SEGMENTAÇÃO DE MERCADO EM UMA CONCESSIONÁRIA DE ENERGIA ELÉTRICA. SEGMENTAÇÃO DE MERCADO EM UMA CONCESSIONÁRIA DE ENERGIA ELÉTRICA Willy de Oliveira 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SEGMENTAÇÃO DE MERCADO EM UMA CONCESSIONÁRIA DE ENERGIA ELÉTRICA. SEGMENTAÇÃO DE MERCADO EM UMA CONCESSIONÁRIA DE ENERGIA ELÉTRICA Willy de Oliveira 1"

Transcrição

1 5 SEGMENTAÇÃO DE MERCADO EM UMA CONCESSIONÁRIA DE ENERGIA ELÉTRICA SEGMENTAÇÃO DE MERCADO EM UMA CONCESSIONÁRIA DE ENERGIA ELÉTRICA Willy de Oliveira 1 Resumo O presente artigo objetiva discutir conceitos de Marketing, Estratégias de Segmentação de Clientes e Marketing de Relacionamento empregados em uma concessionária de energia elétrica. Enfocamos pontos de vistas e conceitos de vários autores que subsidiam a nossa análise sobre as estratégias utilizadas pela organização para segmentar a sua carteira de clientes e a iniciação de implementação de estratégias de CRM ( Customer Relationship Management ). Faz-se necessário buscar uma melhor integração entre pessoas, processos e tecnologia para otimizar o gerenciamento das relacões com os clientes e sua conseqüente fidelização e encantamento. Por fim, apresentamos considerações sobre o modelo adotado e sugestões para eficientizar a estratégia de CRM, ainda que embrionária, mas extremamente importante para a organização, em face de abertura do mercado. 1- Introdução Atualmente, para que uma organização garanta o sucesso no mercado, o conhecimento adquirido e transmitido torna-se ferramenta fundamental. Isso é possível por meio das informações, que atuam como um canal de interação para profissionalizar e aparelhar as áreas de relacionamento com clientes e suas interfaces com os demais processos da organização, no sentido de propiciar uma relação cada vez melhor e mais efetiva, traduzindo-se em resultados concretos para o binômio empresa-cliente. 1 Mestre em Administração. Professor da disciplina Administração Mercadológica da Faculdade de Ciências Administrativas de Curvelo. 81

2 REVISTA DA FACULDADE DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS DE CURVELO A concorrência, hoje, torna-se um fator considerável em qualquer tipo de organização, mesmo as vistas como monopólio, uma vez que estão perdendo o caráter monopolista. A evolução tecnológica chegou a um nível elevado, onde está havendo a substituição de muitos produtos, inclusive a da própria energia elétrica, setor que tem apresentado diversos produtos substitutos ou alternativos. Muitos clientes poderão continuar como cativos dessas concessionárias, porém os clientes do setor energético que, considerados de maior potencial (CMP) e os mais valiosos (CMV), se não estão livres hoje, em futuro bem próximo poderão estar comprando energia de outros estados. O diferencial entre as organizações pode estar no tipo de relação estabelecida com clientes, na compreensão dos mesmos, na criação de valor para eles. Cada cliente deve ser visto de forma individual, deve ser valorizado como sendo único. Consideramos as características de cada público-alvo, direcionando a ele informações da forma mais criativa e clara possível. Devemos ressaltar que, em um mundo com tantas disputas, com tantas mudanças, é de vital importância que se criem bases sólidas de relacionamento que procurem fidelizar o cliente. Ele deve ser visto como um ser humano e não como problema ou um entrave para a organização. Deve ser visto, acima de tudo, como uma prioridade máxima para a empresa, com a capacidade de manter viva a organização. Todos devem compreender que o assunto relacionamento com o cliente é obrigação de toda a empresa, e não pode estar restrita a apenas um departamento, a um processo ou a uma pessoa. 2- Organização - Objetivo do Estudo 2.1- Histórico e Dados Relevantes A Companhia Energética de Minas Gerais - CEMIG - iniciou suas atividades, em 22 de maio de 1952, como um dos principais sustentáculos à política econômica do Governo Juscelino Kubistcheck, que visava a acelerar o desenvolvimento industrial e econômico do Estado. A CEMIG é uma empresa de economia mista, controlada pelo Governo de Minas Gerais, tendo, na sua estrutura societária, sócios estrangeiros como a AES e a Southern Electric, duas das maiores companhias norte-americanas da área energética. 82

3 SEGMENTAÇÃO DE MERCADO EM UMA CONCESSIONÁRIA DE ENERGIA ELÉTRICA Com intuito de diversificar a sua atuação, a empresa, em 1984, transformou-se em Companhia Energética, mudança advinda de um estudo promovido pelo Governo do Estado de Minas Gerais conhecido como Matriz Energética de Minas Gerais, que apontou os caminhos para o aproveitamento das diferentes formas de energia. A empresa, objeto do estudo, apesar da crise energética que afeta todo o país, vem executando um programa de ampliação do parque de geração, visando a suprir o seu mercado consumidor, além de operar a maior rede de distribuição de energia da América Latina com km de extensão e km de linhas de alta tensão. Atualmente, possui um número total de empregados, estando 73 em Curvelo. Seus principais produtos são energia elétrica, gás e consultoria, transporte de energia e comercialização de soluções energéticas. A CEMIG tem como objetivos sociais suprir energia segura, limpa, confiável e com um custo adequado, contribuindo para o desenvolvimento econômico e social da área de atuação Áreas Funcionais A empresa se organiza em uma estrutura composta de vários órgãos, como conselho de administração, presidência, diretorias, superintendências, gerências e processos. A administração dos processos ocorre de forma descentralizada, através de Unidades Estratégicas e Negócios (UENs), que se responsabilizam pelo desenvolvimento de atividades de engenharia, comerciais e administrativas, inerentes à distribuição de energia. Atendem a um mercado definido e administram suas próprias metas e resultados de acordo com os objetivos organizacionais, sendo que cada processo se reporta à sua respectiva gerência e superintendência. O pólo de Curvelo tem hoje mais de clientes e 73 colaboradores. Abrange vasta região, atendendo a 19 sedes municipais. Suas atividades estão divididas em 09 processos: Relacionamento com Clientes; Ligação Consumidores; Faturamento e Arrecadação; Expansão/ melhoria do Sistema Elétrico; Operação do Sistema Elétrico; Restauração e Manutenção de Iluminação Pública; Inspeção e Manutenção de Linhas e Redes; Planejamento do Sistema Elétrico e Inspeção e Manutenção de Subestações e Equipamentos. 83

4 REVISTA DA FACULDADE DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS DE CURVELO 2.3- Relacionamento Comercial Ressaltamos que o nosso estudo focará as mudanças ocorridas em face da segmentação dos clientes e seus efeitos para o processo de relacionamento com os mesmos. Após implementação das ações sugeridas pela consultoria externa, houve diversas mudanças na organização, principalmente na área comercial, a começar pela mudança da identificação de Atendimento a Clientes para Relacionamento com clientes. A substituição dos títulos de supervisores de processo para líderes e implementação do relacionamento com os clientes, de forma segmentada, representam a maior mudança. 3- A segmentação do mercado O modelo sugerido, e em fase de implementação pela ACCENTURE em julho de 2001, para segmentar o mercado de clientes da CEMIG, partiu inicialmente de um banco de dados já existente, para efeito de logística de atendimento. No novo modelo, todos os núcleos de relacionamento com clientes do Estado reportam a um único superintendente, que, por sua vez, coordena 08 gerências que funcionam nas antigas superintendências. A Superintendência Comercial, a Superintendência de Marketing e a Superintendência de Relacionamento com Clientes Livres reportam-se a uma única Diretoria de Distribuição e Comercialização e trabalham inter-relacionados. Os clientes foram divididos em 04 segmentos, de acordo com suas características de consumo, suas necessidades, ramos de negócio, atividades desenvolvidas e atratividade. 84 A segmentação inicial ficou definida conforme o quadro abaixo.

5 SEGMENTAÇÃO DE MERCADO EM UMA CONCESSIONÁRIA DE ENERGIA ELÉTRICA Segmento Clientes Exemplos I II III IV Clientes residenciais, comerciais e rurais monofásicos e bifásicos. Clientes industriais e todos os trifásicos. Clientes de maior consumo atendidos em média tensão. Poder Público. Residências comuns, pequenas propriedades rurais e comércios. Lojas e indústrias de médio porte. Fábricas, grandes agricultores. Prefeituras, órgãos públicos estaduais, federais, autarquias. Fonte: Relatórios Internos 2002 Para cada segmento, definiu-se uma estrutura necessária para o relacionamento com cada tipo de cliente, inclusive com a definição de características de perfil que os responsáveis por cada segmento deverão possuir. Essa atitude frisou uma profissionalização do relacionamento comercial. Ficou também definido que todos os contatos realizados com os clientes, em cada segmento, seriam efetuados pela equipe de relacionamento com clientes, inclusive a definição de estratégias de relacionamento. Segmento I - A tendência é substituir as agências por outros canais de atendimento (agentes arrecadadores, postos franqueados, máquinas de auto atendimento, etc). Segmento II - O atendimento, aqui, é ainda incipiente, por se tratar de um segmento muito rentável para a empresa. É muito numeroso e realizado normalmente pelas centrais de atendimento e agências, havendo sinalizações de que a empresa investirá maciçamente na fidelização desses clientes. Segmento III - As antigas Superintendências já prestavam um serviço diferenciado para os clientes deste grupo. Esses clientes continuarão a ser atendidos pelo Agente de Negócio, no modelo one to one. Segmento IV - Haverá um agente de relacionamento exclusivo para atender esse segmento. Em função do volume significativo de prefeituras, esses agentes se encarregarão de manter um relacionamento CEMIG e 85

6 REVISTA DA FACULDADE DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS DE CURVELO Prefeitura bastante estreito, buscando prospectar mercados potenciais fomentados pelas prefeituras e governos. Visando a dar suporte a essa estrutura de relacionamento, foi criado um back-office com o objetivo de dar sustentáculo a todos os segmentos, desde agendamento de reuniões até apoio administrativo e logístico. 4- Metodologia Adotou-se o procedimento de Estudo de Caso, uma vez que este permite maior flexibilidade metodológica, deixando apenas de ser um método por meio do qual se podem trazer problemas administrativos, para a sala de aula, indústrias, empresas de serviços, etc., conforme preconiza YIN (2001). Utilizou-se, como técnica de coleta de dados, a análise documental, envolvendo consulta a fontes internas da organização objeto da pesquisa, e também a realização de observação direta. Fez-se uma pesquisa bibliográfica sobre o tema, buscando-se, dessa forma, a fundamentação-teoria para o desenvolvimento do presente trabalho, que foi alicerçado em autores como CHURCHILL e PETER, BERRY, MCKENNA, entre outros. Posteriormente, foram confrontadas as teorias pesquisadas com o trabalho desenvolvido na empresa e apresentadas as considerações pessoais do autor sobre o tema. 5- Referencial Teórico 5.1- Conceituações Partindo da definição de SANDRONI (1994), Empresa Pública é uma forma de organização que se destina a garantir a produção de bens e serviços fundamentais à coletividade. A energia elétrica é considerada como um setor estratégico, do ponto de vista do crescimento econômico, sendo essencial para o desenvolvimento das indústrias. Apesar de a empresa, objeto do estudo, ser uma empresa de economia mista, em que o capital acionário é parte do Estado e parte da iniciativa privada, há, ali subentendido, a existência do caráter monopolista. Com as mudanças da legislação de Energia Elétrica, inúmeras empresas passaram a ter o 86

7 SEGMENTAÇÃO DE MERCADO EM UMA CONCESSIONÁRIA DE ENERGIA ELÉTRICA direito de comprar energia de outras concessionárias, e outras passaram a gerar a sua própria energia para consumo e vender o seu excedente. Dessa forma, altera-se o processo, e cliente torna-se concorrente. Outra forma de concorrência que merece destaque são os produtos substitutos, ou as formas de se produzir, utilizando outras fontes de energia que não a elétrica. LEVITT (1911), em seu clássico texto Miopia em Marketing, já alertava que os serviços de eletricidade possuem concorrentes. Eles podem ser monopólios naturais agora, mas amanhã terão mortes naturais. Para evitar essa perspectiva, as organizações terão que investir em pesquisa e tecnologia (P&D), desenvolvendo outras formas de energia alternativa, de forma a garantir a sua sobrevivência. Diante dessas ameaças, tanto dos produtos que podem vir a ser substitutos, quanto das privatizações, torna-se cada vez mais necessário que se crie valor para os clientes, buscando desenvolver relações de fidelidade, em bases sólidas, para que se possa sobreviver no futuro. Para LEVITT (2001), o Marketing prioriza a idéia de satisfazer as necessidades do cliente por meio do produto e de todo o conjunto de coisas associadas à sua criação, entrega e consumo final. O Marketing vê todo o processo do negócio como um esforço integrado para descobrir, criar, estimular e satisfazer necessidades dos clientes. Este cenário de mudanças demanda novas estratégias das organizações no sentido de adaptar-se aos padrões das necessidades dos consumidores, estabelecendo novas técnicas de Marketing, a fim de que a cada dia seja entregue mais valor agregado aos clientes, buscando desenvolver relações de fidelidade, retendo-os e, se possível, encantando-os. Segundo BERRY (1996), a qualidade de serviços sustenta a criação de valor para os clientes, por isso ela deve ser enfatizada na estratégia. Conforme CHURCHILL e PETER (2000), o sucesso de uma organização de serviços, muitas vezes, depende de sua capacidade de desenvolver relações com os clientes e de prestar serviços de qualidade. O Marketing de Serviços pode ser caracterizado por uma relação contínua com os clientes. CHURCHILL e PETER (2000) preconizam que os serviços, raramente muito padronizados, são normalmente intangíveis e de difícil desenvolvimento de padrões para julgar sua qualidade. A fim de melhorar o serviço, os prestadores podem definir padrões para satisfazer tanto 87

8 REVISTA DA FACULDADE DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS DE CURVELO clientes internos como externos e delegar aos funcionários autoridade para tomar decisões e corrigir problemas dos clientes. A administração das flutuações de demanda também é um objetivo para o Marketing de Serviços. É necessário, antes da implementação de qualquer estratégia, compreender o público que queremos atingir. A relação entre público e a organização, de forma cada vez mais proveitosa, busca uma relação ganha-ganha para o binômio empresa-cliente, o que aprimora, continuamente, o Marketing de Relacionamento Marketing de Relacionamento Segundo MACKENNA (1991), o marketing inovador é um processo que se apresenta como mercado e se adapta de forma oportuna e original às mudanças do ambiente em que a organização está inserida. A credibilidade, o comprometimento e a confiança fazem parte dessa estrutura que visa à fidelidade, cultivando valores e uma visão de futuro baseada na melhoria contínua. Novamente MCKENNA (1991) busca descrever como o marketing é conceituado hoje, afirmando que o mesmo não é uma função, e sim uma forma de fazer negócio. É uma atividade que deve ser difundida, sendo inevitavelmente parte do trabalho de todos, não podendo, pois, ficar uma atividade tão importante relegada a um único departamento, a um processo ou a uma pessoa. Conforme CHURCHILL e PETER (2000), o marketing de relacionamento centra-se em construir confiança e demonstrar comprometimento com o cliente. Relações fiéis com os clientes podem ser estabelecidas por meio da experiência da organização que também é vista como um meio de se comunicar. Uma das melhores formas de comunicação é o serviço, um processo que cria um ambiente de informação, garantia e conforto ao consumidor. Em uma análise preliminar, o Marketing de Relacionamento torna-se ferramenta essencial para oferecer valor aos clientes. Para atingir melhor os objetivos do Marketing de Relacionamento, surge a Segmentação de Mercado, que possibilita à organização direcionar os esforços mercadológicos, na quantidade e na forma adequadas, para o público-alvo específico. 88

9 SEGMENTAÇÃO DE MERCADO EM UMA CONCESSIONÁRIA DE ENERGIA ELÉTRICA 5.3- Segmentação de Mercado O produto energia elétrica é uma necessidade básica para todos os habitantes. Portanto, quase toda a população do Estado de Minas Gerais é cliente e consumidor da empresa, objeto do estudo. Mesmo analisando esta grande gama de clientes, apenas na região de Curvelo, ainda temos um mercado muito variado, com clientes heterogêneos nos diversos fatores: classe social, poder aquisitivo, cultura, grau de escolaridade, faixa etária, etc. CHURCHILL (2000) define segmentação como sendo o processo de dividir um mercado em grupos de compradores potenciais que tenham semelhantes necessidades e desejos, percepções de valores ou comportamento de compra. Os indivíduos ou organizações em cada grupo ou seguimento do mercado podem responder de maneira semelhante a uma determinada estratégia de Marketing. As empresas usam as informações para decidir a quais segmentos de mercado podem atender de forma mais lucrativa, enquanto as organizações sem fins lucrativos usam-nas para serem mais eficientes no alcance de suas metas. O segmento específico de mercado que uma organização seleciona para servir é chamado de mercado alvo. No entanto, COBRA (1997) define segmentação de mercado como sendo uma subdivisão do mercado global de uma empresa em parcelas o mais homogêneas possível, com o objetivo de traçar estratégias de Marketing mais eficazes e direcionadas para cada parcela. O aprendizado de segmentação é útil para que os esforços de Marketing sejam concentrados e, com isso, se economizem recursos de natureza financeira, física e humana, propiciando a aplicação de estratégias de Marketing de maneira otimizada e mais focada em resultados. 6- Análise O ambiente político, social e econômico está passando por profundas transformações, as quais não podemos ignorar. A concorrência intensifica-se a cada dia, aumentando a exigência das empresas quanto aos seus parceiros e fornecedores, o que exige das mesmas uma maior qualidade agregada nos produtos e serviços. Com o aumento do nível de exigência dos consumidores e uma maior penetração de mercado da população da baixa renda, o setor energético torna-se alvo de reestruturações profundas para adequar-se à nova realidade que ora se desenha no cenário econômico. 89

10 REVISTA DA FACULDADE DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS DE CURVELO Algumas mudanças são de grande impacto, como a alteração na legislação de concessão de energia. Os consumidores de grande e médio porte terão liberdade para escolher de qual concessionária comprará a energia para desenvolver suas atividades, uma vez que as empresas não mais terão o monopólio de venda do produto na região onde atuam. A nova legislação também propõe a criação da figura do produtor independente de energia. Grandes empresas, que outrora eram tidas como passivas e rentáveis consumidoras, passarão a produzir sua própria energia. Outra mudança nas concessionárias de energia do Brasil são as privatizações do setor. A CEMIG, que passa por esse processo, ainda que um pouco diferente, já teve 33% de suas ações ordinárias vendidas a terceiros. Foi ainda regulamentada a obrigatoriedade de aplicação de recursos das concessionárias de energia elétrica em ações de combate ao desperdício, pesquisa e desenvolvimento tecnológico do setor elétrico, a partir do biênio 1999/ 2000, no valor de 1,0% da Receita Operacional Líquida. Ressaltamos que, na análise deste cenário, o que há de mais importante é a mudança de postura da empresa. Até então considerada como de engenharia, a empresa, agora, sinaliza claramente a mudança de postura e de foco: redes para os clientes. Hoje, toda a organização compreende que o cliente é o foco, e tudo dentro de uma organização acontece em função dele. A empresa, por meio da contratação da consultoria externa, juntamente com o alto escalão da organização, redesenhou os processos e atribuiu a devida importância ao relacionamento com os clientes. No modelo em questão, mesmo há pouco tempo implantado, percebem-se alguns pontos de melhoria. Ressaltamos que a hora era esta, não havendo mais como esperar ou retardar esse processo de segmentação, sob pena de a organização perder competitividade e agilidade nas decisões. Não se deve tratar clientes diferentes de modo igual. Os clientes de maior potencial e os clientes mais valiosos, que já possuem um tratamento diferenciado, ainda que mínimo, devem estar necessariamente fidelizados. 90

11 SEGMENTAÇÃO DE MERCADO EM UMA CONCESSIONÁRIA DE ENERGIA ELÉTRICA Com relação aos quatro segmentos, é necessário que a área de Marketing em sintonia com a de Relacionamento avaliem criteriosamente os resultados iniciais e pensem constantemente na possibilidade de alterar a configuração, criar novos segmentos, excluir; enfim, adequar a estrutura às necessidades dos clientes. No segmento I, em que se ventila a possibilidade de fechamento de agências, há de certificar-se de que os clientes estejam com os canais alternativos de acesso desobstruídos e de que a qualidade seja mantida. Há, pois, necessidade de estudo e análise, antes de se tomar qualquer decisão nesse sentido. No segmento II, o fato de a empresa criar a figura de um agente de negócio representa um grande passo no relacionamento com os clientes, já que eles, apesar de serem bastante lucrativos para a organização, ainda não recebiam um tratamento diferenciado. O segmento IV recebeu uma atenção especial, uma vez que, com a reestruturação, extinguiu-se a figura do gerente nas antigas UNs. Cria-se a figura do agente de relacionamento, responsável por representar a empresa em eventos, imprensa local, além de ser o elo entre as autoridades locais, poder público e a empresa. Ressaltam-se, a exemplo dos demais segmentos, as características pessoais e um plano de capacitação a que esses agentes deverão ser submetidos para se atingirem os resultados almejados. Há de ressaltar-se que, apesar de a área de relacionamento com clientes reportar-se a uma superintendência específica, ações de fidelizar clientes devem ser difundidas e implementadas em toda a organização e não somente nos pontos de contato. 7- Conclusão Compreender as necessidades dos clientes é fator de sobrevivência organizacional. Atender o cliente bem, entregar produtos e serviços de qualidade já não é mais diferencial. É necessário que a organização mude o foco de atendimento para o de relacionamento com os clientes; que construa serviços e relações duradouras juntamente com os mesmos. É necessário avaliar a qualidade, não só da prestação de serviços, mas também a da própria organização e de todos os fatores envolvidos entre esta e os clientes. É necessário buscar um feedback constante. Assim, poderemos atualizar as informações, adaptar-nos às exigências do mercado e do cliente, visando a atender às suas novas demandas, uma vez que as mudanças são muito rápidas e, com elas, o comportamento do consumidor também muda. A flexibilidade de uma empresa pode ser um diferencial. 91

12 REVISTA DA FACULDADE DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS DE CURVELO Entendemos que o processo de segmentação adotado na concessionária, objeto do estudo, significa um marco referencial na busca de um relacionamento mais profissional com os clientes. No entanto, se não houver atuação nas áreas de sombreamento entre os diversos processos que a compõem, eliminando resistências, a estratégia de segmentação poderá não ter o sucesso almejado. Os colaboradores têm que ter em mente que o cliente não tem nada a ver com as reestruturações, com as mudanças internas, com os conflitos entre os processos, com as áreas de sombreamento entre outros, que esses fatos não dizem respeito a ele, e sim à organização. Ele necessita, sim, de seu produto com todas as dimensões de qualidade. Por fim, afirmamos que as organizações são compostas, acima de tudo, por pessoas, que possuem sentimentos, capacidades e potencialidades, e isso deve ser valorizado e levado em consideração. Essas pessoas, por sua vez, estão alocadas nos diversos processos em que se estrutura a empresa. Cada pessoa possui um diferencial, e a contribuição de cada uma delas é que torna possível obter resultados positivos. Mas, de forma isolada, não temos um resultado tão satisfatório. A participação e o comprometimento das pessoas são fundamentais para a sobrevivência da organização e para a implementação de qualquer processo de mudança com sucesso. 8- Referências Bibliográficas 1- BERRY, Leonard L. Serviços de Satisfação Máxima: Guia prático de ação, Rio de Janeiro: Editora Campus, CHURCHILL, Gilbert A. & PETER, J. Paul. Marketing. Criando valor para os clientes. São Paulo: Editora Saraiva, COBRA, Marcos. Administração de Marketing. 2ª Edição, São Paulo: Atlas, KOTLER, Philip. Administração de Marketing. 4ª Edição, São Paulo: Editora Atlas S.A, KOTLER, Philip. & ARMSTRONG, Gary. Princípios de Marketing. 5ª Edição, LEVITT, Theodore. A Imaginação de Marketing. 2ª Edição. São Paulo: Editora Atlas S.A., MCKENNA, Regis. Marketing de Relacionamento. Editora Campus, SANDRONI, Paulo. Novo Dicionário de Economia. 8ª Edição. Editora Best Seller,

CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora

CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Prof Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefet.br Prof Dr. Antonio Carlos de Francisco (UTFPR) acfrancisco@pg.cefetpr.br

Leia mais

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex...

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... (/artigos /carreira/comopermanecercalmosob-pressao /89522/) Carreira Como permanecer calmo sob pressão (/artigos/carreira/como-permanecer-calmosob-pressao/89522/)

Leia mais

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida Unidade IV MERCADOLOGIA Profº. Roberto Almeida Conteúdo Aula 4: Marketing de Relacionamento A Evolução do Marketing E-marketing A Internet como ferramenta As novas regras de Mercado A Nova Era da Economia

Leia mais

A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras

A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras Por Marcelo Bandeira Leite Santos 13/07/2009 Resumo: Este artigo tem como tema o Customer Relationship Management (CRM) e sua importância como

Leia mais

CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI)

CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI) CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI) Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Profº Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr,br Profº Dr. Luciano

Leia mais

A Importância do Marketing nos Serviços da. Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente

A Importância do Marketing nos Serviços da. Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente A Importância do Marketing nos Serviços da Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente Hellen Souza¹ Universidade do Vale do Rio dos Sinos UNISINOS RESUMO Este artigo aborda a importância

Leia mais

Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento. Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto

Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento. Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto CURRÍCULO DO PROFESSOR Administradora com mestrado e doutorado em engenharia de produção

Leia mais

O CRM e a TI como diferencial competitivo

O CRM e a TI como diferencial competitivo O CRM e a TI como diferencial competitivo Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Profº Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr.br Profº Dr. Luciano Scandelari (UTFPR) luciano@cefetpr.br

Leia mais

Líder em consultoria no agronegócio

Líder em consultoria no agronegócio MPRADO COOPERATIVAS mprado.com.br COOPERATIVAS 15 ANOS 70 Consultores 25 Estados 300 cidade s 500 clientes Líder em consultoria no agronegócio 1. Comercial e Marketing 1.1 Neurovendas Objetivo: Entender

Leia mais

ENDOMARKETING COMO FERRAMENTA DE COMUNICAÇÃO COM O PÚBLICO INTERNO

ENDOMARKETING COMO FERRAMENTA DE COMUNICAÇÃO COM O PÚBLICO INTERNO 1 ENDOMARKETING COMO FERRAMENTA DE COMUNICAÇÃO COM O PÚBLICO INTERNO Por Regina Stela Almeida Dias Mendes NOVEMBRO 2004 UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA 2 ENDOMARKETING COMO FERRAMENTA DE COMUNICAÇÃO

Leia mais

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES):

Leia mais

A FIDELIZAÇÃO DO CLIENTE COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO NA CONQUISTA DO MERCADO

A FIDELIZAÇÃO DO CLIENTE COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO NA CONQUISTA DO MERCADO 122 A FIDELIZAÇÃO DO CLIENTE COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO NA CONQUISTA DO MERCADO Edilene Mayumi Murashita Takenaka, Sérgio Luís Destro, João Vitor Minca Campioni, Dayane Magalhães Fernandes, Giovana Maria

Leia mais

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Josiane Corrêa 1 Resumo O mundo dos negócios apresenta-se intensamente competitivo e acirrado. Em diversos setores da economia, observa-se a forte

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 COMPETITIVIDADE SOB A ÓTICA DAS CINCO FORÇAS DE PORTER: UM ESTUDO DE CASO DA EMPRESA OXIFOR OXIGÊNIO FORMIGA LTDA JUSSARA MARIA SILVA RODRIGUES OLIVEIRA 1, LÍVIA COUTO CAMBRAIA 2 RESUMO: Neste trabalho,

Leia mais

Projeto Cartão de Fidelidade. 1- Do Projeto:

Projeto Cartão de Fidelidade. 1- Do Projeto: 1- Do Projeto: O projeto visa dar acesso aos associados de associações comunitárias de Rio Pardo de Minas/MG à compra de produtos em uma rede credenciada local através de um cartão de compras que garanta

Leia mais

CRM - gestão eficiente do relacionamento com os clientes

CRM - gestão eficiente do relacionamento com os clientes CRM - gestão eficiente do relacionamento com os clientes Mais que implantação, o desafio é mudar a cultura da empresa para documentar todas as interações com o cliente e transformar essas informações em

Leia mais

GESTÃO DE RELACIONAMENTO COM O CLIENTE

GESTÃO DE RELACIONAMENTO COM O CLIENTE GESTÃO DE RELACIONAMENTO COM O CLIENTE Professor Wagner Luiz Aula - Como obter sucesso em uma implementação de CRM e o Processo da Comunicação. Março de 2014 São Paulo -SP Call Center & CRM 2007 CRM: do

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO CRM NAS GRANDES ORGANIZAÇÕES BRASILEIRAS

A IMPORTÂNCIA DO CRM NAS GRANDES ORGANIZAÇÕES BRASILEIRAS ISSN 1984-9354 A IMPORTÂNCIA DO CRM NAS GRANDES ORGANIZAÇÕES BRASILEIRAS Marcelo Bandeira Leite Santos (LATE/UFF) Resumo: Este artigo tem como tema o Customer Relationship Management (CRM) e sua importância

Leia mais

MBA Gestão Estratégica de Marketing e Vendas

MBA Gestão Estratégica de Marketing e Vendas Página 1 de 6 MBA Gestão Estratégica de Marketing e Vendas Carga Horária: 360 horas/ aulas presenciais + monografia orientada. Aulas: sábados: 8h30 às 18h, com intervalo para almoço. Valor: 16 parcelas

Leia mais

Resumo Executivo. Modelo de Planejamento. Resumo Executivo. Resumo Executivo. O Produto ou Serviço. O Produto ou Serviço 28/04/2011

Resumo Executivo. Modelo de Planejamento. Resumo Executivo. Resumo Executivo. O Produto ou Serviço. O Produto ou Serviço 28/04/2011 Resumo Executivo Modelo de Planejamento O Resumo Executivo é comumente apontada como a principal seção do planejamento, pois através dele é que se perceberá o conteúdo a seguir o que interessa ou não e,

Leia mais

PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP

PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP ASSOCIAÇÃO DOS PROFISSIONAIS UNIVERSITÁRIOS DA SABESP PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP OUTUBRO, 2002 ASSOCIAÇÃO DOS PROFISSIONAIS UNIVERSITÁRIOS DA SABESP - APU INTRODUÇÃO A Associação

Leia mais

ESTUDO DO PROCESSO DE INOVAÇÃO UTILIZADO PELA ÁREA INDUSTRIAL METALÚRGICA DE BENTO GONÇALVES EM SEU PROCESSO, GERENCIAMENTO E LOGÍSTICA

ESTUDO DO PROCESSO DE INOVAÇÃO UTILIZADO PELA ÁREA INDUSTRIAL METALÚRGICA DE BENTO GONÇALVES EM SEU PROCESSO, GERENCIAMENTO E LOGÍSTICA ESTUDO DO PROCESSO DE INOVAÇÃO UTILIZADO PELA ÁREA INDUSTRIAL METALÚRGICA DE BENTO GONÇALVES EM SEU PROCESSO, GERENCIAMENTO E LOGÍSTICA W.L.MOURA 1 ; L.FILIPETTO 2 ; C.SOAVE 3 RESUMO O assunto sobre inovação

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 7 Planejamento Estratégico Planejamento de TI Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a

Leia mais

POLÍTICA DE PESQUISA, DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO DA ELETROSUL

POLÍTICA DE PESQUISA, DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO DA ELETROSUL POLÍTICA DE PESQUISA, DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO DA ELETROSUL Departamento de Planejamento, Pesquisa e Desenvolvimento - DPD Diretoria de Engenharia 1 ÍNDICE 1 PÚBLICO ALVO... 3 2 FINALIDADE...3 3 FUNDAMENTOS...

Leia mais

A Logística de Cargas Fracionadas e Novas Configurações do Mercado de Varejo.

A Logística de Cargas Fracionadas e Novas Configurações do Mercado de Varejo. A Logística de Cargas Fracionadas e Novas Configurações do Mercado de Varejo. Cristian Carlos Vicari (UNIOESTE) viccari@certto.com.br Rua Engenharia, 450 Jd. Universitário C.E.P. 85.819-190 Cascavel Paraná

Leia mais

Consultoria Empresarial

Consultoria Empresarial Consultoria Empresarial Referência : OLIVEIRA, Djalma CROCCO, Luciano; GUTIMANNN, Erick Prof- Daciane de O.Silva SURGIMENTO- Desde os tempos imemoriais COMO ISSO ACONTECIA? Os rabinos aconselhavam os fieis,

Leia mais

Gestão estratégica em processos de mudanças

Gestão estratégica em processos de mudanças Gestão estratégica em processos de mudanças REVISÃO DOS MACRO PONTOS DO PROJETO 1a. ETAPA: BASE PARA IMPLANTAÇÃO DE UM MODELO DE GESTÃO DE PERFORMANCE PROFISSIONAL, que compreenderá o processo de Análise

Leia mais

Marketing. Aula 04. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho

Marketing. Aula 04. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Marketing Aula 04 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos multimídia e

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

A PERCEPÇÃO DAS EMPRESAS SOBRE OS SERVIÇOS PRESTADOS PELOS PROFISSIONAIS DA AREA DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO 1

A PERCEPÇÃO DAS EMPRESAS SOBRE OS SERVIÇOS PRESTADOS PELOS PROFISSIONAIS DA AREA DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO 1 A PERCEPÇÃO DAS EMPRESAS SOBRE OS SERVIÇOS PRESTADOS PELOS PROFISSIONAIS DA AREA DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO 1 Tatiana Pereira da Silveira 1 RESUMO O objetivo deste trabalho é apresentar os resultados da

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO GERENCIAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA PEQUENA EMPRESA DO SETOR AGRONEGÓCIO NO MUNICÍPIO DE BAMBUÍ/MG.

A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO GERENCIAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA PEQUENA EMPRESA DO SETOR AGRONEGÓCIO NO MUNICÍPIO DE BAMBUÍ/MG. Bambuí/MG - 2008 A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO GERENCIAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA PEQUENA EMPRESA DO SETOR AGRONEGÓCIO NO MUNICÍPIO DE BAMBUÍ/MG. Ana Cristina Teixeira AMARAL (1); Wemerton Luis EVANGELISTA

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO (AULA 04)

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO (AULA 04) Prof. Breno Leonardo Gomes de Menezes Araújo brenod123@gmail.com http://blog.brenoleonardo.com.br ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO (AULA 04) 1 CRM Sistema de Relacionamento com clientes, também

Leia mais

GOVERNANÇA EM TI. Prof. Acrisio Tavares

GOVERNANÇA EM TI. Prof. Acrisio Tavares GESTÃO ESTRATÉGICA DO SUPRIMENTO E O IMPACTO NO DESEMPENHO DAS EMPRESAS BRASILEIRAS SÉRIE ESPECIAL PCSS A GOVERNANÇA EM TI, SEU DIFERENCIAL E APOIO AO CRESCIMENTO Prof. Acrisio Tavares G GOVERNANÇA EM

Leia mais

XIV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

XIV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA XIV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NA PRAÇA : ATENDIMENTO INTEGRADO À COMUNIDADE Autor: CARLOS ALBERTO COELHO CEMIG : COMPANHIA ENERGÉTICA DE MINAS GERAIS Palavras-chave: FIDELIZAÇÃO

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATU SENSU EMENTA MBA GESTÃO DE VAREJO

PÓS-GRADUAÇÃO LATU SENSU EMENTA MBA GESTÃO DE VAREJO MBA GESTÃO DE VAREJO 1 - FORMAÇÃO DE PREÇO E ANÁLISE DE MARGEM NO VAREJO: Ementa: Conhecer o conceito de lucro na visão da precificação baseada no custo; demonstrar termos utilizados na formação de preço

Leia mais

Estruturas organizacionais em instituições privadas de ensino superior

Estruturas organizacionais em instituições privadas de ensino superior Estruturas organizacionais em instituições privadas de ensino superior por Maurício Garcia*, agosto de 2005 A influência do modelo público A maioria das instituições privadas de ensino superior copiou,

Leia mais

Metodologia de Comunicação Integrada de Marketing o caso Orium

Metodologia de Comunicação Integrada de Marketing o caso Orium Metodologia de Comunicação Integrada de Marketing o caso Orium Luciano Mattana (UNIFRA) lucianomattana@unifra.br Greice de Bem Noro (UNIFRA) greice@unifra.br Milena Marinho Mottini (UNIFRA) milleninhamm@hotmail.com

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DE MARKETING

GESTÃO ESTRATÉGICA DE MARKETING GESTÃO ESTRATÉGICA DE MARKETING PÓS-GRADUAÇÃO / FIB-2009 Prof. Paulo Neto O QUE É MARKETING? Marketing: palavra em inglês derivada de market que significa: mercado. Entende-se que a empresa que pratica

Leia mais

4. Função Marketing e Vendas

4. Função Marketing e Vendas 4. Função Marketing e Vendas Conteúdo 1. Conceitos de Marketing 2. Principais atividades do Marketing na Empresa 3. Evolução do Marketing 1 Bibliografia Recomenda Livro Texto: Introdução à Administração

Leia mais

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com. AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.br COM O SEBRAE, O SEU NEGÓCIO VAI! O Sebrae Goiás preparou diversas

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes Unidade IV Marketing Profª. Daniela Menezes Comunicação (Promoção) Mais do que ter uma ideia e desenvolver um produto com qualidade superior é preciso comunicar a seus clientes que o produto e/ ou serviço

Leia mais

Gestão dos Stakeholders Cap. 2 - A construção da Vantagem Competitiva

Gestão dos Stakeholders Cap. 2 - A construção da Vantagem Competitiva Gestão dos Stakeholders Cap. 2 - A construção da Vantagem Competitiva Profa. Dra. Thelma Rocha 1 Administração dos Públicos Estratégicos Vê a empresa como o centro de uma rede de públicos chamados de públicos

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico Cliente: LAM-UOL Versão do Documento: 1.2 Data de Emissão: 02/03/ Responsável pela Elaboração: Nestor Junior Função do Responsável: Relator E-mail do Responsável: nestor@viciolivre.com.br

Leia mais

ANEXO I FICHA DE INSCRIÇÃO

ANEXO I FICHA DE INSCRIÇÃO ANEXO I FICHA DE INSCRIÇÃO CATEGORIAS TÉCNICO TECNÓLOGO TEMAS LIVRE INCLUSÃO SOCIAL COOPERATIVISMO 1. DADOS DA INSTITUIÇÃO 1.1 Nome da Instituição 1.2 Nome do Reitor(a)/Diretor(a)-Geral/Diretor(a) 1.3

Leia mais

Infraestrutura inteligente

Infraestrutura inteligente Produtos e Soluções Infraestrutura inteligente www.relatorioanual2014.com.br/infraestruturainteligente A concentração de pessoas nas grandes cidades é uma tendência das últimas décadas, que deve permanecer

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA PESQUISA DE MARKETING PARA GESTORES DE NEGÓCIO

A IMPORTÂNCIA DA PESQUISA DE MARKETING PARA GESTORES DE NEGÓCIO A IMPORTÂNCIA DA PESQUISA DE MARKETING PARA GESTORES DE NEGÓCIO Mariana Ferreira Soares, Priscila Petrusca Messias Gomes Silva e Marcos Alexandre de Melo Barros. Faculdade Senac de Pernambuco. E-mail:

Leia mais

PROAGÊNCIA II. CURSOS EaD EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA

PROAGÊNCIA II. CURSOS EaD EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA PROAGÊNCIA II CURSOS EaD EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA 1. NOME DO CURSO: GESTÃO DE EMPRESAS DE AGENCIAMENTO E OPERAÇÕES TURÍSTICAS 2. OBJETIVO: o curso visa envolver os profissionais nos seguintes assuntos: - as

Leia mais

Comunicação Empresarial MANUAL DO CURSO

Comunicação Empresarial MANUAL DO CURSO Comunicação Empresarial MANUAL DO CURSO ESPM Rua Joaquim Távora, 1240 Vila Mariana São Paulo - SP Informações Central de Relacionamento: (11) 5081-8200 (opção 1) Segunda a sexta 9h às 20h45 Sábado 9h às

Leia mais

AULA 4 Marketing de Serviços

AULA 4 Marketing de Serviços AULA 4 Marketing de Serviços Mercado Conjunto de todos os compradores reais e potenciais de um produto ou serviço. Trata-se de um sistema amplo e complexo, que envolve: FORNECEDORES CONCORRENTES CLIENTES

Leia mais

Gestão de Negócios. Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING

Gestão de Negócios. Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING Gestão de Negócios Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING 3.1- CONCEITOS DE MARKETING Para a American Marketing Association: Marketing é uma função organizacional e um Marketing é uma função organizacional

Leia mais

Competindo com Tecnologia da Informação. Objetivos do Capítulo

Competindo com Tecnologia da Informação. Objetivos do Capítulo Objetivos do Capítulo Identificar as diversas estratégias competitivas básicas e explicar como elas podem utilizar a tecnologia da informação para fazer frente às forças competitivas que as empresas enfrentam.

Leia mais

A ti alinhada as estratégias empresariais e como insumo básico.

A ti alinhada as estratégias empresariais e como insumo básico. Resumo A ti alinhada as estratégias empresariais e como insumo básico. Edwin Aldrin Januário da Silva (UFRN) aldrin@sebraern.com.br Neste trabalho, iremos descrever sinteticamente o modelo de Porte sobre

Leia mais

MARKETING MARKETING TRADICIONAL MARKETING ATUAL DEVIDO AO PANORAMA DO MERCADO, AS EMPRESAS BUSCAM: ATRAÇÃO E RETENÇÃO DE CLIENTES

MARKETING MARKETING TRADICIONAL MARKETING ATUAL DEVIDO AO PANORAMA DO MERCADO, AS EMPRESAS BUSCAM: ATRAÇÃO E RETENÇÃO DE CLIENTES MARKETING Mercado Atual Competitivo Produtos / Serviços equivalentes Globalizado Conseqüências Infidelidade dos clientes Consumidores mais exigentes Desafio Conquistar clientes fiéis MARKETING TRADICIONAL

Leia mais

Engajamento com Partes Interessadas

Engajamento com Partes Interessadas Instituto Votorantim Engajamento com Partes Interessadas Eixo temático Comunidade e Sociedade Principal objetivo da prática Apoiar o desenvolvimento de uma estratégia de relacionamento com as partes interessadas,

Leia mais

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO LOGÍSTICA EMPRESARIAL

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO LOGÍSTICA EMPRESARIAL UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO LOGÍSTICA EMPRESARIAL ANÁLISE DE ASPECTOS LOGÍSTICOS DE UMA REVENDEDORA DE PRODUTOS AGROPECUÁRIOS INSERIDA EM UMA CADEIA DE PRODUÇÃO AGROINDUSTRIAL

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO. Questão nº 1. Padrão de Resposta Esperado:

ADMINISTRAÇÃO. Questão nº 1. Padrão de Resposta Esperado: Questão nº 1 Produto Para fazer frente ao problema de prazo de entrega do produto, a Megabooks poderia compensá-lo com uma agregação de valor ao produto. Poderia, por exemplo, utilizar uma sobrecapa personalizada

Leia mais

Gestão das organizações contábeis

Gestão das organizações contábeis Gestão das organizações contábeis Análise dos resultados da pesquisa Dezembro/2014 por Roberto Dias Duarte Sobre a pesquisa O Sistema Público de Escrituração Digital e seus vários subprojetos têm sido

Leia mais

Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Inovação da Gestão em Saneamento

Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Inovação da Gestão em Saneamento Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Inovação da Gestão em Saneamento PNQS 2010 IGS SETEMBRO/2010 ORGANOGRAMA DA ORGANIZAÇÃO CANDIDATA Vice-presidência de GO Superintendência T Gerência Prod. e Desenvolvimento

Leia mais

Extração de indicadores Garantias Ocorrências. Agenda de vendas Gestão de qualidade Históricos Agenda de tarefas

Extração de indicadores Garantias Ocorrências. Agenda de vendas Gestão de qualidade Históricos Agenda de tarefas Fenícia CRM & SRM Introdução O Fenícia CRM (Customer Relationship Management - Sistema de Gerenciamento do Relacionamento com os Clientes) é uma ferramenta de gestão com foco no cliente, essencial para

Leia mais

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani Planejamento Estratégico de TI Prof.: Fernando Ascani CRM - Conceitos O CRM Customer Relationship Management Gestão do com o cliente é, em termos simples, uma estratégia de Marketing baseada no relacionamento

Leia mais

Unidade IV. Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas. Prof a. Daniela Menezes

Unidade IV. Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas. Prof a. Daniela Menezes Unidade IV Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas Prof a. Daniela Menezes Tipos de Mercado Os mercados podem ser divididos em mercado de consumo e mercado organizacional. Mercado de consumo: o consumidor

Leia mais

Mobilidade urbana Eficiência energética Edifícios e suas appliances

Mobilidade urbana Eficiência energética Edifícios e suas appliances Mobilidade urbana Eficiência energética Edifícios e suas appliances O futuro do uso do Gás Natural no novo desenho urbano das cidades Gás na cidade 1872-1999 1872 1890 1900 1900 Missão Possível O desafio

Leia mais

Item 2- Marketing. Atendimento

Item 2- Marketing. Atendimento Item 2- Marketing Atendimento Item 2- Marketing Atendimento Processo usado para determinar quais produtos ou serviços poderão interessar aos consumidores e qual a melhor estratégia a ser utilizada nas

Leia mais

MARKETING DE RELACIONAMENTO: UM ESTUDO DE CASO NO COMÉRCIO DE TRÊS LAGOAS

MARKETING DE RELACIONAMENTO: UM ESTUDO DE CASO NO COMÉRCIO DE TRÊS LAGOAS MARKETING DE RELACIONAMENTO: UM ESTUDO DE CASO NO COMÉRCIO DE TRÊS LAGOAS ADRIELI DA COSTA FERNANDES Aluna da Pós-Graduação em Administração Estratégica: Marketing e Recursos Humanos da AEMS PATRICIA LUCIANA

Leia mais

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 2 2. PLANO DE NEGÓCIOS:... 2 2.1 RESUMO EXECUTIVO... 3 2.2 O PRODUTO/SERVIÇO... 3 2.3 O MERCADO... 3 2.4 CAPACIDADE EMPRESARIAL... 4 2.5

Leia mais

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro.

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. PLANO DE MARKETING Andréa Monticelli Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. 1. CONCEITO Marketing é

Leia mais

QUALIDADE NA PRESTAÇÃO DE SERVIÇO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO: UM ESTUDO DE CASO EM UM ESCRITÓRIO DE CONTABILIDADE NO MUNICÍPIO DE TRÊS LAGOAS/MS

QUALIDADE NA PRESTAÇÃO DE SERVIÇO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO: UM ESTUDO DE CASO EM UM ESCRITÓRIO DE CONTABILIDADE NO MUNICÍPIO DE TRÊS LAGOAS/MS 1 QUALIDADE NA PRESTAÇÃO DE SERVIÇO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO: UM ESTUDO DE CASO EM UM ESCRITÓRIO DE CONTABILIDADE NO MUNICÍPIO DE TRÊS LAGOAS/MS ADEMIR HENRIQUE Discente do Curso de Administração das

Leia mais

Portfolio de cursos TSP2

Portfolio de cursos TSP2 2013 Portfolio de cursos TSP2 J. Purcino TSP2 Treinamentos e Sistemas de Performance 01/07/2013 Como encantar e fidelizar clientes Visa mostrar aos participantes a importância do conhecimento do cliente,

Leia mais

CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT

CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT O resultado prático para as empresas que adotam esse conceito de software, baseado no uso da tecnologia é conseguir tirar proveito dos dados de que dispõem para conquistar

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE NEGÓCIOS E CRIAÇÃO DE VALOR NA EMPRESA MODERNA

ESTRATÉGIAS DE NEGÓCIOS E CRIAÇÃO DE VALOR NA EMPRESA MODERNA ESTRATÉGIAS DE NEGÓCIOS E CRIAÇÃO DE VALOR NA EMPRESA MODERNA Natália Igreja da Silva Ferreira 1, Vilma da Silva Santos 2, Paulo Cesar Ribeiro Quintairos 3, Edson Aparecida de Araújo Querido Oliveira 4

Leia mais

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo:

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo: Perguntas e respostas sobre gestão por processos 1. Gestão por processos, por que usar? Num mundo globalizado com mercado extremamente competitivo, onde o cliente se encontra cada vez mais exigente e conhecedor

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV Bloco Comercial CRM e AFV Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre os Módulos CRM e AFV, que fazem parte do Bloco Comercial. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Nível de Serviço ... Serviço ao cliente é o resultado de todas as atividades logísticas ou do

Leia mais

Gestão por Competências

Gestão por Competências Gestão por Competências 2 Professora: Zeila Susan Keli Silva 2º semestre 2012 1 Contexto Economia globalizada; Mudanças contextuais; Alto nível de complexidade do ambiente; Descoberta da ineficiência dos

Leia mais

Laudinei Rossi Barbatto JUNIOR 1 Gilson Rodrigo Silvério POLIDORIO 2

Laudinei Rossi Barbatto JUNIOR 1 Gilson Rodrigo Silvério POLIDORIO 2 COMO QUEBRAR PARADIGMAS SEM CAUSAR UM IMPACTO NEGATIVO NO PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DO MARKETING DE RELACIONAMENTO, CRM E DBM EMPRESARIAL: UM ESTUDO DE CASO Laudinei Rossi Barbatto JUNIOR 1 Gilson Rodrigo

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO MARKETING DE RELACIONAMENTO PARA AS ORGANIZAÇÕES: FOCO NO CLIENTE EXTERNO

A IMPORTÂNCIA DO MARKETING DE RELACIONAMENTO PARA AS ORGANIZAÇÕES: FOCO NO CLIENTE EXTERNO A IMPORTÂNCIA DO MARKETING DE RELACIONAMENTO PARA AS ORGANIZAÇÕES: FOCO NO CLIENTE EXTERNO 1 GOLVEIA, Francielli José Primo. 2 DA ROSA, MsC. Wanderlan Barreto. RESUMO Nesta pesquisa, será abordada a importância

Leia mais

Uma nova perspectiva sobre a experiência digital do cliente

Uma nova perspectiva sobre a experiência digital do cliente Uma nova perspectiva sobre a experiência digital do cliente Redesenhando a forma como empresas operam e envolvem seus clientes e colaboradores no mundo digital. Comece > Você pode construir de fato uma

Leia mais

1- O que é um Plano de Marketing?

1- O que é um Plano de Marketing? 1- O que é um Plano de Marketing? 2.1-1ª etapa: Planejamento Um Plano de Marketing é um documento que detalha as ações necessárias para atingir um ou mais objetivos de marketing, adaptando-se a mudanças

Leia mais

Perfil Caliper SUPER de Vendas The Inner Seller Report

Perfil Caliper SUPER de Vendas The Inner Seller Report Perfil Caliper SUPER de Vendas The Inner Seller Report Avaliação de: Sr. João Vendedor Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Copyright 2012 Caliper & Tekoare. Todos os direitos

Leia mais

MARKETING. Marketing # Vendas MARKETING. Vendas. Marketing 26/02/2013 MARKETING ESTRATÉGICO MARKETING OPERACIONAL.

MARKETING. Marketing # Vendas MARKETING. Vendas. Marketing 26/02/2013 MARKETING ESTRATÉGICO MARKETING OPERACIONAL. Material Didático Disciplina: Comercialização Agroindustrial # Vendas Prof. responsável: José Matheus Yalenti Perosa Vendas Objeto Produtos Necessidade dos consumidores Atividade humana ou processo social,

Leia mais

nacional; Comissionamento diferenciado na venda e pós-venda em todos os produtos e

nacional; Comissionamento diferenciado na venda e pós-venda em todos os produtos e PROGRAMA DE PARCERIA Objetivo do Programa de Parceria Atuando no mercado de CRM (Customer Relationship Manager) desde 1994, a KANKEI é uma empresa de capital Nacional que oferece soluções de marketing

Leia mais

E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação

E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação Capítulo 2 E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação 2.1 2007 by Prentice Hall OBJETIVOS DE ESTUDO Identificar e descrever as principais características das empresas que são importantes

Leia mais

Alinhamento entre Estratégia e Processos

Alinhamento entre Estratégia e Processos Fabíola Azevedo Grijó Superintendente Estratégia e Governança São Paulo, 05/06/13 Alinhamento entre Estratégia e Processos Agenda Seguros Unimed Modelo de Gestão Integrada Kaplan & Norton Sistema de Gestão

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA SOBRE TERCEIRIZAÇÃO - TST -

AUDIÊNCIA PÚBLICA SOBRE TERCEIRIZAÇÃO - TST - AUDIÊNCIA PÚBLICA SOBRE TERCEIRIZAÇÃO - TST - (4 e 5 de outubro de 2011) PROF. LÍVIO GIOSA PROF. LÍVIO GIOSA Administrador de Empresas com Pós Graduação em Business Administration pela New York University

Leia mais

Mercadologia capítulo IV

Mercadologia capítulo IV Mercadologia capítulo IV Por quanto vender? Muitas empresas, especialmente as varejistas, adotam a estratégia de redução de preços para aumentar suas vendas e não perder mercado para a concorrência. Mas

Leia mais

Técnicas passivas; Técnicas ativas.

Técnicas passivas; Técnicas ativas. Definição: a conservação de energia deve ser entendida como a utilização de uma menor quantidade de energia para a obtenção de um mesmo produto ou serviço através da eliminação do desperdício; Técnicas

Leia mais

Caso Big Box - 402 Norte. Processamento de Pedidos

Caso Big Box - 402 Norte. Processamento de Pedidos Universidade de Brasília UnB Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação FACE Departamento de Administração ADM Disciplina: Logística Empresarial Grupo: Marrom

Leia mais

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES 202 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO ALGUNS COMENTÁRIOS ANTES DE INICIAR O PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO: a) Os blocos a seguir visam obter as impressões do ENTREVISTADO quanto aos processos de gestão da Policarbonatos,

Leia mais

Operadores Logísticos : uma tendência nos sistemas de distribuição das empresas brasileiras?

Operadores Logísticos : uma tendência nos sistemas de distribuição das empresas brasileiras? Operadores Logísticos : uma tendência nos sistemas de distribuição das empresas brasileiras? Introdução O Contexto econômico do mundo globalizado vem sinalizando para as empresas que suas estratégias de

Leia mais

Visão estratégica para compras

Visão estratégica para compras Visão estratégica para compras FogStock?Thinkstock 40 KPMG Business Magazine Mudanças de cenário exigem reposicionamento do setor de suprimentos O perfil do departamento de suprimentos das empresas não

Leia mais

Inteligência Competitiva

Inteligência Competitiva Inteligência Competitiva Prof. Patricia Silva psilva@univercidade.br Aula 6 Objetivos da aula 6 n Análise SWOT n Bibliografia: Estratégia de Marketing O C. Ferrell Cap. 4 Strenghts (forças), Weaknesses

Leia mais

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br Corporativo Transformar dados em informações claras e objetivas que possibilitem às empresas tomarem decisões em direção ao sucesso. Com essa filosofia a Star Soft Indústria de Software e Soluções vem

Leia mais

Marketing: Uma abordagem teórica em relação a seu valor agregado, tendência de mercado e

Marketing: Uma abordagem teórica em relação a seu valor agregado, tendência de mercado e Marketing: Uma abordagem teórica em relação a seu valor agregado, tendência de mercado e posicionamento estratégico. Diego A. Saugo (FAHOR, ACADÊMICO) 0001521@fahor.com.br Rosani de Mattos Fernandes (FAHOR,

Leia mais

A pluralidade das relações públicas

A pluralidade das relações públicas A pluralidade das relações públicas Carolina Frazon Terra Introdução Sétima colocada no ranking "As profissões do futuro" segundo a Revista Exame de 13 de abril de 2004, as relações públicas se destacam

Leia mais

METODOLOGIA PARA PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO NA PEQUENA EMPRESA: UM ESTUDO DE CASO

METODOLOGIA PARA PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO NA PEQUENA EMPRESA: UM ESTUDO DE CASO METODOLOGIA PARA PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO NA PEQUENA EMPRESA: UM ESTUDO DE CASO Mauricio João Atamanczuk (UTFPR) atamanczuk@hotmail.com Prof. Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefet.br RESUMO:

Leia mais

Introdução à Estrutura Organizacional nas Empresas

Introdução à Estrutura Organizacional nas Empresas Conceitos Fundamentais de Engenharia 1 Ano Profª Fernanda Cristina Vianna Introdução à Estrutura Organizacional nas Empresas 1. O Que é Estrutura Organizacional? É a estrutura formal na qual ocorrem as

Leia mais

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 INTRODUÇÃO Sobre o Relatório O relatório anual é uma avaliação do Núcleo de Inovação e Empreendedorismo da FDC sobre as práticas

Leia mais