UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE MARKETING DIRETO COMO INSTRUMENTO DE APOIO A VENDA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE MARKETING DIRETO COMO INSTRUMENTO DE APOIO A VENDA"

Transcrição

1 1 UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE MARKETING DIRETO COMO INSTRUMENTO DE APOIO A VENDA Acácio David Bernardo Júnior Orientador Prof. Ms. Marco A. Larosa. Rio de Janeiro 2003

2 2 UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE MARKETING DIRETO COMO INSTRUMENTO DE APOIO A VENDA Apresentação de monografia à Universidade Cândido Mendes como condição prévia para a conclusão do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Docência do Ensino Superior. Por: Acácio David Bernardo Júnior

3 3 AGRADECIMENTOS Agradeço o Sr. Almeida, meu sogro que me ajudou na conclusão deste trabalho.

4 4 DEDICATÓRIA Dedico esta a minha mãe, minha irmã e minha esposa, pois nos momentos mais difíceis, encontrei o apoio de cada uma para chegar até aqui. Agora juntos podemos festejar com muito orgulho esta vitória!

5 5 RESUMO O capítulo 1 aborda sobre o conceito de marketing e como esta área foi evoluindo, passando por todas as suas fases, até os dias de hoje ( Marketing ). O capítulo 2 tem como principal objetivo apresentar o conceito de Marketing Direto, como ele surgiu e como foi a sua evolução. E em seguida, demonstrar as áreas do mercado que se aplica o Marketing Direto e, seu surgimento e desenvolvimento no mercado brasileiro ( Marketing Direto ). O capítulo seguinte fala sobre a peça fundamental para o desenvolvimento de ações de marketing direto o Banco de Dados e, como esse instrumento viabiliza a segmentação de seus clientes. Por último, apresentamos um novo conceito de gerência no relacionamento com o cliente CRM demonstrando, assim, a importância da tecnologia da informação nesta área ( A Importância da Tecnologia da Informação para o Marketing Direto ). O capítulo 4 apresentará as principais ferramentas utilizadas pelo Marketing Direto, para atingir seus prospects e motivá-los a compra, que são venda face a face; catálogo; mala direta; televisão; resposta direta de rádio, revista e jornais, telemarketing; canais on-line e terminais de compra. ( Principais Ferramentas Utilizadas pelo Marketing Direto ). A conclusão condensa os principais conceitos do trabalho monográfico que demonstra como é importante a aplicação do Marketing Direto, nas organizações, como um canal alternativo de apoio à venda/distrbiuição de produtos e serviços, num mercado tão competitivo como o atual.

6 6 METODOLOGIA Para o desenvolvimento da pesquisa foram utilizados livros de Marketing, Administração, Estratégia e Gestão de autores renomados no assunto.

7 7 SUMÁRIO RESUMO INTRODUÇÃO 9 CAPÍTULO I MARKETING Conceito Evolução Histórica Era da Produção Era de Vendas Era do Marketing Era do Marketing de Massa 1960/ Era do Marketing de Segmentação Era do Marketing de Clientização CAPÍTULO II MARKETING DIRETO Histórico Conceito Mercado do Marketing Direto Marketing Direto no Brasil 22 CAPÍTULO III A IMPORTÂNCIA DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO PARA O MARKETING DIRETO Banco de Dados Banco de dados como Instrumento de segmentação CRM (Customer Relationship Management) 30 CAPÍTULO IV INSTRUMENTOS UTILIZADOS PELO MARKETING DIRETO 33

8 8 CONCLUSÃO 40 BIBLIOGRAFIA 42

9 9 INTRODUÇÃO Ao longo do tempo pode-se perceber uma crescente preocupação das empresas, das instituições e até mesmo dos países, em atender melhor seus mercados, comunicar-se melhor com eles e oferecer-lhes o que desejam a um preço que estejam dispostos e tenham capacidade de pagar. Esta preocupação aumentou na medida em que a concorrência começou a se tornar mais acirrada e que, com a evolução rápida de novas tecnologias, esses mercados começaram a ser a cada dia melhor atendidos tornando-se, portanto, muito mais seletivos e exigentes. Isto fez com que a área aumentasse cada vez mais de importância dentro das empresas, a área de Marketing. Inicialmente, o marketing buscava atender as necessidades dos clientes, adequar o produto a elas e fazer que eles percebessem que aquele produto atendia sua necessidade, era o denominado marketing de massa. Porém, esta análise era feita dentro do universo muito grande de clientes e o produto atendia muitas vezes apenas parte do desejo e da necessidade do cliente. Isto fez com que empresas d menor porte analisassem as necessidades de pequenos nichos e oferecessem um produto que se identificava totalmente com o cliente. Com a finalidade de entender melhor quem são seus clientes, como se comportam, ao que gostam, o que fazem e abrir um canal direto com eles surge o Marketing Direto. Em um curto espaço de tempo este passou a ser um dos principais instrumentos das empresas para conquistar, manter e reter clientes. O objetivo deste trabalho monográfico é entender o que é Marketing Direto, como ele surgiu, seus conceitos, seus principais instrumentos utilizados, como ele chegou até as empresas e no Brasil, e a importância de sua aplicação em diversas áreas de um mercado tão competitivo.

10 10 CAPÍTULO I MARKETING

11 11 MARKETING 1.1 Conceito O Marketing possui vários conceitos e pode ser definido de diversas formas. Segundo Philip Kotler: Marketing é um processo social e gerencial pelo qual indivíduos e grupos obtêm o que necessitam e desejam através da criação, oferta e troca de produtos de valor com outros. 1 Segundo essa definição, o Marketing começa a partir das necessidades e desejos das pessoas. Depois, elas satisfazem as suas necessidades e desejos com produtos ou serviços. Porém, antes de efetivar a compra, o indivíduo irá analisar o valor e o custo desse produto ou serviço e, na maioria das vezes, será adquirido aquele que apresentar a melhor relação de custo benefício. Além disso, antes da compra o indivíduo analisará e prevalecerá aquele que tem um bom relacionamento com ele no mercado. Logo, em seguida, ocorrerá uma troca onde a pessoa terá o produto ou serviço desejado e o outro lado terá a sua recompensa. Outros fatores a serem considerados, num processo de compra, são, a oferta do mercado e, paralelamente, as ações de marketing que terão a função de conquistar o maior número de consumidores potenciais. Desta forma, a chave para alcançar as metas organizacionais consiste em ser mais eficaz do que os concorrentes para integrar as atividades de marketing, satisfazendo, assim, as necessidades dos mercados-alvos. 1.2 Evolução Histórica A evolução do conceito de marketing passou por várias fases a partir de mudanças na ênfase da comercialização. 1 KOTLER, PHILIP. Administração de Marketing: Análise, Planejamento, Implementação e Controle. São Paulo: Atlas, P

12 Era da Produção Essa etapa começou a partir da Revolução Industrial e se prolongou até os anos 20. A demanda era maior que a oferta e, os consumidores estavam ávidos por produtos e serviços. Mais tarde apareceram as primeiras indústrias organizadas aplicando a administração científica de Taylor. Por volta de 30 a produtividade aumentou muito. A partir daí, o problema de vencer a concorrência e conquistar os consumidores ficou em evidência. E, isso levou muitas empresas a entrar na era da venda Era de Vendas 1930 Nessa época, que durou até os anos 50, as vendas estavam crescendo rapidamente. Surge, então, os primeiros sinais de excesso de oferta e, os problemas acumulavam-se em estoques. Algumas empresas começaram a utilizar técnicas de vendas bem mais agressivas. Neste momento as empresas perceberam que alguém deveria focar na pesquisa, compra, produção, distribuição e vendas de seus produtos e serviços. Surge, então, o departamento de marketing Era do Marketing 1950 A partir de 1950, os empresários passaram a perceber que vendas a qualquer custo não era a forma de comercialização muito correta. As vendas não eram constantes. O mais importante era a conquista e a manutenção de negócios em longo prazo, mantendo relações permanentes com a clientela. Por isso, nessa época passou a existir uma valorização maior do consumidor. Todos os produtos deveriam ser vendidos a partir da constatação dos seus desejos e necessidades. O cliente passou a dominar o cenário da comercialização como um dos caminhos para a obtenção de melhores resultados. Estava determinado o conceito de marketing, em que o consumidor passava a ser considerado o rei.

13 Era do Marketing de Massa Por volta de 1960 o marketing de massa surge para vender produtos padronizados, produzidos em massa, para uma massa de consumidores igualmente padronizados e não diferenciados. As empresas estavam mais orientadas para os produtos de que para os consumidores. Elas decidiam fazer um produto porque poderia estabelecer seu preço para cobrar os custos e obter lucro tanto quanto possível, colocá-lo nas prateleiras das lojas através de rede de distribuição ainda predominante e promovê-lo sem maiores preocupações com o cliente Era do Marketing de Segmentação 1980 Por volta dos anos 80 as empresas percebem que seus esforços de venda podem ser mais bem otimizados e acabam substituindo o marketing massificado pelo o marketings dos nichos. É a década do nicho de marketing, dirigido a segmentos cada vez mais específicos de mercado. A qualidade não é mais determinada pelos padrões de fabricação, mas preferivelmente pelas percepções de preço/valor do cliente. E elementos da prudência na fabricação, tais como a ética no abastecimento, a saúde e a segurança do local do trabalho e a responsabilidade com o meio ambiente, tornam-se parte do produto Era do Marketing de Clientelização 1990 Neste momento a empresa passa a colocar o cliente em primeiro plano e, tenta se aproximar para conhecê-lo, individualmente, melhor e, em seguida oferecer um produto de acordo com o seu perfil e necessidade. O marketing de clientelização ou marketing individualizado tem que lidar não só com a qualidade do produto, mas com a qualidade de relacionamento. Além disso, para se aplicar um marketing individualizado, é necessário reconhecer que os clientes são diferentes, depois, é preciso saber como agir de

14 14 acordo com essa realidade. A empresa deve diferenciar os seus clientes entre si, de modo a poder tratar cada um deles como em indivíduo, e não como membro de um grupo. E para isso, os profissionais de marketing estão tentando obter uma interação maior com os clientes, pois é através de suas opiniões que será possível detectar os pontos fortes ou pontos fracos e, assim, detectar quais melhorias que o produto e os serviços, estão necessitando. Atualmente o principal objetivo que deve ser valorizado pelas empresas é a recompensa por criar clientes satisfeitos. Clientes satisfeitos retornam ou indicam para outros, fazendo assim, uma propaganda gratuita para a empresa (clientes ativos). Ou seja,m as empresas, satisfazendo desejos dosa clientes, tornam-se mais lucrativas.

15 15 CAPÍTULO II MARKETING DIRETO

16 16 MARKETING DIRETO 2.1 Histórico Os primeiros sinais de Marketing Diretos foram em 1450, quando os editores europeus usaram catálogos para atrair clientes a inúmeros livros disponíveis. E, também, os donos de viveiros através desse mesmo instrumento, faziam com que os jardineiros fizessem conhecidos as suas plantas e sementes. Ao mesmo tempo, nas colônias americanas, Benjamin Franklin formou um Clube do Livro, onde membros pagavam uma mensalidade para ter acesso a livros selecionados por catálogo. Outra forma que o Marketing Direto se apresentava era através de ambulantes que faziam demonstrações de seus produtos na casa de seus clientes. Mas o marco inicial do Marketing Direto moderno foi nos EUA, através das inovações da Montgomery Ward e da Sears Aaron Montgomery Ward que se baseavam no slogan: Elimine o intermediário, e desde aquele tempo fazia as suas negociações e vendas diretamente aos consumidores. Todos os seus produtos tinham garantia total Ward, também utilizava uma carta de atendimento ao cliente como ferramenta para estreitar o relacionamento com o mesmo. Richar Warren Sears, no início, era um mercador ambulante que vendia relógios para ferroviários, e assim como Ward oferecia a devolução do dinheiro em caso de insatisfação do cliente. Seus negócios cresceram ainda mais depois de 1890, quando o serviço postal dos Estados Unidos passou a atender as zonas rurais, possibilitando eu os seus catálogos e produtos chegassem as casas de todas famílias americanas. No início do século XX, as aplicações do Marketing Direto se expandiram

17 17 para as áreas de mídia, imprensa e mala direta. Albert Lasker, um jornalista, que mudou o curso de sua carreira por ter se apaixonado por propaganda, aprendeu, com o seu mentor Jonh E. Kennedy, que a propagando deveria ter a capacidade de vender por escrito. E para que isto ocorresse, a chave do sucesso era uma boa redação que convencesse o leitor que o produto tinha características e benefícios que valessem a pena a compra. Outra forma de marketing direto surge quando dois homens começaram a oferecer seus livros pelo correio. A biblioteca por correio possibilitou que muitos americanos tivessem acesso a livros desejados. Em 1928 a mala direta ganha incentivo, pois o Serviço Postal Americano inaugurou o correio de terceira classe com tarifas especiais. Após a Segunda guerra, os pais da geração baby boom saíram em busca de variados estilos de mercadorias, mas não encontraram muitos suprimentos nas lojas das vizinhanças. Com isso, novas firmas de catálogo e o marketing direto surgiu como instrumento para atender esta demanda. A partir da década de 60 os Estados Unidos vivem profundas mudanças sociais e avanços tecnológicos que impulsionam o crescimento do marketing direto. Vejamos alguns exemplos: Avanço na tecnologia do computador tornou-se viável o registro da manipulação de um banco de dados e a inovação na área de impressão e produção. Surgimento de emissoras especializadas em venda doméstica Crescimento do crédito ao consumidor estimula a compra por impulso. Declínio de serviço pessoal leva as pessoas procurarem outros canais de distribuição. Mudança no estilo de vida onde as pessoas necessitam comprar num curto espaço de tempo. E, também, a mulher a ganhar espaço como consumidor

18 18 potencial. Com todos esses fatores a venda direta vem crescendo de uma maneira muito rápida ao longo das três últimas décadas. E, além disso, as empresas e agências de propaganda perceberam que é sábio aplicar as técnicas de resposta direta aos planos de marketing. 2.2 Conceitos Gerais Inicialmente, Marketing Direto era apenas uma forma de marketing na qual produtos e/ou serviços se movimentavam do produtor ao consumidor sem a existência de canais intermediários de distribuição. O Marketing Direto tinha a finalidade de tentar, simultaneamente, criar o interesse pelo produto/serviço que estava sendo oferecido, fornecer motivos para que ocorresse a compra imediatamente e concluísse a venda, excluindo deste processo todos os intermediários. Porém, o Marketing Direto alargou suas funções de simples canal de distribuição de produtos/serviços para um conceito mais amplo, onde cultivar seus clientes e mantê-los fiéis é o mais importante. Dentro deste novo conceito surge uma nova definição de marketing direto, cuja denominação passa a ser Marketing de Relacionamento Direto. As empresas passaram a utilizar veículos de propaganda direta não apenas para fechar uma venda, mas também para conhecer clientes, cujos nomes e perfis passaram a ser armazenados em bancos de dados de clientes. Através da utilização deste banco de dados torna-se possível a construção de relacionamentos com o consumidor. Os pontos fundamentais desta nova visão de marketing são: Identificação do cliente potencial/usuário enriquecimento do banco de dados;

19 19 Administração dos relacionamento; Persuasão customizada. A ênfase dada do Marketing Direto é gerada na construção de relacionamentos com o consumidor. A definição oficial de Marketing Direto fornecida pela Direct Marketing Associations é a seguinte: Marketing Direto é um sistema interativo de marketing que utiliza um ou mais veículos de propaganda para efetuar uma resposta mensurável e/ou transação em qualquer local. 2 Segundo a análise de Bob Stone 3 esta definição simples e direta possui algumas palavras-chaves capazes de diferenciar o marketings direto de outras disciplinas de marketing, conforme descrito abaixo: Interativo : A interação, comunicação individualizada entre a empresa e seu cliente existente ou potencial, ou seja, uma desmassificação da comunicação; uma ou mais mídias : O Marketing Direto não se restringe ao uso de uma única mídia. De fato, os profissionais de marketing direto tem verificado uma sinergia entre as mídias, concluindo, inclusive, que muitas vezes a combinação de mídias é muito mais produtiva do que o uso de uma única; resposta mensurável : A mensuração é uma das marcas registradas do Marketing Direto. Todas as ações podem ser mensuradas, sabendo-se quanto foi o gasto e qual o retorno; transação em qualquer local : As transações podem ser realizadas por uma enorme diversidade de canais, não tendo, obrigatoriamente, que passar por canais de distribuição convencionais. Podem ocorrer por telefone, pelo correio ou visita pessoal. Dentro desta definição de marketing direto, Jim Kobbs 4 ilustra através do fluxograma apresentado na próxima página, todo este processo de interação entre 2 KITLER, PHILIP. Administração de Marketing. São Paulo: Atlas, 1993.P STONE, BOB. Marketing Direto. São Paulo: Nobel, 1992.P KOBS, JIM. From MD to DM: Do Marketing Direto ao Database Marketing. São Paulo: Makron Books, 1993.

20 20 mídias, mensuração de resultados e canais de distribuição: Fluxograma de marketing direto de Jim Kobs. Marketing Direto Propaganda e resposta direta Mídia de database Mídia geral Mala Direta Telemarketing Revistas Jornais Televisão Outros Clientes e Consultas Prospects Ação Mensurável Consulta Pedido Visita ao PDV Canais de distribuição Venda Pessoal Pedido por correspondência Revenda Database Fonte Jim Kohn, São Paulo. Makron Books, 1993.

21 21 O fluxograma anterior descreve as alternativas de mídia possíveis de serem utilizadas para se atingir os clientes. Fica bem claro que a criação de um Database Marketing (banco de dados) é peça fundamental para o desenvolvimento de ações de marketing direto. Este banco de dados era armazenar, guardar e agrupar as informações necessárias para estas ações. As técnicas de marketing direto identificadas no fluxograma são considerada como a força propulsora do processo geral de marketing em uma empresa. é através destas técnicas que a empresa conseguirá atingir cada vez mais cliente e manter o maior grau de fidelidade dos clientes atuais O Mercado de Marketing Direto O Marketing Direto é utilizado em todos os ramos de atividades como no comércio, na indústria e em serviços. No entanto existem ramos que tem mais tradição no uso de mesmo; como a venda direta de produtos e serviços a consumidores. Nos últimos anos notamos que o uso do Marketing Direto está se expandindo nas demais área. Vejamos abaixo: Nos negócios entre empresas é utilizado quando as empresas vendem produtos ou serviços a outras empresas, o chamado business-to-business. As ferramentas usadas neste caso são: anuncio de resposta direta em mídia impressa, mala direta e telemarketing. Grandes redes varejistas neste caso as redes varejistas implantam operações de vendas diretas ao consumidor através do catálogo, quando a economia do país se apresenta estável. Outra forma, encontrada pelos países de economia instável é através de televendas. Pequenos varejistas os varejistas usam marketing direto especialmente para montar o seu database. Desta forma, os clientes são atingidos através de mala direta com ofertas atraentes. Com isso, os varejistas conseguem fidelizar ainda mais a sua clientela.

22 22 Grandes Prestadores de Serviços ou seja, bancos, cartões de créditos, seguradoras, consórcios, editoras de revistas e jornais, convênios médicos, entre outros, usam o marketing direto com intuito de captar novos clientes, através de mídias ou serviço para estreitar o relacionamento com os seus clientes, através de mala direta ou telemarketing. Pequenos prestadores de Serviços como, por exemplo. Pizzarias, farmácias, lavanderia, vídeo-locadoras, mercearia, e etc utilizam o marketing Direto de três formas: mala direta a fim de constar novos clientes de sua região. A Segunda é pela montagem de data base de clientes e ações dirigidas e mala direta, com o objetivo de ativá-los e mantê-los fiéis. A terceira é pelo uso de telemarketing ativo. Além disso, o sistema delivery adquire uma característica de uma prestação de serviços diferenciada e personalizada, levando a uma aplicação do raio de ação do pequeno negociante. Profissionais Liberais Como exemplo temos: escritório de engenharia, advocacia, arquitetura, dentistas, consultórios médicos. Estes, por sua vez, usam o Marketing Direto para manter um relacionamento estreito com seus clientes, através de várias ferramentas, como: cartões de aniversário, informes técnicos e etc. 2.4 Marketing Direto no Brasil Desde a abertura da economia brasileira para as empresas estrangeiras, houve a preocupação das empresas brasileiras com a busca de uma melhoria na qualidade de seus produtos no intuito de sobreviverem num novo cenário mercadológico. Porém, não bastava somente à busca da qualidade, existia a necessidade de novos meios de distribuição, dos produtos, para a empresa não perder participação no mercado. Paralelamente, o Brasil passou por um período de ajuste econômico, onde a sua economia deixa de ser instável. A partir daí a utilização do Marketing Direto tem crescido muito no Brasil em todos os ramos de atividade. Além dos segmentos que já o utilizam, como a área financeira, outros setores, cujo mercado tem característica segmentada, côo de

23 23 informática, telefonia celular, TV a cabo, turismo, indústria automobilística, indústria imobiliária, passaram a implantar, como uma opção de canal de distribuição dos seus produtos ou serviços, nas suas operações de venda. Outros fatores que também contribuíram para o crescimento do Marketing Direto no Brasil foram as mudanças tecnológicas, a expansão da rede telefônica, a criação da Internet e a modernização dos correios. Além disso, vemos a mudança no hábito dos clientes no ato da compra, pois este deseja ser atendido rapidamente e, muitas vezes, em suas próprias casas. Desta forma, o cenário no Brasil não poderia ser mais promissor. Ano após ano o segmento vem se superando atingindo um crescimento na ordem de 10 vezes superior à média da economia brasileira. Segue abaixo gráficos que demonstram a evolução do faturamento por segmentos no marketing direto nos últimos anos. FATURAMENTO POR SEGMENTO CATÁLOGO DE PRODUTOS NACIONAIS Inclui também vendas de produtos pelo correio em malas diretas, não incluindo assinaturas de revistas. Ano Faturamento Crescimento 1993 Us$424 milhões Us$500 milhões 18% 1995 Us$650 milhões 30% 1996 Us$780 milhões 20% 1997 Us$1.1 bilhões 41% 1998 Us$600 milhões -45% 1999 Us$700 milhões 17% 2000 Us$900 milhões *28% Fonte: ABEMD.

24 24 OPERAÇÕES DE TELEVENDAS DE PRODUTOS Inclui comerciais de TV de resposta direta, televendas varejo via TV jornais e campanhas de marketing direto para venda de produtos, que oferecem apenas o telefone para efetuar pedidos e sem operar com o sistema de reembolso postal. Ano Faturamento Crescimento 1993 Us$1,4 bilhões Us$2,0 bilhões 43% 1995 Us$2,8 bilhões 40% 1996 Us$3,5 bilhões 25% 1997 Us$4,7 bilhões 34% 1998 Us$5,3 bilhões 12% 1999 Us$6,0 bilhões 13% 2000 Us$7,5 bilhões *25% VENDA DE SERVIÇOS POR MKD Inclui venda de seguros, adesão a cartões de credito, assinaturas de jornais e revistas, entre outros. Ano Faturamento Crescimento 1993 Us$900 milhões Us$1.1 bilhões 22% 1995 Us$1.4 bilhões 27% 1996 Us$1.7 bilhões 21% 1997 Us$2.1 bilhões 24% 1998 Us$2.4 bilhões 15% 1999 Us$2.9 bilhões 21% 2000 Us$4,0 bilhões *38% Fonte: ABEMD Segue abaixo o faturamento total:

25 25 VENDAS POR MARKETING DIRETO NO BRASIL FATURAMENTO TOTAL Inclui o faturamento gerado indiretamente por ações de marketing direto, como programas de fidelização e telemarketing para geração de leads. Ano Faturamento Crescimento 1993 Us$3.0 bilhões Us$2.9 bilhões 30% 1995 Us$5.0 bilhões 28% 1996 Ys$6.0 bilhões 20% 1997 Us$7.9 bilhões 31% 1998 Us$8.3 bilhões 5% 1999 Us$9.6 bilhões 16% 2000 Us$12.2 bilhões *27% *Expectativas para o ano de 2000 Fonte: ABEMD. Conforme pode ver nos gráficos acima, as estimativas da ABEMD com relação ao crescimento do marketing direto no Brasil são extremamente otimistas, apontando crescimento de 27% em relação ao ano de 1999, alcançando o volume de vendas de Us$12.2 bilhões em Podemos concluir que será, em breve, um segmento significativo na economia brasileira, já que é um país de grandes dimensões continentais e precisa de canais de comunicação, como o Telemarketing, pois gera um menor custo para a empresa. E, ao mesmo tempo, pode cobrir, de maneira muito customizada e produtiva, todas as regiões do Brasil.

26 26 CAPÍTULO III A IMPORTÂNCIA DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO PARA O MARKETING DIRETO

27 27 A IMPORTÂNCIA DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO PARA O MARKETING DIRETO 3.1 Banco de Dados O Database Marketing consiste no armazenamento de informações sobre um cliente ou, ainda, prospects, de forma a permitir a empresa selecionar perfis similares aos de seus mais lucrativos clientes, além de otimizar o relacionamento com os já existentes. É uma coleção de dados interrelacionados de clientes e transações que permite a oportuna busca de uso das informações, transformando-as em oportunidades de negócios. O Banco de Dados será tão bom quanto a informação que contiver. Quanto mais relevante a informação, melhor ele será. Para a implantação do Marketing Direto nas empresas, é necessário a formação de um banco de dados que exige investimento especial como hardware, software de banco de dados, programas analíticos, links de comunicação e pessoal habilitado ou a compra de um banco de dados de uma determinada empresa que forneça não apenas dados demográficos, psicográficos, financeiros, de estilo de vida, mas também, dados de comportamento ou de desempenho do cliente. Através destes dados pode-se analisar o comportamento do cliente desde a primeira compra, de um determinado produto/serviço, ao longo do tempo, até um eventual desligamento do relacionamento do cliente com a empresa. Além disso, permite a identificação do grau de envolvimento deste com empresa, se existe algum tipo previsível de sazonalidade no seu consumo de determinados produtos ou serviços e, até mesmo, indicar o melhor momento de oferecer um produto, ou ainda, que produto oferecer. Ou seja, desenvolvendo estudos estatísticos sobre o comportamento de consumo dos seus clientes e, implementando modelos de propensão à compra, torna-se possível, oferecer o produto certo, para o cliente certo,

28 28 no momento certo. As empresas usam seus bancos de dados de quatro maneiras; identificação de clientes potenciais, decisão sobre que cliente deve receber uma oferta específica, aprofundamento da realidade do cliente, reativação das compras dos clientes. Um banco de dados bem desenvolvido e confiável pode se tornar uma arma poderosa para os profissionais de marketing de qualquer empresa oferecendo diversas aplicações extremamente interessantes, como por exemplo: Otimizar e personalizar o atendimento aos clientes; Identificar oportunidades para novos produto/serviços e negócios; Filtrar os melhores clientes, os clientes mais fiéis, identificando seu perfil; Auxiliar na construção do relacionamento com o cliente, dando as boas. vindas aos novos clientes ; Aumentar a freqüência de compra dos atuais clientes; Oferecer um tratamento mais essencial aos clientes mais ativos; Reativar antigos clientes; Otimizar os investimentos em propaganda, utilizando-se o veículo certo no momento certo, entre outras. 3.2 Banco de dados como instrumento de segmentação Com o passar dos tempos, as empresas vem evoluindo no processo de segmentação de seus clientes, buscando sempre um melhor atendimento das necessidades destes, e preparar-se para atendê-los de forma diferenciada, de acordo com suas necessidades. O primeiro ensaio de segmentação feito por algumas empresas foi a divisão de seus clientes em pessoa física e pessoa jurídica. Esta segmentação era clara dado que todo o processo de venda, de entrega, e até mesmo de concepção de produtos era bastante diferente nos dois segmentos.

29 29 Porém, esta segmentação começou a demonstrar-se não muito eficaz, dado que dentro de cada um destes segmentos existiam clientes com necessidades completamente distintas. Ampliaram sua análise de segmentação, utilizando-se de dados demográficos e geográficos, tais como, renda/faturamento e localização geográfica. Para permitir esta nova segmentação, as empresas tiveram que começar a preocupar-se mais com seus bancos de dados, pois passavam a necessitar de informações mínimas de seus clientes. Após esta nova segmentação algumas empresas passaram por um remodelamento de suas estruturas organizacionais de forma a adequá-las aos nichos identificados. Foram criadas áreas de vendas e de produtos diferenciadas para entender de produtos e serviços foram adequados e desenvolvidos visando atender as necessidades especificas de cada segmento. A crescente competitividade nos diversos segmentos fez com que o mercado brasileiro assasse por profundas modificações. Segundo Alvin Toffler, citado por Rapp e Collins em seu livro Maximarketing 5 o mercado de massa se estilhaçou em grupos sempre multiplicantes, em constante mutação, de minimercados que exigem uma variedade de contínua expansão de opções, modelos, tipos, tamanhos, cores e hábitos. Isto serve para ilustrar o desafio que as empresas tinham e tem pela frente, conseguir entender e atender quase individualmente, seus clientes e suas necessidades. Como citam os mesmos autores, a sociedade passou a ser uma sociedade de múltipla escolha onde o consumidor individual é o rei. A desregulação estilhaçou os setores financeiros, de turismo e comunicação em milhares de opções para o comprador. 6 Dentro deste cenário, as empresas tiveram mais uma vez que rever sua segmentação, entendendo a atividade individual de seus clientes frente a instituição e a cada um de seus produtos e serviços. Após este entendimento, buscaram dividi-los 5 RAPP. STAN; COLLINS, TOM. Maximarketing. São Paulo: Mc.Graw Hill, Idem.

Poucas inovações na história da humanidade reúnem tantos benefícios potenciais quanto o Comércio Eletrônico (também conhecido como e-commerce).

Poucas inovações na história da humanidade reúnem tantos benefícios potenciais quanto o Comércio Eletrônico (também conhecido como e-commerce). Poucas inovações na história da humanidade reúnem tantos benefícios potenciais quanto o Comércio Eletrônico (também conhecido como e-commerce). A natureza global da tecnologia, a oportunidade de atingir

Leia mais

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING Sumário Parte um Conceitos e tarefas da administração de marketing CAPITULO I MARKETING PARA 0 SÉCULO XXI A importância do marketing O escopo do marketing 0 que é marketing? Troca e transações A que se

Leia mais

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida Unidade IV MERCADOLOGIA Profº. Roberto Almeida Conteúdo Aula 4: Marketing de Relacionamento A Evolução do Marketing E-marketing A Internet como ferramenta As novas regras de Mercado A Nova Era da Economia

Leia mais

O CRM e a TI como diferencial competitivo

O CRM e a TI como diferencial competitivo O CRM e a TI como diferencial competitivo Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Profº Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr.br Profº Dr. Luciano Scandelari (UTFPR) luciano@cefetpr.br

Leia mais

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes Unidade IV Marketing Profª. Daniela Menezes Comunicação (Promoção) Mais do que ter uma ideia e desenvolver um produto com qualidade superior é preciso comunicar a seus clientes que o produto e/ ou serviço

Leia mais

CRM - gestão eficiente do relacionamento com os clientes

CRM - gestão eficiente do relacionamento com os clientes CRM - gestão eficiente do relacionamento com os clientes Mais que implantação, o desafio é mudar a cultura da empresa para documentar todas as interações com o cliente e transformar essas informações em

Leia mais

Apostila. Comércio Eletrônico. e-commerce. Professor: Edson Almeida Junior. Comércio Eletrônico

Apostila. Comércio Eletrônico. e-commerce. Professor: Edson Almeida Junior. Comércio Eletrônico Apostila Comércio Eletrônico e-commerce Professor: Edson Almeida Junior Material compilado por Edson Almeida Junior Disponível em http://www.edsonalmeidajunior.com.br MSN: eajr@hotmail.com E-Mail: eajr@hotmail.com

Leia mais

ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 2 - AO2 GERÊNCIA SETORIAL DE COMÉRCIO E SERVIÇOS. Data: Novembro/97 No.13

ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 2 - AO2 GERÊNCIA SETORIAL DE COMÉRCIO E SERVIÇOS. Data: Novembro/97 No.13 ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 2 - AO2 GERÊNCIA SETORIAL DE COMÉRCIO E SERVIÇOS Data: Novembro/97 No.13 COMÉRCIO SEM LOJAS: O MARKETING DIRETO E AS VENDAS DIRETAS Introdução O comércio sem lojas, com os

Leia mais

CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI)

CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI) CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI) Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Profº Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr,br Profº Dr. Luciano

Leia mais

O que é comércio eletrônico?

O que é comércio eletrônico? COMÉRCIO ELETRÔNICO O que é comércio eletrônico? O comércio eletrônico ou e-commerce é a compra e venda de mercadorias ou serviços por meio da Internet, onde as chamadas Lojas Virtuais oferecem seus produtos

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL (SIG) Conjunto integrado de pessoas, procedimentos, banco de dados e dispositivos que suprem os gerentes e os tomadores

Leia mais

CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora

CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Prof Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefet.br Prof Dr. Antonio Carlos de Francisco (UTFPR) acfrancisco@pg.cefetpr.br

Leia mais

GESTÃO DE RELACIONAMENTO COM O CLIENTE

GESTÃO DE RELACIONAMENTO COM O CLIENTE GESTÃO DE RELACIONAMENTO COM O CLIENTE Professor Wagner Luiz Aula - Como obter sucesso em uma implementação de CRM e o Processo da Comunicação. Março de 2014 São Paulo -SP Call Center & CRM 2007 CRM: do

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV Bloco Comercial CRM e AFV Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre os Módulos CRM e AFV, que fazem parte do Bloco Comercial. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas

Leia mais

Gerenciamento da comunicação de massa: propaganda, promoção de vendas, eventos e relações públicas. Copyright 2006 by Pearson Education

Gerenciamento da comunicação de massa: propaganda, promoção de vendas, eventos e relações públicas. Copyright 2006 by Pearson Education Gerenciamento da comunicação de massa: propaganda, promoção de vendas, eventos e relações públicas Copyright 2006 by Pearson Education Propaganda Qualquer forma paga de apresentação não pessoal e promocional

Leia mais

No mundo atual, globalizado e competitivo, as organizações têm buscado cada vez mais, meios de se destacar no mercado. Uma estratégia para o

No mundo atual, globalizado e competitivo, as organizações têm buscado cada vez mais, meios de se destacar no mercado. Uma estratégia para o DATABASE MARKETING No mundo atual, globalizado e competitivo, as organizações têm buscado cada vez mais, meios de se destacar no mercado. Uma estratégia para o empresário obter sucesso em seu negócio é

Leia mais

CONQUISTAR E MANTER CLIENTES

CONQUISTAR E MANTER CLIENTES 1 CONQUISTAR E MANTER CLIENTES Historicamente, o marketing se concentrou na atração de novos clientes. O pessoal de vendas era mais recompensado por achar um novo cliente do que por prestar muita atenção

Leia mais

7 Passos Para a Criação de Uma Boa Loja Virtual. Índice

7 Passos Para a Criação de Uma Boa Loja Virtual. Índice 2 Índice Introdução... 3 Passo 1 Entender o que é Venda Online e E-commerce... 4 Passo 2 Entender o Mercado de Comércio Eletrônico... 5 Passo 3 Canais de Venda... 6 Passo 4 Como identificar uma Boa Plataforma

Leia mais

Como fazer marketing de relacionamento

Como fazer marketing de relacionamento Como fazer marketing de relacionamento O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio de forma

Leia mais

PRIAD: GESTÃO DE RELACIONAMENTO COM CLIENTES

PRIAD: GESTÃO DE RELACIONAMENTO COM CLIENTES PRIAD: GESTÃO DE RELACIONAMENTO COM CLIENTES ALUNO RA: ASSINATURA: DATA: / / AS RESPOSTAS DEVERRÃO SER TOTALMENTE MANUSCRITAS Prof. Claudio Benossi Questionário: 1. Defina o que é Marketing? 2. Quais são

Leia mais

O MARKETING DIRETO COMO CONQUISTA DE CLIENTES

O MARKETING DIRETO COMO CONQUISTA DE CLIENTES O MARKETING DIRETO COMO CONQUISTA DE CLIENTES Rosanne Farineli Peixoto Gomes, Ivonete A. Canuto Dias, Valdete Neri Andrade, Luiz Sérgio Almeida dos Santos e Wagner Conceição INTRODUÇÃO O mercado atual

Leia mais

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial Sistemas de Informação Empresarial SIG Sistemas de Informação Gerencial Visão Integrada do Papel dos SI s na Empresa [ Problema Organizacional ] [ Nível Organizacional ] Estratégico SAD Gerência sênior

Leia mais

INFORMÁTICA APLICADA À CONTABILIDADE

INFORMÁTICA APLICADA À CONTABILIDADE PONTIFICIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS Curso de Contabilidade INFORMÁTICA APLICADA À CONTABILIDADE Prof. Francisco José Lopes Rodovalho Gerência do Relacionamento com o Cliente CRM CUSTOMER RELATIONSHIP

Leia mais

Os novos usos da tecnologia da informação na empresa

Os novos usos da tecnologia da informação na empresa Os novos usos da tecnologia da informação na empresa Internet promoveu: Transformação Novos padrões de funcionamento Novas formas de comercialização. O maior exemplo desta transformação é o E- Business

Leia mais

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado.

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. TECNICAS E TECNOLOGIAS DE APOIO CRM Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. Empresas já não podem confiar em mercados já conquistados. Fusões e aquisições

Leia mais

MARKETING DE RELACIONAMENTO: UM ESTUDO DE CASO NO COMÉRCIO DE TRÊS LAGOAS

MARKETING DE RELACIONAMENTO: UM ESTUDO DE CASO NO COMÉRCIO DE TRÊS LAGOAS MARKETING DE RELACIONAMENTO: UM ESTUDO DE CASO NO COMÉRCIO DE TRÊS LAGOAS ADRIELI DA COSTA FERNANDES Aluna da Pós-Graduação em Administração Estratégica: Marketing e Recursos Humanos da AEMS PATRICIA LUCIANA

Leia mais

Gestão do Atendimento e Relacionamento com o Cliente. Prof. Fernando Paixão UCB 2012 Unidade 02 e 03

Gestão do Atendimento e Relacionamento com o Cliente. Prof. Fernando Paixão UCB 2012 Unidade 02 e 03 Prof. Fernando Paixão UCB 2012 Unidade 02 e 03 Marketing de Relacionamento C.R.M. Custumer Relationship Management Marketing de Assiduidade Programa de milhagens Benefício financeiro Brinde por utilização

Leia mais

Gerenciamento da comunicação de massa: propaganda, promoção de vendas, eventos e relações públicas

Gerenciamento da comunicação de massa: propaganda, promoção de vendas, eventos e relações públicas Capítulo 18 Gerenciamento da comunicação de massa: propaganda, promoção de vendas, eventos e relações públicas Copyright 2006 by Pearson Education Questões abordadas no capítulo Quais são as etapas envolvidas

Leia mais

Líder em consultoria no agronegócio

Líder em consultoria no agronegócio MPRADO COOPERATIVAS mprado.com.br COOPERATIVAS 15 ANOS 70 Consultores 25 Estados 300 cidade s 500 clientes Líder em consultoria no agronegócio 1. Comercial e Marketing 1.1 Neurovendas Objetivo: Entender

Leia mais

MARKETING MARKETING TRADICIONAL MARKETING ATUAL DEVIDO AO PANORAMA DO MERCADO, AS EMPRESAS BUSCAM: ATRAÇÃO E RETENÇÃO DE CLIENTES

MARKETING MARKETING TRADICIONAL MARKETING ATUAL DEVIDO AO PANORAMA DO MERCADO, AS EMPRESAS BUSCAM: ATRAÇÃO E RETENÇÃO DE CLIENTES MARKETING Mercado Atual Competitivo Produtos / Serviços equivalentes Globalizado Conseqüências Infidelidade dos clientes Consumidores mais exigentes Desafio Conquistar clientes fiéis MARKETING TRADICIONAL

Leia mais

A BOA DIVULGAÇÃO DA SUA EMPRESA

A BOA DIVULGAÇÃO DA SUA EMPRESA A BOA DIVULGAÇÃO DA SUA EMPRESA Importância da divulgação Vivemos uma era de forte competição em todos os setores da economia. Jamais houve tanta oferta de produtos e serviços. Os consumidores, por sua

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA II

ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA II ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA II Atividades Gerenciais de MKT Produto Testar Novos Produtos; Modificar Atuais; Eliminar; Política de Marcas; Criar Satisfação e Valor; Embalagem. 2 1 Atividades Gerenciais

Leia mais

CRM - Customer Relationship Management

CRM - Customer Relationship Management Profª Carla Mota UCB 2014 Unid 2 aula1 CRM - Customer Relationship Management Estratégia de negócio voltada ao entendimento e a antecipação das necessidades dos clientes atuais e potenciais de uma empresa.

Leia mais

Custom Publishing Por que minha organização deve ter uma publicação própria?

Custom Publishing Por que minha organização deve ter uma publicação própria? Custom Publishing O mercado das publicações próprias e suas (excelentes) oportunidades de negócios para as empresas antenadas de qualquer setor, com qualquer público Um guia de consulta rápida sobre a

Leia mais

Universidade Cruzeiro do Sul. Campus Virtual Unidade I: Unidade: Gerenciamento de Marketing e Vendas

Universidade Cruzeiro do Sul. Campus Virtual Unidade I: Unidade: Gerenciamento de Marketing e Vendas Universidade Cruzeiro do Sul Campus Virtual Unidade I: Unidade: Gerenciamento de Marketing e Vendas 2010 0 Unidade: Gerenciamento de Marketing e Vendas É necessário o entendimento de como os produtos chegam

Leia mais

A Pitney Bowes está ajudando corporações e agências do governo a prepararem o caminho para a análise de rede avançada.

A Pitney Bowes está ajudando corporações e agências do governo a prepararem o caminho para a análise de rede avançada. Gerenciamento de Informações dos Clientes Gerenciamento e Integração de dados Análise de Rede Social Soluções para possibilitar relacionamentos duradouros com clientes A Pitney Bowes está ajudando corporações

Leia mais

Aula 03 Gestão de Marketing

Aula 03 Gestão de Marketing Aula 03 Gestão de Marketing Análise SWOT, Segmentação de Mercado e Mix de Marketing Prof. Marcopolo Marinho Prof. Esp. Marcopolo Marinho Segmentação é a identificação sistemática de conjuntos e subconjuntos

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1. COLABORAÇÃO NAS EMPRESAS Os sistemas colaborativos nas empresas nos oferecem ferramentas para nos ajudar a colaborar, comunicando idéias, compartilhando

Leia mais

TELEMARKETING NARCISO SANTAELLA

TELEMARKETING NARCISO SANTAELLA O telemarketing, uma das principais mídias do Marketing de Relacionamento, é particularmente poderoso quando usado com outras mídias, principalmente como meio de resposta. Devido às suas características

Leia mais

MARKETING EMPRESARIAL MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO EMPRESARIAL E SUSTENTABILIDADE

MARKETING EMPRESARIAL MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO EMPRESARIAL E SUSTENTABILIDADE MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO E SUSTENTABILIDADE Marketing: uma introdução Introdução ao Marketing O que é Marketing Marketing é a área do conhecimento que engloba todas as atividades concernentes às relações

Leia mais

Marketing de Relacionamento e CRM Dr. Manoel Veras

Marketing de Relacionamento e CRM Dr. Manoel Veras Marketing de Relacionamento e CRM Dr. Manoel Veras Introdução Os Desafios dos Negócios Nova Era Proliferação de ofertas Mercados saturados Taxas de respostas decrescentes Custos de aquisição de clientes

Leia mais

Marketing Empresarial MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO EMPRESARIAL E SUSTENTABILIDADE

Marketing Empresarial MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO EMPRESARIAL E SUSTENTABILIDADE Marketing Empresarial Capítulo 1 Marketing: uma introdução Introdução ao Marketing O que é Marketing Marketing é a área do conhecimento que engloba todas as atividades concernentes às relações de troca,

Leia mais

Personalização na Internet Como Descobrir os Hábitos de Consumo de seus Usuários, Fidelizá-los e Aumentar o Lucro de seu Negócio

Personalização na Internet Como Descobrir os Hábitos de Consumo de seus Usuários, Fidelizá-los e Aumentar o Lucro de seu Negócio Personalização na Internet Como Descobrir os Hábitos de Consumo de seus Usuários, Fidelizá-los e Aumentar o Lucro de seu Negócio Roberto Torres Novatec Editora 23 Capítulo 1 O que é Personalização? Este

Leia mais

CRM. Customer Relationship Management

CRM. Customer Relationship Management CRM Customer Relationship Management CRM Uma estratégia de negócio para gerenciar e otimizar o relacionamento com o cliente a longo prazo Mercado CRM Uma ferramenta de CRM é um conjunto de processos e

Leia mais

TÍTULO: GESTÃO DO RELACIONAMENTO COM CLIENTE NO COMÉRCIO DE JALES - CRM

TÍTULO: GESTÃO DO RELACIONAMENTO COM CLIENTE NO COMÉRCIO DE JALES - CRM TÍTULO: GESTÃO DO RELACIONAMENTO COM CLIENTE NO COMÉRCIO DE JALES - CRM CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DE JALES AUTOR(ES):

Leia mais

Apresentação. Quem Somos

Apresentação. Quem Somos Apresentação Quem Somos A UAI Tecnologia e Comunicação, nome fantasia da UAI Software LTDA., (que significa "Unidade de Apoio à Informação do Software") foi fundada em 19 de Março de 2004, por Luiz Gustavo

Leia mais

E-COMMERCE E COMÉRCIO FÍSICO 1 *

E-COMMERCE E COMÉRCIO FÍSICO 1 * E-COMMERCE E COMÉRCIO FÍSICO 1 * Antonio Wilson Nogueira Filgueiras UEMG Unidade Carangola Henrique Santos Pinheiro UEMG Unidade Carangola Márcio Ferreira dos Passos UEMG Unidade Carangola Rogério de Oliveira

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Sistemas de Apoio. Prof.: Luiz Mandelli Neto. Sistemas de Apoio. ERP (Enterprise Resource Planning) PLANEJAMENTO DE RECURSOS EMPRESARIAIS

Sistemas de Apoio. Prof.: Luiz Mandelli Neto. Sistemas de Apoio. ERP (Enterprise Resource Planning) PLANEJAMENTO DE RECURSOS EMPRESARIAIS Sistemas de Apoio Prof.: Luiz Mandelli Neto Sistemas de Apoio ERP (Enterprise Resource Planning) PLANEJAMENTO DE RECURSOS EMPRESARIAIS Mapa de TI da cadeia de suprimentos Estratégia Planejamento Operação

Leia mais

O desafio: A vantagem da Videojet:

O desafio: A vantagem da Videojet: Nota de aplicação Tinta Tintas coloridas para embalagens de ponto de venda O desafio: O ambiente de varejo é um mercado em constante evolução, com maior ênfase na embalagem, que não só protege os produtos

Leia mais

MARKETING DE RELACIONAMENTO

MARKETING DE RELACIONAMENTO MARKETING DE RELACIONAMENTO 1 O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica

Leia mais

Vantagens Competitivas com CRM

Vantagens Competitivas com CRM CRM CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT Gestão do Relacionamento com o Cliente 1 Prof. Ms. Claudio Benossi www.benossi.com.br claudio@benossi.com.br 2 Reflexão sobre o Marketing 3 4 Marketing de Massa Anos

Leia mais

Bleez Agência Digital... 3. Quem sou eu... 4. Introdução... 5. Quanto o ecommerce cresceu no Brasil... 7. Quem está comprando no ecommerce...

Bleez Agência Digital... 3. Quem sou eu... 4. Introdução... 5. Quanto o ecommerce cresceu no Brasil... 7. Quem está comprando no ecommerce... Sumário Bleez Agência Digital... 3 Quem sou eu... 4 Introdução... 5 Quanto o ecommerce cresceu no Brasil... 7 Quem está comprando no ecommerce... 10 Por que os brasileiros estão comprando mais... 12 O

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO (AULA 04)

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO (AULA 04) Prof. Breno Leonardo Gomes de Menezes Araújo brenod123@gmail.com http://blog.brenoleonardo.com.br ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO (AULA 04) 1 CRM Sistema de Relacionamento com clientes, também

Leia mais

Módulo 4 CRM. [ Customer Relationship Management ]

Módulo 4 CRM. [ Customer Relationship Management ] Módulo 4 CRM [ Customer Relationship Management ] Sumário Introdução pág. 01 1. Definição 2. Por que usar o CRM?? 3. Cadastro pág. 02 pág. 02 pág. 02 4. Tipos de CRM CRM pág. 04 4.1 Operacional: Criação

Leia mais

7 dicas rápidas de marketing digital para você sair na frente! MARKETING DIGITAL

7 dicas rápidas de marketing digital para você sair na frente! MARKETING DIGITAL DICAS PARA DIVULGAR SUA EMPRESA E AUMENTAR AS VENDAS NO FIM DE ANO 7 dicas rápidas de marketing digital para você sair na frente! MARKETING DIGITAL Sumário Apresentação Capítulo 1 - Crie conteúdo de alta

Leia mais

VENDAS DIRETAS COMO UMA FORMA DE EMPREENDER RESUMO

VENDAS DIRETAS COMO UMA FORMA DE EMPREENDER RESUMO 146 VENDAS DIRETAS COMO UMA FORMA DE EMPREENDER Carolina Guimarães de Souza Eliane Vargas de Campos RESUMO O presente artigo tem como objetivo conhecer o processo de Vendas Diretas, suas principais características

Leia mais

40% dos consumidores da Copa das Confederações da FIFA 2013 consideraram a agilidade no atendimento como fator mais importante no comércio

40% dos consumidores da Copa das Confederações da FIFA 2013 consideraram a agilidade no atendimento como fator mais importante no comércio 440mil pequenos negócios no Brasil, atualmente, não utilizam nenhuma ferramenta de gestão, segundo o Sebrae Varejo 2012 27% 67% de comerciantes que não possuíam computadores dos que possuíam utilizavam

Leia mais

EMPREENDIMENTO COMERCIAL: QUAL O MELHOR CAMINHO A SEGUIR EM SEUS MOMENTOS INICIAIS? RESUMO

EMPREENDIMENTO COMERCIAL: QUAL O MELHOR CAMINHO A SEGUIR EM SEUS MOMENTOS INICIAIS? RESUMO FÁBIO RODRIGO DE ARAÚJO VALOIS Discente do Curso de Ciências Contábeis - UFPA RESUMO Não é de uma hora pra outra que um comerciante abre as portas de seu empreendimento. Se fizer deste modo, com certeza

Leia mais

A confluência dos vídeos e a Internet

A confluência dos vídeos e a Internet WHITEPAPER A confluência dos vídeos e a Internet Por que sua empresa deveria investir em vídeos em 2013 e como a Construção Civil pode utilizar os vídeos como diferencial competitivo. 1 Saiba como os vídeos

Leia mais

SCHOOL CHEF S: ESCOLA DE CULINÁRIA DE PRATOS TÍPICOS LTDA.

SCHOOL CHEF S: ESCOLA DE CULINÁRIA DE PRATOS TÍPICOS LTDA. 93 SCHOOL CHEF S: ESCOLA DE CULINÁRIA DE PRATOS TÍPICOS LTDA. ¹Camila Silveira, ¹Giseli Lima ¹Silvana Massoni ²Amilto Müller RESUMO O presente artigo tem como objetivo apresentar os estudos realizados

Leia mais

1- O que é um Plano de Marketing?

1- O que é um Plano de Marketing? 1- O que é um Plano de Marketing? 2.1-1ª etapa: Planejamento Um Plano de Marketing é um documento que detalha as ações necessárias para atingir um ou mais objetivos de marketing, adaptando-se a mudanças

Leia mais

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex...

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... (/artigos /carreira/comopermanecercalmosob-pressao /89522/) Carreira Como permanecer calmo sob pressão (/artigos/carreira/como-permanecer-calmosob-pressao/89522/)

Leia mais

5 PASSOS PARA SE TORNAR UM CORRETOR DE IMÓVEIS. gerenciador e site imobiliário

5 PASSOS PARA SE TORNAR UM CORRETOR DE IMÓVEIS. gerenciador e site imobiliário 5 PASSOS PARA SE TORNAR UM CORRETOR DE IMÓVEIS gerenciador e site imobiliário Introdução 4 Primeiro passo: você como corretor! 7 Segundo passo: defina seu nicho! 11 Terceiro passo: crie seu portfólio de

Leia mais

http://www.publicare.com.br/site/5,1,26,5480.asp

http://www.publicare.com.br/site/5,1,26,5480.asp Página 1 de 7 Terça-feira, 26 de Agosto de 2008 ok Home Direto da redação Última edição Edições anteriores Vitrine Cross-Docking Assine a Tecnologística Anuncie Cadastre-se Agenda Cursos de logística Dicionário

Leia mais

Sistemas de Informações Gerenciais

Sistemas de Informações Gerenciais Sistemas de Informações Gerenciais Aula 4 Sistema de Informação SI baseado em computadores Organização, administração e estratégia Professora: Cintia Caetano INTRODUÇÃO Sistemas de Informação são parte

Leia mais

Sistemas de Informações

Sistemas de Informações Sistemas de Informações Prof. Marco Pozam- mpozam@gmail.com A U L A 0 5 Ementa da disciplina Sistemas de Informações Gerenciais: Conceitos e Operacionalização. Suporte ao processo decisório. ERP Sistemas

Leia mais

10. Defina Sistemas Distribuídos: Um conjunto de computadores independentes que se apresenta a seus usuários como um sistema único e coerente

10. Defina Sistemas Distribuídos: Um conjunto de computadores independentes que se apresenta a seus usuários como um sistema único e coerente 1. Quais os componentes de um sistema cliente-servidor? Clientes e servidores 2. Na visão do hardware, defina o que é cliente e o que é servidor: Clientes. Qualquer computador conectado ao sistema via

Leia mais

A Importância do Marketing nos Serviços da. Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente

A Importância do Marketing nos Serviços da. Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente A Importância do Marketing nos Serviços da Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente Hellen Souza¹ Universidade do Vale do Rio dos Sinos UNISINOS RESUMO Este artigo aborda a importância

Leia mais

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES):

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO MARKETING DE RELACIONAMENTO PARA AS ORGANIZAÇÕES: FOCO NO CLIENTE EXTERNO

A IMPORTÂNCIA DO MARKETING DE RELACIONAMENTO PARA AS ORGANIZAÇÕES: FOCO NO CLIENTE EXTERNO A IMPORTÂNCIA DO MARKETING DE RELACIONAMENTO PARA AS ORGANIZAÇÕES: FOCO NO CLIENTE EXTERNO 1 GOLVEIA, Francielli José Primo. 2 DA ROSA, MsC. Wanderlan Barreto. RESUMO Nesta pesquisa, será abordada a importância

Leia mais

Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento. Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto

Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento. Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto CURRÍCULO DO PROFESSOR Administradora com mestrado e doutorado em engenharia de produção

Leia mais

EMPREENDEDORISMO Marketing

EMPREENDEDORISMO Marketing Gerenciando o Marketing EMPREENDEDORISMO Marketing De nada adianta fabricar um bom produto ou prestar um bom serviço. É preciso saber colocálo no mercado e conseguir convencer as pessoas a comprá-lo. O

Leia mais

PERFIL DO CORRETOR DE IMÓVEIS:

PERFIL DO CORRETOR DE IMÓVEIS: PERFIL DO CORRETOR DE IMÓVEIS: O QUE É PRECISO PARA SER UM CORRETOR DE SUCESSO gerenciador e site imobiliário Introdução O perfil do corretor de imóveis de sucesso Aprimorando os pontos fracos Conclusão

Leia mais

Item 2- Marketing. Atendimento

Item 2- Marketing. Atendimento Item 2- Marketing Atendimento Item 2- Marketing Atendimento Processo usado para determinar quais produtos ou serviços poderão interessar aos consumidores e qual a melhor estratégia a ser utilizada nas

Leia mais

GERENCIAMENTO DO RELACIONAMENTO COM O CONSUMIDOR E COMÉRCIO ELETRÔNICO

GERENCIAMENTO DO RELACIONAMENTO COM O CONSUMIDOR E COMÉRCIO ELETRÔNICO GERENCIAMENTO DO RELACIONAMENTO COM O CONSUMIDOR E COMÉRCIO ELETRÔNICO Alessandra Moschen Clayton do Espírito Santo Maurício Maynard do Lago Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Área temática:

Leia mais

Bens duráveis: duram muito tempo como, por exemplo, casas, carros, etc.

Bens duráveis: duram muito tempo como, por exemplo, casas, carros, etc. A3 - Produto e Preço O que é produto? Produto é o conjunto de benefícios que satisfaz o desejo e/ou a necessidade do consumidor, pelo qual ele está predisposto a pagar em função da sua disponibilidade

Leia mais

O Varejo. Distinguir entre varejo com loja e sem loja. Definir as categorias básicas de varejistas.

O Varejo. Distinguir entre varejo com loja e sem loja. Definir as categorias básicas de varejistas. O Varejo 16 Aula 16/5/2008 Objetivos da aula Explicar como os varejistas podem contribuir para o processo de criar valor. Distinguir entre varejo com loja e sem loja. Definir as categorias básicas de varejistas.

Leia mais

Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques

Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques Nada é mais perigoso do que uma idéia, quando ela é a única que temos. (Alain Emile Chartier) Neste módulo, faremos, a partir

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA PROMOÇÃO DE VENDAS PARA A FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES. BORGES, Pedro Gabriel Teixeira Santos e CARNEIRO, Carla Maria Bessa 1

A IMPORTÂNCIA DA PROMOÇÃO DE VENDAS PARA A FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES. BORGES, Pedro Gabriel Teixeira Santos e CARNEIRO, Carla Maria Bessa 1 A IMPORTÂNCIA DA PROMOÇÃO DE VENDAS PARA A FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES BORGES, Pedro Gabriel Teixeira Santos e CARNEIRO, Carla Maria Bessa 1 RESUMO: Esse estudo tem como objetivo mostrar a importância da promoção

Leia mais

MÍDIA MATERIAL DE REFERÊNCIA TEÓRICA 01. Prof. Rodrigo Duguay a partir de material base da Profa. Dra. Karla Patriota

MÍDIA MATERIAL DE REFERÊNCIA TEÓRICA 01. Prof. Rodrigo Duguay a partir de material base da Profa. Dra. Karla Patriota MÍDIA MATERIAL DE REFERÊNCIA TEÓRICA 01 Prof. Rodrigo Duguay a partir de material base da Profa. Dra. Karla Patriota MÍDIA Definição Mídia. Sf (ing. mass media) Propag. 1 Veículo ou meio de divulgação

Leia mais

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010 Enterprise Resource Planning - ERP Objetivo da Aula Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 2 1 Sumário Informação & TI Sistemas Legados ERP Classificação Módulos Medidas

Leia mais

CRM Customer Relationship Management

CRM Customer Relationship Management CRM Customer Relationship Management C R M : DEFINIÇÃO TEÓRICA NO PASSADO CONHECÍAMOS NOSSOS CLIENTES PELO NOME, ONDE VIVIAM, QUE TIPO DE PRODUTOS NECESSITAVAM, COMO SERIAM ENTREGUES, COMO QUERIAM PAGAR

Leia mais

Áreas de utilização do GED e o que levar em consideração no Projeto de Implantação de GED em uma empresa Simone de Abreu

Áreas de utilização do GED e o que levar em consideração no Projeto de Implantação de GED em uma empresa Simone de Abreu Áreas de utilização do GED e o que levar em consideração no Projeto de Implantação de GED em uma empresa Simone de Abreu Cerca de dois milhões de pessoas estão trabalhando em aproximadamente 300 mil projetos

Leia mais

COMÉRCIO ELETRÔNICO UM BREVE HISTÓRICO

COMÉRCIO ELETRÔNICO UM BREVE HISTÓRICO UM BREVE HISTÓRICO COMÉRCIO ELETRÔNICO O comércio sempre existiu desde que surgiram as sociedades. Ele é dito como o processo de comprar, vender e trocar produtos e serviços. Inicialmente praticado pelos

Leia mais

ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS. 1. Sumário Executivo. Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso. 2. Sumário da Empresa. 2.1 Composição da Sociedade

ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS. 1. Sumário Executivo. Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso. 2. Sumário da Empresa. 2.1 Composição da Sociedade ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS 1. Sumário Executivo Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso 2. Sumário da Empresa 2.1 Composição da Sociedade Perfil Individual dos sócios, experiência, formação, responsabilidades

Leia mais

TÍTULO: COMERCIO ELETRÔNICO (E-COMMERCE) CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO

TÍTULO: COMERCIO ELETRÔNICO (E-COMMERCE) CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO TÍTULO: COMERCIO ELETRÔNICO (E-COMMERCE) CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES): EBERSON EVANDRO DA SILVA GUNDIN, PAULO

Leia mais

Considerando que a pesquisa mercadológica é uma ferramenta de orientação para as decisões das empresas, assinale a opção correta.

Considerando que a pesquisa mercadológica é uma ferramenta de orientação para as decisões das empresas, assinale a opção correta. ESPE/Un SERE plicação: 2014 Nas questões a seguir, marque, para cada uma, a única opção correta, de acordo com o respectivo comando. Para as devidas marcações, use a Folha de Respostas, único documento

Leia mais

ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Michael E. Porter

ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Michael E. Porter ESTRATÉGIA COMPETITIVA Michael E. Porter 1. A NATUREZA DAS FORÇAS COMPETITIVAS DE UMA EMPRESA 2. ESTRATEGIAS DE CRESCIMENTO E ESTRATÉGIAS COMPETITIVAS 3. O CONCEITO DA CADEIA DE VALOR 1 1. A NATUREZA DAS

Leia mais

Marcelo Ivanir Peruzzo

Marcelo Ivanir Peruzzo 5 Web Marketing Marcelo Ivanir Peruzzo É comum as pessoas utilizarem o termo marketing nas mais variadas situações, como na política: Ele está fazendo uma jogada de marketing para conquistar o cargo de

Leia mais

O comércio eletrônico (CE) é, basicamente, a realização de transações empresariais vida rede de telecomunicações, especialmente a Internet.

O comércio eletrônico (CE) é, basicamente, a realização de transações empresariais vida rede de telecomunicações, especialmente a Internet. E-commerce Prof Marcus Regenold Disciplina Negócios pela Internet O comércio eletrônico (CE) é, basicamente, a realização de transações empresariais vida rede de telecomunicações, especialmente a Internet.

Leia mais

&DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR

&DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR &DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR Toda comunicação publicitária visa atender a alguma necessidade de marketing da empresa. Para isso, as empresas traçam estratégias de comunicação publicitária, normalmente traduzidas

Leia mais

Um conjunto de soluções para sua empresa se comunicar e vender mais! Guia de Produtos e Serviços. Abril de 2011

Um conjunto de soluções para sua empresa se comunicar e vender mais! Guia de Produtos e Serviços. Abril de 2011 Um conjunto de soluções para sua empresa se comunicar e vender mais! Guia de Produtos e Serviços Abril de 2011 1 2 Plural Consultoria 3 Plural Tecnologia Menu A plural se organizou em três divisões para

Leia mais

Marketing Direto faz bem para a saúde

Marketing Direto faz bem para a saúde capa Marketing Direto faz bem para a saúde Hospitais e laboratórios têm encontrado no Marketing Direto uma forma eficaz de comunicação, sem cair nas restrições da Anvisa. Levando-se em consideração que

Leia mais

ANEXO I FICHA DE INSCRIÇÃO

ANEXO I FICHA DE INSCRIÇÃO ANEXO I FICHA DE INSCRIÇÃO CATEGORIAS TÉCNICO TECNÓLOGO TEMAS LIVRE INCLUSÃO SOCIAL COOPERATIVISMO 1. DADOS DA INSTITUIÇÃO 1.1 Nome da Instituição 1.2 Nome do Reitor(a)/Diretor(a)-Geral/Diretor(a) 1.3

Leia mais

Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico.

Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico. Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico. TENDÊNCIAS NO COMÉRCIO ELETRÔNICO Atualmente, muitos negócios são realizados de forma eletrônica não sendo necessário sair de casa para fazer compras

Leia mais

CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT

CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT O resultado prático para as empresas que adotam esse conceito de software, baseado no uso da tecnologia é conseguir tirar proveito dos dados de que dispõem para conquistar

Leia mais

No mercado bancário a competitividade é crescente

No mercado bancário a competitividade é crescente 6 Fortalecendo a marca, gerando negócios Intenso, produtivo e criativo No mercado bancário a competitividade é crescente e a disputa pelos espaços é proporcional ao empenho das instituições em ampliar

Leia mais

CONSULTOR CARLOS MARTINS AÇAO EM MARKETING

CONSULTOR CARLOS MARTINS AÇAO EM MARKETING CONSULTOR CARLOS MARTINS CRIA - AÇAO EM MARKETING SUA EMPRESA Copyright Consultor Carlos Martins - Todos os direitos reservados wwwcarlosmartinscombr - consultor@carlosmartinscombr Como conquistar Clientes

Leia mais