Questionário - Proficiência Clínica

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Questionário - Proficiência Clínica"

Transcrição

1 Tema Elaboradora TESTE DE ANTIGLOBULINA E SUA APLICAÇÃO EM LABORATÓRIOS Margarida de Oliveira Pinho, Bióloga, Responsável pelo Setor de Imunohematologia e Coordenação da equipe técnica do Serviço de Hemoterapia do Instituto Nacional de Câncer-M.S. RJ, Título de Proficiência Técnica em Imunohematologia pela SBHH, Especialização em Hemoterapia-Instituto Fernades Figueira-Fio Cruz. Texto Introdutório O teste de antiglobulina humana (AGH), foi descrito em 1945 por Coombs e colaboradores. Em 1946 Coombs e colaboradores descreveram o uso de antiglobulina humana para detectar in vivo a sensibilização de hemácias por anticorpos, tornando possível o diagnóstico da Doença Hemolítica Perinatal (DHPN). Com a descoberta do teste de AGH, outros anticorpos IgG foram detectados com seus respectivos antígenos, levando a descorberta e à caracterização de muitos sistemas de grupos sangüíneos. Foi encontrado o primeiro anticorpo do sistema Kell e seu respectivo antígeno. Coombs produziu soro antiglobulina humana (AGH) injetando soro humano em coelhos. Como resposta imunológica ocorreu a produção de anticorpo contra a globulina humana. O uso da antiglobulina humana para detectar a sensibilização de hemácias in vitro é uma técnica de duas fases chamada Teste de Antiglobulina Indireta (TAI), também conhecida como Teste de Coombs Indireto. A sensibilização in vivo é detectada por procedimento de uma fase chamada de Teste de Antiglobulina Direta (TAD), também conhecida como Teste de Coombs Direto. O TAI e o TAD continuam sendo os procedimentos mais comuns e de muita importância na sorologia de grupos sangüíneos. O Teste de Coombs é baseado no principio de que as globulinas anti-humanas obtidas de espécies não humanas imunizadas ligam-se a globulinas humanas como IgG ou complemento, livres no soro ou fixas a antígenos em hemácias. Os principais anticorpos de grupo sangüíneo são incompletos). IgM (chamados de completos) e IgG (chamados de Os anticorpos IgM se ligam facilmente ao antígenos correspondentes devido a sua estrutura pentâmera que favorece a aglutinação direta das hemácias em suspensas em salina (soro fisiológico). Os anticorpos IgG são chamados não aglutinantes pois sua estrutura monômera é muito pequena, esses anticorpos são capazes de sensibilizar as hemácias que tenham antígenos correspondentes mas não promovem a aglutinação diretamente. As hemácias sensibilizadas por anticorpos IgG necessitam da adição do soro antiglobulina humana para aglutinarem. Alguns anticorpos de grupo sangüíneo têm a capacidade de ligar complemento à membrana da hemácia. Reagentes de globulina anti-humana: Antiglobulina Humana Poliespecífica Contém anticorpo IgG e C3d do complemento humano. Outros anticorpos anticomplemento, tais como anti- C3b, anti-c4b ou anti-c4d, também podem estar presentes. A AGH poliespecifica comercialmente preparada contém pouca ou nenhuma atividade contra cadeias pesadas de IgA e IgM, porém, a mistura de soros poliespecíficos podem conter atividade de anticorpos contra cadeias leves kappa e lambda comuns a todas as classes de imunoglobulinas com moléculas IgA ou IgM. Globulina anti-humana monoespecifica Reagentes AGH monoespecificos contêm apenas uma especificidade de anticorpos. A antiglobulina humana anti-igg que é o mais usado ou anticorpos específicos para componentes do complemento, como exemplo o C3b ou C3d. Anti- IgG Reagentes rotulados anti-igg, não contêm nenhuma atividade anticomplemento. O anti IgG pode conter especificidade anticadeia leve e, portanto, reagir também com células sensibilizadas com IgM e IgA. Anticomplemento Reagentes anticomplemento como anti-c3b-c3d, são reativos apenas contra os componentes de complemento designados e não contém nenhuma atividade contra imunoglobulinas humanas. TESTE DE ANTIGLOBULINA DIRETO (TAD) O TAD, também conhecido como Teste de Coombs Direto é um método simples que permite detectar in vivo a sensibilização das hemácias com anticorpos, IgG e ou componentes de complemento. Método em tubo Preparar para teste uma suspensão à 5% de hemácias em solução salina, transferir para um tubo uma gota da suspensão de hemácias e lavar três vezes com solução salina. Pingar uma gota do soro antiglobulina humana (preferencialmente poliespecífico) nas hemácias lavadas, ou de acordo com a rotina estabelecida pelo serviço, homogeneizar, centrifugar e ler observando a presença ou ausência de aglutinação. Página 1 de 6

2 Resultados Negativos: pingar uma gota de hemácias sensibilizadas (reagente comercial - hemácias previamente sensibilizadas de rotina para validação dos testes com antiglobulina humana pelo método em tubo), homogeneizar, centrifugar e fazer a leitura. O resultado deste controle tem que ser positivo (presença de aglutinação), para que o teste seja validado. Se o resultado do controle for negativo o teste é inválido, portanto deve ser repetido. Resultados Positivos: indica presença de anticorpos na superfície da hemácia (sensibilização in vivo). Devem ser avaliados e relacionados com o diagnóstico do paciente, com a terapia medicamentosa do momento e com a história transfusional. Nos pacientes que apresentam resultado positivo é importante investigar sinais de hemólise in vivo, transfusão de sangue recente, fazer um teste de antiglobulina indireta (TAI) para investigar anticorpos no soro do paciente, verificar uso de medicamento e que medicamento está usando, verificar se recebeu transfusão de componentes plasmáticos ABO incompatível e outros fatores que possam ser relevantes para o diagnostico associado ao resultado encontrado. O teste de antiglobulina direto (TAD) está indicado para investigação de: Anemias Hemolíticas Autoimunes; Anemias Hemolíticas Induzidas por Drogas; Doença Hemolítica Perinatal; Reações Hemolíticas Transfusionais; Transfusão de sangue ou componentes contendo plasma ABO-incompatível; E outras situações mais específicas que são detectadas após criteriosa avaliação clínica para identificar a causa do TAD positivo. As amostras de sangue para realização do TAD devem ser colhidas em EDTA e o teste deve ser feito o mais rápido possível. A amostra não deve ir para geladeira antes do resultado final, evitando que anticorpos presentes no plasma sejam adsorvidos às hemácias resultando em resultados falsos negativos. A amostra com resultado de TAD positiva, deve ser submetida ao procedimento de eluição, que consiste em remover os anticorpos que estão causando a sensibilização na membrana da hemácia. A eluição pode ser feita por diversas técnicas. TESTE DE ANTIGLOBULINA INDIRETO (TAI) O TAI, também conhecido como Teste de Coombs Indireto, é capaz de detectar a presença de anticorpo irregular no soro (do tipo IgG). Este teste é muito utilizado em laboratórios Clínicos principalmente para monitorar mulheres Rh negativo em período gestacional. Método em tubo Para realizar este teste é necessário um conjunto de células (hemácias comerciais em suspensão à 5%) com perfil antigênico conhecido e capaz de detectar a maioria dos anticorpos de importância clínica. A técnica consiste em colocar uma ou duas gotas do soro a ser investigado junto com uma gota da suspensão das hemácias comerciais (conforme orientação do fabricante). O período de incubação à 37ºC pode variar conforme reagentes utilizados, é importante seguir sempre a técnica recomendada na instrução de uso do fabricante. Após o período de incubação lavar três vezes com solução salina e pingar uma ou duas gotas do reagente antiglobulina humana (conforme instrução do fabricante). O tipo de antiglobulina, se poliespecífica ou monoespecífica, deve ser definida pelo Serviço de acordo com as características dos pacientes atendidos no serviço. Resultados Negativos: pingar uma gota de hemácias previamente sensibilizadas (reagente comercial) usadas na rotina para validação dos testes com antiglobulina humana pelo método em tubo, homogeneizar, centrifugar e fazer a leitura. O resultado deste controle tem que ser positivo (presença de aglutinação), para que o teste seja válido. Se o resultado do controle for negativo invalida o teste, portanto, deve ser repetido. Resultados Positivos: indica a presença de anticorpo irregular (tipo IgG) e/ou fração de complemento na amostra-teste. Todos os resultados positivos devem ser informados por escrito: Ao médico solicitante (do paciente ou da gestante); Ao doador de sangue, juntamente com os resultados de sorologia; Mulher em idade fértil que, independente do Fator Rh, deve receber esclarecimento para que, em possíveis gestações, possa informar imediatamente ao médico que vai acompanhar o pré- natal. Principais causas de resultados positivos: Transfusões de sangue e/ou hemocomponentes; Gestação. O teste de antiglobulina Indireto (TAI) é utilizado para: Pesquisa de Anticorpos Irregulares (P.A.I.) em doadores de sangue e/ou pacientes, utilizando um conjunto de hemácias comerciais com perfil antigênico conhecido; Página 2 de 6

3 Prova de compatibilidade (prova cruzada) em teste pré- transfusional; Titulação de anticorpos tipo IgG; Identificação de Anticorpos Irregulares (IAI) utilizando um painel de hemácias com perfil antigênico conhecido; Fenotipagem de hemácias utilizando anti-soros comerciais com especificidade definida. Figura nº1 O esquema acima, mostra as hemácias sensibilizadas por imunoglobulinas IgG e sendo ligadas pela antiglobulina humana promovendo a reação de aglutinação. Principais fatores que afetam o teste da antiglobulina: Temperatura A temperatura ótima para detecção de anticorpos tipo IgG é de 37ºC, que é também uma temperatura ótima para ativação de complemento. Os testes de antiglobulina indireto devem ser incubados à 37º. Tempo de incubação Hemácias suspensas em salina o tempo pode variar de 30 a 120 minutos. Usando a técnica de LISS, o tempo de incubação pode variar de 10 a 150 minutos. Usando LISS, o tempo de incubação não deve exceder a 40 minutos, a incubação prolongada pode eluir os anticorpos das hemácias. Lavagem das células Para realizar os TAD e TAI é necessário lavar as hemácias com salina, no mínimo por três vezes, antes de adicionar a antiglobulina humana. A lavagem das hemácias tem como objetivo retirar as globulinas séricas livres no meio, a lavagem inadequada ocasiona neutralização da AGH resultando numa reação falso-negativa. Uso incorreto do polietilenoglicol (PEG) É usado como aditivo para aumentar a captação de anticorpos. Sua ação é remover a água, concentrando efetivamente o anticorpo. O reagente (AGH) de escolha deve ser o anti-igg para evitar resultados falsos-positivos. A utilização do PEG pode causar agregação de hemácias com resultados falsos-positivos quando centrifugado logo após a incubação. Para evitar resultados falsos-positivos é necessário lavar o teste imediatamente após a incubação. A performance do PEG é comparada ao LISS, entretanto, resultados indicam que o PEG dobra a detecção de anticorpos clinicamente significativos enquanto diminui os não significativos clinicamente. Adição da antiglobulina humana A antiglobulina humana deve ser acrescentada às hemácias imediatamente após a lavagem, evitando eluição do anticorpo das hemácias e como conseqüência, neutralizando a antiglobulina humana, resultando em reação falso-negativa. O volume do reagente adicionado ao teste deve seguir a instrução do fabricante do reagente. Página 3 de 6

4 Centrifugação para leitura As centrífugas devem ser calibradas e validadas para diversas necessidades de centrifugação definidas por cada laboratório. Para centrifugação de botão de células recomenda-se usar de força centrífuga relativa (FCR), durante vinte segundos. A centrifugação é fundamental para conclusão dos resultados. Centrifugação mais alta gera resultados mais sensíveis, porém dependendo da forma que o botão é ressuspenso, o resultado pode ser falso-positivo fraco (por ressuspensão inadequada) ou ter um resultado falso-negativo se a suspensão for vigorosa. As condições ótimas de centrifugação devem ser determinadas para cada centrífuga. CAUSAS DE ERROS NOS TESTES DE ANTIGLOBULINA HUMANA Resultados falsos-positivos 1-Amostra refrigerada e/ou coaguladas são inadequadas e podem aderir complemento in vitro; 2-Hemácias com autoaglutinação; 3-Contaminação bacteriana da amostra, na salina para lavagem ou pipetas utilizadas para o teste; 4-Reagente de hemácias utilizadas para testes de antiglobulina indireta com TAD positivo; 5-Salina contaminada por metais pesados ou sílica colidal; 6-Tubos sujos; 7-Centrifugação excessiva para leitura; 8-Células poliaglutinantes; 9-Anticorpo conservante-dependente em reagentes LISS; 10-Anticorpos contaminantes no reagente de globulina anti-humana; 1-Lavagem inadequada ou imprópria de células; Resultados falsos-negativos 2-Reagente de antiglobulina humana não reativo devido a neutralização; 3-Reagente de antiglobulina humana não adicionado; 4-Soro em teste não reativo por perda da atividade do complemento; 5-Condições de incubação inadequadas no teste de antiglobulina indireto (TAI); 6-Concentração da suspensão de hemácias inadequada, muito alta ou muito baixa; 7-Centrifugação inadequada, muito forte ou muito fraca; 8-Leitura inadequada na hora ressuspender o botão de hemácias para leitura. Importante: Todas as reações negativas nos testes de antiglobulina humana pelo método em tubo deve ser validado com adição do reagente de hemácias sensibilizadas com anticorpos IgG. Após a adição desse reagente o teste deve ser homogeneizado e centrifugado. Depois da centrifugação fazer uma nova leitura. Teste válido: resultado positivo (aglutinação de pelo menos 1+) Teste inválido: resultado negativo (ausência de aglutinação) Repetir o teste da AGH A causa mais comum de erro é a lavagem inadequada, reagente AGH não reativos e falha na adição do reagente AGH. Questão 1 A sensibilização das hemácias in vivo, por anticorpos pode ser detectada através do teste de antiglobulina: 1. Indireto; 2. Direto e Indireto; 3. Indireto em temperatura ambiente; 4. Direto. Questão 2 O resultado do TAD positivo pode ser causado por: 1. Sensibilização das hemácias in vivo, por anticorpos plasmáticos ABO incompatível; 2. Anticorpos maternos ligados as hemácias do recém-nato; 3. Anticorpos ligados as hemácias devido à transfusão incompatível; Página 4 de 6

5 Questão 3 Questão 4 Questão 5 Para realizar o TAD (Teste de Antiglobulina Direto) ou TAI (Teste de Antiglobulina Indireto), em tubo, é necessário lavar as hemácias três vezes para: 1. Retirar o excesso de hemácias; 2. Retirar as globulinas séricas livres no meio; 3. Retirar os anticorpos que estão presos às hemácias; 4. Nenhuma das respostas acima. Para validar os resultados negativos dos testes de antiglobulina humana realizados em tubo, utilizamos um reagente comercial: 1. De hemácias lavadas com TAD negativo; 2. De hemácias do grupo 0 com fenótipo conhecido; 3. De hemácias sensibilizadas com anticorpos IgG; 4. Nenhuma das respostas acima estão corretas. É incorreto pesquisar anticorpo irregular no soro utilizando. 1. TAD também conhecido como Teste de Coombs Direto; 2. TAI também conhecido como Teste de Coombs Indireto; 3. PAI (Pesquisa de Anticorpo Irregular); 4. Nenhuma das alternativas acima. Questão 6 A temperatura ótima para detecção de anticorpos tipo IgG no soro é: 1. 37ºC; 2. 25ºC; 3. 4ºC; 4. 18ºC. Questão 7 Questão 8 Questão 9 Questão 10 O Teste da Antiglobulina Indireta é utilizados para: 1. Provas cruzadas; 2. Pesquisa de D fraco; 3. Fenotipagem eritrocitária; O polietilenoglicol (PEG) é utilizado na pesquisa de anticorpos irregulares por intensificar a reação antígeno anticorpo por: 1. Aumentar a afinidade do anticorpo pelo antígeno; 2. Reduzir o potencial zeta; 3. Concentrar os anticorpos pela remoção da água; 4. Aumentar a especificidade do anticorpo pelo antígeno. O reagente AGH poliespecífico contém: 1. Anti-IgG e anti-igm; 2. Anti-IgG; 3. Anti-C3d; 4. Anti-IgG e anti-c3d. São as principais causas de resultados falsos-negativos nos Teste de Antiglobulina Humana. 1. Lavagem inadequada das hemácias; 2. Reagente de antiglobulina humana não adicionado; 3. Temperatura de incubação inadequada; Página 5 de 6

6 Questão 11 Questão 12 Questão 13 Questão 14 Questão 15 Referências Bibliográficas: São as principais causas de resultados falsos-positivos nos Teste de Antiglobulina Humana. 1. Contaminação bacteriana da amostra, na salina para lavagem ou pipetas utilizadas para o teste; 2. Centrifugação excessiva para leitura; 3. Reagente de hemácias utilizadas para testes de antiglobulina indireta com TAD positivo; O TAI (Teste de Antiglobulina Indireta) positivo indica: 1. Presença de anticorpo irregular (tipo IgG) e/ou fração de complemento no soro; 2. Presença de anticorpo irregular (tipo IgG) e/ou fração de complemento nas hemácias; 3. Presença de crio aglutininas; 4. Presença de anticorpos IgM. Conforme mostra o esquema nº1, a antiglobuliza é responsável por promover a aglutinação quando as hemácias estão sensibilizadas por anticorpos IgG. Os anticorpos IgG são: 1. Pentâmeros capazes de promover a aglutinação sem adição da AGH; 2. Monômeros por isso necessitam da AGH para promover a aglutinação das hemácias sensibilizadas; 3. Os anticorpos IgG são pentâmeros e reagem à temperatura ótima de 37 C; 4. As opções 1 e 3 estão corretas. Os principais fatores que afetam o teste da antiglobulina são: 1. Temperatura de incubação; 2. Tempo de incubação; 3. Lavagem das células; 4. As opções 1, 2 e 3 estão corretas. O teste de antiglobulina direto (TAD) está indicado para investigação de: 1. Doença Hemolítica Perinatal; 2. Doença Hemolítica Autoimune; 3. Reações Hemolíticas Transfusionais; 4. As opções 1, 2 e 3 estão corretas. 1. DANIELS, G. Human Blood Groups. 2ª ed. Blackwell Science HARMENING, D. Técnicas Modernas em Banco de Sangue e Transfusão. 4ª ed - Editora Revinter, RDC 153, de 14 de Junho de Página 6 de 6

ANTI HUMANO. Anti IgG Anti C 3 d Poliespecífico

ANTI HUMANO. Anti IgG Anti C 3 d Poliespecífico ANTI HUMANO Anti IgG Anti C 3 d Poliespecífico PROTHEMO Produtos Hemoterápicos Ltda. PARA TESTES EM LÂMINA OU TUBO SOMENTE PARA USO DIAGNÓSTICO IN VITRO Conservar entre: 2º e 8ºC Não congelar Conservante:

Leia mais

ANTI IgG (Soro de Coombs)

ANTI IgG (Soro de Coombs) ANTI IgG (Soro de Coombs) Soro Anti Gamaglobulinas Humanas PROTHEMO Produtos Hemoterápicos Ltda. PARA TESTES EM LÂMINA OU TUBO SOMENTE PARA USO DIAGNÓSTICO IN VITRO Conservar entre: 2º e 8ºC Não congelar

Leia mais

Questionário - Proficiência Clínica

Questionário - Proficiência Clínica Tema Elaboradora Texto Introdutório TESTES IMUNO-HEMATOLÓGICOS E TRANSFUSÃO EM ANEMIA HEMOLÍTICA AUTO-IMUNE A FRIO Margarida de Oliveira Pinho. Bióloga, Responsável pelo Laboratório de Imunohematologia

Leia mais

ANTI D IgM +IgG Monoclonal (Humano)

ANTI D IgM +IgG Monoclonal (Humano) ANTI D IgM +IgG Monoclonal (Humano) PROTHEMO Produtos Hemoterápicos Ltda. Reagente para classificação do fator Rh PARA TESTES EM LÂMINA OU TUBO Somente para Uso Diagnóstico IN VITRO Conservar entre: 2-8

Leia mais

ANTI-A ANTI-B ANTI-AB

ANTI-A ANTI-B ANTI-AB ANTI-A ANTI-B ANTI-AB Monoclonal Murino IgM PROTHEMO Produtos Hemoterápicos Ltda. Reagentes para classificação do sistema sangüíneo ABO PARA TESTES EM LÂMINA OU TUBO Somente para Uso Diagnóstico IN VITRO

Leia mais

Testes pré-transfusionais. Profa. Alessandra Barone Prof. Archangelo Fernandes www.profbio.com.br

Testes pré-transfusionais. Profa. Alessandra Barone Prof. Archangelo Fernandes www.profbio.com.br Testes pré-transfusionais Profa. Alessandra Barone Prof. Archangelo Fernandes www.profbio.com.br Imunohematologia Antígenos eritrocitários Importância do estudo dos antígenos Incompatibilidades transfusionais

Leia mais

ALBUMINA BOVINA 22% PROTHEMO. Produtos Hemoterápicos Ltda. PARA TESTES EM LÂMINA OU TUBO SOMENTE PARA USO DIAGNÓSTICO IN VITRO

ALBUMINA BOVINA 22% PROTHEMO. Produtos Hemoterápicos Ltda. PARA TESTES EM LÂMINA OU TUBO SOMENTE PARA USO DIAGNÓSTICO IN VITRO ALBUMINA BOVINA 22% PROTHEMO Produtos Hemoterápicos Ltda. PARA TESTES EM LÂMINA OU TUBO SOMENTE PARA USO DIAGNÓSTICO IN VITRO Conservar entre: 2º e 8ºC Não congelar Conservante: Azida de Sódio 0,1 % Responsável

Leia mais

GRUPO SANGUÍNEO e FATOR RH, RH e GRUPO. Mnemônico: GSF

GRUPO SANGUÍNEO e FATOR RH, RH e GRUPO. Mnemônico: GSF POP n.º: B93 Página 1 de 7 1. Sinonímia: GRUPO SANGUÍNEO e FATOR RH, RH e GRUPO. Mnemônico: GSF 2. Aplicabilidade: Bioquímicos do setor de bioquímica do LAC-HNSC. 3. Aplicação clínica: Determinação do

Leia mais

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL FÊMINA LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS SETOR DE BIOQUÍMICA TIPAGEM ABO/Rh EM GEL CENTRIFUGAÇÃO

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL FÊMINA LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS SETOR DE BIOQUÍMICA TIPAGEM ABO/Rh EM GEL CENTRIFUGAÇÃO 1. Sinonímia: POP n.º: B21 Página 1 de 12 GRUPO SANGÜÍNEO e FATOR RH, RH e GRUPO. Mnemônico: AB 2. Aplicabilidade: Bioquímicos do setor de bioquímica do LAC-HF. 3. Aplicação clínica: Determinação do grupo

Leia mais

HEMOCENTRO DE RIBEIRÃO PRETO CONTROLE DE QUALIDADE INTERNO DE REAGENTES VISÃO DO CLIENTE

HEMOCENTRO DE RIBEIRÃO PRETO CONTROLE DE QUALIDADE INTERNO DE REAGENTES VISÃO DO CLIENTE HEMOCENTRO DE RIBEIRÃO PRETO CONTROLE DE QUALIDADE INTERNO DE REAGENTES VISÃO DO CLIENTE Rodrigo Spessotto Morais Toledo Qual a importância do controle da qualidade dos reagentes imunohematológicos? O

Leia mais

GUIA PARA INSPEÇÃO EM SERVIÇOS DE HEMOTERAPIA MÓDULO V AGÊNCIA TRANSFUSIONAL, TERAPIA TRANSFUSIONAL E OUTROS PROCEDIMENTOS TERAPÊUTICOS

GUIA PARA INSPEÇÃO EM SERVIÇOS DE HEMOTERAPIA MÓDULO V AGÊNCIA TRANSFUSIONAL, TERAPIA TRANSFUSIONAL E OUTROS PROCEDIMENTOS TERAPÊUTICOS MÓDULO V AGÊNCIA TRANSFUSIONAL, TERAPIA TRANSFUSIONAL E OUTROS PROCEDIMENTOS TERAPÊUTICOS Nome do responsável: Formação profissional: Registro no conselho de classe: Contato: 1. Atividades avaliadas Nível

Leia mais

FENOTIPAGENS ABO e RhD

FENOTIPAGENS ABO e RhD FENOTIPAGENS ABO e RhD DISCREPÂNCIAS Maria do Carmo Valgueiro Costa de Oliveira FUNDAÇÃO HEMOPE Substância precursora GLc GAL GLcNAc GAL Gene H 2α-L-fucosil-transferase Fuc Antígeno H GLc GAL GLcNAc GAL

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR.

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. XV Jornada Interiorana de Hematologia e Hemoterapia II Encontro Interiorano de Enfermagem em Hemoterapia e Hemovigilância TESTES PRÉ

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO PARECER COREN-SP GAB Nº 010 / 2011

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO PARECER COREN-SP GAB Nº 010 / 2011 PARECER COREN-SP GAB Nº 010 / 2011 Assunto: Testes Pré-Transfusionais. 1. Do fato Solicitado parecer sobre a realização de testes pré-transfusionais por profissionais de Enfermagem. 2. Da fundamentação

Leia mais

INUMO-HEMATOLOGIA DOADOR E RECEPTOR VITÓRIA 2014

INUMO-HEMATOLOGIA DOADOR E RECEPTOR VITÓRIA 2014 INUMO-HEMATOLOGIA DOADOR E RECEPTOR VITÓRIA 2014 Imuno-Hematologia Conceito: é o estudo relacionado com imunologia de grupos sanguíneos presentes nas hemácias, e imunologia de plaquetas e leucócitos. É

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO SOLICITAÇÃO DE TRANSFUSÃO: ROTINA E EMERGÊNCIA

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO SOLICITAÇÃO DE TRANSFUSÃO: ROTINA E EMERGÊNCIA PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO SOLICITAÇÃO DE TRANSFUSÃO: ROTINA E EMERGÊNCIA Versão: 06 Código: STROEM 02 Paginação: 1 de 36 Elaborado: Hildenete Monteiro Fortes Assinatura: Aprovado e liberado por:

Leia mais

BANCO DE SANGUE PAULISTA PROCEDIMENTO OPERACIONAL PREPARO DE TRANSFUSÕES E LIBERAÇÃO DE HEMOCOMPONENTES PARA TRANSFUSÃO

BANCO DE SANGUE PAULISTA PROCEDIMENTO OPERACIONAL PREPARO DE TRANSFUSÕES E LIBERAÇÃO DE HEMOCOMPONENTES PARA TRANSFUSÃO Pagina 1 de 30 1. OBJETIVO Assegurar o procedimento de liberação e transfusão sangüínea. 2. APLICAÇÃO Receptores (Pacientes). 3. RESPONSABILIDADES Médicos Supervisora Técnica Coordenador de Imunohematologia

Leia mais

Rotina da Agência Transfusional. Mara Martins Bióloga HCI / INCA

Rotina da Agência Transfusional. Mara Martins Bióloga HCI / INCA Rotina da Agência Transfusional Mara Martins Bióloga HCI / INCA O ato transfusional é um delicado processo na assistência a saúde. No INCA são realizadas cirurgias de grande porte e também grande número

Leia mais

TÉCNICA EM LABORATÓRIO/HEMOTERAPIA

TÉCNICA EM LABORATÓRIO/HEMOTERAPIA UFF UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CCM CENTRO DE CIÊNCIAS MÉDICAS HUAP HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTONIO PEDRO TÉCNICA EM LABORATÓRIO/HEMOTERAPIA Parte I: Múltipla Escolha 01 Quanto à classificação do grupo

Leia mais

Texto: Discrepâncias na fenotipagem ABO AUTORAS Ana Lúcia Girello Telma Ingrid Borges de Bellis Kühn

Texto: Discrepâncias na fenotipagem ABO AUTORAS Ana Lúcia Girello Telma Ingrid Borges de Bellis Kühn Texto: Discrepâncias na fenotipagem ABO AUTORAS Ana Lúcia Girello Telma Ingrid Borges de Bellis Kühn 1 Discrepâncias na fenotipagem ABO Introdução Quando realizamos a fenotipagem ABO dos indivíduos utilizamos

Leia mais

ScanGel ABO Complete/RH/K Duo 86719 2 x 24 cards 86709 2 x 144 cards Cards ScanGel ABO Complete/RH1 Duo e ScanGel Monoclonal RH/K Phenotypes Duo

ScanGel ABO Complete/RH/K Duo 86719 2 x 24 cards 86709 2 x 144 cards Cards ScanGel ABO Complete/RH1 Duo e ScanGel Monoclonal RH/K Phenotypes Duo ScanGel ABO Complete/RH/K Duo 86719 2 x 24 cards 86709 2 x 144 cards Cards ScanGel ABO Complete/RH1 Duo e ScanGel Monoclonal RH/K Phenotypes Duo GEL FORMULADO COM REAGENTES MONOCLONAIS DE ORIGEM MURINA

Leia mais

ÁREA/ESPECIALIDADE: TÉCNICO EM LABORATÓRIO / HEMOTERAPIA

ÁREA/ESPECIALIDADE: TÉCNICO EM LABORATÓRIO / HEMOTERAPIA UFF UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CCM CENTRO DE CIÊNCIAS MÉDICAS HUAP HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTONIO PEDRO PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO ÁREA/ESPECIALIDADE: TÉCNICO EM LABORATÓRIO / HEMOTERAPIA 258

Leia mais

Questionário - Proficiência Clínica

Questionário - Proficiência Clínica Tema Elaboradora SISTEMA ABO E DISCREPÂNCIAS NA CLASSIFICAÇÃO DIRETA E REVERSA Margarida de Oliveira Pinho, Bióloga, Responsável pelo Setor de Imunohematologia e Coordenação da equipe técnica do Serviço

Leia mais

Aos bioquímicos, técnicos de laboratório e estagiários do setor de imunologia.

Aos bioquímicos, técnicos de laboratório e estagiários do setor de imunologia. POP-I 67 Página 1 de 5 1. Sinonímia Teste rápido Anti-½ - OraQuick ADVANCE 2. Aplicabilidade Aos bioquímicos, técnicos de laboratório e estagiários do setor de imunologia. 3. Aplicação clínica O ensaio

Leia mais

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS POP n.º: I 29 Página 1 de 5 1. Sinonímia Pesquisa de anticorpos frios. 2. Aplicabilidade Bioquímicos e auxiliares de laboratório do setor de Imunologia. 3. Aplicação clínica As Crioaglutininas são anticorpos

Leia mais

PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS PADRÃO SETOR DE IMUNOHEMATOLOGIA

PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS PADRÃO SETOR DE IMUNOHEMATOLOGIA PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS PADRÃO NO SETOR DE IMUNOHEMATOLOGIA Versão: 05 Código: ImunoHem 07 paginação: 1 de 21 Elaborado: Hildenete Monteiro Fortes Assinatura: Data da Elaboração: 08.06.2004 Aprovado

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Imuno-Hematologia

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Imuno-Hematologia MINISTÉRIO DA SAÚDE Imuno-Hematologia L A B O R AT O R I A L Brasília DF 2014 MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Atenção Hospitalar e de Urgência Imuno Hematologia l a b

Leia mais

1. INTRODUÇÃO / FINALIDADE DO MÉTODO

1. INTRODUÇÃO / FINALIDADE DO MÉTODO 1/6 1. INTRODUÇÃO / FINALIDADE DO MÉTODO A sífilis é uma doença venérea causada pelo Treponema pallidum, que possui a capacidade de invadir as mucosas inatas ou a pele em áreas de abrasão. O contato sexual

Leia mais

A finalidade do referido método é determinar a classificação sanguínea do paciente quanto aos sistemas ABO e Rh.

A finalidade do referido método é determinar a classificação sanguínea do paciente quanto aos sistemas ABO e Rh. 1/7 1. INTRODUÇÃO / FINALIDADE DO MÉTODO A finalidade do referido método é determinar a classificação sanguínea do paciente quanto aos sistemas ABO e Rh. 2. NOME DO TESTE E SINONÍMIAS Grupo Sanguíneo,

Leia mais

Curso Básico de Inspeção em Boas Práticas do Ciclo do Sangue Agência Transfusional

Curso Básico de Inspeção em Boas Práticas do Ciclo do Sangue Agência Transfusional Curso Básico de Inspeção em Boas Práticas do Ciclo do Sangue Gerência de Sangue, outros Tecidos, Células e Órgãos/GSTCO/GGPBS/Anvisa Christiane da Silva Costa Especialista em Regulação e Vigilância Sanitária

Leia mais

TESTES RÁPIDOS: CONSIDERAÇÕES GERAIS PARA SEU USO COM ÊNFASE NA INDICAÇÃO DE TERAPIA ANTI-RETROVIRAL EM SITUAÇÕES DE EMERGÊNCIA

TESTES RÁPIDOS: CONSIDERAÇÕES GERAIS PARA SEU USO COM ÊNFASE NA INDICAÇÃO DE TERAPIA ANTI-RETROVIRAL EM SITUAÇÕES DE EMERGÊNCIA TESTES RÁPIDOS: CONSIDERAÇÕES GERAIS PARA SEU USO COM ÊNFASE NA INDICAÇÃO DE TERAPIA ANTI-RETROVIRAL EM SITUAÇÕES DE EMERGÊNCIA Unidade de Assistência, Unidade de Laboratório e Rede de Direitos Humanos

Leia mais

Aos bioquímicos, técnicos de laboratório e estagiários do setor de imunologia e hematologia.

Aos bioquímicos, técnicos de laboratório e estagiários do setor de imunologia e hematologia. POP n.º: I70 Página 1 de 5 1. Sinonímia Teste rápido Anti-, VIKIA Biomeriéux. 2. Aplicabilidade Aos bioquímicos, técnicos de laboratório e estagiários do setor de imunologia e hematologia. 3. Aplicação

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO NAS PROVAS PRÉ - TRANSFUSIONAIS

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO NAS PROVAS PRÉ - TRANSFUSIONAIS PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO NAS PROVAS PRÉ - TRANSFUSIONAIS Versão atual: 06 Código: PPT 6 paginação: 1 de 39 Elaborado: Hildenete Monteiro Fortes Assinatura: Data da Elaboração: 02.02.2003 Aprovado

Leia mais

Anti HBc Ref. 414. Controle Negativo

Anti HBc Ref. 414. Controle Negativo Anti HBc Ref. 414 Sistema para a determinação qualitativa de anticorpos totais contra o antígeno core do vírus da hepatite B (anti-hbc) em soro ou plasma. ELISA - Competição PREPARO DA SOLUÇÃO DE LAVAGEM

Leia mais

Etapa complementar para o diagnóstico da infecção pelo HIV princípios metodológicos

Etapa complementar para o diagnóstico da infecção pelo HIV princípios metodológicos Aula 11 Etapa complementar para o diagnóstico da infecção pelo HIV princípios metodológicos As amostras com resultados reagentes, na etapa de triagem, devem ser submetidas à etapa complementar. Nessa etapa,

Leia mais

INSTALAÇÃO E CONTROLE DE TRANSFUSÃO DE HEMOCOMPONENTE Enf a Chefe de Enfermagem do Serviço de Hemoterapia: Gilce Erbe de

INSTALAÇÃO E CONTROLE DE TRANSFUSÃO DE HEMOCOMPONENTE Enf a Chefe de Enfermagem do Serviço de Hemoterapia: Gilce Erbe de Revisão: 00 PÁG: 1 CONCEITO Instalação e administração de concentrado de hemácias, plaquetas ou plasma fresco congelado. FINALIDADE Estabelecer a rotina para instalação e controle da transfusão de hemocomponentes

Leia mais

Instruções de Uso. ImmunoComb CANINE EHRLICHIA. N Cat. do Produto: 50CEH201/50CEH210 USO VETERINÁRIO - PRODUTO IMPORTADO

Instruções de Uso. ImmunoComb CANINE EHRLICHIA. N Cat. do Produto: 50CEH201/50CEH210 USO VETERINÁRIO - PRODUTO IMPORTADO Instruções de Uso ImmunoComb CANINE EHRLICHIA Kit para a detecção de anticorpos IgG de Ehrlichia canis N Cat. do Produto: 50CEH201/50CEH210 USO VETERINÁRIO - PRODUTO IMPORTADO Instruction Cat. No: 63CEH511

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO PREPARAO DE HEMOCOMPONENTES ESPECIAIS

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO PREPARAO DE HEMOCOMPONENTES ESPECIAIS PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO PREPARAO DE HEMOCOMPONENTES ESPECIAIS Versão atual: 05 Código: PHEsp-03 Paginação: 1 de 11 Elaborado: Hildenete Monteiro Fortes Assinatura: Data da Elaboração: 05/06/04

Leia mais

NOTA TÉCNICA 04/08 ASSUNTO: UTILIZAÇÃO DOS TESTES RÁPIDOS ANTI- HIV EM SITUAÇÕES DE EMERGÊNCIA.

NOTA TÉCNICA 04/08 ASSUNTO: UTILIZAÇÃO DOS TESTES RÁPIDOS ANTI- HIV EM SITUAÇÕES DE EMERGÊNCIA. ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DIRETORIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA GERÊNCIA DE VIGILÂNCIA DAS DST/HIV/AIDS NOTA TÉCNICA 04/08 ASSUNTO:

Leia mais

Elaborado por: Karina Salvador Revisado por: Hilda Helena Wolff Aprovado por: Andréa Cauduro

Elaborado por: Karina Salvador Revisado por: Hilda Helena Wolff Aprovado por: Andréa Cauduro ANTI- 1 Manual CAMBRIDGE BIOTECH -1 POP: BM 05 Página 1 de 7 1. Sinonímia ANTI, TESTE CONFIRMATÓRIO. 2. Aplicabilidade Aos bioquímicos e técnicos do setor de imunologia. 3. Aplicação clínica Os testes

Leia mais

MONITORAMENTO DA QUALIDADE: CONTROLE DE QUALIDADE INTERNO E EXTERNO

MONITORAMENTO DA QUALIDADE: CONTROLE DE QUALIDADE INTERNO E EXTERNO MONITORAMENTO DA QUALIDADE: CONTROLE DE QUALIDADE INTERNO E EXTERNO Dra. Patrícia Regina Araújo Laboratório de Sorologia Associação beneficente de Coleta de Sangue-COLSAN Controle da Qualidade Toda ação

Leia mais

DETERMINAÇÃO DOS GRUPOS SANGÜÍNEOS ABO

DETERMINAÇÃO DOS GRUPOS SANGÜÍNEOS ABO DETERMINAÇÃO DOS GRUPOS SANGÜÍNEOS ABO INTRODUÇÃO Foi no início do século XX que a transfusão de sangue, adquiriu bases mais científicas. Em 1900 foram descritos os grupos sanguíneos A, B e O por Landsteiner

Leia mais

Sistema de Hemovigilância no Hospital São Vicente de Paulo 1

Sistema de Hemovigilância no Hospital São Vicente de Paulo 1 Sistema de Hemovigilância no Hospital São Vicente de Paulo 1 Protocolo Transfusional do Hospital São Vicente de Paulo (HSVP) Módulo: Sistema de Hemovigilância no Hospital São Vicente de Paulo. 1 Edição,

Leia mais

(www.joseferreira.com.br. Adaptado)

(www.joseferreira.com.br. Adaptado) Questão 01 - (FGV) A imagem da lâmina a seguir mostra um resultado obtido em teste de tipagem sanguínea humana para os sistemas ABO e Rh. O método consiste, basicamente, em pingar três gotas de sangue

Leia mais

Investigação sorológica de autoanticorpos frios e quentes. Shirley Castilho Instituto Estadual de Hematologia Arthur Siqueira Cavalcanti HEMORIO

Investigação sorológica de autoanticorpos frios e quentes. Shirley Castilho Instituto Estadual de Hematologia Arthur Siqueira Cavalcanti HEMORIO Investigação sorológica de autoanticorpos frios e quentes Shirley Castilho Instituto Estadual de Hematologia Arthur Siqueira Cavalcanti HEMORIO Definição: Autoanticorpos eritrocitarios São imunoglobulinas

Leia mais

Dengue NS1 Antígeno: Uma Nova Abordagem Diagnóstica

Dengue NS1 Antígeno: Uma Nova Abordagem Diagnóstica Dengue NS1 Antígeno: Uma Nova Abordagem Diagnóstica Dengue é uma doença endêmica que afeta mais de 100 países, incluindo as regiões de clima tropical e subtropical da África, Américas, Leste do Mediterrâneo,

Leia mais

IMPORTÂNCIA DO TESTE DE ANTIGLOBULINA DIRECTO NA PRÁTICA TRANSFUSIONAL DE ROTINA

IMPORTÂNCIA DO TESTE DE ANTIGLOBULINA DIRECTO NA PRÁTICA TRANSFUSIONAL DE ROTINA IMPORTÂNCIA DO TESTE DE ANTIGLOBULINA DIRECTO NA PRÁTICA TRANSFUSIONAL DE ROTINA Carmen Lopes José António Duran RESUMO CONTEXTO: O estudo imuno-hematológico efectuado ao receptor, que antecede a terapia

Leia mais

IMUNO HEMATOLOGIA RECOMENDAÇÕES. www.ipsangue.org IMUNO - HEMATOLOGIA RECOMENDAÇÕES

IMUNO HEMATOLOGIA RECOMENDAÇÕES. www.ipsangue.org IMUNO - HEMATOLOGIA RECOMENDAÇÕES IMUNO - HEMATOLOGIA RECOMENDAÇÕES IMUNO HEMATOLOGIA RECOMENDAÇÕES www.ipsangue.org IMUNO-HEMATOLOGIA Recomendações 2.ª Edição 2008 1 ESTAS RECOMENDAÇÕES, QUE ACTUALIZAM AS PUBLICADAS EM 1997, FORAM ELABORADAS

Leia mais

CONHECIMENTOS BÁSICOS

CONHECIMENTOS BÁSICOS De acordo com o comando a que cada um dos itens de 1 a 100 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

Imunocromatografia e Dot-ELISA. Andréa Calado

Imunocromatografia e Dot-ELISA. Andréa Calado Imunocromatografia e Dot-ELISA Andréa Calado IMUNOCROMATOGRAFIA A imunocromatografia é uma técnica que começou a ser desenvolvida nos anos 60, sendo primeiro criada para o estudo das proteínas séricas;

Leia mais

DHPN e Anemia autoimune. Profa. Alessandra Barone Prof. Archangelo Fernandes www.profbio.com.br

DHPN e Anemia autoimune. Profa. Alessandra Barone Prof. Archangelo Fernandes www.profbio.com.br DHPN e Anemia autoimune Profa. Alessandra Barone Prof. Archangelo Fernandes www.profbio.com.br DHRN Anemia hemolítica ocasionada pela incompatibilidade sanguínea materno-fetal pela presença de anticorpos

Leia mais

AGÊNCIA TRANSFUSIONAL - HOSPITAL UNIVERSITÁRIO JÚLIO MULLER

AGÊNCIA TRANSFUSIONAL - HOSPITAL UNIVERSITÁRIO JÚLIO MULLER PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO: TRANSFUSÃO EM NEONATOS E CRIANÇAS ATÉ 4 MESES DE IDADE Versão: 05 Código: APTRN/4M 05 paginação: 1 de 12 Elaborado: Hildenete Monteiro Fortes Assinatura: Data da Elaboração:

Leia mais

Temporalidade dos Documentos (Para Aprovação)

Temporalidade dos Documentos (Para Aprovação) Temporalidade dos s (Para Aprovação) Pág. 001 / 028 80 HU (HOSPITAL UNIVERSITÁRIO) C.Custo: 30600 DIVISÃO DE HEMOCENTRO (HEMO) 1 ORDENAMENTO LEGAL Subfunção: 2 LEGISLAÇÃO Normas e Instruções (78) Leis

Leia mais

ScanGel ScanBrom 86445 12 ml

ScanGel ScanBrom 86445 12 ml ScanGel ScanBrom 86445 12 ml BROMELINA PARA TESTE DE COMPATIBILIDADE IVD Todos os produtos fabricados e comercializados pela empresa Bio-Rad são submetidos a um sistema de garantia de qualidade, desde

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DA PRESENÇA DO ANTÍGENO D FRACO NO LABORATÓRIO CLÍNICO E BANCO DE SANGUE

IDENTIFICAÇÃO DA PRESENÇA DO ANTÍGENO D FRACO NO LABORATÓRIO CLÍNICO E BANCO DE SANGUE IDENTIFICAÇÃO DA PRESENÇA DO ANTÍGENO D FRACO NO LABORATÓRIO CLÍNICO E BANCO DE SANGUE Crispina Conceição Santos* RESUMO: No sistema Rh(D) já foram descritos 52 antígenos, mas cinco deles (D, C, c, E,

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS De acordo com o comando a que cada um dos itens de 51 a 120 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO C.R. LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS SETOR DE BIOQUÍMICA

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO C.R. LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS SETOR DE BIOQUÍMICA POP n.º: B111 Página 1 de 8 1. Sinonímina: Eletroforese de Hemoglobina em ph ácido. 2. Aplicabilidade: Bioquímicos do setor de Bioquímica do LAC-HNSC. 3. Aplicação Clínica: A eletroforese de hemoglobina

Leia mais

Hospital São Paulo SPDM Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina Hospital Universitário da UNIFESP

Hospital São Paulo SPDM Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina Hospital Universitário da UNIFESP Página: 1/6 SUMÁRIO 1.OBJETIVO: Fazer a reposição de sangue e/ou componentes sanguíneos conforme a necessidade terapêutica dos pacientes. 2.APLICAÇÃO: Aos pacientes internados e ambulatoriais com prescrição

Leia mais

ENSAIO PROFICIÊNCIA: UMA FERRAMENTA PARA CONTROLE DA QUALIDADE ALINE MAGALHÃES DE MATOS

ENSAIO PROFICIÊNCIA: UMA FERRAMENTA PARA CONTROLE DA QUALIDADE ALINE MAGALHÃES DE MATOS ENSAIO PROFICIÊNCIA: UMA FERRAMENTA PARA CONTROLE DA QUALIDADE ALINE MAGALHÃES DE MATOS AEQ-FUNED 1. INTRODUÇÃO Ensaio de proficiência avalia o desempenho de um laboratório, comparando-o com os de mesma

Leia mais

Imuno-hematologia Exames de qualificação de doadores de sangue

Imuno-hematologia Exames de qualificação de doadores de sangue MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO ESPECIALIZADA COORDENAÇÃO GERAL DE SANGUE E HEMODERIVADOS Exames de qualificação de doadores de sangue Ana Paula R. Diniz Zanelli

Leia mais

Histologia e Genética

Histologia e Genética Histologia e Genética Sangue Tecido Conjuntivo Sanguíneo Sistema ABO Sistema RH Sistema MN Sangue Tecido Conjuntivo Sanguíneo O sangue é o sistema de transporte interno de todos os vertebrados e de vários

Leia mais

SOP.BIO.001 PROCESSAMENTO DE SANGUE TOTAL PROCESSAMENTO DE SANGUE TOTAL

SOP.BIO.001 PROCESSAMENTO DE SANGUE TOTAL PROCESSAMENTO DE SANGUE TOTAL PROCESSAMENTO DE SANGUE PROCESSAMENTO DE SANGUE Responsável(is): -Joana Batuca ELABORADO: -Joana Batuca APROVADO: Sérgio Dias 16-05-2014 Pag. 1/5 PROCESSAMENTO DE SANGUE ÍNDICE 1. OBJETIVO...3 2. INFORMAÇÃO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM EMILYN MARTINS MATIAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM EMILYN MARTINS MATIAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM EMILYN MARTINS MATIAS RELATÓRIO ESTÁGIO CURRICULAR III SERVIÇOS HOSPITALARES UNIDADE DE BANCO DE SANGUE DO HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE

Leia mais

Aula 14 Sistema ABO. Grupo sangüíneo (fenótipo) Aglutinogênio (hemácias) Aglutinina (soro) Anti - B. Anti - A. A e B.

Aula 14 Sistema ABO. Grupo sangüíneo (fenótipo) Aglutinogênio (hemácias) Aglutinina (soro) Anti - B. Anti - A. A e B. Aula 14 Sistema ABO A transfusão de sangue incompatível pode provocar queda de pressão, escurecimento da visão, desmaio e até a morte. Esses efeitos são devidos a uma reação de aglutinação, ou seja reunião

Leia mais

Papel do CQ na Validação da Técnica de Produção de Hemocomponentes

Papel do CQ na Validação da Técnica de Produção de Hemocomponentes III Oficina HEMOBRÁS Controle de Qualidade no Serviço de Hemoterapia Papel do CQ na Validação da Técnica de Produção de Hemocomponentes Martha Cristina Dicencia Centro de Hematologia e Hemoterapia da UNICAMP

Leia mais

Hemovida. Agência Transfusional Visão Geral. Versão do produto: 2.0.7. Edição do documento: 1.0 Fevereiro de 2007 MS DATASUS

Hemovida. Agência Transfusional Visão Geral. Versão do produto: 2.0.7. Edição do documento: 1.0 Fevereiro de 2007 MS DATASUS Hemovida Agência Transfusional Visão Geral Versão do produto: 2.0.7 Edição do documento: 1.0 Fevereiro de 2007 MS DATASUS Hemovida Agência Transfusional Visão Geral Versão do produto: 2.0.7 Edição do documento:

Leia mais

ANEXO II. 1 HEPATITE B VÍRUS DA HEPATITE B (Hepatitis B Vírus HBV)

ANEXO II. 1 HEPATITE B VÍRUS DA HEPATITE B (Hepatitis B Vírus HBV) ANEXO II ANEXO DA RESOLUÇÃO SESA Nº.../2009 MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA ALTERAÇÃO DA CAUSA DE REJEIÇÃO DO CÓDIGO 57 (INCONCLUSIVO), PELOS SERVIÇOS DE HEMOTERAPIA NO SHTWEB. 1. Segundo a RDC nº 153 de 14

Leia mais

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS 1. Sinonímia VIDAS DUO 2. Aplicabilidade Aos bioquímicos do setor de imunologia. 3. Aplicação clínica POP n.º: I 56 Página 1 de 7 O vírus da imunodeficiência humana () é um retrovírus RNA, transmitido

Leia mais

TÍTULO: AUTORES: e-mail: ÁREA TEMÁTICA: 1- INTRODUÇÃO

TÍTULO: AUTORES: e-mail: ÁREA TEMÁTICA: 1- INTRODUÇÃO TÍTULO: ANÁLISE DOS ACIDENTES DE TRABALHO COM FLUIDOS BIOLÓGICOS OCORRIDOS COM ESTUDANTES DE NÍVEL MÉDIO E SUPERIOR NOS HOSPITAL DOS SERVIDORES DO ESTADO (HSE), DE 1999 A 2001. AUTORES: Nogueira, Daniele

Leia mais

Cuidados e indicações atuais

Cuidados e indicações atuais Hemotransfusão em Pediatria Cuidados e indicações atuais Priscila Cezarino Rodrigues Pediatra Hematologista e Hemoterapeuta Fundação Hemominas Grupo de Hematologia Pediátrica do HC UFMG Belo Horizonte

Leia mais

Alelos múltiplos na determinação de um caráter

Alelos múltiplos na determinação de um caráter Alelos múltiplos na determinação de um caráter Determinados gene pode sofrer ao longo do tempo diversas mutações e originar vários alelos esse fenômeno é chamado de polialelia. São bastante frequentes

Leia mais

Hemoterapia 100 Questões Potenciais

Hemoterapia 100 Questões Potenciais Especial Hemoterapia Parte 1 Preparação Enfermagem HEMOCENTRO SES-DF Hemoterapia 100 Questões Potenciais 1 PORTARIA Nº 2.712, DE 12 DE NOVEMBRO DE 2013 Art. 42. No momento da seleção, será determinada

Leia mais

TOXOPLASMOSE CONGÊNITA

TOXOPLASMOSE CONGÊNITA FLUXO DE ENCAMINHAMENTO SOLICITAR: exames de rotina (TOXOPLASMOSE, VDRL, HIV e FEZES) PREENCHER: Questionário epidemiológico (orientar sobre as medidas de prevenção da toxoplasmose), assinar o Termo de

Leia mais

ANTÍGENO OU AGLUTINOGÊNIO (nas hemácias)

ANTÍGENO OU AGLUTINOGÊNIO (nas hemácias) HERANÇA DOS GRUPOS SANGÜÍNEOS NA ESPÉCIE HUMANA SISTEMA ABO É um caso de polialelia porque existem três alelos envolvidos (I A, I B, i); O alelo I A determina a produção do antígeno ou aglutinogênio A

Leia mais

Protocolo. Cuidados Transfusionais em TCTH

Protocolo. Cuidados Transfusionais em TCTH Protocolo Cuidados Transfusionais em TCTH Versão eletrônica atualizada em Abril 2012 Nas últimas décadas observou-se um contínuo aumento do número de transplantes de células tronco hematopoéticas (TCTH)

Leia mais

Versão final 28 de abril de 2014

Versão final 28 de abril de 2014 1 Plano Operativo de Saúde do Estado do Rio de Janeiro para a Copa do Mundo FIFA Brasil 2014 Versão final 28 de abril de 2014 2 Hemorrede pública do Estado do Rio de Janeiro Ações Pré Evento: Manter estoque

Leia mais

Controle de Qualidade interno de reagentes. -Visão da indústria- Heloisa Maletta DiaMed Latino América S.A

Controle de Qualidade interno de reagentes. -Visão da indústria- Heloisa Maletta DiaMed Latino América S.A Controle de Qualidade interno de reagentes -Visão da indústria- Heloisa Maletta DiaMed Latino América S.A Controle de Qualidade de reagentes O Controle de Qualidade exerce atividades específicas inerentes

Leia mais

01 - (UNIMEP RJ) 02 - (GAMA FILHO RJ) 03 - (UFPA) 04 - (UFRJ) 05 - (FUVEST SP)

01 - (UNIMEP RJ) 02 - (GAMA FILHO RJ) 03 - (UFPA) 04 - (UFRJ) 05 - (FUVEST SP) 01 - (UNIMEP RJ) Assinale a alternativa que apresenta um casal que pode ter descendentes com todos os tipos sangüíneos do sistema ABO. a) IA i x IA IB b) i i x i I c) IA IB x IA IB d) IA IA x IB i e) nenhuma

Leia mais

SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE

SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE RESOLUÇÃO SMA N. 33, DE 16.11.2005 Dispõe sobre procedimentos para o gerenciamento e licenciamento ambiental de sistemas de tratamento e disposição final de resíduos de serviços

Leia mais

BANCO DE SANGUE PAULISTA PROCEDIMENTO OPERACIONAL RECEBIMENTO DE SOLICITAÇÕES PARA A TRANSFUSÃO DE HEMOCOMPONENTES

BANCO DE SANGUE PAULISTA PROCEDIMENTO OPERACIONAL RECEBIMENTO DE SOLICITAÇÕES PARA A TRANSFUSÃO DE HEMOCOMPONENTES Pagina 1 de 17 1. OBJETIVO Atender com eficácia as solicitações realizadas pelo corpo clínico dos hospitais. 2. APLICAÇÃO Receptores (pacientes). 3. RESPONSABILIDADES Médicos Supervisora Técnica Coordenador

Leia mais

Diagnóstico Microbiológico

Diagnóstico Microbiológico Diagnóstico Microbiológico Identificação e Tipagem Bacteriana Prof. Vânia Lúcia Diagnóstico clínico Sinais (mensuráveis) e sintomas (subjetivos) Origem Etiologia Natureza Diagnóstico laboratorial Identificação

Leia mais

Entende-se como boa amostra àquela obtida em quantidade suficiente, em recipiente adequado, bem identificado e corretamente transportado.

Entende-se como boa amostra àquela obtida em quantidade suficiente, em recipiente adequado, bem identificado e corretamente transportado. INTRODUÇÃO Este manual tem por finalidade se adequar às exigências do Programa de Qualidade e às Normas de Biossegurança nos Serviços de Saúde. Desta forma procuramos sistematizar as orientações para coleta,

Leia mais

4RUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO C.R. LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS SETOR DE BIOQUÍMICA LACTATO SANGUE TOTAL/LCR

4RUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO C.R. LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS SETOR DE BIOQUÍMICA LACTATO SANGUE TOTAL/LCR POP n.º: B31 Página 1 de 6 1. Sinonímia: ÁCIDO LÁCTICO, ÁCIDO LÁTICO. Mnemônico: LTQ (Lactato no LCR). O Lactato no sangue faz parte do menu da gasometria arterial ou venosa (não tem um mnemônico exclusivo).

Leia mais

Esboço do Plano de Classificação (Geral)

Esboço do Plano de Classificação (Geral) Pág. 001 / 019 1. ORDENAMENTO LEGAL 1.2. Legislação 1.2.41. Disciplinar - Discente 1.2.41.258. Portarias de aplicação de penalidade disciplinar 1.2.78. Normas e Instruções 1.2.78.832. Instrução de serviço

Leia mais

CONDUTAS EM CASOS SUPEITOS DE SÍNDROME RESPIRATÓRIA AGUDA GRAVE SRAG Espécimes clínicos procedentes de casos suspeitos

CONDUTAS EM CASOS SUPEITOS DE SÍNDROME RESPIRATÓRIA AGUDA GRAVE SRAG Espécimes clínicos procedentes de casos suspeitos Centro Nacional de Epidemiologia Elenice Deffune www.hemocentro.fmb.unesp.br CONDUTAS EM CASOS SUPEITOS DE SÍNDROME RESPIRATÓRIA AGUDA GRAVE SRAG Espécimes clínicos procedentes de casos suspeitos O agente

Leia mais