Universidade do Algarve Faculdade de Ciências e Tecnologia Área Departamental de Engenharia Electrónica e Computação

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Universidade do Algarve Faculdade de Ciências e Tecnologia Área Departamental de Engenharia Electrónica e Computação"

Transcrição

1 Universidade do Algarve Faculdade de Ciências e Tecnologia Área Departamental de Engenharia Electrónica e Computação Periféricos e Interfaces 2003/2004 Cursos de Informática e Ensino de Informática Exame Época Normal: 18 de Junho de 2004 Duração: 2 horas Leia atentamente todo o enunciado antes de começar o exame. Resolva o exame em folhas timbradas da Universidade do Algarve. Preencha o seu nome, número e curso em todas as folhas que entregar. Indique na primeira folha, quantas folhas de exame vai entregar. O exame deve ser resolvido a caneta e não é permitido o uso de corrector. O exame é sem consulta. É fornecida informação técnica adicional em anexo. O exame está cotado para 20 valores. A cotação de cada pergunta é dada entre parêntesis. Desligue o telemóvel. Boa sorte! Parte Teórica 1. No 8086, um endereço lógico é composto por um endereço de segmento de 16 bits e por um endereço de offset também de 16 bits. Indique como se transforma este endereço lógico num endereço físico de 20 bits. (1v) 2. Uma interrupção é um sinal que é enviado ao processador a requerer a sua atenção. Existem três tipos distintos de interrupções, descreva sucintamente cada um deles. (1.5 v) 3. Descreva sucintamente como é organizado fisicamente um disco rígido (qual é a sua estrutura física). (1.5v) 4. Qual o papel do controlador de disco rígido? O controlador de disco rígido deve ser considerado um periférico ou uma interface? Justifique. (1.5 v) 5. Para duas portas série comunicarem uma com a outra, a velocidade de comunicação e o modo de codificação dos dados tem que ser idêntica em ambas. Na totalidade, existem quatro parâmetros de comunicação série que é preciso definir. Indique quais são esses parâmetros. (1.5 v) 6. Imagine que pretendia realizar um jogo de computador em modo texto, onde existisse movimento de objectos no écran. Indique, justificando, qual seria a forma mais eficiente para implementar o efeito de movimento no écran (1 v). 1

2 Parte Prática 7. O teclado tem um buffer associado que ocupa as posições de memória de 41EH a 43DH inclusive. As posições actuais da cabeça e da cauda do buffer estão guardadas em posições com início em 41AH e 41CH, respectivamente. Manipulando directamente estas posições de memória, desenvolva um programa em C que indique o estado do buffer do teclado: Se está vazio, se está cheio, ou se contém informação sem estar cheio. (2 v) 8. Escreva um programa em C que mostre no écran o nome e tamanho em Kbytes dos ficheiros de sistema com data de última alteração anterior a 01/01/2000, existentes na directoria raiz da drive C. (3 v) 9. Existem vários tipos de FAT (FAT 12, FAT 16, FAT 32). Escreva um programa que, acedendo directamente ao disco, permita detectar qual o tipo de FAT do dispositivo. NOTA: Considere que o disco tem apenas uma partição. (2.5 v) 10. Escreva um programa em C que detecte qual a porta série activa e verifique se o UART está a funcionar por pooling, activando esse modo em caso negativo. (2 v) 11. Considerando o modo texto 80x25 a 16 cores, do subsistema vídeo VGA, cujo segmento de memória é o B800H, escreva um programa em C que posicione o cursor na linha 12, coluna 40, colocando nessa posição o caracter X, a preto sobre fundo branco, a piscar. (2.5 v) 2

3 ANEXO Informação Técnica Adicional Campo de atributo Campo da data do ficheiro Bit 0 = 1 Protegido para escrita Bits 0 a 4 Dia do mês Bit 1 = 1 Ficheiro escondido Bits 5 a 8 Mês do ano Bit 2 = 1 Ficheiro de sistema Bits 9 a 15 Ano (relativo a 1980) Bit 3 = 1 Nome do volume Bit 4 = 1 Subdirectoria Campo da hora do ficheiro Bit 5 = 1 Bit de arquivo Bits 0 a 4 Segundos Bit 6 Reservado Bits 5 a 10 Minutos Bit 7 Reservado Bits 11 a 15 Horas Estrutura da Área de Transferência do Disco Offset Tamanho (bytes) Descrição 0 21 Área reservada para o MS-DOS 21 1 Campo de atributo 22 2 Campo da hora 24 2 Campo da data 26 4 Tamanho do ficheiro em bytes Nome e extensão do ficheiro Status do teclado Byte na zona 0040:0017 Byte na zona 0040:0018 Bit 0 = 1 Shitf direita premida Bit 0 = 1 Crtl esquerda premida Bit 1 = 1 Shitf esquerda premida Bit 1 = 1 Alt esquerda premida Bit 2 = 1 Crtl premida Bit 2 = 1 SysReq premida Bit 3 = 1 Alt premida Bit 3 = 1 Pause Activa Bit 4 = 1 ScrollLock activo Bit 4 = 1 ScrollLock premida Bit 5 = 1 NumLock activo Bit 5 = 1 NumLock premida Bit 6 = 1 CapsLock activo Bit 6 = 1 CapsLock premida Bit 7 = 1 Insert activo Bit 7 = 1 Insert premida Porta Série Variável BIOS Porto Standard Registo Modem Control da Porta Série (porto base + 4) COM1 0040:0000H 3F8H 3FFH bit 0 se 1, PC pronto a receber COM2 0040:0002H 2F8H 2FFH bit 1 se 1, PC pronto a enviar COM3 0040:0004H 3E8H 3EFH bit 3 se 0, opera por pooling COM4 0040:0006H 2E8H 2EFH bit 4 se 1, realiza auto-teste Formato do byte de atributo em modo texto Cor de fundo Cor de texto Significa Piscar Vermelho Verde Azul Intensida Vermelho Verde Azul do de Bit

4 Serviços BIOS Interrupção/ Função 13H / 02H Lê sectores do disco ah = 02h al = quantidade de sectores ch = pista (low byte) cl = sector (bits 0 a 5) pista (2 high bits bits 6 e 7 ) dh = cabeça dl = drive (A: = 00H, C: = 80H) es = segmento buffer Descrição Entrada Saída bx = offset buffer 13H / 03H Escreve sectores ah = 03h al = quantidade de sectores ch = pista (low byte) cl = sector (bits 0 a 5) pista (2 high bits bits 6 e 7 ) dh = cabeça dl = drive (A: = 00H, C: = 80H) es = segmento buffer bx = offset buffer 10H / 00H Activa modo de vídeo ah = 00h al = modo vídeo (*) 10H / 01H Altera o tamanho do cursor ah = 01h ch = linha de início cl = linha de fim 10H / 02H Activa a posição do cursor ah = 02h dh = nº da linha dl = nº da coluna 10H / 03H Lê a posição do cursor ah = 03h (ok) ah = estado (0 se ok, código de erro se não ok) al = quantidade de sectores lidos (ok) ah = estado (0 se ok, código de erro se não ok) al = quantidade de sectores escritos ch = linha de início do cursor cl = linha de fim do cursor dh = nº da linha no écran dl = nº da coluna no écran 4

5 Serviços BIOS (continuação) Interrupção/ Descrição Entrada Saída Função 10H / 05H Define a página activa ah = 05h al = nº da página 10H / 08H Lê caracter e atributo ah = 08h ah = atributo al = caracter 10H / 09H Escreve caracter e atributo ah = 09h al = caracter bl = atributo cx = nº de vezes que repete o caracter 10H / 0FH Obtém modo de vídeo actual ah = 0fh (*) códigos de alguns dos modos de vídeo: 01H = 40x25 texto a 16 cores 03H = 80x25 texto a 16 cores 04H = 320x200 gráfico a 4 cores ah = nº de caracteres por linha al = modo vídeo Serviços DOS Interrupção 21H Função Descrição Entrada Saída 1AH Define endereço dta ah = 1ah dta dx = offset da dta 4EH Encontra 1ª entrada na directoria 4FH Encontra a próxima entrada na directoria ah = 4eh cx = atributo string com o nome da directoria ah = 4fh dta contém informação relativa à entrada anterior 41H Apaga ficheiro ah = 41h string com nome ficheiro, dta contém a informação, dta contém a informação 5

6 Serviços DOS Interrupção 21H (continuação) Função Descrição Entrada Saída 43H Activa/obtém os atributos do ficheiro ah = 43h string com nome ficheiro Para obter atributos: al = 00h Para activar atributos: al = 01h cx = atributos 5BH Cria um novo ficheiro ah = 5bh cx = atributo string com nome ficheiro 3DH Abre um ficheiro ah = 3dh al = código tipo de acesso (só leitura = 0; só escrita = 1; leitura/escrita = 2) string com nome ficheiro 3EH Fecha um ficheiro ah = 3eh bx = handle 3FH Lê de um ficheiro ah = 3fh bx = handle cx = número de bytes a ler ds = segmento do buffer com os dados lidos dx = offset do buffer com os dados lidos cx = atributos (se chamado com al = 00h) ax = handle ax = handle ax = nº bytes lidos ds:dx = buffer 6

7 Serviços DOS Interrupção 21H (continuação) Função Descrição Entrada Saída 40H Escreve num ficheiro ah = 40h bx = handle cx = número de bytes a escrever ds = segmento do buffer com os dados dx = offset do buffer com os dados ax = nº de bytes escritos 0EH Selecciona drive activa ah = 0eh dl = código drive (A: = 00H, C: =80H) al = nº de drives no sistema 19H Obtém a drive actual ah = 19h al = código da drive (A: = 00h, C: = 80H) 39H Cria uma directoria ah = 39h string com caminho 3AH Apaga uma directoria ah = 3ah string com caminho 3BH Altera directoria corrente ah = 3bh string com caminho 47H Obtém directoria actual ah = 47h dl = código da drive (A: = 00h, C: = 80H) ds = segmento do buffer de 64 bytes si = offset do buffer ds:si = string com o caminho 7

8 Estruturas envolvidas em C struct WORDREGS { unsigned int ax, bx, cx, dx, si, di, cflag, flags; }; struct BYTEREGS { unsigned char al, ah, bl, bh, cl, ch, dl, dh; }; union REGS { struct WORDREGS x; struct BYTEREGS h; }; struct SREGS { unsigned int es; unsigned int cs; unsigned int ss; unsigned int ds; }; Instruções úteis em C Instrução peek Ler uma WORD da memória. int peek (unsigned segment, unsigned offset); Instrução peekb Ler um BYTE da memória. char peekb (unsigned segment, unsigned offset); Instrução poke Escrever uma WORD para memória. void poke (unsigned segment, unsigned offset, int valor); Instrução pokeb Escrever um BYTE da memória. void poke (unsigned segment, unsigned offset, char valor); Instrução inport Lê um valor do porto especificado. unsigned inport (unsigned numero_porto); Instrução inportb Lê um BYTE do porto especificado. unsigned char inportb (unsigned numero_porto); Instrução outport Envia uma WORD para o porto especificado. void outport (unsigned numero_porto, unsigned valor); Instrução outportb Envia um BYTE para o porto especificado. void outportb (unsigned numero_porto, unsigned char valor); Instrução int86 Chama uma interrupção de software. int int86 (int numero_interrupção, union REGS *inregs, union REGS *outregs); 8

9 Instruções úteis em C (continuação) Instrução int86x Chama uma interrupção de software estendida. int int86x (int numero_interrupção, union REGS *inregs, union REGS *outregs, struct SREGS *segregs); Instrução intdos Chama uma interrupção de dos. int intdos ( union REGS *inregs, union REGS *outregs); Instrução intdosx Chama uma interrupção de dos estendida. int intdosx ( union REGS *inregs, union REGS *outregs, struct SREGS *segregs); 9

Uso de interrupções de BIOS/DOS

Uso de interrupções de BIOS/DOS Uso de interrupções de BIOS/DOS Prof. Ronaldo Hüsemann Mapa de Memória FFFFFh F0000h C0000h B8000h A0000h BIOS (ROM) Reservado Memória de Vídeo (Texto e Gráfica) Memória de Vídeo (Parte Gráfica) Área para

Leia mais

INT 5h - Print screen Modo Resolução Caract. INT 10h - Vídeo INT 10h - Vídeo

INT 5h - Print screen Modo Resolução Caract. INT 10h - Vídeo INT 10h - Vídeo BIOS Basic Input/Output System BIOS e System Calls Prof. Eduardo Tavares eagt@cin.ufpe.br Primeira instrução a ser executada (0xFFFF0-0xFFFFF) Configuração inicial do sistema Inicialização do boot loader

Leia mais

Periféricos e Interfaces Ano lectivo 2003/2004 Docente: Ana Paula Costa. Aula Teórica 12

Periféricos e Interfaces Ano lectivo 2003/2004 Docente: Ana Paula Costa. Aula Teórica 12 Sumário: A tabela de partições do disco rígido. A root directory. A FAT. Os serviços BIOS para disco. Aula Teórica 12 Leitura Recomendada: Capítulos 28 e 29 - Hans-Peter Messmer, The Indispensable PC Hardware

Leia mais

Interface Hardware/Software. Centro de Informática - UFPE Paulo Maciel prmm@cin.ufpe.br

Interface Hardware/Software. Centro de Informática - UFPE Paulo Maciel prmm@cin.ufpe.br Interface Hardware/Software Centro de Informática - UFPE Paulo Maciel prmm@cin.ufpe.br Interrupção INT 1Ah Ler o Relógio; Atualizar o Relógio; Ler a Data; Atualizar a Data. 2 Interrupção - INT 1Ah Ler

Leia mais

Entradas/Saídas. Programação por espera activa Programação por interrupções

Entradas/Saídas. Programação por espera activa Programação por interrupções Entradas/Saídas Programação por espera activa Programação por interrupções Programação por espera activa 1. O programa lê o estado do periférico: CPU pede ao controlador (IN) o valor no registo ESTADO

Leia mais

ORGANIZAÇÃO BÁSICA DE COMPUTADORES E LINGUAGEM DE MONTAGEM

ORGANIZAÇÃO BÁSICA DE COMPUTADORES E LINGUAGEM DE MONTAGEM PROGRAMAÇÃO DE VIDEO MODO TEXTO MONITOR DE VÍDEO MONOCROMÁTICO E COLORIDO ADAPTADORES DE VÍDEO CONTROLADORES + MEMÓRIA DE VÍDEO MODOS DE VÍDEO MODO GRÁFICO (PIXELS) E TEXTO (80 COLUNAS x 25 LINHAS) MODO

Leia mais

Linguagem de Montagem

Linguagem de Montagem Linguagem de Montagem Organização do PC Slides baseados em material associado ao livro Introduction to Assembly Language Programming, Sivarama Dandamudi 1 Processador Pentium Lançado em 1993 Versão melhorada

Leia mais

2 - Processadores. CEFET-RS Curso de Eletrônica. Organização de Computadores. Profs. Roberta Nobre & Sandro Silva

2 - Processadores. CEFET-RS Curso de Eletrônica. Organização de Computadores. Profs. Roberta Nobre & Sandro Silva CEFET-RS Curso de Eletrônica 2 - Processadores Profs. Roberta Nobre & Sandro Silva robertacnobre@gmail.com e sandro@cefetrs.tche.br Microprocessador 8086 FX ULA AH AL BH BL CH CL DH DL BP SI DI SP (AX)

Leia mais

Os 3 principais tipos de Instruções (INSTRUTION SET) dos up são:

Os 3 principais tipos de Instruções (INSTRUTION SET) dos up são: Linguagem Assembly Os 3 principais tipos de Instruções (INSTRUTION SET) dos up são: INSTRUÇÕES DE TRANSFERÊNCIA DE DADOS - Movem dados entre Registradores, Registradores e Memória e Valores Fixos para

Leia mais

Aula Prática 1 Introdução à programação Assembly no DOS usando TASM Bruno Silva bs@cin.ufpe.br lauro Moura lauromoura@gmail.com

Aula Prática 1 Introdução à programação Assembly no DOS usando TASM Bruno Silva bs@cin.ufpe.br lauro Moura lauromoura@gmail.com Interface Hardware Software Aula Prática 1 Introdução à programação Assembly no DOS usando TASM Bruno Silva bs@cin.ufpe.br lauro Moura lauromoura@gmail.com Conteúdo Visão geral do processo TASM / TLINK

Leia mais

Computador. 1982: os computadores são ferramentas que nos permitem fazer cálculos rápida e comodamente

Computador. 1982: os computadores são ferramentas que nos permitem fazer cálculos rápida e comodamente Computador Algumas definições 1982: os computadores são ferramentas que nos permitem fazer cálculos rápida e comodamente 1985: calculador electrónico usado na investigação espacial e actualmente já noutros

Leia mais

Controlo remoto HP Media (somente em alguns modelos) Manual do utilizador

Controlo remoto HP Media (somente em alguns modelos) Manual do utilizador Controlo remoto HP Media (somente em alguns modelos) Manual do utilizador Copyright 2008 Hewlett-Packard Development Company, L.P. Windows e Windows Vista são marcas registadas da Microsoft Corporation

Leia mais

1. Os caracteres (p.ex: a, A, 8,!, +, etc) são representados no computador através da codificação ASCII (American Standard Code for

1. Os caracteres (p.ex: a, A, 8,!, +, etc) são representados no computador através da codificação ASCII (American Standard Code for FICHA DE TRABALHO Nº 1 MÓDULO: EQUIPAMENTOS ACTIVOS DE REDES DATA: / 03 / 2010 FORMADOR: EDUARDO SEQUEIRA FICHA LABORATORIAL 1. Os caracteres (p.ex: a, A, 8,!, +, etc) são representados no computador através

Leia mais

Gerenciamento de Entrada e Saída Hélio Crestana Guardia e Hermes Senger

Gerenciamento de Entrada e Saída Hélio Crestana Guardia e Hermes Senger Gerenciamento de Entrada e Saída Hélio Crestana Guardia e Hermes Senger O controle da entrada e saída (E/S ou I/O, input/output) de dados dos dispositivos é uma das funções principais de um sistema operacional.

Leia mais

OBJECTIVO Modelo personalizado com marcas d água

OBJECTIVO Modelo personalizado com marcas d água ICHA OBJECTIVO Modelo personalizado com marcas d água Actualmente é possível criar e guardar um modelo personalizado em formato digital, que poderá, por exemplo, substituir o tradicional papel timbrado.

Leia mais

8. Perguntas e Respostas

8. Perguntas e Respostas Arquimedes Manual do Utilizador 185 8. Perguntas e Respostas 8.1. Aparência Para conservar a disposição na qual estão expostas as B.D. no ecrã e para que em posteriores sessões de trabalho tenham a mesma

Leia mais

Técnicas de Programação: ESTRUTURAS, UNIÕES E TIPOS DEE UFPB

Técnicas de Programação: ESTRUTURAS, UNIÕES E TIPOS DEE UFPB Técnicas de Programação: ESTRUTURAS, UNIÕES E TIPOS DEFINIDOS PELO USUÁRIO Prof. Protásio DEE UFPB 1 Estruturas É uma coleção de variáveis que são referenciadas sob um único nome. Uma estrutura fornece

Leia mais

Introdução à estrutura e funcionamento de um Sistema Informático

Introdução à estrutura e funcionamento de um Sistema Informático Introdução à estrutura e funcionamento de um Sistema Informático Elementos que constituem o Computador O funcionamento do computador é possível devido aos vários elementos interligados que o constituem:

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO E MEDIDAS

INSTRUMENTAÇÃO E MEDIDAS INSTRUMENTAÇÃO E MEDIDAS TRABALHO N.º1 ACCIONAR DISPOSITIVOS EXTERNOS ATRAVÉS DA PORTA PARALELA Duração do trabalho 2 aulas práticas CIRCUITO 1 Objectivos Compreender o funcionamento da porta paralela

Leia mais

Entradas/Saídas. Programação por interrupções Conceitos gerais Programação da porta série Transmissão

Entradas/Saídas. Programação por interrupções Conceitos gerais Programação da porta série Transmissão Entradas/Saídas Programação por interrupções Conceitos gerais Programação da porta série Transmissão Problemas a resolver Como identificar a interrupção? Motivo da interrupção Que rotina executar? Como

Leia mais

UNIDADE 2: Sistema Operativo em Ambiente Gráfico

UNIDADE 2: Sistema Operativo em Ambiente Gráfico UNIDADE 2: Sistema Operativo em Ambiente Gráfico Ambiente de trabalho Configurações Acessórios O Sistema Operativo (SO) é o conjunto de programas fundamentais que permitem que o computador funcione e comunique

Leia mais

Existem três formas básicas de efectuar operações de entrada/saída:

Existem três formas básicas de efectuar operações de entrada/saída: Unidades de I/O Interface Entrada/Saída Existem três formas básicas de efectuar operações de entrada/saída entrada/saída isoladaas instruções IN e OUT transferem dados entre o registo AX ou a memória e

Leia mais

Periféricos e Interfaces Ano lectivo 2003/2004 Docente: Ana Paula Costa. Aula Teórica 11

Periféricos e Interfaces Ano lectivo 2003/2004 Docente: Ana Paula Costa. Aula Teórica 11 Sumário: O disco rígido e a disquete estrutura física. Como os dados são armazenados fisicamente. Como o MS-DOS organiza o disco. O registo de boot. Aula Teórica 11 Leitura Recomendada: Capítulos 28 e

Leia mais

Visão Artificial Para a Indústria. Manual do Utilizador

Visão Artificial Para a Indústria. Manual do Utilizador Visão Artificial Para a Indústria Manual do Utilizador Luis Fonseca Carvalho de Matos ( luis.matos@ua.pt ) Julho de 2007 Índice de conteúdos 1. Apresentação......1 1.Conceito de Funcionamento......1 2.

Leia mais

CRIANDO UM SISTEMA OPERACIONAL BÁSICO Por: Fernando Birck aka Fergo

CRIANDO UM SISTEMA OPERACIONAL BÁSICO Por: Fernando Birck aka Fergo CRIANDO UM SISTEMA OPERACIONAL BÁSICO Por: Fernando Birck aka Fergo 2 SUMÁRIO 1. Introdução 3 2. Aplicativos 4 3. Processo de boot 5 4. Interrupts 6 5. Criando o Loader 7 6. Criando o Kernel 9 7. Gravando

Leia mais

ORGANIZAÇÃO BÁSICA DE COMPUTADORES E LINGUAGEM DE MONTAGEM

ORGANIZAÇÃO BÁSICA DE COMPUTADORES E LINGUAGEM DE MONTAGEM Cap1.1 ORGANIZAÇÃO BÁSICA DE COMPUTADORES E LINGUAGEM DE MONTAGEM 1. Conceitos básicos Bit = BInary digit = vale sempre 0 ou 1 elemento básico de informação Byte Word = 8 bits processados em paralelo (ao

Leia mais

No final desta sessão o formando deverá ser capaz de aceder ao Word e iniciar um novo documento.

No final desta sessão o formando deverá ser capaz de aceder ao Word e iniciar um novo documento. Sessão nº 2 Iniciar um novo documento Objectivos: No final desta sessão o formando deverá ser capaz de aceder ao Word e iniciar um novo documento. Iniciar um novo documento Ao iniciar-se o Word, este apresenta

Leia mais

Programação de Computadores I. Linguagem C Arquivos

Programação de Computadores I. Linguagem C Arquivos Linguagem C Arquivos Prof. Edwar Saliba Júnior Novembro de 2011 Unidade 12 Arquivos 1 Trabalhando com Arquivos Um arquivo em Linguagem C pode representar diversas coisas, como: arquivos em disco, uma impressora,

Leia mais

CONCEITOS ESSENCIAIS E SISTEMAS OPERATIVOS EM AMBIENTE GRÁFICO. Informação Automática. Informática

CONCEITOS ESSENCIAIS E SISTEMAS OPERATIVOS EM AMBIENTE GRÁFICO. Informação Automática. Informática CONCEITOS ESSENCIAIS E SISTEMAS OPERATIVOS EM AMBIENTE GRÁFICO Sandra Silva 2008 Unicenter. Todos os direitos reservados O que é Informática A palavra informática surgiu: Informação Automática Informática

Leia mais

Manual do Software Versão 2.0

Manual do Software Versão 2.0 Manual do Software Versão 2.0 1.0 INSTALAÇÃO 5 1.1 Software e acessórios 5 1.2 Instalação do software sob Windows 95/98/NT 5 1.3 Instalação da interface 7 2.0 O ECRÃ INICIAL 8 2.1 Iniciar o programa 8

Leia mais

Laboratório de Sistemas Processadores e Periféricos

Laboratório de Sistemas Processadores e Periféricos Laboratório de Sistemas Processadores e Periféricos Sistema de Interrupções do 8086 Prática 11 Gustavo G. Parma Assunto: sistema de interrupcões do 8086. Interrupções do DOS Objetivos: Apresentação do

Leia mais

Folha de Cálculo Introdução à Folha de Cálculo

Folha de Cálculo Introdução à Folha de Cálculo Introdução à Folha de Cálculo O Excel é uma folha de cálculo capaz de guardar dados, executar cálculos e gerar gráficos. Introdução à Folha de Cálculo Uma folha de cálculo, por exemplo o Excel, permite

Leia mais

Programação Engenharia Informática (11543) 1º ano, 1º semestre Tecnologias e Sistemas de Informação (6619) 1º ano, 1º semestre

Programação Engenharia Informática (11543) 1º ano, 1º semestre Tecnologias e Sistemas de Informação (6619) 1º ano, 1º semestre Programação Engenharia Informática (11543) 1º ano, 1º semestre Tecnologias e Sistemas de Informação (6619) 1º ano, 1º semestre Cap. 01 Fundamentos de Computadores Sumário : Conceitos básicos: computador,

Leia mais

Interruptor KVM Cabo USB/HDMI 2-Portas

Interruptor KVM Cabo USB/HDMI 2-Portas Interruptor KVM Cabo USB/HDMI 2-Portas Manual do Utilizador DS-11900 Versão 1.0 Índice 1 INTRODUÇÃO... 3 1.1 CARACTERÍSTICAS... 3 1.2 ESQUEMA FÍSICO... 3 1.3 CONTEÚDO DA EMBALAGEM... 4 2 ESPECIFICAÇÕES...

Leia mais

Instituto Superior Técnico Licenciatura em Engenharia Informática e de Computadores. Projecto de. Arquitectura de Computadores.

Instituto Superior Técnico Licenciatura em Engenharia Informática e de Computadores. Projecto de. Arquitectura de Computadores. Instituto Superior Técnico Licenciatura em Engenharia Informática e de Computadores Projecto de Arquitectura de Computadores Jogo dos Blocos (variante do Arkanoid) (Versão 1.0) 2008/2009 Índice 1 Objectivo...

Leia mais

28/3/2011. Família Intel 80x86. Arquitetura dos Processadores Intel 80x86

28/3/2011. Família Intel 80x86. Arquitetura dos Processadores Intel 80x86 Arquitetura de Computadores Arquitetura dos Processadores Intel 80x86 Prof. Marcos Quinet Universidade Federal Fluminense UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO Família Intel 80x86 Ao se falar

Leia mais

SISTEMAS DIGITAIS Universidade Católica - Exercício I

SISTEMAS DIGITAIS Universidade Católica - Exercício I SISTEMAS DIGITAIS Universidade Católica - Exercício I Nome do Aluno : Gabarito 1) Associe as definições abaixo : (a) Base de Numeração (b) Símbolos de um sistema de numeração (c) Valor de um número (d)

Leia mais

Trabalho Prático Nº2 Escrita e Leitura em Portos IO

Trabalho Prático Nº2 Escrita e Leitura em Portos IO Trabalho Prático Nº2 Escrita e Leitura em Portos IO 1. OBJECTIVOS - Saber efectuar a escrita e leitura em portos de entrada saída num PC num com operativo DOS e Windows. 2. INTRODUÇÃO Para este trabalho

Leia mais

INTRODUÇÃO AO WORD Processamento de texto

INTRODUÇÃO AO WORD Processamento de texto Ficha de trabalho n.º1 Objectivos: Escrever/formatar texto Formatar imagens Inserir uma tabela Criar uma pasta Guardar um documento INTRODUÇÃO AO WORD Processamento de texto - No processo de introdução

Leia mais

Sistema de Memórias de Computadores

Sistema de Memórias de Computadores Sistema de Memórias de Computadores Uma memória é um dispositivo que permite um computador armazenar dados temporariamente ou permanentemente. Sabemos que todos os computadores possuem memória. Mas quando

Leia mais

ESCOLA TÉCNICA DATA WAY Av. Francisco Glicério, 777 - Telefone: (19) 3233-2815. 4. Entrada e Saída

ESCOLA TÉCNICA DATA WAY Av. Francisco Glicério, 777 - Telefone: (19) 3233-2815. 4. Entrada e Saída 4. Entrada e Saída Para que um programa torne-se minimamente funcional é preciso que ele receba dados do meio externo (teclado, mouse, portas de comunicação, drives de disco, etc.) e emita o resultado

Leia mais

Sistemas Operativos I

Sistemas Operativos I Arquitectura de um Computador Maria João Viamonte / Luis Lino Ferreira Fevereiro de 2006 Sumário Arquitectura de um Computador Estrutura de I/O Estrutura de Armazenamento Hierarquia de Armazenamento Protecção

Leia mais

Linguagem C Tipos de Dados. void; escalares; sizeof Vectores; strings em C Estruturas Introdução ao pré-processador

Linguagem C Tipos de Dados. void; escalares; sizeof Vectores; strings em C Estruturas Introdução ao pré-processador Linguagem C Tipos de Dados void; escalares; sizeof Vectores; strings em C Estruturas Introdução ao pré-processador Funções void void pode ser usado em lugar de um tipo, para indicar a ausência de valor

Leia mais

3. MS-DOS» Introdução » Conceitos Básicos » Gestão de Ficheiros » Comandos

3. MS-DOS» Introdução » Conceitos Básicos » Gestão de Ficheiros » Comandos 3. MS-DOS» Introdução - Software de sistema - Software de suporte» Conceitos Básicos - Estrutura do DOS - Arranque do Sistema - Estrutura da Linha de comando - Formatação de disquetes» Gestão de Ficheiros

Leia mais

Instalação. Conteúdos da embalagem

Instalação. Conteúdos da embalagem Este Guia de Início Rápido fornece linhas de orientação para instalar e utilizar a IRISPen. Para mais informações acerca de todas as funcionalidades da IRISPen, consulte o Manual do Utilizador completo

Leia mais

Periféricos e Interfaces Ano lectivo 2003/2004 Docente: Ana Paula Costa. Aula Teórica 20

Periféricos e Interfaces Ano lectivo 2003/2004 Docente: Ana Paula Costa. Aula Teórica 20 Sumário: Os subsistemas vídeo. A RAM vídeo. Aula Teórica 20 Leitura Recomendada: Capítulo 37 - Hans-Peter Messmer, The Indispensable PC Hardware Book, Addison-Wesley. Capítulos 4 e 11 - Peter Norton, Peter

Leia mais

3 Introdução às chamadas ao sistema

3 Introdução às chamadas ao sistema 3 Introdução às chamadas ao sistema 3.1 Chamadas ao sistema e à BIOS As chamadas ao sistema ou System Calls consistem nos serviços disponibilizados pelo núcleo do sistema operativo. O principio é semelhante

Leia mais

MANUAL DO UTILIZADOR DO CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO

MANUAL DO UTILIZADOR DO CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO MANUAL DO UTILIZADOR DO CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO ÍNDICE Introdução 3 1. COMO ENTRAR NA BASE DE DADOS BIBLIOGRÁFICOS? 4 2. PESQUISAR 5 2.1. Pesquisa Simples 5 2.2. Pesquisa Avançada 5 3. ÍNDICES 7 4. NOVIDADES

Leia mais

Software Básico. Conceito de Linguagem de Máquina e Montagem: introdução ao Assembly. Prof. MSc. Hugo Vieira L. Souza

Software Básico. Conceito de Linguagem de Máquina e Montagem: introdução ao Assembly. Prof. MSc. Hugo Vieira L. Souza Software Básico Conceito de Linguagem de Máquina e Montagem: introdução ao Assembly Prof. MSc. Hugo Vieira L. Souza Este documento está sujeito a copyright. Todos os direitos estão reservados para o todo

Leia mais

Variáveis e Comandos de Atribuição

Variáveis e Comandos de Atribuição BCC 201 - Introdução à Programação Variáveis e Comandos de Atribuição Guillermo Cámara-Chávez UFOP 1/47 Estrutura Básica de um programa C I < d i r e t i v a s do pré p r o c e s s a d o r > < d e c l

Leia mais

Curso:... Prova de Sistemas de Informação para Bibliotecas (21105) Nome:... Nº de Estudante:... B. I. nº... Assinatura do Vigilante:...

Curso:... Prova de Sistemas de Informação para Bibliotecas (21105) Nome:... Nº de Estudante:... B. I. nº... Assinatura do Vigilante:... Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior Curso:... Prova de Sistemas de Informação para Bibliotecas (21105) Data: [Modelo] Nome:... Nº de Estudante:... B. I. nº... Assinatura do Vigilante:...

Leia mais

Estruturas de Dados. Profa. Juliana Pinheiro Campos

Estruturas de Dados. Profa. Juliana Pinheiro Campos Estruturas de Dados Profa. Juliana Pinheiro Campos Arquivos ESTRUTURAS DE DADOS Técnicas para que possamos salvar e recuperar informações em arquivos de maneira estruturada. Assim será possível implementar

Leia mais

5.2 - Armazenamento em Disco

5.2 - Armazenamento em Disco CEFET-RS Curso de Eletrônica 5.2 - Armazenamento em Disco Aspectos LógicosL Formatação e Sistemas de Arquivos Profs. Roberta Nobre & Sandro Silva robertacnobre@gmail.com e sandro@cefetrs.tche.br Unidade

Leia mais

Módulo 1 Microsoft Word 2007 ( 4 Horas)

Módulo 1 Microsoft Word 2007 ( 4 Horas) No final deste módulo o formando deverá estar apto a: Enunciar a definição do Microsoft Word 2007; Reconhecer as principais vantagens da utilização; Distinguir as diferentes áreas do ambiente de trabalho

Leia mais

1 Funções básicas de implementação de arquivos

1 Funções básicas de implementação de arquivos 1 Funções básicas de implementação de arquivos 1.1 Definindo registros Depois de um objeto do mundo real ter sido modelado, ou seja, após seus atributos importantes (e relevantes) terem sido identificados,

Leia mais

OBJECTIVO Quebras de página

OBJECTIVO Quebras de página FICHA 20 OBJECTIVO Quebras de página As quebras de página utilizam-se para começar a escrever na página seguinte antes de chegar ao fim da actual. No final deste exercício o utilizador deverá estar apto

Leia mais

Figure 2 - Nós folhas de uma árvore binária representando caracteres ASCII

Figure 2 - Nós folhas de uma árvore binária representando caracteres ASCII A ocorrência tamanho ASCII codificação de Huffman é um A Codificação método de compactação de Huffman caracteres (American e a variável codificação dos usado símbolos Standard para por cada muitas no Code

Leia mais

Algoritmos e Estruturas de Dados I 01/2013. Estruturas Condicionais e de Repetição (parte 2) Pedro O.S. Vaz de Melo

Algoritmos e Estruturas de Dados I 01/2013. Estruturas Condicionais e de Repetição (parte 2) Pedro O.S. Vaz de Melo Algoritmos e Estruturas de Dados I 01/2013 Estruturas Condicionais e de Repetição (parte 2) Pedro O.S. Vaz de Melo Problema 1 Suponha que soma (+) e subtração (-) são as únicas operações disponíveis em

Leia mais

O cursor se torna vermelho e uma Paleta de Edição contendo as instruções mais utilizadas é apresentada.

O cursor se torna vermelho e uma Paleta de Edição contendo as instruções mais utilizadas é apresentada. Editor de Ladder para VS7 Versão Teste O editor de ladder é um software de programação que permite que o VS7 e o µsmart sejam programados em linguagem de contatos. Esse editor está contido na pasta Público

Leia mais

Gestor de Janelas Gnome

Gestor de Janelas Gnome 6 3 5 Gestor de Janelas Gnome Nesta secção será explicado o funcionamento de um dos ambientes gráficos disponíveis no seu Linux Caixa Mágica, o Gnome. Na figura 5.1 apresentamos o GDM, o sistema gráfico

Leia mais

Alguns truques do Excel. 1- Títulos com inclinação. 2- Preencha automaticamente células em branco

Alguns truques do Excel. 1- Títulos com inclinação. 2- Preencha automaticamente células em branco Alguns truques do Excel 1- Títulos com inclinação No Excel é possível colocar o conteúdo das células na vertical. Para além disto, pode-se escolher o grau de inclinação. Para isto, seleccione as células

Leia mais

7. Instruções lógicas, de deslocamento e de rotação

7. Instruções lógicas, de deslocamento e de rotação 7. Instruções lógicas, de deslocamento e de rotação São instruções que permitem mudar o padrão de bits num byte (8 bits) ou numa palavra (16 bits). Linguagens de alto nível (exceto C) não permitem manipular

Leia mais

Características da Câmara de Look 312P. Instalar a Câmara de Look 312P

Características da Câmara de Look 312P. Instalar a Câmara de Look 312P Características da Câmara de Look 312P 1 2 3 Objectiva Focagem manual através do ajuste da objectiva Bolsa Pode colocar o cabo na bolsa. Corpo dobrável Pode ajustar a Look 312P em diferentes posições.

Leia mais

Ajuda do software OBELISK top2 V3.0

Ajuda do software OBELISK top2 V3.0 Ajuda do software OBELISK top2 V3.0 Índice Índice 1 Introdução 2 2 Ajuda da ajuda 3 3 Iniciar o programa 3 4 Interface do utilizador 4 5 Configurações do programa 6 6 Programar comutações 8 7 Programar

Leia mais

PRODUTO: IDENTIFICADOR DE CHAMADAS Ic-Box SUB-PRODUTO: DESCRIÇÃO: PROTOCOLO DE COMUNICAÇÃO USB/SERIAL ELABORAÇÃO: FABIO / Wagner ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

PRODUTO: IDENTIFICADOR DE CHAMADAS Ic-Box SUB-PRODUTO: DESCRIÇÃO: PROTOCOLO DE COMUNICAÇÃO USB/SERIAL ELABORAÇÃO: FABIO / Wagner ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PRODUTO: IDENTIFICADOR DE CHAMADAS Ic-Box SUB-PRODUTO: DESCRIÇÃO: PROTOCOLO DE COMUNICAÇÃO USB/SERIAL ELABORAÇÃO: FABIO / Wagner ÁREA: TEC 1 Equipamentos: 1. IC-Box com interface USB/serial 2. Microcomputador

Leia mais

UNIDADE 2: Sistema Operativo em Ambiente Gráfico

UNIDADE 2: Sistema Operativo em Ambiente Gráfico Ambiente Gráfico Configurações Acessórios O Sistema Operativo (SO) é o conjunto de programas fundamentais que permitem que o computador funcione e que comunique com o exterior. Actualmente o Windows é

Leia mais

EXPERIÊNCIA 17 USO DO TEMPORIZADOR INTERNO

EXPERIÊNCIA 17 USO DO TEMPORIZADOR INTERNO EXPERIÊNCIA 17 USO DO TEMPORIZADOR INTERNO Parte I Fundamentos Teóricos O que diferencia um microcontrolador (como o 8051) de um microprocessador é o fato de que o primeiro pode apresentar, integrados

Leia mais

Manual técnico da Registadora SAM4S SPS-530. Versão: 1.0.1 Nº de actualizações: 1

Manual técnico da Registadora SAM4S SPS-530. Versão: 1.0.1 Nº de actualizações: 1 Manual Técnico da Registadora SAM4S SPS-530 Manual técnico da Registadora SAM4S SPS-530 Versão: 1.0.1 Nº de actualizações: 1 2 Índice 3 Configuração de dispositivos... 4 SAM4S Mux... 6 SAM4S Gaveta...

Leia mais

ESCOLA EB2,3/S Dr. ISIDORO DE SOUSA

ESCOLA EB2,3/S Dr. ISIDORO DE SOUSA ESCOLA EB2,3/S Dr. ISIDORO DE SOUSA Passos para Ligar 1. Verificar se o projector de Vídeo está ligado à corrente tomada do lado esquerdo do quadro, junto à porta, caso não esteja ligue a ficha tripla

Leia mais

IRISPen Air 7. Guia rápido. (Windows & Mac OS X)

IRISPen Air 7. Guia rápido. (Windows & Mac OS X) IRISPen Air 7 Guia rápido (Windows & Mac OS X) Este Guia rápido do utilizador ajuda-o a dar os primeiros passos com o IRISPen Air TM 7. Leia este guia antes de utilizar o scanner e o respetivo software.

Leia mais

Sistemas. Microcomputadorizados

Sistemas. Microcomputadorizados 1 Sistemas Microcomputadorizados UNESP/FEG/DEE José Celso Freire Junior Tópicos 2 Introdução Padrões de Interfaceamento Os processadores 8088/8086 Interfaceamento com o 8086 Os processadores 80386/80486

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE BRAGANÇA ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E DE GESTÃO. Engenharia Electrotécnica. Microprocessadores. 2ºano - 1ºsemestre

INSTITUTO POLITÉCNICO DE BRAGANÇA ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E DE GESTÃO. Engenharia Electrotécnica. Microprocessadores. 2ºano - 1ºsemestre INSTITUTO POLITÉCNICO DE BRAGANÇA ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E DE GESTÃO Engenharia Electrotécnica Microprocessadores 2ºano - 1ºsemestre Microprocessador 8085 Exercícios de Programação em Linguagem

Leia mais

http://www.risesecurity.org Rodrigo Rubira Branco rodrigo@kernelhacking.com rodrigo@risesecurity.org

http://www.risesecurity.org Rodrigo Rubira Branco rodrigo@kernelhacking.com rodrigo@risesecurity.org Ataques Polimórficos Rodrigo Rubira Branco rodrigo@kernelhacking.com rodrigo@risesecurity.org A idéia - Detectores de intrusos utilizam-se de assinaturas de ataques para identificação dos mesmos - Sistemas

Leia mais

8. Instruções de multiplicação e divisão

8. Instruções de multiplicação e divisão Cap8.1 8. Instruções de multiplicação e divisão 8.1 Instruções de multiplicação MUL fonte IMUL fonte MUL (multiply) -> usada com números em representação não-sinalizada IMUL (integer multiply) -> usada

Leia mais

Akropole Catequista. Todos os Ficheiros no Akropole Catequista trabalham com uma simples barra de edição, com 4 botões:

Akropole Catequista. Todos os Ficheiros no Akropole Catequista trabalham com uma simples barra de edição, com 4 botões: Akropole Catequista O Akropole Catequista em três tempos... Este texto é um pequeno manual de introdução ao Akropole Catequista. Umas das características deste programa é o facto deste não necessitar de

Leia mais

Controlo de acessos em rede

Controlo de acessos em rede Manual do software Controlo de acessos em rede Access (Versão do software: 1.0.2) (Versão do documento: 1.0.9) Para mais informação, visite o nosso website: www.simonalert.com Página - 1 - Para mais informação,

Leia mais

Componentes de um Sistema de Operação

Componentes de um Sistema de Operação Componentes de um Sistema de Operação Em sistemas modernos é habitual ter-se os seguintes componentes ou módulos: Gestor de processos Gestor da memória principal Gestor da memória secundária Gestor do

Leia mais

1 - SISTEMA DE FICHEIROS NO WINDOWS - - - - - - - - - - - -3

1 - SISTEMA DE FICHEIROS NO WINDOWS - - - - - - - - - - - -3 ÍNDICE 1 - SISTEMA DE FICHEIROS NO WINDOWS - - - - - - - - - - - -3 1.1 FAT - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - 3 1.1.1 - Organização da FAT - - - - - - -

Leia mais

LINGUAGEM C. Estrutura básica de um programa

LINGUAGEM C. Estrutura básica de um programa LINGUAGEM C Estrutura básica de um programa Um programa em linguagem C é constituído por uma sequência de funções (módulos) que em conjunto irão permitir resolver o problema proposto. Estas funções contêm

Leia mais

Importante! Especificações. Instalação

Importante! Especificações. Instalação Importante! Introdução LD000020 Adaptador USB Powerline Sweex Antes de mais, gostaríamos de agradecer-lhe ter escolhido adquirir o adaptador Powerline. Com a ajuda deste adaptador Powerline, é possível

Leia mais

Actualização, Cópias de Segurança e Recuperação de Software

Actualização, Cópias de Segurança e Recuperação de Software Actualização, Cópias de Segurança e Recuperação de Software Manual do utilizador Copyright 2006 Hewlett-Packard Development Company, L.P. Microsoft e Windows são marcas registadas da Microsoft Corporation

Leia mais

Persistência de Dados

Persistência de Dados Persistência de s Universidade do Estado de Santa Catarina - Udesc Centro de Ciências Tecnológicas - CCT Departamento de Ciência da Computação Tecnologia de Sistemas de Informação Estrutura de s II - DAD

Leia mais

ITENS FUNDAMENTAIS. Profª Angélica da Silva Nunes

ITENS FUNDAMENTAIS. Profª Angélica da Silva Nunes ITENS FUNDAMENTAIS Profª Angélica da Silva Nunes CONCEITOS BÁSICOS Hardware - é a parte física do computador, tais como: teclado, monitor de vídeo, etc. Software - são os programas e aplicativos que permitem

Leia mais

1 o º ciclo. Índice TUTORIAL

1 o º ciclo. Índice TUTORIAL 1 o º ciclo Índice ABRIR O WORD..2 E AGORA VAMOS À ESCRITA....4 TIPO DE LETRA.. 5 IMAGENS E GRAFISMOS...5 GUARDAR UM DOCUMENTO...6 IMPRIMIR UM DOCUMENTO...7 SAIR DO DOCUMENTO E DO WORD. 8 TUTORIAL O que

Leia mais

LINEAR EQUIPAMENTOS RUA SÃO JORGE, 267/269 - TELEFONE: (11) 2823-8800 SÃO CAETANO DO SUL - SP - CEP: 09530-250

LINEAR EQUIPAMENTOS RUA SÃO JORGE, 267/269 - TELEFONE: (11) 2823-8800 SÃO CAETANO DO SUL - SP - CEP: 09530-250 LINEAR EQUIPAMENTOS RUA SÃO JORGE, 267/269 - TELEFONE: (11) 2823-8800 SÃO CAETANO DO SUL - SP - CEP: 09530-250 1 SISTEMA HCS 2005 PROTOCOLO DE COMUNICAÇÃO (Baseado no Guarita Vr5.0x Última modificação:

Leia mais

Programação ao nível da máquina. Operações lógicas e aritméticas

Programação ao nível da máquina. Operações lógicas e aritméticas Programação ao nível da máquina Operações lógicas e aritméticas Operações lógicas e aritméticas Operações: aritméticas: add, sub, inc, dec, cmp lógicas: and, or, xor, not Realizadas pela ALU (Arithmetic

Leia mais

Conjunto organizado de informações da mesma natureza, agrupadas numa unidade independente de processamento informático

Conjunto organizado de informações da mesma natureza, agrupadas numa unidade independente de processamento informático Sistema Operativo Definição de ficheiro: Conjunto organizado de informações da mesma natureza, agrupadas numa unidade independente de processamento informático Características dos ficheiros: Ocupam uma

Leia mais

Linguagem C. Programação Estruturada. Fundamentos da Linguagem. Prof. Luis Nícolas de Amorim Trigo nicolas.trigo@ifsertao-pe.edu.

Linguagem C. Programação Estruturada. Fundamentos da Linguagem. Prof. Luis Nícolas de Amorim Trigo nicolas.trigo@ifsertao-pe.edu. Programação Estruturada Linguagem C Fundamentos da Linguagem Prof. Luis Nícolas de Amorim Trigo nicolas.trigo@ifsertao-pe.edu.br Sumário Estrutura Básica Bibliotecas Básicas Tipos de Dados Básicos Variáveis/Declaração

Leia mais

Manual do Utilizador. Câmara Dash

Manual do Utilizador. Câmara Dash Manual do Utilizador Câmara Dash 87230 1. Conteúdo da Embalagem DVR Ednet para carro Cabo de alimentação 1,2 m Montagem por sucção Manual do Utilizador Carregador de carro 2. Vista Geral do Produto 1 2

Leia mais

FACENS Engenharia Mecatrônica Sistemas de Computação Professor Machado. Memória Armazenamento Sistema de Arquivos

FACENS Engenharia Mecatrônica Sistemas de Computação Professor Machado. Memória Armazenamento Sistema de Arquivos FACENS Engenharia Mecatrônica Sistemas de Computação Professor Machado Memória Armazenamento Sistema de Arquivos 1 Hierarquia de Memórias 2 Partes físicas associadas à memória Memória RAM Memória ROM Cache

Leia mais

Integração dos Leitores RFID no autómato programável

Integração dos Leitores RFID no autómato programável Integração dos Leitores RFID no autómato programável Neste breve documento são apresentados os equipamentos disponibilizados, as suas características e modos de funcionamento. Serão descritos os diferentes

Leia mais

Projeto 1 - Bootloader

Projeto 1 - Bootloader Projeto 1 - Bootloader IF677 - Infra-Estrutura de Software Centro de Informática - UFPE Autor: Thyago Porpino (tnp) Objetivos Desmistificar o processo de inicialização de um computador. Entender como um

Leia mais

DeviceNet Drive Profile CFW-09

DeviceNet Drive Profile CFW-09 Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas DeviceNet Drive Profile CFW09 Manual da Comunicação Manual da Comunicação DeviceNet Drive Profile Série: CFW09 Idioma: Português Versão de Software:

Leia mais

Sistemas Operacionais. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Sistemas Operacionais. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Sistemas Operacionais Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Estruturas de Sistemas Operacionais Um sistema operacional fornece o ambiente no qual os programas são executados. Internamente,

Leia mais

Guia do Utilizador para o DS500E e o DS800E. Dangerfield May 2006V2 Delphi PSS

Guia do Utilizador para o DS500E e o DS800E. Dangerfield May 2006V2 Delphi PSS Guia do Utilizador para o DS500E e o DS800E 1 ÍNDICE Componentes principais... 3 Menu principal... 14 Programa de diagnóstico.....35 Inserção de chave de Hardware. 44 Actualizar firmware...47 Comunicação

Leia mais

Manipulação de Arquivos

Manipulação de Arquivos 1 Manipulação de Arquivos Para realizar E/S em arquivo, você precisa incluir o arquivo-cabeçalho fstream.h nos programas. Esse arquivo define muitas classes e valores importantes. Abrindo e fechando um

Leia mais

Programação: Tipos, Variáveis e Expressões

Programação: Tipos, Variáveis e Expressões Programação de Computadores I Aula 05 Programação: Tipos, Variáveis e Expressões José Romildo Malaquias Departamento de Computação Universidade Federal de Ouro Preto 2011-1 1/56 Valores Valor é uma entidade

Leia mais

Acetatos de apoio às aulas teóricas

Acetatos de apoio às aulas teóricas Microprocessadores e Aplicações Acetatos de apoio às aulas teóricas Ana Cristina Lopes Dep. Engenharia Electrotécnica http://orion.ipt.pt anacris@ipt.pt Ana Cristina Lopes, 24 de Outubro de 2004 Microprocessadores

Leia mais