LINEAR EQUIPAMENTOS RUA SÃO JORGE, TELEFONE : SÃO CAETANO DO SUL - SP - CEP:

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "LINEAR EQUIPAMENTOS RUA SÃO JORGE, 269 - TELEFONE : 6823-8800 SÃO CAETANO DO SUL - SP - CEP: 09530-250"

Transcrição

1 1 LINEAR EQUIPAMENTOS RUA SÃO JORGE, TELEFONE : SÃO CAETANO DO SUL - SP - CEP: O Sistema HCS 2000 é composto por: PROTOCOLO DE COMUNICAÇÃO SISTEMA HCS 2000 v6.x Receptores: dispositivos que armazena até transmissores (controle remoto), possibilitando assim o acionamento de 3 saídas que podem ser utilizadas para movimentação de portões, etc.; Módulos Passagem: dispositivo que possui 4 entradas para fotocélulas ativas utilizadas para a detecção da passagem de um veículo em até 2 portões distintos, além de contar com outras 4 entradas e saídas acessadas pelo computador; Módulo Guarita: cérebro do sistema, permite o armazenamento de eventos ocorridos com algum dos dispositivos acima, além de possuir algumas funções características, como acorda-porteiro, pânico, etc. Os 3 dispositivos acima são interligados através do sistema de comunicação CAN, sendo a forma mais rápida e segura de transferência de dados. O Módulo Guarita ainda pode se comunicar com um computador, através do sistema RS232. Cada opção do Módulo Guarita tem seu comando específico, que nada mais é do que um conjunto de frames organizados. Os frames de comando sempre serão iniciados por um byte nulo (0), o código do comando, e o checksum (soma de todos os bytes que formam os frames). Após o envio do comando pelo PC, o Módulo retornará uma resposta de confirmação do recebimento, também formado pelos dados anteriores. Alguns comandos possuem frames específicos, cuja explicação será detalhada na sua utilização. No caso dos bytes <contador high> e <contador low> ambos admitem valor de 0 a 255, e funcionam como um contador: os dois começam do 0; quando o <contador low> for maior que 255, esse receberá o valor 0 e o <contador high> será incrementado em 1, e assim por diante. A taxa de transmissão padrão utilizada para a comunicação é de bps, sem paridade, 8 bits de dados por byte, e 1 bit de parada (stop bit). Cada byte do frame deverá ser enviado num intervalo mínimo de 1 ms, e máximo de 6 ms. Essa taxa de transmissão pode ser configurada no Módulo também para os seguintes valores: 9600 bps, bps e bps. Abaixo seguem os comandos enviados pelo PC ao Módulo Guarita, em decimal. Alguns comandos é recomendado o tratamento dos bytes recebidos em hexadecimal, para facilitar a interpretação e exibição dos dados.

2 2 Comandos para o Nível 0 (Região Inicial): Escrita do CNPJ do cliente Esta opção permite gravar o CNPJ do cliente no Módulo Guarita, além de ser uma forma de segurança evitando cópias não autorizadas do programa para o PC <14 dígitos do CNPJ> Leitura do CNPJ Permite a leitura e possível exibição do CNPJ previamente configurado através da opção anterior <14 dígitos do CNPJ> + Programar Módulo Esta opção possibilita a configuração da programação do Módulo através do PC. Configuração de comandos como ativar pânico, estabelecer o tempo para o acorda-porteiro, são exemplos <pânico> + <tempo do desperta porteiro> + <hora inicial do desperta porteiro> + <hora final do desperta porteiro> + <baudrate> + <tecla 1> + <tecla 2> + <tecla 3> + <tecla 4> + <tecla 5> + <tecla 6> Leitura da programação do Módulo Possibilita ao usuário a visualização da atual configuração do Módulo Guarita <pânico> + <tempo do desperta porteiro> + <hora inicial do desperta porteiro> + <hora final do desperta porteiro> + <baudrate> + <tecla 1> + <tecla 2> + <tecla 3> + <tecla 4> + <tecla 5> + <tecla 6> + Observações: <pânico> admite os valores: 0 = Desligado; 1 = Ligado; 3 = Silencioso (para o botão 3 como pânico no controle) e admite os valores: 4 = Desligado; 5 = Ligado; 7 = Silencioso (para o botão 4 como pânico no controle). <tempo do desperta porteiro> admite os valores: 0 = Desligado; 15 = 15 minutos; 30 = 30 minutos; 45 = 15 minutos silencioso. <hora inicial do desperta porteiro> admite os valores 0 à 23 convertidos para decimal. (Exemplo: 22 horas = 34). <hora final do desperta porteiro> admite os valores 0 à 23 convertidos para decimal. (Exemplo: 12 horas = 18). <baudrate> admite os valores: 0 = 9600 bps; 1 = bps; 2 = bps; 3 = bps. <teclas 1 à 6> admite os valores de 0 à 21, sendo 0 = tecla desabilitada e os demais iguais às saídas dos 3 Receptores e dos 3 Módulos Passagem respectivamente. Escrever data e hora Neste comando, o usuário poderá acertar a data e a hora do relógio interno do Módulo Guarita <dia> + <mês> + <ano> + <hora> + <minuto> + <segundo> Observação: Os bytes <dia>, <mês>, <ano>, <hora>, <minuto> e <segundo> admitem os valores convertidos para decimal. Exemplo: Acertar a data para 03/12/03 e a hora para 15:30:00. O frame a ser enviado será: Ler data e hora Permite a consulta da hora e data atual marcada pelo Módulo <dia> + <mês> + <ano> + <hora> + <minuto> + <segundo> + Observação: Converter os bytes recebidos em hexadecimal, para poder exibi-los corretamente.

3 3 Comandos relativos a Eventos (logs) Os comandos a seguir permitem a manipulação dos eventos gerados pelos Receptores e Módulos Passagem, que são gravados na memória do Módulo Guarita. Esse permite armazenar um total de eventos, e são identificados através do frame <log>, formado por 14 bytes, que devem ser convertidos em hexadecimal: Byte 1 Tipo de evento Admite valor de 00 a 09, indicando o tipo de evento ocorrido, que pode ser respectivamente: abertura por transmissor, evento de passagem, equipamento ligado, evento acorda-porteiro, mudança de programação pelo usuário, acionamento de saídas pelo teclado do Módulo, acionamento de saídas pelo PC, falha na rede CAN, erro de instalação CAN, evento de pânico. Byte 2 Dispositivo que gerou o evento Admite 01, 02 ou 03 para os Receptores ou 01, 02, 03 para os Módulos Passagem Byte 3 Evento gerado pelo dispositivo Admite 00, 01 ou 02 relativo às 3 saídas dos Receptores; 00, 01, 02 ou 03 relativo às 4 saídas dos Módulos Passagem; e 00, 01, 02 ou 03 para as entradas de fotocélulas do Módulo Passagem, significando respectivamente: entrada portão 1, saída portão 1, entrada portão 2 e saída portão 2. Byte 4 Andar/Tempo de acionamento das foto-células Admite valores de 00 a 63, relativo ao andar do transmissor que acionou o dispositivo. No caso de um evento de passagem, pode admitir valor de 00 a FF, que em decimal e multiplicado por 10 ms (milesegundos) indicam o tempo de acionamento entre a foto-celula 1 e a foto-celula 2. Byte 5 Número do Apartamento/Status das entradas digitais/dispositivo acionado Admite valores de 00 a 15 correspondente ao apartamento do transmissor que acionou o dispositivo. Se ocorrer um evento de passagem, a parte baixa do byte (sublinhado) indica o status das entradas digitais do Módulo Passagem em questão, conforme o tópico Status das Entradas Digitais do Módulo Passagem. Caso ocorra um acionamento pelo computador, ou pelo Módulo Guarita, das saídas do Receptor ou do Módulo Passagem, a parte baixa deste byte será 0 se uma das saídas do Receptor foi acionada, ou de 1 a F, caso uma das saídas do Módulo Passagem foi acionada. Observação: No caso de acionamento por transmissor, a concatenação dos dois bytes (4 e 5) formam o número do apartamento completo do morador (andar + número do apartamento no andar). Byte 6 Bloco Admite valor de 00 a 0F relativo ao 16 possíveis blocos do condomínio. Esse valor é relacionado com as letras A a P, exibidas pelos Receptores e Módulo Guarita. Byte 7 Número do transmissor Admite valor de 01 a 0E relativo aos 14 possíveis transmissores que cada apartamento pode possuir. Bytes 8, 9 e 10 Horário Apresentam respectivamente a hora (00 a 23), os minutos (00 a 59) e os segundos (00 a 59) relativo ao horário em que o evento ocorreu. Bytes 11, 12 e 13 Data Apresentam respectivamente o dia (01 a 31), o mês (01 a 12) e o ano (00 a 99) relativo a data em que o evento ocorreu. Byte 14 Estado da bateria/ Memória do receptor alterada A parte alta deste byte indica o estado da bateria do transmissor (0 para bateira boa, e F para bateria fraca). A parte baixa indica se a memória do Receptor em questão foi alterada (valor 0) ou não (valor F). Leitura um log genérico Com este comando, é possível ao programador identificar um frame de eventos registrado pelo Módulo Guarita <contador high> + <contador low> <log> + Leitura do log atual com apagamento automático Este comando permite ler o evento mais recente gravado na memória, e em seguida apagá-lo automaticamente, evitando o preenchimento da memória. Após o apagamento, o frame de evento não pode ser recuperado.

4 <log> + Envio progressivo de logs Permite a leitura dos logs sem a utilização dos ponteiros <contador high> e <contador low>. O comando envia progressivamente do log mais atual até o mais antigo, com time-out <log> + Após a primeira resposta, o Módulo aguarda 2 possíveis respostas do computador, para enviar o próximo log: 0 = Enviar o próximo log; 255 = Repetir o último log enviado. Número de logs na memória Informa a quantidade de eventos atualmente registrados na memória do Módulo <contador high> + <contador low> + Apagar log atual Apaga somente o evento atual Apagar todos os logs Apaga todos os eventos contidos na memória Observação: Módulo Guarita sempre irá enviar automaticamente ao PC o frame de evento, sem a necessidade do envio da pergunta pelo PC. Portanto, quando ocorrer qualquer evento ao Módulo, ele enviará: <log> +. Envio de toda a Memória do Módulo Guarita Como uma outra forma de segurança, o Módulo Guarita poderá enviar todo o conteúdo de suas memórias (receptores cadastrados, eventos, etc), um total de 128 Kb, através do comando abaixo: bytes + Após essa resposta, o Módulo espera duas possíveis respostas do PC, sendo 0 permitindo ao Módulo enviar os próximos 64 bytes, ou 255, indicando ao Módulo para repetir o envio dos últimos 64 bytes, caso algo tenha ocorrido errado. Apagamento dos Transmissores de um Apartamento O Módulo Guarita permite o apagamento do transmissor pelo computador. Para tanto, o Receptor que contém o transmissor a ser apagado deverá estar corretamente conectado ao Módulo Guarita. Receptor <andar> + <apto> + <bloco> <resposta> + Receptor <andar> + <apto> + <bloco> <resposta> + Receptor <andar> + <apto> + <bloco> <resposta> +

5 5 Observações: <andar> admite valores de 0 a 63 relativos ao número do andar. <apto> admite valores de 0 a 15 relativos ao número do apartamento no andar. <bloco> admite valores de 0 a 15 relativos ao número do bloco (A à P). <resposta> retorna os seguintes valores: 0 = Transmissor apagado; 1 = Transmissor não encontrado; 2 = Erro. Acionamento das Saídas dos Receptores e Módulos de Passagem Abaixo estão os comandos para o acionamento pelo PC das 3 saídas de cada Receptor, e das 4 saídas de cada Módulo Passagem. As respostas de confirmação enviadas pelo Módulo ao PC deverão ser iguais aos frames de pergunta do PC: Receptor 1 Saída 1: Saída 2: Saída 3: Módulo Passagem 1 Saída 1: Saída 2: Saída 3: Saída 4: Receptor 2 Saída 1: Saída 2: Saída 3: Módulo Passagem 2 Saída 1: Saída 2: Saída 3: Saída 4: Receptor 3 Saída 1: Saída 2: Saída 3: Módulo Passagem 3 Saída 1: Saída 2: Saída 3: Saída 4: Status das Entradas Digitais do Módulo Passagem Cada Módulo Passagem possui ainda 4 entradas digitais que poder ser monitoradas pelo PC, através dos comandos abaixo. O frame <status> encontrado na resposta deverá ser separado em 4 bits, admitindo valores 0 ou 1 (desligado ou ligado). O primeiro bit corresponde a primeira entrada digital, o segundo bit à segunda entrada digital, e assim por diante. Módulo Passagem <status> + Módulo Passagem <status> + Módulo Passagem <status> + Comandos para o Nível 1 (Região Programação Básica) Abaixo estão os comandos relativos aos backups (cópias de segurança), tanto do Receptor para o Módulo, quanto do Módulo ao PC. Neste último caso, aparecerão 2 frames resposta específicos: <frame de parametrização>, composto de 5 bytes relativo a parametrização do Receptor em questão; <frame de transmissores>, composto de 8 bytes relativos aos dados de cada transmissor cadastrado no Receptor em questão. Backup Receptor 1 ao Módulo Backup Receptor 2 ao Módulo Backup Receptor 3 ao Módulo O processo de backup Módulo ao PC é feito em 2 etapas, para cada Receptor. Será necessário um comando para o envio dos transmissores e outro comando para o envio da parametrização (configuração inicial dos Receptores). Estes comandos poderão ser executados sem estar em Modo de Programação Nível 1, facilitando bastante a sua manipulação. Receptor 1 - Transmissores <contador high> + <contador low> <contador high> + <contador Receptor 2 - Transmissores <contador high> + <contador low> <contador high> + <contador Receptor 3 - Transmissores <contador high> + <contador low> <contador high> + <contador

6 6 Receptor 1 Parametrização <frame de parametrização> + Receptor 2 Parametrização <frame de parametrização> + Receptor 3 Parametrização <frame de parametrização> + O Módulo Guarita também possui um comando para leitura progressiva do frame de controles, sem a necessidade da utilização dos contadores high e low. Esse comando também poderá ser utilizado fora do Modo de Programação (Nível 1). Receptor 1 Transmissores <frame de transmissores> + Receptor 2 Transmissores <frame de transmissores> + Receptor 3 Transmissores <frame de transmissores> + Após a primeira resposta, o Módulo aguarda 2 possíveis respostas do computador, para enviar o próximo frame: 0 = Enviar o próximo frame; 255 = Repetir o último frame enviado. Comandos para o Nível 2 (Região de Programação Avançada) Agora, trataremos dos comando relativos ao processo de restore, ou seja devolução, do PC ao Módulo e do Módulo aos Receptores, sendo o processo semelhante ao de backup. Restore Módulo ao Receptor Restore Módulo ao Receptor Restore Módulo ao Receptor Assim como no processo de backup, o PC deverá enviar ao Módulo 2 comandos diferentes, um para os transmissores e um para a parametrização de cada Receptor. No caso dos transmissores, para garantir que esses cheguem corretamente ao Módulo, o PC deverá enviar ao final um <frame de transmissores> com valores FF hex (ou 255 decimal). Receptor 1 Transmissores <contador high> + <contador <contador high> + <contador low> + Receptor 1 Parametrização <frame de parametrização> Receptor 2 Transmissores <contador high> + <contador <contador high> + <contador low> + Receptor 2 Parametrização <frame de parametrização> Receptor 3 Transmissores <contador high> + <contador <contador high> + <contador low> + Receptor 3 Parametrização <frame de parametrização>

7 7 Descrição dos frames de parametrização e dos transmissores Como citado acima, tanto no processo de backup como de restore dos Receptores, os frames de pergunta e resposta são formados por um conjunto de bytes que identifica a parametrização do receptor (<frame de parametrização>) e os dados dos transmissores (<frame de transmissores>). Através de exemplos, será detalhado o que significa cada byte desses frames. <frame de parametrização> - 5 bytes Exemplo em hexadecimal: FA 08: Convertendo para decimal: 8 - Transmissores por Apartamento 18: Convertendo para decimal: 24 - Andares 09: Convertendo para decimal: 9 - Apartamentos por Andar 00: Convertendo para decimal: 0 - Bloco A ou 1 FA: Convertendo em binário: O bit da posição 0 indica se a memória foi apagada (0) ou não foi apagada (1); O bit da posição 1 indica se somente um dígito de apartamento é utilizado (1) ou dois dígitos (0); O bit da posição 2 indica se a memória foi alterada (0) ou não (1); Os outros bits são desprezados. No exemplo acima, temos que a memória foi apagada, um dígito de apartamento é utilizado, e a memória foi alterada. <frame de transmissores> - 8 bytes Exemplo em hexadecimal: F EF : 1 (número do transmissor no apartamento) e 0 (primeiro dígito do número de série) 00: 0 e 0 (segundo e terceiro dígito do número de série) 01: 0 e 1 (quarto e quinto dígito do número de série) 77: 7 e 7 (sexto e sétimo dígito do número de série) 1F: 1F (parte alta do contador de acionamentos) EF: EF (parte baixa do contador de acionamentos) 91: 9 (1001) e 1 (0001) = os bits em negrito indicam o número do andar (17 decimal), e o bit sublinhado indica o dígito de apartamento. Se esse dígito for igual a 1, multiplicar o número do andar por 10. Se o dígito for igual a 0, multiplicar o número do apartamento por : 0 (0000) e 0 (0111) = os bits em negrito indicam o número do apartamento no andar (7 decimal), e os bits sublinhados indicam o bloco (0 = bloco A). O apartamento completo do morador será a soma do número do andar (em decimal) com o número do apartamento no andar (em decimal). Conclusão do frame: O transmissor de número de série , sofreu 8175 acionadas (1FEF para decimal), e está atualmente cadastrado como 1º transmissor do apartamento 177 (17 vezes 10, somado com 7), do bloco A.

LINEAR EQUIPAMENTOS RUA SÃO JORGE, 267/269 - TELEFONE: (11) 2823-8800 SÃO CAETANO DO SUL - SP - CEP: 09530-250

LINEAR EQUIPAMENTOS RUA SÃO JORGE, 267/269 - TELEFONE: (11) 2823-8800 SÃO CAETANO DO SUL - SP - CEP: 09530-250 LINEAR EQUIPAMENTOS RUA SÃO JORGE, 267/269 - TELEFONE: (11) 2823-8800 SÃO CAETANO DO SUL - SP - CEP: 09530-250 1 SISTEMA HCS 2005 PROTOCOLO DE COMUNICAÇÃO (Baseado no Guarita Vr5.0x Última modificação:

Leia mais

LINEAR-HCS RUA SÃO JORGE, 269 TELEFONE: (11) 2823-8800 SÃO CAETANO DO SUL SÃO PAULO CEP: 09530-250

LINEAR-HCS RUA SÃO JORGE, 269 TELEFONE: (11) 2823-8800 SÃO CAETANO DO SUL SÃO PAULO CEP: 09530-250 LINEAR-HCS RUA SÃO JORGE, 269 TELEFONE: (11) 2823-8800 SÃO CAETANO DO SUL SÃO PAULO CEP: 09530-250 1 SOFTWARE HCS 2005 - VERSÃO 4.5 (Compatível com Guarita Vr4.03 ou superior) Recomendações Iniciais Para

Leia mais

LINEAR EQUIPAMENTOS RUA SÃO JORGE, 267/269 - TELEFONE: (11) SÃO CAETANO DO SUL - SP - CEP:

LINEAR EQUIPAMENTOS RUA SÃO JORGE, 267/269 - TELEFONE: (11) SÃO CAETANO DO SUL - SP - CEP: 1 LINEAR EQUIPAMENTOS RUA SÃO JORGE, 267/269 - TELEFONE: (11) 2823-8800 SÃO CAETANO DO SUL - SP - CEP: 09530-250 SISTEMA HCS 2005 - PROTOCOLO DE COMUNICAÇÃO (Baseado no Guarita Vr4.03 ou Vr4.04) INFORMAÇÕES

Leia mais

LINEAR-HCS RUA SÃO JORGE, 269 - TELEFONE: 2823-8800 SÃO CAETANO DO SUL - SP - CEP: 09530-250 Atualizado em 13/11/06

LINEAR-HCS RUA SÃO JORGE, 269 - TELEFONE: 2823-8800 SÃO CAETANO DO SUL - SP - CEP: 09530-250 Atualizado em 13/11/06 LINEAR-HCS RUA SÃO JORGE, 269 - TELEFONE: 2823-8800 SÃO CAETANO DO SUL - SP - CEP: 09530-250 Atualizado em 13/11/06 MANUAL DE PROGRAMAÇÃO DO MÓDULO GUARITA HCS 2005 - Versão 4.04 Bem vindo ao guia rápido

Leia mais

Manual Técnico Interface Modbus

Manual Técnico Interface Modbus Manual Técnico Interface Modbus RTA Interface Modbus 05/2007-1 - Histórico de Revisões Ver. Num. Data Responsável Observações 1.000 17/05/07 Marcos Romano Criação Inicial RTA Rede de Tecnologia Avançada

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO E PROGRAMAÇÃO CONVERSOR - IP / USB / SERIAL - 317 RV1

MANUAL DE INSTALAÇÃO E PROGRAMAÇÃO CONVERSOR - IP / USB / SERIAL - 317 RV1 MANUAL DE INSTALAÇÃO E PROGRAMAÇÃO CONVERSOR - IP / USB / SERIAL - 317 RV1 SÃO CAETANO DO SUL 06/06/2014 SUMÁRIO Descrição do Produto... 3 Características... 3 Configuração USB... 4 Configuração... 5 Página

Leia mais

Manual MifareUSB/Serial

Manual MifareUSB/Serial Manual MifareUSB/Serial 08/2012 V2.6 Manual MifareUSB/Serial Este manual descreve as conexões de hardware e os comandos para leitura, escrita e configurações para os leitores/gravadores de cartão Mifare

Leia mais

Dedicado. V 3.20 Jul09 r2.00

Dedicado. V 3.20 Jul09 r2.00 Dedicado V 3.20 Jul09 r2.00 Índice Apresentação...2 Instalação...2 Esquema de Ligação...3 Operação...4 Terminal...5 Funções de Programação...6 [007 a 011] Programação da Entrada (Setor Interno)...6 Função

Leia mais

LINEAR EQUIPAMENTOS RUA SÃO JORGE, 269 - TELEFONE: 6823-8800 SÃO CAETANO DO SUL - SP - CEP 09530-250

LINEAR EQUIPAMENTOS RUA SÃO JORGE, 269 - TELEFONE: 6823-8800 SÃO CAETANO DO SUL - SP - CEP 09530-250 LINEAR EQUIPAMENTOS RUA SÃO JORGE, 269 - TELEFONE: 6823-8800 SÃO CAETANO DO SUL - SP - CEP 09530-250 Recomendações Iniciais SOFTWARE HCS 2005 - VERSÃO 4.2 (Compatível com Guarita Vr4.03 e Vr4.04) Para

Leia mais

Desenvolvimento de Drivers de Comunicação

Desenvolvimento de Drivers de Comunicação Nota de Aplicação NAP033 Desenvolvimento de Drivers de Comunicação Sumário 1. Introdução... 2 1.1 Tipos de Operandos dos CPs...2 1.2 Conceitos Básicos...2 1.2.1 Transação...2 1.2.2 Serviços Pendentes...3

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PRJET DE REDES www.projetoderedes.com.br urso de Tecnologia em Redes de omputadores Disciplina: Redes I Fundamentos - 1º Período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA 1: onceitos de Redes de Dados

Leia mais

LINEAR-HCS RUA SÃO JORGE, 267/269 - TELEFONES: (11) 2823-8800 / (11) 4226-3535 SÃO CAETANO DO SUL - SP - CEP: 09530-250

LINEAR-HCS RUA SÃO JORGE, 267/269 - TELEFONES: (11) 2823-8800 / (11) 4226-3535 SÃO CAETANO DO SUL - SP - CEP: 09530-250 LINEAR-HCS RUA SÃO JORGE, 267/269 - TELEFONES: (11) 2823-8800 / (11) 4226-3535 SÃO CAETANO DO SUL - SP - CEP: 09530-250 Sistema HCS 2010 Protocolo de Comunicação ( Baseado no Guarita Vr8.102p - Última

Leia mais

PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DOS AMPLIFICADORES MR 4.50D-XT MR 6.50D-XT MR 6.80-XT Rev. 2.3 de 29/01/2014

PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DOS AMPLIFICADORES MR 4.50D-XT MR 6.50D-XT MR 6.80-XT Rev. 2.3 de 29/01/2014 PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DOS AMPLIFICADORES MR 4.50D-XT MR 6.50D-XT MR 6.80-XT Rev. 2.3 de 29/01/2014 Introdução: Este programa permite o gerenciamento dos amplificadores MR 4.50D-XT MR 6.50D-XT MR 6.80-XT

Leia mais

Sistema de Numeração e Códigos. CPCX UFMS Prof. Renato F. dos Santos

Sistema de Numeração e Códigos. CPCX UFMS Prof. Renato F. dos Santos Sistema de Numeração e Códigos CPCX UFMS Prof. Renato F. dos Santos 2.4 Código BCD (Binary-coded decimal) Quando um número decimal é representado pelo seu número binário equivalente, dizemos que é uma

Leia mais

CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO

CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO 1 CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO O computador não é uma máquina interessante se não pudermos interagir com ela. Fazemos isso através de suas interfaces e seus periféricos. Como periféricos serão considerados os

Leia mais

Comunicação de Dados. Aula 4 Conversão de Sinais Analógicos em digitais e tipos de transmissão

Comunicação de Dados. Aula 4 Conversão de Sinais Analógicos em digitais e tipos de transmissão Comunicação de Dados Aula 4 Conversão de Sinais Analógicos em digitais e tipos de transmissão Sumário Amostragem Pulse Amplitude Modulation Pulse Code Modulation Taxa de amostragem Modos de Transmissão

Leia mais

REPRESENTAÇÃO DE DADOS EM SISTEMAS DE COMPUTAÇÃO AULA 03 Arquitetura de Computadores Gil Eduardo de Andrade

REPRESENTAÇÃO DE DADOS EM SISTEMAS DE COMPUTAÇÃO AULA 03 Arquitetura de Computadores Gil Eduardo de Andrade REPRESENTAÇÃO DE DADOS EM SISTEMAS DE COMPUTAÇÃO AULA 03 Arquitetura de Computadores Gil Eduardo de Andrade O conteúdo deste documento é baseado no livro Princípios Básicos de Arquitetura e Organização

Leia mais

DeviceNet Drive Profile CFW-09

DeviceNet Drive Profile CFW-09 Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas DeviceNet Drive Profile CFW09 Manual da Comunicação Manual da Comunicação DeviceNet Drive Profile Série: CFW09 Idioma: Português Versão de Software:

Leia mais

Gerenciamento de Entrada e Saída Hélio Crestana Guardia e Hermes Senger

Gerenciamento de Entrada e Saída Hélio Crestana Guardia e Hermes Senger Gerenciamento de Entrada e Saída Hélio Crestana Guardia e Hermes Senger O controle da entrada e saída (E/S ou I/O, input/output) de dados dos dispositivos é uma das funções principais de um sistema operacional.

Leia mais

Manual da Comunicação Profibus DP

Manual da Comunicação Profibus DP Manual da Comunicação Profibus DP Relé Inteligente Série: SRW 01 Versão de Software: V1.3X Idioma: Português Documento: 10000089150 / 00 04/2008 Sumário SOBRE O MANUAL...5 1 A REDE PROFIBUS DP...6 1.1

Leia mais

Manual de instrução e instalação VECTRA EX 204

Manual de instrução e instalação VECTRA EX 204 Manual de instrução e instalação VECTRA EX 204 Versão: 01.2013 SUMÁRIO Introdução... 3 Instalação... 4 Configuração... 4 O software... 5 Número da Receptora... 6 Aviso Sonoro... 7 Hora... 8 Data... 8 Tipo

Leia mais

Redes de Computadores II

Redes de Computadores II Redes de Computadores II UDP Prof: Ricardo Luís R. Peres Tem como objetivo prover uma comunicação entre dois processos de uma mesma sessão que estejam rodando em computadores dentro da mesma rede ou não.

Leia mais

I n f o r m á t i c a

I n f o r m á t i c a Prof. Dr. Rogério R. de Vargas I n f o r m á t i c a Dados, bits, bytes, representação de dados e sistemas de numeração e representação numérica Itaqui - RS, 2º Semestre de 2014. Agenda Dados; Bits; Bytes;

Leia mais

Procedimento de. Diagnóstico e Configuração CP-3000. CPU - 3A/E e 4A/E PROCESSADORES DE REDE INTERFACES DE REDE

Procedimento de. Diagnóstico e Configuração CP-3000. CPU - 3A/E e 4A/E PROCESSADORES DE REDE INTERFACES DE REDE Procedimento de Diagnóstico e Configuração CP-3000 CPU - 3A/E e 4A/E PROCESSADORES DE REDE INTERFACES DE REDE Elaboração: Alfasistema Engenharia Autor: Engº Rodney P. Santos Revisão 1.1 Ano: 2005 I. DIAGNÓSTICO

Leia mais

Soluções Globais em Sistemas de Pesagem. Indicador de pesagem WT1000-LED. Manual Técnico. Versão A12-03

Soluções Globais em Sistemas de Pesagem. Indicador de pesagem WT1000-LED. Manual Técnico. Versão A12-03 Soluções Globais em Sistemas de Pesagem Indicador de pesagem WT1000-LED Manual Técnico Versão A12-03 ÍNDICE 1 CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS... 4 2 RECOMENDAÇÕES GERAIS... 4 3 FUNÇÕES DAS TECLAS... 5 4 OPERAÇÃO...

Leia mais

Capítulo 2. Numéricos e Códigos. 2011 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados.

Capítulo 2. Numéricos e Códigos. 2011 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados. Capítulo 2 Sistemas Numéricos e Códigos slide 1 Os temas apresentados nesse capítulo são: Conversão entre sistemas numéricos. Decimal, binário, hexadecimal. Contagem hexadecimal. Representação de números

Leia mais

SISTEMAS DIGITAIS Universidade Católica - Exercício I

SISTEMAS DIGITAIS Universidade Católica - Exercício I SISTEMAS DIGITAIS Universidade Católica - Exercício I Nome do Aluno : Gabarito 1) Associe as definições abaixo : (a) Base de Numeração (b) Símbolos de um sistema de numeração (c) Valor de um número (d)

Leia mais

Curso Técnico em Informática. Rafael Barros Sales Tecnico em Informática CREAC/AC Teclogo em Redes de Computadores

Curso Técnico em Informática. Rafael Barros Sales Tecnico em Informática CREAC/AC Teclogo em Redes de Computadores Curso Técnico em Informática Rafael Barros Sales Tecnico em Informática CREAC/AC Teclogo em Redes de Computadores Visão Geral Para entender o papel que os computadores exercem em um sistema de redes, considere

Leia mais

MEC1100 Manual de Instruções v2010.10

MEC1100 Manual de Instruções v2010.10 MEC1100 Manual de Instruções v2010.10 Linha de Equipamentos MEC Desenvolvidos por: Maxwell Bohr Instrumentação Eletrônica Ltda. Rua Porto Alegre, 212 Londrina PR Brasil http://www.maxwellbohr.com.br 1

Leia mais

Quadro de consulta (solicitação do mestre)

Quadro de consulta (solicitação do mestre) Introdução ao protocolo MODBUS padrão RTU O Protocolo MODBUS foi criado no final dos anos 70 para comunicação entre controladores da MODICON. Por ser um dos primeiros protocolos com especificação aberta

Leia mais

Instruções de operação Guia de segurança

Instruções de operação Guia de segurança Instruções de operação Guia de segurança Para um uso seguro e correto, certifique-se de ler as Informações de segurança em 'Leia isto primeiro' antes de usar o equipamento. CONTEÚDO 1. Instruções iniciais

Leia mais

RECEPTOR - MULTIFUNÇÃO 076-RECMULTIFUNC-RV10

RECEPTOR - MULTIFUNÇÃO 076-RECMULTIFUNC-RV10 LINEAR-HCS http://www.linear-hcs.com.br/ RUA SÃO JORGE, 267 - TELEFONE: 2823-8800 SÃO CAETANO DO SUL - SP - CEP: 09530-250 Atualizado em 16/11/2009 RECEPTOR - MULTIFUNÇÃO 076-RECMULTIFUNC-RV10 1.CARACTERÍSTICAS:

Leia mais

Soft-Starter SSW-06 Manual da Comunicação Profibus DP e DeviceNet

Soft-Starter SSW-06 Manual da Comunicação Profibus DP e DeviceNet Soft-Starter SSW-06 Manual da Comunicação Profibus DP e DeviceNet 10/2007 Série: SSW-06 SSW-06: V1.4x 0899.5843 P/4 Sumário REDES FIELDBUS... 4 ABREVIAÇÕES E DEFINIÇÕES... 4 REPRESENTAÇÃO NUMÉRICA... 4

Leia mais

Introdução à Lógica de Programação. / NT Editora. -- Brasília: 2013. 135p. : il. ; 21,0 X 29,7 cm.

Introdução à Lógica de Programação. / NT Editora. -- Brasília: 2013. 135p. : il. ; 21,0 X 29,7 cm. Autor José Jesse Gonçalves Graduado em Licenciatura em Matemática pela Universidade Estadual de São Paulo - UNESP, de Presidente Prudente (1995), com especialização em Análise de Sistemas (1999) e mestrado

Leia mais

Arquitetura de Computadores Universidade Guarulhos Prof. Erwin A. Uhlmann

Arquitetura de Computadores Universidade Guarulhos Prof. Erwin A. Uhlmann Arquitetura de Computadores Universidade Guarulhos Prof. Erwin A. Uhlmann Guarulhos PLANEJAMENTO EMENTA: Sistemas numéricos. Aritmética binária. Memórias, unidades centrais de processamento, entrada e

Leia mais

WATCHDOG ELITE NTC OPÇÃO DE COMUNICAÇÕES SERIAIS

WATCHDOG ELITE NTC OPÇÃO DE COMUNICAÇÕES SERIAIS WATCHDOG ELITE NTC OPÇÃO DE COMUNICAÇÕES SERIAIS O Watchdog é um equipamento complexo e realiza muitas funções. A função de comunicações é considerada uma função de baixa prioridade e por conta disso,

Leia mais

ABB Automação. 13.82kV 119.4kA. 13.81kV 121.3kA. 13.85kV 120.2kA IDR 144 INDICADOR DIGITAL REMOTO MODO DE USO

ABB Automação. 13.82kV 119.4kA. 13.81kV 121.3kA. 13.85kV 120.2kA IDR 144 INDICADOR DIGITAL REMOTO MODO DE USO IDR 144 INDICADOR DIGITAL REMOTO MODO DE USO 13.82kV 119.4kA 13.81kV 121.3kA 13.85kV 120.2kA Dados Técnicos Conexões elétricas Utilização do teclado Protocolo de comunicação Modbus RTU Dimensional ABB

Leia mais

Manual de utilização do módulo NSE METH 3E4RL

Manual de utilização do módulo NSE METH 3E4RL INSTALAÇÃO 1 - Baixe o arquivo Software Configurador Ethernet disponível para download em www.nse.com.br/downloads-manuais e descompacte-o em qualquer pasta de sua preferência. 2 - Conecte a fonte 12Vcc/1A

Leia mais

Manual de operações e instruções

Manual de operações e instruções Manual de operações e instruções Transmissor e Indicador de Vazão de Ar TIVA Com display LCD Rua Cincinati, 101 - São Paulo -SP Tel. / Fax (011) 5096-4654 - 5096-4728. E-mail: vectus@vectus.com.br Para

Leia mais

Redes de Computadores 1ª Colecção Exercícios diversos 2 de Novembro de 2006 Arquitecturas de comunicação, controlo de acesso ao meio

Redes de Computadores 1ª Colecção Exercícios diversos 2 de Novembro de 2006 Arquitecturas de comunicação, controlo de acesso ao meio I Introdução e modelos de Referência (OSI e TCPIP) ) Considere um sistema de comunicação, cuja arquitectura é baseada num modelo hierárquico e constituído por 4 camadas numeradas de a 4 (da inferior para

Leia mais

Software de Programação. Atos BRiO Soft. Manual de Utilização (MA.005.01-06/11) 2011

Software de Programação. Atos BRiO Soft. Manual de Utilização (MA.005.01-06/11) 2011 Software de Programação Manual de Utilização (MA.005.01-06/11) 2011 MA.005.01-06/11 01/07/2011 Manual de Utilização Este manual não pode ser reproduzido, total ou parcialmente, sem autorização por escrito

Leia mais

Comunicação de Dados

Comunicação de Dados UNISUL 2013 / 1 Universidade do Sul de Santa Catarina Engenharia Elétrica - Telemática 1 Comunicação de Dados Aula 6 Agenda Projeto da camada de enlace de dados Detecção e correção de erros Protocolos

Leia mais

(versão 01.00.00) MANUAL DE OPERAÇÃO SOFTWARE DEMOLOG2 VERSÃO MANUAL 1.00

(versão 01.00.00) MANUAL DE OPERAÇÃO SOFTWARE DEMOLOG2 VERSÃO MANUAL 1.00 Produto: Marca: Modelos: ECF-IF DATAREGIS 3202DT e 6000EP (versão 01.00.00) MANUAL DE OPERAÇÃO SOFTWARE DEMOLOG2 VERSÃO MANUAL 1.00 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO...3 2. AMBIENTE...3 3. INSTALAÇÃO...3 4. TELA PRINCIPAL...4

Leia mais

CODIFICADORES / DECODIFICADORES

CODIFICADORES / DECODIFICADORES CODIFICADORES / DECODIFICADORES Uma grande parte dos sistemas digitais trabalha com os níveis lógicos (bits) representando informações que são codificadas em bits. Exemplo: computador trabalha com informações

Leia mais

Sistema de Memórias de Computadores

Sistema de Memórias de Computadores Sistema de Memórias de Computadores Uma memória é um dispositivo que permite um computador armazenar dados temporariamente ou permanentemente. Sabemos que todos os computadores possuem memória. Mas quando

Leia mais

Keypad com IR via Rede I 2 C

Keypad com IR via Rede I 2 C Keypad com IR via Rede I 2 C O Keypad para µdx200 é um dispositivo com 8 teclas momentâneas e 8 leds indicativos, muito usado em automações residenciais e prediais. Ele substitui as tradicionais chaves

Leia mais

Hamtronix CONTROLE REMOTO DTMF. CRD200 - Manual de Instalação e Operação. Software V 2.0 Hardware Revisão B

Hamtronix CONTROLE REMOTO DTMF. CRD200 - Manual de Instalação e Operação. Software V 2.0 Hardware Revisão B Hamtronix CRD200 - Manual de Instalação e Operação Software V 2.0 Hardware Revisão B INTRODUÇÃO Índice...01 Suporte On-line...01 Termo de Garantia...01 Em Caso de Problemas (RESET)...01 Descrição do Produto...02

Leia mais

CURSO: Engenharia Elétrica e Engenharia de Computação. DISCIPLINA: Circuitos Lógicos I Z520234

CURSO: Engenharia Elétrica e Engenharia de Computação. DISCIPLINA: Circuitos Lógicos I Z520234 FACULDADE DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E URBANISMO CURSO: Engenharia Elétrica e Engenharia de Computação. DISCIPLINA: Circuitos Lógicos I Z520234 2 a Série de Exercícios - Resolução Sistemas de Numeração

Leia mais

Passo a Passo do Cadastro Funcionários no SIGLA Digital

Passo a Passo do Cadastro Funcionários no SIGLA Digital Passo a Passo do Cadastro Funcionários no SIGLA Digital Funcionários Página 1 de 12 O cadastro de funcionários permite cadastrar o usuário que vai utilizar o SIGLA Digital e também seus dados pessoais.

Leia mais

EFA / S13 SIS Ricardo Castanhinha / Nº 21322 STC / Formadoras Alexandra Formosinho & Isabel Carvalho. Sistema Binário

EFA / S13 SIS Ricardo Castanhinha / Nº 21322 STC / Formadoras Alexandra Formosinho & Isabel Carvalho. Sistema Binário EFA / S13 SIS Sistema Binário SISTEMA BINÁRIO Estamos acostumados a utilizar o SISTEMA DECIMAL DE NUMERAÇÃO. Esse sistema usa 10 algarismos para formar todos os números: 0, 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, e 9.

Leia mais

Conversor IP Shellby RS-232 ( TCP-IP)

Conversor IP Shellby RS-232 ( TCP-IP) Conversor IP Shellby RS-232 ( TCP-IP) Gradual Tecnologia Ltda. Manual do Conversor RS-232 Ethernet 1 ÍNDICE CARACTERÍSTICAS DO APARELHO... 3 DESCRIÇÃO:... 3 CARACTERÍSTICAS MECÂNICAS:... 3 PINAGEM... 4

Leia mais

Capítulo 4 Gerenciamento de Memória

Capítulo 4 Gerenciamento de Memória Capítulo 4 Gerenciamento de Memória 4.1 Gerenciamento básico de memória 4.2 Troca de processos 4.3 Memória virtual 4.4 Algoritmos de substituição de páginas 4.5 Modelagem de algoritmos de substituição

Leia mais

Manual de Configuração e Operação

Manual de Configuração e Operação ALFA INSTRUMENTOS ELETRÔNICOS LTDA Manual de Configuração e Operação Última alteração Número do documento 21/02/2013 10:38 Este documento contém os procedimentos de configuração e operação do sistema de

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO TETROS MOTO V2. N de Homologação: 1702-09-2791. Versão 1.00

MANUAL DE INSTALAÇÃO TETROS MOTO V2. N de Homologação: 1702-09-2791. Versão 1.00 MANUAL DE INSTALAÇÃO TETROS MOTO V2 N de Homologação: 1702-09-2791 Versão 1.00 Manual de Instalação TETROS MOTO V2 2 Índice 1. Introdução... 3 2. Especificações técnicas... 3 3. Conhecendo o equipamento...

Leia mais

Registrador Field Logger

Registrador Field Logger Registrador Field Logger REGISTRADOR ELETRÔNICO MANUAL DE INSTRUÇÕES V2.0X INTRODUÇÃO Este é um equipamento de aquisição e registro de variáveis analógicas. Opera como um Registrador Eletrônico de dados,

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO

MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO VIAWEBiBUS MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO V1.04 R1.20 Setembro/2012 Aplicável para as seguintes versões de produtos: Ponto de Acesso V1.04 Roteador V1.01 Sensor Magnético V1.13 Sensor IVP V1.02 Sensor

Leia mais

Características. Conteúdo. Ligações. Tabela de Revisões

Características. Conteúdo. Ligações. Tabela de Revisões Manual AP-60 2011 Acura Global Rev. A.2 sales@acuraglobal.com Tel.: +55 11 3028-4600 Matriz: Rua Reginata Ducca, 73 09626-100 São Bernardo do Campo SP Fábrica: Doutor Domiciano Costa Moreira, 266 37500-202

Leia mais

O cursor se torna vermelho e uma Paleta de Edição contendo as instruções mais utilizadas é apresentada.

O cursor se torna vermelho e uma Paleta de Edição contendo as instruções mais utilizadas é apresentada. Editor de Ladder para VS7 Versão Teste O editor de ladder é um software de programação que permite que o VS7 e o µsmart sejam programados em linguagem de contatos. Esse editor está contido na pasta Público

Leia mais

1. TSA 12.1.9... 3 1.1 Inovação - TSA 12.1.9... 3 1.1.1 DT_Adaptacao_TSA_REP_INMETRO... 3 1.1.2 DT_Coleta_e_Integracao_de_Marcacoes... 3 1.1.

1. TSA 12.1.9... 3 1.1 Inovação - TSA 12.1.9... 3 1.1.1 DT_Adaptacao_TSA_REP_INMETRO... 3 1.1.2 DT_Coleta_e_Integracao_de_Marcacoes... 3 1.1. TOTVS 1. TSA 12.1.9................................................................................................. 3 1.1 Inovação - TSA 12.1.9...................................................................................

Leia mais

Controladores Lógicos Programáveis CLP (parte-3)

Controladores Lógicos Programáveis CLP (parte-3) Controladores Lógicos Programáveis CLP (parte-3) Mapeamento de memória Na CPU (Unidade Central de Processamento) de um CLP, todas a informações do processo são armazenadas na memória. Essas informações

Leia mais

Agora, além de adquirir um equipamento de excelente qualidade, você contará

Agora, além de adquirir um equipamento de excelente qualidade, você contará Obrigado por escolher a LIBRACOM! Agora, além de adquirir um equipamento de excelente qualidade, você contará com uma equipe de suporte ágil, dinâmica e diferenciada para resolver todos os problemas que

Leia mais

Manual de instalação e configuração do módulo de entradas WEBER-REP

Manual de instalação e configuração do módulo de entradas WEBER-REP Manual de instalação e configuração do módulo de entradas WEBER-REP Sumário CONVENÇÕES UTILIZADAS...3 DESCRIÇÃO GERAL...4 VANTAGENS...4 CARACTERÍSTICAS ELÉTRICAS...4 ESPECIFICAÇÕES GERAIS...5 LED DE STATUS

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Tipos de Instruções

Arquitetura de Computadores. Tipos de Instruções Arquitetura de Computadores Tipos de Instruções Tipos de instruções Instruções de movimento de dados Operações diádicas Operações monádicas Instruções de comparação e desvio condicional Instruções de chamada

Leia mais

Introdução à estrutura e funcionamento de um Sistema Informático

Introdução à estrutura e funcionamento de um Sistema Informático Introdução à estrutura e funcionamento de um Sistema Informático Elementos que constituem o Computador O funcionamento do computador é possível devido aos vários elementos interligados que o constituem:

Leia mais

Indicador de pesagem. WT3000-I-Plus. Manual Técnico. Versão 03. Soluções Globais em Sistemas de Pesagem

Indicador de pesagem. WT3000-I-Plus. Manual Técnico. Versão 03. Soluções Globais em Sistemas de Pesagem Indicador de pesagem Manual Técnico Versão 03 Soluções Globais em Sistemas de Pesagem Obrigado por escolher a WEIGHTECH! Agora, além de adquirir um equipamento de excelente qualidade, você contará com

Leia mais

MADIS RODBEL SOLUÇÕES DE PONTO E ACESSO LTDA

MADIS RODBEL SOLUÇÕES DE PONTO E ACESSO LTDA MADIS RODBEL SOLUÇÕES DE PONTO E ACESSO LTDA Manual de operação Relógio MD 5705 Revisão 1.02 Maio de 2010 1 Índice Apresentação... 3 Display de LCD... 3 Leitor de crachás... 3 Leitor biométrico... 3 Teclado...

Leia mais

Principais códigos utilizados. Codificação. Código binário puro. Codificação binária. Codificação Binária. Código Binário puro e suas variantes

Principais códigos utilizados. Codificação. Código binário puro. Codificação binária. Codificação Binária. Código Binário puro e suas variantes Codificação Principais códigos utilizados Computadores e Equipamentos de Comunicações Digitais trabalham com representação e códigos. A codificação binária de sinais é largamente utilizada em Sistemas

Leia mais

OPL9815 Inventário Configurável

OPL9815 Inventário Configurável OPL9815 Inventário Configurável Versão: PXOINCG (OPL9815) 30/09/2015: Revisão 01 Opticon Latin America Versão: INCG - Página 1 1. Funcionalidades... 3 2. Teclas... 3 3. Estrutura de Menus... 4 3. 1. Coleta...

Leia mais

Acionamento através de senha*, cartão de proximidade e biometria. Compatível com fechaduras magnéticas, eletroímãs e cancelas.

Acionamento através de senha*, cartão de proximidade e biometria. Compatível com fechaduras magnéticas, eletroímãs e cancelas. 1/8 Visão Geral: Instalação e configuração simplificada. Alta capacidade de armazenamento de registros e usuários. Acionamento através de senha*, cartão de proximidade e biometria. Compatível com fechaduras

Leia mais

Indicador de pesagem. WT3000-I-Plus. Manual Técnico. Versão 04, Revisão 05. Soluções Globais em Sistemas de Pesagem

Indicador de pesagem. WT3000-I-Plus. Manual Técnico. Versão 04, Revisão 05. Soluções Globais em Sistemas de Pesagem Indicador de pesagem Manual Técnico Versão 04, Revisão 05 Soluções Globais em Sistemas de Pesagem Obrigado por escolher a WEIGHTECH! Agora, além de adquirir um equipamento de excelente qualidade, você

Leia mais

Manual do instalador Box Output DC Rev. 0.01.000. Figura 01 Apresentação do Box Output DC.

Manual do instalador Box Output DC Rev. 0.01.000. Figura 01 Apresentação do Box Output DC. Pág. 1/10 Apresentação Equipamento para acionamento de cargas em corrente contínua. Comunicação com outros dispositivos por rede CAN. 6 entradas digitais para acionamento local ou remoto. 6 entradas/saídas

Leia mais

GUIA PARA HABILITAÇÃO DAS BIOMETRIAS LINEAR (SÉRIE LN) NO SOFTWARE HCS 2010 V9.0 (BETA 3) 11/06/2014

GUIA PARA HABILITAÇÃO DAS BIOMETRIAS LINEAR (SÉRIE LN) NO SOFTWARE HCS 2010 V9.0 (BETA 3) 11/06/2014 GUIA PARA HABILITAÇÃO DAS BIOMETRIAS LINEAR (SÉRIE LN) NO SOFTWARE HCS 2010 V9.0 (BETA 3) 11/06/2014 A partir da versão 9.0 (BETA 3) do Software HCS 2010 é possível monitorar e gerenciar as biometrias

Leia mais

Vectra L1 / L2. Manual de instruções

Vectra L1 / L2. Manual de instruções Vectra L1 / L2 Manual de instruções Versão 05. 2004 1 Índice Introdução...3 Instalação...3 Setup...5 Display...7 Acionando o módulo de impressora...8 Mensagens de sistema...8 Atualizações...9 Programação

Leia mais

Daycom Industria e Tecnologia. Atendimento. (67)3042-0201 Rua Senador Ponce, JD. Paulista Campo Grande, MS CEP: 79050-220

Daycom Industria e Tecnologia. Atendimento. (67)3042-0201 Rua Senador Ponce, JD. Paulista Campo Grande, MS CEP: 79050-220 Daycom Industria e Tecnologia Atendimento (67)3042-0201 Rua Senador Ponce, JD. Paulista Campo Grande, MS CEP: 79050-220 Indice Controle remoto... 3 Funcionamento... 3 Controle de acesso... 4 Automação

Leia mais

Sistema de Recolhimentos

Sistema de Recolhimentos Divisão de Arrecadação DIAR/CFI/PRAD Sistema de Recolhimentos Manual do Usuário Contribuinte NTI Núcleo de Tecnologia da Informação 1. Sistema de Recolhimentos A Guia de Recolhimentos da União, ou GRU,

Leia mais

Comunicação de Dados. Aula 5 Transmissão Analógica

Comunicação de Dados. Aula 5 Transmissão Analógica Comunicação de Dados Aula 5 Transmissão Analógica Sumário Modulação de sinais digitais Tipos de Modulação Taxa de transmissão x Taxa de modulação Modulação por amplitude Modulação por freqüência Modulação

Leia mais

Capítulo 1 Introdução

Capítulo 1 Introdução Capítulo 1 Introdução Hardware nada mais é do que a parte física de um computador. Uma placa mãe, um disco duro, um gravador de CDs, etc., são o Hardware do computador pessoal. Quando se fala em montar

Leia mais

CAPÍTULO 6 COMUNICAÇÃO SERIAL

CAPÍTULO 6 COMUNICAÇÃO SERIAL CAPÍTULO 6 COMUNICAÇÃO SERIAL DEIXADO INTENCIONALMENTE EM BRANCO ÌNDICE 1 COMUNICAÇÃO SERIAL... 5 1.1 - Enviar um arquivo do Proteo... 6 1.2 - Receber um arquivo No Proteo... 9 1.3 - Verificando resultados

Leia mais

GIN - Informações Gerais

GIN - Informações Gerais GIN - Informações Gerais Este documento contém a especificação complementar dos demais Guias constantes desta documentação. No guia foi utilizada técnica HYPERLINK para facilitar o direcionamento para

Leia mais

Circuitos Digitais 144L

Circuitos Digitais 144L Circuitos Digitais Notas de Aula - 02 INSTITUTO: CURSO: DISCIPLINA: Instituto de Ciências Exatas e Tecnologia Ciência da Computação e Sistemas de Informação Circuitos Digitais 144L 1.0 Circuitos Combinacionais.

Leia mais

MANUAL DE USO E CONFIGURAÇÃO DO SOFTWARE SUPERVISÓRIO. BETTA SSB net V 2.01

MANUAL DE USO E CONFIGURAÇÃO DO SOFTWARE SUPERVISÓRIO. BETTA SSB net V 2.01 MANUAL DE USO E CONFIGURAÇÃO DO SOFTWARE SUPERVISÓRIO BETTA SSB net V 2.01 CONSIDERAÇÕES INICIAIS: O software Supervisório Betta SSB net V 2.01 foi concebido para auxiliar o monitoramento de centrais endereçáveis

Leia mais

Versão para atualização do Gerpos Retaguarda

Versão para atualização do Gerpos Retaguarda Versão para atualização do Gerpos Retaguarda A Gerpos comunica a seus clientes que nova versão do aplicativo Gerpos Retaguarda, contendo as rotinas para emissão da Nota Fiscal Eletrônica, já está disponível.

Leia mais

Remota de Telemetria CPU-44440-SEG. www.liteautomacao.com.br 1

Remota de Telemetria CPU-44440-SEG. www.liteautomacao.com.br 1 Remota de Telemetria CPU-44440-SEG www.liteautomacao.com.br 1 Índice Descrição...4 Conexões...5 Características Principais...6 Características Elétricas...7 Pinagem e conexões...8 Comunicações...12 Protocolos...13

Leia mais

Compatível com: Solução SMS para Gerenciamento de Missões Críticas

Compatível com: Solução SMS para Gerenciamento de Missões Críticas Nobreak senoidal on-line trifásico dupla conversao ~ 10 a 100 kva PERFIL Compatível com: Solução SMS para Gerenciamento de Missões Críticas de 10 a 60 kva 75 e 100 kva A linha de nobreaks SMS Sinus Triphases

Leia mais

Manual dos comandos em Modbus-RTU

Manual dos comandos em Modbus-RTU ALFA INSTRUMENTOS ELETRÔNICOS LTDA Manual dos comandos em Modbus-RTU Última alteração Número do documento 20/06/2013 09:12 Este documento contém os comandos disponíveis no protocolo de comunicação Modbus-RTU

Leia mais

Software Ativo. Operação

Software Ativo. Operação Software Ativo Operação Página deixada intencionalmente em branco PROTEO MANUAL OPERAÇÃO SUMÁRIO 1 - INSTALAÇÃO DO SOFTWARE ATIVO... 5 2 CRIANDO PROJETO UVS/ TMS PROTEO... 10 2.1 - Estrutura do Projeto...

Leia mais

Eletrônica Industria e Comércio Ltda www.amcp.com.br

Eletrônica Industria e Comércio Ltda www.amcp.com.br Ligação a Microcomputador Ver. 2.0 de 07/11/2011 O DIM4 pode ser muito mais facilmente programado através de um programa em microcomputador. Para tanto é necessário uma interface USB-TTL como a figura

Leia mais

HCN/HCS SERIES CÂMERAS E CONVERSORES IP

HCN/HCS SERIES CÂMERAS E CONVERSORES IP HCN/HCS SERIES CÂMERAS E CONVERSORES IP Obrigado por utilizar os produtos Dimy s. Antes de operar o equipamento, leia atentamente as instruções deste manual para obter um desempenho adequado. Por favor,

Leia mais

www.vwsolucoes.com Copyright 2013 VW Soluções

www.vwsolucoes.com Copyright 2013 VW Soluções 1 1. Especificação técnicas: Dimensões do módulo 4EA2SA v1.0: 100 mm x 56 mm Peso aproximado: xxx gramas (montada). Alimentação do circuito : 12 ou 24Vcc Tipo de comunicação: RS232 ou RS485 Tensão de referencia:

Leia mais

Técnico/a de Refrigeração e Climatização

Técnico/a de Refrigeração e Climatização Técnico/a de Refrigeração e Climatização 1315 Eletricidade e eletrónica - programação de autómatos 2013/ 2014 Gamboa 1 Introdução Automação, estudo dos métodos e procedimentos que permitem a substituição

Leia mais

Catálogo de Produtos 2015

Catálogo de Produtos 2015 Catálogo de Produtos 2015 1 Índice 1- Leitores de Proximidade EM4102 1.1 - EasyProx-P... 3 1.2 - MaxProx-Lista-CM... 4 1.3 - MaxProx-USB... 5 2 - Cartões de Proximidade 2.1 Cartões Proximidade EM4102...

Leia mais

R O B Ó T I C A. Sensor Smart. Ultrassom. Versão Hardware: 1.0 Versão Firmware: 1.0 REVISÃO 1211.13. www.robouno.com.br

R O B Ó T I C A. Sensor Smart. Ultrassom. Versão Hardware: 1.0 Versão Firmware: 1.0 REVISÃO 1211.13. www.robouno.com.br R O B Ó T I C A Sensor Smart Ultrassom Versão Hardware: 1.0 Versão Firmware: 1.0 REVISÃO 1211.13 Sensor Smart Ultrassom 1. Introdução Os sensores de ultrassom ou ultrassônicos são sensores que detectam

Leia mais

Comandos de Pesagem para Protocolo ALFA Instrumentos

Comandos de Pesagem para Protocolo ALFA Instrumentos Comandos de Pesagem para Protocolo ALFA Instrumentos 1. Introdução Este documento descreve o Protocolo de Comunicação Serial Assíncrona de Dados e deve ser utilizado para propiciar a comunicação de dados

Leia mais

Manual de Operação LINHA UR LIGHT

Manual de Operação LINHA UR LIGHT Manual de Operação LINHA UR LIGHT 1 APRESENTAÇÃO Este equipamento atende os usuários que necessitam automatizar ou agilizar processos que envolvam pesagem ou dosagens de receitas. O comando UR LIGHT possui

Leia mais

Manual de instalação e configuração do módulo de saídas NSR-08

Manual de instalação e configuração do módulo de saídas NSR-08 Manual de instalação e configuração do módulo de saídas NSR-08 Sumário DESCRIÇÃO GERAL...4 VANTAGENS...4 CARACTERÍSTICAS...4 LED DE STATUS DO MODULO...4 ESQUEMA DE LIGAÇÕES...5 LIGAÇÃO DO CABO DE COMUNICAÇÃO...6

Leia mais

GUINDASTE CONTROLADO POR PC ATRAVÉS DE INTERFACE SERIAL RS- 232

GUINDASTE CONTROLADO POR PC ATRAVÉS DE INTERFACE SERIAL RS- 232 GUINDASTE CONTROLADO POR PC ATRAVÉS DE INTERFACE SERIAL RS- 232 Carlos Renato Borges dos Santos Instituto Federal de Minas Gerais - IFMG Departamento de Engenharia Elétrica Campus Formiga MG carlos.renato@ifmg.edu.br

Leia mais

* Acesso à programação protegido por senha; * Alimentação: 90 a 240Vca (Fonte chaveada).

* Acesso à programação protegido por senha; * Alimentação: 90 a 240Vca (Fonte chaveada). PROGRAMADOR HORÁRIO MANUAL DE INSTRUÇÕES MTZ622R - 90~240VCA - P504 VERSÃO.0 ABRIL/202 * Acesso à programação protegido por senha; * Alimentação: 90 a 240Vca (Fonte chaveada). 3.2 DIMENSÕES PLACA IHM:

Leia mais

ATO HOMOLOGATÓRIO ECF Nº 09/06

ATO HOMOLOGATÓRIO ECF Nº 09/06 ATO HOMOLOGATÓRIO ECF Nº 09/06 O GERENTE FISCAL, no uso de suas atribuições, Considerando o disposto no Regulamento do ICMS aprovado pelo Decreto n 1.090-R, de 25 de outubro de 2002, 1 do art. 695, Considerando

Leia mais

CAPÍTULO 2 CARACTERÍSTICAS DE E/S E PORTA PARALELA

CAPÍTULO 2 CARACTERÍSTICAS DE E/S E PORTA PARALELA 8 CAPÍTULO 2 CARACTERÍSTICAS DE E/S E PORTA PARALELA A porta paralela, também conhecida por printer port ou Centronics e a porta serial (RS-232) são interfaces bastante comuns que, apesar de estarem praticamente

Leia mais