Fundamentos de Teste de Software

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Fundamentos de Teste de Software"

Transcrição

1 Núcleo de Excelência em Testes de Sistemas Fundamentos de Teste de Software Módulo 2- Teste Estático e Teste Dinâmico Aula 4 Projeto de Teste 1

2 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 ANÁLISE E PROJETO DE TESTE Identificação das Condições do Teste... 5 Exemplo 1: Caso de Uso Realizar Operação Bancária... 7 Exemplo 2: Cenário EuroBonus Star Alliance Especificar os Casos de Teste... 8 Exemplo 1: Caso de Uso Realizar Operação Bancária... 9 Exemplo 2: Cenário EuroBonus Star Alliance Especificar os procedimentos de teste Exemplo 1: Caso de Uso Realizar Operação Bancária Exemplo 2: Caso de Uso EuroBonus Star Alliance CONCLUSÃO ANEXOS 1 Caso de Uso Realizar Operação Bancária

3 INTRODUÇÃO O segundo módulo do curso apresenta um maior detalhamento dos procedimentos que estão relacionados com o Teste Estático e o Teste Dinâmico. Esta aula irá focar o Projeto de Teste, contemplando sua definição, processo de elaboração, requisitos desejáveis e alguns exemplos para apoiar as definições. Além disso, iremos abordar como traduzir as condições em casos e procedimentos de teste para que o testador tenha o projeto para executar o teste. ANÁLISE E PROJETO DE TESTE O objetivo da Análise e Projeto é produzir o projeto de teste contemplando as condições, casos e procedimentos de teste, e, buscando a maior cobertura possível para alcançar o que foi previsto no plano de teste. O projeto de teste permite a revisão da documentação usada como base para esta atividade, permitindo a antecipação de defeitos no ciclo de vida do teste. Figura 1 Objetivos da análise e projeto de teste O processo para definição do projeto de teste deve ser iterativo e incremental, e acontece antes da execução do teste, haja vista a necessidade de se saber: escopo do que será testado; os produtos de trabalho para serem entradas para o projeto de teste; lista dos resultados esperados pelas atividade; e atividades necessárias para realizar a execução do teste. 3

4 Esse processo tem o foco a busca por informações que possam ser usadas para derivar o projeto do teste, também chamadas de bases para o teste.. Podem ser obtidas através dos requisitos do sistema, especificação técnica, código ou processo de negócio. Nesse contexto, o processo para o projeto de teste compreende 3 atividades: 1. Identificar as Condições do Teste; 2. Especificar os Casos de Teste; e 3. Especificar os procedimentos de Teste. Figura 2 Processo para elaborar o projeto de teste O resultado de cada atividade pode ser documentado conforme o nível de formalidade requerido no contexto do projeto. Projetos mais formais irão demandar documentação extensa, bem controlada e detalhada, por outro lado, o resultado informal pode não trazer nenhum documentação, apenas anotações feitas para que o testador entenda o que é esperado pelas atividades de teste. Figura 3 Formalidade da documentação 4

5 Observa-se que muitas organizações trabalham com uma forma intermediária, onde o nível de formalidade depende do contexto organizacional, cultura do time e maturidade do processo de desenvolvimento, especificamente o processo de teste. O escopo da formalidade do processo também depende das restrições de tempo de um determinado projeto. A cobertura do teste é outro aspecto importante no projeto porque fornece uma idéia quantitativa do tamanho e qualidade do teste, além de promover uma forma para estimar a quantidade de teste que precisa ser realizado. A cobertura busca responder questões relativas a quantidade de teste que será realizado em um projeto. Figura 4 Cobertura do este 1. Identificação das Condições do Teste A primeira atividade do processo tem o objetivo de buscar o escopo do que pode ser testado, que são as condições do teste. Figura 5 Identificação das condições do teste 5

6 Uma condição de teste é um item ou evento de um componente ou sistema que pode ser verificado por um ou mais casos de teste, ou, simplesmente, o que pode ser testado, também denominado possibilidades do teste. Não é possível testar tudo visto ser um objetivo impraticável para um projeto. É necessário selecionar um subconjunto de todas as possibilidades existentes para o teste. As técnicas de teste, que serão explicadas futuramente, apóiam a seleção desse subconjunto a partir do total de possibilidades teste disponíveis. As condições do teste se originam a partir da documentação base do projeto, que pode ser: Documento de requisitos; Manuais de sistema; Especificações do produto; Especificações funcionais; Manuais de treinamento; e Feedback de clientes. A coleta dos dados relevante sobre o sistema pode ser feita a partir da análise dos documentos ou através de brainstorm com o time do projeto. Nesse contexto, as características as serem testadas podem ser expressas em termos de condições, requisitos de teste,, ou simplesmente, um item verificável,, que são os itens que serão cobertos através da execução do teste. Nesse âmbito, o critério de completude deve ser levado em questão, pois não se deve esperar 100% de cobertura de código. As condições do teste devem ser selecionadas com base no percentual de cobertura que se deseja alcançar. Uma forma de apoiar a definição da cobertura do teste é a utilização da análise de riscos do produto realizada para priorizar os itens mais importantes a serem alcançados pela cobertura do teste. As condições devem ser escritas de forma a contemplar: Identificação única; Descrição; e Referência para a documentação base. As condições do teste selecionadas irão depender da estratégia e da abordagem detalhada do teste e devem manter rastreabilidade desde sua origem, podendo ser horizontal, por toda a documentação de teste, ou vertical que abrange todos os níveis de documentação no projeto. Além da identificação das condições do teste, é necessário priorizá-las, onde pode-se até adotar a técnica de identificar o dobro de condições de teste necessárias para, então, se priorizar apenas as mais importantes. 6

7 Exemplo 1: Caso de Uso Realizar Operação Bancária O cenário, apresentado através do diagrama de casos de uso, mostra as transações que podem ser realizadas pelos atores: Cliente; Sistema bancário; e Operador de caixa eletrônico. Nesse cenário, os atores interagem para: Retirada de dinheiro; Transferir fundos; Depositar fundos; e Iniciação do sistema. Figura 6: Caso de uso realizar operação bancária O Anexo 1 contempla a descrição detalhada do caso de uso Realizar Operação Bancária. Nesse cenário, é possível obter as seguintes condições de teste. ID Condição Retirada em dinheiro bem-sucedida Caixa eletrônico sem dinheiro Fundos Insuficientes no Caixa Eletrônico Senha Incorreta (novas tentativas) Senha incorreta (sem nova tentativa) Nenhuma Conta/tipo de conta incorreto Saldo Insuficiente em Conta 7

8 Exemplo 2: Cenário EuroBonus Star Alliance O segundo exemplo apresenta um cenário de um programa de fidelidade e acumulo de pontos, conforme descrito a seguir: Para um determinado programa de recompensa, existem 3 níveis de parceria: Básico, Prata e Ouro. O nível de parceria de um passageiro é determinado pelo numero de pontos básicos adquiridos num intervalo de 12 meses. O passageiro irá, automaticamente, mudar para o nível Prata quando acumular pontos durante o período de aquisição. Se você adquirir pontos no mesmo período, você irá para a categoria Ouro. O período de aquisição opera a partir do primeiro dia que você se associa no programa até os 12 meses seguintes. Figura 7: Cenário EuroBonus Star Alliance Algumas condições podem ser extraídas: ID Condição Quando a soma dos seus pontos for menor de , seu status será Básico. Quando a soma dos seus pontos for igual ou maior que , seu nível será Prata. Quando a soma dos seus pontos for igual ou maior que , seu nível será Ouro. 2. Especificar os Casos de Teste A especificação dos casos de teste é a segunda atividade do processo e casos de teste podem ser entendidos como um conjunto de valores de entrada, precondições para execução, resultados esperados e pós-condições da execução. Embora as condições do teste possam ser vagas, os casos de teste devem ser específicos, e são desenvolvidos para um objetivo ou condição de teste específico. Portanto, devem ser elaborados tomando como base as condições do teste. Para a definição dos casos de teste, deve-se observar as condições: Efetividade: tem uma probabilidade razoável de detecção de erros. Exemplar: sejam práticos e tenham pouca redundância. 8

9 Econômico: mantém um razoável custo de desenvolvimento e retorno sobre investimento. Evolução: sejam passíveis de evolução, estruturados e manuteníveis. Figura 8 Identificação dos casos de teste As técnicas de teste, que serão apresentadas posteriormente, apóiam a criação de casos de teste que satisfaçam as condições acima, além de ajudarem a encontrar valores de entrada. A documentação de um caso de teste deve incluir: Identificação única Descrição Referencia para a condição do teste utilizada como base Nesse contexto, pode haver um relacionamento n-n entre as condições e casos de teste. Exemplo 1: Caso de Uso Realizar Operação Bancária Para cada um dessas sete condições, é necessário identificar casos de teste. É possível identificar e gerenciar os casos de teste usando matrizes ou tabelas de decisão. Veja a seguir um formato comum, em que cada linha representa um caso de teste individual, e as colunas identificam informações de caso de teste. Nesse exemplo, para cada caso de teste, há um ID, uma Condição (ou descrição) e todos os elementos que participam do caso de teste (como entrada ou já no banco de dados) e o resultado esperado. Para desenvolver a matriz, primeiro identifique quais elementos de dados são necessários para a execução das condições de caso de uso. Em seguida, para cada condições, identifique pelo menos um caso de teste que contenha a condição apropriada 9

10 para executar o condições. Por exemplo, na matriz a seguir, V (válido) é usado para indicar que essa condição deve ser VÁLIDA para que o fluxo seja executado, e I (inválido) é usado para indicar a condição que disparará o fluxo alternativo desejado. Na tabela a seguir, "n/a" indica que essa condição não é aplicável ao caso de teste. ID do TC Condição CW1. Condição 1 - Retirada em Dinheiro Bemsucedida V V V V V CW2. Condição 2 - Caixa Eletrônico sem Dinheiro V V V V I CW3. Condição 3 - Fundos insuficientes no caixa eletrônico CW4. CW5. CW6. Senha No da Conta Valor Digitado (ou escolhido) Valor na Conta V V V V I Condição 4 - Senha I V n/a V V Incorreta (> 1 nova tentativa) Condição 4 - Senha I V n/a V V Incorreta (= 1 nova tentativa) Condição 4 - Senha Incorreta (= sem novas tentativas) I V n/a V V Valor no Caixa Eletrônico Resultado Esperado Retirada em dinheiro bemsucedida. Opção Retirada em Dinheiro indisponível, fim do caso de uso Mensagem de aviso, retorno ao Passo 6 do Básico - Digitar o Valor Mensagem de aviso, retorno ao Passo 4 do Básico, Digitar a Senha Mensagem de aviso, retorno ao Passo 4 do Básico, Digitar a Senha Mensagem de aviso, cartão retido, fim do caso de uso Exemplo 2: Cenário EuroBonus Star Alliance O exemplo 2 apresenta outra forma de documentar o caso de teste, de maneira mais simplificada e relacionado o caso de teste com a condição, conforme tabela abaixo. 10

11 ID Condição 11 Quando a soma dos seus pontos for menor de , seu status será Básico. 2 Quando a soma dos seus pontos for igual ou maior que , seu nível será Prata. 3 Quando a soma dos seus pontos for igual ou maior que , seu nível será Ouro. ID Caso de Teste 1.01 Checar se a soma negativa de pontos não é permitida Checar se a soma de menos de pontos irá definir o nível Básico de parceria Checar se a soma de pontos for maior de e menor de irá garantir o nível Prata de parceria Checar se a soma de mais de pontos irá definir o nível Ouro de parceria. 3. Especificar os procedimentos de teste A atividade de especificar os procedimentos de teste adota uma seqüência de ações para executar um caso de teste que devem ser exclusivamente numerados, que acontece após a especificação detalhada dos casos de teste. Figura 9 Identificação dos procedimentos do teste Figura 10 Diferença entre script e procedimentos do teste 11

12 O termo procedimento está, normalmente, relacionado ao teste manual enquanto o termo script está associado com procedimentos automatizados. O grau de detalhamento depende de quem irá executar o teste e sua documentação deve incluir: Identificação única para o procedimento de teste; Descrição dos propósitos; Referência para os casos de teste e/ou condições do teste e/ou documentação a ser coberta pelo procedimento. Descrição das precondições a serem alcançadas antes do início da execução do teste. Casos de teste de baixo nível incluídos. Procedimento de Teste: Identificação do procedimento: Propósito: Caso de Teste Relacionado: Passos: Lembre-se que a elaboração da especificação do teste é uma atividade iterativa. Um procedimento não deve incluir muitos e nem poucos casos de teste. Exemplo 1: Caso de Uso Realizar Operação Bancária Para o exemplo do caso de uso Realizar Operação Bancária, um dos procedimentos de teste existentes é para a retirada de dinheiro bem-sucedida. Procedimento de Teste: Retirada de dinheiro bem-sucedida. Identificação do procedimento: 01 Propósito: Realização bem sucedida do saque no caixa eletrônco. Caso de Teste Relacionado: CW1 Passos: 1. O cliente informa um número da conta verdadeiro para o sistema. 2. O cliente fornece senha para logar no sistema. 3. O sistema informa o valor disponível na conta do cliente. 4. O sistema informa o valor disponível para saque no caixa eletrônico. 5. O cliente informa o valor do saque desejado. 6. O caixa entrega o dinheiro para o cliente. 7. O caso de teste se finaliza. Exemplo 2: Caso de Uso EuroBonus Star Alliance No contexto do cenário EuroBonus Star Alliance, adicionamos um campo no template de descrição dos procedimentos de teste, que é a informação das pré-condições para que o procedimento possa ser executado. Esse campo tem caráter opcional e pode ser 12

13 utilizando quando se deseja especificar o estado inicial mandatório para execução do procedimento de teste. A tabela abaixo representa o procedimento de teste para um caso de teste escolhido e o detalhamento de todos os procedimentos existentes para esse contexto fica a cargo da estratégia de testes adotada no projeto. Procedimento de Teste: Checar soma negativa Identificação do procedimento: 01 Propósito: Checar se o nível Básico de parceria é definido. Precondição: O cliente ter acumulado menos de Caso de Teste Relacionado: Passos: 1. O passageiro informa o número do cartão de parceria. 2. O passageiro informa a senha do sistema. 3. O passageiro efetua login no sistema. 4. O passageiro verificar o tipo básico de parceria. 5. O procedimento se finaliza. CONCLUSÃO Portanto, esta aula apresentou os passos para elaboração do projeto de teste, contemplando o detalhamento do processo, forma de realizar a identificação das condições do teste, como derivá-las para os casos e procedimentos de teste. Além disso, alguns exemplos foram mostrados para consolidar a teoria apresentada. 13

14 ANEXO 1 Caso de Uso Realizar Operação Bancária Básico Alternativo 1 - Cartão Inválido. Alternativo 2 - Caixa Eletrônico sem Dinheiro Alternativo 3 - Fundos insuficientes no caixa eletrônico Alternativo 4 - Senha Incorreta Esse Caso de Uso começa com o caixa eletrônico no Estado Pronto. 1. Iniciar Retirada - O cliente insere o cartão bancário no leitor de cartões do caixa eletrônico 2. Verificar o Cartão Bancário - O caixa eletrônico lê o código da conta a partir da tarja magnética do cartão bancário e verifica se ele é um cartão aceitável. 3. Digitar a senha - O caixa eletrônico pede a senha do cliente (4 dígitos) 4. Verificar o código da conta e a senha - O código da conta e a senha são verificados para determinar se a conta é válida e se a senha digitada está correta. Para esse fluxo, a conta é válida e a senha está corretamente associada a essa conta. 5. Opções do caixa eletrônico - O caixa eletrônico exibe as diversas alternativas disponíveis. Nesse fluxo, o cliente do banco sempre seleciona "Retirada em Dinheiro." 6. Digitar o Valor - O caixa eletrônico solicita o valor a ser retirado. Para esse fluxo o cliente seleciona um valor predefinido (R$ 10, R$ 20, R$ 50 ou R$ 100). 7. Autorização - O caixa eletrônico inicia o processo de verificação com o Sistema Bancário, enviando o ID do Cartão, a Senha, o Valor e as Informações de conta como uma transação. Para esse fluxo, o Sistema Bancário está on-line e responde com uma autorização para concluir a retirada em dinheiro, atualizando o saldo da conta de forma apropriada. 8. Fornecimento - O Dinheiro é fornecido. 9. Devolução do Cartão - o Cartão do Banco é devolvido. 10. Recibo - O recibo é impresso e fornecido. O caixa eletrônico também atualiza o log interno de forma apropriada. O Caso de Uso termina com o caixa eletrônico no Estado Pronto. No Passo 2 do Básico - Verificar o Cartão Bancário, se o cartão não for válido, será ejetado com uma mensagem apropriada. No Passo 5 do Básico - Opções do Caixa Eletrônico, se o caixa eletrônico estiver sem dinheiro, a opção "Retirada em Dinheiro" não estará disponível. No Passo 6 do Básico - Digitar o Valor, se o caixa eletrônico não contiver fundos suficientes para fornecer o valor solicitado, o sistema exibirá uma mensagem apropriada e retornará ao Passo 6 do fluxo básico - Digitar o Valor. No Passo 4 do Básico - Verificar a Conta e a Senha, o cliente tem três chances de digitar a senha correta. Se for digitada uma senha incorreta, o caixa eletrônico exibirá a mensagem apropriada, e se houver novas tentativas, esse fluxo retornará ao Passo 3 do Básico - Digitar a Senha. 14

15 Alternativo 5 - Nenhuma Conta Alternativo 6 - Fundos Insuficientes na Conta Alternativo 7 - Atingido o valor máximo diário para retirada Alternativo x - Erro de Log Alternativo y - Encerramento Alternativo z - "Paralisação" Se na última tentativa o número PIN digitado estiver incorreto, o cartão será retido, o caixa eletrônico retornará ao Estado Pronto, e esse caso de uso será encerrado. No Passo 4 do Básico - Verificar a Conta e a Senha, se o Sistema bancário retornar um código indicando que a conta não foi encontrada ou que ela não permite retiradas, o caixa eletrônico exibirá a mensagem apropriada e retornará ao Passo 9 do Básico - Devolver o Cartão. No Passo 7 do Básico - Autorização, o Sistema bancário exibe um código indicando que o saldo da conta é inferior ao valor digitado no Passo 6 do Básico - Digitar o Valor; o caixa eletrônico exibe a mensagem apropriada e retorna ao Passo 6 do Básico - Digitar o Valor. No Passo 6 do Básico - Autorização, o Sistema bancário exibe um código indicando que, com essa solicitação de retirada, o cliente terá excedido o valor máximo permitido em um período de 24 horas; o caixa eletrônico exibe a mensagem apropriada e retorna ao Passo 6 do Básico - Digitar o Valor. Se no Passo 10 do Básico - Recibo, não for possível atualizar o log, o caixa eletrônico entrará no "modo de segurança" em que todas as funções serão suspensas. Um alarme apropriado será enviado ao Sistema Bancário para indicar que o caixa eletrônico suspendeu a operação. O cliente pode, a qualquer momento, decidir terminar a transação (encerrar). A transação é interrompida e o cartão é ejetado. O caixa eletrônico contém vários sensores que monitoram funções distintas, como alimentação, pressão exercida nas várias portas e passagens, e detectores de movimento. Se a qualquer momento um sensor for ativado, um sinal de alarme será enviado à Polícia, e o caixa eletrônico entrará no "modo de segurança" em que todas as funções serão suspensas até que sejam executadas as ações de reinício/reinicialização apropriadas. Na primeira iteração, de acordo com o plano de iteração, é necessário verificar se o caso de uso Retirada em Dinheiro foi implementado corretamente. O caso de uso não foi totalmente implementado. Apenas os seguintes fluxos foram implementados: Básico - Retirada de um valor predefinido (R$ 10, R$ 20, R$ 50, R$ 100) Alternativo 2 - Caixa Eletrônico sem Dinheiro Alternativo 3 - Fundos insuficientes no caixa eletrônico Alternativo 4 - Senha Incorreta Alternativo 5 - Nenhuma Conta/Tipo de Conta Incorreto Alternativo 6 - Fundos Insuficientes na Conta 15

Resolução da lista de exercícios de casos de uso

Resolução da lista de exercícios de casos de uso Resolução da lista de exercícios de casos de uso 1. Explique quando são criados e utilizados os diagramas de casos de uso no processo de desenvolvimento incremental e iterativo. Na fase de concepção se

Leia mais

UML & Padrões Aula 3. UML e Padrões - Profª Kelly Christine C. Silva

UML & Padrões Aula 3. UML e Padrões - Profª Kelly Christine C. Silva UML & Padrões Aula 3 UML e Padrões - Profª Kelly Christine C. Silva 1 UML & Padrões Aula 3 Diagrama de Casos de Uso Profª Kelly Christine C. Silva O que vamos tratar: Modelos de Caso de Uso Diagrama de

Leia mais

Casos de uso Objetivo:

Casos de uso Objetivo: Casos de uso Objetivo: Auxiliar a comunicação entre os analistas e o cliente. Descreve um cenário que mostra as funcionalidades do sistema do ponto de vista do usuário. O cliente deve ver no diagrama de

Leia mais

Processos de gerenciamento de projetos em um projeto

Processos de gerenciamento de projetos em um projeto Processos de gerenciamento de projetos em um projeto O gerenciamento de projetos é a aplicação de conhecimentos, habilidades, ferramentas e técnicas às atividades do projeto a fim de cumprir seus requisitos.

Leia mais

PMBoK Comentários das Provas TRE-PR 2009

PMBoK Comentários das Provas TRE-PR 2009 PMBoK Comentários das Provas TRE-PR 2009 Comentário geral: As provas apresentaram grau de dificuldade médio. Não houve uma preocupação da banca em aprofundar os conceitos ou dificultar a interpretação

Leia mais

O Processo de Engenharia de Requisitos

O Processo de Engenharia de Requisitos UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS, LETRAS E CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DE COMPUTAÇÃO E ESTATÍSTICA O Processo de Engenharia de Requisitos Engenharia de Software 2o.

Leia mais

Modelos de Sistemas Casos de Uso

Modelos de Sistemas Casos de Uso Modelos de Sistemas Casos de Uso Auxiliadora Freire Fonte: Engenharia de Software 8º Edição / Ian Sommerville 2000 Slide 1 Modelagem de Sistema UML Unified Modeling Language (Linguagem de Modelagem Unificada)

Leia mais

Figura 1: tela inicial do BlueControl COMO COLOCAR A SALA DE INFORMÁTICA EM FUNCIONAMENTO?

Figura 1: tela inicial do BlueControl COMO COLOCAR A SALA DE INFORMÁTICA EM FUNCIONAMENTO? Índice BlueControl... 3 1 - Efetuando o logon no Windows... 4 2 - Efetuando o login no BlueControl... 5 3 - A grade de horários... 9 3.1 - Trabalhando com o calendário... 9 3.2 - Cancelando uma atividade

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo VIII Riscos

Gerenciamento de Projetos Modulo VIII Riscos Gerenciamento de Projetos Modulo VIII Riscos Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com Bibliografia* Project Management Institute. Conjunto de Conhecimentos em Gerenciamento

Leia mais

Roteiro SENAC. Análise de Riscos. Planejamento do Gerenciamento de Riscos. Planejamento do Gerenciamento de Riscos

Roteiro SENAC. Análise de Riscos. Planejamento do Gerenciamento de Riscos. Planejamento do Gerenciamento de Riscos SENAC Pós-Graduação em Segurança da Informação: Análise de Riscos Parte 2 Leandro Loss, Dr. Eng. loss@gsigma.ufsc.br http://www.gsigma.ufsc.br/~loss Roteiro Introdução Conceitos básicos Riscos Tipos de

Leia mais

LISTA DE VERIFICAÇAO DO SISTEMA DE GESTAO DA QUALIDADE

LISTA DE VERIFICAÇAO DO SISTEMA DE GESTAO DA QUALIDADE Questionamento a alta direção: 1. Quais os objetivos e metas da organização? 2. quais os principais Produtos e/ou serviços da organização? 3. Qual o escopo da certificação? 4. qual é a Visão e Missão?

Leia mais

Guia de utilização da notação BPMN

Guia de utilização da notação BPMN 1 Guia de utilização da notação BPMN Agosto 2011 2 Sumário de Informações do Documento Documento: Guia_de_utilização_da_notação_BPMN.odt Número de páginas: 31 Versão Data Mudanças Autor 1.0 15/09/11 Criação

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA HERMES

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA HERMES MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA HERMES 1. Introdução Esse documento tem por objetivo descrever o funcionamento e formas de utilização do módulo de Requisição de Materiais do Sistema de Controle Patrimonial

Leia mais

O conteúdo deste documento é de propriedade intelectual exclusiva da GVDASA Sistemas e está sujeito a alterações sem aviso prévio.

O conteúdo deste documento é de propriedade intelectual exclusiva da GVDASA Sistemas e está sujeito a alterações sem aviso prévio. AVISO O conteúdo deste documento é de propriedade intelectual exclusiva da GVDASA Sistemas e está sujeito a alterações sem aviso prévio. Nenhuma parte desta publicação pode ser reproduzida nem transmitida

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO AMBIENTE EAD (Educação a Distância) ÍNDICE

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO AMBIENTE EAD (Educação a Distância) ÍNDICE MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO AMBIENTE EAD (Educação a Distância) ÍNDICE FORMAS DE ACESSO AO AMBIENTE EAD... 2 O AMBIENTE EAD... 2 TERMO DE COMPROMISSO... 3 CONHECENDO A HOME PAGE DO TREINAMENTO EAD... 3 ETAPAS

Leia mais

Acessando o SVN. Soluções em Vendas Ninfa 2

Acessando o SVN. Soluções em Vendas Ninfa 2 Acessando o SVN Para acessar o SVN é necessário um código de usuário e senha, o código de usuário do SVN é o código de cadastro da sua representação na Ninfa, a senha no primeiro acesso é o mesmo código,

Leia mais

Análise de Tarefas. Análise Hierárquica de Tarefas

Análise de Tarefas. Análise Hierárquica de Tarefas Análise de Tarefas Em IHC, a análise de tarefas pode ser utilizada em diferentes momentos do desenvolvimento de software, destacando-se três atividades: (a) análise da situação atual (apoiada ou não por

Leia mais

Sistema de Gerenciamento de Projetos V 1.01 MANUAL DO COORDENADOR

Sistema de Gerenciamento de Projetos V 1.01 MANUAL DO COORDENADOR Roteiro para utilização do GEP Versão de referência: GEP V1.00 Índice analítico I Apresentação... 2 I.1 Controles básicos do sistema;... 2 I.2 Primeiro acesso... 2 I.3 Para trocar a senha:... 3 I.4 Áreas

Leia mais

Gravando Dados e Cópias de CD s com o Nero 6.0 Disciplina Operação de Sistemas Aplicativos I

Gravando Dados e Cópias de CD s com o Nero 6.0 Disciplina Operação de Sistemas Aplicativos I CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA Escola Técnica Estadual de Avaré ETE-AVARÉ CURSO DE TÉCNICO EM INFORMÁTICA NÚCLEO DE APOIO Gravando Dados e Cópias de CD s com o Nero 6.0 Disciplina

Leia mais

Solicitação de Reposição? FS71.1

Solicitação de Reposição? FS71.1 Como Trabalhar com Solicitação de Reposição? FS71.1 Sistema: Futura Server Caminho: Estoque>Reposição>Reposição Referência: FS71.1 Versão: 2015.9.18 Como Funciona: Esta tela é utilizada para solicitar

Leia mais

DHL IMPORT EXPRESS ONLINE

DHL IMPORT EXPRESS ONLINE DHL IMPORT EXPRESS ONLINE GuIa DE usuário RaPIDaMENTE VOCÊ PODE PREPaR E CONTROLaR SuaS REMESSaS COM TODOS OS DETaLHES E VISIBILIDaDE DO ENVIO COM a FERRaMENTa DHL IMPORT EXPRESS. DHL IMPORT EXPRESS é

Leia mais

BR DOT COM SISPON: MANUAL DO USUÁRIO

BR DOT COM SISPON: MANUAL DO USUÁRIO BR DOT COM SISPON: MANUAL DO USUÁRIO BAURU 2015 2 BR DOT COM SISPON: MANUAL DO USUÁRIO Manual do usuário apresentado para auxiliar no uso do sistema SisPon. BAURU 2015 3 SUMÁRIO 1 Instalação... 5 1.1 Sispon...

Leia mais

MANUAL DA SECRETARIA

MANUAL DA SECRETARIA MANUAL DA SECRETARIA Conteúdo Tela de acesso... 2 Liberação de acesso ao sistema... 3 Funcionários... 3 Secretaria... 5 Tutores... 7 Autores... 8 Configuração dos cursos da Instituição de Ensino... 9 Novo

Leia mais

Gerenciamento de integração de projeto

Gerenciamento de integração de projeto Objetivos do Conteúdo Gerenciamento de integração de projeto Sergio Scheer / DCC / UFPR TC045 Gerenciamento de Projetos Prover capacitação para: - Identificar os processos de Gerenciamento de Projetos;

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO TREINAMENTO EAD (Educação a Distância) ÍNDICE

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO TREINAMENTO EAD (Educação a Distância) ÍNDICE MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO TREINAMENTO EAD (Educação a Distância) ÍNDICE FORMAS DE ACESSO AO AMBIENTE EAD... 2 O AMBIENTE EAD... 3 TERMO DE COMPROMISSO... 4 CONHECENDO A HOME PAGE DO TREINAMENTO EAD... 4

Leia mais

Bem-vindo ao tópico Múltiplas filiais.

Bem-vindo ao tópico Múltiplas filiais. Bem-vindo ao tópico Múltiplas filiais. 1 Ao final deste tópico, você estará apto a: Explicar as opções disponibilizadas com o recurso Múltiplas filiais. Definir as configurações necessárias para trabalhar

Leia mais

Uma visão mais clara da UML Sumário

Uma visão mais clara da UML Sumário Uma visão mais clara da UML Sumário 1 Método...2 2 Análise de requisitos...2 2.1 Diagramas de Casos de Uso...3 2.1.1 Ator...3 2.1.2 Casos de Uso (Use Case)...4 2.1.3 Cenário...4 2.1.4 Relacionamentos...6

Leia mais

Guia de Acesso para os Cursos Online

Guia de Acesso para os Cursos Online Sumário Apresentação... 3 1. Como saber qual disciplina faz parte do meu Módulo?... 4 2. Como saber a ordem das aulas que devo assistir?... 6 3. Como faço para assistir aos vídeos e visualizar os materiais

Leia mais

Diretrizes de Qualidade de Projetos

Diretrizes de Qualidade de Projetos Diretrizes de Qualidade de Projetos Versão 1.5 MAPA/SE/SPOA/CGTI, 2012 Página 1 Histórico de Revisão Data Versão Descrição Autor 15/01/2012 1.0 Criação do Artefato Pérsio Mairon 10/03/2012 1.1 Inclusão

Leia mais

Mantis. Solicitando suporte. Manual do Cliente

Mantis. Solicitando suporte. Manual do Cliente Mantis Solicitando suporte Manual do Cliente Telefones: 3355-1594, 3350-6917, 4053 9165 - WWW.intelidata.inf.br Página 1 2012 Sumário USANDO O MANTIS PARA SOLICITAR SUPORTE... 3 Tela de Login... 3 Minha

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo III Grupo de Processos

Gerenciamento de Projetos Modulo III Grupo de Processos Gerenciamento de Projetos Modulo III Grupo de Processos Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com Bibliografia* Project Management Institute. Conjunto de Conhecimentos em Gerenciamento

Leia mais

natureza do projeto e da aplicação métodos e ferramentas a serem usados controles e produtos que precisam ser entregues

natureza do projeto e da aplicação métodos e ferramentas a serem usados controles e produtos que precisam ser entregues Modelo De Desenvolvimento De Software É uma representação abstrata do processo de desenvolvimento que define como as etapas relativas ao desenvolvimento de software serão conduzidas e interrelacionadas

Leia mais

MAIS CONTROLE SOFTWARE Controle Financeiro / Fluxo de Caixa (MCS Versão 2.01.99) Índice

MAIS CONTROLE SOFTWARE Controle Financeiro / Fluxo de Caixa (MCS Versão 2.01.99) Índice Item MAIS CONTROLE SOFTWARE Controle Financeiro / Fluxo de Caixa (MCS Versão 2.01.99) Índice Página 1.Apresentação... 4 2.Funcionamento Básico... 4 3.Instalando o MCS... 4, 5, 6 4.Utilizando o MCS Identificando

Leia mais

Manual Espelho de NF para Materiais

Manual Espelho de NF para Materiais Manual Espelho de NF para Materiais Índice 1 Objetivo... 3 2 O Projeto e-suprir... 3 3 Introdução... 3 4 Informações Básicas... 4 4.1 Painel de Controle Vendas... 4 5 Acessando o Pedido... 5 5.1 Lista

Leia mais

UML Unified Modeling Language. Professor: André Gustavo Bastos Lima

UML Unified Modeling Language. Professor: André Gustavo Bastos Lima UML Unified Modeling Language Professor: André Gustavo Bastos Lima Diagramas de Casos de Uso Professor: André Gustavo Bastos Lima DEFINIÇÃO DE CASO DE USO Segundo o RUP: Um Caso de Uso é a relação de uma

Leia mais

Planejamento - 7. Planejamento do Gerenciamento do Risco Identificação dos riscos. Mauricio Lyra, PMP

Planejamento - 7. Planejamento do Gerenciamento do Risco Identificação dos riscos. Mauricio Lyra, PMP Planejamento - 7 Planejamento do Gerenciamento do Risco Identificação dos riscos 1 O que é risco? Evento que representa uma ameaça ou uma oportunidade em potencial Plano de gerenciamento do risco Especifica

Leia mais

Guia Passo a Passo Para Ganhar Dinheiro Com o Hotmart. www.webnec.com.br. Copyright 2011 webnec.com.br - Todos os Direitos Reservados

Guia Passo a Passo Para Ganhar Dinheiro Com o Hotmart. www.webnec.com.br. Copyright 2011 webnec.com.br - Todos os Direitos Reservados Guia Passo a Passo Para Ganhar Dinheiro Com o Hotmart www.webnec.com.br Copyright Este é um guia passo a passo para ganhar dinheiro com o Hotmart. Este guia não deve ser vendido! Você pode distribuir este

Leia mais

Roteiro SENAC. Análise de Riscos. Análise Quantitativa de Riscos. Análise Quantitativa de Riscos. Análise Quantitativa de Riscos

Roteiro SENAC. Análise de Riscos. Análise Quantitativa de Riscos. Análise Quantitativa de Riscos. Análise Quantitativa de Riscos SENAC Pós-Graduação em Segurança da Informação: Análise de Riscos Parte 5 Leandro Loss, Dr. Eng. loss@gsigma.ufsc.br http://www.gsigma.ufsc.br/~loss Roteiro Análise de Qualitativa Quantitativa Medidas

Leia mais

Tópicos da Aula. Que é são requisitos? Tipos de Requisitos. Requisitos Funcionais. Classificação de Requisitos. Requisitos de Software.

Tópicos da Aula. Que é são requisitos? Tipos de Requisitos. Requisitos Funcionais. Classificação de Requisitos. Requisitos de Software. Engenharia de Software Aula 06 Tópicos da Aula Software Eduardo Figueiredo http://www.dcc.ufmg.br/~figueiredo dcc603@gmail.com 26 Março 2012 Funcionais e não funcionais De usuário e do Engenharia de Estudo

Leia mais

Neo Solutions Manual do usuário Net Contábil. Índice

Neo Solutions Manual do usuário Net Contábil. Índice Manual Neo Fatura 2 Índice 1. Introdução... 3 2. Configurando o software para importar dados de clientes... 3 3. Importando o cadastro de clientes... 4 4. Cadastro de Bancos... 5 5. Cadastro de Conta Correntes...

Leia mais

Carrera Pessoal 2015. Guia de uso

Carrera Pessoal 2015. Guia de uso Carrera Pessoal 2015 Guia de uso Bem vindo ao Carrera Pessoal 2015, o gerenciador financeiro ideal. Utilizando o Carrera Pessoal você poderá administrar com facilidade as suas finanças e/ou da sua família.

Leia mais

Processos de Gerenciamento de Projetos. Planejamento e Controle de Projetos 5 TADS FSR. Processos

Processos de Gerenciamento de Projetos. Planejamento e Controle de Projetos 5 TADS FSR. Processos Processos de Gerenciamento de Projetos Planejamento e Controle de Projetos 5 TADS FSR Prof. Esp. André Luís Belini 2 Processos O gerenciamento de projetos é a aplicação de conhecimento, habilidades, ferramentas

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS ORÇAMENTOS

MANUAL DE PROCEDIMENTOS ORÇAMENTOS Conteúdo MANUAL DE PROCEDIMENTOS ORÇAMENTOS... 2 Conceito de Manual Procedimentos... 2 Objetivos do Manual... 2 Aspectos Técnicos... 2 1. ACESSO AO SISTEMA ODONTOSFERA... 3 2. STATUS DO PACIENTE NO SISTEMA...

Leia mais

Por que sua organização deve implementar a ABR - Auditoria Baseada em Riscos

Por que sua organização deve implementar a ABR - Auditoria Baseada em Riscos Março de 2010 UM NOVO PARADIGMA PARA AS AUDITORIAS INTERNAS Por que sua organização deve implementar a ABR - Auditoria Baseada em Riscos por Francesco De Cicco 1 O foco do trabalho dos auditores internos

Leia mais

LIBERAÇÃO DE ATUALIZAÇÃO CORDILHEIRA VERSÃO 2

LIBERAÇÃO DE ATUALIZAÇÃO CORDILHEIRA VERSÃO 2 LIBERAÇÃO DE ATUALIZAÇÃO CORDILHEIRA VERSÃO 2 (Orientamos aos clientes que utilizam banco de dados SQL, para efetuarem a atualização preferencialmente após o encerramento das atividades do dia, acessando

Leia mais

MODELAGEM DE SISTEMAS

MODELAGEM DE SISTEMAS MODELAGEM DE SISTEMAS Diagramas de Casos de Uso Profa. Rosemary Melo Diagrama de Casos de Uso Modelagem de Sistemas Apresenta uma visão externa geral das funções ou serviços que o sistema deverá oferecer

Leia mais

Balanço Energético Nacional 2012. Manual do Sistema de Coleta de Dados para o BEN 2012

Balanço Energético Nacional 2012. Manual do Sistema de Coleta de Dados para o BEN 2012 Balanço Energético Nacional 2012 Manual do Sistema de Coleta de Dados para o BEN 2012 Fevereiro de 2012 Apresentação O Balanço Energético Nacional BEN é o documento tradicional do setor energético brasileiro,

Leia mais

Gerenciamento da Integração (PMBoK 5ª ed.)

Gerenciamento da Integração (PMBoK 5ª ed.) Gerenciamento da Integração (PMBoK 5ª ed.) O PMBoK diz que: O gerenciamento da integração do projeto inclui os processos e as atividades necessárias para identificar, definir, combinar, unificar e coordenar

Leia mais

Projeto da Disciplina Parte1: Estudo de Viabilidade. Um Estudo de Viabilidade

Projeto da Disciplina Parte1: Estudo de Viabilidade. Um Estudo de Viabilidade Projeto da Disciplina Parte1: Estudo de Viabilidade ENTREGA: 09/04/09 Professor: Carlos José Maria Olguin Um Estudo de Viabilidade Você deve fazer um estudo de viabilidade para um projeto de sistema de

Leia mais

SISTEMA DE BIBLIOTECAS DO IFRS

SISTEMA DE BIBLIOTECAS DO IFRS Manual do Usuário: SISTEMA DE BIBLIOTECAS DO IFRS Em 2013 foi adquirido o Sistema de Gerenciamento de Bibliotecas Pergamum para todas Bibliotecas do IFRS. A implantação está sendo feita de acordo com as

Leia mais

WebQualis 3.0 MANUAL CAPES/MEC. Diretoria de Avaliação - DAV

WebQualis 3.0 MANUAL CAPES/MEC. Diretoria de Avaliação - DAV CAPES/MEC Diretoria de Avaliação - DAV WebQualis 3.0 Aplicativo para a classificação dos veículos de divulgação da produção científica da Pós-Graduação Brasileira MANUAL 2008 2 Fundação CAPES Presidente

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DE PROCESSOS

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DE PROCESSOS ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DE PROCESSOS Atualizado em 21/12/2015 GESTÃO DE PROCESSOS Um processo é um conjunto ou sequência de atividades interligadas, com começo, meio e fim. Por meio de processos, a

Leia mais

Gerenciando a memória

Gerenciando a memória Memória da impressora 1 Sua impressora vem com, pelo menos, 64 MB de memória. Para determinar a quantidade de memória instalada atualmente em sua impressora, selecione Imprimir menus no Menu Utilitários.

Leia mais

Manual de Conciliação Bancária

Manual de Conciliação Bancária Manual de Conciliação Bancária Índice Conciliação Bancária... 2 O módulo de Conciliação Bancária no SIGEF... 3 Conciliação Bancária Extrato Bancário... 5 Fazendo a Conciliação Bancária Extrato Bancário...

Leia mais

Atualizações de Software Guia do Usuário

Atualizações de Software Guia do Usuário Atualizações de Software Guia do Usuário Copyright 2009 Hewlett-Packard Development Company, L.P. Windows e Windows Vista são marcas registradas da Microsoft Corporation nos EUA. Aviso sobre o produto

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA. Versão 6.07

MANUAL DO SISTEMA. Versão 6.07 MANUAL DO SISTEMA Versão 6.07 Relatórios...3 Mix de Compra...3 Peças >> Relatórios >> Mix de Compra Peças...3 Mix de Vendas...4 Peças >> Relatórios >> Mix de Venda Peças...4 Tabela de Preços...6 Peças

Leia mais

Dúvidas Freqüentes IMPLANTAÇÃO. 1- Como aderir à proposta AMQ?

Dúvidas Freqüentes IMPLANTAÇÃO. 1- Como aderir à proposta AMQ? Dúvidas Freqüentes IMPLANTAÇÃO 1- Como aderir à proposta AMQ? A adesão é realizada através do preenchimento e envio do Formulário de Cadastramento Municipal no site do projeto. O gestor municipal da saúde

Leia mais

White-box test: Também conhecido como teste estrutural, tem por objetivo validar os dados derivados das funções do sistema.

White-box test: Também conhecido como teste estrutural, tem por objetivo validar os dados derivados das funções do sistema. 22. Planejamento, Especificação e Execução dos Testes A implantação de um sistema de boa qualidade, dentro de um prazo específico, pode ser seriamente prejudicada caso uma etapa extremamente importante

Leia mais

Diagrama de Caso de Uso

Diagrama de Caso de Uso "Antes de imprimir pense em sua responsabilidade e compromisso com o MEIO AMBIENTE." Engenharia de Software Diagrama de Caso de Uso Givanaldo Rocha de Souza givanaldo.rocha@ifrn.edu.br http://docente.ifrn.edu.br/givanaldorocha

Leia mais

Relatórios. Manual. Pergamum

Relatórios. Manual. Pergamum Relatórios Manual Pergamum Manual PER-MAN-005 Estatísticas Circulação de Materiais - Geral Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 1-4 1.1 PESQUISANDO ESTATÍSITICAS E RELATÓRIOS... 1-10 1.2 UTILIZANDO O MÓDULO RELATÓRIOS...

Leia mais

Portal de Compras. São José do Rio Preto

Portal de Compras. São José do Rio Preto Portal de Compras São José do Rio Preto Sumário DÚVIDAS GERAIS...2 PREGÃO ELETRÔNICO... 4 EMPRO Empresa Municipal de Processamento de Dados 1 DÚVIDAS GERAIS 1.O que é o Fluxograma das Etapas? Resposta:

Leia mais

INSCRIÇÃO ON- LINE REVEZAMENTOS A PARTIR DE 2015 INDICADO PARA TÉCNICOS

INSCRIÇÃO ON- LINE REVEZAMENTOS A PARTIR DE 2015 INDICADO PARA TÉCNICOS INSCRIÇÃO ON- LINE REVEZAMENTOS A PARTIR DE 2015 INDICADO PARA TÉCNICOS 2015 ABMN Escrito por Julian Romero jromero@abmn.org.br Revisão: 8 March 2015 CARACTERÍSTICAS DO SISTEMA O ACESSO É ATRAVÉS DE LOGIN

Leia mais

Liberação e orientações do Sistema de Inscrições

Liberação e orientações do Sistema de Inscrições INFORMATIVO Nº 003 DO VII JOGOS FENACEF Liberação e orientações do Sistema de Inscrições Na foto, o Convento da Penha, localizado em Vila Velha. Ao fundo, a cidade de Vitória e a famosa Terceira Ponte.

Leia mais

AR PDV SOLUÇÕES AR CONSULTORIA EM INFORMÁTICA

AR PDV SOLUÇÕES AR CONSULTORIA EM INFORMÁTICA 1 Sumário: 1. AR PDV...02 2. Registro / Login...03 3. Configuração...03 4. Abertura de Caixa...03 5. Registro de Vendas...04 a. Passos para Emissão do Cupom Fiscal...05 b. Inserindo Produtos...06 c. Formas

Leia mais

BearingNet - Orçamentos Contenuto

BearingNet - Orçamentos Contenuto Contenuto Introdução... 2 Caixa de questionários... 3 Em curso (vender)... 3 Guardado (vender)... 3 Mostrar tudo... 3 Caixa de orçamentos... 3 Em curso (Comprar)... 3 Guardado (Comprar)... 3 Procura de

Leia mais

Conectar diferentes pesquisas na internet por um menu

Conectar diferentes pesquisas na internet por um menu Conectar diferentes pesquisas na internet por um menu Pré requisitos: Elaboração de questionário Formulário multimídia Publicação na internet Uso de senhas na Web Visualização condicionada ao perfil A

Leia mais

Risco de projeto é um evento ou condição incerta que, se ocorrer, tem um efeito positivo ou um negativo no objetivo de um projeto.

Risco de projeto é um evento ou condição incerta que, se ocorrer, tem um efeito positivo ou um negativo no objetivo de um projeto. Risco de projeto é um evento ou condição incerta que, se ocorrer, tem um efeito positivo ou um negativo no objetivo de um projeto. Um risco tem uma causa e, se ocorre, uma conseqüência. Se um ou outro

Leia mais

Manual do Sistema de Trâmite de Processos da UFMT

Manual do Sistema de Trâmite de Processos da UFMT Manual do Sistema de Trâmite de Processos da UFMT Sumário OBJETIVO...2 INFORMAÇÕES...3 GRUPOS...4 OPERAÇÃO COM PROCESSOS E OFICIOS...5 USUÁRIOS...6 ACESSO...7 1º ACESSO...8 TELA INICIAL DO ACESSO...9 MENU:

Leia mais

Gerenciamento de integração de projeto. Sergio Scheer / DCC / UFPR TC045 Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de integração de projeto. Sergio Scheer / DCC / UFPR TC045 Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de integração de projeto Sergio Scheer / DCC / UFPR TC045 Gerenciamento de Projetos 9 áreas de conhecimento de GP / PMBOK / PMI QUALIDADE RECURSOS HUMANOS ESCOPO AQUISIÇÕES INTEGRAÇÃO COMUNICAÇÕES

Leia mais

CAPÍTULO XI FINANÇAS

CAPÍTULO XI FINANÇAS CAPÍTULO XI FINANÇAS A. INVESTIMENTO DOS FUNDOS DA ASSOCIAÇÃO As decisões referentes aos investimentos da associação deverão tomar como base as declarações sobre normas de investimentos para o Fundo Geral

Leia mais

Engenharia de Software II

Engenharia de Software II Engenharia de Software II Aula 28 Revisão para a Prova 2 http://www.ic.uff.br/~bianca/engsoft2/ Aula 28-28/07/2006 1 Matéria para a Prova 2 Gestão de projetos de software Conceitos (Cap. 21) Métricas (Cap.

Leia mais

VERSÃO 5.12.0 VERSÃO 5.0.0 FINANCEIRO NEFRODATA ESTOQUE FINALIZAÇÃO: 10 JUN.

VERSÃO 5.12.0 VERSÃO 5.0.0 FINANCEIRO NEFRODATA ESTOQUE FINALIZAÇÃO: 10 JUN. VERSÃO 5.12.0 VERSÃO 5.0.0 FINANCEIRO NEFRODATA ESTOQUE ACD2016 FINALIZAÇÃO: 10 JUN. 13 04 NOV.2014 FEV. 201313 JUN. 2016 PUBLICAÇÃO: Prezado Cliente, Neste documento estão descritas todas as novidades

Leia mais

Monitor de Comercialização - Proponente MT-212-00056-2

Monitor de Comercialização - Proponente MT-212-00056-2 Monitor de Comercialização - Proponente MT-212-00056-2 Última Atualização: 08/01/2015 Índice I Como acessar um Leilão II Informações básicas III Anexos IV Painel de Lances V Envio de Lances VI Prorrogação

Leia mais

Cartão Usuário ISSEM

Cartão Usuário ISSEM Cartão Usuário ISSEM Objetivo: O sistema é on-line e oferece ao segurado do Instituto, facilidade e rapidez nos atendimentos junto aos nossos credenciados. Com o uso de um cartão, o segurado pode dirigir-se

Leia mais

Monitor de Comercialização Ofertante. Última Atualização 12/11/2015

Monitor de Comercialização Ofertante. Última Atualização 12/11/2015 Monitor de Comercialização Ofertante MT 43-1-00015-0 Última Atualização 12/11/2015 Índice I Como acessar um Leilão II Informações básicas III Anexos IV Como inserir subitens V Emissão de Relatórios VI

Leia mais

Versão para atualização do Gerpos Retaguarda

Versão para atualização do Gerpos Retaguarda Versão para atualização do Gerpos Retaguarda A Gerpos comunica a seus clientes que nova versão do aplicativo Gerpos Retaguarda, contendo as rotinas para emissão da Nota Fiscal Eletrônica, já está disponível.

Leia mais

Guia do Usuário ProAnalir 2013. Introdução... 2. Liberação das licenças... 3

Guia do Usuário ProAnalir 2013. Introdução... 2. Liberação das licenças... 3 Área Universidade Prosoft Autor Valquíria Coelho Criação 26/02/2013 Publicação - 28/02/2013 Distribuição Franqueadora, Franquias e Clientes. Guia do Usuário ProAnalir 2013 Conteúdo: Introdução... 2 Liberação

Leia mais

LIBERAÇÃO DE ATUALIZAÇÃO CORDILHEIRA

LIBERAÇÃO DE ATUALIZAÇÃO CORDILHEIRA LIBERAÇÃO DE ATUALIZAÇÃO CORDILHEIRA (Orientamos aos clientes que utilizam banco de dados SQL, para efetuarem a atualização preferencialmente após o encerramento das atividades do dia, acessando o sistema

Leia mais

Leslier Soares Corrêa Estácio de Sá / Facitec Abril/Maio 2015

Leslier Soares Corrêa Estácio de Sá / Facitec Abril/Maio 2015 Leslier Soares Corrêa Estácio de Sá / Facitec Abril/Maio 2015 Prover capacitação para: - Identificar os processos de Gerenciamento de Projetos; - Desenvolver o Plano de Gerenciamento; - Construir um sistema

Leia mais

Bem-vindo ao tópico sobre administração de listas de preços.

Bem-vindo ao tópico sobre administração de listas de preços. Bem-vindo ao tópico sobre administração de listas de preços. Nesse tópico, você aprenderá a administrar listas de preços no SAP Business One. Sua empresa atualiza múltiplas listas de preços para fornecer

Leia mais

Sumário FPD Formulário de projeto P&D...4

Sumário FPD Formulário de projeto P&D...4 1 de 22 Sumário FPD Formulário de projeto P&D...4 Introdução...4 Cadastrando e atualizando dados de projetos de P&D...4 Cadastrando novo projeto...5 Cadastrando coordenador do projeto...5 Cadastrando dados

Leia mais

Sistema Integrado de Atendimento

Sistema Integrado de Atendimento Sistema Integrado de Atendimento Sistema Integrado de Atendimento. Um sistema moderno, completo e abrangente que modifica a realidade do atendimento de sua empresa, proporcionando maior segurança na tomada

Leia mais

Fundamentos de Teste de Software

Fundamentos de Teste de Software Núcleo de Excelência em Testes de Sistemas Fundamentos de Teste de Software Módulo 2- Teste Estático e Teste Dinâmico Aula 6 Teste Dinâmico: Técnicas de Especificação SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 TÉCNICAS BASEADAS

Leia mais

Tutorial 7 Fóruns no Moodle

Tutorial 7 Fóruns no Moodle Tutorial 7 Fóruns no Moodle O Fórum é uma atividade do Moodle que permite uma comunicação assíncrona entre os participantes de uma comunidade virtual. A comunicação assíncrona estabelecida em fóruns acontece

Leia mais

Problemas básicos nos. Serviços Gladius MP

Problemas básicos nos. Serviços Gladius MP Problemas básicos nos Serviços Gladius MP I. Quando um funcionário não consegue marcar ponto a) Problemas de Nível Operacional b) Um ponto de ajuda c) Identificando em que fase o problema está d) Problemas

Leia mais

Porque estudar Gestão de Projetos?

Porque estudar Gestão de Projetos? Versão 2000 - Última Revisão 07/08/2006 Porque estudar Gestão de Projetos? Segundo o Standish Group, entidade americana de consultoria empresarial, através de um estudo chamado "Chaos Report", para projetos

Leia mais

P4-MPS.BR - Prova de Conhecimento do Processo de Aquisição do MPS.BR

P4-MPS.BR - Prova de Conhecimento do Processo de Aquisição do MPS.BR Data: 6 de Dezembro de 2011 Horário: 13:00 às 17:00 horas (hora de Brasília) Nome: e-mail: Nota: INSTRUÇÕES Você deve responder a todas as questões. O total máximo de pontos da prova é de 100 pontos (100%),

Leia mais

PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL. Projeto 914 BRA5065 - PRODOC-MTC/UNESCO DOCUMENTO TÉCNICO Nº 03

PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL. Projeto 914 BRA5065 - PRODOC-MTC/UNESCO DOCUMENTO TÉCNICO Nº 03 PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil Projeto 914 BRA5065 - PRODOC-MTC/UNESCO DOCUMENTO TÉCNICO Nº 03 RELATÓRIO TÉCNICO CONCLUSIVO

Leia mais

Diagrama de Casos de Uso

Diagrama de Casos de Uso Diagrama de Casos de Uso Curso de Especialização DEINF - UFMA Desenvolvimento Orientado a Objetos Prof. Geraldo Braz Junior Referências: Booch, G. et al. The Unified Modeling Language User Guide Medeiros,

Leia mais

Exemplo: Na figura 1, abaixo, temos: Clique aqui para continuar, que é a primeira atividade que você precisa realizar para iniciar seus estudos.

Exemplo: Na figura 1, abaixo, temos: Clique aqui para continuar, que é a primeira atividade que você precisa realizar para iniciar seus estudos. Visão Geral VISÃO GERAL Esse material abordará o acesso ao AVA (Ambiente Virtual de Aprendizagem) da Proativa do Pará, com intenção de ilustrar os aspectos na visão do Aprendiz. Essa abordagem dedica-se

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo II Clico de Vida e Organização

Gerenciamento de Projetos Modulo II Clico de Vida e Organização Gerenciamento de Projetos Modulo II Clico de Vida e Organização Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com Bibliografia* Project Management Institute. Conjunto de Conhecimentos

Leia mais

Engenharia de Software e Gerência de Projetos Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios

Engenharia de Software e Gerência de Projetos Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Engenharia de Software e Gerência de Projetos Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Cronograma das Aulas. Hoje você está na aula Semana

Leia mais

Manual do Portal do Fornecedor. isupplier

Manual do Portal do Fornecedor. isupplier isupplier Revisão 01 Setembro 2011 Sumário 1 Acesso ao portal isupplier... 03 2 Home Funções da Tela Inicial... 05 3 Ordens de Compra Consultar Ordens de Compra... 07 4 Entregas Consultar Entregas... 13

Leia mais

NORMATIVO SARB 003/2008 1. CONCEITO

NORMATIVO SARB 003/2008 1. CONCEITO O Conselho de Auto-Regulação Bancária, com base no art. 1 (b), do Código de Auto-Regulação Bancária, sanciona as regras abaixo dispostas, formalizando preceitos comuns a todas as signatárias da auto-regulação

Leia mais

Indústria de Cartões de Pagamento (PCI) Padrão de Segurança de Dados

Indústria de Cartões de Pagamento (PCI) Padrão de Segurança de Dados Indústria de Cartões de Pagamento (PCI) Padrão de Segurança de Dados Atestado de Conformidade para Questionário de Autoavaliação C Versão 3.0 Fevereiro de 2014 Seção 1: Informações de Avaliação Instruções

Leia mais

Manual do Usuário CMS WordPress Versão atual: 3.0

Manual do Usuário CMS WordPress Versão atual: 3.0 Manual do Usuário CMS WordPress Versão atual: 3.0 1 - Introdução O Centro de Gestão do Conhecimento Organizacional, CGCO, criou, em março de 2008, uma equipe para atender à demanda de criação de novos

Leia mais

Manual do Usuário do Produto EmiteNF-e. Manual do Usuário

Manual do Usuário do Produto EmiteNF-e. Manual do Usuário Manual do Usuário Produto: EmiteNF-e Versão: 1.2 Índice 1. Introdução... 2 2. Acesso ao EmiteNF-e... 2 3. Configurações Gerais... 4 3.1 Gerenciamento de Usuários... 4 3.2 Verificação de Disponibilidade

Leia mais

Guia Rápido do Usuário

Guia Rápido do Usuário CERTIDÕES UNIFICADAS Guia Rápido do Usuário CERTUNI Versão 1.0.0 CASA DA MOEDA DO BRASIL Conteúdo Acessando o Sistema... 3 Alterando Senhas... 3 Encerrando sua Sessão... 4 Gerando Pedido... 4 Alterando

Leia mais