O protocolo MODBUS define também o tipo diálogo entre os equipamentos, define por exemplo quem pode enviar dados e em que altura.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O protocolo MODBUS define também o tipo diálogo entre os equipamentos, define por exemplo quem pode enviar dados e em que altura."

Transcrição

1 Universidade de Aveiro Departamento de Engenharia Mecânica Informática Industrial 2010/ PROTOCOLO DE COMUNICAÇÃO MODBUS 5.1 Protocolo de comunicação MODBUS Este protocolo foi proposto em 1979 pela empresa Modicon para permitir a comunicação entre os seus autómatos. Em 2004 este protocolo passou a ser público, todos os equipamentos, de todas as marcas, passaram a poder usar livremente este protocolo. Apesar de este protocolo não definir o tipo de ligações físicas entre equipamentos, nem o tipo de sinais eléctricos, ópticos ou outros, define um conjunto de mensagens (sequências de bytes) que todos os equipamentos que respeitem este protocolo saberão interpretar e executar. Estas mensagens permitem, por exemplo, monitorizar ou controlar as saídas e entradas dos equipamentos remotos. Como este protocolo não define uma rede física para transmitir as suas mensagens, os equipamentos que respeitarem este protocolo tem de implementar também um protocolo de comunicação como o Rs232, Rs485, Ethernet ou outro para transmitir as mensagens MODBUS entre eles. Cada byte desta mensagem é enviado para os outros equipamentos MODBUS através de por exemplo, uma palavra série Rs232 ou Rs485. Cada palavra série é composta por um start, 8 s de dados, um de paridade, e um stop. Por isso, para uma comunicação Rs232 ou Rs485 com de paridade e 1 stop são enviados 11 s para a linha por cada byte da mensagem MODBUS. Tempo de envio de um byte MODBUS Cada byte de uma mensagem MODBUS demora um tempo conhecido a ser enviado, por exemplo, se os equipamentos estiverem ligados através de uma ligação Rs232 ou Rs485, além dos 8 s de um byte MODBUS é enviado para o barramento um start, 1 de paridade e 1 stop, ou seja, são enviados 11 s para o barramento por cada byte MODBUS. Se a taxa de transferência for de 9600 /s, cada demora 1/9600 segundos a ser enviado. Logo, 11 s demoram 11/9600 segundos a enviar. T byte MODBUS = 11/9600 = 1,145 ms Tempo máximo de espera entre bytes MODBUS Todos os bytes da mesma mensagem RTU têm ser enviados consecutivamente, e preferencialmente sem tempo de espera entre eles. Se o tempo decorrido entre o envio de um byte e o byte seguinte exceder 1,5 vezes o tempo de envio de um byte essa mensagem é ignorada. Por outras palavras, o tempo espera entre bytes tem de ser menor que 1,5 x T bytemodbus. Com uma taxa de transferência de 9600 bps o tempo máximo de espera entre bytes é de 1,71 ms. T EsperaEntreBytes 1,5 x T bytemodbus 1,71 ms Informática Industrial 2010/

2 Tempo mínimo de espera entre envio de mensagens MODBUS Pelo contrário, entre mensagens RTU tem de existir um tempo de silêncio igual ou superior a 3,5 vezes o tempo de envio de um byte MODBUS. Por outras palavras, o tempo de espera entre mensagens MODBUS tem de ser maior ou igual a 3,5 x T byte MODBUS. Com uma taxa de transferência de 9600 bps o tempo mínimo de espera entre mensagens MODBUS é de 4 ms T Espera entre mensagens MODBUS 3,5 x T bytemodbus 4 ms O protocolo MODBUS define também o tipo diálogo entre os equipamentos, define por exemplo quem pode enviar dados e em que altura. O protocolo MODBUS permite também resolver algumas limitações de outros protocolos, nomeadamente do protocolo Rs485. Recorda-se de no capítulo anterior, ter constatado que o protocolo Rs485 não define os endereços de cada equipamento, nem o tipo de mensagens que devem ser transmitidas entre eles, nem o momento em que cada equipamento pode enviar os seus dados. Ao contrário dos protocolos Rs232 ou Rs485 que são implementados pelo hardware de cada equipamento (amplificadores operacionais, ou amplificadores diferenciais), o protocolo MODBUS é implementado por software. Têm de ser os programas dos PLCs ou de outros equipamentos programáveis a respeitar e a implementar o protocolo MODBUS. Por vezes esses programas já vêm de fábrica, gravados em EPROMs e nessa altura diz-se que são implementados por Firmware Tipo de diálogo/partilha do meio de transmissão (Master-Slave) O tipo de diálogo entre equipamentos definido por este protocolo é o master slave. Ao contrário de outros protocolos que permitem a cada equipamento enviar os seus dados para o meio de comunicação sempre que o desejarem, podendo ocorrer colisões de dados quando dois ou mais tentarem enviar dados em simultâneo, o protocolo MODBUS prevê um diálogo do tipo master slave. Num diálogo deste tipo apenas um dos equipamentos assume o papel de master e só ele pode enviar dados para todos os outros sempre que quiser. Os outros equipamentos actuam como slaves só podendo enviar dados como resposta a um pedido prévio do master. O equipamento master pode enviar uma mensagem MODBUS para um determinado equipamento unicast ou para todos os equipamentos ligados ao barramento broadcast. Algumas mensagens do master pressupõem uma resposta do slave, outras não. Se a mensagem do master for do tipo leitura de entradas, saídas ou memórias do slave, o slave depois de a receber e processar responde ao master com outra mensagem contendo itens pedidos pelo master. Se a mensagem do master for do tipo escrita no slave essa mensagem não pressupõem resposta do slave. O slave limita-se a actualizar as suas posições de memória ou as suas saídas com os valores indicados pelo master. Informática Industrial 2010/

3 5.1.2 Estrutura das mensagens MODBUS As mensagens MODBUS são compostas por vários campos, neste exemplo 4 campos: Endereço (1 byte), Função (1 byte), Dados (comprimento variável), CRC/LRC (2 bytes). 1 byte 1byte Comprimento variável: 0 a bytes Endereço Função Dados CRC/LRC Endereço O primeiro campo da mensagem e também o primeiro a ser enviado é o campo de endereço, com o endereço do equipamento MODBUS a quem se destina a mensagem. Esse endereço é codificado com 8 s, por esta razão apenas podem existir 255 endereços e alguns destes endereços estão reservados. Se a mensagem tiver um endereço de destino 0 destina-se a todos os equipamentos e é forçosamente uma mensagem de escrita. Os equipamentos que actuam como slaves podem ter endereços de 1 a 247. Os endereços de 248 a 255 estão reservados. Função Cada mensagem MODBUS tem uma função específica, pode por exemplo, ter por função activar uma saída digital de um equipamento remoto. A função que cada mensagem desempenha é codificada em 8 s. Antes de analisar as diferentes funções compreendidas pelo protocolo MODBUS e as suas mensagens é importante compreender o tipo de itens que este protocolo reconhece num equipamento remoto. Em cada equipamento podem existir: Entradas digitais (discrete inputs): As entradas digitais podem ser lidas pelos equipamentos remotos através da troca de mensagens MODBUS. Uma entrada digital X0 de um PLC é um exemplo de uma entrada deste tipo. Saídas digitais (coils): As saídas digitais podem ser controladas remotamente ou apenas lidas pelos equipamentos remotos através da troca de mensagens MODBUS entre esses equipamentos. A saída digital Y0 de um PLC é um exemplo de uma saída digital que pode ser controladas remotamente ou apenas lidas, através de mensagens MODBUS. Posições de memória só de leitura (input registers): São posições de memória de 16 s. Os s destas posições de memória reflectem o estado das entradas digitais ou analógicas do equipamento. Estas memórias podem ser lidas pelo master através de mensagens MODBUS. Por exemplo, a posição de memória D4072 do PLC - FATEK contém o valor da sua entrada analógica CH0 e pode assumir valores de 0 a 16380, consoante a tensão externa analógica aplicada a esta entrada variar de 0 a 10Volt. Este tipo de memória pode ser lido remotamente através das mensagens MODBUS, mas, naturalmente, este protocolo não prevê nenhuma mensagem para escrever neste tipo de memórias. Posições de memória de leitura ou escrita (holding registers): são posições de memória de 16 s que podem ser lidas ou escritas pelos equipamentos remotos, para isso existem mensagens MODBUS específicas. As posições de memória dos PLCs do tipo D, por exemplo a D100, são posições de memória que podem ser escritas ou lidas remotamente através das mensagens MODBUS. Informática Industrial 2010/

4 Código da Função Dec Hex Binário Leitura do estado das saídas digitais do equipamento remoto (on/off) Leitura de entradas digitais do equipamento remoto (on/off) Leitura de posições de memória do equipamento remoto (2 bytes) Leitura de posições de memória (2 bytes) Activa/Desactiva uma saída digital Escreve numa posição de memória do equipamento remoto Mensagem de teste que o equipamento remoto deve apenas devolver ao emissor 15 0F Activa/Desactiva um conjunto de saídas digitais consecutivas Escreve em várias posições de memória Detecção de erro de transmissão Durante a transmissão da mensagem MODBUS entre equipamentos podem existir erros devido a interferências electromagnéticas, por essa razão o protocolo MODBUS prevê um mecanismo para detectar se a mensagem foi bem transmitida. Esse mecanismo consiste no envio de dois bytes adicionais, no final da mensagem MODBUS, com um valor que é calculado em função de todos os bytes da mensagem. Quando um equipamento envia uma mensagem MODBUS calcula dois bytes adicionais, em função de todos os outros bytes da mensagem. O equipamento receptor faz o mesmo, calcula esses dois bytes, em função de todos os bytes que recebeu nessa mensagem. Se a mensagem tiver sido transmitida correctamente o valor calculado pelo receptor é igual ao valor enviado pelo emissor. Existem duas formas de calcular esses dois bytes: um dos algoritmos chama-se CRC - Cyclical Redundancy Checking o outro chama-se LRC Longitudinal Redundancy Checking. Informática Industrial 2010/

5 Mensagens MODBUS do tipo RTU Remote Terminal Unit As mensagens MODBUS podem ser de dois tipos: RTU ou ASCII. No modo RTU cada byte da mensagem MODBUS (o byte do endereço de destino, o byte de função e os bytes de dados da mensagem) é codificado em 8 s e cada byte MODBUS é transmitido numa palavra série Rs232 ou Rs485 Endereço 1 byte Função 1byte Comprimento variável:0 a bytes 0x12 0x15 Dados CRC O número 12 hexadecimal corresponde ao valor binário O número 15 hexadecimal corresponde ao valor binário A seguir ao, o menos significativo de cada número é o primeiro a ser enviado para o barramento x x15 Dados CRC Cyclical Redundancy Checking O equipamento emissor utiliza o algoritmo CRC16 para gerar os últimos dois bytes da mensagem MODBUS-RTU. O equipamento receptor utiliza o mesmo algoritmo para calcular localmente o CRC16 da mensagem recebida e compara os 16 s calculados com CRC16 enviado pelo emissor. Informática Industrial 2010/

6 Mensagens MODBUS do tipo ASCII American Standard Code for Information Interchange Cada byte da mensagem MODBUS RTU contém um número, por exemplo o endereço de destino conter o número 12, o código de função pode conter o número 15. Cada número destes tem, ou pode, ter dois dígitos. Endereço 1 byte Função 1byte Comprimento variável:0 a bytes Dados LRC 1º passo - No modo MODBUS-ASCII, o número contido em cada byte é previamente dividido a meio e cada metade, cada dígito, é codificado em 7 s de acordo com a tabela ASCII. O dígito 1 corresponde ao valor binário O dígito 2 corresponde ao valor binário O dígito 5 corresponde ao valor binário Endereço (2 chars) Função (2chars) Comprimento variável 2 chars Dados 2 x 252 LRC Além disso as mensagens MODBUS-ASCII começam sempre pelo carácter : e terminam sempre com os caracteres CR e LF. De acordo com a tabela ASCII O caracter : corresponde ao valor binário O caracter CR corresponde ao valor binário O caracter LF corresponde ao valor binário º passo - cada caracter, codificado com 7 s, é enviado numa palavra série para o equipamento remoto. O menos significativo de cada caracter é o primeiro a ser enviado para o barramento logo a seguir ao Char : Char Char 2. Cada byte MODBUS-RTU corresponde no modo MODBUS-ASCII a duas palavras série, cada uma com 10 s. LRC Longitudinal Redundancy Checking O algoritmo LRC8 gera um resultado de 8 s, os 4 s mais significativos representam um número de 0 a F e os 4 s menos significativos também representam um número de 0 a F. Cada um desses números é considerado um caracter de 0 a F, é codificado em 7 s de acordo com a tabela ASCII e cada um é enviado numa palavra série para o barramento. De acordo com o algoritmo LRC8, o equipamento emissor calcula a soma de todos os bytes da mensagem, excepto os bytes correspondentes aos 3 caracteres :, CR, LF. Depois de somar Informática Industrial 2010/

7 todos os outros bytes obtém um resultado de 8 s. Cada um desses s é negado e depois o emissor incrementa o resultado de uma unidade. Este resultado final tem 8 s, os 4 s mais significativos representam um número de 0 a F e os 4 s menos significativos também representam um número de 0 a F. Cada um desses números é considerado um carácter, é codificado em 7 s de acordo com a tabela ASCII e cada conjunto de 7 s é enviado numa palavra série para o barramento. Os 7 s mais significativos são enviados primeiro Informática Industrial 2010/

Quadro de consulta (solicitação do mestre)

Quadro de consulta (solicitação do mestre) Introdução ao protocolo MODBUS padrão RTU O Protocolo MODBUS foi criado no final dos anos 70 para comunicação entre controladores da MODICON. Por ser um dos primeiros protocolos com especificação aberta

Leia mais

Redes Industriais ModBus RTU

Redes Industriais ModBus RTU Padrão EIA RS-232 O padrão RS (Recommended Standart) é uma padronização de interface para comunicação de dados criada nos anos 60 por um comitê da Electronic Industries Association (EIA). O equipamento

Leia mais

Manual da Comunicação Modbus-RTU

Manual da Comunicação Modbus-RTU Manual da Comunicação Modbus-RTU Relé Inteligente Série: SRW 01 Idioma: Português Documento: 10000013033 / 00 12/2007 Sobre o manual Sumário SOBRE O MANUAL...5 ABREVIAÇÕES E DEFINIÇÕES... 5 REPRESENTAÇÃO

Leia mais

Relé Inteligente SRW 01 V1.3X

Relé Inteligente SRW 01 V1.3X Motores Energia Automação Tintas Relé Inteligente SRW 01 V1.3X Manual da Comunicação Modbus-RTU Manual da Comunicação Modbus-RTU Série: SRW 01 Versão do Firmware: V1.3X Idioma: Português Nº do Documento:

Leia mais

significativo em nível 1. Abaixo é mostrado na TABELA III os principais códigos das funções. TABELA III Funções Modbus

significativo em nível 1. Abaixo é mostrado na TABELA III os principais códigos das funções. TABELA III Funções Modbus ANÁLISE DA INTEROPERABILIDADE DO PROTOCOLO MODBUS EM DISPOSITIVOS DE FABRICANTES DIFERENTES Andrade, T. R., Morais, J. S., Morais, A. S., Vincenzi, F. R. S., Faculdade de Engenharia Elétrica (FEELT) Universidade

Leia mais

Manual Técnico Interface Modbus

Manual Técnico Interface Modbus Manual Técnico Interface Modbus RTA Interface Modbus 05/2007-1 - Histórico de Revisões Ver. Num. Data Responsável Observações 1.000 17/05/07 Marcos Romano Criação Inicial RTA Rede de Tecnologia Avançada

Leia mais

Introdução às Comunicações

Introdução às Comunicações Introdução às Comunicações Comunicação de Dados 3º EEA 2004/2005 Introdução Comunicações de dados envolve a transferência de informação de um ponto para outro. Comunicações analógicas: Sistemas de telefones;

Leia mais

Motores I Automação I Energia I Transmissão & Distribuição I Tintas. Modbus RTU PLC300. Manual do Usuário

Motores I Automação I Energia I Transmissão & Distribuição I Tintas. Modbus RTU PLC300. Manual do Usuário Motores I Automação I Energia I Transmissão & Distribuição I Tintas Modbus RTU PLC300 Manual do Usuário Manual do Usuário Modbus RTU Série: PLC300 Idioma: Português N º do Documento: 10000850708 / 03 Data

Leia mais

Relé Inteligente SRW 01 V4.0X

Relé Inteligente SRW 01 V4.0X Motores I Automação I Energia I Transmissão & Distribuição I Tintas Relé Inteligente SRW 01 V4.0X Manual da Comunicação Modbus-RTU Manual da Comunicação Modbus-RTU Série: SRW 01 Versão do Firmware: V4.0X

Leia mais

Porta Série. Trabalhos Práticos AM 2007/2008. Porta Série. Objectivos

Porta Série. Trabalhos Práticos AM 2007/2008. Porta Série. Objectivos 3 Objectivos - Configurar os parâmetros associados à comunicação série assíncrona. - Saber implementar um mecanismo de menus para efectuar a entrada e saída de dados, utilizando como interface um terminal

Leia mais

Protocolo de Comunicação TA3840C

Protocolo de Comunicação TA3840C Protocolo de Comunicação TA3840C INFORMAÇÕES DE DIREITOS AUTORAIS Este documento não pode ser reproduzido, no todo ou em parte e por quaisquer meios, sem a autorização prévia da HONEYWELL MARINE Protocolo

Leia mais

Circuitos Digitais. Conteúdo. Sistema de Numeração e Códigos :: Conversões de Binário para Decimal SISTEMA DE NUMERAÇÃO E CÓDIGOS

Circuitos Digitais. Conteúdo. Sistema de Numeração e Códigos :: Conversões de Binário para Decimal SISTEMA DE NUMERAÇÃO E CÓDIGOS Ciência da Computação Sistemas de Numeração e Conversões Prof. Sergio Ribeiro Material adaptado das aulas do Prof. José Maria da UFPI Conteúdo Conversões de binário para decimal. Conversões de decimal

Leia mais

Capítulo 2. Numéricos e Códigos. 2011 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados.

Capítulo 2. Numéricos e Códigos. 2011 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados. Capítulo 2 Sistemas Numéricos e Códigos slide 1 Os temas apresentados nesse capítulo são: Conversão entre sistemas numéricos. Decimal, binário, hexadecimal. Contagem hexadecimal. Representação de números

Leia mais

Fabio Bento fbento@ifes.edu.br

Fabio Bento fbento@ifes.edu.br Fabio Bento fbento@ifes.edu.br Eletrônica Digital Sistemas de Numeração e Códigos 1. Conversões de Binário para Decimal 2. Conversões de Decimal para Binário 3. Sistema de Numeração Hexadecimal 4. Código

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Curso de Eng. Informática Curso de Eng. de Electrónica e Computadores Aula Prática Bit stuffing, CRC e IP 1 Introdução 1.1 Framing O nível de ligação de dados utiliza o serviço fornecido

Leia mais

Sistema de Numeração e Códigos. CPCX UFMS Prof. Renato F. dos Santos

Sistema de Numeração e Códigos. CPCX UFMS Prof. Renato F. dos Santos Sistema de Numeração e Códigos CPCX UFMS Prof. Renato F. dos Santos 2.4 Código BCD (Binary-coded decimal) Quando um número decimal é representado pelo seu número binário equivalente, dizemos que é uma

Leia mais

Redes Locais. Prof. Luiz Carlos B. Caixeta Ferreira

Redes Locais. Prof. Luiz Carlos B. Caixeta Ferreira Redes Locais. Prof. Luiz Carlos B. Caixeta Ferreira 5. Ethernet 5.1 Introdução 5.2 LLC (Logical Link Control) 5.3 MAC (Media Access Control) 5.4 Sistemas de Endereçamento 5.5 Quadros Ethernet 5.6 Codificação

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M AGUIRRE, L. A. Enciclopédia da Automática, Volume II, Cap. 15.2.2, 16.7.1, 16.7.2 Moraes Engenharia de Automação Industrial 2ª. Edição LTC Cap.: 6.3.3, 6.3.2 Controller Area Network

Leia mais

Redes de Computadores I Licenciatura em Eng. Informática e de Computadores 1 o Semestre, 26 de Outubro de 2005 1 o Teste A

Redes de Computadores I Licenciatura em Eng. Informática e de Computadores 1 o Semestre, 26 de Outubro de 2005 1 o Teste A Redes de Computadores I Licenciatura em Eng. Informática e de Computadores 1 o Semestre, 26 de Outubro de 2005 1 o Teste A Número: Nome: Duração: 1 hora O teste é sem consulta O teste deve ser resolvido

Leia mais

Integração dos Leitores RFID no autómato programável

Integração dos Leitores RFID no autómato programável Integração dos Leitores RFID no autómato programável Neste breve documento são apresentados os equipamentos disponibilizados, as suas características e modos de funcionamento. Serão descritos os diferentes

Leia mais

Aula 04. Código BCD, Códigos Alfa-numéricos e Sistemas de Detecção de Erros

Aula 04. Código BCD, Códigos Alfa-numéricos e Sistemas de Detecção de Erros Aula 04 Código BCD, Códigos Alfa-numéricos e Sistemas de Detecção de Erros Prof. Otávio Gomes otavio.gomes@ifmg.edu.br sites.google.com/a/ifmg.edu.br/otavio-gomes/ 1 Bytes A maioria dos microcomputadores

Leia mais

Comunicação de dados. Introdução

Comunicação de dados. Introdução Comunicação de dados Introdução Os microcontroladores AVR estão equipados com dois pinos destinados à comunicação serial, UART (Universal Asynchronous Reciever/Transmitter), ou seja, permitem trocar informações

Leia mais

ABB Automação. 13.82kV 119.4kA. 13.81kV 121.3kA. 13.85kV 120.2kA IDR 144 INDICADOR DIGITAL REMOTO MODO DE USO

ABB Automação. 13.82kV 119.4kA. 13.81kV 121.3kA. 13.85kV 120.2kA IDR 144 INDICADOR DIGITAL REMOTO MODO DE USO IDR 144 INDICADOR DIGITAL REMOTO MODO DE USO 13.82kV 119.4kA 13.81kV 121.3kA 13.85kV 120.2kA Dados Técnicos Conexões elétricas Utilização do teclado Protocolo de comunicação Modbus RTU Dimensional ABB

Leia mais

Módulo de I/O Remoto MODBUS

Módulo de I/O Remoto MODBUS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA PROJETO DE DIPLOMAÇÃO Módulo de I/O Remoto MODBUS Guilherme Strack Porto Alegre Julho de 2011 UNIVERSIDADE

Leia mais

Módulo 1 Introdução às Redes

Módulo 1 Introdução às Redes CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes Módulo 1 Introdução às Redes Ligação à Internet Ligação à Internet Uma ligação à Internet pode ser dividida em: ligação física; ligação lógica; aplicação. Ligação física

Leia mais

Redes Industriais. Carlos Roberto da Silva Filho, M. Eng.

Redes Industriais. Carlos Roberto da Silva Filho, M. Eng. Redes Industriais Carlos Roberto da Silva Filho, M. Eng. Criado na década de 1970 pela Modicon. É um dos mais antigos protocolos utilizados em redes de CLPs para aquisição de sinais de instrumentos e comandar

Leia mais

Exercícios do livro: Tecnologias Informáticas Porto Editora

Exercícios do livro: Tecnologias Informáticas Porto Editora Exercícios do livro: Tecnologias Informáticas Porto Editora 1. Em que consiste uma rede de computadores? Refira se à vantagem da sua implementação. Uma rede de computadores é constituída por dois ou mais

Leia mais

Motores Energia Automação Tintas. Serial CFW-11. Manual de Comunicação. Idioma: Português

Motores Energia Automação Tintas. Serial CFW-11. Manual de Comunicação. Idioma: Português Motores Energia Automação Tintas Serial CFW-11 Manual de Comunicação Idioma: Português Manual da Comunicação Serial RS232 / RS485 Série: CFW-11 Idioma: Português Número do Documento: 0899.5740 / 03 Data

Leia mais

HM203 (Protocolo ModBus) INDICADOR / CONTROLADOR

HM203 (Protocolo ModBus) INDICADOR / CONTROLADOR 1/19 HM203 (Protocolo ModBus) INDICADOR / CONTROLADOR Introdução O HM203 é um indicador/controlador que recebe um sinal de 4 a 20 ma, tem uma saída analógica 4 a 20 ma, 4 saídas de relé, e pode ter uma

Leia mais

Módulo 6 Conceitos Básicos sobre Ethernet

Módulo 6 Conceitos Básicos sobre Ethernet CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes Módulo 6 Conceitos Básicos sobre Ethernet Fundamentos de Ethernet Introdução à Ethernet A maior parte do tráfego da Internet tem origem em ligações Ethernet. Razões do

Leia mais

WATCHDOG ELITE NTC OPÇÃO DE COMUNICAÇÕES SERIAIS

WATCHDOG ELITE NTC OPÇÃO DE COMUNICAÇÕES SERIAIS WATCHDOG ELITE NTC OPÇÃO DE COMUNICAÇÕES SERIAIS O Watchdog é um equipamento complexo e realiza muitas funções. A função de comunicações é considerada uma função de baixa prioridade e por conta disso,

Leia mais

Redes e Telecomunicações

Redes e Telecomunicações Redes e Telecomunicações Comunicação Processo pelo qual uma informação gerada num ponto (origem) é transferida para outro ponto (destino) Telecomunicações Telecomunicação do grego: tele = distância do

Leia mais

Eng.º Domingos Salvador dos Santos. email:dss@isep.ipp.pt

Eng.º Domingos Salvador dos Santos. email:dss@isep.ipp.pt Sistemas e Planeamento Industrial DOMÓTICA REDES DE CAMPO Eng.º Domingos Salvador dos Santos email:dss@isep.ipp.pt Outubro de 2010 Outubro de 2010 2/20 REDES DE CAMPO Fieldbus Fieldbus Estrutura da Apresentação

Leia mais

Q VIA MODBUS COM MÓDULO QJ71MB91

Q VIA MODBUS COM MÓDULO QJ71MB91 COMUNICAÇÃO ENTRE PLCs SÉRIE Q VIA MODBUS COM MÓDULO QJ71MB91 No. DAP-QPLC-02 rev. 1 Revisões Data da Revisão Mar/2013 Nome do Arquivo DAP-QPLC-02 ModbusQPLC- PLC Revisão Primeira edição 1. OBJETIVO O

Leia mais

Motores I Automação I Energia I Transmissão & Distribuição I Tintas. Modbus TCP PLC300. Manual do Usuário

Motores I Automação I Energia I Transmissão & Distribuição I Tintas. Modbus TCP PLC300. Manual do Usuário Motores I Automação I Energia I Transmissão & Distribuição I Tintas Modbus TCP PLC300 Manual do Usuário Manual do Usuário Modbus TCP Série: PLC300 Idioma: Português N º do Documento: 10001276962 / 01 Data

Leia mais

Aula 7. Codificadores e Decodificadores. SEL 0414 - Sistemas Digitais. Prof. Dr. Marcelo Andrade da Costa Vieira

Aula 7. Codificadores e Decodificadores. SEL 0414 - Sistemas Digitais. Prof. Dr. Marcelo Andrade da Costa Vieira Aula 7 Codificadores e Decodificadores SEL 44 - Sistemas Digitais Prof. Dr. Marcelo Andrade da Costa Vieira Códigos/Decodificadores CÓDIGOS: l Conjunto organizado de sinais em que a informação é transformada

Leia mais

REDE EM BARRENTO UTILIZANDO O MÉTODO DE ACESSO CSMA-CD ETHERNET

REDE EM BARRENTO UTILIZANDO O MÉTODO DE ACESSO CSMA-CD ETHERNET REDE EM BARRENTO UTILIZANDO O MÉTODO DE ACESSO CSMA-CD ETHERNET HISTÓRICO 1973, XEROX INICIALIZOU O DESENVOLVIMENTO DE UM REDE LOCAL DE TOPOLOGIA DE BARRAMENTO NO XEROX PALO ALTO RESEARCH CENTER (PARC);

Leia mais

www.vwsolucoes.com Copyright 2013 VW Soluções

www.vwsolucoes.com Copyright 2013 VW Soluções 1 1. Especificação técnicas: Dimensões do módulo 4EA2SA v1.0: 100 mm x 56 mm Peso aproximado: xxx gramas (montada). Alimentação do circuito : 12 ou 24Vcc Tipo de comunicação: RS232 ou RS485 Tensão de referencia:

Leia mais

Capítulo V. Protocolos seriais para automação. Automação de subestações. 64 O Setor Elétrico / Maio de 2010. Protocolos de comunicação

Capítulo V. Protocolos seriais para automação. Automação de subestações. 64 O Setor Elétrico / Maio de 2010. Protocolos de comunicação 64 Capítulo V Protocolos seriais para automação Equipe de engenharia da Schweitzer Engineering Laboratories (SEL) Na automação de subestações, as informações são adquiridas no processo elétrico por meio

Leia mais

Redes de Computadores I Licenciatura em Eng. Informática e de Computadores 1 o Semestre, 27 de Janeiro de 2006 Exame de 2ª Época A

Redes de Computadores I Licenciatura em Eng. Informática e de Computadores 1 o Semestre, 27 de Janeiro de 2006 Exame de 2ª Época A Número: Nome: Redes de Computadores I Licenciatura em Eng. Informática e de Computadores o Semestre, 27 de Janeiro de 2006 Exame de 2ª Época A Duração: 2,5 horas A prova é sem consulta A prova deve ser

Leia mais

Multimedidores Inteligentes MGE G3 Modo de uso do software IBIS_BE_cnf. ABB Automação. Hartmann & Braun

Multimedidores Inteligentes MGE G3 Modo de uso do software IBIS_BE_cnf. ABB Automação. Hartmann & Braun Multimedidores Inteligentes MGE G3 Modo de uso do software IBIS_BE_cnf ABB Automação Hartmann & Braun Índice 1. IBIS_BE_CNF - DEFINIÇÃO... 3 2. INSTALAÇÃO... 3 2.1. PRÉ-REQUISITOS PARA INSTALAÇÃO... 3

Leia mais

Redes de Comunicação Modelo OSI

Redes de Comunicação Modelo OSI Redes de Comunicação Modelo OSI Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Departamento de Engenharia, Electrónica, Telecomunicações e Computadores Redes de Computadores Processos que comunicam em ambiente

Leia mais

Sistemas Digitais Reconfiguráveis

Sistemas Digitais Reconfiguráveis Departamento de Electrónica Telecomunicações e Informática Dezembro de 2006 Interface RS-232 para a TRENZ Daniel Baptista Nº 28703 O projecto O projecto consiste na construção da interface RS-232 e na

Leia mais

Unidade 1 - Objectivos das Tecnologias Informáticas

Unidade 1 - Objectivos das Tecnologias Informáticas Unidade 1 - Objectivos das Tecnologias Informáticas Reconhecer conceitos básicosb Utilizar os conceitos básicos, b aplicando-os os a problemas concretos Compreender a evolução desses conceitos Conhecer

Leia mais

TECLADO PAINEL OPERADOR USB COM DISPLAY GRÁFICO. Código : FT 023/09 REV: 02

TECLADO PAINEL OPERADOR USB COM DISPLAY GRÁFICO. Código : FT 023/09 REV: 02 TECLADO PAINEL OPERADOR USB COM DISPLAY GRÁFICO Código : FT 023/09 REV: 02 Características LCD gráfico de 240 x 64 pontos ( 8 linhas x 40 colunas ). Teclas reprogramáveis. Interface USB 2.0. Porta Serial

Leia mais

Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra

Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra Departamento de Engenharia Informática Arquitectura de Computadores 2 João Eurico Rosa Pinto jepinto@student.dei.uc.pt Filipe Duarte da Silva

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO. Software de Gerenciamento. Controlador de Fator de Potência. Self Control

MANUAL DO USUÁRIO. Software de Gerenciamento. Controlador de Fator de Potência. Self Control MANUAL DO USUÁRIO Software de Gerenciamento Controlador de Fator de Potência Self Control ÍNDICE 1.0 INTRODUÇÃO 4 1.1 Aplicações 4 2.0 CARACTERÍSTICAS 4 2.1 Compatibilidade 4 3.0 INSTALAÇÃO 4 4.0 INICIALIZAÇÃO

Leia mais

COMUNICAÇÃO ENTRE INVERSOR E PLC SÉRIE Q COM MÓDULO QJ71MB91

COMUNICAÇÃO ENTRE INVERSOR E PLC SÉRIE Q COM MÓDULO QJ71MB91 COMUNICAÇÃO ENTRE INVERSOR E PLC SÉRIE Q COM MÓDULO QJ71MB91 No. DAP-QPLC-01 rev. 2 Revisões Data da Revisão Mar/2013 Out/2013 Nome do Arquivo Revisão DAP-QPLC-01 ModbusPLC-INV Primeira edição DAP-QPLC-01

Leia mais

Ferramentas de Modelação e Análise de Sistemas baseadas em Redes de Petri (RdP)

Ferramentas de Modelação e Análise de Sistemas baseadas em Redes de Petri (RdP) Ferramentas de Modelação e Análise de Sistemas baseadas em Redes de Petri (RdP) Existem inúmeras ferramentas (software) baseadas em RdP que permitem desenvolver modelar e analisar sistema de RdP. Algumas

Leia mais

Camada de Ligação de Dados

Camada de Ligação de Dados Camada de Ligação de Dados Serviços Detecção e correcção de erros Protocolos de Acesso Múltiplo Endereçamento em LANs Hubs e Pontes de interligação Tecnologias da camada de ligação de dados Ethernet Anel

Leia mais

Rede de Computadores

Rede de Computadores Escola de Ciências e Tecnologia UFRN Rede de Computadores Prof. Aquiles Burlamaqui Nélio Cacho Luiz Eduardo Eduardo Aranha ECT1103 INFORMÁTICA FUNDAMENTAL Manter o telefone celular sempre desligado/silencioso

Leia mais

Programação 2ºSemestre MEEC - 2010/2011. Programação 2º Semestre 2010/2011 Enunciado do projecto

Programação 2ºSemestre MEEC - 2010/2011. Programação 2º Semestre 2010/2011 Enunciado do projecto Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Programação 2º Semestre 2010/2011 Enunciado do projecto O projecto a desenvolver pelos alunos consistirá numa sistema de monitorização,

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Aula 3 Software Prof.: Edilberto M. Silva http://www.edilms.eti.br SO - Prof. Edilberto Silva Barramento Sistemas Operacionais Interliga os dispositivos de E/S (I/O), memória principal

Leia mais

Redes de Comunicações. Redes de Comunicações

Redes de Comunicações. Redes de Comunicações Capítulo 0 Introdução 1 Um pouco de história Século XVIII foi a época dos grandes sistemas mecânicos Revolução Industrial Século XIX foi a era das máquinas a vapor Século XX principais conquistas foram

Leia mais

O que é um PLC (autómato)? Centro de Formação

O que é um PLC (autómato)? Centro de Formação O que é um PLC (autómato)? Centro de Formação 1 O que é um PLC (Autómato)? Sumário Histórico PLC Hardware Entrdas/Saídas Modo de Funcionamento do PLC Linguagens de programação Comunicação O que é necessário

Leia mais

1. Os caracteres (p.ex: a, A, 8,!, +, etc) são representados no computador através da codificação ASCII (American Standard Code for

1. Os caracteres (p.ex: a, A, 8,!, +, etc) são representados no computador através da codificação ASCII (American Standard Code for FICHA DE TRABALHO Nº 1 MÓDULO: EQUIPAMENTOS ACTIVOS DE REDES DATA: / 03 / 2010 FORMADOR: EDUARDO SEQUEIRA FICHA LABORATORIAL 1. Os caracteres (p.ex: a, A, 8,!, +, etc) são representados no computador através

Leia mais

Introdução. Arquitetura de Rede de Computadores. Prof. Pedro Neto

Introdução. Arquitetura de Rede de Computadores. Prof. Pedro Neto Introdução Arquitetura de Rede de Prof. Pedro Neto Aracaju Sergipe - 2011 Ementa da Disciplina 1. Introdução i. Conceitos e Definições ii. Tipos de Rede a. Peer To Peer b. Client/Server iii. Topologias

Leia mais

RS-485 - Especificação e Utilização

RS-485 - Especificação e Utilização RS-485 - e Prof. Vitor Leão Universidade Federal da Bahia LaPO - Laboratório de Propriedade Ópticas 10 de Dezembro de 2007 1 2 Características Elétricas 3 Montagem da Rede Protocolo ModBus 4 O que é RS-485

Leia mais

Telecomunicações CONCEITOS DE COMUNICAÇÃO

Telecomunicações CONCEITOS DE COMUNICAÇÃO Telecomunicações CONCEITOS DE COMUNICAÇÃO 1 COMUNICAÇÃO A COMUNICAÇÃO pode ser definida como a transmissão de um sinal através de um meio, de um emissor para um receptor. O sinal contém uma mensagem composta

Leia mais

Em um sistema de numeração de base b qualquer, um número positivo é representado pelo polinômio:

Em um sistema de numeração de base b qualquer, um número positivo é representado pelo polinômio: ELETRÔNICA DIGITAl I 1 SISTEMAS DE NUMERAÇÃO INTRODUÇÃO A base dos sistemas digitais são os circuitos de chaveamento (switching) nos quais o componente principal é o transistor que, sob o ponto de vista

Leia mais

Capítulo I : Noções Gerais

Capítulo I : Noções Gerais Capítulo I : Noções Gerais 1 Capítulo I : Noções Gerais Informática (Teoria da Informação): Ciência do tratamento e transmissão da informação. Computador: Sistema que permite armazenar grandes quantidades

Leia mais

Arquitetura de Sistemas Operativos

Arquitetura de Sistemas Operativos Arquitetura de Sistemas Operativos Sistemas Operativos 2011/2012 1 Introdução Os sistemas operativos implementam mecanismos que asseguram independência entre processos (i.e., a execução de um processo

Leia mais

SISTEMAS DIGITAIS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

SISTEMAS DIGITAIS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula 8 - Antes de começar o estudo sobre decodificadores, o que é bastante semelhante ao que já vimos anteriormente é necessário relembrarmos alguns conceitos sobre códigos binários. 1. Códigos Binários

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores s de Computadores Prof. Macêdo Firmino Revisão do Modelo de Camadas da Internet (TCP/IP) Macêdo Firmino (IFRN) s de Computadores Novembro de 2012 1 / 13 Modelo de Camadas Revisão de de Computadores Os

Leia mais

Manual do Utilizador

Manual do Utilizador Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra Departamento de Engenharia Electrotécnica e Computadores Software de Localização GSM para o modem Siemens MC35i Manual do Utilizador Índice

Leia mais

LINEAR EQUIPAMENTOS RUA SÃO JORGE, 267/269 - TELEFONE: (11) 2823-8800 SÃO CAETANO DO SUL - SP - CEP: 09530-250

LINEAR EQUIPAMENTOS RUA SÃO JORGE, 267/269 - TELEFONE: (11) 2823-8800 SÃO CAETANO DO SUL - SP - CEP: 09530-250 LINEAR EQUIPAMENTOS RUA SÃO JORGE, 267/269 - TELEFONE: (11) 2823-8800 SÃO CAETANO DO SUL - SP - CEP: 09530-250 1 SISTEMA HCS 2005 PROTOCOLO DE COMUNICAÇÃO (Baseado no Guarita Vr5.0x Última modificação:

Leia mais

NASCE A ERA DA COMUNICAÇÃO ELÉCTROMAGNÉTICA

NASCE A ERA DA COMUNICAÇÃO ELÉCTROMAGNÉTICA 1844 Demonstração pública bem sucedida do TELÉGRAFO, inventado por SAMUEL MORSE. Transmitida a mensagem What hath God wrought entreo Capitólio em Washington e Baltimore NASCE A ERA DA COMUNICAÇÃO ELÉCTROMAGNÉTICA

Leia mais

Informática e informação 2

Informática e informação 2 Introdução à Informática Informática e informação Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Outubro de 2006 Conceito de Informática Informação + Automática Informática Tratamento

Leia mais

1 - Cite o nome dos principais campos de um quadro Ethernet, explicando qual a funcionalidade de cada campo.

1 - Cite o nome dos principais campos de um quadro Ethernet, explicando qual a funcionalidade de cada campo. 1 - Cite o nome dos principais campos de um quadro Ethernet, explicando qual a funcionalidade de cada campo. Endereço de Destino = Endereço MAC de destino Endereço de Origem = Endereço MAC de origem Campo

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA FUNDAMENTOS DE REDES REDES DE COMPUTADORES Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Material elaborado com base nas apresentações

Leia mais

Cabeça de Rede de Campo PROFIBUS-DP

Cabeça de Rede de Campo PROFIBUS-DP Descrição do Produto O módulo, integrante da Série Ponto, é uma cabeça escrava para redes PROFIBUS-DP do tipo modular, podendo usar todos os módulos de E/S da série. Pode ser interligada a IHMs (visores

Leia mais

PRODUTO: IDENTIFICADOR DE CHAMADAS Ic-Box SUB-PRODUTO: DESCRIÇÃO: PROTOCOLO DE COMUNICAÇÃO USB/SERIAL ELABORAÇÃO: FABIO / Wagner ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

PRODUTO: IDENTIFICADOR DE CHAMADAS Ic-Box SUB-PRODUTO: DESCRIÇÃO: PROTOCOLO DE COMUNICAÇÃO USB/SERIAL ELABORAÇÃO: FABIO / Wagner ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PRODUTO: IDENTIFICADOR DE CHAMADAS Ic-Box SUB-PRODUTO: DESCRIÇÃO: PROTOCOLO DE COMUNICAÇÃO USB/SERIAL ELABORAÇÃO: FABIO / Wagner ÁREA: TEC 1 Equipamentos: 1. IC-Box com interface USB/serial 2. Microcomputador

Leia mais

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº7

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº7 Redes de Computadores Curso de Eng. Informática Curso de Eng. de Electrónica e Computadores Trabalho de Laboratório Nº7 Análise do tráfego na rede Protocolos TCP e UDP Objectivo Usar o Ethereal para visualizar

Leia mais

Projetos PLC Desenvolvidos pela UFRGS em Parceria com a CEEE

Projetos PLC Desenvolvidos pela UFRGS em Parceria com a CEEE Projetos PLC Desenvolvidos pela UFRGS em Parceria com a CEEE Prof. Dr. Walter Fetter Lages w.fetter@ieee.org Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Engenharia Departamento de Engenharia Elétrica

Leia mais

Introdução. Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Março de 2006

Introdução. Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Março de 2006 Redes de Computadores Introdução Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Março de 2006 Um pouco de História Século XVIII foi a época dos grandes sistemas mecânicos Revolução

Leia mais

Interrupções. As interrupções são casos especiais de chamadas de procedimentos.

Interrupções. As interrupções são casos especiais de chamadas de procedimentos. Interrupções Uma interrupção é equivalente a uma chamada de procedimento. A chamada é equivalente a um CALL gerado pela execução de uma instrução. As interrupções são casos especiais de chamadas de procedimentos.

Leia mais

Arquitetura TCP/IP. Parte IV Mapeamento de endereços IP em endereços físicos (ARP) Fabrízzio Alphonsus A. M. N. Soares

Arquitetura TCP/IP. Parte IV Mapeamento de endereços IP em endereços físicos (ARP) Fabrízzio Alphonsus A. M. N. Soares Arquitetura TCP/IP Parte IV Mapeamento de endereços IP em endereços físicos (ARP) Fabrízzio Alphonsus A. M. N. Soares Tópicos Problema de resolução de endereço Mapeamento direto Associação dinâmica ARP

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores TCP/IP Adriano Lhamas, Berta Batista, Jorge Pinto Leite Março de 2007 Pilha TCP/IP Desenvolvido pelo Departamento de Defesa dos EUA Objectivos: garantir a comunicação sob quaisquer circunstâncias garantir

Leia mais

Funções específicas de cada camada do modelo OSI da ISO.

Funções específicas de cada camada do modelo OSI da ISO. Funções específicas de cada camada do modelo OSI da ISO. 1ª Camada - Física - Grupo Rede Física Esta camada traduz os bits a enviar em sinais elétricos, de tensão ou corrente. Ela fornece os meios de hardware

Leia mais

ORGANIZAÇÃO BÁSICA DE COMPUTADORES E LINGUAGEM DE MONTAGEM. Conceitos Básicos ORGANIZAÇÃO BÁSICA DE COMPUTADORES E LINGUAGEM DE MONTAGEM

ORGANIZAÇÃO BÁSICA DE COMPUTADORES E LINGUAGEM DE MONTAGEM. Conceitos Básicos ORGANIZAÇÃO BÁSICA DE COMPUTADORES E LINGUAGEM DE MONTAGEM Conceitos Básicos 1-1 BITs e BYTEs Bit = BInary digit = vale sempre 0 ou elemento básico de informação Byte = 8 bits processados em paralelo (ao mesmo tempo) Word = n bytes (depende do processador em questão)

Leia mais

Sistemas Operativos - 2005/2006. Trabalho Prático v1.0

Sistemas Operativos - 2005/2006. Trabalho Prático v1.0 Instituto Politécnico de Viseu Escola Superior de Tecnologia de Viseu Engenharia de Sistemas e Informática Sistemas Operativos - 2005/2006 Trabalho Prático v1.0 Introdução O presente trabalho prático visa

Leia mais

Características. Conteúdo. Ligações. Tabela de Revisões

Características. Conteúdo. Ligações. Tabela de Revisões Manual AP-60 2011 Acura Global Rev. A.2 sales@acuraglobal.com Tel.: +55 11 3028-4600 Matriz: Rua Reginata Ducca, 73 09626-100 São Bernardo do Campo SP Fábrica: Doutor Domiciano Costa Moreira, 266 37500-202

Leia mais

Relatório do 2º Guião Laboratorial de Avaliação: Encaminhamento de pacotes. Licenciatura: ETI Turma : ETC1 Grupo : rd2_t3_02 Data: 30/10/2009

Relatório do 2º Guião Laboratorial de Avaliação: Encaminhamento de pacotes. Licenciatura: ETI Turma : ETC1 Grupo : rd2_t3_02 Data: 30/10/2009 Licenciaturas em Informática e Gestão de Empresas, Engenharia de Telecomunicações e Informática e Engenharia Informática Redes Digitais II Relatório do 2º Guião Laboratorial de Avaliação: Encaminhamento

Leia mais

switches LAN (rede de comunicação local)

switches LAN (rede de comunicação local) O funcionamento básico de uma rede depende de: nós (computadores) um meio de conexão (com ou sem fios) equipamento de rede especializado, como roteadores ou hubs. Todas estas peças trabalham conjuntamente

Leia mais

Sistemas de Numeração

Sistemas de Numeração Sistemas de Numeração Um numeral é um símbolo ou grupo de símbolos que representa um número em um determinado instante da evolução do homem. Tem-se que, numa determinada escrita ou época, os numerais diferenciaram-se

Leia mais

Rede DeviceNet. Fábio Soares de Lima. fabio@dca.ufrn.br

Rede DeviceNet. Fábio Soares de Lima. fabio@dca.ufrn.br Rede DeviceNet Fábio Soares de Lima fabio@dca.ufrn.br Índice Introdução e Histórico Modelo de camadas Meio Físico Topologia Números de Estações Ativas Número de Redes por CLP Protocolo DATA Frame Camada

Leia mais

O que são sistemas supervisórios?

O que são sistemas supervisórios? O que são sistemas supervisórios? Ana Paula Gonçalves da Silva, Marcelo Salvador ana-paula@elipse.com.br, marcelo@elipse.com.br RT 025.04 Criado: 10/09/2004 Atualizado: 20/12/2005 Palavras-chave: sistemas

Leia mais

Multimedidores Inteligentes IDM96 Modo de uso do software IBIS_BE_cnf. ABB Automação. Hartmann & Braun

Multimedidores Inteligentes IDM96 Modo de uso do software IBIS_BE_cnf. ABB Automação. Hartmann & Braun Multimedidores Inteligentes IDM96 Modo de uso do software IBIS_BE_cnf ABB Automação Hartmann & Braun Índice 1. IBIS_BE_CNF - DEFINIÇÃO... 3 2. INSTALAÇÃO... 3 2.1. PRÉ-REQUISITOS PARA INSTALAÇÃO... 3 3.

Leia mais

Rede Industrial Fieldbus ModBus Redes Industriais Semestre 01/2014

Rede Industrial Fieldbus ModBus Redes Industriais Semestre 01/2014 Rede Industrial Fieldbus ModBus Redes Industriais Semestre 01/2014 Engenharia de Controle e Automação Histórico do Fieldbus Fabricantes, na maioria americanos passaram a usar o MODBUS da MODICON como padrão.

Leia mais

Manual MifareUSB/Serial

Manual MifareUSB/Serial Manual MifareUSB/Serial 08/2012 V2.6 Manual MifareUSB/Serial Este manual descreve as conexões de hardware e os comandos para leitura, escrita e configurações para os leitores/gravadores de cartão Mifare

Leia mais

CURSO: Engenharia Elétrica e Engenharia de Computação. DISCIPLINA: Circuitos Lógicos I Z520234

CURSO: Engenharia Elétrica e Engenharia de Computação. DISCIPLINA: Circuitos Lógicos I Z520234 FACULDADE DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E URBANISMO CURSO: Engenharia Elétrica e Engenharia de Computação. DISCIPLINA: Circuitos Lógicos I Z520234 2 a Série de Exercícios - Resolução Sistemas de Numeração

Leia mais

Equipamentos de Rede

Equipamentos de Rede Equipamentos de Rede :. Introdução A utilização de redes de computadores faz hoje parte da cultura geral. A explosão da utilização da "internet" tem aqui um papel fundamental, visto que actualmente quando

Leia mais

Visão Geral do Protocolo CANBus

Visão Geral do Protocolo CANBus Visão Geral do Protocolo CANBus História CAN Controller Area Network. Desenvolvido, pela BOSCH, na década de 80 para a interligação dos sistemas de controle eletrônicos nos automóveis. 1. CAN, que foi

Leia mais

PROGRAMADOR JAVA. Aula 0 20 semanas. Instrutor : Léo Billi Email : leo.billi@gmail.com

PROGRAMADOR JAVA. Aula 0 20 semanas. Instrutor : Léo Billi Email : leo.billi@gmail.com Aula 0 20 semanas Instrutor : Léo Billi Email : leo.billi@gmail.com Bem-vindos Para que não sabe, quer dizer iniciantes. Noobs Informática A arte de processar dados A História A História A arte de processar

Leia mais

Tutorial 160 CP FBs - Elipse Scada (RS232 Protocolo MODBUS)

Tutorial 160 CP FBs - Elipse Scada (RS232 Protocolo MODBUS) Tutorial 160 CP FBs - Elipse Scada (RS232 Protocolo MODBUS) Este documento é propriedade da ALTUS Sistemas de Informática S.A., não podendo ser reproduzido sem seu prévio consentimento. Altus Sistemas

Leia mais

Sistemas Tolerantes a Falhas. Aulas Práticas

Sistemas Tolerantes a Falhas. Aulas Práticas Sistemas Tolerantes a Falhas Aulas Práticas 1- Apresentação (1 aula) a. Introdução à programação em C para o sistema b. Utilização de entradas e saídas digitais A placa : constituição, ligação ao, carga

Leia mais