BIBLIOTECAS ESCOLARES AUTO-AVALIAÇÃO BIBLIOTECA ESCOLAR DE MARRAZES 2009/2010

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "BIBLIOTECAS ESCOLARES AUTO-AVALIAÇÃO BIBLIOTECA ESCOLAR DE MARRAZES 2009/2010"

Transcrição

1 BIBLIOTECAS ESCOLARES AUTO-AVALIAÇÃO BIBLIOTECA ESCOLAR DE MARRAZES 2009/2010

2 ONTEM... tendo magníficas colecções de informação, um ambiente físico inspirador ou uma rede avançada de tecnologia de informação. Todd, Ross Transitions for preferred futures of school libraries.

3 HOJE A ideia de uma biblioteca como um espaço de conhecimento, não só de informação. Para além disso ( ) precisamos de nos concentrar em três coisas: conexões, não colecções Acções, não atitudes, Provas, não juízos. Todd, Ross Transitions for preferred futures of school libraries.

4 A biblioteca escolar proporciona informação e ideias fundamentais para sermos bem sucedidos na sociedade actual, baseada na informação e no conhecimento. A biblioteca escolar desenvolve nos estudantes competências para a aprendizagem ao longo da vida e desenvolve a imaginação, permitindo-lhes tornarem-se cidadãos responsáveis. Directrizes da IFLA/UNESCO para Bibliotecas Escolares, 2002, versão em português (Portugal), 2006, trai. Maria José Vitorino

5 APRENDIZAGENS SUCESSO EDUCATIVO PROMOÇÃO DAS APRENDIZAGENS AO LONGO DA VIDA RBE Modelo de Auto-Avaliação da Biblioteca Escolar

6 os níveis de colaboração entre o/a professor/a coordenador/a da biblioteca escolar e os restantes professores na identificação de recursos e no desenvolvimento de actividades conjuntas orientadas para o sucesso do aluno; a acessibilidade e a qualidade dos serviços prestados; a adequação da colecção e dos recursos tecnológicos. RBE Modelo de Auto-Avaliação da Biblioteca Escolar

7 Prestar informações; Equipar os alunos com habilidades de aprendizagem ao longo da vida e desenvolve a imaginação; Bibliotecários de escola e professores trabalham em conjunto. Todd, Ross School Librarian as Teachers: Learning Outcomes and Evidence-Based Practice

8 o processo sistemático de determinar o valor ( em termos de benefício obtido) e qualidade ( como reflexo da satisfação dos clientes) de um sistema(mckee 1989: 156). KEBEDE (1999) Performance Evaluation in Library and Information Systems of Developing Countries: A Study of the Literature

9 Aferir a eficácia dos serviços prestados; Identificar sucessos e insucessos que condicionam a qualidade e eficiência do serviço; Aferir o impacto da BE nas atitudes, comportamentos e competências dos utilizadores; Aferir do progresso das aprendizagens dos alunos; Aferir do impacto da BE nas competências tecnológicas e de informação dos alunos.

10 Adequação do modelo à realidade da escola Divulgação do processo à Comunidade Calendarização do processo Escolha da amostra Definição dos instrumentos de recolha a utilizar para cada indicador temático Recolha de evidências

11 Determinação dos perfis de desempenho Análise dos dados recolhidos Elaboração do relatório de auto-avaliação Análise do relatório em Conselho Pedagógico Divulgação dos resultados Delineação de um plano de melhoria

12 Organização por 4 domínios que sintetizam a área de acção da BE: A. Apoio ao Desenvolvimento Curricular A.1. Articulação curricular da BE com as estruturas pedagógicas e os docentes A.2. Desenvolvimento da literacia da informação B. Leitura e Literacias C. Projectos, Parcerias e Actividades Livres e de Abertura à Comunidade C.1. Apoio a actividades livres, extracurriculares e de enriquecimento curricular C.2. Projectos e Parcerias D. Gestão da Biblioteca Escolar D.1. Articulação da BE com a Escola/Agrupamento. Acesso e serviços prestados pela BE D.2. Condições humanas e materiais para a prestação dos serviços D.3. Gestão da colecção

13 Cada domínio inclui: Indicadores apontam as zonas nucleares de intervenção em cada domínio; permitem a aplicação de elementos de medição. Factores críticos de sucesso exemplos de situações, ocorrências, acções que operacionalizam o indicador; guia orientador para a recolha de evidências. Recolha de evidências exemplos de elementos, fontes e instrumentos de recolha de dados. Acções de melhoria sugestões de acções com vista à melhoria

14 DOMÍNIO B. Leitura e Literacias

15

16

17

18

19

20 Professor Bibliotecário e equipa Preparar todo o tipo de instrumentos de recolha de evidências, adaptando-os ao contexto da BE e da escola; Dar a conhecer o modelo de auto-avaliação; Aplicar o modelo; Dar a conhecer os resultados obtidos; Elaborar um plano da acção para melhoria;

21 Direcção Acompanhar e coadjuvar o processo de autoavaliação; Acompanhar o plano de melhoria. Conselho Pedagógico Apoiar e fomentar a implementação do processo de auto-avaliação; Analisar o relatório final e dar parecer sobre o plano de melhoria; Acompanhar o plano de melhoria.

22 Professores Colaborar no preenchimento dos questionários e outros instrumentos de recolha; Colaborar com a BE na aplicação dos instrumentos de recolha de dados aos alunos; Participar nas actividades colaborativas com a BE; Motivar os alunos e os EE para a participação nessas actividades Alunos Colaborar no preenchimento dos questionários e outros instrumentos de recolha de dados;

23 Pais e EE Colaborar no preenchimento dos questionários e outros instrumentos de recolha de dados

24 18 a 30 de Novembro 1 a 9 de Dezembro 9 a 23 de Dezembro NOVEMBRO Reunião da equipa: análise do documento da RBE. Reunião da equipa: análise da situação da BE, da inserção no Projecto TEIP e Participação no Projecto aler+ e selecção do domínio a analisar Domínio B : Leitura e Literacia Apreciação dos questionários a aplicar aos alunos e aos professores, para apresentar ao perito externo do Projecto TEIP. DEZEMBRO Reuniões da equipa: início da elaboração do cronograma. Reunião do Projecto TEIP: apreciação dos questionários Reestruturação dos questionários para alunos, professores e encarregados de educação para o 1º ciclo e 2º e 3º. Preparação da reunião com a Direcção da Escola. Preparação do C.P. para apresentação do Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares.

25 4 a 13 de Janeiro 14 a 30 de Janeiro 1 a 12 de Fevereiro 18 a 26 de Fevereiro JANEIRO Definição dos outros instrumentos a utilizar e distribuição das tarefas. Reunião com os elementos da Direcção da Escola para debate sobre o modelo, o domínio a analisar e a metodologia a seguir. Apresentação ao Conselho Pedagógico de um PowerPoint sobre o Modelo de Auto-Avaliação. Aplicação do questionário aos alunos, professores e encarregados de educação. Selecção e definição das amostras relativas às grelhas de avaliação. FEVEREIRO Recolha dos dados referentes à aplicação dos questionários. Organização da recolha de outros instrumentos: registos de requisição domiciliária; requisição para aulas e requisição para os professores; registos de circulação e uso no agrupamento; registo de utilização informal da BE; registos de utilização da BE para actividades de leitura programada/articulada com outros docentes; registo de actividades /projectos; Listagem de materiais produzidos para apoio à leitura; trabalhos realizados pelos alunos; Tratamento dos dados da 1ª fase da aplicação dos questionários

26 1 a 5 de Março Aplicação das grelhas MARÇO 8 a 26 de Março Tratamento estatístico da 1ªfase da aplicação dos questionários Apresentação à Associação de Pais e Encarregados de Educaçãodo Modelo de Auto-Avaliação e do domínio a avaliar. * 12 a 30 de Abril * Esta actividade realizar-se-á assim que a Associação de Pais e Encarregados de Educação estiver constituída. ABRIL Levantamento de outros dados 3 a 14 de Maio 17 a 28 de Maio MAIO Aplicação do questionário aos alunos e aos professores (2ª fase) Recolha dos dados referentes à aplicação dos questionários (2ª fase) Tratamento dos dados da 2ª fase da aplicação dos questionários

27 1 a 11 de Junho JUNHO Tratamento estatístico da 2ªfase da aplicação dos questionários. Comparação dos resultados Outras estatísticas: registos de requisição domiciliária; registos de circulação e uso no agrupamento; registo de utilização informal da BE; registos de utilização da BE para actividades de leitura programada/articulada com outros docentes; registo de actividades /projectos; Listagem de materiais produzidos para apoio à leitura; trabalhos realizados pelos alunos 14 a 30 de Junho 1 a 10 de Julho Elaboração do relatório JULHO Apresentação ao CP Apresentação à Associação de Pais Preenchimento do perfil Envio dos dados para o Gabinete da Rede de Bibliotecas Escolares Divulgação dos resultados

28 Um plano evolutivo não implica nunca chegar a um objectivo. Na verdade, devemos ser capazes de olhar para trás, em qualquer período e determinar se os objectivos iniciais, etapas e metas foram alcançadas. Mike Eisenberg This Man Wants to Change Your Job

29 Eisenberg, Michael & Miller, Danielle (2002) This Man Wants to Change Your Job, School Library Journal. 9/1/2002 Todd, Ross (2002) School librarian as teachers: learning outcomes and evidence-based practice. 68th IFLA Council and General Conference August. Todd, Ross (2008) The Evidence-Based Manifesto for School Librarians. School Library Journal. 4/1/2008. Gabinete da Rede de Bibliotecas Escolares. Modelo de Auto-Avaliação

MODELO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA BIBLIOTECA ESCOLAR - INSTRUMENTO PEDAGÓGICO DE MELHORIA CONTÍNUA

MODELO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA BIBLIOTECA ESCOLAR - INSTRUMENTO PEDAGÓGICO DE MELHORIA CONTÍNUA MODELO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA BIBLIOTECA ESCOLAR - INSTRUMENTO PEDAGÓGICO DE MELHORIA CONTÍNUA Luísa Correia. Modelos e práticas de Auto-avaliação de Bibliotecas Escolares RBE Outubro/Dezembro 2010 Pressupostos

Leia mais

AVALIAÇÃO DAS BE e a MUDANÇA A ORGANIZACIONAL: Papel do CREM/BE no desenvolvimento curricular.

AVALIAÇÃO DAS BE e a MUDANÇA A ORGANIZACIONAL: Papel do CREM/BE no desenvolvimento curricular. O MODELO DE AUTO-AVALIA AVALIAÇÃO DAS BE e a MUDANÇA A ORGANIZACIONAL: Papel do CREM/BE no desenvolvimento curricular. ESRDL/CREM CREM/Carlos Carlos Carvalho 1 Interacção Sociedade-Escola Escola-NTI Vivemos

Leia mais

Modelo de autoavaliação (RBE)

Modelo de autoavaliação (RBE) Modelo de autoavaliação (RBE) B I B L I O T E C A S D O A G R U P A M E N T O D E E S C O L A S D E E U G É N I O D E C A S T R O E S C O L A B Á S I C A D E E U G É N I O D E C A S T R O Índice 2 1. Pertinência

Leia mais

Biblioteca de Escola Secundária/3ºC de Vendas Novas. Plano de acção Nota introdutória

Biblioteca de Escola Secundária/3ºC de Vendas Novas. Plano de acção Nota introdutória Biblioteca de Escola Secundária/3ºC de Vendas Novas Plano de acção 2009-2013 Nota introdutória O plano de acção é um documento orientador onde se conceptualizam e descrevem as metas a atingir num período

Leia mais

Avaliação da biblioteca escolar

Avaliação da biblioteca escolar Avaliação da biblioteca escolar 2009-2013 2010 B. Leitura e literacia Avaliação 4 2011 D. Gestão da biblioteca escolar Avaliação D.1 Articulação da BE com a escola/agrupamento. Acesso e serviços prestados

Leia mais

1º Encontro de Bibliotecas Escolares e Bibliotecas Municipais

1º Encontro de Bibliotecas Escolares e Bibliotecas Municipais 1º Encontro de Bibliotecas Escolares e Bibliotecas Bibliotecas Escolares e Bibliotecas : sinergias para o século XXI - Vila Real Montalegre SABE + Maria Gorete Barroso Afonso Maria João Gonçalves Guerra

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO DA BIBLIOTECA ESCOLAR

PLANO DE ACÇÃO DA BIBLIOTECA ESCOLAR AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ÁGUEDA PLANO DE ACÇÃO DA BIBLIOTECA ESCOLAR / a / Dezembro de Profª Bibliotecária: Maria Clara Nogueira de Almeida DEFINIÇÃO Documento que apresenta as linhas orientadoras para

Leia mais

PLANO ANUAL DE ACTIVIDADES

PLANO ANUAL DE ACTIVIDADES PLANO ANUAL DE ACTIVIDADES Departamento: BIBLIOTECA ESCOLAR Eio de Intervenção: (Nº) 1;2 Plano Melhoria: Ação/Atividade Objetivos Coordenador/ Colaboradores Público-alvo Calendarização Actividade CNL Actividade

Leia mais

Plano de melhoria (2015/16)

Plano de melhoria (2015/16) Plano de melhoria (2015/16) Introdução Agrupamento Vertical de Portel Escola EB 2,3 de D. João de Portel Quatro domínios de ação da Biblioteca Escolar: A. Currículo, literacias e aprendizagem B. Leitura

Leia mais

Avaliação da biblioteca escolar

Avaliação da biblioteca escolar Avaliação da biblioteca escolar 29-213 21 B. Leitura e literacia Avaliação 3 211 D. Gestão da biblioteca escolar Avaliação D.1 Articulação da BE com a escola/agrupamento. Acesso e serviços prestados pela

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Eugénio de Castro Bibliotecas Escolares

Agrupamento de Escolas de Eugénio de Castro Bibliotecas Escolares grupamento de Escolas de Eugénio de Castro ibliotecas Escolares Professoras bibliotecárias: Paula Fidalgo e Maria João Olaio Plano de acção 2009- Página 0 grupamento de Escolas de Eugénio de Castro ibliotecas

Leia mais

Plano de Formação da Biblioteca Escolar

Plano de Formação da Biblioteca Escolar Agrupamento de Escolas de Santo António Plano de Formação da Biblioteca Escolar Literacias da Informação e Tecnológica Contextualização Perante as necessidades de um contexto informativo mais complexo,

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. FR ANCISCO FERNANDES LOPES BIBLIOTECA ESCOLAR PLANO DE ACÇÃO

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. FR ANCISCO FERNANDES LOPES BIBLIOTECA ESCOLAR PLANO DE ACÇÃO ESCOLA SECUNDÁRIA DR. FR ANCISCO FERNANDES LOPES BIBLIOTECA ESCOLAR PLANO DE ACÇÃO 2009-2013 Introdução O Plano de Acção da Biblioteca Escolar para o quadriénio 2009/2013 encontra-se dividido em quatro

Leia mais

Plano de Melhoria 2016/2019

Plano de Melhoria 2016/2019 Plano de Melhoria 20162019 Outubro 2016 20162017 Índice INTRODUÇÃO... 2 OBJETIVO... 4 ÁREAS DE MELHORIA... 4 IMPLEMENTAÇÃO E MONITORIZAÇÃO... 5 PLANO DE MELHORIA... 6 CONCLUSÃO... 18 ANEXOS... 19 1 INTRODUÇÃO

Leia mais

Avaliação do desempenho do docente -2011/2012

Avaliação do desempenho do docente -2011/2012 Avaliação do desempenho do docente -2011/2012 (Decreto-regulamentar n.º 26/2012, de 21 de Fevereiro) A avaliação do desempenho do pessoal docente visa a melhoria da qualidade do serviço educativo e das

Leia mais

Apresentação de Resultados CAF

Apresentação de Resultados CAF Apresentação de Resultados CAF Sumário Introdução Ponto de situação do projeto Fases do Projeto Resultados CAF Modelo CAF Resultados da(s) Grelha(s) de Autoavaliação Resultados dos questionários Plano

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. JOAQUIM DE CARVALHO, FIGUEIRA DA FOZ PLANO DE AÇÃO B I B L I O T E C A E S C O L A R

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. JOAQUIM DE CARVALHO, FIGUEIRA DA FOZ PLANO DE AÇÃO B I B L I O T E C A E S C O L A R ESCOLA SECUNDÁRIA DR. JOAQUIM DE CARVALHO, FIGUEIRA DA FOZ PLANO DE AÇÃO 2014-2017 B I B L I O T E C A E S C O L A R Nota Introdutória A Biblioteca Escolar existe para servir toda a comunidade escolar.

Leia mais

Agrupamento de Escolas Moinhos da Arroja

Agrupamento de Escolas Moinhos da Arroja Agrupamento de Escolas Moinhos da Arroja 1 Professoras Bibliotecárias: Paula Oliveira Coordenadora E.B.2/3 Moinhos da Arroja Vera Monteiro E.B.1/ J.I. Nº7 de Odivelas E.B.1/ J.I. Porto Pinheiro 2 I A BIBLIOTECA

Leia mais

A autoavaliação é o processo em que a escola é capaz de olhar criticamente para si mesma com a finalidade de melhorar o seu desempenho.

A autoavaliação é o processo em que a escola é capaz de olhar criticamente para si mesma com a finalidade de melhorar o seu desempenho. A autoavaliação é o processo em que a escola é capaz de olhar criticamente para si mesma com a finalidade de melhorar o seu desempenho. Finalidades Identificar pontos fortes e fracos e oportunidades de

Leia mais

PLANO DE ATIVIDADES

PLANO DE ATIVIDADES Domínio A Currículo, literacias e aprendizagem Desenvolver atividades curriculares com os docentes de História e Português trabalhando de forma transversal as literacias da informação e dos média constantes

Leia mais

BIBLIOTECAS ESCOLARES

BIBLIOTECAS ESCOLARES PLANO DE AÇÃO BIBLIOTECAS ESCOLARES Agrupamento de Escolas da Moita 1 As Bibliotecas Escolares assumem, para além das funções informativa, educativa, cultural e recreativa, o papel de adjuvante do aluno,

Leia mais

Diretrizes para as bibliotecas escolares (IFLA/UNESCO)

Diretrizes para as bibliotecas escolares (IFLA/UNESCO) Diretrizes para as bibliotecas escolares (IFLA/UNESCO) 1.1 Missão Capítulo 1. Missão e Política A biblioteca escolar no ensino-aprendizagem para todos. A biblioteca escolar proporciona informação e ideias

Leia mais

Plano de Acção do Departamento do 1.º Ciclo 2010 / 2011

Plano de Acção do Departamento do 1.º Ciclo 2010 / 2011 Plano Agrupamento Plano de Acção do Departamento do 1.º Ciclo 2010 / 2011 Prioridades Objectivos Estratégias ACÇÕES METAS AVALIAÇÃO P.1. Obj. 1 E.1 Ao 3.º dia de ausência do aluno, efectuar contacto telefónico,

Leia mais

AEDLV - Agrupamento de Escolas e Jardins de Infância D. Lourenço Vicente. Plano de Melhoria do Agrupamento

AEDLV - Agrupamento de Escolas e Jardins de Infância D. Lourenço Vicente. Plano de Melhoria do Agrupamento Plano de Melhoria do Agrupamento dezembro 2013 1. Introdução O Plano de Melhoria que neste momento se apresenta, constitui um instrumento de suporte à programação e à implementação das ações de melhoria

Leia mais

PLANO DE ATIVIDADES 2011/2012

PLANO DE ATIVIDADES 2011/2012 1º Período BibliotecaEscolar Agrupamento de Escolasde Águeda PLANO DE ATIVIDADES 2011/2012 Ações/Atividades Responsáveis/ dinamizadores Público alvo Avaliação/ Evidências Domínios/ subdomínios setembro/

Leia mais

MODELO DE AVALIAÇÃO DA BIBLIOTECA ESCOLAR (MABE)

MODELO DE AVALIAÇÃO DA BIBLIOTECA ESCOLAR (MABE) Agrupamento de Escolas Agualva Mira Sintra EB D. Domingos Jardo MODELO DE AVALIAÇÃO DA BIBLIOTECA ESCOLAR (MABE) Ano letivo 2012/2013 Profª bibliotecária Lígia Freitas Domínio Avaliado: C. Projetos, parcerias

Leia mais

Deste modo o domínio privilegiado este ano é o Domínio A- Apoio ao desenvolvimento curricular

Deste modo o domínio privilegiado este ano é o Domínio A- Apoio ao desenvolvimento curricular 1º Período BibliotecaEscolar Agrupamento de Escolasde Águeda PLANO DE ACTIVIDADES 2010/2011 As actividades dinamizadas pela BE em articulação com os diferentes departamentos curriculares têm em vista a

Leia mais

PAA BE-EB 2,3 Aradas Ano Letivo 2016 / 2017

PAA BE-EB 2,3 Aradas Ano Letivo 2016 / 2017 PAA BE-EB 2,3 Aradas Ano Letivo 2016 / 2017 - Ao longo do ano - Manutenção do blogue da BE - Divulgar as actividades no blogue - Promover a integração da BE na Escola -Difusão da informação educativa -

Leia mais

Plano de Melhoria

Plano de Melhoria Plano de Melhoria 1 Enquadramento O presente Plano de Melhoria resulta, simultaneamente, das orientações emanadas da Inspeção-Geral da Educação e Ciência, que assentam nas sugestões do Conselho Nacional

Leia mais

(Extracto do Regulamento Interno do Agrupamento de Escolas da Venda do Pinheiro)

(Extracto do Regulamento Interno do Agrupamento de Escolas da Venda do Pinheiro) (Extracto do Regulamento Interno do Agrupamento de Escolas da Venda do Pinheiro) (...) SECÇÃO IV RECURSOS EDUCATIVOS Artigo 102.º Centros de Recursos Educativos 1. O Agrupamento de Escolas Venda do Pinheiro

Leia mais

Agrupamento Vertical de Escolas de Leça da Palmeira/ Santa Cruz do Bispo AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS 2012 PLANO DE MELHORIA

Agrupamento Vertical de Escolas de Leça da Palmeira/ Santa Cruz do Bispo AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS 2012 PLANO DE MELHORIA Agrupamento Vertical de Escolas de Leça da Palmeira/ Santa Cruz do Bispo AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS 2012 PLANO DE MELHORIA Leça da Palmeira, Julho 2012 0 INDICE Introdução. Relatório da avaliação externa..

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA ESCOLAR

REGULAMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA ESCOLAR 1. A BIBLIOTECA ESCOLAR REGULAMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA ESCOLAR 1.1. DEFINIÇÃO DA BIBLIOTECA ESCOLAR A Biblioteca Escolar (BE) constitui um espaço que proporciona a democratização do acesso a uma variada

Leia mais

CONSERVATÓRIO DE MÚSICA CALOUSTE GULBENKIAN DE BRAGA

CONSERVATÓRIO DE MÚSICA CALOUSTE GULBENKIAN DE BRAGA CONSERVATÓRIO DE MÚSICA CALOUSTE GULBENKIAN DE BRAGA PLANO DE MELHORIA 2014 / 2016 ÍNDICE Introdução 3 Resultados da Avaliação Externa 4 Ações a contemplar no Plano de Melhoria 5 Conclusão 7 2 Introdução

Leia mais

Avaliação Externa das Escolas PLANO DE MELHORIA

Avaliação Externa das Escolas PLANO DE MELHORIA Avaliação Externa das Escolas 2012-2013 PLANO DE MELHORIA A elaboração deste plano de melhoria assenta no pressuposto de que o Agrupamento Vertical de Escolas de Azeitão é capaz de repensar estratégias

Leia mais

Plano de Actividades Ano lectivo 2008/2009 Tema: A aventura dos livros

Plano de Actividades Ano lectivo 2008/2009 Tema: A aventura dos livros Plano de Actividades Ano 2008/2009 Tema: A aventura dos livros 1 ACTIVIDADES DE ORGANIZAÇÃO Actividades Objectivos Intervenientes Calendarização Proceder à gestão de colecções. Organização e gestão do

Leia mais

(Portaria nº266/2012, de 30 de agosto)

(Portaria nº266/2012, de 30 de agosto) (Portaria nº266/2012, de 30 de agosto) dezembro, 2013 CARTA DE MISSÃO (Portaria n.º 266/2012, de 30 de agosto) Nome do Diretor Carlos Alberto Martins Carvalho Escalão 9º Unidade Orgânica : Agrupamento

Leia mais

Avaliação de Desempenho Docente

Avaliação de Desempenho Docente Dicas para a elaboração de um Portefólio Avaliação de Desempenho Docente O PORTEFÓLIO deve conter um registo das reflexões e das práticas e deve estar devidamente documentado. 13-04-2008 1 Deve conter:

Leia mais

Auto-Regulação e Melhoria das Escolas. Auto-avaliação - uma PRIORIDADE. Auto-avaliação do Agrupamento de Escolas de Gil Vicente

Auto-Regulação e Melhoria das Escolas. Auto-avaliação - uma PRIORIDADE. Auto-avaliação do Agrupamento de Escolas de Gil Vicente Agrupamento de Escolas de Auto-Regulação e Melhoria das Escolas Auto-avaliação - uma PRIORIDADE Equipa de Avaliação Interna 2009/2010 1 Agrupamento de Escolas de Enquadramento legal Justificação Novo Paradigma

Leia mais

APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS

APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS Melhorar as organizações públicas através da autoavaliação 06 de junho de 2012 Powerpoint Templates APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS DE AUTOAVALIAÇÃO 2011/2012 Powerpoint Templates

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA C/3º CICLO ALEXANDRE HERCULANO Biblioteca Escolar/Centro de Recursos Educativos

ESCOLA SECUNDÁRIA C/3º CICLO ALEXANDRE HERCULANO Biblioteca Escolar/Centro de Recursos Educativos Biblioteca /Centro de Recursos Educativos OBJECTIVOS ACTIVIDADES DATA LOCAL DINAMIZADORES DESTINATÁRIOS AVALIAÇÃO Divulgar as instalações, os documentos existentes e as modalidades de utilização dos mesmos

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VILA NOVA DE CERVEIRA. Plano de Melhoria

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VILA NOVA DE CERVEIRA. Plano de Melhoria AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VILA NOVA DE CERVEIRA Plano de Melhoria Avaliação Externa de Escolas 2012-2013 Índice I. Resumo... 2 Objetivo Introdução Ponto de partida II. Áreas de intervenção... 4 A1 - O

Leia mais

1.3.Formação da Equipa de Qualidade Constituição definitiva. 1.4.Sensibilização para a Qualidade

1.3.Formação da Equipa de Qualidade Constituição definitiva. 1.4.Sensibilização para a Qualidade Implementação do Sistema de Gestão de Qualidade da Segurança Social Nível C 1.1.Reflexão sobre o que significa um processo de Qualidade Pertinência / Oportunidade para o CST IPSS Reunião Técnica 5 de Fevereiro

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS

EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS INSPEÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA PROGRAMA ACOMPANHAMENTO EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS RELATÓRIO Agrupamento de Escolas de Fajões 2014-2015 RELATÓRIO DE ESCOLA Agrupamento de Escolas de Fajões

Leia mais

Colaboração Instituto Nacional de Estatística. Rede de Bibliotecas Escolares

Colaboração Instituto Nacional de Estatística. Rede de Bibliotecas Escolares Colaboração Instituto Nacional de Estatística Rede de Bibliotecas Escolares António Nogueira * No ano em que decorre o 75º Aniversário da criação do Instituto Nacional de Estatística e o 14º ano de existência

Leia mais

SESSÃO DE SENSIBILIZAÇÃO CAF

SESSÃO DE SENSIBILIZAÇÃO CAF SESSÃO DE SENSIBILIZAÇÃO CAF Melhorar as organizações públicas através da autoavaliação 30 de abril de 2012 Powerpoint Templates APRESENTAÇÃO Powerpoint Templates EQUIPA DE AUTOAVALIAÇÃO Nomes Setor da

Leia mais

Bibliotecas do Agrupamento de Escolas Lima de Freitas. Balanço Atividades 1ºperíodo 2014/2015

Bibliotecas do Agrupamento de Escolas Lima de Freitas. Balanço Atividades 1ºperíodo 2014/2015 Bibliotecas do Agrupamento de Escolas Lima de Freitas Balanço Atividades 1ºperíodo 2014/2015 Recursos Humanos Professoras bibliotecárias Fátima Pinto Fátima Afonso Equipa da biblioteca Clarinda Chambel

Leia mais

1. Crie uma rede de relações. Encontre um bom mentor

1. Crie uma rede de relações. Encontre um bom mentor As bibliotecas escolares estão sujeitas a processos de transformação permanente que advêm de mudanças globais, como a evolução tecnológica que veio revolucionar modelos de acesso, gestão e produção da

Leia mais

GRUPO DE TRABALHO DA AVALIAÇÃO INTERNA. Relatório Final. Ano Lectivo 2010/ Plano de trabalhos/ acções previsto

GRUPO DE TRABALHO DA AVALIAÇÃO INTERNA. Relatório Final. Ano Lectivo 2010/ Plano de trabalhos/ acções previsto GRUPO DE TRABALHO DA AVALIAÇÃO INTERNA Relatório Final Ano Lectivo 2010/2011 1. Plano de trabalhos/ acções previsto Escola Secundária Dr. José Afonso RF: 2010-11 Calendarização dos principais processos

Leia mais

Apresentação dos resultados da autoavaliação e das ações de melhoria. Melhorar as organizações públicas através da autoavaliação

Apresentação dos resultados da autoavaliação e das ações de melhoria. Melhorar as organizações públicas através da autoavaliação Apresentação dos resultados da autoavaliação e das ações de melhoria Melhorar as organizações públicas através da autoavaliação Enquadramento Equipa de autoavaliação Representantes do PD José Bentes Guerreiro

Leia mais

AUTOAVALIAÇÃO DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. FRANCISCO SANCHES (AvAEFS) ANO LETIVO 2015/2016

AUTOAVALIAÇÃO DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. FRANCISCO SANCHES (AvAEFS) ANO LETIVO 2015/2016 AUTOAVALIAÇÃO DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. FRANCISCO SANCHES (AvAEFS) ANO LETIVO 2015/2016 I - Enquadramento legal Definição do âmbito da Autoavaliação do AEFS Decreto-Lei n.º 137/2012 de 2 de julho (alteração

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AMARELEJA SEDE: ESCOLA BÁSICA DE AMARELEJA OBSERVATÓRIO DA QUALIDADE

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AMARELEJA SEDE: ESCOLA BÁSICA DE AMARELEJA OBSERVATÓRIO DA QUALIDADE AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AMARELEJA SEDE: ESCOLA BÁSICA DE AMARELEJA OBSERVATÓRIO DA QUALIDADE Observatório da Qualidade Plano de Ação 2011/2012 ÍNDICE Introdução... 2 Equipa e Horário Semanal... 2 Metodologia

Leia mais

PLANO DE MELHORIA. Biénio e AVALIAÇÃO EXTERNA DO AGRUPAMENTO

PLANO DE MELHORIA. Biénio e AVALIAÇÃO EXTERNA DO AGRUPAMENTO PLANO DE MELHORIA Biénio 2016-2017 e 2017-2018 AVALIAÇÃO EXTERNA DO AGRUPAMENTO Índice Introdução... 2 Orientações para a ação... 3 Plano de Ação 1... 4 Plano de Ação 2... 5 Plano de Ação 3... 6 Plano

Leia mais

Projecto de Apoio à Literacia. Introdução. Pesquisa e tratamento de informação

Projecto de Apoio à Literacia. Introdução. Pesquisa e tratamento de informação Projecto de Apoio à Literacia Pesquisa e tratamento de informação Se não sabemos para onde vamos, arriscamo-nos a nunca mais lá chegar. Provérbio Tuaregue Introdução A sociedade do século XXI exige que,

Leia mais

Plano de Melhoria. Agrupamento de Escolas Joaquim Inácio da Cruz Sobral

Plano de Melhoria. Agrupamento de Escolas Joaquim Inácio da Cruz Sobral Agrupamento de Escolas Joaquim Inácio da Cruz Sobral julho 2015 Introdução O presente Plano de Melhoria insere-se no âmbito do Relatório elaborado pela Equipa de Avaliação Externa da IGEC, em resultado

Leia mais

PLANO DE AÇÃO DE MELHORIA

PLANO DE AÇÃO DE MELHORIA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SÃO GONÇALO PLANO DE AÇÃO DE MELHORIA BIÉNIO 2015-2017 SETEMBRO DE 2015 Índice 1. INTRODUÇÃO... 3 2. CRONOGRAMA DO PLANO... 4 3. AÇÕES DE MELHORIA... 5 3.1. COMUNICAÇÃO INSTITUCIONAL...

Leia mais

Plano de Actividades. Biblioteca da Escola EB 2,3 de Valongo do Vouga Ano Lectivo 2009/2011

Plano de Actividades. Biblioteca da Escola EB 2,3 de Valongo do Vouga Ano Lectivo 2009/2011 Pl de Actividades Biblioteca da Escola EB 2,3 de Valongo do Vouga 2010-2011 Ano Lectivo 2009/2011 Pl de Actividades da Biblioteca Escolar de V.V. 2010-2011 Prioridades: Promover actividades que incentivem

Leia mais

PLANO DE AÇÃO DO AGRUPAMENTO /2016

PLANO DE AÇÃO DO AGRUPAMENTO /2016 PLANO DE AÇÃO DO AGRUPAMENTO - 2015/2016 Ações a realizar: Aplicação do Modelo CAF Educação (ciclo diagnóstico organizacional) a partir de janeiro; Aplicação do Modelo Framework de Desenvolvimento Pedagógico

Leia mais

2016/2017 [PLANO ANUAL DE ATIVIDADES - BIBLIOTECA ESCOLAR]

2016/2017 [PLANO ANUAL DE ATIVIDADES - BIBLIOTECA ESCOLAR] Projeto / Atividade Objetivos Intervenientes Recursos/ materiais BE - Vamos Partilh@r (Divulgação/marketing BE através da página, das redes sociais, rádio escolar, jornal escolar) Concurso Nacional de

Leia mais

Planificação de Actividades do Serviço de Psicologia e Orientação Ano Lectivo 2011/2012

Planificação de Actividades do Serviço de Psicologia e Orientação Ano Lectivo 2011/2012 Planificação de Actividades do Serviço de Psicologia e Orientação Ano Lectivo 2011/2012 Psicóloga Ana Rita Antunes (Pré-escolar e 1º Ciclo) C.P. nº 5148 Psicóloga Filipa Braamcamp Sobral (2º e 3º Ciclos

Leia mais

APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS DA AUTOAVALIAÇÃO E DAS AÇÕES DE MELHORIA

APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS DA AUTOAVALIAÇÃO E DAS AÇÕES DE MELHORIA APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS DA AUTOAVALIAÇÃO E DAS AÇÕES DE MELHORIA Melhorar as organizações públicas através da autoavaliação 5 e 13 de fevereiro de 2013 Powerpoint Templates APRESENTAÇÃO Powerpoint

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Mafra

Agrupamento de Escolas de Mafra CARTA DE MISSÃO (Portaria n.º 266/2012, de 30 de agosto) Nome da Diretora Maria de Jesus Azevedo dos Santos Roxo Geraldes Pires Escalão 6º Escola : Agrupamento de Escolas de Mafra Grupo de Recrutamento

Leia mais

II Encontro Bibliotecas de Bragança. Ler o Mundo: passaporte para o futuro. Agrupamento de Escolas André Soares. Ler. Projeto de leitura

II Encontro Bibliotecas de Bragança. Ler o Mundo: passaporte para o futuro. Agrupamento de Escolas André Soares. Ler. Projeto de leitura o Mundo: passaporte para o futuro Agrupamento de Escolas André Soares Génese do projeto II Encontro Bibliotecas de Bragança Pontos fracos Decréscimo de participação dos alunos do 3º ciclo nas atividades

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Rio Tinto AVERT PLANO DE MELHORIA DO AGRUPAMENTO

Agrupamento de Escolas de Rio Tinto AVERT PLANO DE MELHORIA DO AGRUPAMENTO Agrupamento de Escolas de Rio Tinto AVERT PLANO DE MELHORIA DO AGRUPAMENTO 1 Introdução Um Plano de Melhoria é um instrumento fundamental para potenciar o desempenho académico dos alunos e a qualidade

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Águeda PLANO DE ATIVIDADES Biblioteca Escolar 2013/2014 PLANO DE ATIVIDADES 2013/2014

Agrupamento de Escolas de Águeda PLANO DE ATIVIDADES Biblioteca Escolar 2013/2014 PLANO DE ATIVIDADES 2013/2014 PLANO DE ATIVIDADES 2013/2014 1 DOMÍNIO A Apoio ao desenvolvimento curricular SUBDOMÍNIO: A.1. Curricular da BE com as Estruturas de Coordenação Educativa e Supervisão Pedagógica e os Docentes Escola/comunid.

Leia mais

Identificação das necessidades dos utilizadores 2007

Identificação das necessidades dos utilizadores 2007 Nota prévia: Este documento corresponde a um trabalho de grupo apresentado na Unidade Curricular Desenvolvimento e Gestão de Colecções do Curso de Mestrado em Gestão da Informação e Biblioteca Escolares.

Leia mais

Plano de Melhoria para 2015/2016

Plano de Melhoria para 2015/2016 Plano de Melhoria para 2015/2016 Ano letivo de 2015/2016 Preâmbulo justificativo O recebeu, de 17 a 20 de novembro de 2014, a visita da equipa de avaliação externa (constituída no âmbito da Área Territorial

Leia mais

Regulamento de Cooperação CAPÍTULO I. Da Natureza, Objecto e Objectivos da RBA. Artigo 1º. Natureza. Artigo 2º. Objecto. Artigo 3º.

Regulamento de Cooperação CAPÍTULO I. Da Natureza, Objecto e Objectivos da RBA. Artigo 1º. Natureza. Artigo 2º. Objecto. Artigo 3º. Regulamento de Cooperação A rede de Bibliotecas de Arraiolos adiante designada RBA, foi criada pelo acordo de cooperação número oitenta e cinco de dois mil e onze e pelo protocolo assinado entre a Câmara

Leia mais

BIBLIOTECAS ESCOLARES DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MONTEMOR-O-VELHO PLANO DE ACÇÃO /2013

BIBLIOTECAS ESCOLARES DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MONTEMOR-O-VELHO PLANO DE ACÇÃO /2013 BIBLIOTECAS ESCOLARES DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MONTEMOR-O-VELHO PLANO DE ACÇÃO - 2009/2013 2 ÍNDICE NOTA INTRODUTÓRIA... 4 PLANO DE ACÇÃO DA BIBLIOTECA ESCOLAR 2009/2013... 6 A - Apoio ao Desenvolvimento

Leia mais

Plano de Atividades da Rede de Bibliotecas de Mealhada Ano Letivo

Plano de Atividades da Rede de Bibliotecas de Mealhada Ano Letivo Plano de Atividades da Rede de Bibliotecas de Mealhada Ano Letivo 2011-2012 Outubro 2011 Domínio de Intervenção: 1. Planeamento e Gestão 1.1. Cooperação / Articulação Inter-bibliotecas Grupo de Trabalho

Leia mais

Escola Profissional de Desenvolvimento Rural do Rodo PLANO DE INTERVENÇÃO. Avaliação Interna da EPDRR

Escola Profissional de Desenvolvimento Rural do Rodo PLANO DE INTERVENÇÃO. Avaliação Interna da EPDRR Escola Profissional de Desenvolvimento Rural do Rodo PLANO DE INTERVENÇÃO Avaliação Interna da EPDRR Ano Letivo 2015/2016 ÍNDICE INTRODUÇÃO 3 COMISSÃO DE TRABALHO 4 METODOLOGIA DE TRABALHO ADOTADA 4 DOMÍNIOS

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Alcabideche Escola Básica de Alcabideche PLANO ANUAL DE ATIVIDADES ANO LETIVO

Agrupamento de Escolas de Alcabideche Escola Básica de Alcabideche PLANO ANUAL DE ATIVIDADES ANO LETIVO BIBLIOTECA ESCOLAR - ALCABIDECHE E ALTO DA PEÇA - GLOBAL Data Atividades Reuniões entre a Professora Bibliotecária/Coordenadora da Biblioteca Escolar () o Diretor do Agrupamento (DA) e/ou a Coordenadora

Leia mais

Avaliação de Desempenho. Orientações aos relatores

Avaliação de Desempenho. Orientações aos relatores Avaliação de Desempenho Orientações aos relatores 1. Referenciais de avaliação 1.1. Legislação 1. Referenciais de avaliação 1.2. Referentes internos: a. Projeto Educativo do Agrupamento, b. Projeto Curricular

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Aradas Trabalho Desenvolvido Equipa de Avaliação Interna

Agrupamento de Escolas de Aradas Trabalho Desenvolvido Equipa de Avaliação Interna AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ARADAS Agrupamento de Escolas de Aradas Trabalho Desenvolvido Equipa de Avaliação Interna 2006-2013 Equipa de Avaliação Interna Página 1 [ES C R E V E R O E N D E R E Ç O D A

Leia mais

PLANO DO DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS

PLANO DO DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS PLANO DO DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS ANO LECTIVO 2010/2011 Introdução O Plano do Departamento de Línguas tem como pressupostos o Projecto Educativo em vigor da Escola Secundária da Baixa da Banheira cujos

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL DA BIBLIOTECA DE AGRUPAMENTO À BEIRA DOURO

PLANIFICAÇÃO ANUAL DA BIBLIOTECA DE AGRUPAMENTO À BEIRA DOURO Domínio A: Apoio ao desenvolvimento curricular PLANIFICAÇÃO ANUAL DA BIBLIOTECA DE AGRUPAMENTO À BEIRA DOURO 2012-2013 A.1 Articulação curricular da biblioteca escolar com as estruturas de coordenação

Leia mais

PLANO DE MELHORIA

PLANO DE MELHORIA Agrupamento de Escolas D. Sancho I PLANO DE MELHORIA 2016-2018 Elaborado nos termos previstos na Recomendação nº 1/2011 da IGEC Áreas de melhoria apontadas na Externa concluída em 20/01/2016. Uma escola

Leia mais

Regulamento da Biblioteca Escolar

Regulamento da Biblioteca Escolar Regulamento da Biblioteca Escolar PREÂMBULO ARTIGO 1.º (Nota prévia) O presente regulamento, elaborado em conformidade com o Regulamento Interno, define as regras de organização / gestão e funcionamento

Leia mais

BIBLIOTECA ESCOLAR PLANO ANUAL DE ATIVIDADES Escola Portuguesa Ruy Cinatti 2014/2015

BIBLIOTECA ESCOLAR PLANO ANUAL DE ATIVIDADES Escola Portuguesa Ruy Cinatti 2014/2015 O Pl Anual de Atividades segue as linhas de orientação propostas pela RBE. Este documento descreve a ação da Biblioteca Escolar e tem como objetivo último tornar os alunos autónomos e eficientes nas diversas

Leia mais

Instrumento de Registo (Artigo 10º, ponto 1 1 e 2 do Decreto Regulamentar n.º 2/2010)

Instrumento de Registo (Artigo 10º, ponto 1 1 e 2 do Decreto Regulamentar n.º 2/2010) AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE S. JOÃO DA PESQUEIRA Instrumento de Registo (Artigo 10º, ponto 1 1 e 2 do Decreto Regulamentar n.º 2/2010) Ficha de Registo Avaliação do Desempenho Docente do Ensino Básico e

Leia mais

Projecto de Plano de Actividades do CNE para Em 2008, a actividade do CNE centrar-se-á em quatro grandes áreas de intervenção:

Projecto de Plano de Actividades do CNE para Em 2008, a actividade do CNE centrar-se-á em quatro grandes áreas de intervenção: Projecto de Plano de Actividades do CNE para 2008 Em 2008, a actividade do CNE centrar-se-á em quatro grandes áreas de intervenção: - A escola, as suas finalidades, os seus contextos e parceiros; - Currículo

Leia mais

PLANO TIC 1

PLANO TIC 1 2015-2016 PLANO TIC 1 Agrupamento de Escolas de Fornos de Algodres Estrada Nacional n.º 16 6370-147 Fornos de Algodres Tel.: 271700110 Fax: 271700118 www.ae-fa.pt e-mail: aefa.og@ae-fa.pt 2 Equipa PTE

Leia mais

Guião orientador Manual de Qualidade da Actividade Formativa

Guião orientador Manual de Qualidade da Actividade Formativa Guião orientador Manual de Qualidade da Actividade Formativa I. INTRODUÇÃO A orientação para a qualidade deve constituir um pressuposto fundamental na actividade das entidades formadoras, traduzida na

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE BRAGA OESTE

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE BRAGA OESTE AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE BRAGA OESTE PLANO DE MELHORIA EQUIPA DE AVALIAÇÃO INTERNA 2015/2017 EqAI - 2015 Página 1 de 6 1. Resultados Em Português: incentivar a leitura; recontar as Académicos: histórias

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ÁGUEDA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ÁGUEDA 2014 Plano de melhoria AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ÁGUEDA O Plano de Melhoria do Agrupamento de Escolas de Águeda surge na sequência do relatório da Avaliação Externa das Escolas realizada pela equipa de

Leia mais

Critérios de Avaliação. 1º Ciclo. Ano Letivo 2016/2017. A Presidente do Conselho Pedagógico Felicidade Alves

Critérios de Avaliação. 1º Ciclo. Ano Letivo 2016/2017. A Presidente do Conselho Pedagógico Felicidade Alves Critérios de Avaliação 1º Ciclo Ano Letivo 2016/2017 A Presidente do Conselho Pedagógico Felicidade Alves Princípios Orientadores - Processo regulador das aprendizagens, orientador do percurso escolar

Leia mais

BIBLIOTECA ESCOLAR Plano Anual de Actividades

BIBLIOTECA ESCOLAR Plano Anual de Actividades DOMÍNIO A. Apoio ao Desenvolvimento Curricular Desenvolver a articulação curricular da biblioteca com as estruturas pedagógicas e os docentes Promover o desenvolvimento da literacia de informação Participação

Leia mais

PLANO DE AÇÃO DO DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS

PLANO DE AÇÃO DO DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS PLANO DE AÇÃO DO DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS OBJETIVOS EDUCAR EM CIDADANIA 1. RESULTADOS ESCOLARES Alcançar os resultados esperados de acordo com o contexto do agrupamento. Melhorar

Leia mais

PLANO DE ATIVIDADES Definir um currículo para o desenvolvimento das literacias da informação adequado aos diferentes anos de escolaridade;

PLANO DE ATIVIDADES Definir um currículo para o desenvolvimento das literacias da informação adequado aos diferentes anos de escolaridade; Acções de melhoria Definir um currículo para o desenvolvimento das literacias da informação adequado aos diferentes s de escolaridade; Criar uma bolsa de recursos para o desenvolvimento das atividades

Leia mais

Plano de Melhoria 2012/2015. Escola Básica de 1º ciclo com Pré-Escolar de Boaventura

Plano de Melhoria 2012/2015. Escola Básica de 1º ciclo com Pré-Escolar de Boaventura Plano de Melhoria 2012/2015 Escola Básica de 1º ciclo com Pré-Escolar de Boaventura Índice Introdução... 2 Prioridade 1... 3 Prioridade 2... 4 Prioridade 3... 5 Prioridade 4... 6 Considerações finais...

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS

EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS INSPEÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA PROGRAMA ACOMPANHAMENTO EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS RELATÓRIO Agrupamento de Escolas de Airães 2014-2015 RELATÓRIO DE ESCOLA Agrupamento de Escolas de Airães

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Diogo Cão. Biblioteca Escolar. (sede) PLANO DE ACTIVIDADES

Agrupamento de Escolas de Diogo Cão. Biblioteca Escolar. (sede) PLANO DE ACTIVIDADES Agrupamento de Escolas de Diogo Cão Biblioteca Escolar (sede) PLANO DE ACTIVIDADES Os poetas e os romancistas são aliados preciosos, e o seu testemunho merece a mais alta consideração, porque eles conhecem,

Leia mais

Regulamento do Programa de Tutorias

Regulamento do Programa de Tutorias Regulamento do Programa de Tutorias Escola Secundária Ferreira Dias, Agualva- Sintra Artigo 1º Competências Específicas O professor tutor tem as seguintes competências: Desenvolver medidas de apoio aos

Leia mais

Regimento dos Representantes dos Pais e Encarregados de Educação da Turma

Regimento dos Representantes dos Pais e Encarregados de Educação da Turma Regimento dos Representantes dos Pais e Encarregados de Educação da Turma.é nomeado/eleito na primeira reunião de Pais e Encarregados de Educação da Turma; Tem participação nos Conselhos de Turma; É a

Leia mais

Modelo de autoavaliação da ESARS

Modelo de autoavaliação da ESARS 2014-2017 Modelo de autoavaliação da ESARS Observatório da Qualidade Índice Introdução 2 Enquadramento 3 Trabalho desenvolvido no ano letivo 2013-2014 e 2014-2015 4 Missão e Finalidades 6 Princípios Orientadores

Leia mais

Plano de Actividades da Biblioteca Escolar de Valongo do Vouga

Plano de Actividades da Biblioteca Escolar de Valongo do Vouga Plano de Actividades da Biblioteca Escolar de Valongo do Vouga Plano de Actividades da Biblioteca Escolar de Valongo do Vouga A BE deve ser complemento e núcleo da vida da escola, um recurso indispensável

Leia mais

PLANO DE MELHORIAS EQUIPA DE AVALIAÇÃO INTERNA

PLANO DE MELHORIAS EQUIPA DE AVALIAÇÃO INTERNA PLANO DE MELHORIAS EQUIPA DE AVALIAÇÃO INTERNA ABRIL DE 2016 Índice NOTA INTRODUTÓRIA... 4 FICHA DE AÇÃO DE MELHORIA Nº1... 6 FICHA DE AÇÃO DE MELHORIA Nº2... 8 FICHA DE AÇÃO DE MELHORIA Nº3... 9 FICHA

Leia mais

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA ESCOLAR

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA ESCOLAR ESCOLA SECUNDÁRIA DR. JOAQUIM DE CARVALHO, FIGUEIRA DA FOZ REGULAMENTO DA BIBLIOTECA ESCOLAR [Escreva texto] Página 0 B I B L I O T E C A E S C O L A R Introdução 1. O regulamento refere-se à organização

Leia mais

Plano de Intervenção Avaliadores

Plano de Intervenção Avaliadores Plano de Intervenção Avaliadores Apresentam-se algumas especificidades do processo SIADAP 2012 visando o esclarecimento da abordagem a prosseguir pelos Avaliadores. Para obter esclarecimentos adicionais

Leia mais

O programa BE\CRE à la carte apresenta atividades e projetos pedagógicos que a equipa de Bibliotecas do Agrupamento de Escolas de Mem Martins

O programa BE\CRE à la carte apresenta atividades e projetos pedagógicos que a equipa de Bibliotecas do Agrupamento de Escolas de Mem Martins O programa BE\CRE à la carte apresenta atividades e projetos pedagógicos que a equipa de Bibliotecas do Agrupamento de Escolas de Mem Martins pretende desenvolver ao longo do ano com os diferentes níveis

Leia mais