COMUNICAÇÃO SERIAL ENTRE EQUIPAMENTOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "COMUNICAÇÃO SERIAL ENTRE EQUIPAMENTOS"

Transcrição

1 COMUNICAÇÃO SERIAL ENTRE EQUIPAMENTOS 1 Introdução Para transmitir ou receber informações de outros dispositivos é necessário que os sistemas automáticos sejam capazes de comunicarem-se com estes dispositivos. Os diferentes modos de comunicação presentes em sistemas de automação podem ser classificados de acordo com diferentes características. Quanto ao número de dispositivos interconectados por um meio físico de transmissão, podemos diferenciar entre Comunicação Ponto a Ponto e Comunicação Multi-Ponto. Na comunicação ponto a ponto, conforme o próprio nome já indica, um dispositivo comunica-se diretamente com outro através de um meio físico, normalmente de uso exclusivo para a interligação, conectando o transmissor ao receptor. Já na comunicação multi-ponto um dispositivo pode comunicar-se simultaneamente com diversos outros dispositivos. A topologia mais comumente utilizada é o chamado barramento, na qual é utilizado um meio físico único interligando todos os dispositivos. Na comunicação serial, a transmissão de um certo dado é feita de tal forma que cada bit é transmitido de forma seqüencial, um após o outro. A estrutura da comunicação serial é bem simples: uma linha para envio de dados, outra para o recebimento e mais algumas para regularizar como os dados estão sendo transmitidos. Apesar de que, a princípio, uma transmissão serial possa aparentar ser mais lenta do que a transmissão paralela, em função da possível simultaneidade na transmissão de vários sinais nesta última, tal afirmativa não pode ser generalizada. Por exemplo, uma interface serial capaz de transmitir a uma taxa de 10 Mbps (bps = bits por segundo) será mais rápida do que uma interface paralela capaz de transmitir 8 bits em paralelo com taxa de 9.6 kbps (ou seja, taxa efetiva de 8 * 9.6 kbps que é menor do que 10 Mbps). A fim de permitir a efetiva troca de informações, além dos dados sendo transmitidos de um dispositivo para outro(s), na interconexão entre diferentes dispositivos faz-se necessário o envio de informações adicionais para endereçamento (em especial nos casos de ligações multi-ponto) e controle da transmissão. O primeiro permite identificar do destino da informação sendo transmitida, ou seja, a qual dispositivo ou mesmo a qual processo executando em um dispositivo a mensagem em questão é endereçada. As informações para controle da transmissão incluem delimitadores de início de fim da mensagem transmitida, códigos para identificação e eventual correção de erros na transmissão, entre outros. Nas interfaces seriais, as informações de controle e endereçamento podem ser enviadas pela mesma linha de transmissão que os sinais de dados ou através de linhas exclusivas. A temporização no envio e recebimento das informações é outro conceito importante para garantir a correta transferência de informação. Neste caso, considera-se que equipamentos transmissores e receptores devem estar sincronizados de alguma forma. Devido a estas características, a comunicação serial permite maior flexibilidade para transmissão a médias distâncias. Também, por conseqüência, o cabo é muito mais barato. Cabos telefônicos podem ser usados como cabo serial como é feito com a Internet. Os dispositivos externos ao micro que necessitam de cabos longos como o teclado, o mouse, a porta USB e principalmente, as redes utilizam a comunicação serial. A tendência recente em comunicação de alto desempenho é também utilizar a tecnologia serial. UMC Universidade de Mogi das Cruzes - Professor Rodrigo 1

2 2 Tipos de Conexão Serial É possível distinguir três tipos de conexão serial: Simplex: a transmissão só ocorre em uma única direção. Esta configuração é utilizada quando o dispositivo periférico só é capaz de transmitir ou de receber dados. Por exemplo, um mouse (só envia) conectado a um computador via uma linha serial. Half duplex (HDX): a transmissão pode ocorrer nas duas direções, entretanto não simultaneamente. Esta configuração é tipicamente utilizada para permitir a comunicação bidirecional entre dois elementos utilizando apenas uma linha de comunicação. A comunicação half - duplex é alcançada através de circuitos comutadores nos dois extremos da linha que conectam os respectivos transmissores e receptores. Assim, quando a transmissão em uma direção é finalizada, os circuitos comutadores são acionados para permitir a transmissão no sentido inverso. Full duplex (FDX): a transmissão pode ocorrer nas duas direções simultaneamente. A forma mais tradicional de se implementar uma comunicação full duplex é através de duas linhas de comunicação: uma para permitir a transmissão em uma direção, a outra, para permitir a transmissão na direção inversa. 3 O padrão RS-232 O padrão RS-232 é o padrão responsável pelo processo de converter os dados paralelos (provenientes de um sistema digital) em seriais e convertê-los novamente em paralelos. 3.1 Conectores RS-232 As portas seriais têm conectores machos no PC. O que exige que os conectores de dispositivos conectados ao PC pela porta serial (RS-232) sejam fêmeas. Usualmente, este padrão utiliza um conector com nove pinos denominado DB-9. A figura abaixo apresentam o formato deste conector e sua pinagem: DESCRIÇÃO PINOS DESCRIÇÃO CD Carrier Detect 1 6 DSR - Data Set Ready RD Receive Data 2 7 RTS - Request To Send TD Transmit Data 3 8 CTS - Clear To Send DTR Data Terminal Ready 4 9 RI - Ring Indicator Terra 5 Conector DB de 9 pinos (padrão RS - 232) UMC Universidade de Mogi das Cruzes - Professor Rodrigo 2

3 Neste padrão temos o equipamento terminal de dados (DTE) e o equipamento de comunicação de dados (DCE), onde o DTE é o PC e o DCE é o modem, ligados por um cabo RS-232. Como na maioria dos casos o PC já tem uma placa embutida, não é necessário interligá-los via cabo. As funções dos diversos pinos estão resumidas na tabela abaixo. RTS DTR SINAIS DE SAÍDA DESCRIÇÃO se essa linha for igual a 1, o DTE pergunta ao DCE se ele está pronto para receber os dados; esta linha só é válida para transmissão full-duplex, para fazer com que o modem mude de transmissor para receptor ou vice-versa o DTE fixa em 1 para dizer que está pronto para comunicação; esta saída é o sinal de habilitação do modem SINAIS DE ENTRADA TXD RXD CTS DSR RI RLSD DESCRIÇÃO linha onde viajam os dados. O dado só é enviado se as linhas RTS, CTS, DSR e DTR estiverem em 1. Essa linha fica em 1 quando não há nada sendo transmitido (de acordo com o protocolo V.24) linha de dados do DCE para o DTE DCE seta quando ele está pronto para receber dados; linha usada apenas em transmissões half-duplex linha com valor em alto, o DCE avisa que a conexão foi aceita (a discagem obteve sucesso) DCE indica que há uma chamada na linha telefônica onde o modem está ligado ou também CD (Carrier Detect), o modem indica que recebeu um sinal de carrier do outro fim da linha, ou seja, que uma conexão foi estabelecida Descrição dos sinais usados pelo padrão RS Comunicação no RS-232 Os sinais RTS, CTS, DSR e DTR envolvem "handshaking" entre o modem e o PC (full duplex mode). O handshaking é uma forma de sincronização do módulo de E/S do microprocessador porque o primeiro é mais lento que o segundo. A taxa de transmissão dos dados na comunicação serial é denominada de baud rate. Nas transmissões de sinais binários, a baud rate é equivalente ao número de bits transmitido por segundo. As taxas de transmissão iniciais padronizadas para uma interface RS232 eram menores que 20kbps (4.8, 9.6 e 19.2 kbps) e eram limitadas a distâncias menores que 15 metros. Entretanto, atualmente, as versões comerciais são capazes de transmitir a maiores taxas em cabos que permitem alcançar distâncias maiores do que as originalmente padronizadas (por exemplo, produtos comerciais transmitindo a 115 kbps ou mesmo 1.6 Mbps encontram-se disponíveis). Antes de uma palavra ser enviada, é transmitida a informação de estado da palavra (de acordo com o padrão RS-232). As palavras de dados (de 5 a 8 bits) são encapsuladas. O número exato de bits é fixado nos dois lados da conexão. Os dois lados devem concordar quanto ao número de bits, caso contrário a conexão não será estabelecida. Devido aos bits de início e fim, a transmissão serial tem cerca de 20% de overhead. UMC Universidade de Mogi das Cruzes - Professor Rodrigo 3

4 Em geral, a transferência de dados no formato serial entre computador e periférico é realizada pelo envio dos bits agrupados em unidades de informação. Cada unidade é denotada por caracter. Em geral, os caracteres são codificados em ASCII. A comunicação serial caracter a caracter entre computador e dispositivo pode ser ainda realizada de forma assíncrona ou síncrona. 3.3 Comunicação Síncrona e Assíncrona Na transferência assíncrona os caracteres são enviados à medida que ficam disponíveis. Desta forma, o intervalo de tempo entre dois caracteres é variável. Observar, entretanto, que a janela de tempo associada a um bit do caracter é fixa e é definida pela taxa de transmissão (baud rate) dada em bits por segundo. Na transmissão assíncrona de caracteres, embora o receptor e o transmissor não estejam sincronizados com respeito ao instante de envio de um caracter, assim que o receptor detecta o início da transmissão de um caracter, ele se auto sincroniza com relação aos bits dos caracteres, amostrando-os nos instantes apropriados. Este mecanismo de sincronização dos bits de um caracter pode ser descrito como se segue: a linha de comunicação é mantida em nível lógico "1" (linha em repouso - idle state ou marking state). Um start bit (nível lógico "0") sinaliza o início da transmissão de um caracter. O receptor sincroniza a sua operação ao detectar a transição de "1" para "0" na linha de comunicação. Após a detecção do start bit, o receptor amostra seqüencialmente a linha em intervalos regulares, no meio da janela de tempo associadas aos bits. Para a correta recepção, é necessário que ambos, transmissor e receptor, estejam operando com o mesmo baud rate. Após os bits do dado e um eventual bit de paridade, 1 a 2 stop bits (nível lógico "1") são enviados, sinalizando o fim da transmissão de um caracter. Quando não há nada sendo enviado, a linha está em nível alto, e quando o sinal cai, indica que a transmissão será iniciada. linha de estado 1 0 LSB MSB Start bit Direção do fluxo de dados Bit de paridade (opcional) Start bit da próxima transmissão 5 a 8 bits de dados A comunicação síncrona ocorre quando o transmissor e o receptor dividem um pulso de sinal comum, o qual ajuda a sincronizar suas ações. Isso exige uma linha extra onde passa esse sinal. A sincronização para transmissão serial deve ocorrer na própria linha de dados. Na transferência síncrona os caracteres são enviados um imediatamente após o outro, formando na linha uma seqüência infinita de bits, sem indicação clara das fronteiras entre caracteres. Sempre que não existir caracter a ser enviado, o transmissor insere um caracter especial de sincronismo, mantendo a linha ocupada. A transmissão síncrona, por eliminar a necessidade do envio dos start e stop bits, permite uma maior velocidade de transferência de caracteres. Mesmo com uma linha extra para sincronização, o bit de início é usado. Além disso, o primeiro parâmetro que deve ser estabelecido é a taxa de transmissão. UMC Universidade de Mogi das Cruzes - Professor Rodrigo 4

5 3.4 Controle de fluxo O controle de fluxo por software, às vezes expresso por Xon/Xoff, usa dois caracteres Xon e Xoff. Xon é normalmente indicado pelo caracter 17 do código ASCII e o 19 para o Xoff. O modem só terá um pequeno buffer que o computador completará até o modem enviar o sinal de Xoff para informar ao computador que este deve parar de enviar dados. Uma vez que o modem tenha mais lugar para armazenar dados, ele envia um caracter Xon e o computador envia mais dados. Este tipo de controle de fluxo tem a vantagem de não necessitar de mais fios além dos de envio e recepção de caracteres. O controle via hardware também é conhecido como controle de fluxo RTS/CTS. Ele usa dois fios no cabo serial ao invés de transmitir um caracter extra pelas linhas de dados. Assim, esse controle não vai diminuir a velocidade de transmissão como o controle via software. Quando o computador quer enviar dados ele torna ativa a linha de RTS (Request To Send pedido de envio). Se o modem é capaz de armazenar esses dados, ele então responde tornando a linha de CTS (Clear to Send) ativa e o computador já poderá enviar os dados. Se o modem não pode armazená-los, ele não irá tornar ativa a linha CTS. 3.5 Características elétricas Na tentativa de transmitir um sinal digital por um fio longo, percebeu-se que a forma do sinal sofria distorção devido à capacitância da linha. Descobriu-se que fazendo o sinal variar entre uma tensão positiva e uma negativa ajudava a eliminar a distorção. Então taxas de transferências mais altas se tornaram possíveis usando a alternância de sinais positivos e negativos. O padrão desenvolvido para esse tipo de sinal foi chamado de RS-232C. níveis de tensão: o padrão define que as linhas devem possuir níveis de tensão referenciados ao pino Terra (Ground pino 5 no DB-9), sendo que quando o nível de tensão for maior que +3 V é considerado valor lógico 0 e nível de tensão menor do que -3V corresponde ao nível lógico 1. Os sinais transmitidos usualmente podem variar entre +12 e -12 V; 3.6 Limitações Apesar de amplamente utilizado, o padrão RS232 tem sérias limitações quanto a questões de interferência eletromagnéticas: fato de pressupor um terra comum entre os dispositivos que se comunicam representa uma séria limitação em ambientes industriais, onde é comum termos diferenças consideráveis entre os potencias de terra de diferentes locais. a transferência do sinal sobre uma única linha torna difícil o isolamento a ruídos eletromagnéticos. Apesar do fato de ruídos externos poderem ser minimizados através do uso de cabos blindados, os ruídos internos são difíceis de serem eliminados. UMC Universidade de Mogi das Cruzes - Professor Rodrigo 5

Comunicação Serial. Comunicação Serial RS232

Comunicação Serial. Comunicação Serial RS232 Comunicação Serial Motivação Diversos dispositivos eletrônicos usam portas seriais para se comunicar com outros dispositivos eletrônicos. Para muitos é a única forma de comunicação. A integração de equipamentos

Leia mais

CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO

CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO 1 CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO O computador não é uma máquina interessante se não pudermos interagir com ela. Fazemos isso através de suas interfaces e seus periféricos. Como periféricos serão considerados os

Leia mais

Interfaces: blindagem, ligação à terra e linhas de transmissão. Revisões. Interfaces: blindagem, ligação à terra e linhas de transmissão

Interfaces: blindagem, ligação à terra e linhas de transmissão. Revisões. Interfaces: blindagem, ligação à terra e linhas de transmissão Ruído exterior Acoplamento indutivo Acoplamento capacitivo Múltiplas ligações à terra Pares entrançados Blindagem Linhas Reflexões na linha Terminação na carga Terminação na fonte Revisões Método de interligações

Leia mais

Redes de Comunicações/Computadores I Secção de Redes de Comunicação de Dados

Redes de Comunicações/Computadores I Secção de Redes de Comunicação de Dados 3. Interfaces Físicas Interfaces Não Balanceadas e Balanceadas; Interfaces de Alto Débito Redes de Comunicações/Computadores I Secção de Redes de Comunicação de Dados Interfaces Físicas Interfaces para

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PRJET DE REDES www.projetoderedes.com.br urso de Tecnologia em Redes de omputadores Disciplina: Redes I Fundamentos - 1º Período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA 1: onceitos de Redes de Dados

Leia mais

Centro Universitário Fundação Santo André. Disciplina Redes de Computadores. Módulo 05

Centro Universitário Fundação Santo André. Disciplina Redes de Computadores. Módulo 05 Centro Universitário Fundação Santo André Disciplina Redes de Computadores Módulo 05 2006 V1.0 Conteúdo Telecomunicação e Canais de Comunicação Multiplexação Tipos de Circuitos de Dados DTE e DCE Circuit

Leia mais

DARUMA INFORMAÇÃO TÉCNICA Aprovado por: Paulo Bettega

DARUMA INFORMAÇÃO TÉCNICA Aprovado por: Paulo Bettega Compilado por: Pedro Pinto Produto: TMF Daruma - BB DARUMA INFORMAÇÃO TÉCNICA Aprovado por: Paulo Bettega Módulo: Front End Serial Família: Informática BIT Modelos Envolvidos: Módulo Front-end Serial Título:

Leia mais

Portas Paralelas e Seriais IEEE 1284, RS 232, USB e IEEE 1394 (Firewire) Porta Paralela no PC

Portas Paralelas e Seriais IEEE 1284, RS 232, USB e IEEE 1394 (Firewire) Porta Paralela no PC Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Engenharia Departamento de Engenharia Elétrica Curso de Extensão em Arquitetura de Computadores Pessoais Portas Paralelas e Seriais IEEE 1284, RS 232,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA APLICADA INF01154 - Redes de Computadores N

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA APLICADA INF01154 - Redes de Computadores N UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA APLICADA INF01154 - Redes de Computadores N Transmissão de sinais no nível físico e de enlace do Modelo de

Leia mais

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes e Sistemas Distribuídos. Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação. Redes de comunicação de dados

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes e Sistemas Distribuídos. Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação. Redes de comunicação de dados Estrutura de um Rede de Comunicações Profa.. Cristina Moreira Nunes Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação Utilização do sistema de transmissão Geração de sinal Sincronização Formatação das mensagens

Leia mais

RCO2. Introdução à camada física

RCO2. Introdução à camada física RCO2 Introdução à camada física 1 Transmissão de uma stream de bits por um meio de transmissão 2 Atribuições da camada física: Transmissão de sequências de bits pelo meio físico Modulação (transmissão

Leia mais

Fundamentos de Redes de Computadores

Fundamentos de Redes de Computadores Fundamentos de Redes de Computadores Princípios de Comunicação de Dados Prof. Alexandre Dezem Bertozzi Divinópolis, fevereiro de 2003 1 Por que redes? É praticamente impossível não pensar em redes quando

Leia mais

Segunda Lista de Exercícios

Segunda Lista de Exercícios INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA Segunda Lista de Exercícios 1. Qual é a posição dos meios de transmissão no modelo OSI ou Internet? Os meios de transmissão estão localizados abaixo

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES. Conversor USB P/ RS-232/422/485 Modelo D501 Revisão 2

MANUAL DE INSTRUÇÕES. Conversor USB P/ RS-232/422/485 Modelo D501 Revisão 2 MANUAL DE INSTRUÇÕES Conversor USB P/ RS-232/422/485 Modelo D501 Revisão 2 CONTEMP IND. COM. E SERVIÇOS LTDA. Al. Araguaia, 204 - CEP 09560-580 São Caetano do Sul - SP - Brasil Fone: 11 4223-5100 - Fax:

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Transmissão www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Transmissão Transmissão é a técnica que é utilizada para enviar um sinal entre os dois pontos envolvidos

Leia mais

Automação Subestações Centros Controle. Protocolo MODBUS

Automação Subestações Centros Controle. Protocolo MODBUS Protocolo MODBUS Paulo Roberto Pedroso de Oliveira (11) 3378 8600 (11) 9935 9080 ASCC Automação de e de prpasc@gmail.com http://www.ascx.com.br Protocolos de Comunicação Regras que governam a comunicação

Leia mais

Guia de Cabeamento para Portas de Console e AUX

Guia de Cabeamento para Portas de Console e AUX Guia de Cabeamento para Portas de Console e AUX Índice Introdução Pré-requisitos Requisitos Componentes Utilizados Convenções Tabela de Roteadores com Portas de Console e AUX Configurações da Porta de

Leia mais

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes de comunicação. de Dados. Network) Area. PAN (Personal( Redes de. de dados

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes de comunicação. de Dados. Network) Area. PAN (Personal( Redes de. de dados Fundamentos de Estrutura de um Rede de Comunicações Profa.. Cristina Moreira Nunes Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação Utilização do sistema de transmissão Geração de sinal Sincronização Formatação

Leia mais

Conversor IP Shellby RS-232 ( TCP-IP)

Conversor IP Shellby RS-232 ( TCP-IP) Conversor IP Shellby RS-232 ( TCP-IP) Gradual Tecnologia Ltda. Manual do Conversor RS-232 Ethernet 1 ÍNDICE CARACTERÍSTICAS DO APARELHO... 3 DESCRIÇÃO:... 3 CARACTERÍSTICAS MECÂNICAS:... 3 PINAGEM... 4

Leia mais

Capítulo 2: Introdução às Redes de Computadores Camada Física. Redes para Automação Industrial Luiz Affonso Henderson Guedes

Capítulo 2: Introdução às Redes de Computadores Camada Física. Redes para Automação Industrial Luiz Affonso Henderson Guedes Capítulo 2: Introdução às Redes de Computadores Camada Física Redes para Automação Industrial Luiz Affonso Henderson Guedes Camada Física Trata da geração de sinais físicos e sua propagação através do

Leia mais

Comunicação de dados. Introdução

Comunicação de dados. Introdução Comunicação de dados Introdução Os microcontroladores AVR estão equipados com dois pinos destinados à comunicação serial, UART (Universal Asynchronous Reciever/Transmitter), ou seja, permitem trocar informações

Leia mais

2 Conceitos de transmissão de dados

2 Conceitos de transmissão de dados 2 Conceitos de transmissão de dados 2 Conceitos de transmissão de dados 1/37 2.4 Camada física do Modelo OSI 2.4 Camada física do modelo OSI 2/37 Interfaces série entre utilizador e rede DTE (Data terminal

Leia mais

Estrutura de um Rede de Comunicações

Estrutura de um Rede de Comunicações Fundamentos de Profa.. Cristina Moreira Nunes Estrutura de um Rede de Comunicações Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação Utilização do sistema de transmissão Geração de sinal Sincronização Formatação

Leia mais

MINICURSO. Comunicação Serial - RS232

MINICURSO. Comunicação Serial - RS232 MINICURSO Comunicação Serial - RS232 Edmur Canzian CNZ Engenharia e Informática Ltda. http://www.cnz.com.br e-mail: engenharia@cnz.com.br Conceitos Básicos sobre Comunicação Serial O que é Comunicação

Leia mais

MANUAL RÁDIO MODEM SPREAD SPECTRUM RMSS-900 V2

MANUAL RÁDIO MODEM SPREAD SPECTRUM RMSS-900 V2 MANUAL RÁDIO MODEM SPREAD SPECTRUM RMSS-900 V2 Versão 2.03 Infinium Automação Industrial Ltda Site: email: contato@infiniumautomacao.com.br 1. APRESENTAÇÃO O Rádio modem RMSS-900V2 foi projetado para utilização

Leia mais

Porta Série. Trabalhos Práticos AM 2007/2008. Porta Série. Objectivos

Porta Série. Trabalhos Práticos AM 2007/2008. Porta Série. Objectivos 3 Objectivos - Configurar os parâmetros associados à comunicação série assíncrona. - Saber implementar um mecanismo de menus para efectuar a entrada e saída de dados, utilizando como interface um terminal

Leia mais

ISOLADOR FOTOELÉTRICO INTERFACE EM SÉRIE RS-232

ISOLADOR FOTOELÉTRICO INTERFACE EM SÉRIE RS-232 ISOLADOR FOTOELÉTRICO INTERFACE EM SÉRIE RS-232 Manual do Utilizador DA-70163 I. Resumo Com a adoção da tecnologia avançada de isolamento fotoelétrico, o Isolador Fotoelétrico de Interface em Série RS-232,

Leia mais

Marthe Ethernet A820. Manual do Usuário

Marthe Ethernet A820. Manual do Usuário Marthe Ethernet A820 Manual do Usuário Índice 1 INTRODUÇÃO... 5 2 CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS... 6 3 CARACTERÍSTICAS ELÉTRICAS... 7 3.1 ALIMENTAÇÃO 7 3.1.1 ESPECIFICAÇÃO DA FONTE DE ALIMENTAÇÃO... 7 3.2 INTERFACE

Leia mais

5 Entrada e Saída de Dados:

5 Entrada e Saída de Dados: 5 Entrada e Saída de Dados: 5.1 - Arquitetura de Entrada e Saída: O sistema de entrada e saída de dados é o responsável pela ligação do sistema computacional com o mundo externo. Através de dispositivos

Leia mais

1 Lista de exercícios 01

1 Lista de exercícios 01 FRANCISCO TESIFOM MUNHOZ 2007 1 Lista de exercícios 01 1) No desenvolvimento e aperfeiçoamento realizado em redes de computadores, quais foram os fatores que conduziram a interconexão de sistemas abertos

Leia mais

Introdução TIA/EIA-422 TIA/EIA-485. Conceitos Básicos de RS-485 e RS-422

Introdução TIA/EIA-422 TIA/EIA-485. Conceitos Básicos de RS-485 e RS-422 Introdução As normas RS-485 e RS-422 definem esquemas de transmissão de dados balanceados que oferecem soluções robustas para transmitir dados em longas distâncias em ambientes ruidosos. Estas normas não

Leia mais

Redes Industriais ModBus RTU

Redes Industriais ModBus RTU Padrão EIA RS-232 O padrão RS (Recommended Standart) é uma padronização de interface para comunicação de dados criada nos anos 60 por um comitê da Electronic Industries Association (EIA). O equipamento

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Introdução Fabricio Breve Onde estão as redes? Caixa Eletrônico Terminais conectados a um computador central Supermercados, farmácias, etc... Vendas Caixa Estoque Etc... Por que Redes?

Leia mais

Comunicação Serial com Modem

Comunicação Serial com Modem Comunicação Serial com Modem F.N.A. e E.T.M. /2001 (revisão) E.T.M./2004 (revisão) E.T.M./2005 (revisão) E.T.M./2011 (revisão) E.T.M./2012 (revisão) RESUMO O objetivo desta experiência é a familiarização

Leia mais

Sistema de Numeração e Códigos. CPCX UFMS Prof. Renato F. dos Santos

Sistema de Numeração e Códigos. CPCX UFMS Prof. Renato F. dos Santos Sistema de Numeração e Códigos CPCX UFMS Prof. Renato F. dos Santos 2.4 Código BCD (Binary-coded decimal) Quando um número decimal é representado pelo seu número binário equivalente, dizemos que é uma

Leia mais

EIA232. Introdução. Comunicação de Dados 3º EEA 2004/2005

EIA232. Introdução. Comunicação de Dados 3º EEA 2004/2005 EIA232 Comunicação de Dados 3º EEA 2004/2005 Introdução Criado nos EUA em 1969 para definir o interface eléctrico e mecânico entre equipamento com troca de dados digitais: Equipamento terminal de dados

Leia mais

Circuitos Digitais 144L

Circuitos Digitais 144L Circuitos Digitais Notas de Aula - 02 INSTITUTO: CURSO: DISCIPLINA: Instituto de Ciências Exatas e Tecnologia Ciência da Computação e Sistemas de Informação Circuitos Digitais 144L 1.0 Circuitos Combinacionais.

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Introdução Redes de Computadores é um conjunto de equipamentos que são capazes de trocar informações e compartilhar recursos entre si, utilizando protocolos para se comunicarem e

Leia mais

Conversor Ethernet Serial CES-0200-XXX-XX. Manual V3.9

Conversor Ethernet Serial CES-0200-XXX-XX. Manual V3.9 Conversor Ethernet Serial CES-0200-XXX-XX Manual V3.9 Parabéns! Você acaba de adquirir o Conversor Ethernet Serial CES-0200 que orgulhosamente foi desenvolvido e produzido no Brasil. Este é um produto

Leia mais

CAPÍTULO 4 Interface USB

CAPÍTULO 4 Interface USB Interfaces e Periféricos 29 CAPÍTULO 4 Interface USB Introdução Todo computador comprado atualmente possui uma ou mais portas (conectores) USB. Estas portas USB permitem que se conecte desde mouses até

Leia mais

MANUAL RÁDIO MODEM COMPACTO 900 MHz RMC-900

MANUAL RÁDIO MODEM COMPACTO 900 MHz RMC-900 MANUAL RÁDIO MODEM COMPACTO 900 MHz RMC-900 Versão 1.01 Infinium Automação Industrial Ltda contato@infiniumautomacao.com.br 1. APRESENTAÇÃO O rádio modem RMC-900 foi projetado para utilização em sistemas

Leia mais

Comunicação de Dados

Comunicação de Dados UNISUL 2013 / 1 Universidade do Sul de Santa Catarina Engenharia Elétrica - Telemática 1 Comunicação de Dados Aula 6 Agenda Projeto da camada de enlace de dados Detecção e correção de erros Protocolos

Leia mais

Manual de Operação e Instalação. Microterminal TCP/IP MT740. versão 1.0

Manual de Operação e Instalação. Microterminal TCP/IP MT740. versão 1.0 Manual de Instalação e Operação MT740 1/16 Manual de Operação e Instalação Microterminal TCP/IP MT740 versão 1.0 Manual de Instalação e Operação MT740 2/16 Índice Descrição 3 Reconhecendo o Terminal 5

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Fundamentos de Redes de Computadores, Transmissão de Dados e Cabeamento

REDES DE COMPUTADORES Fundamentos de Redes de Computadores, Transmissão de Dados e Cabeamento PVH 15-08-05 Administração de Empresas 2º Período Informática Aplicada REDES DE COMPUTADORES Fundamentos de Redes de Computadores, Transmissão de Dados e Cabeamento Prof. Sérgio Rodrigues 1 Redes de Computadores

Leia mais

Unidade 1. Bibliografia da disciplina 15/11/2008. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Redes de Computadores

Unidade 1. Bibliografia da disciplina 15/11/2008. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Redes de Computadores Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Redes de Computadores Disciplina: Redes de Computadores Prof.: Fernando Hadad Zaidan 1 Unidade 1 Conceitos básicos de Redes de Computadores 2

Leia mais

Sweex Adaptador ISDN PCI

Sweex Adaptador ISDN PCI Sweex Adaptador ISDN PCI Vantagens Velocidade - Devido ao facto de o adaptador ISDN juntar os canais, é possível obter um tráfego de dados com velocidades de 64.000 / 128.000 Kbps. Live video & conference

Leia mais

Unidade 1. Bibliografia da disciplina. Introdução. O que compartilhar? Exemplo 12/10/2009. Conceitos básicos de Redes de Computadores

Unidade 1. Bibliografia da disciplina. Introdução. O que compartilhar? Exemplo 12/10/2009. Conceitos básicos de Redes de Computadores Faculdade INED Unidade 1 Conceitos básicos de Redes de Computadores Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados, Sistemas para Internet e Redes de Computadores Disciplina: Fundamentos de Redes Prof.:

Leia mais

3 Camada de ligação de dados

3 Camada de ligação de dados 3 Camada de ligação de dados Interfaces e transmissão de dados 3 Camada de ligação de dados 1/28 3.1 Sincronismo detecção e cor recção de err os Interfaces e transmissão de dados 3.1 Sincronismo, Detecção

Leia mais

Modelo de Referência OSI. Modelo de Referência OSI. Modelo de Referência OSI. Nível Físico (1)

Modelo de Referência OSI. Modelo de Referência OSI. Modelo de Referência OSI. Nível Físico (1) Modelo de Referência OSI OSI (Open Systems Interconnection) Criado pela ISO (International Standards Organization) É um modelo abstrato que relaciona funções e serviços de comunicações em sete camadas.

Leia mais

Comunicação Paralela Meio de transferência de dados onde a informação é transferida os 8 bits ao mesmo tempo.

Comunicação Paralela Meio de transferência de dados onde a informação é transferida os 8 bits ao mesmo tempo. Comunicação Paralela Meio de transferência de dados onde a informação é transferida os 8 bits ao mesmo tempo. Porta Paralela do PC Foi concebida originalmente para transferir dados para uma impressora,

Leia mais

Informática. Prof. Macêdo Firmino. Redes de Computadores. Macêdo Firmino (IFRN) Informática Novembro de 2011 1 / 41

Informática. Prof. Macêdo Firmino. Redes de Computadores. Macêdo Firmino (IFRN) Informática Novembro de 2011 1 / 41 Informática Prof. Macêdo Firmino Redes de Computadores Macêdo Firmino (IFRN) Informática Novembro de 2011 1 / 41 Sistema Computacional Macêdo Firmino (IFRN) Informática Novembro de 2011 2 / 41 O que é

Leia mais

Microterminais RS 232 - VT 100 16 e 44 teclas

Microterminais RS 232 - VT 100 16 e 44 teclas Microterminais RS 232 - VT 100 16 e 44 teclas Gradual Tecnologia Ltda. Manual Microterminal RS-232 - VT 100 16 e 44 teclas. ÍNDICE Apresentação... 3 Especificação Técnica... 3 Características Elétricas:

Leia mais

ESTUDO DA PORTA SÉRIE E DA PORTA PARALELA

ESTUDO DA PORTA SÉRIE E DA PORTA PARALELA ESTUDO DA PORTA SÉRIE E DA PORTA PARALELA Fernando Alves Liliana Castro Outubro 2003 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO...3 2. PORTA SERIAL...4 2.1. COMUNICAÇÕES SÍNCRONAS E ASSÍNCRONAS...5 2.2. BITS DE PARIDADE...6

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Parte II: Camada Física Dezembro, 2012 Professor: Reinaldo Gomes reinaldo@computacao.ufcg.edu.br Meios de Transmissão 1 Meios de Transmissão Terminologia A transmissão de dados d

Leia mais

PLACAS DE COMUNICAÇÃO

PLACAS DE COMUNICAÇÃO PLACAS DE COMUNICAÇÃO São utilizadas para controle de dispositivos e instrumentos. Processam somente sinais digitais Cada uma das opções existentes possui protocolo de comunicação próprio Funcionam tanto

Leia mais

Manual do Usuário PRELIMINAR

Manual do Usuário PRELIMINAR Manual do Usuário PRELIMINAR Introdução O conversor KR-485/USB é a solução rápida e segura para a interface entre o PC e barramentos de comunicação industrial RS-485 ou RS-422. Ao ligar o KR-485/USB à

Leia mais

Topologia de rede Ligação Ponto-a-Ponto

Topologia de rede Ligação Ponto-a-Ponto TIPOS DE REDE Tipos de Redes Locais (LAN - Local Area Network), Redes Metropolitanas (MAN - Metropolitan Area Network) e Redes Remotas (WAN - Wide Area Network). Redes que ocupam um pequeno espaço geográfico

Leia mais

CAPÍTULO 5. INTERFACES PARA PERIFÉRICOS DE ARMAZENAMENTO INTERFACES DIVERSAS: FIREWIRE, SPI e I 2 C INTERFACES COM O MUNDO ANALÓGICO

CAPÍTULO 5. INTERFACES PARA PERIFÉRICOS DE ARMAZENAMENTO INTERFACES DIVERSAS: FIREWIRE, SPI e I 2 C INTERFACES COM O MUNDO ANALÓGICO 28 CAPÍTULO 5 INTERFACES PARA PERIFÉRICOS DE ARMAZENAMENTO INTERFACES DIVERSAS: FIREWIRE, SPI e I 2 C INTERFACES COM O MUNDO ANALÓGICO Interfaces para periféricos de armazenamento: Periféricos de armazenamento,

Leia mais

Microterminal USB - Protocolo VT 100 16 e 44 teclas

Microterminal USB - Protocolo VT 100 16 e 44 teclas Microterminal USB - Protocolo VT 100 16 e 44 teclas Gradual Tecnologia Ltda. Manual Microterminal USB - VT 100 16 e 44 teclas. 1 ÍNDICE Apresentação... 3 Especificação Técnica... 3 Características: (44

Leia mais

Modem Industrial GSM/GPRS MIN-300A

Modem Industrial GSM/GPRS MIN-300A Modem Industrial GSM/GPRS MIN-300A Manual do Usuário DMO 2768-001 DARUMA TELECOMUNICAÇÕES E INFORMÁTICA S.A. TERMO DE GARANTIA ID: A Daruma Telecomunicações e Informática S.A. assegura ao Consumidor deste

Leia mais

elpc-main 2122 Manual do Usuário ARM Evaluation Board for elpc SOM

elpc-main 2122 Manual do Usuário ARM Evaluation Board for elpc SOM elpc-main 2122 ARM Evaluation Board for elpc SOM Manual do Usuário Junho/2007 Índice 1. Apresentação 1 2. Características Técnicas 2 3. Principais Componentes 3 4. Instalação 5 4.1 Localização...5 4.2

Leia mais

Comunicação de Dados. Aula 5 Transmissão Analógica

Comunicação de Dados. Aula 5 Transmissão Analógica Comunicação de Dados Aula 5 Transmissão Analógica Sumário Modulação de sinais digitais Tipos de Modulação Taxa de transmissão x Taxa de modulação Modulação por amplitude Modulação por freqüência Modulação

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» CONTROLE E PROCESSOS INDUSTRIAIS (Perfil 03) «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» CONTROLE E PROCESSOS INDUSTRIAIS (Perfil 03) « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» CONTROLE E PROCESSOS INDUSTRIAIS (Perfil 03) «21. Os valores de I e Vo para o circuito dado a seguir, considerando os diodos ideais, são, respectivamente: a) 7 ma e 6 V. b) 7

Leia mais

Características. Conteúdo. Ligações. Tabela de Revisões

Características. Conteúdo. Ligações. Tabela de Revisões Manual AP-60 2011 Acura Global Rev. A.2 sales@acuraglobal.com Tel.: +55 11 3028-4600 Matriz: Rua Reginata Ducca, 73 09626-100 São Bernardo do Campo SP Fábrica: Doutor Domiciano Costa Moreira, 266 37500-202

Leia mais

Pretende-se neste trabalho familiarizar o aluno com a interface RS-232 e a sua aplicação em aquisição de dados num ambiente laboratorial

Pretende-se neste trabalho familiarizar o aluno com a interface RS-232 e a sua aplicação em aquisição de dados num ambiente laboratorial /$%KWWSGLDQDXFHKXDOJSW,QVWODESGI,QWHUIDFH56 0DWHULDO computador compilador Borland C ou Microsoft QuickBasic cabo série (RS-232) Osciloscópio digital Tektronix TDS210 2EMHFWLYRV Pretende-se neste trabalho

Leia mais

Ficha de trabalho Redes locais

Ficha de trabalho Redes locais Ficha de trabalho Redes locais 1.Arquitectura Ethernet, necessidade de um dispositivo concentrador, um switch para ligar os computadores. 2.Funciona como concentrador de tomadas, nao possui circuito electronico,

Leia mais

Comunicação Serial. Comunicação Serial

Comunicação Serial. Comunicação Serial RECEPÇÃO TRANSMISSÃO D7 D6 D5 D4 D3 D2 D1 D0 DESLOCAMENTO DESLOCAMENTO D7 D6 D5 D4 D3 D2 D1 D0 D0 D0 D7 D6 D5 D4 D3 D2 D1 D1 D0 D1 D7 D6 D5 D4 D3 D2 D2 D0 D1 D2 D7 D6 D5 D4 D3 D3 D0 D1 D2 D3 D7 D6 D5 D4

Leia mais

Barramentos e Interfaces

Barramentos e Interfaces Franklin Lima 1 Larissa Moraes 1 Marco Túlio 1 Miguel de Jesus 1 Poliana Ferreira 1 1 Departamento de Tecnologia Eletro-Eletrônica Instituto Federal da Bahia Seminário IEC, 2010 Prof. André Ferreira 1

Leia mais

Manual da Comunicação Profibus DP

Manual da Comunicação Profibus DP Manual da Comunicação Profibus DP Relé Inteligente Série: SRW 01 Versão de Software: V1.3X Idioma: Português Documento: 10000089150 / 00 04/2008 Sumário SOBRE O MANUAL...5 1 A REDE PROFIBUS DP...6 1.1

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES HISTÓRICO E CONCEITOS

REDES DE COMPUTADORES HISTÓRICO E CONCEITOS REDES DE COMPUTADORES HISTÓRICO E CONCEITOS BREVE HISTÓRICO A década de 60 Surgiram os primeiros terminais interativos, e os usuários podiam acessar o computador central através de linhas de comunicação.

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação A camada de enlace, cujo protocolo é utilizado para transportar um datagrama por um enlace individual, define o formato dos pacotes trocados entre os nós nas extremidades, bem como

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA MARCUS ANDERSON ALMEIDA BEZERRA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA MARCUS ANDERSON ALMEIDA BEZERRA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA MARCUS ANDERSON ALMEIDA BEZERRA PROTOCOLOS DE COMUNICAÇÃO APLICADOS EM FPGAs FORTALEZA

Leia mais

Prof. Marcelo de Sá Barbosa REDE DE COMPUTADORES

Prof. Marcelo de Sá Barbosa REDE DE COMPUTADORES Prof. Marcelo de Sá Barbosa REDE DE COMPUTADORES MODELO TCP/IP DE 5 CAMADAS MODELO OSI MODELO TCP IP NUMERO DA CAMADA CAMADA NUMERO DA CAMADA CAMADA 7 APLICAÇÃO 6 APRESENTAÇÃO 5 APLICAÇÃO 5 SESSÃO 4 TRANSPORTE

Leia mais

MÓDULO 7 Modelo OSI. 7.1 Serviços Versus Protocolos

MÓDULO 7 Modelo OSI. 7.1 Serviços Versus Protocolos MÓDULO 7 Modelo OSI A maioria das redes são organizadas como pilhas ou níveis de camadas, umas sobre as outras, sendo feito com o intuito de reduzir a complexidade do projeto da rede. O objetivo de cada

Leia mais

Módulo 2 Comunicação de Dados

Módulo 2 Comunicação de Dados URCAMP - CCEI - Curso de Informática Transmissão de Dados Módulo 2 Comunicação de Dados cristiano@urcamp.tche.br http://www.urcamp.tche.br/~ccl/redes/ Para SOARES (995), a transmissão de informações através

Leia mais

(21) 4063-9798 (11) 4063-1877 (21) 8831-6621 Skype: cerne-tec MSN: cerne-tec@hotmail.com www.cerne-tec.com.br

(21) 4063-9798 (11) 4063-1877 (21) 8831-6621 Skype: cerne-tec MSN: cerne-tec@hotmail.com www.cerne-tec.com.br (21) 4063-9798 (11) 4063-1877 (21) 8831-6621 Skype: cerne-tec MSN: cerne-tec@hotmail.com www.cerne-tec.com.br Manual do Usuário Placa CLPIC Índice 1. Introdução... 03 2. Chapeado da Placa... 04 3. Conector

Leia mais

MICROPROCESSADORES. Unidade de Entrada/Saída (I/O) Nuno Cavaco Gomes Horta. Universidade Técnica de Lisboa / Instituto Superior Técnico.

MICROPROCESSADORES. Unidade de Entrada/Saída (I/O) Nuno Cavaco Gomes Horta. Universidade Técnica de Lisboa / Instituto Superior Técnico. MICROPROCESSADORES (I/O) Nuno Cavaco Gomes Horta Universidade Técnica de Lisboa / Instituto Superior Técnico Sumário Introdução Unidade de Processamento Unidade de Controlo Conjunto de Instruções Unidade

Leia mais

Módulo de Conversão RS232/RS485

Módulo de Conversão RS232/RS485 Descrição do Produto O módulo de comunicação é um conversor bidirecional RS232/RS485 ou RS232/RS422 da Série FBs. Pode ser utilizado como interface com outros modelos de controladores ou aplicações, sendo

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES. I M P R E S S O R A P O S T É R M I C A 2 5 0 m m / s POSIMP88VUSP

MANUAL DE INSTRUÇÕES. I M P R E S S O R A P O S T É R M I C A 2 5 0 m m / s POSIMP88VUSP MANUAL DE INSTRUÇÕES I M P R E S S O R A P O S T É R M I C A 2 5 0 m m / s POSIMP88VUSP ÍNDICE Capítulo 1 - Características Técnicas 1.1 Impressão 1.2 Papel Térmico 1.3 Fonte de Impressão 1.4 Interface

Leia mais

Gerenciamento de Entrada e Saída Hélio Crestana Guardia e Hermes Senger

Gerenciamento de Entrada e Saída Hélio Crestana Guardia e Hermes Senger Gerenciamento de Entrada e Saída Hélio Crestana Guardia e Hermes Senger O controle da entrada e saída (E/S ou I/O, input/output) de dados dos dispositivos é uma das funções principais de um sistema operacional.

Leia mais

Serial Paralela USB FireWire(IEEE1394)

Serial Paralela USB FireWire(IEEE1394) Serial Paralela USB FireWire(IEEE1394) histórico Tudo começou em 1980 quando a IBM estava desenvolvendo seu primeiro micro PC. Já haviam definido que o barramento ISA seria usado para permitir que o IBM

Leia mais

Arquitectura de Computadores

Arquitectura de Computadores Unidade de Entrada/Saída (I/O) Nuno Cavaco Gomes Horta Universidade Técnica de Lisboa / Instituto Superior Técnico Sumário Introdução Unidade de Processamento Unidade de Controlo Conjunto de Instruções

Leia mais

CAPÍTULO 3 INTEGRAÇÃO DE SINAIS E DADOS. Carlos Eduardo Pereira e Walter Fetter Lages

CAPÍTULO 3 INTEGRAÇÃO DE SINAIS E DADOS. Carlos Eduardo Pereira e Walter Fetter Lages CAPÍTULO 3 INTEGRAÇÃO DE SINAIS E DADOS Carlos Eduardo Pereira e Walter Fetter Lages 3.1- INTRODUÇÃO Automação e robótica são duas tecnologias intimamente relacionadas (GROOVER et al., 1986). Para que

Leia mais

A Interface Serial e o Padrão RS-232

A Interface Serial e o Padrão RS-232 UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO FEN-DETEL - DEPARTAMENTO DE ELETRÔNICA E TELECOMUNICAÇÕES A Interface Serial e o Padrão RS-232 Prof. 1 A Interface Serial e o Padrão RS-232 Objetivo: apresentar

Leia mais

Introdução. Arquitetura de Rede de Computadores. Prof. Pedro Neto

Introdução. Arquitetura de Rede de Computadores. Prof. Pedro Neto Introdução Arquitetura de Rede de Prof. Pedro Neto Aracaju Sergipe - 2011 Ementa da Disciplina 1. Introdução i. Conceitos e Definições ii. Tipos de Rede a. Peer To Peer b. Client/Server iii. Topologias

Leia mais

RS-232 para RS-485 Manual do Utilizador

RS-232 para RS-485 Manual do Utilizador RS-232 para RS-485 Manual do Utilizador DA-70161 I. Resumo De modo a estabelecer a comunicação digital entre os computadores com a instalação de vários interfaces de série standard ou com instrumentos

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Prof. Esp. Fabiano Taguchi http://fabianotaguchi.wordpress.com fabianotaguchi@gmail.com RESUMO 1 COMUTAÇÃO DE CIRCUITOS Reservados fim-a-fim; Recursos são dedicados; Estabelecimento

Leia mais

16.36: Engenharia de Sistemas de Comunicação. Aula1: Introdução

16.36: Engenharia de Sistemas de Comunicação. Aula1: Introdução 16.36: Engenharia de Sistemas de Comunicação Aula1: Introdução Slide 1 Questões administrativas Instrutores: Horário do Curso: Terças e Quintas-feiras Texto: "Communications Systems Engineering", Proakis

Leia mais

Fundamentos de Arquitetura de Computadores. Prof. Marcos Quinet Universidade Federal Fluminense UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO

Fundamentos de Arquitetura de Computadores. Prof. Marcos Quinet Universidade Federal Fluminense UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO Fundamentos de Arquitetura de Computadores Prof. Marcos Quinet Universidade Federal Fluminense UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO Hardware de um Sistema Computacional Hardware: são os componentes

Leia mais

UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO)

UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO) Par Trançado UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO) O cabo UTP é composto por pares de fios, sendo que cada par é isolado um do outro e todos são trançados juntos dentro de uma cobertura externa, que não possui

Leia mais

TRANSMISSÃO ALTERNATIVA DE DADOS

TRANSMISSÃO ALTERNATIVA DE DADOS Centro Universitário de Brasília UniCEUB Faculdade de Ciências Exatas e de Tecnologia FAET Curso de Engenharia da Computação Disciplina: Projeto Final Professor Orientador: Wladimir S. Meyer TRANSMISSÃO

Leia mais

Comunicação de Dados. Aula 4 Conversão de Sinais Analógicos em digitais e tipos de transmissão

Comunicação de Dados. Aula 4 Conversão de Sinais Analógicos em digitais e tipos de transmissão Comunicação de Dados Aula 4 Conversão de Sinais Analógicos em digitais e tipos de transmissão Sumário Amostragem Pulse Amplitude Modulation Pulse Code Modulation Taxa de amostragem Modos de Transmissão

Leia mais

PLACAS MULTISERIAIS. - 1 porta serial RS232 - Velocidade de até 460Kbps - Plug & Play com driver de instalação - Conexão DB9 Macho

PLACAS MULTISERIAIS. - 1 porta serial RS232 - Velocidade de até 460Kbps - Plug & Play com driver de instalação - Conexão DB9 Macho PLACAS MULTISERIAIS NX 1S PCI - 1 porta serial RS232 - Velocidade de até 460Kbps - Conexão DB9 Macho Opcional: Perfil baixo (8 cm) - MTBF superior a 14.000 Hs. - Garantia: 5 anos contra defeito de fabricação.

Leia mais

Vitor Amadeu Souza. vitor@cerne-tec.com.br

Vitor Amadeu Souza. vitor@cerne-tec.com.br Introdução Vitor Amadeu Souza vitor@cerne-tec.com.br Veremos agora os passos para enviar uma string de caracteres pela USB. Porém antes veremos um tutorial referente a porta USB. Tutorial USB Sistema de

Leia mais

Exercícios de Redes de Computadores Assuntos abordados: Conceitos gerais Topologias Modelo de referência OSI Modelo TCP/IP Cabeamento 1.

Exercícios de Redes de Computadores Assuntos abordados: Conceitos gerais Topologias Modelo de referência OSI Modelo TCP/IP Cabeamento 1. Exercícios de Redes de Computadores Assuntos abordados: Conceitos gerais Topologias Modelo de referência OSI Modelo TCP/IP Cabeamento 1. (CODATA 2013) Em relação à classificação da forma de utilização

Leia mais

Arquitetura de Computadores Arquitetura de entrada e saída

Arquitetura de Computadores Arquitetura de entrada e saída Arquitetura de Entrada e Saída Arquitetura de Computadores Arquitetura de entrada e saída Barramento Meio de transmissão de dados entre a CPU, a memória principal e os dispositivos de entrada e saída.

Leia mais

CODIFICADORES / DECODIFICADORES

CODIFICADORES / DECODIFICADORES CODIFICADORES / DECODIFICADORES Uma grande parte dos sistemas digitais trabalha com os níveis lógicos (bits) representando informações que são codificadas em bits. Exemplo: computador trabalha com informações

Leia mais

Introdução sobre à porta USB

Introdução sobre à porta USB Introdução sobre à porta USB O USB (Universal Serial Bus) surgiu em 1995 com uma parceria entre várias companhias de alta tecnologia (Compaq, Hewlett-Packard, Intel, Lucent, Microsoft, NEC e Philips).

Leia mais

Introdução. Hardware (Parte I) Universidade Federal de Campina Grande Departamento de Sistemas e Computação. joseana@computacao.ufcg.edu.

Introdução. Hardware (Parte I) Universidade Federal de Campina Grande Departamento de Sistemas e Computação. joseana@computacao.ufcg.edu. Universidade Federal de Campina Grande Departamento de Sistemas e Computação Introdução à Computação Hardware (Parte I) Prof. a Joseana Macêdo Fechine Régis de Araújo joseana@computacao.ufcg.edu.br Carga

Leia mais