Endereçamento IP, Sub-redes e Roteamento

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Endereçamento IP, Sub-redes e Roteamento"

Transcrição

1 Segurança em Redes Prof. Rafael R. Obelheiro Semestre: Endereçamento IP, Sub-redes e Roteamento Endereçamento IP Endereços IP possuem 32 bits, o que possibilita 2 32 = endereços Na prática, uma boa parte desse espaço de endereçamento é desperdiçada Um endereço é normalmente representado em base decimal, usando a notação quaternária (dotted-quad) cada um dos quatro bytes que compõem o endereço é representado por um número decimal de 0 a 255, e os números são separados por pontos. Por exemplo, o endereço é representado na notação quaternária como : Endereço binário: Endereço decimal: Um endereço IP normalmente tem duas porções, um endereço de rede e um endereço de host: n bits endereço de rede 32 n bits endereço de host A divisão (quantos bits são usados para rede e quantos são usados para host) depende de cada rede; no total, a soma deve ser sempre 32 Originalmente, o espaço de endereçamento IP foi dividido em cinco classes: classe estrutura do endereço endereços iniciais e finais (binário) repres. decimal A 0nnnnnnn hhhhhhhh hhhhhhhh hhhhhhhh (7 bits de rede, 24 bits de host) B 10nnnnnn nnnnnnnn hhhhhhhh hhhhhhhh (14 bits de rede, 16 bits de host) C 110nnnnn nnnnnnnn nnnnnnnn hhhhhhhh (21 bits de rede, 8 bits de host) D 1110bbbb bbbbbbbb bbbbbbbb bbbbbbbb (endereços de multicast) E 1111bbbb bbbbbbbb bbbbbbbb bbbbbbbb (endereços reservados) Na estrutura do endereço, n indica bits de rede, h indica bits de host e b indica bits que não são nem de rede nem de host. Os bits iniciais determinam a qual classe pertence cada endereço A divisão de bits entre rede e host determina quantas redes podem existir em cada classe, e quantos hosts podem existir em cada rede 1

2 Endereçamento IP, Sub-redes e Roteamento 2 Classe Bits iniciais Bits de rede / N o de redes Bits de host / N o de hosts A 0 7 / / B / / C / / 256 D 1110 multicast E 1111 reservado Exemplos de endereços IP no esquema de classes: O endereço é um classe A com endereço de rede 10 e endereço de host a rede 10 vai de a ( endereços) O endereço é um classe B com endereço de rede e endereço de host a rede vai de a ( endereços) O endereço é um classe C com endereço de rede e endereço de host 132 a rede vai de a (256 endereços) Em cada rede, dois endereços de hosts são reservados: endereço de rede endereço inicial (todos os bits de host em 0) endereço de broadcast endereço final (todos os bits de host em 1) Existem também vários blocos de endereços reservados rede 0: rota default ( ) rede 10: RFC 1918 rede 127: loopback redes a : RFC 1918 redes *: RFC 1918 rede : exemplos Um endereço IP possui uma máscara de rede, que é determinada pela classe do endereço: Para um endereço classe C, a máscara default (ou natural) tem os 24 bits iniciais ligados Para um endereço classe B, a máscara default tem os 16 bits iniciais ligados Para um endereço classe A, a máscara default tem os 8 bits iniciais ligados Os bits iniciais ligados da máscara determinam quais bits pertencem ao endereço de rede: endereço IP AND máscara = endereço de rede onde AND é a operação de conjunção (E lógico).

3 Endereçamento IP, Sub-redes e Roteamento 3 Sub-redes As classes de endereços possuem uma certa inflexibilidade Muitas redes precisam de uma quantidade de endereços bem menor do que o tamanho da classe classe C com 2 hosts: 0,79% (= 2/254) dos endereços são aproveitados classe B com 256 hosts: 0,39% (= 256/65534) dos endereços são aproveitados Em muitos casos uma mesma organização possui várias redes internas que precisam ser roteadas separadamente A solução para isso foi subdividir a faixa de endereços de uma rede em um número de subredes Em vez de considerar um endereço IP como sendo um endereço de rede e um endereço de host, a porção correspondente ao endereço de host é dividida em um endereço de sub-rede e um endereço de host: n bits endereço de rede 32 n bits endereço de host n bits s bits 32 (n + s) bits endereço de rede endereço de sub-rede endereço de host Os bits correspondentes ao endereço de sub-rede são acrescentados à máscara de rede para formar a máscara de sub-rede ou máscara estendida A quantidade de sub-redes é dada por 2 s, sendo s o número de bits do endereço de subrede De modo genérico, uma rede com máscara de n bits é dividida em 2 s sub-redes com máscara de n + s bits. Exemplos: Uma rede classe C (máscara de 24 bits) pode ser dividida em, por exemplo, 2 sub-redes com máscara de 25 bits ( ) 2 = 2 1, 25 = ; 4 sub-redes com máscara de 26 bits ( ) 4 = 2 2, 26 = ; 32 sub-redes com máscara de 29 bits ( ) 32 = 2 5, 29 = Uma rede classe B (máscara de 16 bits) pode ser dividida em, por exemplo, 8 sub-redes com máscara de 19 bits ( ) 8 = 2 3, 19 = ; 256 sub-redes com máscara de 24 bits ( ) 256 = 2 8, 24 = Por conseqüência, o número de sub-redes tem de ser uma potência de 2 (2, 4, 8, 16,... ) Para um dado bloco, quanto mais sub-redes houver, menos hosts haverá em cada uma As sub-redes só são visíveis dentro da rede que as define; redes externas continuam enxergando o bloco original As razões para usar sub-redes podem ser Topológicas Contornar limitações da rede física tamanho máximo do segmento Ethernet, por exemplo Interligar redes físicas distintas Reduzir ou isolar tráfego se alguns hosts trocam muito tráfego entre si, eles podem ser colocados em uma sub-rede separada para diminuir o impacto sobre os demais hosts, por exemplo

4 Endereçamento IP, Sub-redes e Roteamento 4 Administrativas Facilitar a administração da rede delegação da responsabilidade sobre cada subrede Refletir a estrutura organizacional cada departamento tem sua própria sub-rede, por exemplo Segregar ou isolar tráfego colocar o departamento financeiro em uma sub-rede separada para dificultar possíveis vazamentos de informação, por exemplo Isolar segmentos ou usuários problemáticos laboratórios de ensino ou pesquisa que podem comprometer a estabilidade da rede, por exemplo CIDR O esquema de endereçamento IP com classes ameaçou esgotar os endereços disponíveis (especialmente da classe B) Além disso, as tabelas de roteamento estavam ficando muito grandes devido à forma como os blocos de endereços eram alocados (seqüencialmente) A solução foi mudar a forma de alocação (que passou a ser hierárquica) e flexibilizar as classes de endereços, que deixaram de ser fixas (CIDR, Classless Inter-Domain Routing) Cada provedor recebe um grande bloco contínuo de endereços, que é subdividido entre seus clientes Permite a agregação de rotas A porção de rede de um endereço IP passa a ser determinada não mais pela sua classe mas pela sua máscara: endereço IP AND máscara = endereço de rede onde AND é a operação de conjunção (E lógico). No CIDR, qualquer máscara pode ser aplicada a qualquer endereço IP Em vez de especificar um bloco de endereços usando o endereço de rede e a máscara na notação quaternária, é possível usar a notação abreviada endereço/prefixo, onde endereço é o endereço de rede e prefixo é o número de bits ligados da máscara. Exemplos: Bloco Faixa de endereços Máscara / /8 ou 10/ / /

5 Endereçamento IP, Sub-redes e Roteamento 5 Caracterizando um bloco CIDR Suponhamos que desejamos caracterizar o bloco CIDR /24, ou seja, determinar os parâmetros desse bloco: máscara de rede, endereço de rede, endereço de broadcast e a faixa de endereços válidos. Os passos a serem seguidos para esta caracterização são os seguintes: 1. Exprimir o endereço de rede em binário: Isso será importante para determinar o endereço de broadcast. 2. Exprimir a máscara de rede em binário. No caso, o /24 nos diz que os 24 bits iniciais são ligados, e os demais desligados. Portanto, a máscara desta rede é dada por: 24 bits ligados Uma vez determinado o endereço de rede, é possível determinar o endereço de broadcast. Para isso, basta pegar o endereço de rede e ligar todos os bits correspondentes ao endereço de host; o endereço resultante é o endereço de broadcast. No exemplo dado, como 24 bits iniciais são usados para o endereço de rede (de acordo com a máscara), sobram os últimos 8 bits para o endereço de host; ligando esses bits, obtemos então o endereço de broadcast: 24 bits de rede 8 bits de host Como o endereço de rede e o endereço de broadcast são reservados, o número de endereços válidos em um bloco é dado por 2 h 2, onde h é o número de bits de host. No exemplo dado, h = 8, e o número de endereços válidos é = = 254 endereços (de até ). 5. Em resumo, o bloco CIDR /24 pode ser caracterizado da seguinte forma: Máscara: Endereço de rede: Endereço de broadcast: Faixa de end. válidos: (254 endereços)

6 Endereçamento IP, Sub-redes e Roteamento 6 Um segundo exemplo é a caracterização do bloco CIDR /19: 1. Obtendo o endereço de rede: 2. Obtendo a máscara de rede: 3. Obtendo o endereço de broadcast: bits de rede 13 bits de host Obtendo o número de endereços válidos: h = = = endereços (de a ). 5. Em resumo: Máscara: Endereço de rede: Endereço de broadcast: Faixa de end. válidos: (8.190 endereços)

7 Endereçamento IP, Sub-redes e Roteamento 7 Dividindo um Bloco de Endereços em Sub-redes A divisão de um bloco de endereços em sub-redes requer os seguintes passos: 1. Determinar o número de bits de sub-rede necessários para o número de sub-redes desejadas; 2. Obter a máscara de sub-rede correspondente; 3. Obter os dados dos blocos correspondentes a cada sub-rede. Esse processo será demonstrado através de um exemplo: dividir a rede /24 em quatro sub-redes. 1. Para obter quatro sub-redes, são necessários 2 bits de sub-rede (pois 2 2 = 4). 2. A máscara de sub-rede é obtida somando os 2 bits determinados no item anterior aos 24 bits já existentes na máscara de rede (/24); portanto, a máscara de sub-rede é /26, ou : Os bits em negrito no quarto byte representam os bits do endereço de sub-rede. 3. Os dois bits de sub-rede podem representar quatro valores: 00, 01, 10 e 11. Esses valores correspondem aos endereços da primeira (00), da segunda (01), da terceira (10) e da quarta (11) sub-redes. Para obter os parâmetros dos blocos de endereços correspondentes a cada uma dessas subredes, basta variar os bits de sub-rede de acordo com as combinações possíveis e usar o método de caracterização de um bloco CIDR (pág. 5) para cada um dos endereços de sub-rede (usando a máscara de sub-rede obtida acima). Uma exceção é feita para a obtenção do endereço inicial (de sub-rede) do primeiro bloco, que usa a máscara de rede (sem os bits de sub-rede) para garantir que a primeira sub-rede coincida com o início do bloco original. Então, para a primeira sub-rede: (a) Obtendo o endereço de rede: Endereço: = (b) Obtendo o endereço de broadcast: Para a segunda sub-rede: 26 bits de rede+sub-rede 6b de host (a) A segunda sub-rede utiliza um endereço de rede similar ao da primeira, mas com os bits de sub-rede em 01: Endereço: = (b) Obtendo o endereço de broadcast: 26 bits de rede+sub-rede 6b de host

8 Endereçamento IP, Sub-redes e Roteamento 8 Para a terceira sub-rede: (a) A terceira sub-rede utiliza um endereço de rede similar ao da primeira, mas com os bits de sub-rede em 10: Endereço: = (b) Obtendo o endereço de broadcast: Para a quarta sub-rede: 26 bits de rede+sub-rede 6b de host (a) A quarta sub-rede utiliza um endereço de rede similar ao da primeira, mas com os bits de sub-rede em 11: Endereço: = (b) Obtendo o endereço de broadcast: 26 bits de rede+sub-rede 6b de host Portanto, ao dividirmos o bloco /24 em quatro sub-redes, obtemos os seguintes blocos: Máscara Sub-rede End. sub-rede End. broadcast Faixa end. válidos /26 1 (00) (01) (10) (11) O número de endereços válidos em cada sub-rede é = 64 2 = 62 endereços.

9 Endereçamento IP, Sub-redes e Roteamento 9 Um segundo exemplo é a divisão de /15 em 8 sub-redes: 1. Para dividir o bloco em 8 sub-redes, são necessários 3 bits de sub-rede (2 3 = 8). 2. A máscara de sub-rede é /18, ou : O endereço da primeira sub-rede é o próprio endereço inicial do bloco (os bits em negrito são os bits de sub-rede): Endereço: = O broadcast é calculado em cima do endereço de sub-rede obtido: 18 bits de rede+sub-rede 14 bits de host Repetindo o procedimento para as outras 7 sub-redes, chegamos aos seguintes blocos: Máscara Sub-rede End. sub-rede End. broadcast Faixa end. válidos /18 1 (000) (001) (010) (011) (100) (101) (110) (111) O número de endereços válidos em cada sub-rede é = = endereços.

10 Endereçamento IP, Sub-redes e Roteamento 10 Roteamento IP Cada nó possui uma tabela de roteamento que é consultada a cada vez que um datagrama precisa ser enviado Quando a camada IP recebe um datagrama de uma interface de rede, ela verifica se o endereço de destino é um dos seus próprios endereços ou um endereço de broadcast Se for, o datagrama é entregue ao módulo correspondente ao protocolo indicado no cabeçalho IP (TCP, UDP, ICMP,... ) Se não for: 1. Se o nó age como um roteador, o datagrama é encaminhado (i.e., tratado como um datagrama a ser transmitido para o destino) 2. Caso contrário, o datagrama é descartado (silenciosamente) Cada entrada na tabela de roteamento contém as seguintes informações: Endereço IP de destino: pode ser um endereço de host ou um endereço de rede, com uma máscara associada; Endereço IP do próximo hop (salto): o próximo hop é para onde pacotes endereçados ao destino devem ser enviados; Flags: indicam, entre outras coisas, se o endereço de destino refere-se a um host ou uma rede, e se o endereço de próximo hop refere-se a um roteador ou a uma rede diretamente conectada; Interface de saída: por qual interface de rede os datagramas para este destino devem ser transmitidos. A tabela de roteamento não tem rotas completas para todos os destinos, só o endereço do roteador mais próximo de cada destino. O roteamento procede da seguinte forma: 1. Se existir uma rota para o host de destino, o datagrama é enviado para o roteador no próximo hop ou para a rede localmente conectada, dependendo do valor das flags caso típico de enlaces ponto a ponto 2. Se existir uma rota para a rede de destino, o datagrama é enviado para o roteador no próximo hop ou para a rede localmente conectada, dependendo do valor das flags caso típico de enlaces multiponto, como Ethernet Neste caso, a máscara de sub-rede entra em consideração. 3. Se existir uma rota default, o datagrama é enviado para o roteador indicado. 4. Caso contrário, o datagrama é descartado, e uma mensagem ICMP indicando o erro é normalmente enviada ao endereço IP de origem.

11 Endereçamento IP, Sub-redes e Roteamento 11 Seja a rede mostrada na figura abaixo: Exemplos de Tabelas de Rotas Rede /20 Internet Ethernet Wi Fi / /26 srv rot mov1 mov2 est rot mov est GigEthernet /26 Ethernet /26 srv rot Ethernet / rot srv srv prt1 est3 est4 est5 A tabela de rotas para a estação est1 é a seguinte: Endereço de destino Próximo salto Interface / eth0 default eth0 A primeira rota é para a sub-rede local, diretamente conectada através de um enlace Ethernet; por convenção, o endereço do gateway é o endereço da própria est1 nesta sub-rede. A interface Ethernet do host é representada, no último campo, por eth0. A segunda rota é a rota default: quando nenhuma rota mais específica for encontrada, os datagramas devem ser enviados (pela interface eth0) para o roteador rot1 ( ), que se encarregará de fazer com o que eles cheguem até seu destino. ATENÇÃO: a interface contida na tabela de rotas é a interface de saída da rota (i.e., a interface por onde os pacotes para o destino especificado são transmitidos), e não a interface de entrada do roteador usado como gateway (mesmo porque uma estação não tem como saber em qual interface do roteador está conectada).

12 Endereçamento IP, Sub-redes e Roteamento 12 A tabela de rotas para o roteador rot1 é a seguinte: Endereço de destino Próximo salto Interface / eth / eth / eth / eth2 default eth2 A primeira e a segunda rotas são para as sub-redes localmente conectadas. É importante notar que o endereço de próximo hop nos dois casos é o endereço da interface do próprio rot1 em cada uma dessas sub-redes, e que cada rota usa uma interface de saída diferente. A terceira e a quarta rotas são rotas para sub-redes acessíveis por outros roteadores. É interessante observar que, neste caso, a sub-rede /26 (rede Wi-Fi) não precisa de uma rota específica, pois o roteador que dá acesso a ela é o mesmo da rota default (quinta rota na tabela). Para atribuição das interfaces do roteador, usou-se a seguinte convenção: eth0 eth3 eth1 eth2

13 Endereçamento IP, Sub-redes e Roteamento 13 NAT A escassez de endereços IP levou ao desenvolvimento de um mecanismo chamado NAT (Network Address Translation) A premissa básica do NAT é que hosts não precisam ter endereços públicos, eles podem ter endereços privados Endereços privados não precisam ser únicos na rede como um todo, mas apenas na rede local A RFC 1918 define as seguintes redes para atribuição de endereços privados: 10/8, /19 e /16 Endereços privados podem ser livremente alocados pelo administrador de uma determinada rede Quando um host com endereço privado precisa se comunicar com o exterior, ele faz isso através de um NAT box Internet rot rot3 atua como NAT box, traduzindo os endereços da rede interna para prt1 est3 est4 est5 Rede privada /24 O NAT box possui um endereço IP público (geralmente chamado IP válido), que é único na Internet e alocado da forma usual O NAT box realiza a tradução entre o endereço válido e os endereços privados, modificando o cabeçalho dos pacotes na transmissão e na recepção Externamente, os pacotes originados pelo host com endereço privado têm como endereço IP de origem o IP válido do NAT box Para saber qual endereço privado usar, ele mantém uma tabela que associa os hosts internos aos endereços externos que eles acessaram Dificuldades: Em geral, não é possível estabelecer conexões de fora para dentro de uma rede com NAT Diversos protocolos de camadas superiores (transporte ou aplicação) carregam o endereço IP do host no seu conteúdo, o que causa problemas em muitas aplicações

Camada de Rede. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Camada de Rede. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Camada de Rede Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário Introdução; Internet Protocol IP; Fragmentação do Datagrama IP; Endereço IP; Sub-Redes; CIDR Classes Interdomain Routing NAT Network Address Translation

Leia mais

OS endereços IP v.4 consistem em 4 octetos separados por pontos. Estes endereços foram separados

OS endereços IP v.4 consistem em 4 octetos separados por pontos. Estes endereços foram separados Endereçamento IP V.4 e Roteamento Estático Pedroso 4 de março de 2009 1 Introdução OS endereços IP v.4 consistem em 4 octetos separados por pontos. Estes endereços foram separados em 5 classes, de acordo

Leia mais

Arquitetura TCP/IP. Parte III Endereçamento IP e roteamento. Fabrízzio Alphonsus A. M. N. Soares

Arquitetura TCP/IP. Parte III Endereçamento IP e roteamento. Fabrízzio Alphonsus A. M. N. Soares Arquitetura TCP/IP Parte III Endereçamento IP e roteamento Fabrízzio Alphonsus A. M. N. Soares Tópicos Formato do endereço Classes de endereços Endereços especiais Sub-rede e máscara VLSM (Variable Length

Leia mais

Endereços IP Sem Classe, Endereços Privados e NAT. Prof. Othon M. N. Batista (othonb@yahoo.com) Mestre em Informática

Endereços IP Sem Classe, Endereços Privados e NAT. Prof. Othon M. N. Batista (othonb@yahoo.com) Mestre em Informática Endereços IP Sem Classe, Endereços Privados e NAT Prof. Othon M. N. Batista (othonb@yahoo.com) Mestre em Informática Tópicos Máscaras de Rede com Classe Classless Inter-Domain Routing - CID Notação CIDR

Leia mais

3) Na configuração de rede, além do endereço IP, é necessário fornecer também uma máscara de subrede válida, conforme o exemplo:

3) Na configuração de rede, além do endereço IP, é necessário fornecer também uma máscara de subrede válida, conforme o exemplo: DIRETORIA ACADÊMICA DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA COORDENAÇÃO DOS CURSOS DA ÁREA DE INFORMÁTICA! Atividade em sala de aula. 1) A respeito de redes de computadores, protocolos TCP/IP e considerando uma rede

Leia mais

Introdução Introduç ão Rede Rede TCP/IP Roteame Rotea nto nto CIDR

Introdução Introduç ão Rede Rede TCP/IP Roteame Rotea nto nto CIDR Introdução as Redes TCP/IP Roteamento com CIDR LAN = Redes de Alcance Local Exemplo: Ethernet II não Comutada Barramento = Broadcast Físico Transmitindo ESCUTANDO ESCUTANDO A quadro B C B A. DADOS CRC

Leia mais

Arquitetura de Rede de Computadores

Arquitetura de Rede de Computadores TCP/IP Roteamento Arquitetura de Rede de Prof. Pedro Neto Aracaju Sergipe - 2011 Ementa da Disciplina 4. Roteamento i. Máscara de Rede ii. Sub-Redes iii. Números Binários e Máscara de Sub-Rede iv. O Roteador

Leia mais

TRANSMISSÃO DE DADOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

TRANSMISSÃO DE DADOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula 4 - A CAMADA DE REDE (Parte 2) 1. Flooding (Inundação) Outro algoritmo estático é o algoritmo de inundação, no qual cada pacote de entrada é enviado para todas as linhas de saída, exceto para aquela

Leia mais

Prof. Luís Rodolfo. Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO

Prof. Luís Rodolfo. Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Prof. Luís Rodolfo Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Redes de computadores e telecomunicação Objetivos da Unidade III Apresentar as camadas de Transporte (Nível 4) e Rede (Nível 3) do

Leia mais

Serviço de datagrama não confiável Endereçamento hierárquico. Facilidade de fragmentação e remontagem de pacotes

Serviço de datagrama não confiável Endereçamento hierárquico. Facilidade de fragmentação e remontagem de pacotes IP Os endereços IP são números com 32 bits, normalmente escritos como quatro octetos (em decimal), por exemplo 128.6.4.7. A primeira parte do endereço identifica uma rede especifica na interrede, a segunda

Leia mais

Aula 06 Revisão Endereçamento IP Subnetting / VLSM / CIDR

Aula 06 Revisão Endereçamento IP Subnetting / VLSM / CIDR Disciplina: Dispositivos de Rede I Professor: Jéferson Mendonça de Limas 3º Semestre Aula 06 Revisão Endereçamento IP Subnetting / VLSM / CIDR 2014/1 Roteiro de Aula Endereçamento IP Segundo Filippetti

Leia mais

Máscaras de sub-rede. Fórmula

Máscaras de sub-rede. Fórmula Máscaras de sub-rede As identificações de rede e de host em um endereço IP são diferenciadas pelo uso de uma máscara de sub-rede. Cada máscara de sub-rede é um número de 32 bits que usa grupos de bits

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Camada de Rede Slide 1 Endereçamento IPv4 Tem comprimento de 32bits (4 bytes); São escritos em notação decimal separados por ponto; Cada interface de um sistema conectado a internet

Leia mais

Curso de extensão em Administração de redes com GNU/Linux

Curso de extensão em Administração de redes com GNU/Linux Curso de extensão em - italo@dcc.ufba.br Gestores da Rede Acadêmica de Computação Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal da Bahia Todo o material aqui disponível pode, posteriormente,

Leia mais

IP - endereçamento. Endereço IP. Ex.: Identificador de 32 bits para interfaces de roteadores e hospedeiros

IP - endereçamento. Endereço IP. Ex.: Identificador de 32 bits para interfaces de roteadores e hospedeiros Endereço IP Ex.: Identificador de 32 bits para interfaces de roteadores e hospedeiros 223.1.1.1 = 11011111 00000001 00000001 00000001 223 1 1 1 Endereços de interfaces e sub-redes (fonte: Kurose) No ex.,

Leia mais

Modelo em Camadas Arquitetura TCP/IP/Ethernet. Edgard Jamhour

Modelo em Camadas Arquitetura TCP/IP/Ethernet. Edgard Jamhour Modelo em Camadas Arquitetura TCP/IP/Ethernet Edgard Jamhour Ethernet não-comutada (CSMA-CD) A Ethernet não-comutada baseia-se no princípio de comunicação com broadcast físico. a b TIPO DADOS (até 1500

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores edes de Computadores edes de Computadores Nível de ede edes de Computadores 2 1 Esquema de endereçamento original: cada rede física tem seu endereço de rede, cada host em uma rede tem o endereço de rede

Leia mais

Encaminhamento IP. Entrega Directa e Indirecta de Datagramas Tabela de Encaminhamento

Encaminhamento IP. Entrega Directa e Indirecta de Datagramas Tabela de Encaminhamento Encaminhamento IP Entrega Directa e Indirecta de Datagramas Tabela de Encaminhamento Encaminhamento IP Características Baseado em tabelas de encaminhamento (routing) Efectuado pelos routers e pelas máquinas

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Endereçamento IP Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Março de 2006 Esquema de endereçamento Todos os interfaces numa rede devem ter um endereço

Leia mais

Teleprocessamento e Redes (MAB-510) Gabarito da Segunda Lista de Exercícios 01/2010

Teleprocessamento e Redes (MAB-510) Gabarito da Segunda Lista de Exercícios 01/2010 Teleprocessamento e Redes (MAB-510) Gabarito da Segunda Lista de Exercícios 01/2010 Prof. Silvana Rossetto (DCC/IM/UFRJ) 1 13 de julho de 2010 Questões 1. Qual é a diferença fundamental entre um roteador

Leia mais

Capítulo 9 - Conjunto de Protocolos TCP/IP e Endereçamento. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página

Capítulo 9 - Conjunto de Protocolos TCP/IP e Endereçamento. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página Capítulo 9 - Conjunto de Protocolos TCP/IP e Endereçamento IP 1 História e Futuro do TCP/IP O modelo de referência TCP/IP foi desenvolvido pelo Departamento de Defesa dos Estados Unidos (DoD). O DoD exigia

Leia mais

O Protocolo IP (2) Prof. José Gonçalves Pereira Filho Departamento de Informática zegonc@inf.ufes.br

O Protocolo IP (2) Prof. José Gonçalves Pereira Filho Departamento de Informática zegonc@inf.ufes.br O Protocolo IP (2) Prof. José Gonçalves Pereira Filho Departamento de Informática zegonc@inf.ufes.br O IP e a Máscara de Sub-Rede O IP se baseia em duas estruturas para efetuar o roteamento de datagramas:

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores 1 Elmano R. Cavalcanti Redes de Computadores Camada de Rede elmano@gmail.com facisa-redes@googlegroups.com http://sites.google.com/site/elmano Esta apresentação contém slides fornecidos pela Editora Pearson

Leia mais

ICORLI. INSTALAÇÃO, CONFIGURAÇÃO e OPERAÇÃO EM REDES LOCAIS e INTERNET

ICORLI. INSTALAÇÃO, CONFIGURAÇÃO e OPERAÇÃO EM REDES LOCAIS e INTERNET INSTALAÇÃO, CONFIGURAÇÃO e OPERAÇÃO EM REDES LOCAIS e INTERNET 2010/2011 1 Protocolo TCP/IP É um padrão de comunicação entre diferentes computadores e diferentes sistemas operativos. Cada computador deve

Leia mais

Um sistema de comunicação necessita de um método de identificação de seus computadores. Numa rede TCP/IP, cada computador recebe um

Um sistema de comunicação necessita de um método de identificação de seus computadores. Numa rede TCP/IP, cada computador recebe um Endereçamento IP Um sistema de comunicação necessita de um método de identificação de seus computadores. Numa rede TCP/IP, cada computador recebe um endereço inteiro de 32 bits (endereço IP). Precisa ser

Leia mais

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim Redes TCP/IP alexandref@ifes.edu.br Camada de Redes 2 O que acontece na camada de rede Transporta segmentos do hospedeiro transmissor para o receptor Roteador examina campos de cabeçalho em todos os datagramas

Leia mais

Redes de Computadores. Protocolo IP

Redes de Computadores. Protocolo IP Redes de Computadores Protocolo IP Sumário! Endereços IP Classes de endereços Tipos de endereços Endereços especiais Máscaras Redes privadas Endereçamento IP dinâmico 2 Esquema de endereçamento IPv4! Endereços

Leia mais

Aula 4. Pilha de Protocolos TCP/IP:

Aula 4. Pilha de Protocolos TCP/IP: Aula 4 Pilha de Protocolos TCP/IP: Comutação: por circuito / por pacotes Pilha de Protocolos TCP/IP; Endereçamento lógico; Encapsulamento; Camada Internet; Roteamento; Protocolo IP; Classes de endereços

Leia mais

Endereçamento IP. Figura 1 Estrutura hierárquica do endereço IP

Endereçamento IP. Figura 1 Estrutura hierárquica do endereço IP Endereçamento IP 1. Introdução: A partir da segunda metade dos anos 90, a Internet se tornou uma rede muito diferente daquela existente em sua concepção no início dos anos 80. Hoje, a Internet tornou-se

Leia mais

Fundamentos à Redes de Computadores. Prof. Victor Guimarães Pinheiro/victor.tecnologo@gmail.com

Fundamentos à Redes de Computadores. Prof. Victor Guimarães Pinheiro/victor.tecnologo@gmail.com Fundamentos à Redes de Computadores Prof. Victor Guimarães Pinheiro/victor.tecnologo@gmail.com www.victorpinheiro.jimdo.com www.victorpinheiro.jimdo.com CAMADA DE REDE Responsável por: Dividir os pacotes

Leia mais

ENDEREÇO CLASSFULL E CLASSLESS

ENDEREÇO CLASSFULL E CLASSLESS REDES PARA TODOS ENDEREÇO CLASSFULL E CLASSLESS rffelix70@yahoo.com.br Endereço IP classful Quando a ARPANET foi autorizada em 1969, ninguém pensou que a Internet nasceria desse humilde projeto inicial

Leia mais

Arquitetura de Rede de Computadores

Arquitetura de Rede de Computadores Arquitetura de Rede de Prof. Pedro Neto Aracaju Sergipe - 2011 Ementa da Disciplina 2. TCP/IP i. Fundamentos ii. Camada de Aplicação iii. Camada de Transporte iv. Camada de Internet v. Camada de Interface

Leia mais

Endereço IP Privado. Endereçamento IP. IP Protocolo da Internet. Protocolos da. Camada de Inter-Rede (Internet)

Endereço IP Privado. Endereçamento IP. IP Protocolo da Internet. Protocolos da. Camada de Inter-Rede (Internet) Protocolos da Camada de Inter- (Internet) IP Protocolo da Internet. Não Confiável; Não Orientado à conexão; Trabalha com Datagramas; Roteável; IPv 4 32 bits; IPv 6 128 bits; Divisão por Classes (A,B,C,D,E);

Leia mais

Redes de Computadores II INF-3A

Redes de Computadores II INF-3A Redes de Computadores II INF-3A 1 ROTEAMENTO 2 Papel do roteador em uma rede de computadores O Roteador é o responsável por encontrar um caminho entre a rede onde está o computador que enviou os dados

Leia mais

Endereçamento IP. Rede 2 Roteador 2 1

Endereçamento IP. Rede 2 Roteador 2 1 O protocolo TCP/IP é roteável, isto é, ele foi criado pensando-se na interligação de diversas redes onde podemos ter diversos caminhos interligando o transmissor e o receptor -, culminando na rede mundial

Leia mais

Aula 5 Cálculo de máscara e de subredes

Aula 5 Cálculo de máscara e de subredes 1 Aula 5 Cálculo de máscara e de subredes 5.1 Conceitos Quando um host se comunica com outro usa o endereço de enlace dele. Os endereços de hardware das placas de rede, ou MAC Address, são constituídos

Leia mais

Redes de Computadores I

Redes de Computadores I UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Redes de Computadores I CIDR & NAT Prof. Helcio Wagner da Silva Introdução Endereços IP

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Departamento de Informática UFPE Redes de Computadores Nível de Redes - Exemplos jamel@cin.ufpe.br Nível de Rede na Internet - Datagramas IP Não orientado a conexão, roteamento melhor esforço Não confiável,

Leia mais

Funcionamento de ARP entre redes (sub-redes) distintas. Mecanismos de entrega. Funcionamento entre redes (sub-redes): default gateway

Funcionamento de ARP entre redes (sub-redes) distintas. Mecanismos de entrega. Funcionamento entre redes (sub-redes): default gateway Introdução Inst tituto de Info ormátic ca - UF FRGS Redes de Computadores Protocolos ARP e ICMP Aula 18 A camada de rede fornece um endereço lógico Uniforme, independente da tecnologia empregada pelo enlace

Leia mais

Protocolo IP (Internet Protocol) Características do

Protocolo IP (Internet Protocol) Características do Protocolo IP (Internet Protocol) Características do Protocolo IP Serviço de datagrama não confiável Endereçamento Hierárquico Facilidade de Fragmentação e Remontagem de pacotes Identificação da importância

Leia mais

1 TCI/IP... 3 1.1 MODELO TCP/IP... 3 1.1.1 Camada de Aplicação... 4

1 TCI/IP... 3 1.1 MODELO TCP/IP... 3 1.1.1 Camada de Aplicação... 4 TCP/IP Brito INDICE 1 TCI/IP... 3 1.1 MODELO TCP/IP... 3 1.1.1 Camada de Aplicação... 4 1.1.1.1 Camada de Transporte... 4 1.1.1.2 TCP (Transmission Control Protocol)... 4 1.1.1.3 UDP (User Datagram Protocol)...

Leia mais

1 ENDEREÇAMENTO IP. 1.1 Quem gerencia a numeração IP no mundo?

1 ENDEREÇAMENTO IP. 1.1 Quem gerencia a numeração IP no mundo? ENDEREÇAMENTO IP Cada máquina na Internet possui um ou mais endereços de rede que são únicos, ou seja, não podem haver dois endereços iguais. Este endereço é chamado de número Internet, Endereço IP ou

Leia mais

Endereçamento. Endereço IP. Exemplo. Endereço IP. Como verificar? Certo ou errado? 13/12/2011

Endereçamento. Endereço IP. Exemplo. Endereço IP. Como verificar? Certo ou errado? 13/12/2011 Endereçamento Luciana Balieiro Cosme Permite identificar unicamente um equipamento na rede; O endereço IP não pode ser arbitrariamente atribuído; Cada rede possui uma faixa de endereços que podem ser distribuídos

Leia mais

Unidade III. Unidade III

Unidade III. Unidade III Unidade III Unidade III CAMADAS FUNDAMENTAIS PARA TRANSFERÊNCIA DE MENSAGENS ATRAVÉS DA REDE Esta unidade tem como principal característica apresentar as camadas sem dúvida mais importantes, a qual deve

Leia mais

M3 Redes de computadores avançado (36 horas - 48 TL)

M3 Redes de computadores avançado (36 horas - 48 TL) M3 Redes de computadores avançado (36 horas - 48 TL) Redes de Comunicação Ano lectivo 2013/2014 Camada de rede do modelo OSI Routers e portos de interface de routers (I) 2 Nesta camada imperam os routers.

Leia mais

A camada de rede. A camada de rede. A camada de rede. 4.1 Introdução. 4.2 O que há dentro de um roteador

A camada de rede. A camada de rede. A camada de rede. 4.1 Introdução. 4.2 O que há dentro de um roteador Redes de computadores e a Internet Capitulo Capítulo A camada de rede.1 Introdução.2 O que há dentro de um roteador.3 IP: Protocolo da Internet Endereçamento IPv. Roteamento.5 Roteamento na Internet (Algoritmos

Leia mais

Veja abaixo um exemplo de um endereço IP de 32 bits: 10000011 01101011 00010000 11001000

Veja abaixo um exemplo de um endereço IP de 32 bits: 10000011 01101011 00010000 11001000 4 Camada de Rede: O papel da camada de rede é transportar pacotes de um hospedeiro remetente a um hospedeiro destinatário. Para fazê-lo, duas importantes funções da camada de rede podem ser identificadas:

Leia mais

CST em Redes de Computadores

CST em Redes de Computadores CST em Redes de Computadores Dispositivos de Rede I AULA 06 VLSM / CIDR / Sumarização de Rotas Prof: Jéferson Mendonça de Limas Endereçamento IP Segundo Filippetti (2008), endereço IP é um identificador

Leia mais

Projeto e Instalação de Servidores Estrutura da Internet e do TCP/IP

Projeto e Instalação de Servidores Estrutura da Internet e do TCP/IP Projeto e Instalação de Servidores Estrutura da Internet e do TCP/IP Prof.: Roberto Franciscatto TCP/IP, endereçamento e portas TCP/IP? Dois protocolos TCP = Transfer Control Protocol IP = Internet Protocol

Leia mais

A Camada de Rede. Romildo Martins Bezerra CEFET/BA Redes de Computadores II

A Camada de Rede. Romildo Martins Bezerra CEFET/BA Redes de Computadores II A Camada de Rede Romildo Martins Bezerra CEFET/BA Redes de Computadores II A Camada de Rede e o protocolo IP... 2 O protocolo IP... 2 Formato do IP... 3 Endereçamento IP... 3 Endereçamento com Classes

Leia mais

Conteúdo. Endereçamento IP Sub-redes VLSM Variable Length Subnetwork Mask CIDR Classless Inter-Domain Routing

Conteúdo. Endereçamento IP Sub-redes VLSM Variable Length Subnetwork Mask CIDR Classless Inter-Domain Routing EndereçamentoIP Conteúdo Endereçamento IP Sub-redes VLSM Variable Length Subnetwork Mask CIDR Classless Inter-Domain Routing Endereçamento IP Serviço de Comunicação Universal Um sistema de comunicação

Leia mais

Protocolo IPv4, cálculo de sub-rede, Classless InterDomain Routing- CIDR e Endereçamento Network Address Translation-NAT

Protocolo IPv4, cálculo de sub-rede, Classless InterDomain Routing- CIDR e Endereçamento Network Address Translation-NAT Protocolo IPv4, cálculo de sub-rede, Classless InterDomain Routing- CIDR e Endereçamento Network Address Translation-NAT Apresentar os conceitos da camada de rede e seus principais protocolos. Camada de

Leia mais

9.5.2. Preparando um esquema de endereçamento de sua rede

9.5.2. Preparando um esquema de endereçamento de sua rede Guia Internet de Conectividade - Cyclades - Endereçamento IP - página 1 9.5. Identificação dos Hosts em uma rede Todo sistema ou host que você quiser conectar em sua rede deve ter uma única identificação

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Prof. Macêdo Firmino Camada de Redes Macêdo Firmino (IFRN) Redes de Computadores Junho 2012 1 / 68 Pilha TCP/IP A B M 1 Aplicação Aplicação M 1 Cab M T 1 Transporte Transporte Cab

Leia mais

Laboratório - Visualização das tabelas de roteamento do host

Laboratório - Visualização das tabelas de roteamento do host Laboratório - Visualização das tabelas de roteamento do host Topologia Objetivos Parte 1: Acessar a tabela de roteamento de host Parte 2: Examinar as entradas da tabela de roteamento de host IPv4 Parte

Leia mais

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a leitura

Leia mais

Interconexão de Redes Parte 1. Prof. Dr. S. Motoyama

Interconexão de Redes Parte 1. Prof. Dr. S. Motoyama Interconexão de Redes Parte 1 Prof. Dr. S. Motoyama 1 O Problema de Interconexão de redes Problema: Como interconectar efetivamente redes heterogêneas? Três problemas com interconexão a nível de enlace

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA FUNDAMENTOS DE REDES REDES DE COMPUTADORES Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Material elaborado com base nas apresentações

Leia mais

Na Figura a seguir apresento um exemplo de uma "mini-tabela" de roteamento:

Na Figura a seguir apresento um exemplo de uma mini-tabela de roteamento: Tutorial de TCP/IP - Parte 6 - Tabelas de Roteamento Por Júlio Cesar Fabris Battisti Introdução Esta é a sexta parte do Tutorial de TCP/IP. Na Parte 1 tratei dos aspectos básicos do protocolo TCP/IP. Na

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES - I UNI-ANHANGUERA. CURSO DE ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROF. MARCIO BALIAN

REDES DE COMPUTADORES - I UNI-ANHANGUERA. CURSO DE ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROF. MARCIO BALIAN 1 REDES DE COMPUTADORES - I UNI-ANHANGUERA. CURSO DE ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROF. MARCIO BALIAN ENDEREÇAMENTO IP O IP é um protocolo da Camada de rede É um endereço lógico único em toda

Leia mais

ENDEREÇO IP ENDEREÇO IP 13/04/2015

ENDEREÇO IP ENDEREÇO IP 13/04/2015 ENDEREÇO IP ENDEREÇO IP PROF. FABRÍCIO ALESSI STEINMACHER Os endereços IP identificam cada host na rede. A regra básica é que cada host deve ter um endereço IP diferente e devem ser utilizados endereços

Leia mais

Redes de Computadores I. Gabarito da Lista de Exercícios 2 B C. Tabela de B B C

Redes de Computadores I. Gabarito da Lista de Exercícios 2 B C. Tabela de B B C Redes de omputadores I Gabarito da Lista de xercícios ) Na topologia abaixo, considere que: o protocolo de roteamento utilizado é baseado em istance Vector usando a técnica Split Horizon com poison reverse,

Leia mais

identificar e localizar um ao outro computador pode estar conectado a mais de uma rede mais de um endereço

identificar e localizar um ao outro computador pode estar conectado a mais de uma rede mais de um endereço Endereçamento Endereçamento IP Para que dois sistemas quaisquer comuniquem-se, eles precisam ser capazes de se identificar e localizar um ao outro. Um computador pode estar conectado a mais de uma rede.

Leia mais

Endereçamento IP. S u m á r i o Visão Geral...02 1 Camada de Internet...03 2 Endereços de Internet...04

Endereçamento IP. S u m á r i o Visão Geral...02 1 Camada de Internet...03 2 Endereços de Internet...04 Endereçamento IP S u m á r i o Visão Geral...02 1 Camada de Internet...03 2 Endereços de Internet...04 2.1 Endereçamento IP...04 2.2 Conversão decimal/binário...05 2.3 Endereçamento IPv4...06 2.4 Endereços

Leia mais

** Distance Vector - Trabalha com a métrica de Salto(HOP),. O protocolo que implementa o Distance Vector é o RIP.!

** Distance Vector - Trabalha com a métrica de Salto(HOP),. O protocolo que implementa o Distance Vector é o RIP.! Laboratório wireshark Número de sequencia: syn syn ack ack Cisco Packet Tracer Roteador trabalha em dois modos de operação: - Modo Normal - símbolo > - Modo Root - símbolo # ##################################################################

Leia mais

Redes de Computadores. Mauro Henrique Mulati

Redes de Computadores. Mauro Henrique Mulati Redes de Computadores Mauro Henrique Mulati Roteiro Sub-redes NAT CIDR Protocolos de controle Sub-redes Todos os hosts de uma rede devem ter o mesmo número de rede Ex.: Universidade pega endereço de classe

Leia mais

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim Redes TCP/IP alexandref@ifes.edu.br Camada de Redes (Continuação) 2 Camada de Rede 3 NAT: Network Address Translation restante da Internet 138.76.29.7 10.0.0.4 rede local (ex.: rede doméstica) 10.0.0/24

Leia mais

Aula 6 Modelo de Divisão em Camadas TCP/IP

Aula 6 Modelo de Divisão em Camadas TCP/IP Aula 6 Modelo de Divisão em Camadas TCP/IP Camada Conceitual APLICATIVO TRANSPORTE INTER-REDE INTERFACE DE REDE FÍSICA Unidade de Dados do Protocolo - PDU Mensagem Segmento Datagrama /Pacote Quadro 01010101010100000011110

Leia mais

O endereço IP (v4) é um número de 32 bits com 4 conjuntos de 8 bits (4x8=32). A estes conjuntos de 4 bits dá-se o nome de octeto.

O endereço IP (v4) é um número de 32 bits com 4 conjuntos de 8 bits (4x8=32). A estes conjuntos de 4 bits dá-se o nome de octeto. Endereçamento IP Para que uma rede funcione, é necessário que os terminais dessa rede tenham uma forma de se identificar de forma única. Da mesma forma, a interligação de várias redes só pode existir se

Leia mais

Endereços Lógicos, Físicos e de Serviço

Endereços Lógicos, Físicos e de Serviço Endereçamento IP O IP é um protocolo da Camada de rede É um endereço lógico único em toda a rede, portanto, quando estamos navegando na Internet estamos utilizando um endereço IP único mundialmente, pois

Leia mais

TUDO SOBRE ENDEREÇOS IP

TUDO SOBRE ENDEREÇOS IP TUDO SOBRE ENDEREÇOS IP Revisão: Endereços IP são números de 32 bits, geralmente representados em notação decimal (xxx.xxx.xxx.xxx). Cada número decimal (xxx) representa oito bits em binário, e por isso,

Leia mais

Curso de extensão em Administração de Redes

Curso de extensão em Administração de Redes Curso de extensão em Administração de Redes Italo Valcy da Silva Brito1,2 1 Gestores da Rede Acadêmica de Computação Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal da Bahia 2 Ponto de Presença

Leia mais

Interligação de Redes

Interligação de Redes REDES II HETEROGENEO E CONVERGENTE Interligação de Redes rffelix70@yahoo.com.br Conceito Redes de ComputadoresII Interligação de Redes Quando estações de origem e destino encontram-se em redes diferentes,

Leia mais

PROJETO INTERDISCIPLINAR I

PROJETO INTERDISCIPLINAR I PROJETO INTERDISCIPLINAR I Linux e LPI www.lpi.org João Bosco Teixeira Junior boscojr@gmail.com Certificação LPIC-1 Prova 102 105 Shell, Scripting, e Gerenciamento de Dados 106 Interface com usuário e

Leia mais

Protocolo TCP/IP. Neste caso cada computador da rede precisa de, pelo menos, dois parâmetros configurados:

Protocolo TCP/IP. Neste caso cada computador da rede precisa de, pelo menos, dois parâmetros configurados: Protocolo TCP/IP Neste caso cada computador da rede precisa de, pelo menos, dois parâmetros configurados: Número IP Máscara de sub-rede O Número IP é um número no seguinte formato: x.y.z.w Não podem existir

Leia mais

REDES ESAF. leitejuniorbr@yahoo.com.br 1 Redes - ESAF

REDES ESAF. leitejuniorbr@yahoo.com.br 1 Redes - ESAF REDES ESAF 01 - (ESAF - Auditor-Fiscal da Previdência Social - AFPS - 2002) Um protocolo é um conjunto de regras e convenções precisamente definidas que possibilitam a comunicação através de uma rede.

Leia mais

Entendendo como funciona o NAT

Entendendo como funciona o NAT Entendendo como funciona o NAT Vamos inicialmente entender exatamente qual a função do NAT e em que situações ele é indicado. O NAT surgiu como uma alternativa real para o problema de falta de endereços

Leia mais

Interconexão de Redes Parte 2. Prof. Dr. S. Motoyama

Interconexão de Redes Parte 2. Prof. Dr. S. Motoyama Interconexão de Redes Parte 2 Prof. Dr. S. Motoyama 1 Software IP nos hosts finais O software IP nos hosts finais consiste principalmente dos seguintes módulos: Camada Aplicação; DNS (Domain name system)

Leia mais

7.4 Encaminhamento IP

7.4 Encaminhamento IP 7.4 Encaminhamento IP Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Departamento de Engenharia, Electrónica, Telecomunicações e Computadores Redes de Computadores Encaminhamento IP Características Baseado

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Redes de Computadores Nível de Rede Redes de Computadores 2 1 Nível de Rede Internet Nível de Rede na Internet O ambiente inter-redes: hosts conectados a redes redes interligam-se

Leia mais

Endereçamento IP. Luiz Arthur

Endereçamento IP. Luiz Arthur 1 Um sistema de comunicação permite que qualquer host se comunique com qualquer host. E para tornar o sistema de comunicação universal, ele precisa de um método aceito globalmente a fim de identificar

Leia mais

Comunicação de Dados IV. Gabarito da Lista de Exercícios 2

Comunicação de Dados IV. Gabarito da Lista de Exercícios 2 omunicação de Dados IV Gabarito da Lista de Exercícios ) Na topologia abaixo, considerando que as redes estão interligadas através de pontes transparentes, indique as informações armazenadas em cache nas

Leia mais

A máscara de sub-rede pode ser usada para dividir uma rede existente em "sub-redes". Isso pode ser feito para:

A máscara de sub-rede pode ser usada para dividir uma rede existente em sub-redes. Isso pode ser feito para: Fundamentos: A máscara de pode ser usada para dividir uma rede existente em "s". Isso pode ser feito para: 1) reduzir o tamanho dos domínios de broadcast (criar redes menores com menos tráfego); 2) para

Leia mais

Endereçamento e Roteamento IP

Endereçamento e Roteamento IP Endereçamento e Roteamento IP Redes TCP/IP O objetivo deste módulo é explicar como funciona a atribuição de endereços IP com classe e sem classe e como configurar logicamente tabelas de roteamento. Obs.

Leia mais

Selecionar o melhor caminho para uma finalidade particular; Usar o caminho para chegar aos outros sistemas;

Selecionar o melhor caminho para uma finalidade particular; Usar o caminho para chegar aos outros sistemas; ROTEAMENTO Conceituação! Roteamento é o mecanismo através do qual duas máquinas em comunicação acham e usam um caminho ótimo (o melhor) através de uma. O processo envolve: Determinar que caminhos estão

Leia mais

Sub Rede Classe CCIDR Classless

Sub Rede Classe CCIDR Classless Sub Rede Classe CCIDR Classless Inter-Domain Routing IP Classe C 200.100.10.X 255.255.255.0 IP Classe C 200.100.10.X 255.255.255.0 254 Host s 200.100.10.1 até 200.100.10.254 RANGE 200.100.10.0 REDE 200.100.10.255

Leia mais

Visão geral da arquitetura do roteador

Visão geral da arquitetura do roteador Visão geral da arquitetura do roteador Duas funções-chave do roteador: Executar algoritmos/protocolos (RIP, OSPF, BGP) Comutar os datagramas do link de entrada para o link de saída 1 Funções da porta de

Leia mais

Módulo 9 Conjunto de Protocolos TCP/IP e endereçamento IP

Módulo 9 Conjunto de Protocolos TCP/IP e endereçamento IP CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes Módulo 9 Conjunto de Protocolos TCP/IP e endereçamento IP Introdução ao TCP/IP 2 Modelo TCP/IP O Departamento de Defesa dos Estados Unidos (DoD) desenvolveu o modelo de

Leia mais

AGENTE PROFISSIONAL - ANALISTA DE REDES

AGENTE PROFISSIONAL - ANALISTA DE REDES Página 1 CONHECIMENTO ESPECÍFICO 01. Suponha um usuário acessando a Internet por meio de um enlace de 256K bps. O tempo mínimo necessário para transferir um arquivo de 1M byte é da ordem de A) 4 segundos.

Leia mais

Capítulo. Endereçamento IP. Internet opens a new world of possibilities... Autor: Constantino Seixas Filho UFMG Departamento de Engenharia Eletrônica

Capítulo. Endereçamento IP. Internet opens a new world of possibilities... Autor: Constantino Seixas Filho UFMG Departamento de Engenharia Eletrônica Capítulo 4 Endereçamento IP Internet opens a new world of possibilities... 1 Endereçamento IP O protocolo TCP/IP utiliza três esquemas para encaminhar dados através das redes até o hospedeiro: 1. Endereçamento:

Leia mais

Capítulo 10 - Conceitos Básicos de Roteamento e de Sub-redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página

Capítulo 10 - Conceitos Básicos de Roteamento e de Sub-redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página Capítulo 10 - Conceitos Básicos de Roteamento e de Sub-redes 1 Protocolos Roteáveis e Roteados Protocolo roteado: permite que o roteador encaminhe dados entre nós de diferentes redes. Endereço de rede:

Leia mais

Packet Tracer 4.0: Overview Session. Conceitos e práticas

Packet Tracer 4.0: Overview Session. Conceitos e práticas Packet Tracer 4.0: Overview Session Conceitos e práticas Processo de Flooding ou Inundação envia informações por todas as portas, exceto aquela em que as informações foram recebidas; Cada roteador link-state

Leia mais

Capítulo 6 - Protocolos e Roteamento

Capítulo 6 - Protocolos e Roteamento Capítulo 6 - Protocolos e Roteamento Prof. Othon Marcelo Nunes Batista Mestre em Informática 1 de 53 Roteiro (1 / 2) O Que São Protocolos? O TCP/IP Protocolos de Aplicação Protocolos de Transporte Protocolos

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores TCP/IP Adriano Lhamas, Berta Batista, Jorge Pinto Leite Março de 2007 Pilha TCP/IP Desenvolvido pelo Departamento de Defesa dos EUA Objectivos: garantir a comunicação sob quaisquer circunstâncias garantir

Leia mais

24/03/2015. Prof. Marcel Santos Silva

24/03/2015. Prof. Marcel Santos Silva Prof. Marcel Santos Silva Embora os roteadores possam ser usados para segmentar os dispositivos de LAN, seu principal uso é como dispositivos de WAN. Os roteadores têm interfaces de LAN e WAN. As tecnologias

Leia mais

Redes de Computadores. Camada de Rede Endereçamento

Redes de Computadores. Camada de Rede Endereçamento Redes de Computadores Camada de Rede Endereçamento Motivação Desperdício de endereços Qualquer endereço de rede somente pode ser alocada a uma única rede física Esquema de endereçamento original mostrou-se

Leia mais

Projeto de Redes de Computadores. Projeto do Esquema de Endereçamento e de Nomes

Projeto de Redes de Computadores. Projeto do Esquema de Endereçamento e de Nomes Projeto do Esquema de Endereçamento e de Nomes Lembrar a estrutura organizacional do cliente ajuda a planejar a atribuição de endereços e nomes O mapa topológico também ajuda, pois indica onde há hierarquia

Leia mais

Laboratório - Cálculo de sub-redes IPv4

Laboratório - Cálculo de sub-redes IPv4 Objetivos Parte 1: Determinar a divisão em sub-redes em endereços IPv4 Determinar o endereço de rede. Determinar o endereço de broadcast. Determinar o número de hosts. Parte 2: Calcular divisão em sub-redes

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula 5 - CAMADA DE REDE 1. INTRODUÇÃO A camada de Rede está relacionada à transferência de pacotes da origem para o destino. No entanto, chegar ao destino pode envolver vários saltos em roteadores intermediários.

Leia mais

TCP é um protocolo de TRANSMISSÃO, responsável pela confiabilidade da entrega da informação.

TCP é um protocolo de TRANSMISSÃO, responsável pela confiabilidade da entrega da informação. Protocolo TCP/IP PROTOCOLO é um padrão que especifica o formato de dados e as regras a serem seguidas para uma comunicação a língua comum a ser utilizada na comunicação. TCP é um protocolo de TRANSMISSÃO,

Leia mais