PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO NAS PROVAS PRÉ - TRANSFUSIONAIS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO NAS PROVAS PRÉ - TRANSFUSIONAIS"

Transcrição

1 PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO NAS PROVAS PRÉ - TRANSFUSIONAIS Versão atual: 06 Código: PPT 6 paginação: 1 de 39

2 Elaborado: Hildenete Monteiro Fortes Assinatura: Data da Elaboração: Aprovado e liberado por: Hildenete Monteiro Fortes Data da implantação: 10 de fevereiro de 2003 Data da revisão: 12/10/2011 Revisada por: Hildenete Monteiro Fortes Marcia Beatriz Cattini Melo Periodicidade da Revisão: anual Tempo de arquivo: 05 anos Setor: Imunohematologia da Agência Transfusional do HUJM Código do documento: PPT 06 Número da versão atual: 06 Número total de Páginas: 39 Número de cópias - distribuição: 02 Original para a direção arquivo; Setor de Imunohematologia da Agência Transfusional. ESTE É UM DOCUMENTO CONTROLADO Não deve ser copiado ou distribuído sem a autorização da chefia da Agência Transfusional do HUJM. Versão atual: 06 Código: PPT 6 paginação: 2 de 39

3 I - OBJETIVO: Liberação de hemocomponentes com qualidade para transfusão aos pacientes internados ou no ambulatório do HUJM, após realização de provas pré-transfusionais na Agência Transfusional de acordo com a PORTARIA N o 1353 de 13 de junho de II - PRINCÍPIO: Determinar o Grupo ABO: Sistema ABO é o mais importante para a prática transfusional. A tipagem sangüínea direta pesquisa a presença de antígenos ABO nas hemácias teste e a reversa seus anticorpos correspondentes utilizando hemácias conhecidas A1 e B. Nunca liberar uma unidade de sangue para transfusão até que a discrepância entre tipagem direta e reversa tenha sido resolvida. Determinar o Fator Rh: O antígeno D (Rh) é considerado o mais imunogênico e o mais importante na transfusão. Na determinação do tipo Rho (D), é obrigatório o uso do soro anti-d e do controle Rh (do mesmo fabricante e marca do soro Anti-D em uso, este último pela possibilidade da presença de auto-anticorpos e / ou proteínas séricas anormais. Pesquisar Anticorpos Irregulares: Visa detectar anticorpos irregulares clinicamente significantes no soro/plasma do receptor, consiste em testar o soro do receptor com hemácias de triagem conhecidas. É importante que se utilize SEMPRE um autocontrole nas mesmas fases e temperaturas em que foram utilizadas as hemácias de triagem. Realizar Prova de compatibilidade: Exceto para as solicitações de extrema urgência é realizada antes da transfusão de sangue total ou de hemácias, verifica a compatibilidade ABO e /ou presença de anticorpos no receptor (soro) contra antígenos (hemácias) do doador que se encontra no tubo coletor da bolsa a ser transfundida. É desnecessária a realização de prova de compatibilidade antes da transfusão de plasma, crioprecipitado e concentrado de plaquetas. Retipificar Grupo ABO/Rh dos doadores: Em todos os hemocomponentes com hemácias a serem cruzados. Realizar de uma amostra do tubo coletor da bolsa de sangue a retipagem ABO enquanto que a retipagem do Fator Rh só precisa ser feita em bolsas de sangue Rh negativas. Versão atual: 06 Código: PPT 6 paginação: 3 de 39

4 Realizar em todas as provas antiglobulina que deram resultados negativos um controle de hemácias sensibilizadas com IgG Controle de Coombs, para evitar resultados falsos negativos. Segurança Transfusional: Toda transfusão sanguínea ou componente sanguíneo deverá ser prescrita por um médico de acordo com a PORTARIA N o 1353 de 13 de junho de Seleção de Hemocomponentes para transfusão e as provas de compatibilidade são baseadas na resolução da diretoria colegiada PORTARIA N o 1353 de 13 de junho de Quaisquer sintomas ou sinais ocorridos durante a transfusão devem ser considerados como sugestivos de possível reação transfusional, devendo ser investigado para tal utilizando a FIT ficha de investigação transfusional anexo. III - APLICAÇÃO CLÍNICA: Atendimento com qualidade de todas as solicitações de transfusão de hemocomponentes aos pacientes internados ou atendidos no ambulatório do Hospital Universitário Júlio Müller. FLUXOGRAMA na rotina transfusional: Receber requisição de transfusão devidamente preenchida e assinada pelo médico solicitante. Nunca esquecer de anotar hora recebimento. Conferir os dados da requisição da transfusão (APAC) se não estiverem corretamente preenchidos, devolver ao portador. Caso a requisição de transfusão esteja corretamente preenchida, verificar se o paciente já é cadastrado no Serviço de Hemoterapia Ficha transfusional ou no computador. Colher amostra de sangue do receptor se for a primeira vez que tomará sangue no hospital, em casos de já ter recebido transfusão colher nova amostra após 72 horas da realização da transfusão. A identificação dos tubos para coleta das amostras deve ser com nome do receptor, registro, Clínica, data coleta, assinatura de quem colheu. Caso o paciente já tenha a classificação ABO/Rh anterior fazer a comparação com o resultado atual, realizar também pesquisa de anticorpos. Versão atual: 06 Código: PPT 6 paginação: 4 de 39

5 Ambas as classificações estão conformes? IGUAIS? Se NÃO colher nova amostra. Se SIM selecionar o hemocomponente a ser transfundido. Retipar o hemocomponente (com HEMÁCIAS), se NÃO houver concordância na classificação anotar o resultado e pegar nova bolsa para realizar a reclassificação. Comunicar ao responsável pelo setor que tomará as providências cabíveis. Se a retipagem confere, realizar a PROVA DE COMPATIBILIDADE (PC) e a PESQUISA DE ANTICORPOS IRREGULARES DO PACIENTE (PAI). PC compatível e PAI negativo anotar o resultado, identificar e liberar a bolsa para transfusão. PC Incompatível anotar o resultado, selecionar outra bolsa e repetir o PAI. PAI positivo, anotar o resultado e ENVIAR AMOSTRA para o MT-Hemocentro para identificação de anticorpos e provas de compatibilidade até encontrar sangue compatível com o receptor para realizar a transfusão. Quando os resultados das provas pré-transfusionais demonstrarem que não há sangue compatível para o receptor o Serviço de Hemoterapia deve comunicar este fato ao médico solicitante. Provas pré-transfusionais de rotina: Determinação do grupo ABO, do fator Rh e a pesquisa de anticorpos irregulares no sangue do receptor. Retipagem ABO de todas as bolsas de sangue e Rh da bolsa de sangue tipada como Rh negativo (CASO NÃO TENHA SIDO AINDA REALIZADA). Realização de uma prova de compatibilidade entre as hemácias do doador e o soro do receptor. 1. Exames no sangue do RECEPTOR adulto e crianças com mais de 4 meses de idade: ROTINA Classificações dos sistemas ABO e Rh, pesquisa de anticorpos irregulares, Coombs direto e prova de compatibilidade na rotina serão realizadas pelos métodos em tubo ou Gel. Versão atual: 06 Código: PPT 6 paginação: 5 de 39

6 Classificação em tubo dos sistemas ABO e Rh Prova de hemácias = Direta Prova de soro = Reversa Determinação do Fator Rh (D), caso negativo realizar técnica de exclusão de D-fraco. Pesquisa de Anticorpos Irregulares clinicamente significantes Técnicas: Salina/ Albumina /AGH ou Gel Prova de Compatibilidade em Tubo Técnicas: Salina/albumina/AGH ou Gel 2. Repetição de exames no sangue do DOADOR: Quando for realizar transfusão de sangue total ou concentrado de hemácias realizar: Retipagem do grupo ABO Retipagem do fator Rh em bolsas de sangue rotuladas de Rh Negativo 3. Provas de compatibilidade Realizar quando for usar componentes sangüíneos que contenha hemácias. Utilizam-se hemácias do tubo coletor da bolsa a ser transfundida e o soro do receptor. Inspecionar o aspecto do sangue antes de realizar a prova de compatibilidade. Caso haja qualquer discrepância nas provas pré-transfusionais, chamar profissional responsável pelo setor para esclarecimento. IV. AMOSTRAS: Hemácias / soro do receptor e Hemácias do doador O técnico do serviço de Hemoterapia deverá colher às amostras 1. Identificar os tubos de hemólise da amostra do receptor no momento da coleta com nome completo, registro, data da coleta, nome do coletor. 2. Colher em tubo de hemólise 12x75 mm com EDTA - de 04 ml de sangue (ABO, Rh, CRh= controle de Rh e Coombs direto) Se técnica em GEL / TUBO Versão atual: 06 Código: PPT 6 paginação: 6 de 39

7 3. Colher em tubo de hemólise seco 12x75 mm - 5 ml de sangue sem anticoagulante para realização de PAI e prova de compatibilidade Se técnica em TUBO. 4. As amostras devem ser devidamente transportadas em caixas térmicas. 5. As amostras hemolisadas ou lipêmicas devem ser desprezadas. 6. Armazenar os soros do receptor e amostra do sangue da bolsa transfundida por 03 dias na geladeira entre 4 +/- 2 o C. OBSERVAÇÃO: Em paciente pediátrico colher apenas um tubo sem anticoagulante com 03 ml de sangue. Quando necessário enviar amostras para o MT-HEMOCENTRO estas deverão ser colhidas com e sem anticoagulante. V. MATERIAIS: Método em Tubo 1. Centrífuga sorológica de mesa 2. Estante de metal porta tubos 3. Banho Maria 37ºC 4. Micropipetas 50 l e 100 l 5. Tubos de ensaio 10 x 75 mm. Método em Gel 1. Centrífuga para cartões 2. Incubadora para cartões 37 C 3. Micropipetas de 10, 25, 50 e 100 l 4. Cartões em gel. Reagentes para método em Gel 1. Diluente 1 (Bromelina) 2. Diluente 2 (LISS) 3. Cartões de gel ID-ABD, ID-ABO/Rh, ID-confirmação D (Rh), ID-Liss/Coombs. Versão atual: 06 Código: PPT 6 paginação: 7 de 39

8 VI. REAGENTES: Soro mono ou policlonais anti A, anti B, anti A,B. Caso seja utilizado anti-soros MONOCLONAIS, a utilização do soro anti A,B não é necessária. Soro anti D albuminoso (Rh), mono ou policlonais Soro anti gama globulina = Coombs = Monoespecífico. Soro poliespecífico = Anti Humano. Controle de Rh, da mesma procedência do soro anti D. Hemácias conhecidas de grupo A 1 e B em suspensão salina 3 5%. Hemácias comerciais para triagem de anticorpos. Hemácias teste suspensão LISS Controle de Coombs - Hemácias controle, cobertas por anticorpos IgG. Solução fisiológica. Diluente 2 LISS VII. PROCEDIMENTOS: MÉTODO EM TUBO - PREPARAR SUSPENSÃO HEMÁCIAS: Receptor Doador Identificar um tubo de hemólise 12x75 mm com letra R Receptor Identificar um tubo de hemólise 12x75mm com letra D Doador Lavar hemácias do Doador e Receptor 1. Colocar nos respectivos tubos de hemólise ul de concentrado de hemácias do Doador e Receptor (1 min / 3400 rpm) 2. Colocar soro fisiológico em cada tubo 3. Centrifugar a 3400 rpm por 1 minuto 4. Desprezar o sobrenadante e repetir mais 02 vezes os itens 02 e 03. Hemácias suspensa em SALINA 3 a 5% 1. Identificar 02 tubos de hemólise 12x75 doador e receptor 2. Colocar ul Salina soro fisiológico (salina 3. Colocar - 75 ul Hemácias do Doador no tubo D 4. Colocar - 75 l Hemácias do Receptor no tubo R Versão atual: 06 Código: PPT 6 paginação: 8 de 39

9 SEPARAÇÃO DO SORO RECEPTOR Centrifugar o tubo sem anticoagulante 3 min / 3400 rpm. Separar o soro do receptor em um tubo de hemólise já identificado. Doador: Hemácias suspensa Salina Receptor: Hemácias suspensa Salina Soro Procedimento técnico para: CLASSIFICAÇÃO SANGUÍNEA ABO/Rh O sistema ABO primeiro sistema de grupo sangüíneo descoberto, é o único onde anticorpos estarão certamente presentes no soro de indivíduos que não possuam o(s) antígeno(s) correspondente(s). É o sistema mais importante para a prática transfusional. A classificação direta pesquisa a presença dos antígenos ABO nas hemácias testes, enquanto a reversa pesquisa seus anticorpos correspondentes no soro, utilizando hemácias comerciais (hemácias de triagem conhecidas). 1. Identificar os tubos de hemólise 12 x 75 mm com caneta de retroprojetor A B AB Rh CR HA HB DIRETA REVERSA 2. Colocar tubos de A-CR Anti soro / controle / soro do receptor 50 ul Soro Anti A no tubo A 50 ul Soro Anti B no tubo B 50 ul Soro Anti A,B no tubo AB 50 ul Soro Anti Rh (D) no tubo Rh Versão atual: 06 Código: PPT 6 paginação: 9 de 39

10 50 ul Controle Rh no tubo CR - Controle de Rh 100 ul Soro teste (Receptor) nos tubos de HA e HB 3. Colocar hemácias conhecidas e do receptor 50 ul hemácias A1 no tubo HA 50 ul hemácias B no tubo HB 50 ul Suspensão Hemácias do Receptor nos tubos de A a CR 4. Homogeneizar bem os tubos 1. Colocar para centrifugar a 3400 rpm por 15 segundos ou 1000 rpm por 1 minuto 2. Ressuspender o botão de hemácias formado agitando levemente 3. Ler para aglutinação e hemólise, usando auxiliar ótico. 4. Anotar os resultados em cruzes ou escore de acordo com a graduação apropriada MÉTODO EM GEL Tipagem ABD/ABD (monoclonal) DIRETA dois pacientes por cartão Cartão ID-Dia Clon Conf.ABD/ABD Diluente Diluente 2 (LISS) Amostra Hemácias (sedimento) Suspensão 500 ul de Diluente ul de hemácias (sedimento) Técnica* -- (Resumo prático, não substituir pelas instruções de uso contidas na caixa do produto) 1. Preparar a estação de trabalho colocando nos respectivos furos os tubos das amostras bem centrifugadas ao lado de um tubo já contendo 500ul de diluente 2 (LISS) em direção a um cartão de DiaClon ABD/ABD. 2. Identificar, de cima para baixo, os cartões em relação aos respectivos tubos de amostras. Versão atual: 06 Código: PPT 6 paginação: 10 de 39

11 3. Começando da amostra do primeiro paciente, pipetar exatamente 25 ul de hemácias (sedimento) nos tubos contendo 500ul de diluente 2 liberando a ponteira dentro do tubo de suspensão e passando à segunda amostra e assim sucessivamente. 4. Abrir os cartões devidamente identificados e pipetar 12,5 ul, desta suspensão de hemácias acima, nos micro tubos A,B,D/A,B,D (dois pacientes por cartão). 5. Centrifugar e Ler. Tipagem REVERSA (Prova de Simonin) em cartão de gel neutro Cartão ID-NaCI/Cinza./AF Hemácias ID-DiaCell A1,B Amostras Soro ou Plasma Técnica -- (Resumo prático, não substituir pelas instruções de uso contidas na caixa do produto). 1. Prepara a estação de trabalho colocando os tubos das amostras bem centrifugadas em direção a um cartão ID-NaCI/Enz./AF e, na parte superior da estação, identificar e colocar dois tubos contendo uma quantidade de hemácias A1 e B (do ID-DiaCell a1 B). 2. Identificar os cartões em relação aos respectivos tubos de amostras dividindo e isolando dois micros tubos para cada prova reversa, identificando como A1 e B cada micro tubo e no corpo do cartão o nome do respectivo paciente. 3. Abrir os cartões e pipetar 50 ul de todas as hemácias A 1 e B nos respectivos micros tubos de cada cartão devidamente identificados. 4. Pipetar 50 ul do plasma ou soro sobre as hemácias A 1 e B, descartando a ponteira. 5. Centrifugar e Ler. Tipagem Rh (Enzimática com soro Policlonal de origem Humana) Cartão ID-Anti-D (Humano) Versão atual: 06 Código: PPT 6 paginação: 11 de 39

12 Diluente ID-Diluente 1 (Bromelina) Amostra Hemácias (sedimento) Suspensão 500 ul de Diluente ul de hemácias (sedimento) Técnica* -- (Resumo prático, não substituir pelas instruções de uso contidas na caixa do produto) 1. Preparar a estação de trabalho colocando nos respectivos tubos das amostras bem centrifugadas ao lado de um tubo contendo 500ul de ID-Diluente 1 (bromelina) em direção a um cartão ID-Anti-D. 2. Identificar os cartões em relação aos respectivos tubos de amostras. 3. Pipetar 25 ul de hemácias (sedimento) nos tubos contendo 500ul de ID-diluente 1 4. Incubar 10 minutos a T.A. 5. Abrir os cartões e pipetar 12,5 ul dessa suspensão de hemácias nos micro tubos respectivamente identificados. 6. Centrifugar e Ler Obs.: Para se realizar concomitantemente o controle do teste, pipetar 12,5 ul da mesma suspensão no cartão NaCl/Enz/AF (Neutro) juntamente com prova. INTERPRETAÇÃO: DIRETA REVERSA Reagentes / Soro Soro Soro Hemácias Hemácias Grupo ABO Anti-A Anti-B Anti-AB A 1 B A B AB O As reações esperadas para testes positivos são 3+ e 4+. A presença de aglutinação nos tubos de hemácias teste e presença de hemólise nos tubos de soro teste indicam reações positivas. Hemácias suspensas, após leitura do botão de hemácias, correspondem a resultado negativo. Discrepâncias entre a classificação direta e reversa devem ser resolvidas antes da interpretação do grupo sanguíneo da amostra teste. Não deverão ser Versão atual: 06 Código: PPT 6 paginação: 12 de 39

13 liberados antes da realização de testes adicionais necessários, incluindo-se testes com lecitinas anti-a 1 e anti-h. Qualquer discrepância entre a tipagem DIRETA e REVERSA deverá ser resolvida pelo responsável técnico do serviço que será informado imediatamente. Rh Positivo e Rh Negativo O termo Rh positivo e Rh negativo, refere-se à presença (Rh positivo) ou ausência (Rh negativo) na membrana da hemácia do antígeno D, que é, após os antígenos A e B, o mais importante em transfusão de sangue. O anticorpo anti-d não esta normalmente presente no soro/plasma dos pacientes Rh negativos. Seu desenvolvimento depende de uma exposição prévia ao antígeno. 80 % das pessoas Rh negativo que recebem pelo menos uma transfusão Rh positivo, poderão desenvolver o anticorpo anti-d. O antígeno é muito imunogênico determinando que grande parte das pessoas expostas ao antígeno desenvolva o anticorpo. Os mecanismos comuns de imunização são gestações e/ou transfusão anterior. Outros antígenos do sistema Rh tem também importância clínica, entre eles C (grande) e c (pequeno), E (grande) e e (pequeno). A combinação dos 05 principais antígenos do sistema Rh, avaliando-se a partir da nomenclatura de Fisher e Race oferecem ferramentas para a resolução de problemas diários. INTERPRETAÇÃO para tipagem Rh e Pesquisa de D-fraco: 1. Quando a prova para tipagem do fator Rh(D) ou a prova para D-fraco resultar POSITIVOS a tipagem será considerada Fator Rh positivo. 2. Quando a prova para tipagem do fator Rh(D) ou a prova para D-fraco resultar NEGATIVOS a tipagem será considerada NEGATIVA, ou seja, Fator Rh negativo. 3. Para que a tipagem do fator Rh possa ser considerado como válido o resultado do controle de Rh é sempre NEGATIVO. 4. Caso o controle de Rh (tubo CR) seja POSITIVO não considerar o seu Rh e proceder da seguinte maneira: Considerar INVÁLIDA a tipagem Rh. Utilizar antissoro anti-d da classe IgM. Chamar o responsável para resolver o caso. Versão atual: 06 Código: PPT 6 paginação: 13 de 39

14 Se houver URGÊNCIA considere o paciente como Rh negativo e fizer a prova de compatibilidade com sangue Rh negativo. 5. Todos os resultados Rh Negativo fazer a pesquisa de D-fraco Procedimento técnico para PESQUISA de D-fraco em TUBO: 1. Pegar os 02 tubos de hemólise identificados Rh e CR que deram negativos 2. Incubar os 02 tubos - Rh e CR em Banho Maria a 37ºC durante 15 minutos 3. Retirar os tubos do BM e centrifuga-los a 3400 rpm por 15 segundos 4. Fazer a leitura para presença ou ausência de aglutinação 5. Quando negativo realizar a lavagem 03 x com soro fisiológico 6. Desprezar o sobrenadante e secar bem os tubos 7. Adicionar soro de Coombs (Anti IgG) 100 ul, homogeneizar bem os tubos 8. Centrifugar a 3400 rpm por 15 segundos 9. Fazer a leitura 10. Se houver ausência de aglutinação nos 02 tubos: Pingar Controle de Coombs 50 ul cada tubo Homogeneizar, centrifugar a 3400 rpm por 15 segundos e fazer a leitura Para que o teste seja validado os tubos devem dar positivos, caso contrário reiniciar todos os procedimentos. Interpretação: Se o tubo Rh der positivo com o tubo CR negativo você tem um paciente D fraco positivo, ou seja, Rh negativo D-fraco positivo, ideal usar sangue Rh negativo, principalmente para crianças e mulheres em idade fértil. Se o tubo Rh der negativo o paciente é D fraco negativo e só poderá receber sangue Rh negativo. D fraco A característica de reagir de modo atípico com anti-d apresentada por algumas células foi descrita por Stratton, em 1946, como sendo tais células portadoras do fenótipo Dfraco. De acordo com a descrição original, esse fenótipo não reagia ao método de aglutinação direta, mas podiam ser expressos com o uso da técnica de AGH indireto. (Coombs Indireto). Atualmente sabemos que a diferença entre D+ e Dfraco é quantitativa, não qualitativa. A maioria dos soros monoclonais utilizados regularmente nas rotinas, são capazes de detectar a maioria das amostras que foram até então classificadas como Dfraco. Versão atual: 06 Código: PPT 6 paginação: 14 de 39

15 D Parcial As hemácias que ao serem testadas com antisoros monoclonal apresentar resultados negativos para o antígeno D, ou seja, Rh negativo deverão ser testadas novamente utilizando-se reagentes de origem humana, policlonais para determinação da possibilidade de tratar-se de um D categoria. Sabe-se que a presença de epitopos de um antígeno D parcial é capaz de determinar a formação de um anticorpo correspondente. Os D parciais, fenótipos raros de antígeno D positivos, foram divididos em categorias numeradas de I a VII. As categorias III, IV e V, em face de algumas outras evidências sorológicas foram subdivididas. RECOMENDAÇÕES: 1. Utilizar um antissoro monoclonal que detecta o antígeno D parcial categoria VI (DVI- ou IgG) e um antissoro que não detecta o antígeno D parcial categoria VI (DVI- ou Ig M), quando houver discrepância nos resultados entre os dois antissoros utilizados deve-se investigar a presença de D fraco e D parcial na amostra. 2. Em pacientes RhD-negativo recomenda-se a pesquisa de antígeno C e E PESQUISA ANTICORPOS Irregulares: PRINCÍPIO: Anticorpos ditos irregulares são aqueles formados por imunização devido a transfusões, gestação ou ingestão constante de material imunogênico, sendo de classe IgG ou IgM. Em teste pré-transfusionais, além da determinação ABO e Rh é obrigatória também a realização da pesquisa de anticorpos irregulares em receptores de hemocomponentes (R.D.C N o 343 de 13/12/02). É um teste de triagem onde em casos de pesquisa positiva, deve-se identificar a classe e especificidade do anticorpo responsável, para a seleção de sangue compatível, antígeno negativo para a transfusão. O teste emprega um KIT contendo no mínimo duas suspensões de hemácias O (hemácias de triagem), as quais possuem a maioria dos antígenos estudados em rotina de banco de sangue. Havendo presença de anticorpos irregulares no soro a ser testado, estes reagirão com os antígenos correspondentes, presentes nas hemácias de triagem. Versão atual: 06 Código: PPT 6 paginação: 15 de 39

16 Anticorpos da classe IgM são normalmente detectados em meio salino e temperatura ambiente, enquanto que anticorpos da classe IgG são detectados através da utilização do soro antiglobulina humana após a incubação a 37ºC. Quanto às enzimas proteolíticas, sabe-se que modificam os antígenos presentes na membrana eritrocitária, podendo retirá-los ou torná-los aglutináveis em suspensões salinas. Os antígenos sensíveis à ação enzimática são os dos sistemas MNS Duffy Xg a os anticorpos cuja reatividade é aumentada pela ação de enzimas são os dos sistemas Rh, Kidd, Lewis e P. A ação enzimática inclui ainda modificações nas propriedades físicas da suspensão de hemácias, podendo causar auto-aglutinação sem presença de processos auto-imunes. As técnicas enzimáticas podem ser associadas ao soro anti-gama globulina humana (soro anti IgG) e podem ser utilizadas em técnicas de 1 ou 2 estágios. Na primeira adiciona-se a enzima diretamente a mistura soro + hemácias, sendo mais bem indicada para testes de triagem enquanto que no segundo procedimento as hemácias são previamente tratadas com enzimas e depois misturadas ao soro teste, sendo melhor indicado para identificação de anticorpos. As principais enzimas utilizadas em testes imunohematológicos são: BROMELINA (abacaxi), PAPAINA (mamão), TRIPSINA (estômago de porco) e FICINA (ficus). As alíquotas de solução enzimáticas devem ser mantidas em freezer, devendo-se desprezá-las após o descongelamento e utilização. Não utilizaremos as técnicas enzimáticas. Procedimento técnico em TUBO para pesquisa de ANTICORPOS IRREGULARES: SALINA / ALBUMINA / A.G.H. Identificar 2 Tubos I II 1. Soro do receptor colocar 100 ul em cada tubo 2. Hemácias triagem I Pingar 50 ul no tubo I 3. Hemácias de triagem II Pingar 50 ul no tubo II 4. Centrifugar 3400 rpm por 15 segundos ou 1000 rpm por 1 minuto Versão atual: 06 Código: PPT 6 paginação: 16 de 39

17 5. Ressuspender o botão de hemácias formado agitando levemente 6. Ler para aglutinação e hemólise, usando um auxiliar ótico. Interpretar 7. Anotar os resultados em cruzes ou escore de acordo com a graduação apropriada CASO os tubos I e II sejam: I II A. Negativo REALIZAR A SEGUINTE Técnica 1. Albumina Bovina 22% acrescentar 100 ul cada tubo 2. Incubar em Banho-maria à 37ºC por período variando entre 15 minutos e 1 hora de acordo com a orientação do fabricante. 3. Centrifugar 3400 rpm por 15 segundos, ler e anotar os resultados. 4. Lavar 03 vezes com soro fisiológico, desprezar o sobrenadante e secar os tubos. 5. Soro Anti Humano (Poli específico) acrescentar 100 ul em cada tubo 6. Homogeneizar e centrifugar 3400 rpm por 15 segundos, ler e anotar os resultados. 7. POSITIVO = presença de anticorpos irregulares encaminharem amostra ao MT HEMOCENTRO para identificação de anticorpos e comunicar ao responsável pelo Serviço. 8. NEGATIVO = Ausência de anticorpos irregulares neste caso: 9. Acrescentar Controle Coombs 1 gota em cada tubo, 10. Homogeneizar e centrifugar os tubos a 3400 rpm por 15 segundos e ler, resultará POSITIVO após usar o controle de Coombs para poder validar o teste, se for negativo refazer todo o teste desde o inicio usar soro poli específico de outro lote e o mesmo. B. Positivo: I II Versão atual: 06 Código: PPT 6 paginação: 17 de 39

18 1. Colocar no Banho Maria - Soro do receptor por 15 minutos 2. Identificar 02 tubos de hemólise I e II deixar no BM por 15 minutos 3. Soro receptor aquecido previamente - acrescentar 100 ul em cada tubo 4. Hemácias I acrescentar 50 ul no tubo I 5. Hemácias II acrescentar 50 ul no tubo II 6. Incubar Banho Maria a (37ºC) durante 1 hora 7. Centrifugar 3400 rpm por 15 segundos, ler e anotar os resultados. 8. Lavar 03 vezes com soro fisiológico (salina) 9. Soro Poli específico = anti globulina Humana (AGH) - acrescentar 100 ul cada tubo 10. Centrifugar 3400 rpm por 15 segundos, ler e anotar os resultados. 11. Positivo = presença de anticorpos irregulares na amostra do receptor Encaminhar para o MT-HEMOCENTRO para identificação de anticorpos 12. Negativo = ausência de anticorpos irregulares neste caso: Acrescentar Controle Coombs 1 gota em cada tubo Homogeneizar e centrifugar os tubos a 3400 rpm por 15 segundos e ler, resultará POSITIVO após usar o controle de Coombs para poder validar o teste, se for negativo refazer todo o teste desde o inicio usar soro poli específico de outro lote e o mesmo. INTERPRETAÇÃO: Ausência de aglutinação em todas as etapas do teste indica ausência de anticorpos irregulares contra antígenos presentes nas hemácias de triagem. Presença de aglutinação em fase de anti-gamaglobulina humana indica presença de anticorpos da classe IgG, os quais geralmente possuem importância clinica, devendo-se selecionar sangue antígeno-negativo para a transfusão. No caso de pesquisa positiva, realizar a identificação do(s) anticorpo(s). Os métodos enzimáticos não deverão ser utilizados como única técnica de triagem de anticorpos, por excluírem anticorpos, cujos antígenos correspondentes foram destruídos pelas enzimas utilizadas. Pesquisa de Anticorpos Irregulares (teste de Coombs Indireto) - GEL Cartão ID-LISS/Coombs Versão atual: 06 Código: PPT 6 paginação: 18 de 39

19 Hemácias Células I e II do ID-DiaCell I+II Amostra do receptor Soro ou Plasma bem centrifugado Técnica -- (Resumo prático, não substituir pelas instruções de uso contidas na caixa do produto). 1. Preparar a estação de trabalho colocando os tubos das amostras bem centrifugadas em direção aos cartões LISS/Coombs. 2. Identificar dois ID-Tubos como I e II e colocar uma quantidade de células do ID-DiaCell I+II respectivamente. 3. Isolar e Identificar dois micros tubos no cartão como I e II e o nome do paciente logo abaixo. 4. Pipetar 50ul das células do ID-DiaCell I+II nos micro tubos devidamente identificados. 5. Pipetar 25ul do soro ou plasma sobre as células já pipetadas. 6. Incubar por 10 minutos a 37ºC no ID-Incubadora. 7. Centrifugar 1000 rpm durante 10 minutos e Ler. PROVA DE COMPATIBILIDADE = PROVA CRUZADA: PROCEDIMENTO EM GEL Cartão ID-LISS/Coombs Diluente Diluente 2 (LISS) para suspensão das hemácias do doador Amostra Doador: Sangue da Cânula da bolsa ou sangue total bem centrifugado. Paciente: Plasma ou soro. Suspensão 1000ul de Diluente 2 (LISS Modificado) + 10 a 12,5 ul de hemácias (sedimento) Técnica (Resumo prático, não substituir pelas instruções de uso contidas na caixa do produto.) Versão atual: 06 Código: PPT 6 paginação: 19 de 39

20 1. Preparar a estação de trabalho colocando da esquerda para a direita: Os tubos das amostras bem centrifugadas dos pacientes (separados soro ou plasma) Seguida das cânulas das bolsas (no interior de um tubo) Seguida de um ID-Tubo com 1000ul de ID-Diluente 2 Em direção a um cartão ID-LISS/Coombs. 2. Identificar os cartões e relação aos respectivos de amostras isolando, com uma caneta, um ou mais micro tubos e sob ele o nº da (s) bolsa (s) do (s) doador (es) e no corpo do cartão o nome do paciente, imediatamente abaixo dos respectivos micros tubos. 3. Sangrar as cânulas nos tubos, desprezando-as, e pipetar 10 a 12,5 ul das hemácias no ID-Tubo contendo p ID-Diluente 2 (LISS Modificado) e homogeneizar. 4. Abrir os cartões e pipetar 50 ul da suspensão descrita acima no(s) respectivos micros tubo(s) do cartão ID-LISS /Coombs, devidamente identificado(s) 5. Em seguida pipetar 25ul de plasma ou soro sobre as respectivas hemácias. 6. Incubar os cartões por 10 minutos a 37ºC no ID-incubadora. 7. Centrifugar e Ler Interpretação Compatibilidade ABO e Rho (D) confirmada: os micro tubos A-B-D apresentam reações claramente positivas ou negativas. Compatibilidade ABO e Rho (D) não confirmada: presença de dupla população de hemácias num mesmo micro tubo. Compatibilidade Receptor-Doador: reações negativas nos testes enzimáticos e de Coombs. Incompatibilidade Receptor-Doador: reações positivas (fortes ou fracas) nos teste enzimático e/ou de Coombs. Autocontrole positivo: verificar presença de auto-anticorpo no receptor. Procedimento Técnico em TUBO: SALINA/ALBUMINA/AGH 1. Lavar 200 ul de hemácias do doador 03 vezes com soro fisiológico 2. Preparar a suspensão de hemácias do doador a 3-5% (Salina) 3. Suspensão Hemácias 1 ml soro fisiológico + 75 ul hemácias do doador Versão atual: 06 Código: PPT 6 paginação: 20 de 39

AGÊNCIA TRANSFUSIONAL - HOSPITAL UNIVERSITÁRIO JÚLIO MULLER

AGÊNCIA TRANSFUSIONAL - HOSPITAL UNIVERSITÁRIO JÚLIO MULLER PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO: TRANSFUSÃO EM NEONATOS E CRIANÇAS ATÉ 4 MESES DE IDADE Versão: 05 Código: APTRN/4M 05 paginação: 1 de 12 Elaborado: Hildenete Monteiro Fortes Assinatura: Data da Elaboração:

Leia mais

PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS PADRÃO SETOR DE IMUNOHEMATOLOGIA

PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS PADRÃO SETOR DE IMUNOHEMATOLOGIA PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS PADRÃO NO SETOR DE IMUNOHEMATOLOGIA Versão: 05 Código: ImunoHem 07 paginação: 1 de 21 Elaborado: Hildenete Monteiro Fortes Assinatura: Data da Elaboração: 08.06.2004 Aprovado

Leia mais

INUMO-HEMATOLOGIA DOADOR E RECEPTOR VITÓRIA 2014

INUMO-HEMATOLOGIA DOADOR E RECEPTOR VITÓRIA 2014 INUMO-HEMATOLOGIA DOADOR E RECEPTOR VITÓRIA 2014 Imuno-Hematologia Conceito: é o estudo relacionado com imunologia de grupos sanguíneos presentes nas hemácias, e imunologia de plaquetas e leucócitos. É

Leia mais

ANTI HUMANO. Anti IgG Anti C 3 d Poliespecífico

ANTI HUMANO. Anti IgG Anti C 3 d Poliespecífico ANTI HUMANO Anti IgG Anti C 3 d Poliespecífico PROTHEMO Produtos Hemoterápicos Ltda. PARA TESTES EM LÂMINA OU TUBO SOMENTE PARA USO DIAGNÓSTICO IN VITRO Conservar entre: 2º e 8ºC Não congelar Conservante:

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR.

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. XV Jornada Interiorana de Hematologia e Hemoterapia II Encontro Interiorano de Enfermagem em Hemoterapia e Hemovigilância TESTES PRÉ

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO PREPARAO DE HEMOCOMPONENTES ESPECIAIS

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO PREPARAO DE HEMOCOMPONENTES ESPECIAIS PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO PREPARAO DE HEMOCOMPONENTES ESPECIAIS Versão atual: 05 Código: PHEsp-03 Paginação: 1 de 11 Elaborado: Hildenete Monteiro Fortes Assinatura: Data da Elaboração: 05/06/04

Leia mais

ANTI IgG (Soro de Coombs)

ANTI IgG (Soro de Coombs) ANTI IgG (Soro de Coombs) Soro Anti Gamaglobulinas Humanas PROTHEMO Produtos Hemoterápicos Ltda. PARA TESTES EM LÂMINA OU TUBO SOMENTE PARA USO DIAGNÓSTICO IN VITRO Conservar entre: 2º e 8ºC Não congelar

Leia mais

A amostra e a requisição transfusional: o primeiro passo antes de inicar os testes imunohematológicos de uma rotina transfusional...

A amostra e a requisição transfusional: o primeiro passo antes de inicar os testes imunohematológicos de uma rotina transfusional... HEMOCENTRO DE CAMPINAS Serviço de Transfusão do Laboratório de Compatibilidade 2010 A amostra e a requisição transfusional: o primeiro passo antes de inicar os testes imunohematológicos de uma rotina transfusional...

Leia mais

Questionário - Proficiência Clínica

Questionário - Proficiência Clínica Tema Elaboradora TESTE DE ANTIGLOBULINA E SUA APLICAÇÃO EM LABORATÓRIOS Margarida de Oliveira Pinho, Bióloga, Responsável pelo Setor de Imunohematologia e Coordenação da equipe técnica do Serviço de Hemoterapia

Leia mais

TÉCNICA EM LABORATÓRIO/HEMOTERAPIA

TÉCNICA EM LABORATÓRIO/HEMOTERAPIA UFF UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CCM CENTRO DE CIÊNCIAS MÉDICAS HUAP HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTONIO PEDRO TÉCNICA EM LABORATÓRIO/HEMOTERAPIA Parte I: Múltipla Escolha 01 Quanto à classificação do grupo

Leia mais

ALBUMINA BOVINA 22% PROTHEMO. Produtos Hemoterápicos Ltda. PARA TESTES EM LÂMINA OU TUBO SOMENTE PARA USO DIAGNÓSTICO IN VITRO

ALBUMINA BOVINA 22% PROTHEMO. Produtos Hemoterápicos Ltda. PARA TESTES EM LÂMINA OU TUBO SOMENTE PARA USO DIAGNÓSTICO IN VITRO ALBUMINA BOVINA 22% PROTHEMO Produtos Hemoterápicos Ltda. PARA TESTES EM LÂMINA OU TUBO SOMENTE PARA USO DIAGNÓSTICO IN VITRO Conservar entre: 2º e 8ºC Não congelar Conservante: Azida de Sódio 0,1 % Responsável

Leia mais

Curso Básico de Inspeção em Boas Práticas do Ciclo do Sangue Agência Transfusional

Curso Básico de Inspeção em Boas Práticas do Ciclo do Sangue Agência Transfusional Curso Básico de Inspeção em Boas Práticas do Ciclo do Sangue Gerência de Sangue, outros Tecidos, Células e Órgãos/GSTCO/GGPBS/Anvisa Christiane da Silva Costa Especialista em Regulação e Vigilância Sanitária

Leia mais

Questionário - Proficiência Clínica

Questionário - Proficiência Clínica Tema Elaboradora Texto Introdutório TESTES IMUNO-HEMATOLÓGICOS E TRANSFUSÃO EM ANEMIA HEMOLÍTICA AUTO-IMUNE A FRIO Margarida de Oliveira Pinho. Bióloga, Responsável pelo Laboratório de Imunohematologia

Leia mais

ANTI D IgM +IgG Monoclonal (Humano)

ANTI D IgM +IgG Monoclonal (Humano) ANTI D IgM +IgG Monoclonal (Humano) PROTHEMO Produtos Hemoterápicos Ltda. Reagente para classificação do fator Rh PARA TESTES EM LÂMINA OU TUBO Somente para Uso Diagnóstico IN VITRO Conservar entre: 2-8

Leia mais

ANTI-A ANTI-B ANTI-AB

ANTI-A ANTI-B ANTI-AB ANTI-A ANTI-B ANTI-AB Monoclonal Murino IgM PROTHEMO Produtos Hemoterápicos Ltda. Reagentes para classificação do sistema sangüíneo ABO PARA TESTES EM LÂMINA OU TUBO Somente para Uso Diagnóstico IN VITRO

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO SOLICITAÇÃO DE TRANSFUSÃO: ROTINA E EMERGÊNCIA

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO SOLICITAÇÃO DE TRANSFUSÃO: ROTINA E EMERGÊNCIA PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO SOLICITAÇÃO DE TRANSFUSÃO: ROTINA E EMERGÊNCIA Versão: 06 Código: STROEM 02 Paginação: 1 de 36 Elaborado: Hildenete Monteiro Fortes Assinatura: Aprovado e liberado por:

Leia mais

Testes pré-transfusionais. Profa. Alessandra Barone Prof. Archangelo Fernandes www.profbio.com.br

Testes pré-transfusionais. Profa. Alessandra Barone Prof. Archangelo Fernandes www.profbio.com.br Testes pré-transfusionais Profa. Alessandra Barone Prof. Archangelo Fernandes www.profbio.com.br Imunohematologia Antígenos eritrocitários Importância do estudo dos antígenos Incompatibilidades transfusionais

Leia mais

A finalidade do referido método é determinar a classificação sanguínea do paciente quanto aos sistemas ABO e Rh.

A finalidade do referido método é determinar a classificação sanguínea do paciente quanto aos sistemas ABO e Rh. 1/7 1. INTRODUÇÃO / FINALIDADE DO MÉTODO A finalidade do referido método é determinar a classificação sanguínea do paciente quanto aos sistemas ABO e Rh. 2. NOME DO TESTE E SINONÍMIAS Grupo Sanguíneo,

Leia mais

GRUPO SANGUÍNEO e FATOR RH, RH e GRUPO. Mnemônico: GSF

GRUPO SANGUÍNEO e FATOR RH, RH e GRUPO. Mnemônico: GSF POP n.º: B93 Página 1 de 7 1. Sinonímia: GRUPO SANGUÍNEO e FATOR RH, RH e GRUPO. Mnemônico: GSF 2. Aplicabilidade: Bioquímicos do setor de bioquímica do LAC-HNSC. 3. Aplicação clínica: Determinação do

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO HEMOVIGILÂNCIA Responsáveis: Enfª Cledes Moreira Enfª Danielli S. Barbosa Enfª Luciana Paiva VAMOS TRABALHAR HOJE Os cuidados na instalação de sangue e hemocomponentes.

Leia mais

Imuno-hematologia Exames de qualificação de doadores de sangue

Imuno-hematologia Exames de qualificação de doadores de sangue MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO ESPECIALIZADA COORDENAÇÃO GERAL DE SANGUE E HEMODERIVADOS Exames de qualificação de doadores de sangue Ana Paula R. Diniz Zanelli

Leia mais

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL FÊMINA LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS SETOR DE BIOQUÍMICA TIPAGEM ABO/Rh EM GEL CENTRIFUGAÇÃO

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL FÊMINA LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS SETOR DE BIOQUÍMICA TIPAGEM ABO/Rh EM GEL CENTRIFUGAÇÃO 1. Sinonímia: POP n.º: B21 Página 1 de 12 GRUPO SANGÜÍNEO e FATOR RH, RH e GRUPO. Mnemônico: AB 2. Aplicabilidade: Bioquímicos do setor de bioquímica do LAC-HF. 3. Aplicação clínica: Determinação do grupo

Leia mais

BANCO DE SANGUE PAULISTA PROCEDIMENTO OPERACIONAL PREPARO DE TRANSFUSÕES E LIBERAÇÃO DE HEMOCOMPONENTES PARA TRANSFUSÃO

BANCO DE SANGUE PAULISTA PROCEDIMENTO OPERACIONAL PREPARO DE TRANSFUSÕES E LIBERAÇÃO DE HEMOCOMPONENTES PARA TRANSFUSÃO Pagina 1 de 30 1. OBJETIVO Assegurar o procedimento de liberação e transfusão sangüínea. 2. APLICAÇÃO Receptores (Pacientes). 3. RESPONSABILIDADES Médicos Supervisora Técnica Coordenador de Imunohematologia

Leia mais

GUIA PARA INSPEÇÃO EM SERVIÇOS DE HEMOTERAPIA MÓDULO V AGÊNCIA TRANSFUSIONAL, TERAPIA TRANSFUSIONAL E OUTROS PROCEDIMENTOS TERAPÊUTICOS

GUIA PARA INSPEÇÃO EM SERVIÇOS DE HEMOTERAPIA MÓDULO V AGÊNCIA TRANSFUSIONAL, TERAPIA TRANSFUSIONAL E OUTROS PROCEDIMENTOS TERAPÊUTICOS MÓDULO V AGÊNCIA TRANSFUSIONAL, TERAPIA TRANSFUSIONAL E OUTROS PROCEDIMENTOS TERAPÊUTICOS Nome do responsável: Formação profissional: Registro no conselho de classe: Contato: 1. Atividades avaliadas Nível

Leia mais

Rotina da Agência Transfusional. Mara Martins Bióloga HCI / INCA

Rotina da Agência Transfusional. Mara Martins Bióloga HCI / INCA Rotina da Agência Transfusional Mara Martins Bióloga HCI / INCA O ato transfusional é um delicado processo na assistência a saúde. No INCA são realizadas cirurgias de grande porte e também grande número

Leia mais

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS POP n.º: I 29 Página 1 de 5 1. Sinonímia Pesquisa de anticorpos frios. 2. Aplicabilidade Bioquímicos e auxiliares de laboratório do setor de Imunologia. 3. Aplicação clínica As Crioaglutininas são anticorpos

Leia mais

DETERMINAÇÃO DOS GRUPOS SANGÜÍNEOS ABO

DETERMINAÇÃO DOS GRUPOS SANGÜÍNEOS ABO DETERMINAÇÃO DOS GRUPOS SANGÜÍNEOS ABO INTRODUÇÃO Foi no início do século XX que a transfusão de sangue, adquiriu bases mais científicas. Em 1900 foram descritos os grupos sanguíneos A, B e O por Landsteiner

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO TRANSFUSÃO SANGUÍNEA

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO TRANSFUSÃO SANGUÍNEA PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO TRANSFUSÃO SANGUÍNEA Versão atual: 05 código: Transang - 04 Paginação: 1 de 18 Elaborado: Hildenete Monteiro Fortes Assinatura: Data da Elaboração: 13/05/03 Aprovado e liberado

Leia mais

ScanGel ScanBrom 86445 12 ml

ScanGel ScanBrom 86445 12 ml ScanGel ScanBrom 86445 12 ml BROMELINA PARA TESTE DE COMPATIBILIDADE IVD Todos os produtos fabricados e comercializados pela empresa Bio-Rad são submetidos a um sistema de garantia de qualidade, desde

Leia mais

GUIA PARA INSPEÇÃO EM SERVIÇOS DE HEMOTERAPIA MÓDULO IV PROCESSAMENTO, ARMAZENAMENTO E DISTRIBUIÇÃO

GUIA PARA INSPEÇÃO EM SERVIÇOS DE HEMOTERAPIA MÓDULO IV PROCESSAMENTO, ARMAZENAMENTO E DISTRIBUIÇÃO MÓDULO IV PROCESSAMENTO, ARMAZENAMENTO E DISTRIBUIÇÃO PROCESSAMENTO Nome do responsável: Formação profissional: Registro no conselho de classe: Contato: 1. Recursos Humanos Nível Sim Não NA 1.1. RH qualificado/capacitado

Leia mais

Aos bioquímicos, técnicos de laboratório e estagiários do setor de imunologia.

Aos bioquímicos, técnicos de laboratório e estagiários do setor de imunologia. POP-I 67 Página 1 de 5 1. Sinonímia Teste rápido Anti-½ - OraQuick ADVANCE 2. Aplicabilidade Aos bioquímicos, técnicos de laboratório e estagiários do setor de imunologia. 3. Aplicação clínica O ensaio

Leia mais

HEMOCENTRO DE RIBEIRÃO PRETO CONTROLE DE QUALIDADE INTERNO DE REAGENTES VISÃO DO CLIENTE

HEMOCENTRO DE RIBEIRÃO PRETO CONTROLE DE QUALIDADE INTERNO DE REAGENTES VISÃO DO CLIENTE HEMOCENTRO DE RIBEIRÃO PRETO CONTROLE DE QUALIDADE INTERNO DE REAGENTES VISÃO DO CLIENTE Rodrigo Spessotto Morais Toledo Qual a importância do controle da qualidade dos reagentes imunohematológicos? O

Leia mais

XV JORNADA INTERIORANA DE HEMATOLOGIA E HEMOTERAPIA II ENCONTRO INTERIORANO DE ENFERMAGEM EM HEMOTERAPIA E HEMOVIGILÂNCIA CICLO DO SANGUE DRA LUCIANA

XV JORNADA INTERIORANA DE HEMATOLOGIA E HEMOTERAPIA II ENCONTRO INTERIORANO DE ENFERMAGEM EM HEMOTERAPIA E HEMOVIGILÂNCIA CICLO DO SANGUE DRA LUCIANA XV JORNADA INTERIORANA DE HEMATOLOGIA E HEMOTERAPIA II ENCONTRO INTERIORANO DE ENFERMAGEM EM HEMOTERAPIA E HEMOVIGILÂNCIA CICLO DO SANGUE DRA LUCIANA PREMISSAS A transfusão sanguínea é uma terapêutica

Leia mais

Questionário - Proficiência Clínica

Questionário - Proficiência Clínica Tema Elaboradora SISTEMA ABO E DISCREPÂNCIAS NA CLASSIFICAÇÃO DIRETA E REVERSA Margarida de Oliveira Pinho, Bióloga, Responsável pelo Setor de Imunohematologia e Coordenação da equipe técnica do Serviço

Leia mais

Aos bioquímicos, técnicos de laboratório e estagiários do setor de imunologia e hematologia.

Aos bioquímicos, técnicos de laboratório e estagiários do setor de imunologia e hematologia. POP n.º: I70 Página 1 de 5 1. Sinonímia Teste rápido Anti-, VIKIA Biomeriéux. 2. Aplicabilidade Aos bioquímicos, técnicos de laboratório e estagiários do setor de imunologia e hematologia. 3. Aplicação

Leia mais

BANCO DE SANGUE PAULISTA PROCEDIMENTO OPERACIONAL INSTALAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DA TRANSFUSÃO E REAÇÕES ADVERSAS

BANCO DE SANGUE PAULISTA PROCEDIMENTO OPERACIONAL INSTALAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DA TRANSFUSÃO E REAÇÕES ADVERSAS Pagina 1 de 20 1. OBJETIVO Assegurar todo o procedimento de transfusão sanguínea. 2. APLICAÇÃO Receptores (Pacientes). 3. RESPONSABILIDADES Médicos Supervisora Técnica Coordenador de Imunohematologia (

Leia mais

Temporalidade dos Documentos (Para Aprovação)

Temporalidade dos Documentos (Para Aprovação) Temporalidade dos s (Para Aprovação) Pág. 001 / 028 80 HU (HOSPITAL UNIVERSITÁRIO) C.Custo: 30600 DIVISÃO DE HEMOCENTRO (HEMO) 1 ORDENAMENTO LEGAL Subfunção: 2 LEGISLAÇÃO Normas e Instruções (78) Leis

Leia mais

Elaborado por: Karina Salvador Revisado por: Hilda Helena Wolff Aprovado por: Andréa Cauduro

Elaborado por: Karina Salvador Revisado por: Hilda Helena Wolff Aprovado por: Andréa Cauduro ANTI- 1 Manual CAMBRIDGE BIOTECH -1 POP: BM 05 Página 1 de 7 1. Sinonímia ANTI, TESTE CONFIRMATÓRIO. 2. Aplicabilidade Aos bioquímicos e técnicos do setor de imunologia. 3. Aplicação clínica Os testes

Leia mais

Requisição incompleta, inadequada ou ilegível não será aceita pelo Serviço de Hemoterapia

Requisição incompleta, inadequada ou ilegível não será aceita pelo Serviço de Hemoterapia 1 1 - REQUISIÇÃO DE HEMOCOMPONENTES A enfermagem deve checar se a requisição de transfusão (MA5-036) foi preenchida corretamente, em duas ou mais vias, com os seguintes itens: - Nome completo do paciente

Leia mais

ScanGel ABO Complete/RH/K Duo 86719 2 x 24 cards 86709 2 x 144 cards Cards ScanGel ABO Complete/RH1 Duo e ScanGel Monoclonal RH/K Phenotypes Duo

ScanGel ABO Complete/RH/K Duo 86719 2 x 24 cards 86709 2 x 144 cards Cards ScanGel ABO Complete/RH1 Duo e ScanGel Monoclonal RH/K Phenotypes Duo ScanGel ABO Complete/RH/K Duo 86719 2 x 24 cards 86709 2 x 144 cards Cards ScanGel ABO Complete/RH1 Duo e ScanGel Monoclonal RH/K Phenotypes Duo GEL FORMULADO COM REAGENTES MONOCLONAIS DE ORIGEM MURINA

Leia mais

BOAS PRÁTICAS DE ENFERMAGEM NA INSTALAÇÃO DA TRANSFUSÃO

BOAS PRÁTICAS DE ENFERMAGEM NA INSTALAÇÃO DA TRANSFUSÃO BOAS PRÁTICAS DE ENFERMAGEM NA INSTALAÇÃO DA TRANSFUSÃO Jaciane Vargas de Freitas Silva Enfermeira RT Serviço de Enfermagem do Ambulatório do HBH Fundação Hemominas BOA PRÁTICA TRANSFUSIONAL Aplicação

Leia mais

a) do Serviço de Hemoterapia para a Vigilância Sanitária Municipal, até o 10º dia útil subsequente ao mês/período informado;

a) do Serviço de Hemoterapia para a Vigilância Sanitária Municipal, até o 10º dia útil subsequente ao mês/período informado; Republicada no D.O. de 22/8/01 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso da atribuição que lhe confere o art. 11, inciso IV, do Regulamento da ANVISA, aprovado pelo Decreto

Leia mais

Curso Básico de inspeção em Serviços de Hemoterapia Vitória Espirito Santo 13 a 17 de outubro de 2014

Curso Básico de inspeção em Serviços de Hemoterapia Vitória Espirito Santo 13 a 17 de outubro de 2014 Curso Básico de inspeção em Serviços de Hemoterapia Vitória Espirito Santo 13 a 17 de outubro de 2014 Gerência de Processamento e Distribuição de Hemocomponentes Fundação Hemocentro de Brasília Processamento

Leia mais

ÁREA/ESPECIALIDADE: TÉCNICO EM LABORATÓRIO / HEMOTERAPIA

ÁREA/ESPECIALIDADE: TÉCNICO EM LABORATÓRIO / HEMOTERAPIA UFF UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CCM CENTRO DE CIÊNCIAS MÉDICAS HUAP HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTONIO PEDRO PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO ÁREA/ESPECIALIDADE: TÉCNICO EM LABORATÓRIO / HEMOTERAPIA 258

Leia mais

Grupo Hospitalar Conceição Hospital Cristo Redentor. Rotina de Enfermagem na Hemotransfusão. Enfermeira Claudete Carmen Girotto Sartori

Grupo Hospitalar Conceição Hospital Cristo Redentor. Rotina de Enfermagem na Hemotransfusão. Enfermeira Claudete Carmen Girotto Sartori Grupo Hospitalar Conceição Hospital Cristo Redentor Rotina de Enfermagem na Hemotransfusão Enfermeira Claudete Carmen Girotto Sartori Rotina de Enfermagem na Hemotransfusão. O processo transfusional contempla

Leia mais

INSTALAÇÃO E CONTROLE DE TRANSFUSÃO DE HEMOCOMPONENTE Enf a Chefe de Enfermagem do Serviço de Hemoterapia: Gilce Erbe de

INSTALAÇÃO E CONTROLE DE TRANSFUSÃO DE HEMOCOMPONENTE Enf a Chefe de Enfermagem do Serviço de Hemoterapia: Gilce Erbe de Revisão: 00 PÁG: 1 CONCEITO Instalação e administração de concentrado de hemácias, plaquetas ou plasma fresco congelado. FINALIDADE Estabelecer a rotina para instalação e controle da transfusão de hemocomponentes

Leia mais

Resolução Estadual nº 05, de 1988

Resolução Estadual nº 05, de 1988 Resolução Estadual nº 05, de 1988 ASSUNTO: Aprovação da Norma Técnica Especial (NTE) relativa ao Controle de Transfusão de Sangue em Estabelecimentos Hospitalares e Afins. DATA DE ENTRADA EM VIGOR: REVOGAÇÃO:

Leia mais

HEMOTERAPIA. Segurança do Sangue. Escolha da população de doadores Triagem clínica Triagem sorológica Uso adequado dos componentes

HEMOTERAPIA. Segurança do Sangue. Escolha da população de doadores Triagem clínica Triagem sorológica Uso adequado dos componentes Segurança do Sangue Escolha da população de doadores Triagem clínica Triagem sorológica Uso adequado dos componentes Escolha dos Doadores Voluntários Baixa prevalência de doenças Doadores de repetição

Leia mais

Texto: Discrepâncias na fenotipagem ABO AUTORAS Ana Lúcia Girello Telma Ingrid Borges de Bellis Kühn

Texto: Discrepâncias na fenotipagem ABO AUTORAS Ana Lúcia Girello Telma Ingrid Borges de Bellis Kühn Texto: Discrepâncias na fenotipagem ABO AUTORAS Ana Lúcia Girello Telma Ingrid Borges de Bellis Kühn 1 Discrepâncias na fenotipagem ABO Introdução Quando realizamos a fenotipagem ABO dos indivíduos utilizamos

Leia mais

Investigação sorológica de autoanticorpos frios e quentes. Shirley Castilho Instituto Estadual de Hematologia Arthur Siqueira Cavalcanti HEMORIO

Investigação sorológica de autoanticorpos frios e quentes. Shirley Castilho Instituto Estadual de Hematologia Arthur Siqueira Cavalcanti HEMORIO Investigação sorológica de autoanticorpos frios e quentes Shirley Castilho Instituto Estadual de Hematologia Arthur Siqueira Cavalcanti HEMORIO Definição: Autoanticorpos eritrocitarios São imunoglobulinas

Leia mais

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica NORMAS GERAIS PARA USO DO LABORATÓRIO DIDÁTICO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS CÂMPUS GOVERNADOR

Leia mais

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS POP n.º: I 36 Página 1 de 7 1. Sinonímia Planoteste, Teste de gravidez, Beta-hCG na urina. 2. Aplicabilidade Bioquímicos, auxiliares e estagiários do setor de imunologia. 3. Aplicação clínica O hcg teste

Leia mais

Nestes 30 anos, crescemos, amadurecemos e compreendemos nosso papel na sociedade.

Nestes 30 anos, crescemos, amadurecemos e compreendemos nosso papel na sociedade. Nestes 30 anos, crescemos, amadurecemos e compreendemos nosso papel na sociedade. Auditoria em Hemoterapia Experiências vivenciadas BREVE HISTÓRICO TRANSFUSÃO SANGUÍNEA HEMOCOMPONENTES HEMODERIVADOS TRANSFUSÃO

Leia mais

Prevalência da distribuição do Sistema ABO entre doadores de sangue do Hemocentro Regional de Jataí-Goiás.

Prevalência da distribuição do Sistema ABO entre doadores de sangue do Hemocentro Regional de Jataí-Goiás. Prevalência da distribuição do Sistema ABO entre doadores de sangue do Hemocentro Regional de Jataí-Goiás. Ricardo Alli Benegas Resumo Introdução: Foi no século XX que a transfusão de sangue, adquiriu

Leia mais

Hemocentro do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Botucatu UNESP. Elenice Deffune www.hemocentro.fmb.unesp.br

Hemocentro do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Botucatu UNESP. Elenice Deffune www.hemocentro.fmb.unesp.br Hemocentro do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Botucatu UNESP. Elenice Deffune www.hemocentro.fmb.unesp.br ÁREA DE ABRANGÊNCIA Atendimento Direto: 31 municípios; Referência para HIV: CD4/8:

Leia mais

BANCO DE SANGUE PAULISTA PROCEDIMENTO OPERACIONAL RECEBIMENTO DE SOLICITAÇÕES PARA A TRANSFUSÃO DE HEMOCOMPONENTES

BANCO DE SANGUE PAULISTA PROCEDIMENTO OPERACIONAL RECEBIMENTO DE SOLICITAÇÕES PARA A TRANSFUSÃO DE HEMOCOMPONENTES Pagina 1 de 17 1. OBJETIVO Atender com eficácia as solicitações realizadas pelo corpo clínico dos hospitais. 2. APLICAÇÃO Receptores (pacientes). 3. RESPONSABILIDADES Médicos Supervisora Técnica Coordenador

Leia mais

ROTEIRO DE INSPEÇÃO SANITÁRIO PARA AUTORIZAÇÃO DE TRANSPORTE INTERESTADUAL DE SANGUE E COMPONENTES

ROTEIRO DE INSPEÇÃO SANITÁRIO PARA AUTORIZAÇÃO DE TRANSPORTE INTERESTADUAL DE SANGUE E COMPONENTES ROTEIRO DE INSPEÇÃO SANITÁRIO PARA AUTORIZAÇÃO DE TRANSPORTE INTERESTADUAL DE SANGUE E COMPONENTES Período da Inspeção: / / a / / Tipo de serviço REMETENTE: ( ) HC ( ) HR ( ) NH ( ) UC fixa ( ) UC móvel

Leia mais

GUIA PARA INSPEÇÃO EM SERVIÇOS DE HEMOTERAPIA MÓDULO I INFORMAÇOES GERAIS. ( ) HC ( ) HR ( ) NH ( ) UC fixa ( ) UC móvel ( ) UCT ( ) CTLD ( ) AT

GUIA PARA INSPEÇÃO EM SERVIÇOS DE HEMOTERAPIA MÓDULO I INFORMAÇOES GERAIS. ( ) HC ( ) HR ( ) NH ( ) UC fixa ( ) UC móvel ( ) UCT ( ) CTLD ( ) AT MÓDULO I ORMAÇOES GERAIS Período da Inspeção: / / a / / Tipo de serviço: ( ) HC ( ) HR ( ) NH ( ) UC fixa ( ) UC móvel ( ) UCT ( ) CTLD ( ) AT Objetivo da Inspeção: Inspeção ( )Licença Inicial Reinspeção

Leia mais

PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO/2014

PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO/2014 UFF UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE HUAP HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTONIO PEDRO PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO/2014 Edital n o 044/2014 Especialidade: TÉCNICO EM LABORATÓRIO/HEMOTERAPIA 258 INSTRUÇÕES AO

Leia mais

VIII Simposio Hemominas de Transfusão Sanguinea

VIII Simposio Hemominas de Transfusão Sanguinea VIII Simposio Hemominas de Transfusão Sanguinea Transfusão de Hemocomponentes Especiais Belo Horizonte Abril 2015 Ricardo Olivo Hemocentro Regional de Uberaba Hemocomponentes Especiais São hemocomponentes

Leia mais

A HISTÓRIA DA TRANSFUSÃO SANGÜÍNEA (Enfoque Imunohematológico) SANGUE Purificação da alma- Egito antigo

A HISTÓRIA DA TRANSFUSÃO SANGÜÍNEA (Enfoque Imunohematológico) SANGUE Purificação da alma- Egito antigo A HISTÓRIA DA TRANSFUSÃO SANGÜÍNEA (Enfoque Imunohematológico) SANGUE Purificação da alma- Egito antigo Rejuvenescedor, espirituais. Transmissor de características 1492- Papa Inocêncio VIII, em Roma. 1615-Andréas

Leia mais

ANTÍGENO OU AGLUTINOGÊNIO (nas hemácias)

ANTÍGENO OU AGLUTINOGÊNIO (nas hemácias) HERANÇA DOS GRUPOS SANGÜÍNEOS NA ESPÉCIE HUMANA SISTEMA ABO É um caso de polialelia porque existem três alelos envolvidos (I A, I B, i); O alelo I A determina a produção do antígeno ou aglutinogênio A

Leia mais

PARECER COREN-SP GAB n 010/2011 PRCI 107.590 Revisão e atualização em 2014

PARECER COREN-SP GAB n 010/2011 PRCI 107.590 Revisão e atualização em 2014 PARECER COREN-SP GAB n 010/2011 PRCI 107.590 Revisão e atualização em 2014 Ementa: Realização de testes prétransfusionais por profissionais de Enfermagem. 1. Do fato Enfermagem. Solicitado parecer sobre

Leia mais

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS 1. Sinonímia VIDAS DUO 2. Aplicabilidade Aos bioquímicos do setor de imunologia. 3. Aplicação clínica POP n.º: I 56 Página 1 de 7 O vírus da imunodeficiência humana () é um retrovírus RNA, transmitido

Leia mais

UTILIDADE E APLICAÇÕES DA GENOTIPAGEM ERITROCITÁRIA NA TRANSFUSÃO: A EXPERIÊNCIA DA FUNDAÇÃO HEMOMINAS. Maria Clara Fernandes da Silva Malta

UTILIDADE E APLICAÇÕES DA GENOTIPAGEM ERITROCITÁRIA NA TRANSFUSÃO: A EXPERIÊNCIA DA FUNDAÇÃO HEMOMINAS. Maria Clara Fernandes da Silva Malta UTILIDADE E APLICAÇÕES DA GENOTIPAGEM ERITROCITÁRIA NA TRANSFUSÃO: A EXPERIÊNCIA DA FUNDAÇÃO HEMOMINAS Maria Clara Fernandes da Silva Malta Antígenos de grupos sanguíneos eritrocitários Carboidratos ou

Leia mais

FMB MANUAL DE TRANSFUSÃ PARA ENFERMAGEM

FMB MANUAL DE TRANSFUSÃ PARA ENFERMAGEM HC FMB MANUAL DE TRANSFUSÃ PARA ENFERMAGEM Patrícia Carvalho Garcia Pedro Bonequini Júnior Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Botucatu Botucatu 2015 Agência Transfusional Tel.: (14) 3811-6041

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE AGÊNCIA TRANSFUSIONAL

MANUAL DA QUALIDADE AGÊNCIA TRANSFUSIONAL MANUAL DA QUALIDADE AGÊNCIA TRANSFUSIONAL Versão: 03 Código: MQAT 01 paginação: 1 de 19 Elaborado: Hildenete Monteiro Fortes Assinatura: Data da Elaboração: 27/08/2007 Aprovado e liberado por: Hildenete

Leia mais

(nome da Unidade de Saúde), com sede na

(nome da Unidade de Saúde), com sede na TERMO DE COMPROMISSO que entre si celebram o Estado do Rio de Janeiro, por meio da Secretaria de Estado de Saúde, neste ato representada pela Dra. Simone Silva da Silveira, Diretora Geral do Instituto

Leia mais

Aula 14 Sistema ABO. Grupo sangüíneo (fenótipo) Aglutinogênio (hemácias) Aglutinina (soro) Anti - B. Anti - A. A e B.

Aula 14 Sistema ABO. Grupo sangüíneo (fenótipo) Aglutinogênio (hemácias) Aglutinina (soro) Anti - B. Anti - A. A e B. Aula 14 Sistema ABO A transfusão de sangue incompatível pode provocar queda de pressão, escurecimento da visão, desmaio e até a morte. Esses efeitos são devidos a uma reação de aglutinação, ou seja reunião

Leia mais

Produção, Armazenamento e Procedimentos de Hemocomponentes

Produção, Armazenamento e Procedimentos de Hemocomponentes Produção, Armazenamento e Procedimentos de Hemocomponentes Keicia Moreira Pinto Instituto Nacional do Câncer Hospital do Câncer I Serviço de Hemoterapia Setor de Fracionamento e Expedição de Hemocomponentes

Leia mais

MÓDULO II- Referenciado

MÓDULO II- Referenciado MÓDULO - Referenciado CAPTAÇÃO, RECEPÇÃO/REGSTRO, TRAGEM CLÍNCA E COLETA 1. Captação de Doadores 1.1. Recursos Humanos Nível Sim Não 1.1.1. Pessoal qualificado/capacitado. (RDC 34/, Art. 19) 1.1.2. Supervisão

Leia mais

HEMOCENTRO RP MANUAL PARA UNIDADES ASSOCIADAS ÍNDICE

HEMOCENTRO RP MANUAL PARA UNIDADES ASSOCIADAS ÍNDICE HEMOCENTRO RP ÍNDICE MUA - 001 REV.: 11 P: 1/ 47 *6 *10 *11 TÍTULO PAG Introdução 02 I- Instalações Físicas e Equipamentos 04 II- Contrato e Documentos Necessários 07 III- Licença de Funcionamento e Responsabilidades

Leia mais

Hospital São Paulo SPDM Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina Hospital Universitário da UNIFESP

Hospital São Paulo SPDM Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina Hospital Universitário da UNIFESP Página: 1/6 SUMÁRIO 1.OBJETIVO: Fazer a reposição de sangue e/ou componentes sanguíneos conforme a necessidade terapêutica dos pacientes. 2.APLICAÇÃO: Aos pacientes internados e ambulatoriais com prescrição

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 004 CAGV/IFMG/SETEC/MEC DE 30 DE ABRIL DE 2014.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 004 CAGV/IFMG/SETEC/MEC DE 30 DE ABRIL DE 2014. SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS CAMPUS GOVERNADOR VALADARES CONSELHO ACADÊMICO Av. Minas Gerais, 5.189 - Bairro Ouro

Leia mais

Como diagnosticar e notificar uma reação transfusional

Como diagnosticar e notificar uma reação transfusional www.anvisa.gov.br Como diagnosticar e notificar uma reação transfusional II Encontro Goiano de Gerenciamento de Risco 1 a 3 de outubro de 2012 Termos e Palavras-chave Hemoterapia Uso Racional do sangue

Leia mais

1. INTRODUÇÃO / FINALIDADE DO MÉTODO

1. INTRODUÇÃO / FINALIDADE DO MÉTODO 1/6 1. INTRODUÇÃO / FINALIDADE DO MÉTODO A sífilis é uma doença venérea causada pelo Treponema pallidum, que possui a capacidade de invadir as mucosas inatas ou a pele em áreas de abrasão. O contato sexual

Leia mais

FENOTIPAGENS ABO e RhD

FENOTIPAGENS ABO e RhD FENOTIPAGENS ABO e RhD DISCREPÂNCIAS Maria do Carmo Valgueiro Costa de Oliveira FUNDAÇÃO HEMOPE Substância precursora GLc GAL GLcNAc GAL Gene H 2α-L-fucosil-transferase Fuc Antígeno H GLc GAL GLcNAc GAL

Leia mais

IMUNO HEMATOLOGIA RECOMENDAÇÕES. www.ipsangue.org IMUNO - HEMATOLOGIA RECOMENDAÇÕES

IMUNO HEMATOLOGIA RECOMENDAÇÕES. www.ipsangue.org IMUNO - HEMATOLOGIA RECOMENDAÇÕES IMUNO - HEMATOLOGIA RECOMENDAÇÕES IMUNO HEMATOLOGIA RECOMENDAÇÕES www.ipsangue.org IMUNO-HEMATOLOGIA Recomendações 2.ª Edição 2008 1 ESTAS RECOMENDAÇÕES, QUE ACTUALIZAM AS PUBLICADAS EM 1997, FORAM ELABORADAS

Leia mais

Elaborado por: Antônio do Amaral Batista Revisado por: Lilia Maria Razzolini Aprovado por: Andréa Cauduro de Castro

Elaborado por: Antônio do Amaral Batista Revisado por: Lilia Maria Razzolini Aprovado por: Andréa Cauduro de Castro POPE: B04 Página 1 de 7 1. Identificação do equipamento: 1.1 Nome: Analisador para eletroforese capilar automatizada. 1.2 Modelo: Capillarys Flex Piercing / SEBIA. 1.3 Número de série: Equipamento 5: SN

Leia mais

BANCO DE SANGUE COLETA E TESTES SOROLÓGICOS

BANCO DE SANGUE COLETA E TESTES SOROLÓGICOS BANCO DE SANGUE COLETA E TESTES SOROLÓGICOS Resolução da Diretoria Colegiada RDC no 57, de 16 de dezembro de 2010. Determina o Regulamento Sanitário para Serviços que desenvolvem atividades relacionadas

Leia mais

O PAPEL DO ENFERMEIRO NO COMITÊ TRANSFUSIONAL

O PAPEL DO ENFERMEIRO NO COMITÊ TRANSFUSIONAL O PAPEL DO ENFERMEIRO NO COMITÊ TRANSFUSIONAL HEMOCENTRO DE BELO HORIZONTE 2015 TRANFUSÃO SANGUÍNEA BREVE RELATO Atualmente a transfusão de sangue é parte importante da assistência à saúde. A terapia transfusional

Leia mais

Cuidados e indicações atuais

Cuidados e indicações atuais Hemotransfusão em Pediatria Cuidados e indicações atuais Priscila Cezarino Rodrigues Pediatra Hematologista e Hemoterapeuta Fundação Hemominas Grupo de Hematologia Pediátrica do HC UFMG Belo Horizonte

Leia mais

Hemovida. Agência Transfusional Visão Geral. Versão do produto: 2.0.7. Edição do documento: 1.0 Fevereiro de 2007 MS DATASUS

Hemovida. Agência Transfusional Visão Geral. Versão do produto: 2.0.7. Edição do documento: 1.0 Fevereiro de 2007 MS DATASUS Hemovida Agência Transfusional Visão Geral Versão do produto: 2.0.7 Edição do documento: 1.0 Fevereiro de 2007 MS DATASUS Hemovida Agência Transfusional Visão Geral Versão do produto: 2.0.7 Edição do documento:

Leia mais

ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM A PACIENTES CRÍTICOS. Profª Enfª Danielle Cristhine Fabian

ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM A PACIENTES CRÍTICOS. Profª Enfª Danielle Cristhine Fabian ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM A PACIENTES CRÍTICOS Profª Enfª Danielle Cristhine Fabian SISTEMA HEMATOLÓGICO ATUAÇÃO DE ENFERMAGEM NO PROCESSO DE DOAÇÃO E TRANSFUSÃO SANGUÍNEA SEMINÁRIO ALUNOS DO 4º SEMESTRE

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Imuno-Hematologia

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Imuno-Hematologia MINISTÉRIO DA SAÚDE Imuno-Hematologia L A B O R AT O R I A L Brasília DF 2014 MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Atenção Hospitalar e de Urgência Imuno Hematologia l a b

Leia mais

CONTRATO Nº 023/2014

CONTRATO Nº 023/2014 CONTRATO Nº 023/2014 CONTRATO QUE ENTRE SI CELEBRAM A FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE SAÚDE DE SANTA ROSA, ATRAVÉS DO HEMOCENTRO DE SANTA ROSA - HEMOSAR E O HOSPITAL OSWALDO CRUZ LTDA. CONTRATADA: FUNDAÇÃO MUNICIPAL

Leia mais

Lista de Genética 2º EM Colégio São José - 2013

Lista de Genética 2º EM Colégio São José - 2013 1. (Fuvest 92) Nos anos 40, o famoso cineasta Charlie ChapIin foi acusado de ser o pai de uma criança, fato que ele não admitia. Os exames de sangue revelaram que a mãe era do grupo A, a criança do grupo

Leia mais

PROTOCOLO DE COLETA DE AMOSTRAS BIOLÓGICAS

PROTOCOLO DE COLETA DE AMOSTRAS BIOLÓGICAS 1 SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DE CONTROLE DE DOENÇAS CENTRO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA PROF. ALEXANDRE VRANJAC DIVISÃO DE DOENÇAS DE TRANSMISSÃO RESPIRATÓRIA INSTITUTO ADOLFO LUTZ PROTOCOLO

Leia mais

Papel do CQ na Validação da Técnica de Produção de Hemocomponentes

Papel do CQ na Validação da Técnica de Produção de Hemocomponentes III Oficina HEMOBRÁS Controle de Qualidade no Serviço de Hemoterapia Papel do CQ na Validação da Técnica de Produção de Hemocomponentes Martha Cristina Dicencia Centro de Hematologia e Hemoterapia da UNICAMP

Leia mais

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS POP n.º: I 22 Página 1 de 5 1. Sinonímia Beta 2 Microglobulina, b2m 2. Aplicabilidade Aos técnicos e bioquímicos do setor de imunologia 3. Aplicação clínica A beta-2-microglobulina é uma proteína presente

Leia mais

Resolução Estadual nº 08, de 11 de março de 1987

Resolução Estadual nº 08, de 11 de março de 1987 Resolução Estadual nº 08, de 11 de março de 1987 O Secretário de Estado da Saúde e do Bem-Estar Social, no uso de suas atribuições conferidas pelos artigos 45, letras A e P da Lei Estadual nº 6636/74,

Leia mais

Teste para Detecção de Anticorpos IgG de Brucella canis em caninos. Biogal

Teste para Detecção de Anticorpos IgG de Brucella canis em caninos. Biogal Teste para Detecção de Anticorpos IgG de Brucella canis em caninos Biogal Proprietário e Fabricante: Biogal Galed Laboratories, Galed, 19240 Israel Tel: 972-4-9898605 / Fax: 972-4-9898690 Representante

Leia mais

Lista de Exercícios GENÉTICA Grupos Sanguíneos Profº Fernando Teixeira fernando@biovestiba.net

Lista de Exercícios GENÉTICA Grupos Sanguíneos Profº Fernando Teixeira fernando@biovestiba.net Lista de Exercícios GENÉTICA Grupos Sanguíneos Profº Fernando Teixeira fernando@biovestiba.net 01 - (MACK SP/2013) b) os candidatos III e IV podem ser excluídos da paternidade. c) o candidato I é o pai

Leia mais

2 Conservação do sangue e hemocomponentes

2 Conservação do sangue e hemocomponentes 2 Conservação do sangue e hemocomponentes Alguns problemas de saúde hematológicos ou hemodinâmicos podem ser tratados utilizando produtos hemoterápicos, como por exemplo, problemas ligados à coagulação,

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Biologia. Imunogenética. Silva Júnior, R L. M.Sc. UCG/BIO

Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Biologia. Imunogenética. Silva Júnior, R L. M.Sc. UCG/BIO Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Biologia Imunogenética Hematopoese Glóbulos brancos (leucócitos) Glóbulos vermelhos (eritrócitos) Plaquetas Tecido hematopoiético Glóbulos brancos

Leia mais