Interação entre obesidade induzida por dieta hiperlipídica e colite crônica aumenta reciprocamente a inflamação no tecido adiposo e no cólon

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Interação entre obesidade induzida por dieta hiperlipídica e colite crônica aumenta reciprocamente a inflamação no tecido adiposo e no cólon"

Transcrição

1 LÍLIAN GONÇALVES TEIXEIRA Interção entre obesidde induzid por diet hiperlipídic e colite crônic ument reciprocmente inflmção no tecido diposo e no cólon Belo Horizonte MG Instituto de Ciêncis Biológics Universidde Federl de Mins Geris 2012

2 LÍLIAN GONÇALVES TEIXEIRA Interção entre obesidde induzid por diet hiperlipídic e colite crônic ument reciprocmente inflmção no tecido diposo e no cólon Tese presentd o Progrm de Pós-Grdução em Bioquímic e Imunologi do Instituto de Ciêncis Biológics d Universidde Federl de Mins Geris, como requisito prcil à obtenção do título de Doutor em Ciêncis com ênfse em Bioquímic. Orientdor: Dr. Jcqueline I. Alvrez-Leite Belo Horizonte MG Instituto de Ciêncis Biológics Universidde Federl de Mins Geris 2012

3 Teixeir, Lílin Gonçlves Interção entre obesidde induzid por diet hiperlipídic e colite crônic ument reciprocmente inflmção no tecido diposo e no cólon. [mnuscrito] / Lílin Gonçlves Teixeir f. : il. ; 29,5 cm. Orientdor: Jcqueline I. Alvrez-Leite. Tese (doutordo) Universidde Federl de Mins Geris, Instituto de Ciêncis Biológics. 1. Colite Teses. 2. Obesidde Teses. 3. Intestinos - Doençs inflmtóris - Teses. 4. Bioquímic Teses. 5. Diet hiperlipídic. I. Alvrez-Leite, Jcqueline Isur. II. Universidde Federl de Mins Geris. Instituto de Ciêncis Biológics. III. Título. CDU: 577.1:61

4 ATA DA DEFESA

5 Dedico esse trblho os meus pis, Cláudio e Blbin, meus miores incentivdores e btlhdores pel relizção de meus sonhos. E o Guilherme, presente em todos os momentos, com seu mor e incentivo.

6 AGRADECIMENTOS À professor Jcqueline, que me orientou, direcionou e proporcionou grnde conhecimento e crescimento o longo do mestrdo e doutordo. Aos professores Denise Cr, An Cetno Fri, Cândido Coimbr e Adliene Ferreir, pel colborção e tempo dispensdo o trblho. Aos professores do deprtmento de Bioquímic e Imunologi, pelos ensinmentos comprtilhdos. Aos funcionários desse deprtmento, pelo serviço prestdo, principlmente à Celise e Eneid. À Mri Helen, essencil no nosso trblho. À Nthli Btist, pel jud nos experimentos de microscopi intrvitl e à Andre Alves e o Rfel Pires, pel jud nos experimentos de citometri de fluxo e ELISA. Ao Ed e à Aldinh, mis que colbordores nesse projeto, migos pr tod vid. À Crol, lun de inicição científic, sempre eficiente e que me judou muito nos experimentos. Aos migos do LABiN, que se tornrm um segund fmíli, judndo em momentos de trblho e discussões científics, em momentos de estresse e nervosismo e em momentos de legri e diversão. Aos outros lbortórios desse e de outros deprtmentos, pelo socorro em momentos inesperdos. As instituições finncidors, CAPES, FAPEMIG e CNPq, pelo incentivo finnceiro. A todos os meus migos, que, longe ou perto, são essenciis. Muito obrigd pel mizde e poio. Aos meus pis, Blbin e Cláudio, meu irmão Vítor, e o meu mrido Guilherme, pelo constnte incentivo, mor e pciênci nos momentos mis instáveis. A tod minh fmíli, pelo mor e compnheirismo. A Noss Senhor, por su etern proteção. E Deus, por tods s vitóris conseguids.

7 O que sbemos é um got, o que ignormos é um oceno. Isc Newton

8 Sumário Índice de Tbels... X Índice de Figurs... XI List de sigls e breviturs... XIII Resumo... XVII Abstrct... XIX Introdução Revisão Bibliográfic Sistem digestório Sistem imune intestinl Microbiot intestinl Doençs Inflmtóris Intestinis Retocolite ulcertiv Modelos experimentis de colite Ftores de risco mbientis Diet hiperlipídic Tecido diposo Obesidde Obesidde e inflmção no tecido diposo Obesidde e céluls imunes Obesidde, microbiot e permebilidde intestinl Modelos experimentis de obesidde Obesidde e colite Justifictiv Objetivos Metodologi Animis Delinemento experimentl Indução d obesidde e d colite crônic Evolução ponderl, consumo limentr e hídrico Amostrs de sngue e tecido Avlição do perfil lipídico Determinção d concentrção de colesterol totl... 72

9 Sumário (Continução) Determinção d concentrção de HDL colesterol Determinção do colesterol não-hdl Determinção d concentrção de triglicerídeos séricos Avlição d homeostse d glicose Determinção d glicemi de jejum Teste de tolerânci orl à glicose Teste de sensibilidde à insulin Determinção d insulin de jejum Cálculo d resistênci insulínic pelo Índice de HOMA (modelo 76 de vlição d homeostse)... Contgem Totl de Leucócitos no Sngue Contgem Diferencil de Leucócitos no Sngue Análise Histológic do Cólon e do Tecido Adiposo Epididiml Análise de Eosinófilo, Neutrófilo e Mcrófgo por Ensio Enzimático. 79 Análise do Perfil de Céluls Imunes por Citometri de Fluxo Análise de Citocins, Quimiocin e Ovlbumin por ELISA Análise d expressão de RNA em tecido diposo epididiml, cólon e linfonodos cecl e mesentéricos Extrção do RNA Produção do cdna Reção em cdei de polimerse em tempo rel (RT-PCR) Microscopi intrvitl no tecido diposo epididiml e cólon Avlição d permebilidde intestinl por ovlbumin Análise Esttístic Resultdos Evolução ponderl e ingestão clóric e líquid Avlição do perfil lipídico no sngue Avlição d homeostse d glicose Avlição do leucogrm Avlição do cólon Análise do perfil inflmtório

10 Sumário (Continução) Avlição d trnslocção bcterin e permebilidde intestinl. 108 Avlição do linfonodo cecl e do bço Avlição do tecido diposo epididiml (TAE) Análise do perfil inflmtório Discussão Considerções finis Referêncis Anexos ANEXO 1: Certificdo de provção no CETEA ANEXO 2: Qudro Two-wy ANOVA ds nálises 148 ANEXO 3: Artigo publicdo

11 Índice de Tbels Tbel 1: Composição Energétic ds Diets Tbel 2: Sequênci de nucleotídeos dos primers utilizdos Tbel 3: Perfil lipídico no sngue Tbel 4: Homeostse d glicose Tbel 5: Leucogrm no sngue Tbel 6: Perfil de céluls imunes do linfonodo cecl Tbel 7: Avlição do bço X

12 Índice de Figurs Figur 1: Estrutur morfológic do tubo digestório 26 Figur 2: Mucos intestinl 28 Figur 3: Sistem imune intestinl em indivíduo sudável.. 30 Figur 4: Sistem imune ns doençs inflmtóris intestinis Figur 5: Conceitos tuis relciondos à retocolite ulcertiv.. 40 Figur 6: Céluls do tecido diposo Figur 7: Vi de sinlizção d leptin Figur 8: Vi de sinlizção do TLR Figur 9: Mudnçs n populção de céluls imune no tecido diposo durnte obesidde Figur 10: Modelo de envolvimento d microbiot intestinl ns desordens metbólics ssocids à obesidde... Figur 11: Desenho experimentl Figur 12: Populções de linfócitos e de céluls grnulres e grnulres Figur 13: Delimitção dos qudrntes pr nálise dos mrcdores MOMA e CD Figur 14: Delimitção do qudrnte pr nálise do mrcdor GR Figur 15: Delimitção dos qudrntes pr nálise dos mrcdores CD25 e LAP Figur 16: Delimitção dos qudrntes pr nálise dos mrcdores CD4 e CD Figur 17: Delimitção dos qudrntes pr nálise dos mrcdores CD8 e CD Figur 18: Delimitção dos qudrntes pr nálise dos mrcdores CD19 e CD Figur 19: Consumo clórico e líquido Figur 20: Vrição ponderl Figur 21: Teste de sensibilidde à insulin Figur 22: Teste de tolerânci orl à glicose Figur 23: Aspecto morfológico do cólon XI

13 List de figurs (Continução) Figur 24: Escore histoptológico do cólon e seus componentes Figur 25: Porcentgem de monócitos e mcrófgos totis, mcrófgos tivdos e neutrófilos n lâmin própri Figur 26: Ensio enzimático no cólon Figur 27: Porcentgem de linfócito T n lâmin própri Figur 28: Porcentgem de linfócito B totl e tivdo n lâmin própri Figur 29: Concentrção de citocins e quimiocin inflmtóris no cólon Figur 30: Concentrção de citocins d respost Th2 no cólon Figur 31: Expressão de TLR4 e receptor de leptin (Ob-Rb) no cólon Figur 32: Microscopi intrvitl no cólon Figur 33: Avlição d permebilidde intestinl e trnslocção bcterin Figur 34: Avlição d expressão de proteíns ds junções firmes Figur 35: Aspecto morfológico do TAE Figur 36: Adiposidde, áre dos dipócitos e estruturs em form de coro Figur 37: Concentrção séric e expressão no tecido diposo, de leptin, resistin e diponectin Figur 38: Porcentgem de mcrófgos e monócitos totis, mcrófgos tivdos e neutrófilos no tecido diposo Figur 39: Porcentgem de linfócitos T no tecido diposo Figur 40: Porcentgem de linfócito B totl e tivdo no tecido diposo Figur 41: Concentrção de citocins e quimiocin inflmtóris no tecido diposo Figur 42: Expressão de TNF, IL-6, MCP1 e TLR4 no tecido diposo Figur 43: Adesão e rolmento de leucócitos, expressão de ICAM1 e VCAM1, em tecido diposo XII

14 List de sigls e breviturs o C: grus Celsius µg: microgrm µl: microlitro µm: micrômetro AdipoR: receptor de diponectin Akt/PKB: proteín quinse B AMPK: proteín quinse dependente de AMP APC: célul presentdor de ntígeno ATP: denosin trifosfto BHT: hidroxitolueno butildo BSA: lbumin de soro bovino CCL: lignte de quimiocins C-C-motif CCR: receptores de quimiocins C-C-motif CD: grupmento de diferencição CETEA: Comitê de Étic de Experimentção Animl cm: centímetro Co-A: coenzim A db/db: cmundongo nocute pr o gene do receptor de leptin DII: doençs inflmtóris intestinis DIO: diet indutor de obesidde DMEM: meio de cultur (Dulbecco s Modified Egle Medium) DMSO: dimetilsulfóxido DNA: ácido desoxirribonucleico DVD: disco digitl versátil DSS: sulfto de sódio dextrno EFC: estruturs em form de coro ELISA: Enzyme-linked immunosorbent ssy ENA: tivdor de neutrófilos epiteliis EUA: Estdos Unidos d Améric FSC: distribuição puntul de tmnho g: grm GR1: mrcdor de neutrófilos XIII

15 List de sigls e breviturs (Continução) H 2 SO 4 : ácido sulfúrico HBSS: meio de cultur (Hnk's Blnced Slt Solution) HCl: ácido clorídrico HDL: lipoproteín de lt densidde HETAB: brometo de hexdeciltrimetilmonio HFD: high-ft diet HOMA: modelo de vlição d homeostse HOMA-BETA: índice de cpcidde funcionl ds céluls β-pncreátics HOMA-IR: índice de resistênci insulínic ICAM: molécul de desão intrcelulr ICB: Instituto de Ciêncis Biológics IDL: lipoproteín de densidde intermediári IEL: linfócitos intr-epiteliis IFN: interferon Ig: Imunoglobulin IL: interleucin IL10-/-: cmundongo nocute pr o gene d IL-10 IMC: índice de mss corporl JAK: proteín d fmíli Jnus kcl: quilocloris kg: quilogrm L: litro LAP: peptídeo ssocido à ltênci LDL: lipoproteín de bix densidde LPS: lipopolisscrídeos m: metro M: molr (mol/l) Mcrófgos M1: mcrófgos clssicmente tivdos Mcrófgos M2: mcrófgos lterntivmente tivdos MALT: tecido linfoide ssocido à mucos MAPK/ERK: proteín quinse tivd por mitógeno/quinse reguld por sinl extrcelulr XIV

16 List de sigls e breviturs (Continução) MCP1/CCL2: proteín quimiotrtiv de monócitos mg: miligrms MHC: complexo de histocomptibilidde principl MIP: proteín inflmtóri de mcrófgos ml: mililitro MLC: cdei leve de miosin MLCK: quinse de cdei leve de miosin mm: milimolr mmol: milimol MOMA: nticorpo nti monócitos e mcrófgos mtor: lvo de rpmicin em mmíferos mu: miliuniddes MyD88: gene de diferencição mielóide primári NFκB: ftor nucler kpp B NK: céluls nturl killer NKT: céluls T nturl killer nm: nnômetro NOD: receptor NOD (nucleotide-binding oligomeriztion domin) ob: gene obese ob/ob: cmundongo nocute pr o gene d leptin Ob-R: receptor de leptin Ob-Rb ou Ob-RL: receptor de leptin b ou receptor longo de leptin OMS: Orgnizção Mundil d Súde OPD: diminobenzeno fenilenodimin panca: nticorpos citoplsmticos nti-neutrofílico perinucler PBS: slin tmpond com fosfto PI3K: fosftidilinositol-3-quinse pm: pico molr PPAR: receptor tivdo de proliferção de peroxissomo PRR: receptores de reconhecimento pdrão p/v: peso por volume RANTES: Regulted upon Activtion, Norml T-cell Expressed, nd Secreted XV

17 List de sigls e breviturs (Continução) RNA: ácido ribonucleico rpm: rotções por minuto RPMI: meio de cultur RPMI 1640 RT-PCR: reção em cdei de polimerse em tempo rel SSC: distribuição puntul de grnulosidde STAT: trnsdutores de sinis e tivdores de trnscrição Th: linfócitos T uxilires TLR: receptor tipo toll TMB: tetrmetilbenzidin TNBS: ácido sulfônico trinitrobenzeno TNF: ftor de necrose tumorl Treg/Tr: célul T regultóri U: uniddes UFMG: Universidde Federl de Mins Geris v/v: volume por volume VCAM: molécul de desão celulr vsculr VLDL: lipoproteín de densidde muito bix ZO: zônuls de oclusão XVI

18 RESUMO A retocolite ulcertiv é um doenç de etiologi não completmente compreendid e é crcterizd por um inflmção d mucos do cólon. A epidemiologi ds doençs inflmtóris intestinis sugere que ftores mbientis, tis como higiene pessol, fumo e diet contribuem pr o início d doenç. Mrcdores pró-inflmtórios, incluindo interleucin (IL)6, IL-1 e ftor de necrose tumorl (TNF) estão umentdos n colite. A obesidde tmbém curs com importnte componente inflmtório que contribui diretmente pr inflmção sistêmic. Ddos d litertur sugerem que s dipocins leptin, resistin e diponectin estão intimmente ssocidos com s doençs inflmtóris intestinis tis como retocolite ulcertiv. Além disso, lguns estudos demonstrrm um umento de citocins pró-inflmtóris no intestino de nimis obesos, bem como no tecido diposo de nimis com colite. O objetivo deste estudo foi elucidr relção entre obesidde induzid por um diet hiperclóric e hiperlipídic e colite crônic induzid pel dministrção de sulfto de sódio dextrno (DSS). Pr isso, os cmundongos form divididos em 4 grupos (controle, colite, DIO e colite+dio) e limentdos com rção comercil ou diet indutor de obesidde por 8 semns, com oferecimento de dois ciclos de sulfto de sódio dextrno (DSS) pr indução d colite crônic. Após s 8 semns totis de experimentos, os nimis form eutnsidos, e soro, cólon, tecido diposo, bço e linfonodos cecl e mesentéricos form coletdos pr vlição histológic, nálise de citocins, de céluls imunes, de receptores relciondos à inflmção e vlição d permebilidde intestinl. XVII

19 Os resultdos mostrm que obesidde por si só não lter o escore histoptológico do cólon, ms qundo ssocid à colite pior o escore qundo comprdo os nimis não obesos com colite. Qundo comprdos os nimis do grupo DIO, os nimis do grupo colite+dio presentrm redução n diposidde, ms se observou umento do infiltrdo inflmtório no cólon e no tecido diposo viscerl dos nimis desse grupo devido o umento d infiltrção de mcrófgos, neutrófilos e linfócitos. Microscopi intrvitl d microvscultur do tecido diposo mostrou um umento n desão e rolmento de leucócitos e o pcr em tempo rel mostrou superexpressão de moléculs de desão no grupo colite+dio em comprção com outros grupos. Além disso, observou-se umento d permebilidde intestinl e umento d expressão do receptor tipo toll (TLR)4 e receptor de leptin b (Ob-Rb) no cólon desses nimis. A leptin séric, entretnto, estv umentd pens no grupo DIO. Noss hipótese é que ligção leptin-ob-rb estej relciond o umento d inflmção do cólon dos nimis do grupo colite+dio. Aind, linfócitos e monócitos circulntes e neutrófilos no bço e linfonodos cecis estvm umentdos nesse grupo. Nossos resultdos demonstrrm relção entre colite crônic e obesidde como ftores grvntes pr cd doenç, com umento d inflmção no tecido diposo e no cólon e lterções sistêmics observds no bço, linfonodo cecl e n corrente snguíne. Plvrs chve: colite, obesidde, diet hiperlipídic indutor de obesidde e inflmção XVIII

20 ABSTRACT Ulcertive colitis is disese of incompletely understood etiology nd is chrcterized by inflmmtion of the colonic mucos. The epidemiology of inflmmtory bowel diseses suggests tht environmentl fctors such s personl hygiene, smoking nd diet contribute to disese onset. Proinflmmtory mrkers including IL- 6, IL-1 nd TNF re incresed in colitis. These mrkers re lso incresed in obesity tht hve n importnt inflmmtory component too. Obesity is multifctoril disese involving endocrine fctors, genetics nd behvior nd directly contributes to systemic inflmmtion. Studies hve suggested tht dipokines secreted by dipose tissue (leptin, resistin nd diponectin) re closely ssocited with inflmmtory bowel diseses such s ulcertive colitis. In ddition, some studies hve shown incresed pro-inflmmtory cytokines in the intestine of obese nimls s well s in the dipose tissue of nimls with colitis. The objective of this study ws to elucidte the reltionship between obesity induced by hypercloric, high-ft diet (HFD) nd chronic colitis induced by intermittent dministrtion of dextrn sodium sulfte (DSS). To this, the nimls were divided into 4 groups (control, colitis, HFD nd colitis + HFD). Mice with chronic colitis induced by 2 cycles of dextrn sodium sulfte (DSS) in the first nd fourth week of the experiment were fed high-ft diet (HFD) to induce obesity by 8 weeks. After 8 weeks of experiment, the nimls were euthnized, nd serum, colon, dipose tissue, spleen nd cecl nd mesenteric lymph nodes were nlysed. Obesity lone did not rise histopthology scores, but the combintion of XIX

21 obesity nd colitis worsened the scores in the colon compred to colitis group. Despite the reduction in weight gin, there ws incresed inflmmtory infiltrte in both the colon nd viscerl dipose tissue of colitis + HFD mice due to incresed infiltrtion of mcrophges, neutrophils nd lymphocytes. Intrvitl microscopy of VAT microvsculture showed n increse in leukocyte dhesion nd rolling nd the rel time pcr showed overexpression of dhesion molecules compred to other groups. Moreover, we observed incresed intestinl permebility nd toll like receptor (TLR)4 nd leptin receptor expression in the colon of the Colitis+HFD group. The serum leptin were incresed only in HFD group. We hypothesized tht leptin-receptor (Ob-Rb) binding incresing the inflmmtion of the colon of Colitis+HDF. Still, circulting lymphocytes, monocytes nd neutrophils in the spleen nd cecl lymph nodes were incresed in the colitis + HFD group. Our results demonstrted the reltionship between cronic colitis nd obesity s ggrvting fctors for ech disese, with incresed inflmmtion in the colon nd dipose tissue nd systemic ltertions observed in the spleen, lymph nodes nd bloodstrem. Keywords: colitis, obesity, high-ft diet-induced obesity nd inflmmtion. XX

22 Interção entre obesidde induzid por diet hiperlipídic e colite crônic ument reciprocmente inflmção no tecido diposo e no cólon 1. INTRODUÇÃO 21

23 Introdução As doençs inflmtóris intestinis (DII) são doençs crônics do trto gstrointestinl, como doenç de Crohn e retocolite ulcertiv. A doenç de Crohn pode envolver qulquer prte do trto gstrointestinl, d boc o ânus e fet prede intestinl inteir, enqunto retocolite ulcertiv é tipicmente restrit o cólon e fet mucos e submucos colônic. Sintoms e sinis clínicos incluem perd de peso, dirrei snguinolent e dores bdominis. As DII são doençs multiftoriis e, pesr de su etiologi ind ser desconhecid, existe um consenso de que els são crcterizds por respost inflmtóri crônic microbiot intestinl em hospedeiros geneticmente susceptíveis, resultndo em um desequilíbrio n microbiot intestinl e sistem imunológico. A retocolite ulcertiv é form mis comum de doenç inflmtóri intestinl no mundo, com incidênci vrindo entre 1,5 24,5 indivíduos por mil. É um doenç multiftoril e envolve spectos genéticos e mbientis, (como, estilo de vid e diet) e sistem imune. A retocolite ulcertiv present importnte componente inflmtório, com grnde infiltrdo de céluls imunes pr o cólon, como linfócitos, neutrófilos e mcrófgos e liberção de citocins inflmtóris como ftor de necrose tumorl (TNF), interleucin (IL)-6, IL-1, IL-5 e interferon (IFN)γ. A diet pode fetr retocolite ulcertiv de form protetor ou deletéri. Diets rics em fruts, vegetis, peixe e fibrs dietétics precem ter efeito protetor sobre s DII. Alguns nutrientes, como os ácidos grxos de cdei curt tmbém presentm efeitos benéficos n evolução d colite experimentl. Já diets rics em scrose, crboidrtos refindos, e gordur sturd podem levr o umento do risco de desenvolvimento d retocolite ulcertiv. As 22

24 Introdução diets rics em gordur tmbém são ftores de risco pr outrs doençs, como obesidde. A obesidde e o sobrepeso são definidos como o cúmulo excessivo de gordur que present um risco pr súde, e é um doenç de distribuição mundil. Segundo ddos d Orgnizção Mundil d Súde (OMS), em 2008, cerc de 1,4 bilhões de pessos dults presentvm sobrepeso e 500 milhões presentvm obesidde. No Brsil, quse metde d populção present sobrepeso, e 16% está obes. Além de ser, por si só, um problem de súde públic mundil, obesidde é ftor de risco pr diverss doençs como: dibetes melitos tipo 2, doençs crdiovsculres, hipertensão pulmonr, pnéi obstrutiv do sono e vridos tipos de câncer. De form gerl, o consumo clórico excessivo ocsion um umento do cúmulo de triglicerídeos nos dipócitos (hipertrofi) e umento em seu número (hiperplsi). Os dipócitos hipertrofidos secretm gentes pró-inflmtórios promovendo um inflmção sistêmic de bixo gru. Assim como retocolite ulcertiv, obesidde present importnte componente inflmtório, com produção umentd pelo tecido diposo de citocins inflmtóris como, TNF, IL-6 e dipocins, como leptin e resistin. Além disso, é observdo lterção do perfil de céluls imunológics no tecido diposo, sendo crcterizdo por céluls de perfil mis inflmtório como mcrófgos M1 e linfócitos T uxilires (Th)1. Estudos relcionndo mbs s doençs, obesidde e retocolite ulcertiv, começm ser relizdos. Sbe-se que diets hiperlipídics são ftores de risco pr mbs doençs e que els presentm importnte 23

25 Introdução componente inflmtório envolvido em su ptogênese. Alguns estudos têm sugerido que dipocins secretds pelo tecido diposo, como leptin e diponectin, estão intimmente ssocidos à retocolite ulcertiv. Em dição, outros estudos mostrm o umento de citocins pró-inflmtóris no intestino de nimis obesos, bem como no tecido diposo de nimis com colite. Entretnto, estudos que demonstrem o perfil inflmtório em nimis fetdos por mbs doençs ind não existem, sendo importnte que se elucide influênci d inflmção do tecido diposo derivdo d obesidde induzid por diet ns doençs inflmtóris intestinis e o perfil do tecido diposo em indivíduos com colite crônic, vlindo possibilidde de um inflmção sistêmic. 24

26 Interção entre obesidde induzid por diet hiperlipídic e colite crônic ument reciprocmente inflmção no tecido diposo e no cólon 2. REVISÃO BIBLIOGRÁFICA 25

27 Revisão Bibliográfic Sistem digestório O sistem digestório inici-se n cvidde bucl, continundo n fringe, esôfgo, estômgo, intestinos delgdo e grosso, terminndo no reto, que se bre pr o meio externo por meio do ânus 1, 2. O intestino grosso constitui porção terminl do cnl limentr e se divide em cécum, cólon scendente, cólon trnsverso, cólon descendente, cólon sigmoide e reto 1. Ao longo de su extensão, o tubo digestório é orgnizdo morfologicmente de form semelhnte, sendo dividido em cmds seros ou dventíci, musculr, submucos e mucos especilizd 3 (figur 1). Figur 1: Estrutur morfológic do tubo digestivo: cmds seros ou dventíci, cmd musculr, cmd submucos e cmd mucos 4. A cmd seros ou dventíci é mis extern ds qutro cmds e recebe este nome de cordo com presenç ou usênci de um tecido epitelil de revestimento simples que circund o tecido conjuntivo frouxo que form ess cmd. A cmd musculr é formd por dus cmds de músculos lisos: mis intern, longitudinl e mis extern, circulr. A cmd submucos é compost por tecido conjuntivo frouxo. Encontr-se 26

28 Revisão Bibliográfic ness cmd, um delgd cmd musculr denomind musculris mucose 3, que é um prte importnte e tiv d brreir de mucos, possuindo mecnismos de controle de corrente entre mucos e submucos 5. A mucos (figur 2) é cmd mis especilizd e complex do trto gstrointestinl. É formd por tecido epitelil de revestimento, glânduls e pel lâmin própri. As céluls epiteliis presentes ness cmd são distints de cordo com o órgão em que estão loclizds e têm diverss funções: revestimento de vilosiddes e cripts intestinis, bsorção seletiv do mteril encontrdo n luz intestinl, secreção de produtos de mneir diferencid como muco (céluls cliciformes) e imunoglobulins, e expressão de diversos mrcdores celulres. Intrínseco o tecido epitelil, encontrm-se céluls especilizds n defes do orgnismo, como os linfócitos intrepiteliis e s céluls M 3. As céluls M funcionm como cptdors seletivs de mcromoléculs, sendo tmbém port de entrd de microrgnismos, um vez que são desprovids de glicocálix, permitindo desão de microrgnismos. Esss céluls tmbém recobrem s plcs de Peyer, que são glomerdos de nódulos linfóides n interfce entre cmd mucos e submucos 3. A lâmin própri d cmd mucos, por su vez, é ric em céluls do sistem imunológico, como mstócitos, mcrófgos, eosinófilos e plsmócitos. Os componentes d imunidde presentes nest cmd formm o tecido linfóide ssocido à mucos MALT (Mucosl - Associted Lymphoid Tissue). A grnde miori ds interções que ocorrem entre o meio mbiente intestinl e o orgnismo contece n cmd mucos 3. 27

29 Inflmm Bowel Dis Volume 17, Number 1, Jnury 2011 Intestinl Mucosl Brrier Revisão Bibliográfic FIGURE 1. Elements comprising the intestinl mucosl brrier. Severl components come together to form functionl intestinl mucosl brrier. These include the thick mucus lyer with reltively sterile unstirred lyer, while the outer lyer of the mucus Figur is where 2: commensl Mucos bcteri intestinl. form protective Diversos re. componentes The single lyer of epithelil se juntm cells interspersed pr formr with mucus um producing goblet cells, nti-microbil peptide producing Pneth cells, nd specilized luminl smpling enterocytes M-cells brreir de mucos intestinl functionl: cmd espess de muco, onde s forms the min brrier between the outside world nd the internl body proper. In the lmin propri, innte nd dptive immune bctéris cells suchcomensis s T cells, B cells, formm eosinophils, mst um cells, áre dendritic de cells, proteção; nd mcrophges, cmd comprise the mucosl de céluls immune system tht responds with ctive erdiction or tolergenic-rection towrds foreign ntigens. [Color figure cn be viewed inepiteliis the online issue, interclds which is vilblecom t wileyonlinelibrry.com.] muco, que produzem céluls cliciformes e céluls Pneth produtor de peptídeo ntimicrobino; e enterócitos luminis especilizdos, chmdos céluls M, formndo principl brreir entre o interior do corpo e o mundo exterior. N lâmin própri, céluls d imunidde int e dpttiv como céluls T, B, eosinófilos, mstócitos, céluls dendrítics e mcrófgos, compreendem o sistem imune de mucos que responde com errdicção tiv ou reção tolerigênic pr ntígenos re other elements tht brodly form the intestinl mucosl brrier: the outer mucus lyer comprised of not only the secreted mucin nd ntibcteril products, but lso the luminl microbiot; nd the inner subepithelil elements consisting of the innte nd dptive immune systems (Fig. 1). In ddition, the degrdtive properties of gstric cids, pncretic nd biliry juices, nd the intestinl propulsive motility estrnhos hve lso 6. been recognized to be importnt fctors in intestinl brrier function. It is impertive to keep in mind tht lthough these components might be presented individully, they re inextricbly linked nd cn ffect the functionl responses of ech other. Outer Mucosl Brrier Components Commensl Microbiot The commensl microbiot re essentil to humn helth. Not only does the symbiosis exist to contribute to nutrient bsorption, 8,9 it lso obstructs nd inhibits pthogen invsion, s well s ids in the development nd optiml functioning of the host immune system Commensl bcteri ssert its effects by forming resistnce to pthogen coloniztion by producing ntimicrobil substnces (such s bcteriocins), ltering luminl ph, nd directly competing ginst pthogens for nutrients. 13,14 In ddition, commensl bcteri promote ngiogenesis nd the development of the intestinl epithelium. 13 Menwhile, studies using germ-free nimls hve illustrted the importnce of commensl bcteri in the development of the gut-ssocited lymphoid tissues (GALT; reviewed previously ). The beneficil effects of the microflor hve resulted in the selection of specific species with puttive helth-promoting cpbilities for the tretment of conditions where the gut bcteri compositions were disrupted. These microorgnisms re known s probiotics, nd hve been used in the prevention nd tretment of gstrointestinl infections, IBD, nd llergic diseses. 18 Thus, this highlights tht the commensl bcteri not only exert protection ginst pthogens, but lso form sophisticted intestinl homeosttic coloniztion tht is essentil in forming functionl intestinl mucosl brrier. 9,19,20 As céluls epiteliis estão unids em su prte picl pels junções firmes (tight junction figur 3). O complexo ds junções firmes mntêm um distânci estreit entre s membrns plsmátics de dus céluls, excluindo o Mucus Lyer The fct tht there coexist s mny s 100 trillion bcteri within the humn intestine points to the influxo de ntígenos por meio de rots prcelulres. As protéins ds junções firmes incluem cludins e ocludins e estão ligds às zônuls de oclusão 363 (ZO) que são pontes pr o citoesqueleto de ctin e filmentos de miosin. A orgnizção ds proteíns ds junções firmes e d junção ctin-miosin é reguld por um complex rede de vis de sinlizção. A contrção de filmentos de ctin-miosin que brem junção prcelulr é medid pel fosforilção d cdei leve de miosin (myosin light chin MLC) vi tivção 28

30 Revisão Bibliográfic d quinse de cdei leve de miosin (myosin light chin kinse MLCK). A pssgem norml de bctéris pel cmd epitelil devido o umento d trnslocção prcelulr e lterção ds junções firmes, está ssocid diversos estdos de doenç 7. Sistem imune intestinl O sistem imune é composto de um rede complex de céluls linfoides e ftores humoris. Mesmo em estdo sudável, o sistem imune está tundo, mntendo um inflmção fisiológic (figur 3). Antígenos luminis, como comensis, ptógenos e nutrientes, são recolhidos por meio de céluls presentdors de ntígenos (APC ntigenpresenting cells) profissionis ou não profissionis. Embor s APCs não profissionis, como céluls epiteliis intestinis, possm intergir com céluls T imturs (Th0) vi receptores do complexo de histocomptibilidde principl (MHC - mjor histocomptibility complex) d clsse 2, els não produzem sinis co-estimultórios n usênci de inflmção, suprimindo indução de céluls T efetors n mucos. Céluls B de mucos se diferencim em céluls plsmátics e secretm imunoglobulin (Ig) A, que cobrem o epitélio d mucos. APCs profissionis, como céluls dendrítics, expressm grnde vriedde de receptores de reconhecimento pdrão (pttern-recognition receptors PRR) e moleculs co-estimultóris. Els controlm mbs s resposts imune int, como tivção de céluls nturl killer, e dpttiv, como o equilíbrio n diferencição de céluls Th0 em céluls efetors (Th1, Th2 e Th17) requerids pr combter orgnismos ptogênicos, e céluls T 29

Citologia das alterações leucocitárias

Citologia das alterações leucocitárias Citologi ds lterções leucocitáris Principis lterções leucocitáris recionis o Infecções bcterins e processos inflmtórios gudos: frequentemente há leucocitose com desvio à esquerd gerlmente esclondo nesss

Leia mais

a FICHA DE AVALIAÇÃO FORMATIVA 9.º ANO

a FICHA DE AVALIAÇÃO FORMATIVA 9.º ANO Cristin Antunes Mnuel Bispo Pul Guindeir FICHA DE AVALIAÇÃO FORMATIVA 9.º ANO Escol Turm N.º Dt Grupo I Documento I É um serviço de tendimento telefónico de Trigem, Aconselhmento e Encminhmento, Assistênci

Leia mais

07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE

07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE 07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE SEMENTES NA QUALIDADE FISIOLOGICA DA SEMENTE E A EFICIENCIA NO CONTROLE DE PRAGAS INICIAIS NA CULTURA DA SOJA Objetivo Este trblho tem como objetivo vlir o efeito

Leia mais

Manual de Operação e Instalação

Manual de Operação e Instalação Mnul de Operção e Instlção Clh Prshll MEDIDOR DE VAZÃO EM CANAIS ABERTOS Cód: 073AA-025-122M Rev. B Novembro / 2008 S/A. Ru João Serrno, 250 Birro do Limão São Pulo SP CEP 02551-060 Fone: (11) 3488-8999

Leia mais

Desvio do comportamento ideal com aumento da concentração de soluto

Desvio do comportamento ideal com aumento da concentração de soluto Soluções reis: tividdes Nenhum solução rel é idel Desvio do comportmento idel com umento d concentrção de soluto O termo tividde ( J ) descreve o comportmento de um solução fstd d condição idel. Descreve

Leia mais

A seqüência correta do ciclo de vida de uma angiosperma, desde o início da formação da flor, é a) gametófito gametas zigoto esporófito esporos

A seqüência correta do ciclo de vida de uma angiosperma, desde o início da formação da flor, é a) gametófito gametas zigoto esporófito esporos 21 e BIOLOGIA A btt-ingles (bttinh) é muito ric em mido. O órgão vegetl que rmzen ess substânci corresponde, e o mido é encontrdo nos, loclizdos no ds céluls. Os espços devem ser preenchidos, corret e

Leia mais

Transporte de solvente através de membranas: estado estacionário

Transporte de solvente através de membranas: estado estacionário Trnsporte de solvente trvés de membrns: estdo estcionário Estudos experimentis mostrm que o fluxo de solvente (águ) em respost pressão hidráulic, em um meio homogêneo e poroso, é nálogo o fluxo difusivo

Leia mais

WASTE TO ENERGY: UMA ALTERNATIVA VIÁVEL PARA O BRASIL? 01/10/2015 FIESP São Paulo/SP

WASTE TO ENERGY: UMA ALTERNATIVA VIÁVEL PARA O BRASIL? 01/10/2015 FIESP São Paulo/SP WASTE TO ENERGY: UMA ALTERNATIVA VIÁVEL PARA O BRASIL? 01/10/2015 FIESP São Pulo/SP PNRS E O WASTE-TO-ENERGY Definições do Artigo 3º - A nov ordenção básic dos processos Ordem de prioriddes do Artigo 9º

Leia mais

Fluxo Gênico. Desvios de Hardy-Weinberg. Estimativas de Fluxo gênico podem ser feitas através de dois tipos de métodos:

Fluxo Gênico. Desvios de Hardy-Weinberg. Estimativas de Fluxo gênico podem ser feitas através de dois tipos de métodos: Desvios de Hrdy-Weinberg cslmento preferencil Mutção Recombinção Deriv Genétic Fluo gênico Fluo Gênico O modelo de Hrdy-Weinberg consider pens um únic populção miori ds espécies tem váris populções locis

Leia mais

Semelhança e áreas 1,5

Semelhança e áreas 1,5 A UA UL LA Semelhnç e áres Introdução N Aul 17, estudmos o Teorem de Tles e semelhnç de triângulos. Nest ul, vmos tornr mis gerl o conceito de semelhnç e ver como se comportm s áres de figurs semelhntes.

Leia mais

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA #8. fonte imagem: Google Earth

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA #8. fonte imagem: Google Earth FUNCIONL ENTORNO IDENTIFICR RELÇÃO DO EDIFÍCIO COM OS ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERNDO OS TRIBUTOS DO LUGR - MSSS EDIFICDS, RELÇÕES DE PROXIMIDDE, DIÁLOGO, INTEGRÇÃO OU UTONOMI O ENTORNO D CSH #9 É COMPOSTO

Leia mais

Área de Conhecimento ARTES. Período de Execução. Matrícula. Telefone. (84) 8112-2985 / ramal: 6210

Área de Conhecimento ARTES. Período de Execução. Matrícula. Telefone. (84) 8112-2985 / ramal: 6210 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO PROGRAMA DE APOIO INSTITUCIONAL À EXTENSÃO PROJETOS DE EXTENSÃO EDITAL 01/014-PROEX/IFRN Os cmpos sombredos

Leia mais

TEMA CENTRAL: A interface do cuidado de enfermagem com as políticas de atenção ao idoso.

TEMA CENTRAL: A interface do cuidado de enfermagem com as políticas de atenção ao idoso. TERMO DE ADESÃO A POLITICA DE INSCRIÇÃO NOS EVENTOS DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENFERMAGEM 9ª. JORNADA BRASILEIRA DE ENFERMAGEM GERIÁTRICA E GERONTOLÓGICA TEMA CENTRAL: A interfce do cuiddo de enfermgem

Leia mais

Professores Edu Vicente e Marcos José Colégio Pedro II Departamento de Matemática Potências e Radicais

Professores Edu Vicente e Marcos José Colégio Pedro II Departamento de Matemática Potências e Radicais POTÊNCIAS A potênci de epoente n ( n nturl mior que ) do número, representd por n, é o produto de n ftores iguis. n =...... ( n ftores) é chmdo de bse n é chmdo de epoente Eemplos =... = 8 =... = PROPRIEDADES

Leia mais

Vívian Paulino Figueiredo

Vívian Paulino Figueiredo Vívin Pulino Figueiredo A INFECÇÃO EXPERIMENTAL PELO Trypnosom cruzi AGRAVA O DESENVOLVIMENTO DE LESÕES ATEROSCLERÓTICAS EM CAMUNDONGOS APOE -/- Ouro Preto Mrço de 2012 UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO

Leia mais

Acoplamento. Tipos de acoplamento. Acoplamento por dados. Acoplamento por imagem. Exemplo. É o grau de dependência entre dois módulos.

Acoplamento. Tipos de acoplamento. Acoplamento por dados. Acoplamento por imagem. Exemplo. É o grau de dependência entre dois módulos. Acoplmento É o gru de dependênci entre dois módulos. Objetivo: minimizr o coplmento grndes sistems devem ser segmentdos em módulos simples A qulidde do projeto será vlid pelo gru de modulrizção do sistem.

Leia mais

Rolamentos com uma fileira de esferas de contato oblíquo

Rolamentos com uma fileira de esferas de contato oblíquo Rolmentos com um fileir de esfers de contto oblíquo Rolmentos com um fileir de esfers de contto oblíquo 232 Definições e ptidões 232 Séries 233 Vrintes 233 Tolerâncis e jogos 234 Elementos de cálculo 236

Leia mais

Semana Epidemiológica de Início de Sintomas

Semana Epidemiológica de Início de Sintomas Boletim Epidemiológico Volume 46 N 3-2015 Secretri de Vigilânci em Súde Ministério d Súde ISSN 2358-9450 Monitormento dos csos de dengue e febre de chikunguny té Semn Epidemiológic (SE) 53 de 2014 Dengue

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA. Sarah Freygang Mendes Pilati

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA. Sarah Freygang Mendes Pilati UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA Srh Freygng Mendes Pilti ESTUDO DE CARACTERÍSTICAS CLÍNICAS E HISTOPATOLÓGICAS DA QUEILITE ACTÍNICA E CARCINOMA EPIDERMÓIDE

Leia mais

EQUAÇÕES INTENSIDADE / DURAÇÃO / PERÍODO DE RETORNO PARA ALTO GARÇAS (MT) - CAMPO ALEGRE DE GOIÁS (GO) E MORRINHOS (GO)

EQUAÇÕES INTENSIDADE / DURAÇÃO / PERÍODO DE RETORNO PARA ALTO GARÇAS (MT) - CAMPO ALEGRE DE GOIÁS (GO) E MORRINHOS (GO) ABES - Associção Brsileir de Engenhri Snitári e Ambientl V - 002 EQUAÇÕES INTENSIDADE / DURAÇÃO / PERÍODO DE RETORNO PARA ALTO GARÇAS (MT) - CAMPO ALEGRE DE GOIÁS (GO) E MORRINHOS (GO) Alfredo Ribeiro

Leia mais

Profa. Susana M.I. Saad Faculdade de Ciências Farmacêuticas Universidade de São Paulo

Profa. Susana M.I. Saad Faculdade de Ciências Farmacêuticas Universidade de São Paulo XIV Congresso Brasileiro de Nutrologia Simpósio ILSI Brasil Probióticos e Saúde Profa. Dra. Susana Marta Isay Saad Departamento de Tecnologia Bioquímico-Farmacêutica USP e-mail susaad@usp.br Alimentos

Leia mais

Colchões mais seguros

Colchões mais seguros Colchões mis seguros Eficáci comprovd n prevenção e terpi de úlcers por pressão Úlcers por pressão um grve risco à súde Apesr de todos os vnços d medicin, s úlcers por pressão (tmbém denominds escrs de

Leia mais

b 2 = 1: (resp. R2 e ab) 8.1B Calcule a área da região delimitada pelo eixo x, pelas retas x = B; B > 0; e pelo grá co da função y = x 2 exp

b 2 = 1: (resp. R2 e ab) 8.1B Calcule a área da região delimitada pelo eixo x, pelas retas x = B; B > 0; e pelo grá co da função y = x 2 exp 8.1 Áres Plns Suponh que cert região D do plno xy sej delimitd pelo eixo x, pels rets x = e x = b e pelo grá co de um função contínu e não negtiv y = f (x) ; x b, como mostr gur 8.1. A áre d região D é

Leia mais

Cartilha Explicativa. Segurança para quem você ama.

Cartilha Explicativa. Segurança para quem você ama. Crtilh Explictiv Segurnç pr quem você m. Bem-vindo, novo prticipnte! É com stisfção que recebemos su desão o Fmíli Previdênci, plno desenhdo pr oferecer um complementção de posentdori num modelo moderno

Leia mais

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se . Logritmos Inicilmente vmos trtr dos ritmos, um ferrment crid pr uilir no desenvolvimento de cálculos e que o longo do tempo mostrou-se um modelo dequdo pr vários fenômenos ns ciêncis em gerl. Os ritmos

Leia mais

Liberdade de expressão na mídia: seus prós e contras

Liberdade de expressão na mídia: seus prós e contras Universidde Estdul de Cmpins Fernnd Resende Serrdourd RA: 093739 Disciplin: CS101- Métodos e Técnics de Pesquis Professor: Armndo Vlente Propost de Projeto de Pesquis Liberdde de expressão n mídi: seus

Leia mais

Faculdade de saúde Pública. Universidade de São Paulo HEP-5705. Epidemiologia I. Estimando Risco e Associação

Faculdade de saúde Pública. Universidade de São Paulo HEP-5705. Epidemiologia I. Estimando Risco e Associação 1 Fuldde de súde Públi Universidde de São Pulo HEP-5705 Epidemiologi I Estimndo Riso e Assoição 1. De 2.872 indivíduos que reeberm rdioterpi n infâni em deorrêni de presentrem o timo umentdo, 24 desenvolverm

Leia mais

PARTICIPAÇÃO E HOMEOSTASE DO FERRO NO DIABETES TIPO 1 EM MODELOS ANIMAIS

PARTICIPAÇÃO E HOMEOSTASE DO FERRO NO DIABETES TIPO 1 EM MODELOS ANIMAIS UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO NÚCLEO DE PESQUISAS EM BIOLOGIA LABORATÓRIO DE BIOQUÍMICA METABÓLICA PARTICIPAÇÃO E HOMEOSTASE DO FERRO NO DIABETES TIPO 1 EM MODELOS ANIMAIS Autor: Mís Silv Orientdor:

Leia mais

CRUZAMENTO Indivíduo 12 Indivíduo 18 aa X Aa

CRUZAMENTO Indivíduo 12 Indivíduo 18 aa X Aa BIO 3E ul 07 07.01. Pr determinr se um crcterístic genétic é dominnte ou recessiv trvés d interpretção de um genelogi, deve-se procurr um cruzmento entre indivíduos normis que tenh, pelo menos, um descendente

Leia mais

DETERMINAÇÃO DE Cl, K E Na EM SORO SANGUÍNEO DE IDOSOS SAUDÁVEIS DA CIDADE DE SÃO PAULO

DETERMINAÇÃO DE Cl, K E Na EM SORO SANGUÍNEO DE IDOSOS SAUDÁVEIS DA CIDADE DE SÃO PAULO 2009 Interntionl Nucler Atlntic Conference - INAC 2009 Rio de Jneiro,RJ, Brzil, September27 to October 2, 2009 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENERGIA NUCLEAR - ABEN ISBN: 978-85-99141-03-8 DETERMINAÇÃO DE Cl,

Leia mais

Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho. Faculdade de Ciências Farmacêuticas

Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho. Faculdade de Ciências Farmacêuticas Universidde Estdul Pulist Júlio de Mesquit Filho Fculdde de Ciêncis Frmcêutics Progrm de Pós Grdução em Alimentos e Nutrição Ciêncis Nutricionis Gisele Mssfer Efeito protetor do suco de lrnj vermelh e

Leia mais

Processo Seletivo 2013-2 - Inglês. Para a primeira questão, os critérios de correção foram definidos como seguem, abaixo:

Processo Seletivo 2013-2 - Inglês. Para a primeira questão, os critérios de correção foram definidos como seguem, abaixo: 1) Gabarito oficial definitivo - Questão 1 Para a primeira questão, os critérios de correção foram definidos como seguem, abaixo: Quando o candidato redigiu: (Because) gut microbe may fight obesity and

Leia mais

Serviços de Acção Social da Universidade de Coimbra

Serviços de Acção Social da Universidade de Coimbra Serviços de Acção Socil d Universidde de Coimbr Serviço de Pessol e Recursos Humnos O que é o bono de fmíli pr crinçs e jovens? É um poio em dinheiro, pgo menslmente, pr judr s fmílis no sustento e n educção

Leia mais

CITOCINAS/INTERLEUCINAS. Universidade Estadual Paulsita Imunologia Veterinária Prof. Helio Montassier Andréa Maria C. Calado

CITOCINAS/INTERLEUCINAS. Universidade Estadual Paulsita Imunologia Veterinária Prof. Helio Montassier Andréa Maria C. Calado CITOCINAS/INTERLEUCINAS Universidade Estadual Paulsita Imunologia Veterinária Prof. Helio Montassier Andréa Maria C. Calado Introdução Respostas imunes: interações entre as diferentes populações celulares.

Leia mais

São possíveis ladrilhamentos com um único molde na forma de qualquer quadrilátero, de alguns tipos de pentágonos irregulares, etc.

São possíveis ladrilhamentos com um único molde na forma de qualquer quadrilátero, de alguns tipos de pentágonos irregulares, etc. LADRILHAMENTOS Elvi Mureb Sllum Mtemtec-IME-USP A rte do ldrilhmento consiste no preenchimento do plno, por moldes, sem superposição ou burcos. El existe desde que o homem começou usr pedrs pr cobrir o

Leia mais

Técnica das Construções Edmundo Rodrigues 9

Técnica das Construções Edmundo Rodrigues 9 Técnic ds Construções Edmundo Rodrigues 9 2.4. Elborção dos projetos construtivos Os projetos que devem ser elbordos de modo definir todos os procedimentos construtivos clssificm-se como: projeto de rquitetur;

Leia mais

Operadores momento e energia e o Princípio da Incerteza

Operadores momento e energia e o Princípio da Incerteza Operdores momento e energi e o Princípio d Incertez A U L A 5 Mets d ul Definir os operdores quânticos do momento liner e d energi e enuncir o Princípio d Incertez de Heisenberg. objetivos clculr grndezs

Leia mais

Vo t a ç ão TEXTO DO CONGRESSO. PROPOSTA DO GOVERNO / Partidos da Base PROPOSTAS DAS BANCADAS DE OPOSIÇÃO E / OU ATEMPA / SIMPA

Vo t a ç ão TEXTO DO CONGRESSO. PROPOSTA DO GOVERNO / Partidos da Base PROPOSTAS DAS BANCADAS DE OPOSIÇÃO E / OU ATEMPA / SIMPA PROPOSTA DO GOVERNO / Prtidos d Bse PROPOSTAS DAS BANCADAS DE OPOSIÇÃO do Governo (Mensgem Retifictiv) E / OU ATEMPA / SIMPA Vo t ç ão TEXTO DO CONGRESSO Diverss estrtégis pr tingir s mets Emend 1- exclui

Leia mais

1 As grandezas A, B e C são tais que A é diretamente proporcional a B e inversamente proporcional a C.

1 As grandezas A, B e C são tais que A é diretamente proporcional a B e inversamente proporcional a C. As grndezs A, B e C são tis que A é diretmente proporcionl B e inversmente proporcionl C. Qundo B = 00 e C = 4 tem-se A = 5. Qul será o vlor de A qundo tivermos B = 0 e C = 5? B AC Temos, pelo enuncido,

Leia mais

A.M. Cordeiro 1, P.C.S. Martins 2, A. Ramos 3, P. Sequeira 1

A.M. Cordeiro 1, P.C.S. Martins 2, A. Ramos 3, P. Sequeira 1 CARACTERIZAÇÃO DO VINGAMENTO DA AZEITONA EM CULTIVARES DE OLIVEIRA EM AUTOPOLINIZAÇÃO CHARACTERIZATION OF OLIVE CULTIVARS FRUIT SET IN SELF-POLLINATION A.M. Cordeiro 1, P.C.S. Mrtins 2, A. Rmos 3, P. Sequeir

Leia mais

Processo TIG. Eletrodo (negativo) Argônio. Arco elétrico Ar Ar + + e - Terra (positivo)

Processo TIG. Eletrodo (negativo) Argônio. Arco elétrico Ar Ar + + e - Terra (positivo) Processo TIG No processo de soldgem rco sob proteção gsos, região se unir é quecid té que se tinj o ponto de fusão, pr que isto ocorr, é fornecid um energi trvés do rco elétrico, que irá fundir tnto o

Leia mais

PROVA DE MATEMÁTICA DA UNESP VESTIBULAR 2012 1 a Fase RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia Gouveia.

PROVA DE MATEMÁTICA DA UNESP VESTIBULAR 2012 1 a Fase RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia Gouveia. PROVA DE MATEMÁTICA DA UNESP VESTIBULAR 01 1 Fse Prof. Mri Antôni Gouvei. QUESTÃO 83. Em 010, o Instituto Brsileiro de Geogrfi e Esttístic (IBGE) relizou o último censo populcionl brsileiro, que mostrou

Leia mais

6.1 Recursos de Curto Prazo ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO. Capital de giro. Capital circulante. Recursos aplicados em ativos circulantes (ativos

6.1 Recursos de Curto Prazo ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO. Capital de giro. Capital circulante. Recursos aplicados em ativos circulantes (ativos ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO 6.1 Recursos de curto przo 6.2 Administrção de disponibiliddes 6.3 Administrção de estoques 6.4 Administrção de conts 6.1 Recursos de Curto Przo Administrção Finnceir e

Leia mais

Análise de Variância com Dois Factores

Análise de Variância com Dois Factores Análise de Vriânci com Dois Fctores Modelo sem intercção Eemplo Neste eemplo, o testrmos hipótese de s três lojs terem volumes médios de vends iguis, estmos testr se o fctor Loj tem influênci no volume

Leia mais

Graduandos do Curso de Química, UFG. Orientador, docente do Curso de Química, UFG

Graduandos do Curso de Química, UFG. Orientador, docente do Curso de Química, UFG PREPARAÇÃO E ESTUDO DE CONDUTIVIDADE DE HEXAAZOMACROCÍCLICOS DE COBALTO (II) COM LIGANTES AROMÁTICOS Robson Ros d Silv 1 ; Letíci Oliveir Alves 1 ; Dnielle Cngussu De Cstro Gomes 1 1 Grdundos do Curso

Leia mais

Curso de Especialização Virtual em NUTRIÇÃO ESPORTIVA. Primeiro Semestre de 2011. Disciplina: Nutrição e qualidade de vida

Curso de Especialização Virtual em NUTRIÇÃO ESPORTIVA. Primeiro Semestre de 2011. Disciplina: Nutrição e qualidade de vida Curso de Especilizção Virtul em Cronogrm ds uls virtuis e ds vlições presenciis Turms Período d disciplin 02/02/11 visulizção ds videouls 02/02/11 15/12/11 09/02/11 09/02/11 22/02/11 Período d disciplin

Leia mais

Característica de Regulação do Gerador de Corrente Contínua com Excitação em Derivação

Característica de Regulação do Gerador de Corrente Contínua com Excitação em Derivação Experiênci I Crcterístic de egulção do Gerdor de Corrente Contínu com Excitção em Derivção 1. Introdução Neste ensio máquin de corrente contínu ANEL trblhrá como gerdor utoexcitdo, não sendo mis necessári

Leia mais

COLÉGIO NAVAL 2016 (1º dia)

COLÉGIO NAVAL 2016 (1º dia) COLÉGIO NAVAL 016 (1º di) MATEMÁTICA PROVA AMARELA Nº 01 PROVA ROSA Nº 0 ( 5 40) 01) Sej S som dos vlores inteiros que stisfzem inequção 10 1 0. Sendo ssim, pode-se firmr que + ) S é um número divisíel

Leia mais

GEO046 Geofísica. Fenômeno observado. Polarização elétrica induzida. Polarização de eletrodo

GEO046 Geofísica. Fenômeno observado. Polarização elétrica induzida. Polarização de eletrodo GEO046 Geoísic Aul n o 09 MÉTODOS ELÉTRICOS Polrizção induzid e potencil espontâneo enômeno observdo Após interrupção de um corrente elétric contínu, observse que o potencil elétrico não deci instntnemente

Leia mais

INFLUÊNCIA DO CLIMA (EL NIÑO E LA NIÑA) NO MANEJO DE DOENÇAS NA CULTURA DO ARROZ

INFLUÊNCIA DO CLIMA (EL NIÑO E LA NIÑA) NO MANEJO DE DOENÇAS NA CULTURA DO ARROZ INFLUÊNCIA DO CLIMA (EL NIÑO E LA NIÑA) NO MANEJO DE DOENÇAS NA CULTURA DO ARROZ Ricrdo S. Blrdin Mrcelo G. Mdlosso Mônic P. Debortoli Giuvn Lenz. Dep. Defes Fitossnitári - UFSM; Instituto Phytus. Em nos

Leia mais

AVALIAÇÃO ZOOTÉCNICA E ECONÔMICA DE SUBPRODUTOS ANIMAIS EM DIETAS PARA O CAMARÃO BRANCO, Litopenaeus vannamei

AVALIAÇÃO ZOOTÉCNICA E ECONÔMICA DE SUBPRODUTOS ANIMAIS EM DIETAS PARA O CAMARÃO BRANCO, Litopenaeus vannamei AVALIAÇÃO ZOOTÉCNICA E ECONÔMICA DE SUBPRODUTOS ANIMAIS EM DIETAS PARA O CAMARÃO BRANCO, Litopeneus vnnmei Alberto J. P. Nunes, Ph.D. 1 * Pedro Henrique Gomes dos Sntos 1 Silvi Pstore, M.Sc. 2 1 LABOMAR

Leia mais

TÍTULO: Métodos de Avaliação e Identificação de Riscos nos Locais de Trabalho. AUTORIA: Ricardo Pedro

TÍTULO: Métodos de Avaliação e Identificação de Riscos nos Locais de Trabalho. AUTORIA: Ricardo Pedro TÍTULO: Métodos de Avlição e Identificção de Riscos nos Locis de Trblho AUTORIA: Ricrdo Pedro PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 167 (Novembro/Dezembro de 2006) 1. Enqudrmento legl A vlição e identificção de

Leia mais

A ÁGUA COMO TEMA GERADOR PARA O ENSINO DE QUÍMICA

A ÁGUA COMO TEMA GERADOR PARA O ENSINO DE QUÍMICA A ÁGUA COMO TEMA GERADOR PARA O ENSINO DE QUÍMICA AUTORES: AMARAL, An Pul Mgno; NETO, Antônio d Luz Cost. E-MAIL: mgno_n@yhoo.com.br; ntonioluzneto@gmil.com INTRODUÇÃO Sendo um desfio ensinr químic pr

Leia mais

Efeitos do ultrassom de alta potência no tratamento da lipodistrofia localizada: Relato de caso

Efeitos do ultrassom de alta potência no tratamento da lipodistrofia localizada: Relato de caso Relto de Cso Efeitos do ultrssom de lt potênci no trtmento d lipodistrofi loclizd: Relto de cso Effects of high power ultrsound in the tretment of loclized lipodystrophy: Cse report Lriss Cristine d Silv

Leia mais

ESTADO DO MARANHÃO MINISTÉRIO PÚBLICO PROCURADORIA GERAL DE JUSTIÇA a CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE MEIO AMBIENTE, URBANISMO E PATRIMÔNIO CULTURAL

ESTADO DO MARANHÃO MINISTÉRIO PÚBLICO PROCURADORIA GERAL DE JUSTIÇA a CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE MEIO AMBIENTE, URBANISMO E PATRIMÔNIO CULTURAL 1 N O T A T É C N I C A N º. 0 0 3 / 2 0 0 7 Análise ds demnds identificds ns udiêncis públics do Plnejmento Estrtégico. Construção de plnejmento. 1 JUSTIFICATIVA Após relizção de seis udiêncis públics

Leia mais

RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DA FASE 1 DO VESTIBULAR DA UFBA/UFRB-2007 POR PROFA. MARIA ANTÔNIA CONCEIÇÃO GOUVEIA

RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DA FASE 1 DO VESTIBULAR DA UFBA/UFRB-2007 POR PROFA. MARIA ANTÔNIA CONCEIÇÃO GOUVEIA RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DA FASE DO VESTIBULAR DA UFBA/UFRB-7 POR PROFA. MARIA ANTÔNIA CONCEIÇÃO GOUVEIA Questão Sore números reis, é correto firmr: () Se é o mior número de três lgrismos divisível

Leia mais

DOENÇA INFLAMATÓRIA INTESTINAL. Profª. Thais de A. Almeida Aula 21/05/13

DOENÇA INFLAMATÓRIA INTESTINAL. Profª. Thais de A. Almeida Aula 21/05/13 DOENÇA INFLAMATÓRIA INTESTINAL Profª. Thais de A. Almeida Aula 21/05/13 Doença Inflamatória Intestinal Acometimento inflamatório crônico do TGI. Mulheres > homens. Pacientes jovens (± 20 anos). Doença

Leia mais

04.01. O alto grau de exigência nos testes feitos em organismos transgênicos minimizam ao máximo os riscos para a saúde e para o ambiente.

04.01. O alto grau de exigência nos testes feitos em organismos transgênicos minimizam ao máximo os riscos para a saúde e para o ambiente. BIO 2E ul 04 04.01. O lto gru de exigênci nos testes feitos em orgnismos trnsgênicos minimizm o máximo os riscos pr súde e pr o mbiente. 04.02. Como o código genético é universl, é possível fzer trnsferênci

Leia mais

Gabarito - Matemática Grupo G

Gabarito - Matemática Grupo G 1 QUESTÃO: (1,0 ponto) Avlidor Revisor Um resturnte cobr, no lmoço, té s 16 h, o preço fixo de R$ 1,00 por pesso. Após s 16h, esse vlor ci pr R$ 1,00. Em determindo di, 0 pessos lmoçrm no resturnte, sendo

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE FERREIRA DO ZÊZERE

CÂMARA MUNICIPAL DE FERREIRA DO ZÊZERE CAPITULO I VENDA DE LOTES DE TERRENO PARA FINS INDUSTRIAIS ARTIGO l. A lienção, trvés de vend, reliz-se por negocição direct com os concorrentes sendo o preço d vend fixo, por metro qudrdo, pr um ou mis

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Comissão Permanente de Concurso Público CONCURSO PÚBLICO 23 / MAIO / 2010

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Comissão Permanente de Concurso Público CONCURSO PÚBLICO 23 / MAIO / 2010 Ministério d Educção Universidde Tecnológic Federl do Prná Comissão Permnente de Concurso Público PR CONCURSO PÚBLICO 23 / MAIO / 2010 ÁREA / SUBÁREA: ELETROTÉCNICA GABARITO PROJETOS ELÉTRICOS INSTRUÇÕES

Leia mais

REGULAÇÃO E GESTÃO COMPETITIVA NO SETOR ELÉTRICO: UM EQUILÍBRIO DINÂMICO. Prof. Carlos Raul Borenstein, Dr. UFSC

REGULAÇÃO E GESTÃO COMPETITIVA NO SETOR ELÉTRICO: UM EQUILÍBRIO DINÂMICO. Prof. Carlos Raul Borenstein, Dr. UFSC GAE/ 04 17 à 22 de outubro de 1999 Foz do Iguçu Prná - Brsil GRUPO VI GRUPO DE ASPECTOS EMPRESARIAIS (GAE) REGULAÇÃO E GESTÃO COMPETITIVA NO SETOR ELÉTRICO: UM EQUILÍBRIO DINÂMICO Prof. Crlos Rul Borenstein,

Leia mais

Microbiologia e Imunologia Clínica

Microbiologia e Imunologia Clínica Estudo dos mecanismos naturais de defesa contra doenças. Microbiologia e Imunologia Clínica Estudo do sistema imune do corpo e suas funções e alterações. Profa. Ms. Renata Fontes Fundamentos da Imunologia

Leia mais

Capítulo 1 Introdução à Física

Capítulo 1 Introdução à Física Vetor Pré Vestiulr Comunitário Físic 1 Cpítulo 1 Introdução à Físic Antes de começrem com os conceitos práticos d Físic, é imprescindível pr os lunos de Pré-Vestiulr estrem certificdos de que dominm os

Leia mais

PROJETO DE CONSTRUÇÃO DE FOSSA BIODISGESTORA

PROJETO DE CONSTRUÇÃO DE FOSSA BIODISGESTORA PROJETO DE CONSTRUÇÃO DE FOSSA BIODISGESTORA Acdêmicos: Adenilton Sntos Moreir 123 RESUMO Este rtigo present um projeto de foss biodigestor, que será executdo pelo utor do mesmo, su principl finlidde é

Leia mais

Função de onda e Equação de Schrödinger

Função de onda e Equação de Schrödinger Função de ond e Equção de Schrödinger A U L A 4 Met d ul Introduzir função de ond e Equção de Schrödinger. objetivos interpretr fisicmente função de ond; obter informção sobre um sistem microscópico, prtir

Leia mais

COMPOSIÇÃO E OCORRÊNCIA DE PRAGAS EM SEIS VARIEDADES DE FEIJOEIRO COMUM E REFLEXOS NA PRODUTIVIDADE

COMPOSIÇÃO E OCORRÊNCIA DE PRAGAS EM SEIS VARIEDADES DE FEIJOEIRO COMUM E REFLEXOS NA PRODUTIVIDADE COMPOSIÇÃO E OCORRÊNCIA DE PRAGAS EM SEIS VARIEDADES DE FEIJOEIRO COMUM E REFLEXOS NA PRODUTIVIDADE Bruno Henrique Srdinh de Souz 1, Alcebídes Ribeiro Cmpos 2 1 Biólogo, emil: souzbhs@gmil.com, 2 Docente

Leia mais

Considerando a necessidade de contínua atualização do Programa de Controle da Poluição do Ar por Veículos Automotores - PROCONVE;

Considerando a necessidade de contínua atualização do Programa de Controle da Poluição do Ar por Veículos Automotores - PROCONVE; http://www.mm.gov.br/port/conm/res/res97/res22697.html Pge 1 of 5 Resoluções RESOLUÇÃO Nº 226, DE 20 DE AGOSTO DE 1997 O Conselho Ncionl do Meio Ambiente - CONAMA, no uso ds tribuições que lhe são conferids

Leia mais

GEORREFERENCIAMENTO DOS PONTOS DE OCUPAÇÃO URBANA DESORDENADA AO LONGO DO LITORAL SUL DE PERNAMBUCO-BRASIL

GEORREFERENCIAMENTO DOS PONTOS DE OCUPAÇÃO URBANA DESORDENADA AO LONGO DO LITORAL SUL DE PERNAMBUCO-BRASIL II Congresso sobre Plnejmento e Gestão ds Zons Costeirs dos Píses de Expressão Portugues IX Congresso d Associção Brsileir de Estudos do Quternário II Congresso do Quternário dos Píses de Língu Ibérics

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA Pró-Reitoria Acadêmica Setor de Pesquisa

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA Pró-Reitoria Acadêmica Setor de Pesquisa FORMULÁRIO PARA INSCRIÇÃO DE PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA. Coordenção/Colegido o(s) qul(is) será vinculdo: Engenhris Curso (s) : Engenhris Nome do projeto: MtLb Aplicdo n Resolução de Sistems Lineres.

Leia mais

Capítulo 9. Lesões inflamatórias do colo uterino

Capítulo 9. Lesões inflamatórias do colo uterino Cpítulo 9 Lesões inflmtóris do colo uterino As lesões inflmtóris d mucos cervicl e vginl estão ssocids corrimento brnco, cinz ou mrelo-esverdedo excessivo, fétido ou inodoro, com ou sem formção de espum,

Leia mais

Gestão do solo em SOUTOS para optimização da produtividade e da sustentabilidade

Gestão do solo em SOUTOS para optimização da produtividade e da sustentabilidade I XORNADAS INTERNACIONAIS SOBRE O CASTIÑEIRO Consellerí do Medio Rurl. Xunt de Glici Ourense, 22-24 Mio 2008 Gestão do solo em SOUTOS pr optimizção d produtividde e d sustentbilidde Afonso Mrtins UTAD

Leia mais

Matemática Aplicada. A Mostre que a combinação dos movimentos N e S, em qualquer ordem, é nula, isto é,

Matemática Aplicada. A Mostre que a combinação dos movimentos N e S, em qualquer ordem, é nula, isto é, Mtemátic Aplicd Considere, no espço crtesino idimensionl, os movimentos unitários N, S, L e O definidos seguir, onde (, ) R é um ponto qulquer: N(, ) (, ) S(, ) (, ) L(, ) (, ) O(, ) (, ) Considere ind

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PROJETOS DE INCLUSÃO PRODUTIVA

TERMO DE REFERÊNCIA PROJETOS DE INCLUSÃO PRODUTIVA TERMO DE REFERÊNCIA PROJETOS DE INCLUSÃO PRODUTIVA 1 - Ddos do Proponente 1.1- Nome d Entidde 1.2- CNPJ 1.3- Número de Sócios 1.4- Dt d Fundção 1.5- Endereço 20/09/2011 1.6- Município 1.7- CEP 1.8- U F

Leia mais

TRANSPLANTE DE FÍGADO NO PROGRAMA DE TRATAMENTO FORA DE DOMICÍLIO NO ESTADO DE SERGIPE EM 2008. ANÁLISE DE DADOS CLÍNICOS E CUSTO

TRANSPLANTE DE FÍGADO NO PROGRAMA DE TRATAMENTO FORA DE DOMICÍLIO NO ESTADO DE SERGIPE EM 2008. ANÁLISE DE DADOS CLÍNICOS E CUSTO 1291 TRANSPLANTE DE FÍGADO NO PROGRAMA DE TRATAMENTO FORA DE DOMICÍLIO NO ESTADO DE SERGIPE EM 2008. ANÁLISE DE DADOS CLÍNICOS E CUSTO Liver trnsplnttion in the out of home tretment progrm in the stte

Leia mais

1º semestre de Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 Profa Olga (1º sem de 2015) Função Exponencial

1º semestre de Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 Profa Olga (1º sem de 2015) Função Exponencial º semestre de Engenhri Civil/Mecânic Cálculo Prof Olg (º sem de 05) Função Eponencil Definição: É tod função f: R R d form =, com R >0 e. Eemplos: = ; = ( ) ; = 3 ; = e Gráfico: ) Construir o gráfico d

Leia mais

II NÚMERO DE VAGAS: As vagas serão oferecidas em cada disciplina optativa de acordo com a disponibilidade institucional do Programa.

II NÚMERO DE VAGAS: As vagas serão oferecidas em cada disciplina optativa de acordo com a disponibilidade institucional do Programa. Av. Fernndo Ferrri, 514 Vitóri ES CEP: 29.075-910 Cmpus de Goibeirs Tel/Fx: +55 (27) 4009-7657 E-mil: ppghis.ufes@hotmil.com http://www.histori.ufes.br/ppghis EDITAL DE SELEÇÃO DE CANDIDATOS A ALUNO ESPECIAL

Leia mais

1. VARIÁVEL ALEATÓRIA 2. DISTRIBUIÇÃO DE PROBABILIDADE

1. VARIÁVEL ALEATÓRIA 2. DISTRIBUIÇÃO DE PROBABILIDADE Vriáveis Aletóris 1. VARIÁVEL ALEATÓRIA Suponhmos um espço mostrl S e que cd ponto mostrl sej triuído um número. Fic, então, definid um função chmd vriável letóri 1, com vlores x i2. Assim, se o espço

Leia mais

Epidemiológico. Boletim. Monitoramento dos casos de dengue e febre de chikungunya até a Semana Epidemiológica 15, 2015

Epidemiológico. Boletim. Monitoramento dos casos de dengue e febre de chikungunya até a Semana Epidemiológica 15, 2015 Boletim Epidemiológico Volume 46 N 14-2015 Secretri de Vigilânci em Súde Ministério d Súde ISSN 2358-9450 Monitormento dos csos de dengue e fere de chikunguny té Semn Epidemiológic 15, 2015 Dengue Em 2015,

Leia mais

NEURO-BEHÇET Características Imagiológicas

NEURO-BEHÇET Características Imagiológicas NEURORRADIOLOGIA Act Med Port 2006; 19: 494-498 NEURO-BEHÇET Crcterístics Imgiológics CRISTINA RAMOS, GORETI SÁ, VÍTOR TEDIM CRUZ, ALEXANDRA LOPES, JOÃO XAVIER, ROMEU CRUZ Serviço de Neurorrdiologi. Hospitl

Leia mais

Analisadores Sintáticos. Análise Recursiva com Retrocesso. Análise Recursiva Preditiva. Análise Recursiva Preditiva 05/04/2010

Analisadores Sintáticos. Análise Recursiva com Retrocesso. Análise Recursiva Preditiva. Análise Recursiva Preditiva 05/04/2010 Anlisdores intáticos Análise Descendente (Top-down) Anlisdores sintáticos descendentes: Recursivo com retrocesso (bcktrcking) Recursivo preditivo Tbulr preditivo Análise Redutiv (Bottom-up) Anlisdores

Leia mais

Apostila De Matemática GEOMETRIA: REVISÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL, PRISMAS E PIRÂMIDES

Apostila De Matemática GEOMETRIA: REVISÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL, PRISMAS E PIRÂMIDES posti De Mtemátic GEOMETRI: REVISÃO DO ENSINO FUNDMENTL, PRISMS E PIRÂMIDES posti de Mtemátic (por Sérgio Le Jr.) GEOMETRI 1. REVISÃO DO ENSINO FUNDMENTL 1. 1. Reções métrics de um triânguo retânguo. Pr

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO DE ESTUDO DE ANÁLISE E TÉCNICAS DE SISTEMAS DE POTÊNCIA CA E CC - GAT

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO DE ESTUDO DE ANÁLISE E TÉCNICAS DE SISTEMAS DE POTÊNCIA CA E CC - GAT XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GAT. 5 Novemro de 9 Recife - PE GRUPO IV GRUPO DE ESTUDO DE ANÁLISE E TÉCNICAS DE SISTEMAS DE POTÊNCIA CA E CC - GAT PROJETO E

Leia mais

Licenciatura em Engenharia Electrónica

Licenciatura em Engenharia Electrónica Licencitur em Engenhri Electrónic Circuitos Electrónicos Básicos Lbortório Montgens mplificdors de fonte comum, port comum e dreno comum IST2012 Objectivos Com este trblho pretendese que os lunos observem

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO LAMINADOS

BOLETIM TÉCNICO LAMINADOS A BOLETIM TÉCNICO LAMINADOS Últim tulizção Mio/2011 VERSÃO MAIO/2011 ACABAMENTOS NATURAL: O cbmento pdrão d chp possui bi reflectânci e pode presentr vrições de brilho. BRILHANTE: Esse tipo de cbmento

Leia mais

Representação de Transformadores Defasadores no Problema de Fluxo de Potência

Representação de Transformadores Defasadores no Problema de Fluxo de Potência 1 Representção de Trnsformdores Defsdores no Problem de Fluxo de Potênci J. A. Pssos Filho, Member, IEEE, R. M. Henriques, Member, IEEE e F. R. M. Alves, Member, IEEE Abstrct--O principl objeo deste é

Leia mais

EFEITO DE DIFERENTES SISTEMAS DE CULTIVO DA PALMA NA BIOMASSA MICROBIANA DO SOLO

EFEITO DE DIFERENTES SISTEMAS DE CULTIVO DA PALMA NA BIOMASSA MICROBIANA DO SOLO EFEITO DE DIFERENTES SISTEMAS DE CULTIVO DA PALMA NA BIOMASSA MICROBIANA DO SOLO Teti, L.M.E.H. (1) ; Sntos, V.M. (1) ; Escor, I.E.C. (1) ; Mi, L.C. (1) lyssndr_teti@hotmil.com (1) Lortório de Micorrizs,

Leia mais

Algoritmos de Busca de Palavras em Texto

Algoritmos de Busca de Palavras em Texto Revisdo 08Nov12 A busc de pdrões dentro de um conjunto de informções tem um grnde plicção em computção. São muits s vrições deste problem, desde procurr determinds plvrs ou sentençs em um texto té procurr

Leia mais

1.1) Dividindo segmentos em partes iguais com mediatrizes sucessivas.

1.1) Dividindo segmentos em partes iguais com mediatrizes sucessivas. COLÉGIO PEDRO II U. E. ENGENHO NOVO II Divisão Gráfi de segmentos e Determinção gráfi de epressões lgéris (qurt e tereir proporionl e médi geométri). Prof. Sory Izr Coord. Prof. Jorge Mrelo TURM: luno:

Leia mais

Carta Convite para Seleção de Preceptores. Desenvolvimento de Competência Pedagógica para a prática da Preceptoria na Residência Médica

Carta Convite para Seleção de Preceptores. Desenvolvimento de Competência Pedagógica para a prática da Preceptoria na Residência Médica ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO MÉDICA (ABEM) Av. Brsil, 4036 sls 1006/1008 21040-361 Rio de Jneiro-RJ Tel.: (21) 2260.6161 ou 2573.0431 Fx: (21) 2260.6662 e-mil: rozne@bem-educmed.org.br Home-pge: www.bem-educmed.org.br

Leia mais

1 Fórmulas de Newton-Cotes

1 Fórmulas de Newton-Cotes As nots de ul que se seguem são um compilção dos textos relciondos n bibliogrfi e não têm intenção de substitui o livro-texto, nem qulquer outr bibliogrfi. Integrção Numéric Exemplos de problems: ) Como

Leia mais

1.2- CNPJ 1.3- Número de Sócios 1.4- Data da Fundação. 1-10 - Nome do Presidente 1.11-C P F 1.12- RG

1.2- CNPJ 1.3- Número de Sócios 1.4- Data da Fundação. 1-10 - Nome do Presidente 1.11-C P F 1.12- RG 1 - DADOS DO PROPONENTE 1.1- Nome d Entidde 1.2- CNPJ 1.3- Número de Sócios 1.4- Dt d Fundção 1.5- Endereço 20/09/2011 1.6- Município 1.7- CEP 1.8- U F 1.9- Telefone 1-10 - Nome do Presidente 1.11-C P

Leia mais

Fatores associados ao câncer de mama em mulheres de uma cidade do Sul do Brasil: estudo caso-controle

Fatores associados ao câncer de mama em mulheres de uma cidade do Sul do Brasil: estudo caso-controle Artigo Originl Ftores ssocidos o câncer de mm em mulheres de um cidde do Sul do Brsil: estudo cso-controle Fctors ssocited with brest cncer in women from southern Brzilin city: cse-control study Julin

Leia mais

O PERFIL DO PROFISSIONAL ATUANTE EM ENGENHARIA CLÍNICA NO BRASIL

O PERFIL DO PROFISSIONAL ATUANTE EM ENGENHARIA CLÍNICA NO BRASIL XXIV Congresso Brsileiro de Engenhri Biomédic CBEB 2014 O PERFIL DO PROFISSIONAL ATUANTE EM ENGENHARIA CLÍNICA NO BRASIL A. F. Souz*, R. F. More* *ABEClin, São Pulo, Brsil e-mil: lexndre.ferreli@beclin.org.br

Leia mais

INTERFERÊNCIA DO TREINAMENTO EM NATAÇÃO COM DIFERENTES INTENSIDADES NA CARCINOGÊNESE EXPERIMENTAL DO CÓLON

INTERFERÊNCIA DO TREINAMENTO EM NATAÇÃO COM DIFERENTES INTENSIDADES NA CARCINOGÊNESE EXPERIMENTAL DO CÓLON WELLINGTON LUNZ INTERFERÊNCIA DO TREINAMENTO EM NATAÇÃO COM DIFERENTES INTENSIDADES NA CARCINOGÊNESE EXPERIMENTAL DO CÓLON Dissertação apresentada à Universidade Federal de Viçosa, como parte das exigências

Leia mais

I Seminário da Pós-graduação em Engenharia Elétrica

I Seminário da Pós-graduação em Engenharia Elétrica USO DE UM DISPOSITIVO FACTS SVC EM SISTEMA DE TRANSMISSÃO EM CORRENTE CONTÍNUA Lino Timóteo Conceição de Brito Aluno do Progrm de Pós-Grdução em Engenhri Elétric Unesp Buru Prof. Dr. André Christóvão Pio

Leia mais

Pacto pela Saúde 2010/2011 Valores absolutos Dados preliminares Notas Técnicas

Pacto pela Saúde 2010/2011 Valores absolutos Dados preliminares Notas Técnicas Pcto pel Súde 2010/ Vlores bsolutos Ddos preliminres Nots Técnics Estão disponíveis, nests págins, os vlores utilizdos pr o cálculos dos indicdores do Pcto pel Súde 2010/, estbelecidos prtir d Portri 2.669,

Leia mais

Comportamento de RISCO

Comportamento de RISCO Comportmento de RISCO SEXO e um responsilidde Aprtment203/1016YA FCRISKY Cred Progrm Ncionl De Lut Contr SIDA Poe seguinte list por ordem, do comportmento mis seguro pr o mis rriscdo c d Ter vários prceiros

Leia mais

ESTADO DE RONDÔNIA PREFEITURA MUNICIPAL DE MINISTRO ANDREAZZA Lei de Criação 372 13/02/92 PROGRAMA FINALÍSTICO

ESTADO DE RONDÔNIA PREFEITURA MUNICIPAL DE MINISTRO ANDREAZZA Lei de Criação 372 13/02/92 PROGRAMA FINALÍSTICO PROGRAMA FINALÍSTICO PROGRAMA: 022 - Progrm Súde d Fmíli 1. Problem: Alto índice de pcientes que visitm unidde Mist de Súde pr trtr de problems que poderim ser resolvidos com visit do médico em su cs.

Leia mais