Análise de Tarefas. Análise Hierárquica de Tarefas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Análise de Tarefas. Análise Hierárquica de Tarefas"

Transcrição

1 Análise de Tarefas Em IHC, a análise de tarefas pode ser utilizada em diferentes momentos do desenvolvimento de software, destacando-se três atividades: (a) análise da situação atual (apoiada ou não por um sistema computacional); (b) para (re) design de um sistema computacional; ou (c) para a avaliação do resultado de uma intervenção que inclua a introdução de um (novo) sistema computacional. Quando utilizada na etapa de design, a análise de tarefas geralmente será realizada em um nível mais alto de abstração, visto que muitos detalhes a respeito do sistema ainda não estarão bem definidos. Tarefas podem ser descritas através de cenários e casos de uso (já vistos em aula). Além disso, alguns métodos de análise de tarefas mais comuns podem ser destacados, tais como a Análise Hierárquica de Tarefas e o modelo GOMS, que serão detalhados nas próximas seções. Análise Hierárquica de Tarefas A Análise Hierárquica de Tarefas AHT (HTA Hierarchical Task Analysis) foi desenvolvida na década de 1960, originalmente proposta para identificar necessidades de treinamento. Tinha como objetivos entender as competências e habilidades associadas às tarefas complexas e, usualmente, não repetitivas, bem como auxiliar na identificação de problemas de desempenho. Nestes casos, após a identificação, seria possível pensar em capacitações adequadas para melhorar a eficiência na realização de tais atividades. A idéia básica desta análise é relacionar o que as pessoas fazem (tarefas), por que o fazem e quais as conseqüências, caso não façam corretamente. O ponto de partida desta análise são os objetivos do usuário. A partir de um objetivo, as principais tarefas associadas ao alcance deste objetivo são identificadas. Neste contexto, uma tarefa pode ser vista como qualquer parte do trabalho que precisa ser realizada um plano, ou seja, são os subobjetivos de um objetivo. Como descrito anteriormente, toda tarefa pode ser definida em função de seu objetivo. Tarefas complexas podem ser divididas em subtarefas e assim sucessivamente, de acordo com o nível de detalhamento de cada tarefa sendo analisada (desdobramento hierárquico). Este desdobramento é chamado decomposição de tarefas, e conduz a um conjunto de atividades. 1

2 Uma possibilidade de representação textual e gráfica da representação hierárquica de tarefas pode ser encontrada em (Preece, Rogers e Sharp, 2005). Vamos considerar um exemplo para apresentar esta representação. Considerando o serviço de catalogação de uma biblioteca e a tarefa de realizar uma retirada. Esta pode ser decomposta em outras tarefas como acessar o catálogo da biblioteca, pesquisar por nome, título, assunto, ou outro qualquer, anotar a localização do livro, ir até a estante correta, pegar o livro (considerando que o mesmo se encontra lá, se o sistema não apontar isto) e, finalmente, levar até o balcão de retiradas para formalizar a mesma. Este conjunto de tarefas pode ser alterado de acordo com a familiaridade com relação ao livro e ao ambiente da biblioteca. A representação textual desta tarefa pode ser descrita da seguinte forma: 0. Para retirar um livro da biblioteca 1. vá à biblioteca 2. encontre o livro desejado 2.1 acesse o catálogo da biblioteca 2.2 acesse a tela de pesquisa 2.3 forneça os critérios para a busca 2.4. identifique o livro desejado 2.5 anote a localização 3. vá à estante correta e retire o livro 4. leve o livro ao balcão de empréstimo Plano 0: faça Se o livro não estiver na estante esperada, faça Plano 2: faça Se o livro não for identificado, faça Como funciona esta numeração? O número do plano corresponde ao número do passo ao qual se refere o plano. Por exemplo, o plano 2 mostra como as subtarefas no passo 2 podem ser ordenadas. Não há plano 1 porque o passo 1 não possui subtarefas associadas a ele. A figura 1 apresenta a notação gráfica da AHT para este exemplo, de acordo com a proposta dos autores. Esta notação é formada por retângulos (tarefas e subtarefas) 2

3 e linhas (relação hierárquica entre as tarefas), sendo que se a tarefa não é mais decomposta, uma linha horizontal é desenhada sob o retângulo correspondente. Figura 01. Diagrama AHT para o objetivo Retirar um livro da biblioteca Os planos também são mostrados de forma gráfica, sendo escritos junto à linha vertical originada do retângulo que contém a tarefa que está sendo decomposta. Outra proposta para representação de uma AHT pode ser encontrada em (Barbosa e Silva, 2010). Nesta proposta, AHT podem ser representadas de forma gráfica, através de um diagrama, ou através de tabelas. Um aspecto interessante desta proposta é a possibilidade de representar explicitamente uma ordem em que tarefas, ou subobjetivos, devem ser realizadas. Os planos podem definir diversas relações entre os subobjetivos: seqüência, onde um objetivo deve ser atingido antes do outro; seleção ou decisão, onde os objetivos a serem realizados dependem de determinada situação; ou em paralelo, onde mais de um objetivo pode ser atingido ao mesmo tempo. O objetivo que não possui nenhum subobjetivo (tarefa não mais decomposta) é denominado operação unidade fundamental em AHT. A representação gráfica de objetivos/tarefas é a mesma da proposta apresentada anteriormente um retângulo, assim como tarefas que não são mais decompostas, ou seja, operações, são representadas por retângulos com uma linha horizontal sob o mesmo. As relações entre os subobjetivos possuem a representação apresentada na figura 02: objetivo 1>2 objetivo 1/2 objetivo 1+2 sequencial seleção paralelo Figura 02. Relações entre subobjetivos 3

4 A figura 03 apresenta um diagrama AHT para o cadastro de um projeto final em um sistema acadêmico com a presença de coorientador, já descrito anteriormente (aulas anteriores). Figura 2. Diagrama AHT para o objetivo Cadastrar projeto final A tabela 01 apresenta a representação na forma de tabela, equivalente ao diagrama apresentado. Tabela 1. Exemplo de representação de tarefas da AHT em tabela. Objetivos/operações Problemas e recomendações 0. Cadastrar o projeto final 1>2 input: formulário de cadastro de projeto final, com título, orientador(es) e formato do trabalho. feedback: novo projeto aparece para a secretária na lista de projetos cadastrados como pendentes enquanto os envolvidos não confirmarem. plano: informar dados do projeto e depois enviar mensagem de confirmação de cadastramento. recomendação: permitir que o aluno efetue o cadastro on-line. 1. Informar dados do projeto 1+2 plano: informar aluno, título, formato, orientador principal e informar coorientador. 4

5 1.1 Informar aluno, título, formato, orientador principal 1.2 Informar coorientador 1/2 plano: informar coorientador já cadastrado ou informar nome, CPF e do coorientador Informar coorientador já cadastrado Informar nome, CPF e do coorientador problema: ao cadastrar novo orientador, perde os dados já cadastrados no sistema, caso existam (se tiver que buscar tais informações). recomendação: incluir o CPF de orientadores externos no formulário preenchido pelo aluno. 2. Enviar mensagem de confirmação do cadastramento ação: cadastro deve ser confirmado em até sete dias recomendação 1: tornar a confirmação mais eficiente. recomendação 2: alertar sobre o prazo de confirmação. As operações/tarefas são especificadas de acordo como o objetivo é ativado input ou entrada, pelas atividades ou ações que contribuem para atingi-lo e pelas condições que indicam seu atingimento (feedback). Uma ação pode ser entendida como uma instrução para fazer algo sob certas circunstâncias. O input como estados e o feedback como testes ou avaliação do estado final. Neste cenário, a ação pode ser vista formalmente como uma regra de transformação entre estados. Por exemplo, desejamos convidar alguns amigos para uma festa. Podemos ter como input [data, local e participantes], como ação [convidar participantes] e como feedback [presença dos participantes confirmada]. Ou seja, as principais características de uma operação/tarefa são as diversas ações que devem ser desempenhadas para atingir um objetivo e as condições que o satisfazem. Neste contexto, é possível identificar problemas e recomendações para possibilitar que os objetivos sejam alcançados. 5

6 GOMS (Goals, Operators, Methods and Selection Rules) O modelo GOMS, para Objetivos, Operadores, Métodos e Regras de Seleção, tem como objetivo analisar o desempenho dos usuários, realizando suas tarefas (dentro), sem cometer erros. Com isso, busca prever o desempenho dos usuários, prevendo o impacto de decisões de design. Pode ser considerado um método para descrever uma tarefa e o conhecimento do usuário sobre como realizar a mesma em termos de objetivos, operadores, métodos e regras de seleção. Os objetivos representam o que o usuário quer realizar utilizando o sistema; os operadores são as ações humanas que os usuários executam para interagir (cognitivas tomar decisões, memorizar; perceptivas olhar a tela, escutar um bip; motoras pressionar uma tecla). São atos elementares cuja execução é necessária para mudar aspectos do estado mental do usuário ou afetar o ambiente da tarefa; os métodos são sequências conhecidas de subobjetivos e operadores que permitem atingir um objetivo maior; e regras de seleção, que são utilizadas quando há mais de um método para atingir um objetivo, e representam a tomada de decisão do usuário sobre qual método utilizar em uma determinada situação. Em geral, GOMS é utilizado após uma análise básica de tarefas, com o objetivo de fornecer uma representação formalizada que pode ser utilizada para prever o desempenho de uma tarefa. A análise com GOMS requer que o designer comece com uma lista de objetivos de usuário (ou tarefas de alto nível), que pode ser obtida através de entrevistas, observações ou outras técnicas de elicitação de requisitos pertinentes. O modelo GOMS permite que sejam construídos modelos de tarefas simplificados ou com altos níveis de detalhamento. Usualmente, o modelo de tarefas não deve descrever informações de design da interface, uma vez que ela ainda não foi construída. Assim, modelos GOMS mais simplificados são ideais, acrescentando que, normalmente, o analista não é um especialista em psicologia cognitiva. Entre os modelos da família GOMS pode ser destacado o modelo KLM, descrito a seguir. Modelo KLM O KLM é a técnica mais simples de GOMS, limitada a um conjunto predefinido de operadores primitivos: K para pressionar uma tecla ou botão; P para apontar com o mouse um alvo em um dispositivo visual; H para mover as mãos para o teclado ou outro dispositivo; e assim por diante. Tem como objetivo principal identificar a carga cognitiva envolvida com a utilização de uma interface que utiliza teclado e mouse. Na fase de análise de requisitos, caso não exista um sistema desenvolvido que possa ser 6

7 aproveitado como interface de teste, um sistema similar pode ser utilizado. A tabela 02 apresenta estes operadores. Tabela 2. Operações do KLM e suas durações médias. A tabela 03 apresenta um exemplo de análise que pode ser feita com KLM. Tabela 3. Análise do Desempenho com o KLM 7

8 Referências Bibliográficas Barbosa, S. D. J.; Silva, B. S. Interação Humano-Computador. Rio de Janeiro: Elsevier, Preece, J.; Rogers, Y.; Sharp, H. Design de Interação. Porto Alegre: Bookman, Exercícios Considere a seguinte descrição: Um simples cenário para um sistema de agenda compartilhada, extraído de uma entrevista informal de levantamento de requisitos, descreve como uma função do calendário poderia funcionar: organizar uma reunião entre várias pessoas. O usuário informa o nome de todos os participantes da reunião, juntamente com algumas restrições, tais como duração da reunião, quando (vagamente) ela irá acontecer e, possivelmente, onde será realizada. O sistema procede então uma checagem, de acordo com os horários pessoais de cada um e com os do departamento central, e apresenta ao usuário uma série de datas em que todos estão livres. Aí a reunião pode ser confirmada e marcada nas agendas pessoais. Algumas pessoas, no entanto, irão querer ser consultadas antes de a reunião ser marcada. Talvez o sistema pudesse enviar uma mensagem automaticamente e perguntar se a data poderia ser confirmada antes de marcada definitivamente. Algumas considerações: as principais tarefas envolvidas nesta atividade implicam descobrir quem precisa estar na reunião, encontrar restrições como duração, data e local, encontrar uma data adequada, inserir os detalhes na agenda e informar os participantes. A tarefa de encontrar uma data adequada pode ser decomposta em outras tarefas, tais como olhar o calendário do departamento, olhar o calendário dos indivíduos e verificar datas não suscetíveis de restrição. 1. Considerando o sistema descrito, elabore o Diagrama Hierárquico de Tarefas e sua respectiva tabela, para o cenário Agendar Reunião. Identifique, a partir destes modelos, pontos em que a atividade pode ser mais eficiente. 2. Elabore o modelo GOMS para o objetivo cenarizado anteriormente - Agendar Reunião. Identifique a necessidade ou oportunidade de diferentes estratégias para alcançar este objetivo. 8

Organização do Espaço do Problema (Parte II)

Organização do Espaço do Problema (Parte II) Interface Homem/Máquina Aula 11 Professor Leandro Augusto Frata Fernandes laffernandes@ic.uff.br Material disponível em http://www.ic.uff.br/~laffernandes/teaching/2011.1/tcc-00.184 Roteiro da Aula de

Leia mais

Identificação dos papeis de usuários

Identificação dos papeis de usuários Análise de usuário e tarefas Análise de usuários Identificação dos papeis de usuários Conhecer as diferentes funções que cada usuário deverá ter no sistema Cada papel possui um conjunto de tarefas Definir

Leia mais

IV AVALIAÇÃO. Resumo Aula Anterior IV.2 AVALIAÇÃO PREDITIVA. o Avaliação Heurística (Cont.) o Fases da Avaliação Heurística

IV AVALIAÇÃO. Resumo Aula Anterior IV.2 AVALIAÇÃO PREDITIVA. o Avaliação Heurística (Cont.) o Fases da Avaliação Heurística IV AVALIAÇÃO IV.2 AVALIAÇÃO PREDITIVA HCI, Cap. 12, Alan Dix Interactive System Design, Cap. 8, William Newman Resumo Aula Anterior o Avaliação Heurística (Cont.) o Fases da Avaliação Heurística Treino;

Leia mais

Interação Homem-Computador

Interação Homem-Computador Interação Homem-Computador Apresentação da disciplina, metodologia de ensino, conteúdos, avaliações e bibliografia Prof. MSc. Hugo Vieira L. Souza Este documento está sujeito a copyright. Todos os direitos

Leia mais

Fundamentos de Teste de Software

Fundamentos de Teste de Software Núcleo de Excelência em Testes de Sistemas Fundamentos de Teste de Software Módulo 2- Teste Estático e Teste Dinâmico Aula 4 Projeto de Teste 1 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 ANÁLISE E PROJETO DE TESTE... 3 1.

Leia mais

Design de IHC: Cenários de Projeto

Design de IHC: Cenários de Projeto 1 Design de IHC: de Projeto Aula 14 09/05/2012 2 Da aula passada: 1. Definição dos Grupos de Trabalho Quais são? 2. Visita ao Portal da Prefeitura do Rio de Janeiro 3. Levantamento Informal de questões

Leia mais

MOODLE NA PRÁTICA PEDAGÓGICA

MOODLE NA PRÁTICA PEDAGÓGICA Carmen Mathias Agosto - 2009 I. CADASTRO 1. Acessar o site de treinamento (teste): http://moodle_course.unifra.br/ 2. Faça o login, clicando em acesso no lado direito superior da tela: 3. Coloque seu nome

Leia mais

Figura 1: tela inicial do BlueControl COMO COLOCAR A SALA DE INFORMÁTICA EM FUNCIONAMENTO?

Figura 1: tela inicial do BlueControl COMO COLOCAR A SALA DE INFORMÁTICA EM FUNCIONAMENTO? Índice BlueControl... 3 1 - Efetuando o logon no Windows... 4 2 - Efetuando o login no BlueControl... 5 3 - A grade de horários... 9 3.1 - Trabalhando com o calendário... 9 3.2 - Cancelando uma atividade

Leia mais

Resolução da lista de exercícios de casos de uso

Resolução da lista de exercícios de casos de uso Resolução da lista de exercícios de casos de uso 1. Explique quando são criados e utilizados os diagramas de casos de uso no processo de desenvolvimento incremental e iterativo. Na fase de concepção se

Leia mais

Avaliação Preditiva. Capítulo 9. HCI, Cap. 12, AlanDix. Interactive System Design, Cap. 8, William Newman

Avaliação Preditiva. Capítulo 9. HCI, Cap. 12, AlanDix. Interactive System Design, Cap. 8, William Newman Avaliação Preditiva Capítulo 9 HCI, Cap. 12, AlanDix Interactive System Design, Cap. 8, William Newman Transparências da disciplina de Interfaces Homem-Máquina IST, Mário Rui Gomes e Joaquim Jorge Resumo:

Leia mais

Interação Humano-Computador

Interação Humano-Computador Interação Humano-Computador IHC_Cap_00.indd i 15/7/2010 16:32:00 Preencha a ficha de cadastro no final deste livro e receba gratuitamente informações sobre os lançamentos e as promoções da Elsevier Editora.

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE WEB MULTIUSUÁRIO PARA SISTEMA DE GERAÇÃO AUTOMÁTICA DE QUADROS DE HORÁRIOS ESCOLARES. Trabalho de Graduação

DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE WEB MULTIUSUÁRIO PARA SISTEMA DE GERAÇÃO AUTOMÁTICA DE QUADROS DE HORÁRIOS ESCOLARES. Trabalho de Graduação DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE WEB MULTIUSUÁRIO PARA SISTEMA DE GERAÇÃO AUTOMÁTICA DE QUADROS DE HORÁRIOS ESCOLARES Trabalho de Graduação Orientando: Vinicius Stein Dani vsdani@inf.ufsm.br Orientadora: Giliane

Leia mais

Mauricio Barbosa e Castro

Mauricio Barbosa e Castro Mauricio Barbosa e Castro A interação homem-computador está muito relacionada com o processo de projeto, provendo soluções que levam em consideração todas as restrições e requisitos. O aspecto de projeto

Leia mais

A construção de um manual sobre a utilização dos modelos também poderá alavancar o uso das representações. Este conteria a explicação detalhada da

A construção de um manual sobre a utilização dos modelos também poderá alavancar o uso das representações. Este conteria a explicação detalhada da 6 Conclusões No âmbito do framework teórico da Engenharia Semiótica, este trabalho faz parte de um esforço conjunto para desenvolver ferramentas epistêmicas que apóiem a reflexão do designer durante o

Leia mais

Conectar diferentes pesquisas na internet por um menu

Conectar diferentes pesquisas na internet por um menu Conectar diferentes pesquisas na internet por um menu Pré requisitos: Elaboração de questionário Formulário multimídia Publicação na internet Uso de senhas na Web Visualização condicionada ao perfil A

Leia mais

Engenharia de Software Unidade XI UML Parte 2

Engenharia de Software Unidade XI UML Parte 2 Engenharia de Software Unidade XI UML Parte 2 Prof. Francisco Gerson A. de Meneses Diagramas de Interação... O diagrama de interação na verdade é um termo genérico aplicado à junção de dois outros diagramas:

Leia mais

SOFTWARES DE SIMULAÇÃO NO ENSINO DE QUÍMICA

SOFTWARES DE SIMULAÇÃO NO ENSINO DE QUÍMICA Aula 7 SOFTWARES DE SIMULAÇÃO NO ENSINO DE QUÍMICA META Discutir a utilização de softwares no ensino de Química. OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno deverá: Através da utilização do software carbópolis,

Leia mais

Aula 2 Revisão 1. Ciclo de Vida. Processo de Desenvolvimento de SW. Processo de Desenvolvimento de SW. Processo de Desenvolvimento de SW

Aula 2 Revisão 1. Ciclo de Vida. Processo de Desenvolvimento de SW. Processo de Desenvolvimento de SW. Processo de Desenvolvimento de SW Ciclo de Vida Aula 2 Revisão 1 Processo de Desenvolvimento de Software 1 O Processo de desenvolvimento de software é um conjunto de atividades, parcialmente ordenadas, com a finalidade de obter um produto

Leia mais

ASPECTOS COGNITIVOS NA INTERAÇÃO HOMEM- COMPUTADOR: uma análise comparativa de softwares odontológicos

ASPECTOS COGNITIVOS NA INTERAÇÃO HOMEM- COMPUTADOR: uma análise comparativa de softwares odontológicos ASPECTOS COGNITIVOS NA INTERAÇÃO HOMEM- COMPUTADOR: uma análise comparativa de softwares odontológicos Resumo Theresa Regina Pereira Padilha de Macedo 1 Ytalo Rosendo do Amaral 2 As novas perspectivas

Leia mais

natureza do projeto e da aplicação métodos e ferramentas a serem usados controles e produtos que precisam ser entregues

natureza do projeto e da aplicação métodos e ferramentas a serem usados controles e produtos que precisam ser entregues Modelo De Desenvolvimento De Software É uma representação abstrata do processo de desenvolvimento que define como as etapas relativas ao desenvolvimento de software serão conduzidas e interrelacionadas

Leia mais

MANUAL DO PROFESSOR. Suporte: SISTEMA DE GESTÃO EDUCACIONAL VIRTUALCLASS. EMAIL: suporte@virtualclass.com.br Skype: suportetisoebras

MANUAL DO PROFESSOR. Suporte: SISTEMA DE GESTÃO EDUCACIONAL VIRTUALCLASS. EMAIL: suporte@virtualclass.com.br Skype: suportetisoebras SISTEMA DE GESTÃO EDUCACIONAL VIRTUALCLASS MANUAL DO PROFESSOR Suporte: EMAIL: suporte@virtualclass.com.br Skype: suportetisoebras Nas unidades: Departamento de Tecnologia e Informação DTI Responsáveis

Leia mais

GERÊNCIA DE PROJETOS Prof. Késsia Rita da Costa Marchi 4ª Série kessia@unipar.br

GERÊNCIA DE PROJETOS Prof. Késsia Rita da Costa Marchi 4ª Série kessia@unipar.br GERÊNCIA DE PROJETOS Prof. Késsia Rita da Costa Marchi 4ª Série kessia@unipar.br O QUE É PROJETO? Empreendimento não repetitivo, caracterizado por uma seqüência lógica de eventos, com início, meio e fim,

Leia mais

PRONTUÁRIO ELETRÔNICO SIMPLIFICADO

PRONTUÁRIO ELETRÔNICO SIMPLIFICADO M I N I S T É R I O D O D E S E N V O L V I M E N T O S O C I A L E C O M B A T E À F O M E S E C R E T A R I A N A C I O N A L D E A S S I S T Ê N C I A S O C I A L DEPARTAMENTO DE GESTÃO DO SISTEMA ÚNICO

Leia mais

Guia para elaboração do Modelo de Domínio Metodologia Celepar

Guia para elaboração do Modelo de Domínio Metodologia Celepar Guia para elaboração do Modelo de Domínio Metodologia Celepar Agosto 2009 Sumário de Informações do Documento Documento: guiamodelagemclassesdominio.odt Número de páginas: 20 Versão Data Mudanças Autor

Leia mais

Análise de Sistemas. Contextualização. O Sucesso. Aula 4. Instrumentalização. Aula 4. Prof. Emerson Klisiewicz. Clientes satisfeitos

Análise de Sistemas. Contextualização. O Sucesso. Aula 4. Instrumentalização. Aula 4. Prof. Emerson Klisiewicz. Clientes satisfeitos Análise de Sistemas Aula 4 Contextualização Prof. Emerson Klisiewicz Aula 4 Gerenciamento de Requisitos Refinamento de Requisitos Aprovação de Requisitos Matriz de Rastreabilidade O Sucesso Clientes satisfeitos

Leia mais

Especificação Operacional.

Especificação Operacional. Especificação Operacional. Para muitos sistemas, a incerteza acerca dos requisitos leva a mudanças e problemas mais tarde no desenvolvimento de software. Zave (1984) sugere um modelo de processo que permite

Leia mais

MANUAL DA SECRETARIA

MANUAL DA SECRETARIA MANUAL DA SECRETARIA Conteúdo Tela de acesso... 2 Liberação de acesso ao sistema... 3 Funcionários... 3 Secretaria... 5 Tutores... 7 Autores... 8 Configuração dos cursos da Instituição de Ensino... 9 Novo

Leia mais

Passo a Passo do Cadastro Funcionários no SIGLA Digital

Passo a Passo do Cadastro Funcionários no SIGLA Digital Passo a Passo do Cadastro Funcionários no SIGLA Digital Funcionários Página 1 de 12 O cadastro de funcionários permite cadastrar o usuário que vai utilizar o SIGLA Digital e também seus dados pessoais.

Leia mais

TRABALHANDO COM O ORÇAMENTO NO GERENCIAL

TRABALHANDO COM O ORÇAMENTO NO GERENCIAL Execute o ícone na área de trabalho: TRABALHANDO COM O ORÇAMENTO NO GERENCIAL Aguarde um instante, irá aparecer à seguinte tela: Clique no botão EXECUTAR e aguarde um momento. Após ter clicado em EXECUTAR

Leia mais

CADERNOS DE INFORMÁTICA Nº 1. Fundamentos de Informática I - Word 2010. Sumário

CADERNOS DE INFORMÁTICA Nº 1. Fundamentos de Informática I - Word 2010. Sumário CADERNO DE INFORMÁTICA FACITA Faculdade de Itápolis Aplicativos Editores de Texto WORD 2007/2010 Sumário Editor de texto... 3 Iniciando Microsoft Word... 4 Fichários:... 4 Atalhos... 5 Área de Trabalho:

Leia mais

Micro Mídia Informática Fevereiro/2009

Micro Mídia Informática Fevereiro/2009 Micro Mídia Informática Fevereiro/2009 1 UML Introdução Fases de Desenvolvimento Notação Visões Análise de Requisitos Casos de Uso StarUML Criando Casos de Uso Orientação a Objetos Diagrama de Classes

Leia mais

Tutorial Agenda. Conteúdo. Tutorial Agenda

Tutorial Agenda. Conteúdo. Tutorial Agenda Tutorial Agenda Conteúdo 1 Criar Grupos de Agenda... 1 2 Como Visualizar Eventos Cadastrados... 3 3 Incluir Tarefas... 6 4 Incluir Funcionário Novo em uma Agenda Existente... 8 A agenda do sistema funcionará

Leia mais

Análise e Modelagem de Tarefas

Análise e Modelagem de Tarefas Introdução à Interação Humano-Computador Análise de Tarefas Professora: Raquel Oliveira Prates http://www.dcc.ufmg.br/~rprates/ihc Aula 13: 01/11 1 Análise e Modelagem de Tarefas perspectiva do usuário

Leia mais

Levantamento, Análise e Gestão Requisitos. Aula 06

Levantamento, Análise e Gestão Requisitos. Aula 06 Levantamento, Análise e Gestão Requisitos Aula 06 Agenda Técnicas de Levantamento de Requisitos: Entrevista Workshop, Brainstorming, Storyboarding e Roleplaying Prototipação JAD Joint Application Design

Leia mais

O Sistema foi inteiramente desenvolvido em PHP+Javascript com banco de dados em MySQL.

O Sistema foi inteiramente desenvolvido em PHP+Javascript com banco de dados em MySQL. Nome do Software: Gerenciador de Projetos Versão do Software: Gerenciador de Projetos 1.0.0 1. Visão Geral Este Manual de Utilização do Programa Gerenciador de Projetos via Web, tem por finalidade facilitar

Leia mais

Relatórios. Manual. Pergamum

Relatórios. Manual. Pergamum Relatórios Manual Pergamum Manual PER-MAN-005 Estatísticas Circulação de Materiais - Geral Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 1-4 1.1 PESQUISANDO ESTATÍSITICAS E RELATÓRIOS... 1-10 1.2 UTILIZANDO O MÓDULO RELATÓRIOS...

Leia mais

Trabalho de Desenvolvimento de Sistemas de Software GereComSaber 2ª Fase

Trabalho de Desenvolvimento de Sistemas de Software GereComSaber 2ª Fase Universidade do Minho Departamento de Informática Desenvolvimento de Sistemas de Software Trabalho de Desenvolvimento de Sistemas de Software GereComSaber 2ª Fase Luana Georgia Lopes Telha nº 49379 Luís

Leia mais

Diagrama de Casos de Uso

Diagrama de Casos de Uso Diagrama de Casos de Uso Curso de Especialização DEINF - UFMA Desenvolvimento Orientado a Objetos Prof. Geraldo Braz Junior Referências: Booch, G. et al. The Unified Modeling Language User Guide Medeiros,

Leia mais

Processo de Engenharia de Software II

Processo de Engenharia de Software II UNIOESTE Universidade Estadual do Oeste do Paraná CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS Colegiado de Ciência da Computação Curso de Bacharelado em Ciência da Computação Processo de Engenharia de Software

Leia mais

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. SPARK - Comunicador Instantâneo MANUAL DO USUÁRIO

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. SPARK - Comunicador Instantâneo MANUAL DO USUÁRIO SPARK - Comunicador Instantâneo MANUAL DO USUÁRIO SUMARIO 1. Introdução... 3 2. Opções de acesso ao Spark... 3 2.1. Acesso via Comunicador - Spark... 3 2.2. Acesso via SparkWeb... 4 3. Inserindo frase

Leia mais

3 Conceitos e Representações de Design de IHC à luz da Engenharia Semiótica

3 Conceitos e Representações de Design de IHC à luz da Engenharia Semiótica 3 Conceitos e Representações de Design de IHC à luz da Engenharia Semiótica Este capítulo descreve conceitos e representações de design necessários ao entendimento e uso do modelo de interação proposto.

Leia mais

COMO COMEÇAR 2016 se organizando?

COMO COMEÇAR 2016 se organizando? COMO COMEÇAR 2016 se organizando? Como começar 2016 se organizando? Conheça estratégias simples para iniciar o novo ano com o pé direito Você sabia que, de acordo com o Sebrae, os principais motivos que

Leia mais

Ambiente Visual para o Desenvolvimento de Jogos Eletrônicos

Ambiente Visual para o Desenvolvimento de Jogos Eletrônicos Ambiente Visual para o Desenvolvimento de Jogos Eletrônicos Diego Cordeiro Barboza 1, Júlio César da Silva 2 1 UNIFESO, Centro de Ciências e Tecnologia, Curso de Ciência da Computação, diego.cbarboza@gmail.com

Leia mais

Site Fácil. Guia do Usuário. PROCERGS Divisão 5

Site Fácil. Guia do Usuário. PROCERGS Divisão 5 Site Fácil Guia do Usuário PROCERGS Divisão 5 Este documento foi produzido pela PROCERGS - Divisão 5. Praça dos Açorianos, s/n - CEP 90010-340 Porto Alegre, RS (051) 210-3100 http:\\www.procergs.com.br

Leia mais

QUALQUER MOMENTO E LUGAR PROTEJA SEUS DADOS

QUALQUER MOMENTO E LUGAR PROTEJA SEUS DADOS INTRANET BENEFÍCIOS QUALQUER MOMENTO E LUGAR PROTEJA SEUS DADOS Via Prática Intranet permite que você acesse todas as informações importantes a qualquer hora, não importa onde você está. Tudo que você

Leia mais

O planejamento do projeto. Tecnologia em Gestão Pública Desenvolvimento de Projetos Aula 8 Prof. Rafael Roesler

O planejamento do projeto. Tecnologia em Gestão Pública Desenvolvimento de Projetos Aula 8 Prof. Rafael Roesler O planejamento do projeto Tecnologia em Gestão Pública Desenvolvimento de Projetos Aula 8 Prof. Rafael Roesler 2 Introdução Processo de definição das atividades Sequenciamento de atividades Diagrama de

Leia mais

TREINAMENTO SISTEMA ACADÊMICO (SA) E WEBDIÁRIO

TREINAMENTO SISTEMA ACADÊMICO (SA) E WEBDIÁRIO MEC-SETEC INSTITUTO FEDERAL DE CIÊNCIA, EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS CAMPUS BAMBUÍ Gerência de Tecnologia da Informação TREINAMENTO SISTEMA ACADÊMICO (SA) E WEBDIÁRIO Janeiro de 2009 NOTA DE CONFIDENCIALIDADE

Leia mais

ANÁLISE DE SOFTWARE EDUCATIVO NO ENSINO DE MATEMÁTICA. Palavras chave: Software Educativo; Construção do Conhecimento; Aprendizagem.

ANÁLISE DE SOFTWARE EDUCATIVO NO ENSINO DE MATEMÁTICA. Palavras chave: Software Educativo; Construção do Conhecimento; Aprendizagem. ANÁLISE DE SOFTWARE EDUCATIVO NO ENSINO DE MATEMÁTICA. Débora Janaína Ribeiro e Silva Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia da Paraíba debora_jr10@yahoo.com.br Resumo Este trabalho teve como

Leia mais

MÓDULO 3 Cadastros básicos

MÓDULO 3 Cadastros básicos MÓDULO 3 Cadastros básicos Agora que você já conhece o SCAWEB, demonstraremos como realizar os cadastros básicos do HÓRUS. Inicialmente, você precisará acessar o HÓRUS com o email e senha cadastrados no

Leia mais

1223o TUTORIAL PRÉ-VENDA. Realização: DEPARTAMENTO DE IMPLANTAÇÃO EQUIPE DE DOCUMENTAÇÃO

1223o TUTORIAL PRÉ-VENDA. Realização: DEPARTAMENTO DE IMPLANTAÇÃO EQUIPE DE DOCUMENTAÇÃO 1223o TUTORIAL PRÉ-VENDA Realização: DEPARTAMENTO DE IMPLANTAÇÃO EQUIPE DE DOCUMENTAÇÃO TUTORIAL PRÉ-VENDA NO SYSPDV Casa Magalhães Comércio e Representações Ltda O objetivo deste tutorial é apresentar

Leia mais

FIELDLINK Documentation

FIELDLINK Documentation FIELDLINK Documentation Versão 1.0 Diego Cueva, Rafael Gonçalves 05/11/2014 Sumário 1 O que é e como funciona? 3 1.1 Aplicativo Web.............................................. 3 1.2 Aplicativo Móvel.............................................

Leia mais

Manual e Documentação

Manual e Documentação Manual e Documentação A nova versão 2007 do E-Port teve um aumento na segurança e integridade do sistema de controle de portarias, porém ainda conta com o mesmo visual fácil, acessível e funcional de sempre.

Leia mais

A aplicação da Engenharia Semiótica no design da interface de usuário do software ASK2000

A aplicação da Engenharia Semiótica no design da interface de usuário do software ASK2000 A aplicação da Engenharia Semiótica no design da interface de usuário do software ASK2000 Jair Cavalcanti Leite Universidade Federal do Rio Grande do Norte Campus Universitário, Lagoa Nova 59072-970 Natal,

Leia mais

MODELAGEM DO SISTEMA: DIAGRAMA DE ATIVIDADES

MODELAGEM DO SISTEMA: DIAGRAMA DE ATIVIDADES COLÉGIO ESTADUAL ULYSSES GUIMARÃES CURSO TÉCNICO PROFISSIONALIZANTE EM INFORMÁTICA ERINALDO SANCHES NASCIMENTO MODELAGEM DO SISTEMA: DIAGRAMA DE ATIVIDADES FOZ DO IGUAÇU 2013 LISTA DE FIGURAS FIGURA 1

Leia mais

TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO Comunicado de Processo Seletivo Externo Nº 003/2015 para Provimento de Vaga para Contrato por Prazo Indeterminado

TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO Comunicado de Processo Seletivo Externo Nº 003/2015 para Provimento de Vaga para Contrato por Prazo Indeterminado TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO Comunicado de Processo Seletivo Externo Nº 003/2015 para Provimento de Vaga para Contrato por Prazo Indeterminado O SESI Piauí, assessorado pelo IEL, torna pública a realização

Leia mais

ALGORITMOS E FLUXOGRAMAS

ALGORITMOS E FLUXOGRAMAS ALGORITMOS E FLUXOGRAMAS Prof. André Backes INTRODUÇÃO Computadores = cérebros eletrônicos? Computadores são máquinas e, por si sós, não podem ser inteligentes. Alguém as projetou e deu a ela todas as

Leia mais

ERGONOMIA. Prof. Ruy Alexandre Generoso

ERGONOMIA. Prof. Ruy Alexandre Generoso ERGONOMIA Prof. Ruy Alexandre Generoso Ergonomia de Software - Definição É a ciência que estuda o conforto, a utilização, a organização e a documentação do software. Tem como objetivo facilitar e otimizar

Leia mais

Porque prototipar? Prototipagem e Cenários. Dilema. Prototipação. Artefatos do Design. Veja antes, decida depois. Prototipagem & Design Iterativo

Porque prototipar? Prototipagem e Cenários. Dilema. Prototipação. Artefatos do Design. Veja antes, decida depois. Prototipagem & Design Iterativo Porque prototipar? Prototipagem e Veja antes, decida depois Falhas identificadas rapidamente Possibilidade de explorar o design space Protótipos: artefatos que simulam parte das características do sistema

Leia mais

Análise e Modelagem de Tarefas

Análise e Modelagem de Tarefas Marco A. A. Winckler 1, Marcelo Soares Pimenta 2 IHC2004 (Tutorial) * 1 LIIHS-IRIT (Université Paul Sabatier, Toulouse 3), 118 route de Narbonne, 31062 Toulouse CEDEX 4, France 2 Instituto de Informática

Leia mais

Eventos MT-611-00005 Última Atualização 25/04/2012

Eventos MT-611-00005 Última Atualização 25/04/2012 Eventos MT-611-00005 Última Atualização 25/04/2012 I. Objetivos Após este módulo de capacitação você será capaz de: 1. Pesquisar eventos disponíveis para participação de uma empresa; 2. Confirmar presença

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO PORTAL DO PROFESSOR

MANUAL DO USUÁRIO PORTAL DO PROFESSOR MANUAL DO USUÁRIO PORTAL DO PROFESSOR ACESSANDO O PORTAL DO PROFESSOR Para acessar o portal do professor, acesse o endereço que você recebeu através da instituição de ensino ou acesse diretamente o endereço:

Leia mais

Introdução Ciclo de vida tradicional de desenvolvimento Prototipagem Pacotes de software Desenvolvimento de 4ª geração Terceirização

Introdução Ciclo de vida tradicional de desenvolvimento Prototipagem Pacotes de software Desenvolvimento de 4ª geração Terceirização Prof. Ricardo José Pfitscher Material elaborado com base em: José Luiz Mendes Gerson Volney Lagemann Introdução Ciclo de vida tradicional de desenvolvimento Prototipagem Pacotes de software Desenvolvimento

Leia mais

Curso Juventude Brasileira e Ensino Médio Inovador. Manual do ambiente Moodle

Curso Juventude Brasileira e Ensino Médio Inovador. Manual do ambiente Moodle Curso Juventude Brasileira e Ensino Médio Inovador Manual do ambiente Moodle CURSO DE INTRODUÇÃO AO MOODLE 1. Introdução Estamos começando nossa viagem e nossa primeira parada é na unidade denominada Curso

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO I. Família Pai, mãe, filhos. Criar condições para a perpetuação da espécie

ADMINISTRAÇÃO I. Família Pai, mãe, filhos. Criar condições para a perpetuação da espécie 1 INTRODUÇÃO 1.1 ORGANIZAÇÃO E PROCESSOS A administração está diretamente ligada às organizações e aos processos existentes nas mesmas. Portanto, para a melhor compreensão da Administração e sua importância

Leia mais

Prof. Vitório Bruno Mazzola INE/CTC/UFSC 1. INTRODUÇÃO

Prof. Vitório Bruno Mazzola INE/CTC/UFSC 1. INTRODUÇÃO Capítulo 6 ENGENHARIA DE SOFTWARE CONCEITOS BÁSICOS Prof. Vitório Bruno Mazzola INE/CTC/UFSC 1. INTRODUÇÃO Nos anos 40, quando se iniciou a evolução dos sistemas computadorizados, grande parte dos esforços,

Leia mais

Sequor: uma ferramenta para rastreamento ocular

Sequor: uma ferramenta para rastreamento ocular UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CENTRO DE INFORMÁTICA Sequor: uma ferramenta para rastreamento ocular Proposta de Trabalho de Graduação Aluno: Gabriel José Barreto

Leia mais

Pró-Reitoria de Administração - PRAd Assessoria de Informática - AI SISTEMA DE PUBLICAÇÃO DE LICITAÇÕES. Manual de Procedimentos

Pró-Reitoria de Administração - PRAd Assessoria de Informática - AI SISTEMA DE PUBLICAÇÃO DE LICITAÇÕES. Manual de Procedimentos Pró-Reitoria de Administração - PRAd Assessoria de Informática - AI SISTEMA DE PUBLICAÇÃO DE LICITAÇÕES Manual de Procedimentos 2004 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO...3 2. OBJETIVOS...3 3. ÂMBITO DE APLICAÇÃO...3

Leia mais

1 - Acessando o sistema de preenchimento

1 - Acessando o sistema de preenchimento Manual simplificado para preenchimento da ART Online Res. 1.025/2009 do Confea. 1 - Acessando o sistema de preenchimento Acesse o site www.crea-go.org.br no centro da página inicial, na identificação ART

Leia mais

Interface Homem-Computador

Interface Homem-Computador Faculdade de Ciências e Tecnologia do Maranhão Interface Homem-Computador Aula: Engenharia Cognitiva e Semiótica Professor: M.Sc. Flávio Barros flathbarros@gmail.com Conteúdo Engenharia Cognitiva Fundamentos

Leia mais

Perfil Chefe de Transporte

Perfil Chefe de Transporte Manual do Usuário Perfil Chefe de Transporte APRESENTAÇÃO Bem vindos ao manual do usuário do Sistema de Gestão de Frotas. Este Manual proporcionará aos seus usuários, descobrir todas as funcionalidades

Leia mais

Sistemas de Informação I

Sistemas de Informação I + Sistemas de Informação I Teoria geral dos sistemas Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br + Introdução n Necessário entender inicialmente os conceitos básicos e base filosófica que norteiam sistemas

Leia mais

Manual do Usuário - ProJuris Web - Biblioteca Jurídica Página 1 de 20

Manual do Usuário - ProJuris Web - Biblioteca Jurídica Página 1 de 20 As informações contidas neste documento estão sujeitas a alterações sem o prévio aviso, o que não representa um compromisso da Virtuem Informática. As pessoas, organizações ou empresas e eventos de exemplos

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 PROPOSTA DE UMA ARQUITETURA DE INTERFACE DE SOFTWARE PARA GERAÇÃO DE NOTAS MUSICAIS PARA DETECÇÃO DE OBSTÁCULOS MAGNA CAETANO DA SILVA 1, GABRIEL DA SILVA 2 RESUMO Para realização deste trabalho foi realizada

Leia mais

Diagrama de Caso de Uso

Diagrama de Caso de Uso "Antes de imprimir pense em sua responsabilidade e compromisso com o MEIO AMBIENTE." Engenharia de Software Diagrama de Caso de Uso Givanaldo Rocha de Souza givanaldo.rocha@ifrn.edu.br http://docente.ifrn.edu.br/givanaldorocha

Leia mais

Manual para acesso às disciplinas na modalidade EAD

Manual para acesso às disciplinas na modalidade EAD Manual para acesso às disciplinas na modalidade EAD Para acessar sua senha: 1. Entrar no portal Metodista online Acesse o site www.bennett.br. No lado superior direito aparecerá a janela da área de login,

Leia mais

Controle de Documento

Controle de Documento 1 Controle de Documento Revisor Versão Data Publicação Suelen Longoni 1.0 11/09/2009 2 Sumário Controle de Versão... 2 Índice de Figuras... 6 1. Informações Iniciais... 11 1.1. Sobre o documento... 11

Leia mais

1) Cadastros/ Clientes

1) Cadastros/ Clientes Pagina 2 Fone: (17) 3426-5560 www.megaonline.com.br/hoken Segue um passo a passo do que foi alterado/acrescentado na versão 2.2 da Agenda Hoken. 1) Cadastros/ Clientes a. Relatório de CLIENTES sem Agendamento

Leia mais

CURSO: MICROSOFT EXCEL 2000 E 2003 SUMÁRIO

CURSO: MICROSOFT EXCEL 2000 E 2003 SUMÁRIO CURSO: MICROSOFT EXCEL 2000 E 2003 SUMÁRIO AULA 1 Conhecendo o Microsoft Excel 2000 e 2003 Introdução ao Excel 2000 e 2003 O que o Excel faz Apresentação da tela do Excel Definição de células AULA 2 Trabalhando

Leia mais

Manual de Treinamento Serviços de Manutenção Ticket Car. Operações via POS/TEF

Manual de Treinamento Serviços de Manutenção Ticket Car. Operações via POS/TEF Manual de Treinamento Serviços de Manutenção Ticket Car Operações via POS/TEF Cartão Ticket Car CIU - Cartão de Identificação do Usuário ÍNDICE Operações com o Cartão Ticket Car... 04 POS Ticket Car :

Leia mais

MODELAGEM DE SISTEMAS

MODELAGEM DE SISTEMAS MODELAGEM DE SISTEMAS Diagramas de Casos de Uso Profa. Rosemary Melo Diagrama de Casos de Uso Modelagem de Sistemas Apresenta uma visão externa geral das funções ou serviços que o sistema deverá oferecer

Leia mais

MANUAL OPERACIONAL Sistema de Cadastro Único 7

MANUAL OPERACIONAL Sistema de Cadastro Único 7 MANUAL OPERACIONAL Sistema de Cadastro Único 7 Versão Preliminar 1 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO...4 1.1 Apresentação...4 1.2 Organização e uso do manual...4 1.3 Dúvidas e canais de atendimento...4 2 VISÃO GERAL

Leia mais

MANUAL DE GABINETES SAJ/SG5

MANUAL DE GABINETES SAJ/SG5 MANUAL DE GABINETES SAJ/SG5 Seção de Implantação de Sistemas Divisão de Sistemas Judiciais de Segundo Grau Diretoria de Tecnologia da Informação DTI/TJSC suporte: saj2grau@tjsc.jus.br Índice: Página 1.

Leia mais

Unioeste - Universidade Estadual do Oeste do Paraná Curso de Bacharelado em Informática Estudo de Requisitos CASCAVEL 2009

Unioeste - Universidade Estadual do Oeste do Paraná Curso de Bacharelado em Informática Estudo de Requisitos CASCAVEL 2009 Unioeste - Universidade Estadual do Oeste do Paraná CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS Colegiado de Informática Curso de Bacharelado em Informática Estudo de Requisitos Alunos: Professor: Disciplina:

Leia mais

RESERVAR MANUAL SISTEMA DE RESERVAS DE SALAS INFORMATIZADAS

RESERVAR MANUAL SISTEMA DE RESERVAS DE SALAS INFORMATIZADAS RESERVAR MANUAL SISTEMA DE RESERVAS DE SALAS INFORMATIZADAS Faculdades Integradas do Brasil www.unibrasil.com.br 1 Sumário 1 INTRODUÇÃO...3 2 ÁREA DE ACESSO PÚBLICO...4 2.1 VISUALIZAÇÃO E NAVEGAÇÃO POR

Leia mais

Permitir a troca de mensagens de texto entre os dois alunos; Permitir que um aluno enviasse para o outro uma cópia de prova;

Permitir a troca de mensagens de texto entre os dois alunos; Permitir que um aluno enviasse para o outro uma cópia de prova; Software Básico 2008.2 Trabalho Prático 1: programação de E/S, uso de sinais Prática de programação voltada a eventos Trabalho individual ou em dupla Data de entrega: 01/10/2008 1 O Objetivo Utilizando

Leia mais

Guia de Utilização BANCO DE EMPREGOS ANOS. www.sindigraf.org.br

Guia de Utilização BANCO DE EMPREGOS ANOS. www.sindigraf.org.br Guia de Utilização BANCO DE EMPREGOS ANOS www.sindigraf.org.br 01 ÍNDICE Como acessar o Banco de Empregos 04 Candidato - Gerenciamento de Conta 06 Empresa - Gerenciamento de Conta 12 Como se Logar 19

Leia mais

MUNICÍPIO DE ESTEIO SECRETARIA MUNICIPAL DE FAZENDA NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA - NFS-E MANUAL DE ACESSO E UTILIZAÇÃO DO APLICATIVO ON-LINE

MUNICÍPIO DE ESTEIO SECRETARIA MUNICIPAL DE FAZENDA NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA - NFS-E MANUAL DE ACESSO E UTILIZAÇÃO DO APLICATIVO ON-LINE MUNICÍPIO DE ESTEIO SECRETARIA MUNICIPAL DE FAZENDA NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA - NFS-E MANUAL DE ACESSO E UTILIZAÇÃO DO APLICATIVO ON-LINE Versão 1.0.5 Março/2014 ÍNDICE 1. APRESENTAÇÃO... 6 2.

Leia mais

Licenciatura em Informática. - Análise e Conceção de Sistemas de Informação. Gestão de Condómino. Documento de Análise.

Licenciatura em Informática. - Análise e Conceção de Sistemas de Informação. Gestão de Condómino. Documento de Análise. Licenciatura em Informática - Gestão de Condómino Documento de Análise Realizado por: José Marcos, Nº 100118005 Pedro Santo, Nº 130118025 Marius Seres, Nº 130118012 Santarém, 20 de Janeiro 2015 Índice

Leia mais

PANDION MANUAL DO USUÁRIO (versão 1.0)

PANDION MANUAL DO USUÁRIO (versão 1.0) Secretaria de Tecnologia da Informação Coordenadoria de Suporte Técnico aos Usuários PANDION MANUAL DO USUÁRIO (versão 1.0) SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 3 2. CADASTRAMENTO NECESSÁRIO PARA UTILIZAR O PANDION...

Leia mais

Astra LX Registro de Pacientes e Médicos Guia para o acesso aos registros de Pacientes e Médicos e eliminação de dados duplicados no AstraLX

Astra LX Registro de Pacientes e Médicos Guia para o acesso aos registros de Pacientes e Médicos e eliminação de dados duplicados no AstraLX Astra LX Registro de Pacientes e Médicos Guia para o acesso aos registros de Pacientes e Médicos e eliminação de dados duplicados no AstraLX 2011 Equipe Documentação Astra AstraLab 27/10/2011 Sumário Registro

Leia mais

Ajuda On-line - Sistema de Relacionamento com o Cliente. Versão 1.1

Ajuda On-line - Sistema de Relacionamento com o Cliente. Versão 1.1 Ajuda On-line - Sistema de Relacionamento com o Cliente Versão 1.1 Sumário Sistema de Relacionamento com Cliente 3 1 Introdução... ao Ambiente do Sistema 4 Acessando... o Sistema 4 Sobre a Tela... do Sistema

Leia mais

1. Introdução. Avaliação de Usabilidade Página 1

1. Introdução. Avaliação de Usabilidade Página 1 1. Introdução Avaliação de Usabilidade Página 1 Os procedimentos da Avaliação Heurística correspondem às quatro fases abaixo e no final é apresentado como resultado, uma lista de problemas de usabilidade,

Leia mais

Cadastro de Usuários e Agendamento de Consultas

Cadastro de Usuários e Agendamento de Consultas 2013 Cadastro de Usuários e Agendamento de Consultas Cris Podologia 1 Conteúdo 1) Cadastro... 3 2) Agendamento... 8 3) Atualização e Complemento do Cadastro... 13 a) Perfil... 15 b) Endereço... 15 4) Recuperação

Leia mais

Termo de Uso ANEAS Colégio São Francisco Xavier

Termo de Uso ANEAS Colégio São Francisco Xavier Termo de Uso ANEAS Colégio São Francisco Xavier ACORDO COM O USUÁRIO Este Termo de Uso apresenta as Condições Gerais aplicáveis ao uso dos serviços oferecidos pelo ANEAS COLÉGIO SÃO FRANCISCO XAVIER, inscrita

Leia mais

Análise e Projeto OO com UML. Lição 3 Especificação e Modelagem de Requisitos com UML

Análise e Projeto OO com UML. Lição 3 Especificação e Modelagem de Requisitos com UML Análise e Projeto OO com UML Lição 3 Especificação e Modelagem de Requisitos com UML Prof. Fábio Bianchi Campos 1 Objetivos Gerais Apresentar as características básicas de uma especificação de requisitos;

Leia mais

Atualização, backup e recuperação de software

Atualização, backup e recuperação de software Atualização, backup e recuperação de software Guia do usuário Copyright 2007 Hewlett-Packard Development Company, L.P. Windows é uma marca registrada nos Estados Unidos da Microsoft Corporation. As informações

Leia mais

Passo 3 Acessar os arquivos do curso:

Passo 3 Acessar os arquivos do curso: Passo 3 Acessar os arquivos do curso: Prezado participante, veremos agora o nosso terceiro e último passo antes que você possa dar início ao seu curso. Nesta etapa você aprenderá como acessar e utilizar

Leia mais

Boletim Eletrônico de Recolhimento Manual do Sistema. Boletim Eletrônico de Recolhimento. Manual do Sistema

Boletim Eletrônico de Recolhimento Manual do Sistema. Boletim Eletrônico de Recolhimento. Manual do Sistema Boletim Eletrônico de Recolhimento Manual do Sistema Versão 1.2 Junho / 2013 Sumário 1. Introdução... - 3-2. O Sistema BOLETIM ELETRÔNICO DE RECOLHIMENTO... - 3-3. Pré-requisitos... - 3-4. Primeiro Acesso...

Leia mais

Tecnologias no Cotidiano Desafios a Inclusão Digital e social

Tecnologias no Cotidiano Desafios a Inclusão Digital e social Tecnologias no Cotidiano Desafios a Inclusão Digital e social 1- Apresentação Estamos iniciando o curso Introdução à Educação Digital. Esse curso integra um conjunto de políticas públicas voltadas à inclusão

Leia mais

Introdução. Software (Parte I)

Introdução. Software (Parte I) Universidade Federal de Campina Grande Centro de Engenharia Elétrica e Informática Unidade Acadêmica de Sistemas e Computação Introdução à Computação Software (Parte I) Prof. a Joseana Macêdo Fechine Régis

Leia mais