INT 5h - Print screen Modo Resolução Caract. INT 10h - Vídeo INT 10h - Vídeo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INT 5h - Print screen Modo Resolução Caract. INT 10h - Vídeo INT 10h - Vídeo"

Transcrição

1 BIOS Basic Input/Output System BIOS e System Calls Prof. Eduardo Tavares Primeira instrução a ser executada (0xFFFF0-0xFFFFF) Configuração inicial do sistema Inicialização do boot loader Diversas rotinas para comunicação com dispositivos de I/O Migração da BIOS para Extensible Firmware Interface (Ex: algumas versões reconhecem modo longo diretamente) INT 5h - Print screen Imprime conteúdo da tela Interrupção do BIOS que trata o vídeo Os serviços são passados através do registrador AH Especificação do modo AH = 0 AL = Modo Modo Resolução Caract. 0h tx, preto/branco 1h tx, 16 cores 2h tx, preto/branco 3h tx, 16 cores 4h gr, 4 cores 5h gr, preto/branco 6h gr, 2 cores... 12h gr, 16 cores... Ajusta formato do cursor AH = 1 CH = linha inicial CL = linha final - número de linhas = 7 Posiciona o cursor AH = 2 DH = linha DL = coluna Ler posição do cursor AH = 3 DH = linha DL = coluna CX = tipo do cursor Selecionar AH = 5 AL = Páginas Modos (placas SVGA) * Modos gráficos * - depende dos modos suportados por cada placa. 1

2 Rolar para cima a janela de vídeo Chama-se com: AH = 6 AL = número de linhas a serem roladas (Zero (0) rola todas) CH = linha do canto superior esquerdo CL = coluna do canto superior esquerdo DH = linha do canto inferior direito DL = coluna do canto inferior direito BH = atributo a ser usado nas novas linhas Rolar para baixo a janela de vídeo Chama-se com: AH = 7 AL = número de linhas a serem roladas (Zero (0) rola todas) CH = linha do canto superior esquerdo CL = coluna do canto superior esquerdo DH = linha do canto inferior direito DL = coluna do canto inferior direito BH = atributo a ser usado nas novas linhas Ler o caracter e o atributo da posição do cursor AH = 8 AH = atributo do caracter Escreve caracter e atributo Chama-se com: AH = 9 BL = atributo do caracter CX = número de repetições Escreve caracter AH = 10 CX = número de repetições Escreve um ponto (pixel) AH = 12 (0CH) AL = cor do pixel. Caso o bit 7 de AL seja 1, a cor do pixel será o ouexclusivo com a cor atual. BH = CX = coordenada X (coluna) DX = coordenaday (linha) Ler um ponto (pixel) AH = 13 BH = CX = coordenada X (coluna) DX = coordenada Y (linha) AL = cor do pixel Escreve caracter em modo TTY AH = 14 BL = cor do 2º plano * Avança posição do cursor automaticamente. ** Aceita caracteres de controle como bell, avanço de linha, carriage return e backspace. Obtém o modo do vídeo AH = 15 AH = número de colunas da tela AL = modo BH = ativa Escreve caracter em modo TTY AH = 14 BL = cor do 2º plano * Avança posição do cursor automaticamente. ** Aceita caracteres de controle como bell, avanço de linha, carriage return e backspace. INT 13h - DISCO Reseta sistema de disco AH = 00h DL = número do driver 00-7Fh floppy disk 80 - FFh hard disk CF = 0 sem erro 1 erro AH = código do erro Código do Erro 00h - sem erro 01h - comando inválido 02h - address mark não encontrado 03h - disco protegido 04h - setor não encontrado 05h - falha de reset 06h - disco removido 08h - erro de DMA 09h - erro de limite de DMA 10h - setor com erro 20h - falha do controlador 40h - trilha não encontrada 80h - time-out 2

3 INT 13h - DISCO Obtém status AL = código do erro Ler/Escreve/Verifica/Formata AH=02h/03h/04h/05h AL= número de setores CH= número do cilindro CL= número do setor (1, se AH=5) DH= número da cabeça DL= número da unidade ES:BX= buffer CF= 0 sem erro 1 erro AH= código do erro INT 13h - DISCO Se AH=05h (Formatar) ES:BX = 4 campos de entrada para cada setor byte 0 - número do cilindro byte 1 - número da cabeça byte 2 - número do setor byte 3 - código do tamanho do setor 00h b/s 01h b/s 02h b/s 03h b/s INT 16h - Teclado Aguarda a digitação de um caracter e o lê AH = 0h Se um caractere ASCII foi digitado AH = código de varredura Se um caractere especial foi digitado AH = código ASCII estendido AL = 00h Verifica se um caracter está pronto AH = 1h Se um caractere ASCII foi digitado ZF=0 AH = código de varredura Caso contrário, ZF=1 Obs.: Não remove do buffer INT 16h - Teclado Obtêm status do teclado AH = 2h AL = status 01h - shift direito ativo 02h - shift esquerdo ativo 04h - crtl ativo 08h - alt ativo 10h - num lock ativo 20h - scroll lock ativo 40h - caps lock ativo 80h - inserção ativa INT 17h - Impressora Imprime caractere AH = 00h e DX = número da impressora AH = status Inicializa impressora DX = número da impressora Obtêm status da impressora AH = 02h DX = número da impressora AH = status 01h - time-out 08h - erro de I/O 10h - impressora selecionada 20h - sem papel 40h - reconhecimento 80h - impressora desocupada INT 19h - Warm Start INT 1Ah - Obtém / atualiza tempo / data Ler contador do relógio AH = 00h AL = 0, se não se passaram 24h da última leitura CX = parte de alta-ordem do contador DX = parte de baixa-ordem do contador Atualiza contador do relógio CX = parte de alta-ordem do contador DX = parte de baixa-ordem do contador Ler relógio AH = 02h CH = horas em BCD CL = minutos em BCD DH = segundos em BCD DL = milesegundos em BCD 3

4 e System Calls INT 1Ah - Obtém / atualiza tempo / data Atualiza relógio AH = 03h CH = horas em BCD CL = minutos em BCD DH = segundos em BCD DL = milesegundos em BCD Ler data AH = 04h CH = século (19, 20,21) em BCD CL = ano em BCD DH = mês em BCD DL = dia em BCD Atualiza data AH = 05h CH = século (19,20,21) em BCD CL = ano em BCD DH = mês em BCD DL = dia em BCD INT 14h - serial (BIOS) INT 21h CONSOLE:SERVIÇOS 01-0Ch AJUSTE DE INTERRUPÇÃO: 25h,35h DATA E HORA: 2Ah-2Dh FINALIZAÇÃO DE PROGRAMA: 4Ch,31h DIRETÓRIO E ARQUIVO:39h-43h INT 21h - DOS Leitura teclado eco Se um caractere ASCII foi digitado Se AL =0, a função deve ser repetida para se obter o código de varredura, pois uma tecla especial foi digitada. Se um caracter não foi digitado, aguarda. Sensível a control-c e control-break char db? mov ah,1 mov char,al Mostra caracter em tela AH = 02h DL = código ASCII do caracter. Ex.: mov ah,02 mov dl, * INT 21h - DOS Leitura de entrada auxiliar (serial 1) AH = 03h Se um caracter não foi digitado, aguarda. Sensível a control-c A INT 14h e o controle direto são mais adequados para leitura onde não tolere a perda de dados. char db? mov ah,3 mov char,al Transmite caracter via saída auxiliar AH = 04h DL = código ASCII do caracter. A INT 14h e o controle direto são mais adequados para leitura onde não tolere a perda de dados. Ex.: mov ah,04 mov dl, * Leitura teclado sem eco AH = 08h Se um caractere ASCII foi digitado Se AL =0, a função deve ser repetida para se obter o código de varredura, pois uma tecla especial foi digitada. Se um caracter não foi digitado, aguarda. Sensível a control-c e control-break char db? mov ah,8 mov char,al Mostra cadeia de caracter em tela AH = 09h DS:DX = apontam para o endereço do início da cadeia de caracter. A cadeia dever ser finalizada com $ cr equ 0dh lf equ 0ah mens db Bom Dia, cr, lf, $ mov dx, seg mens lea dx, mens mov ah,9 Leitura teclado com buffer AH = 0Ah DS:DX = apontam para o endereço do início do buffer. Formato do buffer: byte conteúdo 0 máximo número de carateres a serem lidos. 1 número de caracteres que de fato foram lidos. 2+ cadeia de caracteres lida. Terminada com cr (0dh) Ex.: buff db 81 db 0 db 81 dup(0) mov ah,0ah mov dx,seg buff 4

5 Define vetor de interrupção AH = 25h AL = número da interrupção DS:DX = segmento e offset do serviço de tratamento da interrupção. mov ah,25h mov al,0 mov dx,seg DIVZ lea dx,divz DIVZ proc far iret DIVZ endp Obtém vetor de interrupção AH = 35h AL = número da interrupção : ES:BX = segmento e offset do serviço de tratamento da interrupção. OldDivZS dw? OldDivZOdw? mov ah,35h mov al,0 mov OldDivZO,bx mov bx,es mov OldDivZS,bx Obtém data AH = 2Ah CX = ano DH = mês (1-12) DL = dia ( 1-31) : AL = Dia da semana (0= dom, 7=sab) Define data AH = 2Bh CX = ano DH = mês (1-12) DL = dia ( 1-31) : AL = 0, se definido com sucesso AL = FFh, caso contrário. Obtém tempo AH = 2Ch CH = hora (0 23) CL = minutos (0-59) DH = segundos ( 0-59) DL = milisegundos (0 99) Define tempo AH = 2Dh CH = hora (0 23) CL = minutos (0-59) DH = segundos ( 0-59) DL = milisegundos (0 99) AL = 0, se definido com sucesso AL = FFh, caso contrário. : Alocação de Memória AH = 48h BX = N. de parágrafos Se CF=0, AX segmento alocado Offset 0 é a primeira localização Caso contrário, AX contém o código do Erro e BX contem o maior bloco de parágrafos disponível Liberação de Memória AH = 49h ES = Segmento a ser liberado Se CF=0, a memória foi liberada Caso contrário, AX terá o código de erro Ajuste de bloco de memória AH = 4Ah ES = Endereço do segmento a ser ajustado BX = novo tamanho * 1 parágrafo = 16 bytes Se CF=0, a memória foi liberada Caso contrário, AX terá o código de erro e BX contém o n. máximo de parágrafos disponíveis para um aumento na alocação Cria arquivo AH = 3Ch CX = atributo bit significado 0 somente leitura 1 invisível 2 sistema DS:DX apontam para o endereço que contem o caminho (string terminada por 0) e o nome do arquivo a ser criado. CF = 0 e AX = manipulador, se sucesso. CF = 1 e AX = código de erro, caso contrário. fname db C:\MYDIR\MYFILE.DAT,0 mov ah,3ch xor cx,cx; atributo normal mov dx,seg fname lea dx,fname mov fhandle,ax Abri arquivo AH = 3Dh AL = modo de acesso 0 leitura 1 escrita 2 leitura e escrita DS:DX apontam para o endereço que contem o caminho (string terminada por 0) e o nome do arquivo a ser criado. CF = 0 e AX = manipulador, se sucesso. CF = 1 e AX = código de erro, caso contrário. fname db C:\MYDIR\MYFILE.DAT,0 mov ah,3dh mov al,2; leitura e escrita mov dx,seg fname lea dx,fname mov fhandle,ax 5

6 Fechar arquivo AH = 3Eh CF = 0, se sucesso. CF = 1, caso contrário. mov ah,3eh Ler arquivo AH = 3Fh CX = número de bytes a ser lido DS:DX = endereço inicial do buffer CF = 0, se sucesso. AX = bytes lidos CF = 1, caso contrário. AX = código de erro. buff db 1024 dup(?) mov ah,3fh mov dx, seg buff mov cx,1024 cmp ax,cx jl done Escrever em arquivo AH = 40h CX = número de bytes a ser escrito DS:DX = endereço inicial do buffer CF = 0, se sucesso. AX = bytes escritos CF = 1, caso contrário. AX = código de erro. buff db 1024 dup(?) mov ah,40h mov dx, seg buff mov cx,1024 cmp ax,cx jl done Apaga arquivo AH = 41h DS:DX apontam para o endereço que contem o caminho (string terminada por 0) e o nome do arquivo a ser apagado. CF = 0, se sucesso. CF = 1 e AX = código de erro, caso contrário. fname db C:\MYDIR\MYFILE.DAT,0 mov ah,41h mov dx,seg fname lea dx,fname Escrever em arquivo AH = 40h CX = número de bytes a ser escrito DS:DX = endereço inicial do buffer CF = 0, se sucesso. AX = bytes escritos CF = 1, caso contrário. AX = código de erro. buff db 1024 dup(?) mov ah,40h mov dx, seg buff mov cx,1024 cmp ax,cx jl done Posicionar Ponteiro de Arquivo AH = 42h AL = método de posicionamento CX:DX = deslocamento CF = 0, se sucesso. DX:AX = nova posição CF = 1, caso contrário. AX = código de erro. Método 0 - (absoluto) começo do arquivo 1 - relativo a posição atual 2 - (absoluto) fim do arquivo mov ah,42h mov cx,0 Mov dx,1024 6

Interface Hardware/Software. Centro de Informática - UFPE Paulo Maciel prmm@cin.ufpe.br

Interface Hardware/Software. Centro de Informática - UFPE Paulo Maciel prmm@cin.ufpe.br Interface Hardware/Software Centro de Informática - UFPE Paulo Maciel prmm@cin.ufpe.br Interrupção INT 1Ah Ler o Relógio; Atualizar o Relógio; Ler a Data; Atualizar a Data. 2 Interrupção - INT 1Ah Ler

Leia mais

Uso de interrupções de BIOS/DOS

Uso de interrupções de BIOS/DOS Uso de interrupções de BIOS/DOS Prof. Ronaldo Hüsemann Mapa de Memória FFFFFh F0000h C0000h B8000h A0000h BIOS (ROM) Reservado Memória de Vídeo (Texto e Gráfica) Memória de Vídeo (Parte Gráfica) Área para

Leia mais

Laboratório de Sistemas Processadores e Periféricos

Laboratório de Sistemas Processadores e Periféricos Laboratório de Sistemas Processadores e Periféricos Sistema de Interrupções do 8086 Prática 11 Gustavo G. Parma Assunto: sistema de interrupcões do 8086. Interrupções do DOS Objetivos: Apresentação do

Leia mais

Os 3 principais tipos de Instruções (INSTRUTION SET) dos up são:

Os 3 principais tipos de Instruções (INSTRUTION SET) dos up são: Linguagem Assembly Os 3 principais tipos de Instruções (INSTRUTION SET) dos up são: INSTRUÇÕES DE TRANSFERÊNCIA DE DADOS - Movem dados entre Registradores, Registradores e Memória e Valores Fixos para

Leia mais

Universidade do Algarve Faculdade de Ciências e Tecnologia Área Departamental de Engenharia Electrónica e Computação

Universidade do Algarve Faculdade de Ciências e Tecnologia Área Departamental de Engenharia Electrónica e Computação Universidade do Algarve Faculdade de Ciências e Tecnologia Área Departamental de Engenharia Electrónica e Computação Periféricos e Interfaces 2003/2004 Cursos de Informática e Ensino de Informática Exame

Leia mais

ORGANIZAÇÃO BÁSICA DE COMPUTADORES E LINGUAGEM DE MONTAGEM

ORGANIZAÇÃO BÁSICA DE COMPUTADORES E LINGUAGEM DE MONTAGEM PROGRAMAÇÃO DE VIDEO MODO TEXTO MONITOR DE VÍDEO MONOCROMÁTICO E COLORIDO ADAPTADORES DE VÍDEO CONTROLADORES + MEMÓRIA DE VÍDEO MODOS DE VÍDEO MODO GRÁFICO (PIXELS) E TEXTO (80 COLUNAS x 25 LINHAS) MODO

Leia mais

CRIANDO UM SISTEMA OPERACIONAL BÁSICO Por: Fernando Birck aka Fergo

CRIANDO UM SISTEMA OPERACIONAL BÁSICO Por: Fernando Birck aka Fergo CRIANDO UM SISTEMA OPERACIONAL BÁSICO Por: Fernando Birck aka Fergo 2 SUMÁRIO 1. Introdução 3 2. Aplicativos 4 3. Processo de boot 5 4. Interrupts 6 5. Criando o Loader 7 6. Criando o Kernel 9 7. Gravando

Leia mais

Aula Prática 1 Introdução à programação Assembly no DOS usando TASM Bruno Silva bs@cin.ufpe.br lauro Moura lauromoura@gmail.com

Aula Prática 1 Introdução à programação Assembly no DOS usando TASM Bruno Silva bs@cin.ufpe.br lauro Moura lauromoura@gmail.com Interface Hardware Software Aula Prática 1 Introdução à programação Assembly no DOS usando TASM Bruno Silva bs@cin.ufpe.br lauro Moura lauromoura@gmail.com Conteúdo Visão geral do processo TASM / TLINK

Leia mais

LABORATÓRIO DE LINGUAGEM DE MONTAGEM INTERRUPÇÕES DO DOS E DA BIOS

LABORATÓRIO DE LINGUAGEM DE MONTAGEM INTERRUPÇÕES DO DOS E DA BIOS LABORATÓRIO DE LINGUAGEM DE MONTAGEM INTERRUPÇÕES DO DOS E DA BIOS Capítulo 15 do livro-texto, págs. 309 a 330 Impressora Scanner Monitor Flop Disk Modem Floppy drive "CPU" HD CD ROM Teclado Mouse Dispositivos

Leia mais

7. Instruções lógicas, de deslocamento e de rotação

7. Instruções lógicas, de deslocamento e de rotação 7. Instruções lógicas, de deslocamento e de rotação São instruções que permitem mudar o padrão de bits num byte (8 bits) ou numa palavra (16 bits). Linguagens de alto nível (exceto C) não permitem manipular

Leia mais

8. Instruções de multiplicação e divisão

8. Instruções de multiplicação e divisão Cap8.1 8. Instruções de multiplicação e divisão 8.1 Instruções de multiplicação MUL fonte IMUL fonte MUL (multiply) -> usada com números em representação não-sinalizada IMUL (integer multiply) -> usada

Leia mais

Gerenciamento de Entrada e Saída Hélio Crestana Guardia e Hermes Senger

Gerenciamento de Entrada e Saída Hélio Crestana Guardia e Hermes Senger Gerenciamento de Entrada e Saída Hélio Crestana Guardia e Hermes Senger O controle da entrada e saída (E/S ou I/O, input/output) de dados dos dispositivos é uma das funções principais de um sistema operacional.

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Sistemas de Entrada/Saída Princípios de Hardware Sistema de Entrada/Saída Visão Geral Princípios de Hardware Dispositivos de E/S Estrutura Típica do Barramento de um PC Interrupções

Leia mais

Laboratório de Sistemas Processadores e Periféricos Lista de comandos de Assembly

Laboratório de Sistemas Processadores e Periféricos Lista de comandos de Assembly Laboratório de Sistemas Processadores e Periféricos Lista de comandos de Assembly Gustavo G. Parma Lista dos comandos assembly que serão utilizados ao longo das práticas. 1 Comandos 1. ADD destino, fonte

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Tipos de Instruções

Arquitetura de Computadores. Tipos de Instruções Arquitetura de Computadores Tipos de Instruções Tipos de instruções Instruções de movimento de dados Operações diádicas Operações monádicas Instruções de comparação e desvio condicional Instruções de chamada

Leia mais

E/S PROGRAMADA E/S PROGRAMADA E/S USANDO INTERRUPÇÃO

E/S PROGRAMADA E/S PROGRAMADA E/S USANDO INTERRUPÇÃO E/S PROGRAMADA QUANDO A CPU FAZ TODO O TRABALHO RELACIONADO A UMA OPERAÇÃO DE E/S, NO CASO DO PROCESSO QUERER IMPRIMIR (NA IMPRESSORA) ABCDEFGH : ESTES CARACTERES SÃO COLOCADOS EM UMA ÁREA DE MEMÓRIA DO

Leia mais

Estruturas do Sistema de Computação

Estruturas do Sistema de Computação Estruturas do Sistema de Computação Prof. Dr. José Luís Zem Prof. Dr. Renato Kraide Soffner Prof. Ms. Rossano Pablo Pinto Faculdade de Tecnologia de Americana Centro Paula Souza Estruturas do Sistema de

Leia mais

2 - Processadores. CEFET-RS Curso de Eletrônica. Organização de Computadores. Profs. Roberta Nobre & Sandro Silva

2 - Processadores. CEFET-RS Curso de Eletrônica. Organização de Computadores. Profs. Roberta Nobre & Sandro Silva CEFET-RS Curso de Eletrônica 2 - Processadores Profs. Roberta Nobre & Sandro Silva robertacnobre@gmail.com e sandro@cefetrs.tche.br Microprocessador 8086 FX ULA AH AL BH BL CH CL DH DL BP SI DI SP (AX)

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS ABERTOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

SISTEMAS OPERACIONAIS ABERTOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Módulo 4 - ENTRADAS E SAIDAS Uma das principais funções dos sistemas operacionais é controlar os dispositivos de entrada e saída (E/S ou I/O). O Sistema Operacional deve ser capaz de enviar comandos

Leia mais

Atividade prática: Rodando o programa SOMA

Atividade prática: Rodando o programa SOMA Atividade prática: Rodando o programa SOMA Representação de caracteres ASCII: Letras e pontuação não são representáveis diretamente em computadores e circuitos lógicos. Utiliza-se alguns códigos binários

Leia mais

TECLADO PAINEL OPERADOR USB COM DISPLAY GRÁFICO. Código : FT 023/09 REV: 02

TECLADO PAINEL OPERADOR USB COM DISPLAY GRÁFICO. Código : FT 023/09 REV: 02 TECLADO PAINEL OPERADOR USB COM DISPLAY GRÁFICO Código : FT 023/09 REV: 02 Características LCD gráfico de 240 x 64 pontos ( 8 linhas x 40 colunas ). Teclas reprogramáveis. Interface USB 2.0. Porta Serial

Leia mais

Dispositivos de Entrada e Saída

Dispositivos de Entrada e Saída SEL-0415 Introdução à Organização de Computadores Dispositivos de Entrada e Saída Aula 9 Prof. Dr. Marcelo Andrade da Costa Vieira ENTRADA e SAÍDA (E/S) (I/O - Input/Output) n Inserção dos dados (programa)

Leia mais

CAPÍTULO 2 CARACTERÍSTICAS DE E/S E PORTA PARALELA

CAPÍTULO 2 CARACTERÍSTICAS DE E/S E PORTA PARALELA 8 CAPÍTULO 2 CARACTERÍSTICAS DE E/S E PORTA PARALELA A porta paralela, também conhecida por printer port ou Centronics e a porta serial (RS-232) são interfaces bastante comuns que, apesar de estarem praticamente

Leia mais

1. INTRODUÇÃO ------------------------------------------------------------------------------------------ 3

1. INTRODUÇÃO ------------------------------------------------------------------------------------------ 3 1 1. INTRODUÇÃO ------------------------------------------------------------------------------------------ 3 2. COMO UTILIZAR ESTE MANUAL ----------------------------------------------------------------

Leia mais

Definição DSPTI II. Surgimento - Brasil

Definição DSPTI II. Surgimento - Brasil Definição DSPTI II Vírus e Anti-Vírus Prof. Alexandre Beletti Vírus de computador são programas desenvolvidos para causar, geralmente, algum tipo de dano ao computador, como cópia exclusão de arquivos,

Leia mais

Gerenciador de Boot Simples

Gerenciador de Boot Simples Gerenciador de Boot Simples Este tutorial é uma simples caminhada através de um Gerenciador de Boot Hello World. Este, como qualquer outro gestor, tem que obedecer a algumas regras. Termos utilizados:

Leia mais

ORGANIZAÇÃO BÁSICA DE COMPUTADORES E LINGUAGEM DE MONTAGEM

ORGANIZAÇÃO BÁSICA DE COMPUTADORES E LINGUAGEM DE MONTAGEM Cap1.1 ORGANIZAÇÃO BÁSICA DE COMPUTADORES E LINGUAGEM DE MONTAGEM 1. Conceitos básicos Bit = BInary digit = vale sempre 0 ou 1 elemento básico de informação Byte Word = 8 bits processados em paralelo (ao

Leia mais

MANUAL. Versão 1.0 32 bits - 17/10/99. Para Windows 95/98

MANUAL. Versão 1.0 32 bits - 17/10/99. Para Windows 95/98 MANUAL TEC44Dis DLL Versão 1.0 32 bits - 17/10/99 Para Windows 95/98 Índice 1- INTRODUÇÃO 2- DOCUMENTAÇÃO 1 2.1 Documentação de Referência 1 3- INSTALAÇÃO DO DRIVER 4- DESCRIÇÃO FUNCIONAL 4.1 Interface

Leia mais

LINEAR EQUIPAMENTOS RUA SÃO JORGE, 267/269 - TELEFONE: (11) 2823-8800 SÃO CAETANO DO SUL - SP - CEP: 09530-250

LINEAR EQUIPAMENTOS RUA SÃO JORGE, 267/269 - TELEFONE: (11) 2823-8800 SÃO CAETANO DO SUL - SP - CEP: 09530-250 LINEAR EQUIPAMENTOS RUA SÃO JORGE, 267/269 - TELEFONE: (11) 2823-8800 SÃO CAETANO DO SUL - SP - CEP: 09530-250 1 SISTEMA HCS 2005 PROTOCOLO DE COMUNICAÇÃO (Baseado no Guarita Vr5.0x Última modificação:

Leia mais

Comandos de Pesagem para Protocolo ALFA Instrumentos

Comandos de Pesagem para Protocolo ALFA Instrumentos Comandos de Pesagem para Protocolo ALFA Instrumentos 1. Introdução Este documento descreve o Protocolo de Comunicação Serial Assíncrona de Dados e deve ser utilizado para propiciar a comunicação de dados

Leia mais

28/3/2011. Família Intel 80x86. Arquitetura dos Processadores Intel 80x86

28/3/2011. Família Intel 80x86. Arquitetura dos Processadores Intel 80x86 Arquitetura de Computadores Arquitetura dos Processadores Intel 80x86 Prof. Marcos Quinet Universidade Federal Fluminense UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO Família Intel 80x86 Ao se falar

Leia mais

PROFESSOR ÉVERSON MATIAS DE MORAIS SISTEMAS OPERACIONAIS. Sistemas operacionais (so) Roteiro

PROFESSOR ÉVERSON MATIAS DE MORAIS SISTEMAS OPERACIONAIS. Sistemas operacionais (so) Roteiro PROFESSOR ÉVERSON MATIAS DE MORAIS Graduação em Processamento de Dados Especialização em Ciência da Computação Mestrado em Ciência da Computação SISTEMAS OPERACIONAIS Aula 1 Sistemas operacionais (so)

Leia mais

Protocolo Microterminal Gertec (PMTG)

Protocolo Microterminal Gertec (PMTG) Manual do Protocolo Microterminal GERTEC (PMTG) 1/29 Protocolo Microterminal Gertec (PMTG) I. Introdução O objetivo do presente documento é descrever o funcionamento do protocolo de comunicação dos microterminais

Leia mais

Estruturas de Dados. Profa. Juliana Pinheiro Campos

Estruturas de Dados. Profa. Juliana Pinheiro Campos Estruturas de Dados Profa. Juliana Pinheiro Campos Arquivos ESTRUTURAS DE DADOS Técnicas para que possamos salvar e recuperar informações em arquivos de maneira estruturada. Assim será possível implementar

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Prof. João Bosco Jr.

Arquitetura de Computadores. Prof. João Bosco Jr. Arquitetura de Computadores Prof. João Bosco Jr. Unidade II Aula 1 Nível ISA Posicionado entre a microarquitetura e o SO Define a arquitetura (Conjunto de Instruções) É a interface entre o Software e o

Leia mais

ROM-BIOS Inicialização Sistemas de Arquivos Formatação

ROM-BIOS Inicialização Sistemas de Arquivos Formatação ROM-BIOS Inicialização Sistemas de Arquivos Formatação 1 ROM-BIOS ROM-BIOS Basic Input/Output System (Sistema Básico de Entrada/Saída). O termo é incorretamente conhecido como: Basic Integrated Operating

Leia mais

Mozart de Melo Alves Júnior

Mozart de Melo Alves Júnior Mozart de Melo Alves Júnior WORD 2000 INTRODUÇÃO: O Word é um processador de texto com recursos de acentuação, formatação de parágrafo, estilo de letras diferentes, criação de tabelas, corretor ortográfico,

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS ABERTOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

SISTEMAS OPERACIONAIS ABERTOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula 2-1. PRINCÍPIOS DE SOFTWARE DE ENTRADA E SAÍDA (E/S) As metas gerais do software de entrada e saída é organizar o software como uma série de camadas, com as mais baixas preocupadas em esconder as

Leia mais

O TEMPO DE ACESSO A UM DADO EM DISCOS MAGNÉTICOS É FORMADO POR TRÊS TEMPOS SIGNIFICATIVOS COMBINADOS:

O TEMPO DE ACESSO A UM DADO EM DISCOS MAGNÉTICOS É FORMADO POR TRÊS TEMPOS SIGNIFICATIVOS COMBINADOS: SISTEMAS/AMBIENTE OPERACIONAL PÁG. 1 SISTEMA DE ARQUIVOS VERSÃO MELHORADA DO IOCS (INPUT OUTPUT CONTROL SYSTEM) DOS ANTIGOS SISTEMAS BATCH. O SISTEMA DE ARQUIVOS, GERALMENTE INSERIDO NO NÚCLEO DOS SISTEMAS

Leia mais

Entradas/Saídas. Programação por espera activa Programação por interrupções

Entradas/Saídas. Programação por espera activa Programação por interrupções Entradas/Saídas Programação por espera activa Programação por interrupções Programação por espera activa 1. O programa lê o estado do periférico: CPU pede ao controlador (IN) o valor no registo ESTADO

Leia mais

6 - Gerência de Dispositivos

6 - Gerência de Dispositivos 1 6 - Gerência de Dispositivos 6.1 Introdução A gerência de dispositivos de entrada/saída é uma das principais e mais complexas funções do sistema operacional. Sua implementação é estruturada através de

Leia mais

Programação ao nível da máquina. Operações lógicas e aritméticas

Programação ao nível da máquina. Operações lógicas e aritméticas Programação ao nível da máquina Operações lógicas e aritméticas Operações lógicas e aritméticas Operações: aritméticas: add, sub, inc, dec, cmp lógicas: and, or, xor, not Realizadas pela ALU (Arithmetic

Leia mais

LABORATÓRIO DE LINGUAGEM DE MONTAGEM. MACROS e GERENCIAMENTO DE MEMÓRIA

LABORATÓRIO DE LINGUAGEM DE MONTAGEM. MACROS e GERENCIAMENTO DE MEMÓRIA LABORATÓRIO DE LINGUAGEM DE MONTAGEM MACRO: MACROS e GERENCIAMENTO DE MEMÓRIA Capítulos 13 e 14 do livro-texto, págs. 257 a 308 é um bloco de texto que recebe um nome especial consiste de instruções, diretivas,

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Sistemas de Entrada/Saída Princípios de Software Sistema de Entrada/Saída Princípios de Software Tratadores (Manipuladores) de Interrupções Acionadores de Dispositivos (Device Drivers)

Leia mais

Sistemas Operacionais Entrada / Saída. Carlos Ferraz (cagf@cin.ufpe.br) Jorge Cavalcanti Fonsêca (jcbf@cin.ufpe.br)

Sistemas Operacionais Entrada / Saída. Carlos Ferraz (cagf@cin.ufpe.br) Jorge Cavalcanti Fonsêca (jcbf@cin.ufpe.br) Sistemas Operacionais Entrada / Saída Carlos Ferraz (cagf@cin.ufpe.br) Jorge Cavalcanti Fonsêca (jcbf@cin.ufpe.br) Tópicos Princípios do hardware de E/S Princípios do software de E/S Camadas do software

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Entrada e Saída Drivers e s Norton Trevisan Roman Marcelo Morandini Jó Ueyama Apostila baseada nos trabalhos de Kalinka Castelo Branco, Antônio Carlos Sementille, Luciana A. F. Martimiano

Leia mais

1.1 Comandos de Pesagem para Modbus RTU/ASCII

1.1 Comandos de Pesagem para Modbus RTU/ASCII 1.1 Comandos de Pesagem para Modbus RTU/ASCII REVISÃO 2.0 21/09/2004 Índice CAPÍTULO 1: CAPÍTULO 2: CAPÍTULO 3: CAPÍTULO 4: CAPÍTULO 5: CAPÍTULO 6: Introdução Conceitos em Comunicação O Protocolo Modbus

Leia mais

SW DE E/S INDEPENDENTE DE DISPOSITIVO

SW DE E/S INDEPENDENTE DE DISPOSITIVO SOFTWARE AO NÍVEL DO USUÁRIO SOFTWARE INDEPENDENTE DE DISPOSITIVOS ACIONADORES DE DISPOSITIVOS (DRIVERS) TRATAMENTO DE INTERRUPÇÕES HARDWARE FUNÇÕES: INTERFACE UNIFORME PARA OS DRIVERS USO DE BUFFERS INFORMAÇÃO

Leia mais

CEFET-SP. Laboratório de Microprocessadores. DEBUG & TASM Conceitos, Aplicações e Projetos. Wilson Ruiz. Versão 4.0-2002

CEFET-SP. Laboratório de Microprocessadores. DEBUG & TASM Conceitos, Aplicações e Projetos. Wilson Ruiz. Versão 4.0-2002 CEFET-SP Laboratório de Microprocessadores DEBUG & TASM Conceitos, Aplicações e Projetos Versão 4.0-2002 HALIAEETUS LEUCOCEPHALUS Bald Eagle CAPÍTULO CONCEITOS BÁSICOS. Apresentação: Este material, oriundo

Leia mais

Linguagem de Montagem

Linguagem de Montagem Linguagem de Montagem Organização do PC Slides baseados em material associado ao livro Introduction to Assembly Language Programming, Sivarama Dandamudi 1 Processador Pentium Lançado em 1993 Versão melhorada

Leia mais

x86 Assembly Mini-Course

x86 Assembly Mini-Course x86 Assembly Mini-Course Part 1 Bruno P. Evangelista bpevangelista@gmail.com Introdução Assembly é uma linguagem de programação de baixo nível em formato mnemonico Ela possibilita trabalhar diretamente

Leia mais

CURSO DE HARDWARE NÍVEL I

CURSO DE HARDWARE NÍVEL I CURSO DE HARDWARE NÍVEL I Introdução Até a década de 40, possuir um automóvel era motivo de orgulho, preocupação e mais tarde passou a ser um luxo de classe média. Mas com o advento dos carros populares,

Leia mais

PRODUTO: IDENTIFICADOR DE CHAMADAS Ic-Box SUB-PRODUTO: DESCRIÇÃO: PROTOCOLO DE COMUNICAÇÃO USB/SERIAL ELABORAÇÃO: FABIO / Wagner ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

PRODUTO: IDENTIFICADOR DE CHAMADAS Ic-Box SUB-PRODUTO: DESCRIÇÃO: PROTOCOLO DE COMUNICAÇÃO USB/SERIAL ELABORAÇÃO: FABIO / Wagner ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PRODUTO: IDENTIFICADOR DE CHAMADAS Ic-Box SUB-PRODUTO: DESCRIÇÃO: PROTOCOLO DE COMUNICAÇÃO USB/SERIAL ELABORAÇÃO: FABIO / Wagner ÁREA: TEC 1 Equipamentos: 1. IC-Box com interface USB/serial 2. Microcomputador

Leia mais

EXPERIÊNCIA 17 USO DO TEMPORIZADOR INTERNO

EXPERIÊNCIA 17 USO DO TEMPORIZADOR INTERNO EXPERIÊNCIA 17 USO DO TEMPORIZADOR INTERNO Parte I Fundamentos Teóricos O que diferencia um microcontrolador (como o 8051) de um microprocessador é o fato de que o primeiro pode apresentar, integrados

Leia mais

Procedimentos Básicos com Impressoras Fiscais Bematech

Procedimentos Básicos com Impressoras Fiscais Bematech Sumário Introdução... 2 BemaFI32... 2 Retorno Estendido MFD... 3 Identificação de erros... 4 Tabela de identificação de erros... 5 Trabalhando com o BemaFI32... 14 Leitura X :... 14 Redução Z :... 14 Realizando

Leia mais

Aula 3. Sistemas Operacionais. Prof: Carlos Eduardo de Carvalho Dantas (carloseduardoxpto@gmail.com) http://carloseduardoxp.wordpress.

Aula 3. Sistemas Operacionais. Prof: Carlos Eduardo de Carvalho Dantas (carloseduardoxpto@gmail.com) http://carloseduardoxp.wordpress. Sistemas Operacionais Aula 3 Prof: Carlos Eduardo de Carvalho Dantas (carloseduardoxpto@gmail.com) http://carloseduardoxp.wordpress.com Nunca cone em um computador que você não pode jogar pela janela.

Leia mais

Entrada e Saída (Input/Output)

Entrada e Saída (Input/Output) Capítulo 5 Entrada e Saída (Input/Output) 1. Princípios de Hardware de E/S 2. Princípios de Software de E/S 3. Camadas de software de E/S 4. Discos 5. Relógios 6. Terminais Orientados a caracteres 7. Interfaces

Leia mais

Gerenciador de Energia Tabela de registradores Modbus revisão 2012.04.02

Gerenciador de Energia Tabela de registradores Modbus revisão 2012.04.02 Gerenciador de Energia Tabela de registradores Modbus revisão 2012.04.02 istrador Endereço Tipo Descrição Informações da unidade 1 0 R assinatura Analo A 00h 41h 2 1 R assinatura Analo N 00h 4Eh 3 2 R

Leia mais

FICHA DE ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA. x PRODUTO PROCESSO DATA: 04/02/2013. PRODUTO: IcBox SUB-PRODUTO: DESCRIÇÃO: API DLL c++ (C++ builder e Delphi)

FICHA DE ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA. x PRODUTO PROCESSO DATA: 04/02/2013. PRODUTO: IcBox SUB-PRODUTO: DESCRIÇÃO: API DLL c++ (C++ builder e Delphi) x PRODUTO PROCESSO DATA: 04/02/2013 PRODUTO: IcBox SUB-PRODUTO: DESCRIÇÃO: API DLL c++ (C++ builder e Delphi) ELABORAÇÃO: Wagner ÁREA: PDI API DLL ICBOX Recomendado para uso com C++ Builder e Delphi ///////////////////////////////////////////////////////

Leia mais

Manipulação de Arquivos

Manipulação de Arquivos Manipulação de Arquivos Estrutura de Dados II Prof. Guilherme Tavares de Assis Universidade Federal de Ouro Preto UFOP Instituto de Ciências Exatas e Biológicas ICEB Departamento de Computação DECOM Tipo

Leia mais

Capítulo 7 O Gerenciador de Arquivos

Capítulo 7 O Gerenciador de Arquivos Capítulo 7 O Gerenciador de Arquivos Neste capítulo nós iremos examinar as características da interface do gerenciador de arquivos Konqueror. Através dele realizaremos as principais operações com arquivos

Leia mais

Sistemas de Arquivos. Arquivos Diretórios Implementação do sistema de arquivos Gerenciamento de espaço em disco

Sistemas de Arquivos. Arquivos Diretórios Implementação do sistema de arquivos Gerenciamento de espaço em disco Sistemas de Arquivos Arquivos Diretórios Implementação do sistema de arquivos Gerenciamento de espaço em disco Armazenamento da Informação a Longo Prazo 1. Deve ser possível armazenar uma quantidade muito

Leia mais

TIC 1 @prendendo TECLADO

TIC 1 @prendendo TECLADO TIC 1 @prendendo O O Teclado é um dispositivo através do qual introduzimos letras, números e sinais no computador. A disposição das teclas na primeira fila de letras definem no como um teclado do tipo

Leia mais

Periféricos e Interfaces Ano lectivo 2003/2004 Docente: Ana Paula Costa. Aula Teórica 11

Periféricos e Interfaces Ano lectivo 2003/2004 Docente: Ana Paula Costa. Aula Teórica 11 Sumário: O disco rígido e a disquete estrutura física. Como os dados são armazenados fisicamente. Como o MS-DOS organiza o disco. O registo de boot. Aula Teórica 11 Leitura Recomendada: Capítulos 28 e

Leia mais

1. Fazer um programa em C que pergunta um valor em metros e imprime o correspondente em decímetros, centímetros e milímetros.

1. Fazer um programa em C que pergunta um valor em metros e imprime o correspondente em decímetros, centímetros e milímetros. Lista de exercícios: Grupo I - programa seqüênciais simples 1. Fazer um programa em C que pergunta um valor em metros e imprime o correspondente em decímetros, centímetros e milímetros. 2. Fazer um programa

Leia mais

How to write Shellcodes por Luiz Fernando Camargo

How to write Shellcodes por Luiz Fernando Camargo How to write Shellcodes por Luiz Fernando Camargo 1. Introdução Shellcode é um grupo de instruções assembler em formato de opcode para realizar diversas funções como chamar uma shell, ou escutar em uma

Leia mais

Introdução aos Computadores

Introdução aos Computadores Os Computadores revolucionaram as formas de processamento de Informação pela sua capacidade de tratar grandes quantidades de dados em curto espaço de tempo. Nos anos 60-80 os computadores eram máquinas

Leia mais

Periféricos e Interfaces Ano lectivo 2003/2004 Docente: Ana Paula Costa. Aula Teórica 20

Periféricos e Interfaces Ano lectivo 2003/2004 Docente: Ana Paula Costa. Aula Teórica 20 Sumário: Os subsistemas vídeo. A RAM vídeo. Aula Teórica 20 Leitura Recomendada: Capítulo 37 - Hans-Peter Messmer, The Indispensable PC Hardware Book, Addison-Wesley. Capítulos 4 e 11 - Peter Norton, Peter

Leia mais

Micro Terminal IDTECH

Micro Terminal IDTECH Micro Terminal IDTECH Versão: 5.0.8 Micro Terminal IDTECH O Micro Terminal IDTech é um equipamento que possui uma estrutura de hardware e software completa para aplicações em automação comercial. Contém

Leia mais

Periféricos e Interfaces Ano lectivo 2003/2004 Docente: Ana Paula Costa. Aula Teórica 12

Periféricos e Interfaces Ano lectivo 2003/2004 Docente: Ana Paula Costa. Aula Teórica 12 Sumário: A tabela de partições do disco rígido. A root directory. A FAT. Os serviços BIOS para disco. Aula Teórica 12 Leitura Recomendada: Capítulos 28 e 29 - Hans-Peter Messmer, The Indispensable PC Hardware

Leia mais

Programação em Linguagem C 1 CONCEITOS PRELIMINARES

Programação em Linguagem C 1 CONCEITOS PRELIMINARES Linguagem C Índice 1 Conceitos preliminares...1 1.1 Microcomputadores padrão Intel x86...1 1.2 Modos de memória nos microcomputadores...3 1.3 O sistema operacional...3 2 Introdução a Linguagem C...4 2.1

Leia mais

O cursor se torna vermelho e uma Paleta de Edição contendo as instruções mais utilizadas é apresentada.

O cursor se torna vermelho e uma Paleta de Edição contendo as instruções mais utilizadas é apresentada. Editor de Ladder para VS7 Versão Teste O editor de ladder é um software de programação que permite que o VS7 e o µsmart sejam programados em linguagem de contatos. Esse editor está contido na pasta Público

Leia mais

Sistemas Operacionais 3º bimestre. Dierone C.Foltran Jr. dcfoltran@yahoo.com

Sistemas Operacionais 3º bimestre. Dierone C.Foltran Jr. dcfoltran@yahoo.com Sistemas Operacionais 3º bimestre Dierone C.Foltran Jr. dcfoltran@yahoo.com Sistema de Arquivos (1) Todas as aplicações precisam armazenar e recuperar informações. Considerações sobre os processos: Espaço

Leia mais

WinCom - Utilitário de teste de Receptores PROGRAMA WINCOM

WinCom - Utilitário de teste de Receptores PROGRAMA WINCOM PROGRAMA WINCOM A MCDI Coloca à disposição dos usuários o programa WinCom.exe, que é um utilitário para ambiente Windows 9x, Xp e 2000, que serve para verificar-se a comunicação de um receptor de códigos

Leia mais

Componentes básicos de um sistema computacional. Cap. 1 (Stallings)

Componentes básicos de um sistema computacional. Cap. 1 (Stallings) Componentes básicos de um sistema computacional Cap. 1 (Stallings) 1 Sistema de Operação Explora recursos de hardware de um ou mais processadores Provê um conjunto de serviços aos utilizadores Gerencia

Leia mais

Estrutura de um Computador

Estrutura de um Computador SEL-0415 Introdução à Organização de Computadores Estrutura de um Computador Aula 7 Prof. Dr. Marcelo Andrade da Costa Vieira MODELO DE VON NEUMANN PRINCÍPIOS A arquitetura de um computador consiste de

Leia mais

Sistema Gráfico VGA. Sistema Gráfico VGA

Sistema Gráfico VGA. Sistema Gráfico VGA Sistema Gráfico VGA Rotinas Vídeo VGA: Modo Texto (03h) Procedure SetMode(M:Byte);Far;Assembler; Solução. (Nota serve para modo gráfico) Procedure ClearTextScreen(Atr:Byte);Far;Assembler; Solução Procedure

Leia mais

Software. Professora Milene Selbach Silveira Prof. Celso Maciel da Costa Faculdade de Informática - PUCRS

Software. Professora Milene Selbach Silveira Prof. Celso Maciel da Costa Faculdade de Informática - PUCRS Software Professora Milene Selbach Silveira Prof. Celso Maciel da Costa Faculdade de Informática - PUCRS ESQUEMA DE UM SISTEMA DE COMPUTADOR Unidades de Entrada - Teclado - Scanner - Caneta Ótica - Leitora

Leia mais

Sistemas Operacionais Gerência de Dispositivos

Sistemas Operacionais Gerência de Dispositivos Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul UEMS Curso de Licenciatura em Computação Sistemas Operacionais Gerência de Dispositivos Prof. José Gonçalves Dias Neto profneto_ti@hotmail.com Introdução A gerência

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores

Arquitetura e Organização de Computadores Arquitetura e Organização de Computadores Entrada/Saída Material adaptado, atualizado e traduzido de: STALLINGS, William. Arquitetura e Organização de Computadores. 5ª edição Problemas Entrada/Saída Grande

Leia mais

2. Introdução aos Sistemas Operacionais

2. Introdução aos Sistemas Operacionais 2. Introdução aos Sistemas Operacionais O que é um Sistema Operacional? 1 Compilador 2 Editor de texto 3 Browser Aplicativos... Sistema Operacional (infraestrutura) Hardware n Quake No passado, a eficiência

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS II ESPECIFICAÇÃO CAMADA INDEPENDENTE

SISTEMAS OPERACIONAIS II ESPECIFICAÇÃO CAMADA INDEPENDENTE ANDRÉ LUCHESI CESAR HENRIQUE KÁLLAS SISTEMAS OPERACIONAIS II ESPECIFICAÇÃO CAMADA INDEPENDENTE Pontifícia Universidade Católica de Campinas Faculdade de Engenharia de Computação Turma III Grupo 9 Agosto

Leia mais

Arquivos. Estruturas de Dados II Vanessa Braganholo

Arquivos. Estruturas de Dados II Vanessa Braganholo Arquivos Estruturas de Dados II Vanessa Braganholo Entidades } Aplicações precisam armazenar dados sobre as mais diversas entidades, que podem ser concretas ou abstratas } Funcionário de uma empresa (concreto)

Leia mais

Técnicas de Programação: ESTRUTURAS, UNIÕES E TIPOS DEE UFPB

Técnicas de Programação: ESTRUTURAS, UNIÕES E TIPOS DEE UFPB Técnicas de Programação: ESTRUTURAS, UNIÕES E TIPOS DEFINIDOS PELO USUÁRIO Prof. Protásio DEE UFPB 1 Estruturas É uma coleção de variáveis que são referenciadas sob um único nome. Uma estrutura fornece

Leia mais

Conceitos de Sistemas Operacionais: Chamadas de Sistema. Prof Rafael J. Sandim

Conceitos de Sistemas Operacionais: Chamadas de Sistema. Prof Rafael J. Sandim Conceitos de Sistemas Operacionais: Chamadas de Sistema Prof Rafael J. Sandim Conceitos de Sistema Operacional Interface entre o SO e os Programas de usuário é definida pelo conjunto de instruções estendidas

Leia mais

Gerenciador de Entrada/Saída

Gerenciador de Entrada/Saída Universidade Federal do ABC BC 1518 - Sistemas Operacionais (SO) Gerenciador de Entrada/Saída (aula 11) Prof. Marcelo Zanchetta do Nascimento Roteiro Princípios básicos de hardware de E/S; Operações dos

Leia mais

Manual Sistema WEB 1

Manual Sistema WEB 1 Manual Sistema WEB 1 APRESENTAÇÃO Nosso site na internet é o www.tercred.com.br onde apresentamos um pouco da nossa história, nossos produtos, a rede credenciada e outros serviços. Para acessar o Sistema

Leia mais

Hardware 2. O Gabinete. Unidades Derivadas do BYTE. 1 KB = Kilobyte = 1024B = 2 10 B. 1 MB = Megabyte = 1024KB = 2 20 B

Hardware 2. O Gabinete. Unidades Derivadas do BYTE. 1 KB = Kilobyte = 1024B = 2 10 B. 1 MB = Megabyte = 1024KB = 2 20 B 1 2 MODULO II - HARDWARE AULA 01 OBiteoByte Byte 3 Definições: Bit é a menor unidade de informação que circula dentro do sistema computacional. Byte é a representação de oito bits. 4 Aplicações: Byte 1

Leia mais

Notas de Aplicação. Interface Controlador HI com Leitor de Código de Barras. HI Tecnologia. Documento de acesso público

Notas de Aplicação. Interface Controlador HI com Leitor de Código de Barras. HI Tecnologia. Documento de acesso público Notas de Aplicação Interface Controlador HI com Leitor de Código de Barras HI Tecnologia Documento de acesso público ENA.00029 Versão 1.01 agosto-2006 HI Tecnologia Interface Controlador HI com Leitor

Leia mais

Manual HDBS Revisão 1.1

Manual HDBS Revisão 1.1 Manual HDBS Revisão 1.1 1 1 - Introdução 1.1 Sistemas de arquivos FAT Os cartões de memória MMC e SD muito populares hoje em dia. O seu pequeno tamanho e grande capacidade o tornam ideal para câmeras digitais

Leia mais

MODULO II - HARDWARE

MODULO II - HARDWARE MODULO II - HARDWARE AULA 01 O Bit e o Byte Definições: Bit é a menor unidade de informação que circula dentro do sistema computacional. Byte é a representação de oito bits. Aplicações: Byte 1 0 1 0 0

Leia mais

Vetores. Vetores. Figura 1 Exemplo de vetor com 10 elementos

Vetores. Vetores. Figura 1 Exemplo de vetor com 10 elementos Vetores Nos capítulos anteriores estudamos as opções disponíveis na linguagem C para representar: Números inteiros em diversos intervalos. Números fracionários com várias alternativas de precisão e magnitude.

Leia mais

www.vwsolucoes.com Copyright 2011 VW Soluções

www.vwsolucoes.com Copyright 2011 VW Soluções 1 Apresentação O adaptador ADP.v01 é utilizado para facilitar a instalação de display Lcd 16x2 ou display Lcd 20x4 nos CLP PIC28 ou CLP PIC40 através de um flat cable de 10vias de acordo com a necessidade

Leia mais

5.2 - Armazenamento em Disco

5.2 - Armazenamento em Disco CEFET-RS Curso de Eletrônica 5.2 - Armazenamento em Disco Aspectos LógicosL Formatação e Sistemas de Arquivos Profs. Roberta Nobre & Sandro Silva robertacnobre@gmail.com e sandro@cefetrs.tche.br Unidade

Leia mais

Algoritmos e Estruturas de Dados I 01/2013. Estruturas Condicionais e de Repetição (parte 2) Pedro O.S. Vaz de Melo

Algoritmos e Estruturas de Dados I 01/2013. Estruturas Condicionais e de Repetição (parte 2) Pedro O.S. Vaz de Melo Algoritmos e Estruturas de Dados I 01/2013 Estruturas Condicionais e de Repetição (parte 2) Pedro O.S. Vaz de Melo Problema 1 Suponha que soma (+) e subtração (-) são as únicas operações disponíveis em

Leia mais

Sistemas Operacionais. Andrique Amorim www.andrix.com.br professor@andrix.com.br. Gerência de Arquivos

Sistemas Operacionais. Andrique Amorim www.andrix.com.br professor@andrix.com.br. Gerência de Arquivos Andrique Amorim www.andrix.com.br professor@andrix.com.br Gerência de Arquivos Gerência de Arquivos Um sistema operacional tem por finalidade permitir que o usuários do computador executem aplicações,

Leia mais

Ambiente de desenvolvimento de Programação Assembly MCU 8051 IDE

Ambiente de desenvolvimento de Programação Assembly MCU 8051 IDE SEL-433 APLICAÇÕES DE MICROPROCESSADORES I Prof. Evandro L. L. Rodrigues Ambiente de desenvolvimento de Programação Assembly MCU 8051 IDE http://mcu8051ide.sourceforge.net/ Tela inicial Criar novo projeto:

Leia mais

NETALARM GATEWAY. Manual do Usuário

NETALARM GATEWAY. Manual do Usuário Índice 1. Introdução...3 2. Requisitos Mínimos de Instalação...3 3. Instalação...3 4. Inicialização do Programa...5 5. Abas de Configuração...6 5.1 Aba Serial...6 5.2 Aba TCP...7 5.2.1 Opções Cliente /

Leia mais

Tecnologia - Conjunto de instrumentos, métodos e processos específicos de qualquer arte, ofício ou técnica.

Tecnologia - Conjunto de instrumentos, métodos e processos específicos de qualquer arte, ofício ou técnica. TIC Conceitos Básicos Técnica - Conjunto de processos que constituem uma arte ou um ofício. Aplicação prática do conhecimento científico. Tecnologia - Conjunto de instrumentos, métodos e processos específicos

Leia mais

KID MANUAL DE SOFTWARE

KID MANUAL DE SOFTWARE KID MANUAL DE SOFTWARE Sumário 1.1. O que é Programação em Blocos?... 3 1.2. Conhecendo o KID Programador... 3 1.2.1. Instalação do Software... 3 1.2.2. Áreas do Software... 5 1.3. Blocos usados para Programação...

Leia mais