IV AVALIAÇÃO. Resumo Aula Anterior IV.2 AVALIAÇÃO PREDITIVA. o Avaliação Heurística (Cont.) o Fases da Avaliação Heurística

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "IV AVALIAÇÃO. Resumo Aula Anterior IV.2 AVALIAÇÃO PREDITIVA. o Avaliação Heurística (Cont.) o Fases da Avaliação Heurística"

Transcrição

1 IV AVALIAÇÃO IV.2 AVALIAÇÃO PREDITIVA HCI, Cap. 12, Alan Dix Interactive System Design, Cap. 8, William Newman Resumo Aula Anterior o Avaliação Heurística (Cont.) o Fases da Avaliação Heurística Treino; Avaliação; Atribuir Severidades; Relatar o Exercício de Avaliação Heurística o Consolidação de Avaliações 2 1

2 Sumário o Modelos para Avaliação Preditiva Hierarquia de Objectivos e Tarefas GOMS Modelos Físicos e de Dispositivos KLM 3 Melhor e Pior? 4 2

3 Avaliação de Usabilidade o Testa a usabilidade e funcionalidade do sistema o Métodos Analíticos: Avaliação Heurística (Avaliação por peritos) Avaliação Preditiva GOMS, CCT e KLM o Métodos Empíricos (Avaliação com utilizadores): Requer um protótipo funcional 5 Porquê Avaliação Preditiva o Nenhuma empresa constrói um avião sem primeiro fazer uma análise de Eng. para prever o seu desempenho O custo de construção e o risco de falhar são muito elevados 6 3

4 Porquê Avaliação Preditiva o Do mesmo modo, o custo de construir uma IU e testá-la com vários utilizadores até descobrir todos os problemas é inaceitável. 7 Modelos Preditivos o São rápidos e informais o Permitem avaliação de produtos sem envolver os utilizadores o Modelos cognitivos dos utilizadores são usados para testar o desenho o Mais barato que testes com utilizadores o São úteis apenas para sistemas com tarefas prevísiveis 8 4

5 Aplicação Modelos Preditivos o Duas fases 1. Determinação da sequência pela qual a actividade é realizada 2. Análise dos passos da sequência para determinar medidas de usabilidade Tempo para realizar cada passo Passos onde podem ocorrer erros 9 Tipos de Modelos Preditivos o Modelos Hierárquicos Representam a estrutura da tarefa e dos objectivos GOMS e CCT Modelo a estudar: GOMS o Modelos Físicos e de Dispositivo Representam capacidades psicomotoras Modelo a estudar: KLM o Modelos Linguísticos Gramática de interacção pessoa-máquina 10 5

6 Modelos Hierárquicos o Modelam processamento mental o Subdividem recursivamente os objectivos 11 Modelos Hierárquicos o Exemplo: Fazer uma Reserva o Efectuar Reserva Saber horário voo Fazer chamada telefónica Obter número TAP Consultar páginas amarelas - Cons.Categoria Comp.Aéreas - Pesquisa linear da categoria Usar telefone 12 6

7 Questões Modelos Hierárquicos o Granularidade Onde começar? Onde parar? o Conflitos Estratégias alternativas. Diferentes métodos para fazer o mesmo? Interacções entre subtarefas o Erros Como tratar os erros de interacção? 13 GOMS o GOMS Goals Operators Methods Selection o Card, Moran, Newell:

8 GOMS o Goals - Objectivo da interacção Podem ser divididos em subobjectivos Exemplo: Passar palavras gato preto da frase O gato preto saltou o muro. para Bold Objectivo: Passar palavras para Bold Dois subobjectivos: Seleccionar palavras Aplicar o Bold 15 GOMS o Operators Acções básicas para atingir os objectivos Exemplo: Mover o cursor do rato; Carregar no botão do rato; Carregar numa tecla Um Goal é obtido e um Operator é executado. 16 8

9 GOMS o Methods Sequência de Operators para atingir um objectivo. 17 GOMS o Selection - Operador de escolha de métodos quando existe mais que um disponível. Ex. Aplicar Bold usando teclado ou menus. 18 9

10 Como se faz Análise GOMS o Gerar descrição da tarefa o Avaliar a descrição da tarefa o Aplicar resultados à IU o Iterar 19 Gerar descrição da tarefa o Identificar objectivo de alto-nível o Escrever método para atingir objectivo (pode ter subobjectivos) o Escrever métodos para subobjectivos Isto é recursivo Parar quando chegar a operadores 20 10

11 Exemplo Passar palavras gato preto da frase O gato preto saltou o muro. para Bold 21 GOMS (Exemplo) GOAL: Passar- GatoPreto- Bold 22 11

12 GOMS (Exemplo) GOAL: Passar- GatoPreto- Bold GOAL: Seleccionar- Palavras Mover- cursor- início- gato Carregar- sem- libertar- botão- esquerdo- rato Mover- cursor- fim- preto Libertar- botão- rato [Select GOAL: Aplicar- Bold- Teclado Carregar- Control- sem- libertar Carregar- B Libertar- Control ] GOAL: Aplicar- Bold- Menu Mover- cursor- Menu- Format Carregar- sem- libertar- botão- esquerdo- rato Mover- até- opção- Bold Libertar- botão- rato 23 GOMS (Exemplo) GOAL: Passar- GatoPreto- Bold GOAL: Seleccionar- Palavras Mover- cursor- início- gato Carregar- sem- libertar- botão- esquerdo- rato Mover- cursor- fim- preto Libertar- botão- rato [Select GOAL: Aplicar- Bold- Teclado Carregar- Control- sem- libertar Carregar- B Libertar- Control ] GOAL: Aplicar- Bold- Menu Mover- cursor- Menu- Format Carregar- sem- libertar- botão- esquerdo- rato Mover- até- opção- Bold Libertar- botão- rato 24 12

13 GOMS (Exemplo) GOAL: Passar- GatoPreto- Bold GOAL: Seleccionar- Palavras Mover- cursor- início- gato Carregar- sem- libertar- botão- esquerdo- rato Mover- cursor- fim- preto Libertar- botão- rato [Select GOAL: Aplicar- Bold- Teclado Carregar- Control- sem- libertar Carregar- B Libertar- Control GOAL: Aplicar- Bold- Menu Mover- cursor- Menu- Format Carregar- sem- libertar- botão- esquerdo- rato Mover- até- opção- Bold Libertar- botão- rato ] Regras: Regra 1: Usar Aplicar- Bold- Teclado se utilizador usar teclado Regra 2: Usar Aplicar- Bold- Menu se utilizador usar o rato 25 GOMS o Decomposição de objectivos: Tarefa alto nível -> tarefas individuais Requer conhecimento detalhado da estratégia utilizador tarefa domínio do problema 26 13

14 GOMS o A sua utilização pode produzir Medidas de desempenho Boas para utilizadores experientes Não tão boas para inexperientes 27 GOMS (Exemplo Real) o Nynex empresa telefónica EUA o Queriam instalar novo sistema p/ operadores o Análise GOMS detalhada para avaliar acções ao estabelecer uma chamada o GOMS + diagramas de PERT (modelar operações em paralelo) Identificar caminho crítico 28 14

15 GOMS (Exemplo Real) o Conclusão: Novo sistema mais lento! Pouparam Milhões de dólares!! 29 Problema Modelos Hierárquicos o Problema de Fecho Ex.: Levantar na ATM GOAL: Obter GOAL: USAR-MB» Inserir-Cartão» Digitar-Código» Sel-levantamento GOAL: LEVANTAR-» Digitar-» Retirar- GOAL: RETIRAR-CARTAO» Retirar-Cartão 30 15

16 Problema de Fecho Transacção o Objectivo: LEVANTAR- o Objectivo: RETIRAR-CARTAO 31 Problema de Fecho Transacção o Transacção completa ao retirar mas cartão ainda na ATM? o Como se resolve? 32 16

17 Problema de Fecho Transacção o Solução: FORÇAR utilizador a retirar cartão ANTES de retirar o Problema subsiste com os recibos :-( 33 KLM - Keystroke-Level Model o Modela interacções ao nível físico do dispositivo o Baseado no conhecimento empírico do sistema psicomotor humano o Consegue prever desempenho dos utilizadores na execução das tarefas 34 17

18 KLM - Keystroke-Level Model o Aplica-se a interacções elementares (poucos comandos - dezenas) o Semelhante a mini-goms (Método já seleccionado) o Usa-se em conjunto com GOMS 35 Operadores de Execução o Objectivo KLM determinar tempos de execução de comandos o Tempo de execução T exe = T K + T B + T P + T H + T D + T M + T R o Operadores K - premir uma tecla (físico-motor) B premir botão rato (físico-motor) P - apontar, mover rato (físico-motor) H localizar rato/teclado (físico-motor) D - desenhar com rato (físico-motor) M - Preparação mental p/ acção (Mental) R - resposta do sistema (Sistema) 36 18

19 Valores Típicos dos Operadores o T K (depende da velocidade de escrita) 0,08 ~ 0,12 s (O melhor - Bom) 0,20 ~ 0,28 s (médio) 0,50 ~ 1,20 s (Mau) o T B 0,1 s (down/up) 0,2 s (click) o T P = 1,10 s (média) dado pela Lei de Fitts o T H = 0,4 s o T D =? (variável) o T M = 1,35 s o T R =? (medir) 37 Exemplo GOAL: Passar- GatoPreto- Bold GOAL: Seleccionar- Palavras Mover- cursor- início- gato Carregar- sem- libertar- botão- esquerdo- rato Mover- cursor- fim- preto Libertar- botão- rato [Select GOAL: Aplicar- Bold- Teclado Carregar- Control- sem- libertar Carregar- B Libertar- Control GOAL: Aplicar- Bold- Menu Mover- cursor- Menu- Format Carregar- sem- libertar- botão- esquerdo- rato Mover- até- opção- Bold Libertar- botão- rato ] Regras: Regra 1: Usar Aplicar- Bold- Teclado se utilizador experiente Regra 2: Usar Aplicar- Bold- Menu se utilizador não experiente 38 19

20 Exemplo Bold: Ctrl-B vs Menu Seleccionar Palavras Localizar rato H 0,4 Apontar palavra gato P 1,1 Duplo-click e não libertar B 0,3 Mover rato para preto P 1,1 Libertar botão rato B 0,1 Subtotal 3,0 Menu Format (5,4seg) Apontar menu Format Carregar botão rato sem libertar Mover para Bold Libertar botão rato Subtotal P B P B 1,1 0,1 1,1 0,1 2,4 Ctrl-B (4,5seg) Carregar Control Teclar B K K 0,5 0,5 O uso de aceleradores reduz o tempo em cerca de 1 segundo! (no pior caso) Libertar Control Subtotal K 0,5 1,5 39 Características e Vantagens o Previsões são apenas aproximações o O seu valor está em permitir comparações de soluções o Rapidamente identificamos a solução mais rápida o Mais barato que testes com utilizadores o Não é necessário construir sistema 40 20

21 Conclusões o Modelos para Avaliação Preditiva Modelam Interacção pessoa-sistema Permitem estimar tempos de interacção GOMS: Goals, Operators, Methods, Selection Baseado em decomposição hierárquica KLM: Keystroke Level Model Operações atómicas 41 Próxima Aula o Avaliação com utilizadores o Local de avaliação Laboratório ou local de trabalho o Métodos de Avaliação Observação Interrogação Monitorização fisiológica o Ler: HCI, Cap.9, Alan Dix Interaction Design, Cap , J. Preece 42 21

Avaliação Preditiva. Capítulo 9. HCI, Cap. 12, AlanDix. Interactive System Design, Cap. 8, William Newman

Avaliação Preditiva. Capítulo 9. HCI, Cap. 12, AlanDix. Interactive System Design, Cap. 8, William Newman Avaliação Preditiva Capítulo 9 HCI, Cap. 12, AlanDix Interactive System Design, Cap. 8, William Newman Transparências da disciplina de Interfaces Homem-Máquina IST, Mário Rui Gomes e Joaquim Jorge Resumo:

Leia mais

Interfaces Pessoa-Máquina (IPM)

Interfaces Pessoa-Máquina (IPM) Interfaces Pessoa-Máquina (IPM) IV - Avaliação IV.1 Avaliação por Peritos (conclusão) IV.2 Avaliação Preditiva HCI, Cap. 9, Alan Dix www.useit.com (Webpage de) Jakob Nielsen Guerrilla HCI, Jakob Nielsen

Leia mais

Análise de Tarefas. Análise Hierárquica de Tarefas

Análise de Tarefas. Análise Hierárquica de Tarefas Análise de Tarefas Em IHC, a análise de tarefas pode ser utilizada em diferentes momentos do desenvolvimento de software, destacando-se três atividades: (a) análise da situação atual (apoiada ou não por

Leia mais

Interfaces Pessoa-Máquina (IPM)

Interfaces Pessoa-Máquina (IPM) Interfaces Pessoa-Máquina (IPM) III.3 Estilos de Interacção HCI, Cap. 3, Alan Dix 1 Melhor e Pior? 2 1 Resumo da Aula Anterior Praticamos Avaliação Heurística Consolidamos resultados Modelos para Avaliação

Leia mais

Interfaces Pessoa. Avaliação III. Máquina. Cap. 9 - Avaliação

Interfaces Pessoa. Avaliação III. Máquina. Cap. 9 - Avaliação Interfaces Pessoa Máquina Avaliação III Cap. 9 - Avaliação 11 Melhor e Pior? Melhor e Pior? Resumo Aula Anterior Avaliadores 3 a 5 avaliadores (normal) Graus de Severidade 5 graus (0 a 4) Fases da Avaliação

Leia mais

Actividade: Semelhança de triângulos

Actividade: Semelhança de triângulos Apêndice 5 A Nota Explicativa Actividade: Semelhança de triângulos A tarefa de geometria dinâmica proposta, tem como principal objectivo proporcionar o envolvimento dos alunos em ambientes geométricos

Leia mais

Organização do Espaço do Problema (Parte II)

Organização do Espaço do Problema (Parte II) Interface Homem/Máquina Aula 11 Professor Leandro Augusto Frata Fernandes laffernandes@ic.uff.br Material disponível em http://www.ic.uff.br/~laffernandes/teaching/2011.1/tcc-00.184 Roteiro da Aula de

Leia mais

II.4 - Factores Humanos II

II.4 - Factores Humanos II Melhor e Pior? II Perceber os Utilizadores e as Tarefas HCI, Cap. 1, Alan Dix 2 Resumo Aula Anterior Sumário Modelo Humano de Processamento Subsistema de Percepção Visão Cor, Ilusões, Leitura Audição Tacto

Leia mais

IV.2 - Avaliação Preditiva

IV.2 - Avaliação Preditiva Resumo Aula Anterior IV - Avaliação IV.1 Avaliação por eritos (Avaliação Heurística) Exercício rático Avaliação Heurística é fácil, é barata, dá milhões Nº de Avaliadores (-5) Heurísticas de Usabilidade

Leia mais

Avaliação por Peritos (Avaliação Heurística)

Avaliação por Peritos (Avaliação Heurística) Avaliação por Peritos (Avaliação Heurística) Capítulo 8 HCI, Cap. 9, AlanDix www.useit.com (webpage de Jakob Nielsen) Transparências da disciplina de Interfaces Homem-Máquina IST, Mário Rui Gomes e Joaquim

Leia mais

Folha de Cálculo Introdução à Folha de Cálculo

Folha de Cálculo Introdução à Folha de Cálculo Introdução à Folha de Cálculo O Excel é uma folha de cálculo capaz de guardar dados, executar cálculos e gerar gráficos. Introdução à Folha de Cálculo Uma folha de cálculo, por exemplo o Excel, permite

Leia mais

MAGic. Software para ampliação de ecrã

MAGic. Software para ampliação de ecrã MAGic Software para ampliação de ecrã Introdução: O MAGic é uma solução de software ideal tanto para os utilizadores de computador com baixa visão, como para todos aqueles que passam muito tempo à frente

Leia mais

Prof. Manuel Portelinha. Sumário

Prof. Manuel Portelinha. Sumário Tecnologias da Informação e Comunicação Processamento de Testo Ano Lectivo 008/009 008/009 Prof. Manuel Portelinha Sumário Aspectos genéricos sobre o processamento de texto. Iniciação ao processamento

Leia mais

IV.4 Análise de Dados da Avaliação

IV.4 Análise de Dados da Avaliação Melhor e Pior? IV - Avaliação IV.4 Análise de Dados da Avaliação Interactive System Design, Cap. 10, William Newman IV.4 Análise de Dados da Avaliação 2 Melhor e Pior? Resumo Aula Anterior! Avaliação com

Leia mais

V.2 Dispositivos de Interacção

V.2 Dispositivos de Interacção Melhor e Pior? V.2 DISPOSITIVOS DE INTERACÇÃO HCI, Cap.2 (pags. 59-97) Alan Dix 2 Resumo Aula Anterior Sumário o Importância, características e guia de estilos dos manuais o Manuais convencionais o Princípios

Leia mais

TRABALHO 1 - ESTUDO DE CIRCUITOS RC e RLC

TRABALHO 1 - ESTUDO DE CIRCUITOS RC e RLC TRABALHO - ESTUDO DE CIRCUITOS RC e RLC Objectivo - Verificar o comportamento em frequência de circuitos RC e RLC. A função de transferência e o seu significado na análise de sistemas Lineares e Invariantes

Leia mais

O PowerPoint permite visualizar de diferentes formas a apresentação. Podemos aceder as diferentes formas de duas maneiras distintas: VISTA NORMAL

O PowerPoint permite visualizar de diferentes formas a apresentação. Podemos aceder as diferentes formas de duas maneiras distintas: VISTA NORMAL Tarefa Orientada 5 As vistas do Powerpoint O PowerPoint permite visualizar de diferentes formas a apresentação. Podemos aceder as diferentes formas de duas maneiras distintas: Através do menu Ver, onde

Leia mais

O Manual do Konquest. Nicholas Robbins Tradução: José Pires

O Manual do Konquest. Nicholas Robbins Tradução: José Pires Nicholas Robbins Tradução: José Pires 2 Conteúdo 1 Introdução 5 2 Como Jogar 6 3 Regras do Jogo, Estratégias e Sugestões 9 3.1 Regras............................................ 9 3.2 Estratégias e Dicas.....................................

Leia mais

O AMBIENTE DE TRABALHO DO WINDOWS

O AMBIENTE DE TRABALHO DO WINDOWS O AMBIENTE DE TRABALHO DO WINDOWS O Windows funciona como um Sistema Operativo, responsável pelo arranque do computador. Um computador que tenha o Windows instalado, quando arranca, entra directamente

Leia mais

VII.1- Toolkits: Entrada & Comunicações

VII.1- Toolkits: Entrada & Comunicações Melhor ou pior? VII Desenvolvimento e Toolkits VII.1- Toolkits: Entrada & Comunicações Developing User Interfaces, Cap. 4, Qual dos dois controlos reduz o volume? O botão de descer para cima ou o botão

Leia mais

Alguns truques do Excel. 1- Títulos com inclinação. 2- Preencha automaticamente células em branco

Alguns truques do Excel. 1- Títulos com inclinação. 2- Preencha automaticamente células em branco Alguns truques do Excel 1- Títulos com inclinação No Excel é possível colocar o conteúdo das células na vertical. Para além disto, pode-se escolher o grau de inclinação. Para isto, seleccione as células

Leia mais

1. Criar uma nova apresentação

1. Criar uma nova apresentação MANUAL DO Baixa da Banheira, 2006 1. Criar uma nova apresentação Para iniciar uma sessão de trabalho no PowerPoint é necessário criar uma nova apresentação para depois trabalhar a mesma. Ao iniciar uma

Leia mais

Identificação dos papeis de usuários

Identificação dos papeis de usuários Análise de usuário e tarefas Análise de usuários Identificação dos papeis de usuários Conhecer as diferentes funções que cada usuário deverá ter no sistema Cada papel possui um conjunto de tarefas Definir

Leia mais

Introdução aos Sistemas Informáticos

Introdução aos Sistemas Informáticos I 1. Veja o conteúdo do disco rígido abrindo O meu computador, mude de vistas e comente. 2. Se lhe for possível, mude a hora e a data do sistema através do Painel de Controlo para a meia noite do dia 1

Leia mais

Interação Humano-Computador

Interação Humano-Computador Interação Humano-Computador Avaliação Preditiva Danielle Freitas 2015.1 http://docente.ifrn.edu.br/daniellefreitas Agenda Tipos de avaliação Modelos preditivos GOMS KLM Características e vantagens Avaliação

Leia mais

ALGORITMOS E FLUXOGRAMAS

ALGORITMOS E FLUXOGRAMAS ALGORITMOS E FLUXOGRAMAS Prof. André Backes INTRODUÇÃO Computadores = cérebros eletrônicos? Computadores são máquinas e, por si sós, não podem ser inteligentes. Alguém as projetou e deu a ela todas as

Leia mais

Gestor de Janelas Gnome

Gestor de Janelas Gnome 6 3 5 Gestor de Janelas Gnome Nesta secção será explicado o funcionamento de um dos ambientes gráficos disponíveis no seu Linux Caixa Mágica, o Gnome. Na figura 5.1 apresentamos o GDM, o sistema gráfico

Leia mais

Portátil Série Aspire

Portátil Série Aspire Portátil Série Aspire Guia rápido Registo do produto Ao utilizar o dispositivo pela primeira vez, recomenda-se que o registe. O registo dar-lhe-á acesso a vantagens úteis, como: Assistência mais rápida

Leia mais

Ambiente de trabalho. Configurações. Acessórios

Ambiente de trabalho. Configurações. Acessórios Ambiente de trabalho Configurações Acessórios O Sistema Operativo (SO) é o conjunto de programas fundamentais que permitem que o computador funcione e comunique com o exterior. Actualmente, o Windows é

Leia mais

1 o º ciclo. Índice TUTORIAL

1 o º ciclo. Índice TUTORIAL 1 o º ciclo Índice ABRIR O WORD..2 E AGORA VAMOS À ESCRITA....4 TIPO DE LETRA.. 5 IMAGENS E GRAFISMOS...5 GUARDAR UM DOCUMENTO...6 IMPRIMIR UM DOCUMENTO...7 SAIR DO DOCUMENTO E DO WORD. 8 TUTORIAL O que

Leia mais

Criar um formulário do tipo Diálogo modal ; Alterar a cor de fundo de um formulário; Inserir botões de comando e caixas de texto;

Criar um formulário do tipo Diálogo modal ; Alterar a cor de fundo de um formulário; Inserir botões de comando e caixas de texto; FICHA OBJECTIVO Construir Construir formulários na base de dados Diplomas em Diário da República Um formulário é utilizado, em primeiro lugar, para introduzir, eliminar ou apresentar dados numa base de

Leia mais

UNIDADE 2: Sistema Operativo em Ambiente Gráfico

UNIDADE 2: Sistema Operativo em Ambiente Gráfico UNIDADE 2: Sistema Operativo em Ambiente Gráfico Ambiente de trabalho Configurações Acessórios O Sistema Operativo (SO) é o conjunto de programas fundamentais que permitem que o computador funcione e comunique

Leia mais

Formador: Carlos Maia

Formador: Carlos Maia Formador: Carlos Maia Iniciar o MS Excel MS Excel - Introdução 1 Ajuda Se ainda não estiver visível a ajuda do Excel do lado direito do ecrã, basta clicar sobre Ajuda do Microsoft Excel no menu Ajuda,

Leia mais

Controlo remoto HP Media (somente em alguns modelos) Manual do utilizador

Controlo remoto HP Media (somente em alguns modelos) Manual do utilizador Controlo remoto HP Media (somente em alguns modelos) Manual do utilizador Copyright 2008 Hewlett-Packard Development Company, L.P. Windows e Windows Vista são marcas registadas da Microsoft Corporation

Leia mais

Usando um Simulador da Máquina de Turing Claudio Kirner 2010

Usando um Simulador da Máquina de Turing Claudio Kirner 2010 1. Introdução Usando um Simulador da Máquina de Turing Claudio Kirner 2010 A Máquina de Turing, idealizada por Alan Turing, em 1936, é uma máquina teórica simples capaz de calcular qualquer função matemática.

Leia mais

USANDO POWERPOINT 2007 (UM GUIA BÁSICO)

USANDO POWERPOINT 2007 (UM GUIA BÁSICO) USANDO O POWERPOIINT 2007 (UM GUIIA BÁSIICO) Almada, FEV2009 Usando o PowerPoint 2007 (Guia Básico) Índice Começando 3 Ambiente de Trabalho do PowerPoint 3 Criando Apresentações 6 Seleccionar um Diapositivo

Leia mais

Como produzir um texto no computador.

Como produzir um texto no computador. Como produzir um texto no computador. Antes de aprender como produzir um texto no computador e algumas das funcionalidades básicas que o processador de texto oferece, deve ler os seguintes tutoriais: Conhecer

Leia mais

Language descriptors in Portuguese Portuguese listening - Descritores para a Compreensão do Oral em História e Matemática

Language descriptors in Portuguese Portuguese listening - Descritores para a Compreensão do Oral em História e Matemática Language descriptors in Portuguese Portuguese listening - Descritores para a Compreensão do Oral em História e Matemática Compreender informação factual e explicações Compreender instruções e orientações

Leia mais

Modelos Conceptuais I

Modelos Conceptuais I Modelos Conceptuais I Capítulo 5 Conceptual Models, J. Johnson and A. Henderson (artigo da revista Interactions, Jan. 2002) Interaction Design, Cap. 2 J. Preece Resumo da aula anterior As capacidades das

Leia mais

Microsoft Excel. O que é? Para que serve? É um poderoso programa de folha de cálculo.

Microsoft Excel. O que é? Para que serve? É um poderoso programa de folha de cálculo. O que é? É um poderoso programa de folha de cálculo. Para que serve? Serve para facilitar a gestão de vastos conjuntos de informação que involvam principalmente o cálculo de dependências entre os dados

Leia mais

Controlo de iluminação local multifuncional

Controlo de iluminação local multifuncional Controlo de iluminação local multifuncional I Controlo de iluminação local multifuncional A nível mundial, sensivelmente 20 % do consumo total de energia diz respeito à iluminação. Dependendo do tipo de

Leia mais

MANUAL DE GABINETES SAJ/SG5

MANUAL DE GABINETES SAJ/SG5 MANUAL DE GABINETES SAJ/SG5 Seção de Implantação de Sistemas Divisão de Sistemas Judiciais de Segundo Grau Diretoria de Tecnologia da Informação DTI/TJSC suporte: saj2grau@tjsc.jus.br Índice: Página 1.

Leia mais

São visíveis as filas de impressão partilhadas...

São visíveis as filas de impressão partilhadas... Índice Como enviar trabalhos para o servidor de impressão (imprimir) a partir de portáteis ou outros computadores ligados à rede da FPCEUP?... 3 Em Windows... 3 Em Mac OS X... 5 Como me identifico/autentico

Leia mais

DRIVER DA TELA SENSÍVEL AO TOQUE MANUAL DE OPERAÇÃO

DRIVER DA TELA SENSÍVEL AO TOQUE MANUAL DE OPERAÇÃO MONITOR LCD DRIVER DA TELA SENSÍVEL AO TOQUE MANUAL DE OPERAÇÃO para Mac Versão 1.0 Modelos aplicáveis PN-L802B/PN-L702B/PN-L602B Conteúdo Introdução...3 Requisitos do sistema...3 Configuração do computador...4

Leia mais

INSTALAÇÕES DO EDIFÍCIO (Solar térmica) Manual do Utilizador

INSTALAÇÕES DO EDIFÍCIO (Solar térmica) Manual do Utilizador 2 IMPORTANTE: ESTE TEXTO REQUER A SUA ATENÇÃO E A SUA LEITURA A informação contida neste documento é propriedade da Ingenieros, S.A. e nenhuma parte dela pode ser reproduzida ou transferida sob nenhum

Leia mais

Interfaces Pessoa-Máquina

Interfaces Pessoa-Máquina Interfaces Pessoa-Máquina Marielba Silva de Zacarias Fct I, Gab. 2.69 A Análise de Tarefas II Referências: 1. Human-Computer Interaction, A. Dix, Cap. 7 (Ed.2), Cap. 15 (Ed. 3) 2. Task-Centered User Interface

Leia mais

Guia da Internet. Página 1

Guia da Internet. Página 1 Guia da Internet Utilização da Internet Introdução... 2 Alguns conceitos básicos... 2 Endereços (URL)... 2 Páginas Web... 3 Abrir o Internet Explorer... 3 O ecrã do Internet Explorer... 4 A Barra de Ferramentas

Leia mais

Sistema Operativo em Ambiente Gráfico

Sistema Operativo em Ambiente Gráfico Sistema Operativo em Ambiente Gráfico Sistema Operativo Conjunto de programas fundamentais que permitem que o computador funcione e comunique com o exterior; Windows: sistema operativo mais utilizado nos

Leia mais

O Manual do Okular. Albert Astals Cid Pino Toscano Tradução: José Pires

O Manual do Okular. Albert Astals Cid Pino Toscano Tradução: José Pires Albert Astals Cid Pino Toscano Tradução: José Pires 2 Conteúdo 1 Introdução 6 2 Utilização Básica 7 2.1 Abrir Ficheiros........................................ 7 2.2 Navegação..........................................

Leia mais

Módulo 1 Microsoft Word 2007 ( 4 Horas)

Módulo 1 Microsoft Word 2007 ( 4 Horas) No final deste módulo o formando deverá estar apto a: Enunciar a definição do Microsoft Word 2007; Reconhecer as principais vantagens da utilização; Distinguir as diferentes áreas do ambiente de trabalho

Leia mais

Apresentação do notebook Manual do Utilizador

Apresentação do notebook Manual do Utilizador Apresentação do notebook Manual do Utilizador Copyright 2009 Hewlett-Packard Development Company, L.P. Bluetooth é uma marca comercial, propriedade do titular e utilizada pela Hewlett-Packard Company sob

Leia mais

Sistema Operativo em Ambiente Gráfico

Sistema Operativo em Ambiente Gráfico Sistema Operativo em Ambiente Gráfico Criação e eliminação de atalhos Para criar atalhos, escolher um dos seguintes procedimentos: 1. Clicar no ambiente de trabalho com o botão secundário (direito) do

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO. EcclesiaSoft 2012. v.01

MANUAL DE UTILIZAÇÃO. EcclesiaSoft 2012. v.01 MANUAL DE UTILIZAÇÃO EcclesiaSoft 2012 v.01 1 CONTEÚDO 1. Apresentação:... 4 2. Instalação... 5 3. Configurações iniciais... 5 4. Secretaria... 6 4.1. Criação de uma nova ficha... 8 4.2. Listagem de Pessoas...

Leia mais

Interfaces Pessoa-Máquina (IPM)

Interfaces Pessoa-Máquina (IPM) Interfaces Pessoa-Máquina (IPM) IV - Avaliação IV.3 Avaliação com Utilizadores HCI, Cap.9, Alan Dix Interaction Design, Cap. 11-14, J. Preece Resumo Aula Anterior Tipos de diálogo Menus, Formulários, LC

Leia mais

Dica 05 Criação de menus

Dica 05 Criação de menus Dica 05 Criação de menus Proposta: Criar menus personalizados no AutoCAD, que podem por exemplo ser utilizados para reunir comandos mais utilizados. Autoria: Fredy Godinho Braga. Criado em: 2001 Revisado

Leia mais

SIMULAÇÃO DO MOVIMENTO DE QUEDA DE UM CORPO COM E SEM RESISTÊNCIA DO AR

SIMULAÇÃO DO MOVIMENTO DE QUEDA DE UM CORPO COM E SEM RESISTÊNCIA DO AR FACULDADE DE CIÊNCIAS DA UNIVERSIDADE DO PORTO DEPARTAMENTO DE FÍSICA- FORMAÇÃO CONTÍNUA 29 SIMULAÇÃO DO MOVIMENTO DE QUEDA DE UM CORPO COM E SEM RESISTÊNCIA DO AR Actividades de sala de aula com a calculadora

Leia mais

ANEXO. Manual do utilizador

ANEXO. Manual do utilizador ANEXO Manual do utilizador A PARTE 1 Menu Principal A janela principal da aplicação é composta por uma zona destinada a mostrar a informação analítica (rodapé) e pelo Menu Principal, o qual contém opções

Leia mais

Introdução à Programação. João Manuel R. S. Tavares

Introdução à Programação. João Manuel R. S. Tavares Introdução à Programação João Manuel R. S. Tavares Sumário 1. Ciclo de desenvolvimento de um programa; 2. Descrição de algoritmos; 3. Desenvolvimento modular de programas; 4. Estruturas de controlo de

Leia mais

Cadeira de Tecnologias de Informação Ano lectivo 2009/10 Access 2007

Cadeira de Tecnologias de Informação Ano lectivo 2009/10 Access 2007 Cadeira de Tecnologias de Informação Ano lectivo 2009/10 Access 2007 TI2009/2010_1 Índice Iniciar a Aplicação e Abrir/Criar um Novo Ficheiro Comando Base de Dados Vazia Descrição do ambiente de trabalho

Leia mais

Demonstração do ActivInspire

Demonstração do ActivInspire 1 de 5 Demonstração do ActivInspire Copyright 2009 Promethean Limited. Todos os direitos reservados. Se este manual for distribuído com o software ActivInspire, só poderá ser reproduzido para utilização

Leia mais

GUIA DE PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO. (Módulo da Entidade Parceira Exclusivamente Financiadora)

GUIA DE PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO. (Módulo da Entidade Parceira Exclusivamente Financiadora) ACÇÃO 4.2.2 REDES TEMÁTICAS DE INFORMAÇÃO E DIVULGAÇÃO GUIA DE PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO (Módulo da Entidade Parceira Exclusivamente Financiadora) União Europeia FEADER PRODER 1 INSTRUÇÕES PARA UMA CORRECTA

Leia mais

Ferramentas Web, Web 2.0 e Software Livre em EVT

Ferramentas Web, Web 2.0 e Software Livre em EVT E s t u d o s o b r e a i n t e g r a ç ã o d e f e r r a m e n t a s d i g i t a i s n o c u r r í c u l o d a d i s c i p l i n a d e E d u c a ç ã o V i s u a l e T e c n o l ó g i c a Anim8or M a n

Leia mais

Instalação e Manutenção de Microcomputadores (COI)

Instalação e Manutenção de Microcomputadores (COI) Instalação e Manutenção de Microcomputadores (COI) 4. Montagem do Computador Disco rígido limpeza; Disco rígido verificação de erros (modo gráfico); Disco rígido verificação de erros (linha de comandos;

Leia mais

8. Perguntas e Respostas

8. Perguntas e Respostas Arquimedes Manual do Utilizador 185 8. Perguntas e Respostas 8.1. Aparência Para conservar a disposição na qual estão expostas as B.D. no ecrã e para que em posteriores sessões de trabalho tenham a mesma

Leia mais

X-Trade Brokers Dom Maklerski S.A. XTB Expert Builder. Manual. Michał Zabielski, traduzido por Paulo Santos 2010-02-15

X-Trade Brokers Dom Maklerski S.A. XTB Expert Builder. Manual. Michał Zabielski, traduzido por Paulo Santos 2010-02-15 X-Trade Brokers Dom Maklerski S.A. XTB Expert Builder Manual Michał Zabielski, traduzido por Paulo Santos 2010-02-15 Índice Instalação... 2 Notificação legal... 5 Ajustes/Preferências iniciais... 6 Linguagem...

Leia mais

Prof. Sandrina Correia

Prof. Sandrina Correia Tecnologias de I informação de C omunicação 9º ANO Prof. Sandrina Correia TIC Prof. Sandrina Correia 1 Conteúdos Gestão de ficheiros Explorador do Windows Modos de visualização Operações com pastas, ficheiros

Leia mais

Controle remoto HP Media (somente em determinados modelos) Guia do Usuário

Controle remoto HP Media (somente em determinados modelos) Guia do Usuário Controle remoto HP Media (somente em determinados modelos) Guia do Usuário Copyright 2008 Hewlett-Packard Development Company, L.P. Windows e Windows Vista são marcas registradas da Microsoft Corporation

Leia mais

SISTEMAS OPERATIVOS I

SISTEMAS OPERATIVOS I Instituto Superior de Engenharia do Porto Departamento de Engenharia Informática SISTEMAS OPERATIVOS I Introdução ao Unix baseado no livro UNIX For Application Developers William A. Parrete Abril de 2002

Leia mais

Objectivos Gerais da Aplicação 5 Requisitos Mínimos e Recomendados 5 Processo de Instalação 6

Objectivos Gerais da Aplicação 5 Requisitos Mínimos e Recomendados 5 Processo de Instalação 6 MANUAL DO UTILIZADOR A informação contida neste manual, pode ser alterada sem qualquer aviso prévio. A Estratega Software, apesar dos esforços constantes de actualização deste manual e do produto de software,

Leia mais

Como fazer uma pesquisa de Imagens

Como fazer uma pesquisa de Imagens Como fazer uma pesquisa de Imagens Nesta etapa irá aprender como fazer uma pesquisa de imagens no motor de pesquisa Google e ficará a saber como: Reconhecer as diferentes opções do menu de pesquisa Pesquisar

Leia mais

FOLHA DE CÁLCULO EXCEL

FOLHA DE CÁLCULO EXCEL 1 FOLHA DE CÁLCULO EXCEL segunda-feira, 25 de Abril de 2011 SUMÁRIO 1. Características e Potencialidades de uma folha de cálculo. 2. Ambiente de trabalho do Excel. 3. Noção de livro e de folha de cálculo.

Leia mais

Capítulo. 4-1 Equações lineares simultâneas 4-2 Equações de elevado grau 4-3 Cálculos de resoluções 4-4 O que fazer quando surje um erro

Capítulo. 4-1 Equações lineares simultâneas 4-2 Equações de elevado grau 4-3 Cálculos de resoluções 4-4 O que fazer quando surje um erro Capítulo 4 Cálculos de equações A sua calculadora gráfica pode realizar os três seguintes tipos de cálculos: Equações lineares simultâneas Equações de grau elevado Cálculos de resoluções A partir do menu

Leia mais

9/24/2012. Interfaces Pessoa. Análise de Utilizadores e Tarefas I. Máquina. Cap. 5 Análise de Utilizadores e Tarefas. Melhor e Pior?

9/24/2012. Interfaces Pessoa. Análise de Utilizadores e Tarefas I. Máquina. Cap. 5 Análise de Utilizadores e Tarefas. Melhor e Pior? Interfaces Pessoa Máquina 9/24/2012 Análise de Utilizadores e Tarefas I Cap. 5 Análise de Utilizadores e Tarefas 03 Melhor e Pior? 1 Melhor e Pior? Melhor e Pior? 2 Resumo Aula Anterior Usabilidade Design

Leia mais

7. Gestão de ficheiros em X Window. 7.1. O Konqueror

7. Gestão de ficheiros em X Window. 7.1. O Konqueror 7. Gestão de ficheiros em X Window 7.1. O Konqueror 1 O Konqueror O ambiente gráfico KDE do Linux possuí um programa, denominado Konqueror (Figura 1.95), que além de ser um navegador Web, é também um gestor

Leia mais

UNIDADE 2: Sistema Operativo em Ambiente Gráfico

UNIDADE 2: Sistema Operativo em Ambiente Gráfico Ambiente Gráfico Configurações Acessórios O Sistema Operativo (SO) é o conjunto de programas fundamentais que permitem que o computador funcione e que comunique com o exterior. Actualmente o Windows é

Leia mais

Controladores Lógicos Programáveis

Controladores Lógicos Programáveis Controladores Lógicos Programáveis Diagramas de Blocos Diagramas de Escada Grafcet Exercícios de Programação Autómato da Siemens Laboratórios Integrados III Departamento de Electrónica Industrial e de

Leia mais

Ficha de avaliação Física e Química A - Versão 1 Outubro de 2013. Nome: Nº: turma: 11E

Ficha de avaliação Física e Química A - Versão 1 Outubro de 2013. Nome: Nº: turma: 11E Ficha de avaliação Física e Química A - Versão 1 Outubro de 2013 Nome: Nº: turma: 11E CLASSIFICAÇÃO: Valores Professor: Cotação - 10V 1. Observa a figura 1 seguinte, que representa um corpo em movimento,

Leia mais

"SISTEMAS DE COTAGEM"

SISTEMAS DE COTAGEM AULA 6T "SISTEMAS DE COTAGEM" Embora não existam regras fixas de cotagem, a escolha da maneira de dispor as cotas no desenho técnico depende de alguns critérios. A cotagem do desenho técnico deve tornar

Leia mais

A Ergonomia e os Sistemas de Informação. Ivo Gomes

A Ergonomia e os Sistemas de Informação. Ivo Gomes A Ergonomia e os Sistemas de Informação Ivo Gomes A Ergonomia e os Sistemas de Informação Para a maior parte das pessoas, a ergonomia serve para fazer cadeiras mais confortáveis, mobiliário de escritório

Leia mais

Mestrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores

Mestrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Mestrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Metodologias de Apoio à Decisão FUVADI Cálculo de Funções de Valor Aditivas Trabalho realizado por: Luís Filipe Moreira Índice DESCRIÇÃO DO TRABALHO...1

Leia mais

Análise e Modelagem de Tarefas

Análise e Modelagem de Tarefas Marco A. A. Winckler 1, Marcelo Soares Pimenta 2 IHC2004 (Tutorial) * 1 LIIHS-IRIT (Université Paul Sabatier, Toulouse 3), 118 route de Narbonne, 31062 Toulouse CEDEX 4, France 2 Instituto de Informática

Leia mais

iseries Como começar com a resolução de problemas

iseries Como começar com a resolução de problemas iseries Como começar com a resolução de problemas iseries Como começar com a resolução de problemas Copyright International Business Machines Corporation 1998, 2001. Todos os direitos reservados. Índice

Leia mais

Modelos Conceptual e Mental

Modelos Conceptual e Mental Interfaces Pessoa Máquina 08-10-2012 Modelos Conceptual e Mental Cap. 6 Conceptualização da Interação 06 Melhor e Pior? 1 Melhor e Pior? Resumo Aula Anterior Análise de Utilizadores O que é? Porquê? O

Leia mais

Boot Camp Manual de Instalação e Configuração

Boot Camp Manual de Instalação e Configuração Boot Camp Manual de Instalação e Configuração Índice 3 Introdução 4 Descrição geral da instalação 4 Passo 1: Verificar se existem actualizações 4 Passo 2: Preparar o computador Mac para o Windows 4 Passo

Leia mais

Squeak Componente Livro. Luís Valente, 2009

Squeak Componente Livro. Luís Valente, 2009 Squeak Componente Livro Luís Valente, 2009 No projecto, abra o catálogo de objectos (pode utilizar o ícone na barra de menus ou o item catálogo de objectos,no menu Projecto). No catálogo de objectos escolha

Leia mais

3D STUDIO MAX. Modelação 3D (NURBS) Trabalho prático

3D STUDIO MAX. Modelação 3D (NURBS) Trabalho prático 3D STUDIO MAX Modelação 3D (NURBS) Trabalho prático Modelação da cabeça de um boneco Colocar a imagem boneco.jpg como fundo na vista da direita. 1. Na vista da frente criar um círculo (NGON 6 pontos) com

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Conceitos básicos sobre E.S: Ambiência Caracterização do software Fases de desenvolvimento 1 Introdução Aspectos Introdutórios Crise do Software Definição de Engenharia do Software 2 Crise do Software

Leia mais

Ficha prática de PowerPoint

Ficha prática de PowerPoint Abrir o Microsoft PowerPoint e premir o botão Novo Diapositivo 1 1. Introduzir o título e subtítulo de acordo com o diapositivo 1 2. Introduzir a palavra TIC através do WordArt (ver diapositivo 1) 3. Escolher

Leia mais

FIGURA. 2.2 ECRÃ DE TRABALHO

FIGURA. 2.2 ECRÃ DE TRABALHO Noções Básicas FIGURA. 2.2 ECRÃ DE TRABALHO 2.2.1 Painel de Tarefas (Task Pane) O painel de tarefas constitui a grande novidade do ecrã de trabalho desta nova versão do Word. Para utilizadores menos experientes,

Leia mais

2ºCiclo (5º e 6º Anos de escolaridade) 3ºCiclo (7º e 8º Anos de escolaridade)

2ºCiclo (5º e 6º Anos de escolaridade) 3ºCiclo (7º e 8º Anos de escolaridade) Escola Básica e Secundária de Velas Linhas de Exploração do Quadro de da Disciplina de Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC) Oferta de Escola 2ºCiclo (5º e 6º Anos de escolaridade) 3ºCiclo (7º

Leia mais

TÉCNICAS DE CAD PARA ENGENHARIA CIVIL AULA 9

TÉCNICAS DE CAD PARA ENGENHARIA CIVIL AULA 9 TÉCNICAS DE CAD PARA ENGENHARIA CIVIL AULA 9 1. MODELAGEM 3D 2. ESTRUTURAS DE REPRESENTAÇÃO 3D 3. MODELAGEM DE SUPERFÍCIE 4. VISUALIZAÇÃO DE UM DESENHO 3D 5. OBJETOS 2D PERFILADOS 6. SUPERFÍCIE 3D DEFINIDA

Leia mais

1. Verificar se a Microsoft.NET Framework 2.0 está instalada. Se não estiver, efectuar o download a partir do link e instalar:

1. Verificar se a Microsoft.NET Framework 2.0 está instalada. Se não estiver, efectuar o download a partir do link e instalar: SigmaDoc INSTALAÇÃO/ACTUALIZAÇÃO Para efectuar a actualização, proceder do seguinte modo: 1. Verificar se a Microsoft.NET Framework 2.0 está instalada. Se não estiver, efectuar o download a partir do link

Leia mais

Psicologia Experimental Psicologia Cognitiva Aplicada. Professor Leandro Augusto Frata Fernandes laffernandes@ic.uff.br

Psicologia Experimental Psicologia Cognitiva Aplicada. Professor Leandro Augusto Frata Fernandes laffernandes@ic.uff.br Interface Homem/Máquina Aula 5 Professor Leandro Augusto Frata Fernandes laffernandes@ic.uff.br Material disponível em http://www.ic.uff.br/~laffernandes/teaching/2011.1/tcc-00.184 Roteiro da Aula de Hoje

Leia mais

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO ESTRUTURA DE UMA PÁGINA TIC 10 A estrutura de uma página é importante, pelo que, antes de passarmos à criação de uma página ou sítio, devemos ter o storyboard (esquema

Leia mais

ESCOLA EB2,3/S Dr. ISIDORO DE SOUSA

ESCOLA EB2,3/S Dr. ISIDORO DE SOUSA ESCOLA EB2,3/S Dr. ISIDORO DE SOUSA Passos para Ligar 1. Verificar se o projector de Vídeo está ligado à corrente tomada do lado esquerdo do quadro, junto à porta, caso não esteja ligue a ficha tripla

Leia mais

Ferramentas Web, Web 2.0 e Software Livre em EVT

Ferramentas Web, Web 2.0 e Software Livre em EVT E s t u d o s o b r e a i n t e g r a ç ã o d e f e r r a m e n t a s d i g i t a i s n o c u r r í c u l o d a d i s c i p l i n a d e E d u c a ç ã o V i s u a l e T e c n o l ó g i c a Scratch M a n

Leia mais

COMPETÊNCIAS BÁSICAS EM TIC NAS EB1. Oficina da Internet

COMPETÊNCIAS BÁSICAS EM TIC NAS EB1. Oficina da Internet COMPETÊNCIAS BÁSICAS EM TIC NAS EB1 Oficina da Internet Utilização Educativa da Internet Guião de iniciação à consulta e pesquisa de informação na Web Índice Introdução... 2 Alguns conceitos básicos...2

Leia mais

Facturação Guia do Utilizador

Facturação Guia do Utilizador Facturação Guia do Utilizador Facturação Como se utiliza 2 1 Como se utiliza Todas as opções do sistema estão acessíveis através do menu: ou do menu: O Menu caracteriza-se pelas seguintes funcionalidades:

Leia mais

GIGrecibos. Sistema de Emissão de Recibos de Donativos. Para Igrejas. Produzido e distribuído por: VIBISinfor Rua Nova, 10 7490-250 MORA

GIGrecibos. Sistema de Emissão de Recibos de Donativos. Para Igrejas. Produzido e distribuído por: VIBISinfor Rua Nova, 10 7490-250 MORA wgig GIGrecibos Sistema de Emissão de Recibos de Donativos Para Igrejas Produzido e distribuído por: VIBISinfor Rua Nova, 10 7490-250 MORA tel: 266403273 www.vibis.com 1 Conteúdo wgig... 1 Avisos legais...

Leia mais

IRISPen Air 7. Guia rápido. (Windows & Mac OS X)

IRISPen Air 7. Guia rápido. (Windows & Mac OS X) IRISPen Air 7 Guia rápido (Windows & Mac OS X) Este Guia rápido do utilizador ajuda-o a dar os primeiros passos com o IRISPen Air TM 7. Leia este guia antes de utilizar o scanner e o respetivo software.

Leia mais