Aula Prática 1 Introdução à programação Assembly no DOS usando TASM Bruno Silva lauro Moura

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Aula Prática 1 Introdução à programação Assembly no DOS usando TASM Bruno Silva bs@cin.ufpe.br lauro Moura lauromoura@gmail.com"

Transcrição

1 Interface Hardware Software Aula Prática 1 Introdução à programação Assembly no DOS usando TASM Bruno Silva lauro Moura

2 Conteúdo Visão geral do processo TASM / TLINK HELPPC Estrutura do Programa Teclado: Interrupção 16h Vídeo: Interrupção 10h Exercícios Referências

3 Criando programas Compilação Montagem Geração do código em linguagem de montagem. Geração do código objeto. Ligação Geração do executável a partir do objeto.

4 Criando programas Foco na montagem e ligação

5 Criando programas São necessárias 3 ferramentas: Editor (óbvio...) Montador Linker(ligador) Exemplos Editor -> edit, notepad, context Montador -> nasm, tasm Linker -> tlink

6 TASM (Turbo assembler) Montador da Borland(age em conjunto com o linker TLINK também da Borland) Traduz programas *.asm para *.obj Enquanto o linker traduz programas *.obj para *.exe ou *.com dependendo de forma de montar e ligar

7 Sua Excelência, HELPPC!

8

9 Estrutura do programa no modo real (16-bits).model small.data myvar db gbooo$.code main mov mov ds, ax mov dx, offset myvar mov ah, 09h int 21h mov ax, 4c00h int 21h end main

10 Modelos...

11 Modelos... (não da Victoria's Secret, por enquanto...)

12 Modelos...de memória! Sintaxe:.MODEL <model> <model> define o modelo da memória alocada que pode ser: SMALL COMPACT MEDIUM LARGE HUGE

13 Dados, dados, dados... Diretiva.DATA Aréa do programa que guarda as variáveis que serão utilizadas ex:.model SMALL.Data array DB 12,45,88,A2,B5

14 Pilhas (não-alcalinas) Diretiva:.STACK Reserva espaço de memória para as Instruções de pilha Sintaxe.STACK [size] se nada for definido o default é 1K ex:.model SMALL.DATA.STACK

15 The brain Diretiva.CODE Inicia o segmento de código Sintaxe.CODE [name] Podem existir vários segmentos de código no seu programa é aconselhável que haja apenas um (KISS).

16 Modelo de um programa Assembly.MODEL small.data.stack.code inicio: ;define o entry point END inicio

17 Run it, baby, run it!!! Vá para o diretório corrente para onde está o seu programa fonte e execute ->tasm NomeDoPrograma[.asm] em seguida ->tlink NomeDoPrograma[.obj] se não der problema, o código.exe ja está disponível

18 Dividir para conquistar (KISS!!!!) Procedimentos! <nome> proc... <nome> endp Argumentos passados pela pilha ou pelos registradores.

19 The Keyboard

20

21 Interrupção 16h BIOS Leitura de valores Tecla disponível Teclas de status

22 Int 16h / Ah = 00h Lê uma tecla do teclado. Trava até uma tecla estar disponível. Sem eco... Retorno: ah: Scan code al: ASCII code

23 Scan codes?!?!?! Códigos individuais das teclas. PageDown, Setas, Alt possuem scan codes? Representação interna.

24 Int 16h / Ah = 01h Vê se uma tecla está disponível. Solução para o deadlock da interrupção anterior Tecla disponível? Zero flag! Retorno (se tiver alguma tecla): Idêntico à função anterior. Não limpa o buffer...

25 Int 16h / Ah = 02h Teclas de Status (Insert, Scroll, Caps, etc...) Due to a bug in the BIOS code, these bits only reflect the current status of these keys, they do not necessarily reflect the status of these keys when the next key to be read from the system type ahead buffer was depressed. In order to ensure that these status bits correspond to the state of these keys when a scan code is read from the type ahead buffer, you've got to flush the buffer, wait until a key is pressed, and then immediately check the keyboard status. [AOA Chapter 13.3]

26 Exemplo: Ler String String = Seqüência de caracteres ASCII. Lê uma String terminada por '$'. arquivo str.asm procedimento getstring Argumentos / Retorno: DS:DX = Buffer de armazenamento Retorna nada

27 Vídeo(Modos de Operação) Existem 21 modos de vídeo(dependendo da placa de vídeo) que se classificam em: Modo Texto Modo Gráfico

28 Vídeo(Coordenadas) O monitor pode ser considerado como um plano cartesiano com coodenadas da seguinte forma: (0, 0) canto esquerdo superior do vídeo (0, y_máx)esquerdo inferior do vídeo (x_máx, 0)direito superior do vídeo (x_máx, y_máx)direito superior do vídeo

29 Int 10h / Ah = 0Eh Escreve um caractere na tela atualizando o cursor AL recebe o código ascii do caractere a ser escrito BH recebe o numero da página em modo de texto BL recebe a cor do caractere em modo vídeo Não retorna nada

30 Int 10h / Ah = 0Ah Escreve um caractere na tela sem atualizar o cursor AL recebe o código ascii do caractere a ser escrito BH recebe o numero da página em modo de texto BL recebe a cor do caractere em modo vídeo Não retorna nada

31 Int 10h / Ah = 03h Lê a posição do Cursor e Tamanho BH recebe o numero da página de vídeo Retorna DH linha DL coluna CH e CL o tamanho do cursor

32 Int 10h / Ah = 02h Seta a posição do Cursor BH recebe o numero da página de vídeo DH recebe a linha DL recebe a coluna

33 Int 10h / Ah = 00h Muda o modo de vídeo AL recebe o tipo do modo escolhido Veja o helppc para ver os modos de vídeo disponíveis

34 Int 10h / Ah = 0Ch Desenha um pixel numa determinada coodenada AL recebe o valor da cor BH recebe o numero da página CX número da coluna DX número da linha

35 Exemplo: Imprimir String Imprime uma String terminada por '$'. arquivo str.asm procedimento printstring[a E] duas versões: com e sem auto incremento do cursor Argumentos / Retorno: DS:DX = aponta para String Retorna nada

36 Exercício Escreva uma função que lê um numero e armazena numa determinada posição de memória Note que fazendo isso voçê estará convertendo um número de String para inteiro

37 Exercício Escreva função que pega um número na memória e imprime a string correspondente. Façam e mandem até a próxima quarta meio dia. E guardem pois estas funções são muito úteis no projeto.

INT 5h - Print screen Modo Resolução Caract. INT 10h - Vídeo INT 10h - Vídeo

INT 5h - Print screen Modo Resolução Caract. INT 10h - Vídeo INT 10h - Vídeo BIOS Basic Input/Output System BIOS e System Calls Prof. Eduardo Tavares eagt@cin.ufpe.br Primeira instrução a ser executada (0xFFFF0-0xFFFFF) Configuração inicial do sistema Inicialização do boot loader

Leia mais

MC404 - Organização de Computadores. e Linguagem de Montagem Instituto de Computação. Universidade Estadual de Campinas

MC404 - Organização de Computadores. e Linguagem de Montagem Instituto de Computação. Universidade Estadual de Campinas MC404 - Organização de Computadores Lab. e Linguagem de Montagem Instituto de Computação 01 Universidade Estadual de Campinas 1 Objetivo O objetivo deste laboratório é fazer com que o aluno se familiarize

Leia mais

Uso de interrupções de BIOS/DOS

Uso de interrupções de BIOS/DOS Uso de interrupções de BIOS/DOS Prof. Ronaldo Hüsemann Mapa de Memória FFFFFh F0000h C0000h B8000h A0000h BIOS (ROM) Reservado Memória de Vídeo (Texto e Gráfica) Memória de Vídeo (Parte Gráfica) Área para

Leia mais

Interface Hardware/Software. Centro de Informática - UFPE Paulo Maciel prmm@cin.ufpe.br

Interface Hardware/Software. Centro de Informática - UFPE Paulo Maciel prmm@cin.ufpe.br Interface Hardware/Software Centro de Informática - UFPE Paulo Maciel prmm@cin.ufpe.br Interrupção INT 1Ah Ler o Relógio; Atualizar o Relógio; Ler a Data; Atualizar a Data. 2 Interrupção - INT 1Ah Ler

Leia mais

Atividade prática: Rodando o programa SOMA

Atividade prática: Rodando o programa SOMA Atividade prática: Rodando o programa SOMA Representação de caracteres ASCII: Letras e pontuação não são representáveis diretamente em computadores e circuitos lógicos. Utiliza-se alguns códigos binários

Leia mais

ORGANIZAÇÃO BÁSICA DE COMPUTADORES E LINGUAGEM DE MONTAGEM

ORGANIZAÇÃO BÁSICA DE COMPUTADORES E LINGUAGEM DE MONTAGEM PROGRAMAÇÃO DE VIDEO MODO TEXTO MONITOR DE VÍDEO MONOCROMÁTICO E COLORIDO ADAPTADORES DE VÍDEO CONTROLADORES + MEMÓRIA DE VÍDEO MODOS DE VÍDEO MODO GRÁFICO (PIXELS) E TEXTO (80 COLUNAS x 25 LINHAS) MODO

Leia mais

Os 3 principais tipos de Instruções (INSTRUTION SET) dos up são:

Os 3 principais tipos de Instruções (INSTRUTION SET) dos up são: Linguagem Assembly Os 3 principais tipos de Instruções (INSTRUTION SET) dos up são: INSTRUÇÕES DE TRANSFERÊNCIA DE DADOS - Movem dados entre Registradores, Registradores e Memória e Valores Fixos para

Leia mais

CRIANDO UM SISTEMA OPERACIONAL BÁSICO Por: Fernando Birck aka Fergo

CRIANDO UM SISTEMA OPERACIONAL BÁSICO Por: Fernando Birck aka Fergo CRIANDO UM SISTEMA OPERACIONAL BÁSICO Por: Fernando Birck aka Fergo 2 SUMÁRIO 1. Introdução 3 2. Aplicativos 4 3. Processo de boot 5 4. Interrupts 6 5. Criando o Loader 7 6. Criando o Kernel 9 7. Gravando

Leia mais

Atividade prática: Criando e rodando um programa assembly

Atividade prática: Criando e rodando um programa assembly Atividade prática: Criando e rodando um programa assembly Fluxogramas (ou diagramas de fluxo): Descrevem algoritmos (idéias) quanto à sequência de operações realizadas. Ajudam a estruturar a solução de

Leia mais

LABORATÓRIO DE LINGUAGEM DE MONTAGEM INTERRUPÇÕES DO DOS E DA BIOS

LABORATÓRIO DE LINGUAGEM DE MONTAGEM INTERRUPÇÕES DO DOS E DA BIOS LABORATÓRIO DE LINGUAGEM DE MONTAGEM INTERRUPÇÕES DO DOS E DA BIOS Capítulo 15 do livro-texto, págs. 309 a 330 Impressora Scanner Monitor Flop Disk Modem Floppy drive "CPU" HD CD ROM Teclado Mouse Dispositivos

Leia mais

ORGANIZAÇÃO BÁSICA DE COMPUTADORES E LINGUAGEM DE MONTAGEM

ORGANIZAÇÃO BÁSICA DE COMPUTADORES E LINGUAGEM DE MONTAGEM Cap1.1 ORGANIZAÇÃO BÁSICA DE COMPUTADORES E LINGUAGEM DE MONTAGEM 1. Conceitos básicos Bit = BInary digit = vale sempre 0 ou 1 elemento básico de informação Byte Word = 8 bits processados em paralelo (ao

Leia mais

Laboratório de Sistemas Processadores e Periféricos

Laboratório de Sistemas Processadores e Periféricos Laboratório de Sistemas Processadores e Periféricos Sistema de Interrupções do 8086 Prática 11 Gustavo G. Parma Assunto: sistema de interrupcões do 8086. Interrupções do DOS Objetivos: Apresentação do

Leia mais

Universidade do Algarve Faculdade de Ciências e Tecnologia Área Departamental de Engenharia Electrónica e Computação

Universidade do Algarve Faculdade de Ciências e Tecnologia Área Departamental de Engenharia Electrónica e Computação Universidade do Algarve Faculdade de Ciências e Tecnologia Área Departamental de Engenharia Electrónica e Computação Periféricos e Interfaces 2003/2004 Cursos de Informática e Ensino de Informática Exame

Leia mais

Gerenciador de Boot Simples

Gerenciador de Boot Simples Gerenciador de Boot Simples Este tutorial é uma simples caminhada através de um Gerenciador de Boot Hello World. Este, como qualquer outro gestor, tem que obedecer a algumas regras. Termos utilizados:

Leia mais

LABORATÓRIO DE LINGUAGEM DE MONTAGEM. MACROS e GERENCIAMENTO DE MEMÓRIA

LABORATÓRIO DE LINGUAGEM DE MONTAGEM. MACROS e GERENCIAMENTO DE MEMÓRIA LABORATÓRIO DE LINGUAGEM DE MONTAGEM MACRO: MACROS e GERENCIAMENTO DE MEMÓRIA Capítulos 13 e 14 do livro-texto, págs. 257 a 308 é um bloco de texto que recebe um nome especial consiste de instruções, diretivas,

Leia mais

Linguagem de Montagem

Linguagem de Montagem Linguagem de Montagem Organização do PC Slides baseados em material associado ao livro Introduction to Assembly Language Programming, Sivarama Dandamudi 1 Processador Pentium Lançado em 1993 Versão melhorada

Leia mais

x86 Assembly Mini-Course

x86 Assembly Mini-Course x86 Assembly Mini-Course Part 1 Bruno P. Evangelista bpevangelista@gmail.com Introdução Assembly é uma linguagem de programação de baixo nível em formato mnemonico Ela possibilita trabalhar diretamente

Leia mais

8. Instruções de multiplicação e divisão

8. Instruções de multiplicação e divisão Cap8.1 8. Instruções de multiplicação e divisão 8.1 Instruções de multiplicação MUL fonte IMUL fonte MUL (multiply) -> usada com números em representação não-sinalizada IMUL (integer multiply) -> usada

Leia mais

MATA49 Programação de Software Básico

MATA49 Programação de Software Básico MATA49 Programação de Software Básico Leandro Andrade leandrojsadcc.ufba.br PROF. LEANDRO ANDRADE 1 Planejamento Avaliação Uma prova Dois trabalhos práticos Média Final = (P1 + T1 + T2) / 3 Provável

Leia mais

www.vwsolucoes.com Copyright 2011 VW Soluções

www.vwsolucoes.com Copyright 2011 VW Soluções 1 Apresentação O adaptador ADP.v01 é utilizado para facilitar a instalação de display Lcd 16x2 ou display Lcd 20x4 nos CLP PIC28 ou CLP PIC40 através de um flat cable de 10vias de acordo com a necessidade

Leia mais

Trabalho Prático Nº1 Introdução ao C#.NET

Trabalho Prático Nº1 Introdução ao C#.NET Trabalho Prático Nº1 Introdução ao C#.NET 1. OBJECTIVOS - Entender o contexto da plataforma.net - Desenvolver programas simples em C#.NET - Saber efectuar entradas de dados em modo Consola e Windows Forms

Leia mais

Periféricos e Interfaces Ano lectivo 2003/2004 Docente: Ana Paula Costa. Aula Teórica 20

Periféricos e Interfaces Ano lectivo 2003/2004 Docente: Ana Paula Costa. Aula Teórica 20 Sumário: Os subsistemas vídeo. A RAM vídeo. Aula Teórica 20 Leitura Recomendada: Capítulo 37 - Hans-Peter Messmer, The Indispensable PC Hardware Book, Addison-Wesley. Capítulos 4 e 11 - Peter Norton, Peter

Leia mais

How to write Shellcodes por Luiz Fernando Camargo

How to write Shellcodes por Luiz Fernando Camargo How to write Shellcodes por Luiz Fernando Camargo 1. Introdução Shellcode é um grupo de instruções assembler em formato de opcode para realizar diversas funções como chamar uma shell, ou escutar em uma

Leia mais

Resumo da Introdução de Prática de Programação com C. A Linguagem C

Resumo da Introdução de Prática de Programação com C. A Linguagem C Resumo da Introdução de Prática de Programação com C A Linguagem C O C nasceu na década de 70. Seu inventor, Dennis Ritchie, implementou-o pela primeira vez usando um DEC PDP-11 rodando o sistema operacional

Leia mais

Software Básico (INF1018)

Software Básico (INF1018) Software Básico (INF1018) http://www.inf.puc-rio.br/~inf1018 Noemi Rodriguez (noemi@inf.puc-rio.br) Ana Lúcia de Moura (amoura@inf.puc-rio.br) 1 Objetivo do curso Entender como funciona um computador típico,

Leia mais

7. Instruções lógicas, de deslocamento e de rotação

7. Instruções lógicas, de deslocamento e de rotação 7. Instruções lógicas, de deslocamento e de rotação São instruções que permitem mudar o padrão de bits num byte (8 bits) ou numa palavra (16 bits). Linguagens de alto nível (exceto C) não permitem manipular

Leia mais

2 - Processadores. CEFET-RS Curso de Eletrônica. Organização de Computadores. Profs. Roberta Nobre & Sandro Silva

2 - Processadores. CEFET-RS Curso de Eletrônica. Organização de Computadores. Profs. Roberta Nobre & Sandro Silva CEFET-RS Curso de Eletrônica 2 - Processadores Profs. Roberta Nobre & Sandro Silva robertacnobre@gmail.com e sandro@cefetrs.tche.br Microprocessador 8086 FX ULA AH AL BH BL CH CL DH DL BP SI DI SP (AX)

Leia mais

Linguagem de Montagem 2. Operações e Operandos

Linguagem de Montagem 2. Operações e Operandos Linguagem de Montagem 2 Operações e Operandos Revisão Para executar uma tarefa qualquer, um computador precisa receber instruções precisas sobre o que fazer Esse conjunto de instruções chamamos de algoritmo

Leia mais

LP II Estrutura de Dados. Introdução e Linguagem C. Prof. José Honorato F. Nunes honorato.nunes@ifbaiano.bonfim.edu.br

LP II Estrutura de Dados. Introdução e Linguagem C. Prof. José Honorato F. Nunes honorato.nunes@ifbaiano.bonfim.edu.br LP II Estrutura de Dados Introdução e Linguagem C Prof. José Honorato F. Nunes honorato.nunes@ifbaiano.bonfim.edu.br Resumo da aula Considerações Gerais Introdução a Linguagem C Variáveis e C Tipos de

Leia mais

2 Um Primeiro Programa em C

2 Um Primeiro Programa em C 2 Um Primeiro Programa em C Ronaldo F. Hashimoto, Carlos H. Morimoto e José A. R. Soares OobjetivodessaaulaéintroduzirvocêàlinguagemCemambienteLinux,primeiramentemostrandoasua estrutura, e a seguir com

Leia mais

MANUAL. Versão 1.0 32 bits - 17/10/99. Para Windows 95/98

MANUAL. Versão 1.0 32 bits - 17/10/99. Para Windows 95/98 MANUAL TEC44Dis DLL Versão 1.0 32 bits - 17/10/99 Para Windows 95/98 Índice 1- INTRODUÇÃO 2- DOCUMENTAÇÃO 1 2.1 Documentação de Referência 1 3- INSTALAÇÃO DO DRIVER 4- DESCRIÇÃO FUNCIONAL 4.1 Interface

Leia mais

20 Caracteres - Tipo char

20 Caracteres - Tipo char 0 Caracteres - Tipo char Ronaldo F. Hashimoto e Carlos H. Morimoto Até agora vimos como o computador pode ser utilizado para processar informação que pode ser quantificada de forma numérica. No entanto,

Leia mais

E/S PROGRAMADA E/S PROGRAMADA E/S USANDO INTERRUPÇÃO

E/S PROGRAMADA E/S PROGRAMADA E/S USANDO INTERRUPÇÃO E/S PROGRAMADA QUANDO A CPU FAZ TODO O TRABALHO RELACIONADO A UMA OPERAÇÃO DE E/S, NO CASO DO PROCESSO QUERER IMPRIMIR (NA IMPRESSORA) ABCDEFGH : ESTES CARACTERES SÃO COLOCADOS EM UMA ÁREA DE MEMÓRIA DO

Leia mais

CAPÍTULO 7 NÍVEL DE LINGUAGEM DE MONTAGEM

CAPÍTULO 7 NÍVEL DE LINGUAGEM DE MONTAGEM CAPÍTULO 7 NÍVEL DE LINGUAGEM DE MONTAGEM 71 Introdução Difere dos níveis inferiores por ser implementado por tradução A tradução é usada quando um processador está disponível para uma mensagem fonte mas

Leia mais

Projeto 1 - Bootloader

Projeto 1 - Bootloader Projeto 1 - Bootloader IF677 - Infra-Estrutura de Software Centro de Informática - UFPE Autor: Thyago Porpino (tnp) Objetivos Desmistificar o processo de inicialização de um computador. Entender como um

Leia mais

Introdução à Arquitetura de Computadores

Introdução à Arquitetura de Computadores 1 Introdução à Arquitetura de Computadores Hardware e software Organização de um computador: Processador: registradores, ALU, unidade de controle Memórias Dispositivos de E/S Barramentos Linguagens de

Leia mais

Usando o simulador MIPS

Usando o simulador MIPS Usando o simulador MIPS O objetivo desta aula prática será a utilização do simulador MipsIt para executar programas escritos em linguagem de máquina do MIPS. 1 Criando um projeto Cada programa a ser executado

Leia mais

INFORMÁTICA APLICADA AULA 02 LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO C++

INFORMÁTICA APLICADA AULA 02 LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO C++ UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: Bacharelado em Ciências e Tecnologia INFORMÁTICA APLICADA AULA 02 LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO C++ Profª ª Danielle Casillo COMPILADORES Toda linguagem de programação

Leia mais

http://www.risesecurity.org Rodrigo Rubira Branco rodrigo@kernelhacking.com rodrigo@risesecurity.org

http://www.risesecurity.org Rodrigo Rubira Branco rodrigo@kernelhacking.com rodrigo@risesecurity.org Ataques Polimórficos Rodrigo Rubira Branco rodrigo@kernelhacking.com rodrigo@risesecurity.org A idéia - Detectores de intrusos utilizam-se de assinaturas de ataques para identificação dos mesmos - Sistemas

Leia mais

Introdução à Programação

Introdução à Programação Introdução à Programação Introdução a Linguagem C Construções Básicas Programa em C #include int main ( ) { Palavras Reservadas } float celsius ; float farenheit ; celsius = 30; farenheit = 9.0/5

Leia mais

AULA 2: INTRODUÇÃO A LINGUAGEM DE C. Curso: Ciência da Computação Profª.: Luciana Balieiro Cosme

AULA 2: INTRODUÇÃO A LINGUAGEM DE C. Curso: Ciência da Computação Profª.: Luciana Balieiro Cosme AULA 2: INTRODUÇÃO A LINGUAGEM DE C Curso: Ciência da Computação Profª.: Luciana Balieiro Cosme Agenda Introdução a linguagem C Compiladores Variáveis IDEs Exemplos Exercícios Introdução A Linguagem C

Leia mais

CEFET-SP. Laboratório de Microprocessadores. DEBUG & TASM Conceitos, Aplicações e Projetos. Wilson Ruiz. Versão 4.0-2002

CEFET-SP. Laboratório de Microprocessadores. DEBUG & TASM Conceitos, Aplicações e Projetos. Wilson Ruiz. Versão 4.0-2002 CEFET-SP Laboratório de Microprocessadores DEBUG & TASM Conceitos, Aplicações e Projetos Versão 4.0-2002 HALIAEETUS LEUCOCEPHALUS Bald Eagle CAPÍTULO CONCEITOS BÁSICOS. Apresentação: Este material, oriundo

Leia mais

Resumo da Matéria de Linguagem de Programação. Linguagem C

Resumo da Matéria de Linguagem de Programação. Linguagem C Resumo da Matéria de Linguagem de Programação Linguagem C Vitor H. Migoto de Gouvêa 2011 Sumário Como instalar um programa para executar o C...3 Sintaxe inicial da Linguagem de Programação C...4 Variáveis

Leia mais

A4 Projeto Integrador e Lista de Jogos

A4 Projeto Integrador e Lista de Jogos A4 Projeto Integrador e Lista de Jogos 1ª ETAPA PROJETO INTEGRADOR (2 pontos na A4) Como discutido em sala de aula, a disciplina de algoritmos I também fará parte do projeto integrador, para cada grupo

Leia mais

Linguagem de Montagem

Linguagem de Montagem Linguagem de Montagem Procedimentos e a Pilha Slides baseados em material associado ao livro Introduction to Assembly Language Programming, Sivarama Dandamudi 1 O que é a pilha? A pilha é uma estrutura

Leia mais

28/3/2011. Família Intel 80x86. Arquitetura dos Processadores Intel 80x86

28/3/2011. Família Intel 80x86. Arquitetura dos Processadores Intel 80x86 Arquitetura de Computadores Arquitetura dos Processadores Intel 80x86 Prof. Marcos Quinet Universidade Federal Fluminense UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO Família Intel 80x86 Ao se falar

Leia mais

EXPERIÊNCIA 17 USO DO TEMPORIZADOR INTERNO

EXPERIÊNCIA 17 USO DO TEMPORIZADOR INTERNO EXPERIÊNCIA 17 USO DO TEMPORIZADOR INTERNO Parte I Fundamentos Teóricos O que diferencia um microcontrolador (como o 8051) de um microprocessador é o fato de que o primeiro pode apresentar, integrados

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS ABERTOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

SISTEMAS OPERACIONAIS ABERTOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula 2-1. PRINCÍPIOS DE SOFTWARE DE ENTRADA E SAÍDA (E/S) As metas gerais do software de entrada e saída é organizar o software como uma série de camadas, com as mais baixas preocupadas em esconder as

Leia mais

Software Básico. Conceito de Linguagem de Máquina e Montagem: introdução ao Assembly. Prof. MSc. Hugo Vieira L. Souza

Software Básico. Conceito de Linguagem de Máquina e Montagem: introdução ao Assembly. Prof. MSc. Hugo Vieira L. Souza Software Básico Conceito de Linguagem de Máquina e Montagem: introdução ao Assembly Prof. MSc. Hugo Vieira L. Souza Este documento está sujeito a copyright. Todos os direitos estão reservados para o todo

Leia mais

Introdução a lógica de programação. Aula 02: Linguagens de Programação e Introdução ao Visual C# Express

Introdução a lógica de programação. Aula 02: Linguagens de Programação e Introdução ao Visual C# Express Introdução a lógica de programação Aula 02: Linguagens de Programação e Introdução ao Visual C# Express Roteiro da aula Linguagem de Programação Visual C#: Introdução a C# através de comandos de entrada

Leia mais

Parte II Introdução a Linguagens de Programação

Parte II Introdução a Linguagens de Programação Programação de Computadores III Aula 1 Professor Leandro Augusto Frata Fernandes laffernandes@ic.uff.br Material disponível em http://www.ic.uff.br/~laffernandes/teaching/2011.1/tcc-03.063 Roteiro da Aula

Leia mais

Armazenamento de Dados. Prof. Antonio Almeida de Barros Junior

Armazenamento de Dados. Prof. Antonio Almeida de Barros Junior Armazenamento de Dados Prof. Antonio Almeida de Barros Junior 1 Armazenamento de Dados Todos os dados que utilizamos até o momento, ficavam armazenados apenas na memória. Ao final da execução dos programas,

Leia mais

Inserindo Dados no Banco de Dados Paradox.

Inserindo Dados no Banco de Dados Paradox. Inserindo Dados no Banco de Dados Paradox. - Construção do Banco de Dados: Para podermos inserir algo em um banco precisaremos de um Banco de Dados, para isto iremos montar um utilizando o Programa Database

Leia mais

Ambiente de desenvolvimento de Programação Assembly MCU 8051 IDE

Ambiente de desenvolvimento de Programação Assembly MCU 8051 IDE SEL-433 APLICAÇÕES DE MICROPROCESSADORES I Prof. Evandro L. L. Rodrigues Ambiente de desenvolvimento de Programação Assembly MCU 8051 IDE http://mcu8051ide.sourceforge.net/ Tela inicial Criar novo projeto:

Leia mais

Universidade Federal de Santa Maria Departamento de Eletrônica e Computação Disciplina de Fundamentos de Comuputadores Professor Raul Ceretta Nunes

Universidade Federal de Santa Maria Departamento de Eletrônica e Computação Disciplina de Fundamentos de Comuputadores Professor Raul Ceretta Nunes Universidade Federal de Santa Maria Departamento de Eletrônica e Computação Disciplina de Fundamentos de Comuputadores Professor Raul Ceretta Nunes Programação Assembly Carlos Renan Silveira Santa Maria,

Leia mais

MC102 Algoritmos e programação de computadores Aula 3: Variáveis

MC102 Algoritmos e programação de computadores Aula 3: Variáveis MC102 Algoritmos e programação de computadores Aula 3: Variáveis Variáveis Variáveis são locais onde armazenamos valores na memória. Toda variável é caracterizada por um nome, que a identifica em um programa,

Leia mais

Organização de Computadores 1

Organização de Computadores 1 Organização de Computadores 1 5.1 Linguagem de Montagem (Assembly) Prof. Luiz Gustavo A. Martins Sistema Decimal: sistema natural do homem. No assembly um número decimal pode terminar com um d. Ex: 64223

Leia mais

Componentes da linguagem C++

Componentes da linguagem C++ Componentes da linguagem C++ C++ é uma linguagem de programação orientada a objetos (OO) que oferece suporte às características OO, além de permitir você realizar outras tarefas, similarmente a outras

Leia mais

Aula 01: Linguagens de Programação e Introdução ao Visual C# Express

Aula 01: Linguagens de Programação e Introdução ao Visual C# Express Aula 01: Linguagens de Programação e Introdução ao Visual C# Express EMENTA: Introdução ao Visual C#. Fundamentos da Linguagem. Estruturas de decisão e repetição. Modularização de Programas: Funções. Arrays

Leia mais

Programação de Computadores III

Programação de Computadores III Programação de Computadores III Introdução a Linguagens de Programação Professor Leandro Augusto Frata Fernandes laffernandes@ic.uff.br Material disponível em http://www.ic.uff.br/~laffernandes/teaching/2013.1/tcc-00.157

Leia mais

Algoritmos em Javascript

Algoritmos em Javascript Algoritmos em Javascript Sumário Algoritmos 1 O que é um programa? 1 Entrada e Saída de Dados 3 Programando 4 O que é necessário para programar 4 em JavaScript? Variáveis 5 Tipos de Variáveis 6 Arrays

Leia mais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Software de Entrada e Saída: Visão Geral Uma das tarefas do Sistema Operacional é simplificar o acesso aos dispositivos de hardware pelos processos

Leia mais

Linguagem de Programação I. Aula 05 Linguagem C

Linguagem de Programação I. Aula 05 Linguagem C Linguagem de Programação I Aula 05 Linguagem C Da Aula Anterior Algoritmos Portugol: aspectos básicos Estruturas repetição e controle Array: vetores e matrizes Nesta Aula Linguagens de Programação A Linguagem

Leia mais

Disciplina: Introdução aos Sistemas Operacionais Professor: Fernando Santorsula E-mail: fernando.santorsula@esamc.br

Disciplina: Introdução aos Sistemas Operacionais Professor: Fernando Santorsula E-mail: fernando.santorsula@esamc.br Disciplina: Introdução aos Sistemas Operacionais Professor: Fernando Santorsula E-mail: fernando.santorsula@esamc.br Aula 15 (Revisão prova B2): Conteúdo programático Teórica Conteúdo da Aula 12 até a

Leia mais

Programação de Computadores. Turma CI-180-B. Josiney de Souza. josineys@inf.ufpr.br

Programação de Computadores. Turma CI-180-B. Josiney de Souza. josineys@inf.ufpr.br Programação de Computadores Turma CI-180-B Josiney de Souza josineys@inf.ufpr.br Agenda do Dia Aula 2 (06/03/15) Como está organizado um computador Computadores antigos Modelo von-neumann Quais suas partes

Leia mais

PROFESSOR ÉVERSON MATIAS DE MORAIS SISTEMAS OPERACIONAIS. Sistemas operacionais (so) Roteiro

PROFESSOR ÉVERSON MATIAS DE MORAIS SISTEMAS OPERACIONAIS. Sistemas operacionais (so) Roteiro PROFESSOR ÉVERSON MATIAS DE MORAIS Graduação em Processamento de Dados Especialização em Ciência da Computação Mestrado em Ciência da Computação SISTEMAS OPERACIONAIS Aula 1 Sistemas operacionais (so)

Leia mais

Algoritmos e Programação Aula 01 Introdução a Computação

Algoritmos e Programação Aula 01 Introdução a Computação Algoritmos e Programação Aula 01 Introdução a Computação Felipe S. L. G. Duarte Felipelageduarte+fatece@gmail.com Baseado no material do Prof. Luis Otavio Alvares e do Prof. Dr. Rodrigo Fernandes de Mello

Leia mais

Figure 2 - Nós folhas de uma árvore binária representando caracteres ASCII

Figure 2 - Nós folhas de uma árvore binária representando caracteres ASCII A ocorrência tamanho ASCII codificação de Huffman é um A Codificação método de compactação de Huffman caracteres (American e a variável codificação dos usado símbolos Standard para por cada muitas no Code

Leia mais

Paradigmas de Programação II Departamento de Informática Universidade do Minho LESI 1 o Ano MCC 2002/2003

Paradigmas de Programação II Departamento de Informática Universidade do Minho LESI 1 o Ano MCC 2002/2003 Paradigmas de Programação II Departamento de Informática Universidade do Minho LESI 1 o Ano MCC 2002/2003 Ficha Teórico-Prática N o 0 Ambiente (Unix) de Programação em C 24 de Fevereiro de 2003 1 Funcionamento

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Tipos de Instruções

Arquitetura de Computadores. Tipos de Instruções Arquitetura de Computadores Tipos de Instruções Tipos de instruções Instruções de movimento de dados Operações diádicas Operações monádicas Instruções de comparação e desvio condicional Instruções de chamada

Leia mais

ITENS FUNDAMENTAIS. Profª Angélica da Silva Nunes

ITENS FUNDAMENTAIS. Profª Angélica da Silva Nunes ITENS FUNDAMENTAIS Profª Angélica da Silva Nunes CONCEITOS BÁSICOS Hardware - é a parte física do computador, tais como: teclado, monitor de vídeo, etc. Software - são os programas e aplicativos que permitem

Leia mais

Representação de Algoritmos - Linguagens de Programação

Representação de Algoritmos - Linguagens de Programação Representação de Algoritmos - Linguagens de Programação A representação de algoritmos em uma pseudo-linguagem mais próxima às pessoas é bastante útil principalmente quando o problema a ser tratado envolve

Leia mais

TECLADO PAINEL OPERADOR USB COM DISPLAY GRÁFICO. Código : FT 023/09 REV: 02

TECLADO PAINEL OPERADOR USB COM DISPLAY GRÁFICO. Código : FT 023/09 REV: 02 TECLADO PAINEL OPERADOR USB COM DISPLAY GRÁFICO Código : FT 023/09 REV: 02 Características LCD gráfico de 240 x 64 pontos ( 8 linhas x 40 colunas ). Teclas reprogramáveis. Interface USB 2.0. Porta Serial

Leia mais

Figura 1 - O computador

Figura 1 - O computador Organização e arquitectura dum computador Índice Índice... 2 1. Introdução... 3 2. Representação da informação no computador... 4 3. Funcionamento básico dum computador... 5 4. Estrutura do processador...

Leia mais

O cursor se torna vermelho e uma Paleta de Edição contendo as instruções mais utilizadas é apresentada.

O cursor se torna vermelho e uma Paleta de Edição contendo as instruções mais utilizadas é apresentada. Editor de Ladder para VS7 Versão Teste O editor de ladder é um software de programação que permite que o VS7 e o µsmart sejam programados em linguagem de contatos. Esse editor está contido na pasta Público

Leia mais

ALP Algoritmos e Programação. . Linguagens para Computadores

ALP Algoritmos e Programação. . Linguagens para Computadores ALP Algoritmos e Programação Iniciação aos computadores. Linguagens para Computadores. Compiladores, Interpretadores. Ambientes de Programação 1 Linguagens para Computadores. Linguagem binária: Dispositivos

Leia mais

COMPUTADOR,, que máquina é essa?

COMPUTADOR,, que máquina é essa? COMPUTADOR,, que máquina é essa? Agora vamos conhecer mais de perto o computador. Observe as imagens a seguir e responda: Que coisas você vê? Quais são suas funções? unidade acionadora de CD e DVD

Leia mais

Introdução à Arquitetura e Linguagem Assembly de Processadores IA-32

Introdução à Arquitetura e Linguagem Assembly de Processadores IA-32 Introdução à Arquitetura e Linguagem Assembly de Processadores IA-32 Sistemas da Computação Prof. Rossano Pablo Pinto, Msc. rossano at gmail com 2 semestre 2007 CHIP Ano MHz Transistors Mem 8086 1978 5

Leia mais

TRABALHANDO COM ARQUIVOS ENTRADAS/SAÍDAS (I/O) DE DADOS

TRABALHANDO COM ARQUIVOS ENTRADAS/SAÍDAS (I/O) DE DADOS livrof90_v5 2007/3/1 10:27 page 41 #1 CAPÍTULO2 TRABALHANDO COM ARQUIVOS ENTRADAS/SAÍDAS (I/O) DE DADOS Neste capítulo você encontrará: 2.1 Introdução.................. 41 Arquivo................. 42 2.2

Leia mais

Software de gerenciamento do sistema Intel. Guia do usuário do Pacote de gerenciamento do servidor modular Intel

Software de gerenciamento do sistema Intel. Guia do usuário do Pacote de gerenciamento do servidor modular Intel Software de gerenciamento do sistema Intel do servidor modular Intel Declarações de Caráter Legal AS INFORMAÇÕES CONTIDAS NESTE DOCUMENTO SÃO RELACIONADAS AOS PRODUTOS INTEL, PARA FINS DE SUPORTE ÀS PLACAS

Leia mais

Programação em C++: Introdução

Programação em C++: Introdução Programação em C++: Introdução J. Barbosa J. Tavares Visualização Científica Conceitos básicos de programação Algoritmo Conjunto finito de regras sobre as quais se pode dar execução a um dado processo

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES. Rogério Spindula Rosa

ARQUITETURA DE COMPUTADORES. Rogério Spindula Rosa ARQUITETURA DE COMPUTADORES 1 Rogério Spindula Rosa 2 EXECUÇÃO DE PROGRAMAS PROGRAMA 3 4 INTRODUÇÃO Hoje é raro escrever um programa diretamente em linguagem de computador em virtude da enorme dificuldade

Leia mais

1. Os caracteres (p.ex: a, A, 8,!, +, etc) são representados no computador através da codificação ASCII (American Standard Code for

1. Os caracteres (p.ex: a, A, 8,!, +, etc) são representados no computador através da codificação ASCII (American Standard Code for FICHA DE TRABALHO Nº 1 MÓDULO: EQUIPAMENTOS ACTIVOS DE REDES DATA: / 03 / 2010 FORMADOR: EDUARDO SEQUEIRA FICHA LABORATORIAL 1. Os caracteres (p.ex: a, A, 8,!, +, etc) são representados no computador através

Leia mais

Linguagem C. Programação Estruturada. Fundamentos da Linguagem. Prof. Luis Nícolas de Amorim Trigo nicolas.trigo@ifsertao-pe.edu.

Linguagem C. Programação Estruturada. Fundamentos da Linguagem. Prof. Luis Nícolas de Amorim Trigo nicolas.trigo@ifsertao-pe.edu. Programação Estruturada Linguagem C Fundamentos da Linguagem Prof. Luis Nícolas de Amorim Trigo nicolas.trigo@ifsertao-pe.edu.br Sumário Estrutura Básica Bibliotecas Básicas Tipos de Dados Básicos Variáveis/Declaração

Leia mais

Roteiro. MC-102 Aula 01. Hardware e dispositivos. O que é um computador? Primeiro Semestre de 2008 3 A linguagem C

Roteiro. MC-102 Aula 01. Hardware e dispositivos. O que é um computador? Primeiro Semestre de 2008 3 A linguagem C Roteiro Introdução à Programação de Computadores 1 Instituto de Computação Unicamp 2 Primeiro Semestre de 2008 3 O que é um computador? Computador: o que computa, calculador, calculista. (dicionário Houaiss).

Leia mais

John von Neumann(Budapeste. Desenvolvido no IAS(Institute of Advanced Studies-Princeton\USA). Iniciado em1946 e finalizado em 1952

John von Neumann(Budapeste. Desenvolvido no IAS(Institute of Advanced Studies-Princeton\USA). Iniciado em1946 e finalizado em 1952 1 Arquitetura Von Neumann - notas de aula 1º.sem.2012 1. Modelo de Von Neumann John von Neumann(Budapeste -28/12/1903) e colaboradores. Conceito de programa armazenado na memória Desenvolvido no IAS(Institute

Leia mais

Sistemas Operacionais Aula 03: Estruturas dos SOs. Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com

Sistemas Operacionais Aula 03: Estruturas dos SOs. Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com Sistemas Operacionais Aula 03: Estruturas dos SOs Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com OBJETIVOS Descrever os serviços que um sistema operacional oferece aos usuários e outros sistemas

Leia mais

PRODUTO: IDENTIFICADOR DE CHAMADAS Ic-Box SUB-PRODUTO: DESCRIÇÃO: PROTOCOLO DE COMUNICAÇÃO USB/SERIAL ELABORAÇÃO: FABIO / Wagner ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

PRODUTO: IDENTIFICADOR DE CHAMADAS Ic-Box SUB-PRODUTO: DESCRIÇÃO: PROTOCOLO DE COMUNICAÇÃO USB/SERIAL ELABORAÇÃO: FABIO / Wagner ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PRODUTO: IDENTIFICADOR DE CHAMADAS Ic-Box SUB-PRODUTO: DESCRIÇÃO: PROTOCOLO DE COMUNICAÇÃO USB/SERIAL ELABORAÇÃO: FABIO / Wagner ÁREA: TEC 1 Equipamentos: 1. IC-Box com interface USB/serial 2. Microcomputador

Leia mais

Linguagem C: variáveis, operadores, entrada/saída. Prof. Críston Algoritmos e Programação

Linguagem C: variáveis, operadores, entrada/saída. Prof. Críston Algoritmos e Programação Linguagem C: variáveis, operadores, entrada/saída Prof. Críston Algoritmos e Programação Linguagem C Linguagem de uso geral (qualquer tipo de aplicação) Uma das linguagens mais utilizadas Foi utilizada

Leia mais

O Processo de Programação

O Processo de Programação Programação de Computadores I Aula 04 O Processo de Programação José Romildo Malaquias Departamento de Computação Universidade Federal de Ouro Preto 2011-1 1/23 Algoritmo Um algoritmo é uma seqüência de

Leia mais

CURSO B SICO DE PERL

CURSO B SICO DE PERL CURSO BÁSICO DE PERL CURSO BÁSICO DE PERL ESTRUTURA: 12 aulas de 2 horas e meia totalizando 30 horas. 2 créditos. É necessário 75% de presença (com exceções). Precisamos pensar em um método de avaliação.

Leia mais

MC-102 Aula 01. Instituto de Computação Unicamp

MC-102 Aula 01. Instituto de Computação Unicamp MC-102 Aula 01 Introdução à Programação de Computadores Instituto de Computação Unicamp 2015 Roteiro 1 Por que aprender a programar? 2 Hardware e Software 3 Organização de um ambiente computacional 4 Algoritmos

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Sistemas de Entrada/Saída Princípios de Hardware Sistema de Entrada/Saída Visão Geral Princípios de Hardware Dispositivos de E/S Estrutura Típica do Barramento de um PC Interrupções

Leia mais

Para que o NSBASIC funcione corretamente em seu computador, você deve garantir que o mesmo tenha as seguintes características:

Para que o NSBASIC funcione corretamente em seu computador, você deve garantir que o mesmo tenha as seguintes características: Cerne Tecnologia www.cerne-tec.com.br Conhecendo o NSBASIC para Palm Vitor Amadeu Vitor@cerne-tec.com.br 1. Introdução Iremos neste artigo abordar a programação em BASIC para o Palm OS. Para isso, precisaremos

Leia mais

centena dezena unidade 10 2 10 1 10 0 275 2 7 5 200 + 70 + 5 275

centena dezena unidade 10 2 10 1 10 0 275 2 7 5 200 + 70 + 5 275 A. Sistemas de Numeração. Para se entender a linguagem do computador (o Código de Máquina), é necessário conhecer um pouco da teoria dos números. Não é uma tarefa tão difícil quanto pode parecer. Sabendo-se

Leia mais

Programação Básica em Arduino Aula 2

Programação Básica em Arduino Aula 2 Programação Básica em Arduino Aula 2 Execução: Laboratório de Automação e Robótica Móvel Variáveis são lugares (posições) na memória principal que servem para armazenar dados. As variáveis são acessadas

Leia mais

Memória Flash. PdP. Autor: Tiago Lone Nível: Básico Criação: 11/12/2005 Última versão: 18/12/2006. Pesquisa e Desenvolvimento de Produtos

Memória Flash. PdP. Autor: Tiago Lone Nível: Básico Criação: 11/12/2005 Última versão: 18/12/2006. Pesquisa e Desenvolvimento de Produtos TUTORIAL Memória Flash Autor: Tiago Lone Nível: Básico Criação: 11/12/2005 Última versão: 18/12/2006 PdP Pesquisa e Desenvolvimento de Produtos http://www.maxwellbohr.com.br contato@maxwellbohr.com.br

Leia mais