CONTRIBUIÇÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO PARA MELHORIAS LOGÍSTICA EM MICRO E PEQUENAS EMPRESAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONTRIBUIÇÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO PARA MELHORIAS LOGÍSTICA EM MICRO E PEQUENAS EMPRESAS"

Transcrição

1 ISSN CONTRIBUIÇÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO PARA MELHORIAS LOGÍSTICA EM MICRO E PEQUENAS EMPRESAS Marcos Daniel Gomes de Castro (Faculdade Orígenes Lessa - FACOL) Adriano Urbano Esposito (Universidade São Judas Tadeu - USJT) Resumo A Tecnologia da Informação (TI) está se disseminando no ambiente empresarial, principalmente nas aplicações referentes a softwares para melhorias das atividades logísticas. A abrangência dessas tecnologias permite aos gestores aplicações emm vários processos de negócios e soluções, referente à gestão de frotas, roteirização, controle de estoques e outros. Especificamente para as Micro e Pequenas Empresas (MPEs), investimentos em TI são vitais, uma vez que permitem realizar o tratamento das informações e trabalhar na criação de uma cultura de conhecimento e inovação para manter a competitividade de mercado. Este artigo apresenta ferramentas de TI utilizado para aprimoramento nas atividades logísticas. O estudo é delimitado em caracterizar essas atividades e levantamentos das TI, subsidiados a partir de levantamento bibliográficos exploratórios de diversas bases científicas. Ressalta-se a importância do alinhamento estratégicos da empresa, visando o processo de melhoria, arranjo das atividades existentes e investimentos em TI, integrando necessidades e capacidade de inovar, por meios das tecnologias disponíveis no mercado. Palavras-chaves: Micro e Pequenas Empresas, Logística, Tecnologia da Informação

2 1. INTRODUÇÃO A partir da década de 90, a logística começou a ser percebida como uma das possíveis fontes de vantagem competitiva. Vista, inicialmente, como apenas uma área de suporte operacional para as organizações, a logística vem passando por uma transformação dentro das empresas que percebem, nessa área, oportunidades de se diferenciar da concorrência, sendo cada vez mais proativa ao invés de reativa (LANGLEY; HOLCOMB, 1992, NOVAES, 2007). Em conjunto com estratégias de marketing, uma logística feita pensando em melhor atender o cliente se transforma em vantagem competitiva para a organização (BOWERSOX; MENTZER; SPEH, 2005, ALVARADO; BOTAZAB, 2001). Para se tornar uma vantagem competitiva, a logística precisa ser vista como uma função estratégica da empresa, meios de diferenciar seus produtos e serviços em relação à concorrência. Neste interím, tornam-se necessários investimentos em recursos de melhorias. Um recurso é qualquer coisa que pode ser considerada uma força ou fraqueza da empresa, podendo ser tangível ou intangível, como a marca da empresa, seus funcionários, a tecnologia que utiliza, seu capital, seus procedimentos, sua infraestrutura entre outras coisas. (WERNERFELT, 1984). Como base no pressuposto, muitas empresas têm investido em ferramentas que apoiam seus processos, tais como: sistema de informação, programas de qualidade e outros. Cita-se a tecnologia da informação (T.I.), que passou a ser fundamental para o êxito de qualquer organização, pois ela possibilita o alinhamento estratégico dos negócios, trabalhando para assegurar o retorno do investimento em conjunto com a estratégia de sourcin (resultado da estratégia global da empresa), ou seja, com a logística do negócio, agendamento de compras, suprimento, obtenção, contratação e fornecedores. Sendo a informação um dos elementos fundamentais da logística, esta não deve permanecer adstrita (...) apenas aos aspectos físicos do sistema (veículos, armazéns, etc), mas aos aspectos informacionais e gerenciais, que envolvem o processamento de dados e os processos de controle gerenciais, entre outros (ADMNISTRADORES, 2012). A T.I pode colaborar de maneira substancial para tornar a empresa mais competitiva e com mais sucesso no mercado, desde que interligada com toda a estrutura organizacional. O uso eficaz da TI e a integração entre sua estratégia e a estratégia do negócio vão além da ideia de ferramenta de produtividade, sendo muitas vezes fator crítico de sucesso. Hoje, o caminho para este sucesso não está mais relacionado somente com o hardware e o software utilizados, ou ainda com metodologias de desenvolvimento, mas com o alinhamento da TI com a estratégia e as características da empresa e de sua estrutura organizacional (LAURINDO, 2001, p.161). Com base nos benefícios supracitados, as atividades logísticas melhoram à medida que haja um processo que dê suporte, principalmente nas informações coletadas durante a realização das atividades operacionais e estratégica da empresa. Logística é o processo de planejar, implementar e controlar de maneira eficiente o fluxo e a armazenagem de produtos, bem como os serviços de informação associados, cobrindo desde o ponto de origem até o ponto de consumo, com o objetivo de atender aos requisitos do consumidor (ADMINISTRADORES, 2012). Para MPEs, a tecnologia pode auxiliar no processo de crescimento dos negócios, principalmente nos aprimoramentos das atividades logística. Dados a relevância em manter-se competitivo no mercado, este estudo possibilitou identificar as principais tecnologias 2

3 inseridas nas atividades logísticas das MPEs, ampliando a possibilidade de uso da mesma, numa realidade para este setor. 2. LOGÍSTICA EMPRESARIAL EVOLUÇÕES A logística foi durante muitos anos desenvolvidos pelo individuo através do processo de busca de necessidades de consumo. Por ocasião da segunda guerra mundial, contando com uma tecnologia mais avançada, a logística acabou por abranger outros ramos da administração militar. Assim, a ela foram incorporados os civis, transferindo a eles os conhecimentos e a experiência militar. Pode-se dizer que a logística trata do planejamento, organização, controle e realização de outras tarefas associadas á armazenagem, transporte e distribuição de bens e serviços. Após perceber a importância da logística para economia de uma nação, os países hoje desenvolvidos investiram de maneira agressiva em logística. Para ter um melhor nível de rentabilidade nos serviços de distribuição aos clientes e consumidores. Os consumidores não residem se é que alguma vez o fizeram próximos, de onde os bens ou produtos estão localizados. Este é o problema enfrentado pela Logística: diminuir o hiato entre a produção e a demanda, de modo que os consumidores tenham bens e serviços quando e onde quiserem, e na condição física que desejarem. (BALLOU,1993). O sistema logístico eficientes foi base para o comercio e a manutenção de um alto padrão de vida nos países desenvolvidos, percebendo-se que um sistema logístico permite uma região geográfica explorar suas vantagens inerentes pela especialização de seus esforços produtivos naqueles produtos, em que ela tem vantagens, pela exportação desses produtos a outras regiões. Tornando o produto competitivo com qualquer outra região. O desenvolvimento histórico da logística empresarial surge em três etapas: antes de 1950, entre e após 1970 (BALLOU,1993). Até meados de 1950, a logística permanecia esquecida. Não existia atenção para esse assunto às empresas gerenciavam essas atividades junto com a sua produção, os estoques eram de responsabilidade do marketing, finanças ou produção, e os pedidos eram as finanças quem controlavam ou as vendas, isso resultava em conflitos de objetivos e de responsabilidades para as atividades de logísticas (BALLOU, 1993). Já no período dos anos 50 até década de 60 representa a decolagem para a teoria e a prática da logística. Onde o ambiente é propício para novidades no pensamento administrativo, o marketing encontrava-se bem estabelecido nas instituições educacionais e orientava as empresas. A logística empresarial, no campo da administração de empresas, entrou na década de 70, onde os princípios básicos estavam estabelecidos e algumas empresas começavam a colher os benefícios do seu uso, (BALLOU 1993). Atualmente a empresa vê essa área como grande oportunidade para gerar a economias e criar um diferencial competitivo no mercado, porem esta evolução que ocorreu no mundo não ocorreu no Brasil. Isso fez com que promovesse bem atrasados na tecnologia. O conceito logístico no Brasil é bem recente, no entanto ela vem crescendo cada vez mais devido à liberalização comercial, as privatizações e a ampliações do mercosul e a estabilidade financeira. Para Ávila (2005), apesar da logística no Brasil ainda estar pouco desenvolvida, alguns setores já reestruturou suas atividades logística como os setores automobilísticos, de mineração, exportação de produtos agrícolas e no comercio varejista. Segundo Ballou (1993), 3

4 a logística empresarial estuda como a administração pode prover melhor nível de rentabilidade nos serviços de distribuição aos consumidores, através planejamento, organização e controle efetivo para as atividades de movimentação e armazenagem que visam facilitar o fluxo de produtos. Segundo (SILVA; FURLANETTO apud POIRIER; REITER, 1997) cadeia de suprimentos é um sistema por meio do quais empresas e organizações entregam produtos e serviços a seus consumidores, em uma rede de organizações interligadas. Rede representada através de ligações nos dois sentidos, dos processos e atividades. Sendo cada organização dependente umas das outras e não concorrentes. Os relacionamentos devem ser gerenciados com eficácia e que o entendimento de competição seja dirigido para ser entre as cadeias de suprimentos e não entre empresas do mesmo modelo de negócio Ciclo de Atividades Logística Para Bowersox e Closs (2001), o ciclo de atividades logístico é a unidade principal de análise da logística integrada. Essas atividades fornecem uma perspectiva básica da dinâmica, das interfaces e das decisões que devem ser combinadas para a criação de um sistema operacional. Os fornecedores, a empresa e seus clientes são vinculados através do meio de comunicação e de transporte. As localizações das instalações vinculadas pelos ciclos são chamadas nós. Um ciclo de atividades além dos nós e vínculos precisam de estoque. Este é analisado, segundo os recursos investidos nele, para dar apoio ás operações. Um estoque comprometido num sistema consiste no estoque básico e no estoque de segurança, cujo seu objetivo é fornecer proteção contra a variância. É nos nós das instalações que as atividades logísticas ocorrem. Dentro dos nós os estoquem são armazenados ou flui exigindo várias formas de manuseio, e também um mínimo de armazenagem. O dinamismo no ciclo de atividades logístico ocorre quando atendem as necessidades de entrada e saída. A entrada de um ciclo de atividade é consubstancia por um pedido que especifica as necessidades de produto ou materiais. Um sistema com alto volume de transações exige várias atividades para atender as necessidades de um pedido. Quando as necessidades são altamente previsíveis, os ciclos de apoio podem ser simplificados, exemplo á estrutura geral dos ciclos de atividades necessária para dar apoio a uma empresa varejista, como Wal-Mart é muito mais complexa do que as exigências da estrutura operacional de uma empresa de vendas por reembolso postal. A saída do sistema é o desempenho esperado na operação logística. A eficácia é alcançada quando as exigências operacionais são satisfeitas realizando assim sua missão. Dependendo da missão operacional de um ciclo de atividades especifico, as atividades necessárias podem estar sob controle de uma única empresa, ou podem estar ligadas a outras organizações. O ciclo de apoio á manufatura está sob controle total de uma única empresa. Já os ciclos de atividades relacionados com a distribuição física e com o suprimento envolvem os fornecedores e clientes (BOWERSOX e CLOSS, 2001). O ciclo de transações varia de uma atividade para a outra. Alguns ciclos de atividades são projetados somente para uma única venda ou compra. Neste caso o ciclo é implantado e desfeito. Caso conclui a transação. Qualquer operação, instalação e arranjo logístico podem participar de vários ciclos de atividades diferentes. O depósito de um atacadista hardware, por exemplo, pode receber mercadorias de vários fabricantes. O mesmo ocorre com uma transportadora de aluguel que participa de vários ciclos diferentes, com inúmeras indústrias. Independentemente do número e dos tipos deferentes de ciclos de atividades utilizados por uma empresa para satisfazer a suas necessidades logísticas, cada um tem que ser projetado 4

5 individualmente e gerenciado. A importância do projeto e das operações dos ciclos não pode ser submetida. Para a fácil compreensão o ciclo de atividades é a unidade fundamental para análise de funções logísticas. A estrutura de ciclos de atividades, em termos de organização de nós e vínculos, basicamente a mesma, querem na distribuição física ou no apoio á manufatura, quer ainda no suprimento. E ainda, independentemente das quão ampla e complexa seja a estrutura do sistema logístico completo, interfaces e processos de controle essenciais devem ser identificados e avaliados como combinações de ciclos de atividades individuais ao se buscar a integração dos processos. Ciclos de atividades da distribuição física abrangem o processamento de pedidos de clientes e a entrega de mercadorias. Essa atividade tem influência direta no desempenho de marketing e das vendas, pois ele disponibiliza os produtos de maneira econômica e em tempo ágil. Nesse processo ele envolve cinco atividades que são transmissão de pedidos, processamentos de pedidos, separação de pedidos, transporte da mercadoria pedida e entrega ao cliente. Segundo Martins (2005), a distribuição começa na fábrica do fornecedor de matérias primas e termina quando é adquirido pelo cliente final. Como a distribuição física lida com as necessidades de clientes, as operações relacionadas estão mais sujeitas a erros do que as atividades de apoio á produção e suprimento. Os ciclos de atividades do apoio á manufatura, consiste na logística de produção. Esta localizada entre a distribuição física e as operações de suprimento das empresas. O apoio á produção tem como objetivo principal estabelecer e manter um fluxo econômico e ordenado de materiais e estoque em processo para cumprir a programação da produção. De acordo com Bowersox e Closs (2001), o ciclo de atividades de apoio á manufatura está diretamente relacionado á logística interna, isto é, ao planejamento e controle da produção. Dessa forma, o apoio logístico á produção objetiva principalmente estabelecer e manter um fluxo econômico e ordenado de materiais, bem como de estoques em processo com a finalidade de cumprir as programações do setor de produção. A logística de apoio á produção tem como responsabilidade operacional as seguintes; movimentação e armazenagem dos produtos, materiais, componentes e peças semi-acabadas. A atividade do suprimento necessita de várias atividades ou tarefas para facilitar o fluxo ordenado de matérias, componentes ou estoque de produtos acabados para um complexo de produção ou distribuição. São elas, seleção de frentes de suprimentos, colocação de pedidos e expedição, transporte e recebimento. Essas atividades tem grande importância para completar o processo de suprimentos. Basicamente o ciclo de suprimentos é semelhante aos ciclos de processamentos de pedidos de clientes. O suprimento requer freqüentemente cargas muito grandes que se utilizam de navios, trens e vários caminhões. Embora existam exceções o objetivo básico do suprimento é executar a logística de entrada pelo menor custo. Entender os principais ciclos da logística proporciona a caracterização das atividades logísticas, sua composição e principalmente a integração dos processos a qual está inserido. Com os ciclos logísticos bem definidos, possibilita o aprimoramento das atividades realizadas Atividades da Logística Empresarial As atividades da logística empresarial são divididas em 2 grupos, sendo transporte, manutenção de estoque e processamento de pedidos denominado atividades primárias. O segundo grupo denominado atividades de apoio, armazenagem, manuseio de materiais, embalagem, obtenção (suprimentos) e administração de informações (BALLOU, 2006). 5

6 As atividades primárias são importantes para atingir os objetivos logísticos de custos e níveis de serviços, já que contribuem com maior parte dos custos total da logística. Essas atividades são essenciais para o cumprimento da tarefa logística. As de apoio correlacionam com as atividades primárias, dando suporte, contribuindo para a disponibilidade e a condição física de bens e serviços, assegurando o produto correto, na quantidade correta, na hora, lugar e consumidor certo. Na sequencia serão contextualizadas as características de cada atividade da logística empresarial. a) Transportes: refere-se aos métodos de movimentar os produtos aos clientes: via rodoviário, ferroviário, aeroviário, e marítimo (CHING, 1999). Ballou (1993) diz ainda que para a maioria das firmas, o transporte é a atividade logística mais importante porque simplesmente ela absorve, em media, de um a dois terços dos custos logísticos. b) Manutenção de Estoque: para Ballou (1993) conseguir proporcionar o produto certo, no tempo exato para o consumidor, sem que a empresa necessite da manutenção do mesmo nos estoques é praticamente impossível para o ramo de comércio varejista. Manter certo nível mínimo de estoques torna-se necessário para a empresa (BALLOU, 1993). Contudo, a manutenção dos estoques tem a incidência de custo de armazenagem ou manutenção física e custo financeiro do investimento do capital de giro. Por isso é necessário um processo de gestão eficiente dos mesmos. As vantagens apresentadas por Ballou (1993) em relação à correta gestão são: a melhoria dos serviços de atendimento ao consumidor; os estoques agem como amortecedores entre a demanda e o suprimento; podem proporcionar economia de escala nas compras, e agem como proteção contra aumento de preços e contingências. Para ter um processo de gestão eficiente, Christopher (1992) afirma que as empresas devem dispor de informações com rapidez e eficiência sobre a posição do estoque (DIAS, 1995). Isso facilita o processo de gestão, consegue-se redução dos tempos de ressuprimento, melhora da qualidade do atendimento ao cliente e oferece facilidades nas negociações entre fornecedores, empresa e clientes. Na visão de Gapski (2003) só é possível obter eficiência no processo logístico com a manutenção das informações de custo e desempenho. Portanto Cerri (2004) ressalta-se a importância da empresa adotar sistemas que lhes proporcione confiabilidade para melhorar a qualidade dos serviços prestados. c) Processamentos de Pedidos: para Ching (1999) processamentos de pedidos determinam o tempo necessário para a entrega de bens e serviços aos clientes. Sua importância deriva do fato de ser elemento critico em termos do tempo necessário para levar bens e serviços aos clientes. É também a atividade primaria que inicializa a movimentação de produtos e a entrega de serviços (BALLOU, 1993). Os custos de processamento de pedidos tendem a ser quando comparados aos custos de transportes ou de manutenção de estoques e representa várias atividades no ciclo do pedido do cliente. As atividades são: A preparação, a transmissão, o recebimento e expedição do pedido e o relatório da situação do pedido. Dependendo do tipo do pedido estas atividades necessitam de um determinado tempo para serem completadas. d) Armazenagem: Lambert, (1998) define: Armazenagem como parte do sistema logístico da empresa que estoca produtos (matéria-prima, peças, produtos semi acabados e acabados) entre o ponto de origem e o ponto de consumo e proporcionam informações a diretoria sobre a situação, condição e disposição dos itens acabados. 6

7 Segundo Ballou (1993), a armazenagem é a administração do espaço necessário para manter estoques. Envolve localização, dimensionamento da área, arranjo físico, recuperação de estoque de docas ou baias de atração e configuração do armazém. e) Manuseios de Materiais: de acordo com Ching (2001), manuseio de materiais, Refere-se à movimentação dos produtos no local da armazenagem. O processo envolvido no manuseio de materiais vai desde o recebimento de mercadorias, no ponto de recebimento do depósito, sua movimentação ate o local de armazenagem e, por fim, a movimentação do ponto de armazenagem ate o ponto de despacho. f) Embalagem de Proteção: como o próprio nome diz, sua finalidade é a proteção dos produtos e das mercadorias. Um processo logístico, em nível de excelência, procura utilizar-se de embalagens adequadas que possibilitem movimentar produtos sem quebras ou danos e aperfeiçoar atividades de manuseio e armazenagem. No caso por exemplo de exportação de frutas, elas precisam ter uma embalagem de proteção especial, segundo Carlos Masilli, diretor comercial de embalagens da Klabin, No Japão a manga é vendida quase como um artigo de butique por UU$ 30 unidade. Neste caso a embalagem se torna essencial para que o produto chegue ao mercado final intacto, sem perder valor final, onde as frutas são transportadas em caixas de papelão ondulado, que assim atende a vários produtores que preparam para exportar para o Japão. A proteção é uma função de embalagem valiosa porque o dano em trânsito pode destruir todo o valor que foi agregado ao produto. Existem várias técnicas e tecnologias na indústria de embalagem de proteção que dão grande ênfase ao produto final. Apesar das inovações hoje, a sustentabilidade se tornou um importante tema da indústria da embalagem, atualmente a sustentabilidade é mais preocupante que o controle de lixo. g) Obtenção de Suprimento: é atividade que trata do fluxo de entrada dos produtos, deixando-os disponíveis para o sistema logístico. Segundo Ballou (1993), A obtenção trata da relação das fontes de suprimentos, das quantidades a serem adquiridas, da programação das compras e da forma pela qual o produto é comprado. A obtenção busca disponibilizar o produto para o ciclo logístico da empresa. Preocupa-se em selecionar as fontes de suprimento e a quantidade a ser adquirida para que atendam a demanda no tempo exato da necessidade (BALLOU, 1993). Para Fleury et. al. (2000) existem quatro questões básicas para a tomada de decisão no momento de obtenção; quanto pedir, quando pedir, quanto manter em estoque de segurança e onde localizar. As respostas pra essas quatro questões devem envolver toda a cadeia de suprimentos que a ela faz parte. h) Programação de Pedido: esta atividade de apoio abrange as ações presentes no fluxo de saída (distribuição), onde se têm uma atenção especial as quantidades que devem ser produzidas. Este sistema é o responsável pelas decisões táticas e operacionais, referentes às seguintes questões; que produzir e comprar, quanto produzir e comprar, quando produzir e comprar e com que recursos produzir. Ballou (1993) assume que, a boa administração de materiais significa coordenar a movimentação de suprimentos com as exigências da operação. Em outras palavras o autor considera que o objetivo da administração de materiais deve ser de prover o material certo, no local de operação certo, no instante correto e em condição utilizável ao custo mínimo. Segundo Corrêa (1993), o material necessário á produção deveria estar disponibilizado apenas no momento exato da exigência da produção. A integração entre suprimentos e o planejamento e controle da produção é, portanto, um requisito crucial para a consecução da produção sem perdas indesejáveis. 7

8 i) Manutenção da Informação: a tecnologia da informação proporciona as empresas maior precisão nas decisões de compras. A manutenção da informação faz um acompanhamento dos níveis de estoques através dos sistemas informatizados, principalmente no comércio varejista que trabalha com grandes variedades de produtos. O controle manual é impossível de ser realizado. 3. TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NAS EMPRESAS Para Stoner (1999), somente com informações precisas e na hora certa, os administradores podem monitorar o progresso na direção de seus objetivos e transformar os planos em realidade. Assim, para esse autor, as informações devem ser avaliadas segundo quatro fatores: qualidade da informação quanto mais precisa a informação, maior sua qualidade e com mais segurança os administradores podem contar com ela no momento de tomar decisões; oportunidade da informação para um controle eficaz, ação corretiva deve ser aplicada antes de ocorrer um desvio muito grande do plano ou do padrão, portanto, as informações devem estar disponíveis à pessoa certa no momento certo; quantidade da informação dificilmente os administradores podem tomar decisões precisas e oportunas sem informações suficientes; contudo é importante que não haja uma inundação de informações, de modo a esconder as coisas importantes; relevância da informação de modo semelhante, a informação que os administradores recebem deve ter relevância para suas responsabilidades e tarefas (STONER, 1999). O propósito básico da informação, dentro do contexto organizacional, de acordo com Oliveira (1998), é o de habilitar a empresa a alcançar seus objetivos através do uso eficiente dos recursos disponíveis (pessoas, materiais, equipamentos, tecnologia, dinheiro, além da própria informação). Neste sentido, a teoria da informação considera os problemas e as adequações do seu uso efetivo pelos tomadores de decisão. Segundo Oliveira (1998), a eficiência na utilização da informação é medida em relação ao custo para obtê-la e o valor do benefício derivado de seu uso. Associa-se à produção da informação, os custos envolvidos na coleta, processamento e distribuição. Chaves & Falsarella (1995), afirmam que há uma relação entre as características dos sistemas de informação e os estágios de desenvolvimento da Informática em que uma organização se encontra, conforme propõe Nolan (1977), no Quadro 1 a seguir. 8

9 Quadro 1: Estágios da Tecnologia da Informação nas Organizações. Fonte: Chaves e Falsarella (1995) 3.1. Principais Vantagens da Tecnologia da Informação Cruz (2007) aponta que as empresas se utilizam da TI como meio de sobrevivência no mundo globalizado. A globalização atinge as MPEs e as obrigam a adequarem-se, buscando na TI um meio de sobrevivência e diferencial competitivo. Segundo Cerri (2004) o sistema de informação da empresa precisa estar alinhado à atividade que a empresa exerce. A decisão sobre os melhores sistemas não é apenas os melhores que se apresentam no mercado, mas sim, os que mais se adequam a necessidade das empresas. Segundo o autor, as tecnologias são apenas uma ferramenta que devem ser utilizada para fins de melhoria no nível de planejamento e controle. Para O Brien (2003), existem três papéis fundamentais dos sistemas de informação: suporte aos processos de negócios, suporte à tomada de decisão e suporte à vantagem competitiva. A empresa deve ter consciência de que a informação é um requisito tão importante quanto os recursos humanos, pois é dela que depende o sucesso ou o fracasso das decisões tomadas por seus responsáveis e também por todos os seus colaboradores. A informação é, por conseguinte, um elemento primordial nas organizações, que torna possível estabelecer as condições necessárias para atingir seus objetivos e aumentar sua competitividade (FREIRE, 2000 e SANTOS, 2001). 9

10 Neste caso a tecnologia pode favorecer vários benefícios para as empresas, se assim bem implantada. Destaca-se das grandes vantagens as citadas pelos autores (GUIA DA TECNOLOGIA, 2003; PRATES, 2002; LAURINDO et. al., 2002; ZIMMERER e SCARBOROUGH, 1994; BERALDI, ESCRIVÃO FILHO, RODRIGUES, 2000; ABREU, FRANÇA e SINZATO, 1999) tais como: a. Maior compreensão das funções produtivas e do controle interno das operações; b. Redução da redundância de operações e aumento da continuidade, em virtude do aumento da velocidade de resposta; c. Integração da empresa, que possibilita o aumento na velocidade dos negócios, por melhorar o desempenho dos processos e aumento da flexibilidade de produção; d. Redução de custos por automatizar tarefas que manualmente consumiam muito tempo e que posteriormente, passaram a economizar tempo e dinheiro, aumentando a produtividade e eliminando a monotonia das tarefas repetitivas; e. Melhora no atendimento ao cliente, satisfazendo-o pelo de tecnologias simples e acessíveis como uma linha telefônica e um identificador de chamadas que o identifique a fim de lhe oferecer um atendimento personalizado, servindo-o melhor por identificar suas necessidades e preferências; f. Maior integração por proporcionar vendas maiores clientes potenciais, através de portais B 2 B, ferramenta essencial para comunicação com parceiros de negócios. Vender pela internet é um recurso disponível inclusive às micro e pequenas empresas; g. Melhora nas informações, uma vez que sistemas de informações específicos filtram as informações, tornando-as mais condensadas e relevantes; h. Maior disponibilidade das informações mais precisas para o processo decisório e em tempo oportuno; i. Aprimora a capacidade de reconhecer antecipadamente os problemas e oportunidades; j. Auxílio prestado ao gerente referente ao teste de algumas decisões antes de coloca-la em prática; k. Melhora do processo produtivo, por se focar nas tarefas mais importantes, obtendo mais produtividade e competitividade; l. Redução dos problemas relacionados ao gerenciamento das informação, e do custo de execução desse processo. Dados aos benefícios da tecnologia de informação percebem-se o quanto ela contribui para empresas, principalmente na eficiência dos processos logísticos. Na visão de Gapski (2003) só é possível obter eficiência no processo logístico com a manutenção das informações de custo e desempenho. Como exemplifica Ballou (1993) esse controle informatizado, além de proporcionar maior acurácia, pode contribuir para a previsão de vendas e de sazonalidades, pois gera relatórios mais eficientes do controle de vendas. Com o uso da manutenção da informação dentro da organização se obtém informações sobre os clientes, os volumes de vendas, níveis de estoques, entre outros. Para Ching (2001), manutenção da informação; é ter uma base de dados para o planejamento e o controle da logística. 4. METODOLOGIA O estudo buscou diversos conceitos e experiência de empresas e outros autores, em resposta aos questionamentos sobre utilização da tecnologia da informação nas atividades logística das empresas. Para a isso, optou-se na realização de pesquisa descritiva e bibliográfica. A pesquisa descritiva tem por objetivo levantar as opiniões, atitudes e crenças de uma população (GIL, 1996). Neste trabalho, levantou-se as características e atitudes em relação à utilização da tecnologia, descrevendo as atividades e tecnologias de suporte. 10

11 O estudo aplicado trata da questão o quanto estas tecnologias ajudam a melhorar a competitividade das empresas. A abordagem do assunto é conceituada de forma descritiva tratando-se de pesquisas acima das opiniões e atitudes dos pesquisadores para a questão de pesquisa. A pesquisa bibliográfica sistematiza o trabalho que vai desde a identificação, localização e obtenção da bibliografia pertinente sobre o assunto, até a apresentação de um texto sistematizado, no qual é apresentada toda a literatura que o autor examinou, de forma a evidenciar o entendimento do pensamento dos autores, acrescido de ideias e opiniões (DUART e BARROS, 2006). A mesma foi elaborada a partir de material já publicado, constituído principalmente de livros, artigos de periódicos e atualmente com material disponibilizado na Internet (GIL, 1996), neste caso buscou-se as principais bases científicas, a fim de, contextualizar o tema. Os anais dos Encontros Nacionais de Engenharia de Produção de 1996 a 2012, disponíveis na página do evento no endereço A Revista Produção Online, ISSN , de 2008 a julho de 2012, disponível no endereçohttp://producaoonline.org.br/index.php/rpo/search; O Brazilian Journal of Operations & Production Management (BJO&PM), ISSN , de 2004 a julho de 2012, disponível no endereço e A Revista Produção, ISSN , de 1991 a 2012, disponível no endereçohttp://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_issues&pid= &lng=pt&nrm=. Através do processo metodológico buscaram-se resultados suportados pelo cruzamento da literatura levantada, sintetizando a proposta deste trabalho, subsidiando visão tanto para o pesquisador, quanto aos empresários, elementos de tomadas de decisão para aprimoramento das micro e pequenas empresas, partindo como base a tecnologias de informação existentes no mercado atual Análise e Discussões Atividades da logística empresarial Transportes Tecnologia de informação Rastreamento de frota Descrição tecnologia da Equipamentos de rastreamento de frotas são comumente utilizados em caminhões e reboques de modo a acompanhar a localização e alimentar sistemas de informação. Podem utilizar tecnologias como satélites ou sistemas celulares para a localização dos móveis. Impacto da TI para melhorias das atividades Nunes (2004) conclui que os sistemas de rastreamento e comunicação por satélite proporcionam a conectividade e a visibilidade requeridas em tempo real. Giopato (2005) afirma que uma das soluções adotadas pelos empresários do setor para reduzir o problema do roubo de cargas foi incorporar à frota, como equipamento indispensável, o sistema de rastreamento. Melhorias na cadeia de suprimentos A utilização de padrões de comunicação possibilita um melhor intercâmbio de informações e um nível mais elevado de coordenação interorganizacional. Sistemas interorganizacionai s possibilitam um maior intercâmbio de informações. (PREMKUMAR; RAMAMURTHY, 1995; IACOVOU; BENBASAT; 11

12 Processament o de Pedidos Gerenciament o de frota Intercâmbio eletrônico de dados (EDI) A aplicação Gestão de Frota tem a finalidade de gerir e controlar os custos dos veículos que compõem a frota de qualquer empresa. O controle é efetuado em termos totais e unitários, através da imputação dos diversos gastos a cada departamento, viatura e utilizador, com a capacidade de guardar um histórico e automatizar o processo de forma a munir o agente decisor de informações relevantes que lhe permitam aumentar a sua capacidade competitiva, no processo de tomada de decisões (CARRIÇO, 1996) Pizysieznig Filho (1997, p.55), destaca que "o EDI é uma rede de acesso direto aos clientes do provedor, permitindo a conexão entre os sistemas eletrônicos de informação entre empresas, independentemente dos sistemas e procedimentos utilizados no interior de cada uma dessas empresas". Lummus (1997, p.80) cita que "as transações frequentemente enviadas pelo EDI são as de compras, transporte e de pedidos Atualização, inserção, eliminação de dados associados aos utilizadores, veículos, oficinas, empresa fornecedora, departamento dono, centros de inspeção, seguradoras e mediadores; Custos associados a cada departamento, viatura e utilizador, com descrição da Data, Tipo de Gasto, Matrícula, Quantidade e Valor a imputar; A criação de um histórico de toda a informação relacionada com os custos, assim como, a informação constante nas restantes tabelas; A realização de estatísticas dos consumos de combustíveis por quilômetro e dos restantes custos; Listagens dos custos imputados a cada veículo entre datas; Listagens do total de custos entre datas (CARRIÇO, 1996). Para Lambert et al. (1998), a automação do processamento de pedidos melhora o serviço ao cliente, proporcionando uma melhor disponibilidade de produto, exatidão das faturas, menores níveis de estoque de segurança, custos correspondentes e melhor acesso a informações sobre pedidos pendentes. Gallina (2001) afirma que o EDI é capaz de reduzir o tempo e o custo de processamento de pedidos,consequentement e. Além disso, o tempo que os funcionários despendem nessa tarefa DEXTER, 1995; STANK; CRUM; ARRANGO, 1999). Para Valente (2008. Pg. 197), o desenvolvimento de um bom sistema de controle de custos operacionais em uma empresa de transportes pode se constituir, dessa forma, não em um peso para a empresa, mas em um elemento fundamental à boa gestão de sua frota e da própria organização. O EDI, é essencial para que a cadeia de suprimentos atue de forma otimizada e integrada. Através da interligação entre empresas e do fluxo de informações entre seus sistemas de gestão é possível que o balanceamento de todas as relações cliente/fornecedor sejam atingidas, uma vez que cada elo só compra, manufatura e vende aquilo que os elos anteriores e 12

13 Armazenage m / manuseio de materiais / embalagens de produtos Gerenciament o de armazéns (WMS) entre um computador e um vendedor. Ordens de compra, visos de estoques, despacho de material e transporte de tabelas são transmitidos do consumidor; enquanto o envio de pedidos avançados são remetidos pelo fornecedor". O WMS é o sistema de informações que planeja, programa e controla as operações do armazém. Abrange todas as funções, desde a chegada do veículo ao pátio, o recebimento dos materiais, passando pela estocagem, separação de pedidos, reposição e controle de estoques, inventário, programação e controle de embarque e liberação de caminhões. (RAGO, 2002) pode ser utilizado para realização de atividades mais importantes, como a negociação com os fornecedores. Para Chopra e Meindl (2003), o EDI e outros meios eletrônicos de comunicação podem ser utilizados para reduzir significativamente o lead time associado à emissão de pedido e à transferência de informações, reduzindo assim, o seu ciclo. Algumas das características mais relevantes sobre o WMS são a identificação do melhor local para guardar uma mercadoria, de acordo com as suas características; os furtos e roubos ficam mais visíveis e fáceis de controlar; a entrega ao cliente ou à linha de produção é mais rápida; o WMS avalia as mudanças assim que ocorrem e fornece acesso imediato à nova informação (VERÍSSIMO, 2003). Para Arbache, Santos, Montenegro & Salles (2004), o WMS agiliza o fluxo de informações dentro de uma instalação de armazenagem, melhorando a operacionalidade da armazenagem e promovendo a otimização do processo, pelo gerenciamento eficiente de informação e recursos, permitindo à empresa tirar o máximo proveito dessa atividade.as informações podem ter origem dentro (sistema ERP) ou fora da empresa (clientes, fornecedores, etc.). O sistema utiliza essas informações para executar as funções básicas do processo de armazenagem: estocar, separar. receber, posteriores necessitam. Dessa forma, as perdas são reduzidas e os custos minimizados, até o cliente final (FERREIRA, 2003). Conforme Banzato; Banzato; Moura e Rago (2010) o WMS também contribui para redução do lead time na cadeia de abastecimento, visto que o mesmo elimina a papelada por meio de sua integração com EDI, possibilitando, também, desta forma, uma maior velocidade operacional. 13

14 Identificador de Radio Frequência (RFID) RFID é a abreviação A vantagem do uso do de Radio Frequency RFID é: Identification a capacidade de Identificação por armazenamento, leitura e Radiofrequência. envio dos dados para Diferentemente do feixe etiquetas ativas; de luz utilizado no a detecção sem sistema de código de necessidade da barras para captura de proximidade da leitora para dados, essa tecnologia o reconhecimento dos utiliza a frequência de dados; radio. a durabilidade das Tecnologia que suporta comunicações sem fio etiquetas com possibilidade para leitura e de reutilização ; transmissão de dados. a redução de estoque; São utilizados nas a contagem instantânea de cadeias de suprimento estoque, facilitando os por etiquetas rastreáveis sistemas empresariais de que possibilitam o inventário; controle do a precisão nas posicionamento de informações de produtos (RFID-COE, armazenamento e 2012). velocidade na expedição; a localização dos itens ainda em processos de busca; a melhoria no reabastecimento com eliminação de itens faltantes e aqueles com validade vencida; a prevenção de roubos e falsificação de mercadorias (RFID-COE, 2012). Código de Barras Sistema de etiquetas padronizadas utilizadas para identificação de produtos, esses códigos são utilizados na aquisição de dados por parte dos sistemas de informações logísticas. O código de barras é útil em qualquer processo que envolva a contínua informação de códigos ao computador. Devido as suas características de baixo custo, facilidade de implantação e utilização e, principalmente, pela qualidade de informação e redução no tempo de operação dos sistemas, o código de barras tem sido usado desde as pequenas atividades que necessitam da identificação de documentos até na comercialização e controle dos produtos (REVISTA MATEMÁTICA HOJE, 2010). 14

15 Obtenção de Suprimentos (Compras) Programação de Pedidos Enterprise Resource Planning (ERP) O E.R.P evoluíram a partir dos sistemas MRP (Materials Requirements Planning ou Planejamento das Necessidades de Materiais) e MRP II (Manufacturing Resource Planning ou Planejamento os Recursos de Manufatura), passando a ter um maior escopo e um maior nível de abrangência nas empresas (CORRÊA et al 2001) Os ERP ou sistemas de gerenciamento empresarial são sistemas complexos onde integram, de forma eficaz, todos os sistemas operacionais da empresa. São adquiridos na forma de pacotes de software comercial, com a finalidade de dar suporte a maioria das operações de uma empresa (SOUZA,1999 ). Saccol et al.(2002), o E.R.P ajuda a melhorar a eficiência e a eficácia organizacional ao auxiliar o processo e o conteúdo das decisões, apoiando reuniões e discussões internas, possibilitando melhor coordenação entre as áreas funcionais, contribuindo nas avaliações anuais do orçamento e no planejamento estratégico Saccol et al.(2002) também identificou que o ERP apoia a gestão da demanda e de fornecedores, facilitando a busca de novas fontes de fornecimento e auxilia a atividade gerencial de monitoramento do ciclo de compras, com redução do tempo de ciclo e maior controle de qualidade dos produtos e serviços recebidos dos fornecedores, dando subsídios à decisão estratégica entre fazer ou comprar. Também Corrêa et al (2001) afirmaram que o ERP facilita a programação das operações do fornecedor, por considerá-lo uma extensão da capacidade de produção da própria empresa. Também contribuindo para a compreensão do apoio do ERP dado à função de compras. As TI que estão à disposição da solução da logística empresarial são capazes de gerar melhorias que satisfaçam qualquer necessidade de mercado. Como exemplo, cita-se a interface através de um sistema integrado, ERP, o aplicativo de código de barras que migra informações para um sistema de estoque onde tem informações atualizadas a qualquer tempo por meio de outro aplicativo de EDI. Essas disponibilidades podem ser alcançadas através da intranet e extranet para toda a cadeia de produção a fim de otimizar o processo em termos de eficiência de resposta ao cliente. De acordo com Porter e Millar (1985), a TI permeia toda a cadeia de valor e também o sistema de valor, impactando processos, estruturas e até mesmo produtos. Segundo Monteiro e Bezerra (2003), as empresas estão recorrendo à aplicação de TI na logística visando à obtenção de vantagem competitiva e automatização dos processos produtivos. Já Bowersox e Closs (1999) citam que os gestores envolvidos na logística empresarial vêem a TI como a principal fonte de melhorias na produtividade e na capacidade competitiva. Esses autores defendem que a TI é empregada diferentemente de outros recursos já que possibilita um 15

16 aumento de velocidade de transmissão e de capacidade de dados e simultaneamente reduz custos. Nas MPEs, estas ferramentas possibilita um rearranjo das atividades internas e externas, possibilitando inovar em seus processos, além de buscar a vantagem competitiva perante o mercado. As necessidades de implantação da TI devem estar de acordo com as disponibilidades financeiras, culturais e infraestrutura, sendo indispensável planejar em curto, médio e longo prazo este processo, além de visibilizar as possibilidades de lucratividade na cadeia de produção. O SEBRAE (2012) aponta a dificuldade financeira como o principal entrave à expansão da informatização nas micro e pequenas empresas. Em se tratando de implantação da TI, os gestores tem a responsabilidade de analisar o que melhor atende as necessidades da PMEs, principalmente os custos benefícios existentes. 5. CONCLUSÕES No que se refere ao objetivo desta pesquisa, identificar e analisar as tecnologias de informação utilizadas na atividade logística, baseado nos ganhos de melhorias que possa proporcionar com à TI nas MPEs em diferentes setores econômicos, verificou-se que, existe várias tecnologias voltadas para execução de forma mais prática e dinâmicas das atividades tanto primária, como de apoio da logística. Com base a análise da literatura, existe uma definição da tecnologia ideial para cada processo, além disso suas possíveis interações com a cadeia de suprimentos. Uma vez que, possibilita vantagem competitiva, quanto mais integrado este processo estiver. Como o mercado de TI inova e cresce aceleradamente, condiciona aumento da demanda de diversas marcas e aplicabilidades de software disponível. Em face a esta questão, o gestor deve focar as necessidades específicas da empresa, aprimorar suas tarefas, redesenhar seus processos e analisar a melhor tecnologia. Com base no resultado desta pesquisa, identificou-se as disponibilidades de TI, principalmentes suas vantagens na cadeia de suprimentos. Considerando que uma das funções da logística é integrar os elos da cadeia de suprimento, a TI proporciona com eficiência este processo, também o processo de expansão das PMEs, essas exigências completa o conhecimento dos gestores e proprietário sobre o que tem de mais modernos e inovador no mercado, instrumentos e técnicas para métricas de ganhos produtivos. O sucesso da implantação de sistemas logísticos nas empresas e as vantagens advindas de sua aplicação dependem do processo de amadurecimento empresarial. Dessa forma, todo o processo logístico pode ser otimizado, permitindo a maior eficácia nos processos internos e de comunicação com a cadeia de suprimentos. LEE e WHANG (2002) indica que o segredo está em utilizar as informações e alavancar os recursos disponíveis para coordenar ações, priorizando os fluxos de informações. A palavra chave passa a ser a integração empresarial para obtenção de vantagem competitiva. REFERÊNCIAS ABREU, A. F.; FRANÇA, T.C.V.; SINZATO, C.I.P. (1999). Acesso à informação prompovendo competitividade em P&D com uso de tecnologia de informação. Revista Ciência da Informação. Brasília, v.28, n.3, p , set./dez. 16

17 ADMINISTRADORES. As aplicações da Tecnologia da Informação na Logística. Acesso Setembro ALVARADO, Ursula Y.; BOTZAB, Herbert. Suplly Chain Management: The integration of Logistics in Marketing. Industrial Marketing Management, v. 30, p , ARBACHE, F.S.; SANTOS, A.G.; MONTENEGRO, C. & SALLES, W.F. (2004) - Gestão de logística, distribuição e trade marketing. Editora FGV. Rio de Janeiro. ÁVILA, W.M. Logística e aduana f. Monografia (Bacharel em Administração Habilitação em Comércio Exterior) Instituto de Ensino Superior de Garça, Garça, BALLOU, Ronald H. Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos / Logística Empresarial. 5ª edição. Porto Alegre, Bookman, (2006). BALLOU, Ronaldo H. Logística Empresarial. São Paulo, Atlas, (1993). BANZATO, Eduardo; Banzato, J. Maurício; Moura, A. Reinaldo e Rago, F. T. Rago. Atualidades na armazenagem. São Paulo: Imam, BERALDI, L. C.; ESCRIVÃO FILHO, E.; RODRIGUES, D. M.(2002). Avaliação da adequação do uso de tecnologia de informação na pequena empresa. Anais do VI SIMPEP. Simpósio de Engenharia de Produção. Bauru (SP): Departamento de Engenharia de Produção / UNESP. Novembro / BOWERSOX, D. J.; CLOSS, D. J. Logística Empresarial: o processo de integração da cadeia de suprimento. São Paulo: Atlas, BOWERSOX, Donald J; MENTZER, John T.; SPEH, Thomas W. Logistics Leverage. Journal of Business Strategies CARRIÇO, J. A. (1996), Desenho de Bases de Dados CTI Centro de Tecnologias de Informação, Lisboa. CERRI, Michel Lenon; CAZARINI, Edson Walmir. Diretrizes para implantação de ERPs. XXIV Encontro Nac. Eng. de Produção - Florianópolis, SC, Brasil, 03 a 05 de nov de CHAVES, E. O. C.; FALSARELLA,O. M. Os sistemas de informação e sistemas de apoio à decisão. Revista do Instituto de Informática, v. 3, n.1, p , CHING, H.Y. Gestão de estoques na cadeia de logística integrada. São Paulo, Atlas, (1999). CHOPRA, S.; MEINDL, S. Gerenciamento da cadeia de suprimentos. São Paulo: Prentice Hall, CHRISTOPHER, Martin. Logística e gerenciamento da cadeia de suprimentos. Estratégias para a redução de custos e melhoria dos serviços. Rio de Janeiro: Pioneira, (1997). CHRISTOPHER, M. G. (1992). Logistics and Supply Chain Management. London, Pitman Publishing. CORRÊA, H. L. e GIANESI, G. N. Just-in-time, MRP II e OPT: um enfoque estratégico. São Paulo: Atlas, CORRÊA, Henrique L.; GIANESI, Irineu G. N.; CAON, Mauro. Planejamento, programação e controle da Produção. MRPII/ERP: conceitos, uso e implementação. 4. ed. São Paulo: Atlas, CRUZ, T. Sistemas, Organização & Métodos. São Paulo: Ed. Atlas, DIAS, Marco Aurélio P. Administração da Materiais. São Paulo: Editora Atlas S.A 4ª Edição (edição compacta) DUARTE, Jorge; BARROS, Antonio. Métodos e técnicas de pesquisa em comunicação. 2. ed. São Paulo: Atlas, FERREIRA, K. A. Tecnologia da informação e logística: O Uso do EDI nas Operações Logísticas de uma empresa da Indústria Automobilística. 147p. Monografia (Graduação em Engenharia de Produção). Universidade Federal de Ouro Preto, Ouro Preto, FLEURY, Paulo F.; WANKE, Peter; FIGUEIREDO, Kebler F.. Logística empresarial: a perspectiva brasileira. São Paulo: Atlas, FREIRE, J. E. (2000). Uma abordagem sobre os colaboradores na atual sociedade da informação. Dissertação (Mestrado) Escola de Engenharia de São Carlos, Universidade de São Paulo. GALLINA, R. As cadeias produtivas de transformação de plásticos na indústria automobilística: Um estudo multicaso na utilização do EDI ao longo de uma cadeia de pequenas e médias empresas nacionais. 149p. Dissertação (Mestrado). Escola politécnica da Universidade de São Paulo - Departamento de Engenharia de Produção. São Paulo, GAPSKI, O. L. Controle de nível de estoque no setor varejista com base no gerenciamento do inventário pelo fornecedor: aplicação do modelo no A. Angeloni Cia Ltda e Procter & Ghamble S.A Dissertação (Mestrado em Engenharia de Produção) - Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas, GIOPATO, D. Rastreamento: o parceiro do transportador. Revista O Carreteiro. São Paulo: Editora Publicação Técnica. ano 37, n o 385, outubro de Disponível em: Acesso em 28/08/

18 GUIA DE TECNOLOGIA (2003). Informática a seu favor. São Paulo, n.1. IACOVOU, C. L.; BENBASAT, I.; DEXTER, A. S. Electronic data interchange and small organizations: adoption and impact of technology. MIS Quarterly, v. 19, n. 4, p ,1995. LAMBERT, DOUGLAS, STOCK, JAMES, Vantine, José. Administração Estratégica da logística. São Paulo: Vantine Consultoria, LANGLEY, John C; HOLCOMB, Mary C. Creating Logistics Customer Value. Journal of Business Logistics. v. 13, n. 2, p. 1-27, LAURINDO, F. J. B.; CARVALHO, M. M; PESSÔA, M.SP.; SHIMIZU, T. (2002). Selecionando uma aplicação de Tecnologia da Informação com enfoque na eficácia: um estudo de caso de um sistema para PCP. Revista Gestão e Produção. São Carclos, v.9, n. 3, p , dez. LAURINDO, F.J.B.: Um Estudo sobre a Avaliação da Eficácia da Tecnologia da Informação nas Organizações. Tese de Doutorado. São Paulo, Departamento de Engenharia de Produção, Escola Politécnica, Universidade de São Paulo. LEE, Hau L;WHANG, Seungjin. Gestão da e-scm, a cadeia de suprimentos eletrônica. HSM management, São Paulo. Editora HSM Management,n.30,pg ,jan-fev LUMMUS, Rhonda R. The evolution to electronic data interchange: are the benefits at all stages of implementation? Hospital Materiel Management Quarterly, 18(4), USA: Aspen Publishers, MARTINS, P, ALT, P. R. C. Administração de materiais e recursos patrimoniais. São Paulo: Saraiva, MONTEIRO, A.; BEZERRA, A. L. B. Vantagem competitiva em logística empresarial baseada em tecnologia da informação. In: VI SEMINÁRIO EM ADMINISTRAÇÃO FEA/USP, 6, São Paulo, Anais..., São Paulo, NOLAN, A. Information Systems. New York: HTE, NOVAES, A.G. Logística e gerenciamento da cadeia de distribuição. 3.ed. São Paulo: Elsevier, NUNES, M. M. B: Um planejamento estratégico logístico: uma opção para as indústrias de confecção do estado do ceará. Dissertação. Fortaleza, 2008São Paulo, Departamento de Engenharia de Produção, Escola Politécnica, Universidade de São Paulo. O BRIEN, J. A. Sistemas de informação e as decisões gerenciais na era da internet, São Paulo: Saraiva, OLIVEIRA, A.C. Tecnologia de informação: competitividade e políticas públicas. Revista Administração de Empresas, São Paulo, v. 36, n. 2, p , abr/jun, PIZYSIEZNIG FILHO, J. Competências essenciais e a tecnologia de informação: o caso da Interchange. In: MARCOVITCH, J. Tecnologia de informação e estratégia empresarial. São Paulo: Futura, p PORTER, M. E.; MILLAR, V. E. How information gives you competitive advantage. Harvard Business Review, v. 63, n. 4, p , PRATES. G. A; SARAIVA, A. L.; CAMINITI, G. B. (2003). Tecnologia da informação em pequenos hotéis. In: SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE COMUNICAÇÃO, 7.,2003. Anais...Porto Alegre, Rio Grande do Sul. PREMKUMAR, G.; RAMAMURTHY, K. The role of interorganizational and organizational factors on the decision mode for adoption of interorganizational systems. Decision Sciences, v. 26, n. 3, p , REVISTA MATEMÁTICA HOJE. Sétima revistinha. A matemática dos códigos de barras. Disponível em: <http://www.matematicahoje.com.br/telas/mat_hoje/livro/setima.asp?aux=b>. Acesso em: 19 mar RAGO, S.F.T. (2002) - LOG&MAN Logística, Movimentação e Armazenagem de Materiais. Guia do visitante da MOVIMAT Ano XXIII, Setembro, n.143, p RFID-COE. Disponível em: <http://www.rfid-coe.com.br/oqueerfid.aspx> Acesso em 22/09/2012. SANTOS, E. M. (2001). Aprisionamento tecnológico: novos desafios da gestão das estratégias organizacionais na era da informação. Caderno de Pesquisas em Administração, São Paulo, v.8, n.1, p.61-67, jan./mar. SACCOL, Amarolinda Z.; MACADAR, Marie A.; LIBERALI NETO, Guilherme; PEDRON, C.; CAZELLA, Sílvio. Algum tempo depois... como grandes empresas brasileiras avaliam o impacto dos sistemas ERP sobre suas variáveis estratégicas. In: ENCONTRO DA ANPAD (Associação Nacional dos Programas de Pós- Graduação em Administração), área temática de Administração da Informação, 26º, 2002, Salvador BA. Anais... Salvador: ANPAD, setembro de Disponível em: <http://www.economicas.unisinos.br/sige>. Acesso em: 20 de Novembro SEBRAE. Serviço Brasileiro de Apoio às Pequenas e Micro Empresa. Disponível em: <http://www.sebrae.com.br> Acessado: 08 Julho SILVA, Ricardo Jorge Araújo; FURLANETTO, Egídio Luiz. Gestão de Cadeias de Suprimentos e Implementação de Estratégias Inovativas e Sustentáveis: um estudo no arranjo produtivo de calçados em Campina Grande. Anais do IX Simpósio de Administração da Produção, Logística e Operações Internacionais SIMPOI, 2006 STANK, T.; CRUM, M.; ARRANGO, M. Benefits of interfirm coordination in food industry supply chains. Journal of business logistics, v. 29, n. 2, p ,

19 Souza, Cesar A. e Zwicker, Ronaldo. Um Modelo de Ciclo de Vida de Sistemas ERP: Aspectos Relacionados à sua Seleção, Implementação e Utilização. Souza_e_Zwicker.pdf>. ( ). STONER, J. A. F.. Administração. 5. ed. Rio de Janeiro: LTC, Disponível em acesso em 17/Out/2012. VALENTE, Almir Mattar et al.qualidade e produtividade nos transportes. São Paulo: Cengage Learming, VERÍSSIMO, N.; MUSETTI, A. M. A tecnologia da Informação na Gestão de Armazenagem. In: Encontro nacional de engenharia de produção, XXIII, Ouro Preto. MG. Anais do XXIII ENEGEP. Ouro Preto: ENEGEP, WERNERFELT, Birger. A Resource-based View of the Firm. Strategic Management Journal. v. 5, n. 2, ZIMMERER, T. W.; SCARRBOROUGH, N. M. (1994). Essentials of small business management. Macmillan College publishing Company. 19

O PAPEL DO CONTROLE DE ESTOQUE NA CENTRALIZAÇÃO DE COMPRAS

O PAPEL DO CONTROLE DE ESTOQUE NA CENTRALIZAÇÃO DE COMPRAS O PAPEL DO CONTROLE DE ESTOQUE NA CENTRALIZAÇÃO DE COMPRAS Mauricio João Atamanczuk (UTFPR) atamanczuk@hotmail.com João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr.br Antonio Carlos de Francisco (UTFPR)

Leia mais

LOGÍSTICA. Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA

LOGÍSTICA. Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi LOGÍSTICA 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA O conceito de Logística sempre envolve um fluxo de materiais de uma origem ou destino e, no outro sentido, um fluxo

Leia mais

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES 1 O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES Cesar Paulo Lomba (Discente do 4º período de Tecnologia de Gestão Financeira das Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS) Maria Luzia

Leia mais

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht Administração Logística e Administração de. Profª. Patricia Brecht Definição - Logística O termo LOGÍSTICA conforme o dicionário Aurélio vem do francês Logistique e significa parte da arte da guerra que

Leia mais

Armazenamento e TI: sistema de controle e operação

Armazenamento e TI: sistema de controle e operação Armazenamento e TI: sistema de controle e operação Pós-Graduação Latu-Sensu em Gestão Integrada da Logística Disciplina: TI aplicado à Logística Professor: Mauricio Pimentel Alunos: RA Guilherme Fargnolli

Leia mais

ARMAZENAGEM E T.I. Prof.: Disciplina Integrantes

ARMAZENAGEM E T.I. Prof.: Disciplina Integrantes ARMAZENAGEM E T.I. Pós-Graduação em Gestão Integrada da Logística Turma: GIL131M - 2013 Universidade São Judas Tadeu Prof.: Ms. Maurício Pimentel Disciplina: Tecnologia da Informação Aplicada a Logística

Leia mais

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial Sistemas de Informação Empresarial SIG Sistemas de Informação Gerencial Visão Integrada do Papel dos SI s na Empresa [ Problema Organizacional ] [ Nível Organizacional ] Estratégico SAD Gerência sênior

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Suprimentos. WMS Gerenciamento de Armazém

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Suprimentos. WMS Gerenciamento de Armazém Bloco Suprimentos WMS Gerenciamento de Armazém Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo WMS, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas foram

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

Importância da Logística. O lugar da Logística nas Empresas. Custos Logísticos são significativos

Importância da Logística. O lugar da Logística nas Empresas. Custos Logísticos são significativos IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA Importância da Logística O lugar da Logística nas Empresas A logística diz respeito à criação de valor; O valor em logística é expresso em termos de tempo e lugar. Produtos e serviços

Leia mais

ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS

ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS Data: 10/03/2001 Peter Wanke INTRODUÇÃO Localizar instalações ao longo de uma cadeia de suprimentos consiste numa importante

Leia mais

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010 Enterprise Resource Planning - ERP Objetivo da Aula Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 2 1 Sumário Informação & TI Sistemas Legados ERP Classificação Módulos Medidas

Leia mais

TÍTULO: CADEIA DE SUPRIMENTOS DA KEIPER DO BRASIL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO

TÍTULO: CADEIA DE SUPRIMENTOS DA KEIPER DO BRASIL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: CADEIA DE SUPRIMENTOS DA KEIPER DO BRASIL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS

Leia mais

Universidade São Judas Tadeu

Universidade São Judas Tadeu Universidade São Judas Tadeu Anna Karoline Diniz Fortaleza Camila Moura Favaro Fernando dos Anjos Reinaldo Francisco Carvalho Tiago Souza Tecnologia da Informação no Transporte São Paulo 2013 1 Tecnologia

Leia mais

Pesquisa sobre a integração da Logística com o Marketing em empresas de grande porte

Pesquisa sobre a integração da Logística com o Marketing em empresas de grande porte III SEGeT Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia 1 Pesquisa sobre a integração da Logística com o Marketing em empresas de grande porte Alexandre Valentim 1 Heloisa Nogueira 1 Dário Pinto Junior

Leia mais

A IMPORTANCIA DO CUSTEIO NA CADEIA DE SUPRIMENTOS COMO VANTAGEM COMPETITIVA: CASO LOGÍSTICO EM MORRINHOS/CE.

A IMPORTANCIA DO CUSTEIO NA CADEIA DE SUPRIMENTOS COMO VANTAGEM COMPETITIVA: CASO LOGÍSTICO EM MORRINHOS/CE. A IMPORTANCIA DO CUSTEIO NA CADEIA DE SUPRIMENTOS COMO VANTAGEM COMPETITIVA: CASO LOGÍSTICO EM MORRINHOS/CE. Jander Neves 1 Resumo: Este artigo foi realizado na empresa Comercial Alkinda, tendo como objetivo

Leia mais

LOGÍSTICA EMPRESARIAL. Rodolfo Cola Santolin 2009

LOGÍSTICA EMPRESARIAL. Rodolfo Cola Santolin 2009 LOGÍSTICA EMPRESARIAL Rodolfo Cola Santolin 2009 Conteúdo Cadeia de suprimentos Custos Logísticos Administração de Compras e Suprimentos Logística Reversa CADEIA DE SUPRIMENTOS Logística Logística Fornecedor

Leia mais

LOGÍSTICA GLOBAL. Sistemas de Logística EDI, MRP e ERP.

LOGÍSTICA GLOBAL. Sistemas de Logística EDI, MRP e ERP. LOGÍSTICA GLOBAL Sistemas de Logística EDI, MRP e ERP. EDI Intercâmbio Eletrônico de Dados Introdução O atual cenário econômico é marcado por: a) intensa competitividade, b) pela necessidade de rápida

Leia mais

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA Marinalva R. Barboza Definição do conceito de logística e evolução Logística tem origem no idioma francês Logistique se define de forma militar sendo uma parte estratégica

Leia mais

Logistica e Distribuição

Logistica e Distribuição Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Logística e Distribuição Armazenagem e Movimentação Primárias Apoio 1 2 A armazenagem corresponde a atividades de estocagem ordenada e a distribuição

Leia mais

Logística e Distribuição: Definições e Evolução da Logística em um Contexto Global

Logística e Distribuição: Definições e Evolução da Logística em um Contexto Global Logística e Distribuição: Definições e Evolução da Logística em um Contexto Global Neófita Maria de Oliveira (UERN) neofita_maria@yahoo.com.br Athenágoras José de Oliveira (UERN) mara_suy@hotmail.com Mara

Leia mais

Logística e Gestão da Cadeia de Suprimentos

Logística e Gestão da Cadeia de Suprimentos Logística e Gestão da Cadeia de Suprimentos 2 SISTEMA DE INFORMAÇÕES EM LOGÍSTICA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EM LOGÍSTICA RODA Sociedade de Sobrevivência (troca de mercadorias) Poder: Monopólio de Mercadorias

Leia mais

Tecnologia da informação

Tecnologia da informação Tecnologia da informação Jonathan Lucas Schwambach Fernandes (FAHOR) jf000554@fahor.com.br Guilherme Ferrari (FAHOR) gf000596@fahor.com.br Fabrício Desbessel (FAHOR) fabricio@fahor.com.br Resumo O estudo

Leia mais

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial Prof. Pedro Luiz de O. Costa Bisneto 14/09/2003 Sumário Introdução... 2 Enterprise Resourse Planning... 2 Business Inteligence... 3 Vantagens

Leia mais

Logística: o endereçamento como ferramenta fundamental na armazenagem e estocagem

Logística: o endereçamento como ferramenta fundamental na armazenagem e estocagem Logística: o endereçamento como ferramenta fundamental na armazenagem e estocagem Juliano Jacinto Luciano Heil Márcio Fernandes de Souza Sidnei Rodrigues RESUMO Este artigo apresenta a importância da logística

Leia mais

SUPPLY CHAIN MANAGEMENT: UMA INTRODUÇÃO À UM MODELO DE GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS PARA OBTENÇÃO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO

SUPPLY CHAIN MANAGEMENT: UMA INTRODUÇÃO À UM MODELO DE GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS PARA OBTENÇÃO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO SUPPLY CHAIN MANAGEMENT: UMA INTRODUÇÃO À UM MODELO DE GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS PARA OBTENÇÃO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO BURGO, Rodrigo Navarro Sanches, RIBEIRO, Talita Cristina dos Santos, RODRIGUES,

Leia mais

LOGÍSTICA 1. Nubia Aparecida dos Reis Souza 2 RESUMO

LOGÍSTICA 1. Nubia Aparecida dos Reis Souza 2 RESUMO 1 LOGÍSTICA 1 Nubia Aparecida dos Reis Souza 2 RESUMO Versa o presente artigo sobre logística e suas aplicabilidades no mundo moderno. A logística foi criada para suprir necessidades durante a Segunda

Leia mais

1 Habilitação: Educação Profissional Técnica de Nível Médio em Administração de Logística

1 Habilitação: Educação Profissional Técnica de Nível Médio em Administração de Logística Habilitação, qualificações e especializações: 1 Habilitação: Educação Profissional Técnica de Nível Médio em Administração de Logística Carga-Horária: 960 horas 1.2 Objetivo Geral do Curso O curso de Educação

Leia mais

Tecnologia Aplicada à Logística

Tecnologia Aplicada à Logística Tecnologia Aplicada à Logística Movimentação e TI Alunos: Keriton Leandro Fernando TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA LOGÍSTICA Definição de Informação na Logística É um elemento de grande importância nas operações

Leia mais

Logistica e Distribuição. Manuseio de Materiais. Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993

Logistica e Distribuição. Manuseio de Materiais. Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Logística e Distribuição Manuseio de Materiais / Gestão de Informações Primárias Apoio 1 2 Manuseio de Materiais Refere-se aos deslocamentos de materiais

Leia mais

Tecnologia da Informação

Tecnologia da Informação Tecnologia da Informação Gestão Organizacional da Logística CONCEITOS O nome Supply Chain, cujo termo têm sido utilizado em nosso país como Cadeia de Suprimentos, vem sendo erroneamente considerado como

Leia mais

Faculdade de Tecnologia de Pompéia. LOGÍSTICA Prof. Paulo Medeiros

Faculdade de Tecnologia de Pompéia. LOGÍSTICA Prof. Paulo Medeiros Faculdade de Tecnologia de Pompéia LOGÍSTICA Prof. Paulo Medeiros Concepção de logística Agrupar conjuntamente as atividades relacionadas ao fluxo de produtos e serviços para administrá-las de forma coletiva.

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

Sistemas de Informações. SCM Supply Chain Management

Sistemas de Informações. SCM Supply Chain Management Sistemas de Informações SCM Supply Chain Management Fontes Bozarth, C.; Handfield, R.B. Introduction to Operations and Supply Chain Management. Prentice Hall. 2nd. Edition Objetivos Fluxos de Informação

Leia mais

LOGISTICA EMPRESARIAL

LOGISTICA EMPRESARIAL 1 UM POUCO DA HISTÓRIA DA LOGÍSTICA (GOMES & RIBEIRO, 2004), afirmam que a palavra logística é originária do vocábulo francês loger, que significa alocar. As operações logísticas iniciaram na Grécia Antiga,

Leia mais

Prof. Fernando Augusto Silva Marins www.feg.unesp.br/~fmarins fmarins@feg.unesp.br Este material foi adaptado de apresentação de Marco Aurelio Meda

Prof. Fernando Augusto Silva Marins www.feg.unesp.br/~fmarins fmarins@feg.unesp.br Este material foi adaptado de apresentação de Marco Aurelio Meda Tecnologia da Informação Aplicada à Logística Prof. Fernando Augusto Silva Marins www.feg.unesp.br/~fmarins fmarins@feg.unesp.br Este material foi adaptado de apresentação de Marco Aurelio Meda Como garantir

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial IETEC INSTITUTO DE EDUCAÇAO TECNOLÓGICA PÓS GRADUAÇAO LATU SENSU 15 a. Turma Gestão da Logística Logística Empresarial Elenilce Lopes Coelis Belo Horizonte MG Julho - 2006 2 SUMÁRIO INTRODUÇÃO À LOGÍSTICA...PÁGINA

Leia mais

A Tecnologia de Informação na Gestão de Armazenagem

A Tecnologia de Informação na Gestão de Armazenagem A Tecnologia de Informação na Gestão de Armazenagem Nádia Veríssimo (EESC-USP) nadiaverissimo@hotmail.com Prof. Dr. Marcel Andreotti Musetti (EESC-USP) musetti@prod.eesc.sc.usp.br Resumo Este trabalho

Leia mais

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo III.1 GESTÃO DE TRANSPORTES 1.1. O desenvolvimento econômico e o transporte. 1.2. A geografia brasileira, a infraestrutura dos estados, municípios

Leia mais

DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM.

DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM. DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM. Leonardo Silva Figueredo (UNAMA) leonardosfigueredo@hotmail.com

Leia mais

Logística Integrada. Esse termo refere-se ao papel da Logística como elemento de ligação entre todos os processos, desde o Fornecedor até o Cliente.

Logística Integrada. Esse termo refere-se ao papel da Logística como elemento de ligação entre todos os processos, desde o Fornecedor até o Cliente. Logística Integrada Esse termo refere-se ao papel da Logística como elemento de ligação entre todos os processos, desde o Fornecedor até o Cliente. Ballou (1993) Fonte: BALLOU, R. H. Logística Empresarial.

Leia mais

A LOGÍSTICA COMO INSTRUMENTO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO EM EMPRESAS FORNECEDORAS DE BENS DE CONSUMO NÃO DURÁVEIS.

A LOGÍSTICA COMO INSTRUMENTO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO EM EMPRESAS FORNECEDORAS DE BENS DE CONSUMO NÃO DURÁVEIS. A LOGÍSTICA COMO INSTRUMENTO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO EM EMPRESAS FORNECEDORAS DE BENS DE CONSUMO NÃO DURÁVEIS. Carolina Salem de OLIVEIRA 1 Cristiane Tarifa NÉSPOLIS 2 Jamile Machado GEA 3 Mayara Meliso

Leia mais

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 18 PROGRAMAÇÃO DE MATERIAIS

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 18 PROGRAMAÇÃO DE MATERIAIS PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 18 PROGRAMAÇÃO DE MATERIAIS Índice 1. Programação de materiais...3 2. Compras...4 2.1. Análise das OCs recebidas... 4 2.2. Pesquisa, identificação

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA Capítulo 2 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 2.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? Como os sistemas de informação apóiam

Leia mais

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras. Conceitos avançados da Logística com foco na TI 20/08/2011. O Efeito Chicote - (Bullwhip effect)

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras. Conceitos avançados da Logística com foco na TI 20/08/2011. O Efeito Chicote - (Bullwhip effect) Núcleo de Pós Graduação Pitágoras MBA Logística empresarial e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos Conceitos avançados da Logística com foco na TI Disciplina: Tecnologia da Informação (TI) Aplicada à

Leia mais

LUCROS E BENEFÍCIOS NA APLICAÇÃO DE UM SISTEMA DE ESTOCAGEM NA EMPRESA

LUCROS E BENEFÍCIOS NA APLICAÇÃO DE UM SISTEMA DE ESTOCAGEM NA EMPRESA LUCROS E BENEFÍCIOS NA APLICAÇÃO DE UM SISTEMA DE ESTOCAGEM NA EMPRESA RESUMO: Vanessa dos Santos Dada 1 Há uma grande demanda, nos mercados atuais, pelas empresas que atuam na área de operações logísticas.

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM WMS WAREHOUSE MANAGEMENT SYSTEM SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE ARMAZÉM/DEP M/DEPÓSITO WMS Software de gerenciamento de depósito que auxilia as empresas na busca de melhorias nos

Leia mais

APLICATIVOS CORPORATIVOS

APLICATIVOS CORPORATIVOS Sistema de Informação e Tecnologia FEQ 0411 Prof Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br Capítulo 3 APLICATIVOS CORPORATIVOS PRADO, Edmir P.V.; SOUZA, Cesar A. de. (org). Fundamentos de Sistemas

Leia mais

WMS. Agenda. Warehouse Management Systems (WMS) Warehouse Management Systems Sistema de Gerenciamento de Armazéns

WMS. Agenda. Warehouse Management Systems (WMS) Warehouse Management Systems Sistema de Gerenciamento de Armazéns WMS Warehouse Management Systems Sistema de Gerenciamento de Armazéns Breno Amorim brenoamorim@hotmail.com Informática Aplicada a Logística Profº Breno Amorimsexta-feira, 11 de setembro de 2009 Agenda

Leia mais

ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE MRP I EM UMA MICRO-EMPRESA MOVELEIRA LOCALIZADA NO VALE DO PARAIBA

ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE MRP I EM UMA MICRO-EMPRESA MOVELEIRA LOCALIZADA NO VALE DO PARAIBA ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE MRP I EM UMA MICRO-EMPRESA MOVELEIRA LOCALIZADA NO VALE DO PARAIBA Tiago Augusto Cesarin 1, Vilma da Silva Santos 2, Edson Aparecida de Araújo

Leia mais

Andrés Eduardo von Simson Graduação e v r iç i os D s i ney Background Hopi Hari Hilton Brasilton Maksoud Plaza

Andrés Eduardo von Simson Graduação e v r iç i os D s i ney Background Hopi Hari Hilton Brasilton Maksoud Plaza ENGENHARIA DE NEGÓCIOS I GESTÃO ESTRATÉGICA DE ESTOQUES AULA I Prof. Andrés E. von Simson 2009 PROFESSOR Andrés Eduardo von Simson Graduação Adm. Hoteleira Adm. de Empresas Docência pela FGV Especialização

Leia mais

Introdução e Planejamento Cap. 1. Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br

Introdução e Planejamento Cap. 1. Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br BALLOU, Ronald H. Gerenciamenrto da Cadeia de Suprimentos / Logística Empresarial. 5ª ed. Porto Alegre: Bookman. 2006 Introdução e Planejamento Cap. 1 Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br

Leia mais

Matriz para avaliação do sistema de Distribuição de produtos do setor de bebidas

Matriz para avaliação do sistema de Distribuição de produtos do setor de bebidas Matriz para avaliação do sistema de Distribuição de produtos do setor de bebidas Isabel Marcia Rodrigues (UTFPR) imarcia.r@hotmail.com João Carlos Colmenero (UTFPR) colmenero@utfpr.edu.br Luiz Alberto

Leia mais

ENCONTRO 1 Logística e Transporte

ENCONTRO 1 Logística e Transporte ENCONTRO 1 Logística e Transporte ENCONTRO 1 Logística e Transporte TÓPICO 1: Contextualizando o encontro Olá! Você está iniciando o primeiro encontro do curso Logística Internacional. Neste encontro,

Leia mais

Diferenciais do ERP TECNICON: Um caso da área de manufatura

Diferenciais do ERP TECNICON: Um caso da área de manufatura Diferenciais do ERP TECNICON: Um caso da área de manufatura Juliano Hammes (FAHOR) jh000697@fahor.com.br Gustavo Gerlach (FAHOR) gg000675@fahor.com.br Édio Polacinski (FAHOR) edio.pk@gmail.com.br Resumo

Leia mais

4 Sistema de Informações

4 Sistema de Informações 4 Sistema de Informações 4.1 O conceito de informação O desenvolvimento das operações logísticas de uma determinada empresa ou organização está visceralmente ligado ao fluxo e intercâmbio de informações

Leia mais

Lean e a Gestão Integrada da Cadeia de Suprimentos

Lean e a Gestão Integrada da Cadeia de Suprimentos JOGO DA CERVEJA Experimento e 2: Abordagem gerencial hierárquica e centralizada Planejamento Integrado de todos os Estágios de Produção e Distribuição Motivação para um novo Experimento Atender à demanda

Leia mais

Dados x Informações. Os Sistemas de Informação podem ser:

Dados x Informações. Os Sistemas de Informação podem ser: CONCEITOS INICIAIS O tratamento da informação precisa ser visto como um recurso da empresa. Deve ser planejado, administrado e controlado de forma eficaz, desenvolvendo aplicações com base nos processos,

Leia mais

Transformando seu investimento ERP em resultados para seu negócio

Transformando seu investimento ERP em resultados para seu negócio 1 SUMÁRIO 1 2 3 4 Introdução A história do ERP O que um ERP fará pelo seu negócio? 1.1 - Otimização dos processos 1.2 - Gerenciamento completo 1.3 - Informações relevantes 1.4 - Controle Tributário ERP

Leia mais

Capítulo 2. Logística e Cadeia de Suprimentos

Capítulo 2. Logística e Cadeia de Suprimentos Capítulo 2 Logística e Cadeia de Suprimentos Prof. Glauber Santos glauber@justocantins.com.br 1 Capítulo 2 - Logística e Cadeia de Suprimentos Papel primordial da Logística na organização Gestão da Produção

Leia mais

Supply Chain Management. SCM e Ti aplicada à Logística Marco Aurelio Meda

Supply Chain Management. SCM e Ti aplicada à Logística Marco Aurelio Meda Supply Chain Management e TI aplicada à Logística 24 de Junho de 2004 SCM e Ti aplicada à Logística Cenário de Competição... Operações Globalizadas Operações Integradas Introdução LOGÍSTICA Tecnologia

Leia mais

ÍNDICE. Apresentação do produto Impacto no negócios Telas do sistemamódulos do sistema Mobilize Stock Mobilize Store A Handcom Contato

ÍNDICE. Apresentação do produto Impacto no negócios Telas do sistemamódulos do sistema Mobilize Stock Mobilize Store A Handcom Contato ÍNDICE Apresentação do produto Impacto no negócios Telas do sistemamódulos do sistema Mobilize Stock Mobilize Store A Handcom Contato Apresentação do produto O Mobilize é uma solução mobile modular para

Leia mais

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO APLICADA NA LOGÍSTICA INTERNA DE UMA INDÚSTRIA DE PRODUTOS QUÍMICOS COMO FORMA DE OBTENÇÃO DE VANTAGEM

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO APLICADA NA LOGÍSTICA INTERNA DE UMA INDÚSTRIA DE PRODUTOS QUÍMICOS COMO FORMA DE OBTENÇÃO DE VANTAGEM ISSN 1984-9354 TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO APLICADA NA LOGÍSTICA INTERNA DE UMA INDÚSTRIA DE PRODUTOS QUÍMICOS COMO FORMA DE OBTENÇÃO DE VANTAGEM Darciane Alves Justino (Fac. Redentor) Eduardo Barbosa Bernardes

Leia mais

22/02/2009 LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO POR QUE A LOGÍSTICA ESTÁ EM MODA POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA

22/02/2009 LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO POR QUE A LOGÍSTICA ESTÁ EM MODA POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO A melhor formação cientifica, prática e metodológica. 1 POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA Marketing Vendas Logística ANTES: foco no produto - quantidade de produtos sem qualidade

Leia mais

A Logística de Cargas Fracionadas e Novas Configurações do Mercado de Varejo.

A Logística de Cargas Fracionadas e Novas Configurações do Mercado de Varejo. A Logística de Cargas Fracionadas e Novas Configurações do Mercado de Varejo. Cristian Carlos Vicari (UNIOESTE) viccari@certto.com.br Rua Engenharia, 450 Jd. Universitário C.E.P. 85.819-190 Cascavel Paraná

Leia mais

SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO

SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO Rosenclever Lopes Gazoni Data MACROPROCESSO [1] AUTOMAÇÃO DE ESCRITÓRIO/COMERCIAL: Correio eletrônico; vídeo texto; vídeo conferência; teleconferência;

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA DIRETORIA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA, PESQUISA E EXTENSÃO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA DIRETORIA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA, PESQUISA E EXTENSÃO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA DIRETORIA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA, PESQUISA E EXTENSÃO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS A LOGÍSTICA COMO FATOR COMPETITIVO NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES ALUNO:

Leia mais

Logística empresarial

Logística empresarial 1 Logística empresarial 2 Logística é um conceito relativamente novo, apesar de que todas as empresas sempre desenvolveram atividades de suprimento, transporte, estocagem e distribuição de produtos. melhor

Leia mais

Introdução e Planejamento Cap. 1

Introdução e Planejamento Cap. 1 BALLOU, Ronald H. Gerenciamenrto da Cadeia de Suprimentos / Logística Empresarial. 5ª ed. Porto Alegre: Bookman. 2006 Introdução e Planejamento Cap. 1 Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@fae.br L

Leia mais

Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE. Prof. Luís Rodolfo

Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE. Prof. Luís Rodolfo Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Luís Rodolfo Vantagens e desvantagens de uma rede para a organização Maior agilidade com o uso intenso de redes de computadores; Grandes interações

Leia mais

MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM DE MATERIAIS

MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM DE MATERIAIS 98 MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM DE MATERIAIS Roberta Ferreira dos Santos Graduando em Logística do Centro Universitário Augusto Motta (UNISUAM), Rio de Janeiro, RJ, Brasil roberta.santos94@yahoo.com.br Leandro

Leia mais

Governança de TI Funções Gerenciais e Estrutura Organizacional. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br

Governança de TI Funções Gerenciais e Estrutura Organizacional. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Governança de TI Funções Gerenciais e Estrutura Organizacional Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Agenda Componentes de uma empresa Objetivos Organizacionais X Processos de negócios Gerenciamento integrado

Leia mais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa,

Leia mais

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação INSTITUTO VIANNA JÚNIOR LTDA FACULDADES INTEGRADAS VIANNA JÚNIOR Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação Lúcia Helena de Magalhães 1 Teresinha Moreira de Magalhães 2 RESUMO Este artigo traz

Leia mais

Processamento de Pedidos na Mira Transportes

Processamento de Pedidos na Mira Transportes Processamento de Pedidos na Mira Transportes Sumário 1 Apresentação da empresa... 3 1.1 Histórico... 3 1.2 Diferenciais... 3 2 Processamento de pedidos: revisão teórica... 4 2.1 Preparação... 4 2.2 Transmissão...

Leia mais

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Não há mais dúvidas de que para as funções da administração - planejamento, organização, liderança e controle

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DO SISTEMA WMS PARA OTIMIZAÇÃO DOS PROCESSOS LOGÍSTICOS EM UMA EMPRESA ATACADISTA

A UTILIZAÇÃO DO SISTEMA WMS PARA OTIMIZAÇÃO DOS PROCESSOS LOGÍSTICOS EM UMA EMPRESA ATACADISTA ISSN 1984-9354 A UTILIZAÇÃO DO SISTEMA WMS PARA OTIMIZAÇÃO DOS PROCESSOS LOGÍSTICOS EM UMA EMPRESA ATACADISTA Cesar Eduardo Leite, André Francisco Oliveira Carneiro Fachin, Maria Helena Bastos Cunha (Universidade

Leia mais

ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação

ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação UNIFEI Universidade Federal de Itajubá Prof. Dr. Alexandre Ferreira de Pinho 1 Componentes de uma empresa Organizando uma empresa: funções empresariais básicas Funções

Leia mais

Tecnologias e Sistemas de Informação

Tecnologias e Sistemas de Informação Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 02 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi Marketing Prof. Angelo Polizzi Gestão de Produção Gestão de Produção Objetivos: Mostrar que produtos (bens e serviços) consumidos, são produzidos em uma ordem lógica, evitando a perda ou falta de insumos

Leia mais

Palavras-chave: logística, tecnologia da informação e sistemas de informações

Palavras-chave: logística, tecnologia da informação e sistemas de informações Tecnologia da Informação aplicada na Logística Séliu de Oliveira Pós Graduação em Logística Faculdade de Tecnologia Prof. Luiz Rosa Orientação: Prof. Marco Antonio Paletta RESUMO Nas últimas décadas o

Leia mais

SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE ARMAZÉM. O WMS Ampliado

SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE ARMAZÉM. O WMS Ampliado O WMS Ampliado O propósito deste artigo é analisar soluções em Tecnologia da Informação que têm propósito de ampliar o alcance e potencializar os resultados de Sistemas de Gerenciamento de Armazém. Iuri

Leia mais

Transformando seu investimento ERP em resultados para seu negócio

Transformando seu investimento ERP em resultados para seu negócio 1 SUMÁRIO 1 2 3 4 2 Introdução A história do ERP O que um ERP fará pelo seu negócio? 1.1 - Otimização dos processos 1.2 - Gerenciamento completo 1.3 - Informações relevantes 1.4 - Controle Tributário ERP

Leia mais

30/09/2010. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves. Como surgiu o termo?

30/09/2010. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves. Como surgiu o termo? Engenheiro Agrônomo CCA/UFSCar 1998 Mestre em Desenvolvimento Econômico, Espaço e Meio Ambiente IE/UNICAMP 2001 Doutor em Engenhariade Produção PPGEP/UFSCar 2005 Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Consultor

Leia mais

A Importância do Gerenciamento da Cadeia de Abastecimento Integrada como um Fator de Vantagem Competitiva para as Organizações.

A Importância do Gerenciamento da Cadeia de Abastecimento Integrada como um Fator de Vantagem Competitiva para as Organizações. A Importância do Gerenciamento da Cadeia de Abastecimento Integrada como um Fator de Vantagem Competitiva para as Organizações. Nathan de Oliveira Paula nathan_paula@hotmail.com IFSudesteMG Marylaine de

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO @ribeirord FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Rafael D. Ribeiro, M.Sc,PMP. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br Sistemas de Informação Sistemas de Apoio às Operações Sistemas

Leia mais

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA:

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA: Prof. Jean Cavaleiro Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA: PRODUÇÃO E COMÉRCIO Introdução Entender a integração logística. A relação produção e demanda. Distribuição e demanda. Desenvolver visão sistêmica para

Leia mais

3. Warehouse Management System (WMS)

3. Warehouse Management System (WMS) 3. Warehouse Management System (WMS) A necessidade de aprimorar as operações logísticas fez com que a empresa selecionada para o estudo de caso adotasse em seu Centro de Distribuição um sistema gerenciador

Leia mais

ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING

ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CÂMPUS CANOAS ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING RENAN ROLIM WALENCZUK Canoas, Agosto de 2014 SUMÁRIO 1 INTODUÇÃO...03 2 ERP (ENTERPRISE

Leia mais

A contribuição das contagens cíclicas para a acurácia em uma empresa do ramo gráfico: um estudo de caso

A contribuição das contagens cíclicas para a acurácia em uma empresa do ramo gráfico: um estudo de caso 63 A contribuição das contagens cíclicas para a acurácia em uma empresa do ramo gráfico: um estudo de caso Marcelo Rodrigues Fernando de Souza Cáceres (fscaceres@yahoo.com.br) Jean Carlos Cavaleiro (ajean@ig.com.br)

Leia mais

4 Warehouse Management System (WMS)

4 Warehouse Management System (WMS) 4 Warehouse Management System (WMS) O WMS (Warehouse Management System ou Sistema de Gerenciamento de Armazéns) surgiu da necessidade de se melhorar as informações e processos dentro de um armazém ou CD,

Leia mais

Politicas de Armazenagem Formador: João Matias TL02. Trabalho Realizado Por: Helena Pereira - Dora Costa - Armando Gonçalves Paulo Caiola

Politicas de Armazenagem Formador: João Matias TL02. Trabalho Realizado Por: Helena Pereira - Dora Costa - Armando Gonçalves Paulo Caiola Politicas de Armazenagem Formador: João Matias TL02 Trabalho Realizado Por: Helena Pereira - Dora Costa - Armando Gonçalves Paulo Caiola Introdução A informação sempre foi importante, essencial mesmo,

Leia mais

ARMAZÉM E SUA REPRESENTAÇÃO EM UMA OPERAÇÃO LOGÍSTICA

ARMAZÉM E SUA REPRESENTAÇÃO EM UMA OPERAÇÃO LOGÍSTICA ARMAZÉM E SUA REPRESENTAÇÃO EM UMA OPERAÇÃO LOGÍSTICA Mauro Carlo Santana da Silva Aluno do Curso de Graduação em Logística do Centro Universitário Augusto Motta (UNISUAM), Rio de Janeiro, Brasil mcses@bol.com.br

Leia mais

Aula 5 Supply Chain Management (SCM) Gestão da cadeia de suprimentos Prof: Cleber A. de Oliveira

Aula 5 Supply Chain Management (SCM) Gestão da cadeia de suprimentos Prof: Cleber A. de Oliveira 1. Introdução Aula 5 Supply Chain Management (SCM) Gestão da cadeia de suprimentos Prof: Cleber A. de Oliveira Gestão de Sistemas de Informação Os estudos realizados nas disciplinas Gestão da Produção

Leia mais

Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi. Logística Empresarial e Sistema Integrado. Objetivos do Tema. Logística

Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi. Logística Empresarial e Sistema Integrado. Objetivos do Tema. Logística Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi e Sistema Integrado Objetivos do Tema Apresentar: Uma visão da logística e seu desenvolvimento com o marketing. A participação da logística como elemento agregador

Leia mais

Distribuição Física. A distribuição física de produtos é realizada com a participação de alguns componentes, físicos ou informacionais, a saber:

Distribuição Física. A distribuição física de produtos é realizada com a participação de alguns componentes, físicos ou informacionais, a saber: Distribuição Física Objetivo da aula: Apresentar e discutir o conceito e os componentes do sistema de distribuição física, dentro do processo logístico. O objetivo geral da distribuição física, como meta

Leia mais

Organização Curricular do Curso Superior de Tecnologia em Logística

Organização Curricular do Curso Superior de Tecnologia em Logística Organização Curricular do Curso Superior de Tecnologia em Logística - TLO 2005/1 Organização Curricular do Curso Superior de Tecnologia em Logística 1 DADOS LEGAIS: Reconhecido pela Portaria MEC 134 de

Leia mais

Sistemas de Informação. Sistemas Integrados de Gestão ERP

Sistemas de Informação. Sistemas Integrados de Gestão ERP Sistemas de Informação Sistemas Integrados de Gestão ERP Exercício 1 Um arame é cortado em duas partes. Com uma das partes é feito um quadrado. Com a outra parte é feito um círculo. Em que ponto deve ser

Leia mais

MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS

MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS ISSN 1984-9354 MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS Jamile Pereira Cunha Rodrigues (UESC) Resumo Diante do atual cenário competitivo empresarial, as empresas estão buscando

Leia mais

Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos. Profª Caroline Pauletto Spanhol

Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos. Profª Caroline Pauletto Spanhol Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos Profª Caroline Pauletto Spanhol Cadeia de Abastecimento Conceitos e Definições Elementos Principais Entendendo a Cadeia de Abastecimento Integrada Importância

Leia mais