Comunicação Serial. Comunicação Serial RS232

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Comunicação Serial. Comunicação Serial RS232"

Transcrição

1 Comunicação Serial Motivação Diversos dispositivos eletrônicos usam portas seriais para se comunicar com outros dispositivos eletrônicos. Para muitos é a única forma de comunicação. A integração de equipamentos antigos aos sistemas automatizados muitas vezes pode ser resumida à inclusão destes dispositivos simples nas redes de comunicação. Padrão RS232C: Comunicação Serial RS232 Criado em 1969 Implementações atuais não suportam o padrão original completo. Os sinais implementados atualmente e sua forma de utilização são muito pouco semelhantes à especificação original. O estudo apenas do padrão, sem levar em conta a evolução (darwiniana) das implementações, seria infrutífero. 1

2 Comunicação Serial RS232 UART (Universal Asynchronous Receiver Transmitter): Componente essencial nos subsistemas de comunicação serial de dispositivos. Pega bytes de dados e transmite os bits, individualmente, de forma sequêncial. No destino, um outro UART remonta os bits em bytes. Trabalham com nível de tensão TTL (Transistor to Transistor Logic), ou seja, 5V. Comunicação Serial Sincrona x Assincrona Comunicação Serial Sincrona: Transmissor e receptor devem utilizar um clock compartilhado: Além do sinal de dados, o transmissor deve enviar um sinal de strobe para que o receptor saiba quando ler o próximo bit de dados. Mais eficiente Mais cara: circuitos e cabeamento para compartilhamento de clock. 2

3 Comunicação Serial Sincrona x Assincrona Comunicação Serial Assincrona: Transmissão de dados sem utilização de sinal de clock. Bits especiais são adicionados aos dados para sincronizar o transmissor e o receptor: Start Bit: Adicionado ao início da word que será transmitida. Usado para sincronizar clocks do receptor e do transmissor. (drift máximo entre clocks de 10%). Bit de dados: os bits da word de dados são enviados, com o Bit menos significativo antes (LSB). A sinalização de cada bit é realizada em período constante, e o receptor lê (amostra) o meio físico no meio deste período. Ex: T =2s, receptor lê o sinal (0 ou 1), depois de 1 segundo e vai aguardar mais 2 segundo para realizar nova leitura. Bit de paridade: o transmissor adiciona este bit depois de enviar toda a palavra de dados. O receptor pode utilizar este bit para verificar erros. Stop Bit: o transmissor envia pelo menos um bit de parada. Comunicação Serial Sincrona x Assincrona Comunicação Serial Assincrona: O receptor, ao receber toda o pacote de bits (Start Bit, Data Bits, Parity Bit, Stop Bit): Pode verificar o bit de paridade (previamente configurado entre transmissor e receptor paridade par, impar ou nenhuma). Deve verificar o Stop Bit, se não o encontrar, então houve um erro de transmissão e o UART deve avisar que ocorreu um Framing Error, isto é, há um problema de sincronia entre transmissor e receptor. O UART receptor descarta os bits de controle (Start, Paridade, Stop) e envia ao microcontrolador host apenas os dados/palavra. 3

4 Comunicação Serial RS Sinalização Sinalização por tensão: Nível lógico 0: +3V até +25V (Space) Nível lógico 1: -3V até 25V (Mark) Voltage Pump (TTL até níveis RS232): Transceivers: Ex: MAX232 (Dalsemi): +5V +10V e 5V 10V Comunicação Serial RS 232C - Equipamentos Segundo o padrão, dois equipamentos: DCE (Data Communication Equipment). Exemplo: modem DTE (Data Terminal Equipment). Exemplo: PC Normalmente trabalhamos com DTE. 4

5 Comunicação Serial RS 232C Pinagem DB9 Pinagem do conector serial DB-9 DTE: Pino Sinal Sentido Descrição 1 CD (Carrier Detect) Entrada DCE avisa quando receve sinal de que dados estão a caminho 2 RD (Receive Data) Entrada Recebe dados enviados pelo DCE 3 TD (Transmit Data) Saída Transmite dados para o DCE 4 DTR (Data Terminal Ready) Saída DTE avisa quando está pronto para comunicar 5 Signal Ground 6 DSR (Data Set Ready) Entrada DCE avisa quando conseguiu estabelecer canal de comunicação 7 RTS (Request to Send) Saída DTE pede permissão para enviar dados 8 CTS (Clear to Send) Entrada DCE permite que DTE envie dados 9 RI (Ring Indicator) Entrada DCE avisa que telefone está tocando Comunicação Serial Conexão DTE -DTE Padrão especifica conexão DTE DCE. Computador DTE Modem DCE Modem DCE Computador DTE RS232 cabo direto Linha discada Não são raros os casos em que precisamos realizar conexões DTE-DTE. Utilizamos um cabo null modem Computador DTE Computador DTE 5

6 Comunicação Serial Cabo Null Modem Pino Sinal CD (Carrier Detect) RD (Receive Data) TD (Transmit Data) DTR (Data Terminal Ready) Signal Ground DSR (Data Set Ready) RTS (Request to Send) CTS (Clear to Send) RI (Ring Indicator) Comunicação Serial Interface de Loopback Pino Sinal CD (Carrier Detect) RD (Receive Data) TD (Transmit Data) DTR (Data Terminal Ready) Signal Ground DSR (Data Set Ready) RTS (Request to Send) CTS (Clear to Send) RI (Ring Indicator) 6

7 Pacote de Comunicação: javax.comm CommPort Comunicação Serial Java Metodos: Configuração de portas Obter streams para leitura e escrita de dados SerialPort Comunicação Serial Java Classe CommPortIdentifier Possui um método estático sobrecarregado que devolve um objeto da classe CommPortIdentifier: public static CommPortIdentifier getportidentifier(string portname) throws NoSuchPortException public static CommPortIdentifier getportidentifier(commport port) throws NoSuchPortException 7

8 Comunicação Serial Java Classe CommPortIdentifier Possui um método estático que devolve uma enumeração de portas: public static Enumeration getportidentifiers() import java.util.enumeration; import javax.comm.commportidentifier; class PortLister{ public static void main(string args[]){ Enumeration ports = CommPortIdentifier.getPortIdentifiers(); while (ports.hasmoreelements()){ System.out.println(((CommPortIdentifier)(ports.nextElement())).getName()); } } } Comunicação Serial Java Classe CommPortIdentifier Possui um método que devolve uma CommPort: public synchronized CommPort open(string appname,int timeout) throws PortInUseException Chamada ao método é bloqueada, isto é, o método somente retorna quando: Consegue acesso exclusivo à porta devolve a CommPort requisitada. Quando o tempo (timeout ms) expira PortInUseException. Para utilizar uma porta serial, devemos realizar um cast: SerialPort sp; sp=(serialport)commportidentifier.getcommportidentifier( com1.)open ( App,1000); Para liberar a porta, devemos chamar: sp.close() 8

9 Comunicação Serial Java Configuração da Porta Serial (SerialPort) Possui um método para configuração de: Baud rate: {1200,2400,...,9600,...,19200,...,38400,...,115200} Número de DataBits SerialPort.{DATABITS_5,DATABITS_6,DATABITS_7,DATABITS_8} Número de StopBits SerialPort.{STOPBITS_1,STOPBITS_1_5,STOPBITS_2} Tipo de paridade: SerialPort.{PARITY_EVEN,PARITY_MARK,PARITY_NONE,PARITY_ODD,PARITY_SPACE} public void setserialportparams(int baudrate, int databits, int stopbits, int parity) throws UnsupportedCommOperationException Comunicação Serial Java Configuração da Porta Serial (SerialPort) Controle de Fluxo (handshake) Mecanismo que permite que o receptor interrompa o envio de dados pelo transmissor quando seu buffer de entrada estiver próximo de sua capacidade máxima (evita perda de dados por overflow do buffer) Modos de controle de fluxo: None (sem controle de fluxo, terminais enviam dados quando assim o desejarem) RTS/CTS (hardware flow control) XON/XOFF (software flow control) 9

10 Comunicação Serial Java Configuração da Porta Serial (SerialPort) Controle de Fluxo: XON/XOFF Para de enviar dados B Dados Envia caracter XOFF (0x13) Envia caracter XON (0x11) A Buffer de recepção quase cheio Processa dados e esvazia buffer de recepção Continua a enviar dados Dados Vantagem: Controla overflow e utiliza apenas linhas 2(RD), 3(TD) e 5(GND) Desvantagem: os caracteres 0x11 e 0x13 precisam de tratamento especial para serem enviados, quando fazem parte dos dados. Comunicação Serial Java Configuração da Porta Serial (SerialPort) Controle de Fluxo: RTS/CTS B A 1.Deseja enviar dados RTS = 1 3.Envia dados enquanto CTS = 1 5.Para de enviar dados Dados 2.Pronto para receber CTS = 1 4.Buffer de recepção quase cheio CTS = 0 6.Pronto para receber CTS = 1 7.Envia dados enquanto CTS = 1 Dados Vantagem: Controla overflow sem interferir nos dados Desvantagem: Utiliza linhas 2(RD)/3(TD), 5(GND) e 7(RTS)/8(CTS) 10

11 Comunicação Serial Java Configuração da Porta Serial (SerialPort) Possui um método para configuração de Controle de Fluxo: Tipo de controle de fluxo: SerialPort.{FLOWCONTROL_NONE,FLOWCONTROL_ RTSCTS_IN,FLOWCONTROL_ RTSCTS_OUT,FLOWCONTROL_ XONXOFF_IN,FLOWCONTROL_ XONXOFF_OUT} public void setflowcontrolmode(int flowcontrol) throws UnsupportedCommOperationException public int getflowcontrolmode() 11

COMUNICAÇÃO SERIAL ENTRE EQUIPAMENTOS

COMUNICAÇÃO SERIAL ENTRE EQUIPAMENTOS COMUNICAÇÃO SERIAL ENTRE EQUIPAMENTOS 1 Introdução Para transmitir ou receber informações de outros dispositivos é necessário que os sistemas automáticos sejam capazes de comunicarem-se com estes dispositivos.

Leia mais

Comunicação de dados. Introdução

Comunicação de dados. Introdução Comunicação de dados Introdução Os microcontroladores AVR estão equipados com dois pinos destinados à comunicação serial, UART (Universal Asynchronous Reciever/Transmitter), ou seja, permitem trocar informações

Leia mais

Interfaces: blindagem, ligação à terra e linhas de transmissão. Revisões. Interfaces: blindagem, ligação à terra e linhas de transmissão

Interfaces: blindagem, ligação à terra e linhas de transmissão. Revisões. Interfaces: blindagem, ligação à terra e linhas de transmissão Ruído exterior Acoplamento indutivo Acoplamento capacitivo Múltiplas ligações à terra Pares entrançados Blindagem Linhas Reflexões na linha Terminação na carga Terminação na fonte Revisões Método de interligações

Leia mais

Comunicação Paralela Meio de transferência de dados onde a informação é transferida os 8 bits ao mesmo tempo.

Comunicação Paralela Meio de transferência de dados onde a informação é transferida os 8 bits ao mesmo tempo. Comunicação Paralela Meio de transferência de dados onde a informação é transferida os 8 bits ao mesmo tempo. Porta Paralela do PC Foi concebida originalmente para transferir dados para uma impressora,

Leia mais

Redes de Comunicações/Computadores I Secção de Redes de Comunicação de Dados

Redes de Comunicações/Computadores I Secção de Redes de Comunicação de Dados 3. Interfaces Físicas Interfaces Não Balanceadas e Balanceadas; Interfaces de Alto Débito Redes de Comunicações/Computadores I Secção de Redes de Comunicação de Dados Interfaces Físicas Interfaces para

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA APLICADA INF01154 - Redes de Computadores N

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA APLICADA INF01154 - Redes de Computadores N UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA APLICADA INF01154 - Redes de Computadores N Transmissão de sinais no nível físico e de enlace do Modelo de

Leia mais

Guia de Cabeamento para Portas de Console e AUX

Guia de Cabeamento para Portas de Console e AUX Guia de Cabeamento para Portas de Console e AUX Índice Introdução Pré-requisitos Requisitos Componentes Utilizados Convenções Tabela de Roteadores com Portas de Console e AUX Configurações da Porta de

Leia mais

Portas Paralelas e Seriais IEEE 1284, RS 232, USB e IEEE 1394 (Firewire) Porta Paralela no PC

Portas Paralelas e Seriais IEEE 1284, RS 232, USB e IEEE 1394 (Firewire) Porta Paralela no PC Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Engenharia Departamento de Engenharia Elétrica Curso de Extensão em Arquitetura de Computadores Pessoais Portas Paralelas e Seriais IEEE 1284, RS 232,

Leia mais

A Interface Serial e o Padrão RS-232

A Interface Serial e o Padrão RS-232 UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO FEN-DETEL - DEPARTAMENTO DE ELETRÔNICA E TELECOMUNICAÇÕES A Interface Serial e o Padrão RS-232 Prof. 1 A Interface Serial e o Padrão RS-232 Objetivo: apresentar

Leia mais

PLACAS DE COMUNICAÇÃO

PLACAS DE COMUNICAÇÃO PLACAS DE COMUNICAÇÃO São utilizadas para controle de dispositivos e instrumentos. Processam somente sinais digitais Cada uma das opções existentes possui protocolo de comunicação próprio Funcionam tanto

Leia mais

Porta Série SÉRIE x PARALELO PORTA SÉRIE. Comunicação série SÉRIE PARALELA

Porta Série SÉRIE x PARALELO PORTA SÉRIE. Comunicação série SÉRIE PARALELA Porta Série 8051 Aplicações de Microprocessadores 2006/2007 SÉRIE x PARALELO SÉRIE EMISSOR RECEPTOR PARALELA EMISSOR RECEPTOR 2 2 PORTA SÉRIE Comunicação série Síncrona Existe um sinal de relógio entre

Leia mais

DARUMA INFORMAÇÃO TÉCNICA Aprovado por: Paulo Bettega

DARUMA INFORMAÇÃO TÉCNICA Aprovado por: Paulo Bettega Compilado por: Pedro Pinto Produto: TMF Daruma - BB DARUMA INFORMAÇÃO TÉCNICA Aprovado por: Paulo Bettega Módulo: Front End Serial Família: Informática BIT Modelos Envolvidos: Módulo Front-end Serial Título:

Leia mais

RCO2. Introdução à camada física

RCO2. Introdução à camada física RCO2 Introdução à camada física 1 Transmissão de uma stream de bits por um meio de transmissão 2 Atribuições da camada física: Transmissão de sequências de bits pelo meio físico Modulação (transmissão

Leia mais

EIA232. Introdução. Comunicação de Dados 3º EEA 2004/2005

EIA232. Introdução. Comunicação de Dados 3º EEA 2004/2005 EIA232 Comunicação de Dados 3º EEA 2004/2005 Introdução Criado nos EUA em 1969 para definir o interface eléctrico e mecânico entre equipamento com troca de dados digitais: Equipamento terminal de dados

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES. Conversor USB P/ RS-232/422/485 Modelo D501 Revisão 2

MANUAL DE INSTRUÇÕES. Conversor USB P/ RS-232/422/485 Modelo D501 Revisão 2 MANUAL DE INSTRUÇÕES Conversor USB P/ RS-232/422/485 Modelo D501 Revisão 2 CONTEMP IND. COM. E SERVIÇOS LTDA. Al. Araguaia, 204 - CEP 09560-580 São Caetano do Sul - SP - Brasil Fone: 11 4223-5100 - Fax:

Leia mais

Centro Universitário Fundação Santo André. Disciplina Redes de Computadores. Módulo 05

Centro Universitário Fundação Santo André. Disciplina Redes de Computadores. Módulo 05 Centro Universitário Fundação Santo André Disciplina Redes de Computadores Módulo 05 2006 V1.0 Conteúdo Telecomunicação e Canais de Comunicação Multiplexação Tipos de Circuitos de Dados DTE e DCE Circuit

Leia mais

Pretende-se neste trabalho familiarizar o aluno com a interface RS-232 e a sua aplicação em aquisição de dados num ambiente laboratorial

Pretende-se neste trabalho familiarizar o aluno com a interface RS-232 e a sua aplicação em aquisição de dados num ambiente laboratorial /$%KWWSGLDQDXFHKXDOJSW,QVWODESGI,QWHUIDFH56 0DWHULDO computador compilador Borland C ou Microsoft QuickBasic cabo série (RS-232) Osciloscópio digital Tektronix TDS210 2EMHFWLYRV Pretende-se neste trabalho

Leia mais

Programa em linguagem JAVA para comunicação Serial

Programa em linguagem JAVA para comunicação Serial 109 ISSN 1517-4786 Julho, 2009 São Carlos, SP Programa em linguagem JAVA para comunicação Serial F o to : Lad is la u Mar cel in o Rab el lo Ladislau Marcelino Rabello Introdução Equipamentos microprocessados

Leia mais

MINICURSO. Comunicação Serial - RS232

MINICURSO. Comunicação Serial - RS232 MINICURSO Comunicação Serial - RS232 Edmur Canzian CNZ Engenharia e Informática Ltda. http://www.cnz.com.br e-mail: engenharia@cnz.com.br Conceitos Básicos sobre Comunicação Serial O que é Comunicação

Leia mais

Comunicação Serial. Comunicação Serial

Comunicação Serial. Comunicação Serial RECEPÇÃO TRANSMISSÃO D7 D6 D5 D4 D3 D2 D1 D0 DESLOCAMENTO DESLOCAMENTO D7 D6 D5 D4 D3 D2 D1 D0 D0 D0 D7 D6 D5 D4 D3 D2 D1 D1 D0 D1 D7 D6 D5 D4 D3 D2 D2 D0 D1 D2 D7 D6 D5 D4 D3 D3 D0 D1 D2 D3 D7 D6 D5 D4

Leia mais

TRANSMISSÃO ALTERNATIVA DE DADOS

TRANSMISSÃO ALTERNATIVA DE DADOS Centro Universitário de Brasília UniCEUB Faculdade de Ciências Exatas e de Tecnologia FAET Curso de Engenharia da Computação Disciplina: Projeto Final Professor Orientador: Wladimir S. Meyer TRANSMISSÃO

Leia mais

Porta Série. Trabalhos Práticos AM 2007/2008. Porta Série. Objectivos

Porta Série. Trabalhos Práticos AM 2007/2008. Porta Série. Objectivos 3 Objectivos - Configurar os parâmetros associados à comunicação série assíncrona. - Saber implementar um mecanismo de menus para efectuar a entrada e saída de dados, utilizando como interface um terminal

Leia mais

Tópicos. Introdução. Padrões de Interfaceamento

Tópicos. Introdução. Padrões de Interfaceamento Tópicos 8 Introdução Padrões de Interfaceamento Os processadores 888/88 Interfaceamento com o 88 Os processadores 88/88 Os processadores Pentium PIC e PTC Interrupção e BIOS PPI e Porta Paralela Placa

Leia mais

Marthe Ethernet A820. Manual do Usuário

Marthe Ethernet A820. Manual do Usuário Marthe Ethernet A820 Manual do Usuário Índice 1 INTRODUÇÃO... 5 2 CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS... 6 3 CARACTERÍSTICAS ELÉTRICAS... 7 3.1 ALIMENTAÇÃO 7 3.1.1 ESPECIFICAÇÃO DA FONTE DE ALIMENTAÇÃO... 7 3.2 INTERFACE

Leia mais

Padrões de Comunicação Serial

Padrões de Comunicação Serial Padrões de Comunicação Serial Organizações de Padronização ISO: International Standards Organization ITU-T: International Telecommunications Union IEEE: Institute of Electrical and Electronic Engineers

Leia mais

CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO

CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO 1 CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO O computador não é uma máquina interessante se não pudermos interagir com ela. Fazemos isso através de suas interfaces e seus periféricos. Como periféricos serão considerados os

Leia mais

Notas de Aplicação. Comunicação entre controladores HI via linha telefônica. HI Tecnologia. Documento de acesso publico

Notas de Aplicação. Comunicação entre controladores HI via linha telefônica. HI Tecnologia. Documento de acesso publico Notas de Aplicação Comunicação entre controladores HI via linha telefônica HI Tecnologia Documento de acesso publico ENA.00005 Versão 1.00 abril-2004 HI Tecnologia Comunicação entre controladores HI via

Leia mais

CAPÍTULO 3 Interfaces Seriais RS-232 e RS-485

CAPÍTULO 3 Interfaces Seriais RS-232 e RS-485 Interfaces e Periféricos 22 CAPÍTULO 3 Interfaces Seriais RS-232 e RS-485 A Porta serial RS-232 Com o passar dos anos, a porta de comunicação serial RS-232 veio sendo gradualmente suprimida pela USB para

Leia mais

Microterminais RS 232 - VT 100 16 e 44 teclas

Microterminais RS 232 - VT 100 16 e 44 teclas Microterminais RS 232 - VT 100 16 e 44 teclas Gradual Tecnologia Ltda. Manual Microterminal RS-232 - VT 100 16 e 44 teclas. ÍNDICE Apresentação... 3 Especificação Técnica... 3 Características Elétricas:

Leia mais

2 Conceitos de transmissão de dados

2 Conceitos de transmissão de dados 2 Conceitos de transmissão de dados 2 Conceitos de transmissão de dados 1/37 2.4 Camada física do Modelo OSI 2.4 Camada física do modelo OSI 2/37 Interfaces série entre utilizador e rede DTE (Data terminal

Leia mais

Microterminal USB - Protocolo VT 100 16 e 44 teclas

Microterminal USB - Protocolo VT 100 16 e 44 teclas Microterminal USB - Protocolo VT 100 16 e 44 teclas Gradual Tecnologia Ltda. Manual Microterminal USB - VT 100 16 e 44 teclas. 1 ÍNDICE Apresentação... 3 Especificação Técnica... 3 Características: (44

Leia mais

RECEPTOR GPS ME1513 ARM7 LPC2138. 1 ME Componentes e Equipamentos Eletrônicos Ltda

RECEPTOR GPS ME1513 ARM7 LPC2138. 1 ME Componentes e Equipamentos Eletrônicos Ltda RECEPTOR GPS ME1513 ARM7 LPC2138 1 ME Componentes e Equipamentos Eletrônicos Ltda Prefácio Obrigado por escolher o Receptor GPS ME-1513. Este manual mostra o esquema eletrônico, da conexão do microcontrolador

Leia mais

SCD 912. Dispositivo de comunicação e armazenamento. Apresentação. Dados Técnicos. Conexões

SCD 912. Dispositivo de comunicação e armazenamento. Apresentação. Dados Técnicos. Conexões Conv. USB-Serial Baudrate, stop bit e nro de dados programável. Baudrate de 1200 a 38400 bauds. Emula porta COM virtual. Led de indicação de operação como conversor USB-serial. Não possui linhas de controle

Leia mais

Conversor IP Shellby RS-232 ( TCP-IP)

Conversor IP Shellby RS-232 ( TCP-IP) Conversor IP Shellby RS-232 ( TCP-IP) Gradual Tecnologia Ltda. Manual do Conversor RS-232 Ethernet 1 ÍNDICE CARACTERÍSTICAS DO APARELHO... 3 DESCRIÇÃO:... 3 CARACTERÍSTICAS MECÂNICAS:... 3 PINAGEM... 4

Leia mais

ISOLADOR FOTOELÉTRICO INTERFACE EM SÉRIE RS-232

ISOLADOR FOTOELÉTRICO INTERFACE EM SÉRIE RS-232 ISOLADOR FOTOELÉTRICO INTERFACE EM SÉRIE RS-232 Manual do Utilizador DA-70163 I. Resumo Com a adoção da tecnologia avançada de isolamento fotoelétrico, o Isolador Fotoelétrico de Interface em Série RS-232,

Leia mais

Entradas/Saídas. Programação por espera activa Programação por interrupções

Entradas/Saídas. Programação por espera activa Programação por interrupções Entradas/Saídas Programação por espera activa Programação por interrupções Programação por espera activa 1. O programa lê o estado do periférico: CPU pede ao controlador (IN) o valor no registo ESTADO

Leia mais

5 Entrada e Saída de Dados:

5 Entrada e Saída de Dados: 5 Entrada e Saída de Dados: 5.1 - Arquitetura de Entrada e Saída: O sistema de entrada e saída de dados é o responsável pela ligação do sistema computacional com o mundo externo. Através de dispositivos

Leia mais

Automação Subestações Centros Controle. Protocolo MODBUS

Automação Subestações Centros Controle. Protocolo MODBUS Protocolo MODBUS Paulo Roberto Pedroso de Oliveira (11) 3378 8600 (11) 9935 9080 ASCC Automação de e de prpasc@gmail.com http://www.ascx.com.br Protocolos de Comunicação Regras que governam a comunicação

Leia mais

Como Ligar Impressoras na Serial Secundaria do TR100

Como Ligar Impressoras na Serial Secundaria do TR100 Como Ligar s na Serial Secundaria do TR100 1. EQUIPAMENTOS PERIFÉRICOS Os microterminais admitem os seguintes periféricos com interface serial: s para preenchimento de formulários avulsos, notas fiscais,

Leia mais

Protocolo de Ligação Lógica

Protocolo de Ligação Lógica S 1 Ligação Lógica (Trabalho Laboratorial) FEUP/DEEC/CDRC I 2002/03 MPR/JAR S 2 Descrição do Trabalho Objectivos» Implementar um protocolo» Testar o protocolo com uma aplicação transferência ficheiros

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO E PROGRAMAÇÃO CONVERSOR - IP / USB / SERIAL - 317 RV1

MANUAL DE INSTALAÇÃO E PROGRAMAÇÃO CONVERSOR - IP / USB / SERIAL - 317 RV1 MANUAL DE INSTALAÇÃO E PROGRAMAÇÃO CONVERSOR - IP / USB / SERIAL - 317 RV1 SÃO CAETANO DO SUL 06/06/2014 SUMÁRIO Descrição do Produto... 3 Características... 3 Configuração USB... 4 Configuração... 5 Página

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Transmissão www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Transmissão Transmissão é a técnica que é utilizada para enviar um sinal entre os dois pontos envolvidos

Leia mais

Sistemas Distribuídos Comunicação. Edeyson Andrade Gomes www.edeyson.com.br

Sistemas Distribuídos Comunicação. Edeyson Andrade Gomes www.edeyson.com.br Sistemas Distribuídos Comunicação Edeyson Andrade Gomes www.edeyson.com.br Roteiro da Aula Roteiro da Aula Comunicação entre Processos Protocolos Modelo OSI Modelo Cliente Servidor 3 Comunicação entre

Leia mais

Sistemas Operacionais Entrada / Saída. Carlos Ferraz (cagf@cin.ufpe.br) Jorge Cavalcanti Fonsêca (jcbf@cin.ufpe.br)

Sistemas Operacionais Entrada / Saída. Carlos Ferraz (cagf@cin.ufpe.br) Jorge Cavalcanti Fonsêca (jcbf@cin.ufpe.br) Sistemas Operacionais Entrada / Saída Carlos Ferraz (cagf@cin.ufpe.br) Jorge Cavalcanti Fonsêca (jcbf@cin.ufpe.br) Tópicos Princípios do hardware de E/S Princípios do software de E/S Camadas do software

Leia mais

Comunicação Serial RS-232. Walter Fetter Lages

Comunicação Serial RS-232. Walter Fetter Lages Comunicação Serial RS-232 Walter Fetter Lages fetter@ece.ufrgs.br Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Engenharia Departamento de Sistemas Elétricos de Automação e Energia ENG04056 Microcontroladores

Leia mais

Gerenciamento de Entrada e Saída Hélio Crestana Guardia e Hermes Senger

Gerenciamento de Entrada e Saída Hélio Crestana Guardia e Hermes Senger Gerenciamento de Entrada e Saída Hélio Crestana Guardia e Hermes Senger O controle da entrada e saída (E/S ou I/O, input/output) de dados dos dispositivos é uma das funções principais de um sistema operacional.

Leia mais

www.vwsolucoes.com Copyright 2013 VW Soluções

www.vwsolucoes.com Copyright 2013 VW Soluções 1 1. Especificação técnicas: Dimensões do módulo 4EA2SA v1.0: 100 mm x 56 mm Peso aproximado: xxx gramas (montada). Alimentação do circuito : 12 ou 24Vcc Tipo de comunicação: RS232 ou RS485 Tensão de referencia:

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Sistemas de Entrada/Saída Princípios de Hardware Sistema de Entrada/Saída Visão Geral Princípios de Hardware Dispositivos de E/S Estrutura Típica do Barramento de um PC Interrupções

Leia mais

Barramentos e Interfaces

Barramentos e Interfaces Franklin Lima 1 Larissa Moraes 1 Marco Túlio 1 Miguel de Jesus 1 Poliana Ferreira 1 1 Departamento de Tecnologia Eletro-Eletrônica Instituto Federal da Bahia Seminário IEC, 2010 Prof. André Ferreira 1

Leia mais

Display Torre Multilinhas

Display Torre Multilinhas Display Torre Multilinhas Gradual Tecnologia Ltda. Manual do Usuário Abril/ 2004 Índice CARACTERÍSTICAS DO APARELHO 3 APRESENTAÇÃO 4 INSTALAÇÃO 4 PROGRAMAÇÃO 5 CONTROLE DE DISPLAY 5 TABELA ASCII 7 TERMO

Leia mais

MÓDULO 7 Modelo OSI. 7.1 Serviços Versus Protocolos

MÓDULO 7 Modelo OSI. 7.1 Serviços Versus Protocolos MÓDULO 7 Modelo OSI A maioria das redes são organizadas como pilhas ou níveis de camadas, umas sobre as outras, sendo feito com o intuito de reduzir a complexidade do projeto da rede. O objetivo de cada

Leia mais

Conversor Ethernet Serial CES-0200-XXX-XX. Manual V3.9

Conversor Ethernet Serial CES-0200-XXX-XX. Manual V3.9 Conversor Ethernet Serial CES-0200-XXX-XX Manual V3.9 Parabéns! Você acaba de adquirir o Conversor Ethernet Serial CES-0200 que orgulhosamente foi desenvolvido e produzido no Brasil. Este é um produto

Leia mais

Comunicação Serial - Revisão

Comunicação Serial - Revisão Comunicação Serial - Revisão Comunicação Serial no 80C51 PCS 2497-05/2006 Prof. Dr. C.E.Cugnasca Prof. Dr. A.R.Hirakawa Comunicação Serial - Introdução Como conectar um microcomputador (ou equipamento

Leia mais

ESTUDO DA PORTA SÉRIE E DA PORTA PARALELA

ESTUDO DA PORTA SÉRIE E DA PORTA PARALELA ESTUDO DA PORTA SÉRIE E DA PORTA PARALELA Fernando Alves Liliana Castro Outubro 2003 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO...3 2. PORTA SERIAL...4 2.1. COMUNICAÇÕES SÍNCRONAS E ASSÍNCRONAS...5 2.2. BITS DE PARIDADE...6

Leia mais

Tarifação ON-LINE Sistema de Tarifação Telefônica V. 6.0 GUIA DE INSTALAÇÃO COLETOR

Tarifação ON-LINE Sistema de Tarifação Telefônica V. 6.0 GUIA DE INSTALAÇÃO COLETOR Tarifação ON-LINE Sistema de Tarifação Telefônica V. 6.0 GUIA DE INSTALAÇÃO COLETOR Net Manager Informática Ltda Versão 6.0 1998-2007 Guia de Instalação 1) Instalação do Software Coletor Executar o programa

Leia mais

Fundamentos de Arquitetura de Computadores. Prof. Marcos Quinet Universidade Federal Fluminense UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO

Fundamentos de Arquitetura de Computadores. Prof. Marcos Quinet Universidade Federal Fluminense UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO Fundamentos de Arquitetura de Computadores Prof. Marcos Quinet Universidade Federal Fluminense UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO Hardware de um Sistema Computacional Hardware: são os componentes

Leia mais

LED STRIP DRIVER 9 CHANNELS

LED STRIP DRIVER 9 CHANNELS LED STRIP DRIVER 9 CHANNELS GUIA RÁPIDO DE USO Integre sua comunicação digital com recursos de iluminação por LEDs, tornando seus conteúdos mais eficazes e seus ambientes mais marcantes e atrativos. Pronto

Leia mais

Modem Industrial GSM/GPRS MIN-300A

Modem Industrial GSM/GPRS MIN-300A Modem Industrial GSM/GPRS MIN-300A Manual do Usuário DMO 2768-001 DARUMA TELECOMUNICAÇÕES E INFORMÁTICA S.A. TERMO DE GARANTIA ID: A Daruma Telecomunicações e Informática S.A. assegura ao Consumidor deste

Leia mais

Manual. C2030sw - Placa PCI 8 portas seriais RS232 em conector RJ45 Slim

Manual. C2030sw - Placa PCI 8 portas seriais RS232 em conector RJ45 Slim Manual C2030sw - Placa PCI 8 portas seriais RS232 em conector RJ45 Slim Índice 1. Introdução 1.1 Recursos e características 1.2 Condições ambientais 1.3 Dimensões 1.4 Requisitos de sistema 1.5 Conteúdo

Leia mais

UNIVERSIDADE. Sistemas Distribuídos

UNIVERSIDADE. Sistemas Distribuídos UNIVERSIDADE Sistemas Distribuídos Ciência da Computação Prof. Jesus José de Oliveira Neto Comunicação Inter-Processos Sockets e Portas Introdução Sistemas distribuídos consistem da comunicação entre processos

Leia mais

1 Lista de exercícios 01

1 Lista de exercícios 01 FRANCISCO TESIFOM MUNHOZ 2007 1 Lista de exercícios 01 1) No desenvolvimento e aperfeiçoamento realizado em redes de computadores, quais foram os fatores que conduziram a interconexão de sistemas abertos

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Fundamentos de Redes de Computadores, Transmissão de Dados e Cabeamento

REDES DE COMPUTADORES Fundamentos de Redes de Computadores, Transmissão de Dados e Cabeamento PVH 15-08-05 Administração de Empresas 2º Período Informática Aplicada REDES DE COMPUTADORES Fundamentos de Redes de Computadores, Transmissão de Dados e Cabeamento Prof. Sérgio Rodrigues 1 Redes de Computadores

Leia mais

Tarifação ON-LINE Sistema de Tarifação Telefônica V. 6.0 GUIA DE INSTALAÇÃO COLETOR

Tarifação ON-LINE Sistema de Tarifação Telefônica V. 6.0 GUIA DE INSTALAÇÃO COLETOR Tarifação ON-LINE Sistema de Tarifação Telefônica V. 6.0 GUIA DE INSTALAÇÃO COLETOR Net Manager Informática Ltda Versão 6.0 1998-2007 1) Instalação do Software Coletor Guia de Instalação Executar o programa

Leia mais

Sweex Adaptador ISDN PCI

Sweex Adaptador ISDN PCI Sweex Adaptador ISDN PCI Vantagens Velocidade - Devido ao facto de o adaptador ISDN juntar os canais, é possível obter um tráfego de dados com velocidades de 64.000 / 128.000 Kbps. Live video & conference

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores s de Computadores Prof. Macêdo Firmino Revisão do Modelo de Camadas da Internet (TCP/IP) Macêdo Firmino (IFRN) s de Computadores Novembro de 2012 1 / 13 Modelo de Camadas Revisão de de Computadores Os

Leia mais

CAPÍTULO 5. INTERFACES PARA PERIFÉRICOS DE ARMAZENAMENTO INTERFACES DIVERSAS: FIREWIRE, SPI e I 2 C INTERFACES COM O MUNDO ANALÓGICO

CAPÍTULO 5. INTERFACES PARA PERIFÉRICOS DE ARMAZENAMENTO INTERFACES DIVERSAS: FIREWIRE, SPI e I 2 C INTERFACES COM O MUNDO ANALÓGICO 28 CAPÍTULO 5 INTERFACES PARA PERIFÉRICOS DE ARMAZENAMENTO INTERFACES DIVERSAS: FIREWIRE, SPI e I 2 C INTERFACES COM O MUNDO ANALÓGICO Interfaces para periféricos de armazenamento: Periféricos de armazenamento,

Leia mais

Microterminais 16 e 44 Teclas RS 485

Microterminais 16 e 44 Teclas RS 485 Microterminais 16 e 44 Teclas RS 485 Gradual Tecnologia Ltda. Manual do Usuário Fev./2003 Índice Apresentação 3 Especificação Técnica 3 Características Elétricas: 3 Características Mecânicas: 4 Instalação

Leia mais

prof.edney@superig.com.br Redes de Computadores

prof.edney@superig.com.br Redes de Computadores prof.edney@superig.com.br Redes de Computadores Apresentação do professor, da disciplina, dos métodos de avaliação, das datas de trabalhos e provas; introdução a redes de computadores; protocolo TCP /

Leia mais

Comunicação Serial com Modem

Comunicação Serial com Modem Comunicação Serial com Modem F.N.A. e E.T.M. /2001 (revisão) E.T.M./2004 (revisão) E.T.M./2005 (revisão) E.T.M./2011 (revisão) E.T.M./2012 (revisão) RESUMO O objetivo desta experiência é a familiarização

Leia mais

Padrões de Comunicação Serial Clássicos: RS-232, RS-422 e RS-485

Padrões de Comunicação Serial Clássicos: RS-232, RS-422 e RS-485 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA POLITÉCNICA Padrões de Comunicação Serial Clássicos: RS-232, RS-422 e RS-485 INSTRUMENTAÇÃO E TÉCNICAS DE MEDIDAS TRABALHO 05 Bruno Saraiva da Silva DRE: 108.042.162

Leia mais

Comunicação de Dados

Comunicação de Dados UNISUL 2013 / 1 Universidade do Sul de Santa Catarina Engenharia Elétrica - Telemática 1 Comunicação de Dados Aula 6 Agenda Projeto da camada de enlace de dados Detecção e correção de erros Protocolos

Leia mais

Matriz seletora VGA/WXGA & Controle RS-232. 8 x 8 TRANSCORTEC STATUS OUTPUT 2

Matriz seletora VGA/WXGA & Controle RS-232. 8 x 8 TRANSCORTEC STATUS OUTPUT 2 MX-88 Matriz seletora VGA/WXGA & Controle RS-232 8 x 8 TRANSCORTEC STATUS OUTPUT 2 1 3 4 5 6 7 8 INPUT AUDIO IN AUDIO OUT 1 2 3 4 5 6 7 8 1 2 3 4 5 6 7 8 AC IN VGA/WXGA OUT 1 VGA/WXGA OUT 2 VGA/WXGA OUT

Leia mais

Manual de Instruções MÓDULO CONVERSOR SERIAL ETHERNET. Modelo NETBOX MÓDULO CONVERSOR SERIAL ETHERNET MODELO NETBOX. Manual de Instruções

Manual de Instruções MÓDULO CONVERSOR SERIAL ETHERNET. Modelo NETBOX MÓDULO CONVERSOR SERIAL ETHERNET MODELO NETBOX. Manual de Instruções MÓDULO CONVERSOR SERIAL ETHERNET MODELO NETBOX MÓDULO CONVERSOR SERIAL ETHERNET Modelo NETBOX Manual de Instruções Revisão 10.06 Índice Capítulo 1 Introdução Aplicação 5 Retirando o MÓDULO da embalagem

Leia mais

Python Aplicado às Redes de Comunicação

Python Aplicado às Redes de Comunicação Python Aplicado às Redes de Comunicação Prof. Gil Pinheiro O que é Python? Linguagem de programação Interpretada Interativa Orientada a objetos Inventada por Guido Van Rossum, em 1990 O nome Python Características

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA MARCUS ANDERSON ALMEIDA BEZERRA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA MARCUS ANDERSON ALMEIDA BEZERRA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA MARCUS ANDERSON ALMEIDA BEZERRA PROTOCOLOS DE COMUNICAÇÃO APLICADOS EM FPGAs FORTALEZA

Leia mais

NTP-001. Acessando o Master ou Master Expander com Cabos Serial-Serial ou Cabos Serial-Serial e USB-Serial PATCHVIEW V2.0

NTP-001. Acessando o Master ou Master Expander com Cabos Serial-Serial ou Cabos Serial-Serial e USB-Serial PATCHVIEW V2.0 Acessando o Master ou Master Expander com Cabos Serial-Serial ou Cabos Serial-Serial e USB-Serial PATCHVIEW V2.0 1. Objetivo No ambiente PatchView, é necessário acessar os equipamentos Master e Master

Leia mais

Tarifação ON-LINE Sistema de Tarifação Telefônica V. 6.0 GUIA DE INSTALAÇÃO COLETOR

Tarifação ON-LINE Sistema de Tarifação Telefônica V. 6.0 GUIA DE INSTALAÇÃO COLETOR Tarifação ON-LINE Sistema de Tarifação Telefônica V. 6.0 GUIA DE INSTALAÇÃO COLETOR Net Manager Informática Ltda Versão 6.0 1998-2007 1) Instalação do Software Coletor Guia de Instalação Executar o programa

Leia mais

Capítulo 12. Projeto 5 Controle de Motores de Passo. 12.1 Circuito e Funcionamento

Capítulo 12. Projeto 5 Controle de Motores de Passo. 12.1 Circuito e Funcionamento Capítulo 12 Projeto 5 Controle de Motores de Passo A crescente popularidade dos motores de passo deve-se a sua adaptação à lógica digital. Estes dispositivos são usados em inúmeras aplicações, tais como:

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula Complementar - MODELO DE REFERÊNCIA OSI Este modelo se baseia em uma proposta desenvolvida pela ISO (International Standards Organization) como um primeiro passo em direção a padronização dos protocolos

Leia mais

CODIFICADORES / DECODIFICADORES

CODIFICADORES / DECODIFICADORES CODIFICADORES / DECODIFICADORES Uma grande parte dos sistemas digitais trabalha com os níveis lógicos (bits) representando informações que são codificadas em bits. Exemplo: computador trabalha com informações

Leia mais

ABB Automação. 13.82kV 119.4kA. 13.81kV 121.3kA. 13.85kV 120.2kA IDR 144 INDICADOR DIGITAL REMOTO MODO DE USO

ABB Automação. 13.82kV 119.4kA. 13.81kV 121.3kA. 13.85kV 120.2kA IDR 144 INDICADOR DIGITAL REMOTO MODO DE USO IDR 144 INDICADOR DIGITAL REMOTO MODO DE USO 13.82kV 119.4kA 13.81kV 121.3kA 13.85kV 120.2kA Dados Técnicos Conexões elétricas Utilização do teclado Protocolo de comunicação Modbus RTU Dimensional ABB

Leia mais

Notas de Aplicação. Utilizando o SPDSW via linha telefônica. HI Tecnologia. Documento de acesso público

Notas de Aplicação. Utilizando o SPDSW via linha telefônica. HI Tecnologia. Documento de acesso público Notas de Aplicação Utilizando o SPDSW via linha telefônica HI Tecnologia Documento de acesso público ENA.00003 Versão 1.02 fevereiro-2006 HI Tecnologia Utilizando o SPDSW via linha telefônica Apresentação

Leia mais

Vitor Amadeu Souza. vitor@cerne-tec.com.br

Vitor Amadeu Souza. vitor@cerne-tec.com.br Introdução Vitor Amadeu Souza vitor@cerne-tec.com.br Veremos agora os passos para enviar uma string de caracteres pela USB. Porém antes veremos um tutorial referente a porta USB. Tutorial USB Sistema de

Leia mais

Notas de Aplicação. Utilização do conversor RS232/RS485 (PMC712) com controladores HI. HI Tecnologia. Documento de acesso público

Notas de Aplicação. Utilização do conversor RS232/RS485 (PMC712) com controladores HI. HI Tecnologia. Documento de acesso público Notas de Aplicação Utilização do conversor RS232/RS485 (PMC712) com controladores HI HI Tecnologia Documento de acesso público ENA.00034 Versão 1.01 março-2015 HI Tecnologia Utilização do conversor RS232/RS485

Leia mais

Departamento de Electrónica Industrial Escola de Engenharia Universidade do Minho. Rede Digital com Integração de Serviços RDIS

Departamento de Electrónica Industrial Escola de Engenharia Universidade do Minho. Rede Digital com Integração de Serviços RDIS Departamento de Electrónica Industrial Escola de Engenharia Universidade do Minho Rede Digital com Integração de Serviços RDIS Adaptação de Protocolos Mestrado Integrado em Engenharia de Comunicações José

Leia mais

Transmissão serial de sinais

Transmissão serial de sinais Transmissão serial de sinais Quando há a necessidade de comunicação entre dois sistemas digitais, geralmente localizados a uma curta distância, pode-se fazer uso da comunicação paralela. Na comunicação

Leia mais

Transmissão Serial DTE e DCE CSU/DSU

Transmissão Serial DTE e DCE CSU/DSU Transmissão Serial DTE e DCE CSU/DSU Prof. Alexandre Beletti Introdução A transmissão serial de dados é o método mais comum para enviar dados de um ponto para outro. Os dados são enviados em um fluxo,

Leia mais

A idéia hardware sugerida é colocar a placa entre o PC e o microcontrolador, conforme mostrado no esquema abaixo.

A idéia hardware sugerida é colocar a placa entre o PC e o microcontrolador, conforme mostrado no esquema abaixo. Circuito de gravação (AVR programmer) Introdução Nossa proposta, nesta parte do trabalho, é apresentar um circuito para gravação ISP (In-System- Programming) para microcontroladores AVR. Este circuito,

Leia mais

PROTÓTIPO DE SOFTWARE PARA O INTERFACEAMENTO E AQUISIÇÃO DE DADOS DE UMA BALANÇA ATRAVÉS DA RS-232

PROTÓTIPO DE SOFTWARE PARA O INTERFACEAMENTO E AQUISIÇÃO DE DADOS DE UMA BALANÇA ATRAVÉS DA RS-232 UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS CURSO DE CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO (Bacharelado) PROTÓTIPO DE SOFTWARE PARA O INTERFACEAMENTO E AQUISIÇÃO DE DADOS DE UMA BALANÇA ATRAVÉS

Leia mais

Dualtech CPU 232 TCP/IP. Gradual Tecnologia Ltda. Manual DualTech Gradual Novembro 2013 1

Dualtech CPU 232 TCP/IP. Gradual Tecnologia Ltda. Manual DualTech Gradual Novembro 2013 1 Dualtech CPU 232 TCP/IP Gradual Tecnologia Ltda. Manual DualTech Gradual Novembro 2013 1 Índice Geral...3 Características do Aparelho...3 Instalação...5 Configuração...5 IP Local...6 Porta Local...6 IP

Leia mais

Conexão de um Terminal à Porta de Console dos Switches Catalyst

Conexão de um Terminal à Porta de Console dos Switches Catalyst Conexão de um Terminal à Porta de Console dos Switches Catalyst Índice Introdução Pré-requisitos Requisitos Componentes Utilizados Convenções Conectar um Terminal aos Catalyst 1900/2820, 2900/3500XL, 2940,

Leia mais

Há dois tipos de configurações bidirecionais usados na comunicação em uma rede Ethernet:

Há dois tipos de configurações bidirecionais usados na comunicação em uma rede Ethernet: Comunicação em uma rede Ethernet A comunicação em uma rede local comutada ocorre de três formas: unicast, broadcast e multicast: -Unicast: Comunicação na qual um quadro é enviado de um host e endereçado

Leia mais

Camada de Transporte, protocolos TCP e UDP

Camada de Transporte, protocolos TCP e UDP Camada de Transporte, protocolos TCP e UDP Conhecer o conceito da camada de transporte e seus principais protocolos: TCP e UDP. O principal objetivo da camada de transporte é oferecer um serviço confiável,

Leia mais

6 - Gerência de Dispositivos

6 - Gerência de Dispositivos 1 6 - Gerência de Dispositivos 6.1 Introdução A gerência de dispositivos de entrada/saída é uma das principais e mais complexas funções do sistema operacional. Sua implementação é estruturada através de

Leia mais

Analisador de Linhas TN-10E

Analisador de Linhas TN-10E Analisador de Linhas TN-10E O Analisador de Linhas TN-10E é um instrumento compacto com capacidade de realizar medições digitais e analógicas para testes e ensaios em linhas de transmissão de dados que

Leia mais

Mobilidade em Redes 802.11

Mobilidade em Redes 802.11 Mobilidade em Redes 802.11 Prof. Rafael Guimarães Redes sem Fio Aula 14 Aula 14 Rafael Guimarães 1 / 37 Sumário Sumário 1 Motivação e Objetivos 2 O protocolo MAC 802.11 3 Quadro 802.11 4 802.11: Mobilidade

Leia mais

Notas de Software. Driver de comunicação SCP V10 para o supervisório Elipse SCADA. HI Tecnologia. Documento de acesso público

Notas de Software. Driver de comunicação SCP V10 para o supervisório Elipse SCADA. HI Tecnologia. Documento de acesso público Notas de Software Driver de comunicação SCP V10 para o supervisório Elipse SCADA HI Tecnologia Documento de acesso público PNS.0006 Versão 1.03 novembro-2005 HI Tecnologia Driver de comunicação SCP V10

Leia mais

MANUAL RÁDIO MODEM SPREAD SPECTRUM RMSS-900 V2

MANUAL RÁDIO MODEM SPREAD SPECTRUM RMSS-900 V2 MANUAL RÁDIO MODEM SPREAD SPECTRUM RMSS-900 V2 Versão 2.03 Infinium Automação Industrial Ltda Site: email: contato@infiniumautomacao.com.br 1. APRESENTAÇÃO O Rádio modem RMSS-900V2 foi projetado para utilização

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES. I M P R E S S O R A P O S T É R M I C A 2 5 0 m m / s POSIMP88VUSP

MANUAL DE INSTRUÇÕES. I M P R E S S O R A P O S T É R M I C A 2 5 0 m m / s POSIMP88VUSP MANUAL DE INSTRUÇÕES I M P R E S S O R A P O S T É R M I C A 2 5 0 m m / s POSIMP88VUSP ÍNDICE Capítulo 1 - Características Técnicas 1.1 Impressão 1.2 Papel Térmico 1.3 Fonte de Impressão 1.4 Interface

Leia mais