4. Tarefa 16 Introdução ao Ruído. Objetivo: Método: Capacitações: Módulo Necessário: Análise de PCM e de links

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "4. Tarefa 16 Introdução ao Ruído. Objetivo: Método: Capacitações: Módulo Necessário: Análise de PCM e de links 53-170"

Transcrição

1 4. Tarefa 16 Introdução ao Ruído Objetivo: Método: Ao final desta Tarefa você: Estará familiarizado com o conceito de ruído. Será capaz de descrever o efeito do Ruído em um sistema de comunicações digitais. Será capaz de calcular a Relação Sinal Ruído. As capacitações são conseguidas na execução dos exercícios desta Tarefa: Exercício 1 Ruído Exercício 2 Ruído em um Link Exercício 3 Relação Sinal/Ruído Cada Tarefa compõe-se de três elementos hardware, software e workbook. Candidatos devem demonstrar sua capacitação completando satisfatoriamente os exercícios deste workbook. Isto envolve preencher as lacunas, completar os diagramas em bloco, executar as medições e esboçar as formas de onda. Capacitações: Conhecimentos Práticos Básicos Medidas Cálculos Matemáticos em db Medições usando um Osciloscópio Conhecimentos Básicos de Medições usando um Analisador de Espectro Reconhecimento Módulo Necessário: Análise de PCM e de links

2 Teoria Ruído Podemos definir ruído em sistemas eletrônicos como sendo: Sinais elétricos indesejados que ocorrem em dispositivos elétricos ou eletrônicos, em circuitos ou sistemas, resultando em sinais espúrios que ocorrem na saída. O ruído pode vir de muitas fontes. Pode ser produzido pelo homem ou de causas naturais. Exemplos de ruído produzido pelo homem são os sinais que são irradiados de um sistema de ignição de carros, ou de um isolador defeituoso em um sistema de distribuição de energia elétrica aéreo. Um exemplo de ruído natural é aquele que emana do Sol como resultado de reações e radiações violentas que ocorrem lá. Ruído ocorre de forma aleatória. Ele pode ser classificado em dois tipos: Ruído branco Ruído de impulso Ruído branco tem um espectro largo e plano. Ruído de impulso é devido a uma série de distúrbios momentâneos (ou um único), e pode ter componentes de freqüência específicos com diferentes magnitudes. Dos exemplos dados, o ruído da ignição de um carro é um ruído de impulso, enquanto que o ruído do Sol é um ruído branco. Em um sistema de comunicações, o efeito total do ruído é uma função da freqüência usada, da localização, do tipo de antena e de receptor utilizados, das condições meteorológicas, etc, etc. Os efeitos do ruído Ruído em um sistema de comunicações digital tem um efeito bem diferente quando comparado aos sistemas analógicos. Num sistema digital apenas níveis fixos de sinais são permitidos. Quando o ruído está presente no sistema, o receptor deve decidir qual dos níveis permitidos representa o sinal ruidoso. Se a decisão estiver correta, o ruído não terá influência no sinal recebido. Se a decisão não tiver sido correta, os resultados são catastróficos. A teoria desta decisão é complexa e requer métodos de análise estatística para prever se ela foi tomada corretamente ou não. Não é possível prever a amplitude instantânea da tensão do ruído em um dado instante. Mas é possível prever a probabilidade que a amplitude do sinal de ruído exceda um determinado valor. Para isso a forma da função de distribuição em amplitude deve ser conhecida. Pode ser mostrado matematicamente que para o ruído branco esta função tem uma distribuição Gaussiana (em termos simples, na forma de um sino), e que a probabilidade de ocorrer um erro na decisão do estado de um sinal com ruído pode ser expresso como: Pe = 0,5{1 k [ A/(2 (2s) 0,5 )]} Onde: Pe é a probabilidade de um erro de decisão A é a tensão de pico do pulso de tensão s é a tensão rms do ruído k é uma constante, conhecida como função de erro. Isto mostra que a probabilidade de erro é proporcional à relação de A para s.

3 Esta relação é conhecida como relação sinal/ruído, e é normalmente expressa em decibéis (db). A probabilidade da ocorrência de erro aumenta à medida que a relação sinal/ruído diminui. Se colocarmos valores reais na expressão para Pe, encontramos que quando a relação sinal/ruído for maior que 18 db, a probabilidade de ocorrência de erro cai rapidamente com o aumento da relação S/N, enquanto que com uma relação S/N abaixo de 14 db a probabilidade se altera muito mais lentamente com a relação S/N. Valores típicos são: Pe = 10 2 para uma relação S/N de 14 db Pe = 10 4 para uma relação S/N de 17,5 db Pe = 10 8 para uma relação S/N de 21 db Uma probabilidade de erro de um em (Pe = 10 5 ) é considerada aceitável para sistemas de transmissão de dados reais. Relação sinal ruído A relação sinal/ruído, expressa normalmente em db, é geralmente um relação de tensões (lembre-se que ela pode ser expressa como uma relação de potências). Ela é dada por: S/N = 20log10(Vs/Vn) Onde Vs é a tensão do sinal e Vn é a tensão do ruído.

4 Princípios e Objetivos do Exercício 1 Este exercício introduz o conceito de ruído. Você vai ver como o ruído é aleatório e como a amplitude do ruído é mostrada, tanto no domínio do tempo, quanto no de freqüências. Ruído Em um sistema elétrico ou eletrônico, incluindo os sistemas de comunicações, sempre haverá sinais presentes que fazem com que sinais indesejados e espúrios estejam presentes na saída. Estes sinais são normalmente chamados de RUÍDO. Ruído pode vir de diversas fontes. Ele pode ser produzido pelo homem ou de fontes naturais. Por exemplo: ruído irradiado de um circuito de varredura de uma televisão ou de um contato elétrico que emite faíscas são produzidos pelo homem, enquanto que o ruído irradiado pelo Sol ou devido à ionização da atmosfera é de origem natural. Ruído ocorre aleatoriamente. Ele pode ser classificado em dois tipos: Ruído branco Ruído de impulso. Ruído branco tem um espectro amplo e plano de freqüências. Ruído de impulso é devido a uma série de distúrbios momentâneos e contém componentes de freqüência específicos com amplitudes bem diferentes. Nos exemplos dados, o contato com faiscamento é um ruído de impulso, enquanto que o ruído do Sol é um ruído branco. O gerador de ruído no workboard que você está usando produz uma saída que se aproxima do ruído branco. Se o ruído branco é observado no osciloscópio, sua tensão em um ponto determinado não é previsível. Ela é totalmente aleatória. Além disso, ele tem um espectro de freqüências totalmente plano e as amplitudes dos componentes são imprevisíveis e aleatórias também. Exercício 1 (Ruído) Tome um gerador de ruído como mostrado abaixo. Ajuste o controle de Nível da Portadora <3> ao mínimo e todos os outros controles na metade de seu curso. Monitore a saída do gerador usando o osciloscópio e o analisador de espectro. Responda as perguntas associadas com este exercício. Você vai precisar voltar a este exercício para fazer algumas medições de forma a responder as perguntas.

5 Perguntas do Exercício 1 1. Observe no osciloscópio a saída do gerador de ruído. Esteja certo que o nível da portadora <3> esteja no mínimo e ajuste o controle de nível de ruído <6> na posição intermediária. A amplitude do ruído é constante em relação ao tempo? Use o osciloscópio em grande escala para fazer uma estimativa da amplitude média da tensão do ruído. Ajuste o controle de nível de ruído <6> e verifique se a amplitude do ruído se altera. 2. Observe agora com o analisador de espectro a saída do gerador de ruído. Qual é a forma do espectro do ruído? 3. As características da saída do gerador se aproximam a que tipo de ruído?

6 Princípio e Objetivos do Exercício 2 Neste exercício você vai investigar os efeitos da introdução do ruído em um link de comunicações digital. Você vai ver que existe um limite definido abaixo do qual o ruído tem pouco ou nenhum efeito, mas acima do qual os efeitos são catastróficos. Ruído em um link Para ilustrar os efeitos típicos do ruído em um link de comunicações digital, um sinal em forma de triângulo é usado neste exercício. Isto é, obviamente, um sinal analógico. Ele deve ser convertido em uma seqüência digital antes de ser transmitido pelo link. Isto é feito pelo conversor analógico-digital (A/D). A forma de onda digitalizada é alimentada ao transmissor (Tx) para a transmissão pelo link. Neste exercício, o link é um link PCM em banda base, síncrono, apesar do que efeitos semelhantes podem ser encontrados independentemente do tipo de link usado. Em Tarefas posteriores, os efeitos serão investigados com mais detalhes. A forma de onda recebida e convertida pode então ser comparada com a onda triangular original. Sem que haja ruído algum injetado no sistema, as duas formas de onda devem ser muito semelhantes, demonstrando que o link está operando corretamente. O ruído pode então, ser injetado no link e seus efeitos podem ser observados investigando-se as formas de onda. Quando um bit que foi transmitido pelo link digital é recebido pelo receptor, a primeira operação que deve ser feita é determinar se se trata de um 1 ou de um 0. Se não houver ruído presente no link, a decisão sobre o estado do bit é feita normalmente sem erro. É como se houvesse um fio que conectasse Tx e Rx. Os circuitos do receptor têm portas lógicas cujas características são tais que existe uma faixa de tensões de entrada para a qual a tensão é considerada como um zero lógico, e outra faixa de valores para o um lógico. Estas faixas são bem largas, na prática. Se uma pequena quantidade de ruído estiver presente no link, a decisão ainda será feita sem erro, pois a amplitude do ruído não é suficiente para fazer com que o sinal ultrapasse sua faixa de valores e chaveie a porta lógica de entrada. Se mais ruído estiver presente, vai haver um ponto onde a amplitude instantânea do sinal seja suficientemente grande para chavear erroneamente a porta. Isto faz com que um 1 lógico seja registrado como um 0 lógico, ou vice-versa. Isto é, naturalmente, um erro. Se este erro ocorrer em um bit de dados, o resultado será a recepção de uma palavra errada. Com a onda triangular que está sendo usada neste exercício, isto é percebido como um glitch, um pico na forma de onda. Se este erro ocorrer numa palavra de sync, o link poderá perder o sincronismo por um período de tempo, até que a próxima palavra de sync seja reconhecida, re-sincronizando o link. O resultado será um período no qual a forma de onda de saída não está correta. Se a amplitude do ruído for suficiente, estes chaveamentos espúrios se tornam tão freqüentes que os dados e o sincronismo serão perdidos permanentemente e os dados decodificados estarão totalmente corrompidos. Exercício 2 (Ruído em um link) Neste exercício um sinal de entrada com uma onda triangular é digitalizado e transmitido por um enlace PCM. Use o osciloscópio para monitorar os sinais. Inicialmente ajuste o controle de Nível de Ruído <6> ao mínimo, o controle da largura de banda ao máximo e todos os outros controles no meio de seu curso.

7 Responda a todas as perguntas relacionadas com este Exercício. Você vai precisar voltar a este Exercício e fazer algumas medições de forma a responder as perguntas. Perguntas do Exercício 2 1. Esteja certo que o gerador de ruído está desligado (use a caixa Condições). Observe o sinal em diversos pontos do link com o osciloscópio. Os controles Dados 1 <8> e Dados 0 <9> devem ser ajustados de forma a obter um sinal na recepção. Estes controles definem os níveis limites do receptor. A onda recebida e decodificada (observe no ponto 27) tem a mesma forma que a que foi transmitida? 2. Alterne o gerador de ruído. Olhe no ponto de supervisão 27 com o osciloscópio e aumente suavemente o controle do Nível de Ruído <6> até que a forma de onda pareça se interromper. Então reduza o Nível de Ruído ligeiramente. Os controles de Dados 0 e 1 devem ser reajustados para obter um sinal na recepção. Observe o ponto 10 com o osciloscópio. Ligue e desligue o gerador de ruído. O sinal no ponto 10 se altera significativamente? 3. Olhe para o ponto 20 com o osciloscópio. Ligue e desligue o gerador de ruído. Ignore as alterações em amplitude do sinal (que é devido a uma característica do hardware do workboard que pode apenas trabalhar com uma amplitude máxima limitada de sinal + ruído, de forma que a amplitude do sinal é reduzida quando o sinal é aplicado). A forma do sinal no ponto 20 muda significativamente? 4. Você pode identificar o sinal desejado no ponto 20 quando o ruído é inserido? (Dica: O osciloscópio em grande escala dá uma visão melhor). 5. Reconecte o osciloscópio no ponto 27. Aumente o Nível de Ruído suavemente e observe a onda triangular desaparecer. Esta interrupção ocorre aos poucos, ou subitamente? Porque? 6. Você pode identificar agora o sinal digital desejado no ponto 20, quando o ruído é inserido?

8 Princípios e Objetivo do Exercício 3 Neste exercício você vai investigar o conceito da relação sinal/ruído aplicado às comunicações digitais. Presume-se que você tenha um conhecimento do significado das relações expressas em db. Relação Sinal/Ruído Como o nome sugere, isto é uma relação entre dois valores, normalmente expresso em db, entre a tensão do sinal e a tensão do ruído. É dada pela expressão: SNR = 20 log10(vs/vn) Onde Vs é a tensão do sinal e Vn a tensão do ruído. A forma do sinal digital é o de pulsos quadrados. A amplitude dos pulsos é normalmente considerada como a tensão pico a pico dos pulsos. Para obter a relação SNR correta, a amplitude do ruído deve ser considerada como pico a pico também. Isto é: SNR = 20 log10(vs p.p. /Vn p.p. ) Neste exercício você vai medir a amplitude do pulso, injetar o ruído e estimar a amplitude do ruído. A SNR pode então ser calculada. Como o ruído se aproxima do ruído branco, sua amplitude instantânea varia aleatoriamente. A medida pico a pico da amplitude que você executar será apenas um valor médio aproximado. Realmente, a forma mais comum de se medir o ruído é medindo a média estatística da amplitude por um período de tempo. Exercício 3 (Relação Sinal Ruído) Considere a fonte de informações com o ruído adicionado, como mostrado abaixo. Monitore seu sinal com o osciloscópio. Ajuste o controle do Nível de Ruído <6> no mínimo, o controle da largura de banda PCM <5> no máximo e todos os outros controles em suas posições intermediárias. Responda as perguntas associadas com este exercício. Você vai precisar voltar a este exercício para fazer algumas medidas de modo a responder as perguntas. Perguntas do Exercício 3 1. Assegure-se que o controle do Nível de Ruído <6> esteja no mínimo. Qual é a amplitude pico a pico da onda quadrada?

9 2. Ajuste o controle de Nível de Ruído <6> para aproximadamente um terço do curso. Observe o ruído no sinal. Qual é a amplitude pico a pico do componente de ruído? Isto pode ser difícil de medir com precisão, faça uma estimativa. 3. Qual é a relação sinal ruído aproximada, em db, para os valores acima? Resumo Nesta Tarefa você foi apresentado ao conceito de ruído associado com um sistema de comunicações digitais. Ruído branco e ruído impulsivo foram descritos e o workboard usa ruído branco para investigar os efeitos do ruído no link. Você pode investigar o espectro do ruído e ver que o ruído tem pouco efeito no desempenho de um link até que sua amplitude exceda um determinado limite, depois do qual o efeito pode ser catastrófico. Você foi apresentado ao conceito da relação sinal/ruído e calculou relações sinal ruído para o link.

Comunicações Digitais Manual do Aluno Capítulo 7 Workboard PCM e Análise de Link

Comunicações Digitais Manual do Aluno Capítulo 7 Workboard PCM e Análise de Link Comunicações Digitais Manual do Aluno Capítulo 7 Workboard PCM e Análise de Link Laboratório de Telecomunicações - Aula Prática 4 Sub-turma: 3 Nomes dos alunos: Tarefa 17 Ruído em um Link Digital Objetivo:

Leia mais

Tecnologia de faixa para falha

Tecnologia de faixa para falha Tecnologia de faixa para falha Por Tom Bell e John Nankivell Índice 1. Introdução 1 2. Equipamento de teste / processo de teste de PIM existente 2 3. Nova análise de RTF / limitações técnicas 3 4. Fluxograma

Leia mais

MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY Introdução ao Laboratório Eletrônico: 6.071 Laboratório 2: Componentes Passivos. 3º Trimestre de 2002

MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY Introdução ao Laboratório Eletrônico: 6.071 Laboratório 2: Componentes Passivos. 3º Trimestre de 2002 MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY Introdução ao Laboratório Eletrônico: 6.071 Laboratório 2: Componentes Passivos 1 Exercícios Pré-Laboratório Semana 1 1.1 Filtro RC 3º Trimestre de 2002 Figura 1:

Leia mais

1 Problemas de transmissão

1 Problemas de transmissão 1 Problemas de transmissão O sinal recebido pelo receptor pode diferir do sinal transmitido. No caso analógico há degradação da qualidade do sinal. No caso digital ocorrem erros de bit. Essas diferenças

Leia mais

Antenas, Cabos e Rádio-Enlace

Antenas, Cabos e Rádio-Enlace Alan Menk Santos alanmenk@hotmail.com www.sistemasul.com.br/menk Camada Física: Redes Sem Fio Antenas, Cabos e Rádio-Enlace Rádio Transmissor (Tx) Linha de Transmissão (LT) Antena Transmissora Meio de

Leia mais

Experimento 2 Gerador de funções e osciloscópio

Experimento 2 Gerador de funções e osciloscópio Experimento 2 Gerador de funções e osciloscópio 1. OBJETIVO O objetivo desta aula é introduzir e preparar o estudante para o uso de dois instrumentos muito importantes no curso: o gerador de funções e

Leia mais

Amostrador PAM A/D PCM D/A PAM Filtro. Figura 1 Digrama de Blocos PCM

Amostrador PAM A/D PCM D/A PAM Filtro. Figura 1 Digrama de Blocos PCM UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA SISTEMAS DE TELECOMUNICAÇÕES I AULA PRÁTICA MODULAÇÃO POR AMPLITUDE DE PULSOS 1. Introdução Como o sinal

Leia mais

EXPERÊNCIA 4 - MODULAÇÃO EM FREQUÊNCIA

EXPERÊNCIA 4 - MODULAÇÃO EM FREQUÊNCIA EXPERÊNCIA 4 - MODULAÇÃO EM FREQUÊNCIA Modulação em freqüência ocorre quando uma informação em banda básica modula a freqüência ou alta freqüência de uma portadora com sua amplitude permanecendo constante.

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PRJET DE REDES www.projetoderedes.com.br urso de Tecnologia em Redes de omputadores Disciplina: Redes I Fundamentos - 1º Período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA 1: onceitos de Redes de Dados

Leia mais

CDI 20705 Comunicação Digital

CDI 20705 Comunicação Digital CDI Comunicação Digital DeModulação em Banda Base Digital Communications Fundamentals and Applications Bernard Sklar ª edição Prentice Hall Marcio Doniak www.sj.ifsc.edu.br/~mdoniak mdoniak@ifsc.edu.br

Leia mais

CORRENTE CONTÍNUA E CORRENTE ALTERNADA

CORRENTE CONTÍNUA E CORRENTE ALTERNADA CORRENTE CONTÍNUA E CORRENTE ALTERNADA Existem dois tipos de corrente elétrica: Corrente Contínua (CC) e Corrente Alternada (CA). A corrente contínua tem a característica de ser constante no tempo, com

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA COLÉGIO TÉCNICO INDUSTRIAL DE SANTA MARIA Curso de Eletrotécnica

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA COLÉGIO TÉCNICO INDUSTRIAL DE SANTA MARIA Curso de Eletrotécnica UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA COLÉGIO TÉCNICO INDUSTRIAL DE SANTA MARIA Curso de Eletrotécnica Apostila de Automação Industrial Elaborada pelo Professor M.Eng. Rodrigo Cardozo Fuentes Prof. Rodrigo

Leia mais

1 Problemas de transmissão

1 Problemas de transmissão 1 Problemas de transmissão O sinal recebido pelo receptor pode diferir do sinal transmitido. No caso analógico há degradação da qualidade do sinal. No caso digital ocorrem erros de bit. Essas diferenças

Leia mais

Aula V Medição de Variáveis Mecânicas

Aula V Medição de Variáveis Mecânicas Aula V Medição de Variáveis Mecânicas Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Disciplina: Instrumentação e Automação Industrial I(ENGF99) Professor: Eduardo Simas(eduardo.simas@ufba.br) Sensores

Leia mais

Antena omni vs. antena direcional

Antena omni vs. antena direcional Antena omni vs. antena direcional Índice Introdução Pré-requisitos Requisitos Componentes Utilizados Convenções Definições básicas e conceitos da antena Efeitos internos Prós e contras da antena Omni Prós

Leia mais

Sistema de Numeração e Códigos. CPCX UFMS Prof. Renato F. dos Santos

Sistema de Numeração e Códigos. CPCX UFMS Prof. Renato F. dos Santos Sistema de Numeração e Códigos CPCX UFMS Prof. Renato F. dos Santos 2.4 Código BCD (Binary-coded decimal) Quando um número decimal é representado pelo seu número binário equivalente, dizemos que é uma

Leia mais

Comunicação de Dados. Aula 4 Conversão de Sinais Analógicos em digitais e tipos de transmissão

Comunicação de Dados. Aula 4 Conversão de Sinais Analógicos em digitais e tipos de transmissão Comunicação de Dados Aula 4 Conversão de Sinais Analógicos em digitais e tipos de transmissão Sumário Amostragem Pulse Amplitude Modulation Pulse Code Modulation Taxa de amostragem Modos de Transmissão

Leia mais

Obtenha medidas de potência de um sinal de fluxo abaixo DOCSIS usando um analisador de espectro

Obtenha medidas de potência de um sinal de fluxo abaixo DOCSIS usando um analisador de espectro Obtenha medidas de potência de um sinal de fluxo abaixo DOCSIS usando um analisador de espectro Índice Introdução Pré-requisitos Requisitos Componentes Utilizados Negação Convenções Compreendendo o monte

Leia mais

Sistemas de Controle Digital

Sistemas de Controle Digital ADL 24 Cap 13 Sistemas de Controle Digital Vantagens dos Computadores Digitais O uso de computadores digitais na malha leva às seguintes vantagens sobre os sistemas analógicos: (1) custo, (2) flexibilidade

Leia mais

Modulação por Pulsos

Modulação por Pulsos Modulação por Pulsos Propriedades Amostragem de sinais Modulação por amplitude de pulso (PAM) Modulação por pulso codificado (PCM) Modulação por largura de pulso (PWM) Modulação por posição de pulso (PPM)

Leia mais

2- Conceitos Básicos de Telecomunicações

2- Conceitos Básicos de Telecomunicações Introdução às Telecomunicações 2- Conceitos Básicos de Telecomunicações Elementos de um Sistemas de Telecomunicações Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Telecomunicações 2 1 A Fonte Equipamento que origina

Leia mais

Valor lógico UM (Verdade, 1): 5 Volts. Valor lógico ZERO (FALSO, 0): 0 Volts.

Valor lógico UM (Verdade, 1): 5 Volts. Valor lógico ZERO (FALSO, 0): 0 Volts. I FUNÇÔES E LOCOS LÓGICOS I.1 - SISTEMS DIGITIS - INTRODUÇÃO Sistemas Digitais Notas de ula 1 O mundo real apresenta duas representações para as medidas. Representação analógica e a representação digital.

Leia mais

Comunicação de Dados. Aula 5 Transmissão Analógica

Comunicação de Dados. Aula 5 Transmissão Analógica Comunicação de Dados Aula 5 Transmissão Analógica Sumário Modulação de sinais digitais Tipos de Modulação Taxa de transmissão x Taxa de modulação Modulação por amplitude Modulação por freqüência Modulação

Leia mais

1- Scilab e a placa Lab_Uino. 2- Instalação do ToolBox

1- Scilab e a placa Lab_Uino. 2- Instalação do ToolBox 1- Scilab e a placa Lab_Uino A placa Lab_Uino, é uma plataforma aberta para aprendizagem de sistemas microprocessados. Com a utilização de um firmware especifico a placa Lab_Uino é reconhecido pelo sistema

Leia mais

5 Setup de Medidas. 5.1. Introdução

5 Setup de Medidas. 5.1. Introdução 5 Setup de Medidas 5.1. Introdução Para realização desse trabalho foi montada uma configuração de setup de medidas em UHF, mais precisamente no canal 42, freqüência central de 641 MHz em acordo com o Plano

Leia mais

R O B Ó T I C A. Sensor Smart. Ultrassom. Versão Hardware: 1.0 Versão Firmware: 1.0 REVISÃO 1211.13. www.robouno.com.br

R O B Ó T I C A. Sensor Smart. Ultrassom. Versão Hardware: 1.0 Versão Firmware: 1.0 REVISÃO 1211.13. www.robouno.com.br R O B Ó T I C A Sensor Smart Ultrassom Versão Hardware: 1.0 Versão Firmware: 1.0 REVISÃO 1211.13 Sensor Smart Ultrassom 1. Introdução Os sensores de ultrassom ou ultrassônicos são sensores que detectam

Leia mais

Camada Física. Camada Física

Camada Física. Camada Física Camada Física Camada Física lida com a transmissão pura de bits definição do meio físico, níveis de tensão, duraçãodeumbit,taxade transmissão,comprimento máximo, construção dos conectores 1 Camada Física

Leia mais

MEDIÇÃO DE TAXA DE ERRO DE BIT Alba Angélica Ratis

MEDIÇÃO DE TAXA DE ERRO DE BIT Alba Angélica Ratis Universidade Federal do Rio Grande do Norte Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Instrumentação Eletrônica Professor: Luciano Cavalcanti MEDIÇÃO DE TAXA DE ERRO DE BIT Alba Angélica Ratis Este

Leia mais

CONVERSORES DIRECTOS

CONVERSORES DIRECTOS Temática Electrónica de Potência Capítulo Generalidades Secção Estruturas de conversão CONVERSORES DIRECTOS INTRODUÇÃO Neste curso, define-se o que se entende por conversor directo: é um circuito electrónico,

Leia mais

Manual de Instruções 98310 BALANÇA DE CARGA DE REFRIGERANTE SEM FIO 98315 BALANÇA DE CARGA DE REFRIGERANTE SEM FIO COM SOLENOIDE

Manual de Instruções 98310 BALANÇA DE CARGA DE REFRIGERANTE SEM FIO 98315 BALANÇA DE CARGA DE REFRIGERANTE SEM FIO COM SOLENOIDE Manual de Instruções 98310 BALANÇA DE CARGA DE REFRIGERANTE SEM FIO 98315 BALANÇA DE CARGA DE REFRIGERANTE SEM FIO COM SOLENOIDE INSTRUÇÕES OPERACIONAIS BALANÇA SEM FIO DE CARGA DE REFRIGERANTE BALANÇA

Leia mais

Bloco 3 do Projeto: Comparador com Histerese para Circuito PWM

Bloco 3 do Projeto: Comparador com Histerese para Circuito PWM Bloco 3 do Projeto: Comparador com Histerese para Circuito PWM O circuito de um PWM Pulse Width Modulator, gera um trem de pulsos, de amplitude constante, com largura proporcional a um sinal de entrada,

Leia mais

Sinais Senoidais. A unidade de freqüência no SI é o Hertz (Hz) e o tempo é dado em segundos (s).

Sinais Senoidais. A unidade de freqüência no SI é o Hertz (Hz) e o tempo é dado em segundos (s). Campus Serra COORDENADORIA DE AUTOMAÇÂO INDUSTRIAL Disciplina: ELETRÔNICA BÁSICA Professor: Vinícius Secchin de Melo Sinais Senoidais Os sinais senoidais são utilizados para se representar tensões ou correntes

Leia mais

CVMDDC - CONTROLE DE VELOCIDADE DO MOTOR DC

CVMDDC - CONTROLE DE VELOCIDADE DO MOTOR DC UFLA Universidade Federal de Lavras DEX Departamento de Ciências Exatas Bacharelado em CVMDDC - CONTROLE DE VELOCIDADE DO MOTOR DC Autor: Edna Mie Kanazawa Orientador: Wilian Soares Lacerda Lavras, novembro

Leia mais

COMUNICAÇÃO SERIAL ENTRE EQUIPAMENTOS

COMUNICAÇÃO SERIAL ENTRE EQUIPAMENTOS COMUNICAÇÃO SERIAL ENTRE EQUIPAMENTOS 1 Introdução Para transmitir ou receber informações de outros dispositivos é necessário que os sistemas automáticos sejam capazes de comunicarem-se com estes dispositivos.

Leia mais

3 Técnicas de conversão de comprimento de onda utilizando amplificador óptico semicondutor

3 Técnicas de conversão de comprimento de onda utilizando amplificador óptico semicondutor 3 Técnicas de conversão de comprimento de onda utilizando amplificador óptico semicondutor Neste capítulo, serão analisados os métodos de conversão de comprimento de onda, e como os sinais originais e

Leia mais

Fontes de Alimentação

Fontes de Alimentação Fontes de Alimentação As fontes de alimentação servem para fornecer energia eléctrica, transformando a corrente alternada da rede pública em corrente contínua. Estabilizam a tensão, ou seja, mesmo que

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE OS RECEPTORES DE CONVERSÃO DIRETA

CONSIDERAÇÕES SOBRE OS RECEPTORES DE CONVERSÃO DIRETA CONSIDERAÇÕES SOBRE OS RECEPTORES DE CONVERSÃO DIRETA Muito se tem falado sobre os receptores de conversão direta, mas muita coisa ainda é desconhecida da maioria dos radioamadores sobre tais receptores.

Leia mais

8 Otimização do Desempenho do EDFA num Sistema Óptico de Armazenamento de Pacotes por Linha de Atraso

8 Otimização do Desempenho do EDFA num Sistema Óptico de Armazenamento de Pacotes por Linha de Atraso 122 8 Otimização do Desempenho do EDFA num Sistema Óptico de Armazenamento de Pacotes por Linha de Atraso Nas redes WDM, os pacotes são encaminhados entre os diferentes nós da rede até o seu destino desde

Leia mais

AMPLIFICADOR HD 1600 HD 2200 HD 2800 MANUAL DE INSTRUÇÕES INTRODUCÃO INSTRUÇÕES DE INSTALAÇÃO - 1 - 1 CANAL - CLASSE D - 2 Ohms

AMPLIFICADOR HD 1600 HD 2200 HD 2800 MANUAL DE INSTRUÇÕES INTRODUCÃO INSTRUÇÕES DE INSTALAÇÃO - 1 - 1 CANAL - CLASSE D - 2 Ohms INTRODUCÃO AMPLIFICADOR MANUAL DE INSTRUÇÕES HD 1600 HD 2200 HD 2800 Nós da HURRICANE agradecemos pela escolha dos nossos produtos. Nossos amplificadores são projetados para oferecer a mais alta performance.

Leia mais

Laboratório 7 Circuito RC *

Laboratório 7 Circuito RC * Laboratório 7 Circuito RC * Objetivo Observar o comportamento de um capacitor associado em série com um resistor e determinar a constante de tempo do circuito. Material utilizado Gerador de função Osciloscópio

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES

ARQUITETURA DE COMPUTADORES 1 ARQUITETURA DE COMPUTADORES U C P Prof. Leandro Coelho Plano de Aula 2 Aula Passada Definição Evolução dos Computadores Histórico Modelo de Von-Neumann Básico CPU Mémoria E/S Barramentos Plano de Aula

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Introdução Inst tituto de Info ormátic ca - UF FRGS Redes de Computadores Transmissão de Informações nálise de Sinaisi ula 03 Transmissão é o deslocamento de ondas eletromagnéticas em um meio físico (canal

Leia mais

Aula 19. Conversão AD e DA Técnicas

Aula 19. Conversão AD e DA Técnicas Aula 19 Conversão AD e DA Técnicas Introdução As características mais importantes dos conversores AD e DA são o tempo de conversão, a taxa de conversão, que indicam quantas vezes o sinal analógico ou digital

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PETRÓPOLIS CENTRO DE ENGENHARIA E COMPUTAÇÃO

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PETRÓPOLIS CENTRO DE ENGENHARIA E COMPUTAÇÃO UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PETRÓPOLIS CENTRO DE ENGENHARIA E COMPUTAÇÃO Amanda 5ª Atividade: Codificador e codificação de linha e seu uso em transmissão digital Petrópolis, RJ 2012 Codificador: Um codoficador

Leia mais

CONTROLADOR LÓGICO PROGRAMAVEL

CONTROLADOR LÓGICO PROGRAMAVEL CONTROLADOR LÓGICO PROGRAMAVEL Controlador Lógico Programável ( Hardware ) Para aprendermos como funciona um CLP, é necessário uma análise de seus componentes básicos, utilizados por todos os CLPs disponíveis

Leia mais

Hamtronix CONTROLE REMOTO DTMF. CRD200 - Manual de Instalação e Operação. Software V 2.0 Hardware Revisão B

Hamtronix CONTROLE REMOTO DTMF. CRD200 - Manual de Instalação e Operação. Software V 2.0 Hardware Revisão B Hamtronix CRD200 - Manual de Instalação e Operação Software V 2.0 Hardware Revisão B INTRODUÇÃO Índice...01 Suporte On-line...01 Termo de Garantia...01 Em Caso de Problemas (RESET)...01 Descrição do Produto...02

Leia mais

Estrelas Variáveis Cefeidas Como Indicadores de Distâncias

Estrelas Variáveis Cefeidas Como Indicadores de Distâncias 1 Estrelas Variáveis Cefeidas Como Indicadores de Distâncias Eduardo Brescansin de Amôres, Raquel Yumi Shida (IAG-USP) 1. INTRODUÇÃO O que aprenderei nesta atividade? Você aprenderá como os astrônomos

Leia mais

Circuitos Digitais 144L

Circuitos Digitais 144L Circuitos Digitais Notas de Aula - 02 INSTITUTO: CURSO: DISCIPLINA: Instituto de Ciências Exatas e Tecnologia Ciência da Computação e Sistemas de Informação Circuitos Digitais 144L 1.0 Circuitos Combinacionais.

Leia mais

TRANSMISSÃO DE TV 1 TRANSMISSÃO COM POLARIDADE NEGATIVA

TRANSMISSÃO DE TV 1 TRANSMISSÃO COM POLARIDADE NEGATIVA STV 18 ABR 2008 1 TRANSMISSÃO DE TV método de se transmitir o sinal de imagem modulado em amplitude a amplitude de uma portadora de RF varia de acordo com uma tensão moduladora a modulação é o sinal de

Leia mais

NORMA PARA CERTIFICAÇÃO E HOMOLOGAÇÃO DE TRANSMISSORES E TRANSCEPTORES MONOCANAIS ANALÓGICOS AM

NORMA PARA CERTIFICAÇÃO E HOMOLOGAÇÃO DE TRANSMISSORES E TRANSCEPTORES MONOCANAIS ANALÓGICOS AM ANEXO À RESOLUÇÃO N o 370, DE 13 DE MAIO DE 2004. NORMA PARA CERTIFICAÇÃO E HOMOLOGAÇÃO DE TRANSMISSORES E TRANSCEPTORES MONOCANAIS ANALÓGICOS AM 1. Objetivo Esta norma estabelece os requisitos técnicos

Leia mais

UNIVERSIDADE DE MOGI DAS CRUZES - ENGENHARIA ELÉTRICA Prof. José Roberto Marques CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA DE POTÊNCIA

UNIVERSIDADE DE MOGI DAS CRUZES - ENGENHARIA ELÉTRICA Prof. José Roberto Marques CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA DE POTÊNCIA CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA DE POTÊNCIA Exp. 1 (Simulação) LABORATÓRIO DE SIMULAÇÂO DE FONTES CHAVEADAS O objetivo deste laboratório é simular fontes chaveadas Buck (abaixadora de potencial)

Leia mais

AD / DA. EXPERIMENTS MANUAL Manual de Experimentos Manual de Experimentos 1 M-1116A

AD / DA. EXPERIMENTS MANUAL Manual de Experimentos Manual de Experimentos 1 M-1116A AD / DA M-1116A *Only illustrative image./imagen meramente ilustrativa./imagem meramente ilustrativa. EXPERIMENTS MANUAL Manual de Experimentos Manual de Experimentos 1 Conteúdo 1. Objetivos 3 2. Experiência

Leia mais

V (t) = A sen 2π f t + A/3[sen 3 (2π f t)] + A/5[sen 5 ( 2π f t)] + A/7[sen 7 (2π f t)] + A/9[sen 9 (2π f t)]+

V (t) = A sen 2π f t + A/3[sen 3 (2π f t)] + A/5[sen 5 ( 2π f t)] + A/7[sen 7 (2π f t)] + A/9[sen 9 (2π f t)]+ Teoria de Fourier Domínio da Freqüência e Domínio do Tempo A teoria de Fourier estabelece que uma forma de onda periódica pode ser decomposta em harmônicos relacionados; senos ou cossenos em diferentes

Leia mais

Conectores de Vídeo Radiofreqüência (RF)

Conectores de Vídeo Radiofreqüência (RF) 15 Conectores de Vídeo Existem vários tipos de conexões de vídeo que você pode encontrar no PC e em aparelhos eletrônicos como TVs, aparelhos de DVD e videoprojetores. Apesar de a finalidade geral desses

Leia mais

Conversão Analógica Digital

Conversão Analógica Digital Slide 1 Conversão Analógica Digital Até agora, discutimos principalmente sinais contínuos (analógicos), mas, atualmente, a maioria dos cálculos e medições é realizada com sistemas digitais. Assim, precisamos

Leia mais

1 CIRCUITOS COMBINACIONAIS

1 CIRCUITOS COMBINACIONAIS Curso Técnico em Eletrotécnica Disciplina: Automação Predial e Industrial Professor: Ronimack Trajano 1 CIRCUITOS COMBINACIONAIS Um circuito digital é dito combinacional quando em um dado instante de tempo

Leia mais

Multiplexação de Displays

Multiplexação de Displays Multiplexação de Displays D.T. e J.R.B./200 (revisão) E.T.M./2003 (revisão da parte experimental) E.T.M./200 (revisão) E.T.M./2006 (revisão) RESUMO Nesta experiência são apresentados alguns conceitos sobre

Leia mais

1 Moldando Pulso para reduzir a largura de banda

1 Moldando Pulso para reduzir a largura de banda 1 Moldando Pulso para reduzir a largura de banda Pulsos quadrados não são práticos. São difíceis de serem gerados e requerem grande largura de banda. Além disso, em razão da largura de banda limitada do

Leia mais

23. SISTEMAS DE IGNIÇÃO

23. SISTEMAS DE IGNIÇÃO 23. SISTEMAS DE INFORMAÇÕES DE SERVIÇO 23-1 DIAGNÓSTICO DE DEFEITOS 23-1 DESCRIÇÃO DO SISTEMA 23-4 VELA DE 23-9 TESTE DE FAÍSCA 23-10 PONTO DE 23-11 BOBINA DE 23-12 SISTEMA CDI 23-13 SISTEMA DE TRANSISTORIZADA

Leia mais

Aparelho Celular. Estudo elaborado com intuito de facilitar a compreensão do funcionamento de um aparelho celular através de uma linguagem simples.

Aparelho Celular. Estudo elaborado com intuito de facilitar a compreensão do funcionamento de um aparelho celular através de uma linguagem simples. Aparelho Celular Estudo elaborado com intuito de facilitar a compreensão do funcionamento de um aparelho celular através de uma linguagem simples. O Diagrama em bloco do aparelho celular apresentado é

Leia mais

Modelo de Referência OSI. Modelo de Referência OSI. Modelo de Referência OSI. Nível Físico (1)

Modelo de Referência OSI. Modelo de Referência OSI. Modelo de Referência OSI. Nível Físico (1) Modelo de Referência OSI OSI (Open Systems Interconnection) Criado pela ISO (International Standards Organization) É um modelo abstrato que relaciona funções e serviços de comunicações em sete camadas.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL FÍSICA EXPERIMENTAL III INDUTORES E CIRCUITOS RL COM ONDA QUADRADA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL FÍSICA EXPERIMENTAL III INDUTORES E CIRCUITOS RL COM ONDA QUADRADA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL FÍSICA EXPERIMENTAL III INDUTORES E CIRCUITOS RL COM ONDA QUADRADA 1. OBJETIVO O objetivo desta aula é estudar o comportamento

Leia mais

ELETROTÉCNICA ELM ROTEIRO DA AULA PRÁTICA 01 A LEI DE OHM e AS LEIS DE KIRCHHOFF

ELETROTÉCNICA ELM ROTEIRO DA AULA PRÁTICA 01 A LEI DE OHM e AS LEIS DE KIRCHHOFF ELETROTÉCNICA ELM ROTEIRO DA AULA PRÁTICA 01 A LEI DE OHM e AS LEIS DE KIRCHHOFF NOME: TURMA: DATA: / / OBJETIVOS: Ler o valor nominal de cada resistor através do código de cores. Conhecer os tipos de

Leia mais

- 1 - RESUMO SISTEMA DE MEDIÇÃO DE CONSUMOS DE LINHA DA CANELA EM TEMPO REAL

- 1 - RESUMO SISTEMA DE MEDIÇÃO DE CONSUMOS DE LINHA DA CANELA EM TEMPO REAL - 1 - RESUMO SISTEMA DE MEDIÇÃO DE CONSUMOS DE LINHA DA CANELA EM TEMPO REAL A invenção consiste num sistema de medida em tempo real dos consumos de linha da canela em máquinas de ponto preso (classe 300

Leia mais

Principais Meios de Transmissão Par Trançado Cabo Coaxial Fibra Ótica Micro Ondas

Principais Meios de Transmissão Par Trançado Cabo Coaxial Fibra Ótica Micro Ondas Modelo de Comunicação Propósito principal A troca de informação entre dois agentes Comunicação de Computadores Comunicação de Dados Transmissão de Sinais Agente Dispositivo de entrada Transmissor Meio

Leia mais

ABAIXO ENCONTRAM-SE 10 QUESTÕES. VOCÊ DEVE ESCOLHER E RESPONDER APENAS A 08 DELAS

ABAIXO ENCONTRAM-SE 10 QUESTÕES. VOCÊ DEVE ESCOLHER E RESPONDER APENAS A 08 DELAS ABAIXO ENCONTRAM-SE 10 QUESTÕES. VOCÊ DEVE ESCOLHER E RESPONDER APENAS A 08 DELAS 01 - Questão Esta questão deve ser corrigida? SIM NÃO Um transformador de isolação monofásico, com relação de espiras N

Leia mais

5 Comportamento Dinâmico de um EDFA com Ganho Controlado sob Tráfego de Pacotes

5 Comportamento Dinâmico de um EDFA com Ganho Controlado sob Tráfego de Pacotes 86 5 Comportamento Dinâmico de um EDFA com Ganho Controlado sob Tráfego de Pacotes No capítulo anterior estudamos a resposta do EDFA sob variações lentas da potência em sua entrada e vimos que é possível

Leia mais

Amostragem e PCM. Edmar José do Nascimento (Princípios de Comunicações) http://www.univasf.edu.br/ edmar.nascimento

Amostragem e PCM. Edmar José do Nascimento (Princípios de Comunicações) http://www.univasf.edu.br/ edmar.nascimento Amostragem e PCM Edmar José do Nascimento (Princípios de Comunicações) http://www.univasf.edu.br/ edmar.nascimento Universidade Federal do Vale do São Francisco Roteiro 1 Amostragem 2 Introdução O processo

Leia mais

11. NOÇÕES SOBRE CONFIABILIDADE:

11. NOÇÕES SOBRE CONFIABILIDADE: 11. NOÇÕES SOBRE CONFIABILIDADE: 11.1 INTRODUÇÃO A operação prolongada e eficaz dos sistemas produtivos de bens e serviços é uma exigência vital em muitos domínios. Nos serviços, como a Produção, Transporte

Leia mais

Modem e rede local. Guia do Usuário

Modem e rede local. Guia do Usuário Modem e rede local Guia do Usuário Copyright 2007 Hewlett-Packard Development Company, L.P. As informações contidas neste documento estão sujeitas à alterações sem aviso. As únicas garantias para produtos

Leia mais

FAQs da Aplicação Porsche Track Precision. Índice. 1. Compatibilidade da aplicação 2. 2. Funções e operação 2

FAQs da Aplicação Porsche Track Precision. Índice. 1. Compatibilidade da aplicação 2. 2. Funções e operação 2 FAQs da Aplicação Porsche Track Precision Índice 1. Compatibilidade da aplicação 2 2. Funções e operação 2 3. Problemas de conectividade e resolução de problemas 5 1. Compatibilidade da aplicação 1.1 Que

Leia mais

Espectro da Voz e Conversão A/D

Espectro da Voz e Conversão A/D INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO LICENCIATURA EM ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA E DE COMPUTADORES GUIA DO 1º TRABALHO DE LABORATÓRIO DE SISTEMAS DE TELECOMUNICAÇÕES I Espectro da Voz e Conversão A/D Ano Lectivo de

Leia mais

Analisador de Espectros

Analisador de Espectros Analisador de Espectros O analisador de espectros é um instrumento utilizado para a análise de sinais alternados no domínio da freqüência. Possui certa semelhança com um osciloscópio, uma vez que o resultado

Leia mais

1 - Formas de ondas alternadas senoidais

1 - Formas de ondas alternadas senoidais 1 - Formas de ondas alternadas senoidais OBJETIVOS Familiarizar-se com as características de uma forma de onda senoidal, incluindo seu formato geral, valor médio e valor eficaz. Ser capaz de determinar

Leia mais

Radar CW com receptor IF. Receptor superheterodino de banda lateral

Radar CW com receptor IF. Receptor superheterodino de banda lateral Radar CW com receptor IF Receptor superheterodino de banda lateral 51 Largura de banda do receptor Espectro de frequência duma oscilação de onda contínua (a) de duração infinita (b) de duração finita (b)

Leia mais

Manual de Instruções. Crossover 4 Vias HD-X4W. Especificações Técnicas (Crossover 4 Vias) Nível máximo de entrada

Manual de Instruções. Crossover 4 Vias HD-X4W. Especificações Técnicas (Crossover 4 Vias) Nível máximo de entrada Especificações Técnicas (Crossover 4 Vias) Nível máximo de entrada 9V RMS Tweeter CH Crossover /octave 2K, 4K, 6K, 8K Mid CH Crossover /octave Low: 0, 0, 0Hz em Flat High:,, 1,Hz Mid Bass Crossover /octave

Leia mais

Tipos de malha de Controle

Tipos de malha de Controle Tipos de malha de Controle SUMÁRIO 1 - TIPOS DE MALHA DE CONTROLE...60 1.1. CONTROLE CASCATA...60 1.1.1. Regras para Selecionar a Variável Secundária...62 1.1.2. Seleção das Ações do Controle Cascata e

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA SÉRIE DE EXERCÍCIO #A22 (1) O circuito a seguir amplifica a diferença de

Leia mais

Modem e rede local. Guia do usuário

Modem e rede local. Guia do usuário Modem e rede local Guia do usuário Copyright 2007 Hewlett-Packard Development Company, L.P. As informações contidas neste documento estão sujeitas a alterações sem aviso. As únicas garantias para produtos

Leia mais

Comparativo entre câmeras analógicas e Câmeras IP.

Comparativo entre câmeras analógicas e Câmeras IP. Comparativo entre câmeras analógicas e Câmeras IP. VANTAGENS DAS SOLUÇÕES DE VIGILÂNCIA DIGITAL IP É verdade que o custo de aquisição das câmeras digitais IP, é maior que o custo de aquisição das câmeras

Leia mais

1 Modulação digital para comunicações móveis

1 Modulação digital para comunicações móveis 1 Modulação digital para comunicações móveis Tabela 1: Algumas modulações empregadas em telefonia celular Sistema Forma de Largura da Critério de Razão celular modulação portadora qualidade sinal-ruído

Leia mais

Sinais Elétricos Digital Analógico

Sinais Elétricos Digital Analógico Sinais Elétricos Digital Analógico Fatores que influenciam na distorção do sinal no meio de transmissão Ruído O ruído é caracterizado pela interferência de meios externos á rede, ou seja, podem ser oriundos

Leia mais

Electrónica dos Sistemas Embebidos. Guia de Laboratório II

Electrónica dos Sistemas Embebidos. Guia de Laboratório II Electrónica dos Sistemas Embebidos Guia de Laboratório II IST-2014 A -Objectivos Com este guia pretende-se tomar contacto com cada um dos blocos fundamentais do sistema de comunicações em PCM. Os sinais

Leia mais

Sistemas Multimédia. Ano lectivo 2006-2007. Aula 11 Conceitos básicos de Audio Digital. MIDI: Musical Instrument Digital Interface

Sistemas Multimédia. Ano lectivo 2006-2007. Aula 11 Conceitos básicos de Audio Digital. MIDI: Musical Instrument Digital Interface Sistemas Multimédia Ano lectivo 2006-2007 Aula 11 Conceitos básicos de Audio Digital Sumário Aúdio digital Digitalização de som O que é o som? Digitalização Teorema de Nyquist MIDI: Musical Instrument

Leia mais

Fundamentos de Redes de Computadores

Fundamentos de Redes de Computadores Fundamentos de Redes de Computadores Princípios de Comunicação de Dados Prof. Alexandre Dezem Bertozzi Divinópolis, fevereiro de 2003 1 Por que redes? É praticamente impossível não pensar em redes quando

Leia mais

Um especialista em manutenção preditiva

Um especialista em manutenção preditiva Análise de vibrações A UU L AL A Um especialista em manutenção preditiva foi chamado para monitorar uma máquina em uma empresa. Ele colocou sensores em pontos estratégicos da máquina e coletou, em um registrador,

Leia mais

INSTITUTO DE FÍSICA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. Grupo:... (nomes completos) Prof(a).:... Diurno ( ) Noturno ( ) Experiência 8 LINHA DE TRANSMISSÃO

INSTITUTO DE FÍSICA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. Grupo:... (nomes completos) Prof(a).:... Diurno ( ) Noturno ( ) Experiência 8 LINHA DE TRANSMISSÃO INSTITUTO DE FÍSICA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Laboratório de Eletromagnetismo (4300373) Grupo:......... (nomes completos) Prof(a).:... Diurno ( ) Noturno ( ) Data : / / Experiência 8 LINHA DE TRANSMISSÃO

Leia mais

Disciplina Eletrônica de Potência (ENGC48) Tema: Conversores de Corrente Contínua para Corrente Alternada (Inversores)

Disciplina Eletrônica de Potência (ENGC48) Tema: Conversores de Corrente Contínua para Corrente Alternada (Inversores) Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina Eletrônica de Potência (ENGC48) Tema: Conversores de Corrente Contínua para Corrente Alternada (Inversores)

Leia mais

1 Transmissão digital em banda base

1 Transmissão digital em banda base 1 Transmissão digital em banda base A transmissão digital oferece algumas vantagens no que diz respeito ao tratamento do sinal, bem como oferecimento de serviços: Sinal pode ser verificado para avaliar

Leia mais

05 - Camada de Física. 10 de novembro de 2014

05 - Camada de Física. 10 de novembro de 2014 05 - Camada de Física 10 de novembro de 2014 Conteúdo 2/33 3/33 Camada física Camada OSI mais baixa: PHY Natureza do meio Constituição Forma (dimensões dos fios) Parâmetros físicos (impedância, atenuação)

Leia mais

Conectar diferentes pesquisas na internet por um menu

Conectar diferentes pesquisas na internet por um menu Conectar diferentes pesquisas na internet por um menu Pré requisitos: Elaboração de questionário Formulário multimídia Publicação na internet Uso de senhas na Web Visualização condicionada ao perfil A

Leia mais

REPRESENTAÇÃO DE DADOS EM SISTEMAS DE COMPUTAÇÃO AULA 03 Arquitetura de Computadores Gil Eduardo de Andrade

REPRESENTAÇÃO DE DADOS EM SISTEMAS DE COMPUTAÇÃO AULA 03 Arquitetura de Computadores Gil Eduardo de Andrade REPRESENTAÇÃO DE DADOS EM SISTEMAS DE COMPUTAÇÃO AULA 03 Arquitetura de Computadores Gil Eduardo de Andrade O conteúdo deste documento é baseado no livro Princípios Básicos de Arquitetura e Organização

Leia mais

Cartilha Explicativa sobre o Software de Medição de Qualidade de Conexão (Serviço de Comunicação Multimídia)

Cartilha Explicativa sobre o Software de Medição de Qualidade de Conexão (Serviço de Comunicação Multimídia) Cartilha Explicativa sobre o Software de Medição de Qualidade de Conexão (Serviço de Comunicação Multimídia) Cartilha disponibilizada em atendimento ao disposto na Resolução Anatel n.º 574/2011 Página

Leia mais

Experimente os números binários!

Experimente os números binários! Experimente os números binários! Fornecido pelo TryEngineering - Foco da lição A lição enfoca como funciona o código binário e aplicações do binário para engenheiros de computação. A lição oferece ao estudante

Leia mais

Díodo de Junção Semicondutora

Díodo de Junção Semicondutora íodo de Junção emicondutora ispositivos Eletrónicos Licenciatura em Engenharia Electrónica C. Ferreira Fernandes 2012-13 Laboratório de ispositivos Electrónicos ÍOO E JUNÇÃO Material utilizado: Placa de

Leia mais

Controladores Lógicos Programáveis CLP (parte-3)

Controladores Lógicos Programáveis CLP (parte-3) Controladores Lógicos Programáveis CLP (parte-3) Mapeamento de memória Na CPU (Unidade Central de Processamento) de um CLP, todas a informações do processo são armazenadas na memória. Essas informações

Leia mais

AULA: Introdução à informática Computador Digital

AULA: Introdução à informática Computador Digital Campus Muriaé Professor: Luciano Gonçalves Moreira Disciplina: Informática Aplicada AULA: Introdução à informática Computador Digital Componentes de um computador digital : Hardware Refere-se às peças

Leia mais

Enunciados de Problemas

Enunciados de Problemas INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO LICENCIATURA EM ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA E DE COMPUTADORES Enunciados de Problemas de Sistemas de Telecomunicações I Ano Lectivo de 2002/2003 2.17 Admita que o coeficiente de

Leia mais

OSCILOSCÓPIO DIGITAL Tektronix TDS220 Guia Resumido

OSCILOSCÓPIO DIGITAL Tektronix TDS220 Guia Resumido Prof. Hamilton Klimach Janeiro de 2002 OSCILOSCÓPIO DIGITAL Tektronix TDS220 Guia Resumido Introdução Esse osciloscópio, como qualquer outro, tem por função apresentar a representação visual da tensão

Leia mais

MGE 144 Medidor Multigrandezas

MGE 144 Medidor Multigrandezas MGE 144 Medidor Multigrandezas Modo de uso do software IBIS_BE ABB Instrumentação 1 PROGRAMA IBIS BE Conexão Compatibilidade - Compatível com 486 8M RAM ou superior com 1 saída de comunicação serial disponível,

Leia mais