Identificação do Órgão/Unidade:Tribunal Superior Eleitoral/STI/COINF/SEPD Service Desk

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Identificação do Órgão/Unidade:Tribunal Superior Eleitoral/STI/COINF/SEPD Service Desk"

Transcrição

1 Identificação do Órgão/Unidade:Tribunal Superior Eleitoral/STI/COINF/SEPD Service Desk para contato: Nome trabalho/projeto: Suporte em TI baseado em sistema de gestão da qualidade Tema escolhido: Tecnologia da Informação Nome do responsável ou equipe: Service Desk Delimitação da ação: Este trabalho visa discorrer sobre a implantação e adoção do sistema de gestão da qualidade baseado na NBR ISO 9001:2008 O objetivo é apresentar o alcance das metas estipuladas para o aperfeiçoamento das atividades do Tribunal Superior Eleitoral decorrentes da implantação, no Service Desk, do sistema de gestão da qualidade baseado na NBR ISO 9001:2008

2 IDENTIFICAÇÃO DO PROBLEMA. Antes da adoção do sistema de gestão da qualidade o TSE prestava um atendimento em TI à Justiça Eleitoral precário, pois possuía: Documentação das rotinas de atendimento modesta e com manutenção discreta; Medidores de cenários ao invés de indicadores de desempenho; Pesquisa de satisfação de nossos clientes quanto aos serviços prestados por toda a STI, entretanto não possuía um plano de melhorias e tratamento de reclamações; Ausência de reuniões periódicas com o objetivo de se avaliar os resultados obtidos; Ausência de objetivos, metas e indicadores; Ausência de consulta on line das solicitações pelo usuário feito ao Service Desk; Ausência de definição de catálogo de serviços atendidos em 1º nível, aqueles atendimentos realizado imediatamente ao usuário, ao acionar a TI. ANÁLISE DAS PRINCIPAIS CAUSAS. Com a documentação das rotinas de atendimento modesta, discretamente alimentada e a precariedade de instruções de trabalho, o atendimento ao cliente era moroso, pois as informações disponíveis não eram confiáveis e precisas e o tempo gasto para o seu acesso era considerável. Os resultados obtidos através dos medidores de cenários não eram suficientes para proporcionar indicativos consistentes para a tomada de decisões e a conseqüente implementação de melhorias. Não havia tratamento específico para a adoção de medidas direcionadas aos resultados dos poucos formulários preenchidos de pesquisas de satisfação. Não havia possibilidade de consulta ao andamento, pelo usuário, da solicitação realizada ao Service Desk, causando incerteza e falta de clareza ao solicitante quanto ao atendimento e andamento da solicitação. Na ausência de um catálogo de serviços, o Service Desk apresentava dificuldade em solicitar à área competente o atendimento da demanda do usuário, uma vez que não era, explicítas as competências de cada área de atendimento da TI. Esta condição prejudicava demasiadamente a celeridade do atendimento.

3 IMPLEMENTAÇÃO DEMELHORIAS E RESULTADOS ALCANÇADOS O Service Desk tem como atribuição o apoio aos clientes de tecnologia da informação para suporte e resolução de problemas técnicos. Sua principal missão é o restabelecimento da operação normal dos serviços, minimizando o impacto nos negócios causados por falhas de TI. O Service Desk é composto pelas equipes de primeiro, segundo nível e supervisão. A equipe de primeiro nível é responsável por receber, registrar e analisar as solicitações dos clientes, realizando efetivamente o atendimento nas questões de sua competência ou encaminhando as solicitações ao segundo ou terceiro nível, conforme o caso. A equipe de segundo nível é responsável por realizar atendimentos de maior complexidade definidos em sua competência e por receber e dar tratamento às solicitações não resolvidas pela equipe de primeiro nível, atendendo-as ou encaminhando-as ao terceiro nível, conforme o caso. É responsável também pela manutenção da Base de Conhecimento, onde são documentadas todas as rotinas de atendimentos realizados pelo Service Desk. A equipe de supervisão é responsável pelo acompanhamento e supervisão do processo de realização dos atendimentos efetuados no Service Desk. As equipes de terceiro nível são responsáveis pela realização dos atendimentos estritamente de competência de suas áreas de atuação, tais como, banco de dados, sistemas informatizados, redes de computadores, atendimento presencial e etc. No intuito de solucionar os problemas relatados anteriormente, o TSE adotou os métodos e técnicas propostos pelo Sistema de Gestão da Qualidade visando a implementação das ações para aperfeiçoamento dos processos de suporte de TI à Justiça Eleitoral. Tal sistema visa agregar celeridade dos serviços, medir satisfação dos usuários, eliminar desperdício, racionalizar procedimentos, desenvolver equipes, valorizar servidores e melhorar condições de trabalho. Abaixo segue lista com uma série de melhorias implementadas a partir dos diagnósticos feitos no Sistema de Gestão da Qualidade: JUSTIFICATIVA PARA A MELHORIA Não existia mecanismo disponível para avaliação efetiva da satisfação dos clientes do Service Desk MELHORIA IMPLANTADA Implantar mecanismo de avaliação da Satisfação dos clientes da Justiça Eleitoral com o serviço prestado pelo Service Desk da STI. MEIO UTILIZADO Disponibilização pesquisa on-line de satisfação na rede de computadores da Justiça Eleitoral.

4 Não havia mecanismo para identificação dos principais impactos no serviços prestados pelo Service Desk causados pelas empresas contratadas. Para obter informações sobre o andamento da sua solicitação, o cliente precisar entrar em contato com a equipe de atendimento, que verificava a informação desejada. Conforme identificado em auditoria, os processos de atualização da base de conhecimento possuem características de projeto, uma vez que ao receber uma nova demanda de atendimento, a equipe planeja como esse atendimento será realizado. Os chamados com avaliação negativa feita na pesquisa de satisfação pelo cliente não recebiam tratamento especifico e pontual. Sem mobiliário adequado para atendimento telefônico, o Service Desk gerava muito ruído durante períodos de grande quantidade de atendimentos, atrapalhando a realização do serviço. Desenvolvimento de nova ferramenta para avaliaação dos fornecedores externos. Desenvolvimento de mecanismo de acompanhamento dos chamados abertos pelos clientes, em tempo real na Intranet Planejamento das atividades de atualização da base de conhecimento a partir de técncas de gerenciamento de projetos. Identificação e avaliação pontual de cada chamado avaliado negativamente, de modo a garantir uma resposta rápida e eficaz ao cliente insatisfeito. Adequação do mobiliário, a partir da utilização de recursos adequados ás atividades de atendimento telefônico. Implementação de formulários, onde os gestores de contrato avaliam o desempenho do fornecedor e gera informações para a tomada de ações necessárias. Desenvolvimentio de uma aplicação na intranet para consulta ao andamento dos chamados. Implantação do requisito 7.3 da norma ISO 9001, que descreve orientações para atividades de projeto e desenvolvimento. Desenvolvimento de relatório gerencial pela equipe do Maximo, que permitiu a identificação automática dos chamados negativados. Aquisição de headsets de atendimento e de mobiliário com isolamento acústico para cada posto de atendimento.

5 RESULTADOS E BENEFÍCIOS Com a implantação e manutenção de um Sistema de Gestão da Qualidade, foi permitida à gestão da Central de Serviços uma atualização na Base de Conhecimento, que se tornou mais segura, consistente e com manutenção diária por uma equipe exclusiva. Com instruções precisas e seguras, se garantiu maior conformidade e celeridade aos atendimentos. Foram criados indicadores chaves de desempenho permitindo que os gestores do Service Desk tenham dados consolidados, gerando informação para apoiar a tomada de decisões. Foi desenvolvido método próprio para captação da satisfação do usuário da Justiça Eleitoral em relação ao atendimento, proporcionando o solicitante manifestarse, emitindo sua opinião quanto à qualidade em cada atendimento recebido, consolidando-as respostas em um indicador. Com o Sistema mantido e em funcionamento, os resultados, falhas, melhorias, pendências são oficialmente registrados e repassados formalmente a cada bimestre à alta direção, em uma reunião de análise de dados, onde são levadas informações que apóiam as tomadas de decisões num nível tático/estratégico. O SGQ estabelece que devem ser mantidos mecanismos para monitoramento e medição dos processos e produtos resultantes. Um benefício alcançado foi a criação de um catálogo de serviços que de forma eficaz demonstra o conjunto de serviços, relativos a TI que o Service Desk pode oferecer à Justiça Eleitoral, permitindo assim uma padronização na entrega de serviços, garantido maior qualidade. COMPARAÇÃO DOS DADOS Abaixo indicadores que demonstram o progresso do Service Desk após 2008, ano da implantação do SGQ:

6 Este índice mede o percentual de satisfação dos clientes da JE com o suporte oferecido pelo Service Desk. Índice que mede a conformidade do produto entregue pelo Service Desk conforme definido no escopo de atendimento em primeiro Nível. Índice que mede o desempenho individual do atendente do Service Desk Este é o registro das solicitações resolvidas pelo Service Desk no primeiro atendimento.

7 CONCLUSÃO A Central de Serviços do TSE (Service Desk), que faz parte da Seção de Produção da Coordenadoria de Infra-Estrutura da Secretaria de Tecnologia da Informação do TSE, aderiu em 2008 ao Sistema de Gestão da Qualidade com o objetivo de aprimorar e aperfeiçoar seu desempenho no cumprimento de sua missão, contribuindo para agregar celeridade aos serviços, aumentar a satisfação dos usuários, eliminar desperdício, racionalizar procedimentos, desenvolver equipes, valorizar colaboradores e melhorar as condições de trabalho. Anteriormente à adoção do sistema de gestão da qualidade o TSE possuía um atendimento em TI precário, apresentando base de conhecimento modesta e discreta, medidores de cenários, ao invés de indicadores de desempenho, além da ausência de objetivos, metas, pesquisa de satisfação e planejamento de melhorias. Visando solucionar os problemas citados anteriormente o TSE adotou os métodos e técnicas propostos pelo Sistema de Gestão da Qualidade objetivando implementação de ações para aperfeiçoamento dos processos de suporte à Justiça Eleitoral. Com a implantação do SGQ foi proporcionada à Gestão da Central de Serviços (Service Desk) uma atualização em sua base de conhecimento, contribuindo para sua maior solidez, segurança e consistência. Os resultados, falhas, melhorias, pendências são oficialmente registrados e repassados formalmente a cada bimestre à alta direção. O registro da captação da satisfação do usuário da Justiça Eleitoral e a criação de indicadores chaves de desempenho geram informações precisas e seguras para apoiar a tomada de decisões. O SGQ estabelece que devam ser mantidos mecanismos para monitoramento e medição dos processos e produtos resultantes. Um benefício alcançado foi a criação de um catálogo de serviços que de forma eficaz demonstra o conjunto de serviços, relativos a TI que o Service Desk pode oferecer à JE. Permitindo assim uma padronização na entrega de serviços e com a qualidade esperada pelo cliente. Mediante a comparação dos dados anteriores e posteriores à implantação do Sistema de Gestão da Qualidade, podemos afirmar que a Central de Serviços (Service Desk) apresentou uma melhora substancial, contribuindo significativamente para o cumprimento dos objetivos e metas traçados pela Política da Qualidade do TSE.

Prof. Adilson Spim Gestão da Qualidade ISO 9001:2008 1

Prof. Adilson Spim Gestão da Qualidade ISO 9001:2008 1 Certificação NBR Requisitos A partir da versão 1994, a série ISO 9000 passou a ser conhecida como família ISO 9000 ; leva em conta duas situações, a contratual e não contratual; Para a situação não contratual

Leia mais

PROCEDIMENTO SISTÊMICO DE GESTÃO INTEGRADO

PROCEDIMENTO SISTÊMICO DE GESTÃO INTEGRADO 1. OBJETIVO Estabelecer, documentar, implementar, aprimorar e manter um Sistema de Gestão da Qualidade e de Energia, que assegure a conformidade com os requisitos da norma de referência. Outrossim, a responsabilidade

Leia mais

ESTRUTURA ISO 9.001:2008

ESTRUTURA ISO 9.001:2008 Sistema de Gestão Qualidade (SGQ) ESTRUTURA ISO 9.001:2008 Objetivos: Melhoria da norma existente; Melhoria do entendimento e facilidade de uso; Compatibilidade com a ISO 14001:2004; Foco Melhorar o entendimento

Leia mais

CARTILHA DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE. Olá!! Fique informado, leia a Cartilha do SGQ!!!!!!

CARTILHA DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE. Olá!! Fique informado, leia a Cartilha do SGQ!!!!!! CARTILHA DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE Olá!! Fique informado, leia a Cartilha do SGQ!!!!!! Revisão 06 de 08/02/2011 CARTILHA DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE SGQ A Cartilha do Sistema de Gestão da

Leia mais

PESQUISA DE SATISFAÇÃO SOBRE O SERVIÇO DE SUPORTE TÉCNICO DE TI

PESQUISA DE SATISFAÇÃO SOBRE O SERVIÇO DE SUPORTE TÉCNICO DE TI PESQUISA DE SATISFAÇÃO SOBRE O SERVIÇO DE SUPORTE TÉCNICO DE TI APRESENTAÇÃO Este documento fornece um resumo do relatório da pesquisa de satisfação que foi realizada no Tribunal de Justiça de Pernambuco

Leia mais

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul Planejamento Estratégico de TIC da Justiça Militar do Estado do Rio Grande do Sul MAPA ESTRATÉGICO DE TIC DA JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO (RS) MISSÃO: Gerar, manter e atualizar soluções tecnológicas eficazes,

Leia mais

Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina

Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicação (PETI) Secretaria de Tecnologia da Informação Florianópolis, março de 2010. Apresentação A informatização crescente vem impactando diretamente

Leia mais

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 Dispõe sobre o Planejamento Estratégico de TIC no âmbito do Poder Judiciário e dá outras providências. ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário Planejamento

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 Institui o Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicação no âmbito do Poder Judiciário. O PRESIDENTE DO CONSELHO

Leia mais

MEDIÇÃO DE DESEMPENHO NA CONSTRUÇÃO CIVIL

MEDIÇÃO DE DESEMPENHO NA CONSTRUÇÃO CIVIL MEDIÇÃO DE DESEMPENHO NA CONSTRUÇÃO CIVIL Eng. Dayana B. Costa MSc, Doutoranda e Pesquisadora do NORIE/UFRGS Conteúdo da Manhã Módulo 1 Medição de Desempenho Conceitos Básicos Experiência de Sistemas de

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 3ª REGIÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 3ª REGIÃO Controle de Versões Autor da Solicitação: Subseção de Governança de TIC Email:dtic.governanca@trt3.jus.br Ramal: 7966 Versão Data Notas da Revisão 1 03.02.2015 Versão atualizada de acordo com os novos

Leia mais

SIMPROS 2001. Experiência de implantação da norma ISO 9001:2000 a partir da utilização da ISO/IEC TR 15504 (SPICE) para Melhoria de Processos

SIMPROS 2001. Experiência de implantação da norma ISO 9001:2000 a partir da utilização da ISO/IEC TR 15504 (SPICE) para Melhoria de Processos Experiência de implantação da norma ISO 9001:2000 a partir da utilização da ISO/IEC TR 15504 (SPICE) para Melhoria de Processos Adilson Sérgio Nicoletti Blumenau, SC - setembro de 2001 Conteúdo Apresentação

Leia mais

PLENÁRIA FINAL JUSTIÇA ELEITORAL

PLENÁRIA FINAL JUSTIÇA ELEITORAL 1ª Reunião da Rede de Priorização do Primeiro Grau de Jurisdição PLENÁRIA FINAL JUSTIÇA ELEITORAL 05 a 07 de maio de 2015 ESMAF Brasília/DF Integrantes da Rede de Priorização do Primeiro Grau no segmento

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE MQ 01 Rev. 07 MANUAL DA QUALIDADE

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE MQ 01 Rev. 07 MANUAL DA QUALIDADE Rev. Data. Modificações 01 14/09/2007 Manual Inicial 02 12/06/2009 Revisão Geral do Sistema de Gestão da Qualidade 03 22/10/2009 Inclusão de documento de referência no item 8. Satisfação de cliente, Alteração

Leia mais

ITIL na Prática. Quais são os fatores críticos de sucesso para obter valor a partir de um Service Desk? Conhecimento em Tecnologia da Informação

ITIL na Prática. Quais são os fatores críticos de sucesso para obter valor a partir de um Service Desk? Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação ITIL na Prática Quais são os fatores críticos de sucesso para obter valor a partir de um Service Desk? Conhecimento em Tecnologia da Informação 2010 Bridge Consulting

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE COM CERTIFICAÇÃO ABNT NBR ISO 9001:2008

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE COM CERTIFICAÇÃO ABNT NBR ISO 9001:2008 Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios TJDFT Secretaria Geral SEG E-mail para contato: nucleodaqualidade@tjdft.jus.br Projeto: Sistema de Gestão da Qualidade com Certificação PGQ. Tema:

Leia mais

PROCEDIMENTO SISTÊMICO DA QUALIDADE

PROCEDIMENTO SISTÊMICO DA QUALIDADE 1. OBJETIVO Estabelecer, documentar, implementar, aprimorar e manter um, que assegure a conformidade com os requisitos da norma de referência. 2. CONTROLE DE DOCUMENTOS E REGISTRO 2. CONTROLE DE DOCUMENTOS

Leia mais

Gerenciamento de Incidentes

Gerenciamento de Incidentes Gerenciamento de Incidentes Os usuários do negócio ou os usuários finais solicitam os serviços de Tecnologia da Informação para melhorar a eficiência dos seus próprios processos de negócio, de forma que

Leia mais

Preparando a Implantação de um Sistema de Gestão da Qualidade

Preparando a Implantação de um Sistema de Gestão da Qualidade Preparando a Implantação de um Projeto Pró-Inova - InovaGusa Ana Júlia Ramos Pesquisadora em Metrologia e Qualidade e Especialista em Sistemas de Gestão da Qualidade 1. Gestão Gestão Atividades coordenadas

Leia mais

ISO NAS PRAÇAS. Oficina ISO 9001-2008 Formulação da Política da Qualidade. Julho/2011

ISO NAS PRAÇAS. Oficina ISO 9001-2008 Formulação da Política da Qualidade. Julho/2011 Oficina ISO 9001-2008 Formulação da Política da Qualidade Julho/2011 GESPÚBLICA Perfil do Facilitador Servidor de carreira que tenha credibilidade Bom relacionamento interpessoal Acesso a alta administração

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 506, DE 28 DE JUNHO DE 2013

RESOLUÇÃO Nº 506, DE 28 DE JUNHO DE 2013 Publicada no DJE/STF, n. 127, p. 1-3 em 3/7/2013. RESOLUÇÃO Nº 506, DE 28 DE JUNHO DE 2013 Dispõe sobre a Governança Corporativa de Tecnologia da Informação no âmbito do Supremo Tribunal Federal e dá outras

Leia mais

A Estratégia do Conselho da Justiça Federal 2015/2020 CJF-POR-2015/00359, de 26 de agosto de 2015

A Estratégia do Conselho da Justiça Federal 2015/2020 CJF-POR-2015/00359, de 26 de agosto de 2015 A Estratégia do Conselho da Justiça Federal CJF-POR-2015/00359, de 26 de agosto de 2015 SUEST/SEG 2015 A estratégia do CJF 3 APRESENTAÇÃO O Plano Estratégico do Conselho da Justiça Federal - CJF resume

Leia mais

Certificações ISO 9001 por Setor Econômico no Brasil

Certificações ISO 9001 por Setor Econômico no Brasil Certificações ISO 9001 por Setor Econômico no Brasil 9000 8000 8690 7000 6000 5000 4000 3000 4709 3948 2000 1000 29 4 0 Indústria Comércio e Serviços Agropecuária Código Nace Inválido TOTAL Fonte: Comitê

Leia mais

Pitrez Informática MANUAL DA QUALIDADE. Norma NBR ISO 9001:2008

Pitrez Informática MANUAL DA QUALIDADE. Norma NBR ISO 9001:2008 Título Manual da Qualidade Folha: 1 de 20 Pitrez Informática MANUAL DA QUALIDADE Norma NBR ISO 9001:2008 Título Manual da Qualidade Folha: 2 de 20 Título Manual da Qualidade Folha: 3 de 20 Índice 1. Apresentação...

Leia mais

A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 11ª. REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 11ª. REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, Institui a Política de Gerenciamento de Serviços de TI no âmbito do Tribunal Regional do Trabalho da 11ª. Região. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 11ª. REGIÃO, no uso de suas atribuições

Leia mais

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Art. 1º - A Diretoria de Tecnologia de Informação e Comunicação DTIC da Universidade FEDERAL DO ESTADO DO RIO

Leia mais

PDTI - Plano Diretor de Tecnologia da Informação, incluindo a revisão do Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2013-2014

PDTI - Plano Diretor de Tecnologia da Informação, incluindo a revisão do Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2013-2014 PDTI - Plano Diretor de Tecnologia da Informação, incluindo a revisão do Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2013-2014 Índice 1 Introdução...1 2 Apresentação...2 3 Referencial e Alinhamento

Leia mais

Gestão da Qualidade. Evolução da Gestão da Qualidade

Gestão da Qualidade. Evolução da Gestão da Qualidade Gestão da Qualidade Evolução da Gestão da Qualidade Grau de Incerteza Grau de complexidade Adm Científica Inspeção 100% CEQ Evolução da Gestão CEP CQ IA PQN PQN PQN TQM PQN MSC GEQ PQN PQN Negócio Sistema

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov. TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008 Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.br 11 3104-0988 Este treinamento tem por objetivo capacitar os participantes para

Leia mais

RELATÓRIO DE PESQUISA DE SATISFAÇÃO SOBRE O SERVIÇO DE SUPORTE TÉCNICO DE TI

RELATÓRIO DE PESQUISA DE SATISFAÇÃO SOBRE O SERVIÇO DE SUPORTE TÉCNICO DE TI RELATÓRIO DE PESQUISA DE SATISFAÇÃO SOBRE O SERVIÇO DE SUPORTE TÉCNICO DE TI Para realizar grandes coisas, nós não devemos apenas agir, mas também sonhar. Não devemos apenas planejar, mas também acreditar.

Leia mais

O que significa a ABNT NBR ISO 9001 para quem compra?

O que significa a ABNT NBR ISO 9001 para quem compra? 1 O que significa a ABNT NBR ISO 9001 para quem compra? (ADAPTAÇÃO REALIZADA PELO ABNT/CB-25 AO DOCUMENTO ISO, CONSOLIDANDO COMENTÁRIOS DO INMETRO E DO GRUPO DE APERFEIÇOAMENTO DO PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO)

Leia mais

Resoluções nº 90 e nº 99 de 2009 CNJ

Resoluções nº 90 e nº 99 de 2009 CNJ Resoluções nº 90 e nº 99 de 2009 CNJ Março COMITÊ GESTOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO - CGTIC 2 ÍNDICE PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO... 3 Apresentação...

Leia mais

Abertura do Evento Sr. Wanderley Sigali - Diretor Executivo Gristec

Abertura do Evento Sr. Wanderley Sigali - Diretor Executivo Gristec KEYASSOCIADOS 1 PROGRAMAÇÃO Abertura do Evento Sr. Wanderley Sigali - Diretor Executivo Gristec Apresentação Institucional KEYASSOCIADOS Sr. Francisco R. Ramires Gerente Comercial - KEY Apresentação NBR

Leia mais

ISO 9000:2008 PASSOS PARA IMPLEMENTAÇÃO E UPGRADE DA NORMA EM SUA ORGANIZAÇÃO 15 / MAIO / 2007

ISO 9000:2008 PASSOS PARA IMPLEMENTAÇÃO E UPGRADE DA NORMA EM SUA ORGANIZAÇÃO 15 / MAIO / 2007 ISO 9000:2008 PASSOS PARA IMPLEMENTAÇÃO E UPGRADE DA NORMA EM SUA ORGANIZAÇÃO 15 / MAIO / 2007 RESUMO - Normas ISO 9001:2008 e ISO 9004:2008 As futuras versões das normas serão alvo de processos distintos

Leia mais

ÍNDICE. Introdução 2. Missão 4. Visão de Futuro 5. Objetivos Estratégicos 6. Mapa Estratégico 7. Metas, Indicadores e Ações 8. Considerações Finais 22

ÍNDICE. Introdução 2. Missão 4. Visão de Futuro 5. Objetivos Estratégicos 6. Mapa Estratégico 7. Metas, Indicadores e Ações 8. Considerações Finais 22 ÍNDICE Introdução 2 Missão 4 Visão de Futuro 5 Objetivos Estratégicos 6 Mapa Estratégico 7 Metas, Indicadores e Ações 8 Considerações Finais 22 1 INTRODUÇÃO O Plano Estratégico do Supremo Tribunal de Federal,

Leia mais

PROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA. ANEXO ÚNICO DO ATO PGJ n 056/2010

PROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA. ANEXO ÚNICO DO ATO PGJ n 056/2010 PROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA ANEXO ÚNICO DO ATO PGJ n 056/2010 SUPERINTENDÊNCIA DE ADMINISTRAÇÃO: Indicador: Percentual de órgãos com estrutura de equipamentos adequada. Meta: 79, 24% Melhorar a estrutura

Leia mais

Curso de Formação para o Aperfeiçoamento do Atendimento ao Eleitor

Curso de Formação para o Aperfeiçoamento do Atendimento ao Eleitor Unidade: Tribunal Regional Eleitoral do Amazonas segti@tre-am.gov.br Curso de Formação para o Aperfeiçoamento do Atendimento ao Eleitor Gestão de Pessoas Jander Assis Valente, Msc Analista Judiciário/Secretário

Leia mais

A Estratégia de TIC do Poder Judiciário do Estado de Mato Grosso

A Estratégia de TIC do Poder Judiciário do Estado de Mato Grosso RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 Dispõe sobre o Planejamento Estratégico de TIC no âmbito do Poder Judiciário e dá outras providências. A Estratégia de TIC do Poder Judiciário do Estado de Mato

Leia mais

1 APRESENTAÇÃO. Página 3 de 16

1 APRESENTAÇÃO. Página 3 de 16 Sumário 1 APRESENTAÇÃO... 3 2 OBJETIVOS... 4 3 PÚBLICO-ALVO DA GESTÃO ESTRATÉGICA... 4 4 INFORMAÇÕES SOBRE O MODELO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DO TCE/RN... 5 4.1 DIRECIONADORES ESTRATÉGICOS... 5 4.2 OBJETIVOS

Leia mais

Processo Atendimento N1

Processo Atendimento N1 Dono do processo Regiane Mendes Barbosa Substituto: Gustavo de Castro Ventura Aprovado por Analisado criticamente por Comitê da qualidade Chefe do Departamento de Atendimento ao Usuário e Representante

Leia mais

Registro e Acompanhamento de Chamados

Registro e Acompanhamento de Chamados Registro e Acompanhamento de Chamados Contatos da Central de Serviços de TI do TJPE Por telefone: (81) 2123-9500 Pela intranet: no link Central de Serviços de TI Web (www.tjpe.jus.br/intranet) APRESENTAÇÃO

Leia mais

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES V CONGRESSO BRASILEIRO DE METROLOGIA Metrologia para a competitividade em áreas estratégicas 9 a 13 de novembro de 2009. Salvador, Bahia Brasil. ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO

Leia mais

Nome do Projeto: Revisão do processo de Homologação de Modelo de Dados Tema: Tecnologia da Informação Responsável: SEAD

Nome do Projeto: Revisão do processo de Homologação de Modelo de Dados Tema: Tecnologia da Informação Responsável: SEAD Apresentação TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL SECRETARIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO COORDENADORIA DE LOGÍSTICA SEÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO DE DADOS E-mail: sead@tse.jus.br Nome do Projeto: Revisão do processo de

Leia mais

M A N U A L D A Q U A L I D A D E

M A N U A L D A Q U A L I D A D E M A N U A L D A Q U A L I D A D E 14ª Versão Última atualização: MANUAL DA QUALIDADE - Rev. Data Elaborado por Descrição da alteração 01 10/06/2012 Hélio Lipiani Versão Inicial 02 20/07/2010 Hélio Lipiani

Leia mais

Gerenciamento de Serviços em TI com ITIL. Gerenciamento de Serviços de TI com ITIL

Gerenciamento de Serviços em TI com ITIL. Gerenciamento de Serviços de TI com ITIL Gerenciamento de Serviços de TI com ITIL A Filosofia do Gerenciamento de Serviços em TI Avanços tecnológicos; Negócios totalmente dependentes da TI; Qualidade, quantidade e a disponibilidade (infra-estrutura

Leia mais

OUVIDORIA VIVA RIO MANUAL DE PROCEDIMENTOS

OUVIDORIA VIVA RIO MANUAL DE PROCEDIMENTOS OUVIDORIA VIVA RIO MANUAL DE PROCEDIMENTOS CONTEÚDO 1. OUVIDORIA INTERNA... 4 2. OUVIDORIA EXTERNA... 6 3. PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO... 7 4. CALL CENTER ATIVO DA SAÚDE... 12 5. OUVIDORIA UNIDADES

Leia mais

www.pwc.com.br Como melhorar a gestão da sua empresa?

www.pwc.com.br Como melhorar a gestão da sua empresa? www.pwc.com.br Como melhorar a gestão da sua empresa? Como melhorar a gestão da sua empresa? Melhorar a gestão significa aumentar a capacidade das empresas de solucionar problemas. Acreditamos que, para

Leia mais

Manual da Qualidade. Figura 1: Organograma da SInfo e Escopo de Certificação

Manual da Qualidade. Figura 1: Organograma da SInfo e Escopo de Certificação Criado por Aprovado por Analisado criticamente por Wilker Bueno de Freitas Rosa Luiz Mauro de Pádua Silveira Comitê da Qualidade 1 - SGQ- Sinfo A Superintendência de Informática Inserida dentro do quadro

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV MANUAL DA QUALIDADE Manual da Qualidade - MQ Página 1 de 15 ÍNDICE MANUAL DA QUALIDADE 1 INTRODUÇÃO...3 1.1 EMPRESA...3 1.2 HISTÓRICO...3 1.3 MISSÃO...4 1.4 VISÃO...4 1.5 FILOSOFIA...4 1.6 VALORES...5

Leia mais

Unidade II PROCESSOS ORGANIZACIONAIS. Prof. Léo Noronha

Unidade II PROCESSOS ORGANIZACIONAIS. Prof. Léo Noronha Unidade II PROCESSOS ORGANIZACIONAIS Prof. Léo Noronha Macroprocesso Referência: sistema de gestão da qualidade pela NBR ISO 9011:2008. Macroprocesso Para a realização do produto, necessitase da integração

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE MQ-01

MANUAL DA QUALIDADE MQ-01 Sumário 1 Objetivo 2 Últimas Alterações 3 Termos e definições 4 Sistema de gestão de qualidade 5 Responsabilidade da direção 6 Gestão de recursos 7 Realização do produto 8 Medição, análise e melhoria.

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

SUPERVISÃO COOPERATIVA Acompanhamento Indireto, acompanhamento dos planos, auditoria e comunicação

SUPERVISÃO COOPERATIVA Acompanhamento Indireto, acompanhamento dos planos, auditoria e comunicação SUPERVISÃO COOPERATIVA Acompanhamento Indireto, acompanhamento dos planos, auditoria e comunicação 1 Acompanhamento Indireto Tratamento das informações Análise intrínseca, evolutiva e comparativa Processos

Leia mais

Governança AMIGA. Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti

Governança AMIGA. Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti e d a id 4 m IN r fo a n m Co co M a n ua l Governança AMIGA Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti Um dos grandes desafios atuais da administração

Leia mais

NBR ISO 9001:2008. Prof. Marcos Moreira

NBR ISO 9001:2008. Prof. Marcos Moreira NBR ISO 9001:2008 Sistema de Gestão da Qualidade Prof. Marcos Moreira História International Organization for Standardization fundada em 1947, em Genebra, e hoje presente em cerca de 157 países. Início

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA DE VAPT VUPT E ATENDIMENTO AO PÚBLICO PROCEDIMENTO DE MONITORAMENTO DO ATENDIMENTO AO CLIENTE

SUPERINTENDÊNCIA DE VAPT VUPT E ATENDIMENTO AO PÚBLICO PROCEDIMENTO DE MONITORAMENTO DO ATENDIMENTO AO CLIENTE Sistema de Gestão da Qualidade SUPERINTENDÊNCIA DE VAPT VUPT E ATENDIMENTO AO PÚBLICO PROCEDIMENTO DE MONITORAMENTO DO ATENDIMENTO AO CLIENTE Responsável: Márcio Gláucio Maia da Silva Cópia Controlada

Leia mais

Garantir efetividade na tramitação dos processos judiciais e administrativos e assegurar a razoável duração do processo.

Garantir efetividade na tramitação dos processos judiciais e administrativos e assegurar a razoável duração do processo. Eficiência Operacional. Buscar a efetividade nos trâmites judiciais e administrativos. Garantir efetividade na tramitação dos processos judiciais e administrativos e assegurar a razoável duração do processo.

Leia mais

Os processos. Auditorias internas. Requisitos ISO 9001 S1E1

Os processos. Auditorias internas. Requisitos ISO 9001 S1E1 Os processos Requisitos ISO 9001 s internas S1E1 Metodologia Esta capacitação em s Internas de Sistemas de Gestão da Qualidade prevê a construção do conhecimento por meio de exercícios teórico-práticos

Leia mais

3. O Laboratório de Eletromagnetismo e Compatibilidade Eletromagnética

3. O Laboratório de Eletromagnetismo e Compatibilidade Eletromagnética A implantação de um Sistema de Gestão da Qualidade segundo a norma NBR ISO/IEC 17025 no Laboratório de Eletromagnetismo e Compatibilidade Eletromagnética da Universidade Federal de Santa Catarina. Eduardo

Leia mais

RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011

RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011 RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011 Dispõe sobre a Política de Governança de Tecnologia da Informação do Tribunal de Contas da União (PGTI/TCU). O TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO, no uso de suas

Leia mais

As Universidades Públicas Federais e os Órgãos de Controle Desafios para uma gestão de qualidade

As Universidades Públicas Federais e os Órgãos de Controle Desafios para uma gestão de qualidade As Universidades Públicas Federais e os Órgãos de Controle Desafios para uma gestão de qualidade O desafio do Controle é do tamanho do Brasil Rede de Controle SOCIEDADE (CONTROLE SOCIAL) 1 Supervisão

Leia mais

AGENDA - A Ouvidoria nas Empresas - Sistema de controle Exceller Ouvidoria - Resolução Bacen 3.477 - Principais pontos

AGENDA - A Ouvidoria nas Empresas - Sistema de controle Exceller Ouvidoria - Resolução Bacen 3.477 - Principais pontos AGENDA - A Ouvidoria nas Empresas - Sistema de controle Exceller Ouvidoria - Resolução Bacen 3.477 - Principais pontos mediação, ouvidoria e gestão de relacionamentos A Ouvidoria nas Empresas Ferramenta

Leia mais

Questionário de Governança de TI 2014

Questionário de Governança de TI 2014 Questionário de Governança de TI 2014 De acordo com o Referencial Básico de Governança do Tribunal de Contas da União, a governança no setor público compreende essencialmente os mecanismos de liderança,

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA INS 14.16. Instrução Normativa: 14.16/08-01. Revisão nº 0102. Data da Revisão: 22/10/2012. Resolução Sup.

INSTRUÇÃO NORMATIVA INS 14.16. Instrução Normativa: 14.16/08-01. Revisão nº 0102. Data da Revisão: 22/10/2012. Resolução Sup. INSTRUÇÃO NORMATIVA INS 14.16 Telemarketing Ativo Origem: Diretoria Superintendência Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Estado de Mato Grosso Instrução Normativa: 14.16/08-01 Revisão nº 0102

Leia mais

1 LIDERANÇA. Indicador 1: Eficiência da Comunicação Organizacional

1 LIDERANÇA. Indicador 1: Eficiência da Comunicação Organizacional COMPILADO DAS SUGESTÕES DE MELHORIAS PARA O IDGP/2011 por critério e indicador 1 LIDERANÇA O critério Liderança aborda como está estruturado o sistema de liderança da organização, ou seja, o papel da liderança

Leia mais

GERIC GERENCIAMENTO DO I.T.I.L E DO COBIT

GERIC GERENCIAMENTO DO I.T.I.L E DO COBIT GERIC GERENCIAMENTO DO I.T.I.L E DO COBIT Angélica A. da Silva, Regiani R.Nunes e Sabrina R. de Carvalho 1 Tathiana Barrére Sistemas de Informação AEDB - Associação Educacional Dom Bosco RESUMO Esta sendo

Leia mais

ATO Nº 233/2013. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

ATO Nº 233/2013. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, ATO Nº 233/2013 Institui a Política de Gerenciamento de Serviços de Tecnologia da Informação (TI) no âmbito do Tribunal Regional do Trabalho da 7ª Região. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO

Leia mais

MBA em Gestão de Tecnologia da Informação. Governança de TI - Aula 2. Lincoln Herbert Teixeira lincolnherbert@gmail.com

MBA em Gestão de Tecnologia da Informação. Governança de TI - Aula 2. Lincoln Herbert Teixeira lincolnherbert@gmail.com MBA em Gestão de Tecnologia da Informação Governança de TI - Aula 2 Lincoln Herbert Teixeira lincolnherbert@gmail.com Projetos Altos investimentos em TI - importante que tenhamos processos eficazes para

Leia mais

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE Revisão: 07 Data: 05.03.09 Página 1 de 7 Copia controlada MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE José G. Cardoso Diretor Executivo As informações contidas neste Manual são de propriedade da Abadiaço Ind. e Com.

Leia mais

Atuação da Auditoria Interna na Avaliação da Gestão de Tecnologia da Informação

Atuação da Auditoria Interna na Avaliação da Gestão de Tecnologia da Informação Atuação da Auditoria Interna na Avaliação da Gestão de Tecnologia da Informação Emerson de Melo Brasília Novembro/2011 Principais Modelos de Referência para Auditoria de TI Como focar no negócio da Instituição

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. Relatório de Informações Gerenciais

PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. Relatório de Informações Gerenciais PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Relatório de Informações Gerenciais Setorial do 1º Semestre de 2013 DIRETORIA GERAL DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÂO DGTEC RELATÓRIO DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS 1º

Leia mais

Classificação dos Sistemas de Informação

Classificação dos Sistemas de Informação Sistemas de Informação Classificação dos Sistemas de Informação O que veremos? Estaremos examinando o tipo de sistema de informação Gerencial. Veremos também, outras classificações dos sistemas de informação.

Leia mais

Software para Gerenciamento de Sistemas de Gestão

Software para Gerenciamento de Sistemas de Gestão Software para Gerenciamento de Sistemas de Gestão Sabemos que implementar e monitorar um Sistema de Gestão é um grande desafio, pois temos que planejar, controlar e verificar muitos registros, papéis,

Leia mais

Treinamento Gestão da Qualidade - Cartilha

Treinamento Gestão da Qualidade - Cartilha Treinamento Gestão da Qualidade - Cartilha Apresentação A AGM está se estruturando nos princípios da Qualidade Total e nos requisitos da Norma NBR ISO 9001:2000, implantando em nossas operações o SGQ Sistema

Leia mais

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA 1 1. APRESENTAÇÃO Esta política estabelece os princípios e práticas de Governança Cooperativa adotadas pelas cooperativas do Sistema Cecred, abordando os aspectos de

Leia mais

Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento

Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Sistema de Controle e Gerenciamento de intervenções em Rede de Distribuição De Água Gestão das Reclamações de Falta de Água Setembro/2010 ESTRUTURA ORGANIZACIONAL

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO TRIBUNAL DE JUSTIÇÃO DO ESTADO DE MATO GROSSO. Unidade Responsável: Coordenadoria de Tecnologia da Informação - CTI

ESTADO DE MATO GROSSO TRIBUNAL DE JUSTIÇÃO DO ESTADO DE MATO GROSSO. Unidade Responsável: Coordenadoria de Tecnologia da Informação - CTI ESTADO DE MATO GROSSO TRIBUNAL DE JUSTIÇÃO DO ESTADO DE MATO GROSSO INSTRUÇÃO NORMATIVA STI Nº 02/2011 Versão: 01 Publicação: DJE nº xxxx em / / Unidade Responsável: Coordenadoria de Tecnologia da Informação

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE MATO GROSSO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE MATO GROSSO DO ESTADO DE MATO GROSSO INSTRUÇÃO NORMATIVA STI Nº 02/2011 Versão: 01 Publicação: DJE nº de / /2011 Unidade Responsável: Coordenadoria de Tecnologia da Informação - CTI I FINALIDADE Instituir a função

Leia mais

Plano Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicação. Tribunal Regional do Trabalho da 10ª Região

Plano Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicação. Tribunal Regional do Trabalho da 10ª Região Plano Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicação Tribunal Regional do Trabalho da 10ª Região Dezembro/2010 2 TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Missão: Prover soluções efetivas de tecnologia

Leia mais

Webinário : Os vinte passos da implantação SGQ baseado na ISO 9001 Sistema de gestão qualidade implantado e certificado pela norma NBR ISO 9001:2008

Webinário : Os vinte passos da implantação SGQ baseado na ISO 9001 Sistema de gestão qualidade implantado e certificado pela norma NBR ISO 9001:2008 Sistema de gestão qualidade implantado e certificado pela norma NBR ISO 9001:2008 torna uma necessidade da empresa por: competitividade no mercado interno Competitividade no mercado externo Aumentar a

Leia mais

Nani de Castro. Sumário. Resumo de Qualificações... 2. Atuação no Mercado... 3. Formação Profissional... 5. Contatos... 6.

Nani de Castro. Sumário. Resumo de Qualificações... 2. Atuação no Mercado... 3. Formação Profissional... 5. Contatos... 6. Sumário Resumo de Qualificações... 2 Atuação no Mercado... 3 Formação Profissional... 5 Contatos... 6 Página 1 de 6 Resumo de Qualificações Consultora responsável pela organização e gestão da RHITSolution,

Leia mais

Projeto Olho Vivo Atuação estratégica nas necessidades dos clientes para melhoria da Satisfação.

Projeto Olho Vivo Atuação estratégica nas necessidades dos clientes para melhoria da Satisfação. IGS INOVAÇÃO DA GESTÃO EM SANEAMENTO Ciclo 2012 Case: Projeto Olho Vivo Atuação estratégica nas necessidades dos clientes para melhoria da Satisfação. A. A OPORTUNIDADE A.1. Qual foi a oportunidade de

Leia mais

Planos de Logística Sustentáveis (manhã)

Planos de Logística Sustentáveis (manhã) Planos de Logística Sustentáveis (manhã) Brasília, 17 de junho de 2015 Conteúdo Programático: Planos de Logística Sustentável: conceitos Conteúdo Mínimo Temas e Planos de Ação para PLS Etapas de elaboração

Leia mais

A NOVA POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

A NOVA POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Centro de Convenções Ulysses Guimarães Brasília/DF 4, 5 e 6 de junho de 2012 A NOVA POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Pablo Sandin Amaral Renato Machado Albert

Leia mais

O PRESIDENTE DO INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL INPI, no exercício das suas atribuições,

O PRESIDENTE DO INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL INPI, no exercício das suas atribuições, Resolução PR nº 03/2013 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL PRESIDÊNCIA 18/03/2013 R E S O L U Ç Ã O Nº 03/2013

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES - 2013 Exmo. Sr. Presidente Tenho a honra de encaminhar a V.Exa. o Relatório Anual das Atividades desenvolvidas por esta Coordenadoria de Controle Interno, no exercício de

Leia mais

Gestão e Tecnologia da Informação

Gestão e Tecnologia da Informação Gestão e Tecnologia da Informação Superintendência de Administração Geral - SAD Marcelo Andrade Pimenta Gerência-Geral de Gestão da Informação - ADGI Carlos Bizzotto Gilson Santos Chagas Mairan Thales

Leia mais

Painel de Contribuição ASGE (Outubro/2015)

Painel de Contribuição ASGE (Outubro/2015) ASGE (Outubro/2015) Objetivo Estratégico / Iniciativa Estratégica/ Meta Estratégica 1. Alcançar 82% dos Projetos dentro do Prazo/ Aperfeiçoar a gestão de projetos 2. Implementar a Gestão de Riscos a) Criar

Leia mais

INDICADORES E METAS DO TRT7 OBJETIVO ESTRATÉGICO TRT 7ª REGIÃO Nº.1.

INDICADORES E METAS DO TRT7 OBJETIVO ESTRATÉGICO TRT 7ª REGIÃO Nº.1. 34 Os indicadores são índices utilizados para aferir resultados. O TRT da 7ª Região adotou indicadores aferidos pelo CNJ e criou outros considerados relevantes para o processo decisório da gestão institucional,

Leia mais

9001:2000 - EPS - UFSC)

9001:2000 - EPS - UFSC) Implantação de um sistema de gestão da qualidade conforme a norma ISO 9001:2000 numa pequena empresa de base tecnológica, estudo de caso: Solar Instrumentação, Monitoração e Controle Ltda. Gustavo Slongo

Leia mais

ABNT NBR ISO 9001:2008

ABNT NBR ISO 9001:2008 ABNT NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema de

Leia mais

INTERPRETAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO

INTERPRETAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO NBR ISO 9001:2008 INTERPRETAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO 8 Princípios para gestão da qualidade Foco no cliente Liderança Envolvimento das pessoas Abordagem de processos Abordagem sistêmica para a gestão Melhoria

Leia mais

Tecnologia da Informação CAASP. DIS Departamento de Informática e Sistemas. Relatório Anuário 2008 Att. Gerência Geral e Diretoria CAASP

Tecnologia da Informação CAASP. DIS Departamento de Informática e Sistemas. Relatório Anuário 2008 Att. Gerência Geral e Diretoria CAASP Tecnologia da Informação CAASP DIS Relatório Anuário 2008 Att. Gerência Geral e Diretoria CAASP Introdução...03 Projetos e Fatos Relevantes 2008...03 Raio X de Investimentos e Custos...10 Considerações

Leia mais

ISO/IEC 20000:2005. Introdução da Norma ISO/IEC 20000 no Mercado Brasileiro Versão 1.1, 15.09.2006

ISO/IEC 20000:2005. Introdução da Norma ISO/IEC 20000 no Mercado Brasileiro Versão 1.1, 15.09.2006 ISO/IEC 20000:2005 Introdução da Norma ISO/IEC 20000 no Mercado Brasileiro Versão 1.1, 15.09.2006 André Jacobucci andre.jacobucci@ilumna.com +55 11 5087 8829 www.ilumna.com Objetivos desta Apresentação

Leia mais

-- Modelo de Referência de Plano Diretor de Tecnologia da Informação -- 2008-2009

-- Modelo de Referência de Plano Diretor de Tecnologia da Informação -- 2008-2009 Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação -- Modelo de Referência de Plano Diretor de Tecnologia da Informação -- 2008-2009 --- Brasília, outubro

Leia mais

Bases para um Sistema Integrado de Gestão voltado para o alto desempenho Irene Szyszka

Bases para um Sistema Integrado de Gestão voltado para o alto desempenho Irene Szyszka Bases para um Sistema Integrado de Gestão voltado para o alto desempenho Irene Szyszka PGQP - Direitos Reservados 1 A Concorrência PGQP - Direitos Reservados 2 O negócio, o mercado e a sociedade Pressão

Leia mais