1. Descrever as variáveis críticas da qualidade do vapor para uma esterilização bemsucedida.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "1. Descrever as variáveis críticas da qualidade do vapor para uma esterilização bemsucedida."

Transcrição

1 S E L F - S T U D Y S E R I E S HEALTHCARE PURCHASING NEWS Dezembro de 2010 Patrocinado por Este estudo autodirigido com um tópico relacionado ao serviço central foi desenvolvido pela 3M Health Care. As lições são administradas pela KSR Publishing, Inc. Série Earn CEUs A série se destina a ajudar os leitores na manutenção de sua certificação CS. Depois do estudo minucioso da lição, faça o exame no final desta seção. Envie o exame completo e o pagamento da taxa para o Health-Care Purchasing News para receber sua nota. Iremos notificá-lo se você tiver obtido a pontuação de 70 por cento ou mais, e você receberá um certificado de finalização de curso no prazo de 30 dias. As lições anteriores são disponibilizadas pela Internet, no endereço Certificação O CBSPD (Certification Board for Sterile Processing and Distribution) pré-aprovou este curso para 1 (uma) pessoa pelo período de 5 (cinco) anos a partir da data original de publicação. A finalização bem-sucedida da lição e do teste deve ser documentada pela gerência do estabelecimento e esses registros devem ser mantidos para a pessoa até que seja necessária uma nova certificação. NÃO ENVIE ESTA LIÇÃO OU TESTE PARA O CBSPD. Para mais informações sobre a certificação, contate: CBSPD Main Street, Suite B-1, Lebanon, NJ (www.sterileprocessing.org). Para esclarecimentos, envie suas dúvidas para o Healthcare Purchasing News (941) , ramal 202. Objetivos do Curso 1. Descrever as variáveis críticas da qualidade do vapor para uma esterilização bemsucedida. 2. Discutir o uso e aplicação de indicadores emuladores de Classe 6, segundo o AAMIST79: Compreender as considerações relativas à avaliação de novos produtos para os quais a AAMI não oferece orientação sobre a aplicação. Patrocinado por: CBSPD 3M Health Care 30 de dezembro de 2010 Healthcare Purchasing News

2 Novidades da 2ª. Edição do ANSI/AAMI ST79 por Susan Flynn, BESc, CSPDT Neste ano, a Association for the Advancement of Medical Instrumentation (AAMI) publicou a segunda edição do ANSI/AAMI ST79, um guia abrangente sobre a esterilização a vapor e garantia da esterilização em estabelecimentos médicos. 1 ( Comprehensive guide to steam sterilization and sterility assurance in health care facilities). A edição de 2010 traz duas mudanças em relação à edição original de 2006 do documento, atualizando as referências e com revisões na seção de qualidade do vapor. Foi publicada uma revisão do padrão A1:2010 na edição de 2010 com um guia sobre o uso e aplicação de indicadores emuladores de Classe 6. As principais mudanças do ST79:2010 & A1:2010 são: Guia quantitativo sobre a aceitação da qualidade do vapor. Guia sobre o uso e aplicação de indicadores emuladores de Classe 6; Adição de uma seção fornecendo recomendações sobre a avaliação de novos produtos liberados pelo FDA para os quais a AAMI ST79 ainda não oferece orientação de aplicação. O que não mudou? O padrão AAMI ST79:2010 continua a recomendar que as cargas de implantes sejam monitoradas com um Dispositivo de Desafio do Processo (Process Challenge Device - PCD) contendo um indicador biológico e um indicador integrador de Classe 5 e que o implante seja colocado em quarentena até que o resultado do indicador biológico seja conhecido, exceto em situações de emergência. Este estudo autodirigido discute detalhes das mudanças incluídas no padrão ST79:2010 e fornece, com a permissão da AAMI, impressões da Tabela 6 Recomendações para o monitoramento do processo de esterilização e a Tabela 7 Tipos e aplicações para uso de dispositivos de monitoramento da esterilização, os quais foram revisados para incluir os indicadores químicos de Classe 6. Qualidade do vapor A má qualidade do vapor é uma das principais causas de falhas no processo de esterilização. A esterilização a vapor bem-sucedida exige o suprimento de vapor saturado de qualidade, pureza e quantidade apropriadas dentro do esterilizador. Mas o que é vapor de boa qualidade? O padrão ST79:2010 revê a Seção 3.3.4, Vapor para o processamento de produtos esterilizados, com informações sobre a qualidade do vapor. Existem três variáveis igualmente importantes para a qualidade do vapor: secagem, nível de gases não condensáveis e superaquecimento. A secagem é muito importante, pois o vapor úmido pode umedecer pacotes no final do ciclo de esterilização. Como na edição anterior, o padrão ST79:2010 especifica que a secagem do vapor deve ficar entre 97% e 100% (Seção a). Os gases não condensáveis (como o ar) contidos no fornecimento de vapor podem prejudicar a penetração do vapor nas cargas. O padrão ST79 especifica o nível aceitável de gases não condensáveis, expresso como fração por volume, como o nível inferior a 3,5% v/v (Seção b). O vapor superaquecido ou seco é definido como o vapor existente em uma temperatura superior à temperatura do ponto de ebulição correspondente à sua pressão (temperatura de saturação) e resultados em condições de esterilização a vapor abaixo do ideal. 2 O ST79 especifica que o superaquecimento não deve ultrapassar 25 C (77 F) acima da temperatura do vapor saturado à mesma pressão.

3 Além de especificar o nível aceitável de secagem, gases não condensáveis e superaquecimento, o padrão ST79:2010 também oferece um novo guia para a frequência e localização dessas variáveis importantes da qualidade do vapor. Os testes, realizados na conexão do vapor ao esterilizador, devem ser feitos depois da instalação ou mudança de local do esterilizador e depois de qualquer mudança nas linhas de distribuição do vapor ou no fornecimento de água (Seção ). Os resultados dos testes devem ser documentados. Muitas instalações de atendimento médico não possuem recursos ou experiência necessários para a condução de avaliações da qualidade do vapor e desta forma terão de contratar uma empresa externa com experiência nesse campo. Walt Deacon da Thermo Diagnostics explica, Você deve ter técnicos qualificados para testar a qualidade do vapor. As avaliações e cálculos podem levar muito tempo, podem acabar sendo incorretos e podem expor a pessoa sem experiência a condições inseguras, como calor escaldante e ruído ensurdecedor. O ponto de amostragem da qualidade do vapor deve ser próximo da entrada do esterilizador. A medição da amostra exige uma fonte próxima de água fria e espaço para pesagem e medições da temperatura. O teste em si somente leva alguns minutos depois dos ajustes dos instrumentos. Tenha em mente que os números obtidos representam as condições do vapor durante o teste. Se os números forem baixos demais (abaixo de 97% para o teste de secagem), é necessário um teste completo do sistema de vapor para análise da qualidade da água, das operações, drenagem do sistema e isolamento. Se os números forem aceitáveis mas ainda houver pacotes úmidos, o sistema deve ser analisado quanto à movimentação da carga, tamanho da linha de vapor, mudanças do fornecimento de água, etc. Portanto, o relatório de qualidade do vapor não deve ser somente um conjunto de números, mas uma auditoria sistemática do vapor. Além de rever o guia sobre a qualidade do vapor, também foram feitas revisões sobre a pureza e qualidade do vapor. No que diz respeito à pureza do vapor, é preciso cuidado com o uso de aminas para condicionamento das linhas de vapor, pois existe o risco de manchar os itens nos pacotes. Sobre a qualidade do vapor, o leitor é lembrado de que é necessário obter pressão constante do vapor, atendimento das recomendações de pressão mínima do esterilizador para a operação apropriada dos esterilizadores. Os sistemas de fornecimento de vapor devem ser, desta forma, projetados e construídos de forma a atender consistentemente essa exigência. Outras mudanças Além dos requisitos de vapor, foram feitas outras revisões na 2ª edição do ST79. Por exemplo, na Seção 7.3 Pré-imersão, foi acrescentado um novo texto: A Pré-imersão deve ser iniciada o mais rápido possível depois que o instrumento for usado. Na Seção Limpeza Mecânica, o novo parágrafo reforça a necessidade de remover o sangue durante a fase de lavagem dos ciclos de limpeza mecânica. O ST79 lembra o leitor de que proteínas solúveis em água existentes no sangue serão desnaturadas, criando uma sujeira que é muito difícil de limpar, quando exposta aos processos aquecidos que seguem a fase de lavagem dos ciclos de limpeza mecânica. Os indicadores químicos internos (IQs) são interpretados no ponto de uso (como na sala de operações). A Seção Uso de indicadores químicos, esclarece que é responsabilidade do usuário interpretar e devolver o pacote não usado e o indicador químico recusado e informar ao supervisor se observar um indicador químico externo ou interno sugerindo processamento inadequado do vapor, para que sejam adotadas as medidas apropriadas de acompanhamento.

4 Monitoramento dos ciclos de esterilização a vapor Os ciclos de esterilização a vapor são monitorados por meio de indicadores físicos, químicos e biológicos. Existem muitos indicadores químicos disponíveis aos estabelecimentos de atendimento médico, cada um com diferentes características de resposta e diferentes aplicações de monitoramento. As Tabelas 6 e 7 do ST79 sumarizam o uso recomendado dos dispositivos de monitoramento da esterilização. As tabelas mostradas no ST79:2010 foram revisadas para incluir um guia sobre o uso e aplicação de indicadores emuladores de Classe 6 como indicadores químicos internos e, nos PCD's, para monitorar as cargas dos esterilizadores. As tabelas fornecem um sumário de alto nível, mas também existem orientações adicionais fornecidas no texto, destinadas a ajudar a esclarecer o uso recomendado pela AAMI de indicadores químicos de Classe 6. Por exemplo, a Tabela 7 mostra que os indicadores químicos de Classe 6 podem agora ser usados em atendimento da recomendação de que deve ser colocado um indicador químico em todos os pacotes, bandejas e recipientes. O texto também lembra o leitor de que os indicadores químicos de Classe 6 se destinam a ciclos específicos e que devem ser usados somente em ciclos específicos, para os quais são indicados (Seção ). Do ponto de vista prático, isso significa que o estabelecimento deve manter um indicador químico de Classe 6 em separado para cada ciclo de esterilização processado, e assegurar que o pessoal do Centro de Material e Esterilização seja treinado para selecionar o produto correto de monitoramento e assegurar que os usuários finais que abrem os pacotes saibam como interpretar cada indicador. A primeira coluna da Tabela 6 foi revisada para acrescentar a opção de PCD de indicadores emuladores de Classe 6 como parte dos critérios de liberação da carga sem implantes. As outras opções são o PCD contendo um indicador biológico (sozinho); um indicador biológico e um indicador integrador de Classe 5; ou um indicador integrador de Classe 5 (sozinho). Se você estiver considerando o uso de um indicador químico (Classe 5 ou 6) para liberação de cargas sem implantes, lembre-se de que deve revisar sua política sobre a liberação de cargas sem implantes e incluir instruções sobre os passos a serem seguidos quando o indicador químico do PCD não conseguir atingir o ponto final. Qualquer indicação de falha no processo de esterilização, inclusive falha do indicador químico do PCD, precisa ser investigada. O ST79 Seção diz Se a causa de falha não for identificada imediatamente, a carga deve ser colocada em quarentena e todas as cargas até o último indicador biológico negativo devem ser recolhidas. O A1:2010 revê o ST79 (Seção a) dizendo: Os PCDs (pacotes de teste de desafio com indicador biológico e pacotes de teste de desafio com indicador químico) devem ser usados rotineiramente para examinar a eficácia do esterilizador e para liberação das cargas do esterilizador, sendo que os pacotes de teste de desafio com indicador biológico devem ser usados para testar rotineiramente a eficácia do esterilizador. O PCD processado com um indicador biológico positivo (pacote de teste de desafio com indicador biológico) ou um indicador químico integrador de Classe 5 que falhou, ou um indicador emulador de Classe 6 (pacote de teste de desafio com indicador químico) apresentando falha de toda a carga e devem ser imediatamente informados por telefone ou mensagem ao supervisor e ao departamento de prevenção e controle da infecção.

5 Liberação de Rotina (Ver 10.5 e 10.6) Monitoramento de rotina da eficácia do esterilizador (Ver 10.7) Testes de qualificação do esterilizador (depois da instalação, mudança de local, avarias, grandes reparos, falhas do processo de esterilização) (Ver 10.8) Testes periódicos de garantia da qualidade do produto (Ver 10.9) Sem implantes Com Implantes Monitoramento físico do ciclo Monitoramento externo e interno com indicador químico nos pacotes Monitoramento opcional da carga com um PCD contendo um dos seguintes: IB IB e indicador integrador de Classe 5 Indicador integrador de Classe 5 Indicador emulador de Classe 6 Monitoramento físico do ciclo Indicador químico externo ou interno nos pacotes Monitoramento de toda carga com PCD contendo um IB e um indicador integrador de Classe 5 Monitoramento físico do ciclo Indicador químico externo e interno de monitoramento dos pacotes Semanal, preferivelmente diário (todos os dias em que o esterilizador for usado), monitoramento com um PCD contendo um IB. (O PCD também pode conter um IQ). Para esterilizadores com mais de dois pés cúbicos e para esterilizadores de mesa, o monitoramento é feito em uma câmara totalmente carregada. Em ciclos de esterilização flash, o monitoramento é feito em uma câmara vazia. Para esterilizadores com remoção dinâmica do ar, teste diário de Bowie- Dick em uma câmara vazia. Ciclo de monitoramento físico Monitoramento externo e interno com indicador químico nos pacotes Para esterilizadores com mais de dois pés cúbicos e para esterilização flash, o monitoramento se consiste de três ciclos consecutivos em uma câmara vazia com PCD contendo um IB. (O PCD também pode conter um IQ ). Para esterilizadores de mesa, monitoramento de três ciclos consecutivos em uma câmara totalmente carregada com um PCD contendo um IB (O PCD também pode conter um IQi). Para esterilizadores com remoção dinâmica do ar, monitoramento de três ciclos consecutivos em uma câmara vazia com o pacote de teste de Bowie-Dick. Monitoramento físico do ciclo Colocação de IBs e IQs dentro das amostras de teste do produto NOTA 1 Ver a Seção 12 (Avaliação de novos produtos) para obter instruções gerais sobre como avaliar as recomendações específicas de novos produtos comercialmente disponíveis. Impressão do ANSI/AAMI ST79:2010 com permissão da of Association for the Advancement of Medical Instrumentation, Inc. (C) 2010 AAMI Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução ou distribuição. Resultados do Teste: 1. A, 2. A, 3. B, 4. A, 5. A, 6. A, 7. A, 8. A, 9. A, 10. B A nova aplicação de Classe 6 da Tabela 7 mostra que os indicadores emuladores de Classe 6 dentro do PCD podem ser usados para monitorar as cargas do esterilizador. Como essa aplicação funciona para cargas contendo implantes? O PCD IQ de Classe 6 pode fazer parte dos critérios de liberação da carga, mas é importante compreender que o ST79 continua a recomendar que: Toda carga de esterilização contendo implantes deve ser monitorada com um PCD contendo um IB (pacote de teste de desafio com IB). O IQ integrador de Classe 5, deve ser colocado no PCD. Os implantes devem ser colocados em quarentena até que os resultados do teste de IB estejam disponíveis (CDC, 2008). (Seção 10.6). O motivo para incluir o IQ integrador de Classe 5 é explicado na Seção O IQ de Classe 5 pode ser usado para liberação da carga em situações documentadas de emergência somente. Observe que o ST79:2010 não recomenda o uso de IQs de Classe 6 para liberação de emergência de implantes. Avaliação de novos produtos O tempo entre a liberação pelo Food and Drug Administration (FDA) para indicadores emuladores de Classe 6 e o desenvolvimento da publicação e uso e aplicação das diretrizes da AAMI podem levar a alguma confusão pelos Departamentos Centrais de Esterilização. O ST79:2010 resolve esse problema para indicadores de Classe 6 dando uma

6 orientação clara. Para resolver esse problema em novos produtos, o ST79:2010 traz uma seção nova, a Seção 12 Avaliação de novos produtos. O que é um novo produto? Para esclarecer essa questão, a definição de novo produto foi acrescentada ao ST79: Novos produtos ou novas tecnologias aprovados pelo FDA mas para os quais a AAMI não tem uma diretriz de aplicação (Seção 2.79). Com essa definição em mente, vamos discutir a orientação sobre a avaliação de novos produtos, a qual foi acrescentada à Seção 12 do ST79. A seção define os fatores a serem considerados na avaliação de novos produtos liberados pelo FDA para os quais a AAMI e outras organizações profissionais ainda não forneceram uma diretriz. As considerações de avaliação de novos produtos são agrupadas em quatro componentes, como segue: 1. Estabelecimento de um comitê multidisciplinar; 2. Coleta de informações (documentação de liberação do FDA, instruções de uso do fabricante, artigos de pesquisa publicados em revistas especializadas, etc.) sobre o novo produto; 3. Consideração de problemas como análise de custo/valor, contribuição para a segurança do paciente, facilidade de uso, etc.; e 4. Diretrizes para a condução de testes de produto, se indicado. Conclusão A ANSI/AAMI ST79 continua a ser uma valiosa referência para os departamentos de processamento da esterilização. A edição do padrão de 2010 contém uma orientação prática sobre diversos tópicos. A importância do fornecimento apropriado de vapor, de boa qualidade para a esterilização a vapor bem-sucedida é reforçada pela adição de requisitos quantitativos para três variáveis críticas da qualidade do vapor. Os profissionais de esterilização agora podem consultar o AAMI ST79 para obter informações sobre o uso e aplicação de indicadores emuladores de Classe 6. Para casos de produtos liberados pelo FDA para os quais o AAMI ST79 não oferece orientação de aplicação, uma nova seção intitulada Avaliação de novos produtos será uma fonte de informações que os departamentos devem considerar na avaliação de novos produtos. Todos os estabelecimentos que utilizam esterilização a vapor devem encomendar uma cópia do ST79:2010 e colocar à disposição de seus funcionários para eles terem acesso a esse recurso importante.

7 Tabela 7 Tipos e aplicações de uso de dispositivos de monitoramento da esterilização Monitoramento Frequência de uso Aplicação (Liberação do esterilizador, pacote, carga) Monitoramento físico Gravadores de impressão digital e registros de tempo, temperatura e pressão Indicadores químicos (IQs) Devem ser usados em toda carga em todo esterilizador. Parte do critério de liberação da carga. IQs Externos Classe I (indicadores de processo) Devem ser usados fora de todo pacote a não ser que o IQ interno seja visível. Parte do critério de liberação da carga e do pacote. Indicadores do tipo Bowie- Dick Classe 2 (Bowie-Dick) Para teste de rotina do esterilizador (esterilizadores por remoção dinâmica do ar somente), devem ser processados dentro do pacote de teste, todos os dias em um esterilizador vazio antes da primeira carga a ser processada. Para testes de qualificação do esterilizador (esterilizadores por remoção dinâmica do ar somente), devem ser processados dentro de um pacote de teste, depois da instalação do esterilizador, mudança de local, avaria e grandes reparos e depois de falhas no processo de esterilização; o teste deve ser feito três vezes consecutivamente em uma câmara vazia depois dos testes com o IB. Testar o esterilizador quanto à eficiência da remoção de ar e penetração do vapor; parte do critério de liberação para uso do esterilizador durante o dia. Parte do critério de liberação para colocação do esterilizador em operação depois do teste de qualificação. IQs Internos Devem ser usados em todo pacote. Parte dos critérios de liberação do pacote em uso no estabelecimento. Devem ser usados nos testes periódicos de qualidade do produto. Parte do critério de liberação para mudanças feitas em itens esterilizados rotineiramente, para configuração da carga e/ou do pacote. O critério de liberação deve incluir os resultados do IB. Classe 3 (indicador de variável única) Podem ser usados para atendimento da recomendação interna de uso de IQ. Parte do critério de liberação do pacote em uso no estabelecimento Não deve ser usado para a liberação de cargas.; Classe 4 (indicador de variável múltipla) Classe 5 (indicator integrador) Podem ser usados para atendimento da recomendação interna de Parte do critério de liberação do pacote em uso no estabelecimento. uso de IQ. Dentro do PCD, podem ser usados para monitorar as cargas do Parte do critério de liberação de cargas sem implantes. Classe 6 (indicador emulador) Indicadores biológicos (BIs) Indicadores biológicos (BIs) esterilizador sem implantes. Dentro do PCD, deve ser usado para monitorar toda carga do esterilizador contendo implantes. O PCD também deve ter um IB. Podem ser usados para atendimento da recomendação interna de uso de IQ. Dentro do PCD, podem ser usados para monitorar as cargas do esterilizador. Dentro do PCD, podem ser usados para monitorar cargas sem implantes. Dentro do PCD, devem ser usados em toda carga contendo implantes. O PCD também deve conter um indicador integrador de Classe 5. Dentro do PCD, devem ser usados semanalmente, de preferência diariamente (todos os dias em que o esterilizador for usado), testes de eficácia de rotina do esterilizador. (O PCD também pode conter o IQ). Devem ser processados em uma carga completa com itens embrulhados; para esterilização de mesa, deve ser processado em uma câmara completa; para esterilização flash, devem ser processados em uma câmara vazia. Parte do critério de liberação de cargas contendo implantes. Exceto para emergências, os implantes devem ser colocados em quarentena até que os resultados do IB sejam conhecidos. Parte do critério de liberação do pacote em uso no estabelecimento. Parte do critério de liberação de cargas sem implantes. Parte do critério de liberação de cargas contendo implantes. Os implantes devem ser colocados em quarentena até que os resultados do IB sejam conhecidos, exceto para situações de emergência. Parte do critério de liberação da carga. Parte do critério de liberação de cargas contendo implantes. Os implantes devem ser colocados em quarentena até que os resultados do IB sejam conhecidos, exceto para situações de emergência. Parte do critério de liberação de cargas contendo implantes. Exceto para situações de emergência, Os implantes devem ser colocados em quarentena até que os resultados do IB sejam conhecidos. Parte do critério de liberação do esterilizador/carga e de recolhimento.

8 Dentro do PCD, devem ser usados para testes de qualificação do esterilizador (depois da instalação, mudança de local, avarias, grandes reparos, falhas do processo de esterilização). (O PCD também pode conter um IQ). O teste deve ser feito três vezes consecutivamente em uma câmara vazia, exceto para esterilizadores de mesa, em que o teste deve ser feito três vezes consecutivamente em uma carga completa. Devem ser usados para testes periódicos de garantia da qualidade do produto. Parte do critério de liberação para colocação do esterilizador em operação depois dos testes de qualificação. Parte do critério de liberação para mudanças feitas em implantes esterilizados rotineiramente, configuração da carga e/ou do pacote. NOTA 1 Ver a Seção 12 (Avaliação de novos produtos) para obter instruções gerais sobre como avaliar as recomendações específicas de novos produtos comercialmente disponíveis. Impressão do ANSI/AAMI ST79:2010 com permissão da of Association for the Advancement of Medical Instrumentation, Inc. (C) 2010 AAMI Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução ou distribuição. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução ou distribuição. Exame de Educação Continuada Dezembro de 2010 Novidades na 2ª. Edição do ANSI/AAMI ST79 Circunde a resposta correta: 1. De acordo com o AAMI ST79, a secagem do vapor deve ficar entre 97% e 100%. 2. Os gases não condensáveis podem prejudicar a penetração do vapor nas cargas de esterilização. 3. A AAMI ST79 define produto novo como um produto que não tem ainda liberação do FDA. 4. O PCD contendo um IQ de Classe 6 é uma nova opção para a liberação de cargas sem implantes. 5. Cargas contendo implantes devem ser monitoradas com um PCD contendo um IB e um indicador integrador de Classe O ST79:2010 continua a recomendar que os implantes sejam colocados em quarentena até que seja conhecido o resultado do IB. 7. A recomendação é que os testes de qualidade do vapor sejam conduzidos depois da instalação ou mudança de local do esterilizador. 8. Os IQs de Classe 6 devem ser usados somente em ciclos específicos para os quais são recomendados. 9. A AAMI ST79 sugere que seja formado um comitê multidisciplinar para avaliar o novo produto. 10. Os implantes podem ser liberados com base no resultado do IQ de Classe 6 do PCD. Apresentado por Healthcare Purchasing News Patrocinado por 3M Health Care Pedidos de Avaliação

9 Segue anexado o pagamento da taxa de avaliação de $10. (Em nome de KSR Publishing, Inc. Lamentamos que não possa ser feita devolução da taxa. Podem ser pagos diversos pedidos em um único cheque). Destaque o exame e retorne para: Continuing Education Division KSR Publishing, Inc Stickney Point Road, Suite 315B Sarasota, FL Fone: Fax: Escreva em letra de forma ou digite no formulário. Retorne esta página somente. Nome Cargo Nome do Hospital Endereço de Correspondência Ap/Suíte Cidade, Estado, CEP Telefone Susan Flynn, BESc., CSPDT é uma especialista técnica do 3M Health Care,trabalhando no grupo de Garantia da Esterilização em St. Paul, MN. Seu trabalho envolve a identificação de problemas de esterilização. Sua função na 3M inclui o treinamento de clientes e do pessoal de vendas para melhoria do processo de esterilização e para implantação das melhores práticas. Flynn é técnica certificada no processamento e distribuição de materiais esterilizados e ela também é membro de comitês e grupos de trabalho da AAMI para o desenvolvimento das práticas recomendadas.

HEALTHCARE PURCHASING NEWS Fevereiro de 2011

HEALTHCARE PURCHASING NEWS Fevereiro de 2011 HEALTHCARE PURCHASING NEWS Fevereiro de 2011 Este estudo auto-dirigido sobre um tópico relacionado ao serviço central foi desenvolvido pelo 3M Health Care. As lições são preparadas pela KSR Publishing,

Leia mais

Monitores físicos. Tempo, temperatura e registros de pressão, displays, painéis digitais e calibradores Indicadores Químicos (IQs)

Monitores físicos. Tempo, temperatura e registros de pressão, displays, painéis digitais e calibradores Indicadores Químicos (IQs) Tabela 8 Monitores físicos AAMI ST 79 -Tipos e aplicações para uso de dispositivos de monitoramento de esterilização Monitor Freqüência de uso Aplicação (liberação de equipamentos de esterilização, pacotes

Leia mais

Product recall Martha Young, BS, MS, CSPDT

Product recall Martha Young, BS, MS, CSPDT Product Recall 1-7 Product recall Martha Young, BS, MS, CSPDT Objetivos Ao final desta atividade autoeducativa, o aluno será capaz de: 1. Fazer o recall de dispositivos médicos processados em instalações

Leia mais

Controle do processo de esterilização: Monitoramento físico, químico e biológico.

Controle do processo de esterilização: Monitoramento físico, químico e biológico. 2º WORKSHOP DE PROCESSAMENTO DE ARTIGOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE CONTAGEM-MG Controle do processo de esterilização: Monitoramento físico, químico e biológico. TERESINHA NEIDE DE OLIVEIRA A Verdadeira obra

Leia mais

Bowie-Dick. O que fazer quando há um problema com o teste. Educação e Capacitação

Bowie-Dick. O que fazer quando há um problema com o teste. Educação e Capacitação O que fazer quando há um problema com o teste Bowie-Dick Por Charles O. Hancock, BSEE, MBA, RAC Nosso sincero agradecimento à equipe da 3M Cuidados da Saúde por trabalhar com a revista Managing Infection

Leia mais

INDICADOR BIOLÓGICO. Para o código 1262 adotaremos, neste documento, a nomenclatura de Convencional

INDICADOR BIOLÓGICO. Para o código 1262 adotaremos, neste documento, a nomenclatura de Convencional INDICADOR BIOLÓGICO Para o código 1262 adotaremos, neste documento, a nomenclatura de Convencional Para os códigos 1292 e 1291 adotaremos, neste documento, a nomenclatura RRBI (Indicador Biológico de Leitura

Leia mais

Análise do desempenho

Análise do desempenho Validação de Equipamentos em CME Análise do desempenho Conforme a RDC 15 Validação de Equipamentos em CME APRESENTAÇÃO Luciano Manoel - Especialista em processos de Qualificação de Equipamentos, com experiência

Leia mais

Limpeza e Esterilização: normatizações aplicáveis à RDC 15 André Cabral

Limpeza e Esterilização: normatizações aplicáveis à RDC 15 André Cabral André Cabral Divisão de Prevenção de Infecção 3M do Brasil Prezados Colegas, O processamento de produtos para saúde é uma atividade que requer conhecimento e embasamento científico necessitando atualização

Leia mais

22/08/2007 DEFINIÇÃO PORQUE VALIDAR? Gerson R. Luqueta. Gerson R. Luqueta

22/08/2007 DEFINIÇÃO PORQUE VALIDAR? Gerson R. Luqueta. Gerson R. Luqueta VALIDAÇÃO DE EQUIPAMENTOS CONFORME NORMATIZAÇÃO (ênfase em processos de esterilização) VALIDAÇÃO DO PROCESSO DEFINIÇÃO Procedimento documentado para obtenção, registro e interpretação de resultados desejados

Leia mais

Política de segurança de rede: White Paper de práticas recomendadas

Política de segurança de rede: White Paper de práticas recomendadas Política de segurança de : White Paper de práticas recomendadas Índice Introdução Preparação Criar declarações de política de uso Realizar uma análise de risco Estabelecer uma Estrutura de Equipe de Segurança

Leia mais

GETINGE FD1800 LAVADORAS DESINFECTORA

GETINGE FD1800 LAVADORAS DESINFECTORA GETINGE FD1800 LAVADORAS DESINFECTORA 2 Getinge FD1800 Getinge FD1800 3 COMPROVADAS NA LUTA CONTRA A INFECÇÃO CRUZADA O excelente desempenho de lavagem e desinfecção da Getinge FD1800 garantiu-lhe o respeito

Leia mais

THE REAL COSTS OF SURGICAL INSTRUMENT TRAINING IN STERILE PROCESSING REVISITED

THE REAL COSTS OF SURGICAL INSTRUMENT TRAINING IN STERILE PROCESSING REVISITED THE REAL COSTS OF SURGICAL INSTRUMENT TRAINING IN STERILE PROCESSING REVISITED (OS REAIS CUSTOS DE TREINAMENTOS DE INSTRUMENTAIS CIRÚRGICOS EM CME-REVISÃO) NANCY CHOBIN, RN, AAS, ACSP, CSPDM ABSTRACT A

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Boas Práticas de Fabricação de Saneantes e Produtos de Higiene Pessoal, Cosméticos e Perfumes Coordenação de Insumos Farmacêuticos, Saneantes e Cosméticos Gerência

Leia mais

CRISTÓFOLI S I S T E M A D E R E G I S T R O P A R A A U T O C L A V E S A V A P O R

CRISTÓFOLI S I S T E M A D E R E G I S T R O P A R A A U T O C L A V E S A V A P O R CRISTÓFOLI SISTEMA DE REGISTRO PARA AUTOCLAVES A VAPOR Este Sistema de Registro para autoclaves a vapor foi elaborado para trabalhar em conjunto com os Emuladores- Integradores de Controle TST Browne (código

Leia mais

O FOCO DA QUALIDADE NOS PROCESSOS DE TERCEIRIZAÇÃO

O FOCO DA QUALIDADE NOS PROCESSOS DE TERCEIRIZAÇÃO O FOCO DA QUALIDADE NOS PROCESSOS DE TERCEIRIZAÇÃO Grande parte das indústrias farmacêuticas, cosméticos e de veterinários, utilizam processos de terceirização, para otimizar suas produções, para casos

Leia mais

TOTVS Gestão Hospitalar Manual Ilustrado Central de Material Esterilizado. 11.8x. março de 2015 Versão: 3.0

TOTVS Gestão Hospitalar Manual Ilustrado Central de Material Esterilizado. 11.8x. março de 2015 Versão: 3.0 TOTVS Gestão Hospitalar Manual Ilustrado Central de Material Esterilizado 11.8x março de 2015 Versão: 3.0 1 Sumário 1 Objetivos... 4 2 Introdução... 4 3 Cadastros... 5 3.1 Cadastros de Unidades de CME...

Leia mais

ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO. Documento de caráter orientativo

ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO. Documento de caráter orientativo Coordenação Geral de Acreditação ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO Documento de caráter orientativo DOQ-CGCRE-002 Revisão 03

Leia mais

ISO 9001:2008. Alterações e Adições da nova versão

ISO 9001:2008. Alterações e Adições da nova versão ISO 9001:2008 Alterações e Adições da nova versão Notas sobe esta apresentação Esta apresentação contém as principais alterações e adições promovidas pela edição 2008 da norma de sistema de gestão mais

Leia mais

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa.

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa. A Liderança Faz a Diferença Guia de Gerenciamento de Riscos Fatais Introdução 2 A prevenção de doenças e acidentes ocupacionais ocorre em duas esferas de controle distintas, mas concomitantes: uma que

Leia mais

É O MOMENTO DE INTRODUZIR A RASTREABILIDADE DE INSTRUMENTAIS?

É O MOMENTO DE INTRODUZIR A RASTREABILIDADE DE INSTRUMENTAIS? É O MOMENTO DE INTRODUZIR A RASTREABILIDADE DE INSTRUMENTAIS? Os centros cirúrgicos provavelmente envolvem tanto dinheiro no seu armazenamento de materiais quanto em suprimento cirúrgicos, de US$ 1 milhão

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CERCOMP (CENTRO DE RECURSOS COMPUTACIONAIS) TUTORIAL DE USO DO WEBMAIL - UFG

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CERCOMP (CENTRO DE RECURSOS COMPUTACIONAIS) TUTORIAL DE USO DO WEBMAIL - UFG UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CERCOMP (CENTRO DE RECURSOS COMPUTACIONAIS) TUTORIAL DE USO DO WEBMAIL - UFG Página 1 de 26 Sumário Introdução...3 Layout do Webmail...4 Zimbra: Nível Intermediário...5 Fazer

Leia mais

Dräger Nós investimos em material e em pessoal para você. Dräger. Tecnologia para a Vida

Dräger Nós investimos em material e em pessoal para você. Dräger. Tecnologia para a Vida ST-804-2007 Dräger Nós investimos em material e em pessoal para você GUARDAS E MATERIAIS DE SEGURANÇA GESTÃO DE PARADAS PROGRAMADAS E DE ALUGUÉIS Dräger. Tecnologia para a Vida INTRODUÇÃO 02 ST-333-2008

Leia mais

Operação local em caso de falha na rede

Operação local em caso de falha na rede Agosto/2012 Operação local em caso de falha na rede Caros usuários, Este mês trataremos de um recurso bastante útil e de extrema importância para o uso contínuo do DataLyzer Spectrum. Sem dúvida é um diferencial

Leia mais

Marcos Antonio Lima de Oliveira, MSc Quality Engineer ASQ/USA Diretor da ISOQUALITAS www.qualitas.eng.br qualitas@qualitas.eng.

Marcos Antonio Lima de Oliveira, MSc Quality Engineer ASQ/USA Diretor da ISOQUALITAS www.qualitas.eng.br qualitas@qualitas.eng. 01. O QUE SIGNIFICA A SIGLA ISO? É a federação mundial dos organismos de normalização, fundada em 1947 e contanto atualmente com 156 países membros. A ABNT é representante oficial da ISO no Brasil e participou

Leia mais

Incubadora MANUAL DE OPERAÇÕES

Incubadora MANUAL DE OPERAÇÕES Incubadora MANUAL DE OPERAÇÕES Introdução A incubadora Valisafe é designada para uso a 37 C (gás) ou 57 C (vapor) com a finalidade de incubação de indicadores biológicos. Os indicadores biológicos para

Leia mais

OUTUBRO Agência Nacional de Vigilância Sanitária 06/2004 CERTIFICADOS DE CALIBRAÇÃO

OUTUBRO Agência Nacional de Vigilância Sanitária 06/2004 CERTIFICADOS DE CALIBRAÇÃO OUTUBRO Agência Nacional de Vigilância Sanitária 06/2004 Muitas vezes ao longo das investigações de Tecnovigilância de acidentes relacionados com equipamentos médico-hospitalares, principalmente quando

Leia mais

NBR ISO 14011 - DIRETRIZES PARA AUDITORIA AMBIENTAL - PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA - AUDITORIA DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL

NBR ISO 14011 - DIRETRIZES PARA AUDITORIA AMBIENTAL - PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA - AUDITORIA DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL NBR ISO 14011 - DIRETRIZES PARA AUDITORIA AMBIENTAL - PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA - AUDITORIA DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL Sumário 1. Objetivo e campo de aplicação...2 2. Referências normativas...2 3.

Leia mais

OS 10 PRINCIPAIS INSTRUMENTOS ADMINISTRATIVOS DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES PARA O SUPERVISOR/ FACILITADOR

OS 10 PRINCIPAIS INSTRUMENTOS ADMINISTRATIVOS DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES PARA O SUPERVISOR/ FACILITADOR 225 Pratique os 10 instrumentos; e você verá os resultados! OS 10 PRINCIPAIS INSTRUMENTOS ADMINISTRATIVOS DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES PARA O SUPERVISOR/ FACILITADOR Lição 4.3 Uma vez definido e assimilado

Leia mais

ESTUDO DIRIGIDO ISO 9001

ESTUDO DIRIGIDO ISO 9001 ESTUDO DIRIGIDO ISO 9001 Nas questões de 14.1 a 14.10 indique Evidências, Critérios e Conformidades (Sim ou Não) das questões enunciadas abaixo. Utilize como referência a norma NBR ISO 9000:2005 e NBR

Leia mais

SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS - REDMINE MANUAL DE USO

SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS - REDMINE MANUAL DE USO SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS - REDMINE MANUAL DE USO AGOSTO DE 2013 SUMÁRIO STI/UFF - Sistema de Gerenciamento de Projetos do PDI SUMÁRIO... 2 1 Introdução... 3 1.1 O que é e qual a finalidade

Leia mais

GETINGE FD1600 LAVADORA DE DESCARGA COM ABERTURA FRONTAL

GETINGE FD1600 LAVADORA DE DESCARGA COM ABERTURA FRONTAL GETINGE FD1600 LAVADORA DE DESCARGA COM ABERTURA FRONTAL 2 Getinge FD1600 Getinge FD1600 3 COMBATENDO A INFECÇÃO CRUZADA DE MANEIRA SIMPLES E EFETIVA Com seu projeto moderno e atraente, operação fácil

Leia mais

Manual de Instalação. SafeNet Authentication Client 8.2 SP1. (Para MAC OS 10.7)

Manual de Instalação. SafeNet Authentication Client 8.2 SP1. (Para MAC OS 10.7) SafeNet Authentication Client 8.2 SP1 (Para MAC OS 10.7) 2/28 Sumário 1 Introdução... 3 2 Pré-Requisitos Para Instalação... 3 3 Ambientes Homologados... 4 4 Tokens Homologados... 4 5 Instruções de Instalação...

Leia mais

Indicadores de Limpeza O que há de novo? Andréa Alfaya Acuña andrea.acuna@hsl.org.br

Indicadores de Limpeza O que há de novo? Andréa Alfaya Acuña andrea.acuna@hsl.org.br Indicadores de Limpeza O que há de novo? Andréa Alfaya Acuña andrea.acuna@hsl.org.br Indicadores São valores ou variáveis associadas a uma atividade que nos indicam alguma relação, são medidas quantitativas

Leia mais

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos INTERPRETAÇÃO ISO 9001:2008 GESTÃO DE QUALIDADE O que é ISO? ISO = palavra grega que significa Igualdade CAPÍTULO: Preâmbulo ISO 9001:2008 0.1 - Generalidades: foi esclarecido que a conformidade com requisitos

Leia mais

AUDITORIA DE DIAGNÓSTICO

AUDITORIA DE DIAGNÓSTICO 1.1 POLíTICA AMBIENTAL 1.1 - Política Ambiental - Como está estabelecida e documentada a política e os objetivos e metas ambientais dentro da organização? - A política é apropriada à natureza e impactos

Leia mais

FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA

FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA Manual de Utilização Google Grupos Sumário (Clique sobre a opção desejada para ir direto à página correspondente) Utilização do Google Grupos Introdução... 3 Página

Leia mais

UltraClave Esterilizador Automático. e M11

UltraClave Esterilizador Automático. e M11 M9 UltraClave Esterilizador Automático e M11 O que você busca em um esterilizador? n Porta de abertura automática patenteada para uma secagem rápida dos instrumentos n Utilização rápida e fácil para um

Leia mais

Leia-me Criação de perfis de saída personalizados para a controladora de impressão Fiery usando o Fiery Color Profiler Suite: System 9R2

Leia-me Criação de perfis de saída personalizados para a controladora de impressão Fiery usando o Fiery Color Profiler Suite: System 9R2 Leia-me Criação de perfis de saída personalizados para a controladora de impressão Fiery usando o Fiery Color Profiler Suite: System 9R2 Este documento descreve o processo de criação de um perfil de saída

Leia mais

AVALIAÇÃO E SELEÇÃO DE FORNECEDORES

AVALIAÇÃO E SELEÇÃO DE FORNECEDORES VERIFICAÇÃO APROVAÇÃO ARQUIVO SQ SIGLA DA UO SULOG RUBRICA SIGLA DA UO G-SCQ RUBRICA 1 OBJETIVO Definir os requisitos e procedimentos mínimos para avaliação e seleção de fornecedores, assegurando fontes

Leia mais

LASERJET PRO CM1410 COLORIDA MFP SÉRIE. Guia de referência rápida

LASERJET PRO CM1410 COLORIDA MFP SÉRIE. Guia de referência rápida LASERJET PRO CM1410 COLORIDA MFP SÉRIE Guia de referência rápida Imprimir em papel especial, etiquetas ou transparências 1. No menu Arquivo do programa de software, clique em Imprimir. 2. Selecione o produto

Leia mais

Introdução aos testes de segurança elétrica: Parte I

Introdução aos testes de segurança elétrica: Parte I Introdução aos testes de segurança elétrica: Parte I Documento técnico Limite da sensibilidade Os dispositivos eletro-médicos são alimentados por eletricidade ou por uma fonte de energia interna (baterias)

Leia mais

BEM-VINDO AO dhl PROVIEW

BEM-VINDO AO dhl PROVIEW BEM-VINDO AO dhl PROVIEW Guia de Usuário O DHL PROVIEW COLOCA VOCÊ NO CONTROLE DE SEUS ENVIOS. PROVIEW O DHL ProView é uma ferramenta de rastreamento on-line que permite o gerenciamento dos envios, a programação

Leia mais

AVISO URGENTE DE SEGURANÇA. Refª interna da GE Healthcare: FMI 36111

AVISO URGENTE DE SEGURANÇA. <Date of Letter Deployment> Refª interna da GE Healthcare: FMI 36111 GE Healthcare AVISO URGENTE DE SEGURANÇA GE Healthcare do Brasil Comércio e Serviços para Equipamentos Médico- Hospitalares, LTDA. Av. Magalhães de Castro, nº 4.800, 13º andar - Cidade Jardim São Paulo/SP,

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Rafael D. Ribeiro, M.Sc. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br A expressão ISO 9000 (International Organization for Standardization) designa um grupo de normas técnicas que estabelecem

Leia mais

Análise de Risco na Validação de Sistemas Computadorizados

Análise de Risco na Validação de Sistemas Computadorizados Análise de Risco na Validação de Sistemas Computadorizados Meg Lima Andrade Agenda Objetivos; Conceito de Sistemas Computadorizados; Conceito de Risco; Identificação de Riscos; Avaliação de Riscos; Classificação;

Leia mais

Solução de gerenciamento de sistemas Dell KACE K1000 Versão 5.5. Guia de gerenciamento de ativos. Julho de 2013

Solução de gerenciamento de sistemas Dell KACE K1000 Versão 5.5. Guia de gerenciamento de ativos. Julho de 2013 Solução de gerenciamento de sistemas Dell KACE K1000 Versão 5.5 Guia de gerenciamento de ativos Julho de 2013 2004-2013 Dell, Inc. Todos os direitos reservados. Qualquer forma de reprodução deste material

Leia mais

ASSÉPTICAS E CONTIDAS. www.thechargepoint.com. Manuseio de ingredientes e componentes sensíveis em processos assépticos

ASSÉPTICAS E CONTIDAS. www.thechargepoint.com. Manuseio de ingredientes e componentes sensíveis em processos assépticos ASSÉPTICAS E CONTIDAS Manuseio de ingredientes e componentes sensíveis em processos assépticos Processo de esterilização simples Alto desempenho na contenção de produtos de risco www.thechargepoint.com

Leia mais

CONCEITOS E ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA IDENTIFICAÇÃO DA NECESSIDADE DA QUALIFICAÇÃO

CONCEITOS E ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA IDENTIFICAÇÃO DA NECESSIDADE DA QUALIFICAÇÃO Instituto de Qualidade e Metrologia Ltda Rio de Janeiro - RJ QUALIFICAÇÃO DE EQUIPAMENTOS AUTOCLAVES E ESTUFAS CONCEITOS E ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA IDENTIFICAÇÃO DA NECESSIDADE DA QUALIFICAÇÃO Instituto

Leia mais

inux Sistemas Ltda. MANUAL DO USUÁRIO www.inux.com.br

inux Sistemas Ltda. MANUAL DO USUÁRIO www.inux.com.br 2013 inux Sistemas Ltda. s MANUAL DO USUÁRIO www.inux.com.br Sumário 1 Introdução... 2 2 Visão Geral do Sistema... 2 3 Tela de Configuração... 3 4 Tela de Mensagens... 5 5 Tela de Importação... 8 6 Tela

Leia mais

2.1 Os projetos que demonstrarem resultados (quádrupla meta) serão compartilhados na Convenção Nacional.

2.1 Os projetos que demonstrarem resultados (quádrupla meta) serão compartilhados na Convenção Nacional. O Prêmio Inova+Saúde é uma iniciativa da SEGUROS UNIMED que visa reconhecer as estratégias de melhoria e da qualidade e segurança dos cuidados com a saúde dos pacientes e ao mesmo tempo contribua com a

Leia mais

FMEA - 4ª. EDIÇÃO (Análise dos Modos de Falha e de seus Efeitos)

FMEA - 4ª. EDIÇÃO (Análise dos Modos de Falha e de seus Efeitos) Curso e-learning FMEA - 4ª. EDIÇÃO (Análise dos Modos de Falha e de seus Efeitos) Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão

Leia mais

Procedimentos de Gestão da Qualidade. NOME FUNÇÃO ASSINATURA DATA ELABORADO POR Dr. Ivo Fernandes Gerente da Qualidade 01/09/2010 DE ACORDO

Procedimentos de Gestão da Qualidade. NOME FUNÇÃO ASSINATURA DATA ELABORADO POR Dr. Ivo Fernandes Gerente da Qualidade 01/09/2010 DE ACORDO Versão: 2 Pág: 1/6 NOME FUNÇÃO ASSINATURA DATA ELABORADO POR Dr. Ivo Fernandes Gerente da Qualidade 01/09/2010 DE ACORDO Dr. Renato de Lacerda Diretor Técnico 02/09/2010 APROVADO POR Dr. Jose Carlos dos

Leia mais

LASERJET ENTERPRISE M4555 SÉRIE MFP. Guia de instalação do software

LASERJET ENTERPRISE M4555 SÉRIE MFP. Guia de instalação do software LASERJET ENTERPRISE M4555 SÉRIE MFP Guia de instalação do software HP LaserJet Enterprise M4555 MFP Series Guia de instalação do software Direitos autorais e licença 2011 Copyright Hewlett-Packard Development

Leia mais

GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE

GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE Fonte: http://www.testexpert.com.br/?q=node/669 1 GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE Segundo a NBR ISO 9000:2005, qualidade é o grau no qual um conjunto de características

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO - POP. ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO Enfª Assione Vergani - VISA

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO - POP. ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO Enfª Assione Vergani - VISA PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO - POP ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO Enfª Assione Vergani - VISA CONCEITO É o documento que expressa o planejamento do trabalho repetitivo que deve ser executado para o alcance

Leia mais

MATC99 Segurança e Auditoria de Sistemas de Informação

MATC99 Segurança e Auditoria de Sistemas de Informação MATC99 Segurança e Auditoria de Sistemas de Informação Gestão de Segurança da Informação (Normas ISO 27001 e 27002) Italo Valcy Italo Valcy Seg e Auditoria de SI, 2013.1 Licença de

Leia mais

Módulo 6 Estudos de Caso 1 e 2

Módulo 6 Estudos de Caso 1 e 2 Módulo 6 Estudos de Caso 1 e 2 Orientação para os Estudos de Caso Para a realização de uma auditoria é necessário que o auditor tenha conhecimentos teóricos e práticos e para que você obtivesse este conhecimento

Leia mais

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP 6. Procedimento de gerenciamento de risco O fabricante ou prestador de serviço deve estabelecer e manter um processo para identificar

Leia mais

Volpe Enterprise Resource Planning

Volpe Enterprise Resource Planning Volpe Enterprise Resource Planning Este manual não pode, em parte ou no seu todo, ser copiado, fotocopiado, reproduzido, traduzido ou reduzido a qualquer mídia eletrônica ou máquina de leitura, sem a expressa

Leia mais

Aviso de Renovação de Licença de Cuidado Infantil Familiar

Aviso de Renovação de Licença de Cuidado Infantil Familiar Aviso de Renovação de Licença de Cuidado Infantil Familiar Sua Licença de Cuidado Infantil Familiar deve ser renovada e o EEC facilitou este processo para você. Basta seguir os passos abaixo: Preencha

Leia mais

Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) Guia de Estudos Metodologias Jovem de Futuro

Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) Guia de Estudos Metodologias Jovem de Futuro Guia de Estudos Metodologias Jovem de Futuro Precisamos reinventar a forma de ensinar e aprender, presencial e virtualmente, diante de tantas mudanças na sociedade e no mundo do trabalho. Os modelos tradicionais

Leia mais

ADOBE FLASH PLAYER 10.3 Gerenciador de configurações locais

ADOBE FLASH PLAYER 10.3 Gerenciador de configurações locais ADOBE FLASH PLAYER 10.3 Gerenciador de configurações locais PRERELEASE 03/07/2011 Avisos legais Avisos legais Para consultar avisos legais, acesse o site http://help.adobe.com/pt_br/legalnotices/index.html.

Leia mais

Versão Liberada. www.gerpos.com.br. Gerpos Sistemas Ltda. info@gerpos.com.br. Av. Jones dos Santos Neves, nº 160/174

Versão Liberada. www.gerpos.com.br. Gerpos Sistemas Ltda. info@gerpos.com.br. Av. Jones dos Santos Neves, nº 160/174 Versão Liberada A Gerpos comunica a seus clientes que nova versão do aplicativo Gerpos Retaguarda, contendo as rotinas para emissão da Nota Fiscal Eletrônica, já está disponível. A atualização da versão

Leia mais

O que são os Ensaios Não Destrutivos

O que são os Ensaios Não Destrutivos Resumo Nesse relatório vamos identificar as descontinuidade de uma peça usando ensaio por líquidos penetrantes, o qual consiste na aplicação do líquido penetrante e de um revelador que irá identificar

Leia mais

Melhor desempenho. Maior produtividade. DuPont. Sontara FS PANOS DE LIMPEZA PROFISSIONAL

Melhor desempenho. Maior produtividade. DuPont. Sontara FS PANOS DE LIMPEZA PROFISSIONAL Melhor desempenho. Maior produtividade. DuPont Sontara FS PANOS DE LIMPEZA PROFISSIONAL Maior qualidade, segurança e eficiência nos processos de limpeza profissional. Quem olha para o futuro com vontade

Leia mais

MEDICAMENTOS GUIA Nº 01/2015 Versão 1 GUIA PARA A ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO SUMÁRIO DE VALIDAÇÃO DE PROCESSO DE FABRICAÇÃO DE MEDICAMENTOS

MEDICAMENTOS GUIA Nº 01/2015 Versão 1 GUIA PARA A ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO SUMÁRIO DE VALIDAÇÃO DE PROCESSO DE FABRICAÇÃO DE MEDICAMENTOS MEDICAMENTOS GUIA Nº 01/2015 Versão 1 Agência Nacional de Vigilância Sanitária GUIA PARA A ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO SUMÁRIO DE VALIDAÇÃO DE PROCESSO DE FABRICAÇÃO DE MEDICAMENTOS VIGENTE A PARTIR DE 09/10/2015

Leia mais

Manual de Instalação. SafeSign Standard 3.0.77. (Para MAC OS 10.7)

Manual de Instalação. SafeSign Standard 3.0.77. (Para MAC OS 10.7) SafeSign Standard 3.0.77 (Para MAC OS 10.7) 2/23 Sumário 1 Introdução... 3 2 Pré-Requisitos Para Instalação... 3 3 Ambientes Homologados... 4 4 Hardware Homologado... 4 5 Instruções de Instalação... 5

Leia mais

Treinamento ISO 9001:2008 e Selo de Qualificação ONA. Ubiara Marfinati Janeiro/2013

Treinamento ISO 9001:2008 e Selo de Qualificação ONA. Ubiara Marfinati Janeiro/2013 Treinamento ISO 9001:2008 e Selo de Qualificação ONA. Ubiara Marfinati Janeiro/2013 ISO 9001: 2008 Princípios Básicos 4.2 Controle de Documentos e Registros 5.2 Foco no Cliente 5.3 Política da Qualidade

Leia mais

MANIPULAÇÃO DOS INSTRUMENTOS PERSONALIZADOS PROPHECY DESCARTÁVEIS DA MICROPORT 150807-0

MANIPULAÇÃO DOS INSTRUMENTOS PERSONALIZADOS PROPHECY DESCARTÁVEIS DA MICROPORT 150807-0 PT MANIPULAÇÃO DOS INSTRUMENTOS PERSONALIZADOS PROPHECY DESCARTÁVEIS DA MICROPORT 150807-0 Estão incluídos na presente embalagem os idiomas seguintes: English (en) Deutsch (de) Nederlands (nl) Français

Leia mais

CÓPIA NÃO CONTROLADA. DOCUMENTO CONTROLADO APENAS EM FORMATO ELETRÔNICO. PSQ PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE

CÓPIA NÃO CONTROLADA. DOCUMENTO CONTROLADO APENAS EM FORMATO ELETRÔNICO. PSQ PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE PSQ PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE PSQ 290.0339 - PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE APROVAÇÃO CARLOS ROBERTO KNIPPSCHILD Gerente da Qualidade e Assuntos Regulatórios Data: / / ELABORAÇÃO REVISÃO

Leia mais

T-DOC CyCle RegisTRO De DaDOs De máquinas DigiTalize seus CiClOs De PROCessO

T-DOC CyCle RegisTRO De DaDOs De máquinas DigiTalize seus CiClOs De PROCessO T-DOC Cycle Registro de dados de máquinas Digitalize seus CICLOS DE PROCESSO Always with you 2 T-DOC Cycle Documentação digital monitore seus parâmetros de ciclo em tempo real Pode ser muito difícil aumentar

Leia mais

08/09/2011 GERÊNCIA DA INTEGRAÇÃO PMBOK GESTÃO DE PROJETOS

08/09/2011 GERÊNCIA DA INTEGRAÇÃO PMBOK GESTÃO DE PROJETOS GESTÃO DE PROJETOS Prof. Me. Luís Felipe Schilling "Escolha batalhas suficientemente grandes para importar, suficientemente pequenas para VENCER." Jonathan Kozol GERÊNCIA DA INTEGRAÇÃO PMBOK 1 GERÊNCIA

Leia mais

American Express @ Work Guia de Primeiros Passos

American Express @ Work Guia de Primeiros Passos American Express @ Work Guia de Primeiros Passos Utilize o American Express @ Work para gerenciar a Conta do Associado e da sua Empresa, realizar manutenções nas Contas, acessar Relatórios de forma rápida,

Leia mais

CENTRAL DE MATERIAL ESTERILIZADO

CENTRAL DE MATERIAL ESTERILIZADO CENTRAL DE MATERIAL ESTERILIZADO Clique para editar o estilo do subtítulo mestre Sala de Preparo e Esterilização Equipe: Carla, Marcela e Maria Cristina 6º Período de Enfermagem UNIS Sala de preparo A

Leia mais

Manual das Secretárias. Manual do usuário. Módulo Secretárias

Manual das Secretárias. Manual do usuário. Módulo Secretárias Manual do usuário Módulo Secretárias 1. Login O login é único e permite o acesso exclusivo ao consultório médico. Será informado por email às secretária que enviaram os dados para cadastro. Obs: A senha

Leia mais

Manutenção. Manutenção

Manutenção. Manutenção Manutenção Esta seção inclui: "Adicionando tinta" na página 7-32 "Esvaziando a bandeja de cera" na página 7-36 "Substituindo o kit de manutenção" na página 7-39 "Limpando a lâmina de liberação de papel"

Leia mais

Dell Infrastructure Consulting Services

Dell Infrastructure Consulting Services Proposta de Serviços Profissionais Implementação do Dell OpenManage 1. Apresentação da proposta Esta proposta foi elaborada pela Dell com o objetivo de fornecer os serviços profissionais de implementação

Leia mais

Treinamento: FSSC 22000 / Versão 3 Formação de auditores internos

Treinamento: FSSC 22000 / Versão 3 Formação de auditores internos Treinamento: FSSC 22000 / Versão 3 Formação de auditores internos 1. Interpretar os requisitos das normas ISO 22000:2005; ISO TS 22002-1:2012 e requisitos adicionais da FSSC 22000. Fornecer diretrizes

Leia mais

BEM-VINDO AO dhl PROVIEW GUIA RÁPIDO DE USO

BEM-VINDO AO dhl PROVIEW GUIA RÁPIDO DE USO BEM-VINDO AO dhl PROVIEW GUIA RÁPIDO DE USO O DHL PROVIEW COLOCA VOCÊ NO CONTROLE DE SEUS ENVIOS. PROVIEW O DHL ProView é uma ferramenta de rastreamento on-line que permite a visibilidade dos envios e

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES Usuário Versão 1.1 BEBEDOUROS TROPICAL. Bebedouros Tropical www.bebedourostropical.com.br. Produtos com Certificação Inmetro

MANUAL DE INSTRUÇÕES Usuário Versão 1.1 BEBEDOUROS TROPICAL. Bebedouros Tropical www.bebedourostropical.com.br. Produtos com Certificação Inmetro MANUAL DE INSTRUÇÕES Usuário Versão 1.1 Bebedouros Tropical www.bebedourostropical.com.br BEBEDOUROS TROPICAL LEIA E SIGA TODAS AS REGRAS DE SEGURANÇA E INSTRUÇÕES OPERACIONAIS ANTES DE USAR. sac@bebedourostropical.com.br

Leia mais

Manual de Utilização das Funções Básicas do Sistema ClinicWeb

Manual de Utilização das Funções Básicas do Sistema ClinicWeb Manual de Utilização das Funções Básicas do Sistema ClinicWeb Dezembro/2012 2 Manual de Utilização das Funções Básicas do Sistema ClinicWeb Sumário de Informações do Documento Título do Documento: Resumo:

Leia mais

Sistema de Autorização Unimed

Sistema de Autorização Unimed Diretoria de Gestão Estratégica Departamento de Tecnologia da Informação Divisão de Serviços em TI Sistema de Autorização Unimed MANUAL DO USUÁRIO DIVISÃO DE SERVIÇOS EM TI A Divisão de Serviços em TI

Leia mais

Portal Contador Parceiro

Portal Contador Parceiro Portal Contador Parceiro Manual do Usuário Produzido por: Informática Educativa 1. Portal Contador Parceiro... 03 2. Acesso ao Portal... 04 3. Profissionais...11 4. Restrito...16 4.1 Perfil... 18 4.2 Artigos...

Leia mais

Sistemas de Gestão Ambiental O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004

Sistemas de Gestão Ambiental O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004 QSP Informe Reservado Nº 41 Dezembro/2004 Sistemas de Gestão O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004 Material especialmente preparado para os Associados ao QSP. QSP Informe Reservado Nº 41 Dezembro/2004

Leia mais

A SEGURANÇA DA ASSISTÊNCIA DO PACIENTE CIRÚRGICO: FLUXO DE OPME NORMAS E CONDUTAS

A SEGURANÇA DA ASSISTÊNCIA DO PACIENTE CIRÚRGICO: FLUXO DE OPME NORMAS E CONDUTAS 10º Congresso Brasileiro de Enfermagem en Centro Cirúrgico, Recuperação Anestésica e Centro de Material e ESterilização- 2011 A SEGURANÇA DA ASSISTÊNCIA DO PACIENTE CIRÚRGICO: FLUXO DE OPME NORMAS E CONDUTAS

Leia mais

University of California (Universidade da Califórnia) Permissão para utilização de informações médicas pessoais para pesquisa

University of California (Universidade da Califórnia) Permissão para utilização de informações médicas pessoais para pesquisa University of California (Universidade da Califórnia) Permissão para utilização de informações médicas pessoais para pesquisa Título do estudo (ou Número de Aprovação do IRB (Comitê de Revisão Institucional)

Leia mais

Introdução. Nesta guia você aprenderá:

Introdução. Nesta guia você aprenderá: 1 Introdução A criação de uma lista é a primeira coisa que devemos saber no emailmanager. Portanto, esta guia tem por objetivo disponibilizar as principais informações sobre o gerenciamento de contatos.

Leia mais

Fundamentos de Teste de Software

Fundamentos de Teste de Software Núcleo de Excelência em Testes de Sistemas Fundamentos de Teste de Software Módulo 2- Teste Estático e Teste Dinâmico Aula 3 Teste Estático SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 1. Definição... 3 2. Custo Versus Benefício...

Leia mais

Gerenciamento de Riscos do Projeto Eventos Adversos

Gerenciamento de Riscos do Projeto Eventos Adversos Gerenciamento de Riscos do Projeto Eventos Adversos 11. Gerenciamento de riscos do projeto PMBOK 2000 PMBOK 2004 11.1 Planejamento de gerenciamento de riscos 11.1 Planejamento de gerenciamento de riscos

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

NR-13 - CALDEIRAS E VASOS DE PRESSÃO

NR-13 - CALDEIRAS E VASOS DE PRESSÃO NR-13 - CALDEIRAS E VASOS DE PRESSÃO DADOS DA INSPEÇÃO Órgão Responsável pelo Estabelecimento Endereço CNAE Inspetor (es) Estabelecimento Contato Numero de Servidores Referências técnicas (Além desta NR)

Leia mais

TERMO DE USO TERMOS DE USO DO CLIENTE

TERMO DE USO TERMOS DE USO DO CLIENTE TERMO DE USO TERMOS DE USO DO CLIENTE A) APLICABILIDADE 1. Os presentes termos de uso são aplicáveis aos Usuários da INTERNET POOL COMÉRCIO ELETRONICO LTDA, inscrita no CNPJ/MF sob o nº 09.491.113/0001-01,

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO. HELP SUPORTE e HELP - REMOTO (Versão de usuário: 2.0)

MANUAL DE UTILIZAÇÃO. HELP SUPORTE e HELP - REMOTO (Versão de usuário: 2.0) MANUAL DE UTILIZAÇÃO HELP SUPORTE e HELP - REMOTO (Versão de usuário: 2.0) 1 Sumário 1 Introdução...3 2 O que é o HELP Suporte?...3 3 Cadastro no Help Suporte...3 4 Como Acessar e Utilizar o HELP SUPORTE...3

Leia mais

Manual de Navegação Básica. Siga Relacionamento Sou Abrasel - Site

Manual de Navegação Básica. Siga Relacionamento Sou Abrasel - Site Manual de Navegação Básica Siga Relacionamento Sou Abrasel - Site 1 Conteúdo Iniciando a implantação:... 3 para o treinamento no encontro de executivos... 3 Siga Relacionamento... 4 O que é Unidade de

Leia mais

ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA

ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA SUMÁRIO Apresentação ISO 14001 Sistema de Gestão Ambiental Nova ISO 14001 Principais alterações e mudanças na prática Estrutura de alto nível Contexto

Leia mais

Programa de troca de flash cards compactos internos

Programa de troca de flash cards compactos internos Dados técnicos Programa de troca de flash cards compactos internos Número(s) de catálogo: 2711P-RW1, 2711P-RW2, 2711P-RW3, 6189-RW2, 6189-RW3, 6189-RW4 Conteúdo... Para Consulte a página Sobre esta publicação

Leia mais

Banco de Dados Microsoft Access: Criar tabelas

Banco de Dados Microsoft Access: Criar tabelas Banco de Dados Microsoft Access: Criar s Vitor Valerio de Souza Campos Objetivos do curso 1. Criar uma no modo de exibição Folha de Dados. 2. Definir tipos de dados para os campos na. 3. Criar uma no modo

Leia mais

Simplificando a experiência de software da Cisco

Simplificando a experiência de software da Cisco Simplificando a experiência de software da Cisco Cisco Commerce Workspace (CCW): Pedidos e atribuição de Contas inteligentes a parceiros Tier Apresentador Cargo Junho de 05 Treinamento em Smart License

Leia mais