GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL FÊMINA LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS SETOR DE BIOQUÍMICA TIPAGEM ABO/Rh EM GEL CENTRIFUGAÇÃO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL FÊMINA LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS SETOR DE BIOQUÍMICA TIPAGEM ABO/Rh EM GEL CENTRIFUGAÇÃO"

Transcrição

1 1. Sinonímia: POP n.º: B21 Página 1 de 12 GRUPO SANGÜÍNEO e FATOR RH, RH e GRUPO. Mnemônico: AB 2. Aplicabilidade: Bioquímicos do setor de bioquímica do LAC-HF. 3. Aplicação clínica: Determinação do grupo sangüíneo e do fator RH antes de transfusões, perfil pré-natal para aconselhamento, preparo pré-operatório e na suspeita de incompatibilidade materno fetal. 4. Principio do teste: Tipagem ABO/Rh em cartão por gel-centrifugação, com prova reversa (pesquisa de anticorpos de grupo sanguíneo no plasma/soro, utilizando hemácias comerciais A1 e B). 5. Amostra: 5.1 Preparo do paciente: Não é necessário jejum. Vide POP-L4 Coleta. 5.2 Tipo de amostra: Sangue venoso total centrifugado ou sedimentado. Anticoagulantes aceitáveis: heparina, EDTA, citrato, oxalato ou fluoreto. 5.3 Colheita: Quantidade mínima de sangue: 1 ml. Quantidade ideal: 5 ml. 5.4 Preservação e transporte: Transportar o material colhido à temperatura ambiente e dentro das normas de segurança legais. 5.5 Identificação da amostra: Etiqueta com código de barras gerado pelo sistema de gerenciamento de dados do LAC (Sistema Pleres). A etiqueta deve ser posicionada nos fracos de colheita a partir da tampa para o fundo em linha reta de forma que o código de barras fique visível e alinhado, sem enrugamentos. 5.6 Estabilidade e armazenamento: A estabilidade da amostra colhida é de 7 dias a temperatura ambiente (15 a 25 C) e de 4 semanas se refrigerada (2 a 8 C). Não congelar. 5.7 Amostras Inadequadas: Amostras mal identificadas. Amostras com volume insuficiente.

2 6. Reagentes e materiais: POP n.º: B21 Página 2 de 12 Cartão Diaclon ABO/Rh + prova reversa, Diluente 2 (LISS), hemácias ID-Diacell ABO A1,B, estação de trabalho e pipeta apropriada. Se Rh negativo: Cartão Coombs Anti-IgG rabbit e ID-Diaclon Anti-D para confirmação de D fraco. 6.1 Preparo: pronto para uso 6.2 Estabilidade: estável até o fim do prazo de validade, quando fechado. 6.3 Armazenamento: Cartões: temperatura ambiente. Sempre centrifugar os cartões antes de usá-los. Diluente 2 (LISS), hemácias ID-Diacell A1,B e ID-Diaclon Anti-D: 2 a 8 ºC. 7. Equipamentos: Centrífuga para cartão, incubadora (confirmação do Rh negativo), leitora Banjo e microcomputador com o programa Maestro. 8. Calibração: N/A 9. Procedimento: 9.1 Fluxo: Centrifugar as amostras e levar para a mesa das tipagens, onde serão processadas. Os reativos guardados na geladeira deverão atingir a temperatura ambiente para o seu uso. 9.2 Técnica para AMOSTRA DE ADULTOS: Cartão DiaClon ABO/Rh+Prova Reversa Diluente Diluente 2 (LISS) Amostra Hemácias (sedimento) e Plasma 1. Preparar a estação de trabalho colocando os tubos das amostras bem centrifugadas ao lado de um tubo contendo 1000 µl de diluente 2 (LISS) em direção a um cartão de DiaClon ABO/Rh + Prova Reversa. 2. Identificar os cartões em relação aos respectivos tubos de amostras (Pleres e iniciais do paciente).

3 POP n.º: B21 Página 3 de Abrir os cartões. 3. Pingar uma gota das hemácias A 1 e B nos respectivos microtubos da prova reversa de cada cartão. 4. Pipetar 50 µl do plasma sobrenadante sobre essas hemácias. 5. Preparar a suspensão de hemácias: pipetar 12,5 µl de hemácias (sedimento) nos tubos contendo 1000 µl de diluente 2 (utilizando a mesma ponteira). 6. Pipetar 50 µl da suspensão de hemácias acima nos microtubos A,B,D e CTL do cartão. 7. Centrifugar e Ler. EM CASO DE RH NEGATIVO, PROCEDER A CONFIRMAÇÃO DE D FRACO PELO TESTE DE ANTI-D CONFIRMATÓRIO EM COOMBS. Confirmação do Antígeno D em AGH Cartão: ID-Cartão Coombs Anti-IgG rabbit. Reagente: ID-DiaClon Anti-D para confirmação de D fraco através do Teste Indireto da AGH. Diluente ID-Diluent 2 (LISS). Amostra Hemácias (sedimento). 1. Identificar os cartões em relação aos respectivos tubos de amostras (Pleres e iniciais do paciente). 2. Utilizar a mesma suspensão previamente preparada para a realização da tipagem (12,5 µl de hemácias (sedimento) em 1000 µl de ID-Diluent 2). 3. Abrir os cartões e pipetar 50 µl da suspensão de hemácias no microtubo apropriado. 4. Adicionar 50 µl do ID-DiaClon Anti-D para confirmação de D fraco através do Teste Indireto da AGH no microtubo.

4 POP n.º: B21 Página 4 de Incubar 15 min a 37 C 6. Centrifugar e Ler. EM CASO POSITIVO, PROCEDER A REALIZAÇÃO DO CONTROLE RH, PIPETANDO 50µl EM OUTRO MICROTUBO DO CARTÃO COOMBS, CENTRIFUGAR IMEDIATAMENTE E LER. O RESULTADO DEVE SER NEGATIVO. Fluxo do Rh NEGATIVO: Rh NEG pesquisa do D fraco NEG paciente Rh NEG POS realizar o controle do Rh Controle do Rh NEG confirma o D fraco POS paciente Rh POS (D fraco +) POS invalida o D fraco POS paciente Rh NEG 9.3 Técnica para AMOSTRAS DE RN (até 4 meses): Cartão Diaclon ABO/Rh para recém-nascidos Diluente Diluente 2 (LISS) Amostra Hemácias (sedimento) 1. Preparar a estação de trabalho colocando os tubos das amostras bem centrifugadas ao lado de um tubo contendo 1000 µl de ID-Diluent 2 (LISS) em direção a um cartão. 2. Identificar os cartões em relação aos respectivos tubos de amostras (Pleres e iniciais do RN). 3. Preparar a suspensão de hemácias em ID-Diluent 2: 1,0 ml de ID-Diluent ,5 µl de hemácias (sedimento).

5 POP n.º: B21 Página 5 de Pipetar 50µl da suspensão de hemácias em todos os microtubos do cartão. 5. Centrifugar e ler. 6. Em caso de Rh negativo e Coombs direto negativo fazer a pesquisa de D fraco. Realizar o mesmo fluxo utilizado para adultos, porém não é necessário o uso do teste controle negativo (o teste de Coombs direto realizado no cartão do RN já é um controle). Em caso de Rh negativo e Coombs direto positivo não realizar a pesquisa de D fraco. Liberar o resultado de Rh pelo cartão de RN (negativo). 10. Controle de qualidade: 10.1 Interno: O cartão ABO/Rh possui um CQI para ABO, que é a prova reversa, e o controle Rh no próprio cartão. Mensalmente recebemos da Agência Transfusional uma amostra com tipagem ABO/Rh para o nosso CQI. E o Banco de Sangue nos auxilia em caso de dúvidas ou de amostras-problema Externo: Controle PELM Controlab (freqüência semestral). 11. Resultados: 11.1 Unidades: N/A 11.2 Cálculos: N/A 11.3 Critérios de aceitação: Tipos sanguíneos: A, B, AB ou O. Fator Rh: Positivo ou Negativo. 12. Valores de referência: N/A 13. Valores críticos: N/A

6 14. Linearidade: N/A 15. Limitações do método: POP n.º: B21 Página 6 de Interferentes e observações: Dupla população: Resultado prejudicado por presença de dupla população eritrocitária. (Código: DP) Dupla população em prova reversa não tem significado. Dupla população no Rh: Provável tranfusão. Pesquisar se o paciente foi transfundido, ligando para o respectivo Posto de Enfermagem (ou olhando no prontuário médico). Tranfusão em RNs: até 4 meses os RNs que necessitam tranfusão recebem sempre sangue Rh negativo, podendo ser causa de dupla população em RN. Proceder conforme item anterior. Tipagem ABO/Rh em RN sempre colocar a observação: Recomenda-se repetir a tipagem ABO/Rh após 6 meses a 1 anos de idade. (Código RN) Rh NEG POS: Repetido com nova metodologia. (editar esta observação quando der um Rh POS e tiver um resultado anterior NEG). Quando o controle da pesquisa do D fraco der POSITIVO: Prejudicado por causa de autoanticorpo (invalida o D fraco POSITIVO): Paciente Rh Negativo. RN: NUNCA fazer prova reversa. Pacientes imunodeprimidos ou com mais de 65 anos podem apresentar Discrepâncias de prova reversa (Controllab). Avaliação macroscópica dos cartões antes de usá-los: observar presença de bolhas, ressecamento ou respingos. Se necessário, centrifugue-os antes de usar. Respeitar a concentração das hemácias (diluições e pipetagens corretas, com diluente apropriado). Armazenamento adequado.

7 16. Interpretação dos resultados: Interpretação: POP n.º: B21 Página 7 de 12 Prova direta Prova reversa Tipo sangüíneo Soro anti-a Soro anti-b Hemácia reversa A1 Hemácia reversa B A Aglutina Não Aglutina Não Aglutina Aglutina B Não Aglutina Aglutina Aglutina Não Aglutina AB Aglutina Aglutina Não Aglutina Não Aglutina O Não Aglutina Não Aglutina Aglutina Aglutina Aglutinar: significa ficar retido na parte superior do gel do microtubo. Rh Positivo Negativo Tubo D Aglutina Não Aglutina Controle CTL Não Aglutina Não Aglutina Interpretação das aglutinações: 17. Biossegurança: Usar equipamento de proteção individual (luvas, óculos etc.). Fazer a descontaminação de bancadas e equipamentos conforme as normas de segurança do laboratório. Descartar resíduos de acordo com as Boas Práticas de Laboratório e com as normas federais, estaduais e locais. Vide Manual de biossegurança.

8 18.Anexos: 18.1 Leitura e identificação de cartões: POP n.º: B21 Página 8 de 12 Com o programa Maestro aberto, clicar no ícone do BANJO; No programa do BANJO, clicar no ícone Interpretação Personalizada; Escolher o tipo de cartão/teste a ser lido; Inserir o cartão no BANJO com o código voltado para o interior do equipamento; Clicar em Ler/Read; Após a leitura, identificar o cartão através da leitura do código de barras da amostra (usar a leitora de códigos de barras). Para a confirmação do D fraco o programa abrirá seis posições de leitura. Observar em qual posição está o cursor para colocar o pleres correspondente (ou ler o código de barras). Dar OK; Analisar a leitura do BANJO com a leitura visual. Caso necessário, fazer as corretas alterações; Se tiver mais de uma amostra no cartão, clicar em seguinte ; Dar OK, Guardar, Yes, Print NO; Clicar em Voltar; Ler o próximo cartão/teste Como localizar um paciente (ou ver vários): Com o programa Maestro aberto, clicar no ícone Sample ; Clicar no ícone Filtro de amostras ; Digitar o nº do Pleres em ID da amostra (na parte superior do quadro). Tem que ser digitado: 12 + todo o nº da etiqueta (pleres + últimos dois dígitos); Clicar em Aplicar filtro (F3); Aparecerá a amostra procurada, ou Nenhum dado encontrado ; Clicar em Pormenores (F6) para visualizar os dados da amostra; Para retornar, clicar em ESC OBS: Se digitarmos direto F3, após Filtro de amostras, irão aparecer todos os pacientes lidos e processados.

9 Busca com filtro: Com o programa Maestro aberto, clicar no ícone Samples ; Clicar no ícone Filtro de amostras; POP n.º: B21 Página 9 de 12 Na área Série de Primeira Leitura digitar a data inicial (enter) e data final (enter); Aplicar Filtro (F3); Aparece a lista de todos os pacientes do período escolhido. Clicar no paciente. F6 para ver o resultado com os gráficos. Para retornar, ESC 18.3 Re-leitura de cartões: Clicar em Ficheiro, Interpretação, Segunda Leitura ou diretamente no Ícone Segunda Leitura; Inserir o cartão e clicar em Ler. Se tiver mais de uma amostra, clicar em Seguinte; Após dar OK; Guardar, Yes, Print NO. Para retornar, ESC. Observar final do pleres para cordão: RN (62). 19. Vantagens da Técnica em Gel-Centrifugação: Padronização técnica Objetividade e sensibilidade Biossegurança: descartável e coombs sem necessidade de lavagem Reações estáveis por dias Rapidez Muitos perfis e combinações possíveis Utilização de plasma ou soro para pesquisa de anticorpos

10 20. Bibliografia: Manuais DIAMED. POP n.º: B21 Página 10 de 12

11 POP n.º: B21 Página 11 de 12 Informações: Atividades Responsável Assinatura Data Elaborado por: Maria Regina Batista Revisado por: Letícia Filippon Aprovado por: Raquel Ferrari Liberado por: Maria Regina Batista Desativado por: Distribuição: Local Ass.responsável Data/distribuição Data/recolhimento Bioquímica Revisões: Revisado por: Assinatura Data Desativado: Data: / / Desativado por: Motivo:

12 POP n.º: B21 Página 12 de 12 Conhecimento: Colaboradores devem ler e dar ciência (por escrito). Declaramos que lemos, compreendemos e seguiremos fielmente este procedimento: Nome: Assinatura: Data:

GRUPO SANGUÍNEO e FATOR RH, RH e GRUPO. Mnemônico: GSF

GRUPO SANGUÍNEO e FATOR RH, RH e GRUPO. Mnemônico: GSF POP n.º: B93 Página 1 de 7 1. Sinonímia: GRUPO SANGUÍNEO e FATOR RH, RH e GRUPO. Mnemônico: GSF 2. Aplicabilidade: Bioquímicos do setor de bioquímica do LAC-HNSC. 3. Aplicação clínica: Determinação do

Leia mais

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO C.R. LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS SETOR DE BIOQUÍMICA

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO C.R. LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS SETOR DE BIOQUÍMICA POP n.º: B111 Página 1 de 8 1. Sinonímina: Eletroforese de Hemoglobina em ph ácido. 2. Aplicabilidade: Bioquímicos do setor de Bioquímica do LAC-HNSC. 3. Aplicação Clínica: A eletroforese de hemoglobina

Leia mais

4RUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO C.R. LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS SETOR DE BIOQUÍMICA LACTATO SANGUE TOTAL/LCR

4RUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO C.R. LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS SETOR DE BIOQUÍMICA LACTATO SANGUE TOTAL/LCR POP n.º: B31 Página 1 de 6 1. Sinonímia: ÁCIDO LÁCTICO, ÁCIDO LÁTICO. Mnemônico: LTQ (Lactato no LCR). O Lactato no sangue faz parte do menu da gasometria arterial ou venosa (não tem um mnemônico exclusivo).

Leia mais

Questionário - Proficiência Clínica

Questionário - Proficiência Clínica Tema Elaboradora TESTE DE ANTIGLOBULINA E SUA APLICAÇÃO EM LABORATÓRIOS Margarida de Oliveira Pinho, Bióloga, Responsável pelo Setor de Imunohematologia e Coordenação da equipe técnica do Serviço de Hemoterapia

Leia mais

GUIA PARA INSPEÇÃO EM SERVIÇOS DE HEMOTERAPIA MÓDULO V AGÊNCIA TRANSFUSIONAL, TERAPIA TRANSFUSIONAL E OUTROS PROCEDIMENTOS TERAPÊUTICOS

GUIA PARA INSPEÇÃO EM SERVIÇOS DE HEMOTERAPIA MÓDULO V AGÊNCIA TRANSFUSIONAL, TERAPIA TRANSFUSIONAL E OUTROS PROCEDIMENTOS TERAPÊUTICOS MÓDULO V AGÊNCIA TRANSFUSIONAL, TERAPIA TRANSFUSIONAL E OUTROS PROCEDIMENTOS TERAPÊUTICOS Nome do responsável: Formação profissional: Registro no conselho de classe: Contato: 1. Atividades avaliadas Nível

Leia mais

ANTI-A ANTI-B ANTI-AB

ANTI-A ANTI-B ANTI-AB ANTI-A ANTI-B ANTI-AB Monoclonal Murino IgM PROTHEMO Produtos Hemoterápicos Ltda. Reagentes para classificação do sistema sangüíneo ABO PARA TESTES EM LÂMINA OU TUBO Somente para Uso Diagnóstico IN VITRO

Leia mais

HEMOCENTRO DE RIBEIRÃO PRETO CONTROLE DE QUALIDADE INTERNO DE REAGENTES VISÃO DO CLIENTE

HEMOCENTRO DE RIBEIRÃO PRETO CONTROLE DE QUALIDADE INTERNO DE REAGENTES VISÃO DO CLIENTE HEMOCENTRO DE RIBEIRÃO PRETO CONTROLE DE QUALIDADE INTERNO DE REAGENTES VISÃO DO CLIENTE Rodrigo Spessotto Morais Toledo Qual a importância do controle da qualidade dos reagentes imunohematológicos? O

Leia mais

ANTI D IgM +IgG Monoclonal (Humano)

ANTI D IgM +IgG Monoclonal (Humano) ANTI D IgM +IgG Monoclonal (Humano) PROTHEMO Produtos Hemoterápicos Ltda. Reagente para classificação do fator Rh PARA TESTES EM LÂMINA OU TUBO Somente para Uso Diagnóstico IN VITRO Conservar entre: 2-8

Leia mais

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS POP n.º: I 29 Página 1 de 5 1. Sinonímia Pesquisa de anticorpos frios. 2. Aplicabilidade Bioquímicos e auxiliares de laboratório do setor de Imunologia. 3. Aplicação clínica As Crioaglutininas são anticorpos

Leia mais

Bioquímicos e auxiliares de laboratório do setor de hematologia do LAC-HNSC.

Bioquímicos e auxiliares de laboratório do setor de hematologia do LAC-HNSC. POP: P-09 Página 1 de 6 1. Sinonímia: Pesquisa de sangue oculto nas fezes. Mnemônico SOF. 2. Aplicabilidade: Bioquímicos e auxiliares de laboratório do setor de hematologia do LAC-HNSC. 3. Aplicação clínica:

Leia mais

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL FEMINA LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS SETOR DE HEMATOLOGIA AUTOMAÇÃO EM HEMATOLOGIA SYSMEX XT 4000i

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL FEMINA LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS SETOR DE HEMATOLOGIA AUTOMAÇÃO EM HEMATOLOGIA SYSMEX XT 4000i POPE n.º: H 01 Página 1 de 6 1. Identificação do equipamento: 1.1 Nome: Analisador Hematológico Automatizado Sysmex 1.2 Modelo: XT 4000i 1.3 Número de série: 12780 1.4 Número de patrimônio: Não se aplica

Leia mais

Determinação quantitativa in vitro da atividade catalítica da CKMB em soro e plasma humano.

Determinação quantitativa in vitro da atividade catalítica da CKMB em soro e plasma humano. POP n.º: B07 Página 1 de 5 1. Sinonímia: CKMB, MB. Mnemônico: MB 2. Aplicabilidade: Bioquímicos do setor de bioquímica do LAC-HNSC. 3. Aplicação clínica: Determinação quantitativa in vitro da atividade

Leia mais

ScanGel ABO Complete/RH/K Duo 86719 2 x 24 cards 86709 2 x 144 cards Cards ScanGel ABO Complete/RH1 Duo e ScanGel Monoclonal RH/K Phenotypes Duo

ScanGel ABO Complete/RH/K Duo 86719 2 x 24 cards 86709 2 x 144 cards Cards ScanGel ABO Complete/RH1 Duo e ScanGel Monoclonal RH/K Phenotypes Duo ScanGel ABO Complete/RH/K Duo 86719 2 x 24 cards 86709 2 x 144 cards Cards ScanGel ABO Complete/RH1 Duo e ScanGel Monoclonal RH/K Phenotypes Duo GEL FORMULADO COM REAGENTES MONOCLONAIS DE ORIGEM MURINA

Leia mais

Aos bioquímicos, técnicos de laboratório e estagiários do setor de imunologia e hematologia.

Aos bioquímicos, técnicos de laboratório e estagiários do setor de imunologia e hematologia. POP n.º: I70 Página 1 de 5 1. Sinonímia Teste rápido Anti-, VIKIA Biomeriéux. 2. Aplicabilidade Aos bioquímicos, técnicos de laboratório e estagiários do setor de imunologia e hematologia. 3. Aplicação

Leia mais

A finalidade do referido método é determinar a classificação sanguínea do paciente quanto aos sistemas ABO e Rh.

A finalidade do referido método é determinar a classificação sanguínea do paciente quanto aos sistemas ABO e Rh. 1/7 1. INTRODUÇÃO / FINALIDADE DO MÉTODO A finalidade do referido método é determinar a classificação sanguínea do paciente quanto aos sistemas ABO e Rh. 2. NOME DO TESTE E SINONÍMIAS Grupo Sanguíneo,

Leia mais

BANCO DE SANGUE PAULISTA PROCEDIMENTO OPERACIONAL PREPARO DE TRANSFUSÕES E LIBERAÇÃO DE HEMOCOMPONENTES PARA TRANSFUSÃO

BANCO DE SANGUE PAULISTA PROCEDIMENTO OPERACIONAL PREPARO DE TRANSFUSÕES E LIBERAÇÃO DE HEMOCOMPONENTES PARA TRANSFUSÃO Pagina 1 de 30 1. OBJETIVO Assegurar o procedimento de liberação e transfusão sangüínea. 2. APLICAÇÃO Receptores (Pacientes). 3. RESPONSABILIDADES Médicos Supervisora Técnica Coordenador de Imunohematologia

Leia mais

Aos bioquímicos, técnicos de laboratório e estagiários do setor de imunologia.

Aos bioquímicos, técnicos de laboratório e estagiários do setor de imunologia. POP-I 67 Página 1 de 5 1. Sinonímia Teste rápido Anti-½ - OraQuick ADVANCE 2. Aplicabilidade Aos bioquímicos, técnicos de laboratório e estagiários do setor de imunologia. 3. Aplicação clínica O ensaio

Leia mais

Testes pré-transfusionais. Profa. Alessandra Barone Prof. Archangelo Fernandes www.profbio.com.br

Testes pré-transfusionais. Profa. Alessandra Barone Prof. Archangelo Fernandes www.profbio.com.br Testes pré-transfusionais Profa. Alessandra Barone Prof. Archangelo Fernandes www.profbio.com.br Imunohematologia Antígenos eritrocitários Importância do estudo dos antígenos Incompatibilidades transfusionais

Leia mais

SOP.BIO.001 PROCESSAMENTO DE SANGUE TOTAL PROCESSAMENTO DE SANGUE TOTAL

SOP.BIO.001 PROCESSAMENTO DE SANGUE TOTAL PROCESSAMENTO DE SANGUE TOTAL PROCESSAMENTO DE SANGUE PROCESSAMENTO DE SANGUE Responsável(is): -Joana Batuca ELABORADO: -Joana Batuca APROVADO: Sérgio Dias 16-05-2014 Pag. 1/5 PROCESSAMENTO DE SANGUE ÍNDICE 1. OBJETIVO...3 2. INFORMAÇÃO

Leia mais

ANTI HUMANO. Anti IgG Anti C 3 d Poliespecífico

ANTI HUMANO. Anti IgG Anti C 3 d Poliespecífico ANTI HUMANO Anti IgG Anti C 3 d Poliespecífico PROTHEMO Produtos Hemoterápicos Ltda. PARA TESTES EM LÂMINA OU TUBO SOMENTE PARA USO DIAGNÓSTICO IN VITRO Conservar entre: 2º e 8ºC Não congelar Conservante:

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO SOLICITAÇÃO DE TRANSFUSÃO: ROTINA E EMERGÊNCIA

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO SOLICITAÇÃO DE TRANSFUSÃO: ROTINA E EMERGÊNCIA PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO SOLICITAÇÃO DE TRANSFUSÃO: ROTINA E EMERGÊNCIA Versão: 06 Código: STROEM 02 Paginação: 1 de 36 Elaborado: Hildenete Monteiro Fortes Assinatura: Aprovado e liberado por:

Leia mais

Conceito: digitação de laudos macro e microscópicos realizados no LAP. Aplicabilidade: Auxiliar administrativo e auxiliar técnico administrativo.

Conceito: digitação de laudos macro e microscópicos realizados no LAP. Aplicabilidade: Auxiliar administrativo e auxiliar técnico administrativo. Procedimento Operacional Padrão 1 Página 1 de 5 Versão: 2 Conceito: digitação de laudos macro e microscópicos realizados no LAP. Local: Sala da Digitação Aplicabilidade: Auxiliar administrativo e auxiliar

Leia mais

ANTI IgG (Soro de Coombs)

ANTI IgG (Soro de Coombs) ANTI IgG (Soro de Coombs) Soro Anti Gamaglobulinas Humanas PROTHEMO Produtos Hemoterápicos Ltda. PARA TESTES EM LÂMINA OU TUBO SOMENTE PARA USO DIAGNÓSTICO IN VITRO Conservar entre: 2º e 8ºC Não congelar

Leia mais

INUMO-HEMATOLOGIA DOADOR E RECEPTOR VITÓRIA 2014

INUMO-HEMATOLOGIA DOADOR E RECEPTOR VITÓRIA 2014 INUMO-HEMATOLOGIA DOADOR E RECEPTOR VITÓRIA 2014 Imuno-Hematologia Conceito: é o estudo relacionado com imunologia de grupos sanguíneos presentes nas hemácias, e imunologia de plaquetas e leucócitos. É

Leia mais

ALBUMINA BOVINA 22% PROTHEMO. Produtos Hemoterápicos Ltda. PARA TESTES EM LÂMINA OU TUBO SOMENTE PARA USO DIAGNÓSTICO IN VITRO

ALBUMINA BOVINA 22% PROTHEMO. Produtos Hemoterápicos Ltda. PARA TESTES EM LÂMINA OU TUBO SOMENTE PARA USO DIAGNÓSTICO IN VITRO ALBUMINA BOVINA 22% PROTHEMO Produtos Hemoterápicos Ltda. PARA TESTES EM LÂMINA OU TUBO SOMENTE PARA USO DIAGNÓSTICO IN VITRO Conservar entre: 2º e 8ºC Não congelar Conservante: Azida de Sódio 0,1 % Responsável

Leia mais

Controle de Qualidade interno de reagentes. -Visão da indústria- Heloisa Maletta DiaMed Latino América S.A

Controle de Qualidade interno de reagentes. -Visão da indústria- Heloisa Maletta DiaMed Latino América S.A Controle de Qualidade interno de reagentes -Visão da indústria- Heloisa Maletta DiaMed Latino América S.A Controle de Qualidade de reagentes O Controle de Qualidade exerce atividades específicas inerentes

Leia mais

Elaborado por: Karina Salvador Revisado por: Hilda Helena Wolff Aprovado por: Andréa Cauduro

Elaborado por: Karina Salvador Revisado por: Hilda Helena Wolff Aprovado por: Andréa Cauduro ANTI- 1 Manual CAMBRIDGE BIOTECH -1 POP: BM 05 Página 1 de 7 1. Sinonímia ANTI, TESTE CONFIRMATÓRIO. 2. Aplicabilidade Aos bioquímicos e técnicos do setor de imunologia. 3. Aplicação clínica Os testes

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR.

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. XV Jornada Interiorana de Hematologia e Hemoterapia II Encontro Interiorano de Enfermagem em Hemoterapia e Hemovigilância TESTES PRÉ

Leia mais

1. INTRODUÇÃO / FINALIDADE DO MÉTODO

1. INTRODUÇÃO / FINALIDADE DO MÉTODO 1/6 1. INTRODUÇÃO / FINALIDADE DO MÉTODO A sífilis é uma doença venérea causada pelo Treponema pallidum, que possui a capacidade de invadir as mucosas inatas ou a pele em áreas de abrasão. O contato sexual

Leia mais

Requisição incompleta, inadequada ou ilegível não será aceita pelo Serviço de Hemoterapia

Requisição incompleta, inadequada ou ilegível não será aceita pelo Serviço de Hemoterapia 1 1 - REQUISIÇÃO DE HEMOCOMPONENTES A enfermagem deve checar se a requisição de transfusão (MA5-036) foi preenchida corretamente, em duas ou mais vias, com os seguintes itens: - Nome completo do paciente

Leia mais

Curso Básico de Inspeção em Boas Práticas do Ciclo do Sangue Agência Transfusional

Curso Básico de Inspeção em Boas Práticas do Ciclo do Sangue Agência Transfusional Curso Básico de Inspeção em Boas Práticas do Ciclo do Sangue Gerência de Sangue, outros Tecidos, Células e Órgãos/GSTCO/GGPBS/Anvisa Christiane da Silva Costa Especialista em Regulação e Vigilância Sanitária

Leia mais

Experiência com o SwingTwin Sampler em Rotinas Imunohematológicas

Experiência com o SwingTwin Sampler em Rotinas Imunohematológicas Micr Typing System Experiência cm SwingTwin Sampler em Rtinas Imunhematlógicas Maria Giselda Aravechia HIAE- Sã Paul Participantes : Marcia R. Dezan Vanessa Oliveira Eduard Felix Jean Fukimt Dra Mariza

Leia mais

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS 1. Sinonímia VIDAS DUO 2. Aplicabilidade Aos bioquímicos do setor de imunologia. 3. Aplicação clínica POP n.º: I 56 Página 1 de 7 O vírus da imunodeficiência humana () é um retrovírus RNA, transmitido

Leia mais

Determinação quantitativa in vitro do hormônio luteinizante em soro ou plasma humano.

Determinação quantitativa in vitro do hormônio luteinizante em soro ou plasma humano. POP n.º: B44 Página 1 de 6 1. Sinonímia:, HORMÔNIO LUTEINIZANTE. Mnemônico: 2. Aplicabilidade: Bioquímicos do setor de bioquímica do LAC-HNSC. 3. Aplicação clínica: Determinação quantitativa in vitro do

Leia mais

INSTALAÇÃO E CONTROLE DE TRANSFUSÃO DE HEMOCOMPONENTE Enf a Chefe de Enfermagem do Serviço de Hemoterapia: Gilce Erbe de

INSTALAÇÃO E CONTROLE DE TRANSFUSÃO DE HEMOCOMPONENTE Enf a Chefe de Enfermagem do Serviço de Hemoterapia: Gilce Erbe de Revisão: 00 PÁG: 1 CONCEITO Instalação e administração de concentrado de hemácias, plaquetas ou plasma fresco congelado. FINALIDADE Estabelecer a rotina para instalação e controle da transfusão de hemocomponentes

Leia mais

Etapa complementar para o diagnóstico da infecção pelo HIV princípios metodológicos

Etapa complementar para o diagnóstico da infecção pelo HIV princípios metodológicos Aula 11 Etapa complementar para o diagnóstico da infecção pelo HIV princípios metodológicos As amostras com resultados reagentes, na etapa de triagem, devem ser submetidas à etapa complementar. Nessa etapa,

Leia mais

TIPAGEM SANGUÍNEA ABO E SISTEMA RH EM ALUNOS DA 3ª SÉRIE DO CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA INTEGRADO AO ENSINO MÉDIO

TIPAGEM SANGUÍNEA ABO E SISTEMA RH EM ALUNOS DA 3ª SÉRIE DO CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA INTEGRADO AO ENSINO MÉDIO TIPAGEM SANGUÍNEA ABO E SISTEMA RH EM ALUNOS DA 3ª SÉRIE DO CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA INTEGRADO AO ENSINO MÉDIO Edilene Maria Batista de Souza¹, Nikaele Sousa Moreira¹, Renata Rolins da Silva Oliveira²,

Leia mais

DATA DE APROVAÇÃO: 23/10/2015

DATA DE APROVAÇÃO: 23/10/2015 1/6 1. INTRODUÇÃO / FINALIDADE DO MÉTODO O Trichomonas vaginalis é um parasita flagelado e é o agente causador da tricomoníase. Existe em apenas em uma única forma (trofozoíto), que é simultaneamente infecciosa

Leia mais

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS POP n.º: I 22 Página 1 de 5 1. Sinonímia Beta 2 Microglobulina, b2m 2. Aplicabilidade Aos técnicos e bioquímicos do setor de imunologia 3. Aplicação clínica A beta-2-microglobulina é uma proteína presente

Leia mais

Bioquímicos e auxiliares de laboratório do setor de hematologia do LAC-HNSC, bem como equipe médica do Serviço de Hematologia do HNSC.

Bioquímicos e auxiliares de laboratório do setor de hematologia do LAC-HNSC, bem como equipe médica do Serviço de Hematologia do HNSC. POP: H-20 Página 1 de 6 1. Sinonímia: Reação de Perls. Mnemônico: PFE 2. Aplicabilidade: Bioquímicos e auxiliares de laboratório do setor de hematologia do LAC-HNSC, bem como equipe médica do Serviço de

Leia mais

GUIA DE COLETA DE AMOSTRAS

GUIA DE COLETA DE AMOSTRAS Diretrizes para coleta da amostra As análises laboratoriais e seus resultados dependem da coleta adequada da amostra, como também, do armazenamento e transporte apropriados até o laboratório. A equipe

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO NAS PROVAS PRÉ - TRANSFUSIONAIS

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO NAS PROVAS PRÉ - TRANSFUSIONAIS PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO NAS PROVAS PRÉ - TRANSFUSIONAIS Versão atual: 06 Código: PPT 6 paginação: 1 de 39 Elaborado: Hildenete Monteiro Fortes Assinatura: Data da Elaboração: 02.02.2003 Aprovado

Leia mais

(www.joseferreira.com.br. Adaptado)

(www.joseferreira.com.br. Adaptado) Questão 01 - (FGV) A imagem da lâmina a seguir mostra um resultado obtido em teste de tipagem sanguínea humana para os sistemas ABO e Rh. O método consiste, basicamente, em pingar três gotas de sangue

Leia mais

O VidimScan irá ler, examinar, arquivar, digitalizar e imprimir imagem a cores

O VidimScan irá ler, examinar, arquivar, digitalizar e imprimir imagem a cores Leitor universal de cartões de identificação de gel VidimScan, com aprovação IVD Características: O VidimScan é universal: processa todos os cartões de identificação de gel no mercado. O VidimScan fornece

Leia mais

PLANO DA QUALIDADE DA HEMATOLOGIA 1. OBJETIVO

PLANO DA QUALIDADE DA HEMATOLOGIA 1. OBJETIVO 22/10/25 1/14 1. OBJETIVO Definir todas as rotinas executadas no setor da hematologia, como também as ações pertinentes ao Controle de Qualidade Interno e aos testes de Proficiência (Programas de Controle

Leia mais

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO C.R. LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS SETOR DE BIOQUÍMICA

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO C.R. LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS SETOR DE BIOQUÍMICA POP n.º: B35 Página 1 de 6 1. Sinonímia: FOLATO Mnemônico: FOL 2. Aplicabilidade: Bioquímicos do setor de bioquímica do LAC-HNSC. 3. Aplicação clínica: Determinação quantitativa in vitro do Ácido Fólico

Leia mais

ScanGel ScanBrom 86445 12 ml

ScanGel ScanBrom 86445 12 ml ScanGel ScanBrom 86445 12 ml BROMELINA PARA TESTE DE COMPATIBILIDADE IVD Todos os produtos fabricados e comercializados pela empresa Bio-Rad são submetidos a um sistema de garantia de qualidade, desde

Leia mais

ÁREA/ESPECIALIDADE: TÉCNICO EM LABORATÓRIO / HEMOTERAPIA

ÁREA/ESPECIALIDADE: TÉCNICO EM LABORATÓRIO / HEMOTERAPIA UFF UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CCM CENTRO DE CIÊNCIAS MÉDICAS HUAP HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTONIO PEDRO PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO ÁREA/ESPECIALIDADE: TÉCNICO EM LABORATÓRIO / HEMOTERAPIA 258

Leia mais

Procedimento Operacional Padrão (POP) SERVIÇO DE HEMOTERAPIA

Procedimento Operacional Padrão (POP) SERVIÇO DE HEMOTERAPIA Procedimento Operacional Padrão (POP) SERVIÇO DE HEMOTERAPIA POP nº IMU 01 SHMT/HU Hospital Universitário Tipagem Sanguínea ABO/RhD Prof. Polydoro Ernani de São Thiago da Universidade Federal de Santa

Leia mais

Hospital São Paulo SPDM Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina Hospital Universitário da UNIFESP

Hospital São Paulo SPDM Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina Hospital Universitário da UNIFESP Página: 1/6 SUMÁRIO 1.OBJETIVO: Fazer a reposição de sangue e/ou componentes sanguíneos conforme a necessidade terapêutica dos pacientes. 2.APLICAÇÃO: Aos pacientes internados e ambulatoriais com prescrição

Leia mais

TÉCNICA EM LABORATÓRIO/HEMOTERAPIA

TÉCNICA EM LABORATÓRIO/HEMOTERAPIA UFF UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CCM CENTRO DE CIÊNCIAS MÉDICAS HUAP HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTONIO PEDRO TÉCNICA EM LABORATÓRIO/HEMOTERAPIA Parte I: Múltipla Escolha 01 Quanto à classificação do grupo

Leia mais

Imuno-hematologia Exames de qualificação de doadores de sangue

Imuno-hematologia Exames de qualificação de doadores de sangue MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO ESPECIALIZADA COORDENAÇÃO GERAL DE SANGUE E HEMODERIVADOS Exames de qualificação de doadores de sangue Ana Paula R. Diniz Zanelli

Leia mais

FENOTIPAGENS ABO e RhD

FENOTIPAGENS ABO e RhD FENOTIPAGENS ABO e RhD DISCREPÂNCIAS Maria do Carmo Valgueiro Costa de Oliveira FUNDAÇÃO HEMOPE Substância precursora GLc GAL GLcNAc GAL Gene H 2α-L-fucosil-transferase Fuc Antígeno H GLc GAL GLcNAc GAL

Leia mais

EXAMES TOXICOLÓGICOS PARA DETECÇÃO DE DROGAS DE ABUSO APLICAÇÃO DO TESTE CARD. Leia com atenção até o final!

EXAMES TOXICOLÓGICOS PARA DETECÇÃO DE DROGAS DE ABUSO APLICAÇÃO DO TESTE CARD. Leia com atenção até o final! EXAMES TOXICOLÓGICOS PARA DETECÇÃO DE DROGAS DE ABUSO APLICAÇÃO DO TESTE CARD Leia com atenção até o final! LEMBRAR SEMPRE O teste acima de 5 drogas, tem o painel dupla face. FRENTE VERSO CONTEÚDO DO KIT

Leia mais

Virologia em Laboratório Fase Pré- Analítica

Virologia em Laboratório Fase Pré- Analítica Virologia em Laboratório Fase Pré- Analítica Leonor Rebelo Lab Virologia i do IPOFGL EPE Novembro 2012 1º Curso de Virologia Molecular em Oncologia 1 ,, TÑÜxÇwxÜ t ØÇ vt vé át wx Öâx t ÅxÇàx ÇâÇvt áx vtçát?

Leia mais

Questionário - Proficiência Clínica

Questionário - Proficiência Clínica Tema Elaboradora Texto Introdutório TESTES IMUNO-HEMATOLÓGICOS E TRANSFUSÃO EM ANEMIA HEMOLÍTICA AUTO-IMUNE A FRIO Margarida de Oliveira Pinho. Bióloga, Responsável pelo Laboratório de Imunohematologia

Leia mais

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS POPE: H-08 Página 1 de 9 1. Identificação do equipamento: 1.1 Nome:. Modelo: DM96 1.2 Número de série 31855 1.3 Número de patrimônio: N/A. 1.4 Data de aquisição: N/A. 1.4.1 Entrada no setor: 25/06/13 1.4.2

Leia mais

Pesquisa de Fosfatase Alcalina em Leite Fluido por Colorimetria

Pesquisa de Fosfatase Alcalina em Leite Fluido por Colorimetria 1 Escopo MAPA/SDA/CGAL Página 1 de 5 Este método tem como objetivo descrever os procedimentos para o ensaio Pesquisa de Fosfatase Alcalina em Leite Fluido por Colorimetria. 2 Fundamentos O principal objetivo

Leia mais

Fluxo de elaboração e aprovação de POP s v.1 - Cód. 41366

Fluxo de elaboração e aprovação de POP s v.1 - Cód. 41366 Página 1 de 5 DETALHAMENTO DO FLUXO Fluxo de elaboração e aprovação de POP s v.1 - Cód. 41366 POP: Dispensação de Material Médico e Medicamento Requisitante: PASSO A PASSO DO FLUXO Cód. Tarefa Início Conclusão

Leia mais

Fezes recentemente colhidas por evacuação espontânea ou por evacuação provocada (uso de laxantes). b) Quantidade mínima de amostra necessária

Fezes recentemente colhidas por evacuação espontânea ou por evacuação provocada (uso de laxantes). b) Quantidade mínima de amostra necessária 1/5 1. INTRODUÇÃO / FINALIDADE DO MÉTODO O exame de fezes oferece subsídios valiosos quando criteriosamente solicitado e executado. O exame parasitológico de fezes abrange pesquisa de trofozoítos e formas

Leia mais

Anti HBc Ref. 414. Controle Negativo

Anti HBc Ref. 414. Controle Negativo Anti HBc Ref. 414 Sistema para a determinação qualitativa de anticorpos totais contra o antígeno core do vírus da hepatite B (anti-hbc) em soro ou plasma. ELISA - Competição PREPARO DA SOLUÇÃO DE LAVAGEM

Leia mais

Determinação de cloretos em produtos de origem animal por argentometria

Determinação de cloretos em produtos de origem animal por argentometria Página 1 de 9 1 Escopo Este método tem por objetivo determinar o teor de cloretos ou cloretos em NaCl de produtos de origem animal. 2 Fundamentos O ensaio fundamenta-se na reação do nitrato de prata com

Leia mais

Avaliação de Risco Potencial - Resultados do Projeto AT

Avaliação de Risco Potencial - Resultados do Projeto AT Avaliação de Risco Potencial - Resultados do Projeto AT Equipe GESAC/GGSTO/Anvisa Brasília, 09 de novembro de 2013 Vigilância Sanitária RISCO SANITÁRIO...eliminar, diminuir ou prevenir riscos à saúde e

Leia mais

Manual de Rotinas para Usuários. Advogados da União. Procuradoria da União no Estado do Ceará PU/CE SAPIENS. Sistema da AGU de Inteligência Jurídica

Manual de Rotinas para Usuários. Advogados da União. Procuradoria da União no Estado do Ceará PU/CE SAPIENS. Sistema da AGU de Inteligência Jurídica Manual de Rotinas para Usuários Advogados da União Procuradoria da União no Estado do Ceará PU/CE SAPIENS Sistema da AGU de Inteligência Jurídica Versão 1.0 2015 1 INTRODUÇÃO 3 1.1 O QUE É O SAPIENS? 3

Leia mais

AGÊNCIA TRANSFUSIONAL - HOSPITAL UNIVERSITÁRIO JÚLIO MULLER

AGÊNCIA TRANSFUSIONAL - HOSPITAL UNIVERSITÁRIO JÚLIO MULLER PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO: TRANSFUSÃO EM NEONATOS E CRIANÇAS ATÉ 4 MESES DE IDADE Versão: 05 Código: APTRN/4M 05 paginação: 1 de 12 Elaborado: Hildenete Monteiro Fortes Assinatura: Data da Elaboração:

Leia mais

* Verificar item 9 Preparo dos Reagentes e item 8 - Reagentes e Equipamentos necessários, mas não fornecidos.

* Verificar item 9 Preparo dos Reagentes e item 8 - Reagentes e Equipamentos necessários, mas não fornecidos. KIT DE EXTRAÇÃO MINI VAC AUTOMAÇÃO DE 96 AMOSTRAS Instruções de Uso 1. USO PRETENDIDO O BIOPUR Kit de Extração Mini VAC Automação 96 Amostras é a ferramenta ideal para extração automática rápida e confiável

Leia mais

Bioquímicos, Assistentes Técnicos, Supervisora Administrativa, Auxiliares administrativos e Supervisora da Colheita do LAC-HNSC.

Bioquímicos, Assistentes Técnicos, Supervisora Administrativa, Auxiliares administrativos e Supervisora da Colheita do LAC-HNSC. POP L46 Página 1 de 9 1. Objetivo Estabelecer procedimento para solicitação de nova colheita de amostras nos casos de não conformidades, na ausência de material biológico para realização dos exames e para

Leia mais

Conectar diferentes pesquisas na internet por um menu

Conectar diferentes pesquisas na internet por um menu Conectar diferentes pesquisas na internet por um menu Pré requisitos: Elaboração de questionário Formulário multimídia Publicação na internet Uso de senhas na Web Visualização condicionada ao perfil A

Leia mais

CONCEITO Consiste na coleta de sangue venoso através de uma veia periférica, utilizando agulha ou cateter tipo escalpe e seringa descartável.

CONCEITO Consiste na coleta de sangue venoso através de uma veia periférica, utilizando agulha ou cateter tipo escalpe e seringa descartável. Revisão: 00 PÁG: 1 CONCEITO Consiste na coleta de sangue venoso através de uma veia periférica, utilizando agulha ou cateter tipo escalpe e seringa descartável. FINALIDADE Determinar compatibilidade de

Leia mais

g) Realizar as leituras das amostras de fezes e lançar seus resultados nas respectivas folhas de trabalho;

g) Realizar as leituras das amostras de fezes e lançar seus resultados nas respectivas folhas de trabalho; 1/9 1. OBJETIVO Definir todas as rotinas executadas no setor da parasitologia, como também as ações pertinentes aos Controles de Qualidade Interno e Externo (Programas de Proficiência e Testes Interlaboratoriais)

Leia mais

Determinação de Lipídios em Leite Fluido pelo Método de Gerber

Determinação de Lipídios em Leite Fluido pelo Método de Gerber Página 1 de 7 1 Escopo Este método tem como objetivo descrever os procedimentos para o ensaio Determinação de Lipídios em Leite Fluido pelo Método de Gerber. É aplicável para leite fluido in natura ou

Leia mais

TR DPP HIV-1/2 Bio-Manguinhos / TR DPP Sífilis

TR DPP HIV-1/2 Bio-Manguinhos / TR DPP Sífilis Pedro Paulo Ferreira Ribeiro Diagnóstico HIV ELISA Teste Rápido Diagnóstico Sífilis ELISA VDRL Testes antigênicos não treponêmicos ou testes lipoídicos: - VDRL (Venereal Disease Research Laboratory) -

Leia mais

Imunocromatografia e Dot-ELISA. Andréa Calado

Imunocromatografia e Dot-ELISA. Andréa Calado Imunocromatografia e Dot-ELISA Andréa Calado IMUNOCROMATOGRAFIA A imunocromatografia é uma técnica que começou a ser desenvolvida nos anos 60, sendo primeiro criada para o estudo das proteínas séricas;

Leia mais

CONTROLE DE COPIA: PE-LB-IQ-005 OPERAÇÃO DO WORKCELL 22/10/2015

CONTROLE DE COPIA: PE-LB-IQ-005 OPERAÇÃO DO WORKCELL 22/10/2015 22/10/25 1/5 1. INTRODUÇÃO O ADVIA WORKCELL é um sistema de automação completo que integra instrumentos de diferentes setores. É composto de um dispositivo físico que transporta amostras entre a área de

Leia mais

Boletim Eletrônico de Recolhimento Manual do Sistema. Boletim Eletrônico de Recolhimento. Manual do Sistema

Boletim Eletrônico de Recolhimento Manual do Sistema. Boletim Eletrônico de Recolhimento. Manual do Sistema Boletim Eletrônico de Recolhimento Manual do Sistema Versão 1.2 Junho / 2013 Sumário 1. Introdução... - 3-2. O Sistema BOLETIM ELETRÔNICO DE RECOLHIMENTO... - 3-3. Pré-requisitos... - 3-4. Primeiro Acesso...

Leia mais

CONDUTAS EM CASOS SUPEITOS DE SÍNDROME RESPIRATÓRIA AGUDA GRAVE SRAG Espécimes clínicos procedentes de casos suspeitos

CONDUTAS EM CASOS SUPEITOS DE SÍNDROME RESPIRATÓRIA AGUDA GRAVE SRAG Espécimes clínicos procedentes de casos suspeitos Centro Nacional de Epidemiologia Elenice Deffune www.hemocentro.fmb.unesp.br CONDUTAS EM CASOS SUPEITOS DE SÍNDROME RESPIRATÓRIA AGUDA GRAVE SRAG Espécimes clínicos procedentes de casos suspeitos O agente

Leia mais

Projeto coordenado por Denise Costa Dias

Projeto coordenado por Denise Costa Dias A hemoterapia moderna baseia-se no uso seletivos dos componentes do sangue. A utilização correta dos diversos hemocomponentes, associados a um maior controle de qualidade nas diversas etapas desde a coleta

Leia mais

NORMAS PARA CREDENCIAMENTO E MONITORAMENTO DE LABORATORIOS DE DIAGNÓSTICO DE ANEMIA INFECCIOSA EQÜINA

NORMAS PARA CREDENCIAMENTO E MONITORAMENTO DE LABORATORIOS DE DIAGNÓSTICO DE ANEMIA INFECCIOSA EQÜINA MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA NACIONAL DE DEFESA AGROPECUÁRIA PORTARIA Nº 84, DE 19 DE OUTUBRO DE 1992. O SECRETÁRIO NACIONAL DE DEFESA AGROPECUÁRIA, no uso da atribuição

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS De acordo com o comando a que cada um dos itens de 51 a 120 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

Procedimento Operacional Padrão (POP) Assistência de Enfermagem Título. Teste do Pezinho

Procedimento Operacional Padrão (POP) Assistência de Enfermagem Título. Teste do Pezinho Procedimento Operacional Padrão (POP) POP NEPEN/DE/HU Assistência de Enfermagem Título Teste do Pezinho Versão: 01 Próxima revisão: 2016 Elaborado por: Simone Vidal Santos; Cláudia Rosa Ferreira Ramos

Leia mais

HEMATOLOGIA AUTOMAÇÃO

HEMATOLOGIA AUTOMAÇÃO CONTROLE INTERNO PARA HEMATOLOGIA AUTOMAÇÃO Lote Validade HHI 242 (Hemato III) 15 de Outubro de 2008 Volume 2,0 ml Temperatura 2 a 8 C (não congelar) ANVISA/REBLAS ANALI-036 CNPJ 29.511.607/0001-18 Rua

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO PARECER COREN-SP GAB Nº 010 / 2011

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO PARECER COREN-SP GAB Nº 010 / 2011 PARECER COREN-SP GAB Nº 010 / 2011 Assunto: Testes Pré-Transfusionais. 1. Do fato Solicitado parecer sobre a realização de testes pré-transfusionais por profissionais de Enfermagem. 2. Da fundamentação

Leia mais

Para utilizar na preparação e isolamento de linfócitos purificados directamente a partir de sangue total FOLHETO INFORMATIVO

Para utilizar na preparação e isolamento de linfócitos purificados directamente a partir de sangue total FOLHETO INFORMATIVO Para utilizar na preparação e isolamento de linfócitos purificados directamente a partir de sangue total FOLHETO INFORMATIVO Para Utilizar no Diagnóstico In Vitro PI-TT.610-PT-V5 Informação sobre o produto

Leia mais

PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS PADRÃO SETOR DE IMUNOHEMATOLOGIA

PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS PADRÃO SETOR DE IMUNOHEMATOLOGIA PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS PADRÃO NO SETOR DE IMUNOHEMATOLOGIA Versão: 05 Código: ImunoHem 07 paginação: 1 de 21 Elaborado: Hildenete Monteiro Fortes Assinatura: Data da Elaboração: 08.06.2004 Aprovado

Leia mais

Rotina da Agência Transfusional. Mara Martins Bióloga HCI / INCA

Rotina da Agência Transfusional. Mara Martins Bióloga HCI / INCA Rotina da Agência Transfusional Mara Martins Bióloga HCI / INCA O ato transfusional é um delicado processo na assistência a saúde. No INCA são realizadas cirurgias de grande porte e também grande número

Leia mais

Medicina Veterinária. Soluções completas para a colheita de sangue em medicina veterinária

Medicina Veterinária. Soluções completas para a colheita de sangue em medicina veterinária Medicina Veterinária Soluções completas para a colheita de sangue em medicina veterinária XXXX Colheita XXXXXXX de sangue Animais de pequeno porte Colheita XXXX XXXXXXX de sangue Animais de pequeno porte

Leia mais

Esse produto é um produto composto e tem subprodutos

Esse produto é um produto composto e tem subprodutos Indústria - Cadastro de produtos O módulo indústria permite controlar a produção dos produtos fabricados pela empresa. É possível criar um produto final e definir as matérias-primas que fazem parte de

Leia mais

BANCO DE SANGUE PAULISTA PROCEDIMENTO OPERACIONAL RECEBIMENTO DE SOLICITAÇÕES PARA A TRANSFUSÃO DE HEMOCOMPONENTES

BANCO DE SANGUE PAULISTA PROCEDIMENTO OPERACIONAL RECEBIMENTO DE SOLICITAÇÕES PARA A TRANSFUSÃO DE HEMOCOMPONENTES Pagina 1 de 17 1. OBJETIVO Atender com eficácia as solicitações realizadas pelo corpo clínico dos hospitais. 2. APLICAÇÃO Receptores (pacientes). 3. RESPONSABILIDADES Médicos Supervisora Técnica Coordenador

Leia mais

Fator Anti-hemofílico A, Teste para Hemofilia A, Atividade do Fator VIII, Fator VIII Funcional, Globulina Anti-hemofílica. Mnemônico: F08.

Fator Anti-hemofílico A, Teste para Hemofilia A, Atividade do Fator VIII, Fator VIII Funcional, Globulina Anti-hemofílica. Mnemônico: F08. POP: H-27 Página 1 de 10 1. Sinonímia: Fator Anti-hemofílico A, Teste para Hemofilia A, Atividade do Fator VIII, Fator VIII Funcional, Globulina Anti-hemofílica. Mnemônico: F08. 2. Aplicabilidade: Bioquímicos

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO CONSELHO SUPERIOR DA JUSTIÇA DO TRABALHO

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO CONSELHO SUPERIOR DA JUSTIÇA DO TRABALHO PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO CONSELHO SUPERIOR DA JUSTIÇA DO TRABALHO Sumário 1. Apresentação... 3 2. Introdução... 4 3. Ferramenta... 5 3.1. Características da ferramenta... 5 3.2. Perfil de acesso...

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO PREPARAO DE HEMOCOMPONENTES ESPECIAIS

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO PREPARAO DE HEMOCOMPONENTES ESPECIAIS PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO PREPARAO DE HEMOCOMPONENTES ESPECIAIS Versão atual: 05 Código: PHEsp-03 Paginação: 1 de 11 Elaborado: Hildenete Monteiro Fortes Assinatura: Data da Elaboração: 05/06/04

Leia mais

CERTIFICADO DE ANÁLISE Nº 1306100484-01

CERTIFICADO DE ANÁLISE Nº 1306100484-01 CERTIFICADO DE ANÁLISE Nº 1306100484-01 Objeto da Certificação Solução Tampão de ph 4,01 Fabricante: GEHAKA Nº de Lote: 1306100484-01 Data de Fabricação: 10/06/2013 Data de Validade: Dois anos fechado

Leia mais