HEALTHCARE PURCHASING NEWS Fevereiro de 2011

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "HEALTHCARE PURCHASING NEWS Fevereiro de 2011"

Transcrição

1 HEALTHCARE PURCHASING NEWS Fevereiro de 2011 Este estudo auto-dirigido sobre um tópico relacionado ao serviço central foi desenvolvido pelo 3M Health Care. As lições são preparadas pela KSR Publishing, Inc. Série Earn CEUs A série se destina a ajudar os leitores na manutenção de seu certificados CS. Depois do estudo minucioso da lição, faça o exame no final da seção. Envie o exame completo mais o pagamento da taxa para o Health-Care Purchasing News para receber sua nota. Iremos notificá-lo se você tiver obtido a pontuação de 70 por cento ou mais, e você receberá um certificado de finalização de curso no prazo de 30 dias. As lições anteriores são disponibilizadas pela Internet, no endereço Certificação O CBSPD (Certification Board for Sterile Processing and Distribution) pré-aprovou esse curso para 1 (uma) pessoa pelo período de 5 (cinco) anos a partir da data original de publicação. A finalização bemsucedida da lição e do teste devem ser documentada pela gerência do estabelecimento devem ser mantidos registros para a pessoa até que seja necessária uma nova certificação. NÃO ENVIE ESTA LIÇÃO OU TESTE PARA O CBSPD. Para mais informações sobre a certificação, contate: CBSPD Main Street, Suite B-1, Lebanon, NJ Para esclarecimentos, envie suas dúvidas para Healthcare Purchasing News (941) , ramal 202. Objetivos do Curso 1. Aprender as recomendações da diretriz AAMI ST79 sobre o monitoramento de cargas com implantes. 2. Discutir as diretrizes e práticas recomendadas da AAMI ST79 e da AORN sobre o monitoramento dos ciclos da esterilização flash. 3. Descrever as recomendações da AAMI ST79 e da AORN para verificação da limpeza. Patrocinado por: CBSPD 3M Health Care 28 de fevereiro de 2011 Healthcare Purchasing News

2 SELF-STUDY SERIES Patrocinado pelo 3M Health Care Perguntas Frequentes feitas à Linha Técnica 3M de Garantia da Esterilização em 2010 Por Sandra Velte, B.A. Como membro da Equipe de Serviços Técnicos Esterilização da 3M, as responsabilidades da minha função envolvem o atendimento da Linha Técnica 3M de Garantia da Esterilização. Na minha carreira, já recebi milhares de ligações telefônicas e s de profissionais da saúde de todo o país. As dúvidas não se limitam a perguntas sobre os produtos de Garantia da Esterilização da 3M, mas incluem pedidos de informações sobre aos padrões de esterilização e as práticas recomendadas. Consequentemente, é importante que eu esteja familiarizada com as diretrizes e práticas recomendadas mais correntes de organizações como a Association for the Advancement of Medical Instrumentation (AAMI), a Association of perioperative Registered Nurses (AORN) e os Centers for Disease Control and Prevention (CDC). Ter conhecimento atualizado dos padrões mais recentes da indústria pode ser um desafio para os profissionais de processamento da esterilização e muitas perguntas são feitas por pessoas interessadas que ligam para a Linha Técnica 3M de Garantia da Esterilização em Apesar de ter de responder perguntas que ouvi antes, existem diversos tópicos que parecem ser os mais constantes. Três das principais perguntas em 2010 são discutidas neste artigo. Com a recente publicação da diretriz AAMI ST79:2010, alguma coisa mudou em relação ao monitoramento e liberação de implantes? Em outubro de 2010, a AAMI publicou a segunda edição da diretriz ANSI/AAMI ST79, um guia abrangente sobre a esterilização a vapor e garantia de esterilização em estabelecimentos de serviços médicos. Foi feita uma modificação no padrão A1:2010, publicado juntamente com a versão de [Nota: Informações sobre como solicitar esta nova edição são dadas no final deste artigo]. A diretriz AAMI ST79:2010 recomenda que as cargas com implantes sejam monitoradas por meio de um dispositivo de desafio do processo (PCD) de indicador biológico (IB) que também contenha um indicador integrador de Classe 5 e que a carga seja colocada em quarentena até que o resultado do IB seja conhecido. A seção Dispositivos de monitoramento do processo, da diretriz AAMI ST79:2010 diz: Toda carga contendo implantes deve ser monitorada com um PCD contendo um IB (pacote de teste de desafio por meio de IB). Um indicador químico integrador de Classe 5 deve ser incluído no PCD. Os implantes devem ser colocados em quarentena até que os resultados do indicador biológico estejam disponíveis (CDC, 2008). O motivo de somente indicadores biológicos serem usados para a liberação de implantes é porque os indicadores biológicos são os únicos que fornecem uma medição direita da letalidade do ciclo de esterilização. Os indicadores biológicos são reconhecidos pelas autoridades no assunto como sendo os monitores mais próximos do ideal no processo de esterilização porque eles testam o processo de esterilização usando os microorganismos mais resistentes em vez de simplesmente testar as condições físicas e químicas da esterilização. 3 Se o ciclo conseguir eliminar todos os esporos contidos no indicador biológico, então você tem maior garantia de que a biocarga dos itens da carga também foi eliminada. A seção Uso de indicadores biológicos, da diretriz AAMI ST79:2010 diz: Justificativa: O uso de indicadores biológicos fornece evidência da eficácia da esterilização, pois testam o esterilizador com um número de esporos bacterianos altamente resistentes. O monitoramento biológico é a única medição direta da letalidade do ciclo de esterilização. As recomendações de liberação prematura de implantes antes do resultado do indicador biológico ser conhecido também não mudaram na AAMI ST79:2010. Se não for possível colocar os implantes em quarentena até que o indicador biológico seja negativo, devido a uma emergência médica, os implantes podem ser liberados prematuramente com base no resultado de um indicador integrador de Classe 5 no PCD de indicador biológico se todos os outros resultados de monitoramento forem aceitáveis. Duas formas são fornecidas no Anexo L da diretriz ST79:2010 um registro de carga de dispositivos implantáveis para documentar todas as cargas de implantes e um formulário de exceção para

3 documentar a liberação prematura de implantes antes dos resultados do indicador biológico. O formulário de exceção deve documentar: nome do paciente, nome do implante, nome do cirurgião, motivo do implante a ser liberado antes, e o que poderia ter evitado a liberação prematura. A seção Critérios de liberação de implantes, da diretriz AAMI ST79:2010 diz claramente: Liberar os implantes antes dos resultados do indicador biológico serem conhecidos é inaceitável e deve ser uma exceção e não a regra. O que é novo na diretriz AAMI ST79:2010 é que agora foi estabelecido o uso recomendado de indicadores emuladores de Classe 6. As Tabelas 6 e 7 sumarizam o uso recomendado de dispositivos de monitoramento da esterilização, como os indicadores físicos, químicos e biológicos. As tabelas foram atualizadas em 2010 para incluir orientação sobre o uso e aplicação de indicadores emuladores de Classe 6. O indicador emulador de Classe 6 pode ser usado: como um indicador químico interno (no ciclo em que for indicado), dentro do PCD para monitorar e liberar cargas sem implantes (no ciclo em que for indicado) e dentro do PCD como um monitoramento adicional para cargas de implantes (no ciclo em que for indicado). É importante destacar que, de acordo com a diretriz AAMI ST79:2010, não deve ser usado um PCD de Classe 6 no lugar do PCD de indicador biológico para a liberação de implantes e o indicador emulador de Classe 6 não pode ser usado para a liberação de implantes em situações de emergência. Como sabemos, toda estabelecimento de serviços médicos desenvolve suas próprias políticas e procedimentos com base nas exigências legais, o conhecimento científico e as práticas aceitáveis, e essas políticas e procedimentos devem ser consistentes em todo estabelecimento. É necessário que o departamento de esterilização siga as políticas e os procedimentos para que o estabelecimento possa ser reconhecido pela Joint Commission. O programa de monitoramento do processo de esterilização fácil de usar deve seguir as práticas recomendadas mais exigentes e os padrões e diretrizes estabelecidas pelas organizações internacionais como a AAMI, AORN e o CDC. Como mostrado abaixo, as recomendações da AORN e do CDC se relacionam ao monitoramento de cargas de implantes e são muito semelhantes ao que é recomendado pela AAMI ST79. A AORN recomenda que os dispositivos implantáveis sejam monitorados por meio de um indicador biológico e colocados em quarentena até que o resultado do indicador biológico seja negativo. XVI.h.2 toda carga contendo dispositivos implantáveis deve ser monitorada através de um indicador biológico e colocada em quarentena até que os resultados do indicador biológico estejam disponíveis 2 No caso de uma emergência que exija a esterilização flash de um implante, a AORN recomenda o uso de um indicador biológico de ação rápida e a quarentena do implante até que o resultado do indicador biológico seja conhecido. IV.h. Em uma situação de emergência, quando não se puder evitar a esterilização flash de implantes, um indicador biológico de ação rápida e um indicador integrador químico de Classe 5 (ou indicador enzimático somente) deve ser usado na carga. 2 IV.h.1 O implante deve ser colocado em quarentena e a carga não deve ser liberada até que o indicador biológico de ação rápida apresente resultado negativo.2 [Nota: o indicador enzimático deixou de ser fabricado e não é mais vendido]. A Diretriz do CDC de 2008 para Desinfecção e Esterilização em Estabelecimentos de Serviços Médicos diz: Use indicadores biológicos em toda carga contendo implantes e coloque os itens em quarentena sempre que possível, até que o resultado do indicador biológico seja negativo. 3 Quais são as recomendações de monitoramento de cargas de esterilização flash? Primeiro, vamos estabelecer o que é considerado um ciclo de esterilização flash. Originalmente, a esterilização flash era usada para reprocessar instrumentos que caiam no chão, isoladamente, através de um método sem embalagem e um ciclo de gravidade a 270ºF/132 C.

4 Todavia, no decorrer dos anos, a esterilização flash se expandiu e passou a incluir ciclos de remoção dinâmica de ar (como o pré-vácuo) e outros métodos de embalagem. Além disso, o uso da esterilização flash cresceu em frequência e é normalmente mal utilizado para o processamento de conjuntos completos de instrumentos devido à insuficiência de estoque ou atraso nas entregas. Consequentemente, o termo flash passou a ter conotação negativa. Como a esterilização flash mudou com o tempo, o termo "flash" deixou de ter o mesmo significado para todas as pessoas e isso tem provocado confusão. Em junho, a AORN relatou a existência de um trabalho colaborativo entre doze organizações e agências reguladoras, como a AORN e a AAMI, para o estabelecimento de uma linguagem padronizada sobre o entendimento do que foi anteriormente denominado de esterilização flash. O grupo está atualmente denominando esse tipo de esterilização de esterilização a vapor de uso imediato e um estudo sobre o assunto está sendo finalizado. 4 Portanto aguarde a publicação desse estudo que deve mudar o termo de esterilização flash para esterilização de uso imediato. Tendo dito isso, vamos voltar à discussão sobre as diretrizes correntes da AAMI e da AORN para monitoramento dos ciclos de esterilização flash. Como nos ciclos de esterilização a vapor, recomendamse que os ciclos de esterilização flash sejam monitorados por meio de indicadores físicos, químicos e biológicos. Para cada ciclo de esterilização flash, o resultado do esterilizador (monitoramento físico) deve ser analisado e assinado por um profissional treinado e com conhecimento para verificar se os parâmetros do ciclo foram atendidos e se o ciclo correto foi determinado conforme o conteúdo da carga. De acordo com a diretriz AAMI ST79:2010, o monitoramento de rotina da eficácia do esterilizador nos ciclos flash deve ser feito com um ou mais indicadores biológicos e um ou mais indicadores químicos em uma bandeja de teste de desafio de indicador biológico (PCD) colocado na prateleira da base sobre o dreno ou em uma câmara vazia. Além disso, forem processados ciclos de esterilização flash pré-vácuo, também é necessário testar o esterilizador diariamente com o teste de Bowie-Dick. Todos os diferentes ciclos usados devem ser testados em separado. Por exemplo, forem processados ciclos por gravidade e pré-vácuo de esterilização flash, é necessário testar cada um desses ciclos com um indicador biológico apropriado. Todavia, forem processados ciclos de três minutos e de dez minutos por gravidade em bandeja aberta, então somente será necessário testar o ciclo mais curto, mais desafiador, de três minutos. Tenha em mente que a AAMI ST79 recomenda testar todas as configurações usadas de bandeja (aberta, bandejas cirúrgicas de fundo de malha, sistemas de recipientes rígidos e bandejas cirúrgicas de embalagem única) porque elas constituem um desafio diferente para remoção do ar e penetração do vapor. Desde 2009, a AORN recomenda o uso de recipientes rígidos para a esterilização flash (ver abaixo) e muitos estabelecimentos já adotaram essa prática recomendada. Tenha em mente que se for mudada a configuração da embalagem usada para a esterilização flash, é necessário atualizar as políticas e procedimentos de monitoramento dos ciclos de esterilização flash visando assegurar que o teste de indicador biológico seja realizado corretamente. IV.e. Devem ser usados recipientes rígidos projetados para os ciclos de esterilização flash. (PNDS: I70, I98) Os recipientes rígidos de esterilização flash: reduzem o risco de contaminação durante o transporte até o ponto de uso, ajudam na preparação do campo estéril, e protegem os itens esterilizados durante o transporte. 2 A diretriz AAMI ST79:2010 recomenda que seja usado um indicador químico interno (Classe 3, 4, 5 ou 6) dentro de cada pacote, bandeja ou sistema de recipiente rígido. A AORN fornece mais recomendações sobre o monitoramento dos ciclos de esterilização flash e recomenda o uso de indicadores integradores de Classe 5 em todos os ciclos de esterilização flash; IV.c.3. Devem ser usados indicadores biológicos (IB) e químicos no monitoramento da eficácia do esterilizador e para avaliar o atendimento dos padrões de monitoramento estabelecidos para esterilizadores por deslocamento por gravidade e remoção dinâmica de ar. Os indicadores integradores químicos de Classe 5 devem ser usados em todos os recipientes ou bandejas do esterilizador. 2 O que as diretrizes dizem sobre o monitoramento dos equipamentos de limpeza?

5 As diretrizes de monitoramento geralmente visam o processo, mas é importante lembrar-se do velho ditado de que não é possível obter esterilização sem uma limpeza efetiva. Não existe sujeira estéril; desta forma, se o instrumento não estiver adequadamente limpo, ele não será esterilizado. Embora no passado os hospitais dependessem exclusivamente da inspeção visual para verificar a eficácia da limpeza, as práticas recomendadas estão começando a discutir uma abordagem menos subjetiva. Tanto a AORN como a AAMI recomendam que os profissionais do estabelecimento façam testes de verificação como parte do programa geral de garantia da qualidade visando assegurar que os equipamentos mecânicos de limpeza estejam funcionando adequadamente e de acordo com as especificações do fabricante. A AORN abordou pela primeira vez a necessidade de um programa de garantia da qualidade para a limpeza em sua diretriz de 2009 Práticas Recomendadas de Limpeza e Cuidado de Instrumentos Cirúrgicos e Equipamentos Energizados. A AORN recomenda que as lavadoras mecânicas e a limpeza manual sejam monitoradas e avaliadas quanto à eficácia. A transcrição abaixo é da AORN:2010. XXII.a. Deve ser estabelecido um programa de gerenciamento da qualidade de forma a analisar os equipamentos mecânicos de limpeza. As lavadoras e instrumentos mecânicos devem ser testados quanto ao funcionamento apropriado antes do uso inicial, semanalmente durante a operação e depois de toda manutenção importante. "A limpeza manual deve ser avaliada quando novos tipos de instrumentos forem processados e periodicamente nos intervalos determinados pelo estabelecimento. 5 Em 2009, a AAMI ST79 acrescentou recomendações relativas à frequência do monitoramento dos equipamentos mecânicos de limpeza quanto ao funcionamento apropriado. Como a AORN, a AAMI ST79 recomenda que o equipamento mecânico de limpeza seja monitorado durante a sua instalação, depois semanalmente (preferivelmente diariamente) durante o uso de rotina e após grandes reparos. Na seção 10.2 Monitoramento de equipamentos mecânicos de limpeza, a ST79 explica que [a] grande reparo todo um reparo fora do escopo da manutenção preventiva de rotina e que afeta de maneira importante o desempenho do equipamento. Exemplos são troca das bombas de água, sistema de aplicação do detergente, sistema de aquecimento, sistema de alimentação de água, sistema de tratamento de água e controle computacional ou atualização de software. 1 Muitas lavadoras imprimem um relatório. A ST79 recomenda que esses relatórios sejam revistos e assinados em cada ciclo para verificar se a lavadora completou todas as fases do ciclo. E, naturalmente, é importante documentar todos os resultados do monitoramento. Na seção 10.2 Monitoramento de equipamentos mecânicos de limpeza, a AAMI ST79 faz a seguinte recomendação. "Idealmente, dispositivos médicos limpos devem ser rastreados até os pacientes em que forem usados". 1 Se o seu estabelecimento ainda não incorporou a verificação da limpeza e não sabe como fazê-lo, o Anexo D intitulado verificação dos processos de limpeza que faz parte da ST79 seria uma boa fonte de consulta. O Anexo D traz duas tabelas mostrando os métodos disponíveis para avaliação da limpeza de instrumentos limpos e a eficácia da lavadora-desinfectora. Espero que estas informações da AAMI, da AORN, e do CDC possam ser usadas como atualização das políticas e procedimentos de seu departamento. Sinta-se à vontade para ligar para a Linha Técnica 3M de Garantia da Esterilização se tiver dúvidas. HPN Referências 1. Association for the Advancement of Medical Instrumentation. Comprehensive guide to steam sterilization and sterility assurance in healthcare facilities. ANSI/AAMI ST79:2010 e A1:2010. Arlington, VA Recommended Practices for Sterilization in Perioperative Practice Settings. Association of perioperative Registered Nurses. AORN Standards, Recommended

6 Practices, and Guidelines Centers for Disease Control. Guideline for Disinfection and Sterilization in Healthcare Facilities, Gathering consensus on steam sterilization. C. Stanton. AORN Connections, Supplement to AORN Journal. Junho de 2010, Vol. 8, No. 6, pg Recommended Practices for Cleaning and Care of Surgical Instruments and Powered Equipment. Association of perioperative Registered Nurses. AORN Standards, Recommended Practices, and Guidelines Como Fazer um Pedido Contate a AAMI para solicitar as diretrizes ANSI/AAMI ST79:2010 e A1:2010, to steam sterilization and sterility assurance in health care facilities (Texto Consolidado) Comprehensive guide Código de Pedido: ST79 ou ST79-PDF Preço /Preço para Membros da AAMI: $240/$120 Ligue para ou visite Sandra Velte, B.A., é uma das vozes que você ouve quando liga para o telefone Linha Técnica 3M de Garantia da Esterilização do 3M Health Care para obter produtos (opção 2). Como parte de sua função, ela responde perguntas técnicas sobre os produtos 3M, identifica falhas no processo de esterilização e dá informações relacionadas às melhores práticas de esterilização. Velte é membro da Minnesota Healthcare Central Service Members Association (MHCSMA) e da International Association of Healthcare Central Service Materiel Management (IAHCSMM) e é Técnica Certificada da Central Sterile Processing and Distribution. Exame de Educação Continuada Fevereiro de 2011 Perguntas Frequentes feitas à Linha Técnica 3M de Garantia da Esterilização em 2010 Circunde a resposta correta: 1. Cargas contendo implantes devem ser monitoradas por meio de um PCD com IB contendo um indicador integrador de Classe É aceitável liberar os implantes antes do resultado do IB ser conhecido.

7 3. De acordo com a atualização recente da AAMI ST79, um PCD com um Classe 6 pode ser usado para a liberação de implantes. 4. Em uma situação de emergência, o implante pode ser liberado com base no resultado do indicador integrador de Classe 5 no PCD com IB. 5. O termo esterilização flash se refere a ciclos sem embalagem por gravidade a 270 F/132 C somente. 6. Se você fizer a esterilização flash de instrumentos em bandejas cirúrgicas com fundo de tela e em recipientes rígidos, ambas as configurações precisam ser rotineiramente testadas com um IB. 7. A AORN recomenda o uso de indicadores integradores de Classe 5 em toda bandeja ou recipiente de esterilização flash. 8. O monitoramento de rotina através de IB é feito na carga completa nos ciclos de esterilização flash. 9. Os relatórios das lavadoras mecânicas devem ser analisados e assinados depois de cada ciclo. 10. Os equipamentos mecânicos de limpeza devem ser testados rotineiramente quanto ao funcionamento pelo menos uma vez por semana e de preferência diariamente. Respostas: 1. A, 2. B, 3. B, 4. A, 5. B, 6. A, 7. A, 8. B, 9. A, 10. A Apresentado por Healthcare Purchasing News Patrocinado por 3M Health Care Pedidos de Avaliação Anexei o pagamento da taxa de avaliação de $10. (Em nome de KSR Publishing, Inc. Lamentamos que não possa ser feita devolução da taxa. Podem ser pagos diversos pedidos em um único cheque). Destaque o exame e retorne para: Continuing Education Division/KSR Publishing, Inc Stickney Point Road, Suite 315B Sarasota, FL Fone: Fax: Escreva em letra de forma ou digite o formulário. Retorne esta página somente. Nome Cargo Hospital Endereço Ap/Suíte Cidade, Estado, CEP Telefone

8

1. Descrever as variáveis críticas da qualidade do vapor para uma esterilização bemsucedida.

1. Descrever as variáveis críticas da qualidade do vapor para uma esterilização bemsucedida. S E L F - S T U D Y S E R I E S HEALTHCARE PURCHASING NEWS Dezembro de 2010 Patrocinado por Este estudo autodirigido com um tópico relacionado ao serviço central foi desenvolvido pela 3M Health Care. As

Leia mais

Product recall Martha Young, BS, MS, CSPDT

Product recall Martha Young, BS, MS, CSPDT Product Recall 1-7 Product recall Martha Young, BS, MS, CSPDT Objetivos Ao final desta atividade autoeducativa, o aluno será capaz de: 1. Fazer o recall de dispositivos médicos processados em instalações

Leia mais

INDICADOR BIOLÓGICO. Para o código 1262 adotaremos, neste documento, a nomenclatura de Convencional

INDICADOR BIOLÓGICO. Para o código 1262 adotaremos, neste documento, a nomenclatura de Convencional INDICADOR BIOLÓGICO Para o código 1262 adotaremos, neste documento, a nomenclatura de Convencional Para os códigos 1292 e 1291 adotaremos, neste documento, a nomenclatura RRBI (Indicador Biológico de Leitura

Leia mais

Contêineres rígidos para esterilização

Contêineres rígidos para esterilização Por Silvia Baffi 1. Introdução Contêineres rígidos para esterilização Contêineres são recipientes rígidos e reutilizáveis para a esterilização. São compostos por diferentes dispositivos que podem ser denominados

Leia mais

THE REAL COSTS OF SURGICAL INSTRUMENT TRAINING IN STERILE PROCESSING REVISITED

THE REAL COSTS OF SURGICAL INSTRUMENT TRAINING IN STERILE PROCESSING REVISITED THE REAL COSTS OF SURGICAL INSTRUMENT TRAINING IN STERILE PROCESSING REVISITED (OS REAIS CUSTOS DE TREINAMENTOS DE INSTRUMENTAIS CIRÚRGICOS EM CME-REVISÃO) NANCY CHOBIN, RN, AAS, ACSP, CSPDM ABSTRACT A

Leia mais

Monitores físicos. Tempo, temperatura e registros de pressão, displays, painéis digitais e calibradores Indicadores Químicos (IQs)

Monitores físicos. Tempo, temperatura e registros de pressão, displays, painéis digitais e calibradores Indicadores Químicos (IQs) Tabela 8 Monitores físicos AAMI ST 79 -Tipos e aplicações para uso de dispositivos de monitoramento de esterilização Monitor Freqüência de uso Aplicação (liberação de equipamentos de esterilização, pacotes

Leia mais

Controle do processo de esterilização: Monitoramento físico, químico e biológico.

Controle do processo de esterilização: Monitoramento físico, químico e biológico. 2º WORKSHOP DE PROCESSAMENTO DE ARTIGOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE CONTAGEM-MG Controle do processo de esterilização: Monitoramento físico, químico e biológico. TERESINHA NEIDE DE OLIVEIRA A Verdadeira obra

Leia mais

Bowie-Dick. O que fazer quando há um problema com o teste. Educação e Capacitação

Bowie-Dick. O que fazer quando há um problema com o teste. Educação e Capacitação O que fazer quando há um problema com o teste Bowie-Dick Por Charles O. Hancock, BSEE, MBA, RAC Nosso sincero agradecimento à equipe da 3M Cuidados da Saúde por trabalhar com a revista Managing Infection

Leia mais

Análise do desempenho

Análise do desempenho Validação de Equipamentos em CME Análise do desempenho Conforme a RDC 15 Validação de Equipamentos em CME APRESENTAÇÃO Luciano Manoel - Especialista em processos de Qualificação de Equipamentos, com experiência

Leia mais

MODELO DE INSTRUÇÕES DE USO INSTRUMENTAL NÃO ARTICULADO NÃO CORTANTE NÃO ESTÉRIL DESCARTÁVEL

MODELO DE INSTRUÇÕES DE USO INSTRUMENTAL NÃO ARTICULADO NÃO CORTANTE NÃO ESTÉRIL DESCARTÁVEL MODELO DE INSTRUÇÕES DE USO INSTRUMENTAL NÃO ARTICULADO NÃO CORTANTE NÃO ESTÉRIL DESCARTÁVEL (As informações aqui apresentadas são de caráter declaratório, podendo o texto final, ter formatação diferente)

Leia mais

MANIPULAÇÃO DOS INSTRUMENTOS PERSONALIZADOS PROPHECY DESCARTÁVEIS DA MICROPORT 150807-0

MANIPULAÇÃO DOS INSTRUMENTOS PERSONALIZADOS PROPHECY DESCARTÁVEIS DA MICROPORT 150807-0 PT MANIPULAÇÃO DOS INSTRUMENTOS PERSONALIZADOS PROPHECY DESCARTÁVEIS DA MICROPORT 150807-0 Estão incluídos na presente embalagem os idiomas seguintes: English (en) Deutsch (de) Nederlands (nl) Français

Leia mais

Indicadores de Limpeza O que há de novo? Andréa Alfaya Acuña andrea.acuna@hsl.org.br

Indicadores de Limpeza O que há de novo? Andréa Alfaya Acuña andrea.acuna@hsl.org.br Indicadores de Limpeza O que há de novo? Andréa Alfaya Acuña andrea.acuna@hsl.org.br Indicadores São valores ou variáveis associadas a uma atividade que nos indicam alguma relação, são medidas quantitativas

Leia mais

22/08/2007 DEFINIÇÃO PORQUE VALIDAR? Gerson R. Luqueta. Gerson R. Luqueta

22/08/2007 DEFINIÇÃO PORQUE VALIDAR? Gerson R. Luqueta. Gerson R. Luqueta VALIDAÇÃO DE EQUIPAMENTOS CONFORME NORMATIZAÇÃO (ênfase em processos de esterilização) VALIDAÇÃO DO PROCESSO DEFINIÇÃO Procedimento documentado para obtenção, registro e interpretação de resultados desejados

Leia mais

Introdução aos testes de segurança elétrica: Parte I

Introdução aos testes de segurança elétrica: Parte I Introdução aos testes de segurança elétrica: Parte I Documento técnico Limite da sensibilidade Os dispositivos eletro-médicos são alimentados por eletricidade ou por uma fonte de energia interna (baterias)

Leia mais

Limpeza e Esterilização: normatizações aplicáveis à RDC 15 André Cabral

Limpeza e Esterilização: normatizações aplicáveis à RDC 15 André Cabral André Cabral Divisão de Prevenção de Infecção 3M do Brasil Prezados Colegas, O processamento de produtos para saúde é uma atividade que requer conhecimento e embasamento científico necessitando atualização

Leia mais

Dispositivos Médicos: Requisitos para a esterilização por óxido de etileno

Dispositivos Médicos: Requisitos para a esterilização por óxido de etileno Dispositivos Médicos: Requisitos para a esterilização por óxido de etileno A eficácia do processo de esterilização de um dispositivo médico é avaliada com base numa série de experiências e protocolos que

Leia mais

A SEGURANÇA DA ASSISTÊNCIA DO PACIENTE CIRÚRGICO: FLUXO DE OPME NORMAS E CONDUTAS

A SEGURANÇA DA ASSISTÊNCIA DO PACIENTE CIRÚRGICO: FLUXO DE OPME NORMAS E CONDUTAS 10º Congresso Brasileiro de Enfermagem en Centro Cirúrgico, Recuperação Anestésica e Centro de Material e ESterilização- 2011 A SEGURANÇA DA ASSISTÊNCIA DO PACIENTE CIRÚRGICO: FLUXO DE OPME NORMAS E CONDUTAS

Leia mais

GETINGE FD1800 LAVADORAS DESINFECTORA

GETINGE FD1800 LAVADORAS DESINFECTORA GETINGE FD1800 LAVADORAS DESINFECTORA 2 Getinge FD1800 Getinge FD1800 3 COMPROVADAS NA LUTA CONTRA A INFECÇÃO CRUZADA O excelente desempenho de lavagem e desinfecção da Getinge FD1800 garantiu-lhe o respeito

Leia mais

TOTVS Gestão Hospitalar Manual Ilustrado Central de Material Esterilizado. 11.8x. março de 2015 Versão: 3.0

TOTVS Gestão Hospitalar Manual Ilustrado Central de Material Esterilizado. 11.8x. março de 2015 Versão: 3.0 TOTVS Gestão Hospitalar Manual Ilustrado Central de Material Esterilizado 11.8x março de 2015 Versão: 3.0 1 Sumário 1 Objetivos... 4 2 Introdução... 4 3 Cadastros... 5 3.1 Cadastros de Unidades de CME...

Leia mais

CENTRAL DE MATERIAL ESTERILIZADO

CENTRAL DE MATERIAL ESTERILIZADO CENTRAL DE MATERIAL ESTERILIZADO Clique para editar o estilo do subtítulo mestre Sala de Preparo e Esterilização Equipe: Carla, Marcela e Maria Cristina 6º Período de Enfermagem UNIS Sala de preparo A

Leia mais

Procedimentos e técnicas de esterilização de instrumentos cirúrgicos Por Gerson Roberto Luqueta

Procedimentos e técnicas de esterilização de instrumentos cirúrgicos Por Gerson Roberto Luqueta Procedimentos e técnicas de esterilização de instrumentos cirúrgicos Por Gerson Roberto Luqueta Introdução Nos últimos tempos a esterilização de instrumentos cirúrgicos tem sido alvo de discussão em vários

Leia mais

LEGISLAÇÃO EM CENTRAL DE MATERIAL E ESTERILIZAÇÃO. Enfermeira Ana Miranda Hospital Santa Isabel/Santa Casa SP

LEGISLAÇÃO EM CENTRAL DE MATERIAL E ESTERILIZAÇÃO. Enfermeira Ana Miranda Hospital Santa Isabel/Santa Casa SP LEGISLAÇÃO EM CENTRAL DE MATERIAL E ESTERILIZAÇÃO Enfermeira Ana Miranda Hospital Santa Isabel/Santa Casa SP LEGISLAÇÃO EM CME - ATUAL RDC n. 156 de 11 de agosto de 2006 Dispõe sobre registro,rotulagem

Leia mais

É O MOMENTO DE INTRODUZIR A RASTREABILIDADE DE INSTRUMENTAIS?

É O MOMENTO DE INTRODUZIR A RASTREABILIDADE DE INSTRUMENTAIS? É O MOMENTO DE INTRODUZIR A RASTREABILIDADE DE INSTRUMENTAIS? Os centros cirúrgicos provavelmente envolvem tanto dinheiro no seu armazenamento de materiais quanto em suprimento cirúrgicos, de US$ 1 milhão

Leia mais

CRISTÓFOLI S I S T E M A D E R E G I S T R O P A R A A U T O C L A V E S A V A P O R

CRISTÓFOLI S I S T E M A D E R E G I S T R O P A R A A U T O C L A V E S A V A P O R CRISTÓFOLI SISTEMA DE REGISTRO PARA AUTOCLAVES A VAPOR Este Sistema de Registro para autoclaves a vapor foi elaborado para trabalhar em conjunto com os Emuladores- Integradores de Controle TST Browne (código

Leia mais

Manual de Instruções

Manual de Instruções Manual de Instruções Kit de Instrumental para Cirurgia do Túnel do Carpo VOLMED Nome Técnico: KIT CIRÚRGICO Fabricante: VOLMED BRASIL EQUIPAMENTOS LTDA -ME AV. SÃO GABRIEL, 291 JD. PAULISTA CEP: 13574-540

Leia mais

Como fazer a escolha correta do detergente enzimático e quais os cuidados para o uso

Como fazer a escolha correta do detergente enzimático e quais os cuidados para o uso Como fazer a escolha correta do detergente enzimático e quais os cuidados para o uso Enfa. Dra. ROSA AIRES BORBA MESIANO Coordenadora de Controle e Monitoramento de saneantes Gerência Geral de Saneantes

Leia mais

Reprocessamento de artigos médicos-hospitalares: fatores críticos de sucesso para a limpeza e desinfecção

Reprocessamento de artigos médicos-hospitalares: fatores críticos de sucesso para a limpeza e desinfecção Reprocessamento de artigos médicos-hospitalares: fatores críticos de sucesso para a limpeza e desinfecção 45 45 1 A legislação Brasileira (mais recentes) RDC 156 de 2006 RE-2605 de 2006 RE-2606 de 2006

Leia mais

MSYS - Cópia de segurança

MSYS - Cópia de segurança O Sistema MSYS integra os controles financeiros e de custos de sua empresa, além de controles adicionais e os cadastros de clientes e fornecedores. Assim, muitas informações extremamente importantes são

Leia mais

GETINGE 88 TURBO LIMPEZA E DESINFECÇÃO SUPERIORES NA METADE DO TEMPO

GETINGE 88 TURBO LIMPEZA E DESINFECÇÃO SUPERIORES NA METADE DO TEMPO GETINGE 88 TURBO LIMPEZA E DESINFECÇÃO SUPERIORES NA METADE DO TEMPO 2 Getinge 88 Turbo MENOR TEMPO DE PREPARAÇÃO - MAIOR TAXA DE PROCESSAMENTO Há uma razão simples pela qual a Getinge é líder mundial

Leia mais

NASOFIBROSCÓPIOS: COMO REPROCESSÁ-LOS? BUSCANDO EVIDÊNCIAS PARA A MELHOR PRÁTICA

NASOFIBROSCÓPIOS: COMO REPROCESSÁ-LOS? BUSCANDO EVIDÊNCIAS PARA A MELHOR PRÁTICA NASOFIBROSCÓPIOS: COMO REPROCESSÁ-LOS? BUSCANDO EVIDÊNCIAS PARA A MELHOR PRÁTICA Serviço de Controle de Infecção Hospitalar do Hospital Israelita Albert Einstein A Associação Brasileira de Otorrinolaringologia

Leia mais

ano, mapear a abordagem dos hospitais e operadoras com relação aos

ano, mapear a abordagem dos hospitais e operadoras com relação aos Business Club Healthcare, a TM Jobs e a Integrare 360 - Marketing de Conteúdo deram início a uma série de estudos de mercado para, ao longo do ano, mapear a abordagem dos hospitais e operadoras com relação

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO - POP. ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO Enfª Assione Vergani - VISA

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO - POP. ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO Enfª Assione Vergani - VISA PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO - POP ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO Enfª Assione Vergani - VISA CONCEITO É o documento que expressa o planejamento do trabalho repetitivo que deve ser executado para o alcance

Leia mais

Guia do Usuário. Introdução

Guia do Usuário. Introdução Guia do Usuário Introdução Nosso objetivo ao criar o Auditorbook foi valorizar o tempo de profissionais que realizam auditorias, verificações ou inspeções. Com este aplicativo desenvolvido pela VL Corrêa

Leia mais

- Projeto de atualização da Norma Brasileira NBR 11.817:2003 Esterilização Esterilizadores sem vácuo, para produtos para saúde.

- Projeto de atualização da Norma Brasileira NBR 11.817:2003 Esterilização Esterilizadores sem vácuo, para produtos para saúde. ABNT (ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS) CB-26 - PRODUTOS MEDICO ODONTO HOSPITALARES CE-26:090.01 - COMISSÃO DE ESTUDOS DE ESTERILIZAÇÃO DE PRODUTOS PARA SAÚDE ISO TC-198 STERILIZATION OF HEALTH

Leia mais

ATIVIDADES DE ENFERMAGEM NO CENTRO DE MATERIAL E ESTERILIZAÇÃO: SUBSÍDIOS PARA O DIMENSIONAMENTO DE PESSOAL

ATIVIDADES DE ENFERMAGEM NO CENTRO DE MATERIAL E ESTERILIZAÇÃO: SUBSÍDIOS PARA O DIMENSIONAMENTO DE PESSOAL ATIVIDADES DE ENFERMAGEM NO CENTRO DE MATERIAL E ESTERILIZAÇÃO: SUBSÍDIOS PARA O DIMENSIONAMENTO DE PESSOAL Janaína Anchieta Costa Enfermeira Mestre em Enfermagem na área de Administração em Serviços de

Leia mais

Encontro AECIHERJ Central de Material e Esterilização. Gláucya Dau Enfermeira

Encontro AECIHERJ Central de Material e Esterilização. Gláucya Dau Enfermeira Encontro AECIHERJ Central de Material e Esterilização Gláucya Dau Enfermeira Objetivo: Revisar e reforçar por meio de evidências da literatura conceitos sobre esterilização e RDCs Quebrando a cadeia de

Leia mais

2 MODELOS DA LÂMINA SAGITTAL PLUS 2.1 LSP20 2.1 LSP30 2.1 LSP25 2.1 LSP35 1 FINALIDADE

2 MODELOS DA LÂMINA SAGITTAL PLUS 2.1 LSP20 2.1 LSP30 2.1 LSP25 2.1 LSP35 1 FINALIDADE LÂMINA SAGITTAL PLUS 8 8 8 8 1 FINALIDADE 2 MODELOS DA LÂMINA SAGITTAL PLUS A Lâmina Sagittal Plus é uma ferramenta que em conjunto com a Serra Sagittal Plus¹ é destinada às seguintes aplicações: Osteotomia

Leia mais

Diretrizes Standards Nacionais para Educação em Auto-Gerenciamento do Diabetes

Diretrizes Standards Nacionais para Educação em Auto-Gerenciamento do Diabetes Diretrizes Standards Nacionais para Educação em Auto-Gerenciamento do Diabetes Diabetes Care January 2010 33:S89-S96; doi:10.2337/ dc10-s089 A Educação em Auto-Gerenciamento do Diabetes - DSME (Diabetes

Leia mais

GETINGE FD1600 LAVADORA DE DESCARGA COM ABERTURA FRONTAL

GETINGE FD1600 LAVADORA DE DESCARGA COM ABERTURA FRONTAL GETINGE FD1600 LAVADORA DE DESCARGA COM ABERTURA FRONTAL 2 Getinge FD1600 Getinge FD1600 3 COMBATENDO A INFECÇÃO CRUZADA DE MANEIRA SIMPLES E EFETIVA Com seu projeto moderno e atraente, operação fácil

Leia mais

IECEx DOCUMENTO OPERACIONAL

IECEx DOCUMENTO OPERACIONAL IECEx OD 314-5 Edição 1.0 2013-07 IECEx DOCUMENTO OPERACIONAL Sistema de Certificação da IEC em relação às normas sobre atmosferas explosivas (Sistema IECEx) IEC System for Certification to Standards relating

Leia mais

CONCEITOS E ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA IDENTIFICAÇÃO DA NECESSIDADE DA QUALIFICAÇÃO

CONCEITOS E ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA IDENTIFICAÇÃO DA NECESSIDADE DA QUALIFICAÇÃO Instituto de Qualidade e Metrologia Ltda Rio de Janeiro - RJ QUALIFICAÇÃO DE EQUIPAMENTOS AUTOCLAVES E ESTUFAS CONCEITOS E ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA IDENTIFICAÇÃO DA NECESSIDADE DA QUALIFICAÇÃO Instituto

Leia mais

FR 19 CHECK-LIST PARA AVALIAÇÃO DOS REQUISITOS TÉCNICOS DA NBR ISO/IEC 17025. Laboratório(s) avaliado(s): Nº

FR 19 CHECK-LIST PARA AVALIAÇÃO DOS REQUISITOS TÉCNICOS DA NBR ISO/IEC 17025. Laboratório(s) avaliado(s): Nº FR 19 CHECK-LIST PARA AVALIAÇÃO DOS REQUISITOS TÉCNICOS DA NBR ISO/IEC 17025 FORMULÁRIO REVISÃO: 04 NOV/2008 Laboratório(s) avaliado(s): Nº Período de Avaliação: Data inicial da avaliação: / / Data término

Leia mais

t-doc 1000 SDM rastreabilidade total Always with you

t-doc 1000 SDM rastreabilidade total Always with you t-doc 1000 SDM rastreabilidade total Domine sua produção ESTÉRIL Always with you 2 T-DOC 1000 SDM OBTENHA CONTROLE TOTAL ALCANCE NOVOS NÍVEIS DE EFICIÊNCIA EM SEU DEPARTAMENTO DE ESTERILIZAÇÃO Fluxos de

Leia mais

Luiz Carlos da Fonseca e Silva

Luiz Carlos da Fonseca e Silva Legislação Centro de Material e Esterilização Consulta Pública 64/2011 Luiz Carlos da Fonseca e Silva Racional Teórico Segurança do Paciente; Segurança Ocupacional; Espaço Técnico de Trabalho; Equipamentos

Leia mais

AUTOCLAVES A VAPOR. Imagens meramente ilustrativas CRISTÓFOLI, A MARCA DA PROTEÇÃO.

AUTOCLAVES A VAPOR. Imagens meramente ilustrativas CRISTÓFOLI, A MARCA DA PROTEÇÃO. P A R A AUTOCLAVES A VAPOR Imagens meramente ilustrativas CRISTÓFOLI, A MARCA DA PROTEÇÃO. W W W. C R I S T O F O L I. C O M #dicascristofoli BEBA MAIS LÍQUIDOS PEQUENAS AÇÕES PARA UMA VIDA MELHOR A Cristófoli,

Leia mais

IECEx DOCUMENTO OPERACIONAL

IECEx DOCUMENTO OPERACIONAL IECEx OD 314-3 Edição 1.0 2013-07 IECEx DOCUMENTO OPERACIONAL Sistema de Certificação da IEC em relação às normas sobre atmosferas explosivas (Sistema IECEx) IEC System for Certification to Standards relating

Leia mais

SISTEMA DE CAMERAS DE VIDEO DIGITAL DYONICS (FAMÍLIA DE PRODUTOS)

SISTEMA DE CAMERAS DE VIDEO DIGITAL DYONICS (FAMÍLIA DE PRODUTOS) SISTEMA DE CAMERAS DE VIDEO DIGITAL DYONICS (FAMÍLIA DE PRODUTOS) Camera Head 470 3-CCD Smith & Nephew Esterilizável em autoclave/exploração Progressiva Nome Técnico : Câmera de Vídeo para Cirurgia Código:

Leia mais

CURSO DE PROCESSAMENTO DE MATERIAIS MÉDICO-HOSPITALARES EDUCAÇÃO CONTINUADA MÓDULO II E ODONTOLÓGICOS

CURSO DE PROCESSAMENTO DE MATERIAIS MÉDICO-HOSPITALARES EDUCAÇÃO CONTINUADA MÓDULO II E ODONTOLÓGICOS CURSO DE PROCESSAMENTO DE MATERIAIS MÉDICO-HOSPITALARES E ODONTOLÓGICOS EDUCAÇÃO CONTINUADA MÓDULO II Autoclave Vapor saturado sob pressão Denise Demarzo Curitiba, 17 de novembro de 2010-2010 CME Uso Esterilização,

Leia mais

GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE

GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE Fonte: http://www.testexpert.com.br/?q=node/669 1 GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE Segundo a NBR ISO 9000:2005, qualidade é o grau no qual um conjunto de características

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo IV Integração

Gerenciamento de Projetos Modulo IV Integração Gerenciamento de Projetos Modulo IV Integração Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com Bibliografia* Project Management Institute. Conjunto de Conhecimentos em Gerenciamento

Leia mais

Lição 1 - Criação de campos calculados em consultas

Lição 1 - Criação de campos calculados em consultas 1 de 5 21-08-2011 22:15 Lição 1 - Criação de campos calculados em consultas Adição de Colunas com Valores Calculados: Vamos, inicialmente, relembrar, rapidamente alguns conceitos básicos sobre Consultas

Leia mais

Centro de Habilitação da Limpeza

Centro de Habilitação da Limpeza Centro de Habilitação da Limpeza Evento de Lançamento 27/10/2015-18h00 2 Sobre o Programa O Centro de Habilitação da Limpeza é um programa com a missão de desenvolver e aplicar treinamentos de capacitação

Leia mais

AUTOCLAVE: ASPECTOS DE ESTRUTURA, FUNCIONAMENTO E VALIDAÇÃO RESUMO. 2 qualificação de instalação da autoclave. Palavras-chave:

AUTOCLAVE: ASPECTOS DE ESTRUTURA, FUNCIONAMENTO E VALIDAÇÃO RESUMO. 2 qualificação de instalação da autoclave. Palavras-chave: breve comunicação ISSN 22381589 AUTOCLAVE: ASPECTOS DE ESTRUTURA, FUNCIONAMENTO E VALIDAÇÃO Carlos Righetti; Paulo Cesar Gomes Vieira Seção de Meios de Cultura do Instituto Butantan Autor para correspondência:

Leia mais

LIMPEZA E MANUSEAMENTO DE INSTRUMENTOS WRIGHT 130561-8. Estão incluídos na presente embalagem os idiomas seguintes:

LIMPEZA E MANUSEAMENTO DE INSTRUMENTOS WRIGHT 130561-8. Estão incluídos na presente embalagem os idiomas seguintes: PT LIMPEZA E MANUSEAMENTO DE INSTRUMENTOS WRIGHT 130561-8 Português (pt) Estão incluídos na presente embalagem os idiomas seguintes: Para obter idiomas adicionais, visite o nosso sítio da Web www.wmt.com

Leia mais

Sistema de Câmera 560 HD. Acopladores, Separadores de Feixe e Adaptadores de Vídeo

Sistema de Câmera 560 HD. Acopladores, Separadores de Feixe e Adaptadores de Vídeo Página 1 INSTRUÇÃO DE USO Sistema de Câmera 560 HD Acopladores, Separadores de Feixe e Adaptadores de Vídeo INTRODUÇÃO Antes de utilizar os Acopladores, Separadores de Feixe e Adaptadores de Vídeo do Sistema

Leia mais

Centro de material e esterilização e a RDC ANVISA nº15 Análise e pontos críticos. Rafael Queiroz de Souza

Centro de material e esterilização e a RDC ANVISA nº15 Análise e pontos críticos. Rafael Queiroz de Souza Centro de material e esterilização e a RDC ANVISA nº15 Análise e pontos críticos Rafael Queiroz de Souza São Paulo 2014 Aspectos críticos Críticos no bom sentido... Gestão de ambientes Gestão de pessoas

Leia mais

Indicadores de Qualidade no CME Quality indicators in the CME Indicadores de la calidad em CME

Indicadores de Qualidade no CME Quality indicators in the CME Indicadores de la calidad em CME Indicadores Qualida no CME Quality indicators in the CME Indicadores la calidad em CME Silma Pinheiro Belo Horizonte, MG Brasil silma@uol.com.br Objetivo: discutir princípios da qualida aplicados ao CME

Leia mais

PROJETO INOVAR OTIMIZAÇÃO DE RECURSO PARA LIMPEZA E DESINFECÇÃO DE SUPERFÍCIES

PROJETO INOVAR OTIMIZAÇÃO DE RECURSO PARA LIMPEZA E DESINFECÇÃO DE SUPERFÍCIES PROJETO INOVAR OTIMIZAÇÃO DE RECURSO PARA LIMPEZA E DESINFECÇÃO DE SUPERFÍCIES Belo Horizonte Setembro, 2013 PROJETO INOVAR OTIMIZAÇÃO DE RECURSOS PARA LIMPEZA E DESINFECÇÃO DE SUPERFÍCIES Relatório técnico-científico

Leia mais

Estudo. Hospitais Emergência (1984)

Estudo. Hospitais Emergência (1984) 1. Introdução A partir da segunda metade do século XX é possível constatarmos um acentuado desenvolvimento tecnológico na área médica, sobretudo no que diz respeito ao diagnóstico e à terapia. Além disso,

Leia mais

11º Congresso Mundial de Esterilização. 7º Simpósio Internacional de Esterilização e Controle de Infecção Hospitalar

11º Congresso Mundial de Esterilização. 7º Simpósio Internacional de Esterilização e Controle de Infecção Hospitalar 11º Congresso Mundial de Esterilização 7º Simpósio Internacional de Esterilização e Controle de Infecção Hospitalar Ana Miranda Enfermeira do Apoio Administrativo São Paulo, 30 de julho de 2010 - Brasil

Leia mais

Enfª Karin Bienemann

Enfª Karin Bienemann Enfª Karin Bienemann CONCEITOS BÁSICOS: CME É uma unidade voltada à prestação de serviços, onde é realizado o trabalho de limpeza, montagem, embalagem, esterilização e armazenamento de materiais. LIMPEZA

Leia mais

ASSÉPTICAS E CONTIDAS. www.thechargepoint.com. Manuseio de ingredientes e componentes sensíveis em processos assépticos

ASSÉPTICAS E CONTIDAS. www.thechargepoint.com. Manuseio de ingredientes e componentes sensíveis em processos assépticos ASSÉPTICAS E CONTIDAS Manuseio de ingredientes e componentes sensíveis em processos assépticos Processo de esterilização simples Alto desempenho na contenção de produtos de risco www.thechargepoint.com

Leia mais

Como monitorar seu processo de esterilização. com segurança e qualidade. Nome do autor

Como monitorar seu processo de esterilização. com segurança e qualidade. Nome do autor Como monitorar seu processo de esterilização Nome do autor com segurança e qualidade Richard Bancroft Engenheiro Albert Browne (Inglaterra) Gessilene Barbosa Enfermeira Mack Medical (Brasil) Agenda Mapeamento

Leia mais

ANEXO ROTEIRO DE INSPEÇÃO DO PROGRAMA DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR

ANEXO ROTEIRO DE INSPEÇÃO DO PROGRAMA DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 1 OBJETIVO: ANEXO ROTEIRO DE INSPEÇÃO DO PROGRAMA DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR Este Roteiro estabelece a sistemática para a avaliação do cumprimento das ações do Programa de Controle de Infecção

Leia mais

PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE EQUIPAMENTOS MÉDICOS: NOÇÕES DE BOAS PRÁTICAS DE GERENCIAMENTO DE EQUIPAMENTOS E ACREDITAÇÃO HOSPITALAR

PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE EQUIPAMENTOS MÉDICOS: NOÇÕES DE BOAS PRÁTICAS DE GERENCIAMENTO DE EQUIPAMENTOS E ACREDITAÇÃO HOSPITALAR ESCOLA DE SAÚDE PÚBLICA DO CEARÁ CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA CLÍNICA EDUARDO FROTA OLIVEIRA PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE EQUIPAMENTOS MÉDICOS: NOÇÕES DE BOAS PRÁTICAS DE GERENCIAMENTO DE EQUIPAMENTOS

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Boas Práticas de Fabricação de Saneantes e Produtos de Higiene Pessoal, Cosméticos e Perfumes Coordenação de Insumos Farmacêuticos, Saneantes e Cosméticos Gerência

Leia mais

Práticas recomendadas para limpeza e esterilização de instrumentos cirúrgicos intraoculares

Práticas recomendadas para limpeza e esterilização de instrumentos cirúrgicos intraoculares Práticas recomendadas para limpeza e esterilização de instrumentos cirúrgicos intraoculares Sociedade Americana de Catarata e Cirurgia Refrativa e Sociedade Americana de Enfermagem em Oftalmologia. Síndrome

Leia mais

SISTEMA DE CAMERAS DE VIDEO DIGITAL DYONICS (FAMÍLIA DE PRODUTOS)

SISTEMA DE CAMERAS DE VIDEO DIGITAL DYONICS (FAMÍLIA DE PRODUTOS) SISTEMA DE CAMERAS DE VIDEO DIGITAL DYONICS (FAMÍLIA DE PRODUTOS) Camera Head 450 3-CCD Smith & Nephew Esterilizável em autoclave Nome Técnico : Câmera de Vídeo para Cirurgia Código: 1551650 MANUAL DO

Leia mais

Tecnologia RFID Usos em Ortopédicos. Bárbara Lyons Diretora de Marketing Global da Precimed

Tecnologia RFID Usos em Ortopédicos. Bárbara Lyons Diretora de Marketing Global da Precimed Tecnologia RFID Usos em Ortopédicos Bárbara Lyons Diretora de Marketing Global da Precimed Imagine-se como um paciente enfrentando uma cirurgia. Você pode pensar, Qual foi a última vez que estes instrumentos

Leia mais

Nome da Empresa. Plano de Desenvolvimento de Software. Versão <1.0>

Nome da Empresa. <Nome do Projeto> Plano de Desenvolvimento de Software. Versão <1.0> Nome da Empresa Plano de Desenvolvimento de Software Versão Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 2/7 Índice Analítico 1. Objetivo

Leia mais

PASSO 3: Esterilização de produtos novos Antes de serem utilizados em cirurgias, os produtos novos devem ser limpos de forma descrita no Passo 1.

PASSO 3: Esterilização de produtos novos Antes de serem utilizados em cirurgias, os produtos novos devem ser limpos de forma descrita no Passo 1. Instrução de Uso KIT INSTRUMENTAL PARA FIXADOR EXTERNO PROCALLUS Indicação de Uso e Finalidade O Kit Instrumental para Fixador Externo Procallus tem por finalidade fornecer ao cirurgião os instrumentos

Leia mais

Assunto: Reprocessamento de Instrumentos Cirúrgicos reutilizáveis cedidos ao SNS em regime de empréstimo

Assunto: Reprocessamento de Instrumentos Cirúrgicos reutilizáveis cedidos ao SNS em regime de empréstimo INFARMED Circular Informativa N.º 170/CD Data: 14/10/2008 Assunto: Reprocessamento de Instrumentos Cirúrgicos reutilizáveis cedidos ao SNS em regime de empréstimo Para: Direcção Geral de Saúde, Instituto

Leia mais

Guia de Atualização do Windows XP para Windows 7

Guia de Atualização do Windows XP para Windows 7 Guia de Atualização do Windows XP para Windows 7 Conteúdo Etapa 1: Saiba se o computador está pronto para o Windows 7... 3 Baixar e instalar o Windows 7 Upgrade Advisor... 3 Abra e execute o Windows 7

Leia mais

Maria Edutania Skroski Castro

Maria Edutania Skroski Castro 2 Encontro Científico de Central de Material e Esterilização ATUALIZANDO-SE HUMAN SP GERENCIAMENTO DE RISCO OCUPACIONAL NA CME Maria Edutania Skroski Castro RISCO Possibilidade de perigo, incerto mas previsível,

Leia mais

MANUAL PARA USO DO SISTEMA GCO Gerenciador Clínico Odontológico

MANUAL PARA USO DO SISTEMA GCO Gerenciador Clínico Odontológico MANUAL PARA USO DO SISTEMA GCO Gerenciador Clínico Odontológico O GCO é um sistema de controle de clínicas odontológicas, onde dentistas terão acesso a agendas, fichas de pacientes, controle de estoque,

Leia mais

AEMS- FACULDADES INTEGRADAS DE TRÊS LAGOAS MS

AEMS- FACULDADES INTEGRADAS DE TRÊS LAGOAS MS AEMS- FACULDADES INTEGRADAS DE TRÊS LAGOAS MS ASSEPSIA E CONTROLE DE INFECÇÃO Prof. MARCELO ALESSANDRO RIGOTTI LICENCIADO EM ENFERMAGEM e ESPECIALISTA EM CONTROLE DE INFEÇÃO Mestrando pela Escola de Enfermagem

Leia mais

GETINGE 88 TURBO LIMPEZA E DESINFECÇÃO SUPERIORES NA METADE DO TEMPO

GETINGE 88 TURBO LIMPEZA E DESINFECÇÃO SUPERIORES NA METADE DO TEMPO GETINGE 88 TURBO LIMPEZA E DESINFECÇÃO SUPERIORES NA METADE DO TEMPO 2 Getinge 88 Turbo MENOR TEMPO DE PREPARAÇÃO MAIOR TAXA DE PROCESSAMENTO Há uma razão simples pela qual a Getinge é líder mundial em

Leia mais

inux Sistemas Ltda. MANUAL DO USUÁRIO www.inux.com.br

inux Sistemas Ltda. MANUAL DO USUÁRIO www.inux.com.br 2013 inux Sistemas Ltda. s MANUAL DO USUÁRIO www.inux.com.br Sumário 1 Introdução... 2 2 Visão Geral do Sistema... 2 3 Tela de Configuração... 3 4 Tela de Mensagens... 5 5 Tela de Importação... 8 6 Tela

Leia mais

8º SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE ESTERILIZAÇÃO E CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR

8º SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE ESTERILIZAÇÃO E CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 8º SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE ESTERILIZAÇÃO E CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR ESTRATÉGIAS E BOAS PRÁTICAS EM SAÚDE FOCADAS NA SUSTENTABILIDADE Principais Leis, Resoluções, Recomendações e Normas Técnicas

Leia mais

ESET NOD32 ANTIVIRUS 6

ESET NOD32 ANTIVIRUS 6 ESET NOD32 ANTIVIRUS 6 Microsoft Windows 8 / 7 / Vista / XP / Home Server Guia de Inicialização Rápida Clique aqui para fazer download da versão mais recente deste documento O ESET NOD32 Antivirus fornece

Leia mais

HELP DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA ONLINE DOCTOR/SBOT PARA SECRETÁRIAS

HELP DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA ONLINE DOCTOR/SBOT PARA SECRETÁRIAS HELP DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA ONLINE DOCTOR/SBOT PARA SECRETÁRIAS 1 - A TELA AGENDA 1.1 - TIPOS DE AGENDA 1.1.1 AGENDA NORMAL 1.1.2 AGENDA ENCAIXE 2 - AGENDANDO CONSULTAS 2.1 - AGENDANDO UMA CONSULTA NA

Leia mais

Tradução livre Uso Exclusivo em Treinamento

Tradução livre Uso Exclusivo em Treinamento NBR ISO 13485 2004 para treinamento - Rev 0 Web Site: www.simplessolucoes.com.br Norma NBR ISO 13485:2004 Tradução livre Uso Exclusivo em Treinamento SUMÁRIO Folha Prefácio 2 Introdução 2 0.1 Geral 2 0.2

Leia mais

Como utilizar o ScadaBR para monitorar os sensores da linha Comet.

Como utilizar o ScadaBR para monitorar os sensores da linha Comet. Como utilizar o ScadaBR para monitorar os sensores da linha Comet. Para acessar os dados dos monitores de temperatura da linha Comet utilizando a solução open source ScadaBR, basta seguir a rotina abaixo.

Leia mais

Pesquisa Avançada, Tutorial de Estilo Orientado

Pesquisa Avançada, Tutorial de Estilo Orientado Pesquisa Avançada, Tutorial de Estilo Orientado Bem-vindo ao Tutorial de estilo orientado sobre Pesquisa avançada da EBSCO Publishing, em que você aprenderá os principais recursos da tela Pesquisa avançada,

Leia mais

REDUZA O DESPERDÍCIO E FIQUE LEAN!

REDUZA O DESPERDÍCIO E FIQUE LEAN! Lean Manufacturing & Maintenance REDUZA O DESPERDÍCIO E FIQUE LEAN! As Indústrias são muitas vezes surpreendidas ao saberem que apenas uma pequena fração de suas atividades realmente agregam valor para

Leia mais

Política de segurança de rede: White Paper de práticas recomendadas

Política de segurança de rede: White Paper de práticas recomendadas Política de segurança de : White Paper de práticas recomendadas Índice Introdução Preparação Criar declarações de política de uso Realizar uma análise de risco Estabelecer uma Estrutura de Equipe de Segurança

Leia mais

ROTEIRO DE INSPEÇÃO EM BANCO DE TECIDOS OCULARES BTOC INFORMAÇÕES GERAIS

ROTEIRO DE INSPEÇÃO EM BANCO DE TECIDOS OCULARES BTOC INFORMAÇÕES GERAIS Instruções de preenchimento - Somente itens cumpridos integralmente pelo serviço devem ser considerados SIM ; - Nos casos em que o serviço realize apenas parte do disposto no item avaliado, este deve ser

Leia mais

Uso de redes de sensores sem fio no apoio ao controle do reprocessamento de artigos médico-hospitalares.

Uso de redes de sensores sem fio no apoio ao controle do reprocessamento de artigos médico-hospitalares. Uso de redes de sensores sem fio no apoio ao controle do reprocessamento de artigos médico-hospitalares. GERSON ROBERTO LUQUETA Centro Estadual de Educação Tecnológica Paula Souza, Faculdade de Tecnologia

Leia mais

Incubadora MANUAL DE OPERAÇÕES

Incubadora MANUAL DE OPERAÇÕES Incubadora MANUAL DE OPERAÇÕES Introdução A incubadora Valisafe é designada para uso a 37 C (gás) ou 57 C (vapor) com a finalidade de incubação de indicadores biológicos. Os indicadores biológicos para

Leia mais

IECEx DOCUMENTO OPERACIONAL

IECEx DOCUMENTO OPERACIONAL IECEx OD 502 Edição 2.0 2013-04 IECEx DOCUMENTO OPERACIONAL Sistema de Certificação da IEC em relação às normas sobre atmosferas explosivas (Sistema IECEx) IEC System for Certification to Standards relating

Leia mais

HOUSEKEEPING A PARTIR DO 5S. Introdução. Para que serve?

HOUSEKEEPING A PARTIR DO 5S. Introdução. Para que serve? HOUSEKEEPING A PARTIR DO 5S Introdução Basicamente consiste na determinação de organizar o local de trabalho, mantêlo arrumado e em ordem, limpo, mantendo as condições padronizadas e a disciplina necessárias

Leia mais

VALIDAÇÃO DE PROCESSO DE ESTERILIZAÇÃO

VALIDAÇÃO DE PROCESSO DE ESTERILIZAÇÃO VALIDAÇÃO DE PROCESSO DE ESTERILIZAÇÃO A VAPOR ÚMIDO Profª. Drª.Thereza Christina Vessoni Penna Professora Titular do Departamento de Tecnologia Bioquímico Farmacêutica Faculdade de Ciências Farmacêuticas

Leia mais

Modelos de Qualidade de Produto de Software

Modelos de Qualidade de Produto de Software CBCC Bacharelado em Ciência da Computação CBSI Bacharelado em Sistemas de Informação Modelos de Qualidade de Produto de Software Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo

Leia mais

Política de Privacidade da Golden Táxi Transportes Executivo. Sua Privacidade Na Golden Táxi Transportes Executivo. acredita que, como nosso

Política de Privacidade da Golden Táxi Transportes Executivo. Sua Privacidade Na Golden Táxi Transportes Executivo. acredita que, como nosso Política de Privacidade da Golden Táxi Transportes Executivo. Sua Privacidade Na Golden Táxi Transportes Executivo. acredita que, como nosso visitante on-line, você tem o direito de saber as práticas que

Leia mais

ESET SMART SECURITY 7

ESET SMART SECURITY 7 ESET SMART SECURITY 7 Microsoft Windows 8.1 / 8 / 7 / Vista / XP / Home Server 2003 / Home Server 2011 Guia de Inicialização Rápida Clique aqui para fazer download da versão mais recente deste documento

Leia mais

ÍNDICE CONHECENDO A MÁQUINA...1 TRABALHANDO COM A PREMIUM...3 CUIDADOS GERAIS...5 CERTIFICADO DE GARANTIA...6

ÍNDICE CONHECENDO A MÁQUINA...1 TRABALHANDO COM A PREMIUM...3 CUIDADOS GERAIS...5 CERTIFICADO DE GARANTIA...6 ÍNDICE CONHECENDO A MÁQUINA...1 TRABALHANDO COM A PREMIUM...3 CUIDADOS GERAIS...5 CERTIFICADO DE GARANTIA...6 CONHECENDO A MÁQUINA 1 PAINEL DE COMANDO 4 2 5 2 ESTEIRA 3 EMPILHADEIRA 4 SINALEIRO 1 6 5 BOTÃO

Leia mais

Manual de Procedimentos Norma n.º 5 - Esterilização Procedimento n.º 1 Pré Lavagem dos Dispositivos Médicos Contaminados

Manual de Procedimentos Norma n.º 5 - Esterilização Procedimento n.º 1 Pré Lavagem dos Dispositivos Médicos Contaminados 2014 1.Enquadramento: A limpeza dos dispositivos médicos contaminados (DMC) é, de acordo com a Norma n.º 2 Descontaminação de Dispositivos Médicos e Equipamentos 1, o processo que inclui a lavagem, o enxaguamento

Leia mais

Curso: Desenvolvendo Jogos 2d Com C# E Microsoft XNA. Instalar corretamente as ferramentas necessárias para a criação dos jogos

Curso: Desenvolvendo Jogos 2d Com C# E Microsoft XNA. Instalar corretamente as ferramentas necessárias para a criação dos jogos META Curso: Desenvolvendo Jogos 2d Com C# E Microsoft XNA Conteudista: André Luiz Brazil Aula 4: INSTALANDO O VISUAL C# E O XNA GAME STUDIO Instalar corretamente as ferramentas necessárias para a criação

Leia mais