas Integrados de Gestão

Mais Eficiência e Eficácia cia nas. Gestão de Processos. Irene Szyszka Lucem Sistemas Integrados de Gestão Mais Eficiência e Eficácia cia nas Organizações Através s da Gestão de Processos Irene Szyszka Lucem Sistemas Integrados de Gestão 14/03/2007 Lucem Sistemas Integrados de Gestão - Direitos Reservados 1

Leia mais

ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA

ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA SUMÁRIO Apresentação ISO 14001 Sistema de Gestão Ambiental Nova ISO 14001 Principais alterações e mudanças na prática Estrutura de alto nível Contexto

Leia mais

Pesquisa realizada com os participantes do 12º Seminário Nacional de Gestão de Projetos. Apresentação

Pesquisa realizada com os participantes do 12º Seminário Nacional de Gestão de Projetos. Apresentação Pesquisa realizada com os participantes do de Apresentação O perfil do profissional de Projetos Pesquisa realizada durante o 12 Seminário Nacional de, ocorrido em 2009, traça um importante perfil do profissional

Leia mais

Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos

Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos DEZ 2000 NBR ISO 9001 Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13 28º andar CEP 20003-900 Caixa Postal 1680 Rio

Leia mais

FACULDADE SETE LAGOAS - FACSETE COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO / CPA RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DA CPA NO ANO DE 2013

FACULDADE SETE LAGOAS - FACSETE COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO / CPA RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DA CPA NO ANO DE 2013 FACULDADE SETE LAGOAS - FACSETE COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO / CPA RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DA CPA NO ANO DE 2013 Sete Lagoas Março de 2014 Sumário 1. DADOS DA INSTITUIÇÃO... 4 1.1. Composição da Comissão

Leia mais

MODELO DE GESTÃO PARA ORGANIZAÇÕES PRESTADORAS DE SERVIÇOS DE SAÚDE

MODELO DE GESTÃO PARA ORGANIZAÇÕES PRESTADORAS DE SERVIÇOS DE SAÚDE 1 MODELO DE GESTÃO PARA ORGANIZAÇÕES PRESTADORAS DE SERVIÇOS DE SAÚDE Cristina Diamante Elizabeth Maria Lazzarotto Lorena Moraes Goetem Gemelli 1 INTRODUÇÃO: Na maioria das organizações de saúde, os profissionais

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO TESTE DE SOFTWARE PARA A QUALIDADE DO PROJETO

A IMPORTÂNCIA DO TESTE DE SOFTWARE PARA A QUALIDADE DO PROJETO A IMPORTÂNCIA DO TESTE DE SOFTWARE PARA A QUALIDADE DO PROJETO Autora: LUCIANA DE BARROS ARAÚJO 1 Professor Orientador: LUIZ CLAUDIO DE F. PIMENTA 2 RESUMO O mercado atual está cada vez mais exigente com

Leia mais

Unidade II PROCESSOS ORGANIZACIONAIS. Prof. Léo Noronha

Unidade II PROCESSOS ORGANIZACIONAIS. Prof. Léo Noronha Unidade II PROCESSOS ORGANIZACIONAIS Prof. Léo Noronha Macroprocesso Referência: sistema de gestão da qualidade pela NBR ISO 9011:2008. Macroprocesso Para a realização do produto, necessitase da integração

Leia mais

ASPECTOS GERAIS DE PROJETOS

ASPECTOS GERAIS DE PROJETOS ASPECTOS GERAIS DE PROJETOS O que é PROJETO Um empreendimento com começo e fim definidos, dirigido por pessoas, para cumprir objetivos estabelecidos dentro de parâmetros de custo, tempo e especificações.

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO

GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO Indicadores e Diagnóstico para a Inovação Primeiro passo para implantar um sistema de gestão nas empresas é fazer um diagnóstico da organização; Diagnóstico mapa n-dimensional

Leia mais

Indicadores de Desempenho do SGQ

Indicadores de Desempenho do SGQ Módulo 3: Indicadores de Desempenho do SGQ Instrutor: Henrique Pereira Indicadores de Desempenho do SGQ Partes interessadas: Quem são? Quais são suas necessidades? Como monitorar e medir os processos:

Leia mais

Gerenciamento de Serviços em TI com ITIL. Gerenciamento de Serviços de TI com ITIL

Gerenciamento de Serviços em TI com ITIL. Gerenciamento de Serviços de TI com ITIL Gerenciamento de Serviços de TI com ITIL A Filosofia do Gerenciamento de Serviços em TI Avanços tecnológicos; Negócios totalmente dependentes da TI; Qualidade, quantidade e a disponibilidade (infra-estrutura

Leia mais

Data Revisão Página Código. Referência TÍTULO MANUAL DA QUALIDADE EMISSÃO. Márcio Oliveira. Cargo. Gestor do SGQ APROVAÇÃO. Egidio Fontana.

Data Revisão Página Código. Referência TÍTULO MANUAL DA QUALIDADE EMISSÃO. Márcio Oliveira. Cargo. Gestor do SGQ APROVAÇÃO. Egidio Fontana. Data Revisão Página Código 11/04/2014 03 1 / 22 MQ-01 Referência MANUAL DA QUALIDADE TÍTULO MANUAL DA QUALIDADE Escrital Contabilidade Rua Capitão Otávio Machado, 405 São Paulo/SP Tel: (11) 5186-5961 Site:

Leia mais

CADERNO DE DESCRIÇÕES DE CARGOS FÁBRICA

CADERNO DE DESCRIÇÕES DE CARGOS FÁBRICA CADERNO DE DESCRIÇÕES DE CARGOS FÁBRICA REVISÃO DOS DADOS 04 RELAÇÃO DE CARGOS Auxiliar de Montagem Montador Supervisor de Produção Técnico de Programação da Produção Coordenador de Produção IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC FLORIANÓPOLIS

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC FLORIANÓPOLIS FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC FLORIANÓPOLIS PORTARIA DE CREDENCIAMENTO DA FACULDADE Portaria Nº 3.544 de 13 de dezembro de 2002, publicada no DOU em 16 de dezembro de 2002. Diretor da Faculdade: José Carlos

Leia mais

MUDANÇAS NA ISO 9001: A VERSÃO 2015

MUDANÇAS NA ISO 9001: A VERSÃO 2015 MUDANÇAS NA ISO 9001: A VERSÃO 2015 Está em andamento o processo de revisão da Norma ISO 9001: 2015, que ao ser concluído resultará na mudança mais significativa já efetuada. A chamada família ISO 9000

Leia mais

1. PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO EDUCACIONAL Gestão do ciclo completo de relacionamento com o aluno SRM da Universidade Feevale

1. PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO EDUCACIONAL Gestão do ciclo completo de relacionamento com o aluno SRM da Universidade Feevale RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO 1. PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO EDUCACIONAL Gestão do ciclo completo de relacionamento com o aluno SRM da Universidade Feevale 1.1 Histórico da Prática Eficaz Por meio do Departamento

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Gestão de Tecnologia da Informação e Comunicação

Gestão de Tecnologia da Informação e Comunicação Gestão de Tecnologia da Informação e Comunicação Curso autorizado pela Resolução nº 247-06/12/2010. Publicado:09/12/2010 SETEC/MEC Nota obtida na autorização: 4 Objetivos O Curso Superior de Tecnologia

Leia mais

Planejamento estratégico

Planejamento estratégico espaço ibero-americano espacio iberoamericano Planejamento estratégico Quem somos, onde queremos ir e como chegaremos lá são indagações necessárias em todas as escolas Como qualquer empresa, instituições

Leia mais

Abordagem de Processo: conceitos e diretrizes para sua implementação

Abordagem de Processo: conceitos e diretrizes para sua implementação QP Informe Reservado Nº 70 Maio/2007 Abordagem de Processo: conceitos e diretrizes para sua implementação Tradução para o português especialmente preparada para os Associados ao QP. Este guindance paper

Leia mais

Uso Exclusivo em Treinamento

Uso Exclusivo em Treinamento Web Site: www.simplessolucoes.com.br ABNT NBR ISO 9001:2008 Uso Exclusivo em Treinamento SUMÁRIO 0. Introdução 2 0.1 Generalidades 2 0.2 Abordagem de processo 3 0.3 Relação com a norma NBR ISO 9004 5 0.4

Leia mais

Alinhando ABNT-NBR-ISO/IEC 17799 e 27001 para a Administração Pública -USP

Alinhando ABNT-NBR-ISO/IEC 17799 e 27001 para a Administração Pública -USP Alinhando ABNT-NBR-ISO/IEC 17799 e 27001 para a Administração Pública -USP César Augusto Asciutti Agência USP de Inovação, São Paulo (SP), 3091-2933, asciutti@usp.br Resumo Este artigo apresenta uma breve

Leia mais

Governança de TI. Por que a Governança de TI é vista como fator chave para criação de valor para o Negócio? Conhecimento em Tecnologia da Informação

Governança de TI. Por que a Governança de TI é vista como fator chave para criação de valor para o Negócio? Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Governança de TI Por que a Governança de TI é vista como fator chave para criação de valor para o Negócio? 2010 Bridge Consulting Apresentação A Governança de Tecnologia

Leia mais

Direcionando o Planejamento Estratégico com Modelo de Previsão Um artigo técnico da Oracle Junho de 2007

Direcionando o Planejamento Estratégico com Modelo de Previsão Um artigo técnico da Oracle Junho de 2007 Direcionando o Planejamento Estratégico com Modelo de Previsão Um artigo técnico da Oracle Junho de 2007 Direcionando o Planejamento Estratégico com Modelo de Previsão Com um processo funcional de planejamento

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade -Requisitos

Sistema de Gestão da Qualidade -Requisitos MB Consultoria Av. Constantino Nery, Nº 2789, Edifício Empire Center, Sala 1005 a 1008 Manaus - Amazonas - Brasil CEP: 69050-002 Telefones: (92) 3656.2452 Fax: (92) 3656.1695 e-mail: mb@netmb.com.br Site:

Leia mais

Sistemas de gestão da qualidade Requisitos

Sistemas de gestão da qualidade Requisitos DEZ 2000 NBR ISO 9001 Sistemas de gestão da qualidade Requisitos Sumário Prefácio 0 Introdução 1 Objetivo 2 Referência normativa 3 Termos e definições 4 Sistema de gestão da qualidade 5 Responsabilidade

Leia mais

FACULDADE TECSOMA DEPARTAMENTO DE PÓS-GRADUAÇÃO E EXTENSÃO MBA EM GESTÃO EMPRESARIAL

FACULDADE TECSOMA DEPARTAMENTO DE PÓS-GRADUAÇÃO E EXTENSÃO MBA EM GESTÃO EMPRESARIAL FACULDADE TECSOMA DEPARTAMENTO DE PÓS-GRADUAÇÃO E EXTENSÃO MBA EM GESTÃO EMPRESARIAL 1. OBJETIVOS Proporcionar aos discentes conhecimentos teóricos e práticos acerca da gestão empresarial com intuito de

Leia mais

INDICADORES DE DESEMPENHO

INDICADORES DE DESEMPENHO INDICADORES DE DESEMPENHO Não se gerencia o que não se mede, não se mede o que não se define, não se define o que não se entende, não há sucesso no que não se gerencia. (E. Deming) Os indicadores são ferramentas

Leia mais

Sistemas de gestão da qualidade Requisitos

Sistemas de gestão da qualidade Requisitos ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas DEZ 2000 NBR ISO 9001 Sistemas de gestão da qualidade Requisitos Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13 28 o. andar CEP 20003-900 Caixa Postal 1680 Rio

Leia mais

ABNT NBR ISO 10006 NORMA BRASILEIRA. Sistemas de gestão da qualidade Diretrizes para a gestão da qualidade em empreendimentos

ABNT NBR ISO 10006 NORMA BRASILEIRA. Sistemas de gestão da qualidade Diretrizes para a gestão da qualidade em empreendimentos NORMA BRASILEIRA ABNT NBR ISO 10006 Segunda edição 05.06.2006 Válida a partir de 05.07.2006 Sistemas de gestão da qualidade Diretrizes para a gestão da qualidade em empreendimentos Quality management systems

Leia mais

MBA EM DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS COM ÊNFASE EM COMPETÊNCIAS

MBA EM DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS COM ÊNFASE EM COMPETÊNCIAS MBA EM DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS COM ÊNFASE EM COMPETÊNCIAS O programa irá capacitá-lo a interagir em um contexto empresarial de inúmeras transformações e mudanças, desenvolvendo competências para conhecer,

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE Objectivos do Curso. No final deste os alunos deverão: Identificar os principais objectivos associados à implementação de Sistemas de Gestão da Qualidade (SGQ) Compreender

Leia mais

Governança e Qualidade em Serviços de TI COBIT Governança de TI

Governança e Qualidade em Serviços de TI COBIT Governança de TI Governança e Qualidade em Serviços de TI COBIT Governança de TI COBIT Processos de TI Aplicativos Informações Infraestrutura Pessoas O que é o CObIT? CObIT = Control Objectives for Information and Related

Leia mais

DOCUMENTOS E REGISTROS DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

DOCUMENTOS E REGISTROS DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DOCUMENTOS E REGISTROS DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE 2011 WANDERSON S. PARIS INTRODUÇÃO Não se pretende aqui, reproduzir os conteúdos das normas ou esgotar o tema versado por elas. A ideia é apenas

Leia mais

Treinamento do Sistema RH1000

Treinamento do Sistema RH1000 Treinamento do Sistema RH1000 = Conceitos de Gestão por Competências = Ohl Braga Desenvolvimento Empresarial Atualizado em 21Ago2015 1 Tópicos abordados Principais processos 4 Vantagens 5 Avaliação de

Leia mais

Norma ISO 9001:2008. Gestão da Qualidade

Norma ISO 9001:2008. Gestão da Qualidade Norma ISO 9001:2008 Gestão da Qualidade Sistemas da Qualidade e Qualidade Ambiental ISO 9000 e ISO 14000 Prof. M. Sc. Helcio Suguiyama 1- Foco no cliente 2- Liderança 3- Envolvimento das Pessoas 4- Abordagem

Leia mais

Gestão por Processos ISO 9001: 2000

Gestão por Processos ISO 9001: 2000 Gestão por Processos 1 2 Existem três tipos de empresas: - as que fazem as coisas acontecer; - as que vêem as coisas acontecer; - as que não fazem ideia do que está a acontecer (Kotler) 3 Para o Sucesso

Leia mais

PLANO DE CAPACITAÇÃO DO

PLANO DE CAPACITAÇÃO DO www.unp.br PLANO DE CAPACITAÇÃO do Corpo Técnico-Administrativo 2015 Plano de Capacitação do Corpo Técnico-Administrativo 2015 Natal/RN 2015 DIRIGENTES DA UNIVERSIDADE POTIGUAR PRESIDENTE Prof. Marcus

Leia mais

ENGENHARIA DE PRODUÇÃO EPR 16 - SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

ENGENHARIA DE PRODUÇÃO EPR 16 - SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO EPR 16 - SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE ISO 9001:2000 Prof. Dr. João Batista Turrioni Objetivo geral Introduzir e discutir a importância da adoção de um Sistema de Gestão da Qualidade

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE. Rua Acre, 291 - CEP 83.040-030 Bairro Boneca do Iguaçu - São José dos Pinhais - Paraná.

MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE. Rua Acre, 291 - CEP 83.040-030 Bairro Boneca do Iguaçu - São José dos Pinhais - Paraná. ELABORADO POR: Carlos Eduardo Matias Enns MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE APROVADO POR: Edson Luis Schoen 28/1/5 1 de 11 1. FINALIDADE A Saint Blanc Metalmecânica Ltda visa estabelecer as diretrizes básicas

Leia mais

A gestão da qualidade e a série ISO 9000

A gestão da qualidade e a série ISO 9000 A gestão da qualidade e a série ISO 9000 Seminário QUALIDADE E EXCELÊNCIA NA SOCIEDADE DA INFORMAÇÃ ÇÃO FLUP 3 Novembro 2005 3 Novembro 2005 Maria Beatriz Marques / APQ-DRN A gestão da qualidade e a série

Leia mais

PROJETO UTILIZANDO QLIKVIEW PARA ESTUDO / SIMULAÇÃO DE INDICADORES

PROJETO UTILIZANDO QLIKVIEW PARA ESTUDO / SIMULAÇÃO DE INDICADORES PROJETO UTILIZANDO QLIKVIEW PARA ESTUDO / SIMULAÇÃO DE INDICADORES Fábio S. de Oliveira 1 Daniel Murara Barcia 2 RESUMO Gerenciar informações tem um sido um grande desafio para as empresas diante da competitividade

Leia mais

Enterprise Asset Management [EAM] Maximize o retorno sobre os ativos empresariais.

Enterprise Asset Management [EAM] Maximize o retorno sobre os ativos empresariais. Enterprise Asset Management [EAM] Maximize o retorno sobre os ativos empresariais. No atual cenário econômico, organizações do mundo inteiro enfrentam uma pressão enorme para gerir seus ativos proativamente

Leia mais

17 e 18 de Março de 2009 São Paulo SP. 1 A Profissionalização da Gestão das IES para Impulsionar Resultados para a Instituição

17 e 18 de Março de 2009 São Paulo SP. 1 A Profissionalização da Gestão das IES para Impulsionar Resultados para a Instituição 4ª Conferência Anual Estratégias e Tendências do Mercado em Gestão para IES Privadas Garanta Excelência Através de Alternativas para Conciliar as Visões Acadêmica, Financeira e Administrativa 17 e 18 de

Leia mais

REGULAMENTO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

REGULAMENTO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA REGULAMENTO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA O Programa de Iniciação Científica da Universidade Nove de Julho UNINOVE destinase a alunos de graduação para desenvolvimento de pesquisa científica (IC) ou tecnológica

Leia mais

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO As Empresas e os Sistemas Problemas locais - impacto no sistema total. Empresas como subsistemas de um sistema maior. Uma empresa excede a soma de

Leia mais

Lista de Exercícios - COBIT 5

Lista de Exercícios - COBIT 5 Lista de Exercícios - COBIT 5 1. O COBIT 5 possui: a) 3 volumes, 7 habilitadores, 5 princípios b) 3 volumes, 5 habilitadores, 7 princípios c) 5 volumes, 7 habilitadores, 5 princípios d) 5 volumes, 5 habilitadores,

Leia mais