Mobilidade em Redes

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Mobilidade em Redes 802.11"

Transcrição

1 Mobilidade em Redes Prof. Rafael Guimarães Redes sem Fio Aula 14 Aula 14 Rafael Guimarães 1 / 37

2 Sumário Sumário 1 Motivação e Objetivos 2 O protocolo MAC Quadro : Mobilidade na mesma sub-rede 5 Mobilidade 6 Endereçamento Aula 14 Rafael Guimarães 2 / 37

3 Motivação e Objetivos Sumário 1 Motivação e Objetivos 2 O protocolo MAC Quadro : Mobilidade na mesma sub-rede 5 Mobilidade 6 Endereçamento Aula 14 Rafael Guimarães 3 / 37

4 Motivação e Objetivos Motivação e Objetivos Motivação Redes sem Fio proporcionam mobilidade; Acesso a qualquer lugar e a qualquer hora. Objetivo Continuar o estudo das redes WiFi (802.11). Aula 14 Rafael Guimarães 4 / 37

5 O protocolo MAC Sumário 1 Motivação e Objetivos 2 O protocolo MAC Quadro : Mobilidade na mesma sub-rede 5 Mobilidade 6 Endereçamento Aula 14 Rafael Guimarães 5 / 37

6 O protocolo MAC Introdução Uma vez associada a um AP, uma estação sem fio pode enviar e receber quadros; Várias estações podem querer transmitir quadros no mesmo tempo; Protocolo MAC tenta evitar colisões: CSMA/C(collision)A(voidance); O protocolo MAC do não implementa detecção de colisão Potência do sinal recebido é fraca, portanto é mais caro projetar um hardware que detecte a presença de outro sinal para evitar colisão; Problemas de terminal escondido e desvanecimento causam a não detecção de colisões. Aula 14 Rafael Guimarães 6 / 37

7 O protocolo MAC Reconhecimento na camada de enlace - ARQ Uma vez que uma estação começa a transmitir, ela transmite o quadro todo sem interrupções; Sistemas ARQ: Sistemas que automaticamente pedem a retransmissão dos pacotes perdidos ou pacotes com erro. Assim a estação transmissora pode saber se houve ou não uma colisão na transmissão do quadro. ARQ Quando uma estação de destino recebe um quadro que passou pelo CRC, ela espera um curto intervalo de tempo conhecido como Espaço Curto Interquadros (SIFS) e então devolve um quadro de reconhecimento (ACK); Se a estação transmissora não receber o ACK até um certo período de tempo, ela retransmitirá o quadro; Após um certo número de tentativas, a estação transmissora descarta o quadro não reconhecido. Aula 14 Rafael Guimarães 7 / 37

8 O protocolo MAC CSMA/CA Uma estação qualquer possui um quadro a transmitir: Funcionamento 1- Se o canal estiver desocupado (idle), a estação transmite (quadro inteiro) após um curto intervalo de tempo, conhecido como Espaçamento Interquadros Distribuído (DIFS) e espera um ACK; 2- Caso o canal esteja ocupado a) Inicia um tempo de backoff aleatório b) Temporizador conta regressivamente quando detectar o canal em idle c) Transmite quando temporizador expira. Se não vem ACK, aumenta o intervalo de backoff aleatório e repete 2. Se o quadro for recebido corretamente no receptor, este espera um tempo (SIFS) e envia um ACK para o transmissor. Aula 14 Rafael Guimarães 8 / 37

9 O protocolo MAC CSMA/CA Aula 14 Rafael Guimarães 9 / 37

10 O protocolo MAC Fluxograma Aula 14 Rafael Guimarães 10 / 37

11 O protocolo MAC Esquema Aula 14 Rafael Guimarães 11 / 37

12 O protocolo MAC Evitando Colisões: RTS e CTS Recurso opcional de reserva inteligente; Ideia: permite o transmissor reservar o canal em vez de acessar aleatoriamente ao enviar quadros de dados - evita colisões de quadros grandes; Funcionamento Transmissor envia primeiro um pequeno quadro chamado request to send (RTS) à EB (estação base) usando CSMA RTSs podem ainda colidir uns com os outros, mas são pequenos. EB envia em broadcast clear to send (CTS) em resposta ao RTS CTS é ouvido por todos os nós; Reserva de tempo para transmissão; Transmissor envia o quadro de dados; Outras estações deferem suas transmissões. Aula 14 Rafael Guimarães 12 / 37

13 O protocolo MAC Evitando Colisões: RTS e CTS Aula 14 Rafael Guimarães 13 / 37

14 O protocolo MAC Evitando Colisões: RTS e CTS Colisão na reserva Aula 14 Rafael Guimarães 14 / 37

15 O protocolo MAC Esquema de Transmissão Aula 14 Rafael Guimarães 15 / 37

16 O protocolo MAC Fragmentação Diminui a probabilidade de erros. Aula 14 Rafael Guimarães 16 / 37

17 O protocolo MAC Fragmentação Diminui a probabilidade de erros. POR QUE? Aula 14 Rafael Guimarães 16 / 37

18 O protocolo MAC Fragmentação Diminui a probabilidade de erros. POR QUE? Suporte para a fragmentação de quadros em transmissões ponto-a-ponto e remontagem do quadro. Receptores devem ter suporte a fragmentação. Fragmentação é opcional nos transmissores. Aula 14 Rafael Guimarães 16 / 37

19 O protocolo MAC Fragmentação Fragmentos enviados em rajada Se não houver interrupção devido a limitação de ocupação do meio na camada física. Fragmento enviado SIFS após o ACK do fragmento anterior. Duração nos quadros RTS e CTS (caso utilizados) Indica o tempo necessário para a recepção do ACK do próximo fragmento. Duração nos quadros de dados e ACK Indica a duração total do próximo fragmento e do ACK Fragmentos enviados como quadros individuais. Aula 14 Rafael Guimarães 17 / 37

20 O protocolo MAC Fragmentação Aula 14 Rafael Guimarães 18 / 37

21 O protocolo MAC Quadro Aula 14 Rafael Guimarães 19 / 37

22 Quadro Sumário 1 Motivação e Objetivos 2 O protocolo MAC Quadro : Mobilidade na mesma sub-rede 5 Mobilidade 6 Endereçamento Aula 14 Rafael Guimarães 20 / 37

23 Quadro Quadro Aula 14 Rafael Guimarães 21 / 37

24 Quadro Endereçamento Aula 14 Rafael Guimarães 22 / 37

25 Quadro Endereçamento O AP não possui endereço IP Dispositivo de camada de enlace. Roteador da rede cabeada não é ciente do AP. Funcionamento - de R1 para H1 R1 quer enviar um datagrama para H1; R1 utiliza ARP em um quadro Ethernet para conhecer o MAC de H1; R1 utiliza um quadro Ethernet para enviar quadros para H1 Endereço fonte: MAC de R1. Endereço destino: MAC de H1. Quando o quadro chega no AP, ele converte o quadro Ethernet para Endereço 1: MAC de H1. Endereço 2: MAC do AP. Endereço 3: MAC de R1. Assim, H1 sabe o endereço MAC da interface do roteador que enviou o datagrama para a sub-rede. Aula 14 Rafael Guimarães 23 / 37

26 Quadro Endereçamento Funcionamento - de H1 para R1 H1 cria um quadro Endereço 1: MAC do AP. Endereço 2: MAC de H1. Endereço 3: MAC de R1. Quando o AP recebe o quadro , ele converte para quadro Ethernet; Endereço fonte: MAC de H1. Endereço destino: MAC de R1. Assim, o endereço 3 permite ao AP saber o endereço MAC para construir o quadro Ethernet. Aula 14 Rafael Guimarães 24 / 37

27 Quadro Controle de quadro, duração e sequência Aula 14 Rafael Guimarães 25 / 37

28 802.11: Mobilidade na mesma sub-rede Sumário 1 Motivação e Objetivos 2 O protocolo MAC Quadro : Mobilidade na mesma sub-rede 5 Mobilidade 6 Endereçamento Aula 14 Rafael Guimarães 26 / 37

29 802.11: Mobilidade na mesma sub-rede Introdução Ampliação da cobertura da WLAN Mais de um AP dentro de uma mesma sub-rede. Pergunta Como estações sem fio passam ininterrupta e imperceptivelmente de um AP para outro? Aula 14 Rafael Guimarães 27 / 37

30 802.11: Mobilidade na mesma sub-rede Mobilidade O elemento de interconexão entre dois AP não é um roteador APs pertencem a mesma sub-rede. Estação pode manter seu IP e suas conexões TCP em curso. Procedimento H1 se afasta de AP1 e faz uma varredura para detectar um sinal mais forte presente. H1 recebe a sinalização de AP2 e se associa a este ponto de acesso. H1 mantém ao mesmo tempo seu IP e sua conexão TCP. Aula 14 Rafael Guimarães 28 / 37

31 802.11: Mobilidade na mesma sub-rede Mobilidade Aula 14 Rafael Guimarães 29 / 37

32 Mobilidade Sumário 1 Motivação e Objetivos 2 O protocolo MAC Quadro : Mobilidade na mesma sub-rede 5 Mobilidade 6 Endereçamento Aula 14 Rafael Guimarães 30 / 37

33 Mobilidade O que é Mobilidade? Espectro da mobilidade, do ponto de vista da rede Aula 14 Rafael Guimarães 31 / 37

34 Mobilidade Nomenclatura Aula 14 Rafael Guimarães 32 / 37

35 Mobilidade Nomenclatura Aula 14 Rafael Guimarães 33 / 37

36 Endereçamento Sumário 1 Motivação e Objetivos 2 O protocolo MAC Quadro : Mobilidade na mesma sub-rede 5 Mobilidade 6 Endereçamento Aula 14 Rafael Guimarães 34 / 37

37 Endereçamento Endereçamento Para que a mobilidade seja transparente para a camada de aplicação, é desejável que ele mantenha seu endereço de rede ao transitar entre redes; Quando um nó residir em uma rede externa, todo o tráfego destinado a ele deve ser roteado para esta rede Rede externa pode anunciar a todos os nós que o nó móvel está em sua rede; Rede externa poderia anunciar a seus vizinhos uma nova rota para atingir o nó móvel; Passar as funcionalidades de mobilidade para a borda da rede. Aula 14 Rafael Guimarães 35 / 37

38 Endereçamento Abordagens Deixe o roteamento tratar disto: roteadores informam endereços permanentes de nós móveis residentes por meio de suas trocas de tabelas de roteamento As tabelas de roteamento indicam a localização de cada nó móvel; Não exige mudanças nos sistemas finais; NÃO É ESCALÁVEL PARA MILHÕES DE MÓVEIS. Deixe os sistemas finais tratarem disto: Roteamento indireto: comunicação do correspondente ao usuário móvel passa pelo agente nativo, então é enviada ao remoto. Roteamento direto: correspondente obtém o endereço care-of-address do usuário móvel e transmite diretamente para ele Aula 14 Rafael Guimarães 36 / 37

39 Endereçamento Endereço externo Agente externo nos roteadores de borda da rede externa; Agente externo cria um endereço para o nó móvel (care-of adress - COA ou endereço administrado); Parte do COA combina com parte do endereço da rede externa; Dois endereços associados com o nó móvel Endereço permanente; Endereço externo (COA). Aula 14 Rafael Guimarães 37 / 37

Redes de Computadores I

Redes de Computadores I Redes de Computadores I REDES SEM FIO CARACTERÍSTICAS DE ENLACE LAN S SEM FIO 802.11 Slide 1 Elementos de uma Rede Sem Fio Hospedeiros sem fio Equipamentos de sistemas finais que executam aplicações Enlaces

Leia mais

Redes de Computadores sem Fio

Redes de Computadores sem Fio Redes de Computadores sem Fio Prof. Marcelo Gonçalves Rubinstein Programa de Pós-Graduação em Engenharia Eletrônica Faculdade de Engenharia Universidade do Estado do Rio de Janeiro Programa Introdução

Leia mais

SSC0748 - Redes Móveis

SSC0748 - Redes Móveis - Redes Móveis Introdução Redes sem fio e redes móveis Prof. Jó Ueyama Agosto/2012 1 Capítulo 6 - Resumo 6.1 Introdução Redes Sem fo 6.2 Enlaces sem fo, características 6.3 IEEE 802.11 LANs sem fo ( wi-f

Leia mais

Protocolo Ethernet e Dispositivos de Interconexão de LANs

Protocolo Ethernet e Dispositivos de Interconexão de LANs Protocolo Ethernet e Dispositivos de Interconexão de LANs Prof. Rafael Guimarães Redes de Alta Velocidade Tópico 4 - Aula 1 Tópico 4 - Aula 1 Rafael Guimarães 1 / 31 Sumário Sumário 1 Motivação 2 Objetivos

Leia mais

INF-111 Redes Sem Fio Aula 04 Tecnologias para WLAN Prof. João Henrique Kleinschmidt

INF-111 Redes Sem Fio Aula 04 Tecnologias para WLAN Prof. João Henrique Kleinschmidt INF-111 Redes Sem Fio Aula 04 Tecnologias para WLAN Prof. João Henrique Kleinschmidt Santo André, outubro de 2014 Roteiro Introdução Camada física Subcamada MAC Estrutura do quadro Segurança Introdução

Leia mais

TRANSMISSÃO DE DADOS

TRANSMISSÃO DE DADOS TRANSMISSÃO DE DADOS Aula 6: Controle de acesso ao meio Notas de aula do livro: FOROUZAN, B. A., Comunicação de Dados e Redes de Computadores, MCGraw Hill, 4ª edição Prof. Ulisses Cotta Cavalca

Leia mais

1 - Cite o nome dos principais campos de um quadro Ethernet, explicando qual a funcionalidade de cada campo.

1 - Cite o nome dos principais campos de um quadro Ethernet, explicando qual a funcionalidade de cada campo. 1 - Cite o nome dos principais campos de um quadro Ethernet, explicando qual a funcionalidade de cada campo. Endereço de Destino = Endereço MAC de destino Endereço de Origem = Endereço MAC de origem Campo

Leia mais

R edes de computadores e a Internet. Capítulo 6. Redes sem fio e redes móveis

R edes de computadores e a Internet. Capítulo 6. Redes sem fio e redes móveis R edes de computadores e a Internet Capítulo Redes sem fio e redes móveis - 2 R edes sem fio e redes móveis Informações gerais: Número de telefones sem fio (móveis) excede atualmente o número de assinantes

Leia mais

Rede de Computadores II

Rede de Computadores II Rede de Computadores II Slide 1 Mobilidade Rede de Computadores II Espectro da mobilidade, do ponto de vista da rede: Slide 2 Mobilidade - Jargão Rede Nativa (Home Network), residência permanente de um

Leia mais

Há dois tipos de configurações bidirecionais usados na comunicação em uma rede Ethernet:

Há dois tipos de configurações bidirecionais usados na comunicação em uma rede Ethernet: Comunicação em uma rede Ethernet A comunicação em uma rede local comutada ocorre de três formas: unicast, broadcast e multicast: -Unicast: Comunicação na qual um quadro é enviado de um host e endereçado

Leia mais

Capítulo 6. Redes sem fio e redes móveis

Capítulo 6. Redes sem fio e redes móveis 1 Capítulo 6 Redes sem fio e redes móveis 2 Redes de computadores I Prof.: Leandro Soares de Sousa E-mail: leandro.uff.puro@gmail.com Site: http://www.ic.uff.br/~lsousa Não deixem a matéria acumular!!!

Leia mais

Redes Wireless. Padrão IEEE 802.11. Redes Sem Fio (Wireless) 1

Redes Wireless. Padrão IEEE 802.11. Redes Sem Fio (Wireless) 1 Padrão IEEE 802.11 Redes Wireless Redes Sem Fio (Wireless) 1 Topologias e pilha de protocolos 802.11 Parte da pilha de protocolos 802.11. Padrão IEEE 802.11 Redes Wireless Redes Sem Fio (Wireless) 3 Quadros

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Capítulo 5.6 e 5.7 Interconexões e PPP Prof. Jó Ueyama Maio/2011 SSC0641-2011 1 Elementos de Interconexão SSC0641-2011 2 Interconexão com Hubs Dispositivo de camada física. Backbone:

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Capítulo 1 Gustavo Reis gustavo.reis@ifsudestemg.edu.br - O que é a Internet? - Milhões de elementos de computação interligados: hospedeiros = sistemas finais - Executando aplicações

Leia mais

Fundamentos de Redes de Computadores. Elementos de Redes Locais

Fundamentos de Redes de Computadores. Elementos de Redes Locais Fundamentos de Redes de Computadores Elementos de Redes Locais Contexto Implementação física de uma rede de computadores é feita com o auxílio de equipamentos de interconexão (repetidores, hubs, pontos

Leia mais

Interligação de Redes

Interligação de Redes REDES II HETEROGENEO E CONVERGENTE Interligação de Redes rffelix70@yahoo.com.br Conceito Redes de ComputadoresII Interligação de Redes Quando estações de origem e destino encontram-se em redes diferentes,

Leia mais

Centro Tecnológico de Eletroeletrônica César Rodrigues. Atividade Avaliativa

Centro Tecnológico de Eletroeletrônica César Rodrigues. Atividade Avaliativa 1ª Exercícios - REDES LAN/WAN INSTRUTOR: MODALIDADE: TÉCNICO APRENDIZAGEM DATA: Turma: VALOR (em pontos): NOTA: ALUNO (A): 1. Utilize 1 para assinalar os protocolos que são da CAMADA DE REDE e 2 para os

Leia mais

Subcamada MAC. O Controle de Acesso ao Meio

Subcamada MAC. O Controle de Acesso ao Meio Subcamada MAC O Controle de Acesso ao Meio Métodos de Acesso ao Meio As implementações mais correntes de redes locais utilizam um meio de transmissão que é compartilhado por todos os nós. Quando um nó

Leia mais

Capítulo 6 Redes sem fio e redes móveis

Capítulo 6 Redes sem fio e redes móveis Capítulo 6 Redes sem fio e redes móveis Todo o material copyright 1996-2009 J. F Kurose e K. W. Ross, Todos os direitos reservados slide 1 2010 2010 Pearson Prentice Hall. Hall. Todos Todos os os direitos

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Padrão IEEE 802.11 Inst tituto de Info ormátic ca - UF FRGS Redes de Computadores IEEE 802.11 Aula 12 Modelo para arquiteturas wireless (1997) Especifica a camada de nível físico (PHY) e seu controle de

Leia mais

Redes Móveis. Redes sem fio e redes móveis Introdução. Prof. Jó Ueyama Agosto/2010 SSC

Redes Móveis. Redes sem fio e redes móveis Introdução. Prof. Jó Ueyama Agosto/2010 SSC Redes Móveis Redes sem fio e redes móveis Introdução Prof. Jó Ueyama Agosto/2010 SSC0548 2010 1 Baseado no Capítulo 6 do 6.1 Introdução Redes Sem fio 6.2 Enlaces sem fio, características 6.3 IEEE 802.11

Leia mais

Redes de Computadores Camada de Acesso ao Meio. Prof. MSc. Hugo Souza

Redes de Computadores Camada de Acesso ao Meio. Prof. MSc. Hugo Souza Redes de Computadores Camada de Acesso ao Meio Prof. MSc. Hugo Souza É a camada que intervém prover o acesso lógico e físico para os dispositivos que compõem a malha da rede de acesso em um nível de enlaces

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Redes Sem Fio e Redes Móveis. Alexandre Augusto Giron

REDES DE COMPUTADORES Redes Sem Fio e Redes Móveis. Alexandre Augusto Giron REDES DE COMPUTADORES Redes Sem Fio e Redes Móveis Alexandre Augusto Giron ROTEIRO Introdução CDMA e CSMA/CA Mobilidade Wi-Fi: LANs sem fio 802.11 Acesso celular à Internet Roteamento móvel IP móvel Segurança

Leia mais

ROTEIRO. Introdução. Introdução. Conceitos. Introdução 07/11/2014. REDES DE COMPUTADORES Redes Sem Fio e Redes Móveis

ROTEIRO. Introdução. Introdução. Conceitos. Introdução 07/11/2014. REDES DE COMPUTADORES Redes Sem Fio e Redes Móveis REDES DE COMPUTADORES Redes Sem Fio e Redes Móveis Alexandre Augusto Giron ROTEIRO Introdução CDMA e CSMA/CA Mobilidade Wi-Fi: LANs sem fio 802.11 Acesso celular à Internet Roteamento móvel IP móvel Segurança

Leia mais

prof.edney@superig.com.br Redes de Computadores

prof.edney@superig.com.br Redes de Computadores prof.edney@superig.com.br Redes de Computadores Apresentação do professor, da disciplina, dos métodos de avaliação, das datas de trabalhos e provas; introdução a redes de computadores; protocolo TCP /

Leia mais

Unidade 3 Visão Geral de Equipamentos de Rede

Unidade 3 Visão Geral de Equipamentos de Rede Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Redes de Computadores Disciplina: Redes de Computadores Prof.: Fernando Hadad Zaidan 1 Unidade 3 Visão Geral de Equipamentos de Rede 2 Repetidor

Leia mais

Interconexão de redes locais. Repetidores. Pontes (Bridges) Hubs. Pontes (Bridges) Pontes (Bridges) Existência de diferentes padrões de rede

Interconexão de redes locais. Repetidores. Pontes (Bridges) Hubs. Pontes (Bridges) Pontes (Bridges) Existência de diferentes padrões de rede Interconexão de redes locais Existência de diferentes padrões de rede necessidade de conectá-los Interconexão pode ocorrer em diferentes âmbitos LAN-LAN LAN: gerente de um determinado setor de uma empresa

Leia mais

ARP. Tabela ARP construída automaticamente. Contém endereço IP, endereço MAC e TTL

ARP. Tabela ARP construída automaticamente. Contém endereço IP, endereço MAC e TTL ARP Protocolo de resolução de endereços (Address Resolution Protocol) Descrito na RFC 826 Faz a tradução de endereços IP para endereços MAC da maioria das redes IEEE 802 Executado dentro da sub-rede Cada

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M Tanenbaum Redes de Computadores Cap. 1 e 2 5ª. Edição Pearson Padronização de sistemas abertos à comunicação Modelo de Referência para Interconexão de Sistemas Abertos RM OSI Uma

Leia mais

REDE DE COMPUTADORES

REDE DE COMPUTADORES SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES Tecnologias de Rede Arquitetura Padrão 802.11 Prof. Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com 1 Arquitetura Wireless Wi-Fi

Leia mais

Prof. Marcelo de Sá Barbosa REDE DE COMPUTADORES

Prof. Marcelo de Sá Barbosa REDE DE COMPUTADORES Prof. Marcelo de Sá Barbosa REDE DE COMPUTADORES MODELO TCP/IP DE 5 CAMADAS MODELO OSI MODELO TCP IP NUMERO DA CAMADA CAMADA NUMERO DA CAMADA CAMADA 7 APLICAÇÃO 6 APRESENTAÇÃO 5 APLICAÇÃO 5 SESSÃO 4 TRANSPORTE

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula 2 - MODELO DE REFERÊNCIA TCP (RM TCP) 1. INTRODUÇÃO O modelo de referência TCP, foi muito usado pela rede ARPANET, e atualmente usado pela sua sucessora, a Internet Mundial. A ARPANET é de grande

Leia mais

EN - 3611 Segurança de Redes Segurança em Redes Sem Fio Prof. João Henrique Kleinschmidt

EN - 3611 Segurança de Redes Segurança em Redes Sem Fio Prof. João Henrique Kleinschmidt EN - 3611 Segurança de Redes Segurança em Redes Sem Fio Prof. João Henrique Kleinschmidt Redes sem fio modo de infraestrutura estação-base conecta hospedeiros móveis à rede com fio infraestrutura de rede

Leia mais

Técnicas de Múltiplo Acesso em Redes sem Fio, LANs, MANs

Técnicas de Múltiplo Acesso em Redes sem Fio, LANs, MANs Técnicas de Múltiplo Acesso em Redes sem Fio, LANs, MANs UERJ-FEN-DETEL Técnicas de Acesso Múltiplo na Comunicação sem Fio Vários esquemas de acesso múltiplo tem sido utilizados para permitir que vários

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula Complementar - MODELO DE REFERÊNCIA OSI Este modelo se baseia em uma proposta desenvolvida pela ISO (International Standards Organization) como um primeiro passo em direção a padronização dos protocolos

Leia mais

Capítulo 4 - Roteamento e Roteadores

Capítulo 4 - Roteamento e Roteadores Capítulo 4 - Roteamento e Roteadores 4.1 - Roteamento Roteamento é a escolha do módulo do nó de origem ao nó de destino por onde as mensagens devem transitar. Na comutação de circuito, nas mensagens ou

Leia mais

Aula 6 Modelo de Divisão em Camadas TCP/IP

Aula 6 Modelo de Divisão em Camadas TCP/IP Aula 6 Modelo de Divisão em Camadas TCP/IP Camada Conceitual APLICATIVO TRANSPORTE INTER-REDE INTERFACE DE REDE FÍSICA Unidade de Dados do Protocolo - PDU Mensagem Segmento Datagrama /Pacote Quadro 01010101010100000011110

Leia mais

Subcamada de Controle de Acesso ao Meio. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Subcamada de Controle de Acesso ao Meio. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Subcamada de Controle de Acesso ao Meio Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário Introdução; Protocolos de Acesso Múltiplo: ALOHA puro Slotted ALOHA CSMA persistente CSMA não-persistente CSMA p-persistente

Leia mais

General Packet Radio Service (GPRS) Aluna: Marília Veras

General Packet Radio Service (GPRS) Aluna: Marília Veras General Packet Radio Service (GPRS) Aluna: Marília Veras Tópicos O que é GPSR Arquitetura do Sistema Estados Operacionais do Celular GPRS Classes do Celular GSM/ GPRS Protocolos do GPRS Transmitindo Pacotes

Leia mais

Funcionamento de ARP entre redes (sub-redes) distintas. Mecanismos de entrega. Funcionamento entre redes (sub-redes): default gateway

Funcionamento de ARP entre redes (sub-redes) distintas. Mecanismos de entrega. Funcionamento entre redes (sub-redes): default gateway Introdução Inst tituto de Info ormátic ca - UF FRGS Redes de Computadores Protocolos ARP e ICMP Aula 18 A camada de rede fornece um endereço lógico Uniforme, independente da tecnologia empregada pelo enlace

Leia mais

Detecção de Portadora em Redes de Acesso múltiplo (CSMA)

Detecção de Portadora em Redes de Acesso múltiplo (CSMA) Detecção de Portadora em Redes de Acesso múltiplo (CSMA) Carrier Sense on Mullti-Access Network CSMA CSMA/CA CSMA/CD CSMA/CD Carrier SenseMulti-Access / CollisionData Computadores ligados Ethernet usam

Leia mais

Sistemas de Comunicação. WLANs Prof. Paulo Gonçalves pasg@cin.ufpe.br www.cin.ufpe.br/~pasg CIn/UFPE

Sistemas de Comunicação. WLANs Prof. Paulo Gonçalves pasg@cin.ufpe.br www.cin.ufpe.br/~pasg CIn/UFPE Sistemas de Comunicação WLANs Prof. Paulo Gonçalves pasg@cin.ufpe.br www.cin.ufpe.br/~pasg CIn/UFPE INTRODUÇÃO Introdução 1-2 O que é uma LAN? E uma WLAN? LAN: Local Area Network Rede Local Rede de dados

Leia mais

Tipos de Comunicação entre Estações. Comunicação Multiponto ( de Grupo, Multicast, Multiway, Difusão seletiva) Comunicação Multiponto em Redes Locais

Tipos de Comunicação entre Estações. Comunicação Multiponto ( de Grupo, Multicast, Multiway, Difusão seletiva) Comunicação Multiponto em Redes Locais Tipos de Comunicação entre Estações Comunicação Multiponto ( de Grupo, Multicast, Multiway, Difusão seletiva) Unicast Broadcast Multicast Multicast: ação de enviar um datagrama para multiplos receptores

Leia mais

Rede d s d e d Com o pu p t u ado d r o es Conceitos Básicos M d o e d los o de d Re R de d s:

Rede d s d e d Com o pu p t u ado d r o es Conceitos Básicos M d o e d los o de d Re R de d s: Tecnologia em Redes de Computadores Redes de Computadores Professor: André Sobral e-mail: alsobral@gmail.com Conceitos Básicos Modelos de Redes: O O conceito de camada é utilizado para descrever como ocorre

Leia mais

APLICAÇÃO REDE APLICAÇÃO APRESENTAÇÃO SESSÃO TRANSPORTE REDE LINK DE DADOS FÍSICA 1/5 PROTOCOLOS DE REDE

APLICAÇÃO REDE APLICAÇÃO APRESENTAÇÃO SESSÃO TRANSPORTE REDE LINK DE DADOS FÍSICA 1/5 PROTOCOLOS DE REDE 1/5 PROTOCOLOS DE O Modelo OSI O OSI é um modelo usado para entender como os protocolos de rede funcionam. Para facilitar a interconexão de sistemas de computadores, a ISO (International Standards Organization)

Leia mais

Capítulo 7 CAMADA DE TRANSPORTE

Capítulo 7 CAMADA DE TRANSPORTE Capítulo 7 CAMADA DE TRANSPORTE SERVIÇO SEM CONEXÃO E SERVIÇO ORIENTADO À CONEXÃO Serviço sem conexão Os pacotes são enviados de uma parte para outra sem necessidade de estabelecimento de conexão Os pacotes

Leia mais

Endereçamento IP, Sub-redes e Roteamento

Endereçamento IP, Sub-redes e Roteamento Segurança em Redes Prof. Rafael R. Obelheiro Semestre: 2009.1 Endereçamento IP, Sub-redes e Roteamento Endereçamento IP Endereços IP possuem 32 bits, o que possibilita 2 32 = 4.294.967.296 endereços Na

Leia mais

Capítulo 6 Redes sem fio e redes móveis

Capítulo 6 Redes sem fio e redes móveis Capítulo 6 Redes sem fio e redes móveis Nota sobre o uso destes slides ppt: Estamos disponibilizando estes slides gratuitamente a todos (professores, alunos, leitores). Eles estão em formato do PowerPoint

Leia mais

A topologia em estrela é caracterizada por um determinado número de nós, conectados em uma controladora especializada em comunicações.

A topologia em estrela é caracterizada por um determinado número de nós, conectados em uma controladora especializada em comunicações. Topologia em estrela A topologia em estrela é caracterizada por um determinado número de nós, conectados em uma controladora especializada em comunicações. Como esta estação tem a responsabilidade de controlar

Leia mais

Capítulo 9 - Conjunto de Protocolos TCP/IP e Endereçamento. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página

Capítulo 9 - Conjunto de Protocolos TCP/IP e Endereçamento. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página Capítulo 9 - Conjunto de Protocolos TCP/IP e Endereçamento IP 1 História e Futuro do TCP/IP O modelo de referência TCP/IP foi desenvolvido pelo Departamento de Defesa dos Estados Unidos (DoD). O DoD exigia

Leia mais

CAMADA DE REDE. UD 2 Aula 3 Professor João Carneiro Arquitetura de Redes 1º e 2º Semestres UNIPLAN

CAMADA DE REDE. UD 2 Aula 3 Professor João Carneiro Arquitetura de Redes 1º e 2º Semestres UNIPLAN CAMADA DE REDE UD 2 Aula 3 Professor João Carneiro Arquitetura de Redes 1º e 2º Semestres UNIPLAN Modelo de Referência Híbrido Adoção didática de um modelo de referência híbrido Modelo OSI modificado Protocolos

Leia mais

Tecnologia de Redes de Computadores - aula 5

Tecnologia de Redes de Computadores - aula 5 Tecnologia de Redes de Computadores - aula 5 Prof. Celso Rabelo Centro Universitário da Cidade 1 Objetivo 2 3 4 IGPxEGP Vetor de Distância Estado de Enlace Objetivo Objetivo Apresentar o conceito de. Conceito

Leia mais

APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III

APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III 1 REDE DE COMPUTADORES III 1. Introdução MODELO OSI ISO (International Organization for Standardization) foi uma das primeiras organizações a definir formalmente

Leia mais

MÓDULO 8 Modelo de Referência TCP/IP

MÓDULO 8 Modelo de Referência TCP/IP MÓDULO 8 Modelo de Referência TCP/IP A internet é conhecida como uma rede pública de comunicação de dados com o controle totalmente descentralizado, utiliza para isso um conjunto de protocolos TCP e IP,

Leia mais

TRANSMISSÃO DE DADOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

TRANSMISSÃO DE DADOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula 5-1. A CAMADA DE TRANSPORTE Parte 1 Responsável pela movimentação de dados, de forma eficiente e confiável, entre processos em execução nos equipamentos conectados a uma rede de computadores, independentemente

Leia mais

Redes de Computadores I ENLACE: PPP ATM

Redes de Computadores I ENLACE: PPP ATM Redes de Computadores I ENLACE: PPP ATM Enlace Ponto-a-Ponto Um emissor, um receptor, um enlace: Sem controle de acesso ao meio; Sem necessidade de uso de endereços MAC; X.25, dialup link, ISDN. Protocolos

Leia mais

Introdução à Computação Móvel IP Móvel. Movimentação de Host. Movimentação de Host. Francisco José da Silva e Silva

Introdução à Computação Móvel IP Móvel. Movimentação de Host. Movimentação de Host. Francisco José da Silva e Silva Introdução à Computação Móvel IP Móvel Francisco José da Silva e Silva Francisco Silva 1 Movimentação de Host Francisco Silva 2 Movimentação de Host Se um host não estiver no enlace identificado por seu

Leia mais

Protocolos de Redes Revisão para AV I

Protocolos de Redes Revisão para AV I Protocolos de Redes Revisão para AV I 01 Aula Fundamentos de Protocolos Conceituar protocolo de rede; Objetivos Compreender a necessidade de um protocolo de rede em uma arquitetura de transmissão entre

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Disciplina: Redes I Fundamentos - 1º Período Professor: José Maurício S. Pinheiro Material de Apoio VI PROTOCOLOS

Leia mais

Arquitetura TCP/IP. Filosofia da Internet

Arquitetura TCP/IP. Filosofia da Internet Arquitetura TCP/IP Filosofia da Internet foi projetada p/: ser aberta o bastante p/ permitir a execução em uma grande variedade de equipamentos de resistir a possíveis danos que prejudicassem seu funcionamento

Leia mais

CCNA 2 Conceitos Básicos de Roteadores e Roteamento

CCNA 2 Conceitos Básicos de Roteadores e Roteamento CCNA 2 Conceitos Básicos de Roteadores e Roteamento Capítulo 10 - TCP/IP Intermediário 1 Objetivos do Capítulo Descrever o TCP e sua função; Descrever a sincronização e o controle de fluxo do TCP; Descrever

Leia mais

Interconexão de Redes. Aula 03 - Roteamento IP. Prof. Esp. Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu.br

Interconexão de Redes. Aula 03 - Roteamento IP. Prof. Esp. Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu.br Interconexão de Redes Aula 03 - Roteamento IP Prof. Esp. Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu.br Revisão Repetidor Transceiver Hub Bridge Switch Roteador Domínio de Colisão Domínio de Broadcast

Leia mais

Teleprocessamento e Redes (MAB-510) Gabarito da Segunda Lista de Exercícios 01/2010

Teleprocessamento e Redes (MAB-510) Gabarito da Segunda Lista de Exercícios 01/2010 Teleprocessamento e Redes (MAB-510) Gabarito da Segunda Lista de Exercícios 01/2010 Prof. Silvana Rossetto (DCC/IM/UFRJ) 1 13 de julho de 2010 Questões 1. Qual é a diferença fundamental entre um roteador

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula Complementar - EQUIPAMENTOS DE REDE 1. Repetidor (Regenerador do sinal transmitido) É mais usado nas topologias estrela e barramento. Permite aumentar a extensão do cabo e atua na camada física

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores... 1 Mobilidade... 1 Hardware de Rede... 2 Redes Locais - LANs... 2 Redes metropolitanas - MANs... 3 Redes Geograficamente Distribuídas - WANs... 3 Inter-redes... 5 Software de Rede...

Leia mais

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1 Equipamentos de Rede Repetidor (Regenerador do sinal transmitido)* Mais usados nas topologias estrela e barramento Permite aumentar a extensão do cabo Atua na camada física da rede (modelo OSI) Não desempenha

Leia mais

Comunicação de Dados IV. Gabarito da Lista de Exercícios 2

Comunicação de Dados IV. Gabarito da Lista de Exercícios 2 omunicação de Dados IV Gabarito da Lista de Exercícios ) Na topologia abaixo, considerando que as redes estão interligadas através de pontes transparentes, indique as informações armazenadas em cache nas

Leia mais

Módulo 9 Conjunto de Protocolos TCP/IP e endereçamento IP

Módulo 9 Conjunto de Protocolos TCP/IP e endereçamento IP CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes Módulo 9 Conjunto de Protocolos TCP/IP e endereçamento IP Introdução ao TCP/IP 2 Modelo TCP/IP O Departamento de Defesa dos Estados Unidos (DoD) desenvolveu o modelo de

Leia mais

Prof. Luís Rodolfo. Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO

Prof. Luís Rodolfo. Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Prof. Luís Rodolfo Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Redes de computadores e telecomunicação Objetivos da Unidade III Apresentar as camadas de Transporte (Nível 4) e Rede (Nível 3) do

Leia mais

Revisão. Karine Peralta karine.peralta@pucrs.br

Revisão. Karine Peralta karine.peralta@pucrs.br Revisão Karine Peralta Agenda Revisão Evolução Conceitos Básicos Modelos de Comunicação Cliente/Servidor Peer-to-peer Arquitetura em Camadas Modelo OSI Modelo TCP/IP Equipamentos Evolução... 50 60 1969-70

Leia mais

Teleprocessamento e Redes

Teleprocessamento e Redes Teleprocessamento e Redes Aula 19: 29 de junho de 2010 1 camada de transporte camada de rede 2 Questão 1 (Kurose/Ross) camada de transporte camada de rede Um processo em um host C tem um socket UDP com

Leia mais

Aula 11 Comutação de pacotes. Prof. Dr. S. Motoyama

Aula 11 Comutação de pacotes. Prof. Dr. S. Motoyama Aula Comutação de pacotes Prof. Dr. S. Motoyama O Problema Como dois hosts que não estão diretamente conectados poderão se comunicar entre si? Algum dispositivo inteligente deve ser colocado entre os hosts

Leia mais

SIMULADO ENADE 2011 5º Semestre 2ª parte Curso Tecnológico em Redes de Computadores

SIMULADO ENADE 2011 5º Semestre 2ª parte Curso Tecnológico em Redes de Computadores SIMULADO ENADE 2011 5º Semestre 2ª parte Curso Tecnológico em Redes de Computadores ALUNO(A): DATA DE APLICAÇÃO: PONTUAÇÃO OBTIDA: Prezados (as) alunos (as), Vocês estão recebendo o caderno do Simulado

Leia mais

Interconexão de Redes Parte 2. Prof. Dr. S. Motoyama

Interconexão de Redes Parte 2. Prof. Dr. S. Motoyama Interconexão de Redes Parte 2 Prof. Dr. S. Motoyama 1 Software IP nos hosts finais O software IP nos hosts finais consiste principalmente dos seguintes módulos: Camada Aplicação; DNS (Domain name system)

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação A camada de enlace, cujo protocolo é utilizado para transportar um datagrama por um enlace individual, define o formato dos pacotes trocados entre os nós nas extremidades, bem como

Leia mais

Camada de Enlace de Dados - Apêndice. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Camada de Enlace de Dados - Apêndice. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Camada de Enlace de Dados - Apêndice Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário Endereço MAC; ARP Address Resolution Protocol; DHCP Dynamic Host Configuration Protocol; Ethernet Estrutura do quadro Ethernet;

Leia mais

Rede de Computadores II

Rede de Computadores II Slide 1 Técnicas para se alcançar boa qualidade de serviço Reserva de recursos A capacidade de regular a forma do tráfego oferecido é um bom início para garantir a qualidade de serviço. Mas Dispersar os

Leia mais

Aula 03 Regras de Segmentação e Switches

Aula 03 Regras de Segmentação e Switches Disciplina: Dispositivos de Rede II Professor: Jéferson Mendonça de Limas 4º Semestre Aula 03 Regras de Segmentação e Switches 2014/1 19/08/14 1 2de 38 Domínio de Colisão Os domínios de colisão são os

Leia mais

Redes Ethernet. Padrão IEEE 802.3

Redes Ethernet. Padrão IEEE 802.3 Padrão IEEE 802.3 Redes Ethernet Desenvolvido pela Xerox, Digital e Intel em meados de 1972 Largura de banda de 3 Mbps, utilizando cabo coaxial É a Rede Local mais antiga e popular da atualidade Utiliza

Leia mais

Visão Geral do Protocolo CANBus

Visão Geral do Protocolo CANBus Visão Geral do Protocolo CANBus História CAN Controller Area Network. Desenvolvido, pela BOSCH, na década de 80 para a interligação dos sistemas de controle eletrônicos nos automóveis. 1. CAN, que foi

Leia mais

CCNA 1 Modelos OSI e TCP/IP. Kraemer

CCNA 1 Modelos OSI e TCP/IP. Kraemer CCNA 1 Modelos OSI e TCP/IP Modelos OSI e TCP/IP Modelo em camadas Modelo OSI Modelo TCP/IP Comparação dos modelos Endereçamento de rede Modelo de camadas Encapsulamento Desencapsulamento Modelo OSI Sistema

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ

UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ CURSO DE REDES DE COMPUTADORES PROFESSOR MARCELO BERRÊDO NOTAS DE AULA PADRÃO IEEE 802.11 REVISÃO ABRIL/2004 IEEE 802.11 WIRELESS LAN 1. INTRODUÇÃO O Grupo de trabalho IEEE 802.11

Leia mais

Aula 4 - Protocolos de enlace

Aula 4 - Protocolos de enlace Aula 4 - Protocolos de enlace Professora Marcela Santos marcela@edu.estacio.br Faculdade Câmara Cascudo - Estácio de Sá 30 de março de 2010 Agenda 1 Protocolos de acesso ao meio Protocolos de acesso múltiplo

Leia mais

Redes IEEE 802.11. Makoto Miyagawa 1. Manaus Amazonas Brasil

Redes IEEE 802.11. Makoto Miyagawa 1. Manaus Amazonas Brasil Redes IEEE 802.11 Makoto Miyagawa 1 1 Faculdade de Tecnologia Universidade Federal do Amazonas Manaus Amazonas Brasil Resumo. A mobilidade oferecida pelas redes sem fio aos usuários, aliada ao baixo custo

Leia mais

Introdução Introduç ão Rede Rede TCP/IP Roteame Rotea nto nto CIDR

Introdução Introduç ão Rede Rede TCP/IP Roteame Rotea nto nto CIDR Introdução as Redes TCP/IP Roteamento com CIDR LAN = Redes de Alcance Local Exemplo: Ethernet II não Comutada Barramento = Broadcast Físico Transmitindo ESCUTANDO ESCUTANDO A quadro B C B A. DADOS CRC

Leia mais

Redes de Computadores 1

Redes de Computadores 1 Redes de Computadores 1 Prof. Miguel Elias Mitre Campista http://www.gta.ufrj.br/~miguel Parte IV Camada de Enlace: Protocolos de Comunicação Camada de Enlace Relembrando... Tipos diferentes de canais

Leia mais

A Camada de Rede. A Camada de Rede

A Camada de Rede. A Camada de Rede Revisão Parte 5 2011 Modelo de Referência TCP/IP Camada de Aplicação Camada de Transporte Camada de Rede Camada de Enlace de Dados Camada de Física Funções Principais 1. Prestar serviços à Camada de Transporte.

Leia mais

Redes Sem Fio. Prof. Othon M. N. Batista (othonb@yahoo.com) Mestre em Informática

Redes Sem Fio. Prof. Othon M. N. Batista (othonb@yahoo.com) Mestre em Informática Redes Sem Fio Prof. Othon M. N. Batista (othonb@yahoo.com) Mestre em Informática Tópicos Introdução Modelos de Propagação de Rádio Padrões do IEEE IEEE 802.11 IEEE 802.15 IEEE 802.16 Mobilidade Introdução

Leia mais

Aula-17 Interconexão de Redes IP (Internet Protocol) Prof. Dr. S. Motoyama

Aula-17 Interconexão de Redes IP (Internet Protocol) Prof. Dr. S. Motoyama Aula-7 Interconexão de Redes IP (Internet Protocol) Prof. Dr. S. Motoyama Encaminhamento IP Exemplo de tabela de roteamento de R: Rede/Sub-rede Mácara de sub-rede Próximo salto 28.96.34.0 255.255.255.28

Leia mais