Universidade Federal de Itajubá 02/09/2015 APRESENTAÇÃO APRESENTAÇÃO. Caminhonetes. Dados de entrada

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Universidade Federal de Itajubá 02/09/2015 APRESENTAÇÃO APRESENTAÇÃO. Caminhonetes. Dados de entrada"

Transcrição

1 APRESENTAÇÃO - O QUE VAMOS EXPLORAR? Comando SPLIT Comando SEND APRESENTAÇÃO Lote de MP Fornecedor Armazém MP Máquina Caminhonetes Fornecedor Dados de entrada Cliente Taxa de produção da Máquina: 1 MP/min 1 Lote de Matéria prima = 10 Matérias primas (MP) Lead time de entrega (do fornecedor ao cliente) de 1 Lote de MP = 6 minutos Fornecedor entrega de forma puxada 1 lote por vez As capacidades dos locais serão mostradas à frente Em que momento o Armazém deve fazer o pedido para o Fornecedor? Professor Fabiano Leal 1

2 DEFINIÇÃO INICIAL DEFINIÇÃO DOS LOCAIS Defina estes 3 locais em seu modelo. Capacidades: a) Fornecedor: infinita (não representa uma restrição ao sistema) b) Armazém: 25 c) Máquina: 1 Professor Fabiano Leal 2

3 DEFINIÇÃO DAS ENTIDADES Defina as entidades Matéria prima e Lote de MP. DEFINIÇÃO DAS CHEGADAS Considere uma única chegada de 1000 Lotes de MP no Fornecedor. Lembre-se: esta não é uma restrição ao sistema. Para o modelo começar em ciclo, considere uma única chegada de 10 Matéria prima no Armazém. Após esta única chegada, o Armazém passará a ser abastecido por entregas feitas pelo Fornecedor. Ambas as chegadas ocorrerão apenas 1 vez ao longo da rodada simulada. Professor Fabiano Leal 3

4 DEFINIÇÃO DA REDE DE CAMINHO Path Networks 1. Crie uma rede do Fornecedor ao Armazém. Nomeie a rede como Estrada 1 2. Escolha Time Defina a rede com um percurso de 6 minutos. O Promodel considera este tempo igual para ir (6 minutos) e voltar (6 minutos). DEFINIÇÃO DA REDE DE CAMINHO 4. Clique em Interfaces 4 Vamos colocar o veículo de transporteno próximo passo 5 5. Faça uma interface com o Fornecedor e outra como o Armazem. Professor Fabiano Leal 4

5 DEFINIÇÃO DOS RECURSOS Resources 1 1. Defina o recurso Caminhonete, sendo 2 unidades. Faremos isto para que o fornecedor tenha condições de fazer a entrega mesmo que um recurso esteja voltando Associe o recurso à rede Estrada 3. Faça o recurso voltar à base ( Fornecedor ) se estiver vazio. Linha [1] Entidade: Lote de MP Entra no local: Fornecedor Sai: Lote de MP Destino: Armazém Atenção: não utilize, como de padrão, a regra de saída First Avaliable. Caso você faça isto, o lote será enviado ao armazém a todo instante. Este envio só deve ocorrer quando o armazém ordenar (puxar). Desta forma, defina a regra de saída como IF SEND. Ou seja, a saída só ocorrese alguém pedir para enviar. Professor Fabiano Leal 5

6 A caminhonete levará 6 minutos para percorrer o trecho (em um sentido). Este tempo já foi definido na rede e não há necessidade de definir para o recurso neste caso. Linha [2] Entidade: Lote de MP Entra no local: Armazem Sai: Destino: Um lote de MP, ao chegar no Armazem, é desmembrado em 10 MP. 1. Ao receber 1 Lote de MP, fragmente-o em 10 Matéria prima Como houve criação de nova entidade do lado das entradas, obrigatoriamente devemos gerar uma nova linha de entradas. Portanto, não há saídas na linha 2. Professor Fabiano Leal 6

7 Linha [3] Entidade: Matéria prima Entra no local: Armazem Sai: Matéria prima Destino: Maquina Variables (global) Coloque um display para esta variável com texto explicativo TOTAL (painel no layout). Processing Linha [3] 1. Toda vez que uma MP entrar no Armazém, incremente a variável MP em Armazem. Temos que decidir em que momento o Armazém vai solicitar uma entrega do Fornecedor. Vamos inicialmente chutar um valor. Toda vez que o estoque total (variável MP em Armazem ) chegar a 2 unidades, vamos solicitar ao Fornecedor 1 Lote de MP. O lead time de entrega é de 6 minutos. Professor Fabiano Leal 7

8 Linha [3] Entidade: Matéria prima Entra no local: Armazem Sai: Matéria prima Destino: Maquina 1. Quando a Matéria prima sair do Armazém em direção à Máquina, decremente a variável MP em Armazem. Assim sempre saberemos quantas entidades Matéria prima estão no Armazém. 2. Se o valor da variável MP em Armazem chegar a 2 unidades de MP, então 4. peça que o Fornecedor envie 1 Lote de MP ao Armazém. Como o simulador sabe que o pedido será atendido pelo Fornecedor? Porque você programou a saída do Fornecedor com a regra IF SEND. Linha [4] Entidade: Matéria prima Entra no local: Maquina Sai: Matéria prima Destino: Exit 1. A Máquina puxa 1 Materia prima por minuto. Professor Fabiano Leal 8

9 ANÁLISE DA SIMULAÇÃO ANÁLISE DA SIMULAÇÃO Verifique durante a simulação se a caminhonete sai para entrega quando o estoque no armazém chega a 2 unidades Retire os agrupamentos 1. Escolha : Time Plot 3 2. Escolha a variável MP em Armazem apenas. 2 Professor Fabiano Leal 9

10 ANÁLISE DA SIMULAÇÃO Observe que o estoque chega a zero diversas vezes. Isto interrompe o funcionamento da Máquina. ANÁLISE DA SIMULAÇÃO Esta é uma consequencia ruim de nossa escolha pelo valor 2 como sendo o momento de chamar o Fornecedor para a entrega de 1 Lote de MP. Vamos buscar na teoria de Administração de Estoques a resposta Professor Fabiano Leal 10

11 MOMENTO TEORIA tg α = demanda (pedido colocado) L = lead time TBO = tempo entre Pedidos Estoque disponível Q R Q = lote encomendado R = ponto de reposição α α α L TBO Tempo R = (demanda). (Lead time de entrega) MOMENTO TEORIA No nosso problema, ao invés de 2, o ponto de reposição deveria ser R = 1 peça minuto. 6 minutos = 6 peças Vamos então alterar a programação de nosso modelo Professor Fabiano Leal 11

12 Linha [3] Entidade: Matéria prima Entra no local: Armazem Sai: Matéria prima Destino: Maquina Defina o Ponto de Reposição como sendo de 6 unidades restantes no estoque de MP. Simule por 10 horas e gere o gráfico de unidades estocadas no Armazém. ANÁLISE DA SIMULAÇÃO Perceba que o estoque não chega a zero em nenhum momento. A Máquina não é interrompida mais. Professor Fabiano Leal 12

13 ANÁLISE DA SIMULAÇÃO Vamos agora analisar uma situação muito comum. O Lead Time de entrega irá variar (estocástico). Qual o efeito disto no Sistema? Vamos considerar que o Lead Time de entrega segue uma distribuição Normal, com media 6 e desvio padrão de 3 minutos. Path Networks Troque o valor determinístico 6 pelo valor estocástico N(6,3). Simule por 10 horas e gere o gráfico de unidades estocadas no Armazém. Professor Fabiano Leal 13

14 ANÁLISE DA SIMULAÇÃO Perceba que o intervalo entre pedidos varia. Perceba que o estoque chega a zero várias vezes! ANÁLISE DA SIMULAÇÃO Perceba que a Máquina voltou a ser paralisada. Isto é um problema! O cálculo do ponto de pedido não se altera, pois ele solicita o valor médio da demanda e o valor médio do lead time de entrega. Como resolver então? Vamos à teoria novamente! Professor Fabiano Leal 14

15 MOMENTO TEORIA Segundo a teoria, o estoque de segurança é um valor excedente ao estoque cíclico que protege o processo contra incertezas da demanda, do tempo de espera pela entrega e das alterações na oferta dias estoque de segurança Entrega do lote 4 unidades Estoque sendo consumido Entrega do lote 4 unidades Caso haja um atraso de 1 dia na entrega do lote, teremos um estoque de segurança. MOMENTO TEORIA O estoque de segurança (ES) para valores variáveis de lead times de entrega é calculado da seguinte forma: ES = z. D. σ lead time O valor z (normal padronizada) indica o nível de serviço: probabilidade desejada de não se esgotar o estoque em nenhum ciclo do pedido. Isto é válido para lead times que se comportam dentro de uma distribuição normal. Exemplo: nível de serviço de 90%. O risco de se ficar totalmente sem estoque durante o lead time é de 10%. Neste caso, z = 1,645 (veja tabela z). Professor Fabiano Leal 15

16 MOMENTO TEORIA No nosso caso, temos: ES = 1, peça minuto. 3 minutos 5 peças Teremos que manter um estoque excedente sempre de 5 peças. Isto impedirá que o estoque chegue a zero devido a variações no lead time de entrega (com 90% de probabilidade de acerto). Se o estoque de segurança for consumido em parte ou por completo, ele obrigatoriamente deverá ser reposto no momento do abastecimento. Agora, nosso ponto de reposição será de: R = Demanda. Lead Time de entrega + ES R = = 11 Variables (global) Crie uma variável chamada de Entregas, para descobrirmos quantas vezes a caminhonete entrega o pedido no Armazém. Não é necessário colocar esta variável visível no layout. O estoque total no Armazém (cíclico + segurança) deverá ser: Vamos agora a uma mudança na política de entregas Professor Fabiano Leal 16

17 Toda vez que o transporte do fornecedor chegar para abastecer o Armazém, a quantidade desembarcada deverá ser a suficiente para colocar o estoque de MP na posição 15. Ou seja, o cliente pode não pegar as 10 MP do lote de MP No momento da entrega, deverão ser descarregados no Armazém (15 MP_em_Armazem). 5 0 Desta forma, no momento da entrega, independente se o Armazém estiver ou não no nível do estoque de segurança, será descarregado do transporte a quantidade suficiente para levar o estoque do Armazém para 15. A quantidade de MP que sobrar no transporte do fornecedor não interessa ao cliente. Processing Linha [2] Lote de MP no Armazem 1. Quando o Lote de MP chegar no Armazém, incremente a variável Entregas. 2. Fragmente o Lote de MP em uma quantidade de MP que encha o estoque cíclico. Professor Fabiano Leal 17

18 Arrivals Altere a primeira chegada no Armazém para 15 unidades. Desta forma nosso Armazém começa com o estoque cíclico cheio (10 MP) e com o estoque de segurança cheio (5 MP). Processing Linha [3] Matéria prima no Armazem Simule por 10 horas e gere o gráfico de unidades estocadas no Armazém. Perceba se o pedido ocorrecom 11 MPs no Armazém. Veja o valor do número de entregas em TABLES e SUMMARY VARIABLE. Professor Fabiano Leal 18

19 ANÁLISE DA SIMULAÇÃO Em 63 entregas (Lead times) tivemos o esgotamento total do estoque 2 vezes. Simule agora por 100 horas. ANÁLISE DA SIMULAÇÃO Tivemos agora em 624 entregas, aproximadamente 36 situações de estoque esgotado. Lembre-se que sua confiabilidade é de 90%, e não 100%. Professor Fabiano Leal 19

20 ANÁLISE DA SIMULAÇÃO Experimente retirar 1 recurso de transporte. Como ficará a situação do cliente? E com 3 recursos de transporte? O ganho no cliente justifica esta nova aquisição? Que outros experimentos você faria? EXTRA Para terminar, vamos tornar mais didático nosso modelo. Vamos informar, durante a execução da simulação, os momentos que o estoque cíclico está normal, em situação de ponto de pedido ou no estoque de segurança. Locations Crie um local X, sem figura associada. Será um local fantasma. Com este local selecionado, desmarque o NEW, selecione o botão X e marque uma posição abaixo do display Estoque Total, como mostra a figura a seguir. Professor Fabiano Leal 20

21 EXTRA EXTRA Background Graphics Behind Grid Clique em Graphic Editor Crie o texto Normal, em uma caixa verde 2. Clique no quadrado vazio e depois em SAVE 3. Após isto, delete a palavra Normal. Professor Fabiano Leal 21

22 EXTRA Faça o mesmo, salvando as palavras: - Ponto de reposição, dentro de uma caixa amarela - Segurança, dentro de uma caixa vermelha EXTRA Entities Crie uma nova entidade, chamada de Aviso. Escolha para ela a figura que você acaba de criar, a caixa amarela com os dizeres Ponto de reposição. Desmarque a opção NEW. Clique na segunda opção de forma e escolha a caixa vermelha (Segurança). Clique na terceira opção de forma e escolha a caixa verde (Normal). Professor Fabiano Leal 22

23 EXTRA Arrivals Não há necessidade de uma precisão alta neste caso. Coloque um tempo pequeno para a frequencia de chegadas. Faça com que a entidade Aviso chegue no local X. EXTRA Processing Linha [5] Entidade: Aviso Entra no local: X Sai: Aviso Destino: Exit Simule por 10 horas e confira! 1. Se o estoque no Armazém estiver entre 11 e 6 3. use os dizeres Ponto de reposição para a entidade Aviso. 5. Se o estoque no Armazém estiver com 5 ou menos unidades 7. use os dizeres Segurança para a entidade Aviso. 9. Se o estoque no Armazém estiver com 12 ou mais unidades 11. use os dizeres Normal para a entidade Aviso. 13. Faça a entidade Aviso ficar pouco tempo parada. Professor Fabiano Leal 23

Logística Lean: conceitos básicos

Logística Lean: conceitos básicos Logística Lean: conceitos básicos Lando Nishida O gerenciamento da cadeia de suprimentos abrange o planejamento e a gerência de todas as atividades da logística. Inclui também a coordenação e a colaboração

Leia mais

Nome do Processo: Recebimento de produtos em consignação

Nome do Processo: Recebimento de produtos em consignação Desenvolvimento BM-1401 Recebimento de produtos em consignação Versão 5 Release 28 Autor Jaciara Silva Processo: Compras Nome do Processo: Recebimento de produtos em consignação Acesso Compras\Movimentações

Leia mais

Estruturando o Fluxo Puxado Modelos Clássicos de Reposição de Estoques

Estruturando o Fluxo Puxado Modelos Clássicos de Reposição de Estoques 1 GESTÃO DE S EM SISTEMAS DE ESTÁGIO ÚNICO Modelos Clássicos e Cálculo dos Parâmetros de Controle SISTEMAS DE ESTÁGIO ÚNICO CASOS REAIS TÍPICOS Venda de produtos no varejo Venda de produtos em máquinas

Leia mais

Manual de Compras. Calcular a Curva ABC de Vendas do produto.

Manual de Compras. Calcular a Curva ABC de Vendas do produto. Manual de Compras Antes de se começar a operar a tela de compras, é necessário estabelecer a configuração ideal para o seu negócio. Este manual não visa impor a melhor forma ou o melhor calculo para se

Leia mais

Conectando a Montagem aos Processos em Lotes através de Sistemas Puxados Básicos

Conectando a Montagem aos Processos em Lotes através de Sistemas Puxados Básicos Conectando a Montagem aos Processos em Lotes através de Sistemas Puxados Básicos Art Smalley Tradução: Diogo Kosaka Sistemas puxados são uma parte fundamental da manufatura lean e freqüentemente são mal

Leia mais

Introdução ao X3. Exercício 1: Criando um registro de Contato

Introdução ao X3. Exercício 1: Criando um registro de Contato Introdução ao X3 Exercício 1: Criando um registro de Contato Inicie por adicionar um novo registro de Contato. Navegue para a tabela de Contato clicando na aba de Contato no alto da página. Existem duas

Leia mais

Como fazer uma imagem em 3 cores Atividade Adaptada National School s Observatory

Como fazer uma imagem em 3 cores Atividade Adaptada National School s Observatory Como fazer uma imagem em 3 cores Atividade Adaptada National School s Observatory Faça o download do LTIMAGE, o software que vocês utilizarão para a atividade. http://www.schoolsobservatory.org.uk/obs/software/ltimage

Leia mais

Guia Site Empresarial

Guia Site Empresarial Guia Site Empresarial Índice 1 - Fazer Fatura... 2 1.1 - Fazer uma nova fatura por valores de crédito... 2 1.2 - Fazer fatura alterando limites dos cartões... 6 1.3 - Fazer fatura repetindo última solicitação

Leia mais

Simulação de Evento Discreto

Simulação de Evento Discreto Simulação de Evento Discreto Simulação de evento discreto As variáveis de estado modificam-se apenas pela ocorrência de eventos Os eventos ocorrem instantaneamente em pontos separados no tempo São simulados

Leia mais

Inventario de produtos

Inventario de produtos Inventario de produtos Parar o TAC. Gerar o inventario. Informações de erros na importação de produtos. Produtos sem código tributário associado. A posse de produtos no Thotau. Como corrigir as posses

Leia mais

ROTINA DE INVENTÁRIO MANUAL MANUAL AVANÇO INFORMÁTICA AVANÇO INFORMÁTICA. [Digite seu endereço] [Digite seu telefone] [Digite seu endereço de e-mail]

ROTINA DE INVENTÁRIO MANUAL MANUAL AVANÇO INFORMÁTICA AVANÇO INFORMÁTICA. [Digite seu endereço] [Digite seu telefone] [Digite seu endereço de e-mail] ROTINA DE INVENTÁRIO [Digite seu endereço] [Digite seu telefone] [Digite seu endereço de e-mail] MANUAL MANUAL AVANÇO INFORMÁTICA AVANÇO INFORMÁTICA Material Desenvolvido para a Célula de Materiais Autor:

Leia mais

MRP II. Planejamento e Controle da Produção 3 professor Muris Lage Junior

MRP II. Planejamento e Controle da Produção 3 professor Muris Lage Junior MRP II Introdução A lógica de cálculo das necessidades é conhecida há muito tempo Porém só pode ser utilizada na prática em situações mais complexas a partir dos anos 60 A partir de meados da década de

Leia mais

4.5 Kanban. Abertura. Definição. Conceitos. Aplicação. Comentários. Pontos fortes. Pontos fracos. Encerramento

4.5 Kanban. Abertura. Definição. Conceitos. Aplicação. Comentários. Pontos fortes. Pontos fracos. Encerramento 4.5 Kanban 4.5 Kanban Já foi citado o caso de como o supermercado funcionou como benchmarking para muitas ideias japonesas. Outra dessas ideais inverteu o fluxo da produção: de empurrada passou a ser puxada.

Leia mais

PEDIDO Manual OPERACIONAL

PEDIDO Manual OPERACIONAL SISTEMA DE GESTÃO HDIAS HAMILTON DIAS (31) 8829.9195 8540.8872 www.hdias.com.br hamilton-dias@ig.com.br PEDIDO Manual OPERACIONAL Pagina 2 de 34 ÍNDICE Pedido... 4 Como Acessar... 4 Como Localizar Pedido...

Leia mais

A Unimed Muriaé esta atualizando a o sistema autorizador (HILUM )

A Unimed Muriaé esta atualizando a o sistema autorizador (HILUM ) A Unimed Muriaé esta atualizando a o sistema autorizador (HILUM ) Houve mudanças em várias áreas do sistema, mas para simplificar ao usuário final estarei ativando só os campos que são obrigatórios para

Leia mais

Processo de Controle das Reposições da loja

Processo de Controle das Reposições da loja Processo de Controle das Reposições da loja Getway 2015 Processo de Reposição de Mercadorias Manual Processo de Reposição de Mercadorias. O processo de reposição de mercadorias para o Profit foi definido

Leia mais

Manual da AGENDA GRACES 2011

Manual da AGENDA GRACES 2011 1 Agenda Graces Manual da AGENDA GRACES 2011 O Sistema Agenda Graces integrada ao Sistema Graces e Agenda Graces Grátis foi desenvolvido pela empresa Quorum Informática. Este Manual tem por objetivo atender

Leia mais

Planejamento e Controle da Produção I

Planejamento e Controle da Produção I Planejamento e Controle da Produção I Sequenciamento e Emissão de Ordens Prof. M.Sc. Gustavo Meireles 2012 Gustavo S. C. Meireles 1 Introdução Programação da produção: define quanto e quando comprar, fabricar

Leia mais

Módulo Faturamento INDICE

Módulo Faturamento INDICE Módulo Faturamento INDICE Como faturar contas... 3 Editando os dados de uma conta... 5 Como gerar o arquivo TISS... 7 Como cadastrar médicos... 10 Como cadastrar um convênio... 15 Como cadastrar um layout...

Leia mais

Projeto de Armazéns e Modelos de Armazenamento

Projeto de Armazéns e Modelos de Armazenamento Projeto de Armazéns e Ricardo A. Cassel Projeto de Armazéns Modelos de armazenamento baseado em classes 1 O armazenamento dedicado é utilizado quando uma unidade mantida em estoque (SKU) é designada para

Leia mais

Lição 1 - Criação de campos calculados em consultas

Lição 1 - Criação de campos calculados em consultas 1 de 5 21-08-2011 22:15 Lição 1 - Criação de campos calculados em consultas Adição de Colunas com Valores Calculados: Vamos, inicialmente, relembrar, rapidamente alguns conceitos básicos sobre Consultas

Leia mais

1- Requisitos mínimos. 2- Instalando o Acesso Full. 3- Iniciando o Acesso Full pela primeira vez

1- Requisitos mínimos. 2- Instalando o Acesso Full. 3- Iniciando o Acesso Full pela primeira vez Manual Conteúdo 1- Requisitos mínimos... 2 2- Instalando o Acesso Full... 2 3- Iniciando o Acesso Full pela primeira vez... 2 4- Conhecendo a barra de navegação padrão do Acesso Full... 3 5- Cadastrando

Leia mais

Capítulo 1 Conceitos e Gestão de Estoques

Capítulo 1 Conceitos e Gestão de Estoques Capítulo 1 Conceitos e Gestão de Estoques Celso Ferreira Alves Júnior eng.alvesjr@gmail.com 1. GESTÃO DE ESTOQUE 1.1 Conceito de Gestão de estoques Refere-se a decisões sobre quando e quanto ressuprir

Leia mais

PASSO A PASSO PARA INSCRIÇÃO NA CHAMADA PÚBLICA BRDE/FSA PRODAV 03/2013

PASSO A PASSO PARA INSCRIÇÃO NA CHAMADA PÚBLICA BRDE/FSA PRODAV 03/2013 PASSO A PASSO PARA INSCRIÇÃO NA CHAMADA PÚBLICA BRDE/FSA PRODAV 03/2013 Para se inscrever na CHAMADA PÚBLICA BRDE/FSA PRODAV 03/2013, clique em http://ancine.brde.com.br/ancine/login.asp Utilize preferencialmente

Leia mais

Configurações Básicas

Configurações Básicas Compras Avançadas Este módulo auxilia na verificação da demanda dos produtos e com isso permite ajustar os estoques fazendo transferência entre as filiais e também definir a quantidade de estoque dos produtos

Leia mais

PASSO A PASSO PARA INSCRIÇÃO NA CHAMADA PÚBLICA BRDE/FSA PRODAV 04/2013 - LABORATÓRIOS

PASSO A PASSO PARA INSCRIÇÃO NA CHAMADA PÚBLICA BRDE/FSA PRODAV 04/2013 - LABORATÓRIOS PASSO A PASSO PARA INSCRIÇÃO NA CHAMADA PÚBLICA BRDE/FSA PRODAV 04/2013 - LABORATÓRIOS Para se inscrever na CHAMADA PÚBLICA BRDE/FSA PRODAV 04/2013, clique em http://ancine.brde.com.br/ancine/login.asp

Leia mais

Este documento visa facilitar e viabilizar a introdução ao módulo de Manufatura no Sistema

Este documento visa facilitar e viabilizar a introdução ao módulo de Manufatura no Sistema Este documento visa facilitar e viabilizar a introdução ao módulo de Manufatura no Sistema Execom!ERP, de maneira sucinta. Para maiores informações entrar em contato através das seguintes maneiras: Skype

Leia mais

Armazenagem e Movimentação de Materiais II

Armazenagem e Movimentação de Materiais II Tendências da armazenagem de materiais Embalagem: classificação, arranjos de embalagens em paletes, formação de carga paletizada, contêineres Controle e operação do armazém Equipamentos de movimentação

Leia mais

[MANUAL DE INTEGRAÇÃO PARA SITES DE MEMBROS]

[MANUAL DE INTEGRAÇÃO PARA SITES DE MEMBROS] 2011 [MANUAL DE INTEGRAÇÃO PARA SITES DE MEMBROS] Destinado a usuários que desejam vender conteúdo premium, disponível em sites de membros, através da plataforma Hotmart. Versão do documento: 1.0, 11/04/2011.

Leia mais

Manual de instruções rápido para testar o sistema Graces

Manual de instruções rápido para testar o sistema Graces Manual de instruções rápido para testar o sistema Graces Gerenciar um salão de beleza usando o sistema Graces é muito fácil! Eis alguns passos que poderão lhe ajudar a realizar os testes. Lembre-se que

Leia mais

ETEP TÉCNICO EM CONTABILIDADE MÓDULO 3 INFORMÁTICA 3 2012 PÓS MÉDIO

ETEP TÉCNICO EM CONTABILIDADE MÓDULO 3 INFORMÁTICA 3 2012 PÓS MÉDIO 2012 TÉCNICO EM CONTABILIDADE MÓDULO 3 INFORMÁTICA 3 PÓS MÉDIO 1 AULA 1 Verificação de Erros cometidos no Domínio Escrita Fiscal Para verificar o que já foi realizado no domínio escrita fiscal (e também

Leia mais

Orientações Básicas Repom.

Orientações Básicas Repom. Orientações Básicas Repom. Considerações importantes: 1 A viagem deverá estar autorizada para depois solicitar o pagamento. 2 É obrigatório informar o campo NCM da mercadoria, que está em tabela>auxiliares>mercadoria.

Leia mais

Aluno(a) autor(a): Turma: Outros integrantes do grupo: ; ;.

Aluno(a) autor(a): Turma: Outros integrantes do grupo: ; ;. Novembro de 2013 FÍSICA EXPERIMENTAL FORÇA DE ATRITO Aluno(a) autor(a): Turma: Outros integrantes do grupo: ; ;. 1) OBJETIVOS - Reconhecer o atrito como uma força que varia com o estado de repouso ou movimento

Leia mais

Exercícios. Exercício 1

Exercícios. Exercício 1 Exercícios Exercício 1 Considere um sistema de processamento com os seguintes tempos entre chegadas de tarefas: Tempo entre Chegadas (horas) Probabilidade 0 0.23 1 0.37 2 0.28 3 0.12 Os tempos de processamento

Leia mais

Área de Venda (gôndola):

Área de Venda (gôndola): É importante lembrá-lo que, caso não tenha coletor de dados, que permite agilizar o processo de inventário, entre em contato com o departamento Comercial da Getway que podemos fazer um excelente negócio.

Leia mais

5 Sistema americano. 5.1 Forma de Ressuprimento

5 Sistema americano. 5.1 Forma de Ressuprimento 5 Sistema americano O objetivo deste capítulo é descrever o sistema de programação de entregas e previsão de demanda para clientes VMI utilizado pela matriz da Empresa de Gases Alfa nos Estados Unidos.

Leia mais

Fluxo de trabalho do Capture Pro Software: Indexação de OCR e separação de documentos de código de correção

Fluxo de trabalho do Capture Pro Software: Indexação de OCR e separação de documentos de código de correção Este procedimento corresponde ao fluxo de trabalho de Indexação de OCR com separação de código de correção no programa de treinamento do Capture Pro Software. As etapas do procedimento encontram-se na

Leia mais

Nome do(a) Aluno(a): Turma: RECOMENDAÇÕES IMPORTANTES

Nome do(a) Aluno(a): Turma: RECOMENDAÇÕES IMPORTANTES 5º ANO ESPECIALIZADO E CURSO PREPARATÓRIO 4º SIMULADO/2014-2ª ETAPA MATEMÁTICA Nome do(a) Aluno(a): Turma: RECOMENDAÇÕES IMPORTANTES 01) Verifique o total de folhas (09) deste Simulado. Ele contém 20 (vinte)

Leia mais

Manual do usuário (v 1.2.0) E-commerce

Manual do usuário (v 1.2.0) E-commerce Manual do usuário (v 1.2.0) E-commerce Sumário Acessando o sistema gerencial... 1 Enviando logomarca, banners e destaques... 1 Logomarca... 1 Destaques... 2 Banners... 3 Cadastrando produtos... 4 Embalagem...

Leia mais

Resumo da Matéria de Linguagem de Programação. Linguagem C

Resumo da Matéria de Linguagem de Programação. Linguagem C Resumo da Matéria de Linguagem de Programação Linguagem C Vitor H. Migoto de Gouvêa 2011 Sumário Como instalar um programa para executar o C...3 Sintaxe inicial da Linguagem de Programação C...4 Variáveis

Leia mais

SISTEMA DE EXPORTAÇÃO - SISEXP SEFAZ/GO EXPORTAÇÃO EFETUADA ATRAVÉS DE FORMAÇÃO DE LOTE EM RECINTO ALFANDEGADO OU ADUANEIRO. EMISSÃO DO DCE.

SISTEMA DE EXPORTAÇÃO - SISEXP SEFAZ/GO EXPORTAÇÃO EFETUADA ATRAVÉS DE FORMAÇÃO DE LOTE EM RECINTO ALFANDEGADO OU ADUANEIRO. EMISSÃO DO DCE. SISTEMA DE EXPORTAÇÃO - SISEXP SEFAZ/GO EXPORTAÇÃO EFETUADA ATRAVÉS DE FORMAÇÃO DE LOTE EM RECINTO ALFANDEGADO OU ADUANEIRO. EMISSÃO DO DCE. Coloque sua matrícula e senha na parte superior direita na página

Leia mais

Controle Patrimonial WEB

Controle Patrimonial WEB Cccc Controle Patrimonial WEB Manual Inventário Conteúdo. Introdução... 3 2. Inventário... 3 2.. Abertura do inventário... 4 2.2. Relatório para Inventário... 5 2.2.. Contagem física e verificação do estado

Leia mais

1. Capturando pacotes a partir da execução do traceroute

1. Capturando pacotes a partir da execução do traceroute Neste laboratório, iremos investigar o protocolo IP, focando o datagrama IP. Vamos fazê-lo através da analise de um trace de datagramas IP enviados e recebidos por uma execução do programa traceroute (o

Leia mais

Aula 12 Lista de verificação de segurança para o Windows 7

Aula 12 Lista de verificação de segurança para o Windows 7 Aula 12 Lista de verificação de segurança para o Windows 7 Use esta lista de verificação para ter certeza de que você está aproveitando todas as formas oferecidas pelo Windows para ajudar a manter o seu

Leia mais

Manipulação Digital de Imagens Recursos Básicos de Tratamento

Manipulação Digital de Imagens Recursos Básicos de Tratamento Manipulação Digital de Imagens Recursos Básicos de Tratamento 1 Antes de mais nada, é extremamente necessário lembrar que para tratar uma imagem é necessário que o monitor de seu computador esteja calibrado

Leia mais

N= D. LT_prod. (1+Seg) + D. LT_entr. (1+Seg)

N= D. LT_prod. (1+Seg) + D. LT_entr. (1+Seg) Os parametros para o cálculo são : Demanda diária (D) Qtde. de peças por KANBAN (Q) Lead time de produção (LT_Prod) Lead time de entrega (LT_entr) Segurança (margem) definida (Seg) Sendo: N= D. LT_prod.

Leia mais

Manual de Relação de Pontos por Indicação

Manual de Relação de Pontos por Indicação Manual de Relação de Pontos por Indicação Sumário 1. Verificando se o parâmetro das funções está ativo... 3 2. Efetuando o cadastro da faixa de indicação... 5 2.1. Cadastro de faixas com intervalos...

Leia mais

Gestão de Ativos. Manual do Usuário. Treinamento Fase 1 (TRN 01)

Gestão de Ativos. Manual do Usuário. Treinamento Fase 1 (TRN 01) Gestão de Ativos Manual do Usuário Treinamento Fase 1 (TRN 01) Índice 1. Introdução... 3 2. Movimentações de Ativos... 4 2.1. Monitoração... 4 2.1.1. Monitor de Movimentação de Ativos...4 2.2. Transações...15

Leia mais

CURSO ON-LINE PROFESSOR GUILHERME NEVES 1

CURSO ON-LINE PROFESSOR GUILHERME NEVES 1 CURSO ON-LINE PROFESSOR GUILHERME NEVES 1 Olá pessoal! Resolverei neste ponto a prova de Matemática e Estatística para Técnico Administrativo para o BNDES 2008 organizado pela CESGRANRIO. Sem mais delongas,

Leia mais

Manual. Pedido Eletrônico

Manual. Pedido Eletrônico Manual Pedido Eletrônico ÍNDICE 1. Download... 3 2. Instalação... 4 3. Sistema de Digitação SantaCruz... 8 3.1. Configuração... 8 4. Utilização do Sistema Digitação SantaCruz... 11 4.1. Atualizar cadastros...11

Leia mais

para outro) 23 ÍNDICE ERP 1- Cadastro de Produtos (Implantação no Almoxarifado) 04

para outro) 23 ÍNDICE ERP 1- Cadastro de Produtos (Implantação no Almoxarifado) 04 1 2 ÍNDICE ERP 1- Cadastro de Produtos (Implantação no Almoxarifado) 04 2- Notas de Compra (Incluindo Quantidades no Almoxarifado) 07 2.1 - Notas complementares 12 2.2 - Desmembramento de bens 13 3- Requisições

Leia mais

TÍTULO: SISTEMA KANBAN DE ESTOQUE APLICADO À PRODUÇÃO DE ESTACAS MEGA

TÍTULO: SISTEMA KANBAN DE ESTOQUE APLICADO À PRODUÇÃO DE ESTACAS MEGA TÍTULO: SISTEMA KANBAN DE ESTOQUE APLICADO À PRODUÇÃO DE ESTACAS MEGA CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: FACULDADE ANHAGUERA DE JUNDIAÍ AUTOR(ES): JEANNE

Leia mais

PROGRAMA DE TREINAMENTO

PROGRAMA DE TREINAMENTO Jogo de Empresa POLITRON Tutorial para Uso da Planilha PROGRAMA DE TREINAMENTO EM MRP II Tutorial para o uso da Planilha do POLITRON Direitos Reservados - Reprodução Proibida Janeiro/2001 Versão Demonstrativa

Leia mais

MANUAL DO LAUDO DE ANALISE

MANUAL DO LAUDO DE ANALISE MANUAL DO LAUDO DE ANALISE Emissão: 17/05/2011 Revisão: 26/05/2015 Revisado por: Juliana INDICE I. Que tipos de LAUDO de ANALISE...03 II. O que é uma PROPRIEDADE...03 III. Como fazer para cadastras as

Leia mais

DAÍ DAIS Manual de Operação SISTAR V 1.0 1 / 30

DAÍ DAIS Manual de Operação SISTAR V 1.0 1 / 30 1 / 30 Sumário Sumário...2 Introdução...3 Objetivo...3 Operação...4 Autenticando no sistema SISTAR...5 Análise Tarifária...8 Unidade de Consumo...8 Tarifa...9 1. Informação Convencional...10 2. Informação

Leia mais

Novidades da Versão 3.0.0.30

Novidades da Versão 3.0.0.30 Novidades da Versão 3.0.0.30 Alteração Equipamento Unidade Instalação Inserida informação Telemetria na Tela de Alteração de Equipamento Unidade de Instalação (326). A informação Roaming Internacional

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA. Versão 6.07

MANUAL DO SISTEMA. Versão 6.07 MANUAL DO SISTEMA Versão 6.07 Movimentações... 4 Movimentações de Caixa... 4 Entradas... 6 Recebimento em Dinheiro... 8 Recebimento em Cheque... 8 Troco... 15 Saídas... 17 Movimentações de Banco... 22

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES. Versão 1.0. Visão Transportador

MANUAL DE INSTRUÇÕES. Versão 1.0. Visão Transportador MANUAL DE INSTRUÇÕES Versão 1.0 Visão Transportador 2 Sumário Introdução... 3 Requisitos mínimos... 3 Acesso... 3 Primeiro acesso... 5 Navegando pelo sistema... 6 Menu Perfil... 7 Dados do Fornecedor...

Leia mais

PORTAL DE COMPRAS ELETRÔNICO

PORTAL DE COMPRAS ELETRÔNICO Página: 1 PORTAL DE COMPRAS ELETRÔNICO Manual do Fornecedor Página: 2 1. OBJETIVO Formalizar o método de preenchimento de cotações e retirada de pedidos de compras via E-PROCUREMENT. 2. RESPONSABILIDADES

Leia mais

paradigma WBC Public - pregão eletrônico Guia do Fornecedor paradigma WBC Public v6.0 g1.1

paradigma WBC Public - pregão eletrônico Guia do Fornecedor paradigma WBC Public v6.0 g1.1 paradigma WBC Public - pregão eletrônico Guia do Fornecedor paradigma WBC Public v6.0 g1.1 agosto de 2007 As informações contidas neste documento, incluíndo quaisquer URLs e outras possíveis referências

Leia mais

Procedimentos para Utilização do SAVI

Procedimentos para Utilização do SAVI Procedimentos para Utilização do SAVI 1. Acessando o sistema Para acessar o sistema é necessário ter instalado em seu sistema o navegador Firefox. Uma vez que ele esteja disponível acesse o link: HTTP://

Leia mais

Manual do Sistema "Coelho - Sistema de Analise Loterica" Editorial Brazil Informatica

Manual do Sistema Coelho - Sistema de Analise Loterica Editorial Brazil Informatica Manual do Sistema "Coelho - Sistema de Analise Loterica" Editorial Brazil Informatica I Coelho - Sistema de Analise Loterica Conteudo Part I Introdução 2 1 Coelho- Sistema... de Analise Loterica 2 Part

Leia mais

Global Security Network GSN Brasil. 1

Global Security Network GSN Brasil. 1 Global Security Network GSN Brasil. 1 Operação Básica O teclado Spectra 1689 e o Teclado 1641 (cristal liquido) funcionam da mesma maneira, Mas não oferecem a mesma visualização. Nesta seção veremos suas

Leia mais

Novas Funcionalidades do MyABCM v.4.0

Novas Funcionalidades do MyABCM v.4.0 Novas Funcionalidades do MyABCM v.4.0 Seguem abaixo as novas funcionalidades e melhorias do MyABCM e um resumo de como utilizar essas funcionalidades. 1. Nova funcionalidade para aplicação de fatores de

Leia mais

Manual para Transportadoras

Manual para Transportadoras Índice 1 Objetivo... 3 2 O Projeto e-suprir... 3 3 Introdução... 3 4 Informações Básicas... 4 4.1 Painel de Controle Compras... 4 5 Acessando o Pedido... 5 6 Digitando o Espelho de Nota Fiscal... 7 6.1

Leia mais

Alterações da Versão 5.8.9.2.1 para a 5.8.9.2.2

Alterações da Versão 5.8.9.2.1 para a 5.8.9.2.2 Documento Atualizado em: 05/04/2013. Prezados Clientes: Abaixo, estão os Novos Recursos da versão 5.8.9.2.2 em relação à versão 5.8.9.2.1 Dividimos as alterações por Menus, sendo que em cada alteração

Leia mais

Passo a passo SISCORT R 2015

Passo a passo SISCORT R 2015 Passo a passo SISCORT 2015 SUMÁRIO (PASSO A PASSO SISCORT) Passo 1 Acessando o Sistema ------------------------- slide 1 Passo 2 -Identificação do Usuário ---------------------slide 16 Passo 3 Atualizar

Leia mais

Armazém Sistema de Recebimento SDR 006 LIBERTAÇÃO DO ESTOQUE USUÁRIO MANUAL DE TREINAMENTO. Versão 1.00

Armazém Sistema de Recebimento SDR 006 LIBERTAÇÃO DO ESTOQUE USUÁRIO MANUAL DE TREINAMENTO. Versão 1.00 1 Armazém Sistema de Recebimento SDR 006 LIBERTAÇÃO DO ESTOQUE USUÁRIO MANUAL DE TREINAMENTO Versão 1.00 2 Tabela de Conteúdos Visão geral 3 Venda de stock diagrama do processo 3 Como ver quais productos

Leia mais

Portal da Prefeitura de São Paulo SECOM. MANUAL DO WARAM v. 1.5 Secretarias

Portal da Prefeitura de São Paulo SECOM. MANUAL DO WARAM v. 1.5 Secretarias SECOM MANUAL DO WARAM v. 1.5 Secretarias WARAM 1.5 Ferramenta de atualização do Portal da Prefeitura de São Paulo. Use preferencialmente o navegador Internet Explorer superior ou igual a 7.0. No campo

Leia mais

AULA 3 Ferramentas de Análise Básicas

AULA 3 Ferramentas de Análise Básicas 3.1 AULA 3 Ferramentas de Análise Básicas Neste capítulo serão apresentadas algumas ferramentas de análise de dados com representação vetorial disponíveis no TerraView. Para isso será usado o banco de

Leia mais

Recuperando a comunicação com o seu Modem DSL-500G

Recuperando a comunicação com o seu Modem DSL-500G Recuperando a comunicação com o seu Modem DSL-500G Sugestões e correções para melhoria deste Documento devem ser enviadas para o e_mail dsl-500gowner@yahoogrupos.com.br, mencionando no campo Assunto (Subject),

Leia mais

Sistemas de Gestão de Estoques

Sistemas de Gestão de Estoques CONCEITOS BÁSICOSB Prof. João Carlos Gabriel - Aula 3 1 CONCEITOS BÁSICOSB PP = Ponto de pedido ou ponto de ressuprimento ou ponto de reposição é o instante (a quantidade) no qual se faz um pedido de compra

Leia mais

Componente Net Empresa

Componente Net Empresa Componente Net Empresa Devido à atualização tecnológica, disponibilizamos um novo componente para acessar o Bradesco Net Empresa. Confira o passo a passo para instalar 1. É necessária a versão 6-32 BITS

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO ARENA 13 CONTROL CENTER

MANUAL DO USUÁRIO ARENA 13 CONTROL CENTER 1 MANUAL DO USUÁRIO ARENA 13 CONTROL CENTER 2 TERMO DE CONFIDENCIALIDADE As informações contidas neste documento são confidenciais e se constituem em propriedade da BLOCKSAT SISTEMAS DE SEGURANÇA LTDA

Leia mais

NESSE MANUAL VÃO SER SOLUCIONADAS AS SEGUINTES DÚVIDAS DE USO:

NESSE MANUAL VÃO SER SOLUCIONADAS AS SEGUINTES DÚVIDAS DE USO: NESSE MANUAL VÃO SER SOLUCIONADAS AS SEGUINTES DÚVIDAS DE USO: Sumário NA AGENDA COMO FAÇO PARA VER PACIENTES COM TRATAMENTO EM ABERTO MAIS SEM AGENDAMENTO?... 2 COMO FAÇO PARA PROCURAR UM PACIENTE E IMPRIMIR

Leia mais

MANUAL DE VENDAS TESTES AUTORIZADOR VIDALINK VERSÃO 6.0.0

MANUAL DE VENDAS TESTES AUTORIZADOR VIDALINK VERSÃO 6.0.0 Instruções de como realizar a Venda Teste no Autorizador da Vidalink Para a integração de loja que deseja atender PBM e/ou Farmácia Popular e/ou CPV, é necessária que sejam realizadas e enviadas para validação,

Leia mais

Sistema de Bibliotecas Vera Cruz Como pesquisar

Sistema de Bibliotecas Vera Cruz Como pesquisar Sistema de Bibliotecas Vera Cruz Como pesquisar Para pesquisar o acervo de alguma Unidade específica selecione-a no campo Unidade conforme exemplos a seguir. Se preferir consultar todo o acervo do Sistema

Leia mais

Gerenciamento de Contatos

Gerenciamento de Contatos Gerenciamento de Contatos O objetivo deste módulo é ajudar a gerenciar todos os contatos da empresa. Além dos dados mais importantes, o módulo permite cadastrar anotações e relacionar as tarefas e eventos

Leia mais

Tela Principal. 2) Criação do CD para ser entregue ao cliente.

Tela Principal. 2) Criação do CD para ser entregue ao cliente. Tela Principal 1 1 Tela Principal 1) Coloque o e-mail que deseja receber o pedido enviado pelo cliente. Recomendamos emails da gmail ou hotmail, pois alguns provedores como yahoo ou terra, bloqueiam o

Leia mais

Conceitos Básicos de Gestão de Estoques

Conceitos Básicos de Gestão de Estoques Conceitos Básicos de Gestão de Estoques 45 Conceitos básicos de estoque Estoques: acúmulo de de recursos materiais em em um um sistema de de transformação Fase 1 estoque Fase 2 chuvas sazonais máquina

Leia mais

Almoxarifado SEF. Manual do Usuário Versão 1.3. União Sul Brasileira da IASD. Departamento de TI 01/01/2008

Almoxarifado SEF. Manual do Usuário Versão 1.3. União Sul Brasileira da IASD. Departamento de TI 01/01/2008 2008 Almoxarifado SEF Manual do Usuário Versão 1.3 União Sul Brasileira da IASD Departamento de TI 01/01/2008 SUMÁRIO SEF - Almoxarifado Introdução... 3 Cadastro da Entidade/Loja... 3 Menu Almoxarifado...

Leia mais

COMO JOGAR BURACO STBL NO JOGATINA

COMO JOGAR BURACO STBL NO JOGATINA COMO JOGAR BURACO STBL NO JOGATINA Link:http://www.jogatina.com/como-jogar-buraco-fechado-stbl.html Como começo a jogar? Para começar a jogar Buraco STBL clique em "JOGAR AGORA!" na página de seu perfil

Leia mais

CONTABILIDADE COM MÚLTIPLOS PLANOS DE CONTAS

CONTABILIDADE COM MÚLTIPLOS PLANOS DE CONTAS CONTABILIDADE COM MÚLTIPLOS PLANOS DE CONTAS As mudanças ocorridas com a publicação da lei 11.638/07 e alterações da lei 11.941/09 exigiram das empresas uma adequação em sua estrutura de balanços e demonstrações

Leia mais

MÓDULO 5 Movimentações

MÓDULO 5 Movimentações MÓDULO 5 Movimentações Bem-vindo(a) ao quinto módulo do curso. Agora que você já conhece as entradas no HÓRUS, aprenderá como são feitas as movimentações. As movimentações do HÓRUS são: Requisição ao Almoxarifado:

Leia mais

Adenda de Janeiro de 2013 Manual de Utilizador

Adenda de Janeiro de 2013 Manual de Utilizador Adenda de Janeiro de 2013 Manual de Utilizador Novas funcionalidades: - Fatura Simplificada (Certificação AT Janeiro de 2013) - Ficheiro SAFT (Certificação AT Janeiro de 2013) - Séries de Faturação (Certificação

Leia mais

Novos Prazos de Entrega VT Pass

Novos Prazos de Entrega VT Pass Novos Prazos de Entrega VT Pass Uma função que permite escolher duas formas de entrega do benefício. Entrega unificada: Com ela, todos os vales, na modalidade cartão, papel ou créditos, são enviados em

Leia mais

Manual de digitação de contas Portal AFPERGS

Manual de digitação de contas Portal AFPERGS Manual de digitação de contas Portal AFPERGS 1 Sumário Acesso à função digitação de contas... 3 O que é a Função digitação de contas (DC)... 4 Como proceder na função digitação de conta médica (DC)...

Leia mais

Treinamento de. Linx Pos

Treinamento de. Linx Pos Treinamento de caixa Linx Pos Será instalados no terminal da loja, o ícone, conforme imagem abaixo: Linx POS ÍNDICE Abertura de caixa e leitura X Lançamentos Cancelamento de itens Consulta preços no ato

Leia mais

Para cadastrar um Veículo Ativo, consulte Manual Cadastros Gerais.

Para cadastrar um Veículo Ativo, consulte Manual Cadastros Gerais. Para incluir um veículo é necessário ter todos os dados do veículo. Clique em incluir e cadastre todos os campos necessários. (Ou vá em Arquivos Veículos - Ativos) Para cadastrar um Modelo de veículo clique

Leia mais

Para o OpenOffice Impress, assim como para vários softwares de apresentação, uma apresentação é um conjunto de slides.

Para o OpenOffice Impress, assim como para vários softwares de apresentação, uma apresentação é um conjunto de slides. OPENOFFICE IMPRESS 1. O QUE É UMA APRESENTAÇÃO Para o OpenOffice Impress, assim como para vários softwares de apresentação, uma apresentação é um conjunto de slides. Em cada slide podemos ter vários elementos

Leia mais

INTRODUÇÃO ENTENDENDO O MODO CACHE

INTRODUÇÃO ENTENDENDO O MODO CACHE INTRODUÇÃO A Resolução nº 278/2011 PRES, modificada em parte pela Resolução nº 290/2012 PRES, regulamenta a utilização do correio eletrônico no âmbito da Justiça Federal da Terceira Região. Para atender

Leia mais

Viggia Manual de instruções

Viggia Manual de instruções Viggia Manual de instruções INDICE 1. INTRODUÇÃO...1 1.1. O QUE É O VIGGIA?...1 1.2. QUAIS AS APLICAÇÕES DO LEITOR VIGGIA?...2 2. KIT VIGGIA...3 3. CONFIGURAÇÃO DO LEITOR VIGGIA...4 3.1. TOP RONDA...4

Leia mais

A probabilidade representa o resultado obtido através do cálculo da intensidade de ocorrência de um determinado evento.

A probabilidade representa o resultado obtido através do cálculo da intensidade de ocorrência de um determinado evento. Probabilidade A probabilidade estuda o risco e a ocorrência de eventos futuros determinando se existe condição de acontecimento ou não. O olhar da probabilidade iniciou-se em jogos de azar (dados, moedas,

Leia mais

Tutorial de Utilização do AMBIENTE DE CREDENCIAMENTO DE SOLUÇÕES TECNOLÓGICAS. Área de Operações Indiretas - AOI

Tutorial de Utilização do AMBIENTE DE CREDENCIAMENTO DE SOLUÇÕES TECNOLÓGICAS. Área de Operações Indiretas - AOI Tutorial de Utilização do AMBIENTE DE CREDENCIAMENTO DE SOLUÇÕES TECNOLÓGICAS Área de Operações Indiretas - AOI SUMÁRIO 1 ENTRADA NO SISTEMA... 1 2 UTILIZAÇÃO DO AUTOSERVIÇO DE TROCA DE SENHAS... 7 3 MODALIDADES

Leia mais

Controle Financeiro. 7 dicas poderosas para um controle financeiro eficaz. Emerson Machado Salvalagio. www.guiadomicroempreendedor.com.

Controle Financeiro. 7 dicas poderosas para um controle financeiro eficaz. Emerson Machado Salvalagio. www.guiadomicroempreendedor.com. Controle Financeiro 7 dicas poderosas para um controle financeiro eficaz Emerson Machado Salvalagio Quando abrimos uma empresa e montamos nosso próprio negócio ou quando nos formalizamos, após algum tempo

Leia mais

Página como comprar REQUISITOS

Página como comprar REQUISITOS Página como comprar REQUISITOS Só poderão realizar compras de Ingressos Corporativos Super Saver pessoas Jurídicas, ou seja, empresas registradas no Brasil que possuam CNPJ válidos. 1ª ETAPA - CADASTRO

Leia mais

OPERAÇÃO LOGÍSTICA CL PILKINGTON

OPERAÇÃO LOGÍSTICA CL PILKINGTON 1. OBJETIVO Estabelecer procedimento padrão, para todos os colaboradores da Irapuru que estão envolvidos na operação logística da Pilkington (OE-Operação Marcopolo) e Pilkington AGR de recebimento, armazenagem

Leia mais

COMO INSTALAR ZIM 8.50 WINDOWS

COMO INSTALAR ZIM 8.50 WINDOWS ZIM TECHNOLOGIES DO BRASIL COMO INSTALAR ZIM 8.50 WINDOWS Próx Antes de Iniciar O objetivo deste documento é apresentar os passos necessários para instalar a versão mais recente do Zim 8.50 para Windows.

Leia mais

Exercício - Power Point 4.0

Exercício - Power Point 4.0 Exercício - Power Point 4.0 1 Cenário:Você é um Gerente de Contas da Empresa Ferguson and Bardell e irá criar uma apresentação de investimento. Este é o primeiro exercício de uma série de 5, os exercício

Leia mais

Guia do Revendedor Windows

Guia do Revendedor Windows Guia do Revendedor Windows Índice Alterando sua senha 3 Configurando seu Painel de Controle 3 Passo - Configurações Gerais 4 Passo Página de Parkeado Personalizada 5 Passo Global DNS Settings Configurando

Leia mais