Professora conteudista: Maria Ester Domingues de Oliveira. Revisor: Francisco Roberto Crisóstomo

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Professora conteudista: Maria Ester Domingues de Oliveira. Revisor: Francisco Roberto Crisóstomo"

Transcrição

1 Estatística Básica

2 Professora conteudista: Maria Ester Domingues de Oliveira Revisor: Francisco Roberto Crisóstomo

3 Sumário Estatística Básica Unidade I 1 CICLO SEMPRE CRESCENTE ESTATÍSTICA: CIÊNCIA DA QUAL DERIVAM DOIS CAMPOS ESTATÍSTICA ESTATÍSTICA DESCRITIVA ESTATÍSTICA DE TESTE Estatística F Estatística T ESTATÍSTICA DESCRITIVA (ESTUDO) Etapas estudadas na estatística descritiva Coleta de dados (dados brutos) Dados coletados (dados brutos) Rol (dados organizados em certa ordem) Definição dos limites do Rol Amplitude Classes NÚMERO DE CLASSES (NC) RAIZ E STURGES FÓRMULA DA RAIZ QUADRADA FÓRMULA DE STURGES INTERVALO DE CLASSE (IC) LIMITES DE CLASSES DEFINIÇÃO DE CLASSES PONTO MÉDIO DE CLASSE FREQUÊNCIA DE CLASSE FREQUÊNCIA ACUMULADA DE CLASSES FREQUÊNCIA RELATIVA DE CLASSES FREQUÊNCIA PERCENTUAL FATOR DE REFERÊNCIA (I) E F (I) FATOR DE REFERÊNCIA AO QUADRADO F (I)...39 Unidade II 20 OBJETIVOS DA ESTATÍSTICA MEDIDAS DE POSIÇÃO... 41

4 22 MÉDIA ARITMÉTICA SIMPLES MÉDIA ARITMÉTICA PONDERADA MÉDIA GEOMÉTRICA MÉDIA HARMÔNICA MÉDIA DE DADOS AGRUPADOS MEDIANA MEDIANA DADOS AGRUPADOS (INTERPOLAÇÃO) MODA MODA DADOS AGRUPADOS (INTERPOLAÇÃO) SITUAÇÃO ESPECIAL DE MEDIDAS DE POSIÇÃO MEDIDAS DE DISPERSÃO DESVIO PADRÃO DOS ELEMENTOS (Σ) DESVIO PADRÃO DE DADOS AGRUPADOS HISTOGRAMA HISTOGRAMA E POLÍGONO DE FREQUÊNCIA POLÍGONO DE FREQUÊNCIA ACUMULADA... 70

5 ESTATÍSTICA BÁSICA Unidade I ESTATÍSTICA, LÓGICA E CICLO CRESCENTE Introdução Ciência: conjunto de conhecimento para o estudo de um determinado objeto. Método científico: objetividade; lógica. Fatos Bases para a teoria Teorias Explicam os fatos Estão ligados pela lógica e pela teoria 1

6 Unidade I 1 CICLO SEMPRE CRESCENTE Observação Previsão de novos eventos Abstração dos elementos essenciais para servir de base para a teoria lógica. Desenvolvimento da teoria 2 ESTATÍSTICA: CIÊNCIA DA QUAL DERIVAM DOIS CAMPOS 1. Observação dos dados: Estatística descritiva. Caracterizada como a organização e descrição dos dados experimentais. Exemplo:: índice de inflação; número de acidentes. 2. Comparações das observações (previsões/teorias): Estatística indutiva. Exemplo:: análise e interpretação dos dados. População: conjunto de elementos com pelo menos uma característica comum. 2

7 ESTATÍSTICA BÁSICA Exemplo:: conjunto de alunos numa sala de aula; lote de peças de uma máquina. Amostra: subconjunto de uma população. Necessidade de se recorrer aos elementos da amostra: população muito grande; tempo; custo. Estatística descritiva Amostra Cálculo de probabilidade Estatítica indutiva 3 ESTATÍSTICA Estudo da análise dos dados; compreendida a estatística descritiva e a inferência estatística. As grandezas são calculadas com base nos elementos de uma amostra como a média; costuma-se usar a estatística como instrumento para estimar os parâmetros populacionais desconhecidos (medida estatística). 4 ESTATÍSTICA DESCRITIVA Pode ser definida como um segmento que busca interpretar por meio de observações de fenômenos de mesma natureza a coleta de dados observados e a sua organização e apresentação das informações através de gráficos, tabelas, listagens etc., além de cálculos de coeficientes estatísticos que permitem descrever resumidamente os fenômenos. 5 ESTATÍSTICA DE TESTE A estatística de teste é uma grandeza calculada com base em observações usadas para o teste da hipótese nula (teste de 3

8 Unidade I validação de uma determinada hipótese). Com ela, é possível identificar (a partir da distribuição conhecida) se a hipótese nula é verdadeira ou não. Se o valor da estatística de teste não fizer parte de um intervalo que represente a distribuição, a hipótese será considerada sem validade de pertinência ou nula. 5.1 Estatística F Considerando a análise de variância de uma estatística que testa a hipótese nula de que todos os grupos provêm de populações com mesma média, na análise de regressão, uma estatística testa a hipótese nula de que não há relacionamento entre as variáveis independentes e dependentes. 5.2 Estatística T Estatística usada para testar a hipótese nula de que o verdadeiro valor de um coeficiente na análise de regressão é sempre zero. EXERCÍCIOS 1. Ciclo crescente: o que pode ocorrer após desenvolver uma teoria? 2. Qual o objetivo da estatística descritiva? 3. Qual a utilidade da estatística de teste? 4. Qual a utilidade da estatística F? 5. Qual a utilidade da estatística t? 6. Qual a utilidade da estatística indutiva? Resolução dos exercícios 1. Previsão de novos eventos. 4

9 ESTATÍSTICA BÁSICA 2. Organizar e apresentar informes através de gráficos e tabelas visando descrever fenômenos de forma resumida. 3. A estatística de teste tem como finalidade definir a validade de observações consideradas, visando estabelecer uma hipótese nula. 4. Considerando análise de variância, testa a hipótese nula de todos os grupos (populações de mesma média) avaliando as variáveis dependentes e independentes. 5. Testa a hipótese nula de que o verdadeiro valor de um coeficiente na análise de regressão é sempre zero. 6. Representa comparar e observar previsões e teorias (análise e interpretação de dados coletados). 6 ESTATÍSTICA DESCRITIVA (ESTUDO) A estatística descritiva representa uma sequência de etapas que visam estabelecer uma organização, tabulação, listagem, e ainda procedimentos de análise de interesse sobre um determinado estudo. 6.1 Etapas estudadas na estatística descritiva 1. Coleta de dados brutos. 2. Organizar dados (Rol). 3. Definir limites do rol. 4. Determinar amplitude. 5. Classes. 6. Número s (Raiz). 7. Número s (Sturges). 5

10 Unidade I 8. Intervalo. 9. Limites. 10. Ponto médio acumulada. 13. relativa/porcentual. 14. Valor referencial (i). 15. de i (f i). 16. de i2 (f i2). 17. Medidas de posição. 18. Média aritmética. 19. Média aritmética ponderada. 20. Média geométrica. 21. Média harmônica. 22. Média de dados agrupados. 23. Média harmônica. 24. Mediana. 25. Moda. 26. Medidas de dispersão. 27. Desvio padrão de elementos. 28. Desvio padrão de dados (classe). 6.2 Coleta de dados (dados brutos) Dados iniciais pós-coletados, que o pesquisador obtém no início do trabalho (dados desorganizados e desordenados), não são válidos como referenciais e não permitem qualquer tipo de análise. 6

11 ESTATÍSTICA BÁSICA 6.3 Dados coletados (dados brutos) Os dados abaixo relacionados representam um conjunto de informações coletadas que (conforme podemos observar visualmente) estão totalmente desorganizadas e desordenadas, ou seja, não permitem qualquer análise ou possibilidade de estudo. Colunas 165,30 152,60 147,70 137,10 156,60 188,40 119,40 153,70 Linhas 146,30 172,00 159,20 155,10 188,60 133,10 165,80 141,50 173,00 119,00 152,10 175,10 Bruto: rudes; toscos; grosseiros; como veio da natureza; totais; dados sem qualquer ordem; desorganizados (antônimo: ordenados; civilizados; organizados). Espanhol: bruto. Inglês: rough. Francês: brut. Alemão: grob. Italiano: greggio. 6.4 Rol (dados organizados em certa ordem) Caracteriza uma organização dos dados em ordem crescente ou decrescente de valores e, com essa ordem, permite uma análise primária dos dados. Exemplo:: os dados abaixo relacionados representam um conjunto de informações coletadas, porém, diferentemente, se apresentam de forma ordenada (crescente, do menor para o maior), o que já permite observar visualmente como estão 7

12 Unidade I distribuídos os dados e possibilita uma visão preliminar dos mesmos. Rol (dados em ordem crescente) 119,00 146,30 155,10 172,00 119,40 147,70 156,60 173,00 133,10 152,10 159,20 175,10 137,10 152,60 165,30 188,40 141,50 153,70 165,80 188,60 EXERCÍCIOS 1. O que significa dados brutos? 2. Como se denomina o quadro com dados organizados? 3. Qual o procedimento para se obter a amplitude? 4. O que significa rol com ordem crescente? 5. Como se denominam os dados, logo após a coleta? 6. Ordenar os dados apresentados (5 linhas e 4 colunas): 167,70 144,20 170,30 186,20 130,50 199,50 148,20 163,70 184,90 166,20 199,70 176,40 164,80 157,40 163,20 152,60 158,80 129,80 183,10 176,90 7. Ordenar os dados apresentados (5 linhas e 4 colunas): 158,80 129,80 186,20 163,70 167,70 142,40 170,30 176,40 150,50 199,50 148,20 152,60 184,90 166,20 199,70 176,90 164,80 158,40 163,20 183,10 8

13 ESTATÍSTICA BÁSICA 8. Ordenar os dados apresentados (5 linhas e 4 colunas): 167,70 144,20 170,30 185,20 163,70 199,50 148,20 158,80 176,40 166,20 199,70 129,80 152,60 157,40 163,20 183,10 176,90 130,50 184,90 164,80 Resolução dos exercícios 1. Dados coletados sem ordem, sem organização, sem base para análise. 2. O quadro de dados organizados denomina-se ROL. 3. Amplitude representa a diferença entre o limite máximo do ROL e o limite mínimo do ROL. 4. Significa do menor valor do ROL para o maior valor contido no ROL. 5. Os dados recém-coletados são denominados dados brutos. 6. Dados ordenados: 129,80 157,40 166,20 183,10 130,50 158,80 167,70 184,90 144,20 163,20 170,30 186,20 148,20 163,70 176,40 199,50 152,60 164,80 176,90 199,70 7. Dados ordenados: 129,80 158,40 166,20 183,10 142,40 158,80 167,70 184,90 148,20 163,20 170,30 186,20 150,50 163,70 176,40 199,50 152,60 164,80 176,90 199,70 9

14 Unidade I 8. Dados ordenados: 129,80 157,40 166,20 183,10 130,50 158,80 167,70 184,90 144,20 163,20 170,30 185,20 148,20 163,70 176,40 199,50 152,60 164,80 176,90 199, Definição dos limites do Rol Os limites do Rol, de ordem crescente, são representados pelos valores extremos posicionados no limite mínimo (menor valor) e limite máximo (maior valor), ou seja, o primeiro valor e o último valor. Podemos observar que os limites do Rol, de ordem decrescente, são representados pelos valores extremos posicionados no limite máximo (maior valor) e no limite mínimo (menor valor), ou seja, ordem do maior para o menor. É importante ressaltar que geralmente se utiliza a ordem crescente para a organização do rol, isto é, do menor para o maior. Exemplo: Rol 119,00 146,30 155,10 172,00 119,40 147,70 156,60 173,00 133,10 152,10 159,20 175,10 137,10 152,60 165,30 188,40 141,50 153,70 165,80 188,60 Maior valor do Rol =188,60 (limite superior, maior valor). Menor valor do Rol =119,00 (limite inferior, menor valor). EXERCÍCIOS Amostra com reposição: método de escolha de uma amostra em que os elementos coletados devem ser devolvidos à população. Observa-se que todos os elementos dessa população têm a chance de serem escolhidos mais de uma vez. 1. Ordenar os dados apresentados (5 linhas e 4 colunas) e determinar os limites do rol: 10

15 ESTATÍSTICA BÁSICA 167,70 144,20 170,30 186,20 130,50 199,50 148,20 163,70 184,90 166,20 196,70 176,40 164,80 157,40 163,20 152,60 158,80 129,80 183,10 176,90 2. Ordenar os dados apresentados (5 linhas e 4 colunas) e determinar os limites do rol: 158,80 129,80 186,20 163,70 167,70 142,40 170,30 176,40 150,50 199,50 148,20 152,60 184,90 166,20 199,70 176,90 164,80 158,40 163,20 183,10 3. Ordenar os dados apresentados (5 linhas e 4 colunas) e determinar os limites do rol: 167,70 144,20 170,30 185,20 163,70 199,50 148,20 158,80 176,40 166,20 199,70 129,80 152,60 157,40 163,20 183,10 176,90 130,50 184,90 164,80 Resolução dos exercícios 1. Dados ordenados: 129,80 157,40 166,20 183,10 130,50 158,80 167,70 184,90 144,20 163,20 170,30 186,20 148,20 163,70 176,40 199,50 152,60 164,80 176,90 199,70 Limite mínimo 129,80 Limite máximo 199,70 11

16 Unidade I 2. Dados ordenados: 129,80 158,40 166,20 183,10 142, ,70 184,90 148,20 163,20 170,30 186,20 150,50 163,70 176,40 199,50 152,60 164,80 176,90 199,70 Limite mínimo 129,80 Limite máximo 199,70 3. Dados ordenados: 129,80 157,40 166,20 183,10 130, ,70 184,90 144,20 163,20 170,30 185,20 148,20 163,70 176,40 199,50 152,60 164,80 176,90 199,70 Limite mínimo 129,80 Limite máximo 199, Amplitude Caracteriza-se como a diferença entre os valores extremos de um rol, ou seja, deve ser representada matematicamente pelo valor máximo menos valor mínimo do rol. Exemplo: Os dados relacionados no rol representam um conjunto de informações coletadas e apresentadas de forma organizada e ordenada, portanto podemos detectar o maior e o menor elemento do rol e, consequentemente, definir a amplitude (medida de dispersão). 12

17 ESTATÍSTICA BÁSICA A amplitude representa uma medida de dispersão entre os elementos do rol, ou seja, a amplitude caracteriza as variações dos valores dos elementos que estão no rol. Devemos ressaltar que além da amplitude devemos considerar como medida de dispersão o desvio padrão. Amplitude (R) Limite Máximo Limite Mínimo Amplitude (R) 188,60 119,00 R = 69,60 Amplitude: extensão em largura e comprimento; largueza de espaço; amplidão; extensão; âmbito; comprimento; vastidão; variação entre valores extremos. Espanhol: amplitud. Inglês: width. Francês: ampleur. Alemão: weite. Italiano: amplitudine. 13

18 Unidade I EXERCÍCIOS 1. Ordenar os dados apresentados (5 linhas e 4 colunas) e determinar a amplitude: 167,70 144,20 170,30 185,20 163,70 199,50 148,20 158,80 176,40 166,20 199,70 129,80 152,60 157,40 163,20 183,10 176,90 130,50 184,90 164,80 2. Ordenar os dados apresentados (5 linhas e 4 colunas) e determinar a amplitude: 167,70 144,20 170,30 186,20 130,50 199,50 148,20 163,70 184,90 166,20 196,70 176,40 164,80 157,40 163,20 152,60 158,80 129,80 183,10 176,90 3. Ordenar os dados apresentados (5 linhas e 4 colunas) e determinar a amplitude: 158,80 129,80 186,20 163,70 167,70 142,40 170,30 176,40 150,50 209,50 148,20 152,60 184,90 166,20 199,70 176,90 164,80 158,40 163,20 183,10 Resolução dos exercícios 1. Dados ordenados: 129,80 157,40 166,20 183,10 130,50 158,80 167,70 184,90 144,20 163,20 170,30 185,20 148,20 163,70 176,40 199,50 152,60 164,80 176,90 199,70 Amplitude 69,90 14

19 ESTATÍSTICA BÁSICA 2. Dados ordenados: 129,80 157,40 166,20 183,10 130,50 158,80 167,70 184,90 144,20 163,20 170,30 186,20 148,20 163,70 176,40 199,50 152,60 164,80 176,90 199,70 Amplitude 69,90 3. Dados ordenados: 129,80 158,40 166,20 183,10 142, ,70 184,90 148,20 163,20 170,30 186,20 150,50 163,70 176,40 199,50 152,60 164,80 176,90 199,70 Amplitude 69, Classes O objetivo de se utilizar classes no estudo de estatística está diretamente relacionado ao aspecto da análise de grupos especiais dentro das informações obtidas. No caso de um rol de valores numéricos, o fator mais importante está relacionado à quantidade, ou seja, o aspecto quantitativo deve prevalecer. Exemplo: em determinado rol, definir quantos elementos existem entre o valor qualquer x (limite inferior da classe) e outro valor qualquer y (limite superior da classe). Classe: categoria social; grupo; divisão dum conjunto; aula; alunos de uma aula; anos de certos cursos; sociologia (classes sociais: grandes grupos humanos que se diferenciam pelo lugar que ocupam em um sistema de produção social, historicamente determinado pelas relações em que se encontram relativamente aos meios de produção); valores numéricos em determinada ordem. 15

20 Unidade I Espanhol: classe. Inglês: class. Francês: classe. Alemão: klasse. Italiano: classe. 7 NÚMERO DE CLASSES (NC) RAIZ E STURGES Fórmula com a qual se define o número (grupos de elementos) no estudo de um determinado rol. Observa-se que os métodos apresentados têm como referência o número de elementos do rol (n) e deve-se observar que o resultado dessa estimativa do número deve ser número inteiro (arredondado). 8 FÓRMULA DA RAIZ QUADRADA Número s (NC) = n Exemplo: de número s através da raiz quadrada: número de elementos do Rol (n) = 20 número s (NC) = 20 número s (NC) = 4,47... número s (NC) = 5 (números inteiros). Amostra estratificada: método de amostragem em que a população deve ser dividida em camadas ou estratos que apresentem características semelhantes entre si para evidenciar o agrupamento. 16

21 ESTATÍSTICA BÁSICA 9 FÓRMULA DE STURGES Número s (NC) = 1 + 3,3. log n. Número de elementos do rol (n) = 20. Número s (NC) = 1 + 3,3. log 20 (log 20 = 1,301...). Número s (NC) = 1 + 3,3. 1, Número s (NC) = 1 + 4,293. Número s (NC) = 5,293. Número s (NC) = 5 (números inteiros). Intervalo: distância; espaço de lugar ou de tempo; intermitência; (música) distância de um som a outro; espaço compreendido entre valores extremos. Espanhol: intervalo. Inglês: interval. Francês: intervalle. Alemão: pause. Italiano: intervallo. EXERCÍCIOS 1. Considerando um rol com 40 elementos, qual o número de classes a serem consideradas através da raiz quadrada? 2. Considerando um rol com 46 elementos, qual o número de classes a serem consideradas através do método Sturges (log 46 =1,663)? 17

22 Unidade I 3. Considerando um rol com 38 elementos, qual o número de classes a serem consideradas através da raiz quadrada? 4. Considerando um rol com 60 elementos, qual o número de classes a serem consideradas através do método Sturges (log 60 =1,778)? 5. Considerando um rol com 31 elementos, qual o número de classes a serem consideradas através da raiz quadrada? 6. Considerando um rol com 26 elementos, qual o número de classes a serem consideradas através do método Sturges (log 26 =1,881)? 7. Considerando um rol com 68 elementos, qual o número de classes a serem consideradas através da raiz quadrada? 8. Considerando um rol com 95 elementos, qual o número de classes a serem consideradas através do método Sturges (log 95 =1,978)? Resolução dos exercícios 1. 7 (arredondamento de 6,325) 2. 7 (arredondamento de 6,488) 3. 7 (arredondamento de 6,164) 4. 7 (arredondamento de 6,867) 5. 5 (arredondamento de 5,567) 6. 5 (arredondamento de 5,669) 7. 9 (arredondamento de 8,246) 8. 7 (arredondamento de 7,526) 18

23 ESTATÍSTICA BÁSICA 10 INTERVALO DE CLASSE (IC) O valor do intervalo será representado pelo limite superior do rol menos o limite inferior do rol, ou seja, a amplitude dividida pelo número s. As classes serão determinadas através da adição do intervalo ao primeiro elemento do rol. O primeiro elemento será o limite inferior da primeira classe, e o resultado do primeiro elemento adicionado do intervalo de classe será o limite superior de primeira classe. Intervalo de classes (IC) R NC Intervalo de classes (IC) 69,60 5 IC = 13,92 EXERCÍCIOS 1. Considerando os dados apresentados no quadro a seguir, definir os limites do intervalo do rol: 116,50 146,30 155,10 172,00 119,40 147,70 156,60 173,00 133,10 152,10 159,20 175,10 137,10 152,60 165,30 188,40 141,50 153,70 165,80 198,10 2. Considerando os dados apresentados no quadro a seguir, definir os limites do intervalo do rol: 167,70 144,20 170,30 185,20 163,70 199,50 148,20 158,80 176,40 166,20 199,70 119,80 152,60 157,40 163,20 183,10 176,90 130,50 184,90 164,80 19

24 Unidade I 3. Considerando os dados apresentados no quadro a seguir, definir os limites do intervalo do rol: 167,70 144,20 170,30 186,20 130,50 199,50 148,20 163,70 184,90 166,20 196,70 176,40 164,80 157,40 163,20 152,60 158,80 129,80 183,10 176,90 4. Considerando os dados apresentados no quadro a seguir, definir os limites do intervalo do rol: 158,80 129,80 186,20 163,70 167,70 142,40 170,30 176,40 150,50 209,50 148,20 152,60 184,90 166,20 199,70 176,90 164,80 158,40 163,20 183,10 Resolução dos exercícios ,50 146,30 155,10 172,00 163, ,82 119,40 147,70 156,60 173,00 132, ,14 133,10 152,10 159,20 175,10 149, ,46 137,10 152,60 165,30 188,40 165, ,78 141,50 153,70 165,80 198,10 171, , ,70 144,20 170,30 185,20 119, ,78 163,70 199,50 148,20 158,80 137, ,76 176,40 166,20 199,70 119,80 151, ,74 152,60 157,40 163,20 183,10 167, ,82 176,90 130,50 184,90 164,80 183, ,70 20

25 ESTATÍSTICA BÁSICA ,70 144,20 170,30 186,20 129, ,74 130,50 199,50 148,20 163,70 143, ,68 184,90 166,20 196,70 176,40 157, ,62 164,80 157,40 163,20 152,60 171, ,56 158,80 129,80 183,10 176,90 185, , ,80 129,80 186,20 163,70 129, ,74 167,70 142,40 170,30 176,40 145, ,68 150,50 209,50 148,20 152,60 161, ,62 184,90 166,20 199,70 176,90 177, ,56 164,80 158,40 163,20 183,10 193, ,50 11 LIMITES DE CLASSES De forma geral, são caracterizados como as duas fronteiras de uma determinada classe usada para agrupar dados. Essas fronteiras são denominadas de limite inferior e limite superior de cada classe. Observa-se ainda que entre cada fronteira deve ser considerada a diferença denominada intervalo. Exemplo: Limite Inferior Limite Superior Definição 119, ,92 119,00 132,92 132, ,84 132,92 146,84 Maior Menor que: 146, ,76 ou 146,84 160,76 160, ,68 igual a: 160,76 174,68 174, ,60 174,68 ou igual a: 188,60 21

26 Unidade I Observação: Intervalo fechado: tem números extremos. Exemplo:: 3 e 7. Menor valor ou número extremo = 3. Maior valor ou número extremo = 7. Intervalo aberto: não tem números extremos. Exemplo:: > 3 e < 7. Não existe menor valor ou número extremo, pode ser 3,1 ou 3, Não existe maior valor ou número extremo, pode ser 6,9 ou 6, Símbolos de intervalo usados em estatística -- aberto à esquerda aberto à direita --- fechado à esquerda aberto à direita Intervalo e -- aberto à esquerda fechado à direita --- fechado à esquerda fechado à direita Exemplo: Intervalo fechado (tem números extremos). Exemplo: Maior ou igual a -- Maior que Maior ou igual a --- Maior que 3 Menor ou igual a Menor que 7 EXERCÍCIOS 1. Demonstrar através de símbolos utilizados em estatística os seguintes intervalos: 22

27 ESTATÍSTICA BÁSICA a) maior que 12 e menor ou igual a 27. b) maior que 19 e menor que 23. c) maior ou igual a 18 e menor que 23. d) maior ou igual a 9 e menor ou igual a 14. e) maior que 11 e menor ou igual a 16. f) maior que 12 e menor que 21. g) maior ou igual a 8 e menor que 13. h) maior ou igual a 5 e menor ou igual a 8. Resolução dos exercícios 1. a) b) c) d) e) f) g) h) DEFINIÇÃO DE CLASSES Tem como característica demonstrar o rol por meio de agrupamentos de valores, ou seja, classes (grupos) de elementos. A primeira classe está representada pelo limite mínimo maior ou igual a 119,00 e o limite máximo menor que 132,92, ou seja, todos os elementos dentro desse intervalo pertencem à primeira classe. 23

28 Unidade I A segunda classe está representada pelo limite mínimo maior ou igual a 132,92 e o limite máximo menor que 146,84, ou seja, todos os elementos dentro desse intervalo pertencem à segunda classe. A terceira classe está representada pelo limite mínimo maior ou igual a 146,84 e o limite máximo menor que 160,76, ou seja, todos os elementos dentro desse intervalo pertencem à terceira classe. A quarta classe está representada pelo limite mínimo maior ou igual a 160,76 e o limite máximo menor que 174,68, ou seja, todos os elementos dentro desse intervalo pertencem à quarta classe. A quinta classe está representada pelo limite mínimo maior ou igual a 174,68 e o limite máximo menor ou igual a 188,60, ou seja, todos os elementos dentro desse intervalo pertencem à quinta classe. Rol Classes 119,00 146,30 155,10 172,00 119, ,92 119,40 147,70 156,60 173,00 132, ,84 133,10 152,10 159,20 175,10 146, ,76 137,10 152,60 165,30 188,40 160, ,68 141,50 153,70 165,80 188,60 174, ,60 EXERCÍCIOS 1. Considerando o quadro (rol), determine a amplitude, o intervalo e as classes: 115,70 146,30 155,10 172, ,40 147,70 156,60 173, ,10 152,10 159,20 175, ,10 152,60 165,30 188, ,50 153,70 165,80 199,

29 ESTATÍSTICA BÁSICA 2. Considerando o quadro (rol), determine a amplitude, o intervalo e as classes: 116,70 146,30 155,10 172, ,40 147,70 156,60 173, ,10 152,10 159,20 175, ,10 152,60 165,30 179, ,50 153,70 165,80 188, Considerando o quadro (rol), determine a amplitude, o intervalo e as classes: 111,70 146,30 155,10 172, ,40 147,70 156,60 173, ,10 152,10 159,20 175, ,10 152,60 165,30 188, ,50 153,70 165,80 189, RESOLUÇÃO DOS EXERCÍCIOS 115,70 146,30 155,10 172,00 115, ,54 119,40 147,70 156,60 173,00 132, ,38 133,10 152,10 159,20 175,10 149, ,22 137,10 152,60 165,30 188,40 166, ,06 141,50 153,70 165,80 199,90 183, ,90 Amplitude 84,20 Intervalo 16, ,70 146,30 155,10 172,00 116, ,04 119,40 147,70 156,60 173,00 131, ,38 133,10 152,10 159,20 175,10 145, ,72 137,10 152,60 165,30 179,90 159, ,06 141,50 153,70 165,80 188,40 174, ,40 Amplitude 71,70 Intervalo 14,34 25

30 Unidade I ,70 146,30 155,10 172,00 111, ,34 119,40 147,70 156,60 173,00 127, ,98 133,10 152,10 159,20 175,10 142, ,62 137,10 152,60 165,30 188,40 158, ,26 141,50 153,70 165,80 189,90 174, ,90 Amplitude 78,20 Intervalo 15,64 13 PONTO MÉDIO DE CLASSE Valor médio obtido entre os valores extremos de uma determinada classe, ou seja, a soma dos valores extremos (superior e inferior) de uma classe dividida por dois. O valor do ponto médio será de muita valia para análise das variações e dispersões presentes no rol. Exemplo: A 1ª classe (Limite inferior = 119,00 e Limite superior =132,92): (119, ,92) / 2 251,92 / 2 125,96. A 2ª classe (Limite inferior = 132,92 e Limite superior =146,84): (132,92+146,84 ) / 2 279,76 / 2 139,88. A 3ª classe (Limite inferior = 146,84 e Limite superior =160,76): 26

31 ESTATÍSTICA BÁSICA (146,84+160,76) / 2 307,60 / 2 153,80. A 4ª classe (Limite inferior = 160,76 e Limite superior =174,68): (160,76+174,68) / 2 335,44 / 2 167,72. A 5ª classe (Limite inferior = 174,68 e Limite superior =188,60): (174,68+188,60) / 2 363,28 / 2 181,64. Rol Classes Ponto médio de classe 119,00 146,30 155,10 172,00 119, ,92 125,96 119,40 147,70 156,60 173,00 132, ,84 139,88 133,10 152,10 159,20 175,10 146, ,76 153,80 137,10 152,60 165,30 188,40 160, ,68 167,72 141,50 153,70 165,80 188,60 174, ,60 181,64 EXERCÍCIOS 1. O que significa ponto médio? 2. O que representa limites? 3. Analisar e obter a amplitude, o intervalo, a definição das classes e o ponto médio das classes: 27

32 Unidade I Rol Classes Ponto médio 111,70 146,30 155,10 172, ,40 147,70 156,60 173, ,10 152,10 159,20 175, ,10 152,60 165,30 188, ,50 153,70 165,80 189, Analisar e obter amplitude, intervalo, definição das classes e ponto médio das classes: Rol Classes Ponto médio 115,70 146,30 155,10 172, ,40 147,70 156,60 173, ,10 152,10 159,20 175, ,10 152,60 165,30 188, ,50 153,70 165,80 199, Resolução dos exercícios 1. Valor médio entre os limites inferior e superior, isto é, a média dos limites. 2. Limite representa os valores extremos de uma determinada classe, ou seja, limite inferior e limite superior da classe. 3. Rol Classes Ponto médio 111,70 146,30 155,10 172,00 111, ,34 119,52 119,40 147,70 156,60 173,00 127, ,98 135,16 133,10 152,10 159,20 175,10 142, ,62 150,80 137,10 152,60 165,30 188,40 158, ,26 166,44 141,50 153,70 165,80 189,90 174, ,90 182,08 Amplitude 78,20 Intervalo 15,64 28

33 ESTATÍSTICA BÁSICA 4. Rol Classes Ponto médio 115,70 146,30 155,10 172,00 115, ,54 124,12 119,40 147,70 156,60 173,00 132, ,38 140,96 133,10 152,10 159,20 175,10 149, ,22 157,80 137,10 152,60 165,30 188,40 166, ,06 174,64 141,50 153,70 165,80 199,90 183, ,90 191,48 Amplitude 84,20 Intervalo 16,84 14 FREQUÊNCIA DE CLASSE Representa o número de elementos de cada classe (a soma de todas as frequências deve corresponder à soma total dos elementos contidos no rol). Exemplo:: A 1ª classe (2 elementos): valor igual ou maior que 119,00 e menor que 132,92 {119,00 e 119,40}. A 2ª classe (4 elementos): valor igual ou maior que 132,90 e menor que 146,84 {133,10; 137,10; 141,50; 146,30} A 3ª classe (7 elementos): valor igual ou maior que 146,84 e menor que 160,76 {147,70; 152,10; 152,60; 153,70; 155,10; 156,60; 159,20}. 29

34 Unidade I A 4ª classe (4 elementos): valor igual ou maior que 160,76 e menor que 174,68 {165,30; 165,80; 172,00; 173,00}. A 5ª classe (3 elementos): valor igual ou maior que 174,68 e menor ou igual a 188,60 {175,10; 188,40; 188,60}. Rol Classes Ponto médio 119,00 146,30 155,10 172,00 119, ,92 125, ,40 147,70 156,60 173,00 132, ,84 139, ,10 152,10 159,20 175,10 146, ,76 153, ,10 152,60 165,30 188,40 160, ,68 167, ,50 153,70 165,80 188,60 174, ,60 181,64 3 EXERCÍCIOS 1. Qual a finalidade da frequência? 2. Como se determina a frequência? 3. Considerando os dados, analisar, interpretar e determinar frequência s e frequência acumulada: Rol Classes Ponto médio Freq. Freq. Acum. 111,70 146,30 155,10 172,00 111, ,34 119,52 119,40 147,70 156,60 173,00 127, ,98 135,16 133,10 152,10 159,20 175,10 142, ,62 150,80 137,10 152,60 165,30 188,40 158, ,26 166,44 141,50 153,70 165,80 189,90 174, ,90 182,08 4. Considerando os dados, analisar, interpretar e determinar frequência s e frequência acumulada: 30

35 ESTATÍSTICA BÁSICA Rol Classes Ponto médio Freq. Freq. Acum. 115,70 146,30 155,10 172,00 115, ,54 124,12 119,40 147,70 156,60 173,00 132, ,38 140,96 133,10 152,10 159,20 175,10 149, ,22 157,80 137,10 152,60 165,30 188,40 166, ,06 174,64 141,50 153,70 165,80 199,90 183, ,90 191,48 5. Como definimos a frequência acumulada em estatística? Resolução dos exercícios 1. Determinar o número de elementos ontidos em cada classe. 2. Determinando o número de elementos contidos em cada classe, ou seja, número de elementos contidos entre o limite mínimo e o limite máximo. 3. Determinação da frequência s e da frequência acumulada: Rol Classes Ponto médio Freq. Freq Acum. 111,70 146,30 155,10 172,00 111, ,34 119, ,40 147,70 156,60 173,00 127, ,98 135, ,10 152,10 159,20 175,10 142, ,62 150, ,10 152,60 165,30 188,40 158, ,26 166, ,50 153,70 165,80 189,90 174, ,90 182, Determinação da frequência s e da frequência acumulada: Rol Classes Ponto médio Freq. Freq. Acum. 115,70 146,30 155,10 172,00 115, ,54 124, ,40 147,70 156,60 173,00 132, ,38 140, ,10 152,10 159,20 175,10 149, ,22 157, ,10 152,60 165,30 188,40 166, ,06 174, ,50 153,70 165,80 199,90 183, ,90 191,

36 Unidade I 5. Representa uma somatória das frequências, classe a classe, até a última classe que deverá resultar no valor total de elementos do rol. 15 FREQUÊNCIA ACUMULADA DE CLASSES Apresenta os valores acumulados das classes de um determinado rol. Os valores acumulados são representados pelo número de elementos de cada classe somados ao número de elementos das classes posteriores. Exemplo: A 1ª classe (2 elementos) (10 classe = 2). A 2ª classe (6 elementos) (10 classe = 2) + (20 classe = 4). A 3ª classe (13 elementos) (10 classe = 2) + (20 classe = 4) + (30 classe = 7). A 4ª classe (17 elementos) (10 classe = 2) + (20 classe = 4) + (30 classe = 7) + (40 classe = 4). A 5ª classe (20 elementos) (10 classe = 2) + (20 classe = 4) + (30 classe = 7) + (40 classe = 4) + (50 classe = 3). Rol Classes Ponto médio acumulada 119,00 146,30 155,10 172,00 119, ,92 125, ,40 147,70 156,60 173,00 132, ,84 139, ,10 152,10 159,20 175,10 146, ,76 153, ,10 152,60 165,30 188,40 160, ,68 167, ,50 153,70 165,80 188,60 174, ,60 181,

37 ESTATÍSTICA BÁSICA 16 FREQUÊNCIA RELATIVA DE CLASSES Representa o número de elementos de cada classe dividido pelo total de elementos do rol. A soma de todas as frequências relativas será igual a um (1). É muito importante ressaltar que a frequência relativa será utilizada para se obter a frequência percentual. Exemplo: A 1ª classe (2 elementos): 2 / 20 0,10. A 2ª classe (4 elementos): 4 / 20 0,20. A 3ª classe (7 elementos): 7 / 20 0,35. A 4ª classe (4 elementos): 4 / 20 0,20. A 5ª classe (3 elementos): 3 / 20 0,15. Classes Ponto médio de classe acumulada relativa 119, ,92 125, ,10 132, ,84 139, ,20 146, ,76 153, ,35 160, ,68 167, ,20 174, ,60 181, ,15 33

38 Unidade I Índice de preços: uma medida do nível de preços. Índice de Preços ao Consumidor (IPC), de forma geral, representa a medida do nível em uma determinada época e baseia-se no preço de aquisição de uma cesta básica para o consumidor. Índice de Preços ao Produtor (IPP) representa a medida do nível de preços dos produtos para o produtor. EXERCÍCIOS 1. O que representa a frequência relativa? 2. Como fazer para obter a frequência relativa? 3. Considerando o quadro abaixo, determine a frequência relativa: Classes Ponto médio acumulada 129, ,78 136, , ,76 150, , ,74 164, , ,72 178, , ,70 192, relativa 4. Considerando o quadro abaixo, determine a frequência relativa: Classes Ponto médio acumulada 129, ,78 136, , ,76 150, , ,74 164, , ,72 178, , ,70 192, relativa 34

39 ESTATÍSTICA BÁSICA Resolução dos exercícios 1. Representa um valor decimal, que posteriormente será multiplicado por 100 para se obter a frequência percentual. 2. A frequência acumulada (valor decimal) é resultante da divisão no número de elementos de cada classe dividido pelo número de elementos do rol. 3. Determinação da frequência relativa: Classes Ponto médio acumulada relativa 129, ,78 136, ,15 143, ,76 150, ,15 157, ,74 164, ,35 171, ,72 178, ,25 185, ,70 192, ,10 4. Determinação da frequência relativa: Classes Ponto médio acumulada relativa 129, ,78 136, ,05 143, ,76 150, ,25 157, ,74 164, ,35 171, ,72 178, ,25 185, ,70 192, ,10 17 FREQUÊNCIA PERCENTUAL Representada pela frequência relativa multiplicada por 100. A soma de todas as frequências percentuais deve ser 100%. 35

40 Unidade I Exemplo: A 1ª classe (2 elementos): 2 / 20 0,10 0, = 10%. A 2ª classe (4 elementos): 4 / 20 0,20 0, = 20%. A 3ª classe (7 elementos): 7 / 20 0,35 0, = 35%. A 4ª classe (4 elementos): 4 / 20 0,20 0, = 20%. A 5ª classe (3 elementos): 3 / 20 0,15 0, = 15%. Classes Ponto médio acumulada relativa (%) percentual 119, ,92 125, ,10 10% 132, ,84 139, ,20 20% 146, ,76 153, ,35 35% 160, ,68 167, ,20 20% 174, ,60 181, ,15 15% 36

41 ESTATÍSTICA BÁSICA EXERCÍCIOS 1. O que representa para um estudo estatístico a frequência percentual? 2. Considerando o quadro a seguir, determine a frequência percentual: Classes Ponto médio acumulada relativa 129, ,78 136, ,05 143, ,76 150, ,25 157, ,74 164, ,35 171, ,72 178, ,25 185, ,70 192, ,10 (%) percentual 3. Considerando o quadro a seguir, determinar a frequência percentual: Classes Ponto médio acumulada relativa 129, ,78 136, ,15 143, ,76 150, ,15 157, ,74 164, ,35 171, ,72 178, ,25 185, ,70 192, ,10 (%) percentual Resolução dos exercícios 1. A frequência percentual determina a percentagem representada em cada classe. 2. Determinação da frequência percentual: 37

42 Unidade I Classes Ponto médio acumulada relativa (%) percentual 129, ,78 136, ,05 5% 143, ,76 150, ,25 25% 157, ,74 164, ,35 35% 171, ,72 178, ,25 25% 185, ,70 192, ,10 10% 3. Determinação da frequência percentual: Classes Ponto médio acumulada relativa (%) percentual 129, ,78 136, ,15 15% 143, ,76 150, ,15 15% 157, ,74 164, ,35 35% 171, ,72 178, ,25 25% 185, ,70 192, ,10 10% 18 FATOR DE REFERÊNCIA (I) E F (I) Números inteiros que representam e demonstram o posicionamento da frequência em relação ao valor central das classes (classe que apresenta maior frequência), com a maior frequência de elementos. As frequências f (i) representam o conjunto das frequências s multiplicadas pelo fator de referência, obtendo-se (fi). Exemplo: Classes Ponto médio acumulada relativa (%) percentual Fator (i) (i) 119, ,92 125, ,10 10% , ,84 139, ,20 20% , ,76 153, ,35 35% , ,68 167, ,20 20% , ,60 181, ,15 15% 2 6 (f i ) 2 38

43 ESTATÍSTICA BÁSICA Observação: com o resultado (fi) = 2, temos que as classes apresentam elementos com um relativo posicionamento para valores acima. Considerando o ponto médio da classe de maior frequência, o resultado (fi) = 2 demonstra que as classes acima do ponto médio (valores superiores) apresentam maior número de elementos. 19 FATOR DE REFERÊNCIA AO QUADRADO F (I) 2 Números inteiros que representam e demonstram o posicionamento da frequência em relação ao valor central das classes (classe que apresenta maior frequência) com a maior frequência de elementos. As frequências f (i)2, representam o conjunto das frequências s multiplicadas pelo fator de referência elevado ao quadrado, obtém-se f (i) 2. Exemplo: Classes Ponto médio acumulada relativa (%) percentual Fator (i) (i) (i) f(i) 2 119, ,92 125, ,10 10% , ,84 139, ,20 20% , ,76 153, ,35 35% , ,68 167, ,20 20% , ,60 181, ,15 15% Observação: o resultado f (i) 2 será utilizado no cálculo do desvio padrão de dados agrupados (classes). (f i) 2 f(i)

Prof. Francisco Crisóstomo

Prof. Francisco Crisóstomo Unidade II ESTATÍSTICA BÁSICA Prof. Francisco Crisóstomo Unidade II Medidas de posição Medidas de posição Tem como característica definir um valor que representa um conjunto de valores (rol), ou seja,

Leia mais

Adilson Cunha Rusteiko

Adilson Cunha Rusteiko Janeiro, 2015 Estatística , A Estatística Estatística: É a parte da matemática aplicada que fornece métodos para coleta, organização, descrição, análise e interpretação

Leia mais

Unidade I ESTATÍSTICA APLICADA. Prof. Luiz Felix

Unidade I ESTATÍSTICA APLICADA. Prof. Luiz Felix Unidade I ESTATÍSTICA APLICADA Prof. Luiz Felix O termo estatística Provém da palavra Estado e foi utilizado originalmente para denominar levantamentos de dados, cuja finalidade era orientar o Estado em

Leia mais

Distribuição de frequências:

Distribuição de frequências: Distribuição de frequências: Uma distribuição de frequências é uma tabela que reúne o conjunto de dados conforme as frequências ou as repetições de seus valores. Esta tabela pode representar os dados em

Leia mais

Conceito de Estatística

Conceito de Estatística Conceito de Estatística Estatística Técnicas destinadas ao estudo quantitativo de fenômenos coletivos, observáveis. Unidade Estatística um fenômeno individual é uma unidade no conjunto que irá constituir

Leia mais

Estatística Descritiva

Estatística Descritiva C E N T R O D E M A T E M Á T I C A, C O M P U T A Ç Ã O E C O G N I Ç Ã O UFABC Estatística Descritiva Centro de Matemática, Computação e Cognição March 17, 2013 Slide 1/52 1 Definições Básicas Estatística

Leia mais

Depois passamos para a Tabela de Frequências, separar os valores da variável e depois numa outra coluna, colocar sua frequência absoluta, assim:

Depois passamos para a Tabela de Frequências, separar os valores da variável e depois numa outra coluna, colocar sua frequência absoluta, assim: Aula 2 5Tabelas de frequência Para atingir os objetivos de uma pesquisa, é preciso que os dados estejam organizados de forma a facilitar o entendimento do leitor A primeira etapa após o levantamento dos

Leia mais

Estatística

Estatística Estatística 1 2016.2 Sumário Capítulo 1 Conceitos Básicos... 3 MEDIDAS DE POSIÇÃO... 3 MEDIDAS DE DISPERSÃO... 5 EXERCÍCIOS CAPÍTULO 1... 8 Capítulo 2 Outliers e Padronização... 12 VALOR PADRONIZADO (Z)...

Leia mais

Medidas de Dispersão. Prof.: Joni Fusinato

Medidas de Dispersão. Prof.: Joni Fusinato Medidas de Dispersão Prof.: Joni Fusinato joni.fusinato@ifsc.edu.br jfusinato@gmail.com 1 Dispersão Estatística As medidas de posição (média, mediana, moda) descrevem características dos valores numéricos

Leia mais

Medidas de Dispersão. Introdução Amplitude Variância Desvio Padrão Coeficiente de Variação

Medidas de Dispersão. Introdução Amplitude Variância Desvio Padrão Coeficiente de Variação Medidas de Dispersão Introdução Amplitude Variância Desvio Padrão Coeficiente de Variação Introdução Estudo de medidas que mostram a dispersão dos dados em torno da tendência central Analisaremos as seguintes

Leia mais

Determinação de medidas de posição a partir de dados agrupados

Determinação de medidas de posição a partir de dados agrupados Determinação de medidas de posição a partir de dados agrupados Rinaldo Artes Em algumas situações, o acesso aos microdados de uma pesquisa é restrito ou tecnicamente difícil. Em seu lugar, são divulgados

Leia mais

CURSO DE ESTATÍSTICA STICA DESCRITIVA Adriano Mendonça Souza Departamento de Estatística - UFSM -

CURSO DE ESTATÍSTICA STICA DESCRITIVA Adriano Mendonça Souza Departamento de Estatística - UFSM - CURSO DE ESTATÍSTICA STICA DESCRITIVA Adriano Mendonça Souza Departamento de Estatística - UFSM - A imaginação é mais importante que o conhecimento Albert Einstein Estatística stica?!? Conjunto de técnicas

Leia mais

Prof. Dr. Engenharia Ambiental, UNESP

Prof. Dr. Engenharia Ambiental, UNESP INTRODUÇÃO A ESTATÍSTICA ESPACIAL Análise Exploratória dos Dados Estatística Descritiva Univariada Roberto Wagner Lourenço Roberto Wagner Lourenço Prof. Dr. Engenharia Ambiental, UNESP Estrutura da Apresentação

Leia mais

CONTROLE ESTATÍSTICO DE PROCESSOS

CONTROLE ESTATÍSTICO DE PROCESSOS CONTROLE ESTATÍSTICO DE PROCESSOS ANEXOS INTRODUÇÃO ANEXO 1 TABELA I Fator para estimar o desvio padrão ANEXO 2 TABELA II Valores padronizados para distribuição normal ANEXO 3 TABELA III Distribuição de

Leia mais

A Estatística é aplicada como auxílio nas tomadas de decisão diante de incertezas para justificar cientificamente as decisões

A Estatística é aplicada como auxílio nas tomadas de decisão diante de incertezas para justificar cientificamente as decisões A IMPORTÂNCIA DA ESTATÍSTICA A Estatística é aplicada como auxílio nas tomadas de decisão diante de incertezas para justificar cientificamente as decisões Governo Indústria Ciências Econômicas, sociais,

Leia mais

Sumário. Estatistica.indb 11 16/08/ :47:41

Sumário. Estatistica.indb 11 16/08/ :47:41 Sumário CAPÍTULO 1 CONCEITOS INICIAIS... 19 1.1. Introdução... 19 1.2. Estatística... 19 1.2.1. Estatística Descritiva ou Dedutiva... 21 1.2.2. Estatística Indutiva ou Inferencial... 21 1.3. População...

Leia mais

CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS

CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS CURSO: MATEMÁTICA DISCIPLINA: ESTATÍSTICA E PROBABILIDADE SÉRIE: 1ª CARGA HORÁRIA: 144 HORAS PROFESSORA: Maria Ivete Basniak ANO LETIVO: 2013 EMENTA: Variáveis e gráficos; Distribuições

Leia mais

Medidas de Tendência Central e Medidas de Dispersão

Medidas de Tendência Central e Medidas de Dispersão Aula # 10 Medidas de Tendência Central e Medidas de Dispersão Professor: Dr. Wilfredo Falcón Urquiaga Professor Titular Engenheiro em Telecomunicações e Eletrônica Doutor em Ciências Técnicas Email: falconcuba2007@gmail.com

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS MATEMÁTICA 7.º ANO PLANIFICAÇÃO GLOBAL Múltiplos e divisores. Critérios de divisibilidade. - Escrever múltiplos

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS MATEMÁTICA PLANIFICAÇÃO ANUAL 7.

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS MATEMÁTICA PLANIFICAÇÃO ANUAL 7. AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS MATEMÁTICA PLANIFICAÇÃO ANUAL 7.º ANO ANO LECTIVO 2009/2010 DOMÍNIO TEMÁTICO: NÚMEROS E CÁLCULO 1.º PERÍODO

Leia mais

Planificação Anual. Matemática Dinâmica 7º ano Luísa Faria; Luís Guerreiro Porto Editora. 1 Números inteiros. 10 Sequências e Regularidades

Planificação Anual. Matemática Dinâmica 7º ano Luísa Faria; Luís Guerreiro Porto Editora. 1 Números inteiros. 10 Sequências e Regularidades 3º Período 2º Período 1º Período AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CASTRO DAIRE Escola EBI de Mões Grupo de Recrutamento 500 MATEMÁTICA Ano lectivo 2012/2013 Planificação Anual Disciplina: Matemática Ano: 7º Carga

Leia mais

ESTATÍSTICA Medidas de Síntese

ESTATÍSTICA Medidas de Síntese 2.3 - Medidas de Síntese Além das tabelas e gráficos um conjunto de dados referente a uma variável QUANTITATIVA pode ser resumido (apresentado) através de Medidas de Síntese, também chamadas de Medidas

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Águeda Escola Básica Fernando Caldeira

Agrupamento de Escolas de Águeda Escola Básica Fernando Caldeira Agrupamento de Escolas de Águeda Escola Básica Fernando Caldeira Currículo da disciplina de Matemática - 7ºano Unidade 1 Números inteiros Propriedades da adição de números racionais Multiplicação de números

Leia mais

Comprovação Estatística de Medidas Elétricas

Comprovação Estatística de Medidas Elétricas Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina Departamento Acadêmico de Eletrônica Métodos e Técnicas de Laboratório em Eletrônica Comprovação Estatística de Medidas Elétricas Florianópolis,

Leia mais

Medidas de Dispersão para uma Amostra. Conteúdo: AMPLITUDE VARIÂNCIA DESVIO PADRÃO COEFICIENTE DE VARIAÇÃO

Medidas de Dispersão para uma Amostra. Conteúdo: AMPLITUDE VARIÂNCIA DESVIO PADRÃO COEFICIENTE DE VARIAÇÃO Medidas de Dispersão para uma Amostra Conteúdo: AMPLITUDE VARIÂNCIA DESVIO PADRÃO COEFICIENTE DE VARIAÇÃO Medidas de Dispersão para uma Amostra Para entender o que é dispersão, imagine que quatro alunos

Leia mais

Estatística Descritiva

Estatística Descritiva Estatística Descritiva 1 O que é Estatística A Estatística originou-se com a coleta e construção de tabelas de dados para o governo. A situação evoluiu e esta coleta de dados representa somente um dos

Leia mais

IFF FLUMINENSE CST EM MANUTENÇÃO INDUSTRIAL

IFF FLUMINENSE CST EM MANUTENÇÃO INDUSTRIAL IFF FLUMINENSE CST EM MANUTENÇÃO INDUSTRIAL Estatística e Probabilidade CH: 40 h/a Classificação de variáveis, Levantamento de Dados: Coleta; Apuração; Apresentação; e Análise de resultados. Séries Estatísticas.

Leia mais

Introdução à Estatística Estatística Descritiva 22

Introdução à Estatística Estatística Descritiva 22 Introdução à Estatística Estatística Descritiva 22 As tabelas de frequências e os gráficos constituem processos de redução de dados, no entanto, é possível resumir de uma forma mais drástica esses dados

Leia mais

SUMÁRIO. Prefácio, Espaço amostrai, Definição de probabilidade, Probabilidades finitas dos espaços amostrais fin itos, 20

SUMÁRIO. Prefácio, Espaço amostrai, Definição de probabilidade, Probabilidades finitas dos espaços amostrais fin itos, 20 SUMÁRIO Prefácio, 1 3 1 CÁLCULO DAS PROBABILIDADES, 15 1.1 Introdução, 15 1.2 Caracterização de um experimento aleatório, 15 1.3 Espaço amostrai, 16 1.4 Evento, 17 1.5 Eventos mutuamente exclusivos, 17

Leia mais

Amostragem Aleatória e Descrição de Dados - parte I

Amostragem Aleatória e Descrição de Dados - parte I Amostragem Aleatória e Descrição de Dados - parte I 2012/02 1 Amostra e População 2 3 4 Objetivos Ao final deste capítulo você deve ser capaz de: Calcular e interpretar as seguintes medidas de uma amostra:

Leia mais

Medidas Resumo. Medidas de Posição/ Medidas de Dispersão. A intenção desse trabalho é introduzir os conceitos de Medidas de posição e de dispersão.

Medidas Resumo. Medidas de Posição/ Medidas de Dispersão. A intenção desse trabalho é introduzir os conceitos de Medidas de posição e de dispersão. Medidas Resumo Medidas de Posição/ Medidas de Dispersão A intenção desse trabalho é introduzir os conceitos de Medidas de posição e de dispersão. Prof. MSc. Herivelto Marcondes Março/2009 1 Medidas Resumo

Leia mais

INTRODUÇÃO A ESTATISTICA PROF. RANILDO LOPES

INTRODUÇÃO A ESTATISTICA PROF. RANILDO LOPES INTRODUÇÃO A ESTATISTICA PROF. RANILDO LOPES DESCRIÇÃO DOS DADOS CONTÍNUOS Trazem informações que expressam a tendência central e a dispersão dos dados. Tendência Central: Média ( x ), Mediana ( Md ),

Leia mais

Unidade I. Profa. Ana Carolina Bueno

Unidade I. Profa. Ana Carolina Bueno Unidade I ESTATÍSTICA Profa. Ana Carolina Bueno Estatística Interpretar processos em que há variabilidade. Estatísticas indica qualquer coleção de dados quantitativos, ou ainda, ramo da matemática que

Leia mais

PRO Lista de Exercícios - Amostragem e Estatística Descritiva

PRO Lista de Exercícios - Amostragem e Estatística Descritiva PRO32 - Lista de Exercícios - Amostragem e Estatística Descritiva 1. Para cada uma das amostras abaixo, informar o tipo do processo de amostragem: P - Amostragem probabilística NP - Amostragem não probabilística

Leia mais

Estatística Descritiva (I)

Estatística Descritiva (I) Estatística Descritiva (I) 1 O que é Estatística Origem relacionada com a coleta e construção de tabelas de dados para o governo. A situação evoluiu: a coleta de dados representa somente um dos aspectos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA Departamento de Estatística Tarciana Liberal Quando se estuda uma massa de dados é de freqüente interesse resumir as informações de variáveis. Costuma-se, freqüentemente,

Leia mais

Unidade III ESTATÍSTICA. Prof. Fernando Rodrigues

Unidade III ESTATÍSTICA. Prof. Fernando Rodrigues Unidade III ESTATÍSTICA Prof. Fernando Rodrigues Medidas de dispersão Estudamos na unidade anterior as medidas de tendência central, que fornecem importantes informações sobre uma sequência numérica. Entretanto,

Leia mais

ESTATÍSTICA. Prof.º Mário Castro

ESTATÍSTICA. Prof.º Mário Castro ESTATÍSTICA Prof.º Mário Castro Estatística O que é: É a ciência que coleta, organiza e interpreta dados colhidos entre um grupo aleatório de pessoas. Divisão da estatística: Estatística geral Visa elaborar

Leia mais

Nessa situação, a média dessa distribuição Normal (X ) é igual à média populacional, ou seja:

Nessa situação, a média dessa distribuição Normal (X ) é igual à média populacional, ou seja: Pessoal, trago a vocês a resolução da prova de Estatística do concurso para Auditor Fiscal aplicada pela FCC. Foram 10 questões de estatística! Não identifiquei possibilidade para recursos. Considero a

Leia mais

CAD. 8 SETOR A AULAS 45-48

CAD. 8 SETOR A AULAS 45-48 CAD. 8 SETOR A AULAS 45-48 48 ESTATÍSTICA STICA Prof. Suzart ESTATÍSTICA Elabora métodos para coleta, organização, descrição, análise e intepretação de dados. Experimentos não-determinísticos. Determinação

Leia mais

PLANO DE ENSINO. Disciplina: Estatística e Probabilidade Carga Horária: 40h Período: 1º. Ementa

PLANO DE ENSINO. Disciplina: Estatística e Probabilidade Carga Horária: 40h Período: 1º. Ementa Disciplina: Estatística e Probabilidade Carga Horária: 40h Período: 1º PLANO DE ENSINO Ementa Classificação de variáveis, Levantamento de Dados: Coleta; Apuração; Apresentação e Análise de resultados.

Leia mais

AGRUPAMENTO de ESCOLAS Nº1 de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2013/2014 PLANIFICAÇÃO ANUAL

AGRUPAMENTO de ESCOLAS Nº1 de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2013/2014 PLANIFICAÇÃO ANUAL AGRUPAMENTO de ESCOLAS Nº1 de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2013/2014 PLANIFICAÇÃO ANUAL Documento(s) Orientador(es): Programa e Metas de Aprendizagem e manual adoptado 3º CICLO MATEMÁTICA 7ºANO TEMAS/DOMÍNIOS

Leia mais

MEDIDAS DE POSIÇÃO E DE DISPERSÃO. Profª Andréa H Dâmaso

MEDIDAS DE POSIÇÃO E DE DISPERSÃO. Profª Andréa H Dâmaso MEDIDAS DE POSIÇÃO E DE DISPERSÃO Profª Andréa H Dâmaso Bioestatística e Delineamento Experimental - 2012 Tópicos da aula Medidas de tendência central e dispersão Variáveis contínuas: distribuição normal

Leia mais

Avaliação. Diagnóstico. Gerente Apuração de dados. Sistema integrado. Tudo que você precisa está a sua disposição no ambiente virtual.

Avaliação. Diagnóstico. Gerente Apuração de dados. Sistema integrado. Tudo que você precisa está a sua disposição no ambiente virtual. NÍVEL DE ENSINO: Graduação Tecnológica CARGA HORÁRIA: 40h PROFESSOR-AUTOR: Ricardo Saraiva Diniz DE DADOS ANÁLISE E INTERPRETAÇÃO APRESENTAÇÃO Desempenho Olá! Seja muito bem-vindo à disciplina Análise

Leia mais

Estatística I Aula 2. Prof.: Patricia Maria Bortolon, D. Sc.

Estatística I Aula 2. Prof.: Patricia Maria Bortolon, D. Sc. Estatística I Aula 2 Prof.: Patricia Maria Bortolon, D. Sc. Análise Exploratória de Dados Consiste em resumir e organizar os dados coletados Utiliza-se tabelas, gráficos ou medidas numéricas para resumir

Leia mais

Capítulo 3: Elementos de Estatística e Probabilidades aplicados à Hidrologia

Capítulo 3: Elementos de Estatística e Probabilidades aplicados à Hidrologia Departamento de Engenharia Civil Prof. Dr. Doalcey Antunes Ramos Capítulo 3: Elementos de Estatística e Probabilidades aplicados à Hidrologia 3.1 - Objetivos Séries de variáveis hidrológicas como precipitações,

Leia mais

Estatística e Probabilidade

Estatística e Probabilidade Aula 3 Cap 02 Estatística Descritiva Nesta aula... estudaremos medidas de tendência central, medidas de variação e medidas de posição. Medidas de tendência central Uma medida de tendência central é um

Leia mais

Aula 2. ESTATÍSTICA E TEORIA DAS PROBABILIDADES Conceitos Básicos

Aula 2. ESTATÍSTICA E TEORIA DAS PROBABILIDADES Conceitos Básicos Aula 2 ESTATÍSTICA E TEORIA DAS PROBABILIDADES Conceitos Básicos 1. DEFINIÇÕES FENÔMENO Toda modificação que se processa nos corpos pela ação de agentes físicos ou químicos. 2. Tudo o que pode ser percebido

Leia mais

ESCOLA E B 2,3/S MIGUEL LEITÃO DE ANDRADA - AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PEDRÓGÃO GRANDE DEPARTAMENTO DAS CIÊNCIAS EXATAS 2015/2016

ESCOLA E B 2,3/S MIGUEL LEITÃO DE ANDRADA - AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PEDRÓGÃO GRANDE DEPARTAMENTO DAS CIÊNCIAS EXATAS 2015/2016 ESCOLA E B 2,3/S MIGUEL LEITÃO DE ANDRADA - AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PEDRÓGÃO GRANDE DEPARTAMENTO DAS CIÊNCIAS EXATAS 2015/2016 PLANIFICAÇÃO DE MATEMÁTICA 7ºANO 1º Período 2º Período 3º Período Apresentação,

Leia mais

Medidas de Tendência Central

Medidas de Tendência Central ESTATÍSTICA DESCRITIVA Medidas de Tendência Central 3 MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL 3.1 Média Aritmética Uma das mais importantes medidas estatísticas utilizadas é a média. Ela é, por exemplo, utilizada

Leia mais

MEDIDAS DE DISPERSÃO. Os dados a seguir referem-se ao índice pluviométrico de três cidades no Estado de São Paulo, em 3 diferentes ocasiões

MEDIDAS DE DISPERSÃO. Os dados a seguir referem-se ao índice pluviométrico de três cidades no Estado de São Paulo, em 3 diferentes ocasiões MEDIDAS DE DISPERSÃO Os dados a seguir referem-se ao índice pluviométrico de três cidades no Estado de São Paulo, em 3 diferentes ocasiões Cidade A: 185, 185, 185 x 185mm Cidade B: 18, 184, 189 x 185mm

Leia mais

AT = Maior valor Menor valor

AT = Maior valor Menor valor UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA TABELAS E GRÁFICOS Departamento de Estatística Luiz Medeiros DISTRIBUIÇÃO DE FREQUÊNCIA Quando se estuda uma massa de dados é de frequente interesse resumir as informações

Leia mais

Centro de Ciências e Tecnologia Agroalimentar - Campus Pombal Disciplina: Estatística Básica Aula 1 Professor: Carlos Sérgio

Centro de Ciências e Tecnologia Agroalimentar - Campus Pombal Disciplina: Estatística Básica Aula 1 Professor: Carlos Sérgio Centro de Ciências e Tecnologia Agroalimentar - Campus Pombal Disciplina: Estatística Básica - 2013 Aula 1 Professor: Carlos Sérgio UNIDADE 1 - INTRODUÇÃO GERAL (NOTAS DE AULA) 1 A Estatística Para algumas

Leia mais

NOÇÕES BÁSICAS DE ESTATÍSTICA

NOÇÕES BÁSICAS DE ESTATÍSTICA NOÇÕES BÁSICAS DE ESTATÍSTICA Tipos de Estatísticas Estatística descritiva É a parte mais conhecida. Quem vê o noticiário, na televisão ou nos jornais, sabe o quão freqüente é o uso de médias, índices

Leia mais

Métodos Estatísticos Básicos

Métodos Estatísticos Básicos Aula 2 - Distribuição de frequências Departamento de Economia Universidade Federal de Pelotas (UFPel) Março de 2014 Distribuição de frequência Tabela primitiva (dados brutos): é uma tabela com a relação

Leia mais

ESTATÍSTICA. Distribuição de Frequência

ESTATÍSTICA. Distribuição de Frequência Distribuição de Frequência 1 Em estatística, a distribuição de frequência é um arranjo de valores que uma ou mais variáveis tomam em uma amostra. Cada entrada na tabela contém a frequência ou a contagem

Leia mais

Aula 3 Distribuição de Frequências.

Aula 3 Distribuição de Frequências. 1 Estatística e Probabilidade Aula 3 Distribuição de Frequências. Professor Luciano Nóbrega Distribuição de frequência 2 Definições Básicas Dados Brutos são os dados originais que ainda não foram numericamente

Leia mais

n = 25) e o elemento (pois = 19) e terá o valor 8. Verifique que antes e depois do 19 o elemento, teremos 18 elementos.

n = 25) e o elemento (pois = 19) e terá o valor 8. Verifique que antes e depois do 19 o elemento, teremos 18 elementos. V) Mediana: A Mediana de um conjunto de números, ordenados crescente ou decrescentemente em ordem de grandeza (isto é, em um rol), será o elemento que ocupe a posição central da distribuição de freqüência

Leia mais

HEP Bioestatística

HEP Bioestatística HEP 57800 Bioestatística DATA Aula CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 05/03 Terça Níveis de mensuração, variáveis, organização de dados, apresentação tabular 07/03 Quinta Apresentação tabular e gráfica /03 Terça 3

Leia mais

Medidas Descritivas de Posição, Tendência Central e Variabilidade

Medidas Descritivas de Posição, Tendência Central e Variabilidade Medidas Descritivas de Posição, Tendência Central e Variabilidade Prof. Gilberto Rodrigues Liska UNIPAMPA 27 de Março de 2017 Material de Apoio e-mail: gilbertoliska@unipampa.edu.br Sumário 1 Introdução

Leia mais

AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL. Documento(s) Orientador(es): Programa e Metas de Aprendizagem

AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL. Documento(s) Orientador(es): Programa e Metas de Aprendizagem AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL Documento(s) Orientador(es): Programa e Metas de Aprendizagem 3º CICLO MATEMÁTICA 7ºANO TEMAS/DOMÍNIOS CONTEÚDOS OBJETIVOS

Leia mais

PROGRAMA DA DISCIPLINA

PROGRAMA DA DISCIPLINA PROGRAMA DA DISCIPLINA Curso: Matemática Disciplina: Estatística Carga Horária: 60 eórica: 44 Prática: 16 Semestre: 2013/02 Professor: Alzinete Diniz da Silva Obrigatória: ( x ) Eletiva: ( ) EMENA Estatística

Leia mais

MEDIDAS E INCERTEZAS

MEDIDAS E INCERTEZAS MEDIDAS E INCERTEZAS O Que é Medição? É um processo empírico que objetiva a designação de números a propriedades de objetos ou a eventos do mundo real de forma a descrevêlos quantitativamente. Outra forma

Leia mais

Estatística I Aula 3. Prof.: Patricia Maria Bortolon, D. Sc.

Estatística I Aula 3. Prof.: Patricia Maria Bortolon, D. Sc. Estatística I Aula 3 Prof.: Patricia Maria Bortolon, D. Sc. Estatística: Prof. André Carvalhal Dados quantitativos: medidas numéricas Propriedades Numéricas Tendência Central Dispersão Formato Média Mediana

Leia mais

Medidas Estatísticas NILO FERNANDES VARELA

Medidas Estatísticas NILO FERNANDES VARELA Medidas Estatísticas NILO FERNANDES VARELA Tendência Central Medidas que orientam quanto aos valores centrais. Representam os fenômenos pelos seus valores médios, em torno dos quais tendem a se concentrar

Leia mais

Curso: Engenharia de Prod. Mecânica Engenharia Elétrica Estatística e Probabilidade Prof. Eng. Vicente Budzinski Notas de Aula

Curso: Engenharia de Prod. Mecânica Engenharia Elétrica Estatística e Probabilidade Prof. Eng. Vicente Budzinski Notas de Aula Curso: Engenharia de Prod. Mecânica Engenharia Elétrica Estatística e Probabilidade Prof. Eng. Vicente Budzinski Notas de Aula 1. SOMATÓRIO 1.1 Índices ou notação por índices O símbolo Xi (lê-se X índice

Leia mais

Bioestatística. Aula 3. MEDIDAS SEPARATRIZES Quartis, Decis e percentis. Profa. Alessandra Bussador

Bioestatística. Aula 3. MEDIDAS SEPARATRIZES Quartis, Decis e percentis. Profa. Alessandra Bussador Bioestatística Aula 3 MEDIDAS SEPARATRIZES Quartis, Decis e percentis Profa. Alessandra Bussador Quartis dados não agrupados Dividem os dados ordenados em quatro partes: Primeiro Quartil (Q1): valor que

Leia mais

Plano de Ensino. Disciplina: Estatística. Carga Horária: 50 aulas. Ementa da disciplina:

Plano de Ensino. Disciplina: Estatística. Carga Horária: 50 aulas. Ementa da disciplina: 1 Plano de Ensino Curso: Ciências Contábeis Disciplina: Estatística Carga Horária: 50 aulas Semestre Letivo/Turno: 2º semestre/ Professor: Período: Ementa da disciplina: Gerais: Conteúdo Programático:

Leia mais

Dados de identificação do Acadêmico: Nome: Login: CA: Cidade: UF Assinatura: CARTÃO RESPOSTA

Dados de identificação do Acadêmico: Nome: Login: CA: Cidade: UF Assinatura: CARTÃO RESPOSTA ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS TURMA 2008 4º PERÍODO 7º MÓDULO AVALIAÇÃO A2 DATA 08/10/2009 ESTATÍSTICA 2009/2 Dados de identificação do Acadêmico: Nome: Login: CA: Cidade: UF Assinatura: CARTÃO

Leia mais

AMEI Escolar Matemática 8º Ano Estatística: Organização e Tratamento de Dados

AMEI Escolar Matemática 8º Ano Estatística: Organização e Tratamento de Dados AMEI Escolar Matemática 8º Ano Estatística: Organização e Tratamento de Dados Conteúdos desta unidade: Organização, representação e interpretação de dados; Medidas de tendência central; Medidas de localização.

Leia mais

Vimos que é possível sintetizar os dados sob a forma de distribuições de frequência e gráficos. Pode ser de interesse apresentar esses dados através d

Vimos que é possível sintetizar os dados sob a forma de distribuições de frequência e gráficos. Pode ser de interesse apresentar esses dados através d UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA MEDIDAS DE POSIÇÃO E DISPERSÃO Departamento de Estatística Luiz Medeiros Vimos que é possível sintetizar os dados sob a forma de distribuições de frequência e gráficos.

Leia mais

MOQ-13 PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA. Professor: Rodrigo A. Scarpel

MOQ-13 PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA. Professor: Rodrigo A. Scarpel MOQ-13 PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA Professor: Rodrigo A. Scarpel rodrigo@ita.br www.mec.ita.br/~rodrigo Programa do curso: Semanas 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 e 16 Introdução à probabilidade (eventos,

Leia mais

Elementos de Estatística

Elementos de Estatística Elementos de Estatística Lupércio F. Bessegato & Marcel T. Vieira UFJF Departamento de Estatística 2013 Medidas Resumo Medidas Resumo Medidas que sintetizam informações contidas nas variáveis em um único

Leia mais

ESTATÍSTICA APLICADA

ESTATÍSTICA APLICADA ESTATÍSTICA APLICADA TEMA I ESTATÍSTICA DESCRITIVA SUMÁRIO: CLASSIFICAÇÃO DOS DADOS SEGUNDO A ESCALA DISTRIBUIÇÕES DE FREQUENCIA PARA DADOS CONTÍNUOS. DISTRIBUIÇÃO EM CLASSES Distribuição para Dados Quantitativos

Leia mais

MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL

MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL Professor Jair Wyzykowski Universidade Estadual de Santa Catarina Média aritmética INTRODUÇÃO A concentração de dados em torno de um valor pode ser usada para representar todos

Leia mais

Plano de Ensino Docente. TURMA: 2º semestre

Plano de Ensino Docente. TURMA: 2º semestre Plano de Ensino Docente IDENTIFICAÇÃO CURSO: Licenciatura em Matemática FORMA/GRAU:( ) integrado ( ) subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado (x) licenciatura ( ) tecnólogo MODALIDADE: ( x ) Presencial

Leia mais

PLANO DE ENSINO E APRENDIZAGEM

PLANO DE ENSINO E APRENDIZAGEM SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS CURSO DE LICENCIATURA PLENA EM MATEMÁTICA PARFOR PLANO DE ENSINO E APRENDIZAGEM I - IDENTIFICAÇÃO: PROFESSOR(A)

Leia mais

Medidas de Dispersão ou variabilidade

Medidas de Dispersão ou variabilidade Medidas de Dispersão ou variabilidade A média - ainda que considerada como um número que tem a faculdade de representar uma série de valores - não pode, por si mesma, destacar o grau de homogeneidade ou

Leia mais

AULA 5 MEDIDAS DESCRITIVAS DOCENTE: CIRA SOUZA PITOMBO

AULA 5 MEDIDAS DESCRITIVAS DOCENTE: CIRA SOUZA PITOMBO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA POLITÉCNICA MEAU- MESTRADO EM ENGENHARIA AMBIENTAL URBANA ENG C 18 Métodos de Pesquisa Quantitativos e Qualitativos AULA 5 MEDIDAS DESCRITIVAS DOCENTE: CIRA SOUZA PITOMBO

Leia mais

MATRIZ DE REFERÊNCIA-Ensino Médio Componente Curricular: Matemática

MATRIZ DE REFERÊNCIA-Ensino Médio Componente Curricular: Matemática MATRIZ DE REFERÊNCIA-Ensino Médio Componente Curricular: Matemática Conteúdos I - Conjuntos:. Representação e relação de pertinência;. Tipos de conjuntos;. Subconjuntos;. Inclusão;. Operações com conjuntos;.

Leia mais

É um tipo de tabela que condensa uma coleção de dados conforme as frequências (repetições de seus valores).

É um tipo de tabela que condensa uma coleção de dados conforme as frequências (repetições de seus valores). RESUMO Uma distribuição de frequência é um método de se agrupar dados em classes de modo a fornecer a quantidade (e/ou a percentagem) de dados em cada classe Com isso, podemos resumir e visualizar um conjunto

Leia mais

ESTATÍSTICA DESCRITIVA E PREVISÃO INDICE

ESTATÍSTICA DESCRITIVA E PREVISÃO INDICE ESTATÍSTICA DESCRITIVA E PREVISÃO INDICE CAPITULO L APRESENTAÇÃO DE DADOS, pag 1 1.1 Introdução, 2 1.2. Quadros ou Tabelas, 3 1.3 Distribuições de Frequência, 4 1.4 Classificação de Dados, 7 1.5 Distribuição

Leia mais

Medidas de Dispersão 1

Medidas de Dispersão 1 Curso: Logística e Transportes Disciplina: Estatística Profa. Eliane Cabariti Medidas de Dispersão 1 Introdução Uma breve reflexão sobre as medidas de tendência central permite-nos concluir que elas não

Leia mais

Estatística descritiva básica: Tabelas e Gráficos

Estatística descritiva básica: Tabelas e Gráficos Estatística descritiva básica: Tabelas e Gráficos ACH2021 Tratamento e Análise de Dados e Informações Marcelo de Souza Lauretto marcelolauretto@usp.br www.each.usp.br/lauretto *Parte do conteúdo baseada

Leia mais

Probabilidade e Estatística I Antonio Roque Aula 2. Tabelas e Diagramas de Freqüência

Probabilidade e Estatística I Antonio Roque Aula 2. Tabelas e Diagramas de Freqüência Tabelas e Diagramas de Freqüência Probabilidade e Estatística I Antonio Roque Aula 2 O primeiro passo na análise e interpretação dos dados de uma amostra consiste na descrição (apresentação) dos dados

Leia mais

Engenharia da Qualidade. Profa. Luciana Rosa Leite

Engenharia da Qualidade. Profa. Luciana Rosa Leite Engenharia da Qualidade Profa. Luciana Rosa Leite Unidade 1 Introdução à Engenharia Da Qualidade 1.1 Evolução da Gestão da Qualidade 1.2 Revisão de conceitos estatísticos Exercícios Evolução da Gestão

Leia mais

CAPÍTULO 4 CONCEITOS BÁSICOS DE ESTATÍSTICA E PROBABILIDADES

CAPÍTULO 4 CONCEITOS BÁSICOS DE ESTATÍSTICA E PROBABILIDADES CAPÍTULO 4 CONCEITOS BÁSICOS DE ESTATÍSTICA E PROBABILIDADES. INTRODUÇÃO - Conceito de população desconhecida π e proporção da amostra observada P. π P + pequeno erro Perguntas: - Qual é o pequeno erro?

Leia mais

MATEMÁTICA PARA A VIDA

MATEMÁTICA PARA A VIDA MATEMÁTICA PARA A VIDA B2 6 Interpretar, organizar, analisar e comunicar informação usando processos e procedimentos matemáticos. Utilizar a moeda única europeia e outra familiar em actividades do dia

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico ETec. São José do Rio Pardo Código: 150 Município: São José do Rio Pardo Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnico em Administração

Leia mais

ESTATÍSTICA. PROF. RANILDO LOPES U.E PROF EDGAR TITO

ESTATÍSTICA. PROF. RANILDO LOPES  U.E PROF EDGAR TITO ESTATÍSTICA PROF. RANILDO LOPES http://ueedgartito.wordpress.com U.E PROF EDGAR TITO Introdução à Estatística Básica 1- O que é Estatística? A Estatística é uma ciência exata que visa fornecer subsídios

Leia mais

APONTAMENTOS DE SPSS

APONTAMENTOS DE SPSS Instituto de Ciências Biomédicas de Abel Salazar APONTAMENTOS DE SPSS Rui Magalhães 2010-1 - - 2 - Menu DATA Opção SPLIT FILE Permite dividir, de uma forma virtual, o ficheiro em diferentes ficheiros com

Leia mais

Matemática Ensino Médio Anotações de aula Estatística Marco Polo

Matemática Ensino Médio Anotações de aula Estatística Marco Polo Matemática Ensino Médio Anotações de aula Estatística Marco Polo Prof. José Carlos Ferreira da Silva 2016 1 ÍNDICE ESTATÍSTICA Introdução... 04 Conceitos preliminares...04 Distribuição de frequência unitárias...

Leia mais

Eduardo. Competência Objeto de aprendizagem Habilidade

Eduardo. Competência Objeto de aprendizagem Habilidade Matemática Eduardo 3ª 8 Ano E.F. Competência Objeto de aprendizagem Habilidade Competência 2 Foco: Os conjuntos numéricos Construir significados para os números naturais, inteiros, racionais e reais. Competência

Leia mais

QUESTÕES DE CONCURSOS PÚBLICOS ESTATÍSTICA DESCRITIVA

QUESTÕES DE CONCURSOS PÚBLICOS ESTATÍSTICA DESCRITIVA QUESTÕES DE CONCURSOS PÚBLICOS ESTATÍSTICA DESCRITIVA 1) Um pesquisador que ordena uma lista de cidades segundo o ritmo de vida, do mais lento para o mais acelerado, está operando no nível de medida: (A)

Leia mais

ESTATÍSTICA. PROF. RANILDO LOPES U.E PROF EDGAR TITO

ESTATÍSTICA. PROF. RANILDO LOPES  U.E PROF EDGAR TITO ESTATÍSTICA PROF. RANILDO LOPES http://ueedgartito.wordpress.com U.E PROF EDGAR TITO 1 ESTATÍSTICA MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL MEDIDAS DE DISPERSÃO 2 Estatística ELEMENTOS TÍPICOS DE UMA DISTRIBUIÇÃO:

Leia mais

CURSO DE SPSS AULA 2 MEDIDAS DESCRITIVAS. UFBA/FACED José Albertino Lordello Sheila Regina Pereira

CURSO DE SPSS AULA 2 MEDIDAS DESCRITIVAS. UFBA/FACED José Albertino Lordello Sheila Regina Pereira CURSO DE SPSS AULA 2 MEDIDAS DESCRITIVAS UFBA/FACED José Albertino Lordello Sheila Regina Pereira MEDIDAS RESUMO Uma maneira conveniente de descrever um grupo como um todo é achar um número único que represente

Leia mais

ESTATÍSTICA DESCRITIVA

ESTATÍSTICA DESCRITIVA ESTATÍSTICA DESCRITIVA O principal objectivo da ESTATÍSTICA DESCRITIVA é a redução de dados. A importância de que se revestem os métodos que visam exprimir a informação relevante contida numa grande massa

Leia mais

Negócios II - Estatística -- Séries Estatísticas Slide 1 de 34

Negócios II - Estatística -- Séries Estatísticas Slide 1 de 34 Séries Estatísticas Introdução à Tabelas Estatísticas Definição de Séries Estatísticas Distribuição de Frequências Dados brutos dados em rol Limite de classes Amplitude total Número de classes amplitude

Leia mais

PROGRAMA e Metas Curriculares Matemática A. Estatística. António Bivar, Carlos Grosso, Filipe Oliveira, Luísa Loura e Maria Clementina Timóteo

PROGRAMA e Metas Curriculares Matemática A. Estatística. António Bivar, Carlos Grosso, Filipe Oliveira, Luísa Loura e Maria Clementina Timóteo PROGRAMA e Metas Curriculares Matemática A Estatística António Bivar, Carlos Grosso, Filipe Oliveira, Luísa Loura e Maria Clementina Timóteo O tema da Estatística nos Cursos Científico-Humanísticos de

Leia mais

MAIS SOBRE MEDIDAS RESUMO. * é muito influenciada por valor atípico

MAIS SOBRE MEDIDAS RESUMO. * é muito influenciada por valor atípico MAIS SOBRE MEDIDAS RESUMO Medidas de Tendência Central (1) média (aritmética) * só para variáveis quantitativas exceção: variável qualitativa nominal dicotômica, com categorias codificadas em 0 e 1; neste

Leia mais