REGULAMENTO DA CENTRAL ANALÍTICA MULTIUSUÁRIO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REGULAMENTO DA CENTRAL ANALÍTICA MULTIUSUÁRIO"

Transcrição

1 CAPITULO I DA FINALIDADE E DA APLICAÇÃO Art. 1º A Central Analítica Multiusuária (CAM/PEQ-UNIOESTE) é um conjunto de laboratórios que contam com equipamentos modernos, em sua maioria de última geração, que abrangem técnicas espectrométricas, cromatográficas, de análises térmicas, entre outras, e laboratórios de apoio para a preparação de padrões e amostras. Art. 2º A CAM/PEQ-UNIOESTE faz parte da infraestrutura instalada do Programa de Pós-Graduação em Engenharia Química no campus de Toledo da Unioeste com objetivo de disponibilizar um ambiente adequado para o apoio à formação de recursos humanos em nível de Pós-Graduação (Mestrado ou Doutorado) ou Graduação e à geração de conhecimento. Art. 3º A CAM/PEQ-UNIOESTE está sendo estruturada e ampliada com equipamentos, de médio e grande porte, oriundos de financiamentos outorgados por agências federais e estaduais para o atendimento de análises por parte de pesquisadores dos programas de pós-graduação da Unioeste, bem como por pesquisadores externos à Unioeste mediante parcerias no âmbito da cooperação científica. Art. 4º A CAM/PEQ-UNIOESTE opera durante os dias letivos via solicitação de agendamento, em formulário próprio preenchido e assinado pelo usuário-pesquisador, contendo um breve resumo do projeto de pesquisa, a justificativa de uso dos equipamentos, número de turnos ou dias, necessidade de laboratório de apoio na preparação de amostras, necessidade de apoio técnico para a operação do equipamento, calibração e leituras das amostras. Art. 5º A análise das solicitações de uso dos laboratórios de apoio e de equipamentos da CAM/PEQ-UNIOESTE é feita por uma comissão gestora composta por docentespesquisadores do Campus de Toledo da Unioeste, liberando o acesso às instalações e uso de equipamentos dentro da agenda anual da CAM/PEQ-UNIOESTE. Art. 6º As atividades do CAM/PEQ-UNIOESTE é direcionada a dar suporte instrumental e laboratorial a pesquisas desenvolvidas no âmbito dos cursos de graduação, programas de pós-graduação e no desenvolvimento tecnológico da região Oeste do Paraná. UNIOESTE Universidade Estadual do Oeste do Paraná Página 1 de 5

2 CAPÍTULO II DA COMISSÃO GESTORA Art. 7º A CAM/PEQ-UNIOESTE é dirigida por uma Comissão Gestora constituída de docentes permanentes do Programa de Pós-graduação em Engenharia Química, nomeada pelo Diretor do Centro de Engenharia e Ciências Exatas CECE o qual designará seu Presidente, com mandato de um ano, podendo ser reconduzido por mais um ano. Art. 8º Cabe à Comissão Gestora: 1 Zelar pelo patrimônio e organização da CAM/PEQ-UNIOESTE 2 Atualizar o conjunto de equipamentos, bem como introduzir novas técnicas, através da coordenação de projetos submetidos aos órgãos financiadores de pesquisa. 4 Elaborar lista de consumíveis e peças de reposição de equipamentos. 5 Agendar a manutenção corretiva dos equipamentos. 6 Analisar os pedidos de utilização de equipamentos. 7 Cadastrar usuário da CAM/PEQ-UNIOESTE 8 Agendar o uso dos equipamentos da CAM/PEQ-UNIOESTE. CAPÍTULO III DOS USUÁRIOS Art. 9º Entende-se por usuário a pessoa vinculada aos projetos e atividades devidamente cadastrado na CAM/PEQ-UNIOESTE, segundo a Ficha de Cadastro de Usuário (ANEXO I), com permissão do presidente da Comissão Gestora da Central Analítica e sob os cuidados do responsável técnico. 1- O corpo docente permanente ou colaborador e os discentes do Programa de Pós-graduação em Engenharia Química (PPEQ) serão considerados usuários da Central Analítica. 2- Todo novo usuário externo ao PPEQ deverá solicitar o cadastramento. 3- É vedado aos usuários que não possuem treinamento na técnica solicitada, o uso de equipamentos sem acompanhamento técnico nas medidas e/ou preparo de amostras. 4- Todo novo usuário interno ou externo à Unioeste deverá solicitar treinamento e/ou acompanhamento por técnico especializado e utilização de laboratórios de apoio. 5- Os usuários dos equipamentos são responsáveis por estes e assumem a responsabilidade pela imperícia na operação dos mesmos a partir da assinatura do Formulário de Requisição de Materiais e Equipamentos (ANEXO II), estando UNIOESTE Universidade Estadual do Oeste do Paraná Página 2 de 5

3 obrigados a substituir/reparar o equipamento/material que tenha sofrido algum dano ou avaria. 6- O usuário deve se comprometer a citar o laboratório em todas as suas publicações relacionadas à pesquisa parcial ou totalmente desenvolvida nas instalações da CAM/PEQ-UNIOESTE, cadastrando as cópias das publicações. CAPÍTULO IV DA SOLICITAÇÃO, APROVAÇÃO E AGENDAMENTO Art. 10º A CAM/PEQ-UNIOESTE poderá ser utilizada por usuários cadastrados para o desenvolvimento de projetos de pesquisa, desde que estes sejam previamente analisados, aprovados e agendados pela Comissão Gestora. 1- A solicitação de agendamento de uso de equipamento deverá ser feita pelo coordenador ou orientador-principal do projeto de pesquisa, justificando a necessidade e tempo de uso da técnica analítica requerida. 2- A prioridade dos trabalhos e serviços será dada por ordem de chegada do pedido (data de entrada das amostras, serviços, materiais ou equipamentos), mesmo aquelas que serão realizadas pelos próprios pesquisadores do PPEQ. 3- Casos excepcionais de agendamento serão discutidos entre o presidente da Comissão Gestora e o coordenador responsável pelo projeto. 4- Os custos dos consumíveis (peças de reposição, reagentes, padrões e gases especiais) utilizados pelos usuários e/ou financiamento deverão ser discutidos pela Comissão Gestora da CAM/PEQ-UNIOESTE. Art. 11º Todas as análises a serem feitas no âmbito dos projetos de pesquisa devem ser registradas no Formulário de Requisição de Materiais e Equipamentos, o qual, após devidamente preenchido pelo pesquisador/orientador, deverá ser submetido e entregue com antecedência mínima de 2 (dois) dias e máxima de 5 (cinco) dias úteis ao presidente da Comissão Gestora. Art. 12 o A Comissão Gestora ou a secretária do PEQ-UNIOESTE divulgará na pagina da CAM/PEQ-UNIOESTE a relação mensal dos usuários com agendamento aprovado. Art. 13º Qualquer quebra de material ou avaria de equipamento deverá ser registrada no livro de registro de quebras e/ou avarias, ficando este preenchimento a cargo de quem executa as análises, sob o conhecimento do técnico responsável. CAPÍTULO V DAS NORMAS DE SEGURANÇA UNIOESTE Universidade Estadual do Oeste do Paraná Página 3 de 5

4 Art. 14º O manuseio dos materiais e equipamentos deverá obedecer às normas internas de segurança, as quais serão, obrigatoriamente, afixadas em local visível para que os usuários tomem conhecimento delas. Art. 15º Compete ao pesquisador/orientador acompanhar o discente na fase de implementação dos métodos necessários à realização dos trabalhos, até a verificação de aptidão do discente para conduzir os trabalhos individualmente. Art. 16º Cada usuário será responsável pelo equipamento em que trabalha, durante o horário agendado. Art. 17º Os usuários da CAM/PEQ-UNIOESTE devem seguir normas de forma a contribuir para a minimização dos riscos das atividades efetuadas. 1- É proibido fumar nos laboratórios da CAM/PEQ-UNIOESTE. 2- É proibida a ingestão de qualquer alimento ou bebida nos laboratórios da CAM/PEQ-UNIOESTE. 3- É proibido se ausentar ou abandonar as instalações da CAM/PEQ- UNIOESTE com o equipamento em operação, sem a comunicação prévia ao técnico responsável pelo equipamento ou presença de outro usuário colaborador cadastrado. 4- Comunique ao técnico responsável dos materiais trazidos para dentro das instalações da CAM/PEQ-UNIOESTE, mantendo-os sempre identificados e armazenados em lugar adequado. 5- Use corretamente os equipamentos de proteção individual e coletiva disponíveis nas instalações da CAM/PEQ-UNIOESTE. 6- Utilize a capela do laboratório de apoio sempre que fazer alguma reação ou manipular reagentes que liberem vapores. 7- Não é permitida aos discentes permanecer com a chave do laboratório (CAM/PEQ-UNIOESTE), salvo em casos específicos e por tempo determinado a ser definido pelo presidente da Comissão Gestora. 8- É obrigatório o uso de indumentária completa: avental manga longa de algodão fechado sobre a roupa, calçado fechado, e calça comprida. 9- Após ó término das análises, o usuário deve obrigatoriamente deixar o local limpo (equipamento e bancada, etc.), conforme o encontrou. UNIOESTE Universidade Estadual do Oeste do Paraná Página 4 de 5

5 10- É proibido acumular materiais sobre as bancadas. Todo material que não estiver em uso deve ser limpo e guardado - em lugar apropriado. 11- É obrigatória a comunicação de qualquer acidente ao técnico responsável. Em caso de lesão corporal de qualquer natureza, encaminhar a vítima diretamente ao pronto socorro do hospital mais próximo. 12- É obrigatória a comunicação de situações anormais, quer seja de mau funcionamento de equipamentos, vazamento de gases, falha de iluminação, ventilação ou qualquer condição insegura, aos responsáveis pelo apoio técnico para imediata avaliação dos riscos. 13- Manter a porta e as janelas do laboratório sempre fechadas. 14- É proibida a armazenagem de cilindros de gases no interior do laboratório. 15- É obrigatório manter, no interior da casa de gases, os cilindros de gases presos às suas devidas cintas de segurança. Art. 18º Os casos omissos nesta norma serão resolvidos pelo Colegiado do Programa de Pós-Graduação em Engenharia Química. Toledo, novembro de UNIOESTE Universidade Estadual do Oeste do Paraná Página 5 de 5

NORMAS DE SEGURANÇA DOS LABORATÓRIOS DO CURSO DE ENGENHARIA DE MATERIAIS UNIFEI CAMPUS ITABIRA

NORMAS DE SEGURANÇA DOS LABORATÓRIOS DO CURSO DE ENGENHARIA DE MATERIAIS UNIFEI CAMPUS ITABIRA NORMAS DE SEGURANÇA DOS LABORATÓRIOS DO CURSO DE ENGENHARIA DE MATERIAIS UNIFEI CAMPUS ITABIRA Normas de Segurança dos laboratórios do curso de engenharia de materiais UNIFEI Campus Itabira, que determinam

Leia mais

Normas de Segurança para o Instituto de Química da UFF

Normas de Segurança para o Instituto de Química da UFF Normas de Segurança para o Instituto de Química da UFF A Comissão de segurança do Instituto de Química da UFF(COSEIQ) ao elaborar essa proposta entende que sua função é vistoriar, fiscalizar as condições

Leia mais

NORMAS PARA UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE ANATOMIA DA ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA DE ASSIS

NORMAS PARA UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE ANATOMIA DA ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA DE ASSIS NORMAS PARA UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE ANATOMIA DA ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA DE ASSIS Capítulo I Da Caracterização e Natureza Art. 1º - O Laboratório de Anatomia Humana da Escola de Educação Física de

Leia mais

Regulamento dos Laboratórios do Departamento de Ciências Agrárias

Regulamento dos Laboratórios do Departamento de Ciências Agrárias Regulamento dos Laboratórios do Departamento de Ciências Agrárias Laboratório de Bromatologia e Nutrição Animal- ( LABNA ) Laboratório Multidisciplinar de Biologia- ( LAMUBI ) Laboratório de Análises Microbiológicas

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 01/2013 CONCECERES

RESOLUÇÃO Nº 01/2013 CONCECERES RESOLUÇÃO Nº 01/2013 CONCECERES Dispõe sobre o Regimento Interno do Laboratório de Cultivo e Biotecnologia de Algas LCBA, do Centro de Educação Superior da Região Sul - CERES. O Presidente do Conselho

Leia mais

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DIDÁTICO DE ANATOMIA, BIOLOGIA, PARASITOLOGIA E EMBRIOLOGIA APLICADOS À NUTRIÇÃO CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DIDÁTICO DE ANATOMIA, BIOLOGIA, PARASITOLOGIA E EMBRIOLOGIA APLICADOS À NUTRIÇÃO CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DIDÁTICO DE ANATOMIA, BIOLOGIA, PARASITOLOGIA E EMBRIOLOGIA APLICADOS À NUTRIÇÃO CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM NUTRIÇÃO - BACHARELADO Autorizada pela Portaria MEC 2.626 de 25

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO REGULAMENTO DA CENTRAL DE LABORATÓRIOS EM CIÊNCIA E TECNOLÓGIA AMBIENTAL

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO REGULAMENTO DA CENTRAL DE LABORATÓRIOS EM CIÊNCIA E TECNOLÓGIA AMBIENTAL PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO REGULAMENTO DA CENTRAL DE LABORATÓRIOS EM CIÊNCIA E TECNOLÓGIA AMBIENTAL BAURU APRESENTAÇÃO O complexo de laboratórios em Ciência e Tecnologia e Ambiental (CTA)

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DOS LABORATÓRIOS DE QUÍMICA E FÍSICA DO CAMPUS CAÇAPAVA DO SUL TÍTULO I DOS FINS

REGIMENTO INTERNO DOS LABORATÓRIOS DE QUÍMICA E FÍSICA DO CAMPUS CAÇAPAVA DO SUL TÍTULO I DOS FINS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA (Lei nº. 11.640, de 11 de janeiro de 2008) REGIMENTO INTERNO DOS LABORATÓRIOS DE QUÍMICA E FÍSICA DO CAMPUS CAÇAPAVA DO SUL TÍTULO I DOS FINS Art. 1º

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE TEOLOGIA APLICADA-INTA DIVISÃO DE PESQUISA EM CIÊNCIA BIOMÉDICA LABORATÓRIO MULTIUSUÁRIO REGIMENTO INTERNO

INSTITUTO SUPERIOR DE TEOLOGIA APLICADA-INTA DIVISÃO DE PESQUISA EM CIÊNCIA BIOMÉDICA LABORATÓRIO MULTIUSUÁRIO REGIMENTO INTERNO INSTITUTO SUPERIOR DE TEOLOGIA APLICADA-INTA DIVISÃO DE PESQUISA EM CIÊNCIA BIOMÉDICA LABORATÓRIO MULTIUSUÁRIO REGIMENTO INTERNO SOBRAL-CE JANEIRO - 2012 CAPÍTULO I DA NATUREZA Art. 1º. O Laboratório de

Leia mais

Regulamento da Sala de Necropsia do Centro de Diagnóstico e Pesquisa em Patologia Veterinária (CDPPV)

Regulamento da Sala de Necropsia do Centro de Diagnóstico e Pesquisa em Patologia Veterinária (CDPPV) INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE CÂMPUS CONCÓRDIA CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA CENTRO DE DIAGNÓSTICO E PESQUISA EM PATOLOGIA VETERINÁRIA Regulamento da Sala de Necropsia do Centro de Diagnóstico e Pesquisa

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CAMPUS ANISIO TEIXEIRA-INSTITUTO MULTIDICIPLINAR EM SAÚDE COORDENAÇÃO GERAL DE LABORATÓRIOS

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CAMPUS ANISIO TEIXEIRA-INSTITUTO MULTIDICIPLINAR EM SAÚDE COORDENAÇÃO GERAL DE LABORATÓRIOS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CAMPUS ANISIO TEIXEIRA-INSTITUTO MULTIDICIPLINAR EM SAÚDE COORDENAÇÃO GERAL DE LABORATÓRIOS NORMAS INTERNAS DO LABORATÓRIO DE BIOTECNOLOGIA E GENÉTICA

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DE UTILIZAÇÃO DOS LABORATÓRIOS DO DEPARTAMENTO DE QUÍMICA

REGULAMENTO GERAL DE UTILIZAÇÃO DOS LABORATÓRIOS DO DEPARTAMENTO DE QUÍMICA REGULAMENTO GERAL DE UTILIZAÇÃO DOS LABORATÓRIOS DO DEPARTAMENTO DE QUÍMICA Capítulo 1 DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º. Estas normas regulamentam o funcionamento dos laboratórios do Departamento de

Leia mais

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE QUÍMICA

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE QUÍMICA REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE QUÍMICA OBJETIVOS DO LABORATÓRIO DE QUÍMICA: 1. Auxiliar o aluno na introdução das práticas das disciplinas do curso de Tecnologia em Processos Químicos. CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES

Leia mais

REGIMENTO DOS LABORATÓRIOS MULTIUSUÁRIOS DO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO (RESOLUÇÃO CCS 102/2011)

REGIMENTO DOS LABORATÓRIOS MULTIUSUÁRIOS DO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO (RESOLUÇÃO CCS 102/2011) REGIMENTO DOS LABORATÓRIOS MULTIUSUÁRIOS DO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO (RESOLUÇÃO CCS 102/2011) CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO E FINALIDADES Art.1º- Os Laboratórios

Leia mais

Regulamento dos Laboratórios de Física e Química

Regulamento dos Laboratórios de Física e Química Regulamento dos Laboratórios de Física e Química 1 Missão Os Laboratórios de Física e de Química são essencialmente um lugar de aprendizagem, onde se encontram todo o tipo de materiais, devidamente organizados

Leia mais

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE ANATOMIA HUMANA

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE ANATOMIA HUMANA REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE ANATOMIA HUMANA 2012 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 CAPÍTULO I - DA CARACTERIZAÇÃO E NATUREZA... 3 CAPÍTULO II - DOS DEVERES... 4 CAPÍTULO III - DO AGENDAMENTO E USO DO LABORATÓRIO...

Leia mais

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DIDÁTICO DE PRÁTICAS EM ADMINISTRAÇÃO E ESCRITÓRIO MULTIMÍDIA DO DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ADMINISTRAÇÃO - UNIR - CACOAL

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DIDÁTICO DE PRÁTICAS EM ADMINISTRAÇÃO E ESCRITÓRIO MULTIMÍDIA DO DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ADMINISTRAÇÃO - UNIR - CACOAL REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DIDÁTICO DE PRÁTICAS EM ADMINISTRAÇÃO E ESCRITÓRIO MULTIMÍDIA DO DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ADMINISTRAÇÃO - UNIR - CACOAL TÍTULO I - DO LABORATÓRIO DIDÁTICO CAPÍTULO I - DA ORGANIZAÇÃO

Leia mais

Universidade Federal de São Paulo PRÓ-REITORIA DE ASSUNTOS ESTUDANTIS

Universidade Federal de São Paulo PRÓ-REITORIA DE ASSUNTOS ESTUDANTIS Regimento do Serviço de Saúde do Corpo Discente (SSCD) da Pró-Reitoria de Assuntos Estudantis (PRAE) Unifesp Da denominação, composição e competências Artigo 1º O Serviço de Saúde do Corpo Discente (SSCD)

Leia mais

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA REGULAMENTO PARA UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA REGULAMENTO PARA UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA REGULAMENTO PARA UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA 1. DOS HORÁRIOS DE FUNCIONAMENTO 1.1 O Laboratório de informática pode ser utilizado das 7:30 às 22:30

Leia mais

Regulamento de Funcionamento da Clínica Odontológica, Pré-Clínica e Radiologia da FAPAC/ITPAC PORTO

Regulamento de Funcionamento da Clínica Odontológica, Pré-Clínica e Radiologia da FAPAC/ITPAC PORTO Regulamento de Funcionamento da Clínica Odontológica, Pré-Clínica e Radiologia da FAPAC/ITPAC PORTO Porto Nacional TO 2015 Sumário: Introdução:... 3 Dos Objetivos:... 3 Do Horário de Funcionamento:...

Leia mais

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA SUMÁRIO 1 - DOS HORÁRIOS DE FUNCIONAMENTO... 3 2 - DOS USUÁRIOS... 3 3 - DAS RESERVAS... 4 4 - DA UTILIZAÇÃO... 5 5 - DA SEGURANÇA... 6 6 - DA DISCIPLINA... 7

Leia mais

REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS

REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS Página 1 ÍNDICE CAPÍTULO 1 -DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS... 3 CAPÍTULO 2 - DA DESTINAÇÃO DOS LABORATÓRIOS... 3 CAPÍTULO 3 - DAS ATRIBUIÇÕES E COMPETÊNCIAS... 5 CAPÍTULO 4 - UTILIZAÇÃO

Leia mais

REGULAMENTO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

REGULAMENTO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO REGULAMENTO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1 - O presente regulamento tem por finalidade estatuir a elaboração do Trabalho de Conclusão de Curso (TCC), do Curso

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA CAPÍTULO I - DA APRESENTAÇÃO E DOS OBJETIVOS DA INICIAÇÃO CIENTÍFICA Art. 1 - A atividade de Iniciação Científica integra o processo de ensinoaprendizagem

Leia mais

Edital 01/2013 PRPPG/Unespar Apoio à publicação de artigos em periódicos científicos

Edital 01/2013 PRPPG/Unespar Apoio à publicação de artigos em periódicos científicos Edital 01/2013 PRPPG/Unespar Apoio à publicação de artigos em periódicos científicos A Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação da Universidade Estadual do Paraná PRPPG/Unespar torna pública a seleção

Leia mais

Regulamento para a utilização do Laboratório de. Técnica e Dietética

Regulamento para a utilização do Laboratório de. Técnica e Dietética Regulamento para a utilização do Laboratório de Técnica e Dietética 1 REGULAMENTO PARA A UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE TÉCNICA E DIETÉTICA I. DOS OBJETIVOS DO LABORATÓRIO DE TÉCNICA E DIETÉTICA 1. Auxiliar

Leia mais

Regulamento do Bloco Cirúrgico do Centro de Práticas Clínicas e Cirúrgicas (CPCC)

Regulamento do Bloco Cirúrgico do Centro de Práticas Clínicas e Cirúrgicas (CPCC) INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE CÂMPUS CONCÓRDIA CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA CENTRO DE PRÁTICAS CLÍNICAS E CIRÚRGICAS Regulamento do Bloco Cirúrgico do Centro de Práticas Clínicas e Cirúrgicas (CPCC) Dispõe

Leia mais

UNIVERSIDADE DO OESTE PAULISTA CURSO DE ZOOTECNIA. Regulamento do Trabalho de Conclusão de Curso I e II

UNIVERSIDADE DO OESTE PAULISTA CURSO DE ZOOTECNIA. Regulamento do Trabalho de Conclusão de Curso I e II UNIVERSIDADE DO OESTE PAULISTA CURSO DE ZOOTECNIA Regulamento do Trabalho de Conclusão de Curso I e II Presidente Prudente 2009 CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS E CARACTERÍSTICAS Art. 1. o - O Trabalho de Conclusão

Leia mais

Anexo Res. CONSU Nº 40/2011. REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE CIÊNCIAS MORFOLÓGICAS E MULTIDISCIPLINAR CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

Anexo Res. CONSU Nº 40/2011. REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE CIÊNCIAS MORFOLÓGICAS E MULTIDISCIPLINAR CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Anexo Res. CONSU Nº 40/2011. REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE CIÊNCIAS MORFOLÓGICAS E MULTIDISCIPLINAR CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º. Este Regulamento dispõe sobre a estruturação, utilização e

Leia mais

REGIMENTO DOS LABORATORIOS DE INFORMÁTICA

REGIMENTO DOS LABORATORIOS DE INFORMÁTICA REGIMENTO DOS LABORATORIOS DE INFORMÁTICA Dos Laboratórios Art 1º O objetivo dos laboratórios de informática é suprir necessidades laboratoriais, de informática, nas áreas de ensino, pesquisa, extensão,

Leia mais

Regulamento do Laboratório de Histologia do Centro de Práticas Laboratoriais (CPL)

Regulamento do Laboratório de Histologia do Centro de Práticas Laboratoriais (CPL) INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE CÂMPUS CONCÓRDIA CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA CENTRO DE PRÁTICAS LABORATORIAIS Regulamento do Laboratório de Histologia do Centro de Práticas Laboratoriais (CPL) Dispõe sobre

Leia mais

FACULDADE 7 DE SETEMBRO LABORATÓRIO DE PESQUISA DE OPINIÃO E MERCADO

FACULDADE 7 DE SETEMBRO LABORATÓRIO DE PESQUISA DE OPINIÃO E MERCADO FACULDADE 7 DE SETEMBRO LABORATÓRIO DE PESQUISA DE OPINIÃO E MERCADO CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO, FINS E OBJETIVOS Art. 1º As presentes normas visam regulamentar e disciplinar, em termos de sua administração,

Leia mais

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO INTEGRADO DE DESIGN E ENGENHARIA DE PRODUTO - LIDEP

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO INTEGRADO DE DESIGN E ENGENHARIA DE PRODUTO - LIDEP REGULAMENTO DO LABORATÓRIO INTEGRADO DE DESIGN E ENGENHARIA DE PRODUTO - LIDEP A Coordenadora da Faculdade de Ciência e Tecnologia de Montes Claros FACIT, no uso de suas atribuições regimentais, considerando

Leia mais

Universidade Federal de Itajubá - Unifei Campus de Itabira

Universidade Federal de Itajubá - Unifei Campus de Itabira Revisão: 001 Página 1 de 7 Dispõe sobre conjunto de regras relativas à concessão do direito de uso dos espaços de convivência vinculados à Diretoria de Infraestrutura, da Universidade Federal de Itajubá

Leia mais

REGULAMENTO PARA UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE ENSINO DE MATEMÁTICA

REGULAMENTO PARA UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE ENSINO DE MATEMÁTICA Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Câmpus Ibirubá REGULAMENTO PARA UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO

Leia mais

II PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PIBIC/FSMA 2014/2015 EDITAL 01/2014 Coordenação de Pesquisa e Extensão.

II PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PIBIC/FSMA 2014/2015 EDITAL 01/2014 Coordenação de Pesquisa e Extensão. II PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PIBIC/FSMA 2014/2015 EDITAL 01/2014 Coordenação de Pesquisa e Extensão. A Direção Geral e Vice-direção Acadêmica juntamente com a Coordenação de Pós-graduação, Pesquisa

Leia mais

EDITAL 01/2014 - SELEÇÃO DE BOLSISTAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA PARA ATUAÇÃO NO PRH-PB203

EDITAL 01/2014 - SELEÇÃO DE BOLSISTAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA PARA ATUAÇÃO NO PRH-PB203 EDITAL 01/2014 - SELEÇÃO DE BOLSISTAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA PARA ATUAÇÃO NO PRH-PB203 1) Programa de Fomento à Formação de recursos humanos em Tecnologia de Equipamentos para

Leia mais

Laboratórios de Informática Regulamento

Laboratórios de Informática Regulamento 1 Laboratórios de Informática Regulamento Pagina 1/10 Sumário DA CONSTITUIÇÃO...3 DA ADMINISTRAÇÃO...4 DA UTILIZAÇÃO...5 DISPOSIÇÕES GERAIS...10 Pagina 2/10 REGULAMENTO INTERNO DA CONTISTUIÇÃO Art. 1 -

Leia mais

Universidade Federal de Rondônia. Núcleo de Ciências Humanas. Programa de Pós-Graduação em História e Estudos Culturais

Universidade Federal de Rondônia. Núcleo de Ciências Humanas. Programa de Pós-Graduação em História e Estudos Culturais Universidade Federal de Rondônia Núcleo de Ciências Humanas Programa de Pós-Graduação em História e Estudos Culturais EDITAL Nº 05/NCH/2014 CONCESSÃO DE BOLSAS DE ESTUDO O Colegiado do Mestrado em História

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO ESCOLA DE FARMÁCIA E ODONTOLOGIA DE ALFENAS CENTRO UNIVERSITÁRIO FEDERAL

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO ESCOLA DE FARMÁCIA E ODONTOLOGIA DE ALFENAS CENTRO UNIVERSITÁRIO FEDERAL REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO DE INTERESSE CURRICULAR DO CURSO DE QUÍMICA DA Efoa/Ceufe Resolução Nº 007/2005 pelo Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (CEPE) O presente regulamento foi elaborado tendo

Leia mais

[Ano] NORMATIZAÇÃO DE USO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DO INSTITUTO FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL CÂMPUS IBIRUBÁ

[Ano] NORMATIZAÇÃO DE USO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DO INSTITUTO FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL CÂMPUS IBIRUBÁ [Ano] NORMATIZAÇÃO DE USO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DO INSTITUTO FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL CÂMPUS IBIRUBÁ Coordenadoria de Tecnologia da Informação 2013 AUTORES Aurélio Ricardo Batú Maicá Laura

Leia mais

ANEXO A PORTARIA Nº 143/2006, de 17 de maio de 2006.

ANEXO A PORTARIA Nº 143/2006, de 17 de maio de 2006. UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA - UCB PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PRG UADA - COORDENAÇÃO EAPs PRÓ-REITORIA DE ADMINISTRAÇÃO PRA DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS ANEXO A PORTARIA Nº 143/2006, de 17 de maio de

Leia mais

Núcleo de Pesquisa e Estudos em Ciências Contábeis ESTATUTO

Núcleo de Pesquisa e Estudos em Ciências Contábeis ESTATUTO Núcleo de Pesquisa e Estudos em Ciências Contábeis ESTATUTO Art. 1º O Núcleo de Pesquisa e Estudos em Ciências Contábeis (NUPECON), vinculado a Escola de Agronomia e Engenharia de Alimentos, constitui-se

Leia mais

COORDENAÇÃO DE PESQUISA E INICIAÇÃO CIENTÍFICA

COORDENAÇÃO DE PESQUISA E INICIAÇÃO CIENTÍFICA COORDENAÇÃO DE PESQUISA E INICIAÇÃO CIENTÍFICA EDITAL Nº 002/2013 DE ABERTURA DE CONCURSO INTERNO PARA BOLSA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PARA O CURSO DE ODONTOLOGIA A Magnífica Senhora Reitora do CENTRO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

Artigo II. A coordenação do LAC cabe ao coordenador do PGESDE.

Artigo II. A coordenação do LAC cabe ao coordenador do PGESDE. NORMATIVA INTERNA DO LABORATÓRIO DE APOIO COMPUTACIONAL DEFINE NORMAS PARA UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE APOIO COMPUTACIONAL (LAC) DO PROGRAMA DE PÓS- GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE SISTEMAS DINÂMICOS E ENERGÉTICOS.

Leia mais

CAPÍTULO I DA NATUREZA E DEFINIÇÃO

CAPÍTULO I DA NATUREZA E DEFINIÇÃO CAPÍTULO I DA NATUREZA E DEFINIÇÃO Art. 1º As atividades de Pesquisa da Universidade de Santo Amaro UNISA buscam fomentar o conhecimento por meio da inovação técnica, científica, humana, social e artística,

Leia mais

Rodovia Washigton Luis km 173,3, s/n, Chácara Lusa Centro CEP: 13501600 - Rio Claro SP Inscr. Estadual: Isento CNPJ nº 05.143.

Rodovia Washigton Luis km 173,3, s/n, Chácara Lusa Centro CEP: 13501600 - Rio Claro SP Inscr. Estadual: Isento CNPJ nº 05.143. SUMÁRIO CAPÍTULO I: CONSTITUIÇÃO, FINALIDADES E COMPETÊNCIAS... 2 CAPÍTULO II: DO CADASTRO DE USUÁRIOS... 3 CAPÍTULO III: DA CONSULTA AO ACERVO... 4 CAPÍTULO IV: DOS EMPRÉSTIMOS... 5 CAPÍTULO V: DO ATRASO

Leia mais

REGRAS PARA UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA

REGRAS PARA UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA REGRAS PARA UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA Ricardo Machado Torres Ricardo Ariel Correa Rabelo Renata Azevedo Santos Carvalho Everton Gonçalves Dias ARACAJU JANEIRO DE 2012 TÍTULO I - DOS HORÁRIOS

Leia mais

PROGRAMA JOVENS TALENTOS PARA A CIÊNCIA (PJT CIC) DIRETRIZES

PROGRAMA JOVENS TALENTOS PARA A CIÊNCIA (PJT CIC) DIRETRIZES PROGRAMA JOVENS TALENTOS PARA A CIÊNCIA (PJT CIC) DIRETRIZES SOBRE O PROGRAMA Em 2012 a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES) e o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO INSTITUCIONAL

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO INSTITUCIONAL REGULAMENTO DO PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO INSTITUCIONAL CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS E METAS Art. 1º. O Programa de Capacitação Institucional PCI tem por objetivo promover a melhoria da qualidade das funções

Leia mais

REGIMENTO DA ESCOLA DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

REGIMENTO DA ESCOLA DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL REGIMENTO DA ESCOLA DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL Sumário TÍTULO I - DA ESCOLA DE ENGENHARIA E SEUS FINS TÍTULO II - DOS ÓRGÃOS DA ADMINISTRAÇÃO DA ESCOLA DE ENGENHARIA CAPÍTULO

Leia mais

EDITAL PI IPCIT - Nº001/2012 - PRPPGI/IFAM PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INCENTIVO À PESQUISA CIENTÍFICA E INOVAÇÃO TECNOLÓGICA PI-IPCIT

EDITAL PI IPCIT - Nº001/2012 - PRPPGI/IFAM PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INCENTIVO À PESQUISA CIENTÍFICA E INOVAÇÃO TECNOLÓGICA PI-IPCIT EDITAL PI IPCIT - Nº001/2012 - PRPPGI/IFAM PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INCENTIVO À PESQUISA CIENTÍFICA E INOVAÇÃO TECNOLÓGICA PI-IPCIT PROJETOS DE PESQUISA CIENTÍFICA E INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DO IFAM Maio

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DA FACULDADE INTEGRADA DE ENSINO SUPERIOR DE COLINAS DO TOCANTINS - FIESC

REGULAMENTO INTERNO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DA FACULDADE INTEGRADA DE ENSINO SUPERIOR DE COLINAS DO TOCANTINS - FIESC . REGULAMENTO INTERNO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DA FACULDADE INTEGRADA DE ENSINO SUPERIOR DE COLINAS DO TOCANTINS - FIESC CAPITULO I DA CONSTITUIÇÃO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA Art. 1º. O Presente

Leia mais

REITORIA EDITAL Nº 27/2015

REITORIA EDITAL Nº 27/2015 REITORIA EDITAL Nº 27/2015 O Reitor da Universidade Vila Velha UVV torna público a todos os interessados que estão abertas, de 29 de setembro até 10 de outubro de 2015, as inscrições de propostas provenientes

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PARANÁ. Campus Paranaguá. Credenciada pelo Decreto nº 9538, de 05/12/2013 D.O.E. 05/12/2013

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PARANÁ. Campus Paranaguá. Credenciada pelo Decreto nº 9538, de 05/12/2013 D.O.E. 05/12/2013 REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TCC DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS 2015. PARTE I DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO Art. 1º. O Trabalho de Conclusão de Curso TCC será desenvolvido

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA Instituto Multidisciplinar em Saúde Campus Anísio Teixeira

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA Instituto Multidisciplinar em Saúde Campus Anísio Teixeira UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA Instituto Multidisciplinar em Saúde Campus Anísio Teixeira LABORATÓRIOS DE MICROBIOLOGIA DE ALIMENTOS, ENZIMOLOGIA & MICROBIOLOGIA INDUSTRIAL (LMA & LEMI) Professores Responsáveis:

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL CAPÍTULO I DA NATUREZA Art. 1º Este Regulamento estabelece as políticas da disciplina de Trabalho

Leia mais

CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL (Publicidade e Propaganda)

CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL (Publicidade e Propaganda) CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL (Publicidade e Propaganda) NÚCLEO DE TECNOLOGIA E COMUNICAÇÃO FACULDADE DA CIDADE DE MACEIÓ Regulamento de Funcionamento do Laboratório de Comunicação I INTRODUÇÃO: O Núcleo

Leia mais

CESMAR- CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DE MARILIA CNPJ: 07.064.432/0001-05 FACULDADE DE SÃO CARLOS

CESMAR- CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DE MARILIA CNPJ: 07.064.432/0001-05 FACULDADE DE SÃO CARLOS CESMAR- CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DE MARILIA CNPJ: 07.064.432/0001-05 FACULDADE DE SÃO CARLOS REGULAMENTO BIBLIOTECA SÃO CARLOS/SP - 2013 FACULDADE DE SÃO CARLOS Mantida pela CESMAR Centro de Ensino Superior

Leia mais

NORMAS INTERNAS DA UTILIZAÇÃO DO HERBÁRIO DO CÂMPUS DE AQUIDAUANA - UFMS/CPAq

NORMAS INTERNAS DA UTILIZAÇÃO DO HERBÁRIO DO CÂMPUS DE AQUIDAUANA - UFMS/CPAq Serviço Público Federal Ministério da Educação Fundação Universidade Federal de Mato Grosso do Sul NORMAS INTERNAS DA UTILIZAÇÃO DO HERBÁRIO DO CÂMPUS DE AQUIDAUANA - UFMS/CPAq Define as normas internas

Leia mais

CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL LABCOM. Laboratório de Comunicação. Regulamento de Funcionamento do Laboratório de Comunicação

CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL LABCOM. Laboratório de Comunicação. Regulamento de Funcionamento do Laboratório de Comunicação CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL LABCOM Laboratório de Comunicação Regulamento de Funcionamento do Laboratório de Comunicação 2005 2 SUMÁRIO I. INTRODUÇÃO... 03 II. OBJETIVOS... 03 III. CARACTERIZAÇÃO DOS SERVIÇOS...

Leia mais

REGULAMENTO DA SEMANA DA ENGENHARIA

REGULAMENTO DA SEMANA DA ENGENHARIA REGULAMENTO DA SEMANA DA ENGENHARIA A Coordenadora da Faculdade de Ciência e Tecnologia de Montes Claros FACIT, no uso de suas atribuições regimentais, considerando que o projeto dos cursos de engenharia

Leia mais

Políticas de utilização dos laboratórios de informática

Políticas de utilização dos laboratórios de informática FACULDADE VALE DO SALGADO ICÓ CEARÁ Missão: Formar profissionais capazes de contribuir para o desenvolvimento do país, embasados na responsabilidade social e na ética, visando o bem estar e a qualidade

Leia mais

EDITAL Nº 14, DE 02 DE SETEMBRO DE 2015. Edital para Auxílio à Tradução e Publicação de Artigo Científico, Campus Ariquemes

EDITAL Nº 14, DE 02 DE SETEMBRO DE 2015. Edital para Auxílio à Tradução e Publicação de Artigo Científico, Campus Ariquemes MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RONDÔNIA DEPARTAMENTO DE PESQUISA, INOVAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO - CAMPUS ARIQUEMES

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE PSICOLOGIA APLICADA SPA da Fafich/UFMG

REGIMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE PSICOLOGIA APLICADA SPA da Fafich/UFMG REGIMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE PSICOLOGIA APLICADA SPA da Fafich/UFMG CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS E ATRIBUIÇÕES Art. 1 o ) O Serviço de Psicologia Aplicada, órgão complementar vinculado à Faculdade de Filosofia

Leia mais

SALA DE REUNIÃO DO CONSELHO DIRETOR DO ICET/UFAM, em Itacoatiara, 10 de junho de 2014.

SALA DE REUNIÃO DO CONSELHO DIRETOR DO ICET/UFAM, em Itacoatiara, 10 de junho de 2014. RESOLUÇÃO Nº 01/2014 Altera a Resolução nº 01/2011, reformulando as normas de funcionamento do Regimento Geral dos Laboratórios Didáticos do Instituto de Ciências Exatas e Tecnologia - ICET. O DIRETOR

Leia mais

EDITAL PARA INSCRIÇÃO DE SOLICITAÇÃO DE BOLSA DE ESTUDOS DIRECIONADA AOS EGRESSOS DA UNIMAR MESTRADO EM DIREITO - 1º SEMESTRE/2014

EDITAL PARA INSCRIÇÃO DE SOLICITAÇÃO DE BOLSA DE ESTUDOS DIRECIONADA AOS EGRESSOS DA UNIMAR MESTRADO EM DIREITO - 1º SEMESTRE/2014 EDITAL PARA INSCRIÇÃO DE SOLICITAÇÃO DE BOLSA DE ESTUDOS DIRECIONADA AOS EGRESSOS DA UNIMAR MESTRADO EM DIREITO - 1º SEMESTRE/2014 1. Do Benefício: A Coordenação do Programa de Pós-graduação em Direito

Leia mais

PORTARIA SEMED Nº 014/2015

PORTARIA SEMED Nº 014/2015 PORTARIA SEMED Nº 014/2015 Dispõe sobre a Normatização de Critérios para Rematrícula e Remanejamento da Educação Infantil para o ano letivo de 2016, na Rede Pública Municipal de Ensino de Guarapari. A

Leia mais

TÍTULO I DA NATUREZA, DAS FINALIDADES CAPÍTULO I DA NATUREZA. PARÁGRAFO ÚNICO Atividade curricular com ênfase exclusiva didático-pedagógica:

TÍTULO I DA NATUREZA, DAS FINALIDADES CAPÍTULO I DA NATUREZA. PARÁGRAFO ÚNICO Atividade curricular com ênfase exclusiva didático-pedagógica: REGULAMENTO GERAL PARA REALIZAÇÃO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DOS CURSOS DO IFRR N A regulamentação geral de estágio tem por objetivo estabelecer normas e diretrizes gerais que definam uma política

Leia mais

Credenciada pelo Decreto Federal de 03/07/97 - D. O. U. Nº 126, de 04/07/97

Credenciada pelo Decreto Federal de 03/07/97 - D. O. U. Nº 126, de 04/07/97 Resolução CONSUN nº 042/2003. Credenciada pelo Decreto Federal de 03/07/97 - D. O. U. Nº 126, de 04/07/97 Aprova o Regulamento do Laboratório de Rádio, integrante do conjunto de Laboratórios de Rádio e

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ COORDENAÇÃO DO CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA - CEE

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ COORDENAÇÃO DO CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA - CEE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ COORDENAÇÃO DO CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA - CEE PROJETO DISCIPLINADOR DO ESTÁGIO CURRICULAR - CEE/UNIFAP Estabelece diretrizes e normas necessárias

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO EDITAL N 01/2012 PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE EXTENSÃO PROBEXT-SERVIDOR

PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO EDITAL N 01/2012 PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE EXTENSÃO PROBEXT-SERVIDOR PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO EDITAL N 01/2012 PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE EXTENSÃO PROBEXT-SERVIDOR 1- PREÂMBULO O PROBEXT SERVIDOR é um instrumento que abrange Programas e Projetos de Extensão, com

Leia mais

REGULAMENTO PARA CONCESSÃO, RENOVAÇÃO, EXTENSÃO E CANCELAMENTO DE BOLSAS/TAXAS PARA OS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU

REGULAMENTO PARA CONCESSÃO, RENOVAÇÃO, EXTENSÃO E CANCELAMENTO DE BOLSAS/TAXAS PARA OS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU REGULAMENTO PARA CONCESSÃO, RENOVAÇÃO, EXTENSÃO E CANCELAMENTO DE BOLSAS/TAXAS PARA OS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU (Em conformidade com a Portaria CAPES n. 181, de 18 de dezembro de 2012 e

Leia mais

Regulamento Interno. de Estágios

Regulamento Interno. de Estágios Regulamento Interno de Estágios Índice Apresentação... 3 Capítulo 1 Caracterização e objetivo do estágio... 3 Capítulo 2 - Oferta de vagas de estágio... 4 Capítulo 3 - Duração do estágio... 5 Capítulo

Leia mais

www.queroserprofessor.

www.queroserprofessor. www.queroserprofessor. Documento Revisado em março de 2011 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 2. O QUE É A MONITORIA? 3. OBJETIVOS DA MONITORIA 4. CONDIÇÕES PARA PARTICIPAR DA MONITORIA 5. INSCRIÇÃO 6. ATRIBUIÇÕES

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO OESTE DO PARÁ - UFOPA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL - PET/IEG PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO - PROEN

UNIVERSIDADE FEDERAL DO OESTE DO PARÁ - UFOPA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL - PET/IEG PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO - PROEN UNIVERSIDADE FEDERAL DO OESTE DO PARÁ - UFOPA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL - PET/IEG PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO - PROEN EDITAL N 001/2015 - PROEN, de 19 de Janeiro de 2015. A Pró-Reitora de Ensino

Leia mais

NORMAS DE FUNCIONAMENTO DOS LABORATÓRIOS DO DEPARTAMENTO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL

NORMAS DE FUNCIONAMENTO DOS LABORATÓRIOS DO DEPARTAMENTO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL -UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS, LETRAS E ARTES DEPARTAMENTO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL DCM Campus Universitário - Viçosa, MG - 36570-000 - Telefone: (31) 2878 / 4502 - E-mail: dcm@ufv.br

Leia mais

RESOLUÇÃO COTEA nº 03, de 25 de fevereiro de 2010

RESOLUÇÃO COTEA nº 03, de 25 de fevereiro de 2010 RESOLUÇÃO COTEA nº 03, de 25 de fevereiro de 2010 Normas de Utilização do Laboratório de Interpretação e Dança e do Laboratório de Musicalidade do Curso de Teatro. O Colegiado do Curso de Teatro do Departamento

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS URUGUAIANA CURSO DE ENFERMAGEM REGIMENTO DO LABORATÓRIO DE ENSINO DE ENFERMAGEM

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS URUGUAIANA CURSO DE ENFERMAGEM REGIMENTO DO LABORATÓRIO DE ENSINO DE ENFERMAGEM UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS URUGUAIANA CURSO DE ENFERMAGEM REGIMENTO DO LABORATÓRIO DE ENSINO DE ENFERMAGEM Uruguaiana, 19 de abril de 2011. REGIMENTO DO LABORATÓRIO DE ENSINO DE ENFERMAGEM DA

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA UNEB DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO CAMPUS XII / GUANAMBI BA REGIMENTO INTERNO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA UNEB DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO CAMPUS XII / GUANAMBI BA REGIMENTO INTERNO UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA UNEB DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO CAMPUS XII / GUANAMBI BA REGIMENTO INTERNO GUANAMBI 2005 CAPÍTULO I Da Finalidade Art. 1º - O Núcleo de Pesquisa e Extensão () do Departamento

Leia mais

TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO REGULAMENTO GERAL DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO DO CURSO DE BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO REGULAMENTO GERAL DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO DO CURSO DE BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO REGULAMENTO GERAL DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO DO CURSO DE BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DA CONCEITUAÇÃO E OBJETIVOS Art. 1º - O Trabalho de Conclusão de Curso

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA (NEPEC/UCB)

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA (NEPEC/UCB) REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA (NEPEC/UCB) CAPÍTULO I - DO NEPEC E SEUS OBJETIVOS Artigo 1º - O presente Regulamento disciplina as atribuições,

Leia mais

R E G U L A M E N T O da M O N O G R A F I A

R E G U L A M E N T O da M O N O G R A F I A COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA - C E C - R E G U L A M E N T O da M O N O G R A F I A Pró-Reitoria de Educação Superior e Educação Continuada 2013 1 UNIVERSIDADE DO VALE DO PARAÍBA UNIVAP PRÓ-REITORIA

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS E REGULAMENTO DA BIBLIOTECA DA FACULDADE HERRRERO

MANUAL DE PROCEDIMENTOS E REGULAMENTO DA BIBLIOTECA DA FACULDADE HERRRERO MANUAL DE PROCEDIMENTOS E REGULAMENTO DA BIBLIOTECA DA FACULDADE HERRRERO CURITIBA 2015 MANUAL DE PROCEDIMENTOS E REGULAMENTO DA BIBLIOTECA DA FACULDADE HERRRERO Curitiba 2015 Rua Álvaro Andrade, 345 Bairro

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TRIÂNGULO MINEIRO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E INOVAÇÃO

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TRIÂNGULO MINEIRO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E INOVAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TRIÂNGULO MINEIRO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E INOVAÇÃO Edital nº 07/2014 Programa institucional de auxílio financeiro ao pesquisador para tradução

Leia mais

MINUTA DE RESOLUÇÃO Nº 00, DE XX DE XXXXX DE 2015.

MINUTA DE RESOLUÇÃO Nº 00, DE XX DE XXXXX DE 2015. MINUTA DE RESOLUÇÃO Nº 00, DE XX DE XXXXX DE 2015. O CONSELHO DE ENSINO DE GRADUAÇÃO da Fundação Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, no uso de suas atribuições legais, resolve: Art. 1 Aprovar as

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL VALE DO ACARAÚ UVA PRÓ-REITORIA DE ASSUNTOS ESTUDANTIS - PROARES. Edital 04/2014

UNIVERSIDADE ESTADUAL VALE DO ACARAÚ UVA PRÓ-REITORIA DE ASSUNTOS ESTUDANTIS - PROARES. Edital 04/2014 UNIVERSIDADE ESTADUAL VALE DO ACARAÚ UVA PRÓ-REITORIA DE ASSUNTOS ESTUDANTIS - PROARES Edital 04/2014 Dispõe sobre a disposição e liberação de recursos para a participação de discentes em eventos científico-culturais

Leia mais

EDITAL Nº 01/2014 ABERTURA DE INSCRIÇÃO PROCESSO DE SELEÇÃO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIÊNTIFICA DO ARTIGO 170 DO GOVERNO ESTADUAL DE SANTA CATARINA

EDITAL Nº 01/2014 ABERTURA DE INSCRIÇÃO PROCESSO DE SELEÇÃO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIÊNTIFICA DO ARTIGO 170 DO GOVERNO ESTADUAL DE SANTA CATARINA EDITAL Nº 01/2014 ABERTURA DE INSCRIÇÃO PROCESSO DE SELEÇÃO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIÊNTIFICA DO ARTIGO 170 DO GOVERNO ESTADUAL DE SANTA CATARINA A Faculdade de Tecnologia Assessoritec FTA, no uso de suas

Leia mais

EDITAL CAPES N 004/2012/ CAPES. Seleção pública de propostas de projetos de eventos voltados ao Programa de Apoio a Eventos no País - PAEP

EDITAL CAPES N 004/2012/ CAPES. Seleção pública de propostas de projetos de eventos voltados ao Programa de Apoio a Eventos no País - PAEP PAEP Programa de Apoio a Eventos no País EDITAL CAPES N 004/2012/ CAPES Seleção pública de propostas de projetos de eventos voltados ao Programa de Apoio a Eventos no País - PAEP A Fundação Coordenação

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DO CESUBE

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DO CESUBE REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DO CESUBE Considerando o significado e a importância do Estágio como parte fundamental da formação profissional, define-se

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 156/2011-CEPE, DE 4 DE AGOSTO DE 2011.

RESOLUÇÃO Nº 156/2011-CEPE, DE 4 DE AGOSTO DE 2011. RESOLUÇÃO Nº 156/2011-CEPE, DE 4 DE AGOSTO DE 2011. Normas para revalidação de diplomas de graduação e de pós-graduação stricto sensu expedidos por instituições de ensino superior estrangeiras. O CONSELHO

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 03, de 14 de abril de 2014.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 03, de 14 de abril de 2014. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 03, de 14 de abril de 2014. Regulamenta o Programa de Concessão de Bolsas para a Participação dos Estudantes do Câmpus Restinga em Atividades Curriculares Externas. O Diretor Geral

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE COLEGIADO PLENO DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE COLEGIADO PLENO DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE COLEGIADO PLENO DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 04/2015 Aprova a criação do Núcleo Unidade EMBRAPII Software e Automação, do Centro

Leia mais

RESOLUÇÃO CONJUNTA nº 01/2011 Conselho Setorial / Colegiado do Curso

RESOLUÇÃO CONJUNTA nº 01/2011 Conselho Setorial / Colegiado do Curso UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ FACULDADE DE DIREITO RESOLUÇÃO CONJUNTA nº 01/2011 Conselho Setorial / Colegiado do Curso Regulamenta a elaboração e a defesa de Trabalho de Conclusão de Curso - TCC. O Colegiado

Leia mais

REGULAMENTO UNIDADE PAULISTA ATENÇÃO:

REGULAMENTO UNIDADE PAULISTA ATENÇÃO: REGULAMENTO UNIDADE PAULISTA ATENÇÃO: 1) Este regulamento SÓ se aplica aos contratos celebrados na unidade Paulista, por alunos matriculados nos cursos preparatórios para concursos públicos semestrais

Leia mais

REGULAMENTO. DO EXPEDIENTE E/OU DO HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO DA BIBLIOTECA : Art 2º

REGULAMENTO. DO EXPEDIENTE E/OU DO HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO DA BIBLIOTECA : Art 2º DO OBJETIVO : Art 1º As Bibliotecas UNIABEU têm o objetivo geral de contribuir com o processo de ensino e pesquisa desta IES, sendo esta responsável, particularmente, por administrar o acervo da Instituição;

Leia mais

REGULAMENTO DO SETOR FINANCEIRO

REGULAMENTO DO SETOR FINANCEIRO 1 REGULAMENTO DO SETOR FINANCEIRO O Professor Dr. Marcus Vinícius Crepaldi, Diretor Geral da Faculdade de Tecnologia do Ipê FAIPE no uso das atribuições que lhe confere o Regimento Interno e, considerando

Leia mais

Normas do Estágio Curricular do Bacharelado em Sistemas de Informação

Normas do Estágio Curricular do Bacharelado em Sistemas de Informação Anexo 2 Normas do Estágio Curricular do Bacharelado em Sistemas de Informação Normas do Estágio Curricular do Bacharelado em Sistemas de Informação CAPÍTULO I DAS DEFINIÇÕES E OBJETIVOS Art. 1º - O Estágio

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO Nº 06/2013 PROGRAMA DE APOIO FINANCEIRO PRA PROJETOS DE PESQUISA DA UFAC

EDITAL DE SELEÇÃO Nº 06/2013 PROGRAMA DE APOIO FINANCEIRO PRA PROJETOS DE PESQUISA DA UFAC EDITAL DE SELEÇÃO Nº 06/2013 PROGRAMA DE APOIO FINANCEIRO PRA PROJETOS DE PESQUISA DA UFAC A Universidade Federal do Acre - UFAC, através da Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação PROPEG, bem como da

Leia mais

NORMAS DE FUNCIONAMENTO INTERNO

NORMAS DE FUNCIONAMENTO INTERNO NORMAS DE FUNCIONAMENTO INTERNO BUS Solidário e Loja Solidária Junta de Freguesia de Encosta do Sol Capítulo I Disposições Gerais Artigo I Enquadramento No âmbito das atribuições que lhe são cometidas

Leia mais