Entradas/Saídas. Programação por espera activa Programação por interrupções

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Entradas/Saídas. Programação por espera activa Programação por interrupções"

Transcrição

1 Entradas/Saídas Programação por espera activa Programação por interrupções

2 Programação por espera activa 1. O programa lê o estado do periférico: CPU pede ao controlador (IN) o valor no registo ESTADO O controlador retorna o seu estado 2.Se o controlador está disponível, o programa faz um pedido de transferência: Se é para uma saída, o programa envia os dados: CPU escreve os dados a sair para registo DADOS (OUT) O CPU escreve o comando para enviar no registo COMANDO (OUT) Se é uma entrada, o programa lê os dados que chegaram: CPU lê o registo DADOS (IN) CPU escreve o comando para ler de novo no reg. COMANDO (OUT) 3. O controlador transfere dados de/para o periférico Arquitectura de Computadores (2008/2009): Entradas/Saídas 641

3 Programação por espera activa 1. O CPU requer uma operação 2. O CPU interroga repetidamente o controlador do periférico (bits de ESTADO) para saber se a operação anterior já terminou O CPU pode esperar (com grande desperdício de tempo de CPU) ou voltar a testar mais tarde O controlador fica a efectuar a operação O controlador posiciona os seus bits de estado (registo de ESTADO) O controlador de E/S não informa o CPU directamente e não interrompe o que o CPU está a fazer Arquitectura de Computadores (2008/2009): Entradas/Saídas 642

4 Inconvenientes do uso da espera activa Os dispositivos de E/S são muito lentos e o CPU vai passar grande parte do tempo nos ciclos de espera Enquanto se espera há potencial para o CPU executar muitas instruções Os controladores que só suportam espera activa são muito simples do ponto de vista hardware, mas implicam um grande desperdício de tempo de CPU Se o CPU executa outras operações o periférico pode entretanto ficar disponível e logo, desocupado desperdício do periférico Mau para o controlo "simultâneo" de múltiplos periféricos Arquitectura de Computadores (2008/2009): Entradas/Saídas 643

5 Exemplo: Porta série do PC PC COM1: CPU Controlador da 1ª porta série TX Ligação RS232 RX Modem ou outro dispositivo Bus de entradas/saídas Arquitectura de Computadores (2008/2009): Entradas/Saídas 644

6 RS-232 ou V.24 A norma inclui: Aspectos físicos : Fichas, cabos, tensões (Volts), etc. Características da comunicação: Taxa de transferência, sincronização, detecção de erros, etc. Exemplo simples: Grupo de 8 bits, 1 start bit, 1 stop bit e 1 bit paridade par TX Stop Bit Bit paridade Enviar letra A = Start bit RX Ponto de sincronização Arquitectura de Computadores (2008/2009): Entradas/Saídas 645

7 Interface do controlador PC UART (Universal Asynchronous Receiver/Transmitter) CPU 0x3FD (R) 0x3F8 (W) 0x3F8 (R) LSR THR RBR COM1: TX Ligação RS232 RX Dispositivo Bus de entradas/saídas Arquitectura de Computadores (2008/2009): Entradas/Saídas 646

8 Interface da UART A interface de programação oferecida esconde os detalhes da comunicação série Interacção com o controlador por bytes de dados Suporta full-duplex: 1 reg dados a enviar (THR Transmitter Holding Register) e 1 reg. de dados recebidos (RBR Read Buffer Register) Registo de estado (LSR Line Status Register) THR vazio RBR pronto Vários registos de comando/controlo para programar as características da comunicação Arquitectura de Computadores (2008/2009): Entradas/Saídas 647

9 Porta série: envio Suponha-se a existência das duas seguintes funções C que são equivalentes às instruções máquina IN e OUT: unsigned char inbyte(unsigned int port); void outbyte(unsigned int port, unsigned char byte); Para enviar um byte pela porta série teremos: void send_serial (unsigned char b ) { unsigned char s; do { s = // Conteúdo do registo de estado (LSR) } while ( /* bit THR vazio de LSR == 0 */ ); // Escrever b para o registo de dados a enviar } Arquitectura de Computadores (2008/2009): Entradas/Saídas 648

10 Porta série: recepção Para receber um byte teremos: unsigned char receive_serial( ) { unsigned char s; } do { s = // Conteúdo do registo de estado (LSR) } while ( /* bit RBR pronto de LSR == 0 */ ); return // Conteúdo do registo de dados a receber Arquitectura de Computadores (2008/2009): Entradas/Saídas 649

11 Exemplos em assembly mov dx, 3fdH esperaout: in al, dx ; lê o RegEstado para o CPU (reg AL) and al, B ; testar bit 5 (THR pronto) jz esperaout mov al, [Caracter_a_Enviar] mov dx, 3f8H out dx, al ; envia o carácter para o THR mov dx, 3fdH esperain: in al, dx and al, 1 jz esperain mov dx, 3f8H in al, dx ; lê o RegEstado para o CPU (reg AL) ; testar bit 0 (RBR pronto) ; lê o carácter do RBR Arquitectura de Computadores (2008/2009): Entradas/Saídas 650

12 Device Driver Device Driver: conjunto de subrotinas para efectuar operações de entrada/saída, escondendo os detalhes de controlo da interface de um periférico Escondem detalhes do hardware Ex: vários fabricantes de placas de som, mas muitas das funcionalidades são comuns a todas e podem ser vistas da mesma maneira Estas rotinas fazem parte do SO Só o SO é que gere o acesso aos periféricos Oferece abstracções e funcionalidades de mais alto nível para os programas Arquitectura de Computadores (2008/2009): Entradas/Saídas 651

13 Níveis no I/O Exemplo para a porta série: O device driver controla a interface da porta Oferece ao SO operações de leitura e escrita de bytes nas portas série O SO oferece aos programas um canal virtual de comunicação: stream de bytes Permite (ou não) que vários programas usem as portas série em cada instante, sem interferirem Arquitectura de Computadores (2008/2009): Entradas/Saídas 652

14 Dois modos de operação A partilha de recursos exige que um programa incorrecto não prejudique outros programas (ou outros utilizadores) O Sistema de Operação não pode perder o controlo dos periféricos Um programa não pode aceder directamente a um periférico sem que o SO confirme as permissões e se o acesso pretendido não é, por exemplo, inválido. Como impedir os programas normais de usar as instruções de I/O? Arquitectura de Computadores (2008/2009): Entradas/Saídas 653

15 Modo utilizador/supervisor O CPU tem de suportar pelo menos dois modos de operação: 1. Modo utilizador CPU está a executar por conta de um programa normal 2. Modo supervisor (kernel mode or system mode) Execução de código do SO No modo utilizador o CPU não executa as instruções consideradas privilegiadas Obtém-se uma excepção e passa a executar código do SO para tratamento do erro Para algumas operações os programas têm de efectuar pedidos ao SO o CPU muda então para modo supervisor. Arquitectura de Computadores (2008/2009): Entradas/Saídas 654

16 Modo utilizador/supervisor Instruções privilegiadas só podem ser executadas em modo supervidor logo, pelo SO pedido ao SO supervisor utilizador retorno ao programa Arquitectura de Computadores (2008/2009): Entradas/Saídas 655

17 Protecção do I/O É preciso garantir que um programa utilizador nunca execute o seu código em modo supervisor (podia fazer o que quisesse aos periféricos) Todas as instruções de I/O são privilegiadas! (IN e OUT nos Intel) Existem mais instruções privilegiadas a não ser que o SO não use esses dois modos do CPU e execute os programas sempre um modo supervisor... por ex.: MS-DOS, pois o 8086 não possui esses modos. Arquitectura de Computadores (2008/2009): Entradas/Saídas 656

18 I/O sem espera activa Um programa executa código no CPU que requer uma operação num controlador O CPU continua a executar código do programa ou outro programa Quando a notificação chega, o CPU pode voltar ao programa e este desencadeia a próxima operação O controlador recebe o pedido e fica a efectuar a operação O controlador quando terminar a operação pedida pelo programa, notifica o CPU Arquitectura de Computadores (2008/2009): Entradas/Saídas 657

19 Notificação de eventos por interrupções Perante uma alteração no estado do periférico, o controlador notifica o CPU, interrompendo a sua normal execução O CPU passa a executar o código indicado para o tratamento desse evento CPU Interrupção Controlador periférico Periférico Interface Bus I/O Bits com dados Bits com comandos Interface Bus I/O Arquitectura de Computadores (2008/2009): Entradas/Saídas 658

20 Exemplo para a Porta Série Se o controlador enviar um sinal de cada vez que chega um byte: Não é necessário ficar em espera activa, testando se já chegou um byte Mas temos de indicar a rotina para o tratamento desse sinal, com o código para ler do controlador o byte chegado O que fazer com os dados recebidos? Guardar num buffer de dados recebidos Arquitectura de Computadores (2008/2009): Entradas/Saídas 659

21 Vantagens das interrupções O controlador actua autonomamente depois do CPU indicar a operação de transferência; quando esta termina o controlador envia uma interrupção ao CPU. Durante as operações dos periféricos, o CPU fique disponível para executar outro código, sem perda de tempo em ciclos de espera activa, a testar o estado do periférico Resolve o problema do desperdício do CPU. Permite que o CPU continue a efectuar computações enquanto decorre a transferência de dados Permite resolver a questão da desadequação das velocidades do CPU e dos periféricos Quando o periférico fica disponível para novo pedido, avisa imediatamente o CPU, podendo o programa efectuar logo novo pedido Arquitectura de Computadores (2008/2009): Entradas/Saídas 660

22 Uma E/S controlada por interrupções Exemplo de leitura (Entrada): 1. CPU emite um comando de leitura 2. O controlador de E/S obtém dados do periférico enquanto o CPU faz outra coisa 3. O controlador de E/S interrompe o CPU 4. O CPU executado a rotina que lê os dados do controlador e efectua novo pedido 5. O CPU retoma o que estava a executar quando foi interrompido Idêntico para a escrita (Saída) Arquitectura de Computadores (2008/2009): Entradas/Saídas 661

23 Interrupções O controlador do periférico fica responsável por assinalar eventos ao CPU através de uma linha (Interrupt Request): Estes eventos podem ser qualquer alteração no estado do periférico ou seu controlador Ao receber um sinal, o CPU interrompe a sequência normal de execução de instruções: Guarda o estado corrente do CPU Força um salto (como um call) para uma subrotina de tratamento do evento Terminada a subrotina, o CPU retoma o estado guardado Arquitectura de Computadores (2008/2009): Entradas/Saídas 662

24 Contexto de execução Excepto pelo intervalo de tempo decorrido, o programa interrompido não se deve aperceber da ocorrência da interrupção! A quando do tratamento de uma interrupção o estado da computação interrompida não pode ser alterado O estado corrente duma computação: estado corrente do CPU (conteúdo dos registos e flags), estado da memória Que parte é guardada pelo mecanismo de interrupções e que parte tem de ser programada na rotina de tratamento? Arquitectura de Computadores (2008/2009): Entradas/Saídas 663

25 Tratamento das Interrupções O hardware faz o mínimo essencial: Guarda o Program Counter e as Flags Passa à execução do código para tratar o evento em causa Esta rotina de tratamento (ou serviço) não deve alterar o estado do programa interrompido Se a rotina de tratamento vai usar diversos registos do CPU, deve guardá-los antes de os usar e repor tudo no fim Os dados a enviar ou recebidos são trocados usando buffers em memória Exemplo: quando chega um novo carácter, a rotina de tratamento para esta situação, põe este num buffer em vez de executar todo o programa que vai usar este carácter Arquitectura de Computadores (2008/2009): Entradas/Saídas 664

26 Ciclo do CPU com Interrupções Em cada ciclo de execução das instruções verifica se há interrupção Obtenção (fetch) da instrução Descodificação e execução da instrução faz o equivalente a: push flags call RotTratamento Sim Interrupção pendente? Não Arquitectura de Computadores (2008/2009): Entradas/Saídas 665

27 Problemas a resolver Como identificar a interrupção? Motivo da interrupção Que rotina executar? Como lidar com múltiplas interrupções? Uma rotina de tratamento de interrupções pode ser, por sua vez, interrompida? Arquitectura de Computadores (2008/2009): Entradas/Saídas 666

Entradas/Saídas. Programação por interrupções Conceitos gerais Programação da porta série Transmissão

Entradas/Saídas. Programação por interrupções Conceitos gerais Programação da porta série Transmissão Entradas/Saídas Programação por interrupções Conceitos gerais Programação da porta série Transmissão Problemas a resolver Como identificar a interrupção? Motivo da interrupção Que rotina executar? Como

Leia mais

Sistemas Operativos I

Sistemas Operativos I Arquitectura de um Computador Maria João Viamonte / Luis Lino Ferreira Fevereiro de 2006 Sumário Arquitectura de um Computador Estrutura de I/O Estrutura de Armazenamento Hierarquia de Armazenamento Protecção

Leia mais

Gerenciamento de Entrada e Saída Hélio Crestana Guardia e Hermes Senger

Gerenciamento de Entrada e Saída Hélio Crestana Guardia e Hermes Senger Gerenciamento de Entrada e Saída Hélio Crestana Guardia e Hermes Senger O controle da entrada e saída (E/S ou I/O, input/output) de dados dos dispositivos é uma das funções principais de um sistema operacional.

Leia mais

Entrada e Saída. Interface entre periféricos, processador e memória. Fonte: Minho - Portugal 1

Entrada e Saída. Interface entre periféricos, processador e memória. Fonte: Minho - Portugal 1 Entrada e Saída Interface entre periféricos, processador e memória Fonte: Minho - Portugal 1 Ligação Processador/Memória - Periférico Processador Memória Controlo Dados Controlador Fonte: Minho - Portugal

Leia mais

Interrupções. As interrupções são casos especiais de chamadas de procedimentos.

Interrupções. As interrupções são casos especiais de chamadas de procedimentos. Interrupções Uma interrupção é equivalente a uma chamada de procedimento. A chamada é equivalente a um CALL gerado pela execução de uma instrução. As interrupções são casos especiais de chamadas de procedimentos.

Leia mais

Universidade do Algarve Faculdade de Ciências e Tecnologia Área Departamental de Engenharia Electrónica e Computação

Universidade do Algarve Faculdade de Ciências e Tecnologia Área Departamental de Engenharia Electrónica e Computação Universidade do Algarve Faculdade de Ciências e Tecnologia Área Departamental de Engenharia Electrónica e Computação Periféricos e Interfaces 2003/2004 Cursos de Informática e Ensino de Informática Exame

Leia mais

Sistemas Operacionais 2014 Sistema de E/S. Alexandre Augusto Giron

Sistemas Operacionais 2014 Sistema de E/S. Alexandre Augusto Giron Sistemas Operacionais 2014 Sistema de E/S Alexandre Augusto Giron ROTEIRO Introdução Hardware de E/S Interface de E/S Subsistema de E/S Desempenho Introdução Gerenciar dispositivos de Entrada e Saída (E/S)

Leia mais

Arquitetura de um Computador

Arquitetura de um Computador Arquitetura de um Computador Discos Impressora tape-drives CPU Controlador Disco Controlador impressora Controlador tape-driver controlador memoria bus memoria Os periféricos de I/O e o CPU executam concorrentemente.

Leia mais

Acetatos de apoio às aulas teóricas

Acetatos de apoio às aulas teóricas Microprocessadores e Aplicações Acetatos de apoio às aulas teóricas Ana Cristina Lopes Dep. Engenharia Electrotécnica http://orion.ipt.pt anacris@ipt.pt Ana Cristina Lopes, 24 de Outubro de 2004 Microprocessadores

Leia mais

Trabalho Prático Nº2 Escrita e Leitura em Portos IO

Trabalho Prático Nº2 Escrita e Leitura em Portos IO Trabalho Prático Nº2 Escrita e Leitura em Portos IO 1. OBJECTIVOS - Saber efectuar a escrita e leitura em portos de entrada saída num PC num com operativo DOS e Windows. 2. INTRODUÇÃO Para este trabalho

Leia mais

Gestor de Processos Núcleo do Sistema Operativo

Gestor de Processos Núcleo do Sistema Operativo Alínea do 1º teste 2015/16: Considere a linha: for (i=0;i

Leia mais

Aspectos de Sistemas Operativos

Aspectos de Sistemas Operativos Paulo Sérgio Almeida Grupo de Sistemas Distribuídos Departamento de Informática Universidade do Minho Serviços de um sistema operativo Interface com o utilizador Chamadas ao sistema Programas de sistema

Leia mais

Sistemas Operativos. Sumário. Estruturas de sistemas de computação. ! Operação de um sistema de computação. ! Estruturas de E/S

Sistemas Operativos. Sumário. Estruturas de sistemas de computação. ! Operação de um sistema de computação. ! Estruturas de E/S Estruturas de sistemas de computação Sumário! Operação de um sistema de computação! Estruturas de E/S! Estruturas de armazenamento! Hierarquia de armazenamento 2 1 Arquitectura de um sistema de computação

Leia mais

Componentes de um Sistema de Operação

Componentes de um Sistema de Operação Componentes de um Sistema de Operação Em sistemas modernos é habitual ter-se os seguintes componentes ou módulos: Gestor de processos Gestor da memória principal Gestor da memória secundária Gestor do

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Sistemas de Entrada/Saída Princípios de Hardware Sistema de Entrada/Saída Visão Geral Princípios de Hardware Dispositivos de E/S Estrutura Típica do Barramento de um PC Interrupções

Leia mais

Modos de entrada/saída

Modos de entrada/saída Arquitectura de Computadores II Engenharia Informática (11545) Tecnologias e Sistemas de Informação (6621) Modos de entrada/saída Fonte: Arquitectura de Computadores, José Delgado, IST, 2004 Nuno Pombo

Leia mais

Dispositivos de Entrada e Saída

Dispositivos de Entrada e Saída SEL-0415 Introdução à Organização de Computadores Dispositivos de Entrada e Saída Aula 9 Prof. Dr. Marcelo Andrade da Costa Vieira ENTRADA e SAÍDA (E/S) (I/O - Input/Output) n Inserção dos dados (programa)

Leia mais

Conceitos Básicos sobre Sistemas Operacionais

Conceitos Básicos sobre Sistemas Operacionais Conceitos Básicos sobre Sistemas Operacionais Ivanovitch Medeiros Dantas da Silva Universidade Federal do Rio Grande do Norte Departamento de Engenharia de Computação e Automação DCA0800 - Algoritmos e

Leia mais

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição Capítulo 7 Entrada/saída Os textos nestas caixas foram adicionados pelo Prof. Joubert slide 1 Problemas de entrada/saída Grande variedade

Leia mais

Sistemas de Arquivos. Arquivos Diretórios Implementação do sistema de arquivos Gerenciamento de espaço em disco

Sistemas de Arquivos. Arquivos Diretórios Implementação do sistema de arquivos Gerenciamento de espaço em disco Sistemas de Arquivos Arquivos Diretórios Implementação do sistema de arquivos Gerenciamento de espaço em disco Armazenamento da Informação a Longo Prazo 1. Deve ser possível armazenar uma quantidade muito

Leia mais

Disciplina: Sistemas Operacionais - CAFW-UFSM Professor: Roberto Franciscatto

Disciplina: Sistemas Operacionais - CAFW-UFSM Professor: Roberto Franciscatto Disciplina: Sistemas Operacionais - CAFW-UFSM Professor: Roberto Franciscatto Introdução É preciso conhecer a estrutura de um sistema de computação antes que possamos explorar os detalhes de sua operação.

Leia mais

CAPÍTULO 2 CARACTERÍSTICAS DE E/S E PORTA PARALELA

CAPÍTULO 2 CARACTERÍSTICAS DE E/S E PORTA PARALELA 8 CAPÍTULO 2 CARACTERÍSTICAS DE E/S E PORTA PARALELA A porta paralela, também conhecida por printer port ou Centronics e a porta serial (RS-232) são interfaces bastante comuns que, apesar de estarem praticamente

Leia mais

Sistemas Operacionais. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Sistemas Operacionais. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Sistemas Operacionais Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Estruturas de Sistemas Operacionais Um sistema operacional fornece o ambiente no qual os programas são executados. Internamente,

Leia mais

Integração de Sistemas Embebidos MECom :: 5º ano

Integração de Sistemas Embebidos MECom :: 5º ano Integração de Sistemas Embebidos MECom :: 5º ano Device Drivers em Linux - Introdução António Joaquim Esteves www.di.uminho.pt/~aje Bibliografia: capítulo 1, LDD 3ed, O Reilly DEP. DE INFORMÁTICA ESCOLA

Leia mais

Entradas/Saídas. Programação por interrupções Programação da porta série Recepção Concorrência no acesso a recursos Programação por DMA

Entradas/Saídas. Programação por interrupções Programação da porta série Recepção Concorrência no acesso a recursos Programação por DMA Entradas/Saídas Programação por interrupções Programação da porta série Recepção Concorrência no acesso a recursos Programação por DMA Relembrar a recepção com espera activa Para receber um byte pela porta

Leia mais

ENTRADA E SAÍDA DE DADOS

ENTRADA E SAÍDA DE DADOS ENTRADA E SAÍDA DE DADOS Os dispositivos de um computador compartilham uma única via de comunicação BARRAMENTO. BARRAMENTO Elétrica/Mecânica + Protocolo. GERENCIAMENTO DE E/S O controle da troca de dados

Leia mais

Nível da Arquitetura do Conjunto das Instruções

Nível da Arquitetura do Conjunto das Instruções Nível da Arquitetura do Conjunto das Instruções (Aula 13) Fluxo de Controle Fluxo Seqüencial de Controle e Desvios (1) Fluxo de Controle: É a seqüência na qual instruções são dinamicamente executadas Isto

Leia mais

1. SINTAXE DA LINGUAGEM ASSEMBLY

1. SINTAXE DA LINGUAGEM ASSEMBLY 1. SINTAXE DA LINGUAGEM ASSEMBLY Antes de se escrever em assembly, é conveniente construir um fluxograma do programa. Um fluxograma não faz referência à linguagem a utilizar, pelo que pode ser utilizado

Leia mais

Comunicação de Dados

Comunicação de Dados UNISUL 2013 / 1 Universidade do Sul de Santa Catarina Engenharia Elétrica - Telemática 1 Comunicação de Dados Aula 6 Agenda Projeto da camada de enlace de dados Detecção e correção de erros Protocolos

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores

Organização e Arquitetura de Computadores Organização e Arquitetura de Computadores Entrada e saída Alexandre Amory Edson Moreno Nas Aulas Anteriores Foco na Arquitetura e Organização internas da Cleo Modelo Von Neuman Circuito combinacional Circuito

Leia mais

Componentes básicos de um sistema computacional. Cap. 1 (Stallings)

Componentes básicos de um sistema computacional. Cap. 1 (Stallings) Componentes básicos de um sistema computacional Cap. 1 (Stallings) 1 Sistema de Operação Explora recursos de hardware de um ou mais processadores Provê um conjunto de serviços aos utilizadores Gerencia

Leia mais

Introdução à estrutura e funcionamento de um Sistema Informático

Introdução à estrutura e funcionamento de um Sistema Informático Introdução à estrutura e funcionamento de um Sistema Informático Elementos que constituem o Computador O funcionamento do computador é possível devido aos vários elementos interligados que o constituem:

Leia mais

Organização de Computadores 1

Organização de Computadores 1 Organização de Computadores 1 5 CONJUNTO DE INSTRUÇÕES Prof. Luiz Gustavo A. Martins Introdução O que é um conjunto de instruções? Coleção completa das instruções que a CPU é capaz de executar (entende).

Leia mais

ARQUITECTURA DO WINDOWS

ARQUITECTURA DO WINDOWS ARQUITECTURA DO WINDOWS MS DOS No sistema operativo MS-DOS, a BIOS (Basic Input Output System), disponibilizava os drivers para o hardware por meio de: Interrupções de software O próprio MS-DOS exportava

Leia mais

ENTRADA E SAÍDA (I/O)

ENTRADA E SAÍDA (I/O) MICROPROCESSADORES II (EMA864315) ENTRADA E SAÍDA (I/O) 1 O SEMESTRE / 2015 Alexandro Baldassin MATERIAL DIDÁTICO Patterson & Hennessy (4a edição) Capítulo 6 (Tópicos I/O) 6.1 Introduction 6.5 Connecting

Leia mais

Unidade 11: A Unidade de Controle Prof. Daniel Caetano

Unidade 11: A Unidade de Controle Prof. Daniel Caetano Arquitetura e Organização de Computadores 1 Unidade 11: A Unidade de Controle Prof. Daniel Caetano Objetivo: Apresentar as funções o mecanismo de atuação da Unidade de Controle. Bibliografia: - STALLINGS,

Leia mais

Modelo Genérico de Módulo de E/S Grande variedade de periféricos

Modelo Genérico de Módulo de E/S Grande variedade de periféricos Conteúdo Capítulo 7 Entrada/Saída Dispositivos externos Módulos E/S Técnicas de E/S E/S Programada E/S Conduzida por interrupções Processamento de interrupções Controlador Intel 82C59A Acesso Directo à

Leia mais

2. A influência do tamanho da palavra

2. A influência do tamanho da palavra 1. Introdução O processador é o componente vital do sistema de computação, responsável pela realização das operações de processamento (os cálculos matemáticos etc.) e de controle, durante a execução de

Leia mais

Organização de Computadores. (Aula 5) Entrada/Saída

Organização de Computadores. (Aula 5) Entrada/Saída Organização de Computadores (Aula 5) Entrada/Saída Entrada e Saída (Input/Output I/O) Computador: Processador, Memória (principal e secundária) Equipamentos (dispositivos, elementos, unidades,...) de Entrada/Saída

Leia mais

Manual MifareUSB/Serial

Manual MifareUSB/Serial Manual MifareUSB/Serial 08/2012 V2.6 Manual MifareUSB/Serial Este manual descreve as conexões de hardware e os comandos para leitura, escrita e configurações para os leitores/gravadores de cartão Mifare

Leia mais

armazenamento (escrita ou gravação (write)) recuperação (leitura (read))

armazenamento (escrita ou gravação (write)) recuperação (leitura (read)) Memória Em um sistema de computação temos a UCP se comunicando com a memória e os dispositivos de E/S. Podemos fazer um paralelo do acesso à memória com um carteiro entregando cartas ou um acesso à biblioteca.

Leia mais

Capítulo 4. MARIE (Machine Architecture Really Intuitive and Easy)

Capítulo 4. MARIE (Machine Architecture Really Intuitive and Easy) Capítulo 4 João Lourenço Joao.Lourenco@di.fct.unl.pt Faculdade de Ciências e Tecnologia Universidade Nova de Lisboa 2007-2008 MARIE (Machine Architecture Really Intuitive and Easy) Adaptado dos transparentes

Leia mais

6 - Gerência de Dispositivos

6 - Gerência de Dispositivos 1 6 - Gerência de Dispositivos 6.1 Introdução A gerência de dispositivos de entrada/saída é uma das principais e mais complexas funções do sistema operacional. Sua implementação é estruturada através de

Leia mais

Escola Secundária de Emídio Navarro

Escola Secundária de Emídio Navarro Escola Secundária de Emídio Navarro Curso Secundário de Carácter Geral (Agrupamento 4) Introdução às Tecnologias de Informação Correcção da ficha de trabalho N.º 1 1. Refere algumas das principais áreas

Leia mais

Entrada e Saída (Input/Output I/O) Organização de Computadores (Aula 5) Entrada/Saída. Diferentes Tipos de Dispositivos (1)

Entrada e Saída (Input/Output I/O) Organização de Computadores (Aula 5) Entrada/Saída. Diferentes Tipos de Dispositivos (1) Organização de Computadores (Aula 5) Entrada/Saída Roberta Lima Gomes - LPRM/DI/UFES Sistemas de Programação I Eng. Elétrica 2007/2 Entrada e Saída (Input/Output I/O) Computador: Processador, Memória (principal

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Sistemas de Entrada/Saída Princípios de Software Sistema de Entrada/Saída Princípios de Software Tratadores (Manipuladores) de Interrupções Acionadores de Dispositivos (Device Drivers)

Leia mais

Sistemas Operacionais Entrada / Saída. Carlos Ferraz (cagf@cin.ufpe.br) Jorge Cavalcanti Fonsêca (jcbf@cin.ufpe.br)

Sistemas Operacionais Entrada / Saída. Carlos Ferraz (cagf@cin.ufpe.br) Jorge Cavalcanti Fonsêca (jcbf@cin.ufpe.br) Sistemas Operacionais Entrada / Saída Carlos Ferraz (cagf@cin.ufpe.br) Jorge Cavalcanti Fonsêca (jcbf@cin.ufpe.br) Tópicos Princípios do hardware de E/S Princípios do software de E/S Camadas do software

Leia mais

1. Os caracteres (p.ex: a, A, 8,!, +, etc) são representados no computador através da codificação ASCII (American Standard Code for

1. Os caracteres (p.ex: a, A, 8,!, +, etc) são representados no computador através da codificação ASCII (American Standard Code for FICHA DE TRABALHO Nº 1 MÓDULO: EQUIPAMENTOS ACTIVOS DE REDES DATA: / 03 / 2010 FORMADOR: EDUARDO SEQUEIRA FICHA LABORATORIAL 1. Os caracteres (p.ex: a, A, 8,!, +, etc) são representados no computador através

Leia mais

Projeto 1 - Bootloader

Projeto 1 - Bootloader Projeto 1 - Bootloader IF677 - Infra-Estrutura de Software Centro de Informática - UFPE Autor: Thyago Porpino (tnp) Objetivos Desmistificar o processo de inicialização de um computador. Entender como um

Leia mais

Programação de. Programa. Bibliografia. Páginas electrónicas de PM. Regras das aulas de laboratório. Métodos de Ensino - Aulas

Programação de. Programa. Bibliografia. Páginas electrónicas de PM. Regras das aulas de laboratório. Métodos de Ensino - Aulas Programa Programação de Microprocessadores 1º Ano 2º Semestre A arquitectura dos computadores A linguagem C 1 aula 7 aulas Talvez haja mais algum assunto a abordar nas aulas seguintes Mestrado Integrado

Leia mais

Primeiros "computadores" digitais. Execução de um programa. Consolas. Primórdios dos computadores. Memória interna. Computadores com memória interna

Primeiros computadores digitais. Execução de um programa. Consolas. Primórdios dos computadores. Memória interna. Computadores com memória interna Execução de um O executa um Quais os seus componentes? Como estes se organizam e interactuam? entrada de dados processador, memória, input bits periféricos,etc bits saída de dados output Primeiros "es"

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais BCC264 Sistemas Operacionais Estruturas de Sistemas Computacionais Prof. Charles Garrocho Arquitetura geral de Sistemas de Computação atuais Operação de sistemas de computação CPU e dispositivos de E/S

Leia mais

Sistema de Memórias de Computadores

Sistema de Memórias de Computadores Sistema de Memórias de Computadores Uma memória é um dispositivo que permite um computador armazenar dados temporariamente ou permanentemente. Sabemos que todos os computadores possuem memória. Mas quando

Leia mais

Introdução aos Computadores

Introdução aos Computadores Os Computadores revolucionaram as formas de processamento de Informação pela sua capacidade de tratar grandes quantidades de dados em curto espaço de tempo. Nos anos 60-80 os computadores eram máquinas

Leia mais

ORGANIZAÇÃO BÁSICA DE COMPUTADORES E LINGUAGEM DE MONTAGEM

ORGANIZAÇÃO BÁSICA DE COMPUTADORES E LINGUAGEM DE MONTAGEM Linguagem de programação Linguagem de Alto Nível próximo ao ser humano, escrita de forma textual. Ex: if (a==b) a=b+c; Linguagem de Montagem (Assembly) próximo à linguagem de máquina, escrita em códigos

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES

ARQUITETURA DE COMPUTADORES 01001111 01110010 01100111 01100001 01101110 01101001 01111010 01100001 11100111 11100011 01101111 00100000 01100100 01100101 00100000 01000011 01101111 01101101 01110000 01110101 01110100 01100001 01100100

Leia mais

Introdução à Engenharia de Computação

Introdução à Engenharia de Computação Introdução à Engenharia de Computação Tópico: Organização Básica de um Computador Digital Introdução à Engenharia de Computação 2 Componentes de um Computador Computador Eletrônico Digital É um sistema

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Aula 01 - Introdução Edirlei Soares de Lima O que é um sistema operacional? Um computador moderno consiste em: Um ou mais processadores; Memória principal;

Leia mais

Portas Paralelas e Seriais IEEE 1284, RS 232, USB e IEEE 1394 (Firewire) Porta Paralela no PC

Portas Paralelas e Seriais IEEE 1284, RS 232, USB e IEEE 1394 (Firewire) Porta Paralela no PC Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Engenharia Departamento de Engenharia Elétrica Curso de Extensão em Arquitetura de Computadores Pessoais Portas Paralelas e Seriais IEEE 1284, RS 232,

Leia mais

BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EaD UAB/UFSCar Sistemas de Informação - prof. Dr. Hélio Crestana Guardia

BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EaD UAB/UFSCar Sistemas de Informação - prof. Dr. Hélio Crestana Guardia O Sistema Operacional que você usa é multitasking? Por multitasking, entende-se a capacidade do SO de ter mais de um processos em execução ao mesmo tempo. É claro que, num dado instante, o número de processos

Leia mais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Software de Entrada e Saída: Visão Geral Uma das tarefas do Sistema Operacional é simplificar o acesso aos dispositivos de hardware pelos processos

Leia mais

DeviceNet Drive Profile CFW-09

DeviceNet Drive Profile CFW-09 Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas DeviceNet Drive Profile CFW09 Manual da Comunicação Manual da Comunicação DeviceNet Drive Profile Série: CFW09 Idioma: Português Versão de Software:

Leia mais

Prof. Marcos Ribeiro Quinet de Andrade Universidade Federal Fluminense - UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO

Prof. Marcos Ribeiro Quinet de Andrade Universidade Federal Fluminense - UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO Conceitos básicos e serviços do Sistema Operacional Prof. Marcos Ribeiro Quinet de Andrade Universidade Federal Fluminense - UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO Tipos de serviço do S.O. O S.O.

Leia mais

Sistemas Operativos. Gestão de memória. Rui Maranhão (rma@fe.up.pt)

Sistemas Operativos. Gestão de memória. Rui Maranhão (rma@fe.up.pt) Sistemas Operativos Gestão de memória Rui Maranhão (rma@fe.up.pt) Gestão de memória idealmente a memória seria grande rápida não volátil contudo, na realidade existem limitações físicas! Portanto... hierarquia

Leia mais

Componentes de um Sistema de Operação

Componentes de um Sistema de Operação Componentes de um Sistema de Operação Em sistemas modernos é habitual ter-se as seguintes componentes ou módulos: Gestor de processos Gestor da memória principal Gestor da memória secundária Gestor do

Leia mais

Escola Secundária de Emídio Navarro

Escola Secundária de Emídio Navarro Escola Secundária de Emídio Navarro Curso Secundário de Carácter Geral (Agrupamento 4) Introdução às Tecnologias de Informação Ficha de trabalho N.º 1 1. Refere algumas das principais áreas das Tecnologias

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Aula 5 Estrutura de Sistemas de Computação Prof.: Edilberto M. Silva http://www.edilms.eti.br Baseado no material disponibilizado por: SO - Prof. Edilberto Silva Prof. José Juan Espantoso

Leia mais

Comunicação Serial. Comunicação Serial RS232

Comunicação Serial. Comunicação Serial RS232 Comunicação Serial Motivação Diversos dispositivos eletrônicos usam portas seriais para se comunicar com outros dispositivos eletrônicos. Para muitos é a única forma de comunicação. A integração de equipamentos

Leia mais

Visão Geral de Sistemas Operacionais

Visão Geral de Sistemas Operacionais Visão Geral de Sistemas Operacionais Sumário Um sistema operacional é um intermediário entre usuários e o hardware do computador. Desta forma, o usuário pode executar programas de forma conveniente e eficiente.

Leia mais

Sistemas Operacionais. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Sistemas Operacionais. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Sistemas Operacionais Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Estruturas de Sistemas de Computação O sistema operacional precisa garantir a operação correta do sistema de computação. Operação

Leia mais

Entradas/Saídas. 1. Princípios de hardware/software de E/S 2. Camadas de software de E/S 3. Relógios (Temporizadores) 4. Gestão de consumo de potência

Entradas/Saídas. 1. Princípios de hardware/software de E/S 2. Camadas de software de E/S 3. Relógios (Temporizadores) 4. Gestão de consumo de potência Entradas/Saídas 1. Princípios de hardware/software de E/S 2. Camadas de software de E/S 3. Relógios (Temporizadores) 4. Gestão de consumo de potência Organização de um Sistema Operativo System Call Handler

Leia mais

Hardware Fundamental

Hardware Fundamental Hardware Fundamental Arquitectura de Computadores 10º Ano 2006/2007 Unidade de Sistema Um computador é um sistema capaz de processar informação de acordo com as instruções contidas em programas. Na década

Leia mais

Programação Engenharia Informática (11543) 1º ano, 1º semestre Tecnologias e Sistemas de Informação (6619) 1º ano, 1º semestre

Programação Engenharia Informática (11543) 1º ano, 1º semestre Tecnologias e Sistemas de Informação (6619) 1º ano, 1º semestre Programação Engenharia Informática (11543) 1º ano, 1º semestre Tecnologias e Sistemas de Informação (6619) 1º ano, 1º semestre Cap. 01 Fundamentos de Computadores Sumário : Conceitos básicos: computador,

Leia mais

Estrutura e funcionamento de um sistema informático

Estrutura e funcionamento de um sistema informático Estrutura e funcionamento de um sistema informático 2006/2007 Sumário A constituição de um sistema informático: hardware e software. A placa principal. O processador, o barramento e a base digital. Ficha

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES

ARQUITETURA DE COMPUTADORES 1 ARQUITETURA DE COMPUTADORES U C P Prof. Leandro Coelho Plano de Aula 2 Aula Passada Definição Evolução dos Computadores Histórico Modelo de Von-Neumann Básico CPU Mémoria E/S Barramentos Plano de Aula

Leia mais

Gestor de Processos Núcleo do Sistema Operativo. Sistemas Operativos 2011 / 2012. Gestor de Processos

Gestor de Processos Núcleo do Sistema Operativo. Sistemas Operativos 2011 / 2012. Gestor de Processos Gestor de Processos Núcleo do Sistema Operativo Sistemas Operativos 2011 / 2012 Gestor de Processos Entidade do núcleo responsável por suportar a execução dos processos Gestão das Interrupções Multiplexagem

Leia mais

E/S PROGRAMADA E/S PROGRAMADA E/S USANDO INTERRUPÇÃO

E/S PROGRAMADA E/S PROGRAMADA E/S USANDO INTERRUPÇÃO E/S PROGRAMADA QUANDO A CPU FAZ TODO O TRABALHO RELACIONADO A UMA OPERAÇÃO DE E/S, NO CASO DO PROCESSO QUERER IMPRIMIR (NA IMPRESSORA) ABCDEFGH : ESTES CARACTERES SÃO COLOCADOS EM UMA ÁREA DE MEMÓRIA DO

Leia mais

Arquitetura de Computadores Arquitetura de entrada e saída

Arquitetura de Computadores Arquitetura de entrada e saída Arquitetura de Entrada e Saída Arquitetura de Computadores Arquitetura de entrada e saída Barramento Meio de transmissão de dados entre a CPU, a memória principal e os dispositivos de entrada e saída.

Leia mais

Aula 3. Sistemas Operacionais. Prof: Carlos Eduardo de Carvalho Dantas (carloseduardoxpto@gmail.com) http://carloseduardoxp.wordpress.

Aula 3. Sistemas Operacionais. Prof: Carlos Eduardo de Carvalho Dantas (carloseduardoxpto@gmail.com) http://carloseduardoxp.wordpress. Sistemas Operacionais Aula 3 Prof: Carlos Eduardo de Carvalho Dantas (carloseduardoxpto@gmail.com) http://carloseduardoxp.wordpress.com Nunca cone em um computador que você não pode jogar pela janela.

Leia mais

Comunicação Paralela Meio de transferência de dados onde a informação é transferida os 8 bits ao mesmo tempo.

Comunicação Paralela Meio de transferência de dados onde a informação é transferida os 8 bits ao mesmo tempo. Comunicação Paralela Meio de transferência de dados onde a informação é transferida os 8 bits ao mesmo tempo. Porta Paralela do PC Foi concebida originalmente para transferir dados para uma impressora,

Leia mais

AULA: Introdução à informática Computador Digital

AULA: Introdução à informática Computador Digital Campus Muriaé Professor: Luciano Gonçalves Moreira Disciplina: Informática Aplicada AULA: Introdução à informática Computador Digital Componentes de um computador digital : Hardware Refere-se às peças

Leia mais

Integração dos Leitores RFID no autómato programável

Integração dos Leitores RFID no autómato programável Integração dos Leitores RFID no autómato programável Neste breve documento são apresentados os equipamentos disponibilizados, as suas características e modos de funcionamento. Serão descritos os diferentes

Leia mais

Redes de Computadores II

Redes de Computadores II Redes de Computadores II UDP Prof: Ricardo Luís R. Peres Tem como objetivo prover uma comunicação entre dois processos de uma mesma sessão que estejam rodando em computadores dentro da mesma rede ou não.

Leia mais

discos impressora CPU memória AULA 04 - Estruturas de Sistemas Computacionais Operação dos sistemas de computação Controlador de disco

discos impressora CPU memória AULA 04 - Estruturas de Sistemas Computacionais Operação dos sistemas de computação Controlador de disco AULA 04 - Estruturas Sistemas Computacionais Nosso objetivo é apenas revisar conceitos relacionados a estrutura geral um sistema computacional para pois explicarmos os talhes operação do sistema e como

Leia mais

Componentes de um Sistema de Operação

Componentes de um Sistema de Operação Componentes de um Sistema de Operação Em sistemas modernos é habitual ter-se os seguintes componentes ou módulos: Gestor de processos Gestor da memória principal Gestor da memória secundária Gestor do

Leia mais

O processador é um dos elementos componentes do computador moderno, sendo responsável pelo gerenciamento de todo o computador.

O processador é um dos elementos componentes do computador moderno, sendo responsável pelo gerenciamento de todo o computador. Resumo 01 O que é um processador? O processador é um dos elementos componentes do computador moderno, sendo responsável pelo gerenciamento de todo o computador. Os processadores atualmente são encapsulados

Leia mais

ORGANIZAÇÃO BÁSICA DE COMPUTADORES E LINGUAGEM DE MONTAGEM

ORGANIZAÇÃO BÁSICA DE COMPUTADORES E LINGUAGEM DE MONTAGEM Cap1.1 ORGANIZAÇÃO BÁSICA DE COMPUTADORES E LINGUAGEM DE MONTAGEM 1. Conceitos básicos Bit = BInary digit = vale sempre 0 ou 1 elemento básico de informação Byte Word = 8 bits processados em paralelo (ao

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Tipos de Instruções

Arquitetura de Computadores. Tipos de Instruções Arquitetura de Computadores Tipos de Instruções Tipos de instruções Instruções de movimento de dados Operações diádicas Operações monádicas Instruções de comparação e desvio condicional Instruções de chamada

Leia mais

Estrutura de um Computador

Estrutura de um Computador Estrutura de um Computador Tratando-se o computador de uma máquina complexa a sua estrutura pode ser apreciada a diferentes níveis de detalhe, duma forma hierárquica. AC1 Arquitectura e Organização de

Leia mais

COMUNICAÇÃO SERIAL ENTRE EQUIPAMENTOS

COMUNICAÇÃO SERIAL ENTRE EQUIPAMENTOS COMUNICAÇÃO SERIAL ENTRE EQUIPAMENTOS 1 Introdução Para transmitir ou receber informações de outros dispositivos é necessário que os sistemas automáticos sejam capazes de comunicarem-se com estes dispositivos.

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores

Arquitetura e Organização de Computadores Arquitetura e Organização de Computadores Entrada/Saída Material adaptado, atualizado e traduzido de: STALLINGS, William. Arquitetura e Organização de Computadores. 5ª edição Problemas Entrada/Saída Grande

Leia mais

Sistemas Operativos 10º Ano 2009/2010 Módulo 1 Módulo 1 -- Introdu Introdução aos Sistemas Sistemas Operativos Aula 5 e e 6 Professor:

Sistemas Operativos 10º Ano 2009/2010 Módulo 1 Módulo 1 -- Introdu Introdução aos Sistemas Sistemas Operativos Aula 5 e e 6 Professor: Sistemas Operativos 10º Ano 2009/2010 Módulo 1 - Introdução aos Sistemas Operativos Aula 5 e 6 Professor: Joaquim Lopes 1 Evolução Histórica dos SO s (Monitor Residente; Operações offline; Buffering e

Leia mais

Processos. Paulo Sérgio Almeida 2005/2006. Grupo de Sistemas Distribuídos Departamento de Informática Universidade do Minho

Processos. Paulo Sérgio Almeida 2005/2006. Grupo de Sistemas Distribuídos Departamento de Informática Universidade do Minho Paulo Sérgio Almeida Grupo de Sistemas Distribuídos Departamento de Informática Universidade do Minho 2005/2006 Conceito de processo Operações sobre processos Conceito de processo Conceito de processo

Leia mais

Algoritmos e Programação Aula 01 Introdução a Computação

Algoritmos e Programação Aula 01 Introdução a Computação Algoritmos e Programação Aula 01 Introdução a Computação Felipe S. L. G. Duarte Felipelageduarte+fatece@gmail.com Baseado no material do Prof. Luis Otavio Alvares e do Prof. Dr. Rodrigo Fernandes de Mello

Leia mais

Remota de Telemetria CPU-44440-SEG. www.liteautomacao.com.br 1

Remota de Telemetria CPU-44440-SEG. www.liteautomacao.com.br 1 Remota de Telemetria CPU-44440-SEG www.liteautomacao.com.br 1 Índice Descrição...4 Conexões...5 Características Principais...6 Características Elétricas...7 Pinagem e conexões...8 Comunicações...12 Protocolos...13

Leia mais

Gerência de Entrada/Saída

Gerência de Entrada/Saída Gerência de Entrada/Saída Prof Clodoaldo Ap Moraes Lima 1 Princípios básicos de hardware Periférico é um dispositivo conectado a um computador de forma a possibilitar sua interação com o mundo externo

Leia mais

Sistemas Microcontrolados

Sistemas Microcontrolados Sistemas Microcontrolados Uma Abordagem com o Microcontrolador PIC 16F84 Nardênio Almeida Martins Novatec Editora Capítulo 1 Introdução Os microcontroladores estão presentes em quase tudo o que envolve

Leia mais

Porta Série. Trabalhos Práticos AM 2007/2008. Porta Série. Objectivos

Porta Série. Trabalhos Práticos AM 2007/2008. Porta Série. Objectivos 3 Objectivos - Configurar os parâmetros associados à comunicação série assíncrona. - Saber implementar um mecanismo de menus para efectuar a entrada e saída de dados, utilizando como interface um terminal

Leia mais