CODIFICADORES / DECODIFICADORES

Save this PDF as:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CODIFICADORES / DECODIFICADORES"

Transcrição

1 CODIFICADORES / DECODIFICADORES Uma grande parte dos sistemas digitais trabalha com os níveis lógicos (bits) representando informações que são codificadas em bits. Exemplo: computador trabalha com informações alfanuméricas; a calculadora com informações numéricas; a telefonia digital com canais de voz convertidos para a forma digital; cd laser com sinais sonoros. Estes sistemas não entendem a informação que processam na forma de letras, números, sinais sonoros,... e sim, na forma de bits, sendo necessário transformar estas informações na forma de códigos binários. Devido à diversidade de informações e ao desenvolvimento da eletrônica digital, vários códigos foram criados e consequentemente vários circuitos para a codificação e decodificação destas informações. Os codificadores e decodificadores são circuitos combinacionais dedicados: circuitos comuns em projetos de sistemas digitais devido às funções lógicas que executam, sendo encontrados prontos em circuitos integrados comerciais. Exemplos de códigos. Código BCD 8421 Também chamado simplesmente de BCD Binary Coded Decimal (Decimal Codificado em Binário), é composto por quatro bits, tendo cada bit um peso equivalente ao do sistema numérico binário: 1 para o primeiro bit à direita, que é chamado de bit menos significativo (LSB Least Significant Bit); 2 para o segundo bit à direita; 4 para o terceiro; 8 para o quarto bit à direita, que é chamado de bit mais significativo (MSB Most Significant Bit); Desta forma este código representa os números decimais de 0 a 9 no sistema binário. Decimal BCD Cefet/PR Cornélio Procópio 1

2 Ao invés de se converter um número formado por diversos dígitos para o sistema binário os sistemas digitais que utilizam este código podem converter cada dígito do número para o BCD = = Código BCH O código Binary Coded Hexadecimal (Hexadecimal Codificado em Binário) é análogo ao código BCD com a diferença de representar os algarismos do sistema hexadecimal através das combinações possíveis com quatro bits. Decimal BCH A B C D E F Código ASCII Um exemplo de código binário é o código ASCII American Standard Code for Information Interchange (Código Americano Padrão para a Troca de Informações), que foi criado para padronizar a troca de informações ou dados entre os computadores, seus periféricos (teclado, monitor,...) e é utilizado também em alguns sistemas de comunicação de dados. É composto por sete bits para codificar várias informações diferentes como números, letras, símbolos especiais, sinais de Cefet/PR Cornélio Procópio 2

3 controle de transmissão, sinais de controle de formatação e sinais de controle de dispositivos. B B B B 4 B 3 B 2 B 1 Hex NUL DLE Sp P p SOH DC1! 1 A Q a q STX DC2 2 B R b r ETC DC3 # 3 C S c s EOT DC4 $ 4 D T d t ENQ NAK % 5 E U e u ACK SYN & 6 F V f v Bel ETB 7 G W g w BS CAN ( 8 H X h x HT EM ) 9 I Y i y A LF SUB * : J Z j z B VT Esc + ; K [ k { C LF FS, < L \ l D CR GS - = M ] m } E SO RS. > N ^ n ~ F SI US /? O _ o Del Código: Significado: NUL (Null char) caracter nulo SOH (Start of Header) começo do cabeçalho de transmissão STX (Start of Text) início do texto ETX (End of Text) fim do texto EOT (End of Transmission) fim da transmissão ENQ (Enquiry) questionamento Cefet/PR Cornélio Procópio 3

4 ACK (Acknowledgment) reconhecimento Bel (Bell) campainha BS (Backspace) retorno do carro HT (Horizontal Tab) tabulação horizontal LF (Line Feed) alimentação da linha VT (Vertical Tab) tabulação vertical FF (Form Feed) alimentação de papel CR (Carriage Return) enter SO (Shift Out) shift SI (Shift In) shift DLE (Data Link Escape) queda do link de dados DC1 (XON) (Device Control 1) dispositivo de controle 1 DC2 (Device Control 2) dispositivo de controle 2 DC3 (XOFF)(Device Control 3) dispositivo de controle 3 DC4 (Device Control 4) dispositivo de controle 4 NAK (Negative Acknowledgement) reconhecimento negado SYN (Synchronous Idle) sincronismo ETB (End of Trans. Block) fim do bloco de transmissão CAN (Cancel) cancelar EM (End of Medium) fim da mídia SUB (Substitute) substituto Esc (Escape) tecla Esc FS (File Separator) separador de arquivo GS (Group Separator) separador de grupo RS (Request to Send)(Record Separator) solicitação de envio US (Unit Separator) separador de unidade Sp (Space) espaço Exemplos: - pressionando-se a tecla F do teclado de um microcomputador internamente é gerado o código B 7 B 6 B 5 B 4 B 3 B 2 B 1 B 0 = ; - pressionando-se a tecla f do teclado de um microcomputador internamente é gerado o código B 7 B 6 B 5 B 4 B 3 B 2 B 1 B 0 = ; - tecla 3 : B 7 B 6 B 5 B 4 B 3 B 2 B 1 B 0 = ; - tecla espaço: B 7 B 6 B 5 B 4 B 3 B 2 B 1 B 0 = ; - tecla shift: B 7 B 6 B 5 B 4 B 3 B 2 B 1 B 0 = ou ; Código de Em virtude de transientes, ruídos e outras perturbações, erros de 1 bit às vezes ocorrem quando um dado na forma digital é transmitido por linhas telefônicas ou outros meios de transmissão de dados. Uma maneira de detectar estes erros é incluir um ou mais bits com os bits dos dados a serem transmitidos, de modo que Cefet/PR Cornélio Procópio 4

5 estes bits adicionais sejam gerados a partir de uma combinação dos bits dos dados. Um modo de se efetuar este tipo de transmissão de dados é adicionar um bit de - bit adicional que indicará se o número de bits 1 dos dados será par ou ímpar. Ex.: bit de = 0 número par de bits 1 1 número ímpar de bits 1 bit de informação Na transmissão de dados, o circuito transmissor deve possuir um gerador de e o circuito receptor um verificador de, trabalhando como um codificador e decodificador. Cabe observar que o bit de não faz parte da informação em si, sendo parte somente do processo de transmissão. Assim, ao invés de se transmitir somente os bits dos dados, se transmite um bit à mais (no exemplo acima a informação a ser transmitida é constituída por quatro bits mas são transmitidos cinco bits). O gerador de pode criar um bit de de valor 0 para um número par e 1 para um número ímpar de bits 1 da informação, respectivamente. Este tipo de geração de é chamada de geração de par. No caso contrário, quando é gerado 1 para um número par e 0 para um número ímpar de bits 1, é chamada geração de ímpar. bit de informação par ímpar Um circuito gerador e verificador de é o ou exclusivo (exclusive or). Abaixo é mostrado um gerador de par e um verificador. Para gerar a ímpar basta inverter a saída da porta lógica ou exclusivo na saída do gerador de ( ). A última porta lógica indica se os sinais do gerador e verificador são iguais, fornecendo 0 caso a transmissão seja efetuada com sucesso e 1 caso ocorram erros na transmissão. Cefet/PR Cornélio Procópio 5

6 E 0 E 1 E 2 E 3 S 2 gerador de verificador de = S 2 : 0 S 2 : 1 Codificadores Os codificadores são circuitos lógicos dedicados que convertem informações alfanuméricas ou de controle para um código determinado. A maior aplicação dos codificadores está na conversão de dados de um sistema de interface com o usuário, como o teclado, para o código com o qual o respectivo sistema digital trabalha. Codificador Decimal - BCD 0 1 E 9 E 8 9E 7 E 6 E 5 E 4 E 3 E 2 E 1 Codificador Decimal BCD S 3 (MSB) S 2 S 0 (LSB) E 0 E 9 E 8 E 7 E 6 E 5 E 4 E 3 E 2 E 1 E 0 S 3 S 2 S Cefet/PR Cornélio Procópio 6

7 S 3 = E 8 + E 9 S 2 = E 4 + E 5 + E 6 + E 7 = E 2 + E 3 + E 6 + E 7 S 0 = E 1 + E 3 + E 5 + E 7 + E 9 E 9 E 8 E 7 E 6 E 5 E 4 E 3 E 2 E 1 E 0 S 3 (MSB) S 2 S 0 (LSB) Cefet/PR Cornélio Procópio 7

SISTEMAS DIGITAIS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

SISTEMAS DIGITAIS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula 8 - Antes de começar o estudo sobre decodificadores, o que é bastante semelhante ao que já vimos anteriormente é necessário relembrarmos alguns conceitos sobre códigos binários. 1. Códigos Binários

Leia mais

Introdução à Informática

Introdução à Informática Introdução à Informática Sistemas Numéricos e Armazenamento de dados Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Outubro de 2006 Sistema de base dez O sistema de numeração

Leia mais

Circuitos Digitais 144L

Circuitos Digitais 144L Circuitos Digitais Notas de Aula - 02 INSTITUTO: CURSO: DISCIPLINA: Instituto de Ciências Exatas e Tecnologia Ciência da Computação e Sistemas de Informação Circuitos Digitais 144L 1.0 Circuitos Combinacionais.

Leia mais

Representação de Dados e Sistemas de Numeração

Representação de Dados e Sistemas de Numeração 1 Representação de Dados e Sistemas de Numeração Sistema de numeração decimal e números decimais (base 10) Sistema de numeração binário e números binários (base 2) Conversão entre binário e decimal Sistema

Leia mais

ANEXO A. Prof. Erico Lisboa 53 http://www.ericolisboa.eng.br

ANEXO A. Prof. Erico Lisboa 53 http://www.ericolisboa.eng.br ANEXO A TABELA ASCII A As tabelas mostradas neste apêndice representam os 256 códigos usados nos computadores da família IBM. Esta tabela refere-se ao American Standard Code for Information Interchange

Leia mais

CÓDIGOS Código BCD 8421

CÓDIGOS Código BCD 8421 CÓDIGOS Uma grande parte dos sistemas digitais trabalha com os níveis lógicos (bits) representando informações que são codificadas em bits. Exemplo: computador trabalha com informações alfanuméricas; a

Leia mais

004 CTRL-D 036 $ 068 D 100 da. 017 CTRL-Q 049 1 081 Q 113 qopn

004 CTRL-D 036 $ 068 D 100 da. 017 CTRL-Q 049 1 081 Q 113 qopn :: InfoIsis - +qisis - Textos - DOS - 1 :: Home Page Uma abordagem Mais Ferramentas a Conjuntos Que Isis de Textos Caracteres Bases De DOS Dados ASCII no DOSProposta http://www.infoisis.eti.br/mqisi/tex/dos/pgtxdos001.htm

Leia mais

Em um sistema de numeração de base b qualquer, um número positivo é representado pelo polinômio:

Em um sistema de numeração de base b qualquer, um número positivo é representado pelo polinômio: ELETRÔNICA DIGITAl I 1 SISTEMAS DE NUMERAÇÃO INTRODUÇÃO A base dos sistemas digitais são os circuitos de chaveamento (switching) nos quais o componente principal é o transistor que, sob o ponto de vista

Leia mais

Compilação da linguagem Panda

Compilação da linguagem Panda Construção de Compiladores I [BCC328] Atividades Práticas Compilação da linguagem Panda Departamento de Computação Universidade Federal de Ouro Preto Prof. José Romildo Malaquias 22 de abril de 2015 Resumo

Leia mais

VIII. VARIÁVEIS. Tabela I ARQUITETURA DA MEMÓRIA. 0x0000 0x34 0x0001 0xB0 0x0002 0x23. 0xFFFF 0x00

VIII. VARIÁVEIS. Tabela I ARQUITETURA DA MEMÓRIA. 0x0000 0x34 0x0001 0xB0 0x0002 0x23. 0xFFFF 0x00 Fundamentos da Programação 32 A. Conceito Variáveis contém dados: VIII. VARIÁVEIS de entrada que o computador precisa manipular; de saída que o computador precisa imprimir; e temporários, utilizados de

Leia mais

SISTEMAS DIGITAIS SISTEMAS DE NUMERAÇÃO E CÓDIGOS

SISTEMAS DIGITAIS SISTEMAS DE NUMERAÇÃO E CÓDIGOS SISTEMAS DE NUMERAÇÃO E CÓDIGOS SISTEMAS DE NUMERAÇÃO E CÓDIGOS - 2 SUMÁRIO: SISTEMAS DE NUMERAÇÃO DEFINIÇÃO DE SISTEMA DE NUMERAÇÃO EQUIVALENTE DECIMAL OPERAÇÕES ARITMÉTICAS BÁSICAS MUDANÇA DE SISTEMA

Leia mais

Aula 04. Código BCD, Códigos Alfa-numéricos e Sistemas de Detecção de Erros

Aula 04. Código BCD, Códigos Alfa-numéricos e Sistemas de Detecção de Erros Aula 04 Código BCD, Códigos Alfa-numéricos e Sistemas de Detecção de Erros Prof. Otávio Gomes otavio.gomes@ifmg.edu.br sites.google.com/a/ifmg.edu.br/otavio-gomes/ 1 Bytes A maioria dos microcomputadores

Leia mais

Laboratório de Sistemas Processadores e Periféricos

Laboratório de Sistemas Processadores e Periféricos Laboratório de Sistemas Processadores e Periféricos Sistema de Interrupções do 8086 Prática 11 Gustavo G. Parma Assunto: sistema de interrupcões do 8086. Interrupções do DOS Objetivos: Apresentação do

Leia mais

Aula de hoje. Códigos numéricos. Códigos binários. Armazenamento de dados. Armazenamento de dados. Armazenamento de dados

Aula de hoje. Códigos numéricos. Códigos binários. Armazenamento de dados. Armazenamento de dados. Armazenamento de dados SCC 24 - Introdução à Programação para Engenharias Aula de hoje Códigos numéricos Professor: André C. P. L. F. de Carvalho, ICMC-USP Pos-doutorando: Isvani Frias-Blanco Monitor: Henrique Bonini de Britto

Leia mais

Sistema de Numeração e Códigos. CPCX UFMS Prof. Renato F. dos Santos

Sistema de Numeração e Códigos. CPCX UFMS Prof. Renato F. dos Santos Sistema de Numeração e Códigos CPCX UFMS Prof. Renato F. dos Santos 2.4 Código BCD (Binary-coded decimal) Quando um número decimal é representado pelo seu número binário equivalente, dizemos que é uma

Leia mais

Circuitos Combinacionais. Sistemas digitais

Circuitos Combinacionais. Sistemas digitais Circuitos Combinacionais Sistemas digitais Agenda } Codificador X Decodificador } Código BCD 8421, código BCH, código 9876543210 } Display de 7 segmentos } Multiplexador X Demultiplexador } Comparadores

Leia mais

Circuitos Digitais I. Notas de Aula. Sistemas de Representação. Bases e Códigos. Bases

Circuitos Digitais I. Notas de Aula. Sistemas de Representação. Bases e Códigos. Bases Sistemas numéricos Sistemas numéricos 2 Bases Circuitos Digitais I É importante representar valores das informações que desejamos processar; Por exemplo, num sinal amostrado, converter uma amplitude em

Leia mais

Representação de Dados

Representação de Dados Arquitetura de Computadores I Memória Secundária (parte 1) Prof. Raphael Garcia Arquitetura de Computadores I Conteúdo: Representação dos Dados Sistemas de Armazenamento de Dados Mídias de Armazenamento

Leia mais

Sistemas Digitais Representação Digital de Informação

Sistemas Digitais Representação Digital de Informação Sistemas Digitais Representação Digital de Informação João Paulo Baptista de Carvalho (Prof. Auxiliar do IST) joao.carvalho@inesc-id.pt Representação de números em Base b Base 10: 435 10 = 4 x 100 + 3

Leia mais

Prof. Luís Caldas Sistemas de Numeração e Transformação de Base NUMERAÇÃO, BASE NUMÉRICA E TRANSFORMAÇÃO DE UMA BASE

Prof. Luís Caldas Sistemas de Numeração e Transformação de Base NUMERAÇÃO, BASE NUMÉRICA E TRANSFORMAÇÃO DE UMA BASE NUMERAÇÃO, BASE NUMÉRICA E TRANSFORMAÇÃO DE UMA BASE Os números são na verdade coeficientes de uma determinada base numérica e podem ser representados como números assinalados, não assinalados, em complemento

Leia mais

Como funciona um computador eletrônico digital?

Como funciona um computador eletrônico digital? Versão 0.8 Capítulo 2 Como funciona um computador eletrônico digital? Um computador é um dispositivo que faz cálculos, executa instruções definidas e resolve problemas. Por ser eletrônico, funciona com

Leia mais

Fabio Bento fbento@ifes.edu.br

Fabio Bento fbento@ifes.edu.br Fabio Bento fbento@ifes.edu.br Eletrônica Digital Sistemas de Numeração e Códigos 1. Conversões de Binário para Decimal 2. Conversões de Decimal para Binário 3. Sistema de Numeração Hexadecimal 4. Código

Leia mais

Lic. Engenharia Informática

Lic. Engenharia Informática Sistemas de Computação Lic. Engenharia Informática 1º ano 2014/15 Alberto Proença, Luís Paulo Santos André Pereira, Roberto Ribeiro AJProença, Sistemas de Computação, UMinho, 2014/15 1 AJProença, Sistemas

Leia mais

Manual de Referência de Código de Barras

Manual de Referência de Código de Barras Manual de Referência de Código de Barras Versão 0 POR 1 Introdução 1 Descrição geral 1 1 Este manual de referência fornece informação sobre impressão de códigos de barras com utilização de comandos de

Leia mais

Fundamentos de Redes de Computadores

Fundamentos de Redes de Computadores Fundamentos de Redes de Computadores Princípios de Comunicação de Dados Prof. Alexandre Dezem Bertozzi Divinópolis, fevereiro de 2003 1 Por que redes? É praticamente impossível não pensar em redes quando

Leia mais

Códigos, Portas Lógicas e Comportamento Elétrico

Códigos, Portas Lógicas e Comportamento Elétrico Códigos, Portas Lógicas e Comportamento Elétrico Prof. Ohara Kerusauskas Rayel Disciplina de Eletrônica Digital - ET75C Curitiba, PR 26 de março de 2015 1 / 32 Códigos Código: Números, letras ou palavras

Leia mais

Aula 7. Codificadores e Decodificadores. SEL 0414 - Sistemas Digitais. Prof. Dr. Marcelo Andrade da Costa Vieira

Aula 7. Codificadores e Decodificadores. SEL 0414 - Sistemas Digitais. Prof. Dr. Marcelo Andrade da Costa Vieira Aula 7 Codificadores e Decodificadores SEL 44 - Sistemas Digitais Prof. Dr. Marcelo Andrade da Costa Vieira Códigos/Decodificadores CÓDIGOS: l Conjunto organizado de sinais em que a informação é transformada

Leia mais

Manual de Referência de Código de Barras

Manual de Referência de Código de Barras Manual de Referência de Código de Barras Versão 0 BRA-POR 1 Introdução 1 Visão geral 1 1 Este guia de referência fornece informações sobre impressão de código de barras que usa comandos de controle enviados

Leia mais

Capítulo 2. Numéricos e Códigos. 2011 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados.

Capítulo 2. Numéricos e Códigos. 2011 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados. Capítulo 2 Sistemas Numéricos e Códigos slide 1 Os temas apresentados nesse capítulo são: Conversão entre sistemas numéricos. Decimal, binário, hexadecimal. Contagem hexadecimal. Representação de números

Leia mais

Sistemas Digitais Representação Digital de Informação

Sistemas Digitais Representação Digital de Informação Sistemas Digitais Representação Digital de Informação João Paulo Baptista de Carvalho joao.carvalho@inesc-id.pt Representação de números em Base b Base 10: 435 10 = 4 x 100 + 3 x 10 + 5 x 1 = 4 x 10 2

Leia mais

Estrutura da Memória e do Arquivo de Imagem

Estrutura da Memória e do Arquivo de Imagem Apêndice Estrutura da Memória e do Arquivo de Imagem A memória de vídeo do MSX (VRAM) é uma memória separada da memória principal (RAM). A VRAM depende do modelo do MSX, variando de 16 Kb nos MSX 1 até

Leia mais

ELETRÔNICA DIGITAL 1

ELETRÔNICA DIGITAL 1 CENTRO FEDERAL DE ENSINO TECNOLÓGICO DE SANTA CATARINA UNIDADE DESCENTRALIZADA DE SÃO JOSÉ CURSO TÉCNICO DE TELECOMUNICAÇÕES ELETRÔNICA DIGITAL 1 CAPÍTULO 3 Prof. Jorge H. B. Casagrande ABRIL 2005 SUMÁRIO

Leia mais

Circuitos Digitais I. Notas de Aula. Sistemas de Representação. Bases e Códigos. Bases. É importante representar valores das informações que desejamos

Circuitos Digitais I. Notas de Aula. Sistemas de Representação. Bases e Códigos. Bases. É importante representar valores das informações que desejamos Sistemas numéricos Sistemas numéricos 2 Bases Circuitos Digitais I Notas de Aula É importante representar valores das informações que desejamos processar; Por exemplo, num sinal amostrado, converter uma

Leia mais

Principais códigos utilizados. Codificação. Código binário puro. Codificação binária. Codificação Binária. Código Binário puro e suas variantes

Principais códigos utilizados. Codificação. Código binário puro. Codificação binária. Codificação Binária. Código Binário puro e suas variantes Codificação Principais códigos utilizados Computadores e Equipamentos de Comunicações Digitais trabalham com representação e códigos. A codificação binária de sinais é largamente utilizada em Sistemas

Leia mais

Álgebra de Boole. Sistema de Numeração e Códigos. Prof. Ubiratan Ramos

Álgebra de Boole. Sistema de Numeração e Códigos. Prof. Ubiratan Ramos Álgebra de Boole Sistema de Numeração e Códigos Prof. Ubiratan Ramos Sistemas Numéricos Regras para formação: símbolos e posição Por que base 10? Potência de 10 (raiz ou base 10) Representação na Forma

Leia mais

Representação Digital da Informação II

Representação Digital da Informação II Representação Digital da Informação II José Costa Introdução à Arquitetura de Computadores Departamento de Engenharia Informática (DEI) Instituto Superior Técnico 2014-09-24 José Costa (DEI/IST) Representação

Leia mais

LINEAR EQUIPAMENTOS RUA SÃO JORGE, 269 - TELEFONE : 6823-8800 SÃO CAETANO DO SUL - SP - CEP: 09530-250

LINEAR EQUIPAMENTOS RUA SÃO JORGE, 269 - TELEFONE : 6823-8800 SÃO CAETANO DO SUL - SP - CEP: 09530-250 1 LINEAR EQUIPAMENTOS RUA SÃO JORGE, 269 - TELEFONE : 6823-8800 SÃO CAETANO DO SUL - SP - CEP: 09530-250 O Sistema HCS 2000 é composto por: PROTOCOLO DE COMUNICAÇÃO SISTEMA HCS 2000 v6.x Receptores: dispositivos

Leia mais

Circuitos Digitais. Conteúdo. Sistema de Numeração e Códigos :: Conversões de Binário para Decimal SISTEMA DE NUMERAÇÃO E CÓDIGOS

Circuitos Digitais. Conteúdo. Sistema de Numeração e Códigos :: Conversões de Binário para Decimal SISTEMA DE NUMERAÇÃO E CÓDIGOS Ciência da Computação Sistemas de Numeração e Conversões Prof. Sergio Ribeiro Material adaptado das aulas do Prof. José Maria da UFPI Conteúdo Conversões de binário para decimal. Conversões de decimal

Leia mais

Manual de Operação e Configuração

Manual de Operação e Configuração Manual de Operação e Configuração LEITOR DE CÓDIGO DE BARRAS BIVISON modelo LZ-1000 Sem fio Tecnologia ZigBee Exclusivo alcance de até 100 metros Versão 321 Dezembro de 2011 4 1 Conteúdo Pg 01 Sobre este

Leia mais

Retôrno ao Padrão de Fabrica (Restore Default ) Habilitação do Buzzer. Saída da Habilitação sem Salvar. Configuração Através RS232

Retôrno ao Padrão de Fabrica (Restore Default ) Habilitação do Buzzer. Saída da Habilitação sem Salvar. Configuração Através RS232 Sumário Retôrno ao Padrão de Fábrica (Restore Default)... 1 Saída da sem salvar... 1 Configuração através RS232... 1 Lista de... 1 do Buzzer... 2 de Leitura Redundante... 2 do Modo Scan... 3 Duração do

Leia mais

Lic. Engenharia Informática

Lic. Engenharia Informática Sistemas de Computação Introdução aos Sistemas de Computação (1) Lic. Engenharia Informática 1º ano 2009/10 A.J.Proença Tema Introdução aos Sistemas de Computação Estrutura do tema ISC 1. Representação

Leia mais

Representação de Dados

Representação de Dados Representação de Dados Propriedades Domínio - Valores que um tipo de dado pode assumir; Gama de variação - N.º de valores que um dado pode assumir; Precisão Distância entre dois valores consecutivos Operações

Leia mais

MINICURSO. Comunicação Serial - RS232

MINICURSO. Comunicação Serial - RS232 MINICURSO Comunicação Serial - RS232 Edmur Canzian CNZ Engenharia e Informática Ltda. http://www.cnz.com.br e-mail: engenharia@cnz.com.br Conceitos Básicos sobre Comunicação Serial O que é Comunicação

Leia mais

Display Torre Serial MANUAL DO USUÁRIO

Display Torre Serial MANUAL DO USUÁRIO Display Torre Serial MANUAL DO USUÁRIO Manual do Usuário Display Torre Serial Edição de março de 2001 Este manual tem caráter técnico-informativo, sendo propriedade da SWEDA. Todos os direitos reservados.

Leia mais

Arquitetura de Computadores Universidade Guarulhos Prof. Erwin A. Uhlmann

Arquitetura de Computadores Universidade Guarulhos Prof. Erwin A. Uhlmann Arquitetura de Computadores Universidade Guarulhos Prof. Erwin A. Uhlmann Guarulhos PLANEJAMENTO EMENTA: Sistemas numéricos. Aritmética binária. Memórias, unidades centrais de processamento, entrada e

Leia mais

Voyager 9520/40 Voyager GS9590 Eclipse 5145 Guia Rápido de Operação

Voyager 9520/40 Voyager GS9590 Eclipse 5145 Guia Rápido de Operação Voyager 9520/40 Voyager GS9590 Eclipse 5145 Guia Rápido de Operação VG-ECL-BP-QS Rev C 6/12 Introdução Desligue o computador antes de conectar o scanner e ligue-o quando o scanner estiver totalmente conectado.

Leia mais

3 Camada de ligação de dados

3 Camada de ligação de dados 3 Camada de ligação de dados Interfaces e transmissão de dados 3 Camada de ligação de dados 1/28 3.1 Sincronismo detecção e cor recção de err os Interfaces e transmissão de dados 3.1 Sincronismo, Detecção

Leia mais

Sistemas Digitais (SD) Sistemas de Numeração e Códigos

Sistemas Digitais (SD) Sistemas de Numeração e Códigos Sistemas Digitais (SD) Sistemas de Numeração e Códigos Aula Anterior Na aula anterior: Motivação: O que é um Sistema Digital? Onde estão os Circuitos Digitais? Perspectiva histórica: o Dos primórdios da

Leia mais

SISTEMAS DIGITAIS (SD)

SISTEMAS DIGITAIS (SD) SISTEMAS DIGITAIS (SD) MEEC Acetatos das Aulas Teóricas Versão 3.0 - Português Aula N o 02: Título: Sumário: Sistemas de Numeração e Códigos Sistemas de numeração (base 10, base 2, base 8 e 16). Operações

Leia mais

Características. Conteúdo. Ligações. Tabela de Revisões

Características. Conteúdo. Ligações. Tabela de Revisões Manual AP-60 2011 Acura Global Rev. A.2 sales@acuraglobal.com Tel.: +55 11 3028-4600 Matriz: Rua Reginata Ducca, 73 09626-100 São Bernardo do Campo SP Fábrica: Doutor Domiciano Costa Moreira, 266 37500-202

Leia mais

ELT2. "Para quem não crê, nenhuma explicação é possível. Para quem crê, nenhuma explicação é necessária". Pe. Donizete

ELT2. Para quem não crê, nenhuma explicação é possível. Para quem crê, nenhuma explicação é necessária. Pe. Donizete ELT2 "Para quem não crê, nenhuma explicação é possível. Para quem crê, nenhuma explicação é necessária". Pe. Donizete Eng.º Lacyr João Sverzut - Reedição 02/2009 1 1. INTRODUÇÃO Em nossos dias ouvimos

Leia mais

DIGITAIS 3 MÓDULO TURMA:

DIGITAIS 3 MÓDULO TURMA: Cidade de Lorena - SP Colégio DELT Curso de Mecatrônica TÉCNICS DIGITIS 3 MÓDULO TURM: luno: N : Professor: Eduardo de lbuquerque Ligiéro E-MIL: eduardo_ligiero@yahoo.com.br I N T R O D U Ç Ã O Não há

Leia mais

Eletrônica Digital para Instrumentação. Herman Lima Jr. hlima@cbpf.br

Eletrônica Digital para Instrumentação. Herman Lima Jr. hlima@cbpf.br G03 Eletrônica Digital para Instrumentação Prof: hlima@cbpf.br Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) Organização do curso Introdução à eletrônica digital

Leia mais

Mestrado Integrado Engª. Informática

Mestrado Integrado Engª. Informática Sistemas de Computação Mestrado Integrado Engª. Informática 1º ano 2016/17 Equipa docente: Alberto Proença, Luís Paulo Santos, André Pereira, Rui Silva AJProença, Sistemas de Computação, UMinho, 2016/17

Leia mais

Mestr. Integr. Engª. Informática

Mestr. Integr. Engª. Informática Sistemas de Computação Mestr. Integr. Engª. Informática 1º ano 2015/16 Equipa docente: Alberto Proença, Luís Paulo Santos, João Luís Sobral, André Pereira AJProença, Sistemas de Computação, UMinho, 2015/16

Leia mais

I n f o r m á t i c a

I n f o r m á t i c a Prof. Dr. Rogério R. de Vargas I n f o r m á t i c a Dados, bits, bytes, representação de dados e sistemas de numeração e representação numérica Itaqui - RS, 2º Semestre de 2014. Agenda Dados; Bits; Bytes;

Leia mais

Mestrado Integrado Engª. Informática

Mestrado Integrado Engª. Informática Sistemas de Computação Mestrado Integrado Engª. Informática 1º ano 2017/18 Equipa docente: Alberto Proença, Luís Paulo Santos, João Luís Sobral, André Pereira AJProença, Sistemas de Computação, UMinho,

Leia mais

IS3480 QuantumE QuantumT 3580 Fusion 3780 Orbit 7120/7180 Solaris 7820. Guia rápido de instalação

IS3480 QuantumE QuantumT 3580 Fusion 3780 Orbit 7120/7180 Solaris 7820. Guia rápido de instalação IS3480 QuantumE QuantumT 3580 Fusion 3780 Orbit 7120/7180 Solaris 7820 Guia rápido de instalação Introdução Desligue o computador antes de conectar o scanner e ligue-o quando o scanner estiver totalmente

Leia mais

Análise de Circuitos Digitais Multiplexadores Prof. Luiz Marcelo Chiesse da Silva MULTIPLEXADORES

Análise de Circuitos Digitais Multiplexadores Prof. Luiz Marcelo Chiesse da Silva MULTIPLEXADORES nálise de Circuitos Digitais Multiplexadores Prof. Luiz Marcelo Chiesse da ilva MULTIPLEXDORE O multiplexador ou Mux é um circuito combinacional dedicado com a finalidade de selecionar, através de variáveis

Leia mais

Notas de aula #1 SISTEMAS NUMÉRICOS

Notas de aula #1 SISTEMAS NUMÉRICOS UTFPR Disciplina: EL66J Prof. Gustavo B. Borba Notas de aula #1 SISTEMAS NUMÉRICOS - Notação posicional Definição: A posição de cada algarismo no número indica a sua magnitude. A magnitude também é chamada

Leia mais

A declaração de uma variável vel define o seu tipo. O tipo do dado define como ele será: Armazenado na memória. Manipulado pela ULA.

A declaração de uma variável vel define o seu tipo. O tipo do dado define como ele será: Armazenado na memória. Manipulado pela ULA. Representação de Dados Tipos de dados: Caracteres (letras, números n e símbolos). s Lógicos. Inteiros. Ponto flutuante: Notações decimais: BCD. A declaração de uma variável vel define o seu tipo. O tipo

Leia mais

COMUNICAÇÃO SERIAL ENTRE EQUIPAMENTOS

COMUNICAÇÃO SERIAL ENTRE EQUIPAMENTOS COMUNICAÇÃO SERIAL ENTRE EQUIPAMENTOS 1 Introdução Para transmitir ou receber informações de outros dispositivos é necessário que os sistemas automáticos sejam capazes de comunicarem-se com estes dispositivos.

Leia mais

Leitor de Código de Barras. Guia de configuração

Leitor de Código de Barras. Guia de configuração Leitor de Código de Barras Guia de configuração Versão 1.0 Janeiro de 2018 Conteúdo Capítulo 1 Introdução... 02 Capítulo 2 Inicialização... 03 2.1 Seleção da interface... 03 2.2 Velocidade USB... 04 2.3

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO. Arquitectura de Computadores (ACom)

INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO. Arquitectura de Computadores (ACom) UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO Departamento de Engenharia Informática Arquitectura de Computadores (ACom) LEIC-A, MEIC-A Acetatos das Aulas Teóricas Versão 1.0 - Português Aula

Leia mais

CAPÍTULO I. UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE ENGENHARIA ELÉTRICA Apostila de Eletrônica Digital. Sistemas de Numeração. 1.

CAPÍTULO I. UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE ENGENHARIA ELÉTRICA Apostila de Eletrônica Digital. Sistemas de Numeração. 1. CAPÍTULO I Sistemas de Numeração. Introdução O decimal é o mais importante dos sistemas numéricos. Ele está fundamentado em certas regras que são a base de formação para qualquer outro sistema. Além do

Leia mais

RECEITA FEDERAL DO BRASIL

RECEITA FEDERAL DO BRASIL RECEITA FEDERAL DO BRASIL Ato Declaratório Executivo nº 31, de 2 de setembro de 2011 Dispõe sobre normas operacionais para entrega dos dados por meio do Programa Validador e Assinador da Entrada de Dados

Leia mais

Aula 5. Simplificação de funções lógicas (cont.) Sistemas de numeração

Aula 5. Simplificação de funções lógicas (cont.) Sistemas de numeração Aula 5 Simplificação de funções lógicas (cont.) Sistemas de numeração Mapa de Karnaugh Exemplo: N=4 variáveis, M=2 4 =16 combinações Extracção da expressão do circuito, pelos maxtermos: extracção pelos

Leia mais

EDITORES DE TEXTO CAPÍTULO 5. Definição

EDITORES DE TEXTO CAPÍTULO 5. Definição CAPÍTULO 5 EDITORES DE TEXTO Definição É um programa destinado a editar texto usando o computador. Sua função básica é armazenar caracteres numa estrutura de linhas e colunas, permitindo a edição do conteúdo

Leia mais

REPRESENTAÇÃO DE DADOS EM SISTEMAS DE COMPUTAÇÃO AULA 03 Arquitetura de Computadores Gil Eduardo de Andrade

REPRESENTAÇÃO DE DADOS EM SISTEMAS DE COMPUTAÇÃO AULA 03 Arquitetura de Computadores Gil Eduardo de Andrade REPRESENTAÇÃO DE DADOS EM SISTEMAS DE COMPUTAÇÃO AULA 03 Arquitetura de Computadores Gil Eduardo de Andrade O conteúdo deste documento é baseado no livro Princípios Básicos de Arquitetura e Organização

Leia mais

INFORMÁTICA PARA ADMINISTRAÇÃO I

INFORMÁTICA PARA ADMINISTRAÇÃO I CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ INFORMÁTICA PARA ADMINISTRAÇÃO I Unidade II O usuário se comunica com o núcleo do computador (composto por CPU e memória principal) através de dispositivos de entrada

Leia mais

Atividade prática: Rodando o programa SOMA

Atividade prática: Rodando o programa SOMA Atividade prática: Rodando o programa SOMA Representação de caracteres ASCII: Letras e pontuação não são representáveis diretamente em computadores e circuitos lógicos. Utiliza-se alguns códigos binários

Leia mais

Prof. Célio Conrado 1

Prof. Célio Conrado 1 O usuário se comunica com o núcleo do computador (composto por CPU e memória principal) através de dispositivos de entrada e saída (dispositivos de E/S). Todo objeto que faz parte do sistema e tem por

Leia mais

Motores I Automação I Energia I Transmissão & Distribuição I Tintas. WEGBus SCA06. Manual do Usuário

Motores I Automação I Energia I Transmissão & Distribuição I Tintas. WEGBus SCA06. Manual do Usuário Motores I Automação I Energia I Transmissão & Distribuição I Tintas WEGBus SCA06 Manual do Usuário Manual do Usuário WEGBus Série: SCA06 Idioma: Português N º do Documento: 10003501638 / 00 Data da Publicação:

Leia mais

IMPRESSORA TÉRMICA SWEDA SI-150

IMPRESSORA TÉRMICA SWEDA SI-150 SET DE COMANDOS IMPRESSORA TÉRMICA SWEDA SI-150 Rev. 1.0 Índice www.sweda.com.br 1. SET DE COMANDOS DE IMPRESSÃO ESC/POS... 2 1.1 Set de Comandos... 2 1.2 Detalhes dos Comandos... 4 1.2.1 Comandos de Impressão...

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES E A CAMADA FÍSICA

REDES DE COMPUTADORES E A CAMADA FÍSICA CENTRO FEDERAL DE ENSINO TECNOLÓGICO DE SANTA CATARINA UNIDADE DESCENTRALIZADA DE SÃO JOSÉ NÚCLEO DE TELECOMUNICAÇÕES REDES DE COMPUTADORES E A CAMADA FÍSICA CAPÍTULO 1 Introdução à Comunicação de dados

Leia mais

Motores I Automação I Energia I Transmissão & Distribuição I Tintas WEGTP SCA06. Manual do Usuário

Motores I Automação I Energia I Transmissão & Distribuição I Tintas WEGTP SCA06. Manual do Usuário Motores I Automação I Energia I Transmissão & Distribuição I Tintas WEGTP SCA06 Manual do Usuário Manual do Usuário WEGTP Série: SCA06 Idioma: Português N º do Documento: 10001626006 / 00 Data da Publicação:

Leia mais

Circuitos Sequenciais I

Circuitos Sequenciais I Circuitos Sequenciais I José Costa Introdução à Arquitetura de Computadores epartamento de Engenharia Informática (EI) Instituto Superior Técnico 2013-11-01 José Costa (EI/IST) Circuitos Sequenciais I

Leia mais

LINEAR EQUIPAMENTOS RUA SÃO JORGE, 267/269 - TELEFONE: (11) 2823-8800 SÃO CAETANO DO SUL - SP - CEP: 09530-250

LINEAR EQUIPAMENTOS RUA SÃO JORGE, 267/269 - TELEFONE: (11) 2823-8800 SÃO CAETANO DO SUL - SP - CEP: 09530-250 LINEAR EQUIPAMENTOS RUA SÃO JORGE, 267/269 - TELEFONE: (11) 2823-8800 SÃO CAETANO DO SUL - SP - CEP: 09530-250 1 SISTEMA HCS 2005 PROTOCOLO DE COMUNICAÇÃO (Baseado no Guarita Vr5.0x Última modificação:

Leia mais

Manual dos comandos SRP-350 Impressora térmica Rev. 1.01

Manual dos comandos SRP-350 Impressora térmica Rev. 1.01 Manual dos comandos SRP-350 Impressora térmica Rev. 1.01 http://www.samsungminiprinters.com 1. Lista de comandos de controlo Códigos de controlo Códigos Função hexadecimais 09 Separador horizontal.

Leia mais

Sistemas de Numeração (Aula Extra)

Sistemas de Numeração (Aula Extra) Sistemas de Numeração (Aula Extra) Sistemas de diferentes bases Álgebra Booleana Roberta Lima Gomes - LPRM/DI/UFES Sistemas de Programação I Eng. Elétrica 27/2 Sistemas de Numeração Um sistema de numeração

Leia mais

Definição de Programas de Computadores e Linguagem de Programação de Comutadores

Definição de Programas de Computadores e Linguagem de Programação de Comutadores Definição de Programas de Computadores e Linguagem de Programação de Comutadores O computador é um equipamento eletrônico composto por circuitos eletrônicos, que trabalham com o estado ligado(1) e desligado(0),

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PRJET DE REDES www.projetoderedes.com.br urso de Tecnologia em Redes de omputadores Disciplina: Redes I Fundamentos - 1º Período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA 1: onceitos de Redes de Dados

Leia mais

Fácil & Prático. Guia de Configuração. Versão 1.0 SL 80

Fácil & Prático. Guia de Configuração. Versão 1.0 SL 80 Fácil & Prático Guia de Configuração Versão 1.0 SL 80 Guia de Configuração Versão 1.0 1 Guia de Configuração SL-80 Versão 1.0 Copyright @ 2013 Este manual é protegido por copyright, com todos os direitos

Leia mais

Conceitos básicos da linguagem C

Conceitos básicos da linguagem C Conceitos básicos da linguagem C 2 Em 1969 Ken Thompson cria o Unix. O C nasceu logo depois, na década de 70. Dennis Ritchie, implementou-o pela primeira vez usando o sistema operacional UNIX criado por

Leia mais

Soluções Globais em Sistemas de Pesagem. Indicador de pesagem WT1000-LED. Manual Técnico. Versão A12-03

Soluções Globais em Sistemas de Pesagem. Indicador de pesagem WT1000-LED. Manual Técnico. Versão A12-03 Soluções Globais em Sistemas de Pesagem Indicador de pesagem WT1000-LED Manual Técnico Versão A12-03 ÍNDICE 1 CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS... 4 2 RECOMENDAÇÕES GERAIS... 4 3 FUNÇÕES DAS TECLAS... 5 4 OPERAÇÃO...

Leia mais

Capítulo 9: Codificação. Prof.: Roberto Franciscatto

Capítulo 9: Codificação. Prof.: Roberto Franciscatto Capítulo 9: Codificação Prof.: Roberto Franciscatto Conceituação Um computador só pode identificar a informação através de sua capacidade de distinguir entre dois estados; Algo está imantado num sentido

Leia mais

FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO REPRESENTAÇÃO DE DADOS E SISTEMAS DE NUMERAÇÃO LUÍS PAULO REIS

FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO REPRESENTAÇÃO DE DADOS E SISTEMAS DE NUMERAÇÃO LUÍS PAULO REIS FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO REPRESENTAÇÃO DE DADOS E SISTEMAS DE NUMERAÇÃO LUÍS PAULO REIS LICENCIATURA EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO DISCIPLINA DE INFORMÁTICA BÁSICA - 1º ANO SETEMBRO

Leia mais

O Coordenador Da Administração Tributária, tendo em vista o disposto no Decreto nº 57.608, de 12 de dezembro de 2011, expede a seguinte portaria:

O Coordenador Da Administração Tributária, tendo em vista o disposto no Decreto nº 57.608, de 12 de dezembro de 2011, expede a seguinte portaria: Portaria CAT nº 6, de 19.01.2012 - DOE SP de 20.01.2012 Disciplina o cumprimento das obrigações principais e acessórias relativas ao regime especial previsto no Decreto nº 57.608, de 12 de dezembro de

Leia mais

INF 1007 Programação II

INF 1007 Programação II INF 1007 Programação II Aula 05 Cadeias de Caracteres Edirlei Soares de Lima Caracteres Caracteres são representados através de códigos numéricos. Tabela de códigos: Define correspondência

Leia mais

Sistemas de Numeração

Sistemas de Numeração Sistemas de Numeração Um numeral é um símbolo ou grupo de símbolos que representa um número em um determinado instante da evolução do homem. Tem-se que, numa determinada escrita ou época, os numerais diferenciaram-se

Leia mais

Variáveis e Comandos de Atribuição

Variáveis e Comandos de Atribuição BCC 201 - Introdução à Programação Variáveis e Comandos de Atribuição Guillermo Cámara-Chávez UFOP 1/47 Estrutura Básica de um programa C I < d i r e t i v a s do pré p r o c e s s a d o r > < d e c l

Leia mais

Comunicação de Dados. Aula 4 Conversão de Sinais Analógicos em digitais e tipos de transmissão

Comunicação de Dados. Aula 4 Conversão de Sinais Analógicos em digitais e tipos de transmissão Comunicação de Dados Aula 4 Conversão de Sinais Analógicos em digitais e tipos de transmissão Sumário Amostragem Pulse Amplitude Modulation Pulse Code Modulation Taxa de amostragem Modos de Transmissão

Leia mais

Sistema de Numeração e Conversão entre Sistemas. Prof. Rômulo Calado Pantaleão Camara. Carga Horária: 60h

Sistema de Numeração e Conversão entre Sistemas. Prof. Rômulo Calado Pantaleão Camara. Carga Horária: 60h Sistema de Numeração e Conversão entre Sistemas. Prof. Rômulo Calado Pantaleão Camara Carga Horária: 60h Representação da Informação Um dispositivo eletrônico, armazena e movimenta as informações internamente

Leia mais

SEBENTA INTRODUÇÃO Á ALGORITMIA

SEBENTA INTRODUÇÃO Á ALGORITMIA SEBENTA INTRODUÇÃO Á ALGORITMIA O desenvolvimento de programas para computador está sempre baseado na tarefa de programar um computador para seja resolvido um problema ou executada uma função e assim dar

Leia mais

CAPÍTULO 1 REVISÃO DE LÓGICA COMBINACIONAL

CAPÍTULO 1 REVISÃO DE LÓGICA COMBINACIONAL 1 CAPÍTULO 1 REVISÃO DE LÓGICA COMBINACIONAL Sumário 1.1. Sistemas de Numeração... 3 1.1.1. Conversão Decimal Binária... 3 1.1.2. Conversão Binária Decimal... 3 1.1.3. Conversão Binária Hexadecimal...

Leia mais

UNIDADE III Aula 6 Cálculo do CRC. Fonte: Othon M. N. Batista

UNIDADE III Aula 6 Cálculo do CRC. Fonte: Othon M. N. Batista UNIDADE III Aula 6 Cálculo do CRC Fonte: Othon M. N. Batista Relembrando a aula passada A verificação de redundância cíclica (CRC Cyclic Redundancy Check) consiste na técnica de detecção de erros muito

Leia mais

Introdução. Algumas terminologias. Camada de Enlace de Dados. Prof. Leandro Pykosz Leandro@sulbbs.com.br

Introdução. Algumas terminologias. Camada de Enlace de Dados. Prof. Leandro Pykosz Leandro@sulbbs.com.br Camada de Enlace de Dados Prof. Leandro Pykosz Leandro@sulbbs.com.br Introdução A função desta camada parece trivial, pois a máquina A coloca os bits no meio e a máquina B tem que retirar de lá, porem

Leia mais