Armazenamento de Dados. Prof. Antonio Almeida de Barros Junior

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Armazenamento de Dados. Prof. Antonio Almeida de Barros Junior"

Transcrição

1 Armazenamento de Dados Prof. Antonio Almeida de Barros Junior 1

2 Armazenamento de Dados Todos os dados que utilizamos até o momento, ficavam armazenados apenas na memória. Ao final da execução dos programas, todos os dados se perdiam; Para resolver esse problema, deve-se começar a trabalhar com discos (HDs, disquetes, etc.), onde os dados poderão ser armazenados e manipulados por um ou vários programas, pois ficarão armazenados em algum local dos discos existentes no computador. 2

3 Armazenamento de Dados Exemplo: O usuário informa um valor para a variável name. Ao encerrar o programa, o valor de name é eliminado da memória.

4 Armazenamento de Dados Geralmente, o armazenamento de dados é realizado através de um banco de dados ou de um simples arquivo. A utilização de bancos de dados é baseada na utilização de um Sistema Gerenciador de Banco de Dados (SGBD), que oferece recursos para uma adequada e eficiente manipulação dos dados. BD Armazenamento de dados via arquivos, cuja manipulação é menos eficiente, porém significativamente mais simples. 4

5 Armazenamento de Dados Arquivos Um arquivo de dados tem a propriedade de ser independente dos programas. É separado de qualquer programa e pode ser acessado e usado por muitos programas diferentes. Suponha que você tenha necessidade de criar um arquivo de dados, para guardar os nomes, endereços e telefones de seus amigos. Inicialmente, você precisará de um programa para introduzir as informações no arquivo e adicionar novos dados ao mesmo. Um outro programa poderá ser criado para listar as informações do arquivo. Outro permitirá você selecionar um número de telefone do arquivo usando o nome do amigo como critério de seleção. Você pode criar outro programa para mudar os endereços e os telefones. Outro para imprimir etiquetas contendo as informações do arquivo. As possibilidades continuam... 5

6 Armazenamento de Dados Arquivos 6

7 Armazenamento de Dados O Turbo Pascal admite três tipos de arquivos: Arquivo typed (arquivo tipado): Pode conter praticamente todos os tipos de dados, menos o tipo FILE. Isto quer dizer que pode-se criar um arquivo para guardar reais, arrays, records, mas não se pode criar um arquivo de arquivo. Cada elemento pertencente ao arquivo tipado pode ser acessado diretamente pelo número, isto é, um registro pode ser acessado imediatamente sem que tenhamos que acessar todos os registros anteriores. Arquivo text (arquivo texto): Pertence a um tipo predefinido do Pascal denominado text. Os arquivos text são armazenados no disco como linhas de caracteres ASCII e só podem ser acessados de forma seqüencial, isto é, só podem ser lidos ou escritos do início para o fim do arquivo. Arquivo untyped (sem tipo): Pode ser associado a qualquer arquivo de disco, sendo que o tamanho do registro seja de 128 bytes. Não utiliza a memória temporária (buffer) nas operações de entrada e saída, promovendo uma maior velocidade no acesso aos dados. 7

8 Armazenamento de Dados Os procedimentos para manipulação de qualquer arquivo são: Definir uma variável de arquivo e associar a variável ao nome do arquivo no disco. Abrir o arquivo, para leitura ou para escrita ou para ambos. Ler os dados do arquivo ou gravar dados no mesmo. Fechar o arquivo quando o processo terminar. 8

9 Arquivos O Pascal usa a palavra reservada text como identificador padrão de arquivos-texto. A sintaxe para definir variáveis desse tipo é: var arq_alunos: text; arq_func: text[512]; Estabelece o tamanho da memória temporária(bytes); 9

10 Arquivos Os arquivos-texto são definidos inicialmente com memória temporária de 128 bytes. Esse tamanho de memória temporária é adequado para a maioria das aplicações. No caso de programas que utilizam repetidamente informações guardadas em discos, como é o caso de programas de banco de dados, pode ser conveniente aumentar a capacidade de memória temporária. 10

11 Arquivos Normalmente, se declara uma variável de memória, do mesmo tipo de dados que vão ser gravados ou lidos no arquivo. É essa variável que guarda em memória os conteúdos dos registros que vão ser lidos do arquivo ou que vão ser gravados no arquivo. Todo o manuseio com os dados é feito em memória. O arquivo de dados é utilizado apenas para gravar ou ler informações. 11

12 Arquivos Exemplo: type dados = record nome: string[30]; tel: string[10]; end; var arq_alunos: text; registro: dados; 12

13 Arquivos Para utilizar uma variável de arquivo para acessar um arquivo-texto, deve-se associar a variável a um determinado nome de arquivo em disco. Denomina-se esse processo como assinalamento. A função predefinida que executa esta tarefa é assign. assign associa o nome da variável de arquivo a um nome de arquivo em disco. Nunca deve ser usada em arquivos que já estejam em uso. Exemplo: assign(arq_alunos, alunos.dat ); A partir desse comando, toda referência a arq_alunos no programa será dirigida ao arquivo no disco chamado alunos.dat. 13

14 Arquivos Caso um programa tenha mais de uma variável de arquivo, teremos que assinalar individualmente cada variável, isto é, teremos tantos assign quanto forem as variáveis de arquivo. Assinalar uma variável a um arquivo é criar um buffer específico para aquela variável. Um buffer é uma parte da memória do computador, com determinada capacidade, que é criada para atuar como intermediário entre o programa e o arquivo de dados no disco. Graças aos buffers, os dados são movimentados corretamente, para os arquivos especificados. 14

15 Arquivos Exemplo: uses crt; type dados = record nome: string[30]; tel: string[10]; end; var arq_alunos: text; registro: dados; begin clrscr; assign(arq_alunos, alunso.dat ); 15

16 Manipulação de Arquivos Um determinado arquivo-texto pode ser aberto para leitura ou gravação, mas não para ambas operações ao mesmo tempo. O Pascal fornece três funções diferentes para abertura de um arquivo-texto: rewrite(var de arquivo); append(var de arquivo); reset(var de arquivo); 16

17 Manipulação de Arquivos Funções para abertura de um arquivo-texto: rewrite(var de arquivo): cria um novo arquivo e o abre para operações de escrita. Após a abertura, pode-se usar os comandos WRITE e WRITELN para escrever os dados e linhas de texto no arquivo. Caso o nome do arquivo já exista no disco, este procedimento destrói o arquivo antigo e cria outro vazio e com o mesmo nome, isto significa que todos os dados do arquivo existente serão perdidos. 17

18 Manipulação de Arquivos Funções para abertura de um arquivo-texto: append(var de arquivo): Abre um arquivo-texto já existente, de modo que podemos adicionar novos registros no fim do arquivo. Ocorre um erro de I/O (entrada e saída) se o arquivo não existir no disco. Após a abertura, pode-se usar as funções WRITE e WRITELN para escrever dados no arquivo. 18

19 Manipulação de Arquivos Funções para abertura de um arquivo-texto: reset(var de arquivo): abre um arquivo já existente para leitura. Após a abertura do arquivo, pode-se usar as funções READ e READLN para ler dados e linhas de texto do arquivo. 19

20 Arquivos - Exemplo uses crt; type dados = record nome: string; tel: string; end; var registro: dados; arq_reg: text; begin clrscr; assign(arq_reg, alunos.dat ); rewrite(arq_reg); write( Arquivo ALUNOS.DAT criado ); readkey; close(arq_reg); end. 20

21 Arquivos - Exemplo uses crt; type dados = record nome: string; tel: string; end; var registro: dados; arq_reg: text; conf: char; begin clrscr; assign(arq_reg, alunos.dat ); rewrite(arq_reg); write( Arquivo ALUNOS.DAT criado ); readkey; repeat write( Entre com um nome: ); readln(registro.nome); write( Seu telefone: ); readln(registro.tel); write( Confirma gravação? <S/N>: ); conf := upcase(readkey); if conf = S then writeln(arq_reg,registro.nome,#32,registro.tel); until conf= N ; close(arq_reg); end. 21

22 Arquivos - Observações Podem ser usados como caracteres delimitadores de campos: espaço (#32) e tabulação (#9). Para fechar qualquer arquivo aberto, o Pascal dispõe do comando CLOSE, como foi visto nos exemplos anteriores de programas. Se vários arquivos foram abertos simultaneamente, teremos que fechá-los individualmente, usando um comando close para cada um. O comando CLOSE fecha o arquivo externo em disco, mas não termina com o assinalamento feito pelo comando ASSIGN. Isto significa que o programa pode usar um comando REWRITE, RESET ou APPEND após o comando CLOSE se necessário. 22

23 Arquivos - Observações CLOSE é um comando muito importante, pois é usado para manter a integridade e exatidão dos arquivos de dados. Relembre que o buffer atua como um intermediário entre o programa e o arquivo em disco. Quando se executa uma operação de gravação, os dados são enviados primeiramente para o buffer. Quando o buffer está cheio, os dados são gravados em disco. Freqüentemente essa operação é chamada de atualização de arquivos em disco. O que acontece quando o buffer só está parcialmente cheio e não existem mais dados para preenchê-lo. Se você está esperando que o buffer semi-cheio simplesmente transfira seu conteúdo para o disco quando o programa termina a sua execução, você está enganado. Os dados de um buffer semi-cheio não são necessariamente gravados no arquivo. O comando CLOSE força o buffer a transferir o seu conteúdo para o arquivo de disco, mesmo que o buffer não esteja cheio. 23

24 Arquivos - Observações Já foi dito que um arquivo-texto é um arquivo seqüencial, por isso é necessário sabermos quando o fim de arquivo foi atingido. A quantidade de linhas gravadas pode ser controlada pelo programador, através de técnicas, porém, o modo mais prático para se descobrir o fim do arquivo é usar a função booleana EOF, como foi aplicado no exemplo anterior. A função EOF retorna true se o ponteiro estiver no final do arquivo. Caso contrário, a função retornará false, indicando que o fim do arquivo não foi atingido. 24

25 Arquivos - Exemplo uses crt; type dados = record nome: string; tel: string; end; var registro: dados; arq_reg: text; conf: char; begin clrscr; assign(arq_reg, alunos.dat ); reset(arq_reg); with registro do begin repeat readln(arq_reg,nome,tel); {lendo do arquivo} write(nome,,tel); {listando na tela} until eof(arq_reg); {repita até que o final do arquivo seja atingido} end; close(arq_reg); readkey; end. 25

26 Exercícios Exercícios: Página Dado um arquivo existente, com registros com os dados: nome, sexo, endereço e idade. Criar 2 arquivos, um só com os homens e outro só com as mulheres. 2. Criar um arquivo de alunos (nome, nro, p1, p2, media) para armazenar elementos (quantos o usuário quiser). Abrir o arquivo e atualizá-lo com as médias dos alunos. A seguir, liste nome e média de cada aluno. 3. Estoque de supermercado. Faça um programa para controlar o estoque de um supermercado. Para cada produto armazene (em arquivo): nome, estoque, preço, e estoque mínimo. Leia os dados para o estoque e guarde em um vetor. Depois percorra o vetor e escreva o nome e as demais informações de todos os produtos que estão com estoque abaixo do estoque mínimo. 4. Folha de pagamentos. Monte um vetor para armazenar o nome, cargo, salário bruto de cada funcionário de uma empresa. Depois execute a folha de pagamentos da seguinte forma: para cada funcionário, imprima nome, salário bruto e salário líquido (para salários menores que 1000 o salário líquido é o próprio salário bruto; para salários maiores ou iguais a 1000 o salário líquido é cerca de 87% do salário bruto). 26

Manipulação de Arquivos em Pascal

Manipulação de Arquivos em Pascal Manipulação de Arquivos em Pascal Estrutura de Dados II Aula 03 UFS - DComp Adaptados a partir do material da Profa. Kenia Kodel Cox 1 Para implementar programa infantil para ordenação (alfabética) de

Leia mais

ARQUIVOS. Os arquivos criados em meios magnéticos poderão ser acessados para leitura e escrita na forma seqüencial, direta ou indexada.

ARQUIVOS. Os arquivos criados em meios magnéticos poderão ser acessados para leitura e escrita na forma seqüencial, direta ou indexada. Texto retirado e adaptado da apostila A Linguagem Pascal, disponível no site http://www.portaldaprogramacao.com (autor: desconhecido) ARQUIVOS Anteriormente, foi estudado o conceito de tabelas em memória

Leia mais

PROG. DE COMPUTADORES II SI Arquivos

PROG. DE COMPUTADORES II SI Arquivos 1 PROG. DE COMPUTADORES II SI Arquivos Arquivos Permitem que gravemos nossas informações em dispositivos físicos Pendrive HD Estão organizados logicamente em registros Cada registro é similar a um campo

Leia mais

10) REGISTROS : Exemplos: var N,I: integer; A,B,C: real; CHAVE: boolean; CARAC: char; V: array[1..20] of real; M: array[1..10,1..

10) REGISTROS : Exemplos: var N,I: integer; A,B,C: real; CHAVE: boolean; CARAC: char; V: array[1..20] of real; M: array[1..10,1.. Página 1 de 10 10) REGISTROS : De um modo geral, as variáveis podem ser: - simples (integer, real, boolean, char) e - compostas: - homogêneas (array) - heterogêneas (record) Exemplos: var N,I: integer;

Leia mais

1 Funções básicas de implementação de arquivos

1 Funções básicas de implementação de arquivos 1 Funções básicas de implementação de arquivos 1.1 Definindo registros Depois de um objeto do mundo real ter sido modelado, ou seja, após seus atributos importantes (e relevantes) terem sido identificados,

Leia mais

Lista de Comandos: Arquivo texto e Binário

Lista de Comandos: Arquivo texto e Binário Lista de Comandos: Arquivo texto e Declaração de arquivo do tipo binário program sequencial; type endereco = record end; rua : string[40]; numero : integer; CEP : real; cadastro = record end; nome : string[30];

Leia mais

Representação de Algoritmos - Linguagens de Programação

Representação de Algoritmos - Linguagens de Programação Representação de Algoritmos - Linguagens de Programação A representação de algoritmos em uma pseudo-linguagem mais próxima às pessoas é bastante útil principalmente quando o problema a ser tratado envolve

Leia mais

Variáveis Compostas Heterogêneas. Variável Composta Heterogênea. Variável Composta Heterogênea

Variáveis Compostas Heterogêneas. Variável Composta Heterogênea. Variável Composta Heterogênea Variáveis Compostas Heterogêneas Variável Composta Heterogênea Conjunto de dados logicamente relacionados, mas de tipos diferentes. Também chamada de registro. Variável Composta Heterogênea 1 Declaração

Leia mais

1. Estrutura de seleção. Seleção: algumas etapas (passos) do algoritmo são executadas dependendo do resultado de uma condição

1. Estrutura de seleção. Seleção: algumas etapas (passos) do algoritmo são executadas dependendo do resultado de uma condição 1 Estrutura de seleção Seleção: algumas etapas (passos) do algoritmo são executadas dependendo do resultado de uma condição - Necessário quando mais de uma ação deve ser tomada se uma condição for satisfeita

Leia mais

Linguagem de Programação

Linguagem de Programação Linguagem de Programação Aula 10 Arquivos Universidade Federal de Santa Maria Colégio Agrícola de Frederico Westphalen Curso Técnico em Informática Prof. Bruno B. Boniati www.cafw.ufsm.br/~bruno Persistência

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA. Apostila Pascal Ed. 2006. Prof. Dr. Galeno José de Sena DMA/FEG CAPÍTULO 8

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA. Apostila Pascal Ed. 2006. Prof. Dr. Galeno José de Sena DMA/FEG CAPÍTULO 8 unesp UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Apostila Pascal Ed 2006 Prof Dr Galeno José de Sena DMA/FEG CAPÍTULO 8 ARQUIVOS DE DADOS EM PASCAL: ARQUIVOS SEQUENCIAIS - UMA INTRODUÇÃO 81 ARQUIVOS SEQUENCIAL E DIRETO

Leia mais

Algoritmos e Programação _ Departamento de Informática

Algoritmos e Programação _ Departamento de Informática 16 ARQUIVOS Um arquivo corresponde a um conjunto de informações (exemplo: uma estrutura de dados-registro), que pode ser armazenado em um dispositivo de memória permanente, exemplo disco rígido. As operações

Leia mais

Estrutura de Dados. Introdução a Ponteiros. Prof. Gerson Borges Estrutura de Dados I 1

Estrutura de Dados. Introdução a Ponteiros. Prof. Gerson Borges Estrutura de Dados I 1 Estrutura de Dados Introdução a Ponteiros Prof. Gerson Borges Estrutura de Dados I 1 Sumário è Explicação da importância do planejamento de ensino; è Métodos e técnicas que iremos trabalhar durante o semestre;

Leia mais

Estruturas de Dados. Profa. Juliana Pinheiro Campos

Estruturas de Dados. Profa. Juliana Pinheiro Campos Estruturas de Dados Profa. Juliana Pinheiro Campos Arquivos ESTRUTURAS DE DADOS Técnicas para que possamos salvar e recuperar informações em arquivos de maneira estruturada. Assim será possível implementar

Leia mais

Persistência de Dados

Persistência de Dados Persistência de s Universidade do Estado de Santa Catarina - Udesc Centro de Ciências Tecnológicas - CCT Departamento de Ciência da Computação Tecnologia de Sistemas de Informação Estrutura de s II - DAD

Leia mais

Algoritmos e Estruturas de Dados I. Arquivos. Pedro O.S. Vaz de Melo

Algoritmos e Estruturas de Dados I. Arquivos. Pedro O.S. Vaz de Melo Algoritmos e Estruturas de Dados I Arquivos Pedro O.S. Vaz de Melo Problema 1 Considere que um arquivo de dados contém os valores das dimensões (tam. max.: 100) e dos elementos de duas matrizes de números

Leia mais

ESTRUTURA DE DADOS -VARIÁVEIS COMPOSTAS. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. frozza@ifc-camboriu.edu.br

ESTRUTURA DE DADOS -VARIÁVEIS COMPOSTAS. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. frozza@ifc-camboriu.edu.br ESTRUTURA DE DADOS -VARIÁVEIS COMPOSTAS Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. frozza@ifc-camboriu.edu.br ROTEIRO Variáveis compostas homogêneas Arrays Vetores Matrizes Variáveis compostas heterogêneas Registros

Leia mais

1) Digitar o código-fonte no editor do compilador Turbo Pascal para windows, exatamente como apresentado a seguir:

1) Digitar o código-fonte no editor do compilador Turbo Pascal para windows, exatamente como apresentado a seguir: Introdução à Informática 1 de 6 Data: 29/05/04 1) Digitar o código-fonte no editor do compilador Turbo Pascal para windows, exatamente como apresentado a seguir: program eq2grau; uses WinCrt, Strings;

Leia mais

UNIP UNIVERSIDADE PAULISTA INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA (ICET) CURSO DE CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO. O Paradigma da Orientação a Objeto

UNIP UNIVERSIDADE PAULISTA INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA (ICET) CURSO DE CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO. O Paradigma da Orientação a Objeto UNIP UNIVERSIDADE PAULISTA INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA (ICET) CURSO DE CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO O Paradigma da Orientação a Objeto Apresentada em Cumprimento Parcial dos Requerimentos para

Leia mais

Algoritmos e Estruturas de Dados I 01/2013. Arquivos. Pedro O.S. Vaz de Melo

Algoritmos e Estruturas de Dados I 01/2013. Arquivos. Pedro O.S. Vaz de Melo Algoritmos e Estruturas de Dados I 01/2013 Arquivos Pedro O.S. Vaz de Melo Problema 1 Considere que um arquivo de dados contém os valores das dimensões (tam. max.: 100) e dos elementos de duas matrizes

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS II ESPECIFICAÇÃO CAMADA INDEPENDENTE

SISTEMAS OPERACIONAIS II ESPECIFICAÇÃO CAMADA INDEPENDENTE ANDRÉ LUCHESI CESAR HENRIQUE KÁLLAS SISTEMAS OPERACIONAIS II ESPECIFICAÇÃO CAMADA INDEPENDENTE Pontifícia Universidade Católica de Campinas Faculdade de Engenharia de Computação Turma III Grupo 9 Agosto

Leia mais

MANIPULAÇÃO DE STRINGS

MANIPULAÇÃO DE STRINGS MANIPULAÇÃO DE STRINGS O TIPO DE DADO STRING Os strings, como trechos de texto, são os tipos de dados mais familiares aos seres humanos. O Pascal padrão não fornecia tipos de dados de String; tínhamos

Leia mais

Estrutura da linguagem de programação C Prof. Tiago Eugenio de Melo tiago@comunidadesol.org

Estrutura da linguagem de programação C Prof. Tiago Eugenio de Melo tiago@comunidadesol.org Estrutura da linguagem de programação C Prof. Tiago Eugenio de Melo tiago@comunidadesol.org Breve Histórico A linguagem de programação C foi criada na década de 70, por Dennis Ritchie, que a implementou,

Leia mais

7. ESTRUTURAS DE DADOS ESTÁTICAS E DINÂMICAS

7. ESTRUTURAS DE DADOS ESTÁTICAS E DINÂMICAS 7. ESTRUTURAS DE DADOS ESTÁTICAS E DINÂMICAS Até... 7.1 Alocação Estática Alocação de Espaço em Memória Como já foi visto anteriormente, a memória de um computador compõe-se de uma sequência de palavras,

Leia mais

CONCEITOS BÁSICOS PARA A CONSTRUÇÃO DE ALGORITMOS PARA COMPUTADORES. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com

CONCEITOS BÁSICOS PARA A CONSTRUÇÃO DE ALGORITMOS PARA COMPUTADORES. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com CONCEITOS BÁSICOS PARA A CONSTRUÇÃO DE ALGORITMOS PARA COMPUTADORES Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com Objetivos Compreender os conceitos de lógica de programação e de algoritmos. Conhecer

Leia mais

Algumas notas sobre PASCAL

Algumas notas sobre PASCAL Algumas notas sobre PASCAL PARTE I Anjolina Grisi de Oliveira 1 Um programa em PASCAL Esse texto inclui algumas notas sobre a linguagem PASCAL. As diferenças existentes entre os diversos compiladores não

Leia mais

Engenharia Civil e Engenharia Básica Programação de Computadores Wedson Quintanilha da Silva

Engenharia Civil e Engenharia Básica Programação de Computadores Wedson Quintanilha da Silva Página 1 de 10 APOSTILA DE PASCAL MAPEAMENTO DE ALGORITMOS PARA PASCAL Algoritmo Exercicio1 Program Exercicio1; declare nome : caracter; nome : string; aux : inteiro; aux : integer; salario : real; salario

Leia mais

Fundamentos de Sistemas Operacionais

Fundamentos de Sistemas Operacionais Fundamentos de Sistemas Operacionais Sistema de Arquivos - II Prof. Galvez Implementação de Arquivos Arquivos são implementados através da criação, para cada arquivo no sistema, de uma estrutura de dados

Leia mais

Introdução. Manipulação de arquivos em C. Estrutura de Dados II Prof Jairo Francisco de Souza

Introdução. Manipulação de arquivos em C. Estrutura de Dados II Prof Jairo Francisco de Souza Introdução Manipulação de arquivos em C Estrutura de Dados II Prof Jairo Francisco de Souza Manipulação de Arquivo em C Existem dois tipos possíveis de acesso a arquivos na linguagem C : sequencial (lendo

Leia mais

MÉTODOS DE ORDENAÇÃO

MÉTODOS DE ORDENAÇÃO UNIÃO DE TECNOLOGIA E ESCOLAS DE SANTA CATARINA Tecnologia em Processamento de Dados MÉTODOS DE ORDENAÇÃO Tecnologia em Processamento de Dados (Pascal) Jurandir Steffens Acadêmico Glauco Vinicius Scheffel

Leia mais

Memória Flash. PdP. Autor: Tiago Lone Nível: Básico Criação: 11/12/2005 Última versão: 18/12/2006. Pesquisa e Desenvolvimento de Produtos

Memória Flash. PdP. Autor: Tiago Lone Nível: Básico Criação: 11/12/2005 Última versão: 18/12/2006. Pesquisa e Desenvolvimento de Produtos TUTORIAL Memória Flash Autor: Tiago Lone Nível: Básico Criação: 11/12/2005 Última versão: 18/12/2006 PdP Pesquisa e Desenvolvimento de Produtos http://www.maxwellbohr.com.br contato@maxwellbohr.com.br

Leia mais

Notas de Aula de Algoritmos e Programação de Computadores

Notas de Aula de Algoritmos e Programação de Computadores Notas de Aula de Algoritmos e Programação de Computadores FLÁVIO KEIDI MIYAZAWA com a colaboração de TOMASZ KOWALTOWSKI Instituto de Computação - UNICAMP Versão 2000.1 Estas notas de aula não devem ser

Leia mais

Tubarão / Santa Catarina / BRAZIL E-Mail : osmarjr@unisul.rct-sc.br http://tec1.unisul.rct-sc.br/osmarjr/

Tubarão / Santa Catarina / BRAZIL E-Mail : osmarjr@unisul.rct-sc.br http://tec1.unisul.rct-sc.br/osmarjr/ Tubarão / Santa Catarina / BRAZIL E-Mail : osmarjr@unisul.rct-sc.br http://tec1.unisul.rct-sc.br/osmarjr/ Índice 1. Algoritmos 3 2. Fases de um Algoritmos 4 3. Estrutura de Algoritmos 5 4. Variáveis 6

Leia mais

Manipulação de Arquivos

Manipulação de Arquivos 1 Manipulação de Arquivos Para realizar E/S em arquivo, você precisa incluir o arquivo-cabeçalho fstream.h nos programas. Esse arquivo define muitas classes e valores importantes. Abrindo e fechando um

Leia mais

Fundamentos de Arquivos e Armazenamento Secundário

Fundamentos de Arquivos e Armazenamento Secundário Fundamentos de Arquivos e Armazenamento Secundário Cristina D. A. Ciferri Thiago A. S. Pardo Leandro C. Cintra M.C.F. de Oliveira Moacir Ponti Jr. Armazenamento de Dados Armazenamento primário memória

Leia mais

Arquivos. Em relação ao Scilab, existem alguns tipos de arquivos que podem ser lidos, criados ou modificados.

Arquivos. Em relação ao Scilab, existem alguns tipos de arquivos que podem ser lidos, criados ou modificados. Arquivos Arquivos correspondem a unidades de armazenamento, tipicamente gravados em unidades de memória secundária. Sistemas operacionais, como Linux ou Windows, permitem que arquivos sejam criados e recuperados

Leia mais

PROGRAMAÇÃO II 3. PILHA DINÂMICA

PROGRAMAÇÃO II 3. PILHA DINÂMICA 3. PILHA DINÂMICA PROGRAMAÇÃO II Prof. Jean Eduardo Glazar Uma pilha é um tipo especial de Pilha na quais todas as inserções e remoções são feitas na primeira posição, que é chamada de topo. Outro nome

Leia mais

PROGRAMAÇÃO II 4. ÁRVORE

PROGRAMAÇÃO II 4. ÁRVORE 4. ÁRVORE PROGRAMAÇÃO II Prof. Jean Eduardo Glazar Uma árvore impõe uma estrutura hierárquica em uma coleção de itens. Um exemplo familiar é a árvore genealógica. Árvores despontam de forma natural em

Leia mais

IFPE. Disciplina: Sistemas Operacionais. Prof. Anderson Luiz Moreira

IFPE. Disciplina: Sistemas Operacionais. Prof. Anderson Luiz Moreira IFPE Disciplina: Sistemas Operacionais Prof. Anderson Luiz Moreira SERVIÇOS OFERECIDOS PELOS SOS 1 Introdução O SO é formado por um conjunto de rotinas (procedimentos) que oferecem serviços aos usuários

Leia mais

Funções de um SO. Gerência de processos Gerência de memória Gerência de Arquivos Gerência de I/O Sistema de Proteção

Funções de um SO. Gerência de processos Gerência de memória Gerência de Arquivos Gerência de I/O Sistema de Proteção Sistemas de Arquivos Funções de um SO Gerência de processos Gerência de memória Gerência de Arquivos Gerência de I/O Sistema de Proteção 2 Sistemas Operacionais Necessidade de Armazenamento Grandes quantidades

Leia mais

Como funcionam os comandos de SQL no Logic Basic Por Alan Oliveira

Como funcionam os comandos de SQL no Logic Basic Por Alan Oliveira Como funcionam os comandos de SQL no Logic Basic Por Alan Oliveira www.linksinfo.com.br Tutorial versão 1.0 Sobre o Logic basic: Parte 1 Sobre o Logic Basic e o SQL O Logic Basic é uma linguagem de programação

Leia mais

IFTO TÉCNICO EM INFORMÁTICA DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS AULA 01

IFTO TÉCNICO EM INFORMÁTICA DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS AULA 01 IFTO TÉCNICO EM INFORMÁTICA DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS AULA 01 Prof. Manoel Campos da Silva Filho Tecnólogo em Processamento de Dados / Unitins Mestre em Engenharia Elétrica / UnB http://lab.ifto.edu.br/~mcampos

Leia mais

Elementos básicos das linguagens de programação

Elementos básicos das linguagens de programação Elementos básicos das linguagens de programação Objetivos: Apresentar os últimos elementos básicos das linguagens de programação Elementos básicos já estudados Entrada (read, readln) Saída (write, writeln)

Leia mais

II. LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO COM PASCAL

II. LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO COM PASCAL II. LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO COM PASCAL Leitura: Engenharia de Software - Roger S. Pressman Cap 16 - Linguagens de Programação e Codificação (exceto 16.2) Introdução à Programação com Pascal - Sérgio E. R.

Leia mais

MC-102 Algoritmos e Programação de Computadores

MC-102 Algoritmos e Programação de Computadores MC-102 Algoritmos e Programação de Computadores Prof. Ariel Vargas Unicamp Arquivos Binários Arquivos Arquivos Texto Podem ser manipulados por um editor de texto comum Os dados são gravados como caracteres

Leia mais

PROGRAMAÇÃO II 3. FILA DINÂMICA

PROGRAMAÇÃO II 3. FILA DINÂMICA 3. FILA DINÂMICA PROGRAMAÇÃO II Prof. Jean Eduardo Glazar Uma fila é um tipo especial de lista na qual todas as inserções são feitas sempre depois do fim e as deleções no início. Por isso também recebe

Leia mais

Programação I. Departamento de Engenharia Rural Centro de Ciências Agrárias

Programação I. Departamento de Engenharia Rural Centro de Ciências Agrárias Departamento de Engenharia Rural Centro de Ciências Agrárias Programação I Prof. Bruno Vilela Oliveira bruno@cca.ufes.br http://www.brunovilela.webnode.com.br Aula 08 Programação em pascal Pascal Pascal

Leia mais

Capítulo 14. ARQUIVOS DE SAÍDA, DE ENTRADA E INTERNOS

Capítulo 14. ARQUIVOS DE SAÍDA, DE ENTRADA E INTERNOS Capítulo 14. ARQUIVOS DE SAÍDA, DE ENTRADA E INTERNOS OBJETIVOS DO CAPÍTULO Conceitos de: arquivo de entrada, arquivo interno, arquivo texto, arquivo binário, dispositivo e nome de arquivo genéricos Comandos

Leia mais

COMO GERAR UM ARQUIVO NÃO IDENTIFICADO NO TABWIN

COMO GERAR UM ARQUIVO NÃO IDENTIFICADO NO TABWIN O programa TabWin pode ser utilizado para calcular indicadores epidemiológicos e operacionais da tuberculose bem como para análise da qualidade da base de dados do Sinan. O usuário deve ter a versão atualizada

Leia mais

SPSS Statistical Package for the Social Sciences Composto por dois ambientes:

SPSS Statistical Package for the Social Sciences Composto por dois ambientes: Introdução ao SPSS Essa serie de aulas sobre SPSS foi projetada para introduzir usuários iniciantes ao ambiente de trabalho do SPSS 15, e também para reavivar a memória de usuários intermediários e avançados

Leia mais

Fundamentos de Arquivos. SCC203 Algoritmos e Estruturas de Dados II

Fundamentos de Arquivos. SCC203 Algoritmos e Estruturas de Dados II Fundamentos de Arquivos SCC203 Algoritmos e Estruturas de Dados II Arquivos Informação mantida em memória secundária HD Disquetes Fitas magnéticas CD DVD 2 Discos X Memória Principal Tempo de acesso HD:

Leia mais

Conceitos básicos da linguagem C

Conceitos básicos da linguagem C Conceitos básicos da linguagem C 2 Em 1969 Ken Thompson cria o Unix. O C nasceu logo depois, na década de 70. Dennis Ritchie, implementou-o pela primeira vez usando o sistema operacional UNIX criado por

Leia mais

Tutorial de Turbo Pascal

Tutorial de Turbo Pascal Página 1 de 7 Este tutorial foi completamente escrito por Rodrigo Brambilla pode ser distribuído livremente sem nenhuma modificação. Agradecimentos: Leomar Pacheco Rocha, Rodrigo Hoffmann dos Santos, Paulo

Leia mais

Lista de Exercícios da 3ª Unidade. ( Ponteiros, Alocação dinâmica, Arquivos, Estruturas de Dados)

Lista de Exercícios da 3ª Unidade. ( Ponteiros, Alocação dinâmica, Arquivos, Estruturas de Dados) Lista de Exercícios da 3ª Unidade ( Ponteiros, Alocação dinâmica, Arquivos, Estruturas de Dados) 1. (Seg. chamada - 2014.1) Construa um programa em C que realize as seguintes operações: a) Faça uma função

Leia mais

Modo Estrutura é o ambiente de definição e estruturação dos campos, tipos de dados, descrição e propriedades do campo.

Modo Estrutura é o ambiente de definição e estruturação dos campos, tipos de dados, descrição e propriedades do campo. Unidade 02 A- Iniciando o Trabalho com o ACCESS: Criar e Salvar um Banco de Dados Acessar o ACCESS Criar e Salvar o Banco de Dados Locadora Encerrar o Banco de Dados e o Access Criando um Banco de Dados

Leia mais

ESTRUTURA DE UM PROGRAMA EM C++ Estrutura de um Programa em C++

ESTRUTURA DE UM PROGRAMA EM C++ Estrutura de um Programa em C++ ESTRUTURA DE UM PROGRAMA EM C++ Estrutura de um Programa em C++ #include { Este trecho é reservado para o corpo da função, com a declaração de suas variáveis locais, seus comandos e funções

Leia mais

SW DE E/S INDEPENDENTE DE DISPOSITIVO

SW DE E/S INDEPENDENTE DE DISPOSITIVO SOFTWARE AO NÍVEL DO USUÁRIO SOFTWARE INDEPENDENTE DE DISPOSITIVOS ACIONADORES DE DISPOSITIVOS (DRIVERS) TRATAMENTO DE INTERRUPÇÕES HARDWARE FUNÇÕES: INTERFACE UNIFORME PARA OS DRIVERS USO DE BUFFERS INFORMAÇÃO

Leia mais

BANCO DE DADOS. Introdução a Banco de Dados. Conceitos BásicosB. Engenharia da Computação UNIVASF. Aula 1. Breve Histórico

BANCO DE DADOS. Introdução a Banco de Dados. Conceitos BásicosB. Engenharia da Computação UNIVASF. Aula 1. Breve Histórico Banco de Dados // 1 Banco de Dados // 2 Conceitos BásicosB Engenharia da Computação UNIVASF BANCO DE DADOS Aula 1 Introdução a Banco de Dados Campo representação informatizada de um dado real / menor unidade

Leia mais

Capítulo 6. Gerenciamento de Arquivos. 6.1 Arquivos 6.2 Diretórios 6.3 Implementação (6.3.1 a 6.3.6) 6.4 Exemplos

Capítulo 6. Gerenciamento de Arquivos. 6.1 Arquivos 6.2 Diretórios 6.3 Implementação (6.3.1 a 6.3.6) 6.4 Exemplos Capítulo 6 Gerenciamento de Arquivos 6.1 Arquivos 6.2 Diretórios 6.3 Implementação (6.3.1 a 6.3.6) 6.4 Exemplos 1 Armazenamento de longo prazo 1. Deve guardar grandes volumes de dados. 2. Informação armazenada

Leia mais

Fundamentos de Sistemas Operacionais. Sistema de Arquivos. Prof. Edwar Saliba Júnior Março de 2007. Unidade 03-002 Sistemas de Arquivos

Fundamentos de Sistemas Operacionais. Sistema de Arquivos. Prof. Edwar Saliba Júnior Março de 2007. Unidade 03-002 Sistemas de Arquivos Sistema de Arquivos Prof. Edwar Saliba Júnior Março de 2007 1 Objetivos Facilitar o acesso dos usuários ao conteúdo dos arquivos; Prover uma forma uniforme de manipulação de arquivos, independente dos

Leia mais

Capítulo 6 Sistemas de Arquivos

Capítulo 6 Sistemas de Arquivos Capítulo 6 Sistemas de Arquivos 6.1 Arquivos 6.2 Diretórios 6.3 Implementação do sistema de arquivos 6.4 Exemplos de sistemas de arquivos 1 Armazenamento da Informação a Longo Prazo 1. Deve ser possível

Leia mais

Bacharelado em Ciência e Tecnologia BC-0505 - Processamento da Informação Teoria Arquivos Prof. Edson Pinheiro Pimentel edson.pimentel@ufabc.edu.

Bacharelado em Ciência e Tecnologia BC-0505 - Processamento da Informação Teoria Arquivos Prof. Edson Pinheiro Pimentel edson.pimentel@ufabc.edu. Bacharelado em Ciência e Tecnologia BC-0505 - Processamento da Informação Teoria Arquivos Prof. Edson Pinheiro Pimentel edson.pimentel@ufabc.edu.br Conceitos Arquivos permitem armazenar dados de maneira

Leia mais

1. Fazer um programa em C que pergunta um valor em metros e imprime o correspondente em decímetros, centímetros e milímetros.

1. Fazer um programa em C que pergunta um valor em metros e imprime o correspondente em decímetros, centímetros e milímetros. Lista de exercícios: Grupo I - programa seqüênciais simples 1. Fazer um programa em C que pergunta um valor em metros e imprime o correspondente em decímetros, centímetros e milímetros. 2. Fazer um programa

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS: 3ª Unidade. Registros e Arquivos

LISTA DE EXERCÍCIOS: 3ª Unidade. Registros e Arquivos LISTA DE EXERCÍCIOS: 3ª Unidade Registros e Arquivos 1) Faça um programa que leia os dados de 10 funcionários de uma empresa usando um registro do tipo funcionário, e após a sua leitura, imprima na tela.

Leia mais

14. Arquivos. W. Celes e J. L. Rangel. Estruturas de Dados PUC-Rio 13-1

14. Arquivos. W. Celes e J. L. Rangel. Estruturas de Dados PUC-Rio 13-1 14. Arquivos W. Celes e J. L. Rangel Neste capítulo, apresentaremos alguns conceitos básicos sobre arquivos, e alguns detalhes da forma de tratamento de arquivos em disco na linguagem C. A finalidade desta

Leia mais

Aula Prática 1: Introdução ao Ambiente de Programação Dev-C++

Aula Prática 1: Introdução ao Ambiente de Programação Dev-C++ Aula Prática 1: Introdução ao Ambiente de Programação Dev-C++ 1. Introdução Em nossa primeira aula prática de programação em linguagem C iremos escrever e testar programas de computador básicos. Mas antes,

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Sistemas de Entrada/Saída Princípios de Hardware Sistema de Entrada/Saída Visão Geral Princípios de Hardware Dispositivos de E/S Estrutura Típica do Barramento de um PC Interrupções

Leia mais

TRABALHANDO COM ARQUIVOS ENTRADAS/SAÍDAS (I/O) DE DADOS

TRABALHANDO COM ARQUIVOS ENTRADAS/SAÍDAS (I/O) DE DADOS livrof90_v5 2007/3/1 10:27 page 41 #1 CAPÍTULO2 TRABALHANDO COM ARQUIVOS ENTRADAS/SAÍDAS (I/O) DE DADOS Neste capítulo você encontrará: 2.1 Introdução.................. 41 Arquivo................. 42 2.2

Leia mais

Listas Lineares. Fundamentos

Listas Lineares. Fundamentos Listas Lineares Fundamentos Uma lista linear é uma coleção L:[a 1, a 2,..., a n ], n 0, cuja propriedade estrutural baseia-se apenas na posição relativa dos elementos, que são dispostos linearmente. Se

Leia mais

Curso de Linguagem C

Curso de Linguagem C Curso de Linguagem C 1 Aula 1 - INTRODUÇÃO...4 AULA 2 - Primeiros Passos...5 O C é "Case Sensitive"...5 Dois Primeiros Programas...6 Introdução às Funções...7 Introdução Básica às Entradas e Saídas...

Leia mais

Regras Métodos Identificadores Variáveis Constantes Tipos de dados Comandos de atribuição Operadores aritméticos, relacionais e lógicos

Regras Métodos Identificadores Variáveis Constantes Tipos de dados Comandos de atribuição Operadores aritméticos, relacionais e lógicos Lógica Aula 2 Técnicas de Programação Criando algoritmos Regras Métodos Identificadores Variáveis Constantes Tipos de dados Comandos de atribuição Operadores aritméticos, relacionais e lógicos Criando

Leia mais

Introdução à Lógica de Programação

Introdução à Lógica de Programação Sistemas Operacionais e Introdução à Programação Introdução à Lógica de Programação 1 Estruturas de dados Representação computacional das informações do problema ser resolvido Informações podem ser de

Leia mais

Computação Eletrônica

Computação Eletrônica Computação Eletrôica (1 Giga Byte) Processador (Itel Petium) Disco ou HD (100 Giga Bytes) Por que temos 2 memórias? HD: permaete (pode desligar o computador), barato e leto O HD é represetado por um cilidro

Leia mais

E/S CPU. Memória (Instruções e dados) 2 PARADIGMA IMPERATIVO. Instruções e dados. Resultados das operações. Unidade lógica e aritmética

E/S CPU. Memória (Instruções e dados) 2 PARADIGMA IMPERATIVO. Instruções e dados. Resultados das operações. Unidade lógica e aritmética 2 PARADIGMA IMPERATIVO 2.1 CONCEITO As linguagens que pertencem ao paradigma imperativo tomam por base a perspectiva da máquina. Ou seja, no modo como o computador executa programas em linguagem de máquina.

Leia mais

MEMÓRIA. A memória do computador pode ser dividida em duas categorias:

MEMÓRIA. A memória do computador pode ser dividida em duas categorias: Aula 11 Arquitetura de Computadores - 20/10/2008 Universidade do Contestado UnC/Mafra Sistemas de Informação Prof. Carlos Guerber MEMÓRIA Memória é um termo genérico usado para designar as partes do computador

Leia mais

Comunicação. O Modelo de Fluxo de Dados (Streams)

Comunicação. O Modelo de Fluxo de Dados (Streams) Comunicação O Modelo de Fluxo de Dados (Streams) Os programas escritos em C utilizam o conceito de fluxo de dados (em, inglês, eles são chamados de streams) para comunicarem-se com dispositivos do computador

Leia mais

Computação L2. Arquivos. Observação: Material da Disciplina Computação Eletrônica CIN/UFPE.

Computação L2. Arquivos. Observação: Material da Disciplina Computação Eletrônica CIN/UFPE. Computação L2 Arquivos Observação: Material da Disciplina Computação Eletrônica CIN/UFPE. Memórias do Computador HD: permanente (pode desligar o computador), barato e lento; O HD é representado por um

Leia mais

ENGENHARIA DE PRODUÇÃO ICC 1 TÉCNICAS DE PROGRAMAÇÃO

ENGENHARIA DE PRODUÇÃO ICC 1 TÉCNICAS DE PROGRAMAÇÃO ENGENHARIA DE PRODUÇÃO ICC 1 TÉCNICAS DE PROGRAMAÇÃO 1. INTRODUÇÃO O que é um programa? Programa constitui uma seqüência lógica de passos para solução de um problema. Um programa pode ser codificado em

Leia mais

Linguagem Pascal. Prof. Antonio Almeida de Barros Junior

Linguagem Pascal. Prof. Antonio Almeida de Barros Junior Linguagem Pascal Prof. Antonio Almeida de Barros Junior 1 Linguagem Pascal Criada para ser uma ferramenta educacional (Década de 70); Prof. Niklaus Wirth (Universidade de Zurique); Blaise Pascal (Matemático

Leia mais

Biblioteca Walter Wey. Bases de Dados. Manual de Pesquisa. Versão 1.1

Biblioteca Walter Wey. Bases de Dados. Manual de Pesquisa. Versão 1.1 Biblioteca Walter Wey Bases de Dados Manual de Pesquisa Versão 1.1 2010 Pesquisando no IAH A busca é executada a partir de um formulário onde o usuário monta sua "expressão de pesquisa", combinando palavras,

Leia mais

Programação para Android. Aula 07: Persistência de dados Shared Preferences, Internal e External Storage

Programação para Android. Aula 07: Persistência de dados Shared Preferences, Internal e External Storage Programação para Android Aula 07: Persistência de dados Shared Preferences, Internal e External Storage Persistência de dados Na maioria das aplicações precisamos ter algum tipo de persistência de dados.

Leia mais

6 - Gerência de Dispositivos

6 - Gerência de Dispositivos 1 6 - Gerência de Dispositivos 6.1 Introdução A gerência de dispositivos de entrada/saída é uma das principais e mais complexas funções do sistema operacional. Sua implementação é estruturada através de

Leia mais

Lógica de Programação com Pascal. Teoria e Prática. Este livro visa ensinar a programação com Pascal através de exemplos práticos.

Lógica de Programação com Pascal. Teoria e Prática. Este livro visa ensinar a programação com Pascal através de exemplos práticos. Lógica de Programação com Pascal Teoria e Prática Este livro visa ensinar a programação com Pascal através de exemplos práticos. Edeyson Andrade Gomes IFBA 2011 2ª Edição Revisão 08.12.2011 SUMÁRIO 1...

Leia mais

Algoritmos e Programação de Computadores

Algoritmos e Programação de Computadores Algoritmos e Programação de Computadores Algoritmos Estrutura Sequencial Parte 1 Professor: Victor Hugo L. Lopes Agenda Etapas de ação do computador; TDP Tipos de Dados Primitivos; Variáveis; Constantes;

Leia mais

- UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS Curso: Informática / Ciência da Computação

- UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS Curso: Informática / Ciência da Computação Programação 1I Prof. Osório Árvores Genéricas Pag.: 1 - UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS Curso: Informática / Ciência da Computação Programação II Disciplina: Linguagem

Leia mais

LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO Prof. José Geraldo

LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO Prof. José Geraldo LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO Prof. José Geraldo 1.1 Introdução A Lógica é forma de organizar os pensamentos e demonstrar o raciocínio de maneira correta. A utilização da lógica é a melhor maneira de solucionar

Leia mais

BARRAMENTO DO SISTEMA

BARRAMENTO DO SISTEMA BARRAMENTO DO SISTEMA Memória Principal Processador Barramento local Memória cachê/ ponte Barramento de sistema SCSI FireWire Dispositivo gráfico Controlador de vídeo Rede Local Barramento de alta velocidade

Leia mais

Introdução à estrutura de dados com Python

Introdução à estrutura de dados com Python Introdução à estrutura de dados com Python CLEIBSON APARECIDO DE ALMEIDA UFPR Universidade Federal do Paraná PPGMNE Programa de Pós Graduação em Métodos Numéricos em Engenharia Centro Politécnico CEP 81.531-980

Leia mais

LP II Estrutura de Dados. Introdução e Linguagem C. Prof. José Honorato F. Nunes honorato.nunes@ifbaiano.bonfim.edu.br

LP II Estrutura de Dados. Introdução e Linguagem C. Prof. José Honorato F. Nunes honorato.nunes@ifbaiano.bonfim.edu.br LP II Estrutura de Dados Introdução e Linguagem C Prof. José Honorato F. Nunes honorato.nunes@ifbaiano.bonfim.edu.br Resumo da aula Considerações Gerais Introdução a Linguagem C Variáveis e C Tipos de

Leia mais

Programação Básica em Arduino Aula 2

Programação Básica em Arduino Aula 2 Programação Básica em Arduino Aula 2 Execução: Laboratório de Automação e Robótica Móvel Variáveis são lugares (posições) na memória principal que servem para armazenar dados. As variáveis são acessadas

Leia mais

Introdução à Computação: Sistemas de Computação

Introdução à Computação: Sistemas de Computação Introdução à Computação: Sistemas de Computação Beatriz F. M. Souza (bfmartins@inf.ufes.br) http://inf.ufes.br/~bfmartins/ Computer Science Department Federal University of Espírito Santo (Ufes), Vitória,

Leia mais

Unidade VI. Técnicas de Teste de Software Teste Estrutural. Profa. Dra. Sandra Fabbri

Unidade VI. Técnicas de Teste de Software Teste Estrutural. Profa. Dra. Sandra Fabbri Unidade VI Técnicas de Teste de Software Profa. Dra. Sandra Fabbri Os requisitos de teste são extraídos de uma implementação em particular Teste dos detalhes procedimentais A maioria dos critérios dessa

Leia mais

CURSO de CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO - Gabarito

CURSO de CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO - Gabarito UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE TRANSFERÊNCIA 2 o semestre letivo de 2005 e 1 o semestre letivo de 2006 CURSO de CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO - Gabarito Verifique se este caderno contém : INSTRUÇÕES AO CANDIDATO

Leia mais

Identificação das variáveis de entrada; resultados/variáveis de saída e método ou solução. (procedimentos e funções)

Identificação das variáveis de entrada; resultados/variáveis de saída e método ou solução. (procedimentos e funções) Aulas anteriores... Formulação adequada do problema Identificação das variáveis de entrada; resultados/variáveis de saída e método ou solução Definição do algoritmo Método de decomposição hierárquica utilizando

Leia mais