DESENVOLVENDO O SISTEMA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DESENVOLVENDO O SISTEMA"

Transcrição

1 DESENVOLVENDO O SISTEMA Declaração da Necessidade O primeiro passo do processo de análise de sistema envolve a identificação da necessidade [Pressman-95]. Normalmente o analista reúne-se com o usuário final e juntos definem as metas do sistema assim como as principais funcionalidades a serem contempladas. A definição inicial das necessidades norteará o desenvolvimento do sistema, e posteriormente as informações contidas nesta declaração serão refinadas para oferecer mais detalhes para a especificação dos requisitos. Não é preciso que esta definição seja exata e completa, apenas deve expressar claramente o problema a ser resolvido. As necessidades inicialmente identificadas para o Sistema Comercial compreendem as atividades relacionadas com compras e vendas realizadas em uma loja. Para tanto, deve compreender: registro das vendas de produtos; controle de vendas a prazo; emissão de notas fiscais; cálculo das comissões dos vendedores; fornecimento de informações sobre o estoque para a realização das compras; acompanhamento dos pagamentos relativos às compras; atualização do estoque. São usuários diretos do sistema o setor de vendas, o setor de compras, o setor financeiro, o setor de estoque e o gerente da loja.

2 Especificação de Requisitos Funcionais A análise de requisitos consiste na definição clara dos objetivos a serem alcançados, e culmina com a produção de um documento denominado Especificação de Requisitos. Como definido em [Davis-96], requisito é uma capacidade ou característica necessária para que determinado usuário solucione um problema ou alcance um objetivo. Esta seção trata dos requisitos funcionais, sendo que os demais tipos de requisitos (desempenho, confiabilidade, segurança, etc.) são também importantes, porém não serão discutidos neste trabalho. A especificação de requisitos funcionais é feita através de casos de uso (use cases), conforme definidos em [UML-97]. Um conjunto de casos de uso é importante para se compreender o que o usuário quer. Um caso de uso descreve uma funcionalidade a ser oferecida pelo sistema, ou seja, um serviço prestado ao usuário. Casos de Uso A idéia para a identificação dos casos de uso é analisar o negócio sob o ponto de vista dos objetivos do usuário. Não se deve buscar funções do negócio ou simplesmente tratar os casos de uso como funções do sistema. No Sistema Comercial, a determinação dos casos de uso foi feita a partir da elaboração de roteiros que descrevem os principais eventos de negócio. Cada roteiro foi analisado em busca de tarefas que o sistema poderia dar suporte, gerando assim os casos de uso. A denominação utilizada para os casos de uso é iniciada com um verbo no infinitivo que expressa a tarefa do usuário que o sistema irá apoiar. Ex.: Autorizar Crédito - este caso de uso apoiará a tomada de decisão do funcionário do setor financeiro para que ele cumpra sua tarefa de autorizar crédito, fornecendo informações sobre a situação do cliente e, também, registrando a autorização.

3 Os quadros a seguir mostram o roteiro de evento para venda à vista e os casos de uso identificados: Roteiro: Venda à Vista 1. Cliente entra na loja e solicita produto. 2. Vendedor informa a existência do produto na loja. 3. Cliente solicita informações sobre produto à venda (ex.: cor, tamanho, fabricante, preço,...). 4. Vendedor mostra todas as opções disponíveis. 5. Cliente informa o(s) produto(s) desejado(s). 6. Vendedor registra venda. 7. Caixa informa valor a pagar para o cliente. 8. Cliente efetua o pagamento. 9. Caixa registra o pagamento e fornece a nota fiscal. 10. Almoxarife realiza a baixa no estoque. 11. Cliente leva o produto com a nota fiscal. 12. Ao final do mês o funcionário do Setor Financeiro calcula as comissões dos vendedores sobre as vendas à vista. Caso de Uso Passos do Roteiro Pesquisar Produto Registrar Venda * Registrar Pagamento Calcular Comissão de Vendedor 12 * A baixa no estoque será automática após a confirmação da venda.

4 Os quadros a seguir mostram o roteiro de evento para venda a prazo e os casos de uso identificados: Roteiro: Venda a Prazo 1. Cliente informa o(s) produto(s) desejado(s). 2. Vendedor registra venda. 3. Cliente escolhe plano de pagamento (quantidade de prestações). 4. Vendedor informa o valor das prestações. 5. Funcionário do Setor Financeiro verifica se cliente está com situação financeira regular em relação a empresa. 6. Funcionário do Setor Financeiro autoriza o crédito e emite o carnê de pagamento. 7. Caixa informa valor a pagar para o cliente. 8. Cliente paga a primeira prestação no guichê do caixa. 9. Caixa registra o pagamento e fornece a nota fiscal. 10. Almoxarife realiza a baixa no estoque. 11. Cliente leva o produto com a nota fiscal. 12. Ao final do mês o funcionário do Setor Financeiro calcula as comissões dos vendedores sobre as prestações quitadas. Caso de Uso Passos do Roteiro Registrar Venda 2 10 Definir Prestações 3 4 Autorizar Crédito 5 6 Registrar Pagamento Calcular Comissão de Vendedor 12

5 Os quadros a seguir mostram o roteiro de evento para pagamento e os casos de uso identificados: Roteiro: Pagamento 1. Cliente entrega boleto da prestação para o caixa. 2. Caixa verifica vencimento e calcula valor a pagar (multa, juros, desconto). 3. Cliente efetua pagamento da prestação. 4. Caixa autentica valor pago no boleto. 5. Cliente recebe boleto com registro de pagamento. 6. Funcionário do Setor Financeiro atualiza situação do cliente. Caso de Uso Passos do Roteiro Calcular Valor da Prestação 2 Registrar Pagamento * * A atualização da situação do cliente será automática após o registro do pagamento.

6 Os quadros a seguir mostram o roteiro de evento para acompanhamento dos vencimentos e os casos de uso identificados: Roteiro: Acompanhamento dos Vencimentos 1. Funcionário do Setor Financeiro verifica prestações em atraso. 2. Registra clientes com situação irregular, ou seja, com prestações em atraso há mais de 30 dias. 3. Prepara relação de clientes com prestações em atraso há mais de 60 dias para cobrança bancária. Caso de Uso Passos do Roteiro Acompanhar Vencimento de Prestações 1 2 3

7 Os quadros a seguir mostram o roteiro de evento para negociação de dívida e os casos de uso identificados: Roteiro: Negociação de Dívida 1. Cliente negocia a dívida com a gerência. 2. Gerente verifica situação do cliente. 3. Gerente autoriza desconto na prestação. 4. Cliente paga prestação com o desconto concedido no guichê do caixa. Caso de Uso Passos do Roteiro Consultar Situação do Cliente 2 Determinar Desconto em Prestação 3 4

8 Os quadros a seguir mostram o roteiro de evento para compra de produtos e os casos de uso identificados: Roteiro: Compra de Produtos 1. Almoxarife verifica produtos abaixo do estoque mínimo. 2. Determina quantidade necessária para reposição do estoque, verificando consumo médio destes produtos. 3. Funcionário do Setor de Compras elabora pedido de compra para determinado fornecedor, indicando a quantidade dos produtos desejados. 4. Fornecedor entrega os produtos solicitados. 5. Almoxarife recebe produtos e confere com o pedido de compra. 6. Comunica recebimento ao Setor Financeiro. 7. Atualiza estoque dos produtos recebidos. 8. Funcionário do Setor Financeiro recebe duplicata do fornecedor e programa o pagamento. 9. Funcionário do Setor de Compras verifica periodicamente a situação dos pedidos de compra e entra em contato com os fornecedores cujas entregas estão atrasadas. Caso de Uso Passos do Roteiro Acompanhar Estoque 1 2, almoxarife Elaborar Pedido de Compra 3 Registrar Recebimento de Produtos 7, almoxarife Agendar Pagamento de Duplicata 8, setor financeiro Acompanhar Pedido de Compra 9, setor de compra

9 Os quadros a seguir mostram o roteiro de evento para pagamento de duplicatas e os casos de uso identificados: Roteiro: Pagamento de Duplicatas 1. Funcionário do Setor Financeiro verifica vencimento de duplicatas. 2. Providencia pagamento de duplicatas a vencer. Caso de Uso Passos do Roteiro Acompanhar Duplicatas a Pagar 1 Registrar Pagamento de Duplicata 2

10 Modelo de Casos de Uso O Modelo de Casos de Uso estabelece os requisitos funcionais definindo o comportamento esperado para o sistema sem revelar sua estrutura interna. Cada caso de uso representa uma série de ações que os usuários podem executar interagindo com o sistema, a fim de desempenharem determinada tarefa. Os casos de uso são agrupados em diagramas para serem apresentados graficamente. Os diagramas de casos de uso, juntamente com suas definições, compõem o Modelo como um todo. Os roteiros de eventos não fazem parte da especificação dos requisitos funcionais, sendo apenas um meio para se identificar os casos de uso. Portanto não precisam ser mantidos após a elaboração do Modelo de Casos de Uso. A construção dos diagramas ocorreu à medida que os casos de uso foram surgindo, juntamente com a identificação dos atores - usuários que interagem diretamente com cada caso de uso - e dos relacionamentos.

11 Durante a construção dos diagramas, os casos de uso foram organizados em subsistemas de negócio, de acordo com a afinidade entre eles. Assim, foram estabelecidos dois subsistemas: Subsistema Vendas e Subsistema Compras. Figura 1: Subsistemas de negócio Sistema Comercial Subsistema Vendas Subsistema Compras A Figura 2 apresenta os casos de uso para o Subsistema Vendas, cujas definições estão listadas a seguir. Figura 2: Diagrama de casos de uso para o Subsistema Vendas. <Vendedor> Pesquisar Produto Subsistema Vendas Registrar Pagamento <Caixa> <<extends>> Registrar Venda Calcular Valor da Prestação <<extends>> Definir Prestações <Funcionário Setor Financeiro> Autorizar Crédito Determinar Desconto Prestação <Gerente> <<uses>> <<uses>> Acomp. Vencimento Prestações Consultar Situação do Cliente Calcular Comissão de Vendedor Acompanhar Vencimento de Prestações verificar prestações em atraso há mais de 30 dias, atribuindo situação irregular ao cliente. Emitir relação

12 de clientes para cobrança bancária (com prestações em atraso há mais de 60 dias). Autorizar Crédito verificar as condições de venda a prazo e consultar a situação do cliente. Registrar a liberação do crédito. Calcular Comissão de Vendedor verificar as vendas realizadas por cada vendedor no mês, calculando a comissão sobre as vendas a vista. Verificar prestações quitadas no mês, calculando comissão para os vendedores. Calcular Valor da Prestação verificar a data de vencimento da prestação e calcular, quando for o caso, multa e juros devidos. Quando existir, aplicar o desconto determinado pelo gerente. Calcular o valor final a pagar. Consultar Situação do Cliente informar as vendas realizadas para determinado cliente, indicando a situação das prestações quando for venda a prazo. Informar se cliente está em situação irregular. Definir Prestações registrar o número de prestações que o cliente deseja, calcular e informar o valor das prestações. Determinar Desconto em Prestação consultar situação do cliente e, caso aprovado, registrar o desconto concedido. Pesquisar Produto permite ao vendedor a busca de informações sobre os produtos que estão a venda, como cor, tamanho, fabricante, preço, etc. Registrar Pagamento informar o valor da venda ao caixa e registrar o valor pago pelo cliente. Emitir a nota fiscal. No caso de venda a prazo, informar o valor da prestação a pagar. No caso de quitação de prestação atrasada, atualizar a situação do cliente. Registrar Venda cadastrar a venda realizada, informando produtos vendidos e dados do cliente. Registra também o vendedor que efetuou a venda. Ao confirmar a venda, realizar a baixa no estoque. Caso uma venda seja cancelada, deverá ser cancelada a baixa no estoque.

13 A Figura 3 apresenta os casos de uso para o Subsistema Compras, cujas definições estão listadas a seguir. Figura 3: Diagrama de casos de uso para o Subsistema Compras <Almoxarife> Subsistema Compras Acompanhar Estoque Registrar Recebimento Produtos Agendar Pagamento de Duplicata <Funcionário Setor Financeiro> <Funcionário Setor de Compras> Acompanhar Duplicatas a Pagar Elaborar Pedido de Compra Registrar Pagamento Duplicata Acompanhar Pedido de Compra Acompanhar Duplicatas a Pagar verificar duplicatas com vencimento próximo, e informar valor devido. Acompanhar Estoque verificar produtos com estoque abaixo do mínimo, calcular o consumo médio e determinar a quantidade necessária para reposição. Acompanhar Pedido de Compra verificar os pedidos de compra ainda não atendidos, e informar dados para contato com o fornecedor. Agendar Pagamento de Duplicata cadastrar duplicata, indicando a data de vencimento e qual a compra correspondente. Elaborar Pedido de Compra informar a lista de produtos, indicando os que estão marcados para reposição. Escolher os produtos a serem adquiridos, registrando a quantidade e o fornecedor. Emitir o pedido de compra para cada fornecedor. Registrar Pagamento de Duplicata após a quitação de duplicata, registrar a data de pagamento. Registrar Recebimento de Produtos verificar determinado pedido de compra, registrar o recebimento e atualizar o estoque. Para a elaboração do modelo, foram necessárias várias iterações de conferência entre os roteiros de eventos e os casos de uso. Em uma primeira análise dos

14 roteiros, foram determinados alguns casos de uso, que por sua vez geraram dúvidas sobre os roteiros. Assim, os roteiros foram revisados, acrescentando-se passos que faltavam. Estes novos passos acabavam por determinar novos casos de uso possíveis. O processo continuou até torná-los completos e coerentes entre si. Atores Ator não é o mesmo que usuário. Ator é um papel que um usuário desempenha em relação ao sistema. Por exemplo, existem vários vendedores na loja, mas a partir do momento que o sistema foi concebido, todos eles desempenharão o mesmo papel ( <Vendedor>) diante do sistema. Um usuário pode, inclusive, desempenhar mais de um papel. Considere que o controle do estoque é feito por um funcionário do setor de compras; diante do sistema, ele desempenhará tanto o papel de <Funcionário do Setor de Compras> quanto o de <Almoxarife>. Existem dois benefícios indiretos da identificação dos atores. O primeiro é que facilita o conhecimento sobre quem está envolvido em cada caso de uso. No momento de estudar a fundo determinado caso de uso, estará claro quem são as pessoas que podem contribuir com informações sobre as tarefas relacionadas. O outro benefício ocorre se o sistema tem casos de uso que correspondem a funções de alto nível. As ligações entre casos de uso e atores poderiam ser usadas para a criação dos perfis de usuários. Cada usuário seria associado a uma lista de nomes de atores, os quais seriam utilizados para determinar as funções que aquele usuário pode executar. Às vezes é interessante perceber a hierarquia existente entre as definições dos atores. Utilizando o conceito de generalização de classes, poderia ser elaborado um diagrama como o mostrado a seguir. Este tipo de visualização é possível de acordo com [UML-97], já que o conceito de ator é definido como uma classe com estereótipo de ator (). Estereótipo é um mecanismo de extensão dos recursos de modelagem, sendo que, quando aplicado a uma classe, cria um novo tipo de classe que mantém o conceito original, porém estabelece uma distinção na sua utilização. Por exemplo, ator é um tipo de classe usada apenas para modelar os papéis que um usuário desempenha quanto interage com o sistema. Por causa da aplicação do estereótipo de ator, o símbolo da classe muda para o desenho de um homenzinho.

15 Figura 4: Hierarquia das definições de atores <Gerente> <Vendedor> <Usuário> <Funcionário Setor Financeiro> <Caixa> <Funcionário Setor de Compras> <Almoxarife> As setas indicam o sentido da generalização. O ator ligado à extremidade da ponta da seta é a definição genérica, e os atores ligados à outra extremidade são as definições mais específicas. Assim, <Gerente>, <Vendedor>, <Funcionário do Setor de Financeiro> e <Funcionário do Setor de Compras> são tipos de <Usuário>. Por sua vez, <Caixa> é um tipo de <Funcionário do Setor Financeiro>, e <Almoxarife> é um tipo de <Funcionário do Setor de Compras>. Observe que um usuário que é <Almoxarife> é também <Funcionário do Setor de Compras>. Para o estudo de caso apresentado não há muita necessidade de se preocupar com esses aspectos, todavia existem sistemas grandes e complexos que exigem a definição de dezenas de atores. Nestes casos a hierarquia da definição de atores é muito importante, podendo até mesmo ser imprescindível. Relacionamentos A linha que liga um ator a um caso de uso significa que há uma comunicação entre eles, ou seja, o ator participa daquele caso de uso. Por exemplo, no

16 Subsistema Vendas, o Gerente participa de Determinar Desconto de Prestação, interagindo com o sistema. Entre casos de uso são possíveis dois tipos de relacionamento: extensão (<<extends>>) e utilização (<<uses>>). A extensão é utilizada quando se tem um caso de uso que é similar a outro já modelado mas que faz um pouco mais. Aproveita-se o caso de uso existente, e define-se o novo apenas com a variação do comportamento original. No Subsistema Vendas (Figura 2), existe Registrar Venda, que define o cadastramento de uma venda à vista. Em vez de criar um caso de uso totalmente novo chamado Venda a Prazo, optou-se por definir apenas a diferença entre os dois casos, ou seja, Definir Prestações. Assim, quando a venda for a prazo, Registrar Venda será estendida pela definição de Definir Prestações. O outro tipo de relacionamento entre casos de uso, chamado de utilização, pode ser empregado quando se tem uma parte da definição que é idêntica em mais de um caso de uso. Essa parte idêntica é definida separadamente transformando-se em um novo caso de uso e pode ser utilizada por outros casos de uso. Por exemplo, tanto em Autorizar Crédito quanto em Determinar Desconto de Prestação ocorre a definição de uma consulta aos dados do cliente. Esta definição comum foi separada em um novo caso de uso, com o nome de Consultar Situação do Cliente, de forma que pudesse ser reutilizada. Por Que Utilizar Casos de Uso A análise de requisitos a partir de casos de uso provê os meios para se fazer o gerenciamento do sistema, que engloba a administração do escopo, a análise de impacto de mudanças e o controle destas mudanças. Logo, é importante durante o desenvolvimento do sistema - quando deve ser mantido o domínio sobre o que tem de ser desenvolvido e também após a sua completa implantação - quando surgem as manutenções evolutivas. Durante a fase de desenvolvimento, os casos de uso constituem um bom instrumento para o planejamento do projeto, pois criam condições para a aplicação de um processo evolutivo de desenvolvimento de sistemas (ver seção Erro! Fonte de referência não encontrada.). Casos de uso servem ainda como ponto de comparação para certificar que o sistema atendeu aos requisitos planejados, pois fornecem pontos de controle bem definidos e facilmente mensuráveis. Ex.: um ponto de controle poderia ser Implantação do caso de uso Autorizar Crédito concluída. Em termos de comunicação, casos de uso constituem uma técnica muito valiosa, visto que fornecem feedback regular para os usuários sobre o que o sistema compreende e o quanto já foi concluído. Considerações Importantes A utilização do Modelo de Casos de Uso não significa que o desenvolvedor deva construir o software transformando cada caso de uso em uma unidade de código procedural. Para a orientação a objetos, os casos de uso expressam a visão externa do

17 sistema, sendo que a codificação dos programas será estruturada de uma forma completamente diferente. Um software baseado em objetos é construído a partir da implementação das classes de objetos (com seus atributos e operações) e não de estruturas procedurais. O Modelo de Casos de Uso do sistema compreende somente a especificação de requisitos funcionais. A base para a construção do software é o Modelo do Sistema que contém as definições das classes de objetos. (ver seção Erro! Fonte de referência não encontrada.).

18

Desenvolvimento de uma Etapa

Desenvolvimento de uma Etapa Desenvolvimento de uma Etapa A Fase Evolutiva do desenvolvimento de um sistema compreende uma sucessão de etapas de trabalho. Cada etapa configura-se na forma de um mini-ciclo que abrange as atividades

Leia mais

Modelos de Sistemas Casos de Uso

Modelos de Sistemas Casos de Uso Modelos de Sistemas Casos de Uso Auxiliadora Freire Fonte: Engenharia de Software 8º Edição / Ian Sommerville 2000 Slide 1 Modelagem de Sistema UML Unified Modeling Language (Linguagem de Modelagem Unificada)

Leia mais

MODELAGEM DE SISTEMAS

MODELAGEM DE SISTEMAS MODELAGEM DE SISTEMAS Diagramas de Casos de Uso Profa. Rosemary Melo Diagrama de Casos de Uso Modelagem de Sistemas Apresenta uma visão externa geral das funções ou serviços que o sistema deverá oferecer

Leia mais

Diagrama de Casos de Uso

Diagrama de Casos de Uso Diagrama de Casos de Uso Curso de Especialização DEINF - UFMA Desenvolvimento Orientado a Objetos Prof. Geraldo Braz Junior Referências: Booch, G. et al. The Unified Modeling Language User Guide Medeiros,

Leia mais

Resolução da lista de exercícios de casos de uso

Resolução da lista de exercícios de casos de uso Resolução da lista de exercícios de casos de uso 1. Explique quando são criados e utilizados os diagramas de casos de uso no processo de desenvolvimento incremental e iterativo. Na fase de concepção se

Leia mais

04/07/2015 UML. Prof. Esp. Fabiano Taguchi http://fabianotaguchi.wordpress.com fabianotaguchi@hotmail.com DEFINIÇÃO DE REQUSIITOS

04/07/2015 UML. Prof. Esp. Fabiano Taguchi http://fabianotaguchi.wordpress.com fabianotaguchi@hotmail.com DEFINIÇÃO DE REQUSIITOS UML Prof. Esp. Fabiano Taguchi http://fabianotaguchi.wordpress.com fabianotaguchi@hotmail.com DEFINIÇÃO DE REQUSIITOS 1 REQUISITOS São os serviços fornecidos para um sistema. São classificados em requisitos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UFPR BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UFPR BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CI 221 DISCIPLINA: Engenharia de Software AULA NÚMERO: 5 DATA: / / PROFESSOR: Andrey APRESENTAÇÃO Nesta aula serão apresentados e discutidos os conceitos de Gestão de projetos de software, riscos de software,

Leia mais

Uma visão mais clara da UML Sumário

Uma visão mais clara da UML Sumário Uma visão mais clara da UML Sumário 1 Método...2 2 Análise de requisitos...2 2.1 Diagramas de Casos de Uso...3 2.1.1 Ator...3 2.1.2 Casos de Uso (Use Case)...4 2.1.3 Cenário...4 2.1.4 Relacionamentos...6

Leia mais

Exercícios Diagrama de Casos de Uso. Disciplina: Engenharia de Requisitos

Exercícios Diagrama de Casos de Uso. Disciplina: Engenharia de Requisitos Exercícios Diagrama de Casos de Uso Disciplina: Engenharia de Requisitos Gilmar Luiz de Borba 2010-1 Página: 1 1. CASO DE USO CONTROLE DE PROVAS OBJETIVO: Construir um diagrama de caso de uso simples.

Leia mais

UML & Padrões Aula 3. UML e Padrões - Profª Kelly Christine C. Silva

UML & Padrões Aula 3. UML e Padrões - Profª Kelly Christine C. Silva UML & Padrões Aula 3 UML e Padrões - Profª Kelly Christine C. Silva 1 UML & Padrões Aula 3 Diagrama de Casos de Uso Profª Kelly Christine C. Silva O que vamos tratar: Modelos de Caso de Uso Diagrama de

Leia mais

Curso de Licenciatura em Informática

Curso de Licenciatura em Informática Curso de Licenciatura em Informática Disciplina: Análise e Projeto de Sistemas Professor: Rafael Vargas Mesquita EXERCÍCIOS SOBRE MODELAGEM DE CASOS DE USO Exercício 1: construa um Diagrama de Casos de

Leia mais

Gerenciamento da Integração (PMBoK 5ª ed.)

Gerenciamento da Integração (PMBoK 5ª ed.) Gerenciamento da Integração (PMBoK 5ª ed.) O PMBoK diz que: O gerenciamento da integração do projeto inclui os processos e as atividades necessárias para identificar, definir, combinar, unificar e coordenar

Leia mais

Franklin Ramalho Universidade Federal de Campina Grande - UFCG

Franklin Ramalho Universidade Federal de Campina Grande - UFCG Agenda - Motivação e Introdução Diagrama de - - Atores - Fluxo de eventos - Relacionamentos Franklin Ramalho Universidade Federal de Campina Grande - UFCG - Diagramas de - Exemplos - Meta-modelo MOF -

Leia mais

Guia para elaboração do Modelo de Domínio Metodologia Celepar

Guia para elaboração do Modelo de Domínio Metodologia Celepar Guia para elaboração do Modelo de Domínio Metodologia Celepar Agosto 2009 Sumário de Informações do Documento Documento: guiamodelagemclassesdominio.odt Número de páginas: 20 Versão Data Mudanças Autor

Leia mais

Autoria:Aristófanes Corrêa Silva Adaptação: Alexandre César M de Oliveira

Autoria:Aristófanes Corrêa Silva Adaptação: Alexandre César M de Oliveira Unified Modeling Language (UML) Universidade Federal do Maranhão UFMA Pós Graduação de Engenharia de Eletricidade Grupo de Computação Assunto: Introdução Autoria:Aristófanes Corrêa Silva Adaptação: Alexandre

Leia mais

Casos de Uso. Professor MSc Wylliams Barbosa Santos wylliamss@gmail.com wylliams.wordpress.com Laboratório de Programação

Casos de Uso. Professor MSc Wylliams Barbosa Santos wylliamss@gmail.com wylliams.wordpress.com Laboratório de Programação Casos de Uso Professor MSc Wylliams Barbosa Santos wylliamss@gmail.com wylliams.wordpress.com Laboratório de Programação Agenda Caso de Uso Conceitos Iniciais Cenário Principal Cenários Alternativos Atores

Leia mais

A Linguagem de Modelagem Unificada (UML)

A Linguagem de Modelagem Unificada (UML) Aécio Costa A Linguagem de Modelagem Unificada (UML) Percebeu-se a necessidade de um padrão para a modelagem de sistemas, que fosse aceito e utilizado amplamente. Surge a UML (Unified Modeling Language)

Leia mais

Especificação dos Requisitos do Software. Sistema de Controle e Gerenciamento de Loja de Vestuários e Acessórios

Especificação dos Requisitos do Software. Sistema de Controle e Gerenciamento de Loja de Vestuários e Acessórios Especificação dos Requisitos do Software Sistema de Controle e Gerenciamento de Loja de Vestuários e Acessórios Autores: Guilherme Henrique Costa Reginaldo da Silva Alves Muzambinho/MG Outubro 2011 Aprovação

Leia mais

MANUAL DE GERENCIAMENTO DE RECEBIMENTO DE BENS/MATERIAIS - CGE PB

MANUAL DE GERENCIAMENTO DE RECEBIMENTO DE BENS/MATERIAIS - CGE PB 2014 MANUAL DE GERENCIAMENTO DE RECEBIMENTO DE BENS/MATERIAIS - CGE PB GERÊNCIA EXECUTIVA DE AUDITORIA CONTROLADORIA GERAL DO ESTADO DA PARAÍBA CGE PB Versão 01/2014 Controle de Alterações REV DATA MOTIVO

Leia mais

Além de facilitar a administração de suas contas, o DDA é mais seguro e contribui com o meio-ambiente.

Além de facilitar a administração de suas contas, o DDA é mais seguro e contribui com o meio-ambiente. Manual de utilização Apresentação Pelo novo sistema desenvolvido pelo Santander em conjunto com a FEBRABAN, você ou sua empresa pode(m) acessar de forma eletrônica (Internet, Pagamento a Fornecedor, Superlinha

Leia mais

LIVRO ENGENHARIA DE SOFTWARE FUNDAMENTOS, MÉTODOS E PADRÕES CAPÍTULO ATIVIDADES, PAG. 138 A 150

LIVRO ENGENHARIA DE SOFTWARE FUNDAMENTOS, MÉTODOS E PADRÕES CAPÍTULO ATIVIDADES, PAG. 138 A 150 LIVRO ENGENHARIA DE SOFTWARE FUNDAMENTOS, MÉTODOS E PADRÕES WILSON PADUA PAULA FILHO CAPÍTULO ATIVIDADES, PAG. 138 A 150 1 ANÁLISE ESTRUTURAL IDENTIFICAR AS CLASSES ORGANIZAR AS CLASSES IDENTIFICAR RELACIONAMENTOS

Leia mais

Análise e Projeto de Sistemas

Análise e Projeto de Sistemas Análise e Projeto de Sistemas Prof. M.Sc. Ronaldo C. de Oliveira ronaldooliveira@facom.ufu.br FACOM - 2012 Análise Estruturada de Sistemas Modelo Essencial O Modelo Essencial Indica o que o sistema deve

Leia mais

O Processo de Engenharia de Requisitos

O Processo de Engenharia de Requisitos UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS, LETRAS E CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DE COMPUTAÇÃO E ESTATÍSTICA O Processo de Engenharia de Requisitos Engenharia de Software 2o.

Leia mais

ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - MÓDULO 2 - ANÁLISE DE REQUISITOS DE SOFTWARE APLICATIVO 1. INTRODUÇÃO Entender os requisitos de um problema está entre as tarefas mais difíceis na construção de um software. Na maioria das vezes o cliente

Leia mais

3.1 Definições Uma classe é a descrição de um tipo de objeto.

3.1 Definições Uma classe é a descrição de um tipo de objeto. Unified Modeling Language (UML) Universidade Federal do Maranhão UFMA Pós Graduação de Engenharia de Eletricidade Grupo de Computação Assunto: Diagrama de Classes Autoria:Aristófanes Corrêa Silva Adaptação:

Leia mais

Aula 5 UML: Casos de Uso

Aula 5 UML: Casos de Uso Aula 5 UML: Casos de Uso UML Casos de Uso Introdução Casos de uso Elementos do diagrama de casos de uso Descrição de casos de uso Exemplo: Blog Ferramentas de modelagem Bibliografia 2 Introdução Casos

Leia mais

Figura 1 Diagrama de Casos de Uso do Sistema de Venda

Figura 1 Diagrama de Casos de Uso do Sistema de Venda Campus Cachoeiro de Itapemirim Curso Técnico em Informática Disciplina: Análise e Projeto de Sistemas Professor: Rafael Vargas Mesquita EXERCÍCIO 01 SOBRE DIAGRAMA DE SEQUENCIA Exercício 1: construa um

Leia mais

Projeto. Gerenciamento de Projeto de Software. Tópicos abordados. Características básicas de um projeto. Definição

Projeto. Gerenciamento de Projeto de Software. Tópicos abordados. Características básicas de um projeto. Definição Gerenciamento de Projeto de Software Tópicos abordados Atividades de gerenciamento Planejamento do projeto Cronograma do projeto Gerenciamento de riscos Prof. Ms. Luiz Alberto Contato: lasf.bel@gmail.com

Leia mais

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas (Versão 2.0)

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas (Versão 2.0) SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL DEPARTAMENTO NACIONAL DE OBRAS CONTRA AS SECAS Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas (Versão 2.0) 1 Sumário 1Introdução... 5 1.1 Objetivo...

Leia mais

ANEXO C MANUAL DE POLÍTICA DE FORNECIMENTO PARA ATENDIMENTO ÀS LOJAS DA REDE PRÓPRIA

ANEXO C MANUAL DE POLÍTICA DE FORNECIMENTO PARA ATENDIMENTO ÀS LOJAS DA REDE PRÓPRIA ANEXO C MANUAL DE POLÍTICA DE FORNECIMENTO PARA ATENDIMENTO ÀS LOJAS DA REDE PRÓPRIA Prezados Senhores, Face à constante processo de melhoria contínua nos procedimentos da Rede de Valor Le Postiche, elaboramos

Leia mais

Exercícios de Modelagem de Dados - Disciplina: Banco de Dados

Exercícios de Modelagem de Dados - Disciplina: Banco de Dados Exercícios - Modelagem de Dados 1) CADASTRO NACIONAL DE VEÍCULOS: Você apresentará um modelo de dados para o cadastro nacional de veículos. Sabe-se que: O veículo possui sempre uma placa única em todo

Leia mais

Módulo 2 Pr T odít ut U os L e O S erx viços Financeiros

Módulo 2 Pr T odít ut U os L e O S erx viços Financeiros Módulo 2 Produtos TÍTULO e Serviços X Financeiros CRÉDITO PESSOAL Olá! Neste módulo, vamos aprofundar nossos conhecimentos sobre os produtos e serviços financeiros que podemos oferecer aos nossos clientes.

Leia mais

GUIA DO COORDENADOR DE PROJETOS

GUIA DO COORDENADOR DE PROJETOS GUIA DO COORDENADOR DE PROJETOS Sumário 1. Introdução... 2 2. Início Portal Coordenador... 2 2.1. Novos Pedidos... 2 2.2. Pendências... 3 2.3. Menu... 4 2.4. Sair... 4 3. Saldo de Projetos... 5 4. Extrato

Leia mais

Modelagem de Casos de Uso (Parte 1)

Modelagem de Casos de Uso (Parte 1) Modelagem de Casos de Uso (Parte 1) Roteiro Introdução Descrição: Sistema de Ponto de Vendas Casos de Usos Atores Fluxo de Eventos Cenários Formato de Documentação de Casos de Uso Diagramas de Casos de

Leia mais

Aula 2 Revisão 1. Ciclo de Vida. Processo de Desenvolvimento de SW. Processo de Desenvolvimento de SW. Processo de Desenvolvimento de SW

Aula 2 Revisão 1. Ciclo de Vida. Processo de Desenvolvimento de SW. Processo de Desenvolvimento de SW. Processo de Desenvolvimento de SW Ciclo de Vida Aula 2 Revisão 1 Processo de Desenvolvimento de Software 1 O Processo de desenvolvimento de software é um conjunto de atividades, parcialmente ordenadas, com a finalidade de obter um produto

Leia mais

Escopo do Copilot Optimize - Elaboração de Relatórios

Escopo do Copilot Optimize - Elaboração de Relatórios Descrição do serviço Copilot Optimize - Elaboração de Relatórios CAA-1013 Visão geral do serviço Esta Descrição do serviço ( Descrição do serviço ) é firmada por você, o cliente, ( você ou Cliente ) e

Leia mais

Diagrama de Caso de Uso

Diagrama de Caso de Uso "Antes de imprimir pense em sua responsabilidade e compromisso com o MEIO AMBIENTE." Engenharia de Software Diagrama de Caso de Uso Givanaldo Rocha de Souza givanaldo.rocha@ifrn.edu.br http://docente.ifrn.edu.br/givanaldorocha

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA EXECUTIVA

MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA EXECUTIVA PROGRAMA DE MODERNIZAÇÃO INTEGRADA DO MINISTÉRIO DA FAZENDA - PMIMF MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA EXECUTIVA ATORES DA REDE DE INOVAÇÃO 2 O MODELO CONTEMPLA: Premissas e diretrizes de implementação Modelo

Leia mais

DIAGRAMA DE ATIVIDADES

DIAGRAMA DE ATIVIDADES DIAGRAMA DE ATIVIDADES Profª Lucélia Oliveira Email: lucelia.com@gmail.com DIAGRAMA DE ATIVIDADES É o diagrama com maior ênfase ao nível de algoritmo da UML e provavelmente um dos mais detalhistas. Era

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo III Grupo de Processos

Gerenciamento de Projetos Modulo III Grupo de Processos Gerenciamento de Projetos Modulo III Grupo de Processos Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com Bibliografia* Project Management Institute. Conjunto de Conhecimentos em Gerenciamento

Leia mais

O Processo Unificado: Captura de requisitos

O Processo Unificado: Captura de requisitos O Processo Unificado: Captura de requisitos Itana Gimenes Graduação em Informática 2008 Captura de Requisitos Modelagem do negócio: Visão de negócios Modelo de objetos de negócio de negócio Especificação

Leia mais

Diagrama de Fluxo de Dados (DFD)

Diagrama de Fluxo de Dados (DFD) Diagrama de Fluxo de Dados (DFD) Modelos de Especificação Modelos para Especificação do Sistema Representações gráficas que descrevem o problema a ser resolvido e o sistema a ser desenvolvido. Perspectivas

Leia mais

5 Exemplo de aplicação

5 Exemplo de aplicação 111 5 Exemplo de aplicação Este capítulo apresenta um exemplo de uso da linguagem proposta como forma de validação. Através da implementação da linguagem utilizando o potencial de extensão da ferramenta

Leia mais

Pd@Net Financeiro. Manual do Fornecedor

Pd@Net Financeiro. Manual do Fornecedor Pd@Net Financeiro Manual do Fornecedor Ao formularmos este manual, pensamos em você, nosso fornecedor, que necessita de um suporte a qualquer horário. Aqui você vai saber como acessar as seguintes informações:

Leia mais

Modelagem de Sistemas Prof. Marcos Roberto e Silva

Modelagem de Sistemas Prof. Marcos Roberto e Silva Modelagem de Sistemas Prof. Marcos Roberto e Silva Diagrama de Casos de Uso Demonstra o comportamento externo do sistema, através de uma linguagem simples. Apresentando o sistema sobre a perspectiva do

Leia mais

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX TRIBUTOS RECOM Regulamentação Orientador Empresarial DECRETO nº 7.319/2010 DOU: 29.09.2010 Regulamenta a aplicação do Regime Especial de Tributação

Leia mais

ProcessoUnificado: Prof. Anderson Cavalcanti UFRN-CT-DCA

ProcessoUnificado: Prof. Anderson Cavalcanti UFRN-CT-DCA ProcessoUnificado: Elaboração Prof. Anderson Cavalcanti UFRN-CT-DCA ResultadodaConcepção Um seminário curto de requisitos; A maioria dos atores, objetivos e casos de uso nomeados; A maioria dos casos de

Leia mais

Casos de uso Objetivo:

Casos de uso Objetivo: Casos de uso Objetivo: Auxiliar a comunicação entre os analistas e o cliente. Descreve um cenário que mostra as funcionalidades do sistema do ponto de vista do usuário. O cliente deve ver no diagrama de

Leia mais

Programação Orientada a Objetos. Introdução à Análise Orientada a Objetos (AOO)

Programação Orientada a Objetos. Introdução à Análise Orientada a Objetos (AOO) Programação Orientada a Objetos Introdução à Análise Orientada a Objetos (AOO) Cristiano Lehrer, M.Sc. Processo de Desenvolvimento de Software Um processo de software mostra os vários estágios do desenvolvimento

Leia mais

Diretor Técnico 01/10/2009 Dr. Jose Carlos dos Santos. Diretor Executivo 01/10/2009

Diretor Técnico 01/10/2009 Dr. Jose Carlos dos Santos. Diretor Executivo 01/10/2009 Versão: 2 Pg: 1/5 ELABORADO POR DE ACORDO APROVADO POR NOME FUNÇÃO ASSINATURA DATA Dr. Ivo Gerente da Fernandes Qualidade 01/10/2009 Dr. Renato de Lacerda Diretor Técnico 01/10/2009 Dr. Jose Carlos dos

Leia mais

Modelagem de Software Prof. Flávio de Oliveira Silva, Ph.D.

Modelagem de Software Prof. Flávio de Oliveira Silva, Ph.D. UML Diagramas Um diagrama é a apresentação gráfica de um conjunto de elementos, onde os vértices são ITENS e os arcos RELACIONAMENTOS UML 2.0 possui os seguintes diagramas: Diagrama de Classes (Class Diagram)

Leia mais

Confederação Nacional da Indústria. - Manual de Sobrevivência na Crise -

Confederação Nacional da Indústria. - Manual de Sobrevivência na Crise - RECOMENDAÇÕES PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS - Manual de Sobrevivência na Crise - Janeiro de 1998 RECOMENDAÇÕES PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS - Manual de Sobrevivência na Crise - As empresas, principalmente

Leia mais

REQUISITOS DE SISTEMAS

REQUISITOS DE SISTEMAS REQUISITOS DE SISTEMAS MÓDULO 2 PROCESSOS DE NEGÓCIOS CONTEÚDO 1. PROCESSOS DE NEGÓCIO IDENTIFICAÇÃO CONCEITOS MODELAGEM (BPM e UML) PROCESSOS X REQUISITOS 1. PROCESSOS DE NEGÓCIO IDENTIFICAÇÃO CONCEITOS

Leia mais

UML Unified Modeling Language. Professor: André Gustavo Bastos Lima

UML Unified Modeling Language. Professor: André Gustavo Bastos Lima UML Unified Modeling Language Professor: André Gustavo Bastos Lima Diagramas de Casos de Uso Professor: André Gustavo Bastos Lima DEFINIÇÃO DE CASO DE USO Segundo o RUP: Um Caso de Uso é a relação de uma

Leia mais

2 Diagrama de Caso de Uso

2 Diagrama de Caso de Uso Unified Modeling Language (UML) Universidade Federal do Maranhão UFMA Pós Graduação de Engenharia de Eletricidade Grupo de Computação Assunto: Diagrama de Caso de Uso (Use Case) Autoria:Aristófanes Corrêa

Leia mais

COMERCIAL) 1. 2. 3. 4. 5. 6. 7. 8. 9. 10. E-

COMERCIAL) 1. 2. 3. 4. 5. 6. 7. 8. 9. 10. E- 2014 ÍNDICE 1. Cadastros básicos 2. Módulos básicos (Incluso em todas as versões) CMC BASE 3. Agenda 4. Arquivos 5. Empresas ou Cadastros de empresas 6. Pessoas ou cadastro de pessoas 7. Módulos que compõem

Leia mais

Leslier Soares Corrêa Estácio de Sá / Facitec Abril/Maio 2015

Leslier Soares Corrêa Estácio de Sá / Facitec Abril/Maio 2015 Leslier Soares Corrêa Estácio de Sá / Facitec Abril/Maio 2015 Prover capacitação para: - Identificar os processos de Gerenciamento de Projetos; - Desenvolver o Plano de Gerenciamento; - Construir um sistema

Leia mais

Automatização dos processos do CSC através da implantação de. São Paulo, Setembro de 2013. Novos mercados. Grandes shoppings.

Automatização dos processos do CSC através da implantação de. São Paulo, Setembro de 2013. Novos mercados. Grandes shoppings. Automatização dos processos do CSC através da implantação de ferramenta BPMS São Paulo, Setembro de 2013 Novos mercados. Grandes shoppings. Agenda Contexto Escopo do Projeto Modelagem e Automação dos Processos

Leia mais

Cartilha do. de TI. - com ênfase na segurança das informações. Assessoria de Segurança da Informação e Governança de TI

Cartilha do. de TI. - com ênfase na segurança das informações. Assessoria de Segurança da Informação e Governança de TI Cartilha do gestor de solução de TI - com ênfase na segurança das informações Assessoria de Segurança da Informação e Governança de TI Apresentação O sucesso da atuação do Tribunal de Contas da União depende

Leia mais

Processos de gerenciamento de projetos em um projeto

Processos de gerenciamento de projetos em um projeto Processos de gerenciamento de projetos em um projeto O gerenciamento de projetos é a aplicação de conhecimentos, habilidades, ferramentas e técnicas às atividades do projeto a fim de cumprir seus requisitos.

Leia mais

Micro Mídia Informática Fevereiro/2009

Micro Mídia Informática Fevereiro/2009 Micro Mídia Informática Fevereiro/2009 1 UML Introdução Fases de Desenvolvimento Notação Visões Análise de Requisitos Casos de Uso StarUML Criando Casos de Uso Orientação a Objetos Diagrama de Classes

Leia mais

Lista de exercícios 01

Lista de exercícios 01 PARTE I Lista de exercícios 01 1. Defina os seguintes termos: entidade, atributo, valor do atributo, atributo composto, atributo multivalorado, atributo derivado, atributo-chave, domínio. 2. Explique as

Leia mais

Regimento da Biblioteca Rev.: 01 Data: 07/07/2008

Regimento da Biblioteca Rev.: 01 Data: 07/07/2008 COMPLEXO DE ENSINO SUPERIOR DE SANTA CATARINA - CESUSC FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE FLORIANÓPOLIS - FCSF Credenciada pela Portaria MEC n. 109, de 10 de fevereiro de 2000 (DOU 11.02.2000) BIBLIOTECA

Leia mais

Internet Banking. Outubro - 2012

Internet Banking. Outubro - 2012 Internet Banking Outubro - 2012 1 Índice 1. Início... Pg. 4 2. Menu Home... Pg. 5 3. Menu Conta Corrente... Pg. 7 3.1 Extratos Conta Corrente... Pg. 8 3.2 Extratos de Tarifas...Pg. 9 3.3 Informações Complementares...

Leia mais

Processos de Gerenciamento de Projetos. Planejamento e Controle de Projetos 5 TADS FSR. Processos

Processos de Gerenciamento de Projetos. Planejamento e Controle de Projetos 5 TADS FSR. Processos Processos de Gerenciamento de Projetos Planejamento e Controle de Projetos 5 TADS FSR Prof. Esp. André Luís Belini 2 Processos O gerenciamento de projetos é a aplicação de conhecimento, habilidades, ferramentas

Leia mais

PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL. Projeto 914 BRA5065 - PRODOC-MTC/UNESCO DOCUMENTO TÉCNICO Nº 03

PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL. Projeto 914 BRA5065 - PRODOC-MTC/UNESCO DOCUMENTO TÉCNICO Nº 03 PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil Projeto 914 BRA5065 - PRODOC-MTC/UNESCO DOCUMENTO TÉCNICO Nº 03 RELATÓRIO TÉCNICO CONCLUSIVO

Leia mais

6. O KOERICH poderá criar outras categorias de relacionamento, como Cartões de Crédito, Débito, Convênio ou Presente.

6. O KOERICH poderá criar outras categorias de relacionamento, como Cartões de Crédito, Débito, Convênio ou Presente. REGULAMENTO DO CLUBE GENTE NOSSA 1. O CLUBE GENTE NOSSA (adiante "CGN"), criado, desenvolvido e administrado por Eugênio Raulino Koerich S/A - Comércio e Indústria (adiante KOERICH ), será o meio pelo

Leia mais

Perguntas e Respostas

Perguntas e Respostas CONTA COM A GENTE PARCELE SUA DÍVIDA COM DESCONTOS NOS JUROS E MULTA Perguntas e Respostas P: O que é o Programa de Recuperação de Crédito do DMAE? R: É a oportunidade dos usuários que possuem dívidas

Leia mais

Regulamento Compre e Ganhe Venda. Samsung Galaxy S6 Apresenta Live Music Rocks

Regulamento Compre e Ganhe Venda. Samsung Galaxy S6 Apresenta Live Music Rocks Regulamento Compre e Ganhe Venda Samsung Galaxy S6 Apresenta Live Music Rocks 1. AÇÃO: 1.1 Esta é uma ação promocional por prazo determinado e de participação facultativa na modalidade compre e ganhe denominada

Leia mais

Almox Express Especificação de Requisitos

Almox Express Especificação de Requisitos 1. Introdução Almox Express Especificação de Requisitos Este documento descreve um sistema de gerenciamento de almoxarifado, denominado de Almox Express, a ser desenvolvido por um grupo de estudo. Nele

Leia mais

DWS - Delivery WEB System

DWS - Delivery WEB System CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BRASÍLIA - UNICEUB INSTITUTO CEUB DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO ICPD Francinaldo de Paula Santos DWS - Delivery WEB System TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA

Leia mais

Klavier Tecnologia da Informação. Klavier Sistemas Integrados. Contas a Pagar

Klavier Tecnologia da Informação. Klavier Sistemas Integrados. Contas a Pagar Klavier Sistemas Integrados Contas a Pagar Versão 3.00.003 2009 1 - Contas a Pagar O módulo Contas a Pagar contém toda a previsão de pagamentos futuros bem como o movimento pago e / ou em aberto da empresa.

Leia mais

Termo de Abertura do Projeto

Termo de Abertura do Projeto Instituição Executora: MAXIMUS SOFTWARE LTDA Título do Projeto: FARMAINFOR - Modernização da Farmácia Cliente: Hospital Mater Day Termo de Abertura do Projeto Elaborado por: Prof. Carlos Roberto Porfírio

Leia mais

Diretrizes de Qualidade de Projetos

Diretrizes de Qualidade de Projetos Diretrizes de Qualidade de Projetos Versão 1.5 MAPA/SE/SPOA/CGTI, 2012 Página 1 Histórico de Revisão Data Versão Descrição Autor 15/01/2012 1.0 Criação do Artefato Pérsio Mairon 10/03/2012 1.1 Inclusão

Leia mais

CRÉDITO CONSIGNADO ITAÚ. Procedimento de Rescisão de Funcionários

CRÉDITO CONSIGNADO ITAÚ. Procedimento de Rescisão de Funcionários Data de Atualização: 08/10/2009 CRÉDITO CONSIGNADO ITAÚ Procedimento de Rescisão de Funcionários Itaú Bankline Empresa Versão Outubro de 2009 ÍNDICE ETAPA 1 INTRODUÇÃO... 03 ETAPA 2 CADASTRO DE RESCISÃO...

Leia mais

UNIDADE 4. Introdução à Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas

UNIDADE 4. Introdução à Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas UNIDADE 4. Introdução à Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas 4.1 Motivação Sistemas de Informação são usados em diversos níveis dentro de uma organização, apoiando a tomada de decisão; Precisam estar

Leia mais

Estoque. Como controlar o estoque

Estoque. Como controlar o estoque Estoque Como controlar o estoque Por que é necessário controlar o estoque? Reduzir custos Se há excesso em estoque A empresa terá custos operacionais para manter o estoque, isto significa capital empatado

Leia mais

Regulamento das Máquinas Fiscais 31 DE DEZEMBRO DE 2015 1940 (189) CAPÍTULO VI ARTIGO 3

Regulamento das Máquinas Fiscais 31 DE DEZEMBRO DE 2015 1940 (189) CAPÍTULO VI ARTIGO 3 31 DE DEZEMBRO DE 2015 1940 (189) CAPÍTULO VI Disposições Diversas ARTIGO 34 (Regime Fiscal da Empresa) ARTIGO 35 (Força Executiva dos documentos) 1. Os documentos emitidos pela Maputo Sul, E.P., desde

Leia mais

ITIL v3 - Operação de Serviço - Parte 1

ITIL v3 - Operação de Serviço - Parte 1 ITIL v3 - Operação de Serviço - Parte 1 É na Operação de Serviço que se coordena e realiza as atividades e processos necessários para fornecer e gerenciar serviços em níveis acordados com o usuário e clientes

Leia mais

DDA Débito Direto Autorizado. Manual de utilização Perguntas e respostas Maio_2016

DDA Débito Direto Autorizado. Manual de utilização Perguntas e respostas Maio_2016 DDA Débito Direto Autorizado Manual de utilização 1. O que é o DDA Débito Direto Autorizado Uniprime? É um serviço para cooperados Uniprime, Pessoa Física e Jurídica, que permite receber eletronicamente

Leia mais

UML Itens Estruturais - Interface

UML Itens Estruturais - Interface Itens Estruturais - Interface Coleção de operações que especificam serviços de uma classe ou componente Descreve o comportamento visível externamente Raramente aparece sozinha. Em geral vem anexada à classe

Leia mais

Casos de Uso - definições

Casos de Uso - definições Casos de Uso - definições Um caso de uso é uma descrição narrativa de uma seqüência de eventos que ocorre quando um ator (agente externo) usa um sistema para realizar uma tarefa [Jacobson 92] Um caso de

Leia mais

Apresentar os conceitos básicos da metodologia de desenvolvimento Processo Unificado, utilizando como aporte o Processo Unificado Rational RUP

Apresentar os conceitos básicos da metodologia de desenvolvimento Processo Unificado, utilizando como aporte o Processo Unificado Rational RUP Fábio Lúcio Meira Objetivos Gerais Apresentar os conceitos básicos da metodologia de desenvolvimento Processo Unificado, utilizando como aporte o Processo Unificado Rational RUP Específicos Apresentar

Leia mais

Gerenciamento de Requisitos Gerenciamento de Requisitos

Gerenciamento de Requisitos Gerenciamento de Requisitos Gerenciamento de Requisitos Objetivos da disciplina Descrever o processo de Gerenciamento e Engenharia de Requisitos para projetos Treinar alunos no Gerenciamento de Requisitos Apresentar estudos de caso

Leia mais

Tópicos Especiais em Sistemas de Telecomunicações IV

Tópicos Especiais em Sistemas de Telecomunicações IV Sumário Tópicos Especiais em Sistemas de Telecomunicações IV Modelagem de Sistemas de Software Departamento de Engenharia de Telecomunicações Escola de Engenharia Universidade Federal Fluminense Setembro

Leia mais

1.1 O Certificado de Sistemas da Gestão Ambiental SAS é um certificado de conformidade com a norma brasileira:

1.1 O Certificado de Sistemas da Gestão Ambiental SAS é um certificado de conformidade com a norma brasileira: Documento analisado criticamente e aprovado quanto à sua adequação. Responsável: Carlos Henrique R. Figueiredo Diretor de Certificação * Inclusão de notas do item 2.1."b" quanto a documentação necessária

Leia mais

TERMO DE CONFIDENCIALIDADE

TERMO DE CONFIDENCIALIDADE TERMO DE CONFIDENCIALIDADE Este material e as informações nele contidas são propriedades da PONTO SISTEMAS. Nenhuma parte deste documento pode ser reproduzida ou transmitida sem prévia autorização da PONTO

Leia mais

Assistente Financeiro com Sistema Nasajon

Assistente Financeiro com Sistema Nasajon CURSOS DE ATUALIZAÇÃO PROFISSIONAL Assistente Financeiro com Sistema Nasajon Objetivo: Conhecer, de forma teórica e prática, os conceitos fundamentais de finanças e a aplicação no Controller, o sistema

Leia mais

Guia de utilização da notação BPMN

Guia de utilização da notação BPMN 1 Guia de utilização da notação BPMN Agosto 2011 2 Sumário de Informações do Documento Documento: Guia_de_utilização_da_notação_BPMN.odt Número de páginas: 31 Versão Data Mudanças Autor 1.0 15/09/11 Criação

Leia mais

Sistema representação G3.ss. Tabela de Clientes. Tabela de Representantes. Tabela de Fornecedores

Sistema representação G3.ss. Tabela de Clientes. Tabela de Representantes. Tabela de Fornecedores Tabela de Clientes Além de registrar os dados principais do cliente, pode-se registrar vários contatos, o endereço de cobrança e de entrega (se forem diferentes do principal). Cada cliente tem um registro

Leia mais

Como cadastrar talões cheques? FS146

Como cadastrar talões cheques? FS146 Como cadastrar talões cheques? FS146 de Sistema: Futura Server Caminho: Conta Corrente>Talão de Cheque Referência: FS146 Versão: 2016.04.11 Como Funciona: Esta tela é utilizada para cadastrar talões de

Leia mais

1. Definições. Termos e condições Soluções de Aprendizagem da HPE Software Education

1. Definições. Termos e condições Soluções de Aprendizagem da HPE Software Education Termos e condições Soluções de Aprendizagem da HPE Software Education Nota: A HPE vai empregar esforços razoáveis para enviar um aviso de cancelamento de qualquer Serviço de Solução de Aprendizagem, mas

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ. CURSO: Ciência da Computação DATA: / / 2013 PERÍODO: 4 o.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ. CURSO: Ciência da Computação DATA: / / 2013 PERÍODO: 4 o. CURSO: Ciência da Computação DATA: / / 2013 PERÍODO: 4 o. PROFESSOR: Andrey DISCIPLINA: Técnicas Alternativas de Programação AULA: 11 APRESENTAÇÃO Nesta aula serão discutidos os conceitos relacionados

Leia mais

GERA GESTÃO E CONTROLE DE TÍTULOS: parte I

GERA GESTÃO E CONTROLE DE TÍTULOS: parte I Olá! Você verá a seguir um importante treinamento que vai facilitar suas atividades diárias! Ao acessá-lo pela primeira vez, procure assistir até o final. Caso não consiga, você poderá reiniciar de onde

Leia mais

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE COMPRAS, CONTRATAÇÃO DE OBRAS E SERVIÇOS E AQUISIÇÃO DE BENS COM EMPREGO DE RECURSOS PROVENIENTES DO PODER PÚBLICO

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE COMPRAS, CONTRATAÇÃO DE OBRAS E SERVIÇOS E AQUISIÇÃO DE BENS COM EMPREGO DE RECURSOS PROVENIENTES DO PODER PÚBLICO REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE COMPRAS, CONTRATAÇÃO DE OBRAS E SERVIÇOS E AQUISIÇÃO DE BENS COM EMPREGO DE RECURSOS PROVENIENTES DO PODER PÚBLICO CAPÍTULO I DA INTRODUÇÃO Art. 1º - O presente regulamento

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS 1ª. Série Análise Estruturada de Sistemas Sistemas de Informação A atividade prática supervisionada (ATPS) é um procedimento metodológico de ensino-aprendizagem desenvolvido

Leia mais

METODOLOGIA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

METODOLOGIA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS METODOLOGIA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS Versão 1 MDS Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas 1 Presidente INCRA Rolf Hackbart Diretor de Gestão Estratégica DE - INCRA Roberto Kiel Coordenador Geral

Leia mais

Manual de Uso do Módulo. MerchFinanças

Manual de Uso do Módulo. MerchFinanças Manual de Uso do Módulo MerchFinanças Bento Gonçalves Julho de 2010 Conteúdo 1. Introdução... 4 2. Menu Cadastros... 5 2.1. Bancos/Contas... 5 2.1.1. Agências... 5 2.1.2. Bancos... 6 2.1.3. Contas... 7

Leia mais

Casos de Uso. Viviane Torres da Silva viviane.silva@ic.uff.br. http://www.ic.uff.br/~viviane.silva/2012.1/es1

Casos de Uso. Viviane Torres da Silva viviane.silva@ic.uff.br. http://www.ic.uff.br/~viviane.silva/2012.1/es1 Casos de Uso Viviane Torres da Silva viviane.silva@ic.uff.br http://www.ic.uff.br/~viviane.silva/2012.1/es1 O que é? Uma técnica para capturar requisitos funcionais Descreve o sistema sob a perspectiva

Leia mais