UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DE RIBEIRÃO PRETO DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE Cleberson dos Santos Coimbra O CUSTEIO DA INEFICIÊNCIA PRODUTIVA COMO PARÂMETRO PARA INVESTIMENTOS NA LOGÍSTICA INDUSTRIAL SOB A ÓTICA DO GECON Ribeirão Preto 2005

2 CLEBERSON DOS SANTOS COIMBRA O CUSTEIO DA INEFICIÊNCIA PRODUTIVA COMO PARÂMETRO PARA INVESTIMENTOS NA LOGÍSTICA INDUSTRIAL SOB A ÓTICA DO GECON Monografia apresentada à Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo, como parte dos requisitos para a obtenção do grau de Bacharel em Ciências Contábeis. Orientador: Prof. Dr. Roberto Vatan dos Santos Ribeirão Preto 2005

3 Ficha catalográfica COIMBRA, Cleberson dos Santos O custeio da ineficiência produtiva como parâmetro para investimentos na logística industrial sob a ótica do GECON. Ribeirão Preto, p Monografia de conclusão de curso, apresentada à Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, campus de Ribeirão Preto / USP Departamento de Contabilidade. Orientador: Dr. Roberto Vatan dos Santos. Unitermos: Orçamento, custos, logística interna

4 A Deus pela dádiva da vida, aos pais pela educação e moral, aos professores pelo ensino, dedicação e conhecimento e aos profissionais que almejam a profissionalização das área pois somente através dela obteremos produtos melhores por menores custos, melhorando a qualidade de vida do homem.

5 Agradecimentos A minha mãe D. Maria que apesar de todas as dificuldades conseguiu me passar o que é ter garra e foco nos objetivos e que as dificuldades são apenas detalhes para que valorizemos nossas conquistas. Ao meu orientador Prof. Dr. Roberto Vatan dos Santos pelo incentivo da idéia inicial, ensinamentos, materiais, paciência e dedicação ao presente trabalho. Ao Prof. Mauro Santo Bernardo por ter implantado o cerne da dúvida sobre a área logística, e disponibilizado materiais e conhecimentos. Ao Prof. Dr. Sílvio Hiroshi Nakao por ter disponibilizado seus livros, materiais, ensinamentos e dedicação. Ao amigo e gerente de Logística Eduardo Petta pelos ensinamentos da engenharia e logística e o incentivo no desenvolvimento das análises e implantação dos projetos. Ao amigo e gerente de Produção Eugênio Brigo pelos ensinamentos, materiais e paciência nos seus ensinamentos. Ao amigo e profissional da Qualidade João Carlos de Souza pelos materiais e know how compartilhado. Ao amigo e profissional da Produção Rodrigo Massaroli pelos materiais e conceitos da engenharia. Aos amigos da FEARP-USP pelo companheirismo nos estudos e pesquisas, em especial a Felipe Pelissari que compartilhou comigo parte das horas dedicadas aos estudos que desencadearam o presente trabalho, e colaboraram para o aperfeiçoamento desta monografia. Ao departamento de Contabilidade da FEARP-USP e à FUNDACE por terem investido nas pequisas iniciais do presente trabalho e disponibilizado os recursos que permitiram o as investigações do presente estudo. Enfim, a todas as pessoas que acreditam que é possível buscar uma melhor qualidade de vida ao homem.

6 RESUMO COIMBRA, C. S. (2004). O custeio da ineficiência produtiva como parâmetro para investimentos na logística industrial sob a ótica do GECON. Ribeirão Preto, 2005, 120p. Monografia Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo. A falta de informações estratégicas gera incertezas que afligem o processo da tomada de decisões seguindo os objetivos da controladoria, principalmente aquelas relacionadas às operações e a logística. Este trabalho tem como objetivo a análise das características necessárias aos sistemas de informações e custeio para que estes possam prover informações estratégicas sobre o desempenho das atividades logísticas na produção no intuito de obter-se o melhor resultado econômico. O estudo é voltado para as operações estratégicas que são vitais para o cumprimento da meta estabelecida pela empresa focando a ineficiência nos setores produtivos. Não é proposta do mesmo chegar a um modelo de sistema de custeio, mas colaborar com dados relevantes para análises no intuito de otimizar o desempenho logístico, da produção, e desenvolver avaliações de investimento. Para atingir este objetivo faz-se a contextualização do problema analisando algumas das filosofias da administração da produção disponíveis e mais utilizadas pelas indústrias, os sistemas de informações disponíveis e as abordagens de custeio mais significativas, destacando-se os aspectos relevantes dos sistemas ligados às operações. Apesar da inadequação dos softwares disponíveis, o estudo de caso demonstra que a controladoria possui ferramentas que conseguem levantar os parâmetros para investimentos na logística, através dos orçamentos propostos no modelo GECON e os apontamentos de produção, e o feedback constante melhora a qualidade da informação. Palavras chave: Orçamento, Custo e Logística interna.

7 Abstract: The lack of strategical information in the companies generates uncertainties that afflict the process of the taking of decisions following the objectives of the accounting, mainly those related the operations. Although to be an old concept, still it has uncertainties compromising the process of the evolution and the improvement of the productive activities mainly those related the logistic one. This objective work the analysis of the necessary characteristics to the systems of information and defrays so that these can provide strategical information on the performance with the logistic activities in the production in intention to get best resulted the economic one. The study it is come back toward the strategical operations that are vital for the fulfilment of the goal established for the company: focusing the inefficiency of the logistic one in the productive sectors. The periodic accompaniment its evolution can be used as given important in the parameters for the investment in the reorganization of the logistic operations of the industry. It is not proposal of exactly arriving at a model of expenditure system but collaborating with excellent data for analyses in intention to optimize the logistic performance and evaluations of investment. To reach this objective it becomes study of the problem analyzing some of the systems of administration of the production available and the more significant boardings of expenditure being distinguished the excellent aspects of the on systems to the operations, and finally, the behavior of the activities in the sector is observed as case study. Words key: Budget, Cost and Logistic intern.

8 Lista de Tabelas Tabela Análise das variações orçamentárias Tabela Itens pertencentes aos relatórios de custos da qualidade Tabela 5.1 Orçamento mensal de MOD nível Tabela 5.2 Quantificação das variações Tabela 5.3 Participação das atividades restritivas Tabela 5.4 Apontamentos de parada de produção

9 Lista de Ilustrações Ilustração Possíveis atividades em uma cadeia de suprimentos Ilustração Indicadores necessários a um sistema GQT Ilustração Processo de planejamento Ilustração Módulos comuns em ERPs Ilustração Principais usuários das informações gerenciais Ilustração Fases do processo de gestão no modelo GECON Ilustração 5.1 Gráfico das demonstrações das variações Ilustração Comparativo de custos de aquisição de empilhadeiras Ilustração 5.3 Mapeamento da falta de materiais por origem Ilustração 5.4 Mapeamento de faltas por família de material

10 Lista de Abreviaturas ABC BACEN CD CRP ERP GQT IQP ISO JIT MPS MRP OMS PCP PLI PPB SIC SGQ Activity Based Costing Banco Central Centro de Distribuição Capacity Requirements Planning Enterprise Resource Planning Gestão da Qualidade Total Índice de Qualidade do Produto International Organization for Standardization Just in Time Planejamento Mestre de Produção Materials Requirement Planning Order Management System Planejamento e Controle da Produção Pedido de Liberação de Importação Processo Produtivo Básico Statistic Inventory Control Sistema de Gestão da Qualidade SISCOMEX Sistema Integrado de Comércio Exterior SUFRAMA Superintendência da Zona Franca de Manaus TI VPL WMS Tecnologia da Informação Valor Presente Líquido Warehouse Management System

11 10 SUMÁRIO 1 - INTRODUÇÃO LOGÍSTICA Logística Interna Terceirização da Logística Just in Time Lean Manufacturing Qualidade SISTEMAS DE INFORMAÇÕES MRP - Material Requirements Planning CRP - Capacity Requirements Planning ERP - Enterprise Resource Playning CONTROLADORIA A controladoria segundo o GECON Missão da empresa Planejamento Orçamento Controle Considerações sobre o GECON Custos Custos da produção Custos da qualidade Custos das ineficiências ESTUDO DE CASO CONCLUSÕES BIBLIOGRAFIA ANEXOS

12 INTRODUÇÃO Segundo Slack (2002, p. 79) [...] para as empresas que concorrem diretamente em preço, o custo será seu principal objetivo de produção. Os custos podem ser entendidos em vários conceitos e são essenciais para que se disponibilize quaisquer produtos ou serviço no mercado. Sob uma abordagem direta, estes podem ser entendidos como insumos necessários para a elaboração de um produto ou prestação de um serviço. Em busca do produto que traga melhor benefício em relação ao seu menor custo as empresas devem atender às expectativas do mercado, pois são elas que regem todas as filosofias de produção e logística. Apesar de um notório crescimento tecnológico da logística nos últimos anos a produção ainda está preparada com melhores informações estratégicas, pois a logística depende de variáveis mais complexas como a integração dos participantes da cadeia produtiva, condições físicas das estradas, ocorrências de falhas no transporte etc. Os custos da logística têm passado por diversas análises no intuito de se encontrar a melhor abordagem gerencial para sua gestão. Destas as mais expressivas estão relacionados ao custeio ABC e outros sistemas que respeitem as atividades, pois a logística se reflete na prestação de serviços; porém o seu maior problema é o custo indireto. Várias são as atividades que estão relacionadas à logística do produto; elas estendem-se desde a busca do melhor insumo ao custo mais acessível até a sua entrega ao consumidor final em ótimas condições. Na contabilidade tradicional estas

13 12 geram várias despesas, podendo-se classificá-las em vários agrupamentos como: movimentação, armazenagem, transporte, estoques, processamento de pedidos, embalagem, impostos, administrativos e quaisquer outros tipos de informação necessária para que estas atividades sejam desenvolvidas. Estes e outros custos logísticos freqüentemente estão divididos ao longo de diversas atividades sendo assim difícil de identificar e mensurar o custo total do serviço logístico prestado ao produto. O custo total do serviço logístico prestado pode ser entendido como todo sacrifício financeiro no esforço logístico empregado para a disponibilização do produto final para o cliente; estende-se desde a busca da matéria prima (logística de suprimento), o abastecimento das linhas produtivas e embalagem do produto final (logística de planta), e a entrega do produto acabado ao cliente final (logística de distribuição). Bowersox (1996, p. 643) defende que: [...] o conceito básico de custo total é simples e complementa a noção de modelar a logística como um sistema integrado de desempenho. O principal problema em operacionalizar o custo total é que as práticas contábeis tradicionais para classificar e apresentar despesas críticas não fornecem uma métrica logística adequada. Para entender a demanda de se medir a logística, é necessário rever métodos da contabilidade tradicional em termos das exigências de análise e identificar os custos relevantes para sistemas logísticos integrados. A crítica de Bowersox merece maior atenção se considerarmos que os métodos de custeio tradicionais mais utilizados na indústria geralmente causam problemas particulares às medidas de desempenho, pois se esforçam em carregar, de forma arbitrária, os custos indiretos a produtos ou clientes.

14 13 Um produto de maior potencial de aceitação no mercado pode ser barrado pelo seu preço, pois seu custo de produção está mal apontado, sobrecarregado de custos indiretos, evitando que o mesmo atenda sua real demanda consumidora. Agravando o problema, o custo do produto está composto por falhas de processos e outras ineficiências que os métodos tradicionais não conseguem mensurar. O problema principal, objetivo do presente trabalho, é analisar se a controladoria consegue mensurar o custo da ineficiência que os métodos tradicionais de custeio não conseguem apontar, e a sua importância reside no fato do notório atraso de tecnologias da logística em relação à manufatura; os sistemas de informações e apoio à logística ainda estão sendo subaproveitados para análises de investimentos e uma melhor eficácia da atividade logística geralmente demanda recursos que freqüentemente não são considerados importantes na elaboração dos orçamentos das áreas. Sendo que Marconi e Lakatos (2000, p. 140) formulam que o problema consiste em um enunciado explicitado de forma clara, compreensível e operacional, cujo melhor modo de solução ou é uma pesquisa ou pode ser resolvido por meio de processos científicos os principais problemas abordados neste estudo são: - A controladoria consegue desenvolver informações que possam servir de parâmetros para o financiamento da reestruturação da logística?

15 14 A metodologia utilizada é o estudo de caso, obedecendo aos princípios propostos por Yin (2001) que condiciona a eficácia de sua utilização a três condições propostas: a) no tipo de questão proposta; b) na extensão de controle que o pesquisador tem sobre eventos comportamentais efetivos; c) no grau de enfoque em acontecimentos históricos em oposição a acontecimentos contemporâneos; Yin (2001, p. 101) descreve que [...] em geral, a conveniência, o acesso aos dados e a proximidade geográfica podem ser os principais critérios na hora de se selecionar o caso ou os casos-piloto e estabelece três princípios para a coleta de dados: - utilizar várias fontes de evidência; - criar um banco de dados para o estudo de caso; - manter o encadeamento de evidências. No caso em questão, a empresa foi escolhida devido ao menor grau de problemas com o acesso aos dados e estes foram alterados para manter a segurança de sua estratégia competitiva, porém mantendo as devidas proporções. Estruturou-se um mapeamento dos postos de trabalho e os dados foram coletados nos diversos departamentos produtivos da empresa, abordados com maior profundidade no capítulo 6.

16 15 Um banco de dados foi projetado no intuito de trabalhar as mais diversas variáveis possíveis. O encadeamento de evidências mapeado foi analisado no intuito de se estabelecer conexões entre os fatos, pois na visão de Yin (2001, p. 22) [...] certamente sempre houve experimentos motivados por razões exploratórias.. A empresa abordada como estudo de caso está situada na região do interior de São Paulo e foi escolhida de forma a que se possa analisar o aproveitamento da informação sobre os recursos empregados em suas atividades. E por fim, um questionário foi elaborado baseado nestes preceitos para a coleta de dados.

17 16 2 LOGÍSTICA O objetivo da logística é disponibilizar o produto certo, no local exato ao menor custo, e segundo o Council of Logistics Management, [...] logística é o processo de planejamento, implementação e controle do fluxo eficiente e economicamente eficaz de matérias-primas, estoques em processo, produtos acabados e informações relativas desde o ponto de origem até o ponto de consumo, com o propósito de atender às exigências dos clientes. (LABORATÓRIO DE APRENDIZAGEM EM LOGÍSTICA E TRANSPORTES) Ballou (2003, p. 31) já define que [...] a missão da logística é dispor a mercadoria ou o serviço certo, no lugar certo, no tempo certo e nas condições desejadas, ao mesmo tempo em que fornece a maior contribuição à empresa. Pode-se ressaltar que a missão da logística além de envolver o gerenciamento e a coordenação de atividades operacionais, tem como função: alimentar a cadeia produtiva com informações necessárias para o planejamento estratégico visando melhorar o serviço ao consumidor. Levando em consideração que boa parte do serviço logístico no Brasil é prestada pelos pequenos e médios provedores logísticos, que já se encontram em um avanço significativo (hoje já se pode contar com vários provedores, inclusive os que possuem uma cartela de clientes diversificada, tornando pronta a informação sobre a posição de sua mercadoria), ainda não há a interação da informação ao longo da cadeia produtiva. Quando a empresa não opta por um provedor único que assuma toda a sua operação logística, esta função merece demasiada atenção, pois fica a encargo da empresa todo o planejamento estratégico, e a mesma pode não ter em seu foco de atuação a competência para essa integração de informações, ficando a cargo dos desenvolvedores de TI (Tecnologia da Informação) o objetivo desta integração.

18 17 L o g í s t i c a e m p r e s a r i a l S u p r i m e n t o D i s t r i b u i ç ã o F o n t e s d e s u p r i m e n t o s P l a n t a s / o p e r a ç õ e s C l i e n t e s * T r a n s p o r t e s * M a n u t e n ç ã o d e e s t o q u e s * P r o c e s s a m e n t o d e p e d i d o s * A q u i s i ç ã o * E m b a l a g e m * A r m a z e n a g e m * M a n u s e i o d e m a t e r i a i s * M a n u t e n ç ã o d e i n f o r m a ç õ e s * T r a n s p o r t e s * M a n u t e n ç ã o d e e s t o q u e s * P r o c e s s a m e n t o d e p e d i d o s * P r o g r a m a ç ã o d e p r o d u t o * E m b a l a g e m p r o t e t o r a * A r m a z e n a g e m * M a n u s e i o d e m a t e r i a i s * M a n u t e n ç ã o d e i n f o r m a ç õ e s Fonte: Adaptação de Ballou (2003, p. 23). Ilustração Possíveis atividades em uma cadeia de suprimentos Logística Interna Porter (1989, p. 36) define que [...] logística interna são atividades associadas ao recebimento, armazenamento e distribuição de insumos no produto, como manuseio de material, armazenagem, controle de estoque, programação de frotas, veículos e devolução para fornecedores e segundo Fleury (2000, p. 37) A integração interna, ou seja, o gerenciamento integrado dos diversos componentes do sistema logístico é uma condição necessária para que as empresas consigam atingir excelência operacional com baixo custo. A logística interna é diretamente responsável pela cadeia de valor da empresa quando procura otimizar os processos inerentes às atividades tais como a infra-estrutura do layout de distribuição interna, sistemas de informação, tecnologias de aquisição e atividades primárias de apoio, tais como manutenção de estoques mínimos, entrega dos produtos nos locais de utilização e outras atividades ligadas à

19 18 produção para que o produto final saia no tempo correto com a qualidade ideal utilizando o mínimo de recursos possíveis, o que agregará valor ao produto. Mesmo quando ligadas a conceitos de planejamento eficientes, como MRP/ERP e lean manufacturing 1, a logística é uma atividade que pode se tornar o ponto crítico ou gargalo, haja vista que diversos fatores, como o bom relacionamento com fornecedores e as entregas no prazo correto, poderiam estar afetando a produção de forma a desestabilizar a cadência produtiva e gerar atrasos de entregas, ociosidades e descompassos de fluxos de elaboração de subcomponentes. A produção, por outro lado, se prepara para lidar com tais gargalos administrando a flexibilidade de composto (mix) como ressalta Slack (2002, p. 75). A maioria das operações produz mais de um produto ou serviço. Além disso, a maioria delas não produz seus produtos ou serviços em volumes altos o suficiente para dedicar todas as partes de suas atividades exclusivamente a um produto ou serviço. Isso significa que a maioria das partes de qualquer operação terá que processar mais de um tipo de produto ou serviço e então precisará, às vezes, deixar uma atividade para dedicar-se a outra [...]. Porém esta flexibilidade gera custos. Segundo Catelli (2001, p. 160) todas as áreas têm planejamento estratégico, simulações, planejamento operacional, execução e controle, sendo obrigatória a existência de negociações, mediadas pela existência dos preços de transferências, entre elas. Adotando-se a lógica da transferência, os custos gerados pelas flexibilidades não planejadas, que não são de responsabilidade da produção, poderiam ser apontados como de responsabilidade da logística, que estaria consumindo um recurso da produção o tempo de mão-deobra disponível ou o tempo de setup desnecessário das máquinas; a origem destes 1 As definições de Lean Manufacturing e MRP são abordadas nos capítulos 2.4 e 3.1, respectivamente.

20 19 custos também deve ser investigada, pois os mesmos podem estar incorrendo talvez por falta de estruturas, que na visão dos gestores não fariam muita diferença nos resultados; e apenas ao analisar os números se dariam conta do tamanho real do problema. Catelli (2002, p. 31) defende que as áreas somente serão debitadas/creditadas por eventos sobre os quais tenham responsabilidade, as eficiências/ineficiências não são transferíveis para outras áreas e nem repassadas aos produtos/serviços. Porém a análise da logística é muito complexa, pois ela se mescla em processos produtivos (como no caso do lean manufacturing que a logística é responsável pelo abastecimento na célula de produção) e esta análise, da ineficiência da logística em suprir a produção, pode servir de parâmetro para o investimento na área, haja visto que caso os problemas não sejam resolvidos continuarão a consumir os recursos da produção. Por se tratar de uma área que se encontra em evolução toda análise no intuito de estruturá-la deve ser desenvolvida com cuidado Terceirização da logística Nas análises da logística industrial, deve sempre ser levada em consideração a possibilidade da terceirização das atividades. Na visão de Figueiredo, apesar das tecnologias e sofisticação dos serviços oferecidos pelos provedores alcançarem vantagens competitivas, redução de custos e diluição de riscos, [...] ainda existem empresas mais comedidas em suas terceirizações, pelo receio de perder o controle das atividades, pela dificuldade de trocar de

21 20 fornecedor posteriormente ou, ainda, pela crença de que possuem as competências necessárias para realizar suas atividades logísticas. (TECNOLOGÍSTICA, JANEIRO de 2005, p. 61). A terceirização deve ser entendida como uma ferramenta de gestão estratégica que flexibiliza a utilização dos recursos da empresa e não como apenas uma atitude para redução de custos. A concentração de recursos nas atividades fins da missão da empresa se torna atitude base para gestores que desejam encontrar um diferencial de seus produtos no mercado atual. O estabelecimento de parcerias e alianças estratégicas no intuito de fortalecer o nicho de negócio exige o uso de bons sistemas de informações tecnológicas e operacionais para a melhor integração dos processos; devido ao fato, os investimentos em TI devem ser sempre orientados no intuito de unir cada vez mais as informações estratégicas e operacionais do produto. O entendimento da sua importância na cadeia logística é essencial para o envolvimento máximo e comprometido de cada parceiro assim como o compartilhamento dos lucros e riscos, ficando claro que um dos seus principais papéis na cadeia é o de apoiar a produção Just in time Segundo Slack o just in time pode tanto ser entendido como filosofia quanto pode ser utilizado no planejamento e controle das operações. O just in time (JIT) é uma abordagem disciplinada, que visa aprimorar a produtividade global e eliminar os desperdícios. Ele possibilita a produção eficaz em termos de custo, assim como o fornecimento apenas da

22 21 quantidade correta, no momento e locais corretos, utilizando o mínimo de instalações, equipamentos, materiais e recursos humanos. O JIT é dependente do balanço entre a flexibilidade do usuário. Ele é alcançado por meio da aplicação de elementos que requerem em envolvimento total dos funcionários e trabalho em equipe. Uma filosofia-chave do JIT é a simplificação. (SLACK 2002, p. 482) Segundo esta filosofia, o tempo de processamento é o único que agrega valor ao produto; devendo-se estudar os demais e estruturá-los de forma que estes não influenciem negativamente a produção. É através deste conceito que se reduz o tempo de movimentação com a aproximação do layout celular e opta-se por produzir em reduzidos lotes que podem ser movimentados rapidamente sem o acúmulo de estoques intermediários. Encoraja também a criação de dispositivos de trabalho que, juntamente com a ergonomia do posto de trabalho, visa reduzir o tempo das operações. A revisão dos processos e a eliminação das atividades que não agregam valor também são ferramentas do conceito. Um dos principais pilares da filosofia JIT é a redução dos lotes de produção e de compra. Os princípios da boa gestão de materiais mandam que se determine o tamanho dos lotes de compra e produção através do balanço entre os custos com a manutenção dos estoques e os custos fixos, referentes à obtenção do lote (custos com a preparação do equipamento, no caso de itens produzidos, e custos de processar os pedidos de compra, para o caso de itens comprados). (CORRÊA e GIANESI 1993, p. 60). Na redução dos lotes de compra diminui-se também o tempo do capital envolvido com a operação da produção e a quantidade de insumos intermediando as operações. Se a produção for em grandes lotes estes podem ter um percentual com avarias por falhas de operação, e se o produto passa para o processo seguinte em menor quantidade o percentual de peças danificadas também tendem a cair

23 22 consideravelmente reduzindo o custo da qualidade. O JIT se fundamenta em conceitos como: Kaizen: de origem japonesa o melhoramento contínuo é a filosofia de buscar a melhora incremental no processo sempre que se deparar com uma condição a qual pode ser aprimorada tecnicamente. Na visão de Slack (2002) Kaizen significa melhoramento. Mais: significa melhoramento na vida pessoal, doméstica, social e no trabalho. E quando aplicado ao trabalho, kaizen significa melhoramentos contínuos que envolvem toda a organização. Não importa se os melhoramentos são pequenos e nem se deve medir a taxa de melhoramentos, a mensuração da taxa de melhoramentos poderia estar criando uma disputa desnecessária que pode vir a desmotivar um grande percentual dos trabalhadores da fábrica, sendo que o mais importante é a adoção do conceito como item necessário para a sobrevivência da empresa. O que pode ser considerado mais importante é o momento em que o melhoramento é implantado e que ao final de certo período algum melhoramento operacional tenha sido efetivamente desenvolvido. Kanban: kanban é um termo japonês que significa cartão. Criado pela Toyota visando reduzir o estoque de produtos acabados é um sistema de informação que pode controlar toda a produção. Através dele consegue-se limitar a quantidade de estoques em processo reduzindo-se ou aumentando o número de cartões disponíveis e estes levam em

24 23 conta o lead time para a reposição da peça em seu estágio inicial de insumo para qualquer atividade. Sustentada a produção por todos os parâmetros do just in time a filosofia também vêm acompanhada de importantes indicadores de desempenho como: - índice de satisfação do cliente; - defeitos por unidade; - cumprimento dos prazos de entrega; - giro do estoque de matérias-primas; - giro do estoque em processo; - estoque de produtos acabados. Quanto mais apresentáveis são os números, maior o entendimento do conceito da filosofia e maior envolvimento de todos os funcionários da empresa. O enxugamento de todos os processos envolvidos pressupõe um menor investimento em capital para o mesmo, e o nível de satisfação do cliente reflete o desejo do mercado frente aos ideais da instituição Lean Manufacturing Originado do sistema Toyota de produção o Lean Manufacturing, ou produção enxuta, foi uma das filosofias da administração que coordenou a produção

15/09/2011. Historico / Conceito. Lean Production é um programa corporativo ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO II. Evolucao do Conceito LEAN THINKING

15/09/2011. Historico / Conceito. Lean Production é um programa corporativo ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO II. Evolucao do Conceito LEAN THINKING Historico / Conceito Lean : década de 80 James Womack (MIT) Projeto de pesquisa: fabricantes de motores automotivos; ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO II Lean Production é um programa corporativo composto por

Leia mais

JUST-IN-TIME & KANBAN

JUST-IN-TIME & KANBAN JUST-IN-TIME & KANBAN Prof. Darli Rodrigues Vieira darli@darli.com.br 1 OBJETIVO DA AULA OBJETIVO: EVIDENCIAR O QUE É JUST IN TIME E QUAL É SUA UTILIDADE EM PROJETOS DE OTIMIZAÇÃO DE RECURSOS EM OPERAÇÕES

Leia mais

Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE. Profa. Lérida Malagueta

Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE. Profa. Lérida Malagueta Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE PRODUÇÃO E OPERAÇÕES Profa. Lérida Malagueta Planejamento e controle da produção O PCP é o setor responsável por: Definir quanto e quando comprar Como fabricar ou montar cada

Leia mais

GESTÃO EM PRODUÇÃO E SERVIÇOS

GESTÃO EM PRODUÇÃO E SERVIÇOS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA POLITÉCNICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA INDUSTRIAL MBA GESTÃO EM PRODUÇÃO E SERVIÇOS DISCIPLINAS E EMENTAS SINTONIZANDO PERCEPÇÕES E UNIFORMIZANDO A LINGUAGEM

Leia mais

ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE MRP I EM UMA MICRO-EMPRESA MOVELEIRA LOCALIZADA NO VALE DO PARAIBA

ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE MRP I EM UMA MICRO-EMPRESA MOVELEIRA LOCALIZADA NO VALE DO PARAIBA ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE MRP I EM UMA MICRO-EMPRESA MOVELEIRA LOCALIZADA NO VALE DO PARAIBA Tiago Augusto Cesarin 1, Vilma da Silva Santos 2, Edson Aparecida de Araújo

Leia mais

MRP II. Planejamento e Controle da Produção 3 professor Muris Lage Junior

MRP II. Planejamento e Controle da Produção 3 professor Muris Lage Junior MRP II Introdução A lógica de cálculo das necessidades é conhecida há muito tempo Porém só pode ser utilizada na prática em situações mais complexas a partir dos anos 60 A partir de meados da década de

Leia mais

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning ERP Enterprise Resources Planning A Era da Informação - TI GRI Information Resource Management -Informação Modo organizado do conhecimento para ser usado na gestão das empresas. - Sistemas de informação

Leia mais

Função: Operação da Cadeia de materiais. 1.1 Identificar princípios da organização da área de materiais.

Função: Operação da Cadeia de materiais. 1.1 Identificar princípios da organização da área de materiais. MÓDULO II Qualificação Técnica de Nível Médio ASSISTENTE DE LOGÍSTICA II.1 Gestão de Recursos e Materiais Função: Operação da Cadeia de materiais 1. Contextualizar a importância da Administração de materiais

Leia mais

Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA. Prof. Léo Noronha

Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA. Prof. Léo Noronha Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha A administração de materiais A administração de materiais procura conciliar as necessidades de suprimentos com a otimização dos recursos financeiros

Leia mais

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE CADEIAS PRODUTIVAS

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE CADEIAS PRODUTIVAS PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE CADEIAS PRODUTIVAS 2ª OFICINA MAPEAMENTO DO FLUXO DE VALOR Lean Manufacturing é a busca da perfeição do processo através da eliminação de desperdícios Definir Valor Trabalhar

Leia mais

MRP MRP. Módulo 5 MRP e JIT. Demanda de produtos e serviços. Fornecimento de produtos e serviços

MRP MRP. Módulo 5 MRP e JIT. Demanda de produtos e serviços. Fornecimento de produtos e serviços Módulo 5 MRP e JIT Adm Prod II 1 MRP Fornecimento de produtos e serviços Recursos de produção MRP Decisão de quantidade e momento do fluxo de materiais em condições de demanda dependente Demanda de produtos

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO @ribeirord FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Rafael D. Ribeiro, M.Sc,PMP. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br Sistemas de Informação Sistemas de Apoio às Operações Sistemas

Leia mais

DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING

DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING MANUFATURA ENXUTA DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING A ORIGEM DA PALAVRA LEAN O termo LEAN foi cunhado originalmente no livro A Máquina que Mudou o Mundo de Womack, Jones e Roos, publicado nos EUA em 1990.

Leia mais

CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7)

CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7) CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7) A ESTRATÉGIA DA MANUFATURA E O SISTEMA PPCP: A estratégia

Leia mais

Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva

Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva Programação e Controle da Produção é um conjunto de funções inter-relacionadas que objetivam comandar o processo produtivo e coordená-lo com os demais setores administrativos

Leia mais

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA Marinalva R. Barboza Definição do conceito de logística e evolução Logística tem origem no idioma francês Logistique se define de forma militar sendo uma parte estratégica

Leia mais

O custo da ineficiência na logística interna

O custo da ineficiência na logística interna O custo da ineficiência na logística interna Autor CLEBERSON DOS SANTOS COIMBRA Universidade de São Paulo RESUMO: Entre as várias incertezas que afligem o processo da tomada de decisões nas empresas estão

Leia mais

PRODUÇÃO ENXUTA. Eng. Liane Freitas, MsC.

PRODUÇÃO ENXUTA. Eng. Liane Freitas, MsC. PRODUÇÃO ENXUTA Eng. Liane Freitas, MsC. O que será visto neste capítulo? 1 O significado a filosofia JIT 2 O JIT versus a prática tradicional 3 As técnicas JIT de gestão 4 As técnicas JIT de planejamento

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos Bloco Suprimentos Controle de Produção PCP Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Controle de Produção PCP, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas

Leia mais

Vendas na Empresa Lean

Vendas na Empresa Lean Vendas na Empresa Lean Autor: Alexandre Cardoso Publicado: 29/04/2011 Introdução Em uma empresa, a área de Vendas é de extrema importância para o sucesso do negócio. Aprimorar o seu desempenho tem sido

Leia mais

LOGÍSTICA. Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA

LOGÍSTICA. Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi LOGÍSTICA 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA O conceito de Logística sempre envolve um fluxo de materiais de uma origem ou destino e, no outro sentido, um fluxo

Leia mais

- Especificações; - Notas de entrega de produção; - Pedidos de Compra.

- Especificações; - Notas de entrega de produção; - Pedidos de Compra. PLANEJAMENTO, PROGRAMAÇÃO E CONTROLE DA PRODUÇÃO. CAPÍTULO 6 Planejamento, Programação e Controle da Produção (PPCP) é uma função técnica e administrativa que tem por objetivo fazer os planos que orientarão

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Logística Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Logística. 1. Introdução Os Projetos

Leia mais

LEAN APLICADO À CADEIA DE SUPRIMENTOS

LEAN APLICADO À CADEIA DE SUPRIMENTOS LEAN APLICADO À CADEIA DE SUPRIMENTOS INTRODUÇÃO AO LEAN MANUFACTURING SUPPLY CHAIN (INCLUI LOGÍSTICA) 2 2 INTRODUÇÃO AO LEAN MANUFACTURING 3 INTRODUÇÃO AO LEAN MANUFACTURING Pensar fora da caixa... Lean

Leia mais

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010 Enterprise Resource Planning - ERP Objetivo da Aula Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 2 1 Sumário Informação & TI Sistemas Legados ERP Classificação Módulos Medidas

Leia mais

LOGÍSTICA GLOBAL. Sistemas de Logística EDI, MRP e ERP.

LOGÍSTICA GLOBAL. Sistemas de Logística EDI, MRP e ERP. LOGÍSTICA GLOBAL Sistemas de Logística EDI, MRP e ERP. EDI Intercâmbio Eletrônico de Dados Introdução O atual cenário econômico é marcado por: a) intensa competitividade, b) pela necessidade de rápida

Leia mais

Professor: Disciplina:

Professor: Disciplina: Professor: Curso: Esp. Marcos Morais de Sousa marcosmoraisdesousa@gmail.com Sistemas de informação Disciplina: Introdução a SI 19/04 Recursos e Tecnologias dos Sistemas de Informação Turma: 01º semestre

Leia mais

17/02/2015 JIT KANBAN. Uma técnica que se utiliza de várias normas e regras para modificar o ambiente produtivo.

17/02/2015 JIT KANBAN. Uma técnica que se utiliza de várias normas e regras para modificar o ambiente produtivo. ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO JIT KANBAN - JIT Uma técnica que se utiliza de várias normas e regras para modificar o ambiente produtivo. Técnica voltada para a otimização da produção. PODE SER APLICADA TANTO

Leia mais

3 O sistema APO Advanced Planner and Optimizer

3 O sistema APO Advanced Planner and Optimizer 3 O sistema APO Advanced Planner and Optimizer Esse capítulo tem por objetivo apresentar os conceitos do sistema APO (Advanced Planner and Optimizer), o sistema APS da empresa alemã SAP. O sistema APO

Leia mais

1. Introdução. 1.1 Apresentação

1. Introdução. 1.1 Apresentação 1. Introdução 1.1 Apresentação Empresas que têm o objetivo de melhorar sua posição competitiva diante do mercado e, por consequência tornar-se cada vez mais rentável, necessitam ter uma preocupação contínua

Leia mais

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo III.1 GESTÃO DE TRANSPORTES 1.1. O desenvolvimento econômico e o transporte. 1.2. A geografia brasileira, a infraestrutura dos estados, municípios

Leia mais

JUST IN TIME: UMA DAS FERRAMENTAS DE OTIMIZAÇÃO DA PRODUÇÃO RESUMO

JUST IN TIME: UMA DAS FERRAMENTAS DE OTIMIZAÇÃO DA PRODUÇÃO RESUMO JUST IN TIME: UMA DAS FERRAMENTAS DE OTIMIZAÇÃO DA PRODUÇÃO RESUMO O presente artigo, mostra de forma clara e objetiva os processos da ferramenta Just in time, bem como sua importância para a área de produção.

Leia mais

Planejamento da produção. FATEC Prof. Paulo Medeiros

Planejamento da produção. FATEC Prof. Paulo Medeiros Planejamento da produção FATEC Prof. Paulo Medeiros Planejamento da produção O sistema de produção requer a obtenção e utilização dos recursos produtivos que incluem: mão-de-obra, materiais, edifícios,

Leia mais

Advanced Planning and Scheduling

Advanced Planning and Scheduling Advanced Planning and Scheduling Por Soraya Oliveira e Raquel Flexa A importância do planejamento Uma cadeia de suprimentos é composta por diversos elos conectados que realizam diferentes processos e atividades

Leia mais

MBA Executivo em Logística e Supply Chain Management

MBA Executivo em Logística e Supply Chain Management ISCTE BUSINESS SCHOOL INDEG_GRADUATE CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA Executivo em Logística e Supply Chain Management www.strong.com.br/alphaville - www.strong.com.br/osasco - PABX:

Leia mais

Sistema de Administração da Produção

Sistema de Administração da Produção Sistema de Administração da Produção (Extraído do livro Planejamento, Programação e Controle da Produção Enrique Correa e Irineu Gianesi e Mauro Caon Ed Atlas, 2001) 1. Definição São sistemas de Informação

Leia mais

Just in Time Massagista JIT?

Just in Time Massagista JIT? Just Just in Time Time Massagista JIT? Planejamento e Controle Just-in-Time Fornecimento de produtos e serviços Recursos de produção Just-in-Time Entrega de produtos e serviços apenas quando são necessários

Leia mais

Projeto gestão de demanda http://www.administradores.com.br/artigos/marketing/projeto-gestao-de-demanda/62517/

Projeto gestão de demanda http://www.administradores.com.br/artigos/marketing/projeto-gestao-de-demanda/62517/ Projeto gestão de demanda http://www.administradores.com.br/artigos/marketing/projeto-gestao-de-demanda/62517/ Muitas empresas se deparam com situações nas tarefas de previsões de vendas e tem como origem

Leia mais

GERENCIANDO INCERTEZAS NO PLANEJAMENTO LOGÍSTICO: O PAPEL DO ESTOQUE DE SEGURANÇA

GERENCIANDO INCERTEZAS NO PLANEJAMENTO LOGÍSTICO: O PAPEL DO ESTOQUE DE SEGURANÇA GERENCIANDO INCERTEZAS NO PLANEJAMENTO LOGÍSTICO: O PAPEL DO ESTOQUE DE SEGURANÇA Eduardo Saggioro Garcia Leonardo Salgado Lacerda Rodrigo Arozo Benício Erros de previsão de demanda, atrasos no ressuprimento

Leia mais

Gestão em Nó de Rede Logística

Gestão em Nó de Rede Logística Gestão em Nó de Rede Logística Armando Oscar Cavanha Filho Com o crescimento das atividades de uma empresa e a sua multiplicação horizontal, ou seja, a repetição de processos semelhantes em diversos pontos

Leia mais

MRP - MATERIAL REQUERIMENT PLANNING (PLANEJAMENTO DAS NECESSIDADES DE MATERIAS)

MRP - MATERIAL REQUERIMENT PLANNING (PLANEJAMENTO DAS NECESSIDADES DE MATERIAS) MRP - MATERIAL REQUERIMENT PLANNING (PLANEJAMENTO DAS NECESSIDADES DE MATERIAS) SILVA M. C. Melo. UFSe (2001) MRP e MRP II O objetivo do conteúdo dessas aulas é enfocar os sistemas MRP e MRPII no processo

Leia mais

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi Marketing Prof. Angelo Polizzi Gestão de Produção Gestão de Produção Objetivos: Mostrar que produtos (bens e serviços) consumidos, são produzidos em uma ordem lógica, evitando a perda ou falta de insumos

Leia mais

Os Custos de Armazenagem na Logística Moderna

Os Custos de Armazenagem na Logística Moderna Os Custos de Armazenagem na Logística Moderna Maurício Pimenta Lima Introdução Uma das principais características da logística moderna é sua crescente complexidade operacional. Aumento da variedade de

Leia mais

Diferenciais do ERP TECNICON: Um caso da área de manufatura

Diferenciais do ERP TECNICON: Um caso da área de manufatura Diferenciais do ERP TECNICON: Um caso da área de manufatura Juliano Hammes (FAHOR) jh000697@fahor.com.br Gustavo Gerlach (FAHOR) gg000675@fahor.com.br Édio Polacinski (FAHOR) edio.pk@gmail.com.br Resumo

Leia mais

Administração de Materiais e Logística. , Vendas CPD Cobrança PCP Expedição Faturamento. Completem o DHF. Melhoria Continua e Teste

Administração de Materiais e Logística. , Vendas CPD Cobrança PCP Expedição Faturamento. Completem o DHF. Melhoria Continua e Teste , Vendas CPD Cobrança PCP Expedição Faturamento Completem o DHF Melhoria Continua e Teste As Organizações como Sistemas Abertos As organizações estão em um constante estado de fluxo. AMBIENTE Estagio de

Leia mais

TÍTULO: CADEIA DE SUPRIMENTOS DA KEIPER DO BRASIL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO

TÍTULO: CADEIA DE SUPRIMENTOS DA KEIPER DO BRASIL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: CADEIA DE SUPRIMENTOS DA KEIPER DO BRASIL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUE: OS DESAFIOS DOS ITENS DE MRO E A IMPORTÂNCIA DOS INDICADORES DE PERFORMANCE

GESTÃO DE ESTOQUE: OS DESAFIOS DOS ITENS DE MRO E A IMPORTÂNCIA DOS INDICADORES DE PERFORMANCE GESTÃO DE ESTOQUE: OS DESAFIOS DOS ITENS DE MRO E A IMPORTÂNCIA DOS INDICADORES DE PERFORMANCE Barbara Batista Povoa (UFES ) barbara_povoa@hotmail.com A gestão de estoques vem ganhando cada vez mais espaço

Leia mais

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha Unidade II GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha Após a Segunda Guerra Mundial: Estados Unidos da América passaram por um longo período de crescimento. Responsáveis pela reconstrução de muitos

Leia mais

CURSO ANALISTA DE LOGISTICA E PRODUÇÃO INDUSTRIAL GRADE CURRICULAR @2014 - CENTRO EDUCACIONAL ANÍSIO PEDRUSSI

CURSO ANALISTA DE LOGISTICA E PRODUÇÃO INDUSTRIAL GRADE CURRICULAR @2014 - CENTRO EDUCACIONAL ANÍSIO PEDRUSSI MÓDULOS / DISCIPLINAS Carga Horária Módulo I - Introdução ao Estudo da Logística No Brasil e no Mundo 30 1. Introdução ao Estudo da Logística 2. História da Logística 3. Na Pré-História 4. No Exército

Leia mais

ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO*

ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO* ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO* RESUMO Marilia Costa Machado - UEMG - Unidade Carangola Graciano Leal dos Santos

Leia mais

Software de gerenciamento de trabalho

Software de gerenciamento de trabalho Software de gerenciamento de trabalho Software de gerenciamento de trabalho GoalPost O software de gerenciamento de trabalho (LMS) GoalPost da Intelligrated fornece informações sob demanda para medir,

Leia mais

ITIL na Prática. Quais são os fatores críticos de sucesso para obter valor a partir de um Service Desk? Conhecimento em Tecnologia da Informação

ITIL na Prática. Quais são os fatores críticos de sucesso para obter valor a partir de um Service Desk? Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação ITIL na Prática Quais são os fatores críticos de sucesso para obter valor a partir de um Service Desk? Conhecimento em Tecnologia da Informação 2010 Bridge Consulting

Leia mais

ANÁLISE DOS SISTEMAS DE PROGRAMAÇÃO E CONTROLE DA PRODUÇÃO

ANÁLISE DOS SISTEMAS DE PROGRAMAÇÃO E CONTROLE DA PRODUÇÃO ANÁLISE DOS SISTEMAS DE PROGRAMAÇÃO E CONTROLE DA PRODUÇÃO Clarissa Fullin Barco (UFSCar)cfbarco@hotmail.comFábio Barbin Villela (UFSCar)fbvillela@yahoo.com.br A inspiração para este estudo vem de uma

Leia mais

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr.

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. 15 Aula 15 Tópicos Especiais I Sistemas de Informação Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. Site Disciplina: http://fundti.blogspot.com.br/ Conceitos básicos sobre Sistemas de Informação Conceitos sobre Sistemas

Leia mais

Evolução dos sistemas ERP nas empresas

Evolução dos sistemas ERP nas empresas Evolução dos sistemas ERP nas empresas Aloísio André dos Santos (ITA) aloisio@mec.ita.br João Murta Alves (ITA) murta@mec.ita.br Resumo Os sistemas ERP são considerados uma evolução dos sistemas de administração

Leia mais

LEAN-CURSOS E WORKSHOPS Cursos otimizados para as necessidades do Cliente Cursos Padrão Workshops de Capacitação

LEAN-CURSOS E WORKSHOPS Cursos otimizados para as necessidades do Cliente Cursos Padrão Workshops de Capacitação LEAN-CURSOS E WORKSHOPS Cursos otimizados para as necessidades do Cliente Cursos Padrão Workshops de Capacitação Serviços : Cursos e workshops especialmente criados para capacitar a sua organização no

Leia mais

Aplicando lean em indústrias de processo

Aplicando lean em indústrias de processo Aplicando lean em indústrias de processo Alexandre Cardoso* Os setores de alimentos, químico, farmacêutico e de cosméticos, que na sua essência são indústrias de processo, têm obtido sucesso na aplicação

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em LOGÍSTICA E SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em LOGÍSTICA E SUPPLY CHAIN MANAGEMENT CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em LOGÍSTICA E SUPPLY CHAIN MANAGEMENT Coordenação Acadêmica: Prof. Jamil Moysés Filho OBJETIVO: Ao final do Curso, o aluno será capaz de: Conhecer

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS P o r f.. E d E uar a d r o Oli l v i e v i e r i a

SISTEMAS INTEGRADOS P o r f.. E d E uar a d r o Oli l v i e v i e r i a SISTEMAS INTEGRADOS Prof. Eduardo Oliveira Bibliografia adotada: COLANGELO FILHO, Lúcio. Implantação de Sistemas ERP. São Paulo: Atlas, 2001. ISBN: 8522429936 LAUDON, Kenneth C.; LAUDON, Jane Price. Sistemas

Leia mais

O sistema Just-In-Time. Professor: Dannilo Barbosa Guimarães

O sistema Just-In-Time. Professor: Dannilo Barbosa Guimarães O sistema Just-In-Time Professor: Dannilo Barbosa Guimarães Introdução ao JIT O Just-In-Time surgiu no Japão na década de 70 na Toyota Motor Company (Taiichi Ohno). O JIT visa o combate ao desperdício

Leia mais

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL Cristiane de Oliveira 1 Letícia Santos Lima 2 Resumo O objetivo desse estudo consiste em apresentar uma base conceitual em que se fundamenta a Controladoria.

Leia mais

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12)

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) As siglas MRP, MRP II e ERP são bastante difundidas e significam: MRP Materials Requirements Planning Planejamento das Necessidades de Materiais; MRP II Resource

Leia mais

Governança de TI. Por que a Governança de TI é vista como fator chave para criação de valor para o Negócio? Conhecimento em Tecnologia da Informação

Governança de TI. Por que a Governança de TI é vista como fator chave para criação de valor para o Negócio? Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Governança de TI Por que a Governança de TI é vista como fator chave para criação de valor para o Negócio? 2010 Bridge Consulting Apresentação A Governança de Tecnologia

Leia mais

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO O QUE É NÍVEL DE SERVIÇO LOGÍSTICO? É a qualidade com que o fluxo de bens e serviços

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS GERENCIAIS 1º SEMESTRE

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS GERENCIAIS 1º SEMESTRE CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS GERENCIAIS 1º SEMESTRE DISCIPLINA: INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO Ementa: Identificar os elementos básicos das organizações: recursos, objetivos e decisões. Desenvolver

Leia mais

FACULDADE DE JAGUARIÚNA

FACULDADE DE JAGUARIÚNA Redução de estoques em processos na linha de terminais móveis de pagamento eletrônico Renata da Silva Alves (Eng. De Produção - FAJ) alvesresilva@gmail.com Prof. Me. Eduardo Guilherme Satolo (Eng. De Produção

Leia mais

Organização Curricular do Curso Superior de Tecnologia em Logística

Organização Curricular do Curso Superior de Tecnologia em Logística Organização Curricular do Curso Superior de Tecnologia em Logística - TLO 2005/1 Organização Curricular do Curso Superior de Tecnologia em Logística 1 DADOS LEGAIS: Reconhecido pela Portaria MEC 134 de

Leia mais

O Papel da Logística na Organização Empresarial e na Economia GESTÃO LOGÍSTICA. Amílcar Arantes 1

O Papel da Logística na Organização Empresarial e na Economia GESTÃO LOGÍSTICA. Amílcar Arantes 1 GESTÃO LOGÍSTICA Capítulo - 6 Objectivos Identificação das actividades de gestão de materiais; Familiarização do conceito de Gestão em Qualidade Total (TQM); Identificar e descrever uma variedade de filosofias

Leia mais

COMO MELHORAR O DESEMPENHO DAS LINHAS DE. Edson Donisete da Silva, Carlos Roberto Sponteado Aquarius Software

COMO MELHORAR O DESEMPENHO DAS LINHAS DE. Edson Donisete da Silva, Carlos Roberto Sponteado Aquarius Software COMO MELHORAR O DESEMPENHO DAS LINHAS DE PRODUÇÃO Edson Donisete da Silva, Carlos Roberto Sponteado Aquarius Software Objetivo Apresentar conceitos e ferramentas atuais para melhorar eficiência da produção

Leia mais

Para ser competitivo é fundamental reduzir continuamente o lead time de todos os processos da organização.

Para ser competitivo é fundamental reduzir continuamente o lead time de todos os processos da organização. Cap. II PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO No atual contexto da economia globalizada, a velha estratégia da produção em massa, derivada da economia de escala, já não é mais válida. Hoje as empresas devem possuir

Leia mais

Um Modelo de Sistema de Informação Contábil para Mensuração do Desempenho Econômico das Atividades Empresariais

Um Modelo de Sistema de Informação Contábil para Mensuração do Desempenho Econômico das Atividades Empresariais 1 UM MODELO DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL PARA MENSURAÇÃO DO DESEMPENHO ECONOMICO DAS ATIVIDADES EMPRESARIAIS Autor: Reinaldo Guerreiro Professor Assistente Doutor do Departamento de Contabilidade

Leia mais

ÊNFASE EM GESTÃO DO CONHECIMENTO E INTELIGÊNCIA EMPRESARIAL

ÊNFASE EM GESTÃO DO CONHECIMENTO E INTELIGÊNCIA EMPRESARIAL MBA DESENVOLVIMENTO AVANÇADO DE EXECUTIVOS ÊNFASE EM GESTÃO DO CONHECIMENTO E INTELIGÊNCIA EMPRESARIAL O MBA Desenvolvimento Avançado de Executivos possui como característica atender a um mercado altamente

Leia mais

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas. Módulo: Administração de Materiais. Profª Neuza

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas. Módulo: Administração de Materiais. Profª Neuza FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo: Administração de Materiais Profª Neuza AULA ANTERIOR: Compras O que é??? É uma atividade de aquisição que visa garantir o abastecimento da empresa

Leia mais

Como determinar os sistemas de controle da produção a partir da lei de pareto

Como determinar os sistemas de controle da produção a partir da lei de pareto Como determinar os sistemas de controle da produção a partir da lei de pareto Alessandro Lucas da Silva (EESC-USP) als@sc.usp.br Gilberto Miller Devós Ganga (EESC-USP) gilberto_mdg@yahoo.com.br Roberta

Leia mais

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht Administração Logística e Administração de. Profª. Patricia Brecht Definição - Logística O termo LOGÍSTICA conforme o dicionário Aurélio vem do francês Logistique e significa parte da arte da guerra que

Leia mais

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA Constata-se que o novo arranjo da economia mundial provocado pelo processo de globalização tem afetado as empresas a fim de disponibilizar

Leia mais

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE *Envie o nome de seu grupo, dos integrantes e um telefone de contato junto com as respostas do questionário abaixo para o e-mail COMMUNICATIONS.SLA@SCANIA.COM*

Leia mais

O conceito de CIM e a integração de processos. Evolução da Manufatura

O conceito de CIM e a integração de processos. Evolução da Manufatura O conceito de CIM e a integração de processos Prof. Breno Barros Telles do Carmo Evolução da Manufatura Integração.A evolução da manufatura segundo reportado em Russell e Taylor III (1995) se deu em quatro

Leia mais

SOLMIX Consultoria Empresarial - Fone: 011 99487 7751

SOLMIX Consultoria Empresarial - Fone: 011 99487 7751 Objetivos Nosso Objetivo é Colocar a disposição das empresas, toda nossa Experiência Profissional e metodologia moderna, dinâmica e participativa, para detectar as causas sintomáticas e seus efeitos. Realizar

Leia mais

onda Logistics powered by Quantum

onda Logistics powered by Quantum onda Logistics powered by Quantum Sonda IT Fundada no Chile em 1974, a Sonda é a maior companhia latino-americana de soluções e serviços de TI. Presente em 10 países, tais como Argentina, Brasil, Chile,

Leia mais

A LOGÍSTICA EMPRESARIAL E OS FATORES PARA A OBTENÇÃO DE VANTAGEM COMPETITIVA

A LOGÍSTICA EMPRESARIAL E OS FATORES PARA A OBTENÇÃO DE VANTAGEM COMPETITIVA A LOGÍSTICA EMPRESARIAL E OS FATORES PARA A OBTENÇÃO DE VANTAGEM COMPETITIVA Douglas Prates Magalhães 1 Resumo Uma revisão teórica e rápida conceituação da Logística e Vantagem competitiva. Foco em vantagem

Leia mais

KANBAN (capítulo 13)

KANBAN (capítulo 13) KANBAN (capítulo 13) O sistema kanban foi desenvolvido na Toyota Motor Company por Taiichi Ohno e Sakichi Toyoda e ficou conhecido dentro do Sistema Toyota de Produção, como um sistema de combate ao desperdício.

Leia mais

PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA

PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA SUMÁRIO DE PROJETOS WORKFLOW... 03 ALINHAMENTO ESTRATÉGICO... 04 IDENTIDADE CORPORATIVA... 04 GESTÃO DE COMPETÊNCIAS... 05 TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO... 05 REMUNERAÇÃO...

Leia mais

Estruturação do sistema de informação contábil no ERP

Estruturação do sistema de informação contábil no ERP Estruturação do sistema de informação contábil no ERP Clóvis Luís Padoveze (UNIMEP) cpadoveze@romi.com.br Resumo A característica gerencial da informação contábil determina que o sistema de informação

Leia mais

Conversa Inicial. Olá! Seja bem-vindo à quarta aula de Fundamentos de Sistemas de Informação.

Conversa Inicial. Olá! Seja bem-vindo à quarta aula de Fundamentos de Sistemas de Informação. Conversa Inicial Olá! Seja bem-vindo à quarta aula de Fundamentos de Sistemas de Informação. Hoje iremos abordar os seguintes assuntos: a origem dos sistemas integrados (ERPs), os módulos e fornecedores

Leia mais

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial Sistemas de Informação Empresarial SIG Sistemas de Informação Gerencial Visão Integrada do Papel dos SI s na Empresa [ Problema Organizacional ] [ Nível Organizacional ] Estratégico SAD Gerência sênior

Leia mais

MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS

MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS ISSN 1984-9354 MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS Jamile Pereira Cunha Rodrigues (UESC) Resumo Diante do atual cenário competitivo empresarial, as empresas estão buscando

Leia mais

Integração entre Sistemas de Seqüenciamento e ERP para solução de problemas de alteração de ordens de produção devido a eventos inesperados

Integração entre Sistemas de Seqüenciamento e ERP para solução de problemas de alteração de ordens de produção devido a eventos inesperados Integração entre Sistemas de Seqüenciamento e ERP para solução de problemas de alteração de ordens de produção devido a eventos inesperados Helio Galvão Ciffoni, Ramon Hoshino & Walid Nicolas Assad Malisoft

Leia mais

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES 1 O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES Cesar Paulo Lomba (Discente do 4º período de Tecnologia de Gestão Financeira das Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS) Maria Luzia

Leia mais

CADEIA DE SUPRIMENTOS MÉTODOS DE RECEBIMENTOS RESUMO

CADEIA DE SUPRIMENTOS MÉTODOS DE RECEBIMENTOS RESUMO 1 CADEIA DE SUPRIMENTOS MÉTODOS DE RECEBIMENTOS LEANDRO PANTOJO 1 PETERSON ROBERTO DE LARA 2 VAGNER FUSTINONI 3 RENATO FRANCISCO SALDANHA SILVA 4 VALDECIL DE SOUZA 5 RESUMO O objetivo deste trabalho será

Leia mais

GAION, Aparecida Vanif; SÉRGIO, Paulo; ALBERTINI, Peter, et. all. A IMPORTÂNCIA DA CONTROLADORIA NO PROCESSO DE GESTÃO.

GAION, Aparecida Vanif; SÉRGIO, Paulo; ALBERTINI, Peter, et. all. A IMPORTÂNCIA DA CONTROLADORIA NO PROCESSO DE GESTÃO. A IMPORTÂNCIA DA CONTROLADORIA NO PROCESSO DE GESTÃO THE COMPUTING IN ADMINISTRATION Heber Ridão Silva * Leônidas da Silva JosuéAmaral Fabio Ferreira Paula Sergio Peter Albertini Aparecida Vanif.Gaion

Leia mais

Dados x Informações. Os Sistemas de Informação podem ser:

Dados x Informações. Os Sistemas de Informação podem ser: CONCEITOS INICIAIS O tratamento da informação precisa ser visto como um recurso da empresa. Deve ser planejado, administrado e controlado de forma eficaz, desenvolvendo aplicações com base nos processos,

Leia mais

SEJAM BEM VINDOS!!!! 1

SEJAM BEM VINDOS!!!! 1 SEJAM BEM VINDOS!!!! 1 SEJAM BEM VINDOS AO QUARTO SEMESTRE!!! 2 Regras de ouro: Desligue o celular; Evitem ausentar-se da sala Evitem conversas paralelas (sem propósito com o assunto da aula); Dediquem-se

Leia mais

Sistemas de controle e gerenciamento de produção para o aumento da eficiência e produtividade nas indústrias

Sistemas de controle e gerenciamento de produção para o aumento da eficiência e produtividade nas indústrias Sistemas de controle e gerenciamento de produção para o aumento da eficiência e produtividade nas indústrias Roberto Campos MAXMES Agenda Introdução Definição de Métricas M de Operações e KPIs Sistemas

Leia mais

http://www.publicare.com.br/site/5,1,26,5480.asp

http://www.publicare.com.br/site/5,1,26,5480.asp Página 1 de 7 Terça-feira, 26 de Agosto de 2008 ok Home Direto da redação Última edição Edições anteriores Vitrine Cross-Docking Assine a Tecnologística Anuncie Cadastre-se Agenda Cursos de logística Dicionário

Leia mais

Definição. Kaizen na Prática. Kaizen para a Administração. Princípios do Just in Time. Just in Time 18/5/2010

Definição. Kaizen na Prática. Kaizen para a Administração. Princípios do Just in Time. Just in Time 18/5/2010 Uninove Sistemas de Informação Teoria Geral da Administração 3º. Semestre Prof. Fábio Magalhães Blog da disciplina: http://fabiotga.blogspot.com Semana 15 e 16 Controle e Técnicas de controle de qualidade

Leia mais

MRP, MRPII, ERP... Oracle, SAP, Microsiga... MRP MRP II - ERP. MRP Material Requirement Planning. MRP II Manufacturing Resources Planning

MRP, MRPII, ERP... Oracle, SAP, Microsiga... MRP MRP II - ERP. MRP Material Requirement Planning. MRP II Manufacturing Resources Planning MRP, MRPII, ERP... Oracle, SAP, Microsiga... MRP MRP II - ERP MRP Material Requirement Planning MRP II Manufacturing Resources Planning ERP Enterprise Resource Planning 1 O MRP é um software que auxilia

Leia mais

MBA É COM A FGV. MBA em Logística e Supply. Chain Management SUA MELHOR DECISÃO.. São José dos Campos - SP

MBA É COM A FGV. MBA em Logística e Supply. Chain Management SUA MELHOR DECISÃO.. São José dos Campos - SP MBA É COM A FGV SUA MELHOR DECISÃO.. São José dos Campos - SP MBA em Logística e Supply Chain Management Coordenação Acadêmica: Prof. Jamil Moysés Filho FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS A Fundação Getulio Vargas

Leia mais

XLVII SIMPÓSIO BRASILEIRO DE PESQUISA OPERACIONAL

XLVII SIMPÓSIO BRASILEIRO DE PESQUISA OPERACIONAL UM MODELO DE PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO CONSIDERANDO FAMÍLIAS DE ITENS E MÚLTIPLOS RECURSOS UTILIZANDO UMA ADAPTAÇÃO DO MODELO DE TRANSPORTE Debora Jaensch Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção

Leia mais

Portfólio de Treinamentos. Exo Excelência Operacional // 2014

Portfólio de Treinamentos. Exo Excelência Operacional // 2014 Portfólio de Treinamentos Exo Excelência Operacional // 2014 Treinamentos Exo Excelência Operacional A Exo Excelência Operacional traz para você e sua empresa treinamentos fundamentais para o desenvolvimento

Leia mais