DECOMTEC. DECOMTEC - Departamento de Competitividade e Tecnologia POR QUE EMPRESAS INOVADORAS CRESCEM MAIS? José Ricardo Roriz Coelho

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DECOMTEC. DECOMTEC - Departamento de Competitividade e Tecnologia POR QUE EMPRESAS INOVADORAS CRESCEM MAIS? José Ricardo Roriz Coelho"

Transcrição

1 - Departamento de Competitividade e Tecnologia POR QUE EMPRESAS INOVADORAS CRESCEM MAIS? José Ricardo Roriz Coelho Novembro de

2 Sumário 1. Quais são os fatores que influenciam o potencial de inovação das empresas? 2. Quais são os diferenciais das empresas inovadoras? 3. Investir em P&D e inovação melhora os resultados da empresa? 4. Qual tem sido o desempenho inovativo das empresas brasileiras? 5. Por que a maioria das empresas brasileiras inova pouco? 2

3 Sumário 1. Quais são os fatores que influenciam o potencial de inovação das empresas? 2. Quais são os diferenciais das empresas inovadoras? 3. Investir em P&D e inovação melhora os resultados da empresa? 4. Qual tem sido o desempenho inovativo das empresas brasileiras? 5. Por que a maioria das empresas brasileiras inova pouco? 3

4 A capacidade para inovar depende de uma séries de fatores que se interrelacionam. Equacionar esses fatores, é determinante para sobreviver em mercados cada vez mais competitivos e globalizados. Fatores pósdesenvolvimento Depósito de patentes; Canais de divulgação e distribuição; Apoio na instalação; Apoio na utilização; Avaliações pós-venda. Liderança orientada à inovação e cultura inovativa; Procedimentos de prospecção de mercado; Seleção de projetos promissores; Utilização de feedback do mercado. Fatores internos Capacidade para inovar Fatores operacionais Fonte: SILIPRANDI et al. Instrumento para diagnóstico do potencial de inovação em empresas. Espacios. Vol. 33 (1) Pág Fatores externos Apoio do governo; Apoio da universidade; Apoio dos fornecedores; Apoio dos clientes. Infraestrutura de P&D; Estrutura financeira; Capital intelectual humano; Procedimentos de gestão de projetos; Tempo dedicado ao desenvolvimento. 4

5 Sumário 1. Quais são os fatores que influenciam o potencial de inovação das empresas? 2. Quais são os diferenciais das empresas inovadoras? 3. Investir em P&D e inovação melhora os resultados da empresa? 4. Qual tem sido o desempenho inovativo das empresas brasileiras? 5. Por que a maioria das empresas brasileiras inova pouco? 5

6 Empresas inovadoras veem a inovação como um processo sistêmico. Além dessa característica, as empresas inovadoras se tornam líderes de mercado porque valorizam o aprendizado contínuo, exemplificado nos itens a seguir.: Empresas inovadoras: Valorizam o aprender, assimilar e desenvolver o mais rápido possível. Criam um ambiente onde as pessoas NÃO sejam resistentes à mudança, pelo contrário, os funcionários esperam por mudanças. A própria empresa é quem canibaliza o seu produto e torna o seu processo de produção obsoleto, em vez de esperar que algum concorrente o faça. Têm a disciplina de equilibrar as inúmeras pressões por compromissos e distrações que afetam a todos hoje em dia e tiram o foco dos objetivos. Veem o erro como parte do aprendizado. Fazem as melhores escolhas e sabem que inovações radicais exigem maior esforço de compreensão. 6

7 Sumário 1. Quais são os fatores que influenciam o potencial de inovação das empresas? 2. Quais são os diferenciais das empresas inovadoras? 3. Investir em P&D e inovação melhora os resultados da empresa? 4. Qual tem sido o desempenho inovativo das empresas brasileiras? 5. Por que a maioria das empresas brasileiras inova pouco? 7

8 Índice de performance Investir em P&D é parte fundamental da estratégia, mas, isoladamente, não garante o sucesso da inovação. Estudos comprovam que uma gestão eficaz do processo sistêmico da inovação e a cultura da empresa têm igual importância. Investir mais dinheiro em P&D não assegura melhor performance, mas investir pouco em P&D poder ser pior. Desempenho da empresas da Global Innovation 1000 (que são as 1000 empresas que mais investem em P&D no mundo) de acordo com a razão P&D / vendas Índice de crescimento do lucro operacional Índice de retorno ao acionista ajustado regionalmente Investir em P&D é um diferencial, mas é igualmente importante ter uma combinação de talentos, conhecimentos, ferramentas e processos voltados para a inovação e alinhados às estratégias de negócios da empresa. Legenda: A razão P&D/Vendas das 1000 empresas foi separada em 10 decis: mínimo máximo 10% que investem menos 10% 10% 10% 10% 10% 10% 10% 10% 10% que investem mais Fonte: Booz & Co

9 Para o caso brasileiro, o IPEA buscou responder as seguintes perguntas: Quem são as empresas líderes na indústria brasileira? Quantas são? Quais são suas características? Segundo o IPEA (2011), as empresas com liderança tecnológica em seus respectivos setores (3,5% do total da indústria) são responsáveis por: 43,3% do faturamento da indústria brasileira; Empregam 21% da mão de obra da indústria brasileira; Respondem por 49,2% do valor da transformação industrial; São 2,6 vezes mais produtivas; Têm um salário médio anual pago aos empregados 1,8 vezes maior que as demais. Além disso, as empresas inovadoras são as que mais atraem investimentos. 9

10 Sumário 1. Quais são os fatores que influenciam o potencial de inovação das empresas? 2. Quais são os diferenciais das empresas inovadoras? 3. Investir em P&D e inovação melhora os resultados da empresa? 4. Qual tem sido o desempenho inovativo das empresas brasileiras? 5. Por que a maioria das empresas brasileiras inova pouco? 10

11 O Brasil tem uma longa trajetória a ser percorrida para se tonar tornar referência em P&D no mundo. 11

12 Para os próximos anos, a percepção da comunidade científica é de que o Brasil ainda não vai aparecer dentre os países com grande potencial para desenvolver novas tecnologias. PESQUISA INST. BATELLE (N=378) Qual país você espera que tenha o maior avanço tecnológico até 2015? Fonte: Pesquisa conduzida em 2010 pelo Inst. Batelle, com 378 pesquisadores em 38 países 12

13 Complementar a essa expectativa, em entrevista realizada (2011) com 713 pesquisadores em 63 países, o Brasil é reconhecido como ator relevante em algumas poucas fronteiras tecnológicas, como, p.ex., no setor de agricultura e alimentos. Percepção dos entrevistados sobre os países líderes em tecnologia por setor, 2011 PESQUISA INST. BATELLE (N=713) Agriculture & Food Production Automotive & Other Motor Vehicle Commercial Aerospace, Rail & Other Non-Auto. Transport Military Aerospace, Defense & Security Composite, Nanotech, & Other Advanced Materials Energy Generation & Efficiency Environ mental & Sustaina bility Healthcare, Medical, Life Sci. & Biotech Information & Comm. (ICT) Instruments & Other Non- ICT Electronics 1º 2º 3º 4º 5º Outros campos nos quais o Brasil se destaca: E&P de O&G em águas profundas Aviação civil/militar 13

14 Sumário 1. Quais são os fatores que influenciam o potencial de inovação das empresas? 2. Quais são os diferenciais das empresas inovadoras? 3. Investir em P&D e inovação melhora os resultados da empresa? 4. Qual tem sido o desempenho inovativo das empresas brasileiras? 5. Por que a maioria das empresas brasileiras inova pouco? 14

15 No Brasil, os recursos que poderiam ser investidos em P&D&I são utilizados no pagamento do Custo Brasil, criando um círculo vicioso de baixo nível de investimento em áreas que são determinantes da competitividade. Custo Brasil Fonte: FMI, OECD. Elaboração: FIESP. Efeitos na Indústria 40,3%, em média, do preço do produto da indústria doméstica é dado pela carga tributária; 33,9% da carga tributária são gerados na Indústria de Transformação. No entanto, este setor responde por apenas 14,6% do PIB Brasileiro; Os encargos trabalhistas, na indústria de transformação, estão entre os mais elevados do mundo (32,4% do custo da mão de obra, sendo 11 p.p acima da média de 34 países analisados pelo BLS). de juros da economia (SELIC), a taxa brasileira é a 4ª A burocracia para pagar tributos gera custo extra às empresas que, segundo estudo da FIESP, representa 2,6% do preço dos produtos industriais. A despeito da positiva redução no nível da taxa básica mais elevadas do mundo; Somando-se o abusivo spread bancário, o custo financeiro do capital de giro responde por 7,5% do preço do produto da indústria doméstica; Em 2008, o gasto com spread bancário da indústria foi 2,9 vezes superior ao gasto em P&D. 15

16 Além do Custo Brasil, o câmbio valorizado também é um desafio a ser superado. A participação dos importados no consumo aparente do Brasil chegou ao patamar recorde de 24% no segundo trimestre de Custo Brasil Efeitos na Indústria As deficiências da infraestrutura implicam em custo extra às empresas, que, segundo estudo da FIESP, responde por 1,8% do preço do produto da indústria doméstica; 74,1% foi a variação do Real ante o dólar norte-americano entre 01/2004 e 06/2012. Essa valorização foi superior a da moeda dos principais parceiros comerciais do Brasil, conforme Gráfico ao lado. O recorde de importações, combinado à perda de participação da indústria no PIB, caracteriza um processo de desindustrialização precoce e o atendimento (aumento) da demanda interna por meio de importações. Fonte: WEF, Banco Central do Brasil. Elaboração: FIESP

17 A despeito desse desempenho, o mercado interno brasileiro tem magnitude global, colocando-se entre os cinco maiores crescimentos (em valor absoluto) até 2020, o que caracteriza grande oportunidade para inovações. Projeção de participação das economias no crescimento total do consumo final mundial entre 2010 e 2020 Brasil Note: 2010 USD price level at fixed exchange rates Source: Euromonitor; Bain MTG Analysis,

18 - Departamento de Competitividade e Tecnologia POR QUE EMPRESAS INOVADORAS CRESCEM MAIS? José Ricardo Roriz Coelho Novembro de

DECOMTEC ÍNDICE FIESP DE COMPETITIVIDADE DAS NAÇÕES IC-FIESP 2014. José Ricardo Roriz Coelho

DECOMTEC ÍNDICE FIESP DE COMPETITIVIDADE DAS NAÇÕES IC-FIESP 2014. José Ricardo Roriz Coelho Departamento de Competitividade e Tecnologia ÍNDICE FIESP DE COMPETITIVIDADE DAS NAÇÕES E OS FATORES-CHAVE PARA O BRASIL AVANÇAR EM COMPETITIVIDADE IC-FIESP 14 José Ricardo Roriz Coelho PARTE II Novembro

Leia mais

RISCOS E OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA DE BENS DE CONSUMO. Junho de 2012

RISCOS E OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA DE BENS DE CONSUMO. Junho de 2012 RISCOS E OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA DE BENS DE CONSUMO Junho de 2012 Riscos e oportunidades para a indústria de bens de consumo A evolução dos últimos anos, do: Saldo da balança comercial da indústria

Leia mais

Universidade de Coimbra Faculdade de Direito. Crise do Estado Fiscal, Competitividade e Bem-Estar Social

Universidade de Coimbra Faculdade de Direito. Crise do Estado Fiscal, Competitividade e Bem-Estar Social Universidade de Coimbra Faculdade de Direito Crise do Estado Fiscal, Competitividade e Bem-Estar Social Eduardo Molan Gaban Sócio das áreas de Direito Antitruste e Comércio Internacional de Machado Associados

Leia mais

O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade. O Administrador na Gestão de Pessoas

O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade. O Administrador na Gestão de Pessoas O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade Eficácia e Liderança de Performance O Administrador na Gestão de Pessoas Grupo de Estudos em Administração de Pessoas - GEAPE 27 de novembro

Leia mais

O ECOSSISTEMA DA INDÚSTRIA SUÍÇA UMA PLATAFORMA DE NEGOCIOS

O ECOSSISTEMA DA INDÚSTRIA SUÍÇA UMA PLATAFORMA DE NEGOCIOS O ECOSSISTEMA DA INDÚSTRIA SUÍÇA UMA PLATAFORMA DE NEGOCIOS O que você sabe sobre a Suíça? Roger Federer Chocolates Relógios de luxo 2 O que você também deve saber Hotspot para Pesquisa e Desenvolvimento

Leia mais

Modelo para elaboração do Plano de Negócios

Modelo para elaboração do Plano de Negócios Modelo para elaboração do Plano de Negócios 1- SUMÁRIO EXECUTIVO -Apesar de este tópico aparecer em primeiro lugar no Plano de Negócio, deverá ser escrito por último, pois constitui um resumo geral do

Leia mais

A Reindustrialização do Brasil no Contexto de um Projeto Nacional de Desenvolvimento

A Reindustrialização do Brasil no Contexto de um Projeto Nacional de Desenvolvimento A Reindustrialização do Brasil no Contexto de um Projeto Nacional de Desenvolvimento ESPM Novembro / 2013 José Ricardo Roriz Coelho Vice-presidente da FIESP e Diretor-titular do 1 1 Oportunidades 2 Desafios

Leia mais

Gráfico nº 1 - Variação do Nível de Atividade 1T/08-1T/07 Elaboração Núcleo de Pesquisa Industrial da FIEA 52,08

Gráfico nº 1 - Variação do Nível de Atividade 1T/08-1T/07 Elaboração Núcleo de Pesquisa Industrial da FIEA 52,08 Resumo Executivo A Sondagem Industrial procura identificar a percepção dos empresários sobre o presente e as expectativas sobre o futuro. Os dados apresentados servem como parâmetro capaz de mensurar o

Leia mais

Cenário Econômico Brasil em uma nova ordem mundial. Guilherme Mercês Sistema FIRJAN

Cenário Econômico Brasil em uma nova ordem mundial. Guilherme Mercês Sistema FIRJAN Cenário Econômico Brasil em uma nova ordem mundial Guilherme Mercês Sistema FIRJAN Cenário Internacional Cenário mundial ainda cercado de incertezas (1) EUA: Recuperação lenta; juros à frente (2) Europa:

Leia mais

SÍNTESE DA CONJUNTURA

SÍNTESE DA CONJUNTURA SÍNTESE DA CONJUNTURA O quadro geral da economia brasileira, que já se mostrava bastante difícil nos primeiros meses do ano, sofreu deterioração adicional no terceiro trimestre, com todos os indicadores

Leia mais

Taxas de Juros e Câmbio: Efeitos dos juros e do câmbio sobre a indústria. 1. Câmbio atual é inadequado para a estrutura industrial brasileira

Taxas de Juros e Câmbio: Efeitos dos juros e do câmbio sobre a indústria. 1. Câmbio atual é inadequado para a estrutura industrial brasileira Comissão de Finanças e Tributação Seminário: Taxas de Juros e Câmbio: Efeitos dos juros e do câmbio sobre a indústria Armando Monteiro Neto Presidente CNI Maio 2010 1. Câmbio atual é inadequado para a

Leia mais

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Fevereiro/2014 A taxa de câmbio é um dos principais preços relativos da economia, com influência direta no desempenho macroeconômico do país e na composição de

Leia mais

DECOMTEC - Departamento de Competitividade e Tecnologia CONVENÇÃO - CIESP. José Ricardo Roriz Coelho

DECOMTEC - Departamento de Competitividade e Tecnologia CONVENÇÃO - CIESP. José Ricardo Roriz Coelho - Departamento de Competitividade e Tecnologia CRISE INTERNACIONAL, OPORTUNIDADES E DESAFIOS PARA A RETOMADA DO CRESCIMENTO ECONÔMICO BRASILEIRO CONVENÇÃO - CIESP José Ricardo Roriz Coelho Agosto de 2012

Leia mais

Os determinantes do custo Brasil

Os determinantes do custo Brasil Os determinantes do custo Brasil PET-Economia: Reunião de Conjuntura 14 de Outubro de 2011 Entendendo o O é um termo genérico, usado para descrever o conjunto de dificuldades estruturais, burocráticas

Leia mais

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO 1 BUSINESS GAME UGB Eduardo de Oliveira Ormond Especialista em Gestão Empresarial Flávio Pires Especialista em Gerencia Avançada de Projetos Luís Cláudio Duarte Especialista em Estratégias de Gestão Marcelo

Leia mais

2013 Inventta Todos os direitos reservados.

2013 Inventta Todos os direitos reservados. Agenda Quem Somos Gerindo a Inovação nas Empresas Estímulos Governamentais à Inovação Resultados da pesquisa FDC/Inventta Conclusões O GRUPO A Inventta é uma consultoria especializada em gestão da inovação,

Leia mais

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010 Metodologia Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Através de e-survey - via web Público Alvo: Executivos de empresas associadas e não associadas à AMCHAM Amostra: 500 entrevistas realizadas Campo: 16

Leia mais

Avaliação do Plano de Desenvolvimento Produtivo Departamento de Competitividade DECOMTEC / FIESP

Avaliação do Plano de Desenvolvimento Produtivo Departamento de Competitividade DECOMTEC / FIESP PROPOSTA DE DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTOS NA INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE COMPETITIVIDADE E TECNOLOGIA DECOMTEC Avaliação do Plano de Desenvolvimento Produtivo MAIO Departamento de Competitividade

Leia mais

Quanto mais o Conhecimento é Dividido... Mais o Conhecimento é Multiplicado!

Quanto mais o Conhecimento é Dividido... Mais o Conhecimento é Multiplicado! Quanto mais o Conhecimento é Dividido... Mais o Conhecimento é Multiplicado! 1 Inovação: o Imperativo para Competitividade com Sustentabilidade Filipe Cassapo, Sistema FIEP Federação das Industrias do

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO II RELATÓRIO ANALÍTICO 15 1 CONTEXTO ECONÔMICO A quantidade e a qualidade dos serviços públicos prestados por um governo aos seus cidadãos são fortemente influenciadas pelo contexto econômico local, mas

Leia mais

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2013 REGULAMENTO Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2013 é uma competição interna da Laureate International

Leia mais

Março / 2015. Cenário Econômico Bonança e Tempestade. Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

Março / 2015. Cenário Econômico Bonança e Tempestade. Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos Março / 2015 Cenário Econômico Bonança e Tempestade Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos 1 Bonança Externa Boom das Commodities Estímulos ao consumo X inflação Importações e real valorizado 2

Leia mais

Gestão orçamentária na Construção Civil

Gestão orçamentária na Construção Civil Um retrato dos desafios, práticas e resultados do planejamento orçamentário Maio, 2014 Agenda Metodologia e amostra Desafios e cultura da organização na gestão orçamentária Processos e riscos do planejamento

Leia mais

5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA

5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA 5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA Os sinais de redução de riscos inflacionários já haviam sido descritos na última Carta de Conjuntura, o que fez com que o Comitê de Política Monetária (Copom) decidisse

Leia mais

TEMPLATE PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS EMPREENDEDORES FINALISTAS

TEMPLATE PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS EMPREENDEDORES FINALISTAS Edição 2014 TEMPLATE PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS EMPREENDEDORES FINALISTAS Disponibilizamos esse material com o objetivo de guiar os finalistas do Prêmio Santander Empreendedorismo 2014 na apresentação

Leia mais

Desafios na Realização de Investimento de P&D e a Destinação de Recursos. Chesf Companhia Hidro Elétrica do São Francisco

Desafios na Realização de Investimento de P&D e a Destinação de Recursos. Chesf Companhia Hidro Elétrica do São Francisco Desafios na Realização de Investimento de P&D e a Destinação de Recursos Chesf Companhia Hidro Elétrica do São Francisco AGENDA 1. Visão Macro do Cenário P&D Nacional 2. A formula da Inovação 3. Desafios

Leia mais

Introdução... 4. Percepção sobre a economia e o comércio... 5. Gargalos da economia brasileira... 7. Consumo das famílias... 8

Introdução... 4. Percepção sobre a economia e o comércio... 5. Gargalos da economia brasileira... 7. Consumo das famílias... 8 Conteúdo Introdução... 4 Percepção sobre a economia e o comércio... 5 Gargalos da economia brasileira... 7 Consumo das famílias... 8 Ambiente regulatório... 9 Logística pública... 10 Mão de obra... 10

Leia mais

RESUMO EXECUTIVO Todos os direitos reservados. Distribuição e informações:

RESUMO EXECUTIVO Todos os direitos reservados. Distribuição e informações: RESUMO EXECUTIVO O Ministro da Fazenda, Guido Mantega, comunicou no dia 27 de dezembro de 2011 que vai mudar o regime de tributação para a importação de produtos têxteis do atual ad valorem, em que no

Leia mais

Banco Santander (Brasil) S.A.

Banco Santander (Brasil) S.A. Banco Santander (Brasil) S.A. Resultados em BR GAAP 4T14 3 de Fevereiro de 2015 INFORMAÇÃO 2 Esta apresentação pode conter certas declarações prospectivas e informações relativas ao Banco Santander (Brasil)

Leia mais

101/15 30/06/2015. Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

101/15 30/06/2015. Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados 101/15 30/06/2015 Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Junho de 2015 Sumário 1. Perspectivas do CenárioEconômico em 2015... 3 2. Balança Comercial de Março

Leia mais

Resultado da Oferta Pública Voluntária de Permuta. Novembro de 2014

Resultado da Oferta Pública Voluntária de Permuta. Novembro de 2014 Resultado da Oferta Pública Voluntária de Permuta Novembro de 2014 OFERTA VOLUNTÁRIA DE PERMUTA DE AÇÕES No dia 30 de outubro realizamos o leilão da oferta voluntária. A adesão dos minoritários do Santander

Leia mais

Brazil and Latin America Economic Outlook

Brazil and Latin America Economic Outlook Brazil and Latin America Economic Outlook Minister Paulo Bernardo Washington, 13 de maio de 2009 Apresentação Impactos da Crise Econômica Situação Econômica Brasileira Ações Contra-Cíclicas Previsões para

Leia mais

Módulo 4.2 DIAGNÓSTICO ESTRATÉGICO

Módulo 4.2 DIAGNÓSTICO ESTRATÉGICO Módulo 4.2 DIAGNÓSTICO ESTRATÉGICO DIAGNÓSTICO ESTRATÉGICO Proporciona ao executivo informações básicas b para começar a usufruir das vantagens do planejamento estratégico, através s do tratamento adequado

Leia mais

INOVAÇÃO como DIFERENCIAL ESTRATÉGICO

INOVAÇÃO como DIFERENCIAL ESTRATÉGICO INOVAÇÃO como DIFERENCIAL ESTRATÉGICO Março/2010 A empresa A Empresa nasceu em março de 1977, como uma farmácia de manipulação, no centro de Curitiba. Durante seus 32 anos, evoluiu por diferentes cenários,

Leia mais

Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento

Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento Henrique de Campos Meirelles Novembro de 20 1 Fundamentos macroeconômicos sólidos e medidas anti-crise 2 % a.a. Inflação na meta 8 6 metas cumpridas

Leia mais

X SEMINÁRIO SUL BRASILEIRO DE PREVIDÊNCIA PÚBLICA. BENTO GONÇALVES / RS / Maio 2012

X SEMINÁRIO SUL BRASILEIRO DE PREVIDÊNCIA PÚBLICA. BENTO GONÇALVES / RS / Maio 2012 X SEMINÁRIO SUL BRASILEIRO DE PREVIDÊNCIA PÚBLICA BENTO GONÇALVES / RS / Maio 2012 CENÁRIO INTERNACIONAL ESTADOS UNIDOS Ø Abrandamento da política monetária para promover o crescimento sustentável. Ø Sinais

Leia mais

GESTÃ T O O E P RÁ R TI T C I AS DE R E R CUR U S R OS

GESTÃ T O O E P RÁ R TI T C I AS DE R E R CUR U S R OS Ensinar para administrar. Administrar para ensinar. E crescermos juntos! www.chiavenato.com GESTÃO E PRÁTICAS DE RECURSOS HUMANOS Para Onde Estamos Indo? Idalberto Chiavenato Algumas empresas são movidas

Leia mais

Teleconferência Resultados 3T10

Teleconferência Resultados 3T10 Teleconferência Resultados 3T10 Sexta-feira, 5 de Novembro de 2010 Horário: 14:00 (horário de Brasília) 12:00 (horário US EDT) Tel: + 55 (11) 4688-6361 Código: LASA Replay: + 55 (11) 4688-6312 Código:

Leia mais

2.1 - Proponente. Grupo Econômico CNAE principal Faturamento / Rec. Oper. Bruta de 2014. Endereço Telefone Geral Endereço Eletrônico Institucional

2.1 - Proponente. Grupo Econômico CNAE principal Faturamento / Rec. Oper. Bruta de 2014. Endereço Telefone Geral Endereço Eletrônico Institucional SUMÁRIO EXECUTIVO Linha Temática PN solicita Recursos Não - Reembolsáveis 1 1 - Título do Plano de Negócio 2 - Cadastramento: 2.1 - Proponente Razão Social CNPJ Grupo Econômico CNAE principal Faturamento

Leia mais

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com. AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.br COM O SEBRAE, O SEU NEGÓCIO VAI! O Sebrae Goiás preparou diversas

Leia mais

APIMEC. 23 de outubro de 2008

APIMEC. 23 de outubro de 2008 APIMEC 23 de outubro de 2008 1 Importante As informações e declarações sobre eventos futuros estão sujeitas a riscos e incertezas, as quais têm como base estimativas e suposições da Administração e informações

Leia mais

II - Evolução do crédito, da taxa de juros e do spread bancário 1

II - Evolução do crédito, da taxa de juros e do spread bancário 1 II - Evolução do crédito, da taxa de juros e do spread bancário 1 Desde março do ano passado, a partir da reversão das expectativas inflacionárias e do início da retomada do crescimento econômico, os juros

Leia mais

PROPOSTA PARA UM MODELO DE GESTÃO SUSTENTÁVEL NO GERENCIAMENTO DA QUALIDADE DOS SERVIÇOS INTERNOS

PROPOSTA PARA UM MODELO DE GESTÃO SUSTENTÁVEL NO GERENCIAMENTO DA QUALIDADE DOS SERVIÇOS INTERNOS ISSN 1984-9354 PROPOSTA PARA UM MODELO DE GESTÃO SUSTENTÁVEL NO GERENCIAMENTO DA QUALIDADE DOS SERVIÇOS INTERNOS Andrea Cristina Costa (LATEC/UFF) andreacristina.costa@gmail.com Resumo: Este artigo sugere

Leia mais

Forma de coleta e período. Apresentação dos dados. Realização FSB Pesquisa.

Forma de coleta e período. Apresentação dos dados. Realização FSB Pesquisa. Forma de coleta e período Nesta pesquisa exploratória, as entrevistas foram pessoais e telefônicas, tendo sido realizadas entre 25 de novembro de 2014 e 10 de abril de 2015. As entrevistas com os líderes

Leia mais

Você dispõe da base necessária para desenvolver a confiança dos funcionários? Terceirização de RH e o líder empresarial SUMÁRIO EXECUTIVO

Você dispõe da base necessária para desenvolver a confiança dos funcionários? Terceirização de RH e o líder empresarial SUMÁRIO EXECUTIVO Terceirização de RH e o líder empresarial SUMÁRIO EXECUTIVO Você dispõe da base necessária para desenvolver a confiança dos funcionários? EM ASSOCIAÇÃO COM Empresas com funcionários envolvidos superam

Leia mais

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica e inovadora. Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução O que são

Leia mais

Ingresso Março 2014 Informações: (51) 3218-1400 - www.espm.br/mba

Ingresso Março 2014 Informações: (51) 3218-1400 - www.espm.br/mba Ingresso Março 2014 Informações: (51) 3218-1400 - www.espm.br/mba MBA em Finanças e Governança Corporativa Desenvolver conhecimentos e habilidades que possibilitem ao profissional dominar os conteúdos

Leia mais

Plano de Ação e Programa de Formação de Recursos Humanos para PD&I

Plano de Ação e Programa de Formação de Recursos Humanos para PD&I Plano de Ação e Programa de Formação de Recursos Humanos para PD&I 1. Plano de Ação A seguir apresenta-se uma estrutura geral de Plano de Ação a ser adotado pelo Instituto Federal de Educação, Ciência

Leia mais

Impacto do Custo Brasil na competitividade sistêmica e FEVEREIRO DE 2010

Impacto do Custo Brasil na competitividade sistêmica e FEVEREIRO DE 2010 Grupo II Impacto do Custo Brasil na competitividade sistêmica e setorial da indústria brasileira de bens de capital FEVEREIRO DE 2010 1 Objetivo O presente trabalho se propõe a mensurar o Custo Brasil,

Leia mais

ASI - Aspectos Sociais da Informática Prof. Ronaldo Castro de Oliveira. Plano de Negócios

ASI - Aspectos Sociais da Informática Prof. Ronaldo Castro de Oliveira. Plano de Negócios ASI - Aspectos Sociais da Informática Prof. Ronaldo Castro de Oliveira Plano de Negócios O QUE É PLANO DE NEGÓCIOS - PN Planejar o futuro Avalia a parte mercadológica, técnica, financeira, jurídica e organizacional

Leia mais

Nota da Reunião de 20 de Março de 2014. O cenário macroeconômico em 2014 desafio da renda média

Nota da Reunião de 20 de Março de 2014. O cenário macroeconômico em 2014 desafio da renda média 1 Nota da Reunião de 20 de Março de 2014 O cenário macroeconômico em 2014 desafio da renda média Introdução A reunião contou com a participação do economista chefe do Banco Santander, Maurício Molan, que

Leia mais

Perspectivas para a Inflação

Perspectivas para a Inflação Perspectivas para a Inflação Carlos Hamilton Araújo Setembro de 213 Índice I. Introdução II. Ambiente Internacional III. Condições Financeiras IV. Atividade V. Evolução da Inflação 2 I. Introdução 3 Missão

Leia mais

QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DAS EMPRESAS INCUBADAS PERÍODO

QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DAS EMPRESAS INCUBADAS PERÍODO ANEXO IV QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DAS EMPRESAS INCUBADAS PERÍODO *Obrigatório Parte superior do formulário Responsável pelas Informações: * Informações Básicas A empresa Nome/ Razão Social da Empresa:

Leia mais

QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DAS EMPRESAS INCUBADAS período

QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DAS EMPRESAS INCUBADAS período ANEXO IV (apenas para os aprovados e após a entrada na incubação) QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DAS EMPRESAS INCUBADAS período *Obrigatório Parte superior do formulário Responsável pelas Informações: * Informações

Leia mais

um RH estratégico para hoje e para o futuro Construindo

um RH estratégico para hoje e para o futuro Construindo Construindo um RH estratégico para hoje e para o futuro ado o crescente foco executivo no capital humano, o RH tem uma oportunidade sem precedentes de se posicionar como um verdadeiro parceiro estratégico

Leia mais

15 de Outubro de 2015

15 de Outubro de 2015 out-14 nov-14 nov-14 dez-14 jan-15 jan-15 fev-15 mar-15 mar-15 abr-15 abr-15 mai-15 jun-15 jun-15 jul-15 jul-15 ago-15 set-15 set-15 jun-07 set-07 dez-07 mar-08 jun-08 set-08 dez-08 mar-09 jun-09 set-09

Leia mais

C&M CENÁRIOS 8/2013 CENÁRIOS PARA A ECONOMIA INTERNACIONAL E BRASILEIRA

C&M CENÁRIOS 8/2013 CENÁRIOS PARA A ECONOMIA INTERNACIONAL E BRASILEIRA C&M CENÁRIOS 8/2013 CENÁRIOS PARA A ECONOMIA INTERNACIONAL E BRASILEIRA HENRIQUE MARINHO MAIO DE 2013 Economia Internacional Atividade Econômica A divulgação dos resultados do crescimento econômico dos

Leia mais

COMO A GIR NA CRI $E 1

COMO A GIR NA CRI $E 1 1 COMO AGIR NA CRI$E COMO AGIR NA CRISE A turbulência econômica mundial provocada pela crise bancária nos Estados Unidos e Europa atingirá todos os países do mundo, com diferentes níveis de intensidade.

Leia mais

Avaliação do Plano MAIO de DE2011 Desenvolvimento Produtivo Departamento de Competitividade e Tecnologia DECOMTEC / FIESP

Avaliação do Plano MAIO de DE2011 Desenvolvimento Produtivo Departamento de Competitividade e Tecnologia DECOMTEC / FIESP DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTOS NA INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE COMPETITIVIDADE E TECNOLOGIA DECOMTEC Avaliação do Plano MAIO de DE2011 Desenvolvimento Produtivo Departamento de Competitividade

Leia mais

PROJETO INTERNACIONAL

PROJETO INTERNACIONAL PROJETO INTERNACIONAL EM 10 PASSOS Ubirajara Marques Direitos: Todos os direitos reservados para Center Group International Duração: 1 hora Apresentação: Linguagem simples, para micros e médios empresários

Leia mais

21/8/2009 COMO ATRAIR E RETER OS TALENTOS DA GERAÇÃO Y BRASILEIRA GERAÇÃO Y BRASILEIRA. Ana Maria Costa Miriam S. Korn. Prof.

21/8/2009 COMO ATRAIR E RETER OS TALENTOS DA GERAÇÃO Y BRASILEIRA GERAÇÃO Y BRASILEIRA. Ana Maria Costa Miriam S. Korn. Prof. COMO ATRAIR E RETER OS TALENTOS DA Ana Maria Costa Miriam S. Korn Prof. Carlos Honorato Globalização Empresa Competitiva Avanço tecnológico Consumidores conscientes Líderes do Futuro Inovação Informação

Leia mais

RESULTADOS 2T11. Grupo Pão de Açúcar e Globex Utilidades. 26 de julho de 2011

RESULTADOS 2T11. Grupo Pão de Açúcar e Globex Utilidades. 26 de julho de 2011 RESULTADOS 2T11 Grupo Pão de Açúcar e Globex Utilidades 26 de julho de 2011 DESTAQUES DO 2T11 Impacto macroeconômico > IPCA 12 meses: +6,7% > Crescimento real GPA Alimentar: +2,3% > Aumento taxa Selic

Leia mais

Apresentação de Resultados 3T05

Apresentação de Resultados 3T05 Apresentação de Resultados 3T05 Destaques Crescimento do Lucro Líquido foi de 316% no Terceiro Trimestre Crescimento da Receita no 3T05 A receita bruta foi maior em 71% (3T05x3T04) e 63% (9M05x9M04) Base

Leia mais

Resumo de Análise de Projetos de Investimento

Resumo de Análise de Projetos de Investimento Agosto/2011 Resumo de Análise de Projetos de Investimento Valor Quanto vale um ativo? Quanto vale uma empresa? Quanto vale um projeto? Valor Contábil É o valor da empresa para a Contabilidade. Ou seja,

Leia mais

Cenários da Macroeconomia e o Agronegócio

Cenários da Macroeconomia e o Agronegócio MB ASSOCIADOS Perspectivas para o Agribusiness em 2011 e 2012 Cenários da Macroeconomia e o Agronegócio 26 de Maio de 2011 1 1. Cenário Internacional 2. Cenário Doméstico 3. Impactos no Agronegócio 2 Crescimento

Leia mais

Como atrair e reter talentos

Como atrair e reter talentos Como atrair e reter talentos na Panificação PORQUE A DISCUSSÃO DE TALENTOS É IMPORTANTE PARA ORGANIZAÇÕES COMPETITIVAS? Em toda a história do mundo empresarial, nunca houve tanta preocupação e cuidados

Leia mais

MBA EM FINANÇAS E GOVERNANÇA CORPORATIVA MANUAL DO CANDIDATO. Ingresso Agosto 2013 ESPM-SUL. Rua Guilherme Schell, 350 Santo Antônio Porto Alegre/RS.

MBA EM FINANÇAS E GOVERNANÇA CORPORATIVA MANUAL DO CANDIDATO. Ingresso Agosto 2013 ESPM-SUL. Rua Guilherme Schell, 350 Santo Antônio Porto Alegre/RS. MBA EM FINANÇAS E GOVERNANÇA CORPORATIVA MANUAL DO CANDIDATO Ingresso Agosto 2013 ESPM-SUL Rua Guilherme Schell, 350 Santo Antônio Porto Alegre/RS. Informações: Central de Candidatos: (51) 3218-1400 Segunda

Leia mais

CONCEITOS DE INOVAÇÃO. Título da Apresentação

CONCEITOS DE INOVAÇÃO. Título da Apresentação CONCEITOS DE INOVAÇÃO Título da Apresentação Novo Marco Legal para Fomento à P,D&I Lei de Inovação. Nº 10.973 (02.12.04) Apresenta um conjunto de medidas de incentivos à inovação científica e tecnológica,

Leia mais

Conquistas da Sociedade Brasileira

Conquistas da Sociedade Brasileira Conquistas da Sociedade Brasileira Dívida líquida pública em relação ao PIB em trajetória de declínio Dívida externa líquida negativa o Brasil hoje é credor internacional Reservas internacionais acima

Leia mais

Com bom planejamento, empresário começa negócio sem dinheiro próprio.

Com bom planejamento, empresário começa negócio sem dinheiro próprio. Com bom planejamento, empresário começa negócio sem dinheiro próprio. Plano de negócios estruturado ajuda na hora de conseguir financiamento. Veja dicas de especialistas e saiba itens que precisam constar

Leia mais

Tecnologia e Inovação

Tecnologia e Inovação Painel 1 Tecnologia e Inovação Tadeu Pissinati Sant Anna Rio de Janeiro, 24 de agosto de 2010 Sumário I. Conceitos de Tecnologia e Inovação II. A inovação tecnológica no Brasil I. Conceitos 1) Tecnologia

Leia mais

ANO 4 NÚMERO 28 JUNHO DE 2014 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO

ANO 4 NÚMERO 28 JUNHO DE 2014 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO ANO NÚMERO 28 JUNHO DE 21 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO 1 - CONSIDERAÇÕES INICIAIS A divulgação do crescimento do PIB no primeiro trimestre desse ano, além de revelar uma taxa

Leia mais

Câmbio e Competitividade. Eliana Cardoso Roda de Conversa 24/09/2013

Câmbio e Competitividade. Eliana Cardoso Roda de Conversa 24/09/2013 Câmbio e Competitividade Eliana Cardoso Roda de Conversa 24/09/2013 1. Conceitos básicos que informam essa conversa: Câmbio nominal e real 1. Experiência brasileira 1. O que determina a competitividade?

Leia mais

O cenário econômico atual e a Construção Civil Desafios e perspectivas

O cenário econômico atual e a Construção Civil Desafios e perspectivas O cenário econômico atual e a Construção Civil Desafios e perspectivas 1 O conturbado cenário nacional Economia em recessão: queda quase generalizada do PIB no 2º trimestre de 2015, com expectativa de

Leia mais

VISÃO. Nossa visão é agregar valor sustentável ao cliente, desenvolvendo controles e estratégias que façam com que o crescimento seja contínuo.

VISÃO. Nossa visão é agregar valor sustentável ao cliente, desenvolvendo controles e estratégias que façam com que o crescimento seja contínuo. QUEM É A OMELTECH? VISÃO Nossa visão é agregar valor sustentável ao cliente, desenvolvendo controles e estratégias que façam com que o crescimento seja contínuo. missão A Omeltech Desenvolvimento atua

Leia mais

Discurso do presidente Alexandre Tombini em evento em comemoração aos 15 anos da revista IstoÉ Dinheiro

Discurso do presidente Alexandre Tombini em evento em comemoração aos 15 anos da revista IstoÉ Dinheiro São Paulo, 19 de junho de 2012. Discurso do presidente Alexandre Tombini em evento em comemoração aos 15 anos da revista IstoÉ Dinheiro Página 1 de 13 Senhoras e Senhores É com grande satisfação que participo

Leia mais

Sucesso em meio a incertezas

Sucesso em meio a incertezas Sucesso em meio a incertezas Práticas e tendências em redução estratégica de custos na América Latina Pesquisa 06 Sumário executivo Os fatores macroeconômicos têm exercido forte impacto sobre as prioridades

Leia mais

VENDAS DE ALTO IMPACTO B2B. Resultado Esperado: Responder as indagações. - Como alcançar metas desafiadoras? - Como vender qualitativamente?

VENDAS DE ALTO IMPACTO B2B. Resultado Esperado: Responder as indagações. - Como alcançar metas desafiadoras? - Como vender qualitativamente? Oficina de trabalho VENDAS DE ALTO IMPACTO B2B Resultado Esperado: Responder as indagações - Como alcançar metas desafiadoras? - Como vender qualitativamente? - Como manter uma força de vendas matadora?

Leia mais

Capital Intelectual. www.celso-foelkel.com.br

Capital Intelectual. www.celso-foelkel.com.br Capital Intelectual www.celso-foelkel.com.br O que dá valor a uma empresa? Ativos fixos + Capital Capital Intelectual (Mente, Inteligências e Espírito) + Imagem Financeiro Tipos de Capital Capital financeiro

Leia mais

MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V. Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo.

MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V. Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo. 1 MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo Maio/ 2014 Metodologia 2 Metodologia 3 Técnica Pesquisa quantitativa,

Leia mais

Gestão estratégica em processos de mudanças

Gestão estratégica em processos de mudanças Gestão estratégica em processos de mudanças REVISÃO DOS MACRO PONTOS DO PROJETO 1a. ETAPA: BASE PARA IMPLANTAÇÃO DE UM MODELO DE GESTÃO DE PERFORMANCE PROFISSIONAL, que compreenderá o processo de Análise

Leia mais

Como tudo começou...

Como tudo começou... Gestão Estratégica 7 Implementação da Estratégica - BSC Prof. Dr. Marco Antonio Pereira pereira@marco.eng.br Como tudo começou... 1982 In Search of Excellence (Vencendo a Crise) vendeu 1.000.000 de livros

Leia mais

* Margem de Contribuição

* Margem de Contribuição Mesa Redonda Tratores e Máquinas Agrícolas Roberval Sebastião da Silva - Unimassey Dimensão do Resultado: * Vendas: - Participação de mercado = conhecer tamanho do mercado - Vendas perdidas = por que não

Leia mais

MODELO PLANO DE NEGÓCIO

MODELO PLANO DE NEGÓCIO MODELO PLANO DE NEGÓCIO Resumo dos Tópicos 1 EMPREENDEDOR... 3 1.1. O EMPREENDIMENTO... 3 1.2. OS EMPREENDEDORES... 3 2 GESTÃO... 4 2.1. DESCRIÇÃO DO NEGÓCIO... 4 2.3. PLANO DE OPERAÇÕES... 4 2.4. NECESSIDADE

Leia mais

Como Investir em Ações Eduardo Alves da Costa

Como Investir em Ações Eduardo Alves da Costa Como Investir em Ações Eduardo Alves da Costa Novatec CAPÍTULO 1 Afinal, o que são ações? Este capítulo apresenta alguns conceitos fundamentais para as primeiras de muitas decisões requeridas de um investidor,

Leia mais

DECOMTEC DECOMTEC. Departamento de Competitividade e Tecnologia

DECOMTEC DECOMTEC. Departamento de Competitividade e Tecnologia Departamento de Competitividade e Tecnologia Junho de 2014 1 Federação das Indústrias do Estado de São Paulo - FIESP PRESIDENTE EM EXERCÍCIO Benjamin Steinbruch Departamento de Competitividade e Tecnologia

Leia mais

opções de crédito para sua empresa

opções de crédito para sua empresa para sua empresa sumário introdução... 3 cartão bndes... 6 Introdução... 7 Custos operacionais... 8 Recebimentos... 9 Distribuidores... 9 Exemplos de operação...10 Revendedor compra com o Cartão BNDES

Leia mais

Federação do Comércio do Estado de Santa Catarina Relatório de Resultado de vendas Dia das Mães

Federação do Comércio do Estado de Santa Catarina Relatório de Resultado de vendas Dia das Mães Federação do Comércio do Estado de Santa Catarina Relatório de Resultado de vendas Dia das Mães Panorama do movimento na economia durante o Dia das Mães na região de Blumenau Divisão de Planejamento Núcleo

Leia mais

O Peso da Burocracia Tributária na Indústria de Transformação 2012

O Peso da Burocracia Tributária na Indústria de Transformação 2012 Departamento de Competitividade e Tecnologia O Peso da Burocracia Tributária na Indústria de Transformação 2012 Equipe Técnica Setembro de 2013 1 Sumário 1 Introdução 2 Custos do Sistema Tributário 3 Custos

Leia mais

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 2 Patrimônio

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 2 Patrimônio ª edição Ampliada e Revisada Capítulo Patrimônio Tópicos do Estudo Patrimônio. Bens. Direitos. Obrigações. Representação Gráfica do Patrimônio. Patrimônio Líquido Patrimônio É um conjunto de bens, direitos

Leia mais

Teleconferência de Resultados. Desempenho do 4T 2013 e de 2013. MAHLE Metal Leve S.A. 20 de março de 2014 12h00 (horário de Brasília) 1 MAHLE

Teleconferência de Resultados. Desempenho do 4T 2013 e de 2013. MAHLE Metal Leve S.A. 20 de março de 2014 12h00 (horário de Brasília) 1 MAHLE Teleconferência de Resultados Desempenho do 4T 2013 e de 2013 MAHLE Metal Leve S.A. 20 de março de 2014 12h00 (horário de Brasília) 1 Destaques 2013 Receita Líquida de Vendas de R$ 2.393,8 milhões em 2013,

Leia mais

A estratégia para enfrentar o aprofundamento da crise mundial Guido Mantega Ministro da Fazenda

A estratégia para enfrentar o aprofundamento da crise mundial Guido Mantega Ministro da Fazenda A estratégia para enfrentar o aprofundamento da crise mundial Guido Mantega Ministro da Fazenda Câmara dos Deputados Brasília, 23 de novembro de 2011 1 Economia mundial deteriorou-se nos últimos meses

Leia mais

MEI Mecanismos de incentivo à inovação no contexto da crise

MEI Mecanismos de incentivo à inovação no contexto da crise MEI Mecanismos de incentivo à inovação no contexto da crise Proposta de Trabalho Brasília, 27 de setembro de 2012 São Paulo, Agosto 2011 Apresentação do projeto PEDRO PASSOS 1 Baixo crescimento das economias

Leia mais

ENTREVISTA EXCLUSIVA COM O PALESTRANTE

ENTREVISTA EXCLUSIVA COM O PALESTRANTE 20-21 Maio de 2013 Tivoli São Paulo Mofarrej São Paulo, Brasil ENTREVISTA EXCLUSIVA COM O PALESTRANTE Fernando Cotrim Supply Chain Director, Rio 2016 Perguntas: Quais são os desafios de gerenciar o Supply

Leia mais

CRITÉRIOS / Indicadores

CRITÉRIOS / Indicadores CRITÉRIOS / Indicadores A lista de conceitos desta MELHORES E MAIORES Os valores usados nesta edição são expressos em reais de dezembro de 2014. A conversão para dólares foi feita, excepcionalmente, com

Leia mais

ANEXO I QUADRO COMPARATIVO DOS GOVERNOS LULA E fhc

ANEXO I QUADRO COMPARATIVO DOS GOVERNOS LULA E fhc ANEXO I QUADRO COMPARATIVO DOS GOVERNOS LULA E fhc Mercadante_ANEXOS.indd 225 10/4/2006 12:00:02 Mercadante_ANEXOS.indd 226 10/4/2006 12:00:02 QUADRO COMPARATIVO POLÍTICA EXTERNA Fortalecimento e expansão

Leia mais

SINCOR-SP 2015 AGOSTO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 AGOSTO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS AGOSTO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

Jonas Bertucci Luiz Caruso Marcello Pio Marcio Guerra

Jonas Bertucci Luiz Caruso Marcello Pio Marcio Guerra Identificação de estruturas de alta, média e baixa qualificação profissional, trabalhando algumas hipóteses qualitativas, a partir dos cenários SENAI/BNDES Jonas Bertucci Luiz Caruso Marcello Pio Marcio

Leia mais

A Importância dos Fundos de Investimento no Financiamento do Governo

A Importância dos Fundos de Investimento no Financiamento do Governo A Importância dos Fundos de Investimento no Financiamento do Governo A importância dos Fundos de Investimento no Financiamento do Governo Prof. William Eid Junior Professor Titular Coordenador do GV CEF

Leia mais

RESULTADOS 3T11. Grupo Pão de Açúcar e Globex Utilidades. 4 de novembro de 2011

RESULTADOS 3T11. Grupo Pão de Açúcar e Globex Utilidades. 4 de novembro de 2011 RESULTADOS 3T11 Grupo Pão de Açúcar e Globex Utilidades 4 de novembro de 2011 ELETRO GPA ALIMENTAR AGENDA RESULTADOS Supermercados Proximidade Atacarejo Postos e Drogarias Hipermercado Lojas Especializadas

Leia mais