Especificação Operacional.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Especificação Operacional."

Transcrição

1 Especificação Operacional. Para muitos sistemas, a incerteza acerca dos requisitos leva a mudanças e problemas mais tarde no desenvolvimento de software. Zave (1984) sugere um modelo de processo que permite aos analistas e clientes examinar os requisitos e as suas implicações antecipadas no processo de desenvolvimento, onde podem discutir e resolver alguma da incerteza. No modelo de especificação operacional, os requisitos do sistema são avaliados ou executados de uma forma que demonstra o comportamento do sistema. Isto é, uma vez que os requisitos sejam especificados, eles podem ser desenvolvidos usando um pacote de software, de tal forma que as suas complicações podem ser estimadas antes do desenho começar. Por exemplo, se a especificação requer que o sistema controle 24 utilizadores, uma forma executável da especificação pode ajudar analistas a determinar se esse número de utilizadores coloca demasiado peso na performance do sistema. Este tipo de processo é muito diferente dos modelos tradicionais tal como o modelo em cascata. O modelo em cascata separa a funcionalidade do sistema do desenho (i.e., o que é para o sistema fazer, separado, de como o sistema o faz), pretendendo manter as necessidades do cliente separadas da implementação. Contudo, uma especificação operacional permite que a funcionalidade e o desenho se fundam. Note que a especificação operacional é semelhante à prototipagem; o processo permite ao utilizador e analista examinarem requisitos antecipadamente. Nota: pacote de aplicação (pacote de software) - série de programas ou módulos dirigidos para um aplicação genérica, podendo ser modelados (possivelmente com determinadas alterações) para as necessidades de um aspecto específico dessa aplicação. Executa e examina ESPECIFICAÇÃO OPERACIONAL (orientada para o problema) ESPECIFICAÇÃO TRANSFORMADA (orientada implementação) à TESTE REQUISITOS DO SISTEMA (por vezes informais ou incompletos) Figura 1 - Modelo de especificação operacional SISTEMA ENTREGUE As técnicas utilizadas na tarefa de análise poderão incluir a realização de reuniões com os interessados, a elaboração de questionários, a observação das actividades e do funcionamento do dia-a-dia, a recolha e análise de documentação diversa, a elaboração - 1 -

2 de pequenos protótipos de sistemas que permitam validar mais facilmente a percepção obtida. O objectivo geral é expressar sem ambiguidades o que o sistema deve fazer e não como fazer o sistema. A especificação operacional consiste em diagramas (representação gráfica de determinado esquema especificação de um modelo usando uma determinada linguagem a qual pode ser, formal ou informal (por exemplo linguagem natural), textual ou gráfica) que dividem o comportamento num conjunto de acontecimentos protagonistas e respostas do sistema a esses acontecimentos. Os diagramas produzidos pela especificação operacional são modelos de análise pura. Os diagramas tratam da fase de análise, comportamento ao nível do sistema somente e não especificam dados, desenho ou informação de implementação. O desenho inclui, por exemplo, arquitecturas de computadores, tecnologias de bases de dados, sistemas de execução de agentes, infra-estruturas de objectos e/ou componentes, etc. É também nesta tarefa que deve ficar completamente definido o ambiente e as linguagens a utilizar no desenvolvimento. A tarefa de implementação inclui todas as actividades de desenvolvimento do sistema propriamente dito, ou seja, que estão relacionadas com a concretização do modelo de desenho. As actividades desta tarefa deveriam ser apoiadas por ferramentas, que a partir da especificação do modelo de desenho produzido seriam capazes de produzir automaticamente diversos componentes do sistema. Teste O objectivo é avaliar a adequada correcção e funcionamento de todos os componentes do sistema, principalmente os executáveis. A verificação consiste na confirmação que a codificação/implementação do sistema está conforme (correcta) a especificação técnica produzida na fase de desenho, que por sua vez resulta dos requisitos especificados na análise. Exemplos: Os diagramas de fluxo de dados (Data Flow Diagrams - DFDs) descrevem os sistemas como colecções de dados que são manipulados por funções. Os dados podem ser organizados de várias formas: eles podem ser armazenados em repositórios de dados, podem fluir em fluxos de dados e podem ser transferidos para ou do meio externo. Os elementos básicos do DFD são: Bolhas (bubbles), usadas para representar funções. Setas (arrows), usadas para representar o fluxo de dados. Setas que vão para bolhas representam valores de input que pertencem ao domínio da função representada pela bolha. Setas que saem representam os resultados da função, i.e., valores que pertencem ao alcance da função. Caixas abertas (open boxes), usadas para representar bases de dados. Setas entrando (saindo) nas caixas abertas representam dados que são inseridos na (extraídos da) base de dados

3 Caixa de I/O ( I/O boxes ), usadas para representar aquisição de dados e produção durante a interacção do homem com o computador. DFD descrevendo um sistema de informação de uma biblioteca simplificado. Pedido do livro Livro pelo utilizador Prateleiras Título e autor do livro pedido; nome do utilizador Autor Lista de autores Obter um livro Livro Recepção do livro Título Lista de títulos Título do livro; nome do utilizador Lista de livros emprestados Lista de tópicos Título Tópico Tópico Procura por tópicos Mostrar a Lista de títulos referentes ao tópico lista de títulos Pedido de tópico pelo utilizador Figura 2 DFD de uma biblioteca. A figura descreve um sistema de informação simplificado para uma biblioteca pública. O DFD descreve objectos físicos, tais como livros e prateleiras, juntamente com - 3 -

4 armazenamento de dados que provavelmente, mas não necessariamente, são concebidos como ficheiros de computador. Obter um livro da prateleira pode ser feito quer automaticamente - por um robot - quer manualmente. Em ambos os casos, a acção de obter um livro é representada por uma função representada por uma bolha. A figura também descreve que para obter um livro é necessário: um pedido, explícito, do utilizador consistindo do título, do nome do autor do livro e do nome do utilizador; aceder às prateleiras que contêm os livros; uma lista dos autores; uma lista de títulos. Isto fornece a informação necessária para encontrar o livro. Uma máquina de estado finito (Finite State Machine - FSM) consiste em: um conjunto finito de estados, Q; um conjunto finito de inputs, I; uma função de transição f: Q*I -> Q. f pode ser uma função parcial, i.e., pode ser indefinida para alguns valores dos seus domínios. Graficamente, uma FSM é mostrada por um grafo cujos nós representam estados; um arco rotulado por i vai de q1 para q2 se e somente se f(q1,i)=q2. FMSs são aconselháveis para descrever sistemas que podem estar num conjunto finito de estados e que podem ir de um estado para outro como consequência de algum acontecimento, modelado por um símbolo de input. Por exemplo, uma lâmpada pode estar quer ligada quer desligada e pode ir de ligada para desligada como consequência de uma acção externa consistindo em pressionar o interruptor. Pressionar o interruptor outra vez causa a transição oposta. Figura 3 - A descrição de uma máquina de estado finito de um interruptor de lâmpada. Considere o controlo de uma (pequena parte de uma) planta química. Níveis de temperatura e pressão têm de ser monitorizados por razões de segurança. Sensores são instalados para gerar sinais apropriados quando qualquer destes níveis exceder alguns dos valores predefinidos. Uma política trivial para manipular a planta é a seguinte: quando qualquer um dos sinais é aumentado pelo sensor correspondente, o sistema de - 4 -

5 controlo fecha a planta e aumenta o sinal de alarme; o sistema é reiniciado manualmente quando a causa da falha for corrigida. Como descrito na figura: Figura 4 FSM descrevendo o controlo de uma planta química. Esta simples política é obviamente inadequada. Uma melhor forma de orientar a planta é como se segue. Quando um dos dois sinais é aumentado, uma acção de restabelecimento é automaticamente invocada (existe uma acção temperatura e uma acção pressão ). Se, depois de um pouco de tempo, a acção de recuperação é bem sucedida, o sistema é automaticamente desligado para o estado normal e uma mensagem tudo ok é emitida para o meio externo. Caso contrário, o sinal de alarme tem de ser aumentado e a planta tem de ser desligada. O sistema tem também de ser desligado se está a tentar recuperar de um tipo de anomalia temperatura e pressão e o outro sinal é aumentado. É assumido que os dois sinais não podem ocorrer simultaneamente. Esta nova política é descrita na figura. Figura 5 FSM descrevendo o controlo de uma planta química

6 Vantagens: O sistema resultante é mais fácil de usar. Necessidades do utilizador são mais facilmente ajustadas (o envolvimento contínuo do utilizador resulta em sistemas que melhor satisfazem as necessidades do utilizador). Problemas são detectados mais cedo. Desvantagens: O sistema resultante tem mais aspectos (uma vez que o intervalo de tempo entre versões sucessivas é menor, utilizadores podem pensar que é mais fácil conceber novos aspectos e podem especificar requisitos adicionais). A performance do sistema resultante é pior (performance tende a ser pior porque a atenção é focada na funcionalidade e as medidas de performance ou não são tomadas em conta ou a certa altura tornam-se difíceis de conceber). O sistema resultante é mais difícil de manter (se estiver preocupado com o pouco tempo para desenvolvimento, certas actividades necessárias vão receber menos atenção. Há a possibilidade da documentação ser sacrificada pela velocidade. Por causa das adições resultantes de frequentemente voltar a trabalhar os passos a qualidade do desenho pode deteriorar). Trabalho realizado por: Grupo 3 Nº Ana Sofia Atanázio - 6 -

Aula 2 Revisão 1. Ciclo de Vida. Processo de Desenvolvimento de SW. Processo de Desenvolvimento de SW. Processo de Desenvolvimento de SW

Aula 2 Revisão 1. Ciclo de Vida. Processo de Desenvolvimento de SW. Processo de Desenvolvimento de SW. Processo de Desenvolvimento de SW Ciclo de Vida Aula 2 Revisão 1 Processo de Desenvolvimento de Software 1 O Processo de desenvolvimento de software é um conjunto de atividades, parcialmente ordenadas, com a finalidade de obter um produto

Leia mais

4.1. UML Diagramas de casos de uso

4.1. UML Diagramas de casos de uso Engenharia de Software 4.1. UML Diagramas de casos de uso Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt Utilizados para ajudar na análise de requisitos Através da forma como o utilizador usa o sistema

Leia mais

Gestão do Risco e da Qualidade no Desenvolvimento de Software

Gestão do Risco e da Qualidade no Desenvolvimento de Software Gestão do Risco e da Qualidade no Desenvolvimento de Software Questionário Taxinómico do Software Engineering Institute António Miguel 1. Constrangimentos do Projecto Os Constrangimentos ao Projecto referem-se

Leia mais

De Arte a Ciência: Regras para o Desenho de Software

De Arte a Ciência: Regras para o Desenho de Software De Arte a Ciência: Regras para o Desenho de Software Neste artigo é apresentado um conjunto de regras de desenho um padrão de desenho universal associado ao princípio fundamental e aos requisitos axiomáticos.

Leia mais

X-Trade Brokers Dom Maklerski S.A. XTB Expert Builder. Manual. Michał Zabielski, traduzido por Paulo Santos 2010-02-15

X-Trade Brokers Dom Maklerski S.A. XTB Expert Builder. Manual. Michał Zabielski, traduzido por Paulo Santos 2010-02-15 X-Trade Brokers Dom Maklerski S.A. XTB Expert Builder Manual Michał Zabielski, traduzido por Paulo Santos 2010-02-15 Índice Instalação... 2 Notificação legal... 5 Ajustes/Preferências iniciais... 6 Linguagem...

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE LABORATÓRIO DE CONTROLE DE ATITUDE COM RESTRIÇÕES DE CHAVEAMENTO

INSTRUMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE LABORATÓRIO DE CONTROLE DE ATITUDE COM RESTRIÇÕES DE CHAVEAMENTO Anais do 14 O Encontro de Iniciação Científica e Pós-Graduação do ITA XIV ENCITA / 2008 Instituto Tecnológico de Aeronáutica São José dos Campos SP Brasil Outubro 20 a 23 2008. INSTRUMENTAÇÃO DE UM SISTEMA

Leia mais

Controladores Lógicos Programáveis

Controladores Lógicos Programáveis Controladores Lógicos Programáveis Diagramas de Blocos Diagramas de Escada Grafcet Exercícios de Programação Autómato da Siemens Laboratórios Integrados III Departamento de Electrónica Industrial e de

Leia mais

1 CIRCUITOS COMBINACIONAIS

1 CIRCUITOS COMBINACIONAIS Curso Técnico em Eletrotécnica Disciplina: Automação Predial e Industrial Professor: Ronimack Trajano 1 CIRCUITOS COMBINACIONAIS Um circuito digital é dito combinacional quando em um dado instante de tempo

Leia mais

CONTROLADOR LÓGICO PROGRAMAVEL

CONTROLADOR LÓGICO PROGRAMAVEL CONTROLADOR LÓGICO PROGRAMAVEL Controlador Lógico Programável ( Hardware ) Para aprendermos como funciona um CLP, é necessário uma análise de seus componentes básicos, utilizados por todos os CLPs disponíveis

Leia mais

Processo de análise estruturada - Abordagem clássica

Processo de análise estruturada - Abordagem clássica Processo de análise estruturada - Abordagem clássica Desenvolver modelo físico actual Modelo físico actual Modelos a desenvolver tendo em conta a abordagem clássica Desenvolver modelo lógico actual Modelo

Leia mais

natureza do projeto e da aplicação métodos e ferramentas a serem usados controles e produtos que precisam ser entregues

natureza do projeto e da aplicação métodos e ferramentas a serem usados controles e produtos que precisam ser entregues Modelo De Desenvolvimento De Software É uma representação abstrata do processo de desenvolvimento que define como as etapas relativas ao desenvolvimento de software serão conduzidas e interrelacionadas

Leia mais

Uma visão mais clara da UML Sumário

Uma visão mais clara da UML Sumário Uma visão mais clara da UML Sumário 1 Método...2 2 Análise de requisitos...2 2.1 Diagramas de Casos de Uso...3 2.1.1 Ator...3 2.1.2 Casos de Uso (Use Case)...4 2.1.3 Cenário...4 2.1.4 Relacionamentos...6

Leia mais

Breezair Smart Hub. 824116-B Portuguese 0706 Page 1 of 6

Breezair Smart Hub. 824116-B Portuguese 0706 Page 1 of 6 GUIA TÉCNICO DO SMART HUB Geral Este documento oferece orientação técnica para a operação do Smart Hub e do sistema de Comando Industrial de Parede 05 (IWC05). Garantia e Resistência às Intempéries O invólucro

Leia mais

3.1 Definições Uma classe é a descrição de um tipo de objeto.

3.1 Definições Uma classe é a descrição de um tipo de objeto. Unified Modeling Language (UML) Universidade Federal do Maranhão UFMA Pós Graduação de Engenharia de Eletricidade Grupo de Computação Assunto: Diagrama de Classes Autoria:Aristófanes Corrêa Silva Adaptação:

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS 10ª Série Automação Industrial Engenharia Elétrica A atividade prática supervisionada (ATPS) é um procedimento metodológico de ensino-aprendizagem desenvolvido por meio

Leia mais

Introdução sobre o Tempo Real

Introdução sobre o Tempo Real Capítulo 1 Introdução sobre o Tempo Real Esse capítulo visa esclarecer o entendimento de tempo real dos autores, definir conceitualmente os Sistemas de Tempo Real e apresentar os problemas e desafios que

Leia mais

- 1 - RESUMO SISTEMA DE MEDIÇÃO DE CONSUMOS DE LINHA DA CANELA EM TEMPO REAL

- 1 - RESUMO SISTEMA DE MEDIÇÃO DE CONSUMOS DE LINHA DA CANELA EM TEMPO REAL - 1 - RESUMO SISTEMA DE MEDIÇÃO DE CONSUMOS DE LINHA DA CANELA EM TEMPO REAL A invenção consiste num sistema de medida em tempo real dos consumos de linha da canela em máquinas de ponto preso (classe 300

Leia mais

Diagrama de Fluxo de Dados (DFD)

Diagrama de Fluxo de Dados (DFD) Diagrama de Fluxo de Dados (DFD) Modelos de Especificação Modelos para Especificação do Sistema Representações gráficas que descrevem o problema a ser resolvido e o sistema a ser desenvolvido. Perspectivas

Leia mais

Soluções Web Centradas no Utilizador. Ivo Gomes

Soluções Web Centradas no Utilizador. Ivo Gomes Soluções Web Centradas no Utilizador Ivo Gomes 1 Soluções Web Centradas no Utilizador Os interfaces gráficos foram desenvolvidos para dar controlo às pessoas sobre os seus computadores. Colmatar as necessidades

Leia mais

Projecto de Modelação, Engenharia de Software e Sistemas Distribuídos 2008-09. Requisitos para a 3ª entrega do projecto.

Projecto de Modelação, Engenharia de Software e Sistemas Distribuídos 2008-09. Requisitos para a 3ª entrega do projecto. Departamento de Engenharia Informática Modelação, Engenharia de Software, Sistemas Distribuídos Requisitos para a 3ª entrega do projecto Test O Matic 10 de Maio de 2009 1 Índice 1 Índice... 1 2 Sumário...

Leia mais

Sistemas SCADAS. Apresentação dos sistemas de supervisão do mercado de automação: - Elipse E3 (fabricante Eilpse)

Sistemas SCADAS. Apresentação dos sistemas de supervisão do mercado de automação: - Elipse E3 (fabricante Eilpse) A palavra SCADA é um acrônimo para Supervisory Control And Data Acquisition. Os primeiros sistemas SCADA, basicamente telemétricos, permitiam informar periodicamente o estado corrente do processo industrial,

Leia mais

Sistemas Distribuídos e Tolerância a Falhas

Sistemas Distribuídos e Tolerância a Falhas Processamento de erros Detectar / Recuperar/ Mascarar 1º passo: Detecção. A detecção de um erro pode ser realizada por mecanismos como: - códigos de detecção de erros, - timeouts - watchdogs - verificações

Leia mais

O Manual do ssc. Peter H. Grasch

O Manual do ssc. Peter H. Grasch Peter H. Grasch 2 Conteúdo 1 Introdução 6 2 Usar o ssc 7 2.1 Gerir os utilizadores.................................... 7 2.1.1 Adicionar um utilizador.............................. 8 2.1.1.1 Associar-se

Leia mais

Unidade II MODELAGEM DE PROCESSOS

Unidade II MODELAGEM DE PROCESSOS Unidade II 3 MODELAGEM DE SISTEMAS 1 20 A fase de desenvolvimento de um novo sistema de informação (Quadro 2) é um momento complexo que exige um significativo esforço no sentido de agregar recursos que

Leia mais

Implementadas por Computador

Implementadas por Computador «Título Dia Aberto da Acção» da PI «Nome Ricardo Formador» Pereira «Título Invenções do Módulo» Implementadas por Computador «Função Desempenhada» Examinador de Patentes Universidade de «Local» Évora «dd.mm.aaaa»

Leia mais

Estudo do sistema de IHM para automação de sistema de renovação de água dos chillers em processo de abate de aves.

Estudo do sistema de IHM para automação de sistema de renovação de água dos chillers em processo de abate de aves. Estudo do sistema de IHM para automação de sistema de renovação de água dos chillers em processo de abate de aves. TIAGO NELSON ESTECECHEN tiago_cascavel@hotmail.com UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ

Leia mais

QL-580N QL-1060N. Manual de instalação do software. Português LB9158001

QL-580N QL-1060N. Manual de instalação do software. Português LB9158001 QL-580N QL-060N Manual de instalação do software Português LB95800 Introdução Funcionalidades P-touch Editor Controlador de impressora P-touch Address Book (apenas no Windows ) Precauções para o CD-ROM

Leia mais

Guia de iniciação Bomgar B400

Guia de iniciação Bomgar B400 Guia de iniciação Bomgar B400 Documento: 043010.15 Publicado: maio de 2010 Guia de iniciação Bomgar B400 Documento: 043010.15 Publicado: maio 2010 Obrigado por utilizar a Bomgar. Na Bomgar, o atendimento

Leia mais

Análise de Tarefas. Análise Hierárquica de Tarefas

Análise de Tarefas. Análise Hierárquica de Tarefas Análise de Tarefas Em IHC, a análise de tarefas pode ser utilizada em diferentes momentos do desenvolvimento de software, destacando-se três atividades: (a) análise da situação atual (apoiada ou não por

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÕES AHC CRANE 21644

MANUAL DE OPERAÇÕES AHC CRANE 21644 MANUAL DE OPERAÇÕES AHC CRANE 21644 PÁGINA DO AHC Na figura acima são exibidas as seguintes informações: 1- Velocidade do cabo. 2- Pressão do Nitrogênio no Compensador do AHC. 3- Carga máxima permitida

Leia mais

Notas da Aula 6 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 6 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Monitores Notas da Aula 6 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Embora os semáforos sejam uma boa solução para o problema da exclusão mútua, sua utilização não é trivial. O programador é obrigado a

Leia mais

CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE GESTÃO E PROGRAMAÇÃO DE SISTEMAS INFORMÁTICOS

CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE GESTÃO E PROGRAMAÇÃO DE SISTEMAS INFORMÁTICOS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE GESTÃO E PROGRAMAÇÃO DE SISTEMAS INFORMÁTICOS PLANO DE ESTUDOS Componentes de Formação Total de Horas (a) (Ciclo de Formação) Componente de Formação Sociocultural Português

Leia mais

Componentes do modelo ambiental

Componentes do modelo ambiental Processo de desenvolvimento de sistema de informação Componentes do modelo ambiental Declaração de Objetivos É uma descrição textual concisa do propósito do sistema Lista de Eventos Especificação das atividades

Leia mais

Sumário. Disciplina: TEQ102 - CONTROLE DE PROCESSOS. Prof a Ninoska Bojorge. Departamento de Engenharia Química e de Petróleo UFF

Sumário. Disciplina: TEQ102 - CONTROLE DE PROCESSOS. Prof a Ninoska Bojorge. Departamento de Engenharia Química e de Petróleo UFF 1 Disciplina: TEQ102 - CONTROLE DE PROCESSOS INTRODUÇÃO AO CONTROLE DE PROCESSOS Prof a Ninoska Bojorge Departamento de Engenharia Química e de Petróleo UFF Sumário Introdução Evolução do Controle de Processo

Leia mais

Capítulo 2. Processos de Software. 2011 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados. slide 1

Capítulo 2. Processos de Software. 2011 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados. slide 1 Capítulo 2 Processos de Software slide 1 Tópicos apresentados Modelos de processo de software. Atividades de processo. Lidando com mudanças. Rational Unified Process (RUP). Um exemplo de um processo de

Leia mais

Casos de uso Objetivo:

Casos de uso Objetivo: Casos de uso Objetivo: Auxiliar a comunicação entre os analistas e o cliente. Descreve um cenário que mostra as funcionalidades do sistema do ponto de vista do usuário. O cliente deve ver no diagrama de

Leia mais

ENERGIA DA BATERIA & GERENCIAMENTO DA ENERGIA

ENERGIA DA BATERIA & GERENCIAMENTO DA ENERGIA CAPÍTULO VINTE TRÊS ENERGIA DA BATERIA & GERENCIAMENTO DA ENERGIA Neste capítulo, você aprenderá os fundamentos do gerenciamento de energia e como usá-los para adquirir uma vida média da bateria mais longa.

Leia mais

Instalação do Aparelho Virtual Bomgar. Base 3.2

Instalação do Aparelho Virtual Bomgar. Base 3.2 Instalação do Aparelho Virtual Bomgar Base 3.2 Obrigado por utilizar a Bomgar. Na Bomgar, o atendimento ao cliente é prioridade máxima. Ajude-nos a oferecer um excelente serviço. Se tiver algum comentário

Leia mais

Fase de Análise de Requisitos. Engenharia de Software ANÁLISE DE REQUISITOS. Tipos de Requisitos. Tipos de requisitos. Tipos de requisitos

Fase de Análise de Requisitos. Engenharia de Software ANÁLISE DE REQUISITOS. Tipos de Requisitos. Tipos de requisitos. Tipos de requisitos Engenharia de Software Fase de Análise de Requisitos Engenharia de Sistemas de Computador ANÁLISE DE REQUISITOS ANÁLISE DE REQUISITOS Projeto de Software 1 2 Tipos de Requisitos 3 4 Tipos de requisitos

Leia mais

, Todos os programas, Microsoft Office PowerPoint. Através de um atalho que poderá estar no Ambiente de Trabalho

, Todos os programas, Microsoft Office PowerPoint. Através de um atalho que poderá estar no Ambiente de Trabalho SESSÃO DE TRABALHO Objectivos: Cuidados a ter na criação de Apresentações Formatar texto Inserir imagens Inserir sons Aplicar Movimentos: Transição entre diapositivos Animação personalizada Alterar o modelo

Leia mais

Resolução de avarias de MPEG

Resolução de avarias de MPEG Resolução de avarias de MPEG Esta secção é para utilizadores de cardiologia que visualizam MPEGs. Consulte os seguintes tópicos para o ajudarem a resolver problemas detectados ao visualizar MPEGs. Componentes

Leia mais

CAPÍTULO 1 REVISÃO DE LÓGICA COMBINACIONAL

CAPÍTULO 1 REVISÃO DE LÓGICA COMBINACIONAL 1 CAPÍTULO 1 REVISÃO DE LÓGICA COMBINACIONAL Sumário 1.1. Sistemas de Numeração... 3 1.1.1. Conversão Decimal Binária... 3 1.1.2. Conversão Binária Decimal... 3 1.1.3. Conversão Binária Hexadecimal...

Leia mais

Solius 61 Manual de Instruções

Solius 61 Manual de Instruções Zona Industrial de Avintes, nº 103 4430 930 Avintes, V. N. de Gaia web: www.cirelius.pt e-mail: info@cirelius.pt tel: 227 843 817 fax: 227 843 819 Controlador Solar Solius 61 O controlador Solius 61 dispõe

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA E INFORMÁTICA BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO RAPID APPLICATION DEVELOPMENT

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA E INFORMÁTICA BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO RAPID APPLICATION DEVELOPMENT UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA E INFORMÁTICA BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO RAPID APPLICATION DEVELOPMENT Disciplina: Modelagem a Programação Orientada a Objetos

Leia mais

Faculdade de Computação

Faculdade de Computação UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Faculdade de Computação Disciplina : Teoria da Computação Professora : Sandra Aparecida de Amo Lista de Exercícios n o 2 Exercícios sobre Modelos de Máquinas de Turing

Leia mais

ARQUITECTURA DE COMPUTADORES CAPÍTULO II AULA X

ARQUITECTURA DE COMPUTADORES CAPÍTULO II AULA X ARQUITECTURA DE COMPUTADORES CAPÍTULO II AULA X Índice Traduzindo e iniciando uma aplicação Compiladores Assembladores Linkers Loaders DLLs Iniciando um programa em Java Após toda a matéria abordada nesta

Leia mais

INDICE. TPW- ZATC - ZQHC guia de usuário 2

INDICE. TPW- ZATC - ZQHC guia de usuário 2 1 INDICE 1. INTRODUÇÃO...3 2. ESPECIFICAÇÕES...3 2.1 TPW...3 2.2 ESPECIFICAÇÕES COMUNS...3 3. INSTALAÇÃO...4 3.1. Instalação geral...4 3.2. Instalação dos modelos TPW...4 4. DESCRIÇÃO...4 5. DISPLAYS...5

Leia mais

CAPÍTULO 2. Grafos e Redes

CAPÍTULO 2. Grafos e Redes CAPÍTULO 2 1. Introdução Um grafo é uma representação visual de um determinado conjunto de dados e da ligação existente entre alguns dos elementos desse conjunto. Desta forma, em muitos dos problemas que

Leia mais

Invenções Implementadas por Computador (IIC) Patentes

Invenções Implementadas por Computador (IIC) Patentes Invenções Implementadas por Computador (IIC) Patentes O que é uma IIC? Uma IIC é uma invenção que recorre a um computador, a uma rede de computadores ou a qualquer outro dispositivo programável (por exemplo

Leia mais

Micro Mídia Informática Fevereiro/2009

Micro Mídia Informática Fevereiro/2009 Micro Mídia Informática Fevereiro/2009 1 UML Introdução Fases de Desenvolvimento Notação Visões Análise de Requisitos Casos de Uso StarUML Criando Casos de Uso Orientação a Objetos Diagrama de Classes

Leia mais

Parte V Linguagem de Programação

Parte V Linguagem de Programação www.spei.br Sociedade Paranaense de Ensino e Informática Parte V Linguagem de Programação 2 1 Linguagens de Programação de CLPs As linguagens de programação permitem aos usuários se comunicar com o CLP

Leia mais

Cópia de Segurança e Recuperação Manual do utilizador

Cópia de Segurança e Recuperação Manual do utilizador Cópia de Segurança e Recuperação Manual do utilizador Copyright 2009 Hewlett-Packard Development Company, L.P. Windows é uma marca comercial registada nos EUA da Microsoft Corporation. As informações aqui

Leia mais

Gestor de ligações Manual do Utilizador

Gestor de ligações Manual do Utilizador Gestor de ligações Manual do Utilizador 1.0ª Edição PT 2010 Nokia. Todos os direitos reservados. Nokia, Nokia Connecting People e o logótipo Nokia Original Accessories são marcas comerciais ou marcas registadas

Leia mais

UNIDADE 4. Introdução à Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas

UNIDADE 4. Introdução à Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas UNIDADE 4. Introdução à Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas 4.1 Motivação Sistemas de Informação são usados em diversos níveis dentro de uma organização, apoiando a tomada de decisão; Precisam estar

Leia mais

Manual do InCD Reader

Manual do InCD Reader Manual do InCD Reader Nero AG Informações sobre direitos de autor e marcas comerciais Este manual e todo o respectivo conteúdo estão protegidos por direitos de autor e são propriedade da Nero AG. Todos

Leia mais

ANEXO. Manual do utilizador

ANEXO. Manual do utilizador ANEXO Manual do utilizador A PARTE 1 Menu Principal A janela principal da aplicação é composta por uma zona destinada a mostrar a informação analítica (rodapé) e pelo Menu Principal, o qual contém opções

Leia mais

Módulo 1 Microsoft Word 2007 ( 4 Horas)

Módulo 1 Microsoft Word 2007 ( 4 Horas) No final deste módulo o formando deverá estar apto a: Enunciar a definição do Microsoft Word 2007; Reconhecer as principais vantagens da utilização; Distinguir as diferentes áreas do ambiente de trabalho

Leia mais

Sistemas de Tempo Real: Conceitos Básicos

Sistemas de Tempo Real: Conceitos Básicos Escola de Computação 2000 - IME-USP Sistemas de Tempo Real: Conceitos Básicos Jean-Marie Farines Joni da Silva Fraga Rômulo Silva de Oliveira LCMI - Laboratório de Controle e Microinformática DAS - Departamento

Leia mais

Tipos de malha de Controle

Tipos de malha de Controle Tipos de malha de Controle SUMÁRIO 1 - TIPOS DE MALHA DE CONTROLE...60 1.1. CONTROLE CASCATA...60 1.1.1. Regras para Selecionar a Variável Secundária...62 1.1.2. Seleção das Ações do Controle Cascata e

Leia mais

Análise de Sistemas. Conceito de análise de sistemas

Análise de Sistemas. Conceito de análise de sistemas Análise de Sistemas Conceito de análise de sistemas Sistema: Conjunto de partes organizadas (estruturadas) que concorrem para atingir um (ou mais) objectivos. Sistema de informação (SI): sub-sistema de

Leia mais

Diagrama representativo de uma Máquina de Estados (DME)

Diagrama representativo de uma Máquina de Estados (DME) Diagrama representativo de uma Máquina de Estados (DME) DE-1 DIAGRAMAS DE ESTADOS (DME) DIAGRAMAS DE MÁQUINAS DE (TRANSIÇÃO DE) ESTADOS Para que se compreenda a verdadeira importância dos DME em UML, é,

Leia mais

Asset Management Software Client Module. Guia do Usuário

Asset Management Software Client Module. Guia do Usuário Asset Management Software Client Module Guia do Usuário Módulo do Cliente do Kodak Asset Management Software Configurações de status e ativos... 1 Menu de status de ativos... 2 Menu de configurações de

Leia mais

Projecto de Programação MEEC - 2010/2011-1ºSemestre. Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores

Projecto de Programação MEEC - 2010/2011-1ºSemestre. Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Programação 2010/2011 Enunciado do projecto O projecto a desenvolver pelos alunos consistirá numa sistema de monitorização do estado de

Leia mais

Resolução da lista de exercícios de casos de uso

Resolução da lista de exercícios de casos de uso Resolução da lista de exercícios de casos de uso 1. Explique quando são criados e utilizados os diagramas de casos de uso no processo de desenvolvimento incremental e iterativo. Na fase de concepção se

Leia mais

4.1.3. Diagrama de contexto

4.1.3. Diagrama de contexto 4.1.3. Diagrama de contexto 1 2 Diagrama de contexto O diagrama de contexto deve mostrar as relações estabelecidas entre o sistema e o meio ambiente, apresentando o sistema com um único processo As entradas

Leia mais

Sistemas Operacionais. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Sistemas Operacionais. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Sistemas Operacionais Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Estruturas de Sistemas Operacionais Um sistema operacional fornece o ambiente no qual os programas são executados. Internamente,

Leia mais

Lógica para a Programação - 1º semestre AULA 01 Prof. André Moraes

Lógica para a Programação - 1º semestre AULA 01 Prof. André Moraes Pág 4 Lógica para a Programação - 1º semestre AULA 01 Prof. André Moraes 1 APRESENTAÇÃO DA UNIDADE CURRICULAR A unidade curricular de Lógica para a programação tem como objetivo promover o estudo dos principais

Leia mais

Objectivos Gerais da Aplicação 5 Requisitos Mínimos e Recomendados 5 Processo de Instalação 6

Objectivos Gerais da Aplicação 5 Requisitos Mínimos e Recomendados 5 Processo de Instalação 6 MANUAL DO UTILIZADOR A informação contida neste manual, pode ser alterada sem qualquer aviso prévio. A Estratega Software, apesar dos esforços constantes de actualização deste manual e do produto de software,

Leia mais

Modelo Ambiental: Define as fronteiras entre o sistema e o resto do mundo.

Modelo Ambiental: Define as fronteiras entre o sistema e o resto do mundo. Módulo 4 Análise Essencial O modelo de análise essencial apresenta o sistema em um grau de abstração completamente independente de restrições tecnológicas. Ele descreve quais os requisitos que um sistema

Leia mais

UML Itens Estruturais - Interface

UML Itens Estruturais - Interface Itens Estruturais - Interface Coleção de operações que especificam serviços de uma classe ou componente Descreve o comportamento visível externamente Raramente aparece sozinha. Em geral vem anexada à classe

Leia mais

A gestão da implementação

A gestão da implementação A Gestão de Projectos Técnicas de programação em Gestão de Projectos Luís Manuel Borges Gouveia A gestão da implementação Estrutura de planeamento de projectos avaliação e gestão de risco a gestão de projectos

Leia mais

1/26/2009. Baseadas em http://www.voelter.de/services/mdsdtutorial.html. Experiência pessoal/profissional/acadêmica

1/26/2009. Baseadas em http://www.voelter.de/services/mdsdtutorial.html. Experiência pessoal/profissional/acadêmica Baseadas em http://www.voelter.de/services/mdsdtutorial.html Experiência pessoal/profissional/acadêmica 1 Metamodelo UML Meu Metamodelo Meu processo de negócios Meu processo de negócios Stereotypes Perfis

Leia mais

Seu manual do usuário ACRONIS BACKUP AND RECOVERY 10 http://pt.yourpdfguides.com/dref/3696822

Seu manual do usuário ACRONIS BACKUP AND RECOVERY 10 http://pt.yourpdfguides.com/dref/3696822 Você pode ler as recomendações contidas no guia do usuário, no guia de técnico ou no guia de instalação para ACRONIS BACKUP AND RECOVERY 10. Você vai encontrar as respostas a todas suas perguntas sobre

Leia mais

Engenharia de Software e Gerência de Projetos Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios

Engenharia de Software e Gerência de Projetos Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Engenharia de Software e Gerência de Projetos Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Cronograma das Aulas. Hoje você está na aula Semana

Leia mais

Introdução Ciclo de vida tradicional de desenvolvimento Prototipagem Pacotes de software Desenvolvimento de 4ª geração Terceirização

Introdução Ciclo de vida tradicional de desenvolvimento Prototipagem Pacotes de software Desenvolvimento de 4ª geração Terceirização Prof. Ricardo José Pfitscher Material elaborado com base em: José Luiz Mendes Gerson Volney Lagemann Introdução Ciclo de vida tradicional de desenvolvimento Prototipagem Pacotes de software Desenvolvimento

Leia mais

Gestor de Janelas Gnome

Gestor de Janelas Gnome 6 3 5 Gestor de Janelas Gnome Nesta secção será explicado o funcionamento de um dos ambientes gráficos disponíveis no seu Linux Caixa Mágica, o Gnome. Na figura 5.1 apresentamos o GDM, o sistema gráfico

Leia mais

PCS-408 - LABORATÓRIO DE ENGENHARIA DE SOFTWARE E METODOLOGIA DE PROGRAMAÇÃO ESTUDO DE CASO: "PROBLEMA DA ACADEMIA DE GINÁSTICA"

PCS-408 - LABORATÓRIO DE ENGENHARIA DE SOFTWARE E METODOLOGIA DE PROGRAMAÇÃO ESTUDO DE CASO: PROBLEMA DA ACADEMIA DE GINÁSTICA 1 PCS-408 - LABORATÓRIO DE ENGENHARIA DE SOFTWARE E METODOLOGIA DE PROGRAMAÇÃO ESTUDO DE CASO: "PROBLEMA DA ACADEMIA DE GINÁSTICA" 1. ENUNCIADO Maria Alice Grigas Varella Ferreira 1995/1996 Uma academia

Leia mais

Algoritmo. Iniciação do Sistema e Estimativa do consumo. Perfil do utilizador. Recolha de dados

Algoritmo. Iniciação do Sistema e Estimativa do consumo. Perfil do utilizador. Recolha de dados Algoritmo Iniciação do Sistema e Estimativa do consumo Recolha de dados O algoritmo do sistema de gestão, necessita obrigatoriamente de conhecer todos (ou grande maioria) os aparelhos ligados numa habitação

Leia mais

DOCUMENTAÇÃO DE AULA

DOCUMENTAÇÃO DE AULA DOCUMENTAÇÃO DE AULA L.F./2001 (revisão) A importância da documentação de uma aula prática dispensa comentários. Basta lembrar que uma aula de laboratório é um evento singular, no qual o aluno defronta-se

Leia mais

B2S SISTEMAS DE INFORMAÇÃO, LDA. RUA ARTILHARIA UM, Nº 67 3º FRT. 1250-038 LISBOA TEL: 21 385 01 09 - FAX: 21 012 52 25 E-MAIL B2S@B2S.

B2S SISTEMAS DE INFORMAÇÃO, LDA. RUA ARTILHARIA UM, Nº 67 3º FRT. 1250-038 LISBOA TEL: 21 385 01 09 - FAX: 21 012 52 25 E-MAIL B2S@B2S. Procedimentos Abertura/Fecho Ano Primavera V750 B2S SISTEMAS DE INFORMAÇÃO, LDA. RUA ARTILHARIA UM, Nº 67 3º FRT. 1250-038 LISBOA TEL: 21 385 01 09 - FAX: 21 012 52 25 E-MAIL B2S@B2S.PT MCRC LISBOA 11492

Leia mais

Manual de Instruções

Manual de Instruções Manual de Instruções (Linha Exclusive Thermomatic) Exclusive III Obrigado por escolher a série dos desumidificadores Exclusive da Thermomatic. Para garantir o uso correto das operações, por favor, leia

Leia mais

A Ergonomia e os Sistemas de Informação. Ivo Gomes

A Ergonomia e os Sistemas de Informação. Ivo Gomes A Ergonomia e os Sistemas de Informação Ivo Gomes A Ergonomia e os Sistemas de Informação Para a maior parte das pessoas, a ergonomia serve para fazer cadeiras mais confortáveis, mobiliário de escritório

Leia mais

Ladibug TM 2.0 Software de Imagem para o Apresentador Virtual Manual do Utilizador - Português Europeu

Ladibug TM 2.0 Software de Imagem para o Apresentador Virtual Manual do Utilizador - Português Europeu Ladibug TM 2.0 Software de Imagem para o Apresentador Virtual Manual do Utilizador - Português Europeu Índice 1. Introdução... 2 2. Requisitos do Sistema... 2 3. Instalar Ladibug... 3 4. Ligação ao Hardware...

Leia mais

MODELAGEM DE PROCESSOS USANDO BPMN (BUSINESS PROCESS MODEL AND NOTATION) E IOT (INTERNET DAS COISAS)

MODELAGEM DE PROCESSOS USANDO BPMN (BUSINESS PROCESS MODEL AND NOTATION) E IOT (INTERNET DAS COISAS) WHITE PAPPER Rafael Fazzi Bortolini Diretor, Cryo Technologies Orquestra BPMS rafael@cryo.com.br Internet das Coisas e Gerenciamento de Processos de Negócio (BPM) são duas disciplinas ou tendências à primeira

Leia mais

Manual de candidatura por via electrónica

Manual de candidatura por via electrónica 2 Concursos de Pessoal Docente regulados pelo Decreto Legislativo Regional n.º /2009/M de de Junho. Ano Escolar 2009/2010 Manual de candidatura por via electrónica É essencial que leia este manual antes

Leia mais

1. O DHCP Dynamic Host Configuration Protocol

1. O DHCP Dynamic Host Configuration Protocol CURSO DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO TIPO 5 2º ANO TÉCNICO DE INFORMÁTICA/INSTALAÇÃO E GESTÃO DE REDES 2008/2009 INSTALAÇÃO REDES CLIENTE SERVIDOR WINDOWS SERVER 2003 Após a instalação Instalação de serviços de

Leia mais

SISTEMA DE CLIMATIZAÇÃO

SISTEMA DE CLIMATIZAÇÃO AUTOMAÇÃO SEGURANÇA SOM SISTEMA DE CLIMATIZAÇÃO MANUAL DO UTILIZADOR www.only-pt.pt INTRODUÇÃO... 4 EQUIPAMENTOS... 4 CONTROLOS E INDICAÇÕES... 5 CONFIGURAÇÃO ATRAVÉS DO OTC-CLIMA... 6 1. Ajuste de data

Leia mais

Conteúdos. Correio Electrónico Protocolos POP3 e SMTP Endereços de correio electrónico Trabalho Prático

Conteúdos. Correio Electrónico Protocolos POP3 e SMTP Endereços de correio electrónico Trabalho Prático Conteúdos Correio Electrónico Protocolos POP3 e SMTP Endereços de correio electrónico Trabalho Prático O desejo de comunicar é a essência das redes. As pessoas sempre desejaram corresponder entre si através

Leia mais

Detector de intrusão Série Professional Sabe quando activar o alarme. Sabe quando não o fazer.

Detector de intrusão Série Professional Sabe quando activar o alarme. Sabe quando não o fazer. Detector de intrusão Série Professional Sabe quando activar o alarme. Sabe quando não o fazer. Agora com tecnologia anti-máscara multiponto com detecção por spray integrada As tecnologias incomparáveis

Leia mais

Integração de livros fiscais com o Microsoft Dynamics AX 2009

Integração de livros fiscais com o Microsoft Dynamics AX 2009 Microsoft Dynamics AX Integração de livros fiscais com o Microsoft Dynamics AX 2009 White paper Este white paper descreve como configurar e usar a integração de livros fiscais entre o Microsoft Dynamics

Leia mais

Manual do Utilizador

Manual do Utilizador Manual do Utilizador TABLET PARA O SETOR DA RESTAURAÇÃO SDILAB Investigação e Desenvolvimento de Software, Lda. Parque Industrial de Celeirós - 1ª Fase, Lote C 4705 Celeirós Braga, Portugal +351 253 678

Leia mais

Técnico/a Especialista de Automação, Robótica e Controlo Industrial Nível 4

Técnico/a Especialista de Automação, Robótica e Controlo Industrial Nível 4 TÉCNICO/A ESPECIALISTA DE AUTOMAÇÃO, ROBÓTICA E CONTROLO INDUSTRIAL CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/7 ÁREA DE ACTIVIDADE - ELECTRÓNICA E AUTOMAÇÃO OBJECTIVO GLOBAL Conceber, programar, planear e coordenar

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Conceitos básicos sobre E.S: Ambiência Caracterização do software Fases de desenvolvimento 1 Introdução Aspectos Introdutórios Crise do Software Definição de Engenharia do Software 2 Crise do Software

Leia mais

Introdução à Informática

Introdução à Informática Curso Introdução à Informática Ano/Semestre Ano Lectivo Área Científica Dpt. EMP 1ºAno / 1ºS 2005/06 Informática DSI Professor Responsável da Disciplina Miguel Boavida Docente Co-Responsável Martinha Piteira

Leia mais

Levantamento, Análise e Gestão Requisitos. Aula 06

Levantamento, Análise e Gestão Requisitos. Aula 06 Levantamento, Análise e Gestão Requisitos Aula 06 Agenda Técnicas de Levantamento de Requisitos: Entrevista Workshop, Brainstorming, Storyboarding e Roleplaying Prototipação JAD Joint Application Design

Leia mais

Fundamentos de Teste de Software

Fundamentos de Teste de Software Núcleo de Excelência em Testes de Sistemas Fundamentos de Teste de Software Módulo 2- Teste Estático e Teste Dinâmico Aula 4 Projeto de Teste 1 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 ANÁLISE E PROJETO DE TESTE... 3 1.

Leia mais

INTRODUÇÃO AO MODELO DE DADOS RELACIONAL

INTRODUÇÃO AO MODELO DE DADOS RELACIONAL Departamento de Informática INTRODUÇÃO AO MODELO DE DADOS RELACIONAL Prof. Carlos Pampulim Caldeira Évora, 2004 ÍNDICE 1. Introdução às Bases de Dados Relacionais 1 1.1 Historial 1 1.2 Definição de Base

Leia mais

APLICAÇÕES E ANÁLISE DE SISTEMAS SUPERVISÓRIOS "SCADA"

APLICAÇÕES E ANÁLISE DE SISTEMAS SUPERVISÓRIOS SCADA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO DEPARTAMENTO DE PESQUISA E

Leia mais

Podium View TM 2.0 Software de Imagem para o Apresentador Virtual Manual do Utilizador - Portugués

Podium View TM 2.0 Software de Imagem para o Apresentador Virtual Manual do Utilizador - Portugués Podium View TM 2.0 Software de Imagem para o Apresentador Virtual Manual do Utilizador - Portugués Índice 1. Introdução... 2 2. Requisitos do Sistema... 2 3. Instalar Podium View... 3 4. Ligação ao Hardware...

Leia mais