BANCO DE SANGUE PAULISTA PROCEDIMENTO OPERACIONAL PREPARO DE TRANSFUSÕES E LIBERAÇÃO DE HEMOCOMPONENTES PARA TRANSFUSÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "BANCO DE SANGUE PAULISTA PROCEDIMENTO OPERACIONAL PREPARO DE TRANSFUSÕES E LIBERAÇÃO DE HEMOCOMPONENTES PARA TRANSFUSÃO"

Transcrição

1 Pagina 1 de OBJETIVO Assegurar o procedimento de liberação e transfusão sangüínea. 2. APLICAÇÃO Receptores (Pacientes). 3. RESPONSABILIDADES Médicos Supervisora Técnica Coordenador de Imunohematologia ( *1 ) Coordenador Geral ( *1 ) Coordenador de Agência Transfusional Técnicos de Hemoterapia Auxiliares de Hemoterapia 4. OBSERVAÇÕES GERAIS 4.1 CHECAGEM DAS AMOSTRAS Antes de se iniciar qualquer procedimento de preparação de hemocomponentes, deve-se checar os dados da amostra do receptor com a Requisição de Transfusão de Hemocomponentes e/ou Procedimentos Hemoterápicos, e se por algum motivo estes dados estiverem incompatíveis, recusar a amostra e dependendo do caso realizar nova coleta. Desta forma asseguramos que a amostra é do paciente em questão. Em algumas áreas do Hospital como Centro Cirúrgico, Unidades de Terapia Intensiva, onde as amostras não são coletadas pelos Colaboradores do Banco de Sangue, deve-se conferir

2 Pagina 2 de 30 com dupla checagem (funcionário do Hospital e Banco de Sangue) a identificação dos tubos com a Requisição de Transfusão assegurando assim uma transfusão segura. 4.2 REAGENTES DE USO DIÁRIO Antes de se iniciar qualquer procedimento de preparação de hemocomponentes, certifiquese que o controle de qualidade diário de reagentes foi realizado, conforme POIH Controle de Qualidade Diário dos Reagentes Imunohematológicos. 4.3 SELEÇÃO ABO/RH DOS HEMOCOMPONENTES - Concentrado de Hemácias: é obrigatório na seleção que o mesmo seja ABO e Rh compatíveis com o receptor, considerando o mesmo isogrupo, ou quando não for possível respeitar a compatibilidade heterogrupo, conforme esquema abaixo: ABO/ Rh do Paciente O positivo O negativo A positivo A negativo B positivo B negativo AB positivo AB negativo Compatibilidade Bolsas Hemácias O positivo e O negativo O negativo A positivo, A negativo, O positivo e O negativo A negativo e O negativo B positivo, B negativo, O positivo e O negativo B negativo e O negativo AB positivo, AB negativo, A positivo, A negativo, B positivo, B negativo, O positivo e O negativo AB negativo, A negativo, B negativo e O negativo

3 Pagina 3 de 30 - Plasma e Crioprecipitado: é obrigatório na seleção que o mesmo seja apenas grupo ABO compatíveis com o receptor ou quando não for possível, seguir conforme esquema abaixo: ABO/ Rh do Paciente O A B AB Compatibilidade Bolsas Plasma/Crio O, A, B, AB A e AB B e AB AB - Plaquetas: é recomendável a compatibilidade ABO/Rh INSPEÇÃO QUANTO AO ASPECTO VISUAL: ( *1 ) Em todas as unidades destinadas à transfusão, antes do seu preparo, deverão ser verificadas: - a presença da etiqueta de liberação do hemocomponente íntegra. - a presença de segmento da bolsa íntegro. - traços de hemólise ou presença de coágulos. - todas as informações referentes à: data de coleta, data de vencimento, nº da doação, iniciais do doador, volume da bolsa, resultado dos exames de sorologia, resultado da tipagem ABO e Rh. Qualquer problema no hemocomponente deverá ser comunicado ao médico de plantão e em casos de anormalidade deverá se abrir uma RNC (Registro de Não Conformidade), conforme SIPOC III Gestão da Qualidade. Nos casos no qual o hemocomponentes será desprezado, a critério médico, realizar o procedimento conforme POSO-003 Descarte de Hemocomponentes.

4 Pagina 4 de ARMAZENAGEM DA AMOSTRA DO SEGMENTO DA BOLSA DE CONCENTRADO DE HEMÁCIAS Para o concentrado de hemácias, após preparo da transfusão e certificação da compatibilidade ABO/Rh, deve ser retirada uma amostra do segmento da bolsa, que deverá ser guardada em refrigerador à temperatura de 2º a 6º C por 10 dias e desprezar no 11º dia. Os mesmos devem ser identificados com nome do receptor, número da bolsa, data e ABO/Rh da bolsa. As informações deverão ser registradas no MT (Mapa de Trabalho); ( *1 ) 4.6 ARMAZENAGEM DAS AMOSTRAS DOS RECEPTORES As amostras de pacientes deverão ser guardadas em refrigerador à temperatura de 2º á 6º C por 10 dias, desprezar no 11º dia e registradas no MT (Mapa de Trabalho), obedecendo a uma numeração iniciada no dia e em ordem crescente. No momento do armazenamento deve se transcrever manualmente esta numeração nos tubos das amostras e o grupo ABO/Rh. As amostras devem ser armazenadas de forma organizada no refrigerador, organizadas em grades identificadas com o dia da semana, de segunda a domingo,de maneira que fique de fácil e rápido encontro. Todo receptor que entrar pela primeira vez e/ou nova internação, deve ser aliquotada uma amostra de seu soro em tubo ependorfe para a Soroteca. A mesma deve ser identificada com uma numeração, obedecer à ordem crescente de entrada registrada no MT (Mapa de Trabalho). Essa numeração deve ser anual, inciando no primeiro dia do ano como soroteca de número 001/ano, sendo a mesma zerada a partir do último dia do ano, iniciando-se novamente no primeiro dia do próximo ano.

5 Pagina 5 de 30 As sorotecas devem ser guardadas em caixas próprias, identificadas com uma etiqueta conforme modelo a seguir: Soroteca Agência Transfusional Ano: Numeração inicial: Numeração Final: Data abertura: / / Data fechamento: / / As caixas com os tubos ependorf devem ser guardadas em freezer à temperatura igual ou maior que 20º C por um período de 01 ano, ao final do período, as mesmas deverão ser desprezadas na própria agência FRACIONAMENTO DE BOLSAS (ALÍQUOTAS) E POOLS As agências transfusionais que não tiverem fluxo laminar e/ou o conector estéril para tubos, deverão solicitar o fracionamento e/ou pools das bolsas na área de Distribuição na Central do Banco de Sangue, e somente em casos de urgências estes procedimentos poderão ser realizados na própria agências conforme critérios definidos nos procedimentos: POFR-007 Preparo de Hemocomponentes em Pool CP e POFR-008 Preparo de Hemocomponentes em Alíquota. Nos casos da realização do procedimento de fracionamento (alíquota), deverá ser preenchido o cartão de identificação da unidade que foi aliquotada, CA (Controle de Alíquota), com os dados de: número do hemocomponente, Grupo ABO/Rh, hemocomponentes, data, hora, quantidade fracionada, nome do paciente, hospital e responsável pelo procedimento, conforme modelo a seguir:

6 Pagina 6 de 30 Para todos os procedimentos de fracionamento (alíquotas ou pools), ou procedimentos de modificação de hemocomponentes (deleucotização, irradiação ou lavagem), deverão seguir conforme critérios definidos nos respectivos procedimentos: POFR-004 Preparo de Hemocomponentes Filtrados CH e CP ou POFR-005 Preparo de Hemocomponentes Irradiados CH e CP ou POFR-006 Preparo de Hemocomponentes Lavados - CH Subsequentemente a nova etiqueta com a modificação impressa pelo sistema informatizado deverá ser substituída na bolsa mãe. 4.8 LIBERAÇÕES ESPECIAIS DE HEMOCOMPONENTES URGÊNCIA IMEDIATA Seguir conforme os critérios definidos no POAG-001 Recebimentos de Solicitações para a Transfusão de Hemocomponentes. Liberação da Bolsa, após realizar tipagem ABO/Rh do receptor e a prova cruzada em fase de salina (temperatura ambiente), que discorrerá em tempo aproximado de 20 minutos;

7 Pagina 7 de EMERGÊNCIA Seguir conforme os critérios definidos no POAG-001 Recebimentos de Solicitações para a Transfusão de Hemocomponentes. Liberação de Bolsa O negativo, sem tempo hábil para a realização de pesquisas imunohematológicas; TESTES IMUNOHEMATOLÓGICAS ALTERADOS No caso de testes imunohematológicos alterados, deve se entrar em contato com o médico hemoterapeuta, onde ele irá avaliar e decidir a transfusão e /ou solicitar a repetição dos testes, e ainda quando houver a necessidade, encaminhar as amostras e a SEI (Solicitação de Estudo Imunohematológico) à área de Imunohematologia da central do Banco de Sangue Paulista conforme o POIH-021 Encaminhamento de Amostras à Área de Imunohematologia e não esquecer de abrir a solicitação da requisição no sistema informatizado para que a imunohematologia consiga dar procedimento ao estudo imunohematológico no sistema informatizado. Após realização dos testes adicionais as bolsas compatíveis são enviadas de volta para a Agência solicitante com o Laudo Imunohematológico (LI) e o Laudo Provisório Planilha de Cobrança (LP-PC). 4.9 LIBERAÇÃO DE BOLSAS PARA AUTO-TRANSFUSÃO As agências transfusionais receberão as bolsas destinadas à auto-transfusão acondicionadas agora em maletas individualizadas lacradas e identificadas com uma etiqueta, com informações referentes ao doador/paciente conforme modelo a seguir:

8 Pagina 8 de 30 Bolsas de auto-transfusão com sorologia positiva, podem ser transfundidas desde que a agência verifique a aprovação da liberação da transfusão junto à área da Secretaria, através da certificação do preenchimento do FCAR (Formulário de Comunicado de Amostra Reagente) com a ciência e consentimento assinado do médico assistente do paciente e do médico hemoterapeuta conforme POME-005 Atendimento a Doador Inapto. Todas as provas pré-transfusionais devem ser feitas, igualmente a uma transfusão heteróloga. No momento da entrega da auto-transfusão, a agência deverá preencher em duas vias o FEAT (Formulário para Entrega de Auto-transfusão), solicitando para o responsável do recebimento do Centro Cirúrgico, o preenchimento dos dados de recebimento que constam no verso do documento, nas duas vias. Uma deverá ser entregue junto com a bolsa e deverá ficar no prontuário do paciente e a outra deverá ser arquivada junto com a FR (Ficha de Receptor), na própria agência transfusional. Caso a/as bolsa/as de auto-transfusão, não sejam utilizadas no CC e devolvidas, seguir o protocolo de reintegração de bolsas ao estoque conforme POAG-003 Instalação e Acompanhamento da Transfusão e Reações Adversas, armazenando a maleta dentro da geladeira, pelo tempo que o paciente ficar internado.

9 Pagina 9 de 30 Se a auto-transfusão não for solicitada para ser utilizada pós-cirurgia, deverá ser feito o descarte conforme POSO-003 Descarte de hemocomponentes ENTREGA DE Nos casos nos quais os hemocomponentes são entregues, como atendimento à distância ou Centro Cirúrgico ou Unidades de Terapia Intensiva, onde não instalamos, estes deverão ser entregues em maletas térmicas apropriadas conforme o PV (Protocolo de Validação) e com uma etiqueta de identificação com os dados do paciente: local de entrega, hospital, nome completo do paciente, acomodação (sala ou leito), tipagem ABO/Rh do paciente, quantidade de bolsas entregues, tipo de hemocomponente, dados de entrega (data, hora e médico solicitante) colada na parte exterior da caixa térmica conforme modelo a seguir: No ato da entrega a (as) bolsa (as) devem ser retiradas da maleta uma a uma, e ser realizada a conferência junto ao responsável pelo recebimento (dupla checagem), conferindo a etiqueta de identificação da bolsa x paciente afixada no hemocomponente emitida pelo sistema informatizado, contendo as informações referentes a liberação das mesmas para o paciente em questão: nome completo do paciente, registro hospitalar, acomodação, tipagem ABO/Rh do paciente, tipagem ABO/Rh do hemocomponente, número da bolsa e o resultado da prova de compatibilidade.

10 Pagina 10 de 30 No momento da entrega do hemocomponente, a agência deverá preencher em duas vias o FEH (Formulário para Entrega de Hemocomponentes CC ou UTIs), solicitando para o responsável do recebimento, o preenchimento dos dados de recebimento que constam na frente do documento, nas duas vias. Uma deverá ser entregue junto com a bolsa e deverá ficar no prontuário do paciente e a outra deverá ser arquivada junto com a FR (Ficha de Receptor), na própria agência transfusional RESERVAS CIRÚRGICAS Todas as solicitações de reservas cirúrgicas devem ser avaliadas anteriormente ao seu preparo conforme POME-010 Avaliação de Requisição de Reserva Cirúrgica. Em cirurgias eletivas, as reservas deverão preferencialmente ser preparadas previamente (dependente da comunicação Hospital Agência Transfusional), evitando assim uma possível demora no preparo, nos casos de pacientes com Pesquisas de Anticorpos Irregulares Positivas e/ou até mesmo o suporte ao estoque para pacientes Rh negativo. O Médico hemoterapeuta e a área de Distribuição deverão ser comunicados nos casos de: - reservas para cirurgias de grande porte; - solicitações não condizente com o protocolo de reserva cirúrgica, conforme definido no POME-010 Avaliação de Requisição de Reserva Cirúrgica ; - reserva de Concentrado de Plaquetas; - reservas para pacientes Rh negativo. Adicionalmente deverão ser informados os últimos resultados de exames do paciente: Hemoglobina, Hematócrito e Contagem de Plaquetas. Para Concentrados de Hemácia e Sangue Total (no caso de auto-transfusão), após o preparo das reservas, as bolsas deverão ser reservadas no sistema informatizado, as etiquetas de liberação emitidas presas às bolsas sem afixá-las e armazenadas em geladeira à temperatura de 2º a 6ºC em local identificado, separadas das demais bolsas do estoque.

11 Pagina 11 de 30 Os Concentrados de Hemácias deverão manter-se em reserva por um período de até 12 horas ao término da cirurgia e o Sangue Total (no caso de auto-transfusão), pelo tempo de internação do paciente, respeitando a validade da bolsa. Os Concentrados de Plaquetas deverão manter-se em reserva conforme orientação do médico hemoterapeuta de plantão, e liberados no sistema informatizado no momento da solicitação do Centro Cirúrgico para a sua infusão. Os Plasmas e os Crioprecipitados serão descongelados e liberados respectivamente, no sistema informatizado no momento da solicitação do Centro Cirúrgico para a sua infusão. 5. PROCEDIMENTOS 5.1 PREPARO DE Receber a Requisição de Transfusão de Hemocomponentes e/ou Serviços Hemoterápicos, conforme POAG-001 Recebimento de Solicitações para a Transfusão de Hemocomponentes; Quando transfusão: ( *1 ) Registrar no Sistema Hemoplus, a solicitação de transfusão do hemocomponente; Acessar o Suíte HemoPlus conforme POTI- 001 Acesso ao Sistema Hemoplus; ( *1 ) Acessar Aba / Transfusão / Solicitação / Registrar; ( *1 ) Registrar a solicitação de transfusão conforme Anexo-1; Quando reservas cirúrgica: Registrar no Sistema Hemoplus, a reserva cirúrgica do hemocomponente;

12 Pagina 12 de 30 Acessar o Suíte HemoPlus conforme POTI- 001 Acesso ao Sistema Hemoplus; ( *1 ) Acessar a aba -Transfusão/Reserva/Registrar, seguir conforme Anexo-2; ( *1 ) Lavar as mãos conforme POBI-001 Lavagem das Mãos e utilizar-se dos equipamentos de proteção individual conforme MBI Manual da Biossegurança; Confirmar os dados do paciente, da requisição médica e da amostra conforme obs.4.1; Centrifugar amostras conforme POIH-003 Separação do Soro ou Plasma; Preparar suspensão de hemácias, conforme POIH-004 Preparo e Suspensão de Hemácias 5% - Técnica em Tubo; Realizar teste de hemólise, conforme POIH-11 Teste de Hemólise Determinar o grupo ABO/Rh, conforme POIH-005 e POIH-006 respectivamente Determinação do Grupo Sanguineo ABO Técnica em Tubo e Determinação do Grupo Sanguineo Rh(D) com uso do Controle Rh Técnica em Tubo; Realizar o Coombs direto conforme o POIH Teste de Antiglobulina Direto ou Teste de Coombs Direto Técnica em Tubo; Realizar as Pesquisas de Anticorpos Irregulares e o Auto-Controle, conforme o POIH-009 Pesquisa de Anticorpos Irregulares com Auto-Controle em Bio-Peg Técnica em Tubo; Se a solicitação for de Concentrados de Hemácias e/ou Sangue Total: Selecionar a bolsa de sangue armazenada na geladeira de 2º a 6ºC, conforme obs.:4.3; Realizar a inspeção visual conforme obs.:4.4; Retirar um segmento da bolsa;

13 Pagina 13 de 30 Preparar suspensão de hemácias do segmento da bolsa, conforme POIH-004 Preparo e Suspensão de Hemácias 5% - Técnica em Tubo; Realizar Teste de hemólise com a amostragem do segmento da bolsa, conforme POIH-011 Teste de Hemólise; Realizar Teste de Compatibilidade (Prova Cruzada), conforme POIH-010 Prova Cruzada Maior em Bio Peg Técnica em Tubo; Se a solicitação for de Plasma Fresco Congelado e/ou Crioprecipitado: Selecionar o plasma e/ou crioprecipitado armazenados no freezer, a uma temperatura -20ºC, conforme obs.:4.3; Descongelar o hemocomponente, conforme o POAG-005 Descongelamento de Hemocomponentes; Se a solicitação for de Concentrados de Plaquetas Selecionar a/as bolsa/as de plaquetas armazenadas no plaquetário de 20º a 24ºC, conforme obs.:4.3 e/ou pool de plaquetas realizado na Central do Banco de Sangue e/ou realizar o Pool Conforme o POFR-007 Preparo de Hemocomponentes em Pool; Registrar todas as informações no Mapa de Trabalho (MP) e na Ficha de Receptor (FR); ( *1 ) Registrar no Sistema Hemoplus, os resultados de todos os testes imunohematólogicos realizados conforme PCP (Planilha de Controle de Processos) da Imunohematologia; LIBERAÇÃO DO HEMOCOMPONENTE Liberar o hemocomponente no Sistema Hemoplus; Acessar o Suíte Hemoplus conforme POTI-001 Acesso ao sistema Hemoplus;

14 Pagina 14 de 30 Acessar a aba -Transfusão/Liberação/Registrar, seguir conforme Anexo-3; Emitir três etiquetas de liberação do sistema informatizado; Conferir os dados impressos do paciente e da bolsa; Colar a primeira etiqueta impressa no CHT (Controle dos Hemocomponentes Transfundidos), e após, seguir com os registros do procedimento de transfusão durante a instalação e acompanhamento da transfusão; Colar a segunda etiqueta impressa com os dados do paciente, de forma de não cobrir a etiqueta de liberação da bolsa; Encaminhar a terceira etiqueta impressa anexada com a cobrança dos Cobrança - Serviços de Hemoterapia e Imunohematologia para a área do Faturamento da central do Banco de Sangue Paulista; Retirar e identificar uma amostra do segmento da bolsa (no caso de Concentrados de Hemácias e Sangue Total) conforme obs.:4.5; Registrar a retirada do segmento e na PCAS; Armazenar o segmento e amostra do paciente no refrigerador conforme obs.:4.5; Acondicionar o hemocomponente em caixa térmica, conforme o hemocomponente e o seu PV (Protocolo de Validação) para o momento da instalação ou entrega; Se instalação pelo nosso próprio colaborador: Instalar o hemocomponente e acompanhar a transfusão, conforme o POAG-003 Instalação e Acompanhamento da Transfusão e Reações Adversas;

15 Pagina 15 de 30 Se entrega para atendimento a distância: Preencher em duas vias o FEH (Formulário para Entrega de Hemocomponentes CC ou UTIs) ou Imprimir o Termo de Entrega fornecido pelo Sistema Hemoplus; Encaminhar a caixa térmica junto com a bolsa e o FEH; Conferir em dupla checagem todos os dados do paciente e bolsa; Solicitar a conferência, a assinatura e carimbo pelo responsável do recebimento; Se entrega para C. C. e UTIs: Preencher em duas vias o FEH (Formulário para Entrega de Hemocomponentes CC ou UTIs) ou Imprimir o Termo de Entrega fornecido pelo Sistema Hemoplus; Encaminhar a caixa térmica junto com a bolsa e o FEH; Conferir em dupla checagem todos os dados do paciente e bolsa; Solicitar a conferência, a assinatura e carimbo pelo responsável do recebimento;

16 Pagina 16 de REGISTROS Suíte Hemoplus - Transfusão/Solicitação/Registrar( *1 ) Transfusão/Reserva/Registrar Transfusão/Liberação/Registrar Requisição de Hemocomponentes e/ou Procedimentos Hemoterápicos. Mapa de Trabalho. Ficha de Receptor. Controle de Alíquota. Etiquetas de Liberação das Bolsas. Controle dos Hemocomponentes Transfundidos. Planilha de Controle de Amostras do Pacientes e dos Segmentos de Bolsas. Formulário para Entrega de Auto-transfusão. Formulário para Entrega de Hemocomponentes CC ou UTIs. Cobrança - Serviços de Hemoterapia e Imunohematologia. Elaboração Agência Transfusional / / Aprovação Gestão da Qualidade / / Aprovação Diretoria Técnica / /

17 Pagina 17 de 30 ANEXO 1( *1 ) FUNÇÃO: REGISTRO DE SOLICITAÇÕES TRANSFUSÕES E/OU PROCEDIMENTOS HEMOTERÁPICOS ESTADO INICIAL: Nesta barra de tarefas encontram-se as funções referentes a registro de solicitações. Para visualizar o registro, acesse Suíte Hemoplus conforme o POTI 001. Na barra de ferramentas clicar no ícone Transfusão / Solicitação / Registrar, como mostra a Figura 1. Figura 1. Logo após irá aparecer à tela Solicitação de Procedimentos/Consulta Receptor, como mostra a Figura 2.

18 Pagina 18 de 30 Figura 2. No Campo Identificação de Receptor, digitar o nome do paciente que se quer consultar, para que possa registrar o tipo de reação transfusional, em seguida clicar em Pesquisar, aparecerá o campo Receptores Cadastrados, como mostra a Figura 3.

19 Pagina 19 de 30 Figura 3 Aparecerá o nome do paciente em negrito, em seguida dar um duplo clique sobre o nome.

20 Pagina 20 de 30 Figura 4 DESCRIÇÃO DE FUNCIONALIDADE Após dar um duplo clique irá aparecer a seguinte tela Solicitação de Procedimentos Hemoterápicos, como mostrar a Figura 4, onde encontraremos as seguintes abas com os seguintes dados: - Solicitações Cadastradas, mostra dados do receptor identificado e todas as solicitações cadastradas, solicitações abertas e fechadas. - Dados da Solicitação, mostra os dados da última solicitação cadastrada. - Dados Complementares, mostra dados complementares da solicitação, onde poderemos registrar observações referentes a prescrição médica, medicações em uso e histórico de antecedentes transfusionais. - Hemocomponentes Solicitados, mostra relação de todos os hemocomponentes solicitados na solicitação selecionada nas solicitações cadastradas.

21 Pagina 21 de 30 - Exames/Serviços, mostra todos os procedimentos hemoterápicos realizados (Sangria Terapêutica, Aférese Terapêutica). Registrar a solicitação na aba Dados da Solicitação como mostra a Figura 4. Registrar a solicitação na aba Dados Complementares como mostra a Figura 5. Figura 5 Registrar os hemocomponentes solicitados na aba Hemocomponentes como mostra a Figura 6.

22 Pagina 22 de 30 Figura 6 Registrar solicitação dos exames e serviços na aba Exames/Serviços como mostra a figura7.

23 Pagina 23 de 30 Figura 7

24 Pagina 24 de 30 ANEXO 2 ( *1 ) FUNÇÃO: REGISTRO DE SOLICITAÇÕES DE RESERVAS CIRÚRGICAS ESTADO INICIAL: Nesta barra de tarefas encontram-se as funções referentes a registro de solicitações. Para visualizar o registro, acesse o Suíte Hemoplus conforme o POTI 001. Na barra de ferramentas clicar no ícone Transfusão / Reserva / Registrar, como mostra a Figura 1. Figura 1. Logo após irá aparecer à tela Reserva de Bolsas para Transfusão/Consulta Receptor, como mostra a Figura 2.

25 Pagina 25 de 30 Figura 2 DESCRIÇÃO DE FUNCIONALIDADE Nesta tela estaremos reservando a Bolsa para o paciente. No Campo Identificação do Receptor digitar o nome do paciente para poder achar seu cadastro. Dar um duplo clique sobre o nome do paciente. Logo após irá aparecer a seguinte tela Reserva de Bolsa para a Transfusão como mostra a Figura 3.

26 Pagina 26 de 30 Figura 3 Para fazer a reserva da bolsa basta selecionar o Campo Hemocomponente, e preencher os campos Doação, Iniciais, Prova Compatibilidade e clicar em Tab. Para finalizar clique em Gravar. Irá aparecer a seguinte mensagem: Liberação realizada com Sucesso. Em seguida o sistema emitirá três etiquetas de liberação.

27 Pagina 27 de 30 ANEXO 3 ( *1 ) FUNÇÃO: LIBERAÇÃO DE HEMOCOMPONENTES PARA A TRANSFUSÃO ESTADO INICIAL: Nesta barra de tarefas encontram-se as funções referentes a liberação dos hemocomponentes solicitados do receptor. Para visualizar o registro, acesse o Suíte Hemoplus conforme o POTI 001. Na barra de ferramentas, clicar no ícone Transfusão / Liberação / Registrar, como mostra a Figura 1. Figura 1 Logo após irá aparecer à tela Liberação de Bolsas para a Transfusão, como mostra a Figura 2.

28 Pagina 28 de 30 Figura 2 DESCRIÇÃO DE FUNCIONALIDADE Dar um duplo clique sobre a instituição onde será feita a liberação da bolsa para o paciente. Logo após irá aparecer a seguinte tela Liberação de Bolsa para a Transfusão/Bolsa a ser Liberada como mostra a Figura 3.

29 Pagina 29 de 30 Figura 3 Para fazer a liberação da bolsa basta selecionar o Campos Hemocomponente, e preencher os Campos Doação, Iniciais, Prova Compatibilidade e clicar em Tab. Para finalizar clique em Gravar. Irá aparecer a seguinte mensagem: Liberação realizada com Sucesso. Em seguida o sistema emitirá três etiquetas de liberação.

30 Pagina 30 de 30 FUNCIONALIDADE DOS BOTÕES A) [PESQUISAR]: Busca no banco de dados o cadastro de um ou mais doadores, ou de uma doação específica. B) [GRAVAR]: Salva os dados alterados no banco de dados. C) [CANCELAR]: Limpa toda a tela independente dos dados terem sido digitados e volta ao Estado Inicial, ou seja, como se a tela estivesse sendo acessada pela primeira vez. D) [FECHAR]: Sai da função, independente dos dados terem sido digitados, desabilitandoà.

BANCO DE SANGUE PAULISTA PROCEDIMENTO OPERACIONAL INSTALAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DA TRANSFUSÃO E REAÇÕES ADVERSAS

BANCO DE SANGUE PAULISTA PROCEDIMENTO OPERACIONAL INSTALAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DA TRANSFUSÃO E REAÇÕES ADVERSAS Pagina 1 de 20 1. OBJETIVO Assegurar todo o procedimento de transfusão sanguínea. 2. APLICAÇÃO Receptores (Pacientes). 3. RESPONSABILIDADES Médicos Supervisora Técnica Coordenador de Imunohematologia (

Leia mais

BANCO DE SANGUE PAULISTA PROCEDIMENTO OPERACIONAL RECEBIMENTO DE SOLICITAÇÕES PARA A TRANSFUSÃO DE HEMOCOMPONENTES

BANCO DE SANGUE PAULISTA PROCEDIMENTO OPERACIONAL RECEBIMENTO DE SOLICITAÇÕES PARA A TRANSFUSÃO DE HEMOCOMPONENTES Pagina 1 de 17 1. OBJETIVO Atender com eficácia as solicitações realizadas pelo corpo clínico dos hospitais. 2. APLICAÇÃO Receptores (pacientes). 3. RESPONSABILIDADES Médicos Supervisora Técnica Coordenador

Leia mais

Requisição incompleta, inadequada ou ilegível não será aceita pelo Serviço de Hemoterapia

Requisição incompleta, inadequada ou ilegível não será aceita pelo Serviço de Hemoterapia 1 1 - REQUISIÇÃO DE HEMOCOMPONENTES A enfermagem deve checar se a requisição de transfusão (MA5-036) foi preenchida corretamente, em duas ou mais vias, com os seguintes itens: - Nome completo do paciente

Leia mais

GUIA PARA INSPEÇÃO EM SERVIÇOS DE HEMOTERAPIA MÓDULO V AGÊNCIA TRANSFUSIONAL, TERAPIA TRANSFUSIONAL E OUTROS PROCEDIMENTOS TERAPÊUTICOS

GUIA PARA INSPEÇÃO EM SERVIÇOS DE HEMOTERAPIA MÓDULO V AGÊNCIA TRANSFUSIONAL, TERAPIA TRANSFUSIONAL E OUTROS PROCEDIMENTOS TERAPÊUTICOS MÓDULO V AGÊNCIA TRANSFUSIONAL, TERAPIA TRANSFUSIONAL E OUTROS PROCEDIMENTOS TERAPÊUTICOS Nome do responsável: Formação profissional: Registro no conselho de classe: Contato: 1. Atividades avaliadas Nível

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO SOLICITAÇÃO DE TRANSFUSÃO: ROTINA E EMERGÊNCIA

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO SOLICITAÇÃO DE TRANSFUSÃO: ROTINA E EMERGÊNCIA PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO SOLICITAÇÃO DE TRANSFUSÃO: ROTINA E EMERGÊNCIA Versão: 06 Código: STROEM 02 Paginação: 1 de 36 Elaborado: Hildenete Monteiro Fortes Assinatura: Aprovado e liberado por:

Leia mais

BANCO DE SANGUE PAULISTA PROCEDIMENTO OPERACIONAL. SANGRIA TERAPÊUTICA Pagina 1 de 32

BANCO DE SANGUE PAULISTA PROCEDIMENTO OPERACIONAL. SANGRIA TERAPÊUTICA Pagina 1 de 32 SANGRIA TERAPÊUTICA Pagina 1 de 32 1. OBJETIVO Assegurar todo o procedimento de sangria terapêutica 2. APLICAÇÃO Receptores (Pacientes com indicação médica para este procedimento). 3. RESPONSABILIDADES

Leia mais

Rotina da Agência Transfusional. Mara Martins Bióloga HCI / INCA

Rotina da Agência Transfusional. Mara Martins Bióloga HCI / INCA Rotina da Agência Transfusional Mara Martins Bióloga HCI / INCA O ato transfusional é um delicado processo na assistência a saúde. No INCA são realizadas cirurgias de grande porte e também grande número

Leia mais

Curso Básico de Inspeção em Boas Práticas do Ciclo do Sangue Agência Transfusional

Curso Básico de Inspeção em Boas Práticas do Ciclo do Sangue Agência Transfusional Curso Básico de Inspeção em Boas Práticas do Ciclo do Sangue Gerência de Sangue, outros Tecidos, Células e Órgãos/GSTCO/GGPBS/Anvisa Christiane da Silva Costa Especialista em Regulação e Vigilância Sanitária

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO PREPARAO DE HEMOCOMPONENTES ESPECIAIS

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO PREPARAO DE HEMOCOMPONENTES ESPECIAIS PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO PREPARAO DE HEMOCOMPONENTES ESPECIAIS Versão atual: 05 Código: PHEsp-03 Paginação: 1 de 11 Elaborado: Hildenete Monteiro Fortes Assinatura: Data da Elaboração: 05/06/04

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR.

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. XV Jornada Interiorana de Hematologia e Hemoterapia II Encontro Interiorano de Enfermagem em Hemoterapia e Hemovigilância TESTES PRÉ

Leia mais

INSTALAÇÃO E CONTROLE DE TRANSFUSÃO DE HEMOCOMPONENTE Enf a Chefe de Enfermagem do Serviço de Hemoterapia: Gilce Erbe de

INSTALAÇÃO E CONTROLE DE TRANSFUSÃO DE HEMOCOMPONENTE Enf a Chefe de Enfermagem do Serviço de Hemoterapia: Gilce Erbe de Revisão: 00 PÁG: 1 CONCEITO Instalação e administração de concentrado de hemácias, plaquetas ou plasma fresco congelado. FINALIDADE Estabelecer a rotina para instalação e controle da transfusão de hemocomponentes

Leia mais

Hemovida. Agência Transfusional Visão Geral. Versão do produto: 2.0.7. Edição do documento: 1.0 Fevereiro de 2007 MS DATASUS

Hemovida. Agência Transfusional Visão Geral. Versão do produto: 2.0.7. Edição do documento: 1.0 Fevereiro de 2007 MS DATASUS Hemovida Agência Transfusional Visão Geral Versão do produto: 2.0.7 Edição do documento: 1.0 Fevereiro de 2007 MS DATASUS Hemovida Agência Transfusional Visão Geral Versão do produto: 2.0.7 Edição do documento:

Leia mais

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL FÊMINA LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS SETOR DE BIOQUÍMICA TIPAGEM ABO/Rh EM GEL CENTRIFUGAÇÃO

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL FÊMINA LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS SETOR DE BIOQUÍMICA TIPAGEM ABO/Rh EM GEL CENTRIFUGAÇÃO 1. Sinonímia: POP n.º: B21 Página 1 de 12 GRUPO SANGÜÍNEO e FATOR RH, RH e GRUPO. Mnemônico: AB 2. Aplicabilidade: Bioquímicos do setor de bioquímica do LAC-HF. 3. Aplicação clínica: Determinação do grupo

Leia mais

Projeto coordenado por Denise Costa Dias

Projeto coordenado por Denise Costa Dias A hemoterapia moderna baseia-se no uso seletivos dos componentes do sangue. A utilização correta dos diversos hemocomponentes, associados a um maior controle de qualidade nas diversas etapas desde a coleta

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO Nº FCCIR: 001 Tarefa: Recebimento de mmh e medicamentos para abastecer a farmácia Executante: Farmacêutico e/ou Auxiliar de Farmácia Resultados esperados: Estoque de acordo com a transferência. Recursos

Leia mais

Avaliação de Risco Potencial - Resultados do Projeto AT

Avaliação de Risco Potencial - Resultados do Projeto AT Avaliação de Risco Potencial - Resultados do Projeto AT Equipe GESAC/GGSTO/Anvisa Brasília, 09 de novembro de 2013 Vigilância Sanitária RISCO SANITÁRIO...eliminar, diminuir ou prevenir riscos à saúde e

Leia mais

Questionário - Proficiência Clínica

Questionário - Proficiência Clínica Tema Elaboradora TESTE DE ANTIGLOBULINA E SUA APLICAÇÃO EM LABORATÓRIOS Margarida de Oliveira Pinho, Bióloga, Responsável pelo Setor de Imunohematologia e Coordenação da equipe técnica do Serviço de Hemoterapia

Leia mais

TÉCNICA EM LABORATÓRIO/HEMOTERAPIA

TÉCNICA EM LABORATÓRIO/HEMOTERAPIA UFF UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CCM CENTRO DE CIÊNCIAS MÉDICAS HUAP HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTONIO PEDRO TÉCNICA EM LABORATÓRIO/HEMOTERAPIA Parte I: Múltipla Escolha 01 Quanto à classificação do grupo

Leia mais

TABELA DE CÓDIGOS CONCENTRADO DE HEMÁCIAS

TABELA DE CÓDIGOS CONCENTRADO DE HEMÁCIAS UNIDADE HEMACIAS CONCENTRADO DE HEMÁCIAS TRIAGEM CLÍNICA DE DOADOR COLETA DE SANGUE DE DOADOR 40402045 27020010 PROCESSAMENTO ABO/RH(**) Doador ANTICORPOS IRREGULARES(**) Doador TAXA DE BOLSA PLASTICA

Leia mais

Hospital São Paulo SPDM Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina Hospital Universitário da UNIFESP

Hospital São Paulo SPDM Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina Hospital Universitário da UNIFESP Página: 1/6 SUMÁRIO 1.OBJETIVO: Fazer a reposição de sangue e/ou componentes sanguíneos conforme a necessidade terapêutica dos pacientes. 2.APLICAÇÃO: Aos pacientes internados e ambulatoriais com prescrição

Leia mais

Sistema de Hemovigilância no Hospital São Vicente de Paulo 1

Sistema de Hemovigilância no Hospital São Vicente de Paulo 1 Sistema de Hemovigilância no Hospital São Vicente de Paulo 1 Protocolo Transfusional do Hospital São Vicente de Paulo (HSVP) Módulo: Sistema de Hemovigilância no Hospital São Vicente de Paulo. 1 Edição,

Leia mais

GUIA PARA INSPEÇÃO EM SERVIÇOS DE HEMOTERAPIA MÓDULO IV PROCESSAMENTO, ARMAZENAMENTO E DISTRIBUIÇÃO

GUIA PARA INSPEÇÃO EM SERVIÇOS DE HEMOTERAPIA MÓDULO IV PROCESSAMENTO, ARMAZENAMENTO E DISTRIBUIÇÃO MÓDULO IV PROCESSAMENTO, ARMAZENAMENTO E DISTRIBUIÇÃO PROCESSAMENTO Nome do responsável: Formação profissional: Registro no conselho de classe: Contato: 1. Recursos Humanos Nível Sim Não NA 1.1. RH qualificado/capacitado

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM EMILYN MARTINS MATIAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM EMILYN MARTINS MATIAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM EMILYN MARTINS MATIAS RELATÓRIO ESTÁGIO CURRICULAR III SERVIÇOS HOSPITALARES UNIDADE DE BANCO DE SANGUE DO HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE

Leia mais

Curso Básico de inspeção em Serviços de Hemoterapia Vitória Espirito Santo 13 a 17 de outubro de 2014

Curso Básico de inspeção em Serviços de Hemoterapia Vitória Espirito Santo 13 a 17 de outubro de 2014 Curso Básico de inspeção em Serviços de Hemoterapia Vitória Espirito Santo 13 a 17 de outubro de 2014 Gerência de Processamento e Distribuição de Hemocomponentes Fundação Hemocentro de Brasília Processamento

Leia mais

Ordem de Serviços. Abaixo será informado o procedimento passo a passo para emissão da ordem de serviço no CIAF.

Ordem de Serviços. Abaixo será informado o procedimento passo a passo para emissão da ordem de serviço no CIAF. Ordem de Serviços. Abaixo será informado o procedimento passo a passo para emissão da ordem de serviço no CIAF. 1 -Abertura da Ordem de Serviços: 1.1 Entre em Serviços + Ordem de Serviço + Abertura de

Leia mais

TOTVS Gestão Hospitalar Manual Ilustrado Movimentações de Estoque. 11.8x. março de 2015. Versão: 5.0

TOTVS Gestão Hospitalar Manual Ilustrado Movimentações de Estoque. 11.8x. março de 2015. Versão: 5.0 TOTVS Gestão Hospitalar Manual Ilustrado Movimentações de Estoque 11.8x março de 2015 Versão: 5.0 1 Sumário 1 Introdução... 3 2 Objetivos... 3 3 Movimentações de Estoque... 3 4 Parâmetros... 5 5 Cadastros...

Leia mais

XV JORNADA INTERIORANA DE HEMATOLOGIA E HEMOTERAPIA II ENCONTRO INTERIORANO DE ENFERMAGEM EM HEMOTERAPIA E HEMOVIGILÂNCIA CICLO DO SANGUE DRA LUCIANA

XV JORNADA INTERIORANA DE HEMATOLOGIA E HEMOTERAPIA II ENCONTRO INTERIORANO DE ENFERMAGEM EM HEMOTERAPIA E HEMOVIGILÂNCIA CICLO DO SANGUE DRA LUCIANA XV JORNADA INTERIORANA DE HEMATOLOGIA E HEMOTERAPIA II ENCONTRO INTERIORANO DE ENFERMAGEM EM HEMOTERAPIA E HEMOVIGILÂNCIA CICLO DO SANGUE DRA LUCIANA PREMISSAS A transfusão sanguínea é uma terapêutica

Leia mais

Assessoria Técnica de Tecnologia da Informação - ATTI. Projeto de Informatização da Secretaria Municipal de Saúde do Município de São Paulo

Assessoria Técnica de Tecnologia da Informação - ATTI. Projeto de Informatização da Secretaria Municipal de Saúde do Município de São Paulo Assessoria Técnica de Tecnologia da Informação - ATTI Projeto de Informatização da Secretaria Municipal de Saúde do Município de São Paulo Programa AMG Manual de Operação Conteúdo 1. Sumário 3 2. Programa

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS BÁSICOS DO USUÁRIO VITORIA/ES 2013. Página 1 de 18

MANUAL DE PROCEDIMENTOS BÁSICOS DO USUÁRIO VITORIA/ES 2013. Página 1 de 18 MANUAL DE PROCEDIMENTOS BÁSICOS DO USUÁRIO VITORIA/ES 2013 Página 1 de 18 Gerenciador de Ambiente Laboratorial - GAL DEFINIÇÃO O Gal é um sistema informatizado desenvolvido para os laboratórios de Saúde

Leia mais

a) do Serviço de Hemoterapia para a Vigilância Sanitária Municipal, até o 10º dia útil subsequente ao mês/período informado;

a) do Serviço de Hemoterapia para a Vigilância Sanitária Municipal, até o 10º dia útil subsequente ao mês/período informado; Republicada no D.O. de 22/8/01 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso da atribuição que lhe confere o art. 11, inciso IV, do Regulamento da ANVISA, aprovado pelo Decreto

Leia mais

GRUPO SANGUÍNEO e FATOR RH, RH e GRUPO. Mnemônico: GSF

GRUPO SANGUÍNEO e FATOR RH, RH e GRUPO. Mnemônico: GSF POP n.º: B93 Página 1 de 7 1. Sinonímia: GRUPO SANGUÍNEO e FATOR RH, RH e GRUPO. Mnemônico: GSF 2. Aplicabilidade: Bioquímicos do setor de bioquímica do LAC-HNSC. 3. Aplicação clínica: Determinação do

Leia mais

ÁREA/ESPECIALIDADE: TÉCNICO EM LABORATÓRIO / HEMOTERAPIA

ÁREA/ESPECIALIDADE: TÉCNICO EM LABORATÓRIO / HEMOTERAPIA UFF UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CCM CENTRO DE CIÊNCIAS MÉDICAS HUAP HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTONIO PEDRO PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO ÁREA/ESPECIALIDADE: TÉCNICO EM LABORATÓRIO / HEMOTERAPIA 258

Leia mais

Gerenciador de Ambiente Laboratorial - GAL Versão 1.0.7 Manual do Usuário

Gerenciador de Ambiente Laboratorial - GAL Versão 1.0.7 Manual do Usuário Ministério da Saúde Secretaria Executiva Departamento de Informática do SUS DATASUS Gerenciador de Ambiente Laboratorial GAL Versão 1.0.7 Página 1 de 70 Gerenciador de Ambiente Laboratorial - GAL Usuário

Leia mais

TELA INICIAL: BOTÕES INICIAIS:

TELA INICIAL: BOTÕES INICIAIS: Sumário 1. Tela Inicial... 02 2. Venda [F1]... 03 a. Cliente [F2]... 03 b. Importar [F9]... 04 c. Produtos [F3]... 04 d. Fechamento [F4]... 05 e. Impressão, Ponto de Referência e Observações... 07 f. Consulta

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO HEMOVIGILÂNCIA Responsáveis: Enfª Cledes Moreira Enfª Danielli S. Barbosa Enfª Luciana Paiva VAMOS TRABALHAR HOJE Os cuidados na instalação de sangue e hemocomponentes.

Leia mais

LIBERAÇÃO DE ATUALIZAÇÃO CORDILHEIRA

LIBERAÇÃO DE ATUALIZAÇÃO CORDILHEIRA LIBERAÇÃO DE ATUALIZAÇÃO CORDILHEIRA (Orientamos aos clientes que utilizam banco de dados SQL, para efetuarem a atualização preferencialmente após o encerramento das atividades do dia, acessando o sistema

Leia mais

MANUAL SISTEMA NFS-e

MANUAL SISTEMA NFS-e MANUAL SISTEMA NFS-e SUMARIO Tela Inicial NFe 03 Efetuar Login 1º Acesso Caso não possua Usuário e/ou Senha 03 Efetuar Login 1º Acesso Possuindo o Usuário e Senha 04 Primeira Tela 05 Menu de Opções 05

Leia mais

Sistema de Devolução Web

Sistema de Devolução Web Manual Sistema de Devolução Web Usuário Cliente ÍNDICE Sumário 1. Prazos...3 2. Solicitação de Devolução... 4 3. Autorização de Devolução... 4 4. Coleta de Mercadoria... 4 5. Acompanhamento da Devolução...

Leia mais

Manual sistema Laundry 4.0

Manual sistema Laundry 4.0 Manual sistema Laundry 4.0 Sistema para serviços de Lavanderia Comércios Empresa responsável Novacorp informática Fone (41) 3013-1006 E-mail marcio@novacorp.com.br WWW.novacorp.com.br Sumario 1 Este manual

Leia mais

Estratégias de Gerenciamento de Estoque no Hemocentro. Elmiro Ribeiro Filho Médico Hematologista e Hemoterapeuta Hemocentro Regional de Uberlândia

Estratégias de Gerenciamento de Estoque no Hemocentro. Elmiro Ribeiro Filho Médico Hematologista e Hemoterapeuta Hemocentro Regional de Uberlândia Estratégias de Gerenciamento de Estoque no Hemocentro Elmiro Ribeiro Filho Médico Hematologista e Hemoterapeuta Hemocentro Regional de Uberlândia Fundação Hemominas * Cobertura de 90% das transfusões *

Leia mais

Responsabilidades/ Autoridades

Responsabilidades/ Autoridades 1/5 1. OBJETIVO Garantir o abastecimento dos materiais Consignados e OPME do Hospital. 2. DEFINIÇÃO E CONCEITO OPME - Órtese Prótese e Materiais Especiais; CAF - Central de Abastecimento Farmacêutico;

Leia mais

Ter o controle das pastas (Prontuários) armazenadas no "SAME", utilizando-se do recurso do "Volume".

Ter o controle das pastas (Prontuários) armazenadas no SAME, utilizando-se do recurso do Volume. Page 1 of 31 184771 Módulo: AMAP - SAME PDA 184771: Controle do Arquivamento de Pastas do SAME. SOLICITAÇÃO DO CLIENTE Ter o controle das pastas (Prontuários) armazenadas no "SAME", utilizando-se do recurso

Leia mais

* COMO ACESSAR O SISTEMA?

* COMO ACESSAR O SISTEMA? * OBJETIVO: Possibilitar que os usuários autorizados da SEDUC PA, cadastrem processos e/ou documentos acompanhando o andamento dos mesmos até a sua finalização ou cancelamento. Através deste módulo haverá

Leia mais

Temporalidade dos Documentos (Para Aprovação)

Temporalidade dos Documentos (Para Aprovação) Temporalidade dos s (Para Aprovação) Pág. 001 / 028 80 HU (HOSPITAL UNIVERSITÁRIO) C.Custo: 30600 DIVISÃO DE HEMOCENTRO (HEMO) 1 ORDENAMENTO LEGAL Subfunção: 2 LEGISLAÇÃO Normas e Instruções (78) Leis

Leia mais

NESSE MANUAL VÃO SER SOLUCIONADAS AS SEGUINTES DÚVIDAS DE USO:

NESSE MANUAL VÃO SER SOLUCIONADAS AS SEGUINTES DÚVIDAS DE USO: NESSE MANUAL VÃO SER SOLUCIONADAS AS SEGUINTES DÚVIDAS DE USO: PG DESPESAS COMO CADASTRAR UMA DESPESA 3 COMO PAGO UMA DESPESA 4 COMO ALTERAR OS DADOS DE UMA DESPESA 6 COMO EXLUIR UMA DESPESA 7 COMO FAÇO

Leia mais

HEMOCENTRO RP MANUAL PARA UNIDADES ASSOCIADAS ÍNDICE

HEMOCENTRO RP MANUAL PARA UNIDADES ASSOCIADAS ÍNDICE HEMOCENTRO RP ÍNDICE MUA - 001 REV.: 11 P: 1/ 47 *6 *10 *11 TÍTULO PAG Introdução 02 I- Instalações Físicas e Equipamentos 04 II- Contrato e Documentos Necessários 07 III- Licença de Funcionamento e Responsabilidades

Leia mais

Ao selecionar a opção Faturamento de Guias, o operador deverá escolher o tipo de guia a ser faturada: Guia de Consulta ou Guia SP/SADT.

Ao selecionar a opção Faturamento de Guias, o operador deverá escolher o tipo de guia a ser faturada: Guia de Consulta ou Guia SP/SADT. MANUAL DE OPERAÇÃO PARA O FATURAMENTO ON LINE SISREG Para verificar as guias que estão disponíveis para faturamento, basta clicar sobre a função FATURAMENTO TISS e selecionar a opção Faturamento de Guias

Leia mais

Ajuda On-line - Sistema de Central de Materiais Esterilizados. Versão 1.0

Ajuda On-line - Sistema de Central de Materiais Esterilizados. Versão 1.0 Ajuda On-line - Sistema de Central de Materiais Esterilizados Versão 1.0 Sumário Central de Materiais Esterilizados 3 1 Manual... de Processos - Central de Materiais Esterilizados 4 Fluxos do... Processo

Leia mais

(nome da Unidade de Saúde), com sede na

(nome da Unidade de Saúde), com sede na TERMO DE COMPROMISSO que entre si celebram o Estado do Rio de Janeiro, por meio da Secretaria de Estado de Saúde, neste ato representada pela Dra. Simone Silva da Silveira, Diretora Geral do Instituto

Leia mais

Como diagnosticar e notificar uma reação transfusional

Como diagnosticar e notificar uma reação transfusional www.anvisa.gov.br Como diagnosticar e notificar uma reação transfusional II Encontro Goiano de Gerenciamento de Risco 1 a 3 de outubro de 2012 Termos e Palavras-chave Hemoterapia Uso Racional do sangue

Leia mais

Prodata Informática LTDA Sistema Integrado de Gestão Pública Manual Fluxo da Despesa Palmas - TO FLUXOGRAMA DA DESPESA PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS

Prodata Informática LTDA Sistema Integrado de Gestão Pública Manual Fluxo da Despesa Palmas - TO FLUXOGRAMA DA DESPESA PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS FLUXOGRAMA DA DESPESA PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS ÓRGÃO DE ORIGEM:EMITE SOLICITAÇÃO DE COMPRAS INFORMANDO A DOTAÇÃO ORÇAMENTÁRIA, FONTE DE RECURSOS E JUSTIFICATIVA ÓRGÃO DE ORIGEM: COLHE AUTORIZAÇÃO

Leia mais

GUIA DE ORIENTAÇÃO. 1- Para acessar o sistema é necessário seguir os passos abaixo:

GUIA DE ORIENTAÇÃO. 1- Para acessar o sistema é necessário seguir os passos abaixo: GUIA DE ORIENTAÇÃO 1- Para acessar o sistema é necessário seguir os passos abaixo: 1.1 - ACESSAR O SITE DA PREFEITURA: 1.2 - CLICAR NA OPÇÃO: SERVIÇOS >> NOTA FISCAAL ELETRÔNICA 1.3 - Aguarde carregar

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO PARECER COREN-SP GAB Nº 010 / 2011

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO PARECER COREN-SP GAB Nº 010 / 2011 PARECER COREN-SP GAB Nº 010 / 2011 Assunto: Testes Pré-Transfusionais. 1. Do fato Solicitado parecer sobre a realização de testes pré-transfusionais por profissionais de Enfermagem. 2. Da fundamentação

Leia mais

Manual do Usuário Sistema Podológico 2007 AFA Assessoria e Informática Ltda. www.afa.inf.br

Manual do Usuário Sistema Podológico 2007 AFA Assessoria e Informática Ltda. www.afa.inf.br AFA Assessoria e Informática Ltda. www.afa.inf.br Índice INTRODUCAO SISTEMA PODOLOGICO 2007... 4 REQUISITOS DE HARDWARE E SOFTWARE... 5 MSDE vs. SQL SERVER... 5 PADRÕES E CARACTERISTICAS NAS TELAS DO SISTEMA...

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO FUNDAÇÃO FIAT SAÚDE E BEM ESTAR

1. IDENTIFICAÇÃO FUNDAÇÃO FIAT SAÚDE E BEM ESTAR 1 1 2 1. IDENTIFICAÇÃO FUNDAÇÃO FIAT SAÚDE E BEM ESTAR Razão Social: FUNDAÇÃO FIAT SAÚDE E BEM ESTAR CNPJ: 12.838.821/0001-80 Registro ANS: 41828-5 Inscrição Municipal: 130973/001-6 Inscrição Estadual:

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO. Primeiramente deve-se digitar o login e senha de acesso para acessar o Jurídico 2000.

MANUAL DO USUÁRIO. Primeiramente deve-se digitar o login e senha de acesso para acessar o Jurídico 2000. MANUAL DO USUÁRIO Primeiramente deve-se digitar o login e senha de acesso para acessar o Jurídico 2000. O Jurídico 2000 exibe o cadastro de Processos assim que é inicializado. A partir dessa tela você

Leia mais

SUPRIMENTOS. Detalhamento de Processos. Entrada de Nota Fiscal. Menu Movimento/Entrada via/nota Fiscal

SUPRIMENTOS. Detalhamento de Processos. Entrada de Nota Fiscal. Menu Movimento/Entrada via/nota Fiscal SUPRIMENTOS Detalhamento de Processos Entrada de Nota Fiscal Menu Movimento/Entrada via/nota Fiscal Para realizar a Entrada via Nota Fiscal: - Informar número e série da nota fiscal - Selecionar através

Leia mais

Produção, Armazenamento e Procedimentos de Hemocomponentes

Produção, Armazenamento e Procedimentos de Hemocomponentes Produção, Armazenamento e Procedimentos de Hemocomponentes Keicia Moreira Pinto Instituto Nacional do Câncer Hospital do Câncer I Serviço de Hemoterapia Setor de Fracionamento e Expedição de Hemocomponentes

Leia mais

Freedom Software. Sistema de Representação. Freedom Software Sistema de Representação Página 1

Freedom Software. Sistema de Representação. Freedom Software Sistema de Representação Página 1 Freedom Software Sistema de Representação Freedom Software Sistema de Representação Página 1 FREEVENDMOBILE (Sistema de Vendas Mó vel) Sumário INSTALAÇÃO:... 3 O SISTEMA... 7 MENU E BARRAS DO SISTEMA...

Leia mais

ALBUMINA BOVINA 22% PROTHEMO. Produtos Hemoterápicos Ltda. PARA TESTES EM LÂMINA OU TUBO SOMENTE PARA USO DIAGNÓSTICO IN VITRO

ALBUMINA BOVINA 22% PROTHEMO. Produtos Hemoterápicos Ltda. PARA TESTES EM LÂMINA OU TUBO SOMENTE PARA USO DIAGNÓSTICO IN VITRO ALBUMINA BOVINA 22% PROTHEMO Produtos Hemoterápicos Ltda. PARA TESTES EM LÂMINA OU TUBO SOMENTE PARA USO DIAGNÓSTICO IN VITRO Conservar entre: 2º e 8ºC Não congelar Conservante: Azida de Sódio 0,1 % Responsável

Leia mais

Gerenciador de Ambiente Laboratorial - GAL Versão 2.4.1 Manual do Usuário

Gerenciador de Ambiente Laboratorial - GAL Versão 2.4.1 Manual do Usuário Missão: Participar das ações de vigilância em saúde, realizando análises laboratoriais com qualidade, coordenando a Rede Estadual de Laboratórios e gerando informações para a melhoria da Saúde Pública.

Leia mais

AGÊNCIA TRANSFUSIONAL - HOSPITAL UNIVERSITÁRIO JÚLIO MULLER

AGÊNCIA TRANSFUSIONAL - HOSPITAL UNIVERSITÁRIO JÚLIO MULLER PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO: TRANSFUSÃO EM NEONATOS E CRIANÇAS ATÉ 4 MESES DE IDADE Versão: 05 Código: APTRN/4M 05 paginação: 1 de 12 Elaborado: Hildenete Monteiro Fortes Assinatura: Data da Elaboração:

Leia mais

PRONIM SP (Saúde Pública) Exame Laboratorial

PRONIM SP (Saúde Pública) Exame Laboratorial PRONIM SP (Saúde Pública) Exame Laboratorial SUMÁRIO 1. MÓDULO EXAME LABORATORIAL... 3 1.1. Operacionalidade do Módulo Exame Laboratorial... 4 1.2. Fluxo de Atendimento no Módulo Exame Laboratorial...

Leia mais

Esboço do Plano de Classificação (Geral)

Esboço do Plano de Classificação (Geral) Pág. 001 / 019 1. ORDENAMENTO LEGAL 1.2. Legislação 1.2.41. Disciplinar - Discente 1.2.41.258. Portarias de aplicação de penalidade disciplinar 1.2.78. Normas e Instruções 1.2.78.832. Instrução de serviço

Leia mais

Conceito: digitação de laudos macro e microscópicos realizados no LAP. Aplicabilidade: Auxiliar administrativo e auxiliar técnico administrativo.

Conceito: digitação de laudos macro e microscópicos realizados no LAP. Aplicabilidade: Auxiliar administrativo e auxiliar técnico administrativo. Procedimento Operacional Padrão 1 Página 1 de 5 Versão: 2 Conceito: digitação de laudos macro e microscópicos realizados no LAP. Local: Sala da Digitação Aplicabilidade: Auxiliar administrativo e auxiliar

Leia mais

GERA GESTÃO E CONTROLE DE TÍTULOS: parte I

GERA GESTÃO E CONTROLE DE TÍTULOS: parte I Olá! Você verá a seguir um importante treinamento que vai facilitar suas atividades diárias! Ao acessá-lo pela primeira vez, procure assistir até o final. Caso não consiga, você poderá reiniciar de onde

Leia mais

Manual de Rotinas para Usuários. Advogados da União. Procuradoria da União no Estado do Ceará PU/CE SAPIENS. Sistema da AGU de Inteligência Jurídica

Manual de Rotinas para Usuários. Advogados da União. Procuradoria da União no Estado do Ceará PU/CE SAPIENS. Sistema da AGU de Inteligência Jurídica Manual de Rotinas para Usuários Advogados da União Procuradoria da União no Estado do Ceará PU/CE SAPIENS Sistema da AGU de Inteligência Jurídica Versão 1.0 2015 1 INTRODUÇÃO 3 1.1 O QUE É O SAPIENS? 3

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA AQUISIÇÃO

PROCEDIMENTOS PARA AQUISIÇÃO PROCEDIMENTOS PARA AQUISIÇÃO Acesse o site www.teubilhete.com.br, selecione a opção Teu Online, e clique no botão, preencha o formulário com os dados de sua empresa. Reúna duas vias impressas do Contrato

Leia mais

1º Passo. Página para acessar o FacWeb

1º Passo. Página para acessar o FacWeb Página para acessar o FacWeb 1º Passo O usuário deverá digitar no campo usuário/senha - o CPF e/ou CNPJ / no campo Acesso deve ser preenchido conforme tipo da Clínica, Laboratório e ou médico/ Logo em

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE INSTRUÇÃO NORMATIVA 4/07

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE INSTRUÇÃO NORMATIVA 4/07 SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE INSTRUÇÃO NORMATIVA 4/07 Dispõe sobre a obrigatoriedade no cumprimento das Normas e Rotinas de Dispensação, Solicitação de Material, Recebimento, Armazenamento e Controle

Leia mais

Regras de Auditoria e Liberação de Movimentos (Parte 1)

Regras de Auditoria e Liberação de Movimentos (Parte 1) Regras de Auditoria e Liberação de Movimentos () Março - 2014 Índice Título do documento 1. Auditoria de Movimentos (ECM) Introdução:... 3 2. Grupos de Usuário (ECM):... 3 3. Colaboradores... 4 4. Configuração

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/SGP-500-R00 ARQUIVAMENTO DE PROCESSOS NA SGP

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/SGP-500-R00 ARQUIVAMENTO DE PROCESSOS NA SGP MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/SGP-500-R00 ARQUIVAMENTO DE PROCESSOS NA SGP 02/2016 PÁGINA INTENCIONALMENTE EM BRANCO 2 03 de fevereiro de 2016. Aprovado, Carolina dos Santos Costa 3 PÁGINA INTENCIONALMENTE

Leia mais

BENNER WEB MÓDULO ATENDIMENTO

BENNER WEB MÓDULO ATENDIMENTO BENNER WEB MÓDULO ATENDIMENTO 1 Procedimento inicial para acessar o sistema na web No browser digitar: Para Homologação: http://treinamento.assiste.mpu.gov.br/homologacao Para Produção: http://assiste.mpu.gov.br/producao

Leia mais

Módulo Faturamento INDICE

Módulo Faturamento INDICE Módulo Faturamento INDICE Como faturar contas... 3 Editando os dados de uma conta... 5 Como gerar o arquivo TISS... 7 Como cadastrar médicos... 10 Como cadastrar um convênio... 15 Como cadastrar um layout...

Leia mais

MANUAL DE PREENCHIMENTO DO PORTAL DE ATENDIMENTO AO PRESTADOR

MANUAL DE PREENCHIMENTO DO PORTAL DE ATENDIMENTO AO PRESTADOR MANUAL DE PREENCHIMENTO DO PORTAL DE ATENDIMENTO AO PRESTADOR Este Manual tem por finalidade orientar o preenchimento do Novo Portal de Serviços de Atendimento ao Prestador no atendimento aos beneficiários

Leia mais

Apresentação... 1. 1. Procedimentos iniciais... 1. 2. Novo Pagamento... 4. 3. Manutenção... 5. 4. Assinatura... 6

Apresentação... 1. 1. Procedimentos iniciais... 1. 2. Novo Pagamento... 4. 3. Manutenção... 5. 4. Assinatura... 6 Sumário Apresentação... 1 1. Procedimentos iniciais... 1 2. Novo Pagamento... 4 3. Manutenção... 5 4. Assinatura... 6 5. Baixar pagamentos de borderôs/ cheques... 7 6. Imprimir... 7 7. Estornar... 8 Apresentação

Leia mais

ANTI-A ANTI-B ANTI-AB

ANTI-A ANTI-B ANTI-AB ANTI-A ANTI-B ANTI-AB Monoclonal Murino IgM PROTHEMO Produtos Hemoterápicos Ltda. Reagentes para classificação do sistema sangüíneo ABO PARA TESTES EM LÂMINA OU TUBO Somente para Uso Diagnóstico IN VITRO

Leia mais

OBJETIVO 1 ACESSANDO O SISTEMA 2 - TELA PRINCIPAL 3 MÓDULO ETIQUETAS 4 - CADASTRAR DOCUMENTOS 5 ANEXAR DOCUMENTOS 6 MENU TRÂMITE 6.

OBJETIVO 1 ACESSANDO O SISTEMA 2 - TELA PRINCIPAL 3 MÓDULO ETIQUETAS 4 - CADASTRAR DOCUMENTOS 5 ANEXAR DOCUMENTOS 6 MENU TRÂMITE 6. Sumário OBJETIVO... 2 1 ACESSANDO O SISTEMA... 3 2 - TELA PRINCIPAL (Painel de Controle)... 4 3 MÓDULO ETIQUETAS... 4 4 - CADASTRAR DOCUMENTOS... 7 5 ANEXAR DOCUMENTOS... 15 6 MENU TRÂMITE... 18 6.1 RECEBER

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO - SEED

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO - SEED SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO - SEED Sistema Obras Online Módulo Pedido Julho - 2013 Secretaria da Educação do Paraná Av. Água Verde, 2140 - Vila Isabel 80240-900 - Curitiba - PR 41 3340-1500 e Superintendência

Leia mais

BOAS PRÁTICAS DE ENFERMAGEM NA INSTALAÇÃO DA TRANSFUSÃO

BOAS PRÁTICAS DE ENFERMAGEM NA INSTALAÇÃO DA TRANSFUSÃO BOAS PRÁTICAS DE ENFERMAGEM NA INSTALAÇÃO DA TRANSFUSÃO Jaciane Vargas de Freitas Silva Enfermeira RT Serviço de Enfermagem do Ambulatório do HBH Fundação Hemominas BOA PRÁTICA TRANSFUSIONAL Aplicação

Leia mais

Fluxo de elaboração e aprovação de POP s v.1 - Cód. 41366

Fluxo de elaboração e aprovação de POP s v.1 - Cód. 41366 Página 1 de 5 DETALHAMENTO DO FLUXO Fluxo de elaboração e aprovação de POP s v.1 - Cód. 41366 POP: Dispensação de Material Médico e Medicamento Requisitante: PASSO A PASSO DO FLUXO Cód. Tarefa Início Conclusão

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA ORGANIZAÇÃO E ENTREGA DE DOCUMENTOS NOVOS

PROCEDIMENTOS PARA ORGANIZAÇÃO E ENTREGA DE DOCUMENTOS NOVOS PROCEDIMENTOS PARA ORGANIZAÇÃO E ENTREGA DE DOCUMENTOS NOVOS Este manual foi elaborado para orientar o Cliente, Órgão/Entidade, sobre os procedimentos necessários a serem seguidos com relação à preparação

Leia mais

Passo a Passo na Ferramenta Inventários no SIGLA Digital

Passo a Passo na Ferramenta Inventários no SIGLA Digital Passo a Passo na Ferramenta Inventários no SIGLA Digital Inventários Página 1 de 6 Utilizado para fazer o inventário de todos os produtos cadastrados no sistema SIGLA Digital 1 Começando o Cadastro 11

Leia mais

Manual do Sistema de Almoxarifado P á g i n a 2. Manual do Sistema de Almoxarifado Geral. Núcleo de Tecnologia da Informação

Manual do Sistema de Almoxarifado P á g i n a 2. Manual do Sistema de Almoxarifado Geral. Núcleo de Tecnologia da Informação Divisão de Almoxarifado DIAX/CGM/PRAD Manual do Sistema de Almoxarifado Geral Versão On-Line Núcleo de Tecnologia da Informação Universidade Federal de Mato Grosso do Sul Manual do Sistema de Almoxarifado

Leia mais

RESOLUÇÃO N 24 DE 8 DE SETEMBRO DE 2015, DA REITORA DA UFTM

RESOLUÇÃO N 24 DE 8 DE SETEMBRO DE 2015, DA REITORA DA UFTM MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO Reitoria RESOLUÇÃO N 24 DE 8 DE SETEMBRO DE 2015, DA REITORA DA UFTM Aprova a Norma Técnica NT 3/2015 que dispõe sobre os procedimentos

Leia mais

Carlos Alberto Dias Pinto. Vitória, 2014

Carlos Alberto Dias Pinto. Vitória, 2014 Carlos Alberto Dias Pinto Enfermeiro Sanitarista Mestre em Saúde Pública ENSP/FIOCRUZ Especialista em Vigilância Sanitária de Serviços de Saúde ENSP/FIOCRUZ STO/DVFS/SUVISA/SVS/SESDEC-RJ cadias.pinto2572@gmail.com

Leia mais

LIBERAÇÃO DE ATUALIZAÇÃO CORDILHEIRA VERSÃO 2

LIBERAÇÃO DE ATUALIZAÇÃO CORDILHEIRA VERSÃO 2 LIBERAÇÃO DE ATUALIZAÇÃO CORDILHEIRA VERSÃO 2 (Orientamos aos clientes que utilizam banco de dados SQL, para efetuarem a atualização preferencialmente após o encerramento das atividades do dia, acessando

Leia mais

DICAS MENTOR WEB (icoruja)

DICAS MENTOR WEB (icoruja) DICAS MENTOR WEB (icoruja) FECHAMENTO DE ANO LETIVO -> INICIALMENTE DEVE-SE VERIFICAR NAS CONFIGURAÇÕES DO SUB-NÍVEL DE ENSINO, SE ESTÁ PARAMETRIZADO PARA UTILIZAR O FECHAMENTO. IMAGEM EM ANEXO. -> POSTERIORMENTE

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO POP Situações de Emergência na sala de vacinação

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO POP Situações de Emergência na sala de vacinação vacinas 0 Situações de Emergência na sala de vacinação Nº ASSUNTO: Padronizar Situações de Emergência na sala de vacinação. RESULTADOS ESPERADOS: Evitar perdas de vacinas. APLICAÇÃO: Este POP aplica-se

Leia mais

MANUAL DIPAM A Versão de 10/05/2012

MANUAL DIPAM A Versão de 10/05/2012 MANUAL DA DIPAM A Versão de 10/05/2012 1 Índice Geral... 3 Configuração Mínima... 3 Instalação... 4 Procedimento pós-instalação para sistemas com Vista ou Windows 7... 8 Uso do Programa DIPAM-A... 10 DIPAM

Leia mais

Dados do POP - Procedimento Operacional Padrão

Dados do POP - Procedimento Operacional Padrão Página 1 de 6 Dados do POP - Procedimento Operacional Padrão Nome do POP / Sinonímia Dispensação de Medicamentos e Materiais Médico-Hospitalares no Bloco Cirúrgico Nome do responsável pelo POP Marlene

Leia mais

MANUAL DO SUPERVISOR DE ESTAGIÁRIO

MANUAL DO SUPERVISOR DE ESTAGIÁRIO MANUAL DO SUPERVISOR DE ESTAGIÁRIO Rua Dr. Alberto Ferreira, 179 - Centro - 13480-074 - Limeira/SP - (19) 3404.9634 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO:... 4 2. PERGUNTAS E RESPOSTAS:... 4 1. O que é estágio?... 4

Leia mais

Como oferto um lance. Clique nas opções abaixo para ser direcionado ao passo a passo: ATENDIMENTO. - Como oferto um lance?

Como oferto um lance. Clique nas opções abaixo para ser direcionado ao passo a passo: ATENDIMENTO. - Como oferto um lance? Clique nas opções abaixo para ser direcionado ao passo a passo: ATENDIMENTO - Como oferto um lance? - Como imprimo 2ª via de boleto ao cliente? - Como realizo uma transferência de cota? - Onde consulto

Leia mais

ANTI HUMANO. Anti IgG Anti C 3 d Poliespecífico

ANTI HUMANO. Anti IgG Anti C 3 d Poliespecífico ANTI HUMANO Anti IgG Anti C 3 d Poliespecífico PROTHEMO Produtos Hemoterápicos Ltda. PARA TESTES EM LÂMINA OU TUBO SOMENTE PARA USO DIAGNÓSTICO IN VITRO Conservar entre: 2º e 8ºC Não congelar Conservante:

Leia mais

1. REGISTRO DE PROJETOS

1. REGISTRO DE PROJETOS 1. REGISTRO DE PROJETOS Nesta aplicação será feito o registro dos projetos/ ações de extensão, informando os dados iniciais do projeto, as classificações cabíveis, os participantes, a definição da região

Leia mais

Manual. Pedido Eletrônico

Manual. Pedido Eletrônico Manual Pedido Eletrônico ÍNDICE 1. Download... 3 2. Instalação... 4 3. Sistema de Digitação SantaCruz... 8 3.1. Configuração... 8 4. Utilização do Sistema Digitação SantaCruz... 11 4.1. Atualizar cadastros...11

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA. Versão 6.07

MANUAL DO SISTEMA. Versão 6.07 MANUAL DO SISTEMA Versão 6.07 Configurando o Módulo... 3 Contas... 3 Conta Caixa... 5 Aba Geral... 5 Aba Empresas... 8 Conta Banco... 9 Aba Geral... 9 Aba Conta Banco... 10 Aba Empresas... 12 Tipos de

Leia mais