Comunicação Paralela Meio de transferência de dados onde a informação é transferida os 8 bits ao mesmo tempo.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Comunicação Paralela Meio de transferência de dados onde a informação é transferida os 8 bits ao mesmo tempo."

Transcrição

1 Comunicação Paralela Meio de transferência de dados onde a informação é transferida os 8 bits ao mesmo tempo. Porta Paralela do PC Foi concebida originalmente para transferir dados para uma impressora, sendo portanto uma porta unidirecional, ou seja, os dados somente poderiam trafegar no sentido computador => impressora. Porém com a evolução da tecnologia de dispositivos periféricos, houve a necessidade de colocar dispositivos para leitura conectado à porta paralela, como o scanner, o zip drive, etc... Assim a porta paralela passou a ser uma porta bidirecional. Mas a porta paralela continua a ser conhecida como LPT - Line PrinTer. Padrões de Porta Paralela no PC : - SPP (Standard Parallel Port): Porta paralela no IBM PC original, ou qualquer porta que emule a porta original, também é chamada SPP, porta paralela padrão, tipo AT ou ISA-compatível. A porta paralela no PC original era baseada na interface para impressora Centronics existente. Pode transferir dados de oito bits para um periférico, usando um protocolo semelhante ao usado pela interface Centronics original, que permite apenas transferência unidirecional (PCpara-periféricos), não permitindo entrada de dados. Porém existe um modo que possibilita a leitura de 4 bits de cada vez. Este modo é lento, mas ficou popular como um modo de usar a porta paralela para entrada Possui 3 endereços de registradores para acesso da CPU (ex: 378H, 379H e 37AH). - Tipo PS/2 (Porta Paralela do IBM PS/2): A melhoria inicial desta porta paralela utilizada no modelo PS/2 da IBM, foi a porta de dados bidirecionais. Esta porta bidirecional habilita a transferência de oito bits entre um PC e um periférico. O termo Tipo PS/2 se refere a qualquer porta paralela bidirecional que não suporte os modos EPP ou ECP. - EPP (Enhanced Parallel Port): Porta desenvolvida originalmente pela Intel (fabricante de chips), Zenith (fabricante de PCs), e Xircom (fabricante de produtos para portas paralelas de redes) que possui as linhas de dados bidirecionais, como na porta Tipo PS/2, porém uma EPP pode ler ou escrever um byte em um ciclo do barramento ISA (aproximadamente 1µs, incluindo handshake). A porta SPP e a porta Tipo PS/2 necessitam de quatro ciclos para realizar acesso. Uma EPP pode inverter a direção do fluxo de dados rapidamente, sendo muito eficiente quando usada com drives de disco ou fita ou outros dispositivos que transferem dados em ambas as direções. Uma EPP também pode emular portas SPPs, e algumas EPPs podem emular portas Tipo PS/2. Possui 8 endereços de registradores para acesso da CPU (ex: de 378H a 37FH). - ECP (Extended Capabilities Port): Porta inicialmente proposta pela HP (Hewlett Packard) e pela Microsoft que possui as linhas de dados bidirecionais e pode transferir dados na velocidade do barramento ISA, como na porta EPP. Mas a ECP têm buffers que permitem transferências por DMA (acesso direto à memória) e compressão de dados. Transferências de ECP são úteis para impressoras, scanners, e outros periféricos que transferem grandes blocos de dados. Uma ECP também pode emular portas SPP ou Tipo PS/2, e muitas ECPs podem emular EPP. Possui 6 endereços de registradores para acesso da CPU. Endereços usuais para a Porta Paralela da PC 378 a 37F 278 a 27F 3BC a 3BF Configuração no BIOS 0040: Endereço de LPT1 0040:000A - Endereço de LPT2 0040:000C - Endereço de LPT3

2 2 Existem 3 meios de acesso à porta paralela do PC (SPP): - Através do DOS: Utilizando a função 5 da INT 21H - Através da BIOS: Utilizando a INT 17H função 0 - Saída para a impressora; função 1 - Inicializa porta de impressão; função 2 - Status da impressora - Diretamente no hardware: através de instruções IN e OUT nos endereços relativos às portas. 1 End - data byte 2 End - Status /BUSY ACK PE SLCT ERROR X X X 3 End - Controle IRQ enable Conectores /SLCT IN /INIT /AUTO FEED /STROB E DB25 fêmea - utilizado para conexão ao computador Centronics - utilizado para conexão à impressora Sinal Direção Pino Pino Descrição DB-257 Centronics-36 STROBE Saída 1 1 Indica que os dados estão prontos para serem transmitidos; D0 a D7 Saída 2 a 9 2 a 9 Dados para a impressora; ACK Entrada Indica que a impressora está preparada para receber dados; BUSY Entrada Indica que a impressora não está preparada para receber dados porque seu buffer interno está cheio; PE Entrada Indica que a impressora está sem papel; SLCT Entrada Indica que a impressora está em estado on line, pronta para receber dados; AUTO Saída Avanço de linha; FEED ERROR Entrada Indica erro (fim de papel, impressora desativada, etc...); INIT Saída Reinicializa a impressora e limpa o buffer de impressão; SLCT IN Saída Somente transfere dados para a impressora quando estiver ativo, selecionando estado on line ou off line ; GND Saída 18 a a 30 Terra

3 Comunicação Serial Porta utilizada originalmente para comunicação de dados (Portas COM), e apesar de sua função continuar praticamente a mesma, foi adicionada outras funções como a utilização do mouse. A comunicação serial do PC é uma comunicação half duplex, porque usa o mesmo meio físico tanto para transmissão, como para recepção, só podendo trafegar uma informação de cada vez. A comunicação serial pode ser feita de dois modos: Modo Assíncrono Pode ser considerado o modo mais simples de se fazer uma transmissão de dados. Cada vez que for acessado o meio físico, são transmitidos de 8bits a 12bits de cada vez. O PC usa este modo. 3 repouso start bit b0 b1 b2 b3 b4 b5 b6 b7 paridade stop bit repouso Pode ser definido por software: - a quantidade de bits para a transmissão: de 5bits a 8bits; - a existência e o tipo de paridade: par ou ímpar; - a quantidade de stop bits. Modo Síncrono É um método de comunicação mais rápido e eficiente que o modo assíncrono, mas exige maior qualidade do hardware, pois necessita que o clock de recepção seja exatamente igual ao clock de transmissão, ou seja, o mesmo sincronismo. Cada vez que for acessado o meio físico, são transmitidos vários bytes (300bytes, 500bytes, etc...). Este modo necessita de uma linha física e circuitos de acesso ao transmissor e receptor especiais. repouso caracteres de sincronismo dados fim de bloco repouso Os caracteres de sincronismo devem ser idênticos, e servem para sinalizar o inicio da transmissão. Porta Serial do PC No PC a porta serial foi implementada com uma UART (Universal Assincronous Receiver Transmitter), originalmente o 8250, e atualmente substituto pelo 16550, que tem como principal vantagem a existência de uma fila interna de 16 bytes. Endereços usuais: 3F8 a 3FF 2F8 a 2FF 3E8 a 3EF 2E8 a 2EF Configuração no BIOS: 0040: Endereço da COM1 0040: Endereço da COM2 0040: Endereço da COM3 0040: Endereço da COM4 Processo de comunicação serial: Sinais utilizados: Tx - Linha pela qual os dados saem do computador (DTE); Rx - Linha pela qual os dados entram no computador (DTE); DTR - Data Terminal Ready - Sinal de saída do DTE que indica DTE on line ; DSR - Data Set Ready - Sinal de entrada do DTE que indica DCE on line ; RTS - Request To Send - Requisição para enviar dados do DTE ao DCE; CTS - Clear to Send - Autorização para o DTE enviar dados para o DCE; DCD ou CD - Data Carrier Detect - Indica que um sinal de portadora foi detectado na linha telefônica; RI - Ring Indicator - Indica sinal de chamada.

4 4 Inicialmente é necessário que ocorra o hanshake DTR-DSR, para indicar que tanto computador como modem estão operacionais. E também que a conexão telefônica esteja estabelecida. Quando o DTE1 deseja enviar um caracter ao DTE2, ativa o sinal RTS. O DCE então coloca portadora na linha e ativa CTS. Ao receber CTS a porta serial do DTE envia o dado serial pelo pino Tx. No modem, os bits seriais são modulados e transmitidos via linha telefônica. Quando o DCE2 detecta a presença de portadora na linha telefônica, avisa ao DTE2 através do DCD. Quando os dados chegarem, o DCE2 demodula os bits seriais e os conduz ao DTE pelo pino Rx. Obs: Não ocorre nenhuma indicação ao DTE1 que o DTE2 recebeu o dado corretamente, e o único meio de saber disso é se o DTE2 transmitir ao DTE1 um sinal de resposta. Acesso à porta serial do PC: - Através da BIOS: Utilizando a INT 14H função 0 - Inicializa a porta serial; AH = 00h AL = parâmetros DX = porta serial retorna: AH = status da porta AL = status do modem função 2 - leitura da porta serial; AH = 02h DX = porta serial retorna: AH = status da porta AL = caracter recebido função 1 - escreve na porta serial; AH = 01h AL = caracter DX = porta serial retorna: AH = status da porta função 3 - Status da porta serial; AH = 03h DX = porta serial retorna: AH = status da porta AL = status do modem parâmetros BAUD BAUD Rate Rate = = = = = = = = 9600 BAUD Rate Even Parity Parity Select Enable 0 0 = nenhuma 0 1 = ímpar 1 0 = nenhuma 1 1 = par Stop Bits 0 = 1 bit 1 = 2 bits tamanho do tamanho do caracter caracter 0 0 = 5 bits 0 1 = 6 bits 1 0 = 7 bits 1 1 = 8 bits status da porta = registrador de Status de Linha (LSR - Line Status Register) status do modem = registrador de Status do MODEM (MSR - Modem Status Register) - Diretamente no hardware: através de instruções IN e OUT nos endereços relativos à porta: 16550

5 Estrutura interna: 5

6 6 Tabela de registradores do 16550: DLAB A2 A1 A0 Registrador RBR THR Receiver Buffer (read), Transmitter Holding Register (write) DLL Divisor Latch Low (least significant byte) DLH Divisor Latch High (most significant byte) IER Interrupt Enable Register X IIR Interrupt Identification Register (read), X FCR FIFO Control Register (write) X LCR Line Control Register X MCR MODEM Control Register X LSR Line Status Register X MSR MODEM Status Register End base + 0: Acesso ao registrador do Buffer de Recepção (para leitura); ou ao registrador de espera da Transmissão (para escrita); End base + 3: Acesso ao registrador de controle de linha (escrita ou leitura no Line Control Register); Divisor Latch Break Stick Even Parity Stop tamanho tamanho Access Bit Control Bit Parity Parity Enable Bits do caracter do caracter bit 0 e bit 1: Definem o tamanho do caracter: (00 = 5 bits, 01 = 6 bits, 10 = 7 bits e 11 = 8 bits); bit 2: Define a quantidade de stop bits (0 = 1 Stop Bit e 1 = 2 Stop Bits); bit 3: Define a existência do bit de paridade na comunicação (1 = com paridade); bit 4: Define paridade par (1 = paridade par); bit 5: Mantém o bit de paridade com um valor fixo (0 quando bit 4 for 0 e 1 quando bit 4 for 1); bit 6: Break Control Bit - com 1 coloca a saída serial em nível baixo (transmissão bloqueada); bit 7: DLAB - Bit que permite acesso ao Registrador do Latch do Divisor do Gerador de Baud Rate. End base + 5: Acesso ao registrador de Status de Linha (leitura do Line Status Register); Error TEMP THRE Break Framing Parity Overrun RDR Indicator Interrupt Error Error Error bit 0: Receiver Data Ready - Indica a existência de um dado na entrada serial (no RBR ou na FIFO); bit 1: Indica erro por Sobreposição. Este erro ocorre quando um novo caracter chega ao RBR (ou à FIFO) sem que o caracter anterior tenha sido lido pela CPU, ocasionando perda do dado. bit 2: Indica erro de Paridade. Este erro ocorre quando a paridade do dado recebido é diferente da paridade definida no LCR; bit 3: Indica erro de falta de Stop bit; bit 4: Indica a ocorrência de break na entrada serial (recepção bloqueada pelo transmissor); bit 5: Transmitter Holding Register Empty - Indica registrador de espera vazio; bit 6: Transmitter Empty - Indica saída serial vazia; bit 7: Indica a ocorrência de algum tipo de erro na recepção. End base + 4: Acesso ao registrador de controle de MODEM; Loop Out2 Out1 RTS DTR bit 0: Data Terminal Ready - Ativa o sinal DTR; bit 1: Request to Send - Ativa sinal RTS, que significa que a porta serial deseja transmitir um byte; bit 2: Ativa saída Out1; bit 3: Ativa saída Out2; bit 4: Habilita modo para diagnóstico LOCAL. O pino SOUT fica em 1, o pino SIN fica desconectado, a saída do Registrador de deslocamento do transmissor fica conectado internamente à entrada do Registrador de deslocamento do receptor, os quatro sinais de status do Modem (DSR, CTS, RI e DCD) ficam desconectados externamente (e com nível 1) e ligados internamente aos quatro sinais controle de Modem (DTR, RTS, OUT1 e OUT2). Neste modo o dado transmitido é recebido imediatamente.

7 7 End base + 6: Acesso ao registrador de Status do MODEM (leitura); DCD RI DSR CTS DDCD TERI DDSR DCTS bit 0: Delta Clear to Send - Indica variação no sinal CTS; bit 1: Delta Data Set Ready - Indica variação no sinal DSR; bit 2: Trailing Edge Ring Indicator - Indica borda no sinal RI; bit 3: Delta Data Carrier Detect - Indica variação no sinal DCD; Obs: Sempre que o bit0, bit1, bit2 ou bit3 for 1 é gerada uma interrupção de Status do Modem; bit 4: Clear to Send - Indica estado do CTS; bit 5: Data Set Ready - Indica estado do DSR; bit 6: Ring Indicator - Indica estado do RI; bit 7: Data Carrier Detect - Indica estado do DCD. End base + 1: Acesso ao registrador de habilitação de Interrupção; EDSSI ELSI ETHEI ERDAI bit 0: ERDAI - Enable Received Data Available Interrupt - Habilita que ocorra interrupção quando o RBR receber um dado serial. Interrupção de segundo nível de prioridade. bit 1: ETHEI - Enable Transmitter Holding Register Empty Interrupt - Habilita que ocorra interrupção quando o THR ficar vazio. Interrupção de terceiro nível de prioridade. bit 2: ELSI - Enable Receiver Line Status Interrupt - Habilita que ocorra interrupção quando o registrador de controle de linha sinalizar algum tipo de erro (Paridade, Overrun, Framing ou break). Interrupção de primeiro nível de prioridade. bit 3: EDSSI - Enable MODEM Status Interrupt - Habilita que ocorra interrupção quando ocorrer variação de DCD, RI, DSR ou CTS. End base + 2: Acesso para leitura, do registrador de Identificação de Interrupção (IIR) FIFOs Enabled FIFOs Enabled 0 0 Interrupt ID Bit(2) Interrupt ID Bit(1) Interrupt ID Bit (0) ``0'' if Interrupt Pending bit 0: Quando seu valor for 0 indica que existe interrupção pendente. A origem da interrupção é dada pelos bits 1, 2 e 3. bit 1 e bit 2: Indica a prioridade da interrupção bit2 bit1 Nível de Tipo e Origem Cancelamento prioridade 1 1 Mais alto Receiver Line Status - ocorrência de erro (Paridade, leitura do LSR; Overrun, Framing ou break). 1 0 Segundo Dado Recebido disponível ou nível de gatilho da leitura do RBR ou FIFO alcançado. da FIFO; 0 1 Terceiro Registrador de Espera do Transmissor vazio escrita no THR; 0 0 Quarto Modem Status - variação de DCD, RI, DSR ou CTS leitura do MSR. bit 3: Indica fim do tempo de espera para leitura da FIFO. É desativado com a leitura da FIFO; bit 6 e bit 7: Ficam em 1 quando em modo FIFO End base + 2: Registrador de Controle da FIFO (para escrita em FCR); RCVR Trigger RCVR Trigger Reservado Reservado DMA Mode XMIT FIFO RCVR FIFO Reset FIFO Enable Reset bit 0: Habilita operação de transmissão e de recepção com a FIFO; bit 1: Reseta todos os bytes da FIFO de recepção; bit 2: Reseta todos os bytes da FIFO de transmissão; bit 3: Define modo de transferência de DMA. No modo 0 um único byte é transferido de cada vez e no modo 1 vários bytes são transferidos de cada vez. bit 6 e bit 7: Definem o nível de gatilho da FIFO: End base + 7: Acesso ao registrador Scratch Bit 7 e Bit6 Nível de gatilho byte bytes bytes bytes

8 8 End base + 0 e DLAB = 1: Acesso ao Latch do Divisor do Baud Generator (8 bits menos significativos); End base + 1 e DLAB = 1: Acesso ao Latch do Divisor do Baud Generator (8 bits mais significativos); Gerador de Baud Rate Tabela de velocidade x valores dos registradores de baud rate Velocidade MSB LSB 50 09H 00H H 00H H 00H H 80H H C0H H 60H H 30H H 18H H 0CH H 06H H 03H H 02H Procedimento de programação da porta serial: 1 setar DLAB (bit7 do LCR) 2 carregar LSB 3 carregar MSB 4 resetar DLAB, definir tamanho do caracter, número de stop bits e paridade. (LCR) 5 transmitir e/ou receber RS232C Conectores: Existem dois tipos de conectores que podem ser usados na comunicação serial, o DB25 macho e o DB9 macho no computador. O cabo de conexão requer DB9 e DB25 fêmea. DB9 macho DB25 macho Pinagem dos conectores DB9 DB25 Tx 2 Rx 3 RTS 4 CTS 5 DTR 20 DSR 6 DCD 8 RI 22 comum 7

9 Níveis de Tensão: O padrão RS232C utiliza um padrão de tensões diferentes dos níveis TTL utilizados internamente. TTL RS 232C Hi (alto) 2V a 5V -3V a -15V Lo (baixo) 0V a 0,8V 3V a 15V Cabos de Conexão Conexão micro-modem Conexão micro-micro - null modem (1) 12 Conexão micro-micro - null modem (2) Conexão micro-micro - null modem simples

10 13 Erros na Transmissão: Com o objetivo de detectar erros, foi adicionado um nono bit ao byte, que traz uma informação sobre a paridade do byte, ou seja, a informação (com 9 bits) deve ter sempre a mesma paridade (que pode ser par ou ímpar). Caso ocorra um valor com a paridade invertida, significa que existe pelo menos um bit invertido na informação, o que, dependendo do caso, pode significar que toda a informação (que pode variar de um byte a um arquivo) está perdida. A geração do bit de paridade, se dá da seguinte forma (considerar paridade ímpar): - caso o byte tenha a paridade par, o nono bit deve valer 1 para tornar a paridade ímpar; - caso o byte tenha a paridade ímpar, o nono bit deve valer 0 para manter a paridade ímpar. A primeira limitação do bit de paridade é que se ocorrer erros em dois bits, a paridade vai ser mantida, e o byte terá erro que não será detectado. A segunda limitação do bit de paridade é a possibilidade de apenas detectar erros, sem corrigi-los. Para tornar possível a correção de erros foram implementadas muitas técnicas, e uma das mais simples é o uso do CRC (Caracter de Redundância Cíclica), que consiste em transmitir a cada oito bytes, um byte com uma informação de paridade, conforme o exemplo abaixo (considerar paridade ímpar): Dado bit de bit 7 bit 6 bit 5 bit 4 bit 3 bit 2 bit 1 bit 0 paridade 35H AH E8H H F9H H DFH H CRC Ex: Caso ocorra um erro no bit 2 do 3 byte (de 0 passa para 1), o bit de paridade vai informar que existe erro no 3, e o CRC vai informar que existe erro no bit 2, assim é só inverter o bit 2 do 3 byte que o byte ficará correto. Com este método, podemos corrigir um bit a cada oito byte, que significa ter um erro a cada 81 bits transmitidos (corrige erros, se a taxa de erros não ultrapassar 1,23%). Se houver mais de um erro neste bloco, poderemos apenas detectar que ocorreu erro, sem corrigi-lo. Porém existem métodos mais avançados de correção de erros que permite correção de erros de taxas mais altas. Porém isto implica em enviar cada vez mais informação redundante para ser possível a correção de erros.

Portas Paralelas e Seriais IEEE 1284, RS 232, USB e IEEE 1394 (Firewire) Porta Paralela no PC

Portas Paralelas e Seriais IEEE 1284, RS 232, USB e IEEE 1394 (Firewire) Porta Paralela no PC Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Engenharia Departamento de Engenharia Elétrica Curso de Extensão em Arquitetura de Computadores Pessoais Portas Paralelas e Seriais IEEE 1284, RS 232,

Leia mais

Comunicação Serial. Comunicação Serial RS232

Comunicação Serial. Comunicação Serial RS232 Comunicação Serial Motivação Diversos dispositivos eletrônicos usam portas seriais para se comunicar com outros dispositivos eletrônicos. Para muitos é a única forma de comunicação. A integração de equipamentos

Leia mais

CAPÍTULO 2 CARACTERÍSTICAS DE E/S E PORTA PARALELA

CAPÍTULO 2 CARACTERÍSTICAS DE E/S E PORTA PARALELA 8 CAPÍTULO 2 CARACTERÍSTICAS DE E/S E PORTA PARALELA A porta paralela, também conhecida por printer port ou Centronics e a porta serial (RS-232) são interfaces bastante comuns que, apesar de estarem praticamente

Leia mais

COMUNICAÇÃO SERIAL ENTRE EQUIPAMENTOS

COMUNICAÇÃO SERIAL ENTRE EQUIPAMENTOS COMUNICAÇÃO SERIAL ENTRE EQUIPAMENTOS 1 Introdução Para transmitir ou receber informações de outros dispositivos é necessário que os sistemas automáticos sejam capazes de comunicarem-se com estes dispositivos.

Leia mais

Comunicação Serial RS-232. Walter Fetter Lages

Comunicação Serial RS-232. Walter Fetter Lages Comunicação Serial RS-232 Walter Fetter Lages fetter@ece.ufrgs.br Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Engenharia Departamento de Sistemas Elétricos de Automação e Energia ENG04056 Microcontroladores

Leia mais

PLACAS DE COMUNICAÇÃO

PLACAS DE COMUNICAÇÃO PLACAS DE COMUNICAÇÃO São utilizadas para controle de dispositivos e instrumentos. Processam somente sinais digitais Cada uma das opções existentes possui protocolo de comunicação próprio Funcionam tanto

Leia mais

Portas de Comunicação. http://www.walmorgodoi.com

Portas de Comunicação. http://www.walmorgodoi.com Introdução à Programação Portas de Comunicação Prof.: Walmor Cardoso Godoi,M.Sc. http://www.walmorgodoi.com USB Fireware Porta Paralela Agenda Introdução Aplicação em Controle de Display PortaSerial Introdução

Leia mais

Serial Paralela USB FireWire(IEEE1394)

Serial Paralela USB FireWire(IEEE1394) Serial Paralela USB FireWire(IEEE1394) histórico Tudo começou em 1980 quando a IBM estava desenvolvendo seu primeiro micro PC. Já haviam definido que o barramento ISA seria usado para permitir que o IBM

Leia mais

A porta paralela. 1 - Introdução. 2- Modelos de porta paralela

A porta paralela. 1 - Introdução. 2- Modelos de porta paralela A porta paralela 1 - Introdução A porta paralela é uma interface de comunicação desenvolvida pela IBM para funcionar nos primeiros computadores PC lançado em 1983, ela também é chamada de porta para impressora.

Leia mais

Comunicação de dados. Introdução

Comunicação de dados. Introdução Comunicação de dados Introdução Os microcontroladores AVR estão equipados com dois pinos destinados à comunicação serial, UART (Universal Asynchronous Reciever/Transmitter), ou seja, permitem trocar informações

Leia mais

Entradas/Saídas. Programação por espera activa Programação por interrupções

Entradas/Saídas. Programação por espera activa Programação por interrupções Entradas/Saídas Programação por espera activa Programação por interrupções Programação por espera activa 1. O programa lê o estado do periférico: CPU pede ao controlador (IN) o valor no registo ESTADO

Leia mais

Tópicos. Introdução. Padrões de Interfaceamento

Tópicos. Introdução. Padrões de Interfaceamento Tópicos 8 Introdução Padrões de Interfaceamento Os processadores 888/88 Interfaceamento com o 88 Os processadores 88/88 Os processadores Pentium PIC e PTC Interrupção e BIOS PPI e Porta Paralela Placa

Leia mais

Barramentos e Interfaces

Barramentos e Interfaces Franklin Lima 1 Larissa Moraes 1 Marco Túlio 1 Miguel de Jesus 1 Poliana Ferreira 1 1 Departamento de Tecnologia Eletro-Eletrônica Instituto Federal da Bahia Seminário IEC, 2010 Prof. André Ferreira 1

Leia mais

Redes de Comunicações/Computadores I Secção de Redes de Comunicação de Dados

Redes de Comunicações/Computadores I Secção de Redes de Comunicação de Dados 3. Interfaces Físicas Interfaces Não Balanceadas e Balanceadas; Interfaces de Alto Débito Redes de Comunicações/Computadores I Secção de Redes de Comunicação de Dados Interfaces Físicas Interfaces para

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Sistemas de Entrada/Saída Princípios de Hardware Sistema de Entrada/Saída Visão Geral Princípios de Hardware Dispositivos de E/S Estrutura Típica do Barramento de um PC Interrupções

Leia mais

Capítulo 14. Vamos discutir neste capítulo uma pequena miscelânea de interfaces encontradas nos PCs: paralela, serial, IRDA, teclado e mouse.

Capítulo 14. Vamos discutir neste capítulo uma pequena miscelânea de interfaces encontradas nos PCs: paralela, serial, IRDA, teclado e mouse. Capítulo 14 Interfaces Vamos discutir neste capítulo uma pequena miscelânea de interfaces encontradas nos PCs: paralela, serial, IRDA, teclado e mouse. Porta paralela A porta paralela, também conhecida

Leia mais

Entradas/Saídas. Programação por interrupções Conceitos gerais Programação da porta série Transmissão

Entradas/Saídas. Programação por interrupções Conceitos gerais Programação da porta série Transmissão Entradas/Saídas Programação por interrupções Conceitos gerais Programação da porta série Transmissão Problemas a resolver Como identificar a interrupção? Motivo da interrupção Que rotina executar? Como

Leia mais

Laboratório de Sistemas Processadores e Periféricos Porta Serial Prática 14

Laboratório de Sistemas Processadores e Periféricos Porta Serial Prática 14 Laboratório de Sistemas Processadores e Periféricos Porta Serial Prática 14 Gustavo G. Parma Assunto: Interface Serial Objetivos: O aluno deverá ser capaz de utilizar e conhecer os fundamentos da porta

Leia mais

CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO

CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO 1 CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO O computador não é uma máquina interessante se não pudermos interagir com ela. Fazemos isso através de suas interfaces e seus periféricos. Como periféricos serão considerados os

Leia mais

Interfaces: blindagem, ligação à terra e linhas de transmissão. Revisões. Interfaces: blindagem, ligação à terra e linhas de transmissão

Interfaces: blindagem, ligação à terra e linhas de transmissão. Revisões. Interfaces: blindagem, ligação à terra e linhas de transmissão Ruído exterior Acoplamento indutivo Acoplamento capacitivo Múltiplas ligações à terra Pares entrançados Blindagem Linhas Reflexões na linha Terminação na carga Terminação na fonte Revisões Método de interligações

Leia mais

5 Entrada e Saída de Dados:

5 Entrada e Saída de Dados: 5 Entrada e Saída de Dados: 5.1 - Arquitetura de Entrada e Saída: O sistema de entrada e saída de dados é o responsável pela ligação do sistema computacional com o mundo externo. Através de dispositivos

Leia mais

Gerência de Entrada/Saída

Gerência de Entrada/Saída Gerência de Entrada/Saída Prof Clodoaldo Ap Moraes Lima 1 Princípios básicos de hardware Periférico é um dispositivo conectado a um computador de forma a possibilitar sua interação com o mundo externo

Leia mais

Como Ligar Impressoras na Serial Secundaria do TR100

Como Ligar Impressoras na Serial Secundaria do TR100 Como Ligar s na Serial Secundaria do TR100 1. EQUIPAMENTOS PERIFÉRICOS Os microterminais admitem os seguintes periféricos com interface serial: s para preenchimento de formulários avulsos, notas fiscais,

Leia mais

Sistemas Operacionais Entrada / Saída. Carlos Ferraz (cagf@cin.ufpe.br) Jorge Cavalcanti Fonsêca (jcbf@cin.ufpe.br)

Sistemas Operacionais Entrada / Saída. Carlos Ferraz (cagf@cin.ufpe.br) Jorge Cavalcanti Fonsêca (jcbf@cin.ufpe.br) Sistemas Operacionais Entrada / Saída Carlos Ferraz (cagf@cin.ufpe.br) Jorge Cavalcanti Fonsêca (jcbf@cin.ufpe.br) Tópicos Princípios do hardware de E/S Princípios do software de E/S Camadas do software

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES. Conversor USB P/ RS-232/422/485 Modelo D501 Revisão 2

MANUAL DE INSTRUÇÕES. Conversor USB P/ RS-232/422/485 Modelo D501 Revisão 2 MANUAL DE INSTRUÇÕES Conversor USB P/ RS-232/422/485 Modelo D501 Revisão 2 CONTEMP IND. COM. E SERVIÇOS LTDA. Al. Araguaia, 204 - CEP 09560-580 São Caetano do Sul - SP - Brasil Fone: 11 4223-5100 - Fax:

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA APLICADA INF01154 - Redes de Computadores N

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA APLICADA INF01154 - Redes de Computadores N UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA APLICADA INF01154 - Redes de Computadores N Transmissão de sinais no nível físico e de enlace do Modelo de

Leia mais

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição Capítulo 7 Entrada/saída Os textos nestas caixas foram adicionados pelo Prof. Joubert slide 1 Problemas de entrada/saída Grande variedade

Leia mais

Modelo Genérico de Módulo de E/S Grande variedade de periféricos

Modelo Genérico de Módulo de E/S Grande variedade de periféricos Conteúdo Capítulo 7 Entrada/Saída Dispositivos externos Módulos E/S Técnicas de E/S E/S Programada E/S Conduzida por interrupções Processamento de interrupções Controlador Intel 82C59A Acesso Directo à

Leia mais

Guia de Cabeamento para Portas de Console e AUX

Guia de Cabeamento para Portas de Console e AUX Guia de Cabeamento para Portas de Console e AUX Índice Introdução Pré-requisitos Requisitos Componentes Utilizados Convenções Tabela de Roteadores com Portas de Console e AUX Configurações da Porta de

Leia mais

Gerenciamento de Entrada e Saída Hélio Crestana Guardia e Hermes Senger

Gerenciamento de Entrada e Saída Hélio Crestana Guardia e Hermes Senger Gerenciamento de Entrada e Saída Hélio Crestana Guardia e Hermes Senger O controle da entrada e saída (E/S ou I/O, input/output) de dados dos dispositivos é uma das funções principais de um sistema operacional.

Leia mais

Microterminais RS 232 - VT 100 16 e 44 teclas

Microterminais RS 232 - VT 100 16 e 44 teclas Microterminais RS 232 - VT 100 16 e 44 teclas Gradual Tecnologia Ltda. Manual Microterminal RS-232 - VT 100 16 e 44 teclas. ÍNDICE Apresentação... 3 Especificação Técnica... 3 Características Elétricas:

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores I

Arquitetura e Organização de Computadores I Arquitetura e Organização de Computadores I Interrupções e Estrutura de Interconexão Prof. Material adaptado e traduzido de: STALLINGS, William. Arquitetura e Organização de Computadores. 5ª edição Interrupções

Leia mais

Porta Série SÉRIE x PARALELO PORTA SÉRIE. Comunicação série SÉRIE PARALELA

Porta Série SÉRIE x PARALELO PORTA SÉRIE. Comunicação série SÉRIE PARALELA Porta Série 8051 Aplicações de Microprocessadores 2006/2007 SÉRIE x PARALELO SÉRIE EMISSOR RECEPTOR PARALELA EMISSOR RECEPTOR 2 2 PORTA SÉRIE Comunicação série Síncrona Existe um sinal de relógio entre

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Tipos de Instruções

Arquitetura de Computadores. Tipos de Instruções Arquitetura de Computadores Tipos de Instruções Tipos de instruções Instruções de movimento de dados Operações diádicas Operações monádicas Instruções de comparação e desvio condicional Instruções de chamada

Leia mais

6 - Gerência de Dispositivos

6 - Gerência de Dispositivos 1 6 - Gerência de Dispositivos 6.1 Introdução A gerência de dispositivos de entrada/saída é uma das principais e mais complexas funções do sistema operacional. Sua implementação é estruturada através de

Leia mais

Microterminal USB - Protocolo VT 100 16 e 44 teclas

Microterminal USB - Protocolo VT 100 16 e 44 teclas Microterminal USB - Protocolo VT 100 16 e 44 teclas Gradual Tecnologia Ltda. Manual Microterminal USB - VT 100 16 e 44 teclas. 1 ÍNDICE Apresentação... 3 Especificação Técnica... 3 Características: (44

Leia mais

PLACA ADICIONAL PCI EM SÉRIE/PARALELO I/O COM 2/1-PORT

PLACA ADICIONAL PCI EM SÉRIE/PARALELO I/O COM 2/1-PORT PLACA ADICIONAL PCI EM SÉRIE/PARALELO I/O COM 2/1-PORT Manual de instruções DS-33040-1 Funções e benefícios Em conformidade com as especificações de Bus Local PCI, Revisão 2.3 Suporta 2x portas UART em

Leia mais

ENTRADA E SAÍDA DE DADOS

ENTRADA E SAÍDA DE DADOS ENTRADA E SAÍDA DE DADOS Os dispositivos de um computador compartilham uma única via de comunicação BARRAMENTO. BARRAMENTO Elétrica/Mecânica + Protocolo. GERENCIAMENTO DE E/S O controle da troca de dados

Leia mais

ENTRADA E SAÍDA (I/O)

ENTRADA E SAÍDA (I/O) MICROPROCESSADORES II (EMA864315) ENTRADA E SAÍDA (I/O) 1 O SEMESTRE / 2015 Alexandro Baldassin MATERIAL DIDÁTICO Patterson & Hennessy (4a edição) Capítulo 6 (Tópicos I/O) 6.1 Introduction 6.5 Connecting

Leia mais

Entrada e Saída. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Entrada e Saída. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Entrada e Saída Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário Introdução; Dispositivos Externos; E/S Programada; E/S Dirigida por Interrupção; Acesso Direto à Memória; Bibliografia. Prof. Leonardo Barreto Campos

Leia mais

DARUMA INFORMAÇÃO TÉCNICA Aprovado por: Paulo Bettega

DARUMA INFORMAÇÃO TÉCNICA Aprovado por: Paulo Bettega Compilado por: Pedro Pinto Produto: TMF Daruma - BB DARUMA INFORMAÇÃO TÉCNICA Aprovado por: Paulo Bettega Módulo: Front End Serial Família: Informática BIT Modelos Envolvidos: Módulo Front-end Serial Título:

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores

Organização e Arquitetura de Computadores Organização e Arquitetura de Computadores Entrada e saída Alexandre Amory Edson Moreno Nas Aulas Anteriores Foco na Arquitetura e Organização internas da Cleo Modelo Von Neuman Circuito combinacional Circuito

Leia mais

CAPÍTULO 5. INTERFACES PARA PERIFÉRICOS DE ARMAZENAMENTO INTERFACES DIVERSAS: FIREWIRE, SPI e I 2 C INTERFACES COM O MUNDO ANALÓGICO

CAPÍTULO 5. INTERFACES PARA PERIFÉRICOS DE ARMAZENAMENTO INTERFACES DIVERSAS: FIREWIRE, SPI e I 2 C INTERFACES COM O MUNDO ANALÓGICO 28 CAPÍTULO 5 INTERFACES PARA PERIFÉRICOS DE ARMAZENAMENTO INTERFACES DIVERSAS: FIREWIRE, SPI e I 2 C INTERFACES COM O MUNDO ANALÓGICO Interfaces para periféricos de armazenamento: Periféricos de armazenamento,

Leia mais

Notas de Aplicação. Comunicação entre controladores HI via linha telefônica. HI Tecnologia. Documento de acesso publico

Notas de Aplicação. Comunicação entre controladores HI via linha telefônica. HI Tecnologia. Documento de acesso publico Notas de Aplicação Comunicação entre controladores HI via linha telefônica HI Tecnologia Documento de acesso publico ENA.00005 Versão 1.00 abril-2004 HI Tecnologia Comunicação entre controladores HI via

Leia mais

Barramentos ISA e PCI. Gustavo G. Parma

Barramentos ISA e PCI. Gustavo G. Parma Barramentos ISA e PCI Gustavo G. Parma Barramento Coleção de fios paralelos utilizados para transmitir endereços dados sinais de controle Internos ou Externos à CPU Internos: Via de dados Externos: utilizado

Leia mais

Fundamentos em Informática

Fundamentos em Informática Fundamentos em Informática 04 Organização de Computadores nov/2011 Componentes básicos de um computador Memória Processador Periféricos Barramento Processador (ou microprocessador) responsável pelo tratamento

Leia mais

Comunicação Serial - Revisão

Comunicação Serial - Revisão Comunicação Serial - Revisão Comunicação Serial no 80C51 PCS 2497-05/2006 Prof. Dr. C.E.Cugnasca Prof. Dr. A.R.Hirakawa Comunicação Serial - Introdução Como conectar um microcomputador (ou equipamento

Leia mais

Arquitetura de Computadores Pentium 4 e PCIe

Arquitetura de Computadores Pentium 4 e PCIe Pentium 4 Arquitetura de Computadores Pentium 4 e PCIe O Pentium 4 é um descendente direto da CPU 8088 usada no IBM PC original. O primeiro Pentium 4 foi lançado em novembro de 2000 com uma CPU de 42 milhõcs

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Professor: Vilson Heck Junior

Arquitetura de Computadores. Professor: Vilson Heck Junior Arquitetura de Computadores Professor: Vilson Heck Junior Agenda Conceitos Estrutura Funcionamento Arquitetura Tipos Atividades Barramentos Conceitos Como já discutimos, os principais componentes de um

Leia mais

Automação Subestações Centros Controle. Protocolo MODBUS

Automação Subestações Centros Controle. Protocolo MODBUS Protocolo MODBUS Paulo Roberto Pedroso de Oliveira (11) 3378 8600 (11) 9935 9080 ASCC Automação de e de prpasc@gmail.com http://www.ascx.com.br Protocolos de Comunicação Regras que governam a comunicação

Leia mais

Organização de Computadores. (Aula 5) Entrada/Saída

Organização de Computadores. (Aula 5) Entrada/Saída Organização de Computadores (Aula 5) Entrada/Saída Entrada e Saída (Input/Output I/O) Computador: Processador, Memória (principal e secundária) Equipamentos (dispositivos, elementos, unidades,...) de Entrada/Saída

Leia mais

Técnicas de Manutenção de Computadores

Técnicas de Manutenção de Computadores Técnicas de Manutenção de Computadores Professor: Luiz Claudio Ferreira de Souza Placa Mãe Dispositivos (Onboard) São aqueles encontrados na própria Placa Mãe. Ex: Rede, Som, Vídeo e etc... Prof. Luiz

Leia mais

Placas Adaptadoras e montagem de Redes

Placas Adaptadoras e montagem de Redes Placas Adaptadoras e montagem de Redes Objetivos da aula: 1 - Descrever a função da placa adaptadora de rede em uma rede. 2 - Descrever as opções de configuração para placas adaptadoras de rede. 3 - Listar

Leia mais

Entrada e Saída (Input/Output I/O) Organização de Computadores (Aula 5) Entrada/Saída. Diferentes Tipos de Dispositivos (1)

Entrada e Saída (Input/Output I/O) Organização de Computadores (Aula 5) Entrada/Saída. Diferentes Tipos de Dispositivos (1) Organização de Computadores (Aula 5) Entrada/Saída Roberta Lima Gomes - LPRM/DI/UFES Sistemas de Programação I Eng. Elétrica 2007/2 Entrada e Saída (Input/Output I/O) Computador: Processador, Memória (principal

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Sistemas de Entrada/Saída Princípios de Software Sistema de Entrada/Saída Princípios de Software Tratadores (Manipuladores) de Interrupções Acionadores de Dispositivos (Device Drivers)

Leia mais

A Interface Serial e o Padrão RS-232

A Interface Serial e o Padrão RS-232 UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO FEN-DETEL - DEPARTAMENTO DE ELETRÔNICA E TELECOMUNICAÇÕES A Interface Serial e o Padrão RS-232 Prof. 1 A Interface Serial e o Padrão RS-232 Objetivo: apresentar

Leia mais

RCO2. Introdução à camada física

RCO2. Introdução à camada física RCO2 Introdução à camada física 1 Transmissão de uma stream de bits por um meio de transmissão 2 Atribuições da camada física: Transmissão de sequências de bits pelo meio físico Modulação (transmissão

Leia mais

Vitor Amadeu Souza. vitor@cerne-tec.com.br

Vitor Amadeu Souza. vitor@cerne-tec.com.br Introdução Vitor Amadeu Souza vitor@cerne-tec.com.br Veremos agora os passos para enviar uma string de caracteres pela USB. Porém antes veremos um tutorial referente a porta USB. Tutorial USB Sistema de

Leia mais

USB - Introdução. Meios Eletrônicos I 2011

USB - Introdução. Meios Eletrônicos I 2011 USB - Introdução Meios Eletrônicos I 2011 História USB: Universal Serial Bus Criado pela Intel em 1994, junto com outras empresas (Microsoft, HP, NEC, Apple) Facilita a conexão de dispositivos periféricos

Leia mais

Soluções Globais em Sistemas de Pesagem. Indicador de pesagem WT1000-LED. Manual Técnico. Versão A12-03

Soluções Globais em Sistemas de Pesagem. Indicador de pesagem WT1000-LED. Manual Técnico. Versão A12-03 Soluções Globais em Sistemas de Pesagem Indicador de pesagem WT1000-LED Manual Técnico Versão A12-03 ÍNDICE 1 CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS... 4 2 RECOMENDAÇÕES GERAIS... 4 3 FUNÇÕES DAS TECLAS... 5 4 OPERAÇÃO...

Leia mais

SCD 912. Dispositivo de comunicação e armazenamento. Apresentação. Dados Técnicos. Conexões

SCD 912. Dispositivo de comunicação e armazenamento. Apresentação. Dados Técnicos. Conexões Conv. USB-Serial Baudrate, stop bit e nro de dados programável. Baudrate de 1200 a 38400 bauds. Emula porta COM virtual. Led de indicação de operação como conversor USB-serial. Não possui linhas de controle

Leia mais

Principais Componentes. Funções do Barramento. Esquema de Barramento. Um Barramento (Bus) é. Barramentos. Sistema de Barramento no Pentium

Principais Componentes. Funções do Barramento. Esquema de Barramento. Um Barramento (Bus) é. Barramentos. Sistema de Barramento no Pentium Principais Componentes Funções do Barramento Conexão de Memória Recebe e envia dados Recebe endereços Recebe sinais de controle Read Write Timing Entrada e Saída (I/O) Recebe e Envia dados Recebe sinais

Leia mais

E/S PROGRAMADA E/S PROGRAMADA E/S USANDO INTERRUPÇÃO

E/S PROGRAMADA E/S PROGRAMADA E/S USANDO INTERRUPÇÃO E/S PROGRAMADA QUANDO A CPU FAZ TODO O TRABALHO RELACIONADO A UMA OPERAÇÃO DE E/S, NO CASO DO PROCESSO QUERER IMPRIMIR (NA IMPRESSORA) ABCDEFGH : ESTES CARACTERES SÃO COLOCADOS EM UMA ÁREA DE MEMÓRIA DO

Leia mais

Rede DeviceNet. Fábio Soares de Lima. fabio@dca.ufrn.br

Rede DeviceNet. Fábio Soares de Lima. fabio@dca.ufrn.br Rede DeviceNet Fábio Soares de Lima fabio@dca.ufrn.br Índice Introdução e Histórico Modelo de camadas Meio Físico Topologia Números de Estações Ativas Número de Redes por CLP Protocolo DATA Frame Camada

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores

Arquitetura e Organização de Computadores Arquitetura e Organização de Computadores Entrada/Saída Material adaptado, atualizado e traduzido de: STALLINGS, William. Arquitetura e Organização de Computadores. 5ª edição Problemas Entrada/Saída Grande

Leia mais

Tarifação ON-LINE Sistema de Tarifação Telefônica V. 6.0 GUIA DE INSTALAÇÃO COLETOR

Tarifação ON-LINE Sistema de Tarifação Telefônica V. 6.0 GUIA DE INSTALAÇÃO COLETOR Tarifação ON-LINE Sistema de Tarifação Telefônica V. 6.0 GUIA DE INSTALAÇÃO COLETOR Net Manager Informática Ltda Versão 6.0 1998-2007 1) Instalação do Software Coletor Guia de Instalação Executar o programa

Leia mais

Manual da Comunicação Modbus-RTU

Manual da Comunicação Modbus-RTU Manual da Comunicação Modbus-RTU Relé Inteligente Série: SRW 01 Idioma: Português Documento: 10000013033 / 00 12/2007 Sobre o manual Sumário SOBRE O MANUAL...5 ABREVIAÇÕES E DEFINIÇÕES... 5 REPRESENTAÇÃO

Leia mais

Centro Universitário Fundação Santo André. Disciplina Redes de Computadores. Módulo 05

Centro Universitário Fundação Santo André. Disciplina Redes de Computadores. Módulo 05 Centro Universitário Fundação Santo André Disciplina Redes de Computadores Módulo 05 2006 V1.0 Conteúdo Telecomunicação e Canais de Comunicação Multiplexação Tipos de Circuitos de Dados DTE e DCE Circuit

Leia mais

ESTUDO DA PORTA SÉRIE E DA PORTA PARALELA

ESTUDO DA PORTA SÉRIE E DA PORTA PARALELA ESTUDO DA PORTA SÉRIE E DA PORTA PARALELA Fernando Alves Liliana Castro Outubro 2003 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO...3 2. PORTA SERIAL...4 2.1. COMUNICAÇÕES SÍNCRONAS E ASSÍNCRONAS...5 2.2. BITS DE PARIDADE...6

Leia mais

Sistemas Operacionais Gerência de Dispositivos

Sistemas Operacionais Gerência de Dispositivos Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul UEMS Curso de Licenciatura em Computação Sistemas Operacionais Gerência de Dispositivos Prof. José Gonçalves Dias Neto profneto_ti@hotmail.com Introdução A gerência

Leia mais

Tarifação ON-LINE Sistema de Tarifação Telefônica V. 6.0 GUIA DE INSTALAÇÃO COLETOR

Tarifação ON-LINE Sistema de Tarifação Telefônica V. 6.0 GUIA DE INSTALAÇÃO COLETOR Tarifação ON-LINE Sistema de Tarifação Telefônica V. 6.0 GUIA DE INSTALAÇÃO COLETOR Net Manager Informática Ltda Versão 6.0 1998-2007 1) Instalação do Software Coletor Guia de Instalação Executar o programa

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO E PROGRAMAÇÃO CONVERSOR - IP / USB / SERIAL - 317 RV1

MANUAL DE INSTALAÇÃO E PROGRAMAÇÃO CONVERSOR - IP / USB / SERIAL - 317 RV1 MANUAL DE INSTALAÇÃO E PROGRAMAÇÃO CONVERSOR - IP / USB / SERIAL - 317 RV1 SÃO CAETANO DO SUL 06/06/2014 SUMÁRIO Descrição do Produto... 3 Características... 3 Configuração USB... 4 Configuração... 5 Página

Leia mais

Dispositivos de Entrada e Saída

Dispositivos de Entrada e Saída SEL-0415 Introdução à Organização de Computadores Dispositivos de Entrada e Saída Aula 9 Prof. Dr. Marcelo Andrade da Costa Vieira ENTRADA e SAÍDA (E/S) (I/O - Input/Output) n Inserção dos dados (programa)

Leia mais

Porta Paralela. Fabricio Ferrari. Maio 2008. www.ferrari.pro.br. Universidade Federal do Pampa, Bagé, RS, Brazil

Porta Paralela. Fabricio Ferrari. Maio 2008. www.ferrari.pro.br. Universidade Federal do Pampa, Bagé, RS, Brazil Fabricio Ferrari www.ferrari.pro.br Universidade Federal do Pampa, Bagé, RS, Brazil Maio 2008 Porta de comunicação paralela SPP Single Parallel Port 150 Kbits/s EPP Enhanced Parallel Port 2 Mbits/s ECP

Leia mais

Universal Serial Bus USB

Universal Serial Bus USB Universal Serial Bus USB Walter Fetter Lages w.fetter@ieee.org Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Engenharia Departamento de Engenharia Elétrica Microprocessadores II Copyright (c) Walter

Leia mais

Notas de Software. Driver de comunicação SCP V10 para o supervisório Elipse SCADA. HI Tecnologia. Documento de acesso público

Notas de Software. Driver de comunicação SCP V10 para o supervisório Elipse SCADA. HI Tecnologia. Documento de acesso público Notas de Software Driver de comunicação SCP V10 para o supervisório Elipse SCADA HI Tecnologia Documento de acesso público PNS.0006 Versão 1.03 novembro-2005 HI Tecnologia Driver de comunicação SCP V10

Leia mais

NETALARM GATEWAY. Manual do Usuário

NETALARM GATEWAY. Manual do Usuário Índice 1. Introdução...3 2. Requisitos Mínimos de Instalação...3 3. Instalação...3 4. Inicialização do Programa...5 5. Abas de Configuração...6 5.1 Aba Serial...6 5.2 Aba TCP...7 5.2.1 Opções Cliente /

Leia mais

PROTÓTIPO DE SOFTWARE PARA O INTERFACEAMENTO E AQUISIÇÃO DE DADOS DE UMA BALANÇA ATRAVÉS DA RS-232

PROTÓTIPO DE SOFTWARE PARA O INTERFACEAMENTO E AQUISIÇÃO DE DADOS DE UMA BALANÇA ATRAVÉS DA RS-232 UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS CURSO DE CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO (Bacharelado) PROTÓTIPO DE SOFTWARE PARA O INTERFACEAMENTO E AQUISIÇÃO DE DADOS DE UMA BALANÇA ATRAVÉS

Leia mais

Relé Inteligente SRW 01 V1.3X

Relé Inteligente SRW 01 V1.3X Motores Energia Automação Tintas Relé Inteligente SRW 01 V1.3X Manual da Comunicação Modbus-RTU Manual da Comunicação Modbus-RTU Série: SRW 01 Versão do Firmware: V1.3X Idioma: Português Nº do Documento:

Leia mais

MODULO II - HARDWARE

MODULO II - HARDWARE MODULO II - HARDWARE AULA 01 O Bit e o Byte Definições: Bit é a menor unidade de informação que circula dentro do sistema computacional. Byte é a representação de oito bits. Aplicações: Byte 1 0 1 0 0

Leia mais

Motores I Automação I Energia I Transmissão & Distribuição I Tintas. Modbus RTU PLC300. Manual do Usuário

Motores I Automação I Energia I Transmissão & Distribuição I Tintas. Modbus RTU PLC300. Manual do Usuário Motores I Automação I Energia I Transmissão & Distribuição I Tintas Modbus RTU PLC300 Manual do Usuário Manual do Usuário Modbus RTU Série: PLC300 Idioma: Português N º do Documento: 10000850708 / 03 Data

Leia mais

Por razões, é requerido um módulo de E/S, que deve desempenhar duas funções principais:

Por razões, é requerido um módulo de E/S, que deve desempenhar duas funções principais: Entrada e Saída Além do processador e da memória, um terceiro elemento fundamental de um sistema de computação é o conjunto de módulos de E/S. Cada módulo se conecta com o barramento do sistema ou com

Leia mais

Porta de Impressora IEEE Walter Fetter Lages.

Porta de Impressora IEEE Walter Fetter Lages. Porta de Impressora IEEE-1284 Walter Fetter Lages w.fetter@ieee.org Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Engenharia Departamento de Engenharia Elétrica Microprocessadores II Copyright (c)

Leia mais

Programmable Interval Timer

Programmable Interval Timer Programmable Interval Timer 8253/8254 Walter Fetter Lages w.fetter@ieee.org Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Engenharia Departamento de Engenharia Elétrica Microprocessadores II Copyright

Leia mais

Tarifação ON-LINE Sistema de Tarifação Telefônica V. 6.0 GUIA DE INSTALAÇÃO COLETOR

Tarifação ON-LINE Sistema de Tarifação Telefônica V. 6.0 GUIA DE INSTALAÇÃO COLETOR Tarifação ON-LINE Sistema de Tarifação Telefônica V. 6.0 GUIA DE INSTALAÇÃO COLETOR Net Manager Informática Ltda Versão 6.0 1998-2007 Guia de Instalação 1) Instalação do Software Coletor Executar o programa

Leia mais

Módulo de Conversão RS232/RS485

Módulo de Conversão RS232/RS485 Descrição do Produto O módulo de comunicação é um conversor bidirecional RS232/RS485 ou RS232/RS422 da Série FBs. Pode ser utilizado como interface com outros modelos de controladores ou aplicações, sendo

Leia mais

Manual Técnico Interface Modbus

Manual Técnico Interface Modbus Manual Técnico Interface Modbus RTA Interface Modbus 05/2007-1 - Histórico de Revisões Ver. Num. Data Responsável Observações 1.000 17/05/07 Marcos Romano Criação Inicial RTA Rede de Tecnologia Avançada

Leia mais

Multimedidores Inteligentes MGE G3 Modo de uso do software IBIS_BE_cnf. ABB Automação. Hartmann & Braun

Multimedidores Inteligentes MGE G3 Modo de uso do software IBIS_BE_cnf. ABB Automação. Hartmann & Braun Multimedidores Inteligentes MGE G3 Modo de uso do software IBIS_BE_cnf ABB Automação Hartmann & Braun Índice 1. IBIS_BE_CNF - DEFINIÇÃO... 3 2. INSTALAÇÃO... 3 2.1. PRÉ-REQUISITOS PARA INSTALAÇÃO... 3

Leia mais

Entrada e Saída. Interface entre periféricos, processador e memória. Fonte: Minho - Portugal 1

Entrada e Saída. Interface entre periféricos, processador e memória. Fonte: Minho - Portugal 1 Entrada e Saída Interface entre periféricos, processador e memória Fonte: Minho - Portugal 1 Ligação Processador/Memória - Periférico Processador Memória Controlo Dados Controlador Fonte: Minho - Portugal

Leia mais

Fundamentos de Arquitetura de Computadores. Prof. Marcos Quinet Universidade Federal Fluminense UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO

Fundamentos de Arquitetura de Computadores. Prof. Marcos Quinet Universidade Federal Fluminense UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO Fundamentos de Arquitetura de Computadores Prof. Marcos Quinet Universidade Federal Fluminense UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO Hardware de um Sistema Computacional Hardware: são os componentes

Leia mais

CODIFICADORES / DECODIFICADORES

CODIFICADORES / DECODIFICADORES CODIFICADORES / DECODIFICADORES Uma grande parte dos sistemas digitais trabalha com os níveis lógicos (bits) representando informações que são codificadas em bits. Exemplo: computador trabalha com informações

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS ABERTOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

SISTEMAS OPERACIONAIS ABERTOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Módulo 4 - ENTRADAS E SAIDAS Uma das principais funções dos sistemas operacionais é controlar os dispositivos de entrada e saída (E/S ou I/O). O Sistema Operacional deve ser capaz de enviar comandos

Leia mais

Porta Série. Trabalhos Práticos AM 2007/2008. Porta Série. Objectivos

Porta Série. Trabalhos Práticos AM 2007/2008. Porta Série. Objectivos 3 Objectivos - Configurar os parâmetros associados à comunicação série assíncrona. - Saber implementar um mecanismo de menus para efectuar a entrada e saída de dados, utilizando como interface um terminal

Leia mais

4.4 - Barramentos. CEFET-RS Curso de Eletrônica. Profs. Roberta Nobre & Sandro Silva. robertacnobre@gmail.com e sandro@cefetrs.tche.

4.4 - Barramentos. CEFET-RS Curso de Eletrônica. Profs. Roberta Nobre & Sandro Silva. robertacnobre@gmail.com e sandro@cefetrs.tche. CEFET-RS Curso de Eletrônica 4.4 - Barramentos robertacnobre@gmail.com e sandro@cefetrs.tche.br Unidade 04.4.1 Barramentos São elementos de hardware que permitem a interconexão entre os componentes do

Leia mais

Manual de Instruções MÓDULO CONVERSOR SERIAL ETHERNET. Modelo NETBOX MÓDULO CONVERSOR SERIAL ETHERNET MODELO NETBOX. Manual de Instruções

Manual de Instruções MÓDULO CONVERSOR SERIAL ETHERNET. Modelo NETBOX MÓDULO CONVERSOR SERIAL ETHERNET MODELO NETBOX. Manual de Instruções MÓDULO CONVERSOR SERIAL ETHERNET MODELO NETBOX MÓDULO CONVERSOR SERIAL ETHERNET Modelo NETBOX Manual de Instruções Revisão 10.06 Índice Capítulo 1 Introdução Aplicação 5 Retirando o MÓDULO da embalagem

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES CONFIGURADOR HART

MANUAL DE INSTRUÇÕES CONFIGURADOR HART MANUAL DE INSTRUÇÕES CONFIGURADOR HART mod.: D221 Versão 1.00 / Revisão 1 CONTEMP IND. COM. E SERVIÇOS LTDA. Al. Araguaia, 204 - CEP 09560-580 S. Caetano do Sul - SP - Brasil Fone: 11 4223-5100 - Fax:

Leia mais

Componentes de um Sistema de Computador

Componentes de um Sistema de Computador Componentes de um Sistema de Computador HARDWARE: unidade responsável pelo processamento dos dados, ou seja, o equipamento (parte física) SOFTWARE: Instruções que dizem o que o computador deve fazer (parte

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS CAPÍTULO 3 CONCORRÊNCIA

SISTEMAS OPERACIONAIS CAPÍTULO 3 CONCORRÊNCIA SISTEMAS OPERACIONAIS CAPÍTULO 3 CONCORRÊNCIA 1. INTRODUÇÃO O conceito de concorrência é o princípio básico para o projeto e a implementação dos sistemas operacionais multiprogramáveis. O sistemas multiprogramáveis

Leia mais

Fundamentos de Redes de Computadores

Fundamentos de Redes de Computadores Fundamentos de Redes de Computadores Princípios de Comunicação de Dados Prof. Alexandre Dezem Bertozzi Divinópolis, fevereiro de 2003 1 Por que redes? É praticamente impossível não pensar em redes quando

Leia mais

Arquitetura CAN. José Sérgio da Rocha Neto

Arquitetura CAN. José Sérgio da Rocha Neto Arquitetura CAN 1 Sumário Rede CAN. Arquitetura do Sistema Implementado. Interface SPI. Controlador CAN MCP2510. Transceiver MCP2551. ADuC812. Resultados Obtidos. Conclusões. 2 REDE CAN CAN Controller

Leia mais