Porta Série. Trabalhos Práticos AM 2007/2008. Porta Série. Objectivos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Porta Série. Trabalhos Práticos AM 2007/2008. Porta Série. Objectivos"

Transcrição

1 3 Objectivos - Configurar os parâmetros associados à comunicação série assíncrona. - Saber implementar um mecanismo de menus para efectuar a entrada e saída de dados, utilizando como interface um terminal em modo texto ligado ao sistema de MCUs pela porta série. 1 Introdução Uma comunicação série de dados, poderá ser efectuada de dois modos, o síncrono e assíncrono, na comunicação síncrona simples o transmissor e receptor partilham um mesmo sinal de relógio que permite o sincronismo da transmissão com a recepção, neste tipo de comunicação existem variados formatos e protocolos. Na comunicação assíncrona os bits de dados são enviados a uma velocidade constante mas com um formato específico, no entanto os dados são transmitidos de uma forma assíncrona na linha. As UART s (Universal Assíncrona Recebe e Transmite), dispositivos que permitem implementar uma comunicação série funciona na sua essência como registo de deslocamento de série para paralelo na recepção e ao inverso na transmissão de paralelo para série. O formato da transmissão série é mostrado na figura 1, e temos que ter em conta a configuração de vários parâmetros, assim: Velocidade de transmissão: indica o número de bits transmitidos por segundo representa-se em bits/s, é também utilizada a designação inglesa baud-rate, que significa o número de símbolos transmitidos para a representação de cada bit por segundo. No caso da UART do 8051 o número de bits/s é igual ao baud-rate (pois para cada bit transmitido é utilizado um símbolo 0 ou 1 ), existem contudo situações em que os bits/s é inferiores ao baud-rate, casos de modems e outros mecanismos de transmissão em que se codificam vários bits/s num único símbolo. Como se mostra na figura 1, o formato da transmissão assíncrona de uma palavra é: start bit: nível lógico zero, serve para indicar ao receptor que vai iniciar a transmissão de uma palavra. No estado repouso a linha esta a nível lógico 1 (idle state). Para iniciar a transmissão de uma palavra o emissor coloca linha a zero durante o tempo de 1 bit, O start bit é sempre 0 e é só um bit. número de bits da palavra: é o número de bits de dados que constituem a palavra. Aqui o bit menos significativo é transmitido em primeiro lugar, sendo os outros transmitidos consecutivamente até ao mais significativo. Tipicamente são 7 ou 8 bits de Trabalho Prático Nº 3 Página 1

2 dados, no entanto os dispositivos UART s permitem a configuração de 5, 6, 7 e 8 bits de dados. bit de paridade: este bit é opcional e poderá indicar paridade par ou impar, recorde-se que o bit de paridade é obtido no caso da paridade par pela soma dos bits 1 s da palavra de dados e do bit de paridade é um número par, no caso de paridade ímpar a soma de bits 1 s e do bit de paridade é um número ímpar. Como exemplo se a palavra de dados tiver 3 bits 1 s, o bit de paridade para a paridade par é 1, o que faz na sua totalidade 4 bits 1 s - numero par, e será 0 para paridade ímpar o que faz 3 bits de 1 s numero ímpar. A utilização deste bit permite a identificação da existência de erros na comunicação. stop bit : é sempre a 1, e poderá ser 1 ou 2 bits, tendo como função guardar margem entre duas palavras transmitidas consecutivamente. Para se estabelecer uma comunicação série entre dois equipamentos é pois necessário considerar todos os parâmetros anteriormente referidos, velocidade, número de bits de dados da palavra, bit de paridade e número de stop bits. START D0 D1 D2 D3 D4... PARIDADE STOP STOP Figura 1- Formato da transmissão série assíncrona. Uma comunicação série assíncrona entre dois dispositivos nunca utiliza a norma TTL, devido à sua baixa imunidade ao ruído, pois obrigaria a uma curta distância entre equipamentos (um a dois metros). Devido a esse facto foram institucionalizadas várias normas eléctricas para a transmissão tais como: RS232 ou V24, RS A mais utilizada e universalmente aceite pela esmagadora maioria dos fabricantes é a RS232 ou V24, também utilizada nas portas série dos computadores pessoais PC. 1 0 START PARIDADE STOP 1/300 Figura 2- Exemplo a transmissão do caractere A, em código ASCII b, com o formato de 8 bits de dados, paridade ímpar, e um stop bit, para uma velocidade de transmissão de 300 baud, significa que cada bit é transmitido na razão de 1/300 bits/s. Trabalho Prático Nº 3 Página 2

3 2 Questões 2.1 Supondo que necessita de utilizar 2 portas séries distintas numa aplicação e como só dispõe de uma porta série, é necessário encontrar uma solução. Uma possibilidade é utilizar um multiplexer analógico externo (considere 4053, 3 de 2:1). Indique com efectuar as ligações e como deveria por software seleccionar a porta a enviar 2.2 Qual o significado de um comunicação série em modo texto. 2.3 Que diferenças existem entre os line-driver MAX 232 e MAX Porque não se utiliza directamente os níveis TTL em vez do RS Como implementar o controlo de fluxo, numa comunicação série. Considere uma solução por hardware DTR/DSR. Considere uma solução por software XON/XOFF. 3 Trabalho 3.1 Escreva uma rotina para efectuar comunicação série com os seguintes parâmetros: Velocidade: 9600bps Numero de bits de dados: 8 Paridade: nenhuma Stop bits:1 3.2 Verifique com a ajuda de osciloscópio (de preferência digital), o formato de comunicação série referido nas figuras 1 e 2. Para tal escreva um programa em ciclo infinito que esteja sempre a enviar um mesmo caractere. 3.3 Escreva agora um programa que faça o eco do caractere recebido. Para testar pode ser utilizado o terminal do Windows hyperterminal, ou qualquer outro programa que emule o funcionamento de terminal no Windows. 3.4 A utilização da porta série, em que se liga um terminal a um sistema é uma excelente opção para a entrada e saída de dados e configuração de um sistema embebido. Pretende-se implementar um menu para efectuar interface com o utilizador de um sistema e que deverá ter a seguinte apresentação: *** CONFIGURAÇÃO *** [1] Numero de Telefone: [2] Mensagem a enviar: [3] Sair Seleccione uma opção:_ Figura 3- Menu a apresentar Trabalho Prático Nº 3 Página 3

4 O programa deverá responder da seguinte forma: Se for premida a tecla correspondentes aos números 1 a 3, deverá apagar o ecrã e solicitar a entrada de dados como: opção 1 Número Telefone:_ Deverá o utilizador introduzir o número de telefone seguido de [enter], para o qual deseja que seja enviada a mensagem SMS. opção 2 Mensagem a enviar:_ Deverá o utilizador introduzir a mensagem seguida de [enter]. No caso de premir um tecla errada ou opção inexistente A opção seleccionada não existe (prima qq tecla) O que após a recepção de qualquer tecla volta ao menu inicial. No caso de já estar configurado o menu deverá apresentar, por exemplo: *** CONFIGURAÇÃO *** [1] Numero de Telefone: [2] Mensagem a enviar: teste ao envio de SMS [3] Sair Seleccione uma opção:_ Figura 4- Menu depois de preenchido 4 Questão de Pesquisa Pretende-se escrever uma aplicação que possibilite o envio e recepção de mensagens curtas (SMS) para telefones GSM. O serviço de mensagens curtas, não funciona directamente do emissor para o receptor mas via um entreposto designado centro de mensagens (SMSC/SC SMS Center ou Service Center). Cada equipamento GSM dispõe de pelo menos um numero referente ao Trabalho Prático Nº 3 Página 4

5 SMSC do serviço de mensagens curtas. Caso seja solicitado o SMSC pode enviar uma mensagem de retorno confirmando a entrega da mesma no destinatário. O serviço de mensagens curtas é perfeitamente definido nas normas GSM 900/1800/1900, (para a realização da aplicação é recomendável consultar a norma GSM Technical Specifications GSM 07.05). Uma única mensagem pode ter até 160 caracteres de texto, se for codificada em 7 bits ou 140 caracteres se for codificada em 8 bits. Os 140/160 caracteres podem compreender números ou combinações alfanuméricas. As mensagens curtas também suportam mensagens não baseadas em texto (formato binário). Existem dois modos para enviar e receber mensagens curtas, o modo de TEXTO e o modo PDU (Protocol Description Unit). A aplicação desenvolvida apenas permitir o modo de envio texto, apenas para simplificar o programa, pois o modo PDU é algo confuso de ler e escrever e por isso pouco usado. São mostradas seguidamente exemplo de envio de mensagens curtas em modo PDU e em modo texto. A mensagem a enviar é teste ao envio de SMS, e o número de destino é , como neste caso o envio é efectuado a partir de um cartão Vodafone o número do centro de mensagens é A configuração do número do centro obriga sempre à utilização do código de país. AT+CMGF=1<CR> define modo texto AT+CSCA= <CR> configura o numero do centro de mensagens do operador Vodafone AT+CMGS= <CR>teste ao envio de SMS<Ctrl+Z> Figura 5- Exemplo do envio de SMS ( teste ao envio de SMS ) em modo Texto. <CTRL+Z> e <CR> correspondem ao caractere decimal 26 e 13 respectivamente. Referências Programa CRT emulador de terminal para Windows em : Monitor da porta série: docklight, ferramenta de software muito útil para quem desenvolve aplicações na porta série Tabela de códigos ASCII: Sequencias escape para controlo de terminais VT100: Trabalho Prático Nº 3 Página 5

6 Trabalho Prático Nº 3 Página 6

Trabalho Prático Nº4 Porta Série

Trabalho Prático Nº4 Porta Série Trabalho Prático Nº4 Porta Série 1. OBJECTIVOS - Desenvolver aplicações sobre a porta série em Ambiente Windows 32 bits 2. INTRODUÇÃO Este trabalho prático é baseado no artigo Use P/Invoke to Develop a.net

Leia mais

Comunicação de dados. Introdução

Comunicação de dados. Introdução Comunicação de dados Introdução Os microcontroladores AVR estão equipados com dois pinos destinados à comunicação serial, UART (Universal Asynchronous Reciever/Transmitter), ou seja, permitem trocar informações

Leia mais

Manual Gespos SMS. (ultima revisão 20 Fev. 2003)

Manual Gespos SMS. (ultima revisão 20 Fev. 2003) Manual Gespos SMS (ultima revisão 20 Fev. 2003) Prezado Utilizador, É objectivo deste manual servir de ferramenta de formação para que o utilizador dos aplicativos Escripóvoa, possa de uma forma simples

Leia mais

Visualizador de Mensagens

Visualizador de Mensagens PROJECTO DE AUTOMAÇÃO Visualizador de Mensagens Pretende-se com este projecto desenvolver a interface de comunicação série com um telemóvel, de forma a permitir o controlo e monitorização de sistemas à

Leia mais

COMUNICAÇÃO SERIAL ENTRE EQUIPAMENTOS

COMUNICAÇÃO SERIAL ENTRE EQUIPAMENTOS COMUNICAÇÃO SERIAL ENTRE EQUIPAMENTOS 1 Introdução Para transmitir ou receber informações de outros dispositivos é necessário que os sistemas automáticos sejam capazes de comunicarem-se com estes dispositivos.

Leia mais

Sistemas Digitais Reconfiguráveis

Sistemas Digitais Reconfiguráveis Departamento de Electrónica Telecomunicações e Informática Dezembro de 2006 Interface RS-232 para a TRENZ Daniel Baptista Nº 28703 O projecto O projecto consiste na construção da interface RS-232 e na

Leia mais

RCO2. Introdução à camada física

RCO2. Introdução à camada física RCO2 Introdução à camada física 1 Transmissão de uma stream de bits por um meio de transmissão 2 Atribuições da camada física: Transmissão de sequências de bits pelo meio físico Modulação (transmissão

Leia mais

Exercícios do livro: Tecnologias Informáticas Porto Editora

Exercícios do livro: Tecnologias Informáticas Porto Editora Exercícios do livro: Tecnologias Informáticas Porto Editora 1. Em que consiste uma rede de computadores? Refira se à vantagem da sua implementação. Uma rede de computadores é constituída por dois ou mais

Leia mais

Quadro de consulta (solicitação do mestre)

Quadro de consulta (solicitação do mestre) Introdução ao protocolo MODBUS padrão RTU O Protocolo MODBUS foi criado no final dos anos 70 para comunicação entre controladores da MODICON. Por ser um dos primeiros protocolos com especificação aberta

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Transmissão de dados Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Abril de 2006 Códigos de caracteres A informação é manuseada em blocos de 8 bits (bytes

Leia mais

Aula 04. Código BCD, Códigos Alfa-numéricos e Sistemas de Detecção de Erros

Aula 04. Código BCD, Códigos Alfa-numéricos e Sistemas de Detecção de Erros Aula 04 Código BCD, Códigos Alfa-numéricos e Sistemas de Detecção de Erros Prof. Otávio Gomes otavio.gomes@ifmg.edu.br sites.google.com/a/ifmg.edu.br/otavio-gomes/ 1 Bytes A maioria dos microcomputadores

Leia mais

O protocolo MODBUS define também o tipo diálogo entre os equipamentos, define por exemplo quem pode enviar dados e em que altura.

O protocolo MODBUS define também o tipo diálogo entre os equipamentos, define por exemplo quem pode enviar dados e em que altura. Universidade de Aveiro Departamento de Engenharia Mecânica Informática Industrial 2010/2011 5 PROTOCOLO DE COMUNICAÇÃO MODBUS 5.1 Protocolo de comunicação MODBUS Este protocolo foi proposto em 1979 pela

Leia mais

Fabio Bento fbento@ifes.edu.br

Fabio Bento fbento@ifes.edu.br Fabio Bento fbento@ifes.edu.br Eletrônica Digital Sistemas de Numeração e Códigos 1. Conversões de Binário para Decimal 2. Conversões de Decimal para Binário 3. Sistema de Numeração Hexadecimal 4. Código

Leia mais

SISTEMAS DIGITAIS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

SISTEMAS DIGITAIS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula 8 - Antes de começar o estudo sobre decodificadores, o que é bastante semelhante ao que já vimos anteriormente é necessário relembrarmos alguns conceitos sobre códigos binários. 1. Códigos Binários

Leia mais

Comunicação Serial. Comunicação Serial RS232

Comunicação Serial. Comunicação Serial RS232 Comunicação Serial Motivação Diversos dispositivos eletrônicos usam portas seriais para se comunicar com outros dispositivos eletrônicos. Para muitos é a única forma de comunicação. A integração de equipamentos

Leia mais

ABB Automação. 13.82kV 119.4kA. 13.81kV 121.3kA. 13.85kV 120.2kA IDR 144 INDICADOR DIGITAL REMOTO MODO DE USO

ABB Automação. 13.82kV 119.4kA. 13.81kV 121.3kA. 13.85kV 120.2kA IDR 144 INDICADOR DIGITAL REMOTO MODO DE USO IDR 144 INDICADOR DIGITAL REMOTO MODO DE USO 13.82kV 119.4kA 13.81kV 121.3kA 13.85kV 120.2kA Dados Técnicos Conexões elétricas Utilização do teclado Protocolo de comunicação Modbus RTU Dimensional ABB

Leia mais

Capítulo. Comunicação de Dados Capítulo 9

Capítulo. Comunicação de Dados Capítulo 9 Capítulo 9 Capítulo Este capítulo descreve o que é preciso saber para transferir programas entre a fx-7400g PLUS e certos modelos de calculadoras científicas com função de gráficos CASIO ligados com um

Leia mais

Escola Secundária de Emídio Navarro

Escola Secundária de Emídio Navarro Escola Secundária de Emídio Navarro Curso Secundário de Carácter Geral (Agrupamento 4) Introdução às Tecnologias de Informação Correcção da ficha de trabalho N.º 1 1. Refere algumas das principais áreas

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Sistemas de Entrada/Saída Princípios de Hardware Sistema de Entrada/Saída Visão Geral Princípios de Hardware Dispositivos de E/S Estrutura Típica do Barramento de um PC Interrupções

Leia mais

Capítulo 2. Numéricos e Códigos. 2011 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados.

Capítulo 2. Numéricos e Códigos. 2011 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados. Capítulo 2 Sistemas Numéricos e Códigos slide 1 Os temas apresentados nesse capítulo são: Conversão entre sistemas numéricos. Decimal, binário, hexadecimal. Contagem hexadecimal. Representação de números

Leia mais

Sistema de Aquisição de Dados

Sistema de Aquisição de Dados Sistema de Aquisição de Dados Versão 2013 RESUMO Nesta experiência será desenvolvido o projeto de um sistema de aquisição e armazenamento de dados analógicos em formato digital. O sinal de um sensor de

Leia mais

Multimedidores Inteligentes MGE G3 Modo de uso do software IBIS_BE_cnf. ABB Automação. Hartmann & Braun

Multimedidores Inteligentes MGE G3 Modo de uso do software IBIS_BE_cnf. ABB Automação. Hartmann & Braun Multimedidores Inteligentes MGE G3 Modo de uso do software IBIS_BE_cnf ABB Automação Hartmann & Braun Índice 1. IBIS_BE_CNF - DEFINIÇÃO... 3 2. INSTALAÇÃO... 3 2.1. PRÉ-REQUISITOS PARA INSTALAÇÃO... 3

Leia mais

Microterminal USB - Protocolo VT 100 16 e 44 teclas

Microterminal USB - Protocolo VT 100 16 e 44 teclas Microterminal USB - Protocolo VT 100 16 e 44 teclas Gradual Tecnologia Ltda. Manual Microterminal USB - VT 100 16 e 44 teclas. 1 ÍNDICE Apresentação... 3 Especificação Técnica... 3 Características: (44

Leia mais

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes e Sistemas Distribuídos. Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação. Redes de comunicação de dados

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes e Sistemas Distribuídos. Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação. Redes de comunicação de dados Estrutura de um Rede de Comunicações Profa.. Cristina Moreira Nunes Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação Utilização do sistema de transmissão Geração de sinal Sincronização Formatação das mensagens

Leia mais

Características. Conteúdo. Ligações. Tabela de Revisões

Características. Conteúdo. Ligações. Tabela de Revisões Manual AP-60 2011 Acura Global Rev. A.2 sales@acuraglobal.com Tel.: +55 11 3028-4600 Matriz: Rua Reginata Ducca, 73 09626-100 São Bernardo do Campo SP Fábrica: Doutor Domiciano Costa Moreira, 266 37500-202

Leia mais

Fundamentos de Redes de Computadores

Fundamentos de Redes de Computadores Fundamentos de Redes de Computadores Princípios de Comunicação de Dados Prof. Alexandre Dezem Bertozzi Divinópolis, fevereiro de 2003 1 Por que redes? É praticamente impossível não pensar em redes quando

Leia mais

Espectro da Voz e Conversão A/D

Espectro da Voz e Conversão A/D INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO LICENCIATURA EM ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA E DE COMPUTADORES GUIA DO 1º TRABALHO DE LABORATÓRIO DE SISTEMAS DE TELECOMUNICAÇÕES I Espectro da Voz e Conversão A/D Ano Lectivo de

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO. Software de Gerenciamento. Controlador de Fator de Potência. Self Control

MANUAL DO USUÁRIO. Software de Gerenciamento. Controlador de Fator de Potência. Self Control MANUAL DO USUÁRIO Software de Gerenciamento Controlador de Fator de Potência Self Control ÍNDICE 1.0 INTRODUÇÃO 4 1.1 Aplicações 4 2.0 CARACTERÍSTICAS 4 2.1 Compatibilidade 4 3.0 INSTALAÇÃO 4 4.0 INICIALIZAÇÃO

Leia mais

Utilizando Modems GSM Guia Prático. Esse artigo mostra de maneira simples e objetiva os conceitos fundamentais para utilização de um modem GSM.

Utilizando Modems GSM Guia Prático. Esse artigo mostra de maneira simples e objetiva os conceitos fundamentais para utilização de um modem GSM. Utilizando Modems GSM Guia Prático Esse artigo mostra de maneira simples e objetiva os conceitos fundamentais para utilização de um modem GSM. Luiz Henrique Corrêa Bernardes Cada vez mais estamos envolvidos

Leia mais

Módulo 1 Introdução às Redes

Módulo 1 Introdução às Redes CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes Módulo 1 Introdução às Redes Ligação à Internet Ligação à Internet Uma ligação à Internet pode ser dividida em: ligação física; ligação lógica; aplicação. Ligação física

Leia mais

Porta Série SÉRIE x PARALELO PORTA SÉRIE. Comunicação série SÉRIE PARALELA

Porta Série SÉRIE x PARALELO PORTA SÉRIE. Comunicação série SÉRIE PARALELA Porta Série 8051 Aplicações de Microprocessadores 2006/2007 SÉRIE x PARALELO SÉRIE EMISSOR RECEPTOR PARALELA EMISSOR RECEPTOR 2 2 PORTA SÉRIE Comunicação série Síncrona Existe um sinal de relógio entre

Leia mais

Manual da Comunicação Modbus-RTU

Manual da Comunicação Modbus-RTU Manual da Comunicação Modbus-RTU Relé Inteligente Série: SRW 01 Idioma: Português Documento: 10000013033 / 00 12/2007 Sobre o manual Sumário SOBRE O MANUAL...5 ABREVIAÇÕES E DEFINIÇÕES... 5 REPRESENTAÇÃO

Leia mais

MGE 144 Medidor Multigrandezas

MGE 144 Medidor Multigrandezas MGE 144 Medidor Multigrandezas Modo de uso do software IBIS_BE ABB Instrumentação 1 PROGRAMA IBIS BE Conexão Compatibilidade - Compatível com 486 8M RAM ou superior com 1 saída de comunicação serial disponível,

Leia mais

CCI.Courier. Troca de dados de encomenda entre o PC da quinta e o terminal. Manual de instruções. Referência: CCI.Courier v2.0

CCI.Courier. Troca de dados de encomenda entre o PC da quinta e o terminal. Manual de instruções. Referência: CCI.Courier v2.0 CCI.Courier Troca de dados de encomenda entre o PC da quinta e o terminal Manual de instruções Referência: CCI.Courier v2.0 Copyright 2014 Copyright by Competence Center ISOBUS e.v. Albert-Einstein-Str.

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO

MANUAL DE INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO SOFTWARE DE CONFIGURAÇÃO S501 CONNECT Versão 1.0.1 / Revisão 1 MANUAL DE INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO CONTEMP IND. COM. E SERVIÇOS LTDA. Al. Araguaia, 204 - CEP 09560-580 S. Caetano do Sul - SP - Brasil Fone:

Leia mais

Alarme Aquecimento Quarto Sala Cozinha Garagem Presente Param. Mensagem

Alarme Aquecimento Quarto Sala Cozinha Garagem Presente Param. Mensagem Minha habitação Aplicação para telemóvel Manual de instalação e utilização PT Alarme Aquecimento Quarto Sala Cozinha Garagem Presente Mensagem Índice 1- Apresentação...............................................3

Leia mais

Aula 7. Codificadores e Decodificadores. SEL 0414 - Sistemas Digitais. Prof. Dr. Marcelo Andrade da Costa Vieira

Aula 7. Codificadores e Decodificadores. SEL 0414 - Sistemas Digitais. Prof. Dr. Marcelo Andrade da Costa Vieira Aula 7 Codificadores e Decodificadores SEL 44 - Sistemas Digitais Prof. Dr. Marcelo Andrade da Costa Vieira Códigos/Decodificadores CÓDIGOS: l Conjunto organizado de sinais em que a informação é transformada

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA APLICADA INF01154 - Redes de Computadores N

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA APLICADA INF01154 - Redes de Computadores N UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA APLICADA INF01154 - Redes de Computadores N Transmissão de sinais no nível físico e de enlace do Modelo de

Leia mais

Nível de Enlace. Nível de Enlace. Serviços. Serviços. Serviços. Serviços. Serviços oferecidos os nível de rede

Nível de Enlace. Nível de Enlace. Serviços. Serviços. Serviços. Serviços. Serviços oferecidos os nível de rede Nível de Enlace Enlace: caminho lógico entre estações. Permite comunicação eficiente e confiável entre dois computadores. Funções: fornecer uma interface de serviço à camada de rede; determinar como os

Leia mais

Eletrônica Industria e Comércio Ltda www.amcp.com.br

Eletrônica Industria e Comércio Ltda www.amcp.com.br Ligação a Microcomputador Ver. 2.0 de 07/11/2011 O DIM4 pode ser muito mais facilmente programado através de um programa em microcomputador. Para tanto é necessário uma interface USB-TTL como a figura

Leia mais

3 Camada de ligação de dados

3 Camada de ligação de dados 3 Camada de ligação de dados Interfaces e transmissão de dados 3 Camada de ligação de dados 1/28 3.1 Sincronismo detecção e cor recção de err os Interfaces e transmissão de dados 3.1 Sincronismo, Detecção

Leia mais

Escola Secundária de Emídio Navarro

Escola Secundária de Emídio Navarro Escola Secundária de Emídio Navarro Curso Secundário de Carácter Geral (Agrupamento 4) Introdução às Tecnologias de Informação Ficha de trabalho N.º 1 1. Refere algumas das principais áreas das Tecnologias

Leia mais

NETALARM GATEWAY. Manual do Usuário

NETALARM GATEWAY. Manual do Usuário Índice 1. Introdução...3 2. Requisitos Mínimos de Instalação...3 3. Instalação...3 4. Inicialização do Programa...5 5. Abas de Configuração...6 5.1 Aba Serial...6 5.2 Aba TCP...7 5.2.1 Opções Cliente /

Leia mais

Programa da disciplina, i metodologia de ensino, avaliações e bibliografia básica. Objetivos da Disciplina

Programa da disciplina, i metodologia de ensino, avaliações e bibliografia básica. Objetivos da Disciplina Circuitos Digitais Cap. 1 Prof. José Maria P. de Menezes Jr. Circuitos Digitais Tópicos Digitais I- Engenharia Elétrica -UFPI Programa da disciplina, i metodologia de ensino, avaliações e bibliografia

Leia mais

Seu manual do usuário EPSON LQ-630 http://pt.yourpdfguides.com/dref/1120693

Seu manual do usuário EPSON LQ-630 http://pt.yourpdfguides.com/dref/1120693 Você pode ler as recomendações contidas no guia do usuário, no guia de técnico ou no guia de instalação para. Você vai encontrar as respostas a todas suas perguntas sobre a no manual do usuário (informação,

Leia mais

www.vwsolucoes.com Copyright 2013 VW Soluções

www.vwsolucoes.com Copyright 2013 VW Soluções 1 1. Especificação técnicas: Dimensões do módulo 4EA2SA v1.0: 100 mm x 56 mm Peso aproximado: xxx gramas (montada). Alimentação do circuito : 12 ou 24Vcc Tipo de comunicação: RS232 ou RS485 Tensão de referencia:

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Parte II: Camada Física Dezembro, 2012 Professor: Reinaldo Gomes reinaldo@computacao.ufcg.edu.br Meios de Transmissão 1 Meios de Transmissão Terminologia A transmissão de dados d

Leia mais

I N T R O D U Ç Ã O W A P desbloqueio,

I N T R O D U Ç Ã O W A P desbloqueio, INTRODUÇÃO Para que o Guia Médico de seu Plano de Saúde esteja disponível em seu celular, antes de mais nada, sua OPERADORA DE SAÚDE terá de aderir ao projeto. Após a adesão, você será autorizado a instalar

Leia mais

Tutorial 122 CP DUO Inversor WEG (RS485 Protocolo MODBUS - DUO Master)

Tutorial 122 CP DUO Inversor WEG (RS485 Protocolo MODBUS - DUO Master) Tutorial 122 CP DUO Inversor WEG (RS485 Protocolo MODBUS - DUO Master) Este documento é propriedade da ALTUS Sistemas de Informática S.A., não podendo ser reproduzido sem seu prévio consentimento. Altus

Leia mais

ZEUS SERVER STUDIO V2.07

ZEUS SERVER STUDIO V2.07 ZEUS SERVER STUDIO V2.07 FERRAMENTA DE CONFIGURAÇÃO DO ZEUS SERVER 3i Soluções Ind. Com. de Equip. Eletrônicos e Serviços em Materiais Elétricos Ltda. Rua Marcilio Dias, 65 Lapa CEP 05077-120 São Paulo

Leia mais

Módulo 2 Comunicação de Dados

Módulo 2 Comunicação de Dados URCAMP - CCEI - Curso de Informática Transmissão de Dados Módulo 2 Comunicação de Dados cristiano@urcamp.tche.br http://www.urcamp.tche.br/~ccl/redes/ Para SOARES (995), a transmissão de informações através

Leia mais

A L ERT. Para uma Iniciação Rápida com o

A L ERT. Para uma Iniciação Rápida com o A L ERT Para uma Iniciação Rápida com o I NSTA L AÇ Ã O Para iniciar a instalação da Solução Micromedia, insira CD-ROM de instalação no leitor de CDs do PC. Se a instalação não iniciar automaticamente

Leia mais

CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO

CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO 1 CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO O computador não é uma máquina interessante se não pudermos interagir com ela. Fazemos isso através de suas interfaces e seus periféricos. Como periféricos serão considerados os

Leia mais

Em um sistema de numeração de base b qualquer, um número positivo é representado pelo polinômio:

Em um sistema de numeração de base b qualquer, um número positivo é representado pelo polinômio: ELETRÔNICA DIGITAl I 1 SISTEMAS DE NUMERAÇÃO INTRODUÇÃO A base dos sistemas digitais são os circuitos de chaveamento (switching) nos quais o componente principal é o transistor que, sob o ponto de vista

Leia mais

1 O que é um computador? Definição uma máquina que lê dados, efectua cálculos e fornece resultados.

1 O que é um computador? Definição uma máquina que lê dados, efectua cálculos e fornece resultados. 1 O que é um computador? Definição uma máquina que lê dados, efectua cálculos e fornece resultados. 1.1 - Processos básicos do computador Entrada de dados ler ou receber os valores iniciais ou constantes

Leia mais

LINEAR EQUIPAMENTOS RUA SÃO JORGE, 267/269 - TELEFONE: (11) 2823-8800 SÃO CAETANO DO SUL - SP - CEP: 09530-250

LINEAR EQUIPAMENTOS RUA SÃO JORGE, 267/269 - TELEFONE: (11) 2823-8800 SÃO CAETANO DO SUL - SP - CEP: 09530-250 LINEAR EQUIPAMENTOS RUA SÃO JORGE, 267/269 - TELEFONE: (11) 2823-8800 SÃO CAETANO DO SUL - SP - CEP: 09530-250 1 SISTEMA HCS 2005 PROTOCOLO DE COMUNICAÇÃO (Baseado no Guarita Vr5.0x Última modificação:

Leia mais

Manual de Utilização Rápida Vodafone Connect Pen. Concebido para a Vodafone

Manual de Utilização Rápida Vodafone Connect Pen. Concebido para a Vodafone Manual de Utilização Rápida Vodafone Connect Pen Concebido para a Vodafone 1 Bem-vindo ao mundo das comunicações móveis 1 2 3 4 5 6 8 9 9 10 13 2 Bem-vindo Configuração da sua Connect Pen Iniciar o software

Leia mais

Software da Impressora

Software da Impressora Software da Impressora Acerca do Software da Impressora O software Epson inclui o controlador de impressão e o EPSON Status Monitor 3. O controlador de impressão é um software que permite controlar a impressora

Leia mais

Generated by Foxit PDF Creator Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only. Multiplexação e Frame Relay

Generated by Foxit PDF Creator Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only. Multiplexação e Frame Relay e Frame Relay o Consiste na operação de transmitir varias comunicações diferentes ao mesmo tempo através de um único canal físico. Tem como objectivo garantir suporte para múltiplos canais. o A multiplexação

Leia mais

KID MANUAL DE SOFTWARE

KID MANUAL DE SOFTWARE KID MANUAL DE SOFTWARE Sumário 1.1. O que é Programação em Blocos?... 3 1.2. Conhecendo o KID Programador... 3 1.2.1. Instalação do Software... 3 1.2.2. Áreas do Software... 5 1.3. Blocos usados para Programação...

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PRJET DE REDES www.projetoderedes.com.br urso de Tecnologia em Redes de omputadores Disciplina: Redes I Fundamentos - 1º Período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA 1: onceitos de Redes de Dados

Leia mais

Segunda Lista de Exercícios

Segunda Lista de Exercícios INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA Segunda Lista de Exercícios 1. Qual é a posição dos meios de transmissão no modelo OSI ou Internet? Os meios de transmissão estão localizados abaixo

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO

MANUAL DE INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO SOFTWARE DE CONFIGURAÇÃO S501 CONNECT Versão 1.0.0 / Revisão 0 MANUAL DE INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO CONTEMP IND. COM. E SERVIÇOS LTDA. Al. Araguaia, 204 - CEP 09560-580 S. Caetano do Sul - SP - Brasil Fone:

Leia mais

Introdução à Programação 2006/07. Computadores e Programação

Introdução à Programação 2006/07. Computadores e Programação Introdução à Programação 2006/07 Computadores e Programação Objectivos da Aula Noção de computador. Organização Interna de um Computador Noção de Sistema Operativo. Representação digital de informação

Leia mais

Guia de Laboratório de Redes Encaminhamento OSPF

Guia de Laboratório de Redes Encaminhamento OSPF Guia de Laboratório de Redes Encaminhamento OSPF 1 Introdução Este trabalho tem como objectivo familiarizar os alunos com os protocolos de encaminhamento dinâmico RIP e OSPF e a utilização de rotas estáticas.

Leia mais

Circuitos Combinacionais. Sistemas digitais

Circuitos Combinacionais. Sistemas digitais Circuitos Combinacionais Sistemas digitais Agenda } Codificador X Decodificador } Código BCD 8421, código BCH, código 9876543210 } Display de 7 segmentos } Multiplexador X Demultiplexador } Comparadores

Leia mais

O cursor se torna vermelho e uma Paleta de Edição contendo as instruções mais utilizadas é apresentada.

O cursor se torna vermelho e uma Paleta de Edição contendo as instruções mais utilizadas é apresentada. Editor de Ladder para VS7 Versão Teste O editor de ladder é um software de programação que permite que o VS7 e o µsmart sejam programados em linguagem de contatos. Esse editor está contido na pasta Público

Leia mais

Microterminais RS 232 - VT 100 16 e 44 teclas

Microterminais RS 232 - VT 100 16 e 44 teclas Microterminais RS 232 - VT 100 16 e 44 teclas Gradual Tecnologia Ltda. Manual Microterminal RS-232 - VT 100 16 e 44 teclas. ÍNDICE Apresentação... 3 Especificação Técnica... 3 Características Elétricas:

Leia mais

MANUAL DE CONSULTA RÁPIDA DO NOKIA MODEM OPTIONS. Copyright 2003 Nokia. Todos os direitos reservados 9356515 Issue 1

MANUAL DE CONSULTA RÁPIDA DO NOKIA MODEM OPTIONS. Copyright 2003 Nokia. Todos os direitos reservados 9356515 Issue 1 MANUAL DE CONSULTA RÁPIDA DO NOKIA MODEM OPTIONS Copyright 2003 Nokia. Todos os direitos reservados 9356515 Issue 1 Índice 1. INTRODUÇÃO...1 2. INSTALAR O NOKIA MODEM OPTIONS...1 3. LIGAR O NOKIA 6600

Leia mais

Zelio Logic & Zelio Alarm. Exemplo de configuração GSM/SMS

Zelio Logic & Zelio Alarm. Exemplo de configuração GSM/SMS Zelio Logic & Zelio Alarm Exemplo de configuração GSM/SMS Comunicação Zelio Logic I. Introdução Zelio Logic e ZelioCom II. Configurações de Hardware III. Configurações de Software IV. Zelio Alarm 2 Comunicação

Leia mais

Circuitos Digitais. Conteúdo. Sistema de Numeração e Códigos :: Conversões de Binário para Decimal SISTEMA DE NUMERAÇÃO E CÓDIGOS

Circuitos Digitais. Conteúdo. Sistema de Numeração e Códigos :: Conversões de Binário para Decimal SISTEMA DE NUMERAÇÃO E CÓDIGOS Ciência da Computação Sistemas de Numeração e Conversões Prof. Sergio Ribeiro Material adaptado das aulas do Prof. José Maria da UFPI Conteúdo Conversões de binário para decimal. Conversões de decimal

Leia mais

Tutorial 160 CP FBs - Elipse Scada (RS232 Protocolo MODBUS)

Tutorial 160 CP FBs - Elipse Scada (RS232 Protocolo MODBUS) Tutorial 160 CP FBs - Elipse Scada (RS232 Protocolo MODBUS) Este documento é propriedade da ALTUS Sistemas de Informática S.A., não podendo ser reproduzido sem seu prévio consentimento. Altus Sistemas

Leia mais

WATCHDOG ELITE NTC OPÇÃO DE COMUNICAÇÕES SERIAIS

WATCHDOG ELITE NTC OPÇÃO DE COMUNICAÇÕES SERIAIS WATCHDOG ELITE NTC OPÇÃO DE COMUNICAÇÕES SERIAIS O Watchdog é um equipamento complexo e realiza muitas funções. A função de comunicações é considerada uma função de baixa prioridade e por conta disso,

Leia mais

Arquitectura de Computadores

Arquitectura de Computadores Unidade de Entrada/Saída (I/O) Nuno Cavaco Gomes Horta Universidade Técnica de Lisboa / Instituto Superior Técnico Sumário Introdução Unidade de Processamento Unidade de Controlo Conjunto de Instruções

Leia mais

- Instruções para Aplicação de Geração do Ficheiro Prestação -

- Instruções para Aplicação de Geração do Ficheiro Prestação - ACSS Administração Central do Sistema de Saúde, I.P. - Instruções para Aplicação de Geração do Ficheiro Prestação - Meios Complementares de Diagnóstico e Terapêutica Novembro de 2013 1/24 ÍNDICE ÍNDICE...

Leia mais

Redes de Computadores II Prova 3 13/07/2012. Nome:

Redes de Computadores II Prova 3 13/07/2012. Nome: Redes de Computadores II Prova 3 13/07/2012 Nome: 1. Com base na rede mostrada abaixo: i. Assumindo que essa rede use IP, circule as subredes IP que nela devem ser criadas. ii. Identifique um protocolo

Leia mais

5 Entrada e Saída de Dados:

5 Entrada e Saída de Dados: 5 Entrada e Saída de Dados: 5.1 - Arquitetura de Entrada e Saída: O sistema de entrada e saída de dados é o responsável pela ligação do sistema computacional com o mundo externo. Através de dispositivos

Leia mais

MÓDULO 7 Modelo OSI. 7.1 Serviços Versus Protocolos

MÓDULO 7 Modelo OSI. 7.1 Serviços Versus Protocolos MÓDULO 7 Modelo OSI A maioria das redes são organizadas como pilhas ou níveis de camadas, umas sobre as outras, sendo feito com o intuito de reduzir a complexidade do projeto da rede. O objetivo de cada

Leia mais

Telecomunicações CONCEITOS DE COMUNICAÇÃO

Telecomunicações CONCEITOS DE COMUNICAÇÃO Telecomunicações CONCEITOS DE COMUNICAÇÃO 1 COMUNICAÇÃO A COMUNICAÇÃO pode ser definida como a transmissão de um sinal através de um meio, de um emissor para um receptor. O sinal contém uma mensagem composta

Leia mais

Av. Eng. George Corbisier, 1145/1151 1º andar Jabaquara São Paulo-SP CEP 04345-001 Tel: (11) 5012-5033 Fax: (11) 5012-3267 www.nonus.com.

Av. Eng. George Corbisier, 1145/1151 1º andar Jabaquara São Paulo-SP CEP 04345-001 Tel: (11) 5012-5033 Fax: (11) 5012-3267 www.nonus.com. Av. Eng. George Corbisier, 1145/1151 1º andar Jabaquara São Paulo-SP CEP 04345-001 Tel: (11) 5012-5033 Fax: (11) 5012-3267 www.nonus.com.br e-mail: nonus@nonus.com.br Manual de Instalação, Operação e Configuração

Leia mais

Universidade Federal de Santa Catarina Laboratório de Integração Software Hardware

Universidade Federal de Santa Catarina Laboratório de Integração Software Hardware Universidade Federal de Santa Catarina Laboratório de Integração Software Hardware Manual de Uso e Configuração do Terminal Serial GPRS TSG Introdução O TSG (Terminal Serial GPRS) é uma solução para telemetria

Leia mais

NETALARM GATEWAY Manual Usuário

NETALARM GATEWAY Manual Usuário NETALARM GATEWAY Manual Usuário 1 Índice 1. Introdução... 3 2. Requisitos de Instalação... 3 3. Instalação... 3 4. Iniciando o programa... 5 4.1. Aba Serial... 5 4.2. Aba TCP... 6 4.3. Aba Protocolo...

Leia mais

INSTALAÇÃO MICROTERMINAL FIT BASIC BEMATECH

INSTALAÇÃO MICROTERMINAL FIT BASIC BEMATECH INSTALAÇÃO MICROTERMINAL FIT BASIC BEMATECH Objetivo Este documento tem como finalidade descrever o processo de instalação e configuração do Microterminal Fit Basic - Bematech. Instalação do Microterminal

Leia mais

4 Arquitetura básica de um analisador de elementos de redes

4 Arquitetura básica de um analisador de elementos de redes 4 Arquitetura básica de um analisador de elementos de redes Neste capítulo é apresentado o desenvolvimento de um dispositivo analisador de redes e de elementos de redes, utilizando tecnologia FPGA. Conforme

Leia mais

Estrutura interna de um microcontrolador

Estrutura interna de um microcontrolador Estrutura interna de um microcontrolador Um microcontrolador é composto por um conjunto de periféricos interligados a uma unidade de processamento e todo este conjunto confere a este componente uma versatilidade

Leia mais

Manual de Utilizador. Disciplina de Projecto de Sistemas Industriais. Escola Superior de Tecnologia. Instituto Politécnico de Castelo Branco

Manual de Utilizador. Disciplina de Projecto de Sistemas Industriais. Escola Superior de Tecnologia. Instituto Politécnico de Castelo Branco Escola Superior de Tecnologia Instituto Politécnico de Castelo Branco Departamento de Informática Curso de Engenharia Informática Disciplina de Projecto de Sistemas Industriais Ano Lectivo de 2005/2006

Leia mais

Guia Rápido do TVR 12

Guia Rápido do TVR 12 Guia Rápido do TVR 12 Figura 1: Ligações do painel traseiro 1. "Loop through" para um máximo de 16 câmaras analógicas (consoante o modelo de DVR). 2. Ligar a um dispositivo RS-232. 3. Ligar até quatro

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO E PROGRAMAÇÃO CONVERSOR - IP / USB / SERIAL - 317 RV1

MANUAL DE INSTALAÇÃO E PROGRAMAÇÃO CONVERSOR - IP / USB / SERIAL - 317 RV1 MANUAL DE INSTALAÇÃO E PROGRAMAÇÃO CONVERSOR - IP / USB / SERIAL - 317 RV1 SÃO CAETANO DO SUL 06/06/2014 SUMÁRIO Descrição do Produto... 3 Características... 3 Configuração USB... 4 Configuração... 5 Página

Leia mais

Vodafone ADSL Station Manual de Utilizador. Viva o momento

Vodafone ADSL Station Manual de Utilizador. Viva o momento Vodafone ADSL Station Manual de Utilizador Viva o momento 3 4 5 5 6 6 7 8 9 12 12 14 16 17 18 19 20 21 22 22 23 23 24 24 24 25 26 27 Ligar o Router LEDs Configuração do Router Aceder à ferramenta de configuração

Leia mais

Fundamentos de Arquitetura de Computadores. Prof. Marcos Quinet Universidade Federal Fluminense UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO

Fundamentos de Arquitetura de Computadores. Prof. Marcos Quinet Universidade Federal Fluminense UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO Fundamentos de Arquitetura de Computadores Prof. Marcos Quinet Universidade Federal Fluminense UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO Hardware de um Sistema Computacional Hardware: são os componentes

Leia mais

Ajuda do software OBELISK top2 V3.0

Ajuda do software OBELISK top2 V3.0 Ajuda do software OBELISK top2 V3.0 Índice Índice 1 Introdução 2 2 Ajuda da ajuda 3 3 Iniciar o programa 3 4 Interface do utilizador 4 5 Configurações do programa 6 6 Programar comutações 8 7 Programar

Leia mais

Multimedidores Inteligentes IDM96 Modo de uso do software IBIS_BE_cnf. ABB Automação. Hartmann & Braun

Multimedidores Inteligentes IDM96 Modo de uso do software IBIS_BE_cnf. ABB Automação. Hartmann & Braun Multimedidores Inteligentes IDM96 Modo de uso do software IBIS_BE_cnf ABB Automação Hartmann & Braun Índice 1. IBIS_BE_CNF - DEFINIÇÃO... 3 2. INSTALAÇÃO... 3 2.1. PRÉ-REQUISITOS PARA INSTALAÇÃO... 3 3.

Leia mais

Unidade de Controlo. Unidade Aritmética e Lógica

Unidade de Controlo. Unidade Aritmética e Lógica Métodos de Programação I Departamento de Matemática, FCTUC 8 Modelo de Organização de um Computador Digital - Modelo de Von Neumann Neste modelo esquemático de organização de um computador digital tradicional

Leia mais

Entradas/Saídas. Programação por espera activa Programação por interrupções

Entradas/Saídas. Programação por espera activa Programação por interrupções Entradas/Saídas Programação por espera activa Programação por interrupções Programação por espera activa 1. O programa lê o estado do periférico: CPU pede ao controlador (IN) o valor no registo ESTADO

Leia mais

LINEAR EQUIPAMENTOS RUA SÃO JORGE, 269 - TELEFONE : 6823-8800 SÃO CAETANO DO SUL - SP - CEP: 09530-250

LINEAR EQUIPAMENTOS RUA SÃO JORGE, 269 - TELEFONE : 6823-8800 SÃO CAETANO DO SUL - SP - CEP: 09530-250 1 LINEAR EQUIPAMENTOS RUA SÃO JORGE, 269 - TELEFONE : 6823-8800 SÃO CAETANO DO SUL - SP - CEP: 09530-250 O Sistema HCS 2000 é composto por: PROTOCOLO DE COMUNICAÇÃO SISTEMA HCS 2000 v6.x Receptores: dispositivos

Leia mais

Manual de Utilização Rápida Vodafone Connect Pen K3571. Concebido para a Vodafone

Manual de Utilização Rápida Vodafone Connect Pen K3571. Concebido para a Vodafone Manual de Utilização Rápida Vodafone Connect Pen K3571 Concebido para a Vodafone Bem-vindo ao mundo das comunicações móveis 1 Bem-vindo 2 Configuração da Connect Pen 3 Iniciar a aplicação 4 Ligar - Modo

Leia mais

Telekit, Componentes Electrónicos S.A. - 2004. Manual Técnico do Interface GSM LEVEL GB RDIS - Sincronismo

Telekit, Componentes Electrónicos S.A. - 2004. Manual Técnico do Interface GSM LEVEL GB RDIS - Sincronismo Manual Técnico do Interface GSM LEVEL GB RDIS - Sincronismo Configuração / Parâmetros: Quando iniciar o programa, os parâmetros de configuração só ficam acessíveis quando os seus valores forem lidos a

Leia mais

Aplicações de Programação CNC/ISO com Microcomputador

Aplicações de Programação CNC/ISO com Microcomputador Aplicações de Programação João Manuel R. S. Tavares Joaquim Oliveira Fonseca Introdução No contexto da programação CNC seria benéfica a possibilidade de trabalhar com programas que, dentro do possível,

Leia mais