Exercícios Resolvidos Teorema da Divêrgencia. Teorema de Stokes

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Exercícios Resolvidos Teorema da Divêrgencia. Teorema de Stokes"

Transcrição

1 Instituto uperior Técnico Departamento de Matemática ecção de Álgebra e Análise Exercícios Resolvidos Teorema da Divêrgencia. Teorema de tokes Exercício 1 Considere a superfície definida por e o campo vectorial = {(x, y, z) R 3 : x 2 + y 2 + z 2 = 1 ; z > } F (x, y, z) = ( y, x, xz + y) Calcule o fluxo do rotacional do campo F através de segundo a normal unitária cuja terceira componente é negativa, usando a) Teorema da divergência. b) Teorema de tokes. Resolução: a) Para usar o teorema da divergência, consideremos o domínio regular D definido por D = {(x, y, z) R 3 : x 2 + y 2 + z 2 < 1 ; z > } A fronteira de D contém as superfícies e B, sendo B definida por B = {(x, y, z) R 3 : z = ; x 2 + y 2 < 1} Então, aplicando o teorema da divergência ao campo vectorial rot F e ao domínio D, obtemos div(rot F ) = rot F ν D D = rot F ν + rot F ν B em que ν é a normal unitária e exterior em e ν B é a normal unitária e exterior em B. Dado que B é uma superfície horizontal, temos ν B = (,, 1) Por outro lado, div(rot F ) = e, portanto, rot F ν = e, tendo em conta que, em B, obtemos B rot F ν B rot F = (1, z, 2) = (1,, 2) rot F ν = (1,, 2) (,, 1) B = 2 ol 2 (B) = 2π Dado que a normal ν é exterior a D em, tem terceira componente positiva e, portanto, o fluxo pretendido é o simétrico do que foi calculado através do teorema da divergência, ou seja, 2π. B 1

2 b) Para usar o teorema de tokes, notemos que a superfície é orientável por ser o gráfico da função z = 1 x 2 y 2, e a respectiva fronteira é a linha = {(x, y, z) R 3 : z = ; x 2 + y 2 = 1} z Pfrag replacements 1 ν B 1 y x Figura 1: Orientação de e de Dado que a normal unitária ν a considerar tem terceira componente negativa, a fronteira deve ser descrita no sentido negativo, tal como se ilustra na figura 1, ou seja, deve ser parametrizada por γ(t) = (cos t, sen t, ) ; < t < 2π Do teorema de tokes, obtemos, rot F ν = tal como na alínea anterior. = 2π = 2π F dγ (sen t, cos t, sen t) ( sen t, cos t, )dt 2

3 Exercício 2 Um vaso de manjerico limita um volume da forma = {(x, y, z) R 3 : x 2 + y 2 < z, 1 < z < 4}. a) Considere o campo vectorial f(x, y, z) = (xz 2, yz 2, z 3 ). Calcule o fluxo de f através da parede lateral do vaso, constituída pela superfície = {(x, y, z) R 3 : x 2 + y 2 = z, 1 < z < 4}, que faz parte da fronteira de, no sentido da normal unitária com componente segundo z negativa, usando o teorema da divergência. b) Calcule o fluxo de rotf através de, no sentido da normal da alínea anterior, usando o teorema de tokes. Resolução: a) Para aplicarmos o teorema da divergência temos de considerar todas as superfícies contidas na fronteira de. Dessa fronteira fazem parte a parede lateral do vaso, que é o pedaço de parabolóide, a tampa superior e a tampa inferior tal como se ilustra na figura 2. D 1 = {(x, y, z) R 3 : z = 4, x 2 + y 2 < 4} D 2 = {(x, y, z) R 3 : z = 1, x 2 + y 2 < 1} z D 1 D 1 Pfrag replacements ν D 2 D 2 y x Figura 2: Orientação de e de Então pelo teorema da divergência, divf = f ν + f ν 1 + f ν 2. D 1 D 2 3

4 endo divf = z 2 + z 2 + 3z 2 = 5z 2 e utilizando coordenadas cilíndricas, obtemos 2π 4 z divf = dθ dz 5z 2 ρ dρ = 5(44 1) π. 4 1 A normal exterior unitária em D 1 é ν 1 = (,, 1), logo f(x, y, z) ν 1 = z 3 = 4 3 em D 1. Assim, temos f ν 1 = = 4 3 Área(D 1) = 4 4 π D 1 D 1 já que D 1 é um disco de raio 2. Do mesmo modo, a normal exterior unitária em D 2 é dada por ν 2 = (,, 1), e, portanto, temos f(x, y, z) ν 2 = z 3 = 1 em D 2 Então Portanto, f ν = f ν 2 = 1 = Área(D 2) = π D 2 D 2 divf f ν 1 f ν 2 = 5((44 1) ) π. D 1 D 2 4 b) Pelo teorema de tokes, vamos ter rotf ν = f + D 1 D 2 f, onde D 1 está orientada no sentido anti-horário e D 2 está orientada no sentido horário de um observador que olha no sentido do semi-eixo positivo dos z, tal como se representa na figura 2. Para calcular os integrais de linha devemos parametrizar D 1 e D 2 Parametrização de D 1 : Parametrização de D 2 : As derivadas das parametrizações são dadas por g 1 (θ) = (2 cos(θ), 2 sen(θ), 4) ; θ ], 2π[ g 2 (θ) = (cos(θ), sen(θ), 1) ; θ ], 2π[ g 1 (θ) = ( 2 sen(θ), 2 cos(θ), ) g 2 (θ) = ( sen(θ), cos(θ), ) Então obtemos f = D 1 f = D 2 2π 2π (32 cos(θ), 32 sen(θ), 4 3 ) ( 2 sen(θ), 2 cos(θ), )dθ (cos(θ), sen(θ), 1) ( sen(θ), cos(θ), )dθ e, portanto, rotf ν = f + f =. D 1 D 2 4

5 Exercício 3 O filtro de uma máquina de lavar loiça cuja forma é aproximadamente a do conjunto D = {(x, y, z) R 3 : x 2 + y 2 z 3}, está imerso numa corrente de água cujo campo de velocidades é dado pela fórmula F(x, y, z) = (2yz cos(y 2 ), 2xz cos(x 2 ), 1). a) Mostre que a quantidade de água no interior do filtro se mantém constante, supondo que a densidade da água é constante igual a 1. b) Usando o teorema de tokes, calcule o fluxo de água que entra através da parede curva do filtro. Resolução: a) Pelo teorema da divergência, o fluxo total de água através das paredes do filtro é F n = F. D Como F =, o fluxo é nulo. Portanto a quantidade de água que entra no filtro é igual à que sai e a quantidade de água no interior do filtro mantém-se constante. D b) eja C a parede curva de D tal como se ilustra na figura 3. Note-se que F é um campo de divergência nula em R 3. Como R 3 é um conjunto em estrela, podemos concluir que F é um rotacional, ou seja, existe um campo L tal que L = F. Um campo L que satisfaça esta equação é um potencial vector para F. Para calcular o fluxo de F através de C, podemos começar por calcular um potencial vector L para F e depois aplicar o teorema de tokes a L. Calcular L = (L 1, L 2, L 3 ) consiste em resolver o sistema de equações L = F, ou seja, L 3 L 1 L 2 L2 = 2yz cos(y 2 ) L3 = 2xz cos(x 2 ) L1 = 1 A solução para este sistema não é única. Para encontrar uma solução particular, podemos procurar uma solução que satisfaça, por exemplo, L 1 =. Obtemos, L 3 L2 = 2yz cos(y 2 L ) 3 L2 = 2yz cos(y 2 ) L3 = 2xz cos(x 2 ) L 3 = z sen(x 2 ) + f(y, z) L 2 = 1 L 2 = x + g(y, z) Mais uma vez, a solução não é única. Impondo a condição, g =, e substituindo na primeira equação, obtemos f(y, z) = z sen(y 2 ) e, portanto, L = (, x, z sen(y 2 ) z sen(x 2 )). 5

6 z 3 C Pfrag replacements ν C y x Figura 3: Orientação de C e de C Pelo teorema de tokes, C F n = C L dα, onde n é a normal unitária que aponta para dentro do filtro e consequentemente o caminho α percorre C no sentido positivo tal como se mostra na figura 3. Assim, temos pelo que o caminho definido por C = {(x, y, z) R : x 2 + y 2 = 9, z = 3}, α(t) = (3 cos(t), 3 sen(t), 3), t [, 2π] percorre C na direcção pretendida. Portanto, L dα = C = 2π 2π L(α(t)) α (t)dt 9 cos 2 (t)dt = 9π, ou seja, a quantidade de água que entra através da parede curva do filtro é 9π. 6

7 Exercício 4 Considere as superfícies definidas por = {(x, y, z) R 3 : x 2 + y 2 = 4, 2 < z < 2} D = {(x, y, z) R 3 : z = 2, x 2 + y 2 < 4} D + = {(x, y, z) R 3 : z = 2, x 2 + y 2 < 4} a) Calcule o fluxo do campo vectorial f(x, y, z) = (x cosh 2 (z), y cosh 2 (z), z 1 2 sinh(2z)) através de, segundo a normal exterior unitária ao cilindro x 2 + y 2 = 4, usando o teorema da divergência. b) Calcule o fluxo do campo h(x, y, z) = (xe z, ye z, 2e z ) através de, segundo a normal da alínea anterior, usando o teorema de tokes. Resolução: é uma parte do cilindro vertical centrado no eixo dos z e com raio 2 e tal que 2 < z < 2. D e D + são as tampas inferior e superior contidas nos planos z = 2 e z = 2, respectivamente, tal como se ilustra na figura 4. a) eja o volume limitado por, D e D +, e seja ν o campo vectorial normal exterior unitário à fronteira de. Então, pelo teorema da divergência, divf = f ν + f ν + f ν. D D + Dado que obtemos divf = 2cosh 2 (z) + 1 cosh(2z) = 2 divf = 2 ol( ) = 2 4 4π = 32π. A normal exterior unitária em D é ν = (,, 1) e, portanto, f ν = ( z + 1 D D 2 sinh(2z)) = ( sinh( 4)) Área(D ) = 4π(2 1 2 sinh(4)) Do mesmo modo, a normal exterior unitária em D + é ν = (,, 1). Logo f ν = (z 1 D + D + 2 sinh(2z)) = (2 1 2 sinh(4)) Área(D +) Assim, teremos f ν = = 4π(2 1 2 sinh(4)) divf f ν f ν = 32π 8π(2 1 D D + 2 sinh(4)). 7

8 Note-se que teria sido um pouco mais complicado calcular directamente o fluxo de f através de devido à dificuldade na integração em z. b) Usando a definição de rotacional podemos verificar que se tem h(x, y, z) = rot l(x, y, z) com De facto, temos l(x, y, z) = (ye z, xe z, ). l 3 l 2 l 1 l 3 l 2 l 1 = h 1 = h 2 = h 3 z D + 2 Pfrag replacements 2 y x ν D 2 Figura 4: Orientação de e de A solução deste sistema não é única e, para encontrar uma solução, devemos impôr condições, como por exemplo l 3 =, consistentes com as equações mas que as simplifiquem de modo a podermos resolvê-las. Fazendo l 3 =, obtemos l 2 l 1 l 2 l 1 = xe z = ye z = 2e z e, portanto, da primeira equação, obtemos l 2 (x, y, z) = xe z + p(x, y) e da segunda l 1 (x, y, z) = ye z + q(x, y) 8

9 Fazendo p = ; q =, obtemos, l(x, y, z) = (ye z, xe z, ). Pelo teorema de tokes, teremos h ν = l dg + D l dg +, D + onde D está orientada no sentido horário e D + está orientada no sentido anti-horário de um observador que olha no sentido do semi-eixo positivo z, tal como se ilustra na figura 4. Para calcular os integrais de linha, consideremos as seguintes parametrizações para D e D + : Parametrização para D : Parametrização para D + : e as respectivas derivadas g (θ) = (2 cos(θ), 2 sen(θ), 2) ; θ ], 2π[ g + (θ) = (2 cos(θ), 2 sen(θ), 2) ; θ ], 2π[ g (θ) = ( 2 sen(θ), 2 cos(θ), ) g + (θ) = ( 2 sen(θ), 2 cos(θ), ) Portanto temos, l dg = D l dg + = D + 2π 2π l(g (θ)) g (θ)dθ = 8πe 2 l(g + (θ)) g +(θ)dθ = 8πe 2 ou seja h ν = l dg + l dg + = 8π(e 2 e 2 ). D D + 9

10 Exercício 5 Considere as superfícies definidas por = {(x, y, z) R 3 : z = 2 + x 2 + y 2, < z < 1} D 1 = {(x, y, z) R 3 : z = 1, (x 2 + y 2 ) < 9} D = {(x, y, z) R 3 : z =, (x 2 + y 2 ) < 4} a) Calcule o fluxo do campo vectorial f(x, y, z) = (x, y, z) através de, segundo a normal unitária cuja componente segundo z é negativa, usando o teorema da divergência. b) Calcule o fluxo do campo h(x, y, z) = (2x sinh(z), 2y sinh(z), 4 cosh(z)), através de, segundo a normal da alínea anterior, usando o teorema de tokes. Resolução: é a superfície do tronco de cone vertical definido pela equação z = 2 + x 2 + y 2 e limitado pelos planos z = 1 e z =. D é a tampa inferior definida por z = e D 1 é a tampa superior de definida por z = 1. a) eja o volume limitado por, D, D 1. Pelo teorema da divergência temos que divf = f ν + f ν + f ν, D D 1 onde ν é o campo vectorial das normais exteriores unitárias à fronteira de. Note-se que em a componente de ν, segundo z, é negativa. endo utilizando coordenadas cilindricas, obtemos divf = 3 ol( ) = 3 divf(x, y, z) = 3 2π 1 z+2 ρdρdzdθ = 19π. A normal exterior unitária a D é dada por ν = (,, 1) e, então, f ν = ( z) = D D porque z = em D. A normal exterior unitária a D 1 é dada por ν = (,, 1). Logo f ν = (z) = 1 Área(D 1) = 9π D 1 D 1 Portanto, f ν = divf f ν f ν = 19π 9π = 1π. D D 1 b) Para usar o teorema de tokes, teremos de determinar um campo l(x, y, z) que verifique a equação h(x, y, z) = rotl(x, y, z) 1

11 ou seja, o campo l deverá ser solução do sistema l 3 l 2 l 1 l 3 l 2 l 1 = h 1 = h 2 = h 3 Este sistema não tem solução única e, portanto, fazendo l 3 (x, y, z) =, obtemos da primeira equação l 2 (x, y, z) = 2x cosh(z) + p(x, y) e da segunda equação l 1 (x, y, z) = 2y cosh(z) + q(x, y) em que as funções p e q são arbitrárias. Fazendo p = ; q =, obtemos o campo l(x, y, z) = (2y cosh(z), 2x cosh(z), ) Pelo teorema de tokes, h ν = rot l ν = l + D D 1 l, onde D é percorrido no sentido horário e D 1 no sentido anti-horário de um observador que olha no sentido do semi-eixo positivo de z. Com θ ], 2π[, as parametrizações de D e D 1, respectivamente, são dadas por g (θ) = (2 cos(θ), 2 sen(θ), ) g 1 (θ) = (3 cos(θ), 3 sen(θ), 1) e as correspondentes derivadas, ou seja, os correspondentes vectores tangentes, são dadas por g (θ) = ( 2 sen(θ), 2 cos(θ), ) g 1 (θ) = ( 3 sen(θ), 3 cos(θ), ) Dado que cosh() = 1 e sinh() = temos então h ν = l + D = 2π D 1 l [ cosh(1)] dθ = [ cosh(1)] π 11

12 Exercício 6 Considere um filtro de ar cuja forma é aproximadamente a do conjunto D = {(x, y, z) R 3 : x 2 + y 2 z 4}, imerso numa corrente de ar cujo campo de velocidades é dado pela fórmula F(x, y, z) = (2yze y2, 2xze x2, 2 + xy). a) Mostre que a quantidade de ar no interior do filtro se mantém constante, supondo que a densidade do ar é constante igual a 1. b) Usando o teorema de tokes, calcule o fluxo de ar que sai através da parede curva do filtro. Resolução: a) Pelo teorema da divergência, o fluxo total de ar através das paredes do filtro é F n = F. D Como F =, o fluxo é zero. Portanto a quantidade de ar que entra no filtro é igual à que sai. D b) eja C a parede curva de D. Note-se que F é um campo de divergência nula em R 3. Como R 3 é um conjunto em estrela, podemos concluir que F é um rotacional, ou seja, existe um campo L tal que L = F. Um campo L que satisfaça esta equação é um potencial vector para F. Para calcular o fluxo de F através de C, podemos começar por calcular um potencial vector L para F e depois aplicar o teorema de tokes a L. Calcular L = (L 1, L 2, L 3 ) consiste em resolver o seguinte sistema de equações L 3 L 1 L 2 L2 = 2yze y2 L3 = 2xze x2 L1 = 2 + xy A solução para este sistema não é única. Para encontrar uma solução particular, podemos procurar uma solução que satisfaça, por exemplo, L 1 =, e obtemos, L 3 L2 = 2yze y2 L3 = 2xze x2 L 2 = 2 + xy L 3 L2 = 2yze y2 L 3 = ze x2 + f(y, z) L 2 = 2x x2 y + g(y, z) Mais uma vez, a solução não é única. Impondo g = e substituindo na primeira equação, vem f(y, z) = ze y2, logo L = (, 2x + 12 ) x2 y, ze y2 ze x2. 12

13 eja C a parede curva de D. Pelo teorema de tokes, F n = L n = C C onde n é a normal unitária que aponta para fora do filtro e consequentemente C é percorrido no sentido negativo quando visto no sentido positivo do eixo z. Uma parametrização para na direcção indicada é dada por e a respectiva derivada por C C = {(x, y, z) R : x 2 + y 2 = 4, z = 4}, g(t) = (2 cos(t), 2 sen(t), 4) ; t [, 2π] g (t) = ( 2 sen(t), 2 cos(t), ) L Assim, L = C = L dg C 2π 8 cos 2 (t) + 8 cos 3 (t) sen(t)dt = 8π portanto a quantidade de ar que sai através da parede curva do filtro é 8π. 13

14 Exercício 7 Considere a superfície, constituída pela parte superior de um toro, definida por M = {(x, y, z) R 3 : z 2 + ( x 2 + y 2 2) 2 = 1, z > }. eja n a normal unitária a M cuja componente segundo z é positiva. a) Calcule o fluxo do campo vectorial através de M segundo n. f(x, y, z) = (x + arcatn(y 2 + z 3 ), exp(z x 3 ), z 2 z + 1) b) Utilizando o teorema de tokes, calcule o fluxo do campo h(x, y, z) = (,, 2) através de M no sentido de n. Resolução: a) eja o volume limitado por M e pelo plano z =, i.e. = {(x, y, z) R 3 : z 2 + ( x 2 + y 2 2) 2 < 1, z > }. A fronteira de é formada pela superfície toroidal M e pela coroa circular D contida no plano xy entre as circunferências de raios 1 e 3 centradas na origem, i.e. D = {(x, y, z) R 3 : ( x 2 + y 2 2) 2 < 1, z = }. A normal n a M é exterior a. A normal unitária a D que é exterior a é simplesmente ν = (,, 1) porque D é o plano z =. Assim, o teorema da divergência estabelece que div(f) dxdydz = Ora, div(f) = f1 + f2 + f3 div(f) dxdydz = M f n + f ν. D = 2z e, portanto, em coordenadas cilíndricas, temos 2π = 2π = 2π 3 ( ( 3 ) ) 1 (ρ 2) 2 2zdz ρdρ dθ 1 1 [ 1 (ρ 2) 2 ] ρdρ ( 4 4 ) 3 Por outro lado para calcular o fluxo de f através de D, note-se que f ν = z 2 + z 1 = 1 porque z = em D. Assim, D f ν = Área(D) = π( ) = 8π 14

15 e, portanto, M f n = ( 16 8 ) π. 3 Note-se que teria sido substancialmente mais difícil fazer o mesmo cálculo directamente a partir da definição de fluxo de um campo. b) O teorema de tokes relaciona o fluxo do rotacional de um campo através de uma superfície com o trabalho desse campo na fronteira, ou bordo, da superfície. Assim o primeiro passo é exprimir o campo h(x, y, z) como um rotacional de outro campo vectorial. Procuramos então determinar um campo vectorial g(x, y, z) tal que ou seja rot (g) = h 2 g 3 3 g 2 = h 1 = 3 g 1 1 g 3 = h 2 = 1 g 2 2 g 1 = h 3 = 2 Diz-se que g é um potencial vectorial para h. Há muitas soluções para estas equações. Podemos, por exemplo, tentar encontrar uma solução com g 2 =. Da terceira equação obtemos g 1 = 2y + l(x, z) Fazendo l(x, z) = vemos que é possível satisfazer as equações restantes com g 3 =. Logo, podemos tomar g(x, y, z) = ( 2y,, ) A fronteira, ou bordo, de M é constituída por duas circunferências no plano xy e centradas na origem: A de raio 1 e B de raio 3, como se ilustra na figura 5. Quem está de pé, sobre o y 1 A B 3 x Pfrag replacements Figura 5: Orientação de A e de B plano xy, do lado em que z >, a orientação destas fronteiras que é consistente com a normal n, é para A no sentido horário e para B no sentido anti-horário. Deste modo, percorrendo 15

16 A ou B do lado em que z >, ou seja do lado para que aponta a normal n, tem a superfície M do seu lado esquerdo. Então, pelo teorema de tokes, temos h n = M M rot (g) n = A g + g. B Temos de calcular o trabalho de g ao longo de A e o trabalho de g ao longo de B. Podemos parametrizar A através de α(θ) = (cos(θ), sen(θ), ) e B através de fazendo < θ < 2π. Então A g = = = 2π 2π β(θ) = (3 cos(θ), 3 sen(θ), ) 2π = 2π g(α(θ) α (θ)dθ (2 sen(θ),, ) ( sen(θ), cos(θ), )dθ 2 sen(θ) 2 dθ De modo semelhante temos g = B = 2π 2π g(β(θ) β (θ)dθ 18 sen 2 (θ)dθ Portanto M = 18π h n = 18π 2π = 16π Note-se que teria sido substancialmente mais difícil fazer o mesmo cálculo directamente a partir da definição. 16

17 Exercício 8 Considere a superfície = {(x, y, z) R 3 : x 2 + y 2 = z 2 + 1, 1 < z < 3} e o campo vectorial F (x, y, z) = (x, y, 2z) Calcule o fluxo de F através de no sentido da normal que aponta para fora (isto é no sentido contrário àquele em que fica o eixo dos zz), 1. pela definição de fluxo. 2. usando o teorema da divergência. 3. usando o teorema de tokes. Resolução: 1. Em coordenadas cilíndricas (r, θ, z), é definida por r 2 = z r = z com 1 < z < 3 logo trata-se de uma hipérbole rodada em torno do eixo dos zz, ou seja de um hiperbolóide. Uma parametrização para é dada por g(z, θ) = ( z cos θ, z sin θ, z), < θ < 2π, 1 < z < 3. Temos g g θ = i j k z z2 +1 cos θ z sin θ z z2 +1 sin θ 1 z2 + 1 cos θ = ( z cos θ, z sin θ, z). Quando z é positivo, a terceira componente de g θ é positiva portanto este vector tem o contrário ao da normal dada à superfície. Conclui-se que F nd = = = = 2π 3 1 2π 3 1 2π 3 1 g F ( z cos θ, z sin θ, z) ( z cos θ, z sin θ, z)dzdθ ( z cos θ, z sin θ, 2z) ( z cos θ, z sin θ, z)dzdθ (z 2 + 1) 2z 2 dzdθ = 2π( 4 28) = 64π. 2. F é um campo vectorial de classe C 1 em R 3 logo podemos aplicar o teorema da divergência à região D = {(x, y, z) R 3 : x 2 + y 2 < z 2 + 1, 1 < z < 3}. A fronteira de D, é formada por e pelos dois discos 1 = {(x, y, 3) R 3 : x 2 + y 2 1} e 2 = {(x, y, 1) R 3 : x 2 + y 2 2}. 17

18 Uma vez que a normal a dada, n, é a normal exterior a D, o teorema da divergência diz que F dxdydz = F n + F (,, 1)d + F (,, 1)d. D 1 2 Como conclui-se que F nd = F = = 1 F (,, 1)d = 2zd 2zd 1 2 = 6d 2d F (,, 1)d = 6área( 1 ) + 2área( 2 ) = 6π1 + 2π2 = 64π. 3. Uma vez que F é solenoidal (isto é F = ) e o domínio de F é R 3 que é um conjunto em estrela, concluimos que F é um rotacional. Para achar um potencial vector A temos de resolver o sistema i j k A = F = (x, y, 2z) A 1 A 2 A 3 A 3 A2 = x A 1 A3 = y = 2z A 2 A1 Fazendo, por exemplo, A 3 = obtemos, A2 = x A 1 = y = 2z A 2 A1 ubstituindo na última equação obtemos A 2 (x, y, z) = xz + C 1 (x, y) A 1 (x, y, z) = yz + C 2 (x, y) A 2 A1 = 2z z + C 1 (x, y) z C 2 (x, y) = 2z pelo que podemos fazer C 1 (x, y) = C 2 (x, y) =. Conclui-se que um potencial vector para F é dado por A(x, y, z) = (yz, xz, ). Pelo teorema de tokes, F nd = ( A) nd = A d r. 18

19 O bordo de é constituído por duas curvas: e α 1 = {(x, y, 3) R 3 : x 2 + y 2 = 1} α 2 = {(x, y, 1) R 3 : x 2 + y 2 = 2}. De acordo com a regra da mão direita, quando vistas de muito acima do plano xy, α 1 deve ser percorrida no sentido dos ponteiros do relógio e α 2 no sentido directo. Uma parametrização de α 1 é g 1 (t) = ( 1 cos t, 1 sin t, 3) < t < 2π que no entanto percorre a curva no sentido directo, enquanto que uma parametrização para α 2 é g 2 (t) = ( 2 cos t, 2 sin t, 1) < t < 2π que percorre a curva α 2 no sentido desejado. Assim, F n = A dg 1 + A dg 2 α 1 α 2 = = + 2π 2π 2π (3 1 sin t, 3 1 cos t, ) ( 1 sin t, 1 cos t, )dt ( 2 sin t, 2 cos t, ) ( 2 sin t, 2 cos t, )dt 3dt + 2π 2dt = 64π. 19

AMIII - Exercícios Resolvidos Sobre Formas Diferenciais e o Teorema de Stokes

AMIII - Exercícios Resolvidos Sobre Formas Diferenciais e o Teorema de Stokes AIII - Exercícios Resolvidos obre Formas Diferenciais e o Teorema de tokes 4 de Dezembro de. eja a superfície Calcule: a) A área de ; b) O centróide de ; { x, y, z) R 3 : z cosh x, x

Leia mais

Analise Matematica III A - 1 o semestre de 2006/07 FICHA DE TRABALHO 6 - RESOLUC ~AO

Analise Matematica III A - 1 o semestre de 2006/07 FICHA DE TRABALHO 6 - RESOLUC ~AO ecc~ao de Algebra e Analise, Departamento de Matematica, Instituto uperior Tecnico Analise Matematica III A - o semestre de 6/7 FIHA DE TRABALHO 6 - REOLU ~AO ) Indique se as formas diferenciais seguintes

Leia mais

Teorema da Divergência

Teorema da Divergência Instituto Superior Técnico epartamento de atemática Secção de Álgebra e Análise Prof. Gabriel Pires Teorema da ivergência Nestas notas apresentaremos o teorema da divergência em R 3 (Teorema de Gauss devido

Leia mais

3 Cálculo Integral em R n

3 Cálculo Integral em R n 3 Cálculo Integral em n Exercício 3.. Calcule os seguintes integrais. Universidade da Beira Interior Matemática Computacional II Engenharia Informática 4/5 Ficha Prática 3 3 x + y dxdy x y + x dxdy e 3

Leia mais

Exercícios Resolvidos Mudança de Coordenadas

Exercícios Resolvidos Mudança de Coordenadas Instituto uperior écnico Departamento de Matemática ecção de Álgebra e Análise Eercícios Resolvidos Mudança de Coordenadas Eercício Considere o conjunto {(, R : < < ; < < + } e a função g : R R definida

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ UESC. 1 a Avaliação escrita de Cálculo IV Professor: Afonso Henriques Data: 10/04/2008

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ UESC. 1 a Avaliação escrita de Cálculo IV Professor: Afonso Henriques Data: 10/04/2008 1 a Avaliação escrita de Professor: Afonso Henriques Data: 10/04/008 1. Seja R a região do plano delimitada pelos gráficos de y = x, y = 3x 18 e y = 0. Se f é continua em R, exprima f ( x, y) da em termos

Leia mais

Universidade Federal do Pará Cálculo II - Projeto Newton /4 Professores: Jerônimo e Juaci

Universidade Federal do Pará Cálculo II - Projeto Newton /4 Professores: Jerônimo e Juaci Universidade Federal do Pará Cálculo II - Projeto Newton - 5/4 Professores: Jerônimo e Juaci a Lista de exercícios para monitoria. Determine o volume do sólido limitado pelos planos coordenados e pelo

Leia mais

PROFESSOR: RICARDO SÁ EARP

PROFESSOR: RICARDO SÁ EARP LISTA DE EXERCÍCIOS SOBRE TRABALHO, CAMPOS CONSERVATIVOS, TEOREMA DE GREEN, FLUXO DE UM CAMPO AO LONGO DE UMA CURVA, DIVERGÊNCIA E ROTACIONAL DE UM CAMPO NO PLANO, FUNÇÕES HARMÔNICAS PROFESSOR: RICARDO

Leia mais

INSTITUTO DE MATEMÁTICA - UFBA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA 2 a LISTA DE EXERCÍCIOS DE MAT CÁLCULO II-A. Última atualização:

INSTITUTO DE MATEMÁTICA - UFBA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA 2 a LISTA DE EXERCÍCIOS DE MAT CÁLCULO II-A. Última atualização: INSTITUTO DE MATEMÁTICA - UFBA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA a LISTA DE EXERCÍCIOS DE MAT 4 - CÁLCULO II-A Última atualização: --4 ) Nos problemas a seguir encontre a área das regiões indicadas: A) Interior

Leia mais

ANÁLISE MATEMÁTICA III CURSOS: LEAB, LEB, LEMG, LEMAT, LEN, LEQ, LQ. disponível em acannas/amiii

ANÁLISE MATEMÁTICA III CURSOS: LEAB, LEB, LEMG, LEMAT, LEN, LEQ, LQ. disponível em  acannas/amiii Instituto Superior Técnico Departamento de Matemática Secção de Álgebra e Análise Última actualização: 9// ANÁLISE MATEMÁTICA III CURSOS: LEAB, LEB, LEMG, LEMAT, LEN, LEQ, LQ PROPOSTA DE) RESOLUÇÃO DA

Leia mais

1. Determine o valor do integral curvilíneo do campo F (x, y, z) = xzî + xĵ + y k ao longo da linha (L), definida por: { x 2 /4 + y 2 /25 = 1 z = 2

1. Determine o valor do integral curvilíneo do campo F (x, y, z) = xzî + xĵ + y k ao longo da linha (L), definida por: { x 2 /4 + y 2 /25 = 1 z = 2 Análise Matemática IIC Ficha 6 - Integrais Curvilíneos de campos de vectores. Teorema de Green. Integrais de Superfície. Teorema de Stokes. Teorema da Divergência. 1. Determine o valor do integral curvilíneo

Leia mais

Lista 1 - Cálculo III

Lista 1 - Cálculo III Lista 1 - Cálculo III Parte I - Integrais duplas sobre regiões retangulares Use coordenadas cartesianas para resolver os exercícios abaixo 1. Se f é uma função constante fx, y) = k) e = [a, b] [c, d],

Leia mais

Lista Determine o volume do sólido contido no primeiro octante limitado pelo cilindro z = 9 y 2 e pelo plano x = 2.

Lista Determine o volume do sólido contido no primeiro octante limitado pelo cilindro z = 9 y 2 e pelo plano x = 2. UFPR - Universidade Federal do Paraná Departamento de Matemática CM042 - Cálculo II (Turma B) Prof. José Carlos Eidam Lista 3 Integrais múltiplas. Calcule as seguintes integrais duplas: (a) R (2y 2 3x

Leia mais

Exercícios Resolvidos Esboço e Análise de Conjuntos

Exercícios Resolvidos Esboço e Análise de Conjuntos Instituto uperior Técnico Departamento de Matemática ecção de Álgebra e Análise Eercícios Resolvidos Esboço e Análise de Conjuntos Eercício Esboce detalhadamente o conjunto descrito por = {(,, ) R 3 :,,

Leia mais

Análise Matemática 2 FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO. Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores

Análise Matemática 2 FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO. Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores FAULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de omputadores Análise Matemática 2 Apontamentos das aulas teóricas - Integrais de Linha 29/21 Maria do

Leia mais

MAT1153 / LISTA DE EXERCÍCIOS : CAMPOS CONSERVATIVOS, INTEGRAIS DE LINHA, TRABALHO E TEOREMA DE GREEN

MAT1153 / LISTA DE EXERCÍCIOS : CAMPOS CONSERVATIVOS, INTEGRAIS DE LINHA, TRABALHO E TEOREMA DE GREEN MAT1153 / 2008.1 LISTA DE EXERCÍCIOS : CAMPOS CONSERVATIVOS, INTEGRAIS DE LINHA, TRABALHO E TEOREMA DE GREEN OBS: Faça os exercícios sobre campos conservativos em primeiro lugar. (1 Fazer exercícios 1:(c,

Leia mais

Descrevendo Regiões no Plano Cartesiano e no Espaço Euclidiano

Descrevendo Regiões no Plano Cartesiano e no Espaço Euclidiano Descrevendo Regiões no Plano Cartesiano e no Espaço Euclidiano Americo Cunha Débora Mondaini Ricardo Sá Earp Departamento de Matemática Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro Regiões no Plano

Leia mais

FICHA DE TRABALHO 6 - RESOLUÇÃO

FICHA DE TRABALHO 6 - RESOLUÇÃO ecção de Álgebra e Análise, Departamento de Matemática, Instituto uperior Técnico Análise Matemática III A - 1 o semestre de 23/4 FIHA DE TRABALHO 6 - REOLUÇÃO 1) Indique se as formas diferenciais seguintes

Leia mais

MAT Lista de exercícios

MAT Lista de exercícios 1 Curvas no R n 1. Esboce a imagem das seguintes curvas para t R a) γ(t) = (1, t) b) γ(t) = (t, cos(t)) c) γ(t) = (t, t ) d) γ(t) = (cos(t), sen(t), 2t) e) γ(t) = (t, 2t, 3t) f) γ(t) = ( 2 cos(t), 2sen(t))

Leia mais

Integral de linha de campo vectorial. Sejam : C uma curva dada por r(t) = (x(t), y(t), z(t)), com. e F : Dom( F ) R 3 R 3

Integral de linha de campo vectorial. Sejam : C uma curva dada por r(t) = (x(t), y(t), z(t)), com. e F : Dom( F ) R 3 R 3 Integral de linha de campo vectorial Sejam : C uma curva dada por r(t) = (x(t), y(t), z(t)), com t [a, b]. e F : Dom( F ) R 3 R 3 F = (F 1, F 2, F 3 ) um campo vectorial contínuo cujo Dom( F ) contem todos

Leia mais

MAT Cálculo Diferencial e Integral para Engenharia III 1a. Lista de Exercícios - 1o. semestre de 2016

MAT Cálculo Diferencial e Integral para Engenharia III 1a. Lista de Exercícios - 1o. semestre de 2016 MAT55 - Cálculo iferencial e Integral para ngenharia III a. Lista de xercícios - o. semestre de 6. Calcule as seguintes integrais duplas: (a) (y xy )dxdy, onde = {(x, y) : x, y }. esp. (a) 585. 8 x sin

Leia mais

Funções de duas (ou mais)

Funções de duas (ou mais) Lista 5 - CDI II Funções de duas (ou mais) variáveis. Seja f(x, y) = x+y x y, calcular: f( 3, 4) f( 2, 3 ) f(x +, y ) f( x, y) f(x, y) 2. Seja g(x, y) = x 2 y, obter: g(3, 5) g( 4, 9) g(x + 2, 4x + 4)

Leia mais

CDI-II. Resumo das Aulas Teóricas (Semana 1) 2 Norma. Distância. Bola. R n = R R R

CDI-II. Resumo das Aulas Teóricas (Semana 1) 2 Norma. Distância. Bola. R n = R R R Instituto Superior Técnico Departamento de Matemática Secção de Álgebra e Análise Prof. Gabriel Pires CDI-II Resumo das Aulas Teóricas (Semana 1) 1 Notação R n = R R R x R n : x = (x 1, x 2,, x n ) ; x

Leia mais

CÁLCULO II - MAT0023. Nos exercícios de (1) a (4) encontre x e y em termos de u e v, alem disso calcule o jacobiano da

CÁLCULO II - MAT0023. Nos exercícios de (1) a (4) encontre x e y em termos de u e v, alem disso calcule o jacobiano da UNIVEIDADE FEDEAL DA INTEGAÇÃO LATINO-AMEICANA Instituto Latino-Americano de Ciências da Vida e da Natureza Centro Interdisciplinar de Ciências da Natureza CÁLCULO II - MAT3 15 a Lista de exercícios Nos

Leia mais

3 de Maio de F x (x,y) = f 1(x,xy) 1+f 2 (x,xy) y. e portanto. y x (x,y) = f 12(x,xy)x+f 22 (x,xy)xy +f 2 (x,xy).

3 de Maio de F x (x,y) = f 1(x,xy) 1+f 2 (x,xy) y. e portanto. y x (x,y) = f 12(x,xy)x+f 22 (x,xy)xy +f 2 (x,xy). Função Inversa e Função Impĺıcita (Resolução Sumária) 3 de Maio de 2013 1. Seja F(x,y) = f(x,xy) (com f : R 2 R de classe C 2 ). Exprima a derivada parcial mista F 12 à custa de derivadas parciais de f.

Leia mais

Cálculo a Várias Variáveis I - MAT Cronograma para P2: aulas teóricas (segundas e quartas)

Cálculo a Várias Variáveis I - MAT Cronograma para P2: aulas teóricas (segundas e quartas) Cálculo a Várias Variáveis I - MAT 116 0141 Cronograma para P: aulas teóricas (segundas e quartas) Aula 10 4 de março (segunda) Aula 11 6 de março (quarta) Referências: Cálculo Vol James Stewart Seções

Leia mais

Lista de Exercícios de Cálculo 3 Módulo 1 - Terceira Lista - 02/2016

Lista de Exercícios de Cálculo 3 Módulo 1 - Terceira Lista - 02/2016 Lista de Exercícios de Cálculo 3 Módulo 1 - Terceira Lista - 02/2016 Parte A 1. Identifique e esboce as superfícies quádricas x 2 + 4y 2 + 9z 2 = 1 x 2 y 2 + z 2 = 1 (c) y = 2x 2 + z 2 (d) x = y 2 z 2

Leia mais

6 AULA. Equações Paramétricas LIVRO. META Estudar funções que a cada ponto do domínio associa um par ordenado

6 AULA. Equações Paramétricas LIVRO. META Estudar funções que a cada ponto do domínio associa um par ordenado 1 LIVRO Equações Paramétricas 6 AULA META Estudar funções que a cada ponto do domínio associa um par ordenado de R 2 OBJETIVOS Estudar movimentos de partículas no plano. PRÉ-REQUISITOS Ter compreendido

Leia mais

Integrais Triplas em Coordenadas Polares

Integrais Triplas em Coordenadas Polares Cálculo III Departamento de Matemática - ICEx - UFMG Marcelo Terra Cunha Integrais Triplas em Coordenadas Polares Na aula 3 discutimos como usar coordenadas polares em integrais duplas, seja pela região

Leia mais

Derivadas Parciais Capítulo 14

Derivadas Parciais Capítulo 14 Derivadas Parciais Capítulo 14 DERIVADAS PARCIAIS Como vimos no Capítulo 4, no Volume I, um dos principais usos da derivada ordinária é na determinação dos valores máximo e mínimo. DERIVADAS PARCIAIS 14.7

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro Cálculo III

Universidade Federal do Rio de Janeiro Cálculo III Universidade Federal do Rio de Janeiro Cálculo III 1 o semestre de 26 Primeira Prova Turma EN1 Não serão aceitas respostas sem justificativa. Explique tudo o que você fizer. 1. Esboce a região de integração,

Leia mais

CÁLCULO II - MAT Em cada um dos seguintes campos vetoriais, aplicar o resultado do exercício 3 para mostrar que f

CÁLCULO II - MAT Em cada um dos seguintes campos vetoriais, aplicar o resultado do exercício 3 para mostrar que f UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERIANA Instituto Latino-Americano de iências da Vida e da Natureza entro Interdisciplinar de iências da Natureza 1. Dado um campo vetorial bidimensional ÁLULO

Leia mais

PARTE 10 REGRA DA CADEIA

PARTE 10 REGRA DA CADEIA PARTE 10 REGRA DA CADEIA 10.1 Introdução Em Cálculo 1A, quando queríamos derivar a função h(x = (x 2 3x + 2 37, fazíamos uso da regra da cadeia, que é uma das mais importantes regras de derivação e nos

Leia mais

Resumo dos resumos de CDI-II

Resumo dos resumos de CDI-II Resumo dos resumos de DI-II 1 Topologia e ontinuidade de Funções em R n 1 Limites direccionais: Se lim f(x, mx) x 0 não existe, ou existe mas depende de m, então não existe lim f(x, y) (x,y) (0,0) 2 Produto

Leia mais

Integrais Duplos e Triplos.

Integrais Duplos e Triplos. Capítulo 4 Integrais uplos e Triplos. 4.1 Integrais uplos xercício 4.1.1 Calcule os seguintes integrais. a. e. 1 1 e 1 2x+2 15xy + 1y 2 dy dx b. y x dx dy 4 x 2y) dy dx f. 4 1 π 6 2 π 2 x 1 6xy 3 + x )

Leia mais

PARAMETRIZAÇÃO DE CURVA:

PARAMETRIZAÇÃO DE CURVA: PARAMETRIZAÇÃO DE CURVA: parametrizar uma curva C R n (n=2 ou 3), consiste em definir uma função vetorial: r : I R R n (n = 2 ou 3), onde I é um intervalo e r(i) = C. Equações paramétricas da curva C de

Leia mais

14 AULA. Vetor Gradiente e as Derivadas Direcionais LIVRO

14 AULA. Vetor Gradiente e as Derivadas Direcionais LIVRO 1 LIVRO Vetor Gradiente e as Derivadas Direcionais 14 AULA META Definir o vetor gradiente de uma função de duas variáveis reais e interpretá-lo geometricamente. Além disso, estudaremos a derivada direcional

Leia mais

Superfícies Parametrizadas

Superfícies Parametrizadas Universidade Estadual de Maringá - epartamento de Matemática Cálculo iferencial e Integral: um KIT de Sobrevivência c Publicação eletrônica do KIT http://www.dma.uem.br/kit Superfícies Parametrizadas Prof.

Leia mais

CÁLCULO I. 1 Área de Superfície de Revolução

CÁLCULO I. 1 Área de Superfície de Revolução CÁLCULO I Prof. Edilson Neri Júnior Prof. André Almeida Aula n o 6: Área de Superfície de Revolução e Pressão Hidrostática Objetivos da Aula Calcular a área de superfícies de revolução; Denir pressão hidrostática.

Leia mais

3. Algumas classes especiais de superfícies

3. Algumas classes especiais de superfícies 3. ALGUMAS CLASSES ESPECIAIS DE SUPERFÍCIES 77 3. Algumas classes especiais de superfícies Nesta secção descrevemos algumas das classes de superfícies mais simples. Superfícies quádricas As superfícies

Leia mais

Geometria Analítica II - Aula

Geometria Analítica II - Aula Geometria Analítica II - Aula 0 94 Aula Coordenadas Cilíndricas e Esféricas Para descrever de modo mais simples algumas curvas e regiões no plano introduzimos anteriormente as coordenadas polares. No espaço

Leia mais

Resumos de CDI-II. 1. Topologia e Continuidade de Funções em R n. 1. A bola aberta de centro em a R n e raio r > 0 é o conjunto

Resumos de CDI-II. 1. Topologia e Continuidade de Funções em R n. 1. A bola aberta de centro em a R n e raio r > 0 é o conjunto Resumos de CD- 1. Topologia e Continuidade de Funções em R n 1. A bola aberta de centro em a R n e raio r > 0 é o conjunto B r (a) = {x R n : x a < r}. 2. Seja A R n um conjunto. m ponto a A diz-se: (i)

Leia mais

Exercícios Resolvidos Integral de Linha de um Campo Escalar

Exercícios Resolvidos Integral de Linha de um Campo Escalar Instituto Superior Técnico Departamento de Matemática Secção de Álgebra e Análise Eercícios Resolvidos Integral de Linha de um ampo Escalar Eercício onsidere o caminho g : [, ] R definido por g(t) = (e

Leia mais

f, da, onde R é uma das regiões mostradas na

f, da, onde R é uma das regiões mostradas na Integrais Duplas em Coordenadas Polares Bibliografia básica: THOMAS, G. B. Cálculo. Vol. Capítulo 1. Item 1.3. STEWAT, J. Cálculo. Vol.. Capítulo 15. Item 15.4. Sabemos que o cálculo da área de uma região

Leia mais

Exercícios Resolvidos Integrais de Linha. Teorema de Green

Exercícios Resolvidos Integrais de Linha. Teorema de Green Instituto Superior Técnico Departamento de Matemática Secção de Álgebra e Análise Exercícios Resolvidos Integrais de Linha. Teorema de Green Exercício 1 Um aro circular de raio 1 rola sem deslizar ao longo

Leia mais

Aula 25 Teorema do Divergente

Aula 25 Teorema do Divergente Aula 25 Teorema do Divergente MA211 - Cálculo II Marcos duardo Valle Departamento de Matemática Aplicada Instituto de Matemática, statística e Computação Científica Universidade stadual de Campinas Introdução

Leia mais

CDI-II. Trabalho. Teorema Fundamental do Cálculo

CDI-II. Trabalho. Teorema Fundamental do Cálculo Instituto Superior Técnico Departamento de Matemática Secção de Álgebra e Análise Prof. Gabriel Pires CDI-II Trabalho. Teorema Fundamental do Cálculo 1 Trabalho. Potencial Escalar Uma das noções mais importantes

Leia mais

1. Calcule a integral do fluxo F nds (i) diretamente e (ii) usando o teorema do divergente.

1. Calcule a integral do fluxo F nds (i) diretamente e (ii) usando o teorema do divergente. Lista de Exercícios de álculo 3 Módulo 3 - Nona Lista - 02/2016 Parte A 1. alcule a integral do fluxo F nd (i) diretamente e (ii) usando o teorema do divergente. (a) F = (x 3 y 3 )i + (y 3 z 3 )j + (z

Leia mais

w 1 = v 1 + v 2 + v 3 w 2 = 2v 2 + v 3 (1) w 3 = v 1 + 3v 2 + 3v 3 também são linearmente independentes. T =

w 1 = v 1 + v 2 + v 3 w 2 = 2v 2 + v 3 (1) w 3 = v 1 + 3v 2 + 3v 3 também são linearmente independentes. T = Independência e dependência linear ) a) Sejam v, v e v vectores linearmente independentes de um espaço linear S. Prove que os vectores também são linearmente independentes. Resolução Seja V a expansão

Leia mais

Teoria da Membrana. Cascas de Revolução 9.1. Capítulo 9

Teoria da Membrana. Cascas de Revolução 9.1. Capítulo 9 Teoria da Membrana. Cascas de evolução 9. Capítulo 9 Teoria de Membrana. Cascas de evolução 9. Sistema de Eixos Uma casca de revolução tem uma superfície média que forma uma superfície de revolução. Esta

Leia mais

Universidade Federal Fluminense Instituto de Matemática e Estatística Departamento de Matemática Aplicada. Cálculo 3A Lista 8

Universidade Federal Fluminense Instituto de Matemática e Estatística Departamento de Matemática Aplicada. Cálculo 3A Lista 8 Universidade Federal Fluminense Instituto de Matemática e Estatística epartamento de Matemática Aplicada álculo 3A Lista 8 Eercício : Um objeto percorre uma elipse 4 +5 no sentido anti-horário e se encontra

Leia mais

LISTA DE CÁLCULO III. (A) Integrais Duplas. 1. Em cada caso, esboce a região de integração e calcule a integral: (e) (f) (g) (h)

LISTA DE CÁLCULO III. (A) Integrais Duplas. 1. Em cada caso, esboce a região de integração e calcule a integral: (e) (f) (g) (h) 1 LISTA E CÁLCULO III (A) Integrais uplas 1. Em cada caso, esboce a região de integração e calcule a integral: (c) (d) 1 y y a a 2 x 2 a 1 y 1 2 2 x x 2 y 2 dxdy; a 2 x 2 (x + y)dydx; e x+y dxdy; x 1 +

Leia mais

ANÁLISE MATEMÁTICA IV LEEC SÉRIES, SINGULARIDADES, RESÍDUOS E PRIMEIRAS EDO S. disponível em

ANÁLISE MATEMÁTICA IV LEEC SÉRIES, SINGULARIDADES, RESÍDUOS E PRIMEIRAS EDO S. disponível em Instituto Superior Técnico Departamento de Matemática Secção de Álgebra e Análise Última actualiação: //003 ANÁLISE MATEMÁTICA IV LEEC RESOLUÇÃO DA FICHA 3 SÉRIES, SINGULARIDADES, RESÍDUOS E PRIMEIRAS

Leia mais

CDI-II. Resumo das Aulas Teóricas (Semana 5) 1 Extremos de Funções Escalares. Exemplos

CDI-II. Resumo das Aulas Teóricas (Semana 5) 1 Extremos de Funções Escalares. Exemplos Instituto Superior Técnico Departamento de Matemática Secção de Álgebra e Análise Prof. Gabriel Pires CDI-II Resumo das Aulas Teóricas (Semana 5) 1 Etremos de Funções Escalares. Eemplos Nos eemplos seguintes

Leia mais

da dx = 2 x cm2 /cm A = (5 t + 2) 2 = 25 t t + 4

da dx = 2 x cm2 /cm A = (5 t + 2) 2 = 25 t t + 4 Capítulo 13 Regra da Cadeia 13.1 Motivação A área A de um quadrado cujo lado mede x cm de comprimento é dada por A = x 2. Podemos encontrar a taxa de variação da área em relação à variação do lado: = 2

Leia mais

Capítulo Equações da reta no espaço. Sejam A e B dois pontos distintos no espaço e seja r a reta que os contém. Então, P r existe t R tal que

Capítulo Equações da reta no espaço. Sejam A e B dois pontos distintos no espaço e seja r a reta que os contém. Então, P r existe t R tal que Capítulo 11 1. Equações da reta no espaço Sejam A e B dois pontos distintos no espaço e seja r a reta que os contém. Então, P r existe t R tal que AP = t AB Fig. 1: Reta r passando por A e B. Como o ponto

Leia mais

MAT Poli Cônicas - Parte I

MAT Poli Cônicas - Parte I MAT2454 - Poli - 2011 Cônicas - Parte I Uma equação quadrática em duas variáveis, x e y, é uma equação da forma ax 2 +by 2 +cxy +dx+ey +f = 0, em que pelo menos um doscoeficientes a, b oucénão nulo 1.

Leia mais

Lista 6: transformações lineares.

Lista 6: transformações lineares. Lista 6: transformações lineares. 1) Diga, justificando, quais das seguintes funções constituem transformações lineares. a) T : R 2 R 2 tal que T (x 1, x 2 ) = (x 1 + x 2, 3x 1 x 2 ) b) T : R 2 R 2 tal

Leia mais

Aula Distância entre duas retas paralelas no espaço. Definição 1. Exemplo 1

Aula Distância entre duas retas paralelas no espaço. Definição 1. Exemplo 1 Aula 1 Sejam r 1 = P 1 + t v 1 t R} e r 2 = P 2 + t v 2 t R} duas retas no espaço. Se r 1 r 2, sabemos que r 1 e r 2 são concorrentes (isto é r 1 r 2 ) ou não se intersectam. Quando a segunda possibilidade

Leia mais

Lista de Exercícios de Cálculo 3 Sexta Semana

Lista de Exercícios de Cálculo 3 Sexta Semana Lista de Exercícios de Cálculo 3 Sexta Semana Parte A 1. (i) Encontre o gradiente das funções abaixo; (ii) Determine o gradiente no ponto P dado; (iii) Determine a taxa de variação da função no ponto P

Leia mais

FOLHAS DE PROBLEMAS DE MATEMÁTICA II CURSO DE ERGONOMIA PEDRO FREITAS

FOLHAS DE PROBLEMAS DE MATEMÁTICA II CURSO DE ERGONOMIA PEDRO FREITAS FOLHAS DE PROBLEMAS DE MATEMÁTICA II CURSO DE ERGONOMIA PEDRO FREITAS Maio 12, 2008 2 Contents 1. Complementos de Álgebra Linear 3 1.1. Determinantes 3 1.2. Valores e vectores próprios 5 2. Análise em

Leia mais

A integral definida Problema:

A integral definida Problema: A integral definida Seja y = f(x) uma função definida e limitada no intervalo [a, b], e tal que f(x) 0 p/ todo x [a, b]. Problema: Calcular (definir) a área, A,da região do plano limitada pela curva y

Leia mais

MAT Cálculo Diferencial e Integral para Engenharia II 3 a lista de exercícios

MAT Cálculo Diferencial e Integral para Engenharia II 3 a lista de exercícios MAT 454 - Cálculo Diferencial e Integral para Engenharia II a lista de exercícios - 7. Ache os pontos do hiperbolóide x y + z = onde a reta normal é paralela à reta que une os pontos (,, ) e (5,, 6)..

Leia mais

Lista de Exercícios de Cálculo 3 Terceira Semana

Lista de Exercícios de Cálculo 3 Terceira Semana Lista de Exercícios de Cálculo 3 Terceira Semana Parte A 1. Reparametrize as curvas pelo parâmetro comprimento de arco medido a partir do ponto t = 0 na direção crescente de t. (a) r(t) = ti + (1 3t)j

Leia mais

12 AULA. ciáveis LIVRO. META Estudar derivadas de funções de duas variáveis a valores reais.

12 AULA. ciáveis LIVRO. META Estudar derivadas de funções de duas variáveis a valores reais. 1 LIVRO Diferen- Funções ciáveis META Estudar derivadas de funções de duas variáveis a valores reais. OBJETIVOS Estender os conceitos de diferenciabilidade de funções de uma variável a valores reais. PRÉ-REQUISITOS

Leia mais

Resumo com exercícios resolvidos do assunto:

Resumo com exercícios resolvidos do assunto: www.engenhariafacil.weebly.com Resumo com exercícios resolvidos do assunto: (I) (II) (III) (IV) Derivadas Parciais; Plano Tangente; Diferenciabilidade; Regra da Cadeia. (I) Derivadas Parciais Uma derivada

Leia mais

ln(x + y) (x + y 1) < 1 (x + y 1)2 3. Determine o polinômio de Taylor de ordem 2 da função dada, em volta do ponto dado:

ln(x + y) (x + y 1) < 1 (x + y 1)2 3. Determine o polinômio de Taylor de ordem 2 da função dada, em volta do ponto dado: ā Lista de MAT 454 - Cálculo II - a) POLINÔMIOS DE TAYLOR 1. Seja f(x, y) = ln (x + y). a) Determine o polinômio de Taylor de ordem um de f em torno de ( 1, 1 ). b) Mostre que para todo (x, y) IR com x

Leia mais

Exercícios propostos para as aulas práticas

Exercícios propostos para as aulas práticas Análise Matemática III Engenharia Civil 2005/2006 Exercícios propostos para as aulas práticas Departamento de Matemática da Universidade de Coimbra Algumas noções topológicas em IR n 1 Verifique se cada

Leia mais

Derivadas direcionais Definição (Derivadas segundo um vector): f : Dom(f) R n R e P 0 int(dom(f)) então

Derivadas direcionais Definição (Derivadas segundo um vector): f : Dom(f) R n R e P 0 int(dom(f)) então Derivadas direcionais Definição (Derivadas segundo um vector): f : Dom(f) R n R e P 0 int(dom(f)) então Seja D v f(p 0 ) = lim λ 0 f(p 0 + λ v) f(p 0 ) λ v representa a derivada direcional de f segundo

Leia mais

Pequena Introdução à Trigonometria Hiperbólica

Pequena Introdução à Trigonometria Hiperbólica Pequena Introdução à Trigonometria Hiperbólica (Filipe Oliveira, 9) 1 Motivação Consideremos o plano euclidiano munido de um referencial ortonormado (, e 1, e ). Quando θ percorre o intervalo [; π[, o

Leia mais

Derivadas Parciais Capítulo 14

Derivadas Parciais Capítulo 14 Derivadas Parciais Capítulo 14 DERIVADAS PARCIAIS 14.6 Derivadas Direcionais e o Vetor Gradiente Nesta seção, vamos aprender como encontrar: As taxas de variação de uma função de duas ou mais variáveis

Leia mais

Teorema de Fubini e Mudança de Variáveis (Resolução Sumária)

Teorema de Fubini e Mudança de Variáveis (Resolução Sumária) Teorema de Fubini e Mudança de Variáveis (Resolução Sumária) 9 de Maio de 9. Escreva fdv como um integral iterado nas duas ordens de integração possíveis, onde o conjunto é: (a) O triângulo de vértices

Leia mais

Série IV - Momento Angular (Resoluções Sucintas)

Série IV - Momento Angular (Resoluções Sucintas) Mecânica e Ondas, 0 Semestre 006-007, LEIC Série IV - Momento Angular (Resoluções Sucintas) 1. O momento angular duma partícula em relação à origem é dado por: L = r p a) Uma vez que no movimento uniforme

Leia mais

Fundamentos da Eletrostática Aula 13 Descontinuidades no Campo Elétrico & Método das Imagens

Fundamentos da Eletrostática Aula 13 Descontinuidades no Campo Elétrico & Método das Imagens Fundamentos da Eletrostática Aula 3 Descontinuidades no Campo Elétrico & Método das Imagens Prof. Alex G. Dias Prof. Alysson F. Ferrari Descontinuidades no campo elétrico Uma observação a ser feita uando

Leia mais

y (n) (x) = dn y dx n(x) y (0) (x) = y(x).

y (n) (x) = dn y dx n(x) y (0) (x) = y(x). Capítulo 1 Introdução 1.1 Definições Denotaremos por I R um intervalo aberto ou uma reunião de intervalos abertos e y : I R uma função que possua todas as suas derivadas, a menos que seja indicado o contrário.

Leia mais

4.4 Limite e continuidade

4.4 Limite e continuidade 4.4 Limite e continuidade Noções Topológicas em R : Dados dois pontos quaisquer (x 1, y 1 ) e (x, y ) de R indicaremos a distância entre eles por då(x 1, y 1 ), (x, y )è=(x 1 x ) + (y 1 y ). Definição

Leia mais

Cap. 2 - Lei de Gauss

Cap. 2 - Lei de Gauss Universidade Federal do Rio de Janeiro Instituto de Física Física III 2014/2 Cap. 2 - Lei de Gauss Prof. Elvis Soares Nesse capítulo, descreveremos a Lei de Gauss e um procedimento alternativo para cálculo

Leia mais

Nome Cartão Turma Chamada

Nome Cartão Turma Chamada UFG Instituto de Matemática 215/2 POVA 2 16 de outubro de 215 8h3 1 2 3 4 5 81 3 y 811 onsidere a integral dupla iterada I = f(x,y)dxdy, em que o integrando é dado por f(x,y) = 4x y 2 x 2. 1. Determine

Leia mais

MAT Cálculo a Várias Variáveis I. Período

MAT Cálculo a Várias Variáveis I. Período MAT116 - Cálculo a Várias Variáveis I Integração Tripla Período 01.1 1 Exercícios Exercício 1 Considere a região = {(x, y, z) R 3 x + y z 1}. 9 1. Calcule o volume de.. Determine o valor de b de forma

Leia mais

Capítulo I - Funções Vectoriais EXERCÍCIOS

Capítulo I - Funções Vectoriais EXERCÍCIOS ANÁLISE MATEMÁTIA II Universidade Fernando Pessoa Faculdade de iência e Tecnologia apítulo I - Funções Vectoriais EXERÍIOS 1. Sendo F, G e H funções vectoriais de t, encontre uma fórmula para a derivada

Leia mais

Equações paramétricas das cônicas

Equações paramétricas das cônicas Aula 1 Equações paramétricas das cônicas Ao estudarmos as retas no plano, vimos que a reta r que passa por dois pontos distintos P 1 = x 1, y 1 ) e P = x, y ) é dada pelas seguintes equações paramétricas:

Leia mais

Aula 12. Ângulo entre duas retas no espaço. Definição 1. O ângulo (r1, r2 ) entre duas retas r1 e r2 se define da seguinte maneira:

Aula 12. Ângulo entre duas retas no espaço. Definição 1. O ângulo (r1, r2 ) entre duas retas r1 e r2 se define da seguinte maneira: Aula 1 1. Ângulo entre duas retas no espaço Definição 1 O ângulo (r1, r ) entre duas retas r1 e r se define da seguinte maneira: (r1, r ) 0o se r1 e r são coincidentes, Se as retas são concorrentes, isto

Leia mais

CÁLCULO INTEGRAL A VÁRIAS VARIÁVEIS

CÁLCULO INTEGRAL A VÁRIAS VARIÁVEIS CÁLCULO INTEGRAL A VÁRIAS VARIÁVEIS O essencial Paula Carvalho e Luís Descalço EDIÇÃO, DISTRIBUIÇÃO E VENDAS SÍLABAS & DESAFIOS - UNIPESSOAL LDA. NIF: 510212891 www.silabas-e-desafios.pt info@silabas-e-desafios.pt

Leia mais

Capítulo Topologia e sucessões. 7.1 Considere o subconjunto de R 2 : D = {(x, y) : xy > 1}.

Capítulo Topologia e sucessões. 7.1 Considere o subconjunto de R 2 : D = {(x, y) : xy > 1}. Capítulo 7 Introdução à Análise em R n 7. Topologia e sucessões 7. Considere o subconjunto de R 2 : D = {(x, y) : > }.. Indique um ponto interior, um ponto fronteiro e um ponto exterior ao conjunto D e

Leia mais

A Regra da Cadeia. V(h) = 3h 9 h 2, h (0,3).

A Regra da Cadeia. V(h) = 3h 9 h 2, h (0,3). Universidade de Brasília Departamento de Matemática Cálculo 1 A Regra da Cadeia Suponha que, a partir de uma lona de plástico com 6 metros de comprimento e 3 de largura, desejamos construir uma barraca

Leia mais

Exercícios Referentes à 1ª Avaliação

Exercícios Referentes à 1ª Avaliação UNIVESIDADE FEDEAL DO PAÁ CUSO DE LICENCIATUA EM MATEMÁTICA PLANO NACIONAL DE FOMAÇÃO DE DOCENTES DA EDUCAÇÃO BÁSICA - PAFO Docente: Município: Discente: 5ª Etapa: Janeiro -fevereiro - ) Calcule as integrais

Leia mais

2.1 Mudança de variáveis em integral dupla

2.1 Mudança de variáveis em integral dupla ! "! # $! % & #! ' ( $ Objetivos. Os objetivos desta Aula são: apresentar a ideia de mudança de variáveis no plano para calcular integrais duplas; usar as coordenadas polares para calcular a integral dupla

Leia mais

4.1 Superfície Cilíndrica

4.1 Superfície Cilíndrica 4.1 Superfície Cilíndrica Uma superfície cilíndrica (ou simplesmente cilindro) é a superfície gerada por uma reta que se move ao longo de uma curva plana, denominada diretriz, paralelamente a uma reta

Leia mais

Derivadas das Funções Trigonométricas Inversas

Derivadas das Funções Trigonométricas Inversas UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I Derivadas das Funções

Leia mais

Lista 4 de Cálculo Diferencial e Integral II Integrais Triplas. 1. Calcular I =

Lista 4 de Cálculo Diferencial e Integral II Integrais Triplas. 1. Calcular I = 1 Lista 4 de Cálculo Diferencial e Integral II Integrais Triplas 1. Calcular I = (x 1)dV, sendo T a região do espaço delimitada pelos planos y =, z =, T y + z = 5 e pelo cilindro parabólico z = 4 x.. Determinar

Leia mais

Derivadas. Derivadas. ( e )

Derivadas. Derivadas. ( e ) Derivadas (24-03-2009 e 31-03-2009) Recta Tangente Seja C uma curva de equação y = f(x). Para determinar a recta tangente a C no ponto P de coordenadas (a,f(a)), i.e, P(a, f(a)), começamos por considerar

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ Pró-Reitoria de Graduação - PRG Coordenação de Processos Seletivos COPS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ Pró-Reitoria de Graduação - PRG Coordenação de Processos Seletivos COPS UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ Pró-Reitoria de Graduação - PRG Coordenação de Processos Seletivos COPS PROVA DE TRANSFERÊNCIA INTERNA, EXTERNA E PARA PORTADOR DE DIPLOMA DE CURSO SUPERIOR 28/06/2015 Física

Leia mais

f(1) = 6 < 0, f(2) = 1 < 0, f(3) = 16 > 0 x [2, 3].

f(1) = 6 < 0, f(2) = 1 < 0, f(3) = 16 > 0 x [2, 3]. 1 As notas de aula que se seguem são uma compilação dos textos relacionados na bibliografia e não têm a intenção de substituir o livro-texto, nem qualquer outra bibliografia. Métodos Numéricos Para Solução

Leia mais

x = 4 2sen30 0 = 4 2(1/2) = 2 2 e y = 4 2 cos 30 0 = 4 2( 3/2) = 2 6.

x = 4 2sen30 0 = 4 2(1/2) = 2 2 e y = 4 2 cos 30 0 = 4 2( 3/2) = 2 6. CURSO DE PRÉ CÁLCULO ONLINE - PET MATEMÁTICA / UFMG LISTA DE EXERCÍCIOS RESOLVIDOS: Exercício 1 Calcule o valor de x e y indicados na figura abaixo. Solução: No triângulo retângulo ABD, temos que AD mede

Leia mais

(c) f(x, y) = x 2 + y 2. (3) Faça a correspondência entre a função dada e seu o gráfico. Justifique sua resposta.

(c) f(x, y) = x 2 + y 2. (3) Faça a correspondência entre a função dada e seu o gráfico. Justifique sua resposta. UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA Quarta Lista de Exercícios de Cálculo II - MTM13 Prof. Júlio César do Espírito Santo (com colaboraçao

Leia mais

Pre-calculo 2013/2014

Pre-calculo 2013/2014 . Números reais, regras básicas de cálculo com fracções, expoentes e radicais Sumário: Número reais, regras básicas de cálculo com fracções, expoentes e radicais. Ler secções. e. do livro adoptado.. Pre-calculo

Leia mais

6.1 equações canônicas de círculos e esferas

6.1 equações canônicas de círculos e esferas 6 C Í R C U LO S E E S F E R A S 6.1 equações canônicas de círculos e esferas Um círculo é o conjunto de pontos no plano que estão a uma certa distância r de um ponto dado (a, b). Desta forma temos que

Leia mais

Exercícios Resolvidos Esboço de Conjuntos. Cortes

Exercícios Resolvidos Esboço de Conjuntos. Cortes Instituto uperior Técnico Departamento de Matemática ecção de Álgebra e Análise Eercícios Resolvidos Esboço de Conjuntos. Cortes Eercício Descreva detalhadamente os cortes perpendiculares aos eios coordenados

Leia mais

31/05/17. Ondas e Linhas

31/05/17. Ondas e Linhas 31/05/17 1 Guias de Onda (pags 102 a 112 do Pozar) Geometria e Condições de Contorno Solução geral para Modos TE Solução geral para Modos TM 31/05/17 2 Cabo Coaxial Vamos considerar os campos de um cabo

Leia mais

Lista 7 Funções de Uma Variável

Lista 7 Funções de Uma Variável Lista 7 Funções de Uma Variável Aplicações de Integração i) y = sec 2 (x) y = cos(x), x = π x = π Áreas 1 Determine a área da região em cinza: Ache a área da região delimitada pela parábola y = x 2 a reta

Leia mais