SISTEMA ARGOS ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA FUNCIONAL E PROTOCOLO DE COMUNICAÇÃO DA UNIDADE DE MONITORAÇÃO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SISTEMA ARGOS ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA FUNCIONAL E PROTOCOLO DE COMUNICAÇÃO DA UNIDADE DE MONITORAÇÃO"

Transcrição

1 SISTEMA ARGOS ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA FUNCIONAL E PROTOCOLO DE COMUNICAÇÃO DA UNIDADE DE MONITORAÇÃO

2 SUMÁRIO ITEM PAG. DEFINIÇÕES: 1. NÚMEROS TELEFÔNICOS NÚMERO DE QUEDA (INTERRUPÇÃO) Interrupção (Queda) do Fornecimento de Energia Elétrica Válida NÚMERO DE RETORNO (RESTABELECIMENTO) Restabelecimento (Retorno) do Fornecimento de Energia Elétrica Válido NÚMERO DE TESTE 4 2. TEMPOS DE DISCAGEM TEMPO DE QUEDA TEMPO DE RETORNO TEMPO DE TESTE NÚMERO DE TENTATIVAS CENTRAL NACIONAL DE RECEPÇÃO 5 3. CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS TENSÃO LIMITE CARACTERISTICAS ELÉTRICAS CONFIGURAÇÕES PROGRAMÁVEIS POR SOFTWARE CARACTERÍSTICAS MECÂNICAS CARACTERÍSTICAS DE AMBIENTE CARACTERÍSTICAS DE CONEXÃO 7 4. DESCRIÇÃO FUNCIONAL GRAVAÇÃO INICIAL DOS PARÂMETROS 4.2 INTERRUPÇÃO (QUEDA) DO FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA RESTABELECIMENTO DO FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA TESTE AUTOMÁTICO MEMORIZAÇÃO DOS EVENTOS PRIORIDADE DE DISCAGEM REINICIALIZAÇÃO SINALIZAÇÃO VISUAL (LED) RECONFIGURAÇÃO DOS PARÂMETROS ACESSÓRIO PARA GRAVAÇÃO DOS PARÂMETROS GRAVADOR EXTERNO DE PARÂMETROS PROTOCOLO DE COMUNICAÇÃO GARANTIA GARANTIA DE OPERAÇÃO GARANTIA DE COMUNICAÇÃO 12 2

3 ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA FUNCIONAL E PROTOCOLO DE COMUNICAÇÃO DA UNIDADE DE MONITORAÇÃO DEFINIÇÕES: 1. NÚMEROS TELEFÔNICOS 1.1. NÚMERO DE QUEDA (INTERRUPÇÃO) Número telefônico, normalmente com tarifação reversa do tipo 0800 XXX XXXX, que a Unidade de Monitoração deverá utilizar para realizar a ligação telefônica que indicará a interrupção do fornecimento de energia elétrica (queda de energia elétrica válida). Este número telefônico deverá ser obrigatoriamente diferente dos números telefônicos de retorno e teste Interrupção (Queda) do Fornecimento de Energia Elétrica Válida Evento que ocorre quando uma ou mais fases da Rede de Distribuição de Energia Elétrica em Baixa Tensão apresentam tensão abaixo do valor limite, ou seja: 80 (oitenta) Volts AC para Rede de Distribuição com tensão fase neutro de 127 (cento e vinte e sete) Volts AC e 160 (cento e sessenta) Volts AC para Rede de Distribuição com tensão fase neutro de 220 (duzentos e vinte) Volts AC, por um intervalo de tempo maior ou igual ao Tempo de Queda NÚMERO DE RETORNO (RESTABELECIMENTO) Número telefônico, normalmente com tarifação reversa do tipo 0800 YYY YYYY, que a Unidade de Monitoração deverá utilizar para realizar a ligação telefônica que indicará o restabelecimento do fornecimento de energia elétrica (retorno de energia elétrica válido). Este número telefônico deverá ser obrigatoriamente diferente dos números telefônicos de queda e teste Restabelecimento (Retorno) do Fornecimento de Energia Elétrica Válido Evento que ocorre quando todas as fases da Rede de Distribuição de Energia Elétrica em Baixa Tensão conectadas à Unidade de Monitoração apresentam elevação da tensão para acima do valor limite, ou seja: 80 (oitenta) Volts AC para Rede de Distribuição com tensão fase neutro de 127 (cento e vinte e sete) Volts AC e 160 (cento e sessenta) Volts AC para Rede de Distribuição com tensão fase neutro de 220 (duzentos e vinte) Volts AC, por um intervalo de tempo maior ou igual ao Tempo de Retorno. 3

4 1.3. NÚMERO DE TESTE Número telefônico, normalmente com tarifação reversa do tipo 0800 ZZZ ZZZZ, que a Unidade de Monitoração deverá utilizar para realizar a ligação telefônica que indicará o auto-teste do funcionamento normal da mesma. Este número telefônico deverá ser obrigatoriamente diferente dos números telefônicos de queda e retorno. 2. TEMPOS DE DISCAGEM 2.1. TEMPO DE QUEDA Período de tempo programável entre 01 (um) segundo e 04 (quatro) minutos, em intervalos de 01 (um) segundo, o qual deverá ser utilizado pela Unidade de Monitoração para considerar como válida uma interrupção(queda) do fornecimento de energia elétrica, ou seja: quando a tensão se apresentar abaixo do limite mínimo, conforme os valores indicados no item TEMPO DE RETORNO Período de tempo programável entre 01 (um) segundo e 04 (quatro) minutos, em intervalos de 01 (um) segundo, o qual deverá ser utilizado pela Unidade de Monitoração para considerar como válido um restabelecimento (retorno) do fornecimento de energia elétrica, ou seja: quando a tensão se apresentar acima do limite mínimo, conforme os valores indicados no item TEMPO DE TESTE Período de tempo programável entre 02 (dois) minutos e 91 (noventa e um) dias, em intervalos de 02 (dois) minutos, o qual deverá ser utilizado pela Unidade de Monitoração para realizar a ligação telefônica que indica o auto-teste do funcionamento normal da mesma NÚMERO DE TENTATIVAS É o número de vezes que a Unidade de Monitoração deverá discar para o mesmo número (queda, retorno ou teste), a fim de receber, da Central Nacional de Recepção, o tom de reconhecimento em 1800 (um mil e oitocentos) Hertz. Se durante o número de tentativas não ocorrer o tom de reconhecimento, a Unidade de Monitoração deverá abandonar o registro do evento e não mais deverá realizar ligações telefônicas. A Unidade de Monitoração deverá permitir essa programação em intervalos 01 (um) a 99 (noventa e nove) vezes ou, ainda, deverá possibilitar programação para infinitas tentativas. 4

5 2.5 CENTRAL NACIONAL DE RECEPÇÃO Central de processamento, de propriedade da ANEEL, responsável pelo recebimento, processamento e armazenamento das informações relativas aos eventos de queda, retorno e teste do SISTEMA ARGOS. 3. CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS 3.1. TENSÃO LIMITE Trata-se de um nível de tensão limite da Rede de Distribuição de Energia Elétrica em Baixa Tensão que deverá ser fixado no Hardware da Unidade de Monitoração, abaixo do qual, a Unidade de Monitoração deverá detectar a interrupção (queda) do fornecimento de energia elétrica e, acima do qual, a Unidade de Monitoração deverá detectar o restabelecimento (retorno) do fornecimento de energia elétrica. Para a Rede de Distribuição com tensão fase neutro em 127 (cento e vinte e sete) Volts AC, esse limite deverá ser de 80 (oitenta) Volts AC. Em se tratando de Rede de Distribuição com tensão fase neutro em 220 (duzentos e vinte) Volts AC, a tensão limite deverá ser de 160 (cento e sessenta) Volts AC CARACTERÍSTICAS ELÉTRICAS A Unidade de Monitoração, também denominada de Unidade de Sensoriamento e Transmissão - UST, deverá ser concebida exclusivamente na versão trifásica, devendo também permitir sua conexão na Rede de Distribuição de Energia Elétrica monofásica ou bifásica. Entrada de tensão fase neutro em 127 (cento e vinte e sete) Volts AC ou 220 (duzentos e vinte) Volts AC, com banda ±20% (vinte por cento) e freqüência de 60 (sessenta) Hz. O limite inferior de tensão para indicação da interrupção do fornecimento de energia elétrica deverá ser de 80 (oitenta) Volts AC para tensão de entrada fase neutro em 127 (cento e vinte e sete) Volts AC e de 160 (cento e sessenta) Volts AC para tensão de entrada fase neutro em 220 (duzentos e vinte) Volts AC. A Norma de Segurança a ser adotada deverá ser a IEC , com onda de choque (raio) 8/20µs e 4kV/2kA CONFIGURAÇÕES PROGRAMÁVEIS POR SOFTWARE Número de Queda: Deverá conter, no mínimo 13 (treze) dígitos, tal como: 0B0800XXXXXXX, onde B deverá representar um intervalo de tempo equivalente a 3 (três) segundos, a fim de também permitir ligações por ramais telefônicos. Número de Retorno: Deverá conter, no mínimo 13 (treze) dígitos, tal como: 0B0800YYYYYYY, onde B deverá representar um intervalo de tempo equivalente a 3 (três) segundos, a fim de também permitir ligações por ramais telefônicos. 5

6 Número de Teste: Deverá conter, no mínimo 13 (treze) dígitos, tal como: 0B0800ZZZZZZZ, onde B deverá representar um intervalo de tempo equivalente a 3 (três) segundos, a fim de também permitir ligações por ramais telefônicos. Tempo de Queda: Deverá ser de 01 (um) segundo a 4 (quatro) minutos, em intervalos de 01 (um) segundo. Tempo de Retorno: Deverá ser de 01 (um) segundo a 4 (quatro) minutos, em intervalos de 01 (um) segundo. Tempo de Teste: Deverá ser de 01 (um) dia a 91 (noventa e um) dias, em intervalos de 01 (um) dia. Tipo de Discagem Telefônica: Deverá permitir ligações telefônicas por pulso decádico ou por tom (DTMF). Número de Tentativas: Deverá permitir tentativas em intervalos de 01 (uma) a 99 (noventa e nove) vezes, ou, ainda deverá permitir número infinito de tentativas CARACTERÍSTICAS MECÂNICAS Deverá apresentar caixa metálica ou plástica, perfeitamente vedada, resistente à intempéries obedecendo a classe IP-55. A Unidade de Monitoração deverá ser instalada de forma isolada da Rede de Distribuição de Energia Elétrica, por meio de isolador de acordo com o documento denominado Princípios para Projeto de Proteção Elétrica da Rede Externa de Telecomunicações, da TELEBRÁS, com número , de 05/1998. Deverá permitir fixação em postes da Rede de Distribuição de Energia Elétrica ou no padrão de entrada da Unidade Consumidora, com a utilização de cinta de aço ou parafuso e, em paredes, com a utilização de parafusos e buchas do tipo S6. Deverá apresentar uma ou mais etiquetas contendo informações sobre a identificação dos condutores do sistema de energia elétrica e telefonia, número de série da Unidade de Monitoração e tensão de alimentação da mesma CARACTERÍSTICAS DE AMBIENTE Deverá operar normalmente no intervalo de temperatura de trabalho compreendido entre -10 o C ( menos dez graus Celsius) e +55 o C (mais cinqüenta e cinco graus Celsius), em conformidade com o contido nas normas IEC Bb, IEC Ab e IEC Nb Deverá ter como limite de funcionamento a temperatura de +70 o C (mais setenta graus Celsius) e umidade relativa do ar de 90% (noventa por cento), em conformidade com o contido nas normas IEC Bb. 6

7 3.6. CARACTERÍSTICAS DE CONEXÃO O equipamento deverá ser instalado no padrão de entrada, antes da medição de energia das unidades consumidoras. Deverá possibilitar conexão à Rede de Distribuição de Energia Elétrica, trifásica, bifásica ou monofásica, através de cabo isolado, com conexão tipo cabo/conector. Deverá possibilitar conexão à Rede de Telefonia, através de cabo isolado e com o auxílio de conector específico ou caixa auxiliar de distribuição telefônica do tipo BLE2 ou similar, padrão TELEBRÁS. Deverá possibilitar conexão elétrica ou ótica com o acessório de gravação/programação (gravador de parâmetros), a fim de permitir a alteração dos parâmetros de gravação, ou seja: número de queda, número de retorno, número de teste, tempo de queda, tempo de retorno, tempo de teste e o número de tentativas. 4. DESCRIÇÃO FUNCIONAL 4.1. GRAVAÇÃO INICIAL DO PARÂMETROS Quando de sua instalação, a Unidade de Monitoração deverá receber, via gravador externo, os parâmetros configuráveis, bem como programar uma ligação do tipo teste para um horário aleatório compreendido entre 2:00 e 5:00 hs da madrugada seguinte à instalação e, a partir desta primeira ligação, a cada 15 dias INTERRUPÇÃO (QUEDA) DO FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA Sempre que ocorrer uma interrupção válida no fornecimento de energia elétrica (tensão abaixo do valor limite e por um período maior ou igual ao Tempo de Queda) em qualquer uma das três fases da Rede de Distribuição de Energia Elétrica em Baixa Tensão, a Unidade de Monitoração deverá discar para o Número de Queda (0800 XXX XXXX). Se após a primeira tentativa de discagem a Unidade de Monitoração não receber, da Central Nacional de Recepção, o tom de reconhecimento, deverá sortear aleatoriamente um tempo entre 30 (trinta) segundos e 01 (um) minuto e realizar nova ligação telefônica até esgotar o Número de Tentativas programado. Se após esgotar o número de tentativas programado a Unidade de Monitoração não receber o tom reconhecimento, a mesma não mais deverá realizar novas ligações telefônicas, passando ao estado de repouso como se tivesse recebido o tom. Tal erro deverá ser detectado posteriormente pela Central Nacional de Recepção, através do recebimento de duas ligações de queda consecutivas ou dois retornos consecutivos, o que indicará que houve indisponibilidade da linha telefônica. O tom de reconhecimento ou sinal de confirmação de conexão deverá ser composto por um tom de 1800 Hz (um mil e oitocentos Hertz) com duração mínima de 02 (dois) segundos e máxima de 05 segundos. A geração desse sinal de confirmação de 7

8 conexão é de responsabilidade da Central Nacional de Recepção e Tratamento das Informações. A Unidade de Monitoração deverá detectar o sinal de confirmação de conexão e entrar em repouso. O estado de repouso da Unidade de Monitoração será caracterizado pela não tentativa de discagem, independente dos valores de tensão monitorada RESTABELECIMENTO DO FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA Sempre que ocorrer um restabelecimento válido no fornecimento de energia elétrica (retorno da tensão para acima do valor limite e por um período maior ou igual ao Tempo de Retorno) em todas as fases às quais a Unidade de Monitoração esteja conectada, a mesma deverá discar para o Número de Retorno ( 0800 YYY YYYY ). Se após a primeira tentativa de discagem a Unidade de Monitoração não receber, da Central Nacional de Recepção, o tom de reconhecimento, deverá sortear aleatoriamente um tempo entre 30 (trinta) segundos e 01 (um) minuto e realizar nova ligação telefônica até esgotar o Número de Tentativas programado. Se após esgotar número de tentativas programado a Unidade de Monitoração não receber o tom reconhecimento, a mesma não mais deverá realizar novas ligações telefônicas, passando ao estado de repouso como se tivesse recebido o tom. Tal erro deverá ser detectado posteriormente pela Central Nacional de Recepção, através do recebimento de duas ligações de queda consecutivas ou dois retornos consecutivos, o que indicará que houve indisponibilidade da linha telefônica. O tom de reconhecimento ou sinal de confirmação de conexão deverá ser composto por um tom de 1800 Hz (um mil e oitocentos Hertz) com duração mínima de 2 (dois) segundos e máxima de 05 (cinco) segundos. A geração desse sinal de confirmação de conexão é de responsabilidade da Central Nacional de Recepção e Tratamento das Informações. A Unidade de Monitoração deverá detectar o sinal de confirmação de conexão e entrar em repouso. O estado de repouso da Unidade de Monitoração será caracterizado pela não tentativa de discagem, independente dos valores de tensão monitorada TESTE AUTOMÁTICO Decorrido um período igual ao Tempo de Teste, a Unidade de Monitoração deverá originar uma ligação telefônica para o Número de Teste. Esta discagem deverá ocorrer somente se a Unidade de Monitoração estiver com alimentação normal de energia elétrica. 8

9 Se no instante do início da ligação telefônica do tipo teste automático, ocorrer uma interrupção ou restabelecimento no fornecimento de energia elétrica, a Unidade de Monitoração deverá, primeiramente, discar para o número de queda ou retorno de acordo com a situação, esgotar o número de tentativas para então iniciar ou reiniciar a ligação telefônica de teste automático. A Unidade de Monitoração deverá também possuir dispositivo que permita o acionamento manual de um evento do tipo teste. O objetivo desta função é testar se o equipamento instalado está conseguindo se comunicar com a Central Nacional de Recepção MEMORIZAÇÃO DOS EVENTOS Após uma tentativa de discagem sem sucesso (queda, retorno ou teste), dentro do limite máximo do número de tentativas, a Unidade de Monitoração deverá sortear aleatoriamente um tempo entre 30 (trinta) segundos e 01 (um) minuto e discar novamente. Se o evento causador da discagem (queda ou retorno) já tiver cessado, a Unidade de Monitoração deverá continuar discando até o registro do evento. Se durante a tentativa de discagem de um evento de queda ocorrer um evento de retorno, a unidade deverá completar a comunicação do evento de queda e a seguir efetuar a discagem do retorno PRIORIDADE DE DISCAGEM Se durante as tentativas de discagem para o número de teste ocorrer uma interrupção ou restabelecimento do fornecimento de energia elétrica, a Unidade de Monitoração deverá interromper a ligação para o número de teste e deverá discar para o número de queda ou retorno, de acordo com a ocorrência REINICIALIZAÇÃO Após a reinicialização (Gravação dos parâmetros), a Unidade de Monitoração deverá discar para o número de teste, o que indicará que a mesma foi reinicializada. O mesmo procedimento deverá ocorrer quando for acionado o mecanismo local de AUTO TESTE, ou seja: a Unidade de Monitoração deverá possibilitar o disparo da ligação de teste, no instante em que for acionado o mecanismo de auto teste. Em qualquer um dos casos também deverá ser respeitado o número de tentativas, ao final das quais, a Unidade de Monitoração desistirá de discar para o número de teste e entrará em estado de repouso. 9

10 4.8. SINALIZAÇÃO VISUAL ( LED ) Em condições normais de operação, com fornecimento normal de energia elétrica em todas as fases, a Unidade de Monitoração deverá apresentar LED sinalizador piscando a em intervalos 01 (um) segundo. Durante o processo de discagem para o número de queda, o LED da Unidade de Monitoração deverá permanecer aceso e, logo após o término dessa discagem, o LED deverá permanecer apagado. Durante o processo de discagem para o número de retorno, o LED da Unidade de Monitoração deverá permanecer aceso e, logo após o término dessa discagem, o LED deverá permanecer piscando em intervalos 01 (um) segundo. Durante o processo de discagem para o número de teste, o LED da Unidade de Monitoração deverá permanecer aceso e, logo após o término dessa discagem, o LED deverá permanecer piscando em intervalos 01 (um) segundo RECONFIGURAÇÃO DOS PARÂMETROS A Unidade de Monitoração deverá permitir a reconfiguração (reprogramação) dos parâmetros, o que deverá ser feito através de um gravador externo de parâmetros. Durante essa reconfiguração (reprogramação) dos parâmetros o LED deverá indicar se a mesma ocorreu com sucesso ou não. Tal reconfiguração deverá ser possível tanto no processo de fabricação e testes ou mesmo no campo, com a Unidade de Monitoração instalada. 5. ACESSÓRIO PARA GRAVAÇÃO DOS PARÂMETROS (OPCIONAL) 5.1. GRAVADOR EXTERNO DE PARÂMETROS Trata-se de um dispositivo acessório externo que deverá ser conectado eletricamente ou opticamente à Unidade de Monitoração, a fim de possibilitar a gravação de parâmetros em fábrica ou mesmo no campo. Esse acessório deverá possuir uma memória não volátil que deverá conter o programa/configuração a ser gravado na Unidade de Monitoração. Após a gravação inicial dos parâmetros, a Unidade de Monitoração deverá gerar a primeira discagem para o número teste. Essa discagem para o número de teste também deverá ocorrer após uma nova gravação dos parâmetros. O acessório de gravação deverá possuir um relógio tempo real, que calculará o tempo de inicialização necessário para que a segunda discagem para o número de teste ocorra no período compreendido entre 02:00 e 05:00 horas da madrugada do dia seguinte à instalação da Unidade de Monitoração. 10

11 Esse acessório deverá permitir a alteração dos parâmetros de gravação, os quais serão posteriormente gravados na Unidade de Monitoração. O Software para gravação dos parâmetros em cada um dos acessórios deverá ser instalado via interface serial tipo RS-232 compatível com IBM-PC. Nessa gravação deverá ser transmitido ao acessório o número de queda, número de retorno, número de teste, tempo de queda, tempo de retorno, tempo de teste, número de tentativas, ajustes do relógio, variáveis de tempo e tipos de discagem. 6. PROTOCOLO DE COMUNICAÇÃO A comunicação entre a Unidade de Monitoração e a Central Nacional de Recepção deverá ser feita através de linhas telefônicas convencionais, utilizadas de forma compartilhada à linha telefônica da Unidade Consumidora onde a mesma for instalada. A informação de interrupção ou restabelecimento do fornecimento de energia elétrica nos pontos monitorados da Rede de Distribuição de Energia Elétrica em Baixa Tensão deverá ser obtida pela identificação do número da linha telefônica associada à Unidade de Monitoração. A identificação do número chamador (número de A) deverá ser feita pela Central Nacional de Recepção. O envio do número da linha telefônica associada à Unidade de Monitoração é normalmente feito pela Central Telefônica da Operadora de Telefonia Local. A Operadora Nacional de Telefonia recebe o número da linha telefônica do telefone chamador (número de A) e envia à Central Nacional de Recepção do SISTEMA ARGOS. Após a ligação telefônica da Unidade de Monitoração, a confirmação do recebimento dessa ligação e do número chamador deverá ser feita pela Central Nacional de Recepção, através do envio de um tom de reconhecimento de 1800 Hz (um mil e oitocentos Hertz) por um período de, no mínimo 02 (dois) segundos e não superior a 05 (cinco) segundos. Imediatamente após o recebimento do tom de reconhecimento, a Unidade de Monitoração deverá encerrar a ligação, desocupar a linha telefônica e voltar ao estado de repouso. É importante salientar que, como a informação das ocorrências está intimamente associada ao número da linha telefônica associada à Unidade de Monitoração, não deverá existir tráfego de dados de qualquer tipo pela linha telefônica durante a comunicação de qualquer evento do sistema. As informações sobre as ocorrências serão armazenadas pela Central Nacional de Recepção e disponibilizadas, instantaneamente após a ocorrência, via PORTAL INTERNET de forma auditável e com total segurança. 11

12 7 GARANTIA 7.1 Garantia de operação O equipamento é garantido contra qualquer defeito de fabricação ou projeto, por 2 anos em operação normal. O tempo deverá ser contado a partir da data de entrada em operação ou 6 (seis) meses após a entrega do equipamento. Quando da ocorrência de um defeito no equipamento, o mesmo será devolvido ao fabricante que deverá substitui-lo em 72 horas. 7.2 Garantia de comunicação Independente das condições operativas do sistema nacional de comunicação, o equipamento deve garantir ligações com sucesso de queda ou retorno em 90% das ocorrências. Este valor deverá ser calculado a partir dos registros no sistema com base na relação entre o número de ocorrências inválidas e o número de ocorrências finalizadas em cada mês. 7.3 Proteção contra danos a terceiros Dentro dos limites técnicos definidos na norma especificada no item 3.2 da presente especificação, o fabricante dos equipamentos será responsável por quaisquer danos causados a pessoas e instalações de terceiros em função de operação inadequada das unidades remotas. 12

INFORMATIVO DE PRODUTO

INFORMATIVO DE PRODUTO Unidade Discadora Telefônica - Para Monitoramento Remoto Até 5 Números Código: AFDISC A unidade discadora telefônica para monitoramento remoto, código AFDISC é um equipamento que deve ser instalado em

Leia mais

MD-50 Plus. Com a senha mestre são permitidas todas as funções de programação do módulo. A senha de fábrica é 5-6-7-8.

MD-50 Plus. Com a senha mestre são permitidas todas as funções de programação do módulo. A senha de fábrica é 5-6-7-8. MD-50 Plus DESCRIÇÃO DO PRODUTO Com esse equipamento você pode monitorar qualquer central de alarme convencional ou eletrificador. Ele possui 4 entradas e uma saída PGM que pode ser acionada por telefone

Leia mais

Hamtronix CONTROLE REMOTO DTMF. CRD200 - Manual de Instalação e Operação. Software V 2.0 Hardware Revisão B

Hamtronix CONTROLE REMOTO DTMF. CRD200 - Manual de Instalação e Operação. Software V 2.0 Hardware Revisão B Hamtronix CRD200 - Manual de Instalação e Operação Software V 2.0 Hardware Revisão B INTRODUÇÃO Índice...01 Suporte On-line...01 Termo de Garantia...01 Em Caso de Problemas (RESET)...01 Descrição do Produto...02

Leia mais

Placa Ethernet Intelbras Modelo Impacta 16/68/140/220. Parabéns, você acaba de adquirir um produto com a qualidade e segurança Intelbras.

Placa Ethernet Intelbras Modelo Impacta 16/68/140/220. Parabéns, você acaba de adquirir um produto com a qualidade e segurança Intelbras. manual do usuário Placa Ethernet Intelbras Modelo Impacta 16/68/140/220 Parabéns, você acaba de adquirir um produto com a qualidade e segurança Intelbras. A Placa Ethernet Impacta é um acessório que poderá

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO RADAR DUO N de Homologação: 0723-12-2791

MANUAL DE INSTALAÇÃO RADAR DUO N de Homologação: 0723-12-2791 MANUAL DE INSTALAÇÃO RADAR DUO N de Homologação: 0723-12-2791 Versão 1.00 Manual de Instalação RADAR DUO 2 Índice 1. Introdução... 3 2. Especificações técnicas... 3 3. Conhecendo o equipamento... 4 3.1

Leia mais

Manual de Instalação

Manual de Instalação Central de Detecção e Alarme Contra Incêndio V260 Imagem Central V260 36 Laços Manual de Instalação Leia atentamente o manual antes do manuseio do equipamento ÍNDICE 1 COMANDOS E SINALIZAÇÕES DA CENTRAL

Leia mais

MÓDULO MD-50 DESCRIÇÃO DO PRODUTO CARACTERÍSTICAS GERAIS CONECTOR DE ENTRADA SENHA DO USUÁRIO

MÓDULO MD-50 DESCRIÇÃO DO PRODUTO CARACTERÍSTICAS GERAIS CONECTOR DE ENTRADA SENHA DO USUÁRIO MÓDULO MD-50 DESCRIÇÃO DO PRODUTO Com esse equipamento você pode monitorar qualquer central de alarme convencional ou eletrificador. Ele possui 5 entradas e uma saída PGM que pode ser acionada por telefone

Leia mais

Guia Rápido. Instalação Módulo de Controle SI-MDCTRL-400

Guia Rápido. Instalação Módulo de Controle SI-MDCTRL-400 Guia Rápido Instalação Módulo de Controle SI-MDCTRL-400 V2.0 APRESENTAÇÃO Este documento tem como objetivo orientar o usuário na instalação e configuração do Módulo de Controle SI-MDCTRL-400. Você poderá

Leia mais

Manual de instalação e configuração do módulo de saídas NSR-08

Manual de instalação e configuração do módulo de saídas NSR-08 Manual de instalação e configuração do módulo de saídas NSR-08 Sumário DESCRIÇÃO GERAL...4 VANTAGENS...4 CARACTERÍSTICAS...4 LED DE STATUS DO MODULO...4 ESQUEMA DE LIGAÇÕES...5 LIGAÇÃO DO CABO DE COMUNICAÇÃO...6

Leia mais

CENTRAL DE ALARME ASD-260 SINAL/VOZ

CENTRAL DE ALARME ASD-260 SINAL/VOZ CENTRAL DE ALARME ASD-60 SINAL/VOZ Parabéns, Você acaba de adquirir uma central de alarme modelo ASD-60 produzida no Brasil com a mais alta tecnologia de fabricação. - PAINEL FRONTAL Led REDE: Indica que

Leia mais

Medidor monofásico eletrônico LUMEN MC

Medidor monofásico eletrônico LUMEN MC Medidor monofásico eletrônico LUMEN MC kwh MEDIDOR ELETRÔNICO LUMEN MC 120V 15(100)A 60Hz 2Fios 1EL 1Fase REVERSO Ke 0,625 Wh/Pulso Kh 0,625 Wh/Pulso Classe B 2008 Y K Portaria INMETRO/Dimel nº 00000000

Leia mais

PROGRAMAÇÃO E INSTALAÇÃO RAMAL CELULAR

PROGRAMAÇÃO E INSTALAÇÃO RAMAL CELULAR MANUAL DE PROGRAMAÇÃO E INSTALAÇÃO RAMAL CELULAR Bem-vindo! Obrigado por adquirir o RAMAL CELULAR GSM. Antes de instalar e acionar o equipamento, leia atentamente as instruções deste manual. Introdução

Leia mais

Leucotron Telecom 082M02R8 20/10/2008

Leucotron Telecom 082M02R8 20/10/2008 SUMÁRIO 1. Descrição Técnica do Produto...03 2. Especificações Técnicas... 03 3. Local apropriado para a instalação...04 4. Como ligar um Chipcell+ em um PABX... 04 5. Como ligar um Chipcell+ em um telefone

Leia mais

Termo de Garantia. Extinção da Garantia

Termo de Garantia. Extinção da Garantia OBS IMPORTANTE: Você esta adquirindo um produto de segurança. Verifique com o Engenheiro responsável da obra, se ele atende as necessidades para o local onde será Instalado, pois todo o equipamento de

Leia mais

MANUAL TÉCNICO DA CENTRAL FÊNIX-20L

MANUAL TÉCNICO DA CENTRAL FÊNIX-20L MANUAL TÉCNICO SUMÁRIO CARACTERÍSTICAS GERAIS... 3 PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS... 3 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS... 3 PAINEL... 4 FUNÇÕES DO PAINEL... 4 FUNÇÕES INTERNAS PLACA DE CONTROLE... 6 FUNÇÕES INTERNAS

Leia mais

Viggia. Manual de Instruções Viggia - MP04401-01 Rev 02-19/10/2011 PG - 1 -

Viggia. Manual de Instruções Viggia - MP04401-01 Rev 02-19/10/2011 PG - 1 - Manual de Instruções Viggia - MP04401-01 Rev 02-19/10/2011 PG - 1 - ÍNDICE ÍNDICE 1 APRESENTAÇÃO... 3 2 ENTRADA DE DADOS... 3 3 SINALIZAÇÃO DA OPERAÇÃO... 3 4 ARMAZENAMENTO DE DADOS... 4 5 COMUNICAÇÃO

Leia mais

INFORMATIVO DE PRODUTO

INFORMATIVO DE PRODUTO Sensor / Detector de Fumaça Óptico Convencional + Módulo Endereçável Código: AFDFE. (Ideal Para Utilizar em Conjunto com a Central de Alarme de Incêndio AFSLIM). O detector de fumaça código AFDFE é um

Leia mais

CENTRAL DE ALARME BRISA 4 PLUS

CENTRAL DE ALARME BRISA 4 PLUS CENTRAL DE ALARME BRISA 4 PLUS Parabéns, Você acaba de adquirir uma central de alarme modelo Brisa 4 Plus produzida no Brasil com a mais alta tecnologia de fabricação. 1- PAINEL FRONTAL Led REDE: Indica

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO CENTRAL MC 4D

MANUAL DO USUÁRIO CENTRAL MC 4D 12 Manual do Usuário Intrusos podem entrar em zonas sem proteção, ou ter sofisticação para isolar um sensor ou desconectar dispositivos de aviso de alarme; Central, detectores, sensores só funcionam quando

Leia mais

2-Instalação da cuba. 1-Apresentação. Cuba de Ionização Abraçadeira s. Cano. Mangote

2-Instalação da cuba. 1-Apresentação. Cuba de Ionização Abraçadeira s. Cano. Mangote Manual de Instalação Índice 1- Apresentação 2- Instalação da cuba. 3- Instalação do painel de controle 4- Ligação elétrica 5- Dispositivo de segurança 6- Características do Purilaqua 7- Tempo de filtragem

Leia mais

GUIA DO USUÁRIO. Central de Alarme Intelbras AMT 1010 / AMT 1018

GUIA DO USUÁRIO. Central de Alarme Intelbras AMT 1010 / AMT 1018 AMT 1010 AMT 1018 GUIA DO USUÁRIO Central de Alarme Intelbras AMT 1010 / AMT 1018 DESCRIÇÃO E APLICAÇÕES Parabéns, você acaba de adquirir um produto desenvolvimento com a tecnologia e segurança Intelbras.

Leia mais

COMUNICAÇÃO SERIAL ENTRE EQUIPAMENTOS

COMUNICAÇÃO SERIAL ENTRE EQUIPAMENTOS COMUNICAÇÃO SERIAL ENTRE EQUIPAMENTOS 1 Introdução Para transmitir ou receber informações de outros dispositivos é necessário que os sistemas automáticos sejam capazes de comunicarem-se com estes dispositivos.

Leia mais

DXT3000 - PHONE CONTROL

DXT3000 - PHONE CONTROL Hamtronix DXT3000 - PHONE CONTROL Manual de Instalação e Operação Software V 1.0 Hardware Revisão A INTRODUÇÃO Índice... 01 Suporte On-line... 01 Termo de Garantia... 01 Em Caso de Problemas (RESET)...

Leia mais

Índice. Apresentação. Características técnicas

Índice. Apresentação. Características técnicas P27055 - Rev. 1 Apresentação Índice Apresentação... 04 Características técnicas... 04 Central Electra 8K RF... 05 Instalação... 05 Fiação, isoladores e hastes... 06 Conexão do eletrificador com a cerca...

Leia mais

DISPOSITIVO DE PARTIDA E TRANSFERÊNCIA AUTOMÁTICA PARA GERADORES DE ENERGIA ELÉTRICA MANUAL DO USUÁRIO

DISPOSITIVO DE PARTIDA E TRANSFERÊNCIA AUTOMÁTICA PARA GERADORES DE ENERGIA ELÉTRICA MANUAL DO USUÁRIO DISPOSITIVO DE PARTIDA E TRANSFERÊNCIA AUTOMÁTICA PARA GERADORES DE ENERGIA ELÉTRICA MANUAL DO USUÁRIO Por favor, leia este manual com atenção para uso do equipamento. Instruções de Operação do QTA. I.

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÃO KIT ALARM. www.kitfrigor.com.br Fone: 0XX11 5033-5656

MANUAL DE INSTRUÇÃO KIT ALARM. www.kitfrigor.com.br Fone: 0XX11 5033-5656 MANUAL DE INSTRUÇÃO KIT ALARM www.kitfrigor.com.br Fone: 0XX11 5033-5656 ÍNDICE 1 - INTRODUÇÃO... 3 2 - CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS... 4 3 INSTALAÇÃO... 5 4 - OPERAÇÃO... 6 5 SIMBOLOGIA... 7 6 LIMPEZA...

Leia mais

DISCADORA DISC CELL 5 ULTRA

DISCADORA DISC CELL 5 ULTRA DISCADORA DISC CELL 5 ULTRA 1- FUNCIONAMENTO: A discadora DiscCell5 Ultra é um aparelho eletrônico que disca para até 5 números, cada chamada dura aproximadamente 1 minuto. Uma vez discado o número uma

Leia mais

Manual de Instruções. Carregador de Baterias BC800W 12V/50A A&C12V/50A A&C. A&C Automação e Controle. Rua: Itápolis nº 84 SBC.

Manual de Instruções. Carregador de Baterias BC800W 12V/50A A&C12V/50A A&C. A&C Automação e Controle. Rua: Itápolis nº 84 SBC. Manual de Instruções Carregador de Baterias BC800W 12V/50A A&C12V/50A A&C A&C Automação e Controle Rua: Itápolis nº 84 SBC. SP CEP: 09615-040 Tel: (11) 4368-4202 Fax: (11) 4368-5958 E-mail: aec@aecautomacao.com.br

Leia mais

Central de alarme Ventura GSM

Central de alarme Ventura GSM Central de alarme Ventura GSM Manual do Usuário 1 Índice: 1 Aplicação:... 3 2 Características:... 3 3 Características de funcionamento... 3 4- Apresentação da Central... 4 4.1 Parte externa... 4 4.2 Parte

Leia mais

SUMÁRIO PlugSec Guardian ST100 PlugSec Guardian ST100

SUMÁRIO PlugSec Guardian ST100 PlugSec Guardian ST100 SUMÁRIO 1. Introdução 3 2. Para sua Segurança 3 3. Conteúdo da Embalagem 3 4. Funcionamento Básico 4 5. Compatibilidade 4 6. Modelos 4 7. Conhecendo o PlugSec Guardian ST100 5 8. Instalando Passo a Passo

Leia mais

Conforto com Segurança

Conforto com Segurança CONFORTO COM SEGURANÇA Produzido, embalado e comercializado segundo Sistema de Gestão da Qualidade certificado em conformidade com a NBR ISO 9001:2000. INTRODUÇÃO O Módulo Assinante Monicel permite que

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 363, DE 22 DE ABRIL DE 2009

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 363, DE 22 DE ABRIL DE 2009 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 363, DE 22 DE ABRIL DE 2009 Estabelece as condições de atendimento por meio de Central de Teleatendimento - CTA das concessionárias e

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO TETROS MOTO V2. N de Homologação: 1702-09-2791. Versão 1.00

MANUAL DE INSTALAÇÃO TETROS MOTO V2. N de Homologação: 1702-09-2791. Versão 1.00 MANUAL DE INSTALAÇÃO TETROS MOTO V2 N de Homologação: 1702-09-2791 Versão 1.00 Manual de Instalação TETROS MOTO V2 2 Índice 1. Introdução... 3 2. Especificações técnicas... 3 3. Conhecendo o equipamento...

Leia mais

1. Apresentação. Fig. 1 - Rastreador Portátil OnixMiniSpy. Led indicativo de Sinal GSM/GPRS e GPS. LED indicativo de recarga de bateria

1. Apresentação. Fig. 1 - Rastreador Portátil OnixMiniSpy. Led indicativo de Sinal GSM/GPRS e GPS. LED indicativo de recarga de bateria 1. Apresentação O OnixMiniSpy é um rastreador portátil que utiliza a tecnologia de comunicação de dados GPRS (mesma tecnologia de telefone celular) para conectar-se com a central de rastreamento e efetuar

Leia mais

MANUAL REDE CABEADA UTP

MANUAL REDE CABEADA UTP MANUAL REDE CABEADA UTP volt.ind.br 1-QUADRO COMPLETO 2-DISJUNTOR 3-PROTETOR ELÉTRICO 4-FONTE PRIMÁRIA VT 800 5-BATERIAS 6-PD (PONTO DE DISTRIBUIÇÃO) volt.ind.br Pág. 1 1-QUADRO COMPLETO: Equipado por

Leia mais

5. Operação. 5.1. Reconhecimento do alarme. 5.2. Temporizador de disparo das saídas. 5.3. Reinicialização do sistema de alarme

5. Operação. 5.1. Reconhecimento do alarme. 5.2. Temporizador de disparo das saídas. 5.3. Reinicialização do sistema de alarme 5. Operação 5.1. Reconhecimento do alarme Obs.: pressione a tecla Reinicia Sirene (interna) para silenciar o bip interno. Siga os procedimentos internos de segurança. O alarme geral pode ser acionado a

Leia mais

Office Pro 850. Manual do utilizador User s Manual. www.mygrowing.com

Office Pro 850. Manual do utilizador User s Manual. www.mygrowing.com Office Pro 850 Manual do utilizador User s Manual www.mygrowing.com 1 Segurança e Precauções de utilização - Conservar estas instruções - este manual contém instruções importantes que devem ser seguidas

Leia mais

CENTRAL DE ALARME BRISA 8 VOZ / BRISA 8 SINAL

CENTRAL DE ALARME BRISA 8 VOZ / BRISA 8 SINAL CENTRAL DE ALARME BRISA 8 VOZ / BRISA 8 SINAL CARACTERÍSTICAS BÁSICAS 8 Zonas programáveis sendo 4 mistas, ou seja, com fio e sem fio e 4 com fio; 1 senha mestre; 1 senha de usuário; Entrada para teclado

Leia mais

TERMO DE USO - SERVIÇO VIVO FOTO REVISTA

TERMO DE USO - SERVIÇO VIVO FOTO REVISTA TERMO DE USO - SERVIÇO VIVO FOTO REVISTA As disposições abaixo regulam a utilização do serviço VIVO FOTO REVISTA ( Serviço ) ofertado pela VIVO ( VIVO ) ao CLIENTE VIVO MÓVEL ( Cliente ), o qual antes

Leia mais

Por que Redes? Estamos cercados por redes: supermercados, lojas, bancos, cinemas, farmácias e inúmeros outros lugares; Com a queda do custo de implementação de redes, é praticamente impossível pensar em

Leia mais

O não cumprimento dessas instruções bem como as de todo!manual e termo de garantia acarretará a perda total da mesma.

O não cumprimento dessas instruções bem como as de todo!manual e termo de garantia acarretará a perda total da mesma. Manual do Usuário Manual do Usuário 1 A GPTRONICS desenvolve soluções em produtos eletrônicos microcontrolados. É uma empresa 100% nacional, inovadora e focada na satisfação de seus clientes. Oferece um

Leia mais

MOVIMENTADOR PARA PORTAS DE ENROLAR

MOVIMENTADOR PARA PORTAS DE ENROLAR MOVIMENTADOR PARA PORTAS DE ENROLAR www.mastertec.ind.br 1 ÍNDICE 1. Recursos:... 3 2. Condições de funcionamento:... 3 3. Características técnicas:... 3 4. Características construtivas:... 3 5. Diagrama

Leia mais

TinyLogger Manual de Instalação e Operação

TinyLogger Manual de Instalação e Operação TinyLogger Manual de Instalação e Operação Í N D I C E Apresentação... 3 Introdução... 3 Especificações Técnicas... 5 Garantia Limitada... 5 Guia de Instalação... 5 Informações Importantes... 5 Observações

Leia mais

MADIS RODBEL SOLUÇÕES DE PONTO E ACESSO LTDA

MADIS RODBEL SOLUÇÕES DE PONTO E ACESSO LTDA MADIS RODBEL SOLUÇÕES DE PONTO E ACESSO LTDA Manual de operação Relógio MD 5705 Revisão 1.02 Maio de 2010 1 Índice Apresentação... 3 Display de LCD... 3 Leitor de crachás... 3 Leitor biométrico... 3 Teclado...

Leia mais

T O M e P U L S O. Disca em linhas ECONÔMICAS. Discadora Telefônica

T O M e P U L S O. Disca em linhas ECONÔMICAS. Discadora Telefônica Discadora Telefônica T O M e P U L S O Disca em linhas ECONÔMICAS Disca em modo TOM e PULSO Disca para até 5 números Não perde memória em caso de falta de energia elétrica www.genno.com.br MAGADTDPTF05V1

Leia mais

No-Break Monofásico Powerware 5125

No-Break Monofásico Powerware 5125 UNINTERRUPTABLE POWER SYSTEMS NoBreak Monofásico Powerware 5125 Dados Principais do Produto Características Sistema ABM Plus (Gerenciamento Avançado de Baterias), que dobra a vida útil das baterias Saída

Leia mais

ILUMINADOR A LED PARA SEMÁFORO DE PEDESTRE COM CONTADOR REGRESSIVO. Sumário

ILUMINADOR A LED PARA SEMÁFORO DE PEDESTRE COM CONTADOR REGRESSIVO. Sumário Código: Un pç ILUMINADOR A LED PARA SEMÁFORO DE PEDESTRE COM CONTADOR REGRESSIVO 1 Objetivo 2 Referências Normativas 3 Definições 4 Requisitos Gerais 5 Requisitos Específicos 6 Funcionamento 7 Características

Leia mais

www.bluemedia.com.br MEDIDORES

www.bluemedia.com.br MEDIDORES www.bluemedia.com.br MEDIDORES Detector de Falhas e Analisador Preditivo - PA A linha PA de Detectores de Falhas e Analisadores Preditivos KRON traz uma nova abordagem para o conceito de monitoramento

Leia mais

Manual do Usuário REV 2.0 MMD1 VSI VERSÃO 1.0 OPERAÇÃO

Manual do Usuário REV 2.0 MMD1 VSI VERSÃO 1.0 OPERAÇÃO Manual do Usuário REV 2.0 MMD1 VSI VERSÃO 1.0 OPERAÇÃO Parabéns! Você acaba de adquirir um produto de alta confiabilidade, projetado e construído dentro dos mais rígidos padrões de qualidade. A MEDLIQ

Leia mais

Obs.: O processo irá se repetir enquanto durar o disparo do alarme.

Obs.: O processo irá se repetir enquanto durar o disparo do alarme. pág. 9 DISCADOR T-430 Aplicação: Equipamento desenvolvido a fim de realizar automaticamente discagens telefônicas para aviso de alarme. Podendo ser implementado praticamente à todos os sistema de alarme.

Leia mais

T-530. Características. Características técnicas TELE ALARME MICROPROCESSADO. Aplicação

T-530. Características. Características técnicas TELE ALARME MICROPROCESSADO. Aplicação 12 T-530 TELE ALARME MICROPROCESSADO Aplicação Equipamento desenvolvido a fim de realizar automaticamente discagens telefônicas para aviso de alarme. Podendo ser implementado praticamente à todos os sistema

Leia mais

MODELOS CP - 8000 E CP - 8001 V 2006

MODELOS CP - 8000 E CP - 8001 V 2006 ELETRIFICADOR DE CERCAS DE SEGURANÇA MODELOS CP - 8000 E CP - 8001 V 2006 MANUAL DO USUÁRIO INDÚSTRIA BRASILEIRA www.atdshelter.com.br JANEIRO / 2007 ATENÇÃO!!! INFORMAÇÕES IMPORTANTES Leia atentamente

Leia mais

MANUAL DE USO E CONFIGURAÇÃO DO SOFTWARE SUPERVISÓRIO. BETTA SSB net V 2.01

MANUAL DE USO E CONFIGURAÇÃO DO SOFTWARE SUPERVISÓRIO. BETTA SSB net V 2.01 MANUAL DE USO E CONFIGURAÇÃO DO SOFTWARE SUPERVISÓRIO BETTA SSB net V 2.01 CONSIDERAÇÕES INICIAIS: O software Supervisório Betta SSB net V 2.01 foi concebido para auxiliar o monitoramento de centrais endereçáveis

Leia mais

Manual do Usuário e Instalação - FIT100

Manual do Usuário e Instalação - FIT100 Manual do Usuário e Instalação - FIT100 1. APRESENTAÇÃO: O Rastreador Locktronic FIT100 é um dispositivo eletrônico para lhe auxiliar na proteção de seu veículo. As funções disponíveis neste produto são

Leia mais

GA-1 Dispositivo de Alarme de Separador de Massa Lubrificante Instruções de instalação e funcionamento

GA-1 Dispositivo de Alarme de Separador de Massa Lubrificante Instruções de instalação e funcionamento Labkotec Oy Myllyhaantie 6 FI-33960 PIRKKALA FINLAND Tel: +358 29 006 260 Fax: +358 29 006 1260 19.1.2015 Internet: www.labkotec.com 1/11 GA-1 Dispositivo de Alarme de Separador de Massa Lubrificante Copyright

Leia mais

Manual de Operação e Instalação. Microterminal TCP/IP MT740. versão 1.0

Manual de Operação e Instalação. Microterminal TCP/IP MT740. versão 1.0 Manual de Instalação e Operação MT740 1/16 Manual de Operação e Instalação Microterminal TCP/IP MT740 versão 1.0 Manual de Instalação e Operação MT740 2/16 Índice Descrição 3 Reconhecendo o Terminal 5

Leia mais

Módulo Isolador Estabilizado G3 - Manual de Instalação e Uso

Módulo Isolador Estabilizado G3 - Manual de Instalação e Uso ID 26376 V. 0811 Módulo Isolador Estabilizado G3 - Manual de Instalação e Uso Caro Usuário, Você acaba de adquirir um Módulo Isolador Estabilizado G3, o MIE G3. Os produtos APC são produzidos com alto

Leia mais

www.sulton.com.br 1. Apresentação do Tele Alarme Tom e Pulso

www.sulton.com.br 1. Apresentação do Tele Alarme Tom e Pulso 1. Apresentação do Tele Alarme Tom e Pulso Equipamento desenvolvido a fim de realizar automaticamente discagens telefônicas para aviso de alarme. Podendo ser implementado praticamente à todos os sistema

Leia mais

Building Technologies

Building Technologies Building Technologies Detecção de Incêndio Catálogo de Produtos BC80 Índice Página 1. Central de Detecção e Alarme de Incêndio Série BC8001... 4 BC8001/e Central de Detecção e Alarme de Incêndio BC8001

Leia mais

Manual de Instalação DIGISTAR XE - 10 DIGISTAR XE - 16 DIGISTAR XE - 16 A

Manual de Instalação DIGISTAR XE - 10 DIGISTAR XE - 16 DIGISTAR XE - 16 A Manual de Instalação DIGISTAR XE - 10 DIGISTAR XE - 16 DIGISTAR XE - 16 A Sumário 1 - Instalação 1.1 - Ambiente de Instalação... 3 1.2 - Fixação Mecânica... 3 1.3 - Rede Elétrica... 4 1.4 - Fiação... 5

Leia mais

PHD TR MD 1. CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS 1.1 CARACTERÍSTICAS BÁSICAS. 1.1.1. Sistema Hot-plug e Hot-Swap de acréscimo ou desligamento de módulos;

PHD TR MD 1. CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS 1.1 CARACTERÍSTICAS BÁSICAS. 1.1.1. Sistema Hot-plug e Hot-Swap de acréscimo ou desligamento de módulos; PHD TR MD 1. CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS 1.1 CARACTERÍSTICAS BÁSICAS 1.1.1. Sistema Hot-plug e Hot-Swap de acréscimo ou desligamento de módulos; 1.1.2. Módulos de potência em formato rack 19, altura 3U; 1.1.3.

Leia mais

TERMO DE USO E POLÍTICA DE PRIVACIDADE DO GVT SOS DISPOSITIVOS

TERMO DE USO E POLÍTICA DE PRIVACIDADE DO GVT SOS DISPOSITIVOS TERMO DE USO E POLÍTICA DE PRIVACIDADE DO GVT SOS DISPOSITIVOS Pelo presente Termo de Uso, de um lado a GVTXXXXXXXXX., sociedade com sede social na cidade de São Paulo, Estado de São Paulo, na XXXXXXXXXXXXXXXXXX,

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA ANEXO I

TERMOS DE REFERÊNCIA ANEXO I 1. INTRODUÇÃO Visando manter a padronização, atualização e continuidade dos recursos utilizados no ambiente de segurança da Rede Corporativa Anatel, torna-se necessária a contratação de serviço de atualização

Leia mais

Manual de instrução e instalação VECTRA EX 204

Manual de instrução e instalação VECTRA EX 204 Manual de instrução e instalação VECTRA EX 204 Versão: 01.2013 SUMÁRIO Introdução... 3 Instalação... 4 Configuração... 4 O software... 5 Número da Receptora... 6 Aviso Sonoro... 7 Hora... 8 Data... 8 Tipo

Leia mais

Sistema de Detecção de Vazamento de Gás

Sistema de Detecção de Vazamento de Gás Manual do Sistema Blockgas SB330 CB530 SB330 SB80 atende normas: NBR16186 de 06/2013 NBR16069 de 04/2010 NR 36 Apresentação do sistema: Composto por 3 módulos de equipamentos eletrônicos e 1 software de

Leia mais

CURSO APOSTILA INSTALADOR DE ALARMES www.edtecsoft.com Edmar de Lima.

CURSO APOSTILA INSTALADOR DE ALARMES www.edtecsoft.com Edmar de Lima. CURSO APOSTILA INSTALADOR DE ALARMES www.edtecsoft.com Edmar de Lima. O SISTEMA DE ALARMES MAIS USADOS CONSISTE EM UMA CENTRAL DE ALARMES,QUE POSSUA COMPARTIMENTO P/ BATERIA DE 12 VOLTS 07 AMPERES,A CENTRAL

Leia mais

Comprador: Endereço: Cidade: Bairro: CEP: Revendedor: Fone: Data da venda: / / ID: P18407 - Rev. 1

Comprador: Endereço: Cidade: Bairro: CEP: Revendedor: Fone: Data da venda: / / ID: P18407 - Rev. 1 A instalação por outrem implicará em exclusão da garantia em decorrência de defeitos causados pela instalação inadequada. Somente técnico autorizado está habilitado a abrir, remover, substituir peças ou

Leia mais

Manual de instalação e configuração do módulo de entradas WEBER-REP

Manual de instalação e configuração do módulo de entradas WEBER-REP Manual de instalação e configuração do módulo de entradas WEBER-REP Sumário CONVENÇÕES UTILIZADAS...3 DESCRIÇÃO GERAL...4 VANTAGENS...4 CARACTERÍSTICAS ELÉTRICAS...4 ESPECIFICAÇÕES GERAIS...5 LED DE STATUS

Leia mais

Manual de operações e instruções

Manual de operações e instruções Manual de operações e instruções Transmissor e Indicador de Vazão de Ar TIVA Com display LCD Rua Cincinati, 101 - São Paulo -SP Tel. / Fax (011) 5096-4654 - 5096-4728. E-mail: vectus@vectus.com.br Para

Leia mais

Central de Alarme de Oito Zonas

Central de Alarme de Oito Zonas Central de Alarme de Oito Zonas R02 ÍNDICE CARACTERÍSTICAS GERAIS:... 3 CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS:... 3 CONHECENDO A CENTRAL:... 4 COMO A CENTRAL FUNCIONA:... 4 COMO APAGAR A MEMÓRIA DA CENTRAL:... 4 COMO

Leia mais

Rastreador RST-VT RST. Manual do Usuário. Versão 1.3 RST-VT

Rastreador RST-VT RST. Manual do Usuário. Versão 1.3 RST-VT Rastreador RST Manual do Usuário Versão 1.3 Rastreador Emissão: Revisão 1.4 Data: 12/03/2012 Número de Páginas 24 Histórico de Revisões DATA VERSÃO DESCRIÇÃO AUTORES 06/10/2011 1.3 05/10/2011 1.2 19/09/2011

Leia mais

Especificações Técnicas e Funcionais

Especificações Técnicas e Funcionais Introdução Especificações Técnicas e Funcionais A presente Especificação, elaborada pela São Paulo Transporte S.A. SPTrans, tem como objetivo estabelecer os requisitos técnicos, operacionais e funcionais

Leia mais

PCPT 4 ( com 4 entradas para sensores RTD Pt100Ω ) PCPT4 SmA ( com 4 entradas para sensores RTD Pt100Ω e saída 4... 20mA )

PCPT 4 ( com 4 entradas para sensores RTD Pt100Ω ) PCPT4 SmA ( com 4 entradas para sensores RTD Pt100Ω e saída 4... 20mA ) MANUAL DE OPERAÇÃO PCPT 4 ( com 4 entradas para sensores RTD Pt100Ω ) PCPT4 SmA ( com 4 entradas para sensores RTD Pt100Ω e saída 4... 20mA ) VERSÃO 4.04 RELÉ DE PROTEÇÃO TÉRMICA ( ANSI 23/26/49 ) CONTROLE

Leia mais

Portaria Inmetro nº 89, de 06 de abril de 2006.

Portaria Inmetro nº 89, de 06 de abril de 2006. MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO Portaria Inmetro nº 89, de 06 de abril de 2006. O PRESIDENTE

Leia mais

Características... 3. Identificando a placa... 3. Esquema de ligação... 3. Parâmetros programados no painel de alarme... 4

Características... 3. Identificando a placa... 3. Esquema de ligação... 3. Parâmetros programados no painel de alarme... 4 P18640 - Rev. 0 Índice Características... 3 Identificando a placa... 3 Esquema de ligação... 3 Parâmetros programados no painel de alarme... 4 Instalação do software programador... 4 Instalação do cabo

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO. Discador GSM

MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO. Discador GSM MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO www.compatec.com.br Indice: 1. Caracterísitcas... 2 2. Leds... 3 3. Programando os números telefonicos... 4 3.1. Para apagar números individualmente... 4 3.2. Para apagar

Leia mais

LIGAÇÃO NOVA E AUMENTO DE CARGA PARA UNIDADES CONSUMIDORAS COMPREENDIDAS EM ENTRADAS COLETIVAS EXISTENTES (PADRÃO ANTIGO)

LIGAÇÃO NOVA E AUMENTO DE CARGA PARA UNIDADES CONSUMIDORAS COMPREENDIDAS EM ENTRADAS COLETIVAS EXISTENTES (PADRÃO ANTIGO) LIGAÇÃO NOVA E AUMENTO DE CARGA PARA UNIDADES CONSUMIDORAS COMPREENDIDAS EM ENTRADAS COLETIVAS EXISTENTES (PADRÃO ANTIGO) Condições de atendimento Diretoria de Distribuição Gerência de Engenharia da Distribuição

Leia mais

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA 1. OBJETO 1.1. Registro de Preços para eventual aquisição de Coletor de Dados para inventário de equipamentos e materiais através de código de barra do produto. 2. ESPECIFICAÇÕES

Leia mais

SMR - Sistema de Medição Remota

SMR - Sistema de Medição Remota Data da 1 / 12 SUMÁRIO: 1. FINALIDADE 2. ÂMBITO DE APLICAÇÃO 3. DEFINIÇÕES 4. MÃO-DE-OBRA EMPREGADA 5. EPI S 6. DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA 7. CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS DOS HIDROMÊTROS 8. CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS

Leia mais

Manual de Instruções de Instalação e Garantia. Aquecedor Universal Com Acionamento Digital

Manual de Instruções de Instalação e Garantia. Aquecedor Universal Com Acionamento Digital Manual de Instruções de Instalação e Garantia Aquecedor Universal Com Acionamento Digital Parabéns! Você acabou de adquirir um produto com a qualidade AQUAPLÁS Apresentação O Aquecedor AQUAPLÁS é utilizado

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO. Central de Alarme Particionada

MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO. Central de Alarme Particionada MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO AP6 Central de Alarme Particionada www.compatec.com.br 2 www.compatec.com.br 3 4. Dimensões do produto... 5. Conhecendo o seu produto... 7 5.1 Conhecendo as funções da central...

Leia mais

Manual do usuário LUME 1000 LUME 2000

Manual do usuário LUME 1000 LUME 2000 Manual do usuário LUME 1000 LUME 2000 LUME 1000 e LUME 2000 Central de iluminação de emergência Parabéns, você acaba de adquirir um produto com a qualidade e segurança Engesul. As centrais de iluminação

Leia mais

Manual de Operações. Estação Auto-Manual AMS-1. www.innowatt.ind.br

Manual de Operações. Estação Auto-Manual AMS-1. www.innowatt.ind.br Manual de Operações Estação Auto-Manual AMS-1 www.innowatt.ind.br 1 INTRODUÇÃO Obrigado por ter escolhido um produto INNOWATT. Para garantir o uso correto e eficiente, é imprescindível a leitura completa

Leia mais

ü Não é permitido utilizar a tubulação da rede elétrica para passagem dos

ü Não é permitido utilizar a tubulação da rede elétrica para passagem dos VÍDEO PORTEIRO COLORIDO VIP COLOR 7 Manual de Instalação 1) APRESENTAÇÃO DO PRODUTO A Amelco, oferece cada vez mais soluções em segurança eletrônica para seus clientes e apresenta o Vídeo Porteiro com

Leia mais

INFORMATIVO DE PRODUTO

INFORMATIVO DE PRODUTO Sensor / Detector de Fumaça Óptico Endereçável BOSCH - Código: AFD7050. (Uso Conjunto à Central de Alarme de Incêndio FPD7024+D7039). O detector de fumaça código AFD7050 é um equipamento que deve ser instalado

Leia mais

Rede PROFIBUS DP com Sistema de Automação EMERSON/DeltaV e Remota Série Ponto

Rede PROFIBUS DP com Sistema de Automação EMERSON/DeltaV e Remota Série Ponto Nota de Aplicação NAP101 Rede PROFIBUS DP com Sistema de Automação EMERSON/DeltaV e Remota Série Ponto Sumário Descrição... 1 1. Introdução... 2 2. Instalação... 3 3. Configuração... 3 3.1 Projeto de Rede

Leia mais

manual de instalação VTR300 rev02

manual de instalação VTR300 rev02 manual de instalação VTR300 rev02 Vermelho - 12/24 volts Preto - negativo (-) Verde - saída negativa para rele de bloqueio. ( fig 1) Azul - saída positiva para acionamento de sirene até 0,5A ( fig 2) Branco

Leia mais

MANUAL RÁDIO MODEM COMPACTO 900 MHz RMC-900

MANUAL RÁDIO MODEM COMPACTO 900 MHz RMC-900 MANUAL RÁDIO MODEM COMPACTO 900 MHz RMC-900 Versão 1.01 Infinium Automação Industrial Ltda contato@infiniumautomacao.com.br 1. APRESENTAÇÃO O rádio modem RMC-900 foi projetado para utilização em sistemas

Leia mais

GCP 10000 CR POWER. www.securiservice.com.br. Manual de Instalação. Revisão 2.7 B

GCP 10000 CR POWER. www.securiservice.com.br. Manual de Instalação. Revisão 2.7 B GCP 10000 CR POWER Manual de Instalação Revisão 2.7 B www.securiservice.com.br ATENÇÃO! Informações Importantes Leia atentamente este manual e siga suas instruções para instalar/utilizar o equipamento.

Leia mais

Manual ELT 35i Sistema de Backup Celular

Manual ELT 35i Sistema de Backup Celular Manual ELT 35i Sistema de Backup Celular O equipamento de backup celular foi concebido para gerar uma linha física com características semelhantes à telefonia fixa: Tensão de linha disponível, 48Vcc +/-

Leia mais

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº 317, DE 27 DE SETEMBRO DE 2002. PLANO GERAL DE METAS DE QUALIDADE PARA O SERVIÇO MÓVEL PESSOAL PGMQ-SMP

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº 317, DE 27 DE SETEMBRO DE 2002. PLANO GERAL DE METAS DE QUALIDADE PARA O SERVIÇO MÓVEL PESSOAL PGMQ-SMP ANEXO À RESOLUÇÃO Nº 317, DE 27 DE SETEMBRO DE 2002. PLANO GERAL DE METAS DE QUALIDADE PARA O SERVIÇO MÓVEL PESSOAL PGMQ-SMP Capítulo I Das Disposições Gerais Art. 1º Este Plano estabelece as metas de

Leia mais

Discador Celular D-Cell

Discador Celular D-Cell Discador Celular D-Cell Guia rápido de programação Introdução O discador celular D-Cell fornece um sistema seguro de comunicação entre o seu equipamento de alarme e você. Utiliza a infraestrutura de telefonia

Leia mais

Dedicado. V 3.20 Jul09 r2.00

Dedicado. V 3.20 Jul09 r2.00 Dedicado V 3.20 Jul09 r2.00 Índice Apresentação...2 Instalação...2 Esquema de Ligação...3 Operação...4 Terminal...5 Funções de Programação...6 [007 a 011] Programação da Entrada (Setor Interno)...6 Função

Leia mais

INFORMATIVO DE PRODUTO

INFORMATIVO DE PRODUTO Detector / Sensor de Fumaça Autônomo Rede AC e Bateria - Com Saída Rele NA/NF - Código: AFDFAR. O detector de Fumaça código AFDFAR é um equipamento que deve ser instalado no teto ou na parede das edificações

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO. COMPOSIÇÃO DO TRANSMISSOR (Figura 1) DIVISÃO DESTE MANUAL. Este manual está dividido em duas partes:

MANUAL DE OPERAÇÃO. COMPOSIÇÃO DO TRANSMISSOR (Figura 1) DIVISÃO DESTE MANUAL. Este manual está dividido em duas partes: MANUAL DE OPERAÇÃO INTRODUÇÃO: O FLASH PRESENÇA MOTO foi desenvolvido especialmente para a utilização em Motos, porque o mercado necessita de um aparelho versátil, de pequenas dimensões e completo, que

Leia mais

TERMO DE GARANTIA. CONFORTO COM SEGURANÇA Cód: P26708 rev.:8 mod. 150

TERMO DE GARANTIA. CONFORTO COM SEGURANÇA Cód: P26708 rev.:8 mod. 150 TERMO DE GARANTIA A ELETROPPAR, Indústria Eletrônica Ltda, Localizada na Rua Carlos Ferrari nº2651, Distrito Industrial, Garça/SP, CEP 17.400-000, CNPJ 02.748.434/0001-08, IE 315.026.341.111 garante este

Leia mais

Guia de instalação SF 802 AF

Guia de instalação SF 802 AF Guia de instalação SF 802 AF SF 802 AF Parabéns, você acaba de adquirir um produto com a qualidade e segurança Intelbras. O switch SF 802 AF possui 8 portas Fast Ethernet com suporte a função PoE, cada

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS

PERGUNTAS E RESPOSTAS PERGUNTAS E RESPOSTAS ASSUNTO: REP REGISTRADOR ELETRÔNICO DE PONTO 2. Quando a portaria entra em vigor? Na data de sua publicação, 25/08/2009, exceto para o uso do REP, que se tornará obrigatório no dia

Leia mais

DISCADORA DISC CELL 5 ULTRA

DISCADORA DISC CELL 5 ULTRA DISCADORA DISC CELL 5 ULTRA 1- FUNCIONAMENTO: A discadora DiscCell5 Ultra é um aparelho eletrônico que disca para até 5 números, cada chamada dura aproximadamente 1 minuto. Uma vez discado o número uma

Leia mais

Controladora CT370 Manual Versão 3.2 Revisão 0 Outubro/2014

Controladora CT370 Manual Versão 3.2 Revisão 0 Outubro/2014 Controladora CT370 Manual Versão 3.2 Revisão 0 Outubro/2014 Sumário 1. Apresentação... 4 2. Itens que Acompanham... 4 3. Especificações Técnicas... 4 4. Características Gerais... 5 5. Visão Geral do Equipamento...

Leia mais